Você está na página 1de 3

Tópicos em História da Música - [Fichamento]

The Third Age of Music: The special position of Western music.

in Wiora, Walter. The Four Ages of Music.

Eduardo Costa Ribeiro, nº USP 6438170

A Terceira Idade da Música


O autor estrutura o capítulo "The Third Age" em 4 partes e inicia seu texto com uma breve
introdução destacando que o papel que a música ocidental tem ocupado dentro das
sociedades atuais, é algo sem precedentes que precisa ser encarado como um constructo 1
social, pois ele se tornou "the basis of music theory and education in all parts of the earth"
(p. 126), nos mesmos moldes quanto a cultura Grega no desesnvolvimento da "sculpture,
architecture, logic and mathematics" (p. 127):

Western musical art is not an aggregate of all music in Europe from prehistoric
times to the present, but a historical complex of trends and traditions that begun
in Carolingian times and projects into our own age. [...] Its achievements and its
fruit are unique in the history of the world; (p. 125)

1. Essential Characteristics and Course of Development


Na primeira parte do capítulo, o autor contextualiza a cultura ocidental como sendo a
cultura oriunda da porção intercontinental, ocidental, do território que hoje conhecemos
como Europa, em especial das culturas dos arredores do Mar Mediterrâneo.

O autor elenca o advento da partitura como uma das particularidades mais importantes da
música ocidental: "All high cultures are script cultures, but only the Western fully evolved the
written presentation of music and developed it into a general basis of musical practice and
education." (p. 130), legando a "readable note-picture" (p. 127) os grandes desenvolvimentos
da harmonia, estruturação e intencionalidades musicais através de uma "música pura". E
apresenta que a música toma para si um caráter de ciência — "Alongside the new, the old
continued to survive, whether pushed aside or incorporated with it." (p. 129) — gerando
conhecimento de maneira recursiva: "The self-unfolding of Western music went on for a very
long time without any essential influences from outside."

 
2. Full Graphic Notation and the Musical Work of Art
Na segunda parte do capítulo o autor corrobora a significância da notação musical como
fator condicionante para o estabelicimento "universal" da música Ocidental, elencando dez
pontos sensíveis (pgs. 130 a 132)

1. Notação, inicialmente de canções litúrgicas, de todos o gêneros musicais


2. Difusão do repertório pelo advento da prensa
3. Documentação através de tratados musicais
4. Grafar Objetivamente "all the elements of music"
5. "Make notation as far as possible independent of [oral] tradition"
6. Hierarquização dos elementos gráficos visuais
7. "the work of art objetified"
8. Notação concomitante de todos os acontecimentos musicais
9. Aprimoramento direcionado à "simplicity and general comprehenibility" do texto
musical
10. caráter transcritivo do acontecimento musical

e salienta que a "Music become a 'splendid, autocratic art,' as Herder called it, who, on the
other hand also paid tribute to its significance as Hausmusik and as the voice of humanity
and of the nations". (p. 135)

3. The Wealth of Styles and Works


O autor elucida na terceira parte do capítulo a grande variedade de gêneros e estilos
musicais: "In music history the West has, if not alwaysm at least particularly often, offered
good conditions for the unfolding od distinctive personalities and personal styles." (p. 136) e
cita como exemplos desde Josquin des Prez, Haydn, Poglietti, como senso comum da
personalização dos estilos tão caracteríscos a Bach, Mozart, Wagner mas resalta que

Peoples, social classes, cities that played a part in determining the course of
Western music history and brought to maturity in their time its walth of notable
character and colorings, arose in favorable constallations to their full historic
significance and with the setting of these constellations withdrew into the
background. (p. 138)

fazendo da música um conceito além das personificações, tendo como real distinção apenas o
emprego do âmbito sacro ou secular: "The spiritual and the temporal, the sacred and the
profane were never set upon the same level" (p. 139)

 
4. Preparation of the Fourth Age
Na parte de encerramento do capítulo, o autor faz uma generalização dos séculos XVI à XIX
como sendo o gérmen para o desenvolvimento da música no século XX. O autor explicita que
os compositores do século XIX desempenharam, principalmente, um papel de catalogação e
consolidação de todo o repertório desenvolvido ao longo desse perído de três séculos, como
fruto do que ele cita como "the 'awakening' of the nations" (p. 140): "In a series of
renascences the modern era developed the Western world's consciouness of history an set in
motion the collecting of all mankind's music heritage." (p. 142) a música

It was held to reflect the eternal harmony of the macrocosm and to be a means of
expressing and bringing to effect the inner harmony of the microcosm, the health
and happiness of mankind, musica humana. (143) [...] In addition, comparative
and methodical proofs have shown that its spread throughtout the world rests
upon the immanent universality of Western music and its systems. (p. 145)

1. [Psicologia] Modo de compreender a realidade que deriva das observações e percepções individuais, resultantes das experiências
(passadas ou presentes) de alguém. (Dicio, Dicionário Online de Português) ↩

Você também pode gostar