Você está na página 1de 47

Profissão Professor

Metodologia

▧ Pesquisa quantitativa
▧ Coleta via telefone entre 16/3 e 7/5 de 2018
▧ Amostra: 2160 entrevistas, com cotas por
etapa, UF, capital e interior e dependência
administrativa, de acordo com os dados do
Censo Escolar 2015
▧ Falamos professores da educação básica
de todo o Brasil, considerando desde a
Educação Infantil (a partir de 4 anos) até o
Ensino Médio, incluindo modalidades
diferenciadas
▧ Margem de erro de 2 p.p. para leitura pelo total
1.
Perfil e Renda dos professores Formação Inicial e
3.
entrevistados Continuada

Atratividade e Valorização
2. 4. Condições de trabalho
da Carreira
1. PERFIL E RENDA
Perfil demográfico
2/3 são mulheres, com média de 43 anos de idade e 17 de carreira

NÍVEIS DE ENSINO
QUE DÁ AULA
SEXO REDE DE ENSINO
16% Educação infantil
68% mulheres 56% - Pública Mun. 37% Ensino Fund. 1
41% - Pública Est.
32% homens 22% - Particular CIDADE 43% Ensino Fund. 2
24% - Capital 37% Ensino Médio
I.M.:
9% - Região 1% Superior
1,2 I.M.:
Metropolitana
1,6
9% 29% 67% - Interior
NORDESTE
IDADE
NORTE do estado
Média: 43 anos 7%
40% GRAU DE TEMPO DE
1% - 18-24 anos CENTRO OESTE
ESCOLARIDADE
SUDESTE TRABALHO
15% - 25-34 15% 1% Ensino Médio Média: 17 anos
38% - 35-44 SUL
19% Ensino Superior 8% - Até 5 anos
35% - 45-54 70% Especialização 18% - Entre 6 a 10 anos
11% - 55+ 9% Mestrado 39% - Entre 11 a 20 anos
1% Doutorado 28% - Entre 21 a 30 anos
7% - Há mais de 31 anos

*I.M. Índice de multiplicidade: média de alternativas selecionadas


Renda mensal pessoal e familiar (%)

Médias:
Renda pessoal R$ 4.581,40 (4,8 salários mínimos)
42
Renda familiar R$ 6.995,99 (7,3 salários mínimos)
33
27
22
18
13
9 9 10
8
2 2 3 1
0 0 0 0
Até R$ 954,00 De R$ 954,01 a R$ De R$ 1.908,01 a R$ De R$ 2.862,01 a R$ De R$ 4.770,01 a R$ De R$ 9.540,01 a R$ De R$ 19.080,01 a Mais de R$ 28.652,00 Recusa (ESP)
1.908,00 2.862,00 4.770,00 9.540,00 19.080,00 R$ 28.652,00

até 1 1-2 2-3 3-5 5 - 10 10 - 20 20 - 30 + de 30


salário mínimo salários mínimos salários mínimos salários mínimos salários mínimos salários mínimos salários mínimos salários mínimos
Renda mensal pessoal (%)

Médias por etapa Médias:


Ed. Infantil - R$ 4.138,87 municipal R$ 4.610,98 (4,8 salários mínimos)
EF I - R$ 4.163,14
EF II - R$ 4.758,32 (5,0 SMs) estadual R$ 4.916,81 (5,1 salários mínimos)
EM - R$ 5.094,78 privada R$ 4.325,99 (4,5 salários mínimos)
37
34
32
29 30
23
17 16 16
14
9 8
6 7 6
4 3 3
1 1 2
0 0 0 0 0 0
Até R$ 954,00 De R$ 954,01 a R$ De R$ 1.908,01 a R$ De R$ 2.862,01 a R$ De R$ 4.770,01 a R$ De R$ 9.540,01 a R$ De R$ 19.080,01 a Mais de R$ 28.652,00 Recusa (ESP)
1.908,00 2.862,00 4.770,00 9.540,00 19.080,00 R$ 28.652,00

até 1 1-2 2-3 3-5 5 - 10 10 - 20 20 - 30 mais de 30


salário mínimo salários mínimos salários mínimos salários mínimos salários mínimos salários mínimos salários mínimos salários mínimos
Principal responsável pela renda domiciliar (%)

Total
Só Rede Pública

1
4
41

24 22
71 73
Realiza alguma atividade extra para complementar sua renda?
Quase 1/3 deles afirmaram realizar algum tipo de atividade para complementar sua renda, principalmente na rede particular e no ensino médio.
Em média, o incremento na renda é de R$ 439,72

Pública Pública
Particular
municipal estadual
22% 30% 38%

22% 30% 38%


9% 5%
Atividades educacionais Comércio/ vendas
13% para
professores do

3%
Ensino Médio
3%
Produções artísticas 29% Prestador de serviços
dos professores
3% realizam alguma 2%
Administração/ atividade extra Proprietário/ - 35% para professores do EM
economia e negócios empresário - 36% para não-concursados por
tempo indeterminado
- 34% para os com até 20 horas
1% semanais de contrato
Profissionais da saúde /Atividades esportivas - 22% entre os com mais de 41 horas
ATRATIVIDADE E
2.
VALORIZAÇÃO DA CARREIRA
Fatores que levaram a entrar na carreira
Os fatores de decisão pela carreira indicam principalmente uma escolha consciente, relacionada mais ao prazer por ensinar e transmitir
conhecimento, mas para pouco mais de 1/3, foi também uma questão de falta de outras opções

1º lugar 2º lugar 3º lugar Total


FATORES LIGADOS A POSSIBILIDADE DE ESCOLHA 78 54 27 91

Prazer por ensinar/ transmitir conhecimento 34 20 8 52

Aptidão/ talento para ser professor 13 4 1 17

Por gostar/ ter afinidade com a disciplina que leciona 5 3 1 9

Gosto por trabalhar com crianças e/ou jovens 4 4 1 9

Influência de familiares que são professores 4 2 1 6

Estabilidade na carreira 1 3 1 6

FATORES LIGADOS A FALTA DE ESCOLHA 21 14 5 36

Falta de outras opções de emprego no local onde morava 12 10 4 24

Falta de outras opções de cursos/ graduação no local onde morava 7 3 1 11

Outros com menos de 3% 18 19 13 50

Nenhum 0 31 65 0

Não sabe 0 1 3 3
O quanto recomendaria a profissão docente para um jovem

49% 23%
Média: NPS:
21 28 28 6 17
6,0 -25
0-3 4-6 7-8 9 10
Certamente não recomendaria Certamente recomendaria

Os que mais recomendam são das etapas iniciais e com menos tempo de carreira.

Rede de Etapa que dá aula Tempo de carreira Remuneração Nota Satisfação


competência Ed. Infantil 6,5 Até 10 anos 6,5 Até 3 SMs 6,3 9-10: 7,7
Pública – municipal 6,1 EF I 6,2 11 a 20 anos 5,9 De 3 a 5 SMs 6,0 7-8: 6,5
Pública – estadual 5,5 EF II 5,9 21 a 30 anos 5,7 De 5 a 10 SMs 5,7 0-6: 4,3
Particular 6,2 EM 5,6 Há mais de 31 anos 6,2 De 10 a 30 SMs 6,5

Mesmo os que são mais satisfeitos com a profissão não têm uma média muito alta de recomendação
Por que recomendaria ou não a profissão docente para um jovem?
Entre algumas das palavras mais usadas pelos professores para as razões de recomendação ou não da profissão
docente, se destacam as relacionadas à não recomendação, como a valorização, o salário e o reconhecimento.
Por que recomendaria ou não a profissão docente para um jovem (%)?
As razões para recomendação da carreira estão muito relacionadas aos motivos que levaram os professores a escolher a profissão, como
impacto social, transmissão de conhecimento e realização pessoal que proporciona

32%
RAZÕES POSITIVAS
24%
RAZÕES NEUTRAS
Oportunidade de transformação/ impacto social 13 A profissão requer vocação 13
É uma profissão fundamental para a sociedade/ o país não Tem que gostar muito para valer a pena/ tem que ter muito
10 8
consegue viver sem educação/ uma profissão muito importante amor/ dedicação

Engrandece/ realiza, ver alunos indo para uma faculdade, Por aptidão da pessoa/ por vocação/ quando desperta a vontade
3 6
crescendo na vida/ a transformação do cidadão/ o resultado de ser professor

Realização com a carreira 11 É preciso ter habilidades 8


É uma profissão que me faz bem/ gosto/ sou feliz/ escolhi 8
Precisamos de professores bem preparados/ há bastante
Transmissão/ troca de conhecimento 10 4
professores pouco qualificados
É gratificante transferir conhecimento para outras pessoas 6
Incentivar a profissão 5
Influencia todas as outras profissões/ ninguém consegue
3 É preciso ter professores ensinando/ estimular para não deixar
trabalhar em outra coisa sem ter a aprendizagem do professor 3
acabar
Relacionamentos/ vivência 3
Trabalhar com pessoas/ ensinamos, aprendemos e vivenciamos
2
coisas que nenhuma outra profissão tem
Boa empregabilidade/ formação atrativa 2
Pela empregabilidade 2
Por que recomendaria ou não a profissão docente para um jovem (%)?
Já as razões de não recomendação são muitas, relacionadas principalmente à desvalorização do professor, má remuneração e dificuldades da
rotina

72%
RAZÕES NEGATIVAS
Desvalorização da carreira 48 Falta base familiar 6
Não existe valorização da profissão/ Pouco reconhecida 37
O poder público/ Órgãos federativos/ Governo não têm Falta base familiar na educação/ os pais acham que o professor é
6 4
interesse em valorizar a profissão responsável pela educação/ alunos sem educação
Sociedade não têm interesse em valorizar a profissão 4
Falta de interesse do aluno 4
Familiares/ Pais não têm interesse em valorizar a profissão 3
Falta de interesse do aluno/ muito baixo o índice de
Alunos não valorizam o professor/a profissão 3
aprendizagem dos alunos, o aluno não usa as máquinas ao seu 2
Má remuneração 31
favor
Mal remunerada/ falta 13º/ piso salarial 30
Problemas/ rotina desgastante 15 Má qualidade do ensino 3

O professor tem muitos desafios/ dificuldades/ problemas 7 Cansativo lidar com governo, falta de políticas públicas, direitos 3
Falta infraestrutura/ recursos 13
Falta segurança/ muita violência nas escolas/ a vulnerabilidade
4
do professor em sala de aula/ drogas

Falta de material didático/ quando tem é de péssima qualidade 4

Falta de infraestrutura/ más condições gerais da escola, como


4
banheiros, ventilação, piso de resina
Medidas mais eficazes para valorização da profissão docente pela sociedade (%)
Qualificação e escuta dos professores de hoje são os principais fatores que podem levar à valorização da docência pela sociedade. Autoridade e
remuneração aparecem na segunda posição

Dar mais oportunidades de qualificação para os professores que já estão atuando nas escolas 69

Envolver e escutar os professores nos debates públicos e decisões sobre políticas educacionais 67

Restaurar a autoridade e respeito pela figura do professor frente aos estudantes e familiares dos alunos 64

Pagar melhor todos os professores 62
Pagar melhor os professores que demonstram mais comprometimento com a profissão/ remunerar pelo
mérito 53 3º
Fixar os professores em uma única escola de modo que ele venha a ser conhecido e respeitado pela
comunidade escolar 46

Explicitar para a sociedade as competências profissionais necessárias para ser professor 44

Realizar uma grande campanha na mídia promovendo a valorização da profissão 38

Tornar o acesso à profissão mais seletivo 36

Demitir professores que não são comprometidos com a profissão 22

* Questão foi feita combinando as frases duas a duas, onde os professores precisavam indicar em cada par qual medida consideravam mais eficaz para promover a
valorização da carreira. Após essas respostas, foi feita uma análise de ranking para determinar quais são as medidas mais apontada como mais efetivas.
3. FORMAÇÃO INICIAL E
CONTINUADA
Grau de concordância com a frase “A formação inicial que tive me preparou para os
desafios do início da docência.”
Não há um consenso sobre o papel da formação inicial: 1/3 discordam que essa formação preparou para os desafios da docência, enquanto quase
1/3 concordam. Essa concordância é maior para os professores de etapas iniciais, que cursaram pedagogia e também com mais tempo de carreira

34% 29%

9 25 37 12 17 Média:
7,0
0-3 4-6 7-8 9 10
Discordo totalmente Concordo totalmente

Rede de competência Tempo de carreira Etapa que dá aula Formação em Pedagogia Não há diferença entre quem
Pública – municipal 7,2 Até 10 anos 6,7 Ed. Infantil 7,7 Sim (Pedagogia) 7,4 se formou em curso da rede
Pública – estadual 6,7 pública e da privada
11 a 20 anos 6,9 EF I 7,3 Não (outras formações) 6,7
Particular 6,9 21 a 30 anos 7,3 EF II 6,7
Há mais de 31 anos 7,6 EM 7,0
Importância dos elementos trabalhados na formação inicial
Os professores dão bastante importância a todos os temas da formação docente, sendo a menor importância dada aos teóricos da
Educação, mas ainda assim com média 8,5

Médias
2% 82%
Conhecimento sobre didáticas específicas da sua disciplina 2 16 14 68 9,4
4% 81%
Conhecimento prático sobre como planejar uma aula 3 15 12 69 9,3
5% 81%
Fundamentos e métodos de alfabetização 14 15 13 67 9,3
Conhecimento sobre métodos de avaliação da aprendizagem dos 3% 77%
alunos
3 20 13 64 9,3
Conhecimento sobre teorias de aprendizagem / como o aluno 4% 78%
aprende 4 18 14 64 9,2
4% 78%
Conhecimento sobre gestão de sala de aula 13 18 15 63 9,2
Conhecimento sobre o pensamento de grandes teóricos da 10% 57%
2 9 33 16 41 8,5
Educação e da História da Educação

0-3 4-6 7-8 9 10


Nada Extremamente
importante importante
Quão bem trabalhados foram esses temas na formação inicial
Quando perguntados o quanto cada item foi bem trabalhado em sua formação inicial, as médias ficam próximas a 7, sendo mais bem
trabalhado o tema dos teóricos da Educação, e menos bem trabalhado a gestão de sala de aula

Médias
Conhecimento sobre o pensamento de grandes teóricos da Educação e 22% 37%
4 18 41 16 21 7,7
da História da Educação
25% 36%
Conhecimento sobre didáticas específicas da sua disciplina 5 20 40 17 19 7,6
31% 33%
Conhecimento prático sobre como planejar uma aula 8 23 36 13 20 7,3
30% 26%
Conhecimento sobre teorias de aprendizagem / como o aluno aprende 6 24 44 11 15 7,2
33% 26%
Conhecimento sobre métodos de avaliação da aprendizagem dos alunos 7 25 41 13 14 7,1
33% 29%
Fundamentos e métodos de alfabetização 12 21 39 13 16 6,9
43% 22%
Conhecimento sobre gestão de sala de aula 13 30 35 11 11 6,5

0-3 4-6 7-8 9 10


Não foi bem Foi muito bem
trabalhado trabalhado
Quão bem cada tema foi trabalhado na formação inicial vs. importância
Quando comparados os temas por grau de importância e do quão bem trabalhados foram na formação inicial, os professores apontam
que os temas mais importantes são os menos bem trabalhados

Conhecimento sobre didáticas


específicas da sua disciplina

Conhecimento sobre o
9,4
pensamento de grandes Conhecimento prático sobre
teóricos da Educação e da 7,6 9,4 como planejar uma aula
História da Educação
8,5
7,7 7,3

Conhecimento sobre 6,9


6,5 9,3 Fundamentos e métodos
gestão de sala de aula 9,2 de alfabetização

7,2 7,1
Importância
**Sem grandes
diferenças estatísticas 9,2
entre os professores Conhecimento sobre
9,3 Conhecimento sobre Quanto foi bem
com mais e menos
teorias de aprendizagem / métodos de avaliação da trabalhado
tempo de carreira aprendizagem dos alunos
como o aluno aprende
Percurso formativo por etapa (%)
79% continuaram estudando após a graduação, sendo especialização a modalidade mais buscada.

1
0
7 1
NR 5 Nenhum
Nenhum
7 3 21
3
4 Outras combinações
8 Magist + Téc
2 1
2 Mestrado + Doutorado
9 Licenc + Normal + Pedag 6
19 Reg + Magist + Tec
6 Licenc + Normal + Outros
Especialização +
Reg + Téc 15 Licenciatura + Normal Mestrado + Doutorado

26 Licenc+Norm+ Pedag+Outros
Só Técnico Só Mestrado
17 Licenci + Pedagogia + Outros
70
Reg + Magist
Só Pedagogia
Especialização +
Só Magistério Licenciatura + Pedagogia Mestrado
33
34
Licenciatura + Outros
Só Regular Só Especialização
Só Licenciatura

Ensino Médio Totais: Pós graduação Totais:


Totais: Ensino Superior
Licenciatura: 87% Especialização: 77%
Regular: 65%
Pedagogia: 39% Mestrado: 10%
Magistério: 52%
Outros cursos: 34% Doutorado: 1%
Técnico: 23%
Normal Superior: 16%
Percurso formativo por rede de ensino (%)
Em geral, a formação se inicia na rede pública, no Ensino Médio, e depois migra para a rede privada nas etapas seguintes

Ensino Médio Ensino Superior Pós-Graduação


Ambas NR NR
Ambas
6 1 3
8 Pública
22
Privada NR
Pública
22 42
38

Ambas
Pública Privada Privada
6
72 53 51
Percurso formativo por etapa, modalidade e rede de ensino (%)

Ensino Médio – Regular 48 19 65%


Ensino Médio – Magistério 43 11 52%
Ensino Médio – Técnico/ Profissionalizante 19 8 27%
Ensino Superior – Pedagogia 12 27 39%
Ensino Superior – Magistério/ Normal Superior 9 7 16%
Ensino Superior – Licenciatura 38 51 87%
Ensino Superior - Outros cursos 14 21 34%
Curso de Especialização (mínimo 360 horas) 25 57 77%
Mestrado 7 3 10%
Doutorado 10 1%
Pública Privada
4. CONDIÇÕES DE TRABALHO
Satisfação com a atividade docente
A satisfação com a carreira fica com média 7, sendo maior nas etapas iniciais, entre os que têm menos tempo de carreira e os que dão aula na
rede particular

33% 21%
Média:
6 27 47 10 11 7,0

0-3 4-6 7-8 9 10


Totalmente insatisfeito Totalmente satisfeito

Rede de competência Etapa que dá aula Tempo de carreira Remuneração


Pública – municipal 7,0 Ed. Infantil 7,2 Até 10 anos 7,3 Até 3 SMs 7,2
Pública – estadual 6,5 EF I 7,3 11 a 20 anos 6,8 De 3 a 5 SMs 6,9
Particular 7,6 EF II 6,8 21 a 30 anos 6,9 De 5 a 10 SMs 6,8
EM 6,6 Há mais de 31 anos 6,9 De 10 a 30 SMs 7,4
Condições de trabalho
Na avaliação das condições de trabalho, a colaboração com os colegas tem a melhor média, assim como quantidade de escolas em que dá aula
e apoio dos gestores. Por outro lado, recursos tecnológicos, pedagógicos e infraestrutura das escolas têm as piores médias

Médias
16%
Colaboração com seus colegas de profissão 46%
2 14 38 18 27 8,1
Quantidade de escolas em que você dá aula 25% 46%
8 17 28 11 36 7,7
25% 42%
Apoio da equipe gestora 6 19 33 16 26 7,7
Respeito mútuo entre todos na escola, como estudantes, familiares de 29% 31%
alunos, superiores, funcionários, colegas, etc. 5 24 39 15 16 7,3
38% 29%
Livro didático que sua escola adota 14 24 33 11 18 6,7
42% 28%
Número total de alunos sob sua responsabilidade (todas as turmas) 14 28 31 10 18 6,6
44% 23%
Tempo para atividades extraclasse relacionadas ao exercício da docência 15 29 32 9 14 6,4
44% 31%
Segurança dentro da escola 19 25 25 12 19 6,4
45% 26%
Número de alunos por turma 17 29 29 9 17 6,4
47% 23%
Infraestrutura da escola 16 32 30 9 13 6,3
52% 20%
Recursos/ materiais pedagógicos 17 36 27 8 13 6,1
60% 18%
Acesso à internet na escola e recursos tecnológicos digitais 32 28 22 6 13 5,2
0-3 4-6 7-8 9 10
Nada adequado Totalmente adequado
Tipo de contrato (%)
Contrato por tempo indeterminado é a forma de contratação mais presente entre os professores, chegando a 90%, sendo a
maior parte de concursados

Contrato por tempo


72
indeterminado - concursado

Contrato por tempo


22
indeterminado - não-concursado

Contrato por tempo determinado


Não concursados 8
maior do que 1 ano letivo
(38%)
Contrato por tempo determinado
8
de 1 ano letivo ou menos I.M.:
1,2
Tipo de contrato (%)
Maioria é de concursados nas redes municipal e estadual.

72
Contrato por tempo indeterminado - 87
concursado 76
0
22
Contrato por tempo indeterminado - não- 4
concursado 7
83
8
Contrato por tempo determinado maior do 4
que 1 ano letivo 9
12 Total
8 Publica Municipal
Contrato por tempo determinado de 1 ano 7
letivo ou menos 9 Publica Estadual
7 Particular
Número de escolas e de turmas em que dá aula
Eles trabalham em média em uma a duas escolas, e são responsáveis por 5 a 6 turmas

Número de escolas Número de turmas


Média:
Média: 25 5,9
1
63% 1,5 turmas
25
escolas

1 escola 12
2
8
30%
2 escolas 3-5
27
22

5% 6-8
21
3 escolas 15

10
1% 9 - 11
6
4 escolas
9
12 - 14
1% 4
Total
5 escolas ou mais
8
15 ou mais Turmas/escola
4
Número de escolas e de turmas por rede
Professores da rede municipal trabalham em menos escolas e são responsáveis por menos turmas – reflexo da predominância da Educação
Infantil Fundamental I na rede. Nas escolas estaduais, há a maior média de turmas, já que nesta rede predominam EF II e Médio. No Ensino
Médio, os professores ficam responsáveis por 8 a 9 turmas na média

Número de turmas
Número de escolas em que dá aula
Média: 5,9 4,4 7,8 6,3
Média: 1,5 1,5 1,6 1,8
25

63 1 12
34

Uma escola 59 27
51 12
45
2 5
18

30 10

Duas escolas 34 27
38
37 3a5 29
36
36
5 21
Três escolas 5
9 6a8 18
31
14 27

1 10

Quatro escolas 1 9 a 11 7
14
1 11
1
Média por etapa 9 Média por etapa
Cinco escolas ou
1 1,4 - Ed. Infantil 12 a 14 6
14 2,8 - Ed. Infantil
1 10
mais 1 1,4 - EF I 4,3 - EF I
1 8
1,6 - EF II 7,6 - EF II
15 ou mais 4
13
1,7 - EM 10 8,6 - EM
Número de escolas e de turmas por etapa
Assim como em rede municipal, os professores da Ed. Infantil trabalham em menos escolas e com número menor de turmas

Número de escolas em que dá aula Número de turmas

Média: 1,5 1,4 1,4 1,6 1,7 Média: 5,9 2,8 4,3 7,6 8,6
25
63 54
65 1 6
43
Uma escola 65 4
49 12
50 29
2 5
20
30
5
33
Duas escolas 30
6
27
40
37
3a5 18
43
35
5 21
1 6
Três escolas 3 6a8 12
32
9 34
11 10
2
1 9 a 11 6
15
0
15
Quatro escolas 1
1 9
3
1 12 a 14 6
12
1 16
Cinco escolas 1
4
8
1
ou mais 1 15 ou mais 7
10
1 15
Carga horária total do contrato
A carga horária fica em torno de 31 horas por semana, sendo que na rede particular a média é mais baixa. E apesar de quase 60% afirmarem
que há tempo remunerado para atividades extraclasse, a grande parte utiliza mais de 2/3 da carga total para dar aulas, sendo ainda maior esse
índice na rede particular

58% na rede
privada
Carga horária destinada a dar aula
sobre carga horária total
Até 20h 34
Os professores têm tempo
Menos que 2/3
remunerado para realização
11%
de atividades extraclasse?
21 a 39h 30 Próximo a 2/3
100% da
16%
carga total
27%
40 horas 35
58%
Média:
Sim
Mais que 2/3
Mais 41h 6 31,1 46%
horas

57% na rede pública


(municipal + estadual)

*“Menos que 2/3”: menos que 60% do horário total destinado a dar aula / “Próximo a 2/3”: entre 60% - 70% do horário total destinado a dar aula /
“Mais que 2/3”: mais que 70% do horário total destinado a dar aula.
Carga horária por rede de ensino
Na rede privada, metade dos professores trabalham até 20h por semana, sendo que também metade destinam 100% destas horas para dar aulas

Carga horária destinada a dar aula


Carga horária total sobre carga horária total
Média: 31,1 31,6 30,9 23,1
Média: 23,7 23,9 23,0 20,0

34
11
30 Menos que
Até 20h 31 12
52 2/3 10
8
30
27 16
21 a 39h 24
Próximo a 18
29 2/3 18
4
35
34 45
40 horas 35 Mais que 47
13 2/3 52
39
6
10 27
Mais 41h 7 23
2
3/3 19
48
Grau de concordância com a frase: “No geral minha rotina como professor é solitária,
sinto falta de dividir a minhas decisões com outros profissionais na escola”
Como visto anteriormente, a colaboração com os colegas de profissão é o item mais bem avaliado nas condições de trabalho e se reflete
na concordância com a frase sobre rotina solitária – 2/3 discordam que o dia-a-dia é solitário e que sintam falta de dividir as decisões com
outros profissionais

62% 11%
Média:
34 28 27 4 7
4,8
0-3 4-6 7-8 9 10
Discordo totalmente Concordo totalmente

Médias por segmento


5,0 na rede municipal
5,0 na região Nordeste
5,1 entre os que dão aula em duas ou mais escolas
5,3 entre os que estão menos satisfeitos (0-6)
5,4 entre os professores que dão aula em modalidades especiais
Sem diferenças estatísticas entre etapas de ensino
Importância de ser feito colaborativamente
Atividades menos práticas e que demandam mais reflexão são as que os professores mais acham importantes que sejam feitas de
maneira colaborativa, apesar de esta ser bem vista em todas as esferas

Médias
3% 81%
Refletir sobre como melhorar a didática de ensino 3 16 12 68 9,4
3% 80%
Definir maneiras de enfrentar adversidades em sala de aula 3 17 12 67 9,3
4% 78%
Coletar informações sobre o perfil, os interesses, as
dificuldades e o potencial de cada estudante 13 18 13 66 9,3
5% 75%
Planejar encaminhamentos a partir de resultados de avaliações 14 20 13 62 9,2
6% 75%
Realizar planejamentos bimestral/semestral/anual 1 5 19 12 63 9,1
6% 72%
Preparar avaliações de aprendizagem 1 5 22 12 60 9,1
8% 72%
Preparar planos de aula 2 6 20 10 61 9,0

0-3 4-6 7-8 9 10


Nada Totalmente
importante importante
Dificuldades de ser feito colaborativamente (%)
As principais dificuldades para que o trabalho colaborativo aconteça são outras atividades e acúmulo de cargo

51% entre professores da rede 42 Outras atividades como corrigir provas e planejar aulas acabam tomando todo o tempo
particular
43% entre professores da rede
40 Muitos professores acumulam cargo e acabam não ficando na escola
pública estadual, 45% EF II e
44% EM
27 Falta planejamento para viabilizar que os horários dos professores coincidam na escola
33% entre professores da rede
pública municipal, enquanto 25%
na estadual 27 Falta orientação e apoio da Secretaria para que essas atividades aconteçam

25% entre professores da rede


pública municipal, enquanto 16% na 21 Pouco preparo do coordenador pedagógico p/ liderar atividades colaborativas
estadual
22% entre professores da 18 Falta vontade dos professores para realizar atividades colaborativas
rede particular e 25%
entre não-concursados por
tempo indeterminado 14 Falta de incentivo da gestão escolar

10 Outros
Durante o tempo remunerado para realização de atividades extraclasse, reuniões de
trabalho coletivo entre professores acontecem...

33% 29%
Reuniões acontecem obedecendo uma Reuniões acontecem por iniciativa da
diretriz da Secretaria de Educação própria escola

38% na rede 44% na rede


particular
municipal
Não há diferença
significativa quando
0,5% olhamos apenas
Não sei dizer rede pública

4%
Não acontecem estas
reuniões
42%
Professores não têm tempo remunerado
para realização de atividades extraclasse

Quando ocorrem, as reuniões de trabalho colaborativo entre os professores da rede pública obedecem principalmente uma diretriz da
Secretaria de Educação, e na rede privada são feitas iniciativa da própria escola
Currículo para orientar o trabalho pedagógico dos professores
Em grande parte das escolas existe um currículo que orienta o trabalho dos professores, e todos ou parte deles seguem

6% na rede pública Existe um currículo e TODOS


municipal Não sei
1%
47% os professores seguem
rigorosamente
NÃO EXISTE um currículo
para orientar o trabalho 52% na rede particular
pedagógico
5%

Existe um currículo e
PRATICAMENTE NINGUÉM 4%
segue

Rede pública
apresenta um cenário
muito similar ao total

Existe um currículo e PARTE


42% dos professores segue
rigorosamente

46% na rede pública estadual


5. GESTÃO PÚBLICA

BASE: Professores de
escolas da rede pública (1773)
Importância de que a Secretaria de Educação forneça...
O que os professores da rede pública consideram mais importante que as Secretarias de Ensino forneçam é formação continuada, em linha com
a estratégia mais mencionada para valorização da profissão docente. Recursos tecnológicos e materiais de apoio também dividem a primeira
posição de importância
Médias
8% 76%
Programas de formação continuada 2 5 17 8 68 9,1
8% 77%
Recursos digitais tecnológicos para diversificar sua aula 35 15 9 68 9,1
8% 73%
Materiais de apoio para implementação do currículo 2 6 19 9 63 9,0
10% 68%
Plataformas digitais para otimizar o trabalho burocrático 2 8 22 9 59 8,9
9% 64%
Orientações curriculares 1 8 27 11 54 8,8
Aumento 25% 48%
significativo entre
Planos de aula estruturados para apoiar sua atuação 8 17 27 8 40 7,8
28% 43%
as notas de 0 a 6, Provas diagnósticas padronizadas e orientações para uso
comparados aos 10 18 29 8 36 7,5
pedagógico das mesmas
demais aspectos.
0-3 4-6 7-8 9 10
Nada Muito
importante importante
Visão sobre a Secretaria de Educação
Também nas afirmações sobre a atuação da secretaria em projetos e programas e comunicação com os professores, é forte a discordância de
que estes órgãos façam um bom trabalho

Médias
59% 16%
Acredito que a Secretaria da Educação está efetivamente
preocupada com a melhoria da aprendizagem dos alunos 28 31 26 6 10 5,3
63% 13%
A Secretaria de Educação dá continuidade a bons programas 28 35 24 4 9 5,1

65% 11%
A Secretaria de Educação costuma realizar ajustes em seus
programas quando estes não funcionam bem 29 36 24 4 6 5,0
66% 9%
Os programas da Secretaria de Educação estão alinhados com a
realidade das escolas 29 37 25 45 4,9
64% 11%
Existe um bom canal de comunicação entre os professores e a
Secretaria de Educação 32 32 25 4 7 4,9

0-3 4-6 7-8 9 10


Discordo Concordo
totalmente totalmente
O quanto aspectos estão bem atendidos pela Secretaria de Educação
Quando avaliam o quanto as secretarias os atendem nos aspectos de carreira, aposentadoria, remuneração, reconhecimento, decisões e
saúde, as médias são bastante baixas, mostrando um forte descontentamento

Médias
9%
66%
Critérios de progressão na carreira 32 34 24 45 4,8
9%
68%
Processo burocrático para aposentadoria 31 36 23 45 4,8
5%
73%
Salário 34 39 21 23 4,5
6%
72%
Reconhecimento profissional não-monetário 35 36 22 33 4,5
7%
72%
Envolvimento dos professores nas decisões sobre os rumos
da política educacional
37 35 21 34 4,4
4%
84%
Apoio relacionado à saúde e questões psicológicas do
professor
55 29 13 12 3,1

0-3 4-6 7-8 9 10


Não está bem Está muito bem
atendido atendido
Visão sobre a Direção
Quanto aos diretores, boa parte dos professores concordam que estes devem ser escolhidos com critérios técnicos e que deveriam
ter autonomia sobre o orçamento da escola, mas metade discorda que eles possas escolher sua própria equipe de docentes

Médias
7% 75%
Deveriam existir pré-requisitos técnicos para
alguém se tornar diretor de escola 25 18 8 67 9,1

16% 62%
O diretor deveria ter autonomia para gerenciar 8,4
o orçamento disponível para a escola
6 10 22 9 53

49% 34%
Um diretor escolar deveria ter autonomia para 5,9
poder escolher a sua equipe de professores
28 21 17 5 28

0-3 4-6 7-8 9 10


Discordo Concordo
totalmente totalmente
Planejamento
A entrega de materiais no ano letivo de 2018 aconteceu no primeiro, segundo ou terceiro mês de aula, mas não no primeiro dia, e
permaneceram pequenos problemas nas escolas que já existiam em 2017

Entrega de materiais para os


alunos no ano letivo de 2018
Já estavam à disposição de todos os alunos
17% desde o primeiro dia Infraestrutura e manutenção

Já estavam à disposição desde o primeiro dia, 52%


16% mas não para todos os alunos
Permanecem
problemas
pequenos que já
28% Ocorreram no primeiro mês de aula, mas não
no primeiro dia existiam desde o 35%
ano passado
Permanecem
28% Ocorreram/ ocorrerão no segundo ou terceiro
mês de aulas
problemas 25%
sérios/ graves
que já existiam Surgiram novos 18%
desde o ano problemas esse
7% Não há entrega de materiais passado ano Estava tudo em
ordem no início
do ano letivo
4% Não sei informar 1% Não sei informar
Com que agilidade a reposição de professores ocorre?
A maioria dos docentes relatou que a reposição de professores acontece em até um mês. Apenas 1/3 deles afirma que é feita na mesma semana.

Média:
3,5
semanas
21% Rede de competência Etapa que dá aula
Dentro do mesmo mês Pública – municipal 3,2 Ed. Infantil 3,2
Pública – estadual 4,0 EF I 3,1
11% 9% EF II 3,7
Dentro de 2 semanas Entre 1 e 2 meses EM 4,1
Região
Norte 3,4
Nordeste 3,5
Centro-Oeste 2,7 Classificação cidade
Sudeste 3,4 4,2
36%
Capital + RM
17% Sul 4,2 Interior 3,2

Na mesma semana Mais de 2 meses


6%
Não sei informar
46

Você também pode gostar