Você está na página 1de 13

O presente trabalho é sobre a história do handebol, mais concretamente os principais atletas

do passado e da atualidade, regras e principais evoluções do voleibol.


É objetivo desse trabalho ampliar os horizontes a cerca da vastidão dos esportes
fornecendo a uma maior variedade de escolha para atividades físicas que complementem a
saúde somadas a uma alimentação equilibrada.
A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica.
HISTÓRIA DO HANDEBOL

Origens e principais evoluções.

Homero, na Odisseia, foi quem primeiro citou o handebol; depois foram os romanos;
mas a Alemanha é quem iniciou o jogo como se conhece hoje.
A bola é, sem dúvida, um dos instrumentos desportivos mais antigos do mundo e que
vem cativando o homem há milênios. O jogo de "Urânia" praticado na antiga Grécia, com
uma bola do tamanho de uma maçã, usando as mãos, mas sem balizas, é citado por Homero
na Odisseia. Também os Romanos, segundo Cláudio Galero (130-200 DC), conheciam um
jogo praticado com as mãos, "Hasparton". Mesmo durante a Idade Média, eram os jogos com
bola, praticados como lazer por rapazes e moças.

Na França, Rabelais (1494-1533) citava uma espécie de handebol ("esprésjouaiant à


balle, à lapaume"). Em meados do século passado (1848), o professor dinamarquês Holger
Nielsen criou no Instituto de Ortrup um jogo denominado "Haaddbold" determinando suas
regras. Na mesma época dos tchecos conheciam jogo semelhante denominado "Hazena”.
Fala-se também de um jogo similar na Irlanda, e no “Sallon", do uruguaio Gualberto Valetta,
como precursor do handebol. Todavia, o handebol como se joga hoje foi introduzido na última
década do século passado, na Alemanha, como "Raftball". Quem o levou para o campo, em
1912, foi o alemão Hirschmann, então secretário da Federação Internacional de Futebol

O período da primeira Grande Guerra (1915 a 1918) foi decisivo para o


desenvolvimento do esporte, quando o professor de ginástica Berlinense Max Heiser criou um
jogo ao ar livre derivado do “Torball" para as operárias da Fábrica Siemens, que teve o campo
aumentando para as medidas do futebol quando os homens começaram a praticá-lo. Em 1919,
o professor alemão Karl Schelenz reformulou o "Torball", alterando seu nome para
"Handball" para o jogo com 11 jogadores.

Schelenz levou a modalidade para a Áustria e Suíça, além da Alemanha. Em 1920


Diretor da Escola de Educação Física da Alemanha tornou a modalidade como desporto
oficial. Cinco anos mais tarde, Alemanha e Austria fizeram o primeiro jogo internacional, com
vitória dos austríacos por 6 a 3. Na reunião de agosto de 1927 do Comité de Handebol da
IAAF (Associação Internacional de Federações de Atletismo) foram adotadas as regras alemās
como as oficiais, motivando que na 25 sessão do Comitè Olímpico Internacional, realizado no
mesmo ano, fosse pedida a inclusão do handebol no programa olímpico. Como crescia o
número de países praticantes, o caminho foi a independência da IAAF, o que aconteceu em 4
de agosto de 1928, no Congresso de Amsterdä, quando 11 países escolheramo americano
Avery Brudage como membro da Presidência da FIHA (Federação Internacional de
Handebol).

O COI (Comitê Olímpico Internacional) decidiu, em 1934. que o handebol seria um


dos esportes da Olimpiada de Berlim, em 1936, o que realmente aconteceu com a participação
de seis dos 26 países então filiados, com a Alemanha vencendo a Áustria no jogo final por 10
x6, perante cem mil pessoas no Olympia Stadium de Berlim. Dois anos mais tarde, também
na Alemanha, foi disputado o primeiro campeonato mundial, tanto no campo (oito
participantes) como no salão (quatro concorrentes). Em 1938, foi disputado, na Alemanha, o
primeiro campeonato mundial de handebol. Tão logo terminou a Guerra Mundial, os
dirigentes de handebol reuniram-se em Copenhague e fundaram a atual Federação
Internacional (IHF), com sede na Suécia, sob a presidência do sueco Costa Bjork, atualmente
com sede na cidade de Basiléia, na Suiça. Mesmo sem a participação dos alemães, criadores
do jogo, os campeonatos mundiais foram reiniciados no campo em 1948 (para homens) e em
1949 (para mulheres). No salão, já com os alemães, os certames foram reiniciados em 1954.
No ano de 1966, os jogos de handebol em campo gramado foram suspensos, passando o
esporte ser realizado somente em salão

Após um período sem participação, o esporte volta a fazer parte das Olimpíadas nos
Jogos Olímpicos de Montreal (Canadá), em 1976. Porém, com regras reformuladas e partidas
disputadas em quadra. Atualmente o sporte é praticado em 183 países, envolvendo mais de
um milhão de equipes e trinta milhões de profissionais (jogadores, treinadores e outros
profissionais do esporte). Em nível internacional, as atividades de handebol são organizadas e
coordenadas pela IHF.
Handebol no Brasil

O handebol, até a década de 60, ficou restrito a São Paulo, depois começou a ser
praticado em escolas de todo o Brasil.
Em nosso país, o handebol como modalidade de campo foi introduzido em São Paulo
por imigrantes, principalmente da colônia alemã, no início da década de 30. O handebol ficou
restrito a São Paulo até a década de 60, quando o professor francês Augusto Listello, durante
um curso internacional em Santos, apresentou a modalidade a professores de outros estados.
Esses professores introduziram o esporte em seus colégios e assim o handebol começou a ser
praticado em outros estados. Em 1971, o MEC incluiu o handebol entre as modalidades dos
Jogos Estudantis e Jogos Universitários Brasileiros (JEB's e JUB's). Com isso, o handebol
disseminou-se em todo o território nacional, com vários estados dividindo os títulos nacionais.

Em 1973, a antiga CBD (Confederação Brasileira de Desportos) realizou em Niterói o


1º Campeonato Brasileiro Juvenil para ambos os sexos. No ano seguinte, em Fortaleza,
iniciou-se a competição para adultos. Em 1980, um ano após a criação da Confederação
Brasileira de Handebol (CBHb), foi disputada a 19 Taça Brasil de Clubes, na cidade de São
Paulo, então sede da entidade. Atualmente a Confederação Brasileira de Handebol (CBHD)
está com a sede localizada na cidade de Aracaju (Sergipe).
REGRAS DO HANDEBOL:

• Quadra:
É um retângulo com 40 metros de comprimento e 20 metros de largura. Consiste em duas
áreas de gol e uma área de jogo. Os lados maiores são chamados de linhas laterais e os lados
menores são chamados de linhas do gol ou linhas de fundo (ambos os lados da baliza), essas
linhas possuem uma largura de um metro ao longo das laterais, e dois metros atrás das linhas
de fundo.

• Baliza:
Mede 2 metros de altura e 3 metros de largura. Os postes e o travessão devem ter uma secção
quadrada de 8 centímetros. Possuem duas cores diferentes (contrastante).

• Linhas:
As linhas do gol medem 8 centímetros de largura entre os postes, enquanto todas as outras
linhas medirão 5 centímetros de largura.

• Área de gol ou linha dos 6 metros:


Determina a área do gol e é exclusiva do goleiro. Medidos desde a face posterior da linha de
gol até face anterior da área de gol.

• Linha de tiro livre:


Chamada também de linha dos 9 metros é tracejada e fica a 3 metros de distância da área do
gol. Ambos os segmentos da linha e os espaços entre eles medem 15 centímetros. É usada em
cobranças de falta, permite a formação de barreira de defesa

• Linha de 7 metros:
Possui uma linha com um metro de comprimento, marcada diretamente em frente de cada
baliza. Paralela à linha de gol. É medida desde a face posterior da linha de gol até a face
anterior da linha de 7 metros. Semelhante a penalidade no futsal.

• Linha de limitação do goleiro ou dos 4 metros:


É paralela a linha de gol, a uma distância de 4 metros (medidos desde a face posterior da linha
de gol até a face anterior da linha de 4 metros). Limita a atuação do goleiro durante cobranças
do tiro dos 7 metros

• Linha Central:
Também chamada de linha do meio da quadra, une os pontos centrais das duas linhas laterais.

• Zona de substituição:
Um segmento da linha lateral estende a uma distância de 4,5 metros da linha central para cada
equipe, sendo um total de 9 metros de área de zona de substituição. É prolongada por uma
linha que é paralela a linha central, se estende 15 centímetros dentro e fora da quadra.
Regras básicas
Equipes;

• São seis jogadores de linha e um goleiro, mais sete suplentes (reservas).


• Bola:
É feita de couro ou material sintético, dever ser esférica, sua superfície não
pode ser brilhante nem escorregadia. Suas medidas são classificadas mediante a
circunferência e o peso, a ser utilizada pelas distintas categorias de equipes.

• Bola tamanho 1 da HL, mede 50-52 cm e pesa de 290-330 gramas,7


utilizada para equipes femininas de crianças (8 e 14 anos) e equipes masculinas de
crianças entre (8 e 12 anos).

• Bola tamanho 2 da HL, mede 54-56 cm e pesa de 325-375 gramas, utilizada


para mulheres, equipes juvenis femininas (acima de 14 anos) e equipes masculinas
(adolescentes com idade entre 12 e 16 anos).

• Bola tamanho 3 da HL, mede 58-60 cm e pesa de 425-475 gramas, utilizada


para homens e equipes juvenis masculinas (acima de 16 anos).

O requerimento técnico das bolas é determinado pelo regulamento de bolas da IHF.

Cada partida deve haver pelos menos duas bolas, as bolas reservas ficam disponíveis
na mesa de controle, e devem seguir os padrões determinados pela IHF. Tal procedimento é
feito para otimizar o tempo de jogo.

Duração da partida (tempo)

Jogadores de idade igual ou acima de 17 anos o tempo de partida será de 2 tempos de


30 minutos (2x30min), com intervalo de 10 minutos, e para Campeonatos Mundiais será de
15 minutos. Para adolescentes com idade entre 12 e 16 anos o tempo será de 2 tempos de 25
minutos (2x25min), no grupo com idade entre 8 e 12 anos o tempo será de 2 tempos de 20
minutos (2x20min). Em ambos os casos o intervalo será de 10 minutos normalmente.
Prorrogação (tempo extra), será de dois periodos de 5 minutos com um pequeno
intervalo de 1 minuto, caso a partida continue empatada logo após o termino da primeira
prorrogação, será dado um intervalo maior para o descanso das equipes, 5 minutos, o segundo
tempo extra será semelhante ao primeiro Persistindo o empate o vencedor será determinado
pelas regras da competição ou através do tiro de 7 metros.
PRINCIPAIS ATLETAS DO PASSADO E DA ATUALIDADE.

Anders Eggert
Anders Eggert tem 38 anos, mas ainda joga em alto nível
País: Dinamarca
Idade: 38 anos
Posição: Ponta-esquerdo
Time: Skjern Håndbold
Entre os melhores jogadores de handebol do mundo na atualidade a presença de
Anders Eggert é indubitável. O veterano de 38 anos, ainda em atividade no Skjern Håndbold,
da Dinamarca, é considerado um dos maiores da história!

Pela seleção, conquistou o ouro na Euro 2012 e duas pratas nos Mundiais de 2011 e
2013 – nesse último, inclusive, sendo o artilheiro do torneio. Além disso, por clubes, tem no
currículo como títulos mais importantes a Recopa Europeia e a Champions League.

Bertrand Gille

Gille é um dos melhores jogadores de handebol do mundo na atualidade


País: França
Idade: 42 anos
Posição: Pivô
Time: Hamburgo
O próximo da lista é Bertrand Gille, bicampeão olímpico com a França em 2008 e
2012. O pivô se destaca pela força física e fez parte de uma das gerações mais talentosas da
história do país. Não à toa, pela seleção, também faturou dois Mundiais (2001 e 2011).

Atualmente no Hamburgo, Gille possui conquistas expressivas na carreira como


Recopa Europeia, Copa da França e Copa da Alemanha. Seu auge foi em 2002, quando foi
eleito o melhor jogador da temporada pela IHF – honraria individual mais importante do
esporte.
Bjarte Myrhol

Bjarte Myrhol é o capitão da Noruega desde 2014


País: Noruega
Idade: 37 anos
Posição: Pivô
Time: Skjern Håndbold
Bjarte Myrhol é outro veterano que ainda atua em alto nível. O pivô do Skjern
Håndbold é o capitão da Noruega desde 2014 – desde então, auxiliou a seleção a faturar dois
vice-campeonatos nos Mundias de 2017, na França, e 2019, na Alemanha.

O atleta conquistou títulos nacionais por quase todos os clubes que passou. Myrhol
tem em sua coleção três Campeonatos Norueguês, três Copas da Noruega, um Campeonato
Húngaro e um Campeonato Dinamarquês. Carreira de sucesso!

Domagoj Duvnjak

Duvnjak foi eleito o melhor jogador de 2013 pela IHF


País: Croácia
Idade: 31 anos
Posição: Armador-central
Time: THW Kiel
Domagoj Duvnjak também é um dos melhores jogadores de handebol do mundo em
atividade. O croata de 31 anos defende o Kiel, da Alemanha, e já serviu a sua seleção em 207
partidas até o momento. O habilidoso armador balançou as redes 672 vezes!

Além de ter sido eleito o melhor atleta de 2013 pela IHF, empilhou troféus de grande
cacife atuando por clubes. Pode anotar: uma Champions League, três Campeonatos Croata,
três Copas da Croácia, um Campeonato Alemão, uma Copa da Alemanha e por aí vai.

Ferrán Solé

Ferrán Solé venceu as Euros de 2018 e 2020 com a Espanha


País: Espanha
Idade: 27 anos
Posição: Ponta-direito
Time: Paris Saint-Germain
Chegamos à metade da lista com Ferrán Solé. O atleta faz parte da atual geração
espanhola que vem conquistando resultados expressivos em torneios de seleções! Prova disso
são os títulos das Euros de 2018 e 2020. Bicampeonato seguido pro craque!

Solé passou por Balonmano Granollers, Tolouse e atualmente está no Paris Saint-
Germain. Foi eleito o melhor ponta-direito da Euro 2018 e o melhor ponta-direito do Mundial
2019. Nesse último campeonato, também foi o terceiro maior artilheiro com 58 gols.
Neste trabalho abordamos o assunto história handebol e concluímos que o voleibol de
praia tem uma vasta história repleta de diversas mudanças em suas regras que proporcionaram
a evolução do esporte.
Foi cumprimos o objetivo proposto uma vez que esse trabalho proporciona
informações relevantes a cerca do handebol.
Este trabalho foi muito importante para a minha compreensão deste tema, pois
permitiu-me conhecer melhor o voleibol, além de ter-me permitido desenvolver as
competências de investigação, seleção, organização e comunicação da informação.
FONTES
www. dicaseducacaofísica.info
https://regrasdoesporte.com.br
https://blog.unisportbrasil.com.br
www.brasilhandebol.com.br
https://portalsuaescola.com.br

Você também pode gostar