Você está na página 1de 8

CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM

THEYLOR LIMA DA CRUZ

HIV/AIDS ENTRE ADOLESCENTES

Itapuranga / GO

2021
SUMÁRIO

RESUMO..................................................................................................................... 3
1 INTRODUÇÃO ......................................................................................................... 4
2 DELIMITAÇÃO E FORMULAÇÃO DO PROBLEMA.................................................5
3 JUSTIFICATIVA........................................................................................................5
4 OBJETIVOS ............................................................................................................. 6
4.1 OBJETIVO GERAL ............................................................................................... 6
4.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS ................................................................................. 6
5 METODOLOGIA....................................................................................................... 6
6 RESULTADOS ESPERADOS .................................................................................. 7
7 CRONOGRAMA DA PESQUISA .............................................................................. 7
8 ORÇAMNETO .......................................................................................................... 7
9 REFERÊNCIAS ....................................................................................................... 8
3

RESUMO

Infelizmente a epidemia do HIV é uma realidade mundial e configura um importante


problema no contexto da saúde pública. A infecção repercute em significativas alterações
fisiopatológicas, mas também representa um fenômeno social que impulsiona debates
relacionados à sexualidade, às relações de gênero e aos direitos humanos. O adolescer
com HIV/aids, além das características comuns à puberdade, apresenta peculiaridades da
soropositividade, desde a convivência com o tratamento medicamentoso até vivências de
discriminação decorrentes desta.O objetivo deste estudo é descrever as vivências de
adolescentes que vivem com HIV/aids e conhecer sua rede de apoio social. Justificado pelo
fato do preconceito e a discriminação que podem ser vivenciados por estes adolescentes
fragilizam, de alguma forma, o tratamento e as suas relações sociais. É importante que o
adolescente que vive com HIV/AIDS possa contar com uma rede de apoio social
diversificada composta pela família, escola, amigos, comunidade, bem como os serviços de
saúde. A prevenção do adoecimento desses adolescentes, da sua reinfecção ou da
transmissão do HIV para seus parceiros e a minimização dos impactos do estigma
dependem de apoio social e de mobilização permanente. Neste cenário revela-se a
importância em se realizar um estudo como este, pois existe uma necessidade a partir
dessas vivências, em se ter e compreender uma rede de apoio social que dê suporte ao
adolescente no atendimento de suas demandas no cotidiano.

Palavras-Chave: HIV. AIDS. Adolescência. Saúde Sexual. Rede Social


4

1 INTRODUÇÃO

O HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana)/aids (Síndrome da


imunodeficiência adquirida) foi reconhecida oficialmente em meados de 1981, nos
Estados Unidos da América (EUA), a partir da identificação de casos de “sarcoma de
Kaposi” (um câncer raro) e de uma pneumonia atípica (causada por Pneumocystis
carinii), em pessoas com características semelhantes: adultos do sexo masculino,
em sua maioria homossexuais e moradores de grandes centros urbanos daquele
país, como Nova York, São Francisco e Los Angeles (PINTO etal.,2007).
Infelizmente a epidemia do HIV é uma realidade mundial e configura um
importante problema no contexto da saúde pública. Adolescentes e jovens estão
sendo infectados e afetados pelo HIV mais do que qualquer outro grupo
populacional. As características sócio-demográficas e culturais dos adolescentes e
jovens vivendo com HIV/aids mostram a necessidade de se implementar ações de
intervenção preventiva e clínica de qualidade que contemple as necessidades desse
grupo populacional de forma mais efetiva, integral e participativa.
Segundo a OMS, a adolescência é definida como o período compreendido
entre dez e vinte anos, ou a segunda década da vida. O Estatuto da Criança e do
Adolescente (ECA) define a adolescência dos 12 a 18 anos de idade. Nessa faixa
etária, o impulso sexual da própria fase, somada as várias informações dos meios de
comunicação, os adolescentes estão expostos à contaminação pelo HIV .
O adolescer com HIV/aids, além das características comuns à puberdade,
apresenta peculiaridades da soropositividade, desde a convivência com o tratamento
medicamentoso até vivências de discriminação decorrentes desta. O preconceito e a
discriminação que podem ser vivenciados por estes adolescentes fragilizam, de
alguma forma, o tratamento e as suas relações sociais.
Diante do exposto, este estudo está alicerçado na seguinte questão de p-
*9esquisa: Como os adolescentes que vivem com HIV/aids vivenciam a
adolescência e quais as suas redes de apoio social? Para responder a essa
indagação, o estudo teve como objetivo descrever as vivências de adolescentes que
vivem com HIV/aids e conhecer sua rede de apoio social.
5

2 DELIMITAÇÃO E FORMULAÇÃO DO PROBLEMA

É importante que o adolescente que vive com HIV/AIDS possa contar com
uma rede de apoio social diversificada composta pela família, escola, amigos,
comunidade, bem como os serviços de saúde. A prevenção do adoecimento desses
adolescentes, da sua reinfecção ou da transmissão do HIV para seus parceiros e a
minimização dos impactos do estigma dependem de apoio social e de mobilização
permanente. Desse modo, conhecer as redes de apoio social pode ser de grande
auxílio para o desenvolvimento dos adolescentes que vivem com HIV/AIDS e de
suas práticas de cuidado?

3 JUSTIFICATIVA

A Aids, constituiu-se rapidamente em um fenômeno mundial, transformando-


se em grave problema de saúde pública, tornou-se epidemia que, tão logo, elevou-
se à pandemia, com alastramento expressivo nas regiões mais pobres do planeta.
De acordo com (MORAES et al., 2012), os aspectos relacionados à relação
adolescência, juventude e infecção pelo HIV/Aids, indicadores de variados territórios
apontam alta vulnerabilidade destes grupos a tal problema, seja por fatores
individuais, como as intensas transformações biopsicossociais, ou coletivos, como a
dificuldade dos sistemas de saúde e educação em reconhecer o adolescente como
sujeito detentor de direitos sexuais e reprodutivos.
Neste cenário revela-se a importância em se realizar um estudo como este,
pois existe uma necessidade a partir dessas vivências, demonstrar como esses
adolescentes vivem pós serem diagnosticados soro positivos, quais as maiores
dificuldades encontradas e ressaltar a importância da rede de apoio social que dê
suporte ao adolescente no atendimento de suas demandas no cotidiano. Uma vez
que apoio social pode ser compreendido como um processo de interação entre
pessoas ou grupos de pessoas, que por meio do contato sistemático estabelecem
vínculos recebendo apoio material, emocional, afetivo, contribuindo para o bem-estar
recíproco.
6

4 OBJETIVOS

4.1 OBJETIVO GERAL

Descrever as vivências de adolescentes que vivem com HIV/aids e conhecer


sua rede de apoio social.

4.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

• Compreender a epidemia do HIV em sua realidade mundial e no Município de


Itapuranga,
• Evidenciar a sexualidade e as experiências de adolescentes associando-as
como forma de contrair o HIV.
• Ressaltar a importância da rede de apoio social no tratamento do HIV.

5 METODOLOGIA

Este trabalho trata-se de uma proposta de uma pesquisa bibliográfica


qualitativa, do tipo exploratório descritivo, tendo como suporte a pesquisa através da
coleta de dados em livros e artigos, utilizando citações de alguns autores e através
da utilização do meio eletrônico (Internet). E o cenário investigado será no Serviço
de Assistência Social do Município de Itapuranga, Goiás, com os adolescentes que
vivem com HIV/aids, e que são conhecedores de seus diagnósticos. A coleta das
informações se darão por meio de entrevista semi estruturada, composta pelas
questões: Você está “ficando”ou namorando? O que é bom e o que não é nestes
relacionamentos? Quem esclarece suas dúvidas sobre sexualidade? A sua
sexualidade mudou depois que você descobriu a sua condição de saúde? E dados
sócio demográficos como: idade; escolaridade; forma de infecção; idade de
descoberta do diagnóstico; renda, escolaridade e profissão dos pais.
7

6 RESULTADOS ESPERADOS

Como este projeto, espera-se levar informação acerca das vivências dos
adolescentes que vivem com HIV/aids e também sobre sua rede de apoio social, e o
trabalho por eles prestados.

7 CRONOGRAMA DA PESQUISA (PREVISÃO SOBRE O TEMPO PARA O


DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA)

Etapas Ago Set Out Nov

Elaboração do projeto X X

Revisão de literatura X X

Apresentação do projeto X

Coleta de dados X X

Conclusão e redação X

Correção ortográfica X

Entrega X

8 ORÇAMENTO

Despesas Valor
Fotocópia 100,00
Cartolina 5,00
Canetões 40,00
Pendrive 60,00
Total ..................................... 205,00
8

9 REFERÊNCIAS

MORAES, S. P; VITALLE. Direitos Sexuais e reprodutivos na adolescência. Ver.


Assoc. Med. Bras.,v. 58, n.1, p. 48-52, 2012.

PINTO, A. C. S; PINHEIRO, P. N. C; VIEIRA, N. F. C; ALVES, M. D. S.


Compreensão da pandemia de AIDS nos últimos 25 anos. DST. J. Bras Doenças
Sex Transm., v.19, n.1,p. 45-50, 2007.Disponível em:<
http://www.dst.uff.br/revista19-1-2007/7.pdf>. Acesso em: 19 de Set. 2021.

Você também pode gostar