Você está na página 1de 1

Testador de cristal 

 
Achei este manual na internet e é um pouco diferente no que tem aqui no forum. Decidi postar pois estou a fabricar.
 
Este manual se destina unicamente a orientar o montador interessado neste projeto, portanto não se encontram neste manual: detalhes de gabinete, layout de placas de circuito impresso, cabos de ligações,
aparência final do produto, cor, forma, tamanho, etc., ficando estes detalhes por conta do montador. Acredito que o interessado neste projeto tenha conhecimentos suficientes em eletrônica a ponto de saber
identificar: resistores, capacitores, transistores, relês, diodos etc. além de saber interpretar o circuito elétrico. Para obter maiores informações favor entrar em contato pelo e-mail: turchiellows@yahoo.com.br 
 
Este circuito se destina a verificar o estado de funcionamento de cristais de quartzo e também filtros cerâmicos. Apenas se verifica se o cristal em questão esta oscilando ou não, caso esteja oscilando um LED irá
ascender indicando a oscilação. É possível ligar um Freqüencímetro a este circuito para verificar a freqüência do cristal em teste. A freqüência lida no Freqüencímetro sempre será um pouco mais baixa do que a
freqüência nominal do cristal, isso se deve ao fato de o circuito não ter muita estabilidade e a simples inserção de um instrumento de medida acarreta uma alteração nas oscilações. Com esse aparelho é possível
testar cristais nas freqüências que vão de 100 KHZ a 100 MHZ. 
 
Descrição de funcionamento 
 
O primeiro transistor consiste em um oscilador que tem com base o cristal que vai ser testado. Se o cristal estiver em bom estado o transistor começará a oscilar.
 
Nessa etapa é muito importante tomar o máximo de cuidado com a escolha dos capacitores C1 e C2. Eles devem ser cerâmicos e nos valores indicados no esquema, qualquer alteração em seus valores, por
menor que seja, pode comprometer o funcionamento do circuito nas freqüências mais altas ou nas mais baixas. É mais provável que o funcionamento fique comprometido nas baixas freqüências. 
 
C3 acopla a etapa osciladora a um simples detector, D1, D2, C4, que converte as oscilações geradas pelo cristal em um nível de tensão contínua para polarizar a base do segundo transistor. Este segundo
transistor funciona simplesmente como chave para fazer ascender o LED indicador das oscilações.
 
A corrente consumida pelo circuito é baixa não ultrapassando os 20mA, logo a durabilidade da bateria é grande se observados alguns cuidados: Ao ligarmos SW1 um LED ascenderá indicando que o aparelho
está ligado. Não é aconselhável esquece-lo ligado, mesmo que a corrente consumida seja pouca, se este aparelho for esquecido ligado a bateria pode se esgotar em algumas horas. Somente ligue a chave SW1
durante o período de testes. 
 
Para conectar o cristal ao circuito deve se utilizar pontas de prova com garras jacaré e de pequeno comprimento, no máximo 15 cm. O cristal que vai ser testado deve retirado do circuito, caso contrário ele poderá
não oscilar mesmo estando bom.   
 
Lista de componentes: 
C1 - 1 nF (cerâmico)
C2 - 100 pF (cerâmico)
C3 - 1 nF (cerâmico)
C4 - 4,7 nF (cerâmico) 
 
T1 - BC 550, BC 548, BC 547, BC 549. recomenda BF494 ou mesmo o 2n2218
T2 - BC 550, BC 548, BC 547, BC 549.
D1 - 1N 4148
D2 - 1N 4148
LEDs - qualquer tipo ou tamanho, apenas com cores diferentes 
 
R1 - 27 K 1/8 W (vermelho, violeta, laranja, dourado).
R2 - 1 K 1/8 W (marrom, preto, vermelho, dourado).
R3 - 560 homs 1/8 W (verde, azul, marrom, dourado).
R4 - 560 homs 1/8 W (verde, azul, marrom, dourado). 
 
S1 - chave liga desliga, qualquer tipo.
Bateria - 9V 
Diversos - gabinete, solda, placa de circuito impresso, conector para a bateria, garras jacaré, etc.
 
Elias Bernabé Turchiello Técnico responsável

Você também pode gostar