Você está na página 1de 2

SEMANA 1:

Olá! Me chamo Luiza, tenho 24 anos. Fiz alguns semestres de Tecnologia de Alimentos na
instituição de ensino IFRS. Neste ano consegui uma bolsa através do PROUNI e agora
comecei a cursar Engenharia Química.

Como eu havia dito anteriormente, sou aluna nova e essa é a primeira matéria que participo,
embora esteja atrasada, espero poder compreender todo conteúdo, que seja de muito
aprendizado! E mais uma vez, agradeço a oportunidade!

SEMANA 2:

A filosofia socrático-platônica não apresenta solução (conclusão) nos seus diálogos porque
têm como princípio a construção do conhecimento através do diálogo para refletir
desenvolvendo suas próprias afirmações mostrando diferentes visões de determinado tema.

SEMANA 3:

No mito do Anel de Giges percebemos que dando poder igualmente ao justo e ao injusto
ambos tomam o mesmo caminho. Com o anel da impunidade, não continuaríamos justos. Na
atualidade, resta apenas a consciência moral. O anel desnuda nossa moralidade pessoal e
revela nossa essência nua. Agimos justamente por medo da punição, se tivéssemos o anel,
faríamos coisas imorais, como não temos agimos moralmente.

SEMANA 4:

O bebê Theresa

A sugestão dos pais baseava-se na ideia de que, uma vez que Theresa ia morrer em breve, os
seus órgãos de nada lhe serviam. As outras crianças, no entanto, poderiam beneficiar deles.
Acredito que se é possível beneficiar alguém sem fazer mal a outra pessoa, devemos fazê-lo.
Visto que ela não tinha muito tempo de vida e sua morte não seria em vão.

SEMANA 5:

O preconceito não pode ser uma atitude ética

O preconceito se constitui de uma opinião errônea sendo aceita passivelmente, sem passar por
uma avaliação de raciocínio e razão. Um preconceito, portanto, é uma opinião anterior sobre
algo pouco conhecido. Deste modo, o preconceito não pode ser uma atitude ética pois é uma
apropriação distorcida da realidade.

SEMANA 6:
Relativismo cultural é conhecer os diversos sistemas culturais eliminando a visão
etnocêntrica, ou seja, analisar a cultura em questão, mas não a partir da sua própria cultura,
despindo-se de qualquer julgamento. Assim, qualquer sociedade mesmo através de suas leis
maiores não pode condenar outras práticas culturais, mas claro que direitos humanos
fundamentais devem estar presentes no debate.

Os povos indígenas que vivem no norte e centro-oeste do Brasil atual estão extremamente
ameaçados, pois são inúmeras as intervenções, seja por parte de fazendeiros, madeireiros,
garimpeiros e também os grupos de missionários religiosos que muitas vezes representam os
interesses econômicos de outros e que através da persuasão e manipulação condenam suas
crenças, costumes, enfim seu modo de vida, deixando-os a mercê de religiões e culturas não-
indígenas. Essa situação é facilitada pela pobreza e abandono que esses povos vêm sofrendo
por parte de governos. Os povos indígenas não sobrevivem sem sua própria cultura.

SEMANA 7:
As políticas de tolerância ou ética são capazes de amenizar as tensões entre as diferenças
culturais, pois conflitos surgem devido o desconhecimento e falta de informação entre grupos
distintos. A sociedade atual é capaz de acolher as diferenças, mas ainda é difícil pensar que
aconteça de uma forma incondicional, porque existem muitos preconceitos a serem vencidos.

Você também pode gostar