Você está na página 1de 14

3

1. INTRODUÇÃO

Atualmente, a escola tem seu papel fundamental na construção e


socialização dos conhecimentos. Durante os processos de alfabetização é
necessário que a aquisição da leitura e escrita seja pautado na criança e nas suas
formas de aprender, garantindo que ele reflita e assim construa meios de se
apropriar da língua escrita. Ao falar em ludicidade, destaca-se que o brincar, a
imaginação e o criar percorrem toda a infância. É de suma importância salientar, que
por meio da ludicidade deve-se estimular as percepções visuais, auditivas, memória,
imaginação, entre outras funções. Tais pontos associados, e usados de forma
internacionalizada, dão condições para o desenvolvimento da leitura e escrita, além
do conhecimento de questões sociais.
As brincadeiras infantis são importantes formas de comunicação. O ato de
brincar predispõe o processo de aprendizagem da criança visto que facilita a
construção da observação, da autonomia e da criatividade determinando nesse
aspecto uma relação próxima entre brincar e aprender. Salientando que este
promove o desenvolvimento integral do ser humano nos aspectos físicos, social,
cultural, afetivo, emocional e cognitivo.
Através das brincadeiras as crianças transformam os conhecimentos que já
possuíam anteriormente em conceitos, tomam decisões, escolhem o que expressam
por gestos, olhares e com palavras são capazes de compreenderem o mundo.
Ampliar a visão do brincar no aspecto constituinte do desenvolvimento e da
aprendizagem da criança na convivência com o novo e no resgate do tradicional. O
brincar é uma ação livre que conduzida pela criança, surge a qualquer hora, não
exige como condição um produto final, relaxa, envolve, ensina regras, linguagens,
desenvolvendo habilidades e possibilita viajar no mundo imaginário. É no brincar que
a criança tem o poder de decisão, expressando sentimentos e valores, conhecendo
a si mesmo, aos outros e ao mundo. A brincadeira é para elas um espaço de
investigação e construção de conhecimentos sobre si e sobretudo do mundo que
acerca. Portanto, o objetivo geral desse trabalho tem por finalidade identificar a
importância da ludicidade na educação infantil.
4

2. DESENVOLVIMENTO
2.1 A CONCEPÇÃO DA LUDICIDADE
O uso de jogos e brincadeiras em sala de aula tem sido atribuído a conceitos
lúdicos, entretanto como Luckesi (2005) afirma o brincar só pode ser considerado
atividade lúdica se propiciar a interação do indivíduo com o ambiente gerando assim,
expressões de aprendizado. Métodos lúdicos provocam novos conhecimentos,
desenvolvimento da criatividade, de habilidades e da sociabilidade. É importante
salientar que, nem toda brincadeira é atividade lúdica e atividades lúdicas não são
apenas brincadeiras. A ludicidade pode ser compreendida como atividades que
facilitam o desenvolvimento cognitivo, psicológico e físico atrelado à imaginação, a
criatividade e o social.
Na Educação Infantil, o trabalho pedagógico deve estar elencado no
respeito à singularidade das crianças e à pluralidade de infâncias que se
‘delineiamʼ na sociedade, dependo do contexto geográfico, dos fatores
culturais, econômicos e históricos de um dado contexto. São muitas as
possibilidades e sujeitos envolvidos no planejamento e na organização do
trabalho pedagógico do professor. (ANJOS, 2020)

   Com a mediação de adultos, os jogos podem ser usados para ensinar


crianças de diferentes idades em uma situação estruturada. Embora seja enfatizada
a importância de brincar sem qualquer pressão sobre o crescimento das crianças, o
papel dos educadores como mediadores e estimuladores da aprendizagem ainda é
muito proeminente, pois por meio desse tipo de orientação, o conteúdo intuitivo se
tornará a lógica única do processo educacional. Portanto, assim como Kishimoto
(1993) aponta, a forma de aprender será mesclar o tempo inicial de jogo para que
ela ouse pensar, falar e ser ela mesma, e aceitar atividades orientadas por
educadores, nesta atividade, esse conhecimento será mais sistemático.
As brincadeiras na Educação Infantil são atividades lúdicas bastante
utilizadas pelos professores (as) nas salas de aula, elas representam muito
mais do que um “faz de conta”, é um momento privilegiado, que oferece as
crianças a possibilidade de experimentarem situações novas,
compartilharem experiências, bem como as preparam para superar novos
desafios. (CARMO, et all, 2017, p. 12901)

Por meio do lúdico as crianças podem imaginar, criar, ressignificar


experiências. Dessa forma, o ponto principal é proporcionar uma educação que
também possibilite diversão, e assim, desenvolver outras áreas. Assim sendo, é
importante a compreensão de como o uso do lúdico pode auxiliar nos processos,
para dessa forma, ir além de atividades recreativas.
5

2.2 O Brincar na interface da Ludicidade


Na educação infantil a Ludicidade aparece de diferentes formas, umas delas é
o brincar. Ao buscar o significado da palavra brincar, o dicionário online, “Dicio”
define “brincar” como “Entreter-se com brinquedos ou jogos infantis: brincar com
jogos de tabuleiro; gosta de passar as manhãs brincando.” (BRINCAR, 2021).
Mas Kishimoto (1993) afirma que, “o brincar é fundamental para o
desenvolvimento da autonomia e identidade. As crianças, desde cedo, se
comunicam por sons, gestos e posteriormente a imaginação” (p. 45). É possível
dizer que brincar é uma atividade espontânea e de suma importância para formação
infantil. Enfim, segundo isso, é através do brincar que a criança desenvolve por
inteiro.
Carmo,et all (2017) aponta quando a aprendizagem é realizada através do
brincar, ela se torna mais prazerosa e mais eficaz, visto que, a criança se mostra
interessada em aprender.
A ludicidade é a forma da criança de aprender e se desenvolver, de se
apropriar da cultura que a cerca de forma prazerosa, para que desperte o
seu interesse. Para tanto, as atividades lúdicas não deve ser impostas, se
assim for, perde sua principal característica, a liberdade de escolha, e o
propósito de uma atividade baseada em seu interesse. (CARMO, et all,
2017, p 12908)

Através do brincar é possível alcançar diversos aprendizados e ganhos para


educação. É de fundamental importância para a aprendizagem da criança por que é
através dela que a criança aprende, gradualmente desenvolve conceitos de
relacionamento casuais ou sociais, o poder de descriminar, de fazer julgamentos, de
analisar e sintetizar, de imaginar e formular e inventar ou recriar suas próprias
brincadeiras.

2.3 A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A BNCC (Brasil, 2017), apresenta vários campos de experiências, onde através de


cada um deles, o brincar se faz necessário para o aprendizado. Kshimoto (2006)
antes da criação da Base nacional, já apresentava, a ludicidade como fundamental
para o ensino das crianças pequenas do Brasil. A autora, apresenta algumas
formas do brincar que muitas vezes são utilizadas na escola de educação infantil.

“Existem várias formas de brincar, a criança pode brincar de amarelinha,


6

pião, carrinho, boneca, pega-pega, corda, bambolê, com bola arremessando


ou em um jogo disputando com outras crianças, jogo de tabuleiros, jogos
pedagógicos ou simplesmente brincadeira de imitação. Como exemplo, pode-
se citar quando a criança pega uma boneca e brinca de “filhinha” ou de fazer
comidinha em um fogãozinho de brinquedo, em todas estas brincadeiras a
criança irá aprender e desenvolver suas habilidades.” (KISHIMOTO, 2006, p.
18)
Ainda segundo Kishimoto, através da ludicidade a criança expressa seus
sentimentos, suas vivencias e problemas, o que possibilita o professor enxergar com
clareza as necessidades de cada criança em sua sala
É importante que o brincar seja uma ação consecutiva no cotidiano. A
criança precisa estar livre para que possa realizar suas ações, expressar
sentimentos e compartilhar com os outros. (Kishimoto, 2010)

Kishimoto (2010) argumenta sobre a divergência entre o brincar livre e dirigido,


visto que, muitas pessoas pensam que não se pode fazer o brincar dirigido por isso
ser tachado como algo ruim. A autora, discorre que se deve criar um meio termo
entre os dois pontos, pois, relembra que, a pouca qualidade da educação infantil
pode estar relacionada com a oposição que alguns estabelecem entre o brincar livre
e o dirigido. (KISHIMOTO, 2010, p. 1)

Onde esse discursão não acrescenta no desenvolvimento infantil. É importante


salientar que,

O aprendizado é o que promove o despertar dos processos internos do


desenvolvimento, que se faz importante no contado com os indivíduos para
ocorrer esses processos, por exemplo, se um indivíduo vive em um grupo
social onde a língua é o inglês e ao se descolar para um outro grupo social
onde a língua é o português, ele estará passando pelo processo de
aprendizado dessa nova língua, despertando e alterando o seu
desenvolvimento interno, deixando claro que o aprendizado promove o
desenvolvimento do sujeito e sua relação o ambiente sociocultural (CARMO,
et all, 2017, p. 12905)

Ignacio (2015) afirma que atividade lúdica é capaz de fazer com que s crianças se
tornar mais calmas e criar momentos de puro prazer e bem estar o que auxilia em
sua vida adulta ser capaz de solucionar melhor seus problemas. Segundo ele,

a criança que brinca a partir de si mesmo, se acalma, respira


profundamente e entra num estado de bem estar, onde ela sente uma
profunda confiança na existência. Esta confiança se transforma na idade
adulta em fé na vida, em fé em si próprio e no seu destino. (IGNACIO, 2015,
p. 2)

Por isso se faz necessário, apresentar para os alunos, brincadeiras e jogos de


diversas formas: cantadas, com brinquedos estruturados ou não, folclóricas, com
elementos da natureza, sempre pensando em quem é o indivíduo que estamos
7

lidando em sala de aula, para que as crianças possam se desenvolver por inteiro.

3. SEQUÊNCIA DIDÁTICA

Tema: Figuras Geométricas no Cotidiano Tempo previsto: 4 horas e 30


min

Agrupamento etário ou turma: 4 anos de Idade

Apresentação da sequência:

A presente sequencia didática visa utilizar os jogos visando promover uma


aprendizagem que aborde diferentes campos da natureza. É importante que por meio
das atividades os alunos sejam capazes de se desafiar, de problematizar e ativar seus
conhecimentos. Para além, é necessário que também se trabalhe a importância de
compreender e seguir as regras, a conviver e a se autoconhecer.

Para tal, será dívida em três partes, sendo a primeira, uma aula onde as crianças
deverão reconhecer a presença de figuras geométricas em objetos em sala de aula; a
segunda, onde os alunos produzirão desenhos do parquinho utilizando figuras
geométricas; e a terceira, que as crianças deverão construir um brinquedo ou percurso
com os objetos trazidos de casa.

Desenvolvimento da sequência:

Objetivos de Campos de Desenvolvimento Recursos Avaliação


aprendizagem e experiência
desenvolvimento

(EF01MA14) Espaços, Plano 1 Slide com Será feita de


Identificar e tempos, Atividade 1: Feito as formas forma
isso, propor uma
nomear figuras quantidades, geométricas continua,
roda de conversa
planas (círculo, relações e sobre o formato ; onde a
de coisas, objetos,
quadrado, transformaçõe participação
móveis. Assim, Tabela.
retângulo e s será possível será crucial
8

levantar os
triângulo) em conhecimentos para
desenhos prévios trazidos compreender
pelas crianças
apresentados em acerca do tema e o
diferentes discutir sobre as entendimento
semelhanças e
disposições ou diferenças entre da criança.
em contornos de os objetos.

faces de sólidos Atividade 2:


Apresentar a
geométricos. discussão sobre
formas
geométricas
planas: círculo,
quadrado,
retângulo e
triângulo. Feito
isso, identificar e
discutir as
características e
nome das formas
geométricas.

Atividade 3:
Perguntar para as
crianças se existe
na sala algum
objeto que se
parecem com as
figuras
geométricas e
propor de
procurar. Assim,
levantar as
hipóteses das
crianças acerca
da existência ou
não de objetos
que se pareçam
com formas
geométricas
planas dentro da
sala de aula.

Atividade 4:
Construir uma
tabela com os
9

objetos e as
figuras que elas
se parecem.
Assim deve-se
encorajar as
crianças a lançar
hipóteses sobre
os objetos e
mobiliários
encontrados na
sala de aula,
relacionando-os
com os nomes
das formas
geométricas
planas
apresentadas;
retomar as
características
que definem o
quadrado, o
retângulo, o
triângulo e o
círculo como
formas
geométricas
planas.

Atividade 5:
Nesse momento
deve-se retomar
as características
das figuras
geométricas.
Poderá propor
uma roda para
que as crianças
possam debater o
que foi aprendido
na sala de aula.

(EF01MA14)
Espaços, Plano 2 Figura Para além da
Identificar e
nomear figuras tempos, geométrica observação
planas (círculo, Atividade 1:
quantidades, em EVA; da
quadrado, Retomar os
retângulo e relações e participação
triângulo) em conceitos Papel A4;
transformaçõe e
desenhos
10

apresentados em
s trabalhos da aula Cola; entendimento
diferentes
disposições ou anterior. Pode das crianças,
em contornos de Figuras
usar figuras utilizar dos
faces de sólidos Geométricas
geométricos. geométrica de desenhos
em Papel
EVA para poder para
Cartão.
exemplificar entender a
melhor. compreensão
e consolidar
Atividade 2: Levas
a atividade.
as crianças no
parquinho. Feito
isso, deixá-las
utilizar os
brinquedos. Após,
perguntar quais
se eles
reconhecem
alguma figura
geométrica
trabalhada em
sala de aula
naqueles
brinquedos.
Nesse momento,
é importante ouvir
as hipóteses dos
alunos e conduzir
a conversa.

Atividade 3:
Retomar a sala de
aula. Feito isso,
utilizar as figuras
de EVA para
11

relembrar as
características.
Propor que as
crianças façam
um desenho do
parquinho
utilizando as
figuras
geométricas. Para
facilitar, pode-se
utilizar formas
geométricas de
papel cartão e
distribuir entre os
alunos.

Atividade 4: Em
roda, propor que
os alunos
apresentem seus
desenhos.
(EF01MA14)
Espaços, Plano 3 Objetos Essa
Identificar e
nomear figuras tempos, trazidos de atividade
planas (círculo, Atividade 1: Para
quantidades, casa; será utilizada
quadrado, essa atividade,
retângulo e relações e para
triângulo) em pedir que os
transformaçõe observar a
desenhos alunos tragam de
apresentados em s consolidação
diferentes casa um objeto
das crianças,
disposições ou que tenha uma
em contornos de por isso é
faces de sólidos figura geométrica.
importante
geométricos. Assim, no início
observar os
da aula retomar
processos e
os conceitos já
as
trabalhados.
12

Atividade 2: Dividir discussões


os alunos em realizadas
grupos de 5, ou por eles.
de acordo com o Assim, a
número de avaliação se
crianças da turma. dará por
Assim, propor que meio da
os alunos observação
construam um das
brinquedo ou atividades
percurso com realizadas.
aqueles objetos
trazidos de casa.
É importante que
nesse momento a
professora
garanta a
mediação as
construções das
crianças.

Atividade 3: Em
roda, propor que
as crianças
apresentem a
construção
realizada e propor
uma exposição na
escola.
CONCLUSÃO
Para finalizar, diante do que foi feito e estudado, apresentam-se as
considerações finais a respeito da importância da ludicidade na educação infantil,
destacando a sua importância no contexto educacional, pois a prática do brincar no
desenvolvimento da criança integra princípios importantes para que se chegue a
13

uma educação de qualidade para o avanço em diversos pontos. Neste sentido,


constata-se que é viável e bastante significativo considerar as atividades lúdicas no
Currículo de Educação Infantil, pois o lúdico deve ganhar um espaço e um tempo
criado para seus próprios fins.
Desta forma temos várias razões para estimular os jogos e brincadeiras, pois
sabemos que é extremamente importante para o desenvolvimento cognitivo, motor,
afetivo e social da criança. É brincando que a criança expressa vontades e desejos
construídos ao longo de sua vida, e quanto mais oportunidades a criança tiver de
brincar mais fácil será o seu desenvolvimento, pois ela irá conseguir lidar com
situações novas e inesperadas, e agir de maneira independente conseguindo
enxergar e entender o mundo fora do seu cotidiano.
Enquanto seres pensantes que estão em imenso crescimento, através das
atividades lúdicas elas sentem o prazer e a liberdade de aprender desenvolvendo
experiências que jamais poderiam pratica-las de outra maneira.
A partir deste estudo realizado ao tema deste texto, conclui-se que durante a
infância a criança se torna única e incomparável, aprende a brincar e ao aprender
ela pensa, analisa sobre sua realidade, cultura e o meio em que está inserida,
criando forma, conceitos, percepções e cada vez mais se socializa através das
interações. Na hora de pensar contextos significativos de aprendizagem é preciso,
sobretudo, ter clareza do papel do professor e do lugar que a criança ocupa como
centro do processo. Toda e qualquer ação desenvolvida no contexto escolar deve
ser envolta de intencionalidade educativa, o que requer reflexão, preparo e
planejamento.
14

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, Paulo Nunes de. Educação lúdica: técnicas e jogos pedagógicos. São
Paulo: Loyola, 1995.

ANJOS, Ana Maura Tavares dos. Organização do trabalho pedagógico na Educação


Infantil: desafios e possibilidades no trabalho com sequências didáticas. Revista
Educação Pública, v. 20, no 48, 15 de dezembro de 2020. Disponível em: Revista
Educação Pública - Organização do trabalho pedagógico na Educação Infantil:
desafios e possibilidades no trabalho com sequências didáticas (cecierj.edu.br).
Acesso em: 22 ago. 2021.

BRINCAR. In: DICIO, Dicionário Online de Português. Porto: 7Graus, 2020.


Disponível em: <https://www.dicio.com.br/brincar/>. Acesso em: 17 de maio de 2021.

BRASIL.Lei nº 8.069. De 13 de julho de 1990. Estatuto da criança e adolescente.


Disponivel em<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm >. Acesso em: 17
de maio de 2021.

__________Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – BNCC


Versão Final. Brasília, DF, 2017.

___________. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Secretaria de


Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a educação
Infantil. Introdução vol.1. Brasília: MEC, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes


Curriculares Nacionais Para a Educação Infantil. Brasília, MEC, SEB, 2010. p. 25.

CARMO, Carliani Portela da; VEIGA, Elaine Cristina Freitas; CINTRA, Rosana Carla
Gonçalves Gomes; LIMA, Sarah da Silvia Corrêa. A ludicidade na Educação Infantil:
Aprendizagem e Desenvolvimento. In XIII Educere - Congresso Nacional de
Educação. Curitiba, PR: 2017. Disponível em:
https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/23662_12144.pdf. Acesso em: 22 ago.
2021.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Brinquedo na educacao: consideracoes


historicas. Ideias, São Paulo, n. ju 1990, p. 39-45, 1990. Disponível em:
<http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_07_p039-045_c.pdf>. Acesso em: 17
de maio de 2021.

__________________. Jogos infantis: o jogo, a criança e a educação. Petrópolis:


Vozes,1993.

_________________. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. Porto Alegre:


Artmed, 2006. Disponível em:

<https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/4386868/mod_resource/content/1/Jogo
%2C%20brnquedo%2C%20brincadeira%20e%20educa%C3%A7%C3%A3o.pdf>
15

Acesso em: 17 de maio de 2021.

___________________.Brinquedos e brincadeiras na Educação Infantil. Belo


Horizonte: ANAIS DO I SEMINÁRIO NACIONAL: CURRÍCULO EM MOVIMENTO –
Perspectivas Atuais. 2010. Disponível em:
<http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2010-pdf/7155-2-3-brinquedos-
brincadeiras-tizuko-morchida/file>. Acesso em: 17 de maio de 2021.

IGNACIO, Renate keller. Para ter criatividade, resiliência e coragem é preciso


brincar!,. Território do Brincas, São Paulo, p. 2, 8 jul. 2015.Disponível em:
<https://territoriodobrincar.com.br/wp-
content/uploads/2015/06/Indicacao_Ute_Renate_Keller_Ignacio_Para_ter_criatividad
e_resiliencia_e_coragem_e_preciso_brincar.pdf>. Acesso em: 17 de maio de 2021.

NEGRINE, Airton. Concepção do jogo em Piaget. In: ______ Aprendizagem &


Desenvolvimento Infantil: Simbolismo e Jogo. Porto Alegre: Prodil, 1994, p. 32-
45.

ONU - Organização das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos


Humanos da ONU. 2006.

SANTIN, Silvino. Educação Física: da alegria do lúdico à opressão do rendimento.


Porto Alegre: EST/ESEF-UFRGS. 2001.

SANTOS, S. M. P. Brinquedoteca, a criança, o adulto e o lúdico. 6ª ed.


Petrópolis: Vozes, 2008.

Você também pode gostar