Você está na página 1de 6

M4P2

1. Estudar o sistema somatosensorial


Os sentidos do corpo humano são funções que permitem o nosso relacionamento com o ambiente. Por meio dos
sentidos, o nosso percebe as coisas que nos rodeiam, o que contribui tanto para manter uma relação com o meio
ambiente, quanto para a sobrevivência.

Os sentidos são agrupados em dois grupos gerais:

 Os sentidos gerais:
São os sentidos somáticos que Inclui as sensações táteis (tato, pressão, vibração, coceira e cócegas), as
sensações térmicas (calor e frio); as sensações de dor e as sensações proprioceptivas que permitem a percepção
tanto das posições estáticas (imóveis) dos membros e partes do corpo (sensação de posição de articulações e
músculos) quanto dos movimentos dos membros e da cabeça;
E os sentidos viscerais: fornecem informações a respeito dos órgãos internos, como fome e temperatura.
 Os sentidos especiais incluem as modalidades de olfato, gustação/paladar, visão, audição e equilíbrio.

CARACTERÍSTICAS GERAIS

Apesar de organizados em grupos, eles possuem algumas características gerais:

 O processo da sensibilidade:
> Estimulação do receptor sensitivo: Todas as vias sensitivas começam com um estimulo interno ou externo que atua
nos receptores sensitivos, o estimulo adequado deve ocorrer dentro do campo receptivo ( região do corpo em que a
estimulação é capaz de ativar o receptor e produzir uma resposta).
> Transdução do estimulo: O receptor sensitivo ativado é um transdutor, converte o estimulo em potencial elétrico
graduado. O receptor sensitivo responde intensamente a um tipo específico de estímulo.
>Geração de impulso nervoso: Caso esse graduado atinja um limiar, formam potenciais de ação (impulso nervoso).
Esse potencial de ação passa do receptor para o neurônio sensitivo aferente e é levado até o SNC. Os neurônios
sensitivos que conduzem o estimulo do SNP ao SNC são chamados de neurônios de primeira ordem.
>Integração da informação sensitiva: No SNC, alguns estímulos alcançam o córtex cerebral, onde terão percepção
consciente, enquanto outros vão acontecer sem a nossa consciência.

 Existem vários tipos de receptores:


No nível microoscopio
>Terminações nervosas livres: Dendritos sem revestimento, são os receptores de dor, temperatura, cocegas e
algumas sensações do tato.
>Terminações nervosas encapsuladas: Dendritos revestidos que tem uma capsula de tecido conjuntivo , as quais
aumentam a sensibilidade ou especificidade do receptor, são os receptores de pressão, vibração.
>Células separadas especializadas: formam sinapses com os neurônios de primeira ordem, são as células ciliadas
para audição, as células receptoras gustatórias.
Localização dos receptores e a origem dos estímulos que recebem
>Exteroreceptores: localizados na superfície externa do corpo, como a audição, olfato, tato, dor;
>Interoreceptores: monitoram a situação do ambiente interno, localizados nos vasos sanguíneos, músculos;
>Proprioceotires: Estão nos músculos, tendões, articulações e orelha interna. Fornecem informação a respeito da
posição do corpo, da força e da tensão muscular, posição e movimento das articulações.
Tipo dos estímulos que eles detectam:
Quimiorreceptores: respondem a moléculas ligantes químicas que se associam ao receptor;
Mecanoreceptores: respondem a formas de energia mecânica, como pressão, vibração, gravidade, aceleração e som;
Termorreceptores: a temperatura;
Fotorreceptores: a luz;
Nociceptores: a estímulos nocivos de lesão.
 Adaptação nos receptores sensitivos
A maioria dos receptores sensitivos é capaz de adaptar-se, ou seja, o potencial gerado com o estimulo diminui de
amplitude durante um estimulo continuo. Assim, a frequência do impulso nervoso no neurnio de primeira ordem
diminui, diminuindo a percepção da sensação. Como quando entramos em um banho quente e a agua inicialmente
queima, mas logo depois a temperatura parece diminuir.

A SENSIBILIDADE SOMÁTICA

Existem 4 modalidades de sensibilidade somática: tátil, térmica, dolorosa e proprioceptiva.


Os receptores são distribuídos desigualmente, algumas áreas têm grandes densidades (como a extremidade da
língua, os lábios e as extremidades dos dedos) enquanto outras possuem poucos receptores.

 SENSIBILIDADE TATIL
Ela inclui tato, pressão, vibração, prurido e cocegas.
Todas essas sensações são ativadas pelo mesmo receptor: mecanoreceptores encapsulados ligadas as fibras A
(mielinizadas e de grande diâmetro) e terminações nervosas livres, ligadas as fibras C (não mielinizadas e de menor
diâmetro).
Os receptores táteis na pele ou tela subcutânea são: corpúsculos táteis, os plexos das raízes pilosas, os
mecanoreceptores cutâneos do tipo I e II, oc corpúsculos lamelares e as terminações nervosas livres.

 Tato
É resultante do estimulo dos receptores táteis localizados na pele ou na tela subcutânea.
 Existem dois tipos de receptores de tato de adaptação rápida:
Os corpúsculos tateis, que são massas ovais de dentritos encapsulados, localizados nas papilas dérmicas da pele sem
pelo. São abundantes nas extremidades dos dedos, mamilos, ponta da língua, planta do pé.
Plexos de raízes pilosas: localizados nos locais da pele que contem pelos, são terminações nervosas livres
encontradas ao redor de folículos pilosos.
 Existem dois tipos de receptores de tato de adaptação lenta:
Mecanosreceptores cutâneos do tipo I: terminações nervosas livres que fazem contato com as células epiteliais
táteis.
Mceanosreceptores cutâneos do tipo ll: receptores encapsulados e alongados localizados na parte profunda da
derme, nos ligamentos e tendões.

 Pressão
É uma sensação prolongada sobre uma área maior que a sentida pelo tato e ocorre com a deformação dos tecidos
mais profundos. O principal receptor que contribui para pressão é o corpúsculo lamelar: estrutura com formato oval,
encapsulada e com um único dendrito. Eles também se adaptam rapidamente e estão distribuídos amplamente pelo
corpo.

 Vibração
Sinais sensitivos que se repetem rapidamente nos receptores táteis.
Os receptores de vibração são corpúsculos tateis (frequência baixa) e corpúsculos lamelares (frequência alta).

 Prurido
Resultado do estimulo que determinada substancia química, como a bradicinina ou antígenos na saliva dos
mosquitos provocam nas terminações nervosas livres, normalmente por causa de uma resposta inflamatória local.

 Cócegas
Mediada pelas terminações nervorsas livres, surge quando alguém toca em você e não quando você se toca.

 SENSIBILIDADE TÉRMICA

Os termoreceptores são terminações nervosas livres que possuem campos receptivos de cerca de 1mm de diâmetro
na superfície da pele.
Duas sensações térmicas, frio e calor, são detectadas por receptores diferentes.
 Os receptores de frio: localizados no estrato basal da epiderme e ligados as fibras A (mielinizadas e de diâmetro
médio), é ativado por temperaturas entre 10 e 40º.
 Receptores de calor: localizados na derme e ligaos as fibras C ( não mielinizadas e de diâmetro pequeno), é
ativado por temperaturas entre 32 e 48º

Eles se adaptam rapidamente a um estimulo, mas continuam a gerar impulsos com frequências menores quando o
estimulo é prolongado. Temperaturas abaixo de 10º e acima de 48º ativam os receptores de dor e não os
termoreceptores.

 SENSIBILIDADE DOLOROSA

Ela sinaliza condições nocivas que podem danificar os tecidos, sendo fundamental para a sobrevivência.
Os receptores da dor são os nocireceptores, terminações nervosas livres encontradas em todos os tecidos do corpo,
exceto no encéfalo.
Estímulos térmicos, mecânicos ou químicos intensos podem ativar os nocireceptores.
Ela pode permanecer mesmo após o estimulo, porque as substancias químicas que mediam a dor permanecem e os
receptores apresentam pouca adaptação.

Tipos de dor
 Dor rápida: Ocorre muito rápido, os impulsos são propagados por fibras A. É a dor aguda, ou inserção de
ferroada.
A dor rápida é localizada com bastante precisão na área situada. Ela surge de uma pequena área.
 Dor lenta: Mais de um segundo após o estimulo. Aumenta gradualmente de intensidade ao longo de um período
e são conduzidas por fibras C. É a dor crônica, em queimação.
A dor lenta é bem localizada, porem envolve áreas maiores, se origina de uma área maior da pele.
 Dor somática superficial: estimulo de receptores na pele;
 Dor somática profunda: estimulo de receptores em músculos esqueléticos, articulações, tendões e fáscias.
 Dor visceral: estimulo de nociceptores localizados nos órgãos viscerais. Se o estimulo envolver áreas grandes, ela
pode ser grave, podendo ser resultante de isquemia em um órgão interno.
Em alguns casos de dor visceral lenta, a dor fica localizada na área afetada. Como as membranas do pulmão
inflamadas causam dor no peito.
Ela também pode ser sentida em uma área distante, a chamada dor referida.

Fármacos analgésicos, bloqueiam a formação das prostaglandinas que estimulam os nocireceptores.


Anestésicos locais fornecem alivio da dor a curto prazo por bloquearem a condução do impulso nervoso pelos
axônios dos neurônios de dor de primeira ordem.
A morfina, alteram a qualidade da percepção da dor no encéfalo, ela ainda é sentida, mas não mais percebida como
nociva.

 SENSIBILIDADE PROPRIOCEPTIVA

 O indivíduo reconheça quais partes do corpo pertencem a si, onde eles estão localizados e como estão se
movendo. Por isso podemos caminhar e digitar sem usar os olhos.
Sinestesia: sensação dos movimentos corporais.
 As sensação são percebidas por receptores do tipo proprioceptores. Em que locais estão localizados?
Nos músculos: informam a respeito do grau de contração muscular, da posição das articulações e da tensão.
Na orelha: as células ciliadas da orelha interna monitoram a orientação da cabeça em relação ao chão e a posição
durante os movimentos, assim como para postura e equilíbrio.
 Permitem a discriminação do peso: capacidade de avaliar o peso de um objeto.
 Fuso muscular:
São proprioceptores localizados nos músculos esqueléticos. O encéfalo estabelece uns tônus muscular: o menor grau
de contração presente enquanto o musculo está em repouso.
A principal função deles é medir a força muscular: o quanto um musculo está sendo estriado.

2. Compreender as vias sensoriais


Essas vias são responsáveis por levar a informação dos receptores sensitivos somáticos para a área somatossensorial
primaria no córtex cerebral e para o cerebelo.

 As vias para o córtex cerebral são milhares de conjuntos de 3 neurônios:


 Neurônios de primeira ordem: conduzem o impulso para o tronco encefálico ou a medula espinal.
A face, a boca, os dentes e os olhos tem seus impulsos propagados pelos nervos cranianos para o tronco encefálico.
Pescoço, tronco, membros e da face posterior da cabeça tem seus impulsos propagados pelos nervos espinais para
a medula espinal.
 Neurônios de segunda ordem: conduzem o impulso do tronco encefálico e da medula espinal para o tálamo
Axônios dos neurônios de segunda ordem se cruzam em formato de X no tronco encefálico ou na medula espinal
antes de chegarem até o tálamo. ASSIM, as informações de um lado do corpo, alcançam o tálamo no lado oposto.
 Neurônios de terceira ordem: conduzem impulsos do tálamo para a área somatossensorial primaria do córtex no
mesmo lado

 Estações de relé
Regiões do SNC onde os neurônios formam sinapses com outros neurônios que são parte de uma via sensitiva ou
motora.
Ex: neurônios de muitas vias sensitivas formam sinapse com neurônios do tálamo, logo, ele é uma estação de relé.

 Os impulsos vão para o córtex por meio de 3 vias gerais:


Via funículo posterior-lemnisco medial para o córtex
 O nome dela vem a partir dos conjuntos de substancia branca que carregam o impulso: o funículo posterior da
medula espinal e o lemnisco medial do tronco encefálico.
 Impulsos nervosos de tato, pressão, vibração e propriocepção consciente dos membros, troncos, pescoço e
parte posterior da cabeça vão para o córtex por essa via.
 Os neurônios de primeira ordem dessa vai se estendem desses locais e vão para o bulbo no mesmo lado do
corpo.
Os corpos celulares desses neurônios se encontram nos gânglios sensitivos dos nervos espinais, na raiz posterior.
Na medula espinal, seus axônios formam o funículo posterior, que se divide em: fascículo grácil e fascículo
cuneiforme.
 Os axônios formam sinapses com os dendritos dos neurônios de segunda ordem cujos corpos celulares estão
localizados no núcleo grácil ou núcleo do bulbo.
 Os axônios dos neurônios de segunda ordem atravessam o lado oposto do bulbo e entram no lemminisco medial
(projeção que vai do bulbo ao tálamo).
 No tálamo, os axônios de segunda ordem fomam sinapses com os de terceira ordem que projetam seus axônios
para área somatossensorial do córtex.

Vias anterolateral para o córtex


 Impulsos de dor, temperatura, prurido e cocegas que vem do tronco, do pescoço e da parte posterior da cabeça
vão para o córtex por essa via.
 Os neurônios de primeira ordem dela conectam essas áreas com a medula espinal
Os corpos celulares desses neurônios se encontram se encontram no gânglio sensitivo do nervo espinal;
 Os terminais axônios dos neurônios de primeira ordem formam sinapses com os neurônios de segunda ordem
Os axônios dos neurônios de segunda ordem atravessam para o lado oposto da medula espinal, passam para o
tronco encefálico por meio o trato espinotalamico
 Os axônios de segunda ordem fazem sinapse com os de terceira ordem nos núcleos ventrais posteriores do
tálamo;
 Esses neurônios de terceira ordem, formam projeções para o córtex do mesmo lado em que eles se encontram
no tálamo.

Via trigeminotalmica para o córtex cerebral


 Os impulsos nervosos para a maior parte das sensações somáticas ( táteis, térmicas e dolorosas) provenientes da
face, da cavidade oral, da nasal e dos dentes vão para o córtex por essa via.
 Os neurônios de primeira ordem dela se estendem dessas áreas para a ponte através dos nervos trigêmeos. M
Os corpos celulares desses neurônios se encontram no gânglio trigeminal.
 Parte dos axônios dos neurônios de primeira ordem formam sinapse com os de segunda ordem na ponte. Outra
parte desce para o bulo e também formam as mesmas sinapses.
 Os axônios dos neurônios de segunda ordem atravessam para o lado oposto seja da ponte ou do bulbo e vão pór
essa via para os núcleos ventrais do tálamo.
 Lá, os neurônios de segunda formam sinapses com os de terceira que projetam seus axônios para a área
primaria do córtex somatossensorial do mesmo lado do tálamo.

3. Entender a área de integração cortical


O córtex possui áreas especificas que recebem influxos sensitivos somáticos de partes especificas do corpo.
Outras áreas do córtex cerebral fornecem efluxos na forma de instruções para o movimento de partes especificas do
corpo.
 As áreas funcionais do córtex podem ser divididas em:
Áreas de Projeção - as que estão relacionadas diretamente com a sensibilidade e com a motricidade.
Áreas de Associação - as demais áreas.

 As áreas de projeção são as chamadas áreas somatossensoriais primarias


Está localizada no giro pós-central dos lobos parietais do córtex
Cada região nessa área recebe informação sensitiva de uma parte especifica do corpo
O hemisfério direito, recebe informações do lado esquerdo e vice-versa.
Homúnculo sensitivo: O tamanho da região que determinada área do corpo possui no córtex somatossensorial está
relacionado com o número de receptores.
Por ex: Os lábios, face, língua e mão possuem regiões maiores pois tem mais receptores nas regiões correspondentes
do corpo que tronco e membros inferiores, que possuem regiões menores, pois tem menos receptores.

 O tamanho da região cortical que representa uma parte do corpo pode expandir ou encolher, depende do
quanto os receptores recebem estímulos
Pessoas que aprendem a ler braile, ventualmente tem uma região cortical maior na área somatossensorial que
apresenta a ponta dos dedos.

Você também pode gostar