Você está na página 1de 4

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA ª VARA DA FAZENDA

PÚBLICA DE PALMAS – TO
Amanda, (nome completo), (nacionalidade), (estado civil), (profissã o), portadora da cédula
de identidade RG nº (XXX), inscrita no CPF/MF sob o nº (XXX), residente e domiciliada em
(endereço completo), e-mail (XXX), por seu advogado subscritor, em respeitosamente
perante Vossa Excelência, nã o se conformando com a decisã o proferida pelo juízo de piso
(fls.) e com fundamento no artigo 102, inciso III, alínea a, da Constituiçã o Federal, interpor
o presente
RECURSO EXTRAORDINÁRIO
I. DO CABIMENTO
O presente recurso previsto no art. 102, inciso III, alínea a, da Constituiçã o Federal, é
cabível para atacar sentença denegató ria em Embargos de Declaraçã o, que em relaçã o à s
demais possibilidades, entende-se que obscuridade é uma imprecisã o ou dificuldade de
compreensã o do entendimento da decisã o.
Portanto, o presente recurso extraordiná rio, visa a reforma do v. acó rdã o recorrido pois o
mesmo contrariou o artigo 196 da Constituiçã o da Repú blica de forma patente e
insuperá vel, visto que o Tribunal de Justiça de Tocantins negou provimento aos Recursos
de Apelaçã o e de Embargos de Declaraçã o opostos contra a decisã o denegató ria do
presente Mandado de Segurança. A decisã o do Tribunal de Justiça se baseou na
impossibilidade de o Poder Judiciá rio interferir na esfera de discricionariedade do Poder
Executivo em razã o do princípio da separaçã o dos poderes do Estado, inclusive para
cumprimento escorreito do artigo 196 da Constituiçã o da Repú blica, que prevê o dever do
Estado (em todos os seus níveis) na prestaçã o do direito à saú de de todos). como será
demonstrado nos termos dos fatos narrados na inicial.
II. DO EFEITO SUSPENSIVO ATIVO
Sabe-se que, em regra, os recursos excepcionais nã o sã o dotados de efeito suspensivo capaz
de sobrestar a eficá cia da decisã o recorrida até ulterior aná lise pelos Tribunais Superiores.
Nã o obstante, a fim de evitar a consumaçã o de danos oriundos de decisõ es judiciais com
graves defeitos jurídicos (error in procedendo e error in judicando), o ordenamento
processual prevê a possibilidade de concessã o de efeito suspensivo aos recursos dirigidos
à s Cortes Superiores quando a execuçã o da decisã o recorrida for passível de causar à parte
lesã o grave e de difícil reparaçã o.
A possibilidade decorre do disposto no art. 1.029, § 5º, inc. I2, do Có digo de Processo Civil,
conforme descrito abaixo:
Art. 1.029. O recurso extraordiná rio e o recurso especial, nos casos previstos na
Constituiçã o Federal, serã o interpostos perante o presidente ou o vice-presidente do
tribunal recorrido, em petiçõ es distintas que conterã o:
I - a exposiçã o do fato e do direito;
II - a demonstraçã o do cabimento do recurso interposto;
III - as razõ es do pedido de reforma ou de invalidaçã o da decisã o recorrida. (...)
§ 5º O pedido de concessã o de efeito suspensivo a recurso extraordiná rio ou a recurso
especial poderá ser formulado por requerimento dirigido:
I – ao tribunal superior respectivo, no período compreendido entre a publicaçã o da decisã o
de admissã o do recurso e sua distribuiçã o, ficando o relator designado para seu exame
prevento para julgá -lo.
Assim, que garante ao Ministro Relator, por meio do seu poder geral de cautela, poderes
para, com base em fundado receio de que o cumprimento imediato do acó rdã o
condenató rio, antes do julgamento final da causa, gere lesã o grave e de difícil reparaçã o,
determinar as medidas provisó rias que julgar adequadas, a fim de que a matéria sob exame
fique resguardada até o pronunciamento final das instâ ncias competentes.
III. DOS FATOS

Esse Tribunal julgou o Recurso de Apelaçã o improvido, sob a fundamentaçã o de que os


direitos fundamentais em discussã o, apesar de previstos na Constituiçã o, nã o justificam a
intervençã o de um poder sobre o outro, em especial quando na esfera da sua
discricionariedade.
Como houve desrespeito a uma norma constitucional, na ú ltima seçã o você opô s os
Embargos de Os chamados Embargos de Declaraçã o foram opostos a fim de que o ó rgã o
julgador esclarecesse a sua decisã o e pre-questionando expressamente o ferimento ao
dispositivo constitucional a que a decisã o proferida feriu, em especial o artigo 196, da
Constituiçã o Federal.
Os Embargos de Declaraçã o foram improvidos sob a alegaçã o de que nã o precisa o Tribunal
fundamentar a decisã o com todos os argumentos trazidos pelas partes, mantendo a decisã o
recorrida. Assim, nã o poderia o Poder Judiciá rio impelir o Executivo a fornecer
medicamento específico para um cidadã o sem norma que expressamente previsse essa
hipó tese, nã o havendo como aplicar a norma constitucional de forma ampla sendo que ela
tem cará ter meramente programá tico.

IV. DO DIREITO
Do direito mérito recursal – dever constitucional previstos nos artigos 1 e 196 da
Constituição Federal conforme descrito abaixo:

Art. 1º A Repú blica Federativa do Brasil, formada pela uniã o indissolú vel dos Estados e
Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado democrá tico de direito e tem como
fundamentos:
I - a soberania;
II - a cidadania;
III - a dignidade da pessoa humana;
IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa;
V - o pluralismo político.
Pará grafo ú nico. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes
eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituiçã o.

Art. 196. A saú de é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais
e econô micas que visem à reduçã o do risco de doença e de outros agravos e ao acesso
universal e igualitá rio à s açõ es e serviços para sua promoçã o, proteçã o e recuperaçã o.

VI. DA REPERCUSSÃO GERAL E DO PREQUESTIONAMENTO DA MATÉRIA


Mediante o artigo 102 § 3º da Emenda Constitucional nº 45, de 2004 conforme descrito
abaixo:
Art. 102.
§ 3º No recurso extraordiná rio o recorrente deverá demonstrar a
repercussã o geral das questõ es constitucionais discutidas no caso, nos termos da
lei, a fim de que o Tribunal examine a admissã o do recurso, somente podendo recusá -lo
pela manifestaçã o de dois terços de seus membros. (Incluída pela Emenda Constitucional
nº 45, de 2004).

VIII. DOS PEDIDOS


a) o presente recurso, com a reforma do Acó rdã o proferido pelo TJTO que nã o deu
provimento ao Recurso de Apelaçã o e dessa forma impediu a procedência do Mandado de
Segurança, referente ao pedido de fornecimento dos medicamentos pleiteados na inicial;
b) o deferimento do pedido de efeito suspensivo ativo ao recurso;
c) intimando-se a parte recorrida para que cumpra imediatamente a ordem judicial de
fornecimento dos medicamentos para o tratamento do impetrante;
d) Protesta provar o alegado por todos os meios em Direito admitidos, requerendo-os
desde já .
Termos em que,
pede deferimento.
Palmas, __ de ____ de 2019.
______________________
Advogado
OAB/UF

Você também pode gostar