Você está na página 1de 66

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO ELVIRA

DAYRELL

GESIEL MARTINS

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INCLUSÃO


SOCIAL: NOVAS PERSPECTIVAS PARA A
EDUCAÇÃO
VIRGINÓPOLIS, 2008.

GESIEL MARTINS
EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INCLUSÃO
SOCIAL: NOVAS PERSPECTIVAS PARA A
EDUCAÇÃO

Monografia apresentada ao Instituto Superior


de Educação Elvira Dayrell como um dos pré-
requisitos para obtenção do grau de
Licenciatura Plena em Educação Física.

RENATO VALONY FERREIRA PINTO


ORIENTADOR

VIRGINÓPOLIS, 2008.
GESIEL MARTINS
EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INCLUSÃO SOCIAL: NOVAS
PERSPECTIVAS PARA A EDUCAÇÃO

Monografia apresentada como exigência


parcial para a obtenção do grau de
Licenciatura Plena em Educação Física, à
comissão julgadora do Instituto Superior de
Educação Elvira Dayrell.

Aprovada em ___/___/___
__________________________________________
Renato Valony Ferreira Pinto
Instituto Superior de Educação Elvira Dayrell
À minha avó Maria (in
memorian)
À minha esposa Carla
Ao meu filho Otávio
AGRADECIMENTOS

A minha família que eu amo tanto pelo imenso e incessante apoio durante essa

trajetória, que muitas vezes abdicando de seus sonhos realizaram os meus, acreditando

em mim.

Aos meus amigos que estiveram sempre do meu lado e torceram pela minha vitória.

Ao meu orientador Renato Valony pelo importante auxílio prestado durante a realização

deste trabalho.

Ao diretor geral do ISEED Argemiro A.D. Lessa pela amizade, carinho, respeito e,

principalmente pelo enorme apoio e incentivo durante essa jornada.

À assistente social Fernanda pela convivência amigável durante estes três anos de curso

e pelo apoio nos momentos difíceis.


Aos professores, mestres que com a arte de ensinar me despertaram a vontade de crescer

com afeto, amizade e sabedoria.

Aos meus colegas da turma que estiveram comigo desde o início, passando juntos por

momentos de muitas alegrias e também de tristeza, mas firmes vencemos.

A todos, muito obrigado.


Entende-se a Educação Física Escolar como

uma disciplina que introduz e integra o aluno

na cultura corporal de movimento, formando o

cidadão que vai produzi-la, reproduzi-la e

transformá-la, capacitando-o para usufruir os

jogos, os esportes, as danças, as lutas e as

ginásticas, em benefício do exercício crítico da

cidadania e da melhoria da qualidade de vida.

CONFEF (2002)
RESUMO

Este trabalho discute a Educação Física praticada na escola, partindo de uma análise de

sua origem na Europa do final do século XVIII e início do século XIX, onde surgiu com

o nome de Ginástica e, retrata seu percurso histórico ao longo dos séculos aqui no

Brasil. Salienta ainda, as influências e tendências sofridas por essa disciplina em nosso

país, o que pode ter causado à Educação Física uma crise de identidade, desvalorização

de sua prática e importância no processo de ensino e aprendizagem do aluno para sua

formação plena como cidadão crítico e consciente. Essa retrospectiva do processo

histórico da Educação Física Escolar Brasileira visa compreender seu momento atual

nas escolas, a fim de melhorar sua prática educacional, mostrando alternativas para
aulas dinâmicas e inclusivas. Dessa forma a Educação Física será respeitada e

valorizada no contexto escolar.

Palavras Chave: Educação Física; Esportes; Corpo; Educação Inclusiva.

ABSTRACT

This work discusses the Physical Education practiced in the school, leaving from an

analysis of his origin in Europe of the end of the century XVIII and beginning of the

century XIX, where it appeared with the name of Gymnastics and, shows his historical

distance along the centuries here in Brazil. Point out still, the influences and it

disciplines tendencies suffered by that one in our country, which can have caused to the

Physical Education a crisis of identity, devaluation of his practice and importance in the

process of teaching and apprenticeship of the pupil for his full formation like critical

and conscious citizen. This retrospect of the historical process of the Physical School

Brazilian Education aims to understand his current moment in the schools, in order to
improve his education practice, showing alternatives for dynamic and included

classrooms. In this form the Physical Education will be respected and valued in the

school context.

Key words: Physical education; Sports; Body; Included Education.

SUMÁRIO
1

INTRODUÇÃO...................................................................................................................

........09

2 EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR BRASILEIRA:


UMA CONSTRUÇÃO
HISTÓRICA............................................................................................14
2.1 Tendências da Educação
Física...........................................................................................19
2.1.1 Educação Física
Higienista.........................................................................................20
2.1.2 Educação Física
Militarista.........................................................................................20
2.1.3 Educação Física
Pedagogicista...................................................................................21
2.1.4 Educação Física
Competitivista..................................................................................22
2.1.5 Educação Física
Popular.............................................................................................23
2.2 A Educação Física Após os Anos
80....................................................................................24
2.3 Educação Física Escolar: Considerações do Século

XXI.....................................................27

3 ESPORTES E CULTURA CORPORAL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO


FÍSICA: UM IMPORTANTE MEIO PARA A EDUCAÇÃO
INCLUSIVA...............................31
3.1 Esportes e Educação Física ao Longo dos
Anos..................................................................32
3.2 Cultura e Cultura
Corporal...................................................................................................36
3.2.1 Corpo e Corporeidade na Educação
Física..................................................................40
3.3 Educação
Inclusiva...............................................................................................................42
3.3.1 Portadores de Deficiências Físicas nas Aulas de Educação
Física..............................45
3.3.2 Educação Nova e Papel do Professor de Educação Física:
Contribuições Para a Inclusão
Escolar...........................................................................................47

4
CONCLUSÃO.....................................................................................................................
.......49
5 REFERÊNCIAS
BIBLIOGRÁFICAS.......................................................................................53

1 INTRODUÇÃO

Há muito tempo a Educação Física vem sendo palco de discussões e objeto

de estudo de diversas áreas (Filosofia, Antropologia, Ciências Humanas) que procuram

encontrar explicações e teorias definitivas para chegar a um conceito do que realmente

seja a Educação Física, surgindo assim, alguns questionamentos: O que é Educação

Física? Para que serve a Educação Física?

Para que se compreenda o momento atual da Educação Física Escolar é

necessário conhecer todo o seu contexto histórico, abordando suas origens e principais

influências que marcaram sua implantação aqui no Brasil e que ainda caracterizam esta

disciplina em nossas escolas, delineando seus novos rumos tanto em relação aos seus

conteúdos quanto à forma de ensino. Assim, iniciaremos este estudo, com uma

retrospectiva ao final do século XVIII e início do século XIX na Europa, onde se

encontram as raízes da Ginástica, primeiro nome dado à Educação Física.

A Ginástica compreendia marchas, corridas, lançamentos, esgrima, natação,

equitação, jogos e danças. Surgiu inicialmente como um movimento de caráter popular


e sem qualquer relação com a instituição escolar. Mas com a criação dos chamados

Sistemas Nacionais de Ensino, a Ginástica de caráter bastante abrangente foi

introduzida na escola como conteúdo escolar obrigatório. Este movimento, bastante

vigoroso em todo o século XIX, teve sua denominação definida a partir do seu país de

origem e ficou conhecido como “escolas” ou “métodos de ginástica”. “Os mais

conhecidos no Brasil foram o Método francês, alemão e sueco, sendo o mais divulgado

e que serviu de modelo para um método nacional de ginástica em nosso país, o Método

francês” (SOARES, 1996, p. 08).

A Educação Física Escolar Brasileira, durante muito tempo esteve vinculada

às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no

que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades, quanto ao seu campo de

atuação e à forma de ser ensinada. Os médicos que tinham grande influência sobre a

Educação Física, visando melhorar a qualidade de vida, assumiram uma função

higienista tentando mudar os hábitos de saúde e higiene de toda a população. Nessa

concepção, as aulas de Educação Física, então, favoreciam a disciplinarização do corpo,

tendo como meta a constituição de um físico forte, saudável e equilibrado

organicamente, menos suscetível às doenças; não importando os meios usados para a

obtenção destes objetivos. Além disso, “havia no pensamento político e intelectual

brasileiro da época uma forte preocupação com a eugenia¹. Como o contingente de

escravos negros era grande, havia o temor de uma ‘mistura’ que ‘desqualificasse’ a raça

branca” (PCNs, 1997).

Com o passar dos anos, sofrendo várias influências e tendências, a Educação

Física sempre esteve em conformidade com o contexto histórico e o momento político

mundial; alternando assim, seus objetivos e sua forma de ser trabalhada (processo de
ensino-aprendizagem); até que em 1971, a partir do Decreto nº. 69.450, em âmbito

escolar considerou-se a Educação Física como:

a atividade que, por seus meios, processos e técnicas, desenvolve e aprimora


forças físicas, morais, cívicas, psíquicas e sociais do educando. A falta de
especificidade do decreto manteve a ênfase na aptidão física, tanto na
organização das atividades como no seu controle e avaliação. A iniciação
esportiva, a partir da quinta série, tornou-se um dos eixos fundamentais de
ensino; buscava-se a descoberta de novos talentos que pudessem participar
de competições internacionais, representando a pátria. Nesse período o
chamado ‘modelo piramidal’ norteou as direções políticas para a Educação
Física: a Educação Física Escolar, a melhoria da aptidão física da população
urbana e o empreendimento da iniciativa privada na organização desportiva
para a comunidade comporiam o desporto de massa que se desenvolveria,
tornando-se um desporto de elite, com a seleção de indivíduos aptos para
competir dentro e fora do país (PCNs, 1997).

Para alguns professores, o esporte, apareceu como uma alternativa ao

descaso e a

1. A Eugenia é uma ação que visa o melhoramento genético da raça humana, utilizando-se para tanto de
esterilização de deficientes, exames pré-nupciais e proibição de casamentos consangüíneos.

improvisação, que então grassavam nas aulas de Educação Física. Para eles, o esporte

era uma

atividade educativa por excelência. Para Oliveira (2002), “o esporte aliado à

interferência do

governo no desenvolvimento da educação física escolar, tornava-se referência

praticamente exclusiva para a prática de atividades corporais, dentro ou fora da escola”.

Assim, todo o conjunto de atividades físicas passíveis de serem abordadas e

desenvolvidas no interior da escola resumiu-se à prática de algumas modalidades


esportivas; as práticas corporais de Educação Física passaram a ter como objetivo

principal a técnica esportiva, o gesto técnico, a repetição excessiva de movimentos,

enfim, a redução da gama de possibilidades corporais a algumas poucas técnicas

estereotipadas para a busca de alto rendimento.

Dessa forma, a Educação Física Escolar torna-se competitiva, um verdadeiro

“campo de guerra” com caráter seletivo, onde os mais fortes vencem e são agraciados.

Os alunos que possuíam algum talento ou habilidades para uma modalidade esportiva

eram selecionados em um “grupo elite” para o seu treinamento específico e se tornarem

“atletas-herói”, exemplo de superação para todos e orgulho para a pátria. Enquanto que

os outros sem tais habilidades, os “incapacitados fisicamente” eram excluídos,

marginalizados.

Na década de 80 esse modelo começa a perder força e ser contestado,

causando uma significativa mudança nas políticas educacionais: a Educação Física

Escolar passou a priorizar o segmento de primeira à quarta série e também a Educação

Infantil, enfocando o desenvolvimento psicomotor do aluno.

A partir daí o campo de debates se ampliou e uma nova tendência para a


Educação Física começou a surgir, um novo enfoque quanto à natureza da
área, seus objetivos, conteúdos e pressupostos pedagógicos de ensino e
aprendizagem começaram a ser discutidos. Foram enfatizadas as dimensões
psicológicas, sociais, cognitivas e afetivas, para a formação do aluno como
ser humano integral (LIMA, 2004).

Com a afirmação da Psicomotricidade, a Educação Física, então, perde sua

especificidade de caráter técnico e esportivo. Ela se envolve com as tarefas pedagógicas

da escola, com o pleno desenvolvimento da criança, com o ato de aprender, com os

processos cognitivos, afetivos e psicomotores. A Educação Física se torna ainda, um


meio para aprender outras disciplinas (Matemática, Língua Portuguesa, História,

Geografia, Ciências...), um importante meio para socialização (SOARES 1996).

As aulas de Educação Física tomam novos rumos, elas tornam-se mais

dinâmicas. Mesmo trabalhando com modalidades esportivas e ginástica na escola, a

Educação Física, por meio de suas atividades motrizes, desenvolve na criança a

ludicidade, a interação social, a afetividade, o respeito mútuo; transmitindo ainda,

conhecimentos sobre a cultura corporal de movimento. Assim:

O processo de ensino e aprendizagem em Educação Física, portanto, não se


restringe ao simples exercício de certas habilidades e destreza, mas sim de
capacitar o indivíduo a refletir sobre suas possibilidades corporais e, com
autonomia, exercê-las de maneira social e culturalmente significativa e
adequada (PCNs, 1997).

A Educação Física está na escola como componente curricular e matéria de

ensino. Ela é, antes de tudo Educação e como tal participa no processo educacional do

aluno, contribuindo para a sua formação cultural por meio de suas diversas atividades.

Portanto, cabe ao professor lutar para que a Educação Física continue na escola e seja a

cada dia, mais valorizada; para isso deve trabalhar de forma integrada e dinâmica,

buscando a inclusão de todos em suas aulas, independentemente de cor, etnia, religião,

condições financeiras ou limitações físicas; evitando assim, qualquer forma de

preconceito ou discriminação. Assim estará contribuindo para a formação de cidadãos

críticos e conscientes.

A Educação Física ainda é inferiorizada em grande parte das escolas e

desvalorizada por outros professores, alunos e pais. Há muito tempo temos preocupação

em ver a Educação Física ocupar o espaço que lhe é de direito dentro do sistema
educacional, mas há muito a ser feito; por isso, a necessidade de compreensão de seu

contexto histórico para um novo direcionamento do processo ensino-aprendizagem

desta área.

O presente trabalho consiste em uma revisão bibliográfica de literatura

descritiva. Este estudo objetiva-se em investigar o processo histórico da Educação

Física Escolar Brasileira para compreender o seu momento atual, mostrando alternativas

para o processo de ensino e aprendizagem mais inclusivo na escola, de forma que a

Educação Física possa ser mais valorizada e que os profissionais da área conscientizem-

se de sua importância no contexto escolar para a formação do aluno.


2- EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR BRASILEIRA: UMA

CONSTRUÇÃO HISTÓRICA

Para grande parte das pessoas que freqüentaram ou ainda freqüentam a

escola, a lembrança das aulas de Educação Física é marcante: para alguns, uma

experiência prazerosa, de sucesso; para outros, uma memória amarga, de sensação de

incompetência, de medo de errar... Sob esses aspectos, a Educação Física Escolar no

Brasil, vem se constituindo ao longo dos séculos com mudanças em suas características

tanto em relação aos seus objetivos e pressupostos quanto aos seus conteúdos

curriculares, prática pedagógica e metodologias de ensino em determinados momentos

de seu contexto histórico.

“A Educação Física, no âmbito escolar, vem mudando, ao longo do tempo,

de acordo com os princípios éticos da sociedade e os projetos político-pedagógicos


construídos em cada época” (SOUSA et al.). Dessa forma, o que hoje chamamos de

Educação Física Escolar, passa, invariavelmente, pela reflexão sobre o seu processo de

constituição como componente curricular na história da escola brasileira.

Em 1882, Rui Barbosa (apud PCNs, 1997), deu seu parecer sobre o Projeto

224-Reforma Leôncio de Carvalho, Decreto nº. 7.247, de 19 de abril de 1879, da

Instrução Pública, no qual defendeu a inclusão da ginástica [Educação Física] nas

escolas e a equiparação dos professores de ginástica aos das outras disciplinas. Nesse

parecer, ele destacou e explicitou sua idéia sobre a importância de se ter um corpo

saudável para sustentar a atividade intelectual.

No início do século XX, a Educação Física, até então chamada de ginástica

foi incluída nos currículos escolares de alguns estados brasileiros.

Nessa mesma época a educação brasileira sofria uma forte influência do


movimento escola-novista, que evidenciou a importância da Educação Física
no desenvolvimento integral do ser humano. Essa conjuntura possibilitou
que profissionais da educação na III Conferência Nacional de Educação em
1929, discutissem os métodos, as práticas e os problemas relativos ao ensino
da Educação Física. A Educação Física que se ensinava nesse período era
baseada nos métodos europeus - o sueco, o alemão e, posteriormente, o
francês-, que se firmavam em princípios biológicos. Faziam parte de um
movimento mais amplo, de natureza cultural, política e científica, conhecido
como Movimento Ginástico Europeu, e foi a primeira sistematização da
Educação Física no Ocidente (PCNs, 1997, p.21).

A Educação Física pouco mudou no século XX, pois o caráter utilitário do

século XIX continuou, na medida em que o seu objetivo na escola seria formar homens

fortes para o bem da pátria. Enfatiza-se no decorrer desse século, três períodos: o estado

novo, a ditadura militar e a pós-ditadura ou período de abertura política.


No período denominado de Estado Novo, a Educação Física continuou a

servir como instrumento de ideologia do poder constituído, ganhando novos objetivos

passou a atender as necessidades de segurança nacional frente aos perigos internos

(revoltas existentes no país) e externos (entrada do Brasil na 2ª guerra); e suprir a

demanda de mão de obra fisicamente adestrada e capacitada tecnicamente para

assegurar o processo acelerado de industrialização no país (BRAID, 2003).

Ao final do Estado Novo iniciou-se uma série de discussões envolvendo a

educação e especificamente, houve um forte interesse pela Educação Física, enquanto

elemento curricular. Em conseqüência dos debates surgiu a proposta de um novo

enfoque para a área, o de integrá-la como disciplina eminentemente educativa no

currículo de ensino das escolas públicas.

Durante a Ditadura Militar, foi grande o incentivo do governo à Educação

Física e, principalmente, ao esporte. A história identifica nesse período um objetivo de

atuação do desporto como “analgésico” no movimento social;

...A ditadura foi pródiga em enaltecer a necessidade da Educação Física em


todos os níveis de ensino, sendo inclusive nesse período que instituiu a
obrigatoriedade desta no Ensino Superior. Esta obrigatoriedade é analisada
como uma tentativa de ocupação do tempo do estudante universitário,
isolando-o de outros movimentos socialmente importantes para a época
(BRAID, 2003).

Nas últimas décadas do século XX, a pós-ditadura se caracterizou como um

período de muitas discussões acerca da Educação Física. Pesquisadores identificam uma

crise de identidade pela negação de paradigmas existentes e ausência de novos que os

substituíssem. “Foi um período de busca de mudanças quanto a questões filosóficas e

didático-metodológicas” (BRAID, 2003, p.55).


Na década de 30, com a ascensão das ideologias nazistas e fascistas, ganham

força novamente no Brasil, as idéias que associam a eugenização da raça à Educação

Física. O exército passou a comandar um movimento em prol do “ideal” da Educação

Física que se mesclava aos objetivos patrióticos e de preparação pré-militar. Não levou

muito tempo e este discurso cedeu lugar aos objetivos higiênicos e de prevenção de

doenças, passíveis de serem trabalhados em âmbito escolar.

Segundo produções acadêmicas da área a partir de 1980, “a Educação Física

Escolar foi conformada de forma autoritária pelo Estado no Brasil, a partir das reformas

educacionais de 1968 (Lei 5.540) e 1971 (Lei 5.692 e decreto 69.450)” (OLIVEIRA,

2002, p. 53). Com interesse no desenvolvimento da eficiência produtiva no mundo do

trabalho e, utilizando a educação escolarizada para se atingir este fim, a tecnização do

ensino patrocinada pelo governo teria como objetivo a disciplinarização, a

normatização, o alto rendimento e a eficácia pedagógica, por meio das atividades

físicas.

Enquanto elemento do currículo, a Educação Física, historicamente, tem


assento na escola através de leis e decretos. A literatura indica ser este um
dos motivos para uma das características que ela manteve por longo período
de tempo, qual seja a de desenvolver a sua prática em função das
necessidades do Estado (BRAID, 2003,p.54).

A história da Educação Física Brasileira é longa e conhecida na dedicação de

fabricar corpos disciplinados, sadios e submissos. Durante todo o seu processo de

construção, de acordo com o contexto político, a Educação Física sofreu diversas

influências que acarretaram conceituações diferentes em determinados períodos

históricos, mudando assim, seus objetivos e a forma de ser trabalhada tanto em relação

aos conteúdos adotados, quanto à maneira de serem transmitidos para os alunos.


Influenciada inicialmente por médicos e posteriormente por militares, a
Educação Física no Brasil desenvolveu-se desde sua introdução, apoiada em
princípios biológicos e de disciplina. A inclusão do esporte, [mais tarde]
como conteúdo hegemônico das aulas de Educação Física, mudou apenas a
‘aparência’, mas as finalidades, os valores e as características continuaram
sendo as mesmas (PAIANO, 2006, p. 48).

No Brasil, em toda sua trajetória e constituição histórica, a Educação Física

Escolar, mesmo mudando sua ênfase em determinados momentos ou contextos políticos

e econômicos em conformidade com os interesses do Estado, sempre desenvolveu-se

fundamentada de maneira explícita ou implicitamente sob alguns aspectos básicos:

tecnicismo, repetição, princípios biológicos e de disciplina.

Segundo Castellani Filho (apud FREITAS, 1999, p.60):

No Brasil, a Educação Física iniciou-se seguindo o modelo de corpo


disciplinado e dócil. Dela lançaram mão os higienistas, que, à procura de um
corpo saudável, robusto e harmonioso organicamente com o qual pudessem
identificar os ideais burgueses, recomendavam a prática de atividades
físicas. Ao ideal higienista veio somar-se o ideal eugênico, visando à
construção racial de um tipo física brasileiro branco, forte, saudável. Assim
foram modelados os corpos feminino e masculino, por meio de práticas
diárias e atividades físicas diferenciadas (que levassem em conta a
fragilidade da mulher e sua função primordialmente materna).

Os programas [de aula] eram distintos para meninos e meninas. Para eles,

prática de variações de marchas, que deveriam ser executadas observando-se as regras

militares. Enquanto que para as meninas, brincadeiras em liberdade no pátio e

exercícios de extensão e flexão dos músculos, realizados à sombra. Essa diferenciação

de práticas corporais para meninos e meninas expressa as concepções acerca do corpo


masculino e feminino: os homens deviam ser fortes e viris; ao passo que, as mulheres

precisavam conservar seu corpo delicado com exercícios livres e leves. Para ambos,

uma educação racional de seus corpos sob forte disciplina, mas que deveria respeitar as

diferenças entre eles (VAGO, 1999). Apesar de exercícios diferentes para homens e

mulheres, as aulas de Educação Física ainda voltavam-se para as técnicas e repetição

excessiva de movimentos.

Em razão da concepção eminentemente prática das aulas, da profissão

Educação Física e da ausência de um corpo de conhecimentos devidamente estruturado,

a ênfase recaía invariavelmente nas disciplinas de orientação para as atividades práticas.

Assim, as instituições destinadas à formação desses profissionais, voltavam-se

exclusivamente para a prática educacional, cujo lema era:

“aprender a executar para poder ensinar” e, portanto, ofereciam-se muitas


disciplinas práticas, particularmente vinculadas às modalidades esportivas
tradicionais, nas quais os graduandos experimentavam uma grande
variedade de movimentos com o objetivo de adquirir habilidades motoras
específicas e melhorar as então chamadas valências físicas. O professor
deveria ser um modelo para seus alunos, não apenas na execução de
movimentos para demonstrar, como também no que se refere a hábitos de
saúde, higiene e asseio corporal. (MANOEL; TANI, 1999, p. 14-15)

Traçando um paralelo constante entre Educação e Educação Física Escolar,

percebe-se, ao longo dos séculos o caráter reprodutivista da Educação Física Escolar

Brasileira. Intimamente ligada às teorizações críticas baseadas na relação de causa e

efeito de toda a estrutura educacional. Nota-se também o caráter de continuidade das

propostas educacionais do Estado nas décadas de 1960 e 1970 e a tecnização da

Educação Física em particular e da Educação de forma geral, como adequação do

modelo de desenvolvimento político-econômico adotado pelo Brasil.


De acordo com Paiano (2006, p.48):

Na maioria das escolas, até meados dos anos 80, [a Educação Física],
possuía as seguintes características: era tratada de uma forma acrítica e
alienante; não permitia a participação dos alunos na sugestão de atividades,
na liberdade de movimentos nem no processo de avaliação.

O conteúdo resumia-se à prática de algumas modalidades esportivas; o

professor buscava a perfeição técnica de seus alunos e o alto rendimento, com isso,

perdia a função pedagógica de educador e se transformava em treinador ou adestrador

de corpos.

Enfim, todas as influências e tendências sofridas pela Educação Física

Brasileira, devido à inconstância, desde sua implantação, levaram-na a uma crise de

identidade, acarretando desvalorização e a diminuição da sua importância, vivenciada

atualmente nas escolas.

2.1 Tendências da Educação Física

A História tem consagrado muitos conceitos que, de uma forma ou de outra,

ainda estão presentes na Educação Física Escolar Brasileira que a caracterizam

atualmente; alguns desses conceitos ou “termos” são bons, outros nem tanto. O

autoritarismo, o individualismo, a competitividade, o tecnicismo e a neutralidade estão

entre os tantos traços que distinguem a Educação Física (OLIVEIRA 1994).

Sem pretender seguir fielmente (passo a passo) todos os acontecimentos que

marcaram a história da Educação Física aqui no Brasil e nem escrever com riquezas de

detalhes as influências sofridas por essa disciplina; vale destacar os momentos


principais que fixaram alguns valores e foram alvo de crítica e discussão ao longo dos

séculos.

Vamos nos prender aqui, às cinco tendências da Educação Física Brasileira:

Educação Física Higienista (até 1930); Educação Física Militarista (1930-1945);

Educação Física Pedagogicista (1945-1964); Educação Física Competitivista (pós 64) e

Educação Física Popular.

Cada uma delas em um contexto histórico, político-econômico diferentes e

possuindo objetivações peculiares.

2.1.1 Educação Física Higienista

A ênfase em relação à questão da saúde está em primeiro plano. Há o culto

exacerbado da prática de atividades físicas para se atingir esse objetivo de corpo puro,

sem a presença de doenças...“cabe à Educação Física um papel fundamental na

formação de homens e mulheres sadios, fortes, dispostos à ação” (JÚNIOR, 2001, p.

17).

A Educação Física Higienista não se responsabilizava somente pela saúde

individual das pessoas. Ela agia como um bem comum em toda a sociedade brasileira,

era protagonista num projeto de “assepsia social”, se tratava de eliminar todas as

enfermidades. Desta forma, para tal concepção:

a ginástica, o desporto, os jogos recreativos etc. devem, antes de qualquer


coisa, disciplinar os hábitos das pessoas no sentido de levá-las a se afastarem
de práticas capazes de provocar a deterioração da saúde e da moral, o que
‘comprometeria a vida coletiva’ (JÚNIOR, 2001, p. 17).
Assim, a perspectiva da Educação Física Higienista vislumbra a

possibilidade e a necessidade de resolver o problema da saúde pública de toda a

sociedade pela educação, usando como meio principal para alcançar esse objetivo, as

atividades físicas sistematizadas (na escola). Sua idéia central se constitui pela

disseminação de padrões de conduta “corretos”, forjados pelas elites dirigentes, entre

todas as classes sociais.

2.1.2 Educação Física Militarista

Ocorreu no período da Ditadura Militar e tinha caráter autoritário, os alunos

deviam ser submissos a tudo e a todos; não podiam se manifestar de forma alguma nem

questionar o que lhes era imposto pelos professores/disciplinadores de ordem

militarista.

As aulas de Educação Física nessa época eram ministradas por oficiais

militares. O objetivo fundamental da Educação Física Militarista é a obtenção de uma

juventude capaz de suportar o combate, a luta, a guerra. As aulas destinavam-se de certa

forma ao treinamento militar dentro da escola.

Para tal concepção, segundo Júnior (2001, p. 18), “a Educação Física deve

ser suficientemente rígida para ‘elevar a Nação’ à condição de ‘servidora e defensora da

pátria’”. De acordo com a concepção da Educação Física Militarista, a educação popular

possui suas possibilidades limitadas. Assim, a Educação Física se torna selecionadora

de “elites condutoras”, capaz de distribuir melhor os homens e as mulheres nas

atividades sociais e profissionais dentro da sociedade, observando sua cultura.


... “A coragem, a vitalidade, o heroísmo, a disciplina exacerbada compõem a

plataforma básica da Educação Física Militarista” (JÚNIOR, 2001, p. 18). Seguindo

fielmente essas características, a Educação Física Militarista visa incontestavelmente à

formação do “cidadão-soldado”, capaz de obedecer cegamente e de servir de exemplo

para o restante da juventude pela sua bravura e coragem; servidor e defensor da pátria.

2.1.3 Educação Física Pedagogicista

A Educação Física Pedagogicista surge com uma visão inovadora voltada

para princípios pedagógicos. É, pois a concepção que vai reclamar da sociedade a

necessidade de encarar a Educação Física não somente como uma prática de atividades

físicas com movimentos corporais repetitivos, capazes de promover saúde ou de

disciplinar a juventude. Mas, vem expor a necessidade de encarar a Educação Física

como prática eminentemente educativa. Ela vai defender veementemente a “educação

do movimento” como a única forma capaz de promover de maneira significativa a

chamada “educação integral” do indivíduo (JÚNIOR, 2001).

Nesta classificação, a Educação Física vai além das outras disciplinas

escolares; ela é instrutiva e também educativa. Desta forma, é a Educação Física que

colabora decisivamente para que a juventude venha “melhorar sua saúde, adquirir

hábitos fundamentais, preparo vocacional e racionalização do uso das horas de lazer”,

com consciência e eficiência, sentindo prazer em suas atividades físicas escolares.

O profissional de Educação Física, então, é verdadeiramente valorizado

dentro da concepção Pedagogicista. Segundo Júnior (2001, p. 19) “A Educação Física é

encarada como algo ‘útil e bom socialmente’, e deve ser respeitada acima das lutas
políticas dos interesses dos diversos grupos ou de classes”. Assim, a Educação Física é

capaz de promover uma boa formação ao homem brasileiro, respeitando suas

peculiaridades culturais, físico-morfológicas e psicológicas.

2.1.4 Educação Física Competitivista

Como a Educação Física Militarista, a Educação Física Competitivista,

também está a serviço de uma hierarquização e elitização social, havendo para tal a

exaltação dos “fortes” e a exclusão dos “fracos” de forma a selecionar os membros da

sociedade, usando como meio para esse objetivo, os desportos. “Seu objetivo principal é

a caracterização da competição e da superação individual como valores fundamentais e

desejados para uma sociedade moderna” (JÚNIOR, 2001, p. 20).

A Educação Física Competitivista volta-se então, para o culto do atleta-

herói; aquele que a despeito de todas as dificuldades chegou à vitória, exemplo de

superação para a sociedade e “espelho” para a juventude que se desvencilhava dos

padrões e normas de boa conduta a que todos eram submetidos pela elite detentora do

poder dentro do Brasil. Assim, quando essas pessoas vissem o êxito de atletas jovens, se

inspirando neles poderiam então se interessar por atividades físicas, conseqüentemente

praticariam os desportos de competição e alto nível internacional.

A ginástica, as lutas, os jogos recreativos, etc. no âmbito da Educação Física

Competitivista ficam desta forma submetidos ao desporto de elite (profissional). A

partir daí, desenvolve-se então, o Treinamento Desportivo baseado nos avançados

estudos da Fisiologia do Esforço e da Biomecânica, com o objetivo de melhorar a


técnica desportiva dos alunos/atletas para alcançar melhores resultados em competições

nacionais e até mesmo internacionais.

Dentro desta concepção, a Educação Física torna-se sinônimo de desporto, e

este, sinônimo de verificação de performance e de superação dos limites humanos, tanto

físicos quanto psicológicos, não importando o que deveria ser feito para se atingir tal

superação.

2.1.5 Educação Física Popular

Surge a partir dos interesses, necessidades e, principalmente, dos anseios dos

trabalhadores, do povo.

A Educação Física Popular, ao contrário da Educação Física Militarista e da

Competitivista, não se fundamenta na disciplinarização de homens e muito menos está

voltada para a superação dos limites e das capacidades humanas para alcançar vitórias e

conquistar medalhas. Ela é, antes de tudo, ludicidade e cooperação; destina-se ao prazer

e à diversão por meio das atividades físicas voltadas para a descontração e recreação,

sem exigência de regras e perfeição na execução dos movimentos.

... “e aí o desporto, a dança, a ginástica etc. assumem um papel de

promotores da organização e mobilização dos trabalhadores” (JÚNIOR, 2001, p. 21),

em busca de diversão e qualidade de vida. E, mais que isso, a Educação Física com suas

diversas atividades, serve então aos interesses daquilo que os trabalhadores vêm

chamando historicamente de “solidariedade operária” baseada na interrelação social.

Enfim, a Educação Física já passou por várias fases:


Historicamente já passamos pela constituição da Educação Física como
higienismo, eugenia e militarismo. Atravessamos a fase rudimentar
adentrando na fase romântica, aquela em que os professores ensinavam e
reproduziam as bases de um conhecimento dito novo no jogo, no esporte, no
lazer. Na seqüência vivemos um período de redemocratização e a crítica da
área sedimentou uma série de preocupações com o desenvolvimento dos
padrões corporais, metodológicos, históricos, sociológicos e psicológicos
(SADI, 2004, p. 1-2).

A partir da década de 70, com a afirmação da Psicomotricidade nas

instituições escolares como conteúdo de ensino, a Educação Física passa a ter um

vigoroso e verdadeiro envolvimento com as tarefas educacionais da escola, com o

desenvolvimento crítico e consciente da criança, com o ato de aprender mais do que o

de ensinar, com os processos cognitivos, afetivos, sociais e psicomotrizes, mergulhando

num universo teórico, metodológico e lingüístico, contribuindo para a formação integral

do aluno e, principalmente, respeitando suas opiniões e limites físicos de maneira a

valorizar as diferenças existentes entre eles.

2.2 A Educação Física Após os Anos 80.

Embora com atraso em relação às outras áreas do conhecimento

contemporâneo, a

Educação Física Escolar Brasileira passou por um verdadeiro renascimento nos anos 80,

através de um lento e gradual processo de abertura política ocorrido no país, após mais

de quinze anos de ditadura militar. Foi, sem dúvida, um período em reflexões, do qual

surgiram novas idéias importantes para a área, em que a crítica fundamentada

academicamente começou a sedimentar-se, provocando um repensar amplo quanto ao


papel sociocultural e político-educacional que ela vinha desempenhando na escola e na

sociedade em geral ao longo de nossa história, até os dias atuais (OLIVEIRA 1994).

Até o final dos anos 1970, apesar de sua pedagogização, a Educação Física

ainda não era analisada em suas implicações políticas. Neste período, mesmo que em

uma versão tecnicista, foram incorporados elementos da pedagogia ao corpus da

Educação Física, via didática. Nas palavras de Oliveira (1994, p.17) “Os influxos

médico-militares criaram a falsa idéia de que as práticas corporais eram neutras,

cabendo aos professores de Educação Física preocupação eminentemente técnicas”.

Essa postura tecnicista, baseada em repetições excessivas e na perfeição da execução de

movimentos, vinha ao encontro da censura e da repressão impostas à sociedade

brasileira, subproduto do golpe militar de 1964.

É sabido que a Educação Física Escolar Brasileira nos anos 80 deu um

importante salto qualitativo não somente em relação a sua prática, mas também quanto

aos seus pressupostos teóricos, conteúdos, processo de ensino e aprendizagem,

dialeticamente produzidos e responsáveis pela superação dessa prática, que se torna

mais dinâmica. A velha expressão de que Educação Física é educação tornou-se

realidade.

A produção teórica da Educação Física Escolar Brasileira sofreu um impulso

significativo a partir do início dos anos 1980. Tornou-se, assim, um espaço

multidisciplinar em busca da sua própria compreensão como prática social de suma

importância no contexto escolar para a formação integral do aluno. Sendo reconhecida

inclusive por intelectuais de outras áreas que têm participado dessas reflexões:

As preocupações e os questionamentos dos profissionais da área da


Educação Física mostravam uma visão de um novo e grande espaço, onde as
atividades da Educação Física e as práticas esportivas deveriam construir
uma nova paisagem humana, abrangendo o indivíduo, a escola e a sociedade
(SANTIN apud OLIVEIRA, 1994, P. 26).
A Educação Física neste momento toma novos rumos; torna-se inovadora,

abrangente e dinâmica. Ela volta-se para a psicomotricidade, priorizando o segmento de

primeira à quarta série e a Educação Infantil. Nas aulas de Educação Física então, a

ludicidade é de suma importância para o aprendizado e o desenvolvimento do educando.

O ensino e prática dos conteúdos curriculares da área tornam-se dinâmicos, os limites

físicos e as capacidades dos alunos na execução das atividades são respeitadas. As aulas

de Educação Física são descontraídas e prazerosas.

Com essa mudança na Educação Física, no final dos anos 80, surgem escolas

nas quais os alunos participam da proposição dos conteúdos, sendo assim, co-

responsáveis pela sua educação e até pela avaliação; há a valorização do gesto corporal

expressivo e o respeito das possibilidades de movimento do aluno; surgem turmas

mistas. Temas da cultura corporal são incluídos nos conteúdos de ensino das aulas; a

Educação Física Escolar passa a ser vista e

valorizada nas suas dimensões conceitual2, procedimental3 e atitudinal4 (PAIANO


2006).

As atividades físicas então, passam a ser vistas não mais com a intenção de

adaptar

2. Conceitual: conteúdos relacionados a conceitos ou idéias-chave presentes na base da construção da


identidade das ações pedagógicas. São informações e fundamentos básicos para a aprendizagem dos
porquês, da importância, dos limites e possibilidades das vivências corporais. A aprendizagem desses
conteúdos não se mostra apenas quando o educando repete a definição do conceito, mas quando é capaz
de utilizá-lo para a interpretação, compreensão, exposição, análise ou avaliação de uma situação.
3. Procedimental: conteúdos que se referem aos fazeres/vivências das diferentes práticas educativas:
jogar, fazer exercício físico, dançar, ler, escrever, desenhar dentre outras. A aprendizagem desses
conteúdos implica, assim, a realização de ações e a reflexão sobre a atividade, tendo em vista a
consciência da atuação e a utilização deles em contextos diferenciados.
4. Atitudinal: conteúdos relacionados à aprendizagem de valores (princípios ou idéias éticas), atitudes
(predisposições relativamente estáveis para atuar de determinada maneira) e normas (padrões ou regras de
comportamento segundo determinado grupo social). Esses conteúdos são configurados por componentes
cognitivos (conhecimentos e crenças), afetivos (sentimentos e preferências) e de conduta ( ações e
intenções).

o ser humano à atividade como algo que existe externamente a ele, que é imposto pelo

professor e os alunos, sem questionar, repetem os movimentos desprovidos de sua

significação. Ao contrário, como expressão cultural da humanidade, as atividades físicas

(movimentos corporais) acontecem nas escolas por meio da Educação Física para

satisfazer às necessidades e vontades humanas com expressividade, de tal maneira que

possam ser compreendidas e transformadas, assumindo significações e sentido para a

comunicação dos alunos e cumprir com os propósitos de uma educação emancipadora e

inovadora, cuja finalidade é alcançar o desenvolvimento integral do educando e sua

formação crítica e consciente para o exercício da cidadania e a prática do lazer

(KORSAKAS; JÚNIOR, 2002).

A Educação Física, enquanto uma prática pedagógica, por meio de suas

múltiplas atividades, pode e deve oferecer conhecimentos úteis para esse processo de

formação integral dos alunos, tornando-os cidadãos participativos do mundo atual.

Sendo respeitada e valorizada por todos dentro e fora da comunidade escolar; desta

forma a Educação Física se destacará no processo de ensino e aprendizagem do aluno.

Entretanto se torna necessário que

ela seja vista como uma disciplina séria e comprometida com esse objetivo

educacional.

2.3 Educação Física Escolar: Considerações do século XXI


Devido às várias influências sofridas pela Educação Física Escolar no Brasil

ao longo dos séculos; ainda hoje, em pleno século XXI em meio à modernização e à

democracia social, percebemos em algumas escolas a sua desvalorização em relação às

outras disciplinas: as aulas de Educação Física são encaixadas nas “janelas” que sobram

nos horários, são vistas como hora de diversão, os professores de outras áreas julgam a

Educação Física como barulhenta e perturbadora da “ordem escolar”, etc. Parte desta

culpa também é nossa. “Pelas características de nossa atividade, pela nossa postura,

pelos profissionais que somos e pelo imobilismo que tivemos por muitos anos”

(PAIANO, 2006, P. 56).

Segundo uma pesquisa feita por Moreira (1995 apud LIMA,2004, p.6-7):

[...], ainda é possível identificar que alguns professores de Educação Física


mantêm relações autoritárias e formais com os alunos; explicita a aula como
sinônimo de cumprimento mecânico e rigoroso dos exercícios; transmitem o
conteúdo da Educação Física como um produto acabado e não como um
processo a ser descoberto e desenvolvido. Isso é percebido quando, muitas
vezes o aluno é tratado como um repetidor de movimentos mecanizados, em
que o professor é o comandante e os alunos meros cumpridores de deveres.

Mas este quadro já está mudando. Lutamos diariamente contra os

preconceitos sofridos pela nossa profissão e por nós profissionais de Educação Física.

Cabe a nós profissionais da área, vencer esta luta pela melhoria e valorização de nossa

profissão, pelo reconhecimento da importância da Educação Física Escolar, pela

conquista de novos espaços e ainda, pela descoberta de nossa função como educadores

na formação dos alunos como cidadãos críticos, conscientes e atuantes na sociedade.

Nas palavras de Lima (2004):


Numa sociedade mecanizada e tecnológica como a de hoje, a criança
necessita de amor, compreensão, carinho, alegria, comunicação para
satisfazer as suas necessidades, quer físicas, sociais e psíquicas, condições
básicas para a formação de uma personalidade sadia.

A Educação Física, através de suas inúmeras atividades com dinamismo e

flexibilidade das aulas, é um importante meio para que o aluno saia do monotonismo de

uma vida sedentária gerado pela evolução tecnológica e consiga, com a prática de

atividades físicas de forma prazerosa e segura satisfazer suas necessidades físicas,

sociais psíquicas em um ambiente de interação; obtendo assim, uma boa formação

educacional.

Segundo o Confef (2002 apud LIMA, 2004):

Entende-se a Educação Física Escolar como uma disciplina que introduz e


integra o aluno na cultura corporal de movimento, formando um cidadão que
vai produzi-la, reproduzi-la e transformá-la, capacitando-o para usufruir os
jogos, os esportes, as danças, as lutas e as ginásticas, em benefício do
exercício crítico da cidadania e da melhoria da qualidade de vida.

A visão da Educação Física, neste caso, passa a ser ampliada, uma vez que

procura contemplar não só as dimensões físicas, psicológicas e sociais humanas, mas

ver o ser humano como a totalidade indissociável entre esses aspectos, contribuindo

para a atuação consciente do homem na atual sociedade (DAOLIO, 2004).

Novas possibilidades de vivenciar situações diversas nas aulas de Educação

Física como atividades de socialização, respeito e cooperação; ainda, oportunizar o

desfrute de atividades lúdicas sem caráter utilitário como forma de descontração e lazer,

se tornam necessárias para a promoção da saúde e contribuem para o bem-estar coletivo.

As situações lúdicas, competitivas ou não, são contextos favoráveis e importantes para a

aprendizagem, pois, permitem o exercício de uma ampla gama de movimentos e


expressões para a interação entre os alunos na execução das atividades e que solicitam

sua atenção na tentativa de realizá-las de forma satisfatória e adequada (PCNs, 1997).

Todo e qualquer aluno precisa e deve ser considerado como um todo, no

qual, aspectos cognitivos, afetivos e corporais estão inter-relacionados e indissociáveis

em todas as situações vividas por ele, seja dentro da escola ou no seu cotidiano fora

dela.

A Educação Física, através do ato de se movimentar e interagir no coletivo

por meio da pedagogia de jogos, danças, esportes, ginásticas e lutas torna-se uma das

formas privilegiadas de atuação entre os homens, tendo como instrumento

potencialmente criativo, a linguagem. Trata-se de uma ação global, sócio-educativa e de

socialização que busca explicitar a maneira de ser, sentir e agir dos indivíduos com

dinamismo e cooperação. Assim, a Educação Física “incide sobre uma multiplicidade

de questões relacionadas à organização do corpo no tempo e no espaço, sua interação

com outros sujeitos, sua mobilização consciente e crítica” (SADI, 2004).

Devido a sua multiplicidade de atividades, a Educação Física Escolar pode

sistematizar situações de ensino e aprendizagem que garantam aos alunos o acesso a

conhecimentos práticos e conceituais de maneira prazerosa e satisfatória. Para isso é

necessário mudar a ênfase na aptidão física e no rendimento padronizado que a

caracterizavam, para uma concepção mais abrangente, de uma Educação Física

inovadora que contemple todas as dimensões envolvidas em cada prática corporal

dotada de significados e sentidos para os alunos.

A partir destas considerações, trata-se então de saber utilizar os benefícios

fisiológicos e psicológicos que os jogos, os esportes, as danças, as ginásticas e as lutas

proporcionam como instrumentos de comunicação, expressão, lazer e cultura, e

formular a partir daí as propostas do conteúdo de ensino para a Educação Física Escolar.
É de suma importância que o professor de Educação Física perceba os

diversos significados que uma atividade motriz pode trazer para as crianças, identifique

também os possíveis benefícios e consiga ainda, minimizar os riscos ao realizá-la.

Assim, ele ajudará os alunos na percepção adequada dos seus recursos corporais, de

suas possibilidades e limitações, sempre em constante transformação, dando-lhes

condições de se expressarem com liberdade e de aperfeiçoarem suas competências

motrizes.

3 ESPORTES E CULTURA CORPORAL NAS AULAS DE


EDUCAÇÃO FÍSICA: UM IMPORTANTE MEIO PARA A
EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A área da Educação Física hoje contempla múltiplos conhecimentos

produzidos e usufruídos pela sociedade a respeito do corpo e do movimento como

forma de expressão corporal. Entre eles, destacam-se as atividades de movimento como

finalidade de lazer, expressão de sentimentos, afetos e emoções e com o objetivo de


promoção, manutenção e recuperação da saúde; além é claro, da interação social entre

os sujeitos.

Segundo Mattos e Neire (apud LIMA, 2004):

a aula de Educação Física não deve ser mera repetição de movimentos tidos
como ideais ou ‘mais perfeitos’. Os movimentos dessas aulas devem ser
descobertos pelas crianças que buscando alcançar uma meta, vai dia após dia
superando o que fazia anteriormente e estabelecendo novas formas de
conduta que queiramos ou não, não surgem do nada, trata-se de
transformações daquilo que a criança já possui.

A Educação Física tem a função, através de atividades motrizes, de

aprimorar as potencialidades da criança respeitando seus limites e capacitando-a para

que haja interação com o meio ao qual está inserida; colaborando ainda, para a

formação do cognitivo, à medida que provoca reações que a faz tirar conclusões

próprias à cerca do que foi proposto durante as aulas.

“É tarefa da Educação Física Escolar, portanto, garantir o acesso dos alunos

às práticas da cultura corporal, contribuir para a construção de um estilo pessoal de

exercê-las e oferecer instrumentos para que sejam capazes de apreciá-las criticamente”

(PCNs, 1997, p. 25).

Assim, as danças, as ginásticas, as lutas, os jogos, em especial os esportes e a

cultura corporal que serão tratados nos tópicos seguintes compõem um vasto patrimônio

cultural de movimentos que deve ser utilizado, conhecido e desfrutado pelos alunos nas

aulas de Educação Física. Além disso, todo esse conhecimento contribui para a adoção

de uma postura não-preconceituosa nem discriminatória diante das manifestações e

expressões tanto corporais quanto culturais dos diferentes grupos étnicos e sociais que
compõem as instituições escolares e às pessoas que deles fazem parte; valorizando desta

forma a relação interpessoal e a inserção social.

3.1 Esportes e Educação Física ao Longo dos Anos.

Os esportes de forma geral são vistos como uma manifestação específica da

cultura de movimentos, que vem se constituindo na sociedade contemporânea como

principal referência, seja como prática corporal propriamente dita, seja pelos princípios

e valores que expressa e ajuda a consolidar como um importante auxílio educacional e

de socialização, principalmente dentro das instituições escolares (PCNs, 1997).

“Desde a Idade Antiga já se pensava no esporte como elemento importante

na educação do homem. Nessa época, os gregos atribuíam um grande valor às

atividades físicas e esportivas na formação física e moral de seus cidadãos” (JÚNIOR;

KORSAKAS, 2002, p.84).

Ainda segundo Júnior e Korsakas (2002, p.84):

A expansão do esporte moderno, um dos fenômenos sociais mais


significativos dos últimos tempos, impulsionada pelas transformações
sociais ocorridas no século XIX, acompanhou toda a evolução tecnológica e
os costumes do século XX e chega ao novo milênio atingindo uma dimensão
ímpar pela sua abrangência dos campos político, econômico, cultural e
educacional.

O esporte moderno refere-se a uma atividade corporal de movimento com

caráter competitivo surgida no âmbito da cultura européia, em especial na Inglaterra por


volta do final do século XVIII e início do século XIX. Nesse período, iniciou-se a

utilização dos jogos populares ingleses em uma perspectiva pedagógica.

Tais jogos foram gradualmente codificados e organizados, impulsionando o

movimento esportivo inglês do século XIX e, as escolas públicas inglesas que

facilitaram o processo de proliferação do esporte em outras camadas sociais,

enfatizando a influência socializante dos jogos na promoção da lealdade e cooperação,

entre outros valores; acabaram colaborando para a transformação deste “esporte

educador” em esporte de competição e de alto rendimento que se expandiu para o resto

do mundo, ficando de certa forma excludente, porque neste nível (competitivo) só

participam aquelas pessoas que possuem habilidades, destreza e dominam as técnicas de

determinada modalidade esportiva (BRACHT, 2003); (JÚNIOR; KORSAKAS, 2002).

No início de sua trajetória, o esporte, hoje chamado de moderno, parece ter

favorecido de um lado a idéia de sua prática com fins educativos voltados para a

socialização e do outro, uma versão com finalidade única e exclusivamente de atingir a

melhor performance, no decorrer de seu desenvolvimento no século XX causando

vários problemas geradores de importantes críticas que culminaram em uma revisão

conceitual. Revisão esta, baseada em discussões que giraram em torno da busca de uma

compreensão mais ampla do esporte como fenômeno social e cultural, rompendo assim,

com a perspectiva única do rendimento.

O esporte entendido como campo de conhecimento da Educação Física e

conteúdo curricular, por algum tempo pareceu não ter sido apenas adotado como seu

principal objeto de estudo e intervenção prática na educação e promotor da saúde, como

chegou até mesmo a ser confundido num processo conhecido como esportivização da

Educação Física Escolar. Desse modo, o esporte torna-se o conteúdo determinante das

aulas tanto no Ensino Fundamental como no Ensino Médio. Isso, porém, não aconteceu
sem que críticas fossem feitas às conseqüências que essa transposição dos sentidos do

esporte de rendimento para o âmbito escolar poderiam acarretar.

Criticar o esporte, porém, não significa desvalorizar sua aprendizagem

dentro da instituição escolar ou, mesmo, desejar sua total desportivização. Mas, sim,

criar adaptações e contextualizar a vivência de sua prática nas aulas de acordo com a

realidade escolar, as capacidades e limitações físicas e psíquico-sociais dos alunos, não

se restringindo apenas ao ensino e domínio de técnicas de algumas modalidades

esportivas, (SOUSA et al.) Sob esse aspecto, o esporte se torna aliado da educação no

processo de ensino e aprendizagem dentro da escola como forma de inclusão e interação

social na formação educacional dos alunos.

Dessa forma;

a vivência dessas práticas corporais de movimento na escola encerra dupla


alternativa: podemos continuar reforçando maneiras excludentes e
preconceituosas de vivenciá-las ou apostar no potencial educativo e,
particularmente, do tempo e do espaço das aulas de Educação Física como
lugar de produção cultural capaz de sair de seus muros, na perspectiva da
transformação dos valores sociais vigentes (SOUSA et al.).

Para que seja realmente entendido como prática educativa escolar, o esporte

precisa, portanto, ser situado histórica e socialmente e, vivenciado criticamente a partir

da compreensão de seus fundamentos e da ressignificação de seus sentidos. É preciso

ainda, conhecer os benefícios e os riscos ao se praticar as diferentes modalidades

esportivas, bem como analisar os valores que as orientam.

O esporte desenvolvido nas aulas de Educação Física dentro da escola deve

ser diferente do esporte que a criança pratica na rua ou em qualquer outro lugar fora da

instituição escolar, uma vez que o primeiro deve ser analisado e estruturado de acordo
com as condições dos alunos para atender a determinados objetivos, como o

desenvolvimento de certas habilidades motrizes e perceptivas, ou a formação de noções

lógicas, com atividades dinâmicas visando à cooperação, o respeito mútuo e a

socialização (DAOLIO, 2004).

É importante também que a escola discuta o esporte como um direito

garantido na Constituição Brasileira. A Lei nº. 9.615/98, conhecida como “Lei Pelé”,

regulariza o esporte em nosso país, caracterizando-o da seguinte maneira:

Esporte Educacional, praticado nos sistemas de ensino e em formas assistemáticas de

educação, evitando-se a seletividade, a hipercompetitividade de seus praticantes, com a

finalidade de alcançar o desenvolvimento integral do indivíduo e a sua formação para o

exercício da cidadania e a prática do lazer;

Esporte de Participação, praticado de modo voluntário, compreendendo as

modalidades desportivas praticadas com a finalidade de contribuir para a integração dos

praticantes na plenitude da vida social, na promoção da saúde e educação e na

preservação do meio ambiente;

Esporte de Rendimento, praticado segundo normas gerais desta Lei e das práticas

desportivas, nacionais e internacionais, com a finalidade de obter resultados e integrar

pessoas e comunidades do País, e estas com as de outras nações.

Ao assumir o esporte como uma prática educativa é preciso considerar

algumas ações didático-pedagógicas e metodológicas durante as aulas que precisam ser

problematizadas, objetivando uma ressignificação para evitar seletividade e atos

discriminatórios.

Pensar, então, no esporte educacional como um importante meio para

concretizar essa Educação Inclusiva e Transformadora no século XXI é entendê-lo

como uma ferramenta para o pleno desenvolvimento do ser humano atuante na


sociedade. Identificamos tal possibilidade nas palavras de Barbieri (1999), que, ao

versar sobre o esporte educacional, também defende uma educação emergente-

emancipadora, que tenha como princípio fundamental o desenvolvimento da autonomia

do homem, do seu pensamento crítico, da sua criatividade e da sua participação ativa na

construção e transformação do mundo:

[...] A visão contemporâneo-integradora do esporte é aquela que,


reconhecendo a necessidade premente [...] de ações que objetivem restaurar
o humano do homem, concebe como sendo insubstituíveis o valor e a
importância atribuídos à emancipação do homem, à sua autonomia, à sua
participação efetiva na construção da realidade, ao desenvolvimento da sua
auto-estima, de sua criatividade, de seu auto-conhecimento, de sua
ludicidade, da sua capacidade de cooperar, bem como da preservação da sua
identidade cultural. Admite a necessidade do desenvolvimento do esporte
intrinsecamente relacionado à educação (significada como um processo do
homem se fazer no mundo) e que se fundamente também numa relação de
co-educação entre aqueles que, juntos, aprendem; se fundamente no respeito
e na preservação da individualidade de cada um dos participantes de
processo em relação às diversas outras individualidades, tendo em vista o
contexto uno e diverso no qual o homem está inserido (BARBIERI, 1999
apud JÚNIOR; KORSAKAS, 2002, p.90).

Dessa forma, é importante que a prática educacional desenvolva-se ancorada

pelos princípios da totalidade, co-educação, emancipação, participação, cooperação e

respeito. De acordo com os princípios educativos, a heterogeneidade enriquece o

processo de aprendizagem por meio da transformação recíproca. Esse princípio, na

prática, estimula que uma criança ajude a outra na aprendizagem de algo que ela já

domina ou possua maior facilidade, fazendo com que ela vislumbre novas

possibilidades de aprendizado pelo contato com o diferente.

3.2 Cultura e Cultura Corporal


Hoje, a expressão “cultura”, em especial a cultura corporal, parece

definitivamente fazer parte da Educação Física Escolar, o que não acontecia há alguns

anos atrás; talvez esse fato se deu por influência das Ciências Humanas na área.

Segundo Daolio (2004) “somente a partir da década de 1980, com o

incremento do debate acadêmico da Educação Física, o predomínio biológico na área

passou a ser questionado, realçando a questão sociocultural na Educação Física”. Os

profissionais formados nessa época - e, infelizmente, ainda hoje em alguns cursos - não

tiveram acesso a conhecimentos e discussões da área, de seus conteúdos e temas como

parte integrante e de suma importância das dimensões socioculturais.

Até então o corpo era visto somente como um conjunto de ossos e músculos

e não como elemento fundamental da cultura de um povo; o esporte era apenas um

passatempo ou atividade de competição que visava ao alto rendimento atlético e,

superação dos limites humanos e não como fenômeno político-social, importante meio

de sociabilidade. A Educação Física era vista como área exclusivamente bio-fisiológica

e não como fenômeno cultural, área que pode ser explicada pelas Ciências Humanas.

“Cultura”, dessa forma, se torna o principal conceito para a Educação Física

Escolar, porque todas as manifestações corporais humanas são geradas e vivenciadas

dentro de uma dinâmica cultural, desde os primórdios da evolução humana até hoje,

expressando-se diversificadamente e com significados próprios no contexto histórico de

grupos culturais específicos.

O profissional de Educação Física não atua sobre o corpo ou o movimento

em si, não trabalha com o esporte, as lutas ou lida com a ginástica somente. Ele lida

com o ser humano num todo indissociável, com suas manifestações culturais e
implicações político-sociais relacionadas ao corpo e ao movimento humanos na

sociedade (DAOLIO, 2004).

Ainda se vê muita confusão na conceituação e uso da expressão cultura

dentro do campo da Educação Física Escolar. O termo ainda é facilmente confundido

com conhecimento formal, às vezes chega a ser utilizado de forma preconceituosa e

discriminatória quantificando-se o grau de cultura dos indivíduos, ou como sinônimo de

classe social mais elevada.

A cultura ocorre como manifestação histórico-social de um povo sendo a

própria condição de vida dos seres humanos. É produto das ações humanas, as quais

passam por um processo contínuo, ganhando sentido e manipulando padrões de

significados que fazem parte de um contexto específico, que por mais que se misture

ainda mantém características que identificam um determinado grupo.

A consideração simbólica de cultura permite compreender os conteúdos de

Educação Física de forma menos determinista e menos arraigada em padrões de conduta

estipulados pela sociedade. Permite ainda, compreender a dinâmica escolar do processo

de ensino e aprendizagem da Educação Física como importante prática cultural que

atualiza, ressignifica e revaloriza os conteúdos tradicionais da área, considerando as

especificidades e características próprias de cada grupo, respeitando-as.

Segundo Valter Bracht (apud DAOLIO, 2004), a Educação Física é uma

“[...] prática pedagógica que tematiza com a intenção pedagógica as manifestações da

cultura corporal de movimento”. Quando se discute o movimento, o autor afirma que é

esta manifestação e expressão corporal humana (movimento) que confere especificidade

à Educação Física no interior da escola. Mas ressalva que não é qualquer movimento:

É o movimento humano com determinado significado/sentido, que por sua


vez, lhe é conferido pelo contexto histórico-cultural. O movimento que é
tema da educação física é o que apresenta na forma de jogos, de exercícios
ginásticos, de esportes, de danças, etc. (BRACHT apud DAOLIO, 2004,
p.42-43).

Quando se pensa em movimento humano entende-se neste contexto o ato de

andar, correr, pular, gesticular, arremessar algo, dentre tantas outras manifestações

corporais cotidianas, realizadas individualmente por um sujeito ou de forma conjunta

com outras pessoas da sociedade. Aprender a movimentar-se implica planejar,

experimentar, avaliar, optar entre alternativas, coordenar ações do corpo com sentidos e

significados próprios, tendo objetivos e noções no tempo e no espaço; enfim, há uma

série de procedimentos psíquico-sociais que devem ser trabalhados e favorecidos dentro

do processo de ensino e aprendizagem na área da Educação Física Escolar para que as

aulas de expressão corporal não sejam apenas meras repetições de movimentos que os

alunos já estão habituados a fazer.

Portanto:

...a cultura corporal não se esgota no já existente, aceito e praticado. E então


a educação física pode ser também tempo e lugar de investigação e
problematização da história de alunos e alunas encarnados e presentes na
escola, que revela o conhecimento sobre as práticas corporais da cultura de
que são portadores (as); de invenção de outras maneiras de fazer os esportes,
as danças, a ginástica, os jogos, as lutas, os brinquedos, as brincadeiras; de
questionamento de padrões éticos e estéticos construídos culturalmente para
a realização dessas e de outras práticas corporais; de realização do princípio
de que os alunos e as alunas podem (e devem) se colocar à disposição de si
mesmos quando partilham, fruem, usufruem, criam, recriam as práticas
corporais da cultura; de garantia do direito de todos (as) participarem, sem
exclusão por nenhum motivo; de respeito à corporeidade singular a cada um,
construída em sua história de vida (VAGO, 1999, p.9).
“As experiências individuais e as vivências anteriores do aluno ao deparar

com cada situação constituem o ponto de partida para o processo de ensino e

aprendizagem das práticas da cultura corporal” (PCNs, 1997, p.31). Gradualmente, ao

longo do processo de aprendizagem, a criança passa a entender e conceber as práticas

culturais de movimento como instrumentos importantes para o seu conhecimento e

formação; sendo ainda, uma das formas de expressar sentimentos, sensações e emoções

individuais nas relações da prática da cultura corporal com o outro de maneira

integrada, respeitando e valorizando sempre as diferenças existentes entre os membros

de determinado grupo e da sociedade em geral.

Nós, profissionais da área devemos então insistir na defesa e na prática de

um enraizamento da cultura corporal dentro da Educação Física Escolar como uma área

do conhecimento responsável pela problematização das expressões corporais como

manifestação cultural da sociedade através dos movimentos produzidos pelos seres

humanos.

3.2.1 Corpo e Corporeidade na Educação Física.

O corpo humano desde a Antiguidade vem sendo um assunto conflitante e

estudado por diversas áreas (Sociologia, Teologia, Ciências Humanas, Filosofia), cada

uma a

sua maneira tentando criar significados a esse corpo.

Platão, filósofo antigo, um dos primeiros pensadores e estudiosos da

sociedade e do ser humano “entendia o corpo numa visão dualista na qual o corpo

representava o símbolo de alienação” (TUBINO, 2002, p.22).


A Igreja, por muito tempo pregou que o corpo (físico) era inferior e por isso

estava submisso à alma (espírito); sendo assim, o primeiro, fonte de todos os pecados

humanos na terra. O homem pecador do plano terrestre somente conseguiria a sua

salvação através do sacrifício da carne/corpo em benefício da alma em um plano

superior ao humano. René Descartes (1596-1650), embora, ao contrário de Platão,

preconizasse um corpo unido à alma, essa visão era instrumental e idealista.

“O trabalho na área da Educação Física tem seus fundamentos nas

concepções de corpo e movimento. [...], a natureza do trabalho desenvolvido nessa área

tem íntima relação com a compreensão que se tem desses dois conceitos” (PCNs, 1997,

p.23). Por suas origens médicas e militares em nosso país e por seu atrelamento quase

servil aos mecanismos elitistas de manutenção do status quo vigente na história

brasileira, tanto a prática quanto a reflexão teórica dentro da Educação Física

restringiram os conceitos de corpo e movimento -fundamentos de seu trabalho - aos

aspectos fisiológicos e técnicos. “O corpo era visto somente como um conjunto de ossos

e músculos e não como expressão da cultura [...]” (DAOLIO, 2004, p.2).

Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção restrita

mostram a necessidade e a importância de que, além daqueles conceitos - fisiológicos e

técnicos-, também se considere as dimensões cultural, social, política e afetiva

existentes no corpo humano, isto é, corpo vivo e atuante das pessoas que interagem e se

movimentam como sujeitos sociais, como cidadãos ativos e participativos na sociedade

em que está inserido.

O corpo então, deixa de ser uma análise minimizada para se tornar uma

complexidade de significados. O conceito de corporeidade situa o homem, por meio de

suas expressões como um corpo no mundo, uma totalidade que age movida por
intenções. É só por meio do corpo que a manifestação cultural se dá, e esse corpo,

aliado a essa manifestação no mundo é o significado pleno da corporeidade humana.

Assim,

A corporeidade implica, portanto a inserção de um corpo humano em um


mundo significativo, a relação dialética do corpo consigo mesmo, com
outros corpos expressivos e com os objetos do seu mundo (ou ‘coisas’ que
se elevam no horizonte da sua percepção) (FREITAS, 1999, p.57).

Para Tubino (2002, p.23 e 38):

A corporeidade é a referência da Educação Física, quando essa busca a


realidade do homem e representa uma idéia de sistematização. Nessa
perspectiva, a relação do homem com o corpo deve ser criticamente
discutida. [...] A Educação Física como ciência aplicada da
Cineantropologia, é o processo ou sistema para ajudar os indivíduos no
desenvolvimento de suas possibilidades pessoais e de relação social por
meio de suas capacidades físicas de movimento e de expressão.

O corpo humano, dotado de significados, como corporeidade - como

permanência que se constrói expressivamente no emaranhado das relações históricas,

sócio-culturais e que traz em si a marca da individualidade que se mescla às diferenças

dos sujeitos que se interrelacionam - esse corpo não termina nos limites que a Anatomia

e a Fisiologia lhe impõem. Ao contrário, estende-se por meio da cultura, das roupas e

dos instrumentos criados pelo homem, tornando-se ainda mais complexo e com uma
ampla gama de expressividade. “O corpo confere-lhes um significado e sua utilização

passa por um processo de aprendizagem construtor de hábitos” (FREITAS, 1999, p.53).

Sob esses princípios e aspectos, podemos trabalhar com a corporeidade no

âmbito da Educação Física Escolar de forma diversificada, objetivando o corpo humano

como um meio de se comunicar e de expressar sentimentos e emoções, dotado de

eficácia simbólica, grávido de significados, rico em valores dinâmicos e específicos. E

mais que isso:

[...] Podemos vê-lo a partir do seu significado no contexto sócio-cultural


onde está inserido. Podemos considerar, ao invés de suas semelhanças
biológicas, suas diferenças culturais; podemos reconsiderar nossos critérios
de análise sobre o corpo, fugindo de padrões preconceituosos que durante
muitos anos subjugaram e excluíram pessoas da prática de educação física
(DAOLIO, 2004, p.8-9).

O professor de Educação Física no processo de ensino e aprendizagem na

escola deve considerar o aluno como um corpo que não foi programado para imitar, que

o aluno só estará satisfeito e plenamente realizado em sua corporeidade, a partir do

momento em que estiver participando ativamente de todas as atividades e podendo

explorar sua criatividade, expressividade, espontaneidade; rompendo assim com as

limitações de seu corpo, descobrir por si só, as coisas maravilhosas que pode realizar

com suas expressões e manifestações corporais.

3.3 Educação Inclusiva.


Quando se pensa em Educação, logo vem a nossa cabeça, aquela formal

desenvolvida durante longos anos dentro de um espaço físico (escola); com horário para

entrar e sair, professores explicando o conteúdo das aulas, etc. E esquecemos da nossa

formação educacional que ocorre fora desse ambiente por meio de nossas vivências e

experiências individuais, com o conhecimento transmitido por nossos pais, dentre outras

coisas que não damos importância.

Da mesma forma acontece com a Educação Inclusiva. Atribuímos sempre

essa expressão aos portadores de necessidades especiais, sejam físicas ou psíquicas,

defendendo o direito de acesso e permanência desses sujeitos nas escolas ou uma

profissão. Muitas vezes, cotas de empregos ou bolsas escolares são reservadas para

essas pessoas como forma de garantir-lhes a inclusão social. Isso é feito para os

portadores de necessidades especiais; mas, negros, índios, mulheres, pobres, pessoas de

religião diferente, homossexuais são discriminados e ficam marginalizados na sociedade

dita democrática.

Fazer valer a Educação Inclusiva nas escolas regulares é uma tarefa árdua

que requer empenho de todos - governos, comunidade escolar, pais, alunos - na luta por

direitos iguais.

É mais que formar consciências, explicitar significados e promover


harmonia na diversidade – é preciso construir condições de trabalho
específicas, tanto do ponto de vista dos recursos humanos, como adaptação
das instalações, dos recursos pedagógicos, didáticos e paradidáticos. [...] a
construção da educação inclusiva continuará sendo uma missão coletiva.
Afinal, não se trata apenas de incutir na escola comum parcelas da educação
especial, trata-se, principalmente, de habilitar a escola para o exercício e a
promoção do convívio e da harmonia entre os diferentes. Trata-se de ampliar
as possibilidades de uns para buscar a igualdade de oportunidades, para que
cada um tenha possibilidades reais de construir-se como participante do
mundo que o cerca, completo como indivíduo, integral como ser humano
(HINGEL apud GUIMARÃES (org.), 2002, p.5-6).
Ao pararmos para analisar a expectativa da sociedade brasileira em relação à

instituição escolar, verificamos que, até mais ou menos o final do século XX, o que se

via na escola, principalmente na pública de um modo geral, era a seletividade dentre a

população de um pequeno número de indivíduos que comporiam os quadros operativos

do setor produtivo da sociedade. Esta constatação é importante para se compreender a

natureza excludente da escola. “Então nós temos escola atendendo a um propósito, que

é o de selecionar/excluir indivíduos, legitimando o terrível e criminoso processo de

exclusão social que o povo brasileiro está condenado” (SIQUEIRA apud GUIMARÃES

(org.), 2002, p.10).

Na proposta inclusiva, a educação deve contemplar os objetivos individuais

de cada aluno, ao contrário da proposta tradicional, na qual, todos os alunos devem

atingir os mesmos propósitos (objetivos). Assim, é extremamente necessária uma

ressignificação da escola para que esta ofereça realmente educação de qualidade para

todos, surgindo um novo paradigma de pensamento e ação.

A expressão educação inclusiva redimensiona todo este conjunto de ações

que ocorrem no interior dessa “nova escola”. Antes, cabia ao aluno adaptar-se à escola;

agora é ela quem deve modificar seu ambiente e funcionamento para atender ao

pluralismo cultural de seu aluno, buscando respostas individuais para as necessidades

especiais e especificidade de cada um, com uma ação pedagógica em constantes

transformações (GUIMARÃES (org.), 2002).

De acordo com os princípios educativos, nas palavras de Júnior; Korsakas

(2002, p.90-91):

A heterogeneidade enriquece o processo de aprendizagem fundamentado na


co-educação como processo de transformação recíproca. Esse princípio, na
prática, estimula que uma criança ajude a outra na aprendizagem de algo que
ela já domina e, ao mesmo tempo, faz com que ela vislumbre novas
possibilidades de aprendizado com o diferente. Por exemplo, propor que
meninos e meninas trabalhem juntos em atividades em que a força dos
meninos, aliada à flexibilidade das meninas, facilite o alcance do objetivo
proposto; e também possibilitar a inversão de papéis, exigindo dos garotos a
flexibilidade que lhes falta e das garotas a força que não desenvolveram,
pode fazer com que, em vez de rivalizarem pelos modelos estereotipados de
masculino e feminino, valorizem a contribuição do outro para completar a
tarefa.

Educação inclusiva ou inclusão escolar é o processo de adequações pelo o

qual uma escola procede, permanentemente, à mudança do seu sistema e ambiente,

adaptando sua estrutura física e conteúdos curriculares programáticos, suas

metodologias de ensino e tecnologias e capacitando continuamente professores,

especialistas e demais membros da comunidade escolar; inclusive todos os alunos e seus

familiares, envolver a sociedade nessas transformações em prol da inclusão social. “[...]

a escola deve ser capaz de responder às diferenças e necessidades individuais de um

alunado que reflete a diversidade humana presente numa sociedade plural” (SASSAKI

apud GUIMARÃES (org.), 2002, p.17).

3.3.1 Portadores de Deficiências Físicas na Aula de Educação Física.

A educação de forma geral e a Educação Física em particular enfrentam hoje

um grande desafio: garantir escolarização e ensino adequados aos alunos, em especial

àqueles portadores de deficiências físicas.


Sob o ponto de vista legal, educacional, político e filosófico, o direito à

educação inclusiva está assegurado a todos, mas faz-se necessário buscar coerência

entre o discurso legal e a sua prática nas escolas de ensino regular. “Há que buscar

soluções para a convivência e a familiaridade com as pessoas com deficiência,

derrubando as barreiras físicas, sociais, psicológicas e instrumentais que as impedem de

circular no espaço comum” (ARANHA apud GUIMARÃES (org.), 2002, p.49).

Por desconhecimento, receio ou até mesmo discriminação, a maioria dos

portadores de deficiências físicas, senão todos, foram (e são) excluídos das aulas de

Educação Física. Poucas pessoas sabem que “A participação nessa aula pode trazer

muitos benefícios a essas crianças, particularmente no que diz respeito ao

desenvolvimento das capacidades afetivas, de integração e inserção social” (PCNs,

1997).

Entretanto, para que esses alunos participem das aulas são necessários alguns

cuidados:

Em primeiro lugar, deve-se analisar o tipo de necessidade especial que esse


aluno tem, pois existem diferentes tipos e graus de limitações, que requerem
procedimentos específicos. Para que esses alunos possam freqüentar as aulas
de Educação Física é necessário que haja orientação médica e, em alguns
casos, a supervisão de um especialista em fisioterapia, um neurologista,
psicomotricista ou psicólogo, pois as restrições de movimentos, posturas e
esforço podem implicar riscos graves (PCNs, 1997).

Depois de garantidas as condições de segurança, o professor pode fazer

adaptações, criar situações de modo a possibilitar e garantir a participação e integração

desses alunos nas aulas de Educação Física. A aula não precisa ser estruturada em

função desses alunos, mas o professor pode ser flexível, dinamizando as atividades e

fazendo as adequações necessárias para garantir a inclusão de portadores de deficiências


na Educação Física junto com os outros alunos, sem nenhum preconceito, acabando

com a vergonha e o medo de se expor nas aulas ao realizarem as atividades propostas.

A maioria das pessoas portadoras de deficiências tem traços fisionômicos,

alterações morfológicas ou problemas de coordenação que as destacam das demais. A

atitude dos alunos diante dessas diferenças é algo que se construirá na convivência e

dependerá da postura que o professor adotar. É possível integrar essas crianças especiais

ao grupo, respeitando suas limitações e ao mesmo tempo dar oportunidades para que

desenvolvam suas potencialidades.

É importante observar a diferença entre os princípios de integração que

dizem respeito à adaptação do aluno às condições do ensino/escola regular:

Do conceito de escola inclusiva que implica uma nova visão da escola,


propondo no seu projeto político-pedagógico (currículo, metodologia,
avaliação, atendimento educacional especializado, formação continuada do
professor, aprendizagem como centro das atividades escolares e o sucesso
dos alunos como a meta da escola, trabalho coletivo e diversificado) ações
que favoreçam a interação social através de práticas heterogêneas adequadas
à diversidade de seu alunado. É a escola se modificando para receber o aluno
(GUIMARÃES (org.), 2002, p.49).

A aula de Educação Física pode favorecer a construção de uma atitude digna

e de respeito próprio por parte do deficiente e a convivência com ele pode possibilitar a

construção de atitudes de solidariedade, de respeito, de aceitação, sem preconceitos.

3.3.2 Educação Nova e Papel do Professor de Educação Física: Contribuições

para a Inclusão Escolar.


Muitos professores consideram a prática da Educação Física Escolar muito

importante para a formação plena da criança por meio de sua ampla gama de atividades

e, apontam a socialização, promovida principalmente pelas atividades realizadas em

grupo, sendo um dos fatores mais importantes desenvolvidos pela disciplina.

A Educação Física enquanto componente curricular busca a interação social

do aluno, na perspectiva da solidariedade, da cooperação e do respeito mútuo, o que se

torna fundamental para formar cidadãos críticos, criativos, conscientes e atuantes na

sociedade como forma de desenvolvimento de sua autonomia (LIMA, 2004).

O eixo norteador para a “Nova Educação” ou “educação do futuro” é a

atenção à diversidade cultural, a fim de se evitar rótulos e preconceitos com o objetivo

de atender melhor a todos, observando sempre a individualidade de cada aluno. O

respeito e a valorização desse alunado exigem que a escola (re) defina sua

responsabilidade no estabelecimento das relações educacionais, envolvendo seus

profissionais num amplo processo de discussão e transformação, estudo e reflexão como

parte importante na inclusão social. “Não basta simplesmente colocar o aluno na escola

e sim, dar-lhe condições de acesso e permanência com sucesso em todo o fluxo de

escolarização” (GUIMARÃES (org.), 2002, p.39).

O contexto escolar em que vivemos atualmente, sem dúvida, requer uma

adaptação do professor de Educação Física, quanto à preparação de suas aulas,

ressignificação de seus sentidos e objetivos para melhor lidar com a diversidade de seus

alunos. Esse professor deve estar preparado para lidar com alunos mais críticos e até

mesmo indisciplinados, e ainda, vencer alguns preconceitos existentes na área. Precisa

sempre dinamizar suas aulas e procurar motivar seus alunos para que não desenvolvam

a falta de interesse em participar das aulas de Educação Física.

Na opinião de Freire (1997 apud LIMA, 2004, p.7):


... é muito importante que o profissional de Educação Física perceba os
diversos significados que pode ter uma atividade motora para as crianças.
Assim, ele ajudará na percepção adequada dos seus recursos corporais, de
suas possibilidades e limitações, sempre em transformação, dando condições
de expressarem com liberdade e de aperfeiçoarem suas competências
motoras.

Cabe ao bom professor de Educação Física, única e exclusivamente, saber

valorizar suas aulas e acabar definitivamente com a imagem de que a Educação Física

Escolar só serve para distrair os alunos, deixando-os à vontade para correr, descarregar

as energias e quebrar a rotina da sala de aula.

Essa é a chance de firmar a Educação Física na escola, dando-a lugar de

destaque e adaptar a disciplina aos novos tempos da educação para que possa contribuir

de forma significativa na formação integral do aluno.

CONCLUSÃO
Mais do que rever a trajetória histórica e a evolução da Educação Física no

Brasil desde sua implantação até hoje, a intenção deste trabalho foi atribuir a essa

retrospectiva um sentido mais amplo, profundo, valendo-se das influências e tendências

sofridas pela área ao longo dos séculos. E, mais que isso, entender seu papel como meio

de educação na história da humanidade e suas contribuições para a formação plena do

educando como forma de refletir e compreender a importância da Educação Física como

componente curricular das escolas.

A Educação Física Escolar tal como a concebemos hoje aqui no Brasil -

como matéria de ensino - tem suas raízes na Europa de fins do século XVIII e início do

século XIX. “Surgiu na sociedade ocidental moderna como um movimento de caráter

popular e sem qualquer relação com a instituição escolar” (SOARES, 1996, p.8). Mas

com a criação dos chamados Sistemas Nacionais de Ensino, a Ginástica, primeiro nome

dado à Educação Física, foi introduzida na escola como conteúdo obrigatório, ela

possuía caráter bastante abrangente.

No Brasil, “a Educação Física Escolar foi conformada de forma autoritária

pelo Estado, a partir das reformas educacionais de 1968 (Lei 5.540) e 1971 (Lei 5.692 e

decreto 69.450)” (OLIVEIRA, 2002, p.53).

Enquanto elemento do currículo escolar, a Educação Física, historicamente,

tem assento na escola através de leis e decretos. A literatura mostra ser esse um dos

principais motivos para uma das características que ela manteve por um longo período

de tempo: desenvolver sua prática em função das necessidades do Estado de acordo com

o contexto político-econômico (BRAID, 2003).


Inicialmente, influenciada por médicos e militares, a Educação Física no

Brasil desenvolveu-se desde sua introdução no país apoiada em princípios biológicos e

de disciplina, passando ao longo de sua história por várias fases:

Historicamente já passamos pela constituição da Educação Física como


higienismo, eugenia e militarismo. Atravessamos a fase rudimentar
adentrando a fase romântica, aquela em que os professores ensinavam e
reproduziam as bases de um conhecimento dito novo no jogo, no esporte, no
lazer. Na seqüência vivemos um período de redemocratização e a crítica da
área sedimentou uma série de preocupações com o desenvolvimento dos
padrões corporais, metodológicos, históricos, sociológicos e psicológicos
(SADI, 2004, p.1-2).

Diante do exposto podemos dizer que todas essas influências e tendências

sofridas pela Educação Física Brasileira ao longo dos séculos desde sua implantação em

território nacional, levaram-na a uma crise de identidade, acarretando a desvalorização e

a diminuição da sua importância, vivenciada nas escolas atualmente.

Hoje,

lutamos diariamente contra os preconceitos a que nossa profissão e os


profissionais da área (Educação Física) são submetidos. Parte desta culpa é
nossa. Pelas características de nossa atividade, pela nossa postura, pelos
profissionais que somos e pelo imobilismo que tivemos por muitos anos
(PAIANO, 2006, p.56).

Portanto, cabe a nós, profissionais da área, mudarmos esta visão de

Educação Física, vencendo a batalha pela sua melhoria, pelo reconhecimento de sua

importância como disciplina educativa e de grande contribuição para a inclusão social.

Devemos lutar pela reconquista do espaço da Educação Física, pela descoberta de nossa
função no processo de ensino e aprendizagem dos alunos para sua formação plena como

cidadãos críticos, criativos e atuantes na sociedade (PAIANO, 2006).

A Educação Física por meio de sua multiplicidade de atividades, como uma

das formas privilegiadas de atuação na sociedade e de suma importância como

disciplina educativa lida com o aluno como um ser integral e trabalha entre outras

formas, o se movimentar e interagir no coletivo através da pedagogia de jogos, esportes,

ginástica, lutas, danças dentre outros. Além de promover a socialização, a cooperação, a

inclusão social e o respeito mútuo, “tem como instrumento potencialmente criativo, a

linguagem” (SADI, 2004, p.4).

Esta linguagem nas aulas de Educação Física, na visão do mesmo autor:

Trata-se de uma ação global, sócio-educativa e de socialização que busca


conduzir a maneira de ser, sentir e agir dos indivíduos. Incide sobre uma
multiplicidade de questões relacionadas à organização do corpo no tempo e
no espaço, sua interação com outros sujeitos, sua mobilização consciente e
crítica (SADI, 2004, p.4).

Discutir então, a importância da prática da Educação Física hoje nas escolas,

permite redimensionar suas finalidades como forma de transformação na educação.

Neste contexto, a Educação Física deve propiciar ao aluno oportunidades de

aprender a conhecer e perceber de forma permanente e contínua seu corpo, suas

limitações na perspectiva de superá-las e ainda desenvolver suas potencialidades;

conviver consigo, com o outro e com o meio ambiente. É por meio de vivências

corporais que o indivíduo se manifesta e se comunica. Nessa perspectiva, a Educação

Física ensina o aluno a ser cidadão consciente, autônomo, responsável, competente,

crítico, criativo e sensível, aprendendo a viver plenamente sua corporeidade, de forma


lúdica, tendo em vista a qualidade de vida, promoção e manutenção da saúde (SOUSA

et al.)

Este trabalho buscou compreender o fenômeno Educação Física e sua

dinâmica ao longo da história para entender seu momento presente e mostrar

alternativas para a educação futura.

Assim, a mensagem que fica neste trabalho é a de um espaço para uma

profunda reflexão a respeito da prática da Educação Física dentro da escola. Reflexão

esta que indique um caminho de renovação, redirecionamento e transformação quanto à

atuação de professores desta área, a fim de que haja condições de, modificando a prática

desta disciplina, esta renasça a partir de uma nova visão acerca das atividades corporais

na escola, mais crítica e mais humana, (BRAID, 2003).

É necessário ainda, que o professor de Educação Física perceba a

importância e o alcance cultural de sua prática, pois assim, terá condições de realizar um

trabalho competente e inclusivo, vislumbrando uma prática de Educação Física Escolar

dinâmica e inovadora que leve à transformação da realidade, permitindo ao homem uma

evolução em todos os aspectos, porque o ser humano desenvolve de forma integrada e

total. O homem mais do que fruto, é agente da cultura.

Esse processo de “reconstrução” da Educação Física tem como desafio

contribuir com uma educação inovadora, compreendida como um processo de formação

humana que valoriza não só o domínio de conhecimentos, competências e habilidades,

sejam intelectuais ou motrizes, mas também, a formação estética, política e ética dos

educandos. Um processo integral de formação humana.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRACHT, Valter. A Gênese do Esporte Moderno. 21. ed. rev. Rio Grande do Sul:
Unijuí, 2003.

BRAID, Liana Maria Carvalho. Educação Física na Escola: Uma Proposta de


Renovação. Universidade Federal do Ceará. 2003, p.54-58. Disponível em:
http://www.unifor.br/revista. Acessado em: 05 fev. 2007.
BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais de Educação
Física. Brasília: MEC/SEF, 1997.

DAOLIO, Jocimar. Educação Física e o Conceito de Cultura. São Paulo: Autores


Associados, 2004.

FREITAS, Giovanina Gomes de. O Esquema Corporal, a Imagem Corporal: A


Consciência Corporal e a Corporeidade. Rio Grande do Sul: Unijuí, 1999.
GONÇALVES, Hortência de Abreu. Manual de Monografia, Dissertação e Tese. São
Paulo: Avercamp, 2004.

GUIMARÃES, Tânia Mafra (org.). Educação Inclusiva: Construindo Significados


Novos Para a Diversidade. Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais. Belo
Horizonte: Lições de Minas, 2002.

JÚNIOR, Dante de Rose; KORSAKAS, Paula. Os Encontros e Desencontros Entre


Esporte e Educação: Uma Discussão Filosófico-Pedagógica. Revista Mackenzie de
Educação Física e Esporte, São Paulo, 2002, p.83-93.

JÚNIOR, Paulo Ghiraldeli. Educação Física Progressista: A Pedagogia Crítico-Social


dos Conteúdos e a Educação Física Brasileira. 7. ed, v.10. São Paulo: Edições Loyola,
2001.

LIMA, Carmem Costa Câmara. Percepções de Educadores Quanto ao Perfil da


Educação Escolar no 1º Segmento do Ensino Fundamental. Faculdades Integradas
Maria Thereza. Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: http://www.sprint.com.br/revistas.
Acessado em: 05 jul. 2007.

MANOEL, Edison de Jesus; TANI, Go. Preparação Profissional em Educação Física e


Esporte: Passado, Presente e Desafios Para o Futuro. Revista Paulista de Educação
Física, São Paulo, 1999, v.13, p.13-19.

OLIVEIRA, Marcus Aurélio Taborda de. Educação Física Escolar e Ditadura Militar no
Brasil (1968-1984): História e Historiografia. Educação e Pesquisa, São Paulo, 2002,
v.28, n.1, p.51-75.

OLIVEIRA, Vitor Marinho de. Consenso e Conflito da Educação Física Brasileira. São
Paulo: Papirus, 1994.
PAIANO, Ronê. Possibilidades de Orientação da Prática Pedagógica do Professor de
Educação Física: Situações de Desprazer na Opinião dos Alunos. Revista Mackenzie de
Educação Física e Esporte, São Paulo, 2006, v.5, p.47-58.

SADI, Renato Sampaio. O Estrangulamento/Encruzilhada Histórica da Educação Física


Frente aos Desafios do Mundo do Trabalho no Esporte e no Lazer. Palestra de Abertura
Proferida na XV Semana Acadêmica de Educação Física da PUC-PR, 2004.

SOARES, Carmem Lúcia. Educação Física Escolar: Conhecimento e Especificidade.


Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, 1996, p.6-12.

SOUSA, Eustáquia Salvadora de (org.) et al. Currículo Básico Comum de Educação


Física- Ensino Fundamental 5ª a 8ª série. Ministério da Educação. Brasília: MEC/SEF,
2006. Disponível em: http://www.educacao.mg.gov.br. Acessado em: 05 fev. 2008.

TUBINO, Manoel. As Teorias da Educação Física e do Esporte: Uma Abordagem


Epistemológica. São Paulo: Manole, 2002.

VAGO, Tarcísio Mauro. Início e Fim do Século XX: Maneiras de Fazer a Educação
Física na Escola. Cadernos Cedes, ano XIX, n.48, 1999. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/ccedes. Acessado em: 20 out. 2007.