Você está na página 1de 5

Universidade da Amazônia

Centro de Ciências Biológicas e Saúde


Curso bacharel em Enfermagem

Atividade Avaliativa da disciplina Saúde Coletiva II


Docente: Dr. Luzia Beatriz
Discente: EDUARDO PASTANA CARDOSO
Matrícula: 26156040

1. Atribuições do ACS, Técnico em enfermagem e enfermeiro na atenção ao Idoso.

Agente Comunitário de Saúde (ACS)

Desenvolver ações que busquem a integração entre a equipe de saúde e a população adscrita
à UBS, considerando as características e as finalidades do trabalho de acompanhamento de
indivíduos e grupos sociais ou coletividade; II - Trabalhar com adscrição de famílias em base
geográfica definida, a microárea; III - Estar em contato permanente com as famílias
desenvolvendo ações educativas, visando à promoção da saúde e à prevenção das doenças, de
acordo com o planejamento da equipe; IV - Cadastrar todas as pessoas de sua microárea e
manter os cadastros atualizados; V - Orientar famílias quanto à utilização dos serviços de saúde
disponíveis; VI - Desenvolver atividades de promoção da saúde, de prevenção das doenças e
de agravos, e de vigilância à saúde, por meio de visitas domiciliares e de ações educativas
individuais e coletivas nos domicílios e na comunidade, mantendo a equipe informada,
principalmente a respeito daquelas em situação de risco; VII - Acompanhar, por meio de visita
domiciliar, todas as famílias e indivíduos sob sua responsabilidade, de acordo com as
necessidades definidas pela equipe; e VIII - Cumprir com as atribuições atualmente definidas
para os ACS em relação à prevenção e ao controle da malária e da dengue, conforme a Portaria
nº 44/GM, de 3 de janeiro de 2002.

Técnico de Enfermagem

I - Realizar assistência integral (promoção e proteção da saúde, prevenção de agravos,


diagnóstico, tratamento, reabilitação e manutenção da saúde) aos indivíduos e famílias na USF
e, quando indicado ou necessário, no domicílio e/ou nos demais espaços comunitários
(escolas, associações etc.), em todas as fases do desenvolvimento humano: infância,
adolescência, idade adulta e terceira idade; II - Conforme protocolos ou outras normativas
técnicas estabelecidas pelo gestor municipal ou do Distrito Federal, observadas as disposições
legais da profissão, realizar consulta de enfermagem, solicitar exames complementares e
prescrever medicações; III - Planejar, gerenciar, coordenar e avaliar as ações desenvolvidas
Universidade da Amazônia
Centro de Ciências Biológicas e Saúde
Curso bacharel em Enfermagem
pelos ACS; IV - Supervisionar, coordenar e realizar atividades de educação permanente dos ACS
e da equipe de enfermagem; I - Realizar assistência integral (promoção e proteção da saúde,
prevenção de agravos, diagnóstico, tratamento, reabilitação e manutenção da saúde) aos
indivíduos e famílias na USF e, quando indicado ou necessário, no domicílio e/ou nos demais
espaços comunitários (escolas, associações etc.), em todas as fases do desenvolvimento
humano: infância, adolescência, idade adulta e terceira idade; II - Conforme protocolos ou
outras normativas técnicas estabelecidas pelo gestor municipal ou do Distrito Federal,
observadas as disposições legais da profissão, realizar consulta de enfermagem, solicitar
exames complementares e prescrever medicações; III - Planejar, gerenciar, coordenar e avaliar
as ações desenvolvidas pelos ACS; IV - Supervisionar, coordenar e realizar atividades de
educação permanente dos ACS e da equipe de enfermagem;

2. Disserte sobre incontinência urinária e depressão em idosos.

A incontinência afeta significativamente o bem-estar da pessoa. Além dos


sintomas físicos incomodativos, poderá ter repercussão sobre as relações
sociais e comportamentais, gerando receio e desconforto em frequentar locais
públicos ou mesmo em sair de casa. Atualmente existem tratamentos eficazes:
É importante comentar os sintomas com o médico assistente. O diagnóstico
faz-se essencialmente pelos sintomas, mediante a colheita de uma história
clinica completa e exame físico. Em alguns casos poderá ser necessário
solicitar outros exames, em função da sintomatologia, como análises de
sangue e urina, ecografia pélvica, ginecológica, prostática, entre outros. A
incontinência urinária atinge 10 milhões de brasileiros de todas as idades,
sendo duas vezes mais comum no sexo feminino, afirma a Sociedade
Brasileira de Urologia. É um problema que afeta todas as faixas etárias, mas
acomete mais a população idosa. Causa um impacto muito grande na
qualidade de vida das pessoas. Constrangimento social, mau cheiro etc. O
grande problema é o impacto que ela causa. Tornam-se pessoa deprimidas,
que perdem suas relações sociais e familiares.
A depressão é uma enfermidade que pode ocorrer em qualquer
faixa etária. Geralmente, os familiares procurar ignorar ou mascarar a doença,
por não saberem como tratar, visto que não é algo exposto, fácil de visualizar.
Por ser entendida como um mal da alma, por falta de informação as pessoas
tendem a esconder, pois existe o preconceito por parte destes familiares e da
sociedade em geral com este tipo de doença. Nos idosos ela pode vir a se
instalar por vários fatores, tanto de ordem social como de ordem física. O fator
social pode ser desencadeado por aposentadoria, por perda do cônjuge, pela
Universidade da Amazônia
Centro de Ciências Biológicas e Saúde
Curso bacharel em Enfermagem
saída dos filhos de casa por terem atingido a tão almejada independência
fazendo que a pessoa sinta-se como inútil, por não estar trabalhando ou
vivendo em função de alguém. Fica a sensação de vazio que uma vez não
preenchida com outras atividades, com a participação em grupos ou o
desenvolvimento de novas habilidades ou, ainda, até com a prestação de
trabalho voluntário que pode vir a se transformar em depressão. No que se
refere aos fatores de ordem física, podemos citar a deficiência visual que é
muito comum nos idosos, como no caso de catarata que faz com que a pessoa
vá perdendo a visão. Também a diabetes pode causar este tipo de problema o
que gera insegurança e até a impossibilidade de ter uma vida social normal,
vindo a causar a depressão. O mesmo ocorre com problemas de ordem
motora. A situação financeira, ou seja, a falta de condições para arcar com as
necessidades nesta fase da vida por si só já é motivo de ansiedade que pode
se transformar, se não tratada, em depressão. Um outro fator capaz de gerar a
depressão é a falta de afetividade, ou seja, falta de carinho de familiares o que
produz bem estar, segurança, valorização, autoestíma e reforço dos vínculos,
fazendo com que o idoso tenha reforçado o sentimento de pertencimento, ou
seja, de estar inserido, aceito e amado dentro de um grupo familiar. A
depressão também pode ocorrer por questões genéticas, pela falta de alguma
substância no cérebro. É importante a busca do tratamento, tanto médico como
psicológico, pois existe a necessidade de medicação, que é fundamental para a
superação da enfermidade, mas também existe a necessidade de
acompanhamento e apoio por parte de um psicólogo para que a pessoa tenha
segurança para mudar o comportamento.

3. Disserte sobre acuidade visual e acuidade auditiva em idosos.


A prevalência da deficiência visual na população idosa é alta. A acuidade visual
diminuída tem repercussões importantes na função visual e na capacidade
funcional dos idosos(7). há na visão, várias alterações orgânicas comumente
manifestadas durante o envelhecer que levam à diminuição da acuidade visual,
a qual pode ser ou não restabelecida. A acuidade visual diminuída tem
repercussões importantes na função visual e na capacidade funcional dos
idosos. Neste sentido, a perda de acuidade visual é considerada um sinal
comum na população de idosos. Relaciona-se a velhice ao aparecimento de
doenças oculares que podem levar à baixa visão, associando-se à perda da
autonomia e independência.  A baixa visão é relatada como o terceiro mais
importante problema cronico do idoso, após as artrites e as cardiopatias e não
podem ser corrigidas por cirurgias, tratamento clínico ou lentes convencionais,
sendo indicada conduta reabilitacional. Considera-se baixa visão, quando o
valor da acuidade visual corrigida no melhor olho é menor do que 20/60 e maior
ou igual a 20/400, ou o seu campo visual é menor do que 20 graus no melhor
olho, com a melhor correção óptica. demonstra ser relevante o conhecimento e
a avaliação dos problemas vivenciados pelos idosos com baixa visão, e os
dados coletados nessa avaliação irão fornecer ferramentas necessárias para
ajudá-los a manter ou adquirir uma boa qualidade de vida. A melhora na
qualidade da função visual do idoso está ligada com a qualidade de vida do
mesmo, pois, sabe-se que os idosos que enxergam melhor sofrem menos
Universidade da Amazônia
Centro de Ciências Biológicas e Saúde
Curso bacharel em Enfermagem
quedas, cometem menos erros com medicações, apresentam menos
depressão e menor isolamento social, são mais independentes e têm melhor
qualidade de vida em suas casas, com menos perturbações emocionais, as
quais, quando presentes, são atenuadas pela assistência médica adequada.
O processo de envelhecimento é um fenômeno contemporâneo que dá origem
à problemas que necessitam ser estudados e compreendidos. A longevidade
leva a um maior tempo de atividade social e econômica e fatores que
atrapalhem ou impossibilitem estas atividades podem causar desconforto a
cidadãos idosos. Umas das principais alterações sensoriais encontradas nesta
fatia da população é conhecida como presbiacusia, que é a perda auditiva
associada ao envelhecimento. O objetivo deste trabalho foi fazer uma revisão
bibliográfica sistemática e atual acerca dos sintomas associados à perda
auditiva em idosos, identificando os tipos de perda auditiva, as queixas
audiológicas e os impactos psicossociais ocasionados. O estudo caracteriza-se
como pesquisa bibliográfica em motores de busca como Periódicos Capes
(Web of Sciencie, Scopus, Scielo), onde os descritores utilizados para captação
de artigos científicos em inglês e português para pesquisa foram: audiometria
(audiometry); Idoso (elderly); perda auditiva (hearing loss), e foram
pesquisados e utilizados preferencialmente artigos dos últimos cinco anos
(2013 a 2017). A deficiência auditiva no idoso é fenômeno complexo, onde há
uma alteração significativa no limiar audiométrico do indivíduo, bilateral e de
maneira simétrica, suas maiores implicações são na discriminação ou
compreensão da fala, é lenta e ocorre de forma progressiva. Os problemas que
se apresentam em virtude da perda auditiva não se restringem à comunicação,
as pessoas apresentam concomitantemente à diminuição da acuidade auditiva
sintomas como zumbido e isolamento, e são também vítimas de impactos
psicossociais importantes, e como consequência um declínio na sua qualidade
de vida. Assim parece plausível a correlação entre a perda auditiva e o
acometimento de diferentes tipos de impactos psicossociais em idosos com
esta deficiência. Ressalta-se que a implantação de serviços eficientes de
saúde, com atuação de equipes multidisciplinares e recursos que pudessem
atender a população idosa de maneira digna , poderiam minimizar e
4. Disserte a respeito dos tipos de violência ao idoso: física, sexual e
psicológica.
A proporção de pessoas com idade superior a 60 anos está crescendo mais
rapidamente que qualquer outra faixa etária em todo o mundo. Além das
perdas biológicas, psicológicas e sociais, o idoso se defronta com as
dificuldades do ambiente onde vive e os locais que frequenta. Um tema que
vem gerando preocupação é a violência contra o idoso, que no decorrer dos
últimos anos, está começando a fazer parte das políticas destinadas a esta
população, pois ela traz consequências graves aos mesmos. A dissertação
teve como objetivo estimar a prevalência de violência contra idosos e fatores
associados, a partir de um estudo transversal realizado na cidade de
Florianópolis, SC nos anos de 2009 e 2010. Foram calculadas as prevalências
de cada tipo de violência (psicológica, verbal, financeira e física) e verificada a
Universidade da Amazônia
Centro de Ciências Biológicas e Saúde
Curso bacharel em Enfermagem
prevalência da violência geral segundo as categorias das variáveis
exploratórias. Em seguida, por meio da Regressão Logística, testaram-se os
fatores associados à violência geral. Constatou-se que as mulheres relataram
sofrer mais violência em relação aos homens. Solteiros(as) ou divorciados(as)
apresentaram maior frequência do desfecho. Da mesma forma, a violência foi
mais prevalente naqueles indivíduos menos escolarizados, com dependência
moderada/grave para realizar suas atividades diárias e percepção de saúde
ruim. Indivíduos que moravam sozinhos; com cuidador, filhos ou netos
apresentaram maior proporção de violência. Desta forma enfatizamos que são
necessárias políticas e planejamento que subsidiem e oferecem estruturas
para que os idosos e seus familiares ou cuidadores possam ter um
envelhecimento mais saudável, e que desta forma eles sejam menos vítimas
de violência.
5. Defina a osteoporose e explique sua definição, sua prevenção e
tratamento em idosos.
A osteoporose aparece quando a formação do osso não é adequada,
geralmente por deficiência de cálcio e vitamina D na infância e na
adolescência; ou quando há um desgaste excessivo dos ossos. Esse desgaste
ocorre principalmente nos adultos e em idosos em decorrência de:
 Menopausa e andropausa
 Uso de alguns medicamentos
 Doenças específicas
 Envelhecimento
Formas de prevenção: Pratica de exercício físicos, tomar sol de forma correta,
segui dieta rica em cálcio e não fumar e evitar uso de álcool.

Você também pode gostar