Você está na página 1de 11

NEOPLASIAS

Ref - http://www.icb.ufmg.br/pat/intro.htm

Introdução
Conceitos, Histórico, Características, Nomenclatura e
Classificação, Ocorrência e Epidemiologia,
Comportamento.

"Se quisermos encontrar alguém que nos diga em realidade o que são as
neoplasias, não creio que encontraríamos um só homem sobre a terra
capaz de dizê-lo."
RUDOLPH VIRCHOW, 1863

CONCEITOS

o Oncologia/cancerologia: Ramo da patologia que estuda as neoplasias


(gr."oykos
(gr."oykos"=
"= volume, tumor).

o Neoplasia (gr. "neo


"neo"" + "plasis
"plasis"" = neoformação): Proliferação local de
clones celulares atípicos, sem causa aparente, de crescimento excessivo,
progressivo e ilimitado, incoordenado e autônomo (ainda que se nutra as
custas do organismo, numa relação tipicamente parasitária), irreversível
(persistente mesmo após a cessação dos estímulos que determinaram a
alteração), e com tendência a perda de diferenciação celular.

HISTÓRICO

o 1500 a.C. - Menção no papiro de EBERS.

o Hipócrates/Teoria humoral da enfermidade - deficiência ou excesso de


sangue, bile ou fleuma (muco) localizado.

o Cornelius Celsus/Galeno - entre 138 a 201 d.C. - batismo do termo


("câncer
("câncer"/"
"/"carkynos
carkynos")
") na observação de uma neoplasia mamaria que
morfologicamente lembrava um caranguejo.

o Marco Aurélio Severinus (1580-1656)- primeira descrição de


mixossarcoma, primeira diferenciação entre adenoma e adenocarcinoma
de mama, e primeira exérese conjunta de linfonodos axilares no
tratamento de tumores mamarias.
o Sennert (1572-1637) em Praga e Lusitano (1642)-"O câncer é
contagioso.

o Le Drau (1685-1770)- "Se a linfa cancerosa passasse aos linfonodos


adjacentes, estaria contaminado todo o sistema"

o Percival Potts, em 1775/Londres - observando a grande freqüência de


carcinoma de células escamosas no escroto de limpadores de chaminé,
fez a primeira associação entre uma neoplasia e sua provável causa
(foligem carcinogênica).

o Rudolph Virchow, em l860 - Classificação das neoplasias de acordo com


a sua estrutura histológica. Lançou também a teoria da irritação do
conectivo, apoiado nas observações de Broussais (1772-1839).

o Novinsky (1876), na Rússia - Transplantabilidade do tumor venéreo


canino

o Julius Conheim (1877), na Alemanha - Teoria do desvio embrionário.

o Thiersch, na Alemanha - Teoria do desequilíbrio estroma - parênquima.

o Waldeyer - "tumores secundários" = conseqüências do crescimento


contínuo ao longo de vasos sangüíneos e linfáticos, bem como de
embolias de oncócitos.

o Rous (1910) - Transmissibilidade do sarcoma aviário através de


suspensão livre de células.

o Clunet (19l0)- Neoplasias experimentais com Raio X.

o Yamamoto (1914) e Ichigawa & Yamagita (1915)- Carcinogênese


experimental a partir do alcatrão de carvão em orelhas de coelhos.

o Kennaway (1930) - Isolamento do primeiro carcinógeno químico, o


dibenzantraceno.

CARACTERÍSTICAS

o Progressividade - Crescimento tecidual excessivo e incoordenado, e de


intensidade progressiva.

o Independência - Ausência da resposta aos mecanismos de controle.


Autonomia.

o Irreversibilidade - Ausência de dependência da continuidade do estímulo.


NOMENCLATURA E CLASSIFICAÇÃO

o Baseia-se na origem (epitelial, mesenquimal ou embrionária), no


comportamento (benigno ou maligno) e na morfologia da neoplasia.

o Assim, uma neoplasia epitelial ou mesenquimal (não epitelial) benigna é


denominada utilizando-se um termo designativo do órgão ou tecido
afetado acrescido do sufixo "oma".

o Exceções: Em medicina, é comum utilizar os termos "Hepatoma


"Hepatoma", ",
"Linfoma"
Linfoma" e "Melanoma
"Melanoma"" como designações correntes para neoplasias
malignas, ainda que pelo sufixo empregado possa parecer se tratar de
neoplasias benignas.

o Quando a neoplasia epitelial for maligna, utiliza-se o sufixo


"Carcinoma". Se a neoplasia maligna for de origem mesenquimal utiliza-
se o sufixo "Sarcoma".

o Quando a neoplasia apresenta componentes epiteliais e mesenquimais


igualmente neoplásicos, recebe a denominação "Tumor misto".

o As neoplasias de origem embrionária podem ser classificadas em


"Teratomas"
Teratomas" (ou "Embriomas
"Embriomas"" ou ainda "Tridermomas
"Tridermomas"),"
"),"Mixomas
Mixomas"" (ou
"Meristomas")
Meristomas") e blastomas (nefroblastoma, retinoblastoma, etc.).

 Os Teratomas são neoplasias compostas de tecidos oriundos dos


três folhetos embrionários (endo, meso e ectoderma). Compõem-
se de vários tecidos diferentes, estranhos ao local (mistura de
dente, cabelo, glândulas, músculos, etc.), sendo mais freqüentes
nas gônadas ou em tecidos próximos à linha mediana.

 Os Mixomas são neoplasias oriundas de tecido mixomatoso


(totalmente indiferenciados, comparáveis ao tecido germinativo
embrionário).

o De acordo com o seu grau de diferenciação, a neoplasia pode receber a


adjetivação de "Bem diferenciado" ou "Indiferenciado" ou "Anaplásico
"Anaplásico".".

o Conforme a sua localização, a neoplasia pode ser superficial (vegetantes,


ulceradas, ou úlcero-vegetantes) ou parenquimatosa.
parenquimatosa. Pode ainda receber
as designações intramural, submucosa ou subserosa.
subserosa.

o Segundo suas características morfológicas, a neoplasia pode receber uma


série de adjetivações (cístico, papilar, sólido, cirroso, ductular, bem
diferenciado ou indiferenciado/anaplásico.).
Exceções às regras:

 É comum também encontrar neoplasias denominadas


utilizando-se o nome do autor que as estudaram pela
primeira vez: Exemplos: "Tumor
"Tumor de Brenner" (ovário /
benigno);"Tumor de Wilms" (rim / maligno);"Tumor de
Codmam" (osso / benigno);"Tumor de Grawitz" (rim /
maligno); "Tumor de Krukemberg" (metastático
ovariano);"Linfoma de Burkitt" (linfócitos / maligno) ;
"Doença de Hodgkin" (linfócitos / maligno);"Sarcoma de
Ewing" (osso / maligno); "Sarcoma de Kaposi" (pele /
maligno / imunodeprimidos); "Tumor de Sticker" (tumor
venéreo transmissível / genitália externa / cães).

 "Hamartomas" são erros locais do crescimento


no qual um tecido se desenvolve mais que o
devido, com células maduras e normais, mas
com arquitetura tissular anormal (gr.
"amartao"=
amartao"= faltar). A diferenciação com as
neoplasias benignas é muito difícil e envolve
controvérsias (para muitos autores os
Hemangiomas, os linfangiomas, os
rabdomiomas cardíacos, os adenomas
hepáticos e os nevos pigmentados não são
verdadeiras neoplasias e sim hamartomas).

 "Coristomas" são erros locais congênitos do


desenvolvimento no qual um tecido
aparentemente normal se desenvolve
heterotopicamente (gr. "coristo
"coristo"=
"= dividir). São
freqüentemente confundidos também com
neoplasias benignas. Exemplos: Fragmentos
de pâncreas nas paredes gástricas, de córtex
de adrenal nos rins, nos pulmões, nos ovários,
e de ovário no útero. Freqüentemente se
atrofiam, mas podem originar verdadeiras
neoplasias, de maneira bem curiosa e
paradoxal como Carcinomas de adrenal no
ovário.

OCORRÊNCIA E EPIDEMIOLOGIA

o As neoplasias podem afetar todos os seres vivos da natureza, não sendo


exclusivas do reino animal. Também as plantas padecem desta afecção
(ex.: Raiz de couve parasitada com protozoo Plasmodiophora sp e
vegetais infectados com Phytomonas tumefasciens.).
tumefasciens.). Entre os animais,
afeta tanto os invertebrados (ex.: Melanoma no olho da Drosophila
melanogaster)
melanogaster) quanto os vertebrados (ex.: Hepatoma nas trutas,
Melanoma em peixes, carcinoma renal de Lucké em anfíbios, além das
neoplasias de aves e mamíferos).

o Dentre as espécies domésticas, a galinha é a mais sujeita às neoplasias,


principalmente às leucoses linfóides (3 a 60% das neoplasias dos animais
domésticos). Dentre os mamíferos, as espécies mais acometidas são as de
maior sobrevida (isto é, animais de estimação/cães e gatos). As espécies
utilizadas comercialmente como os bovinos e suínos geralmente
apresentam vida útil menor, e como as neoplasias tendem a afetar
principalmente a faixa de idade mais avançada, a incidência relativa das
neoplasias nestas espécies é menor. Cerca de cinco por cento das
neoplasias dos animais domésticos ocorrem nos cães, sendo mais
freqüentes as neoplasias mamarias, o tumor venéreo transmissível, o
mastocitoma, o melanoma, o basolioma, as neoplasias testiculares, o
osteossarcoma e o adenoma perineal.

o Aproximadamente um por cento das neoplasias dos animais domésticos


(COTCHIN, 1956) ocorrem em gatos, sendo mais freqüentes o
linfossarcoma e os carcinomas de pele.

o Nos bovinos e eqüinos (afetados por aproximadamente 0,1% das


neoplasias dos animais domésticos), as neoplasias mais freqüentes são o
linfossarcoma, o carcinoma espinocelular periocular, na base da língua e
na base do chifre, os papilomas de esôfago e rumem (bovinos) e o
melanoma e o carcinoma espinocelular de pênis (eqüinos).

o Os suínos (espécie mais raramente afetada - 1/40.000) tem como


neoplasia mais freqüente o nefroblastoma.

o No homem são considerados fatores de influência:

 idade (Neuroblastoma/0 a 2 anos; tumor de Wilms/2 a 4 anos;


osteossarcoma / 4 a 25 anos; condrossarcoma />50 anos;
adenocarcinoma de endométrio /pós menopausa; adenocarcinoma
prostático / senilidade).

 hábitos e costumes (Hepatoma nos bantús africanos / alimentação


com farinha mofada / aflatoxinas; Não existência de carcinoma
peniano em judeus / circuncisão; carcinoma mamário nos países
desenvolvidos / não amamentação; carcinoma uterino nos países
subdesenvolvidos / falta de higiene íntima; carcinoma esofagiano
nos gaúchos / chimarrão; carcinomas gástricos e intestinais /
defumados e enlatados).

 profissão (linfoma / radiologista e químicos; carcinoma de


escroto nos limpadores de chaminé / Percival Potts).

 nível sócio-econômico e região geográfica.


COMPORTAMENTO

o Dependendo do comprometimento orgânico e geral produzidos pela


neoplasia, ela é classificada em:

 Benigna - geralmente pouco agressivas e relativamente


inofensivas (relação semelhante à das hiperplasias com o
organismo hospedeiro);

 Maligna - muito agressivos, representando uma ameaça


potencial à vida (relação semelhante à dos parasitos com o
organismo hospedeiro).

 Potencialmente malignos, ou de malignidade duvidosa, ou


ainda "Tumores Borderline"- são neoplasias cuja classificação em
benigno ou maligno é muito difícil, tanto por se tratar de
neoplasias com características benignas e malignas
simultaneamente, quanto por poderem se tratar de neoplasias
benignas em franco processo de malignização.

o É importante considerar que a agressividade/malignidade pode variar,


inclusive com a ocorrência de neoplasias histologicamente malignas e
clinicamente se comportando como benignas (e vice - versa). Um outro
aspecto que se deve ter sempre em mente é que mesmo uma neoplasia
benigna pode evoluir negativamente para o êxito letal (ainda que não se
malignize) devido aos seguintes fatores:

 Localização em órgãos vitais - mesmo uma neoplasia


benigna, de crescimento lento, circunscrito e absolutamente
desprovido de capacidade invasiva, quando localizada dentro do
crânio, ou no coração ou na aorta, acabam por determinar
complicações tais (atrofia compressiva de órgãos essenciais,
obstrução de fluxos fisiológicos, e predisposição às infecções)
que freqüentemente levam à morte.

 Disendocrinias - uma neoplasia de glândulas endócrinas, mesmo


de comportamento benigno (as neoplasias malignas raramente
são bastante diferenciadas para secretar hormônios, e com
freqüência levam a hiposecreção) pode acarretar inúmeros
problemas para o organismo, em virtude de hipersecreção.
Produtos de células tumorais, fisiologicamente ativos, e seus
efeitos nos animais.

Origem Neoplasia Produto Sinais


da ativo do clínicos
célula tumor
tumoral
Mastócito Mastocitoma Protease, Úlceras G.I.;
s cutâneos histamina, Choque
heparina, hemorragias
serotonina
Tireóide Adenomas Tireoxina Hipertireoidis
mo
Adrenal Feocromocito Adrenalina Taquicardia
ma edema
Hipófise Adenoma ACTH S. Cushing
basof
Plasmócit Plasmocitom Imunoglobuli Hemorragias
os a nas
Rim Carcinoma R Eritropoietin Policitemia
a
Pâncreas Adenocarcino Insulina Hipoglicemia
ma de ilhotas
pancreáticas
Ovário TCGranulosa Estrogênio Hiperplasia
cística do
endométrio
Testículo Sertolioma Estrogênio Feminilização
e alopecia

(HARDY, W. D., Jr. Current concepts of canine and feline


tumors. J. Am. Animal Hospital Assoc., 12:295,1976).

o Complicações acidentais
 Ruptura de tumores (hemangiomas,
cistadenomas papilíferos de ovário);

 Obstrução do lume de órgãos tubulares;

 Ulcerações, hemorragias, infecções


secundárias;

 Neoplasias pedunculadas (lipoma de


mesentério, p.ex.) podem estrangular alças
intestinais.
CARACTERÍSTICAS DIFERENCIAIS ENTRE
NEOPLASIAS BENIGNAS/MALIGNAS.

Características NEOPLASIA NEOPLASIAS MALIGNAS


Clínicas/anatomopat S
ógicas BENIGNAS
Tipo de Expansivo/compres Infiltrativo/destrutivo
Crescimento sivo
Velocidade de Usualmente lento Geralmente rápido
Crescimento
Evolução Pode estacionar ou Raramente estaciona
regredir geralmente progressivo até o
êxito letal
Limites Nítidos, as vezes Imprecisos e não encapsulados
com cápsula(ou
pseudocap.)
Ulcerações Pouco freqüentes Quase constantes
Metástases Ausentes Freqüentes
Recidivas Quase sempre Freqüentes
ausentes
Anemia/caquexia Quase sempre Freqüentes
ausentes
Alterações Atrofia Infiltração/destruição
concomitantes compressiva
Degenerações Escassas ou Muito freqüentes
necroses/hemorra ausentes
gias
Função orgânica Freqüentemente Geralmente abolida
conservada
Implicações Por: Localização Prognóstico desfavorável se não
clínicas Acidentes tratado precocemente
Disendocrinias
Características NEOPLASIAS NEOPLASIAS MALIGNAS
histológicas e BENIGNAS
citológicas
Estrutura tissular Típica do tecido de Atipia tissular/perda de
origem polarização e desestruturação
celular
Vascularização Quase normal Aumentada e ainda assim
deficiente
Freqüência de Raras Numerosas (até 6/campo de
mitoses maior aumento
Tipo de mitoses Normais Tri ou multipolares, e
assimétricas
Celularidade Normal ou Muito aumentada
aumentada (principalmente - em sarcomas
Tamanho e forma Regular e isomorfa Pleomorfismo (atipia celular).
celular (homeotipia/monot
onia celular).
Citoplasma Semelhante ao da Escasso, basófilo (>RNA ou
célula de origem abundante e aquoso
Núcleo Semelhante ao da Atípico, hipercromático
célula de origem discariótico, pleomórfico, com
maior qtd de nucléolos
Relação Núcleo/ Semelhante ao do Aumentada
citoplasma tecido de origem
Discarioses Raras Freqüência relaciona-se com a
(alterações intensidade da atipia, e cresce
cromossômicas) de acordo com a idade da
neoplasia (oncócitos são
geneticamente instáveis)
Ref - http://www.icb.ufmg.br/pat/intro.htm