Você está na página 1de 8

Proposta de teste de avaliação

Matemática A
11.O ANO DE ESCOLARIDADE

Duração: 90 minutos | Data:


Proposta de teste de avaliação

CADERNO I (45 minutos – com calculadora)

1. Na figura está representado o triângulo  ABC  .

h
135º
15º
A B
10

Sabe-se que:
 AB  10
 B AC  15º
   135º
C BA
 h é a medida da altura do triângulo  ABC  , relativa ao lado  AB  .

Qual é o valor de h , arredondado às centésimas?

(A) 2,68 (B) 2,59


(C) 3,66 (D) 3,70

2. O triângulo  PQR  da figura representa o esquema de um terreno em que PQ  50 m e PR  30 m.

R
70º

30 m Q

50 m
P

Sabe-se ainda que o ângulo PRQ tem 70º de amplitude.

2.1. Qual é, em graus com arredondamento às centésimas, a amplitude do ângulo RQP ?

(A) 34,32º (B) 75,68º

(C) 42,00º (D) 34,06º

2.2. Determine a área do terreno.


Apresente o resultado em metros quadrados arredondado às unidades.

2
Proposta de teste de avaliação

sin x
3. Considere a função f definida em  0 , π  por f  x   .
1  cos x
 5π 
3.1. Determine o valor exato de f   .
 6 
Apresente o resultado na forma a  b c , com a, b, c  .

 π 
3.2. Seja    0,  .
 2 

π  π 
Mostre que f      f    1
2  2 

3.3. Existem dois pontos A e B pertencentes ao gráfico da função f , de abcissas x e x  1 ,


respetivamente, cujas ordenadas também diferem de uma unidade.

f  x 1 B

A
f  x

O x x 1

Determine, recorrendo à calculadora gráfica, a abcissa do ponto A.

Na sua resposta:
- equacione o problema;
- reproduza num referencial o(s) gráfico(s) da(s) função(ões) visualizado(s) na
calculadora que lhe permitem resolver a equação;
- apresente o valor pedido arredondado às centésimas.

3
Proposta de teste de avaliação

Caderno II (45 min – sem calculadora)

4. Considere o triângulo  ABC  em que:


 AB  8
 BC  7
 AC  3
 M é o ponto do lado  AB  tal que  CM  é uma mediana do triângulo.

A M B

4.1. Mostre que a amplitude do ângulo BAC é igual a 60º.

4.2. O comprimento de  CM  é igual a:

(A) 27 (B) 13

(C) 55 (D) 37

5.    4π 
Qual é o valor de arctan  3  arcsin  sin  ?
 3 
2π 5π
(A)  (B) 
3 3
(C) π (D) 0

 π sin 3 x
6. Considere a função f definida em  0 ,  por f  x   .
 2 2cos x

4
Proposta de teste de avaliação

Na figura está representada, num referencial o.n. xOy , a circunferência de centro na origem e
raio 1 bem como a reta r de equação x  1 .

Sabe-se que:
y
r
 o ponto A se desloca ao longo da circunferência, no
primeiro quadrante; D
 A
 a semirreta O A interseta a reta BAC no ponto D ;

 o ponto C tem coordenadas  1, 0  ;



 o ponto B pertence ao eixo Ox e tem abcissa igual à O B C x

do ponto A .

Para cada posição do ponto A , seja  a amplitude, em


radianos, do ângulo COA .

 π
6.1. Mostre que, para cada    0 ,  , a área do trapézio  ABCD  é dada por f    .
 2

 π
6.2. Seja    0 ,  tal que tan   2 . Determine f    .
 2

6.3. Se CD  1 , a área do trapézio  ABCD  é igual a:

1 1
(A) (B)
4 2
π 3
(C) (D)
4 4

1
6.4. Determine AD sabendo que OB  .
2

FIM

Cotações:

Caderno 1 Caderno 2
2. 2. 3. 3.2 3.3. Tota 4.1. 4.2. 5. 6.1 6.2 6.3 6.4 Tota
1.
1. 2. 1. . l . . . l
10 10 20 20 20 20 100 15 10 10 20 20 10 15 100

5
Proposta de teste de avaliação

Proposta de resolução

Caderno I

1.   180º  C BA
DBC   180º 135º  45º C
Seja h  CD e BD  x .
h h 135º h
 tan 45º   1  h  x
x x 15º 45º
A B x D
h h 10
 tan15º   tan15º  hx
x  10 h  10
 h  h tan15º 10 tan15º 
 h  h tan15º  10 tan15º 
 h  1  tan15º   10 tan15º 

10 tan15º
h
1  tan15º
h  3, 66
Resposta: (C)

2.1. Pela Lei dos Senos, temos:


sin 70º sin Q 30sin 70º
  sin Q 
50 30 50
Como sin Q  0,5638 , vem Q  34,32º , ou seja, RQP
  34,32º .

Resposta: (A)

  180º 70º 34,32º  75, 68


2.2. QPR

Seja h a altura do triângulo  PQR  relativa ao vértice R . R


h
 sin  75, 68º 
30
30 m h 34,32º Q
h  30sin  75, 68º  75,68º
50 m
PQ  h 50  30sin  75, 68º  P
A PQR     727
2 2
A área do terreno é, aproximadamente, igual a 727 m2.

sin x
3. f  x  , x   0 , π
1  cos x
5π 1 1
sin
 5π  6 2 2 Cálculo auxiliar
3.1. f     2  
 6  1  cos 5π
1
3 2 3 2 2 3    5π 
 6 


π
6
π 1
sin    sin  π    sin 
6 2
6 2 2
 5π   π π 3
cos    cos  π     cos  
2 3 2 3 2 3  6   6 6 2
    2 3
 2  3  2  3 22   3
2
43

6
Proposta de teste de avaliação

π  π 
sin     sin    
π  π 
f    f      2    2   cos   cos  
3.2. .
2  2  1  cos  π    1  cos  π    1  sin  1  sin 
   
2  2 
cos 2  cos 2  cos 2 
   1
 1  sin    1  sin   1  sin  cos 2 
2

3.3. A abcissa do ponto A é a solução da equação f  x  1  f  x   1


y
y1
sin  x  1 y2
Introduziram-se na calculadora as funções y1  f  x  1  e
1  cos  x  1

sin x
y2  f  x   1   1 e determinou-se a abcissa do ponto de
1  cos x
interseção dos respetivos gráficos, obtendo-se o resultado que se apresenta
ao lado.
Assim, x  0,99 . O 0,9894 x

Caderno II

4.1. Pelo Teorema de Carnot,


C
a 2  b 2  c 2  2bc  cos A
a7
b3
7 2  32  82  2  3  8  cos A  49  9  64  48  cos A 
24 1 A
c8
B
 48  cos A  9  64  49  cos A   cos A 
48 2
Logo, como BAC é um ângulo agudo, B AC  60º .

1 1
4.2. Se  CM  é uma mediana do triângulo então AM  AB   8  4 .
2 2
Aplicando novamente o Teorema de Carnot, com CM  x .
1 C
x 2  32  42  2  3  4  cos 60º  x 2  9  16  2  12  
2 3 x
x 0
 x  25  12  x  13  x  13
2 2 BAC
A 4 M B
Resposta: (B)

5.   4π 
arctan  3  arcsin  sin   x  y
 3 

   π π
arctan  3  x  tan x   3  x    ,   x  
 2 2
π
3

 4π   3 4π  π π 3
arcsin  sin   y  arcsin     y  sin  sin  π     sin  
 3   2  3  3 3 2

3  π π π
 sin y    y   ,   y  
2  2 2 3

 

 4π  π  π
3  3
π π
arctan  3  arcsin  sin   x  y           0
3  3 3

7
Proposta de teste de avaliação

Resposta: (D)
6.1. OB  cos  , BA  sin  e CD  tan 

OC  CD OB  BA
A ABCD  A OCD   A OBA   
2 2
1 tan  cos   sin  1  sin   tan  
sin 
     sin  cos    cos 
2 2 2  cos  

1 sin   sin  cos 2  1 sin   1  cos  


2

    
2 cos  2 cos 
1 sin  sin 2  sin 3  1  cos 2   sin 2 
  
2 cos  2 cos 
Portanto, a área do trapézio  ABCD  é dada por f    .

6.2. tan   2
1 1 1 1
Como 1  tan   , vem 1  2  5  cos 2  
2 2

cos 
2
cos 
2
cos 
2
5

 π 1 1
Sendo    0 ,  , cos   0 pelo que cos   
 2 5 5
1 1 4
 Dado que sin 2   cos 2   1 , temos sin 2    1  sin 2   1   sin 2  
5 5 5
 π 4 2
Como    0 ,  , sin   0 pelo que sin   
 2 5 5
3 2
 2  2  2 
    2
sin   5 
3
5  5  2  4
f       
2 cos  2  1 2  5 5
5 5

 π π
6.3. CD  1  tan   1 . Logo, como    0 , , temos   .
 2  4
3 2
π  2  2
sin 3   
  
  1
π  4  2   2  1
Portanto, se CD  1 , A ABCD  f     2
 4  2cos  π   2 2 2 4
  2   
4  2 
Resposta: (A)

6.4. A  cos  , sin   e D  1 , tan  

1 1  π π 3
OB   cos   . Como    0 ,  , temos   pelo que sin   e tan   3 .
2 2  2 3 2
1 3
Então, A  , 
 e D 1 , 3 pelo que 
2 2 
2 2
 1  3 1  3
2 2
1 3
AD  1     3            1 1
 2  2   2   2  4 4

OD OA 1  AD 1
    1  AD  2  AD  1
Em alternativa, pelo Teorema de Tales, OC OB 1 1 .
2

Você também pode gostar