Você está na página 1de 17

O treinamento de musculação e o

desenvolvimento
da potência muscular nos esportes
coletivos de invasão:
um estudo da pré-temporada de
basquetebolistas amadores
*Licenciado e Bacharel em Educação Física.
**Professor Doutorando do Departamento de Cristiano Rafael Pinno*
Pedagogia, Curso de EF. Fernando Jaime González**
UNIJUÍ.
crpinno@yahoo.com.br
(Brasil)

Resumo
Este trabalho tem como objetivo verificar que influência o treinamento de potência muscular,
através de máquinas de musculação, exerce sobre os índices de força explosiva (agilidade,
velocidade e impulsão vertical) desenvolvidos no treinamento físico específico, da equipe adulta
de basquetebol da UNIJUÍ. A amostra foi constituída de 14 atletas distribuídos aleatoriamente em
dois grupos (experimental, GE = 8 e controle, GC = 6). Foram utilizados 4 testes, sendo um para
agilidade (4 cantos), um para velocidade (20 metros) e dois para potência de salto (impulsão
vertical parado - IVP e com contramovimento - IVC). No teste de agilidade (GE = 4,82 - 4,68 e GC
= 4,96 - 4,81) e velocidade (GE = 2,94 - 3,02 e GC = 2,97 - 3,00) percebeu-se um equilíbrio nos
resultados, enquanto nos testes de potência de salto houve uma pequena melhora do GE (IVP =
53,63 - 56,00 e IVC = 49,36 - 51,86) e do GC no teste IVP (50,33 - 54,00), enquanto não há
alteração do GC no teste IVC (48,83 - 48,83). Através do teste U de Mann-Whitney verificou-se
não haver diferença significativa entre GE e GC nas quatro variáveis estudadas. Concluiu-se,
portanto, que para esta amostra utilizada, o treinamento realizado na musculação não foi
suficiente para promover diferenças no condicionamento físico entre os dois grupos.
Unitermos: Musculação. Esportes coletivos de invasão. Potência muscular.
Trabalho de Conclusão de Curso em Educação Física para obtenção do título de
Bacharel e Licenciado em Educação Física.
Departamento de Pedagogia. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio
Grande do Sul - UNIJUÍ.

http://www.efdeportes.com/Revista Digital - Buenos Aires - Año 13 - N° 119 - Abril de 2008

1/1

Introdução
Ao revisar a literatura sobre o treinamento de força nos esportes coletivos de
invasão (ECI), percebe-se uma carência significativa quanto à utilização da
musculação para esse treinamento. Essa carência se deve, principalmente, ao não
interesse da musculação como método de aprimoramento da potência muscular,
que geralmente é desenvolvida em treinamentos específicos.
Atualmente são poucas as pesquisas que questionam a validade da musculação
para o desenvolvimento da potência em atletas de ECI. Algumas se referem ao
perfil fisiológico dos atletas (ARRUDA; RINALDI, 1999; GENTIL et al., 2001; JIMÉNEZ
et al., 2002; MAGALHÃES et al.,2001; TRICOLI, 1994). Jiménez et al. (2003), em
outra pesquisa, verificaram a correlação entre dois testes de potência anaeróbia de
membros inferiores.
Outras pesquisas se referem à dinâmica de treinamento em longo prazo
(ARRUDA et al., 1999; FRADE, 2001). Também aparecem pesquisas quanto aos
efeitos dôo treinamento pliométrico e ao destreino em basquetebolistas (SANTO;
JANEIRA; MAIA, 1997).
Todavia, apenas dois estudos comparam métodos de treinamento de força.
Cappa, Berardi e De Cara (2000) utilizam um treinamento de força tradicional e um
com exercícios derivados do levantamento de peso (DLP). Concluindo que o
treinamento com DLP produziu melhores resultados e em menor tempo. A pesquisa
desenvolvida por Garrido (1995), é uma das poucas que compara o treino
pliométrico com a musculação, tendo concluído, que o grupo que treinou com
musculação obteve o melhor rendimento em apenas uma das seis variáveis
testadas. No entanto, o estudo foi realizado com uma equipe de voleibol, esporte
que não se enquadra, segundo a classificação de Gonzalez (2004), como esporte de
invasão, e sim, como esporte de rede.
Como se pode verificar, a maioria dos estudos não tem preocupação quanto aos
métodos de treinamento, e sim, quanto aos índices de força que o sujeito/atleta já
possui. Com isso, percebe-se que existe um grande espaço para investigações, pois
se identificam muitas questões que devem ser respondidas a fim de suprir as
necessidades destes esportes. Dessa forma, afirma-se que a importância da
pesquisa sobre a potência muscular nos ECI remete ao aprimoramento dos métodos
de treinamento, bem como, ao surgimento de novas possibilidades de
desenvolvimento desta capacidade física.
O objetivo deste estudo é verificar que influência o treinamento de potência
muscular realizado na fase básica do período preparatório, através de máquinas de
musculação, exerce sobre os índices de força explosiva (agilidade, velocidade e
impulsão vertical) a serem desenvolvidos na fase específica, através do
treinamento físico da equipe adulta de basquetebol da UNIJUÍ.

Metodologia
Para este estudo utilizou-se a pesquisa experimental. Neste caso, estabeleceu-se
uma relação de causa e efeito comparando o grupo controle com o experimental,
com o qual se desenvolveu treinamento de musculação previamente ao
treinamento específico de basquetebol.

Sujeitos
A amostra foi constituída por 14 atletas de basquetebol, do sexo masculino, com
idade média de 19,93 ± 2,89 anos, pertencentes à categoria adulta universitária da
UNIJUÍ a pelo menos dois anos.

Procedimentos
No início do estudo os sujeitos foram apresentados à pesquisa a fim de esclarecer
os objetivos e orientá-los quanto á responsabilidade de tal atividade. Neste
momento, também foram esclarecidos os direitos de cada participante, bem como,
foi oficializado o consentimento pela participação.
Os atletas foram divididos aleatoriamente em dois grupos denominados GE
(grupo experimental, n=8) e GC (grupo controle, n=6). O grupo controle realizou
apenas os treinamentos específicos, em quadra, durante quatro semanas, duas
vezes semanais (terças e quintas-feiras), de 1 hora e 30 minutos. O grupo
experimental, 4 semanas antes do início da temporada de treinamento físico
específico de basquetebol, foi submetido, a três treinos de força semanais
(segundas, quartas e sextas-feiras) de 1 hora e 30 minutos cada, na sala de
musculação. Os testes foram realizados no início da pesquisa, (antes do primeiro
treino na musculação), entre a 4ª e a 5ª semanas (antes dos treinamentos
específicos) e ao término da 8ª semana (4ª semana de treinamento) (Quadro 1).
Periodização do treinamento na musculação
Optou-se por três fases para o treinamento de força devido ao processo de
adaptação necessário às estruturas neuro-musculares dos atletas.
O treinamento desenvolvido, para este estudo, consistiu em um mesociclo
dividido em três fases: adaptação, preparatória e desenvolvimento. No período de
adaptação (uma semana) o treinamento foi de 3 séries de 15 RM no Leg Press 45º,
no banco para sóleo (flexão plantar sentado), no banco extensor (extensão de
joelhos) e na mesa flexora (flexão de joelhos) e, 3 séries de "N" RMs (número
máximo de repetições corretamente executadas) para flexão plantar em pé
bilateral, em todos, a velocidade foi moderada. No período preparatório (uma
semana), foram trabalhados 4 séries com cargas correspondentes a 10RM e a
flexão plantar em pé foi realizada unilateralmente, sempre em velocidade lenta. No
período de desenvolvimento foi realizada a parte principal da pesquisa, constituída
dos 2 microciclos seguintes. Nas 4 séries foram realizadas 6RM, para Leg Press 45º,
banco para sóleo, mesa flexora e banco extensor, no caso da flexão plantar em pé,
a execução foi realizada unilateralmente com 2 séries de velocidade moderada e 2
com velocidade rápida (Quadro 2).

O treinamento específico consistiu em 30 minutos iniciais de treinamento das


capacidades físicas e 1 hora de treinamento técnico-tático. Os 30 minutos iniciais
compunham o aquecimento e o condicionamento das capacidades físicas
desejadas.
A periodização do treinamento específico, realizado no ginásio, consistiu em uma
semana de desenvolvimento de resistência aeróbia e anaeróbia, com volume alto e
intensidade moderada e três semanas, com intensidade alta e volume reduzido,
para desenvolvimento das capacidades físicas velocidade, agilidade e potência de
salto (Quadro 3).
Foram estabelecidas 8 semanas de trabalho total (4 semanas de musculação e 4
semanas de treinamento específico) para a pesquisa devido às características de
treinamento deste grupo. Dos 15 participantes iniciais, ao menos metade
trabalhava durante o dia, estudava a noite e treinava após a aula. Eram atletas que
não tinham obrigatoriedade de participar dos treinamentos, pois, não tinham
quaisquer benefícios financeiros.

Coleta dos dados


Foram avaliadas a força explosiva através dos testes de impulsão vertical com e
sem contramovimento, a velocidade através do teste de 20m e a agilidade através
do teste de 4 cantos.
Para maior controle, a amostra foi submetida também à avaliação
antropométrica com verificação pré e pós-estudo de peso, estatura, dobras
cutâneas (triciptal, abdominal, suprailíaca e subscapular), circunferência (coxa
distal e panturrilha) e diâmetro ósseo (pulso e joelho). Com estas informações
foram estabelecidos peso e percentual de massa gorda, muscular, óssea e residual.

Testes realizados
Para a realização da avaliação antropométrica foram utilizados o protocolo de
Faulkner (1968 apud FERNANDES FILHO, 2002) para determinação do percentual de
gordura, a equação de Von Doblen modificada por Rocha (apud FERNANDES FILHO,
2002) para determinação do peso ósseo, a equação básica de Matiegka para a
determinação do percentual muscular e o peso residual através da proposta de
Wurch (apud FERNANDES FILHO, 2002).
Anteriormente aos testes físicos, foi realizado trabalho de aquecimento
neuromuscular para evitar lesões pelo esforço máximo. O teste de agilidade é
desenvolvido utilizando-se 4 cones, a 4 metros de distância um do outro, formando
um quadrado eqüilátero, um cronômetro e uma ficha de anotações. A execução do
teste é feita percorrendo o percurso determinado sempre tocando os cones com a
mesma mão (Figura 2).
O teste de velocidade 20 metros consistiu no deslocamento em linha reta de 20
metros (Figura 3). Para este teste foram utilizados cronômetro e uma ficha de
anotações. Tanto o teste de agilidade quanto o de velocidade foram repetidos três
vezes por cada atleta a fim de obter o menor tempo.

Para os testes de impulsão vertical (Vertical Jump adaptado - JOHNSON; NELSON,


1979 apud MARINS; GIANNICHI, 1998) foram utilizadas barras de giz colorido, fita
métrica (1,5m), ficha de anotações e uma caixa (75 cm de altura) para a queda do
teste impulsão vertical com contramovimento. A fita métrica foi fixada na parede a
dois metros do chão. Primeiramente foram anotadas a altura máxima que cada
sujeito alcançava com o braço estendido verticalmente e, em seguida, executados
os saltos. Para facilitar as anotações, os atletas sujaram as mãos com pó de giz
colorido para marcar na parede a posição de seus saltos (figuras 4 e 5). Nestes dois
testes o número de repetições foi ilimitado, tendo como mínimo três saltos. Os
testes foram concluídos quando o sujeito não apresentava progressos nos saltos.
Considerou-se como escore, para este estudo, o maior valor entre a altura do
sujeito com o braço estendido e a altura máxima alcançada pela mão durante o
salto.
Figuras 4 e 5. Impulsão vertical parado e com contramovimento.

Tratamento dos dados


Para análise dos resultados foram considerados, principalmente, os resultados do
pré e do pós-testes. Os testes de experiência corresponderam à caracterização dos
grupos de pesquisa, identificando com isso, a semelhança entre experimental e
controle. A análise foi estabelecida através do teste U de Mann-Whitney (BARROS;
REIS, 2003) para a rejeição ou aceitação da hipótese nula que corresponde às
diferenças não-significativas, entre os dois grupos (experimental e controle), nos
testes realizados nas variáveis agilidade, velocidade e potência de salto.

Resultados
Os testes realizados apresentaram 100% de freqüência dos atletas, que tiveram
avaliadas, a antropometria (% de Gordura, % Muscular, Perímetros de Coxa e
Perna), a agilidade (4 cantos), a velocidade (20 metros) e a potência muscular
através dos testes de impulsão vertical com e sem contramovimento.
Apenas um sujeito da amostra, componente do grupo controle, foi excluído da
pesquisa. Participou dos testes de experiência e pré-testes, porém, não participou
de nenhum treinamento específico, impossibilitando sua permanência e provocando
sua exclusão da amostra.
O quadro 5 apresenta os valores correspondentes às avaliações antropométricas
realizadas com a finalidade de observar possíveis diferenças entre os grupos. São
descritas as médias e desvios-padrões em cada avaliação (% gordura, % muscular,
perímetro da coxa e perna), em cada momento (teste de experiência, pré e pós-
teste) de ambos os grupos (GE - grupo experimental e GC - grupo controle).
Aparentemente os grupos apresentam características físicas bastante
semelhantes. Os percentuais médios de gordura e muscular do grupo experimental
tiveram uma variação muito pequena entre os 3 momentos avaliativos,
praticamente nula. Já o grupo controle apresentou uma variação um pouco mais
visível com aumento do % de gordura e diminuição do % muscular, porém, não são
valores que podem ser considerados significativos.
Quanto aos perímetros verificados, ambos os grupos obtiveram aumentos entre o
teste de experiência e o pré-teste. Já entre o pré e o pós-teste, praticamente não
houve alterações.
Os valores apresentados no quadro 6 representam as médias e desvios-padrões
dos testes físicos utilizados neste estudo. Constam, portanto, os escores do teste de
agilidade (4 cantos), velocidade (20 metros) e potência de salto (impulsão vertical
parado e impulsão vertical com contramovimento), nos três momentos avaliativos
(teste de experiência, pré e pós-teste) e de ambos os grupos (GE e GC).
Como podemos observar, no teste de agilidade (4 cantos) ambos os grupos
obtiveram melhoras (redução do tempo) entre o teste de experiência e o pré-teste
e, deste, com o pós-teste. Em contrapartida, no teste de velocidade (20 metros) os
escores médios dos dois grupos foram pouco alterados, apresentando uma pequena
redução, do tempo de execução, entre o teste de experiência e o pré-teste e, um
pequeno aumento do tempo, entre o pré e o pós-teste. Percebemos, portanto, que
não se apresentam diferenças entre os grupos nestas duas capacidades físicas
testadas.

Quanto aos testes de potência de salto, são visualizadas, a partir dos escores
médios, diferenças entre os grupos experimental e controle. No teste de impulsão
vertical a partir de posição parada, os valores de GE evoluem entre os três
momentos avaliativos, já os valores do grupo controle, reduzem do teste de
experiência para o pré-teste e aumentam entre o pré e o pós-teste. No teste de
impulsão vertical com contramovimento (queda a partir de uma altura de 75 cm) a
diferença entre os grupos é ainda mais visível, pois, o grupo experimental teve um
aumento de altura do salto entre todos os momentos avaliativos, enquanto o grupo
controle possuiu os escores médios exatamente iguais entre as avaliações.
Estes resultados obtidos através dos testes e avaliações realizados mostraram as
variações ocorridas entre os escores, porém, é necessário verificar se estes valores
são significativos para o estudo ou se demonstram poucas diferenças entre os
grupos. Para analisar se o treinamento de musculação na pré-temporada realmente
produziu resultados consideráveis, é necessário utilizar cálculos estatísticos
específicos. Na análise dos dados são apresentados e discutidos os escores obtidos
através destes cálculos.

Análise dos dados


Cabe agora discutir se o treinamento de musculação produziu resultados
significativos no grupo experimental, principalmente, após o treinamento
específico. Será que o rendimento nos treinamentos físicos, realizados
posteriormente, com ambos os grupos, foi superior por parte do grupo que treinou
musculação? Que fatores influenciaram estes resultados? O que podemos concluir
com esta situação?
A partir da descrição dos resultados obtidos, passa-se para a interpretação dos
seus significados perante este estudo. A análise é realizada para contemplar as
diferentes variáveis identificadas neste estudo, de forma a valorizar os aspectos
diversos existentes no treinamento esportivo. Para verificar se as diferenças entre
os grupos foram ou não significativas foi utilizado o teste U de Mann-Whitney.
Os quadros 7, 8, 9 e 10 apresentam os resultados obtidos através do teste U.
Estão presentes nos quadros os escores correspondentes aos quatro testes (4
cantos, 20 metros, impulsão vertical parado e com contramovimento), aos grupos
(GE e GC) e aos momentos avaliativos (experiência, pré e pós-testes).
Como a amostra utilizada nesta pesquisa foi pequena (n=14) não foi necessário
calcular o valor de "z" (BARROS; REIS, 2003), o próprio valor de U corresponde ao
valor final. Para rejeitar a hipótese nula, neste caso em que se tem um grupo com
oito sujeitos e outro com seis, seria necessário que o menor valor calculado de U
fosse menor que 9. Porém, de acordo com a tabela de valores críticos de U, não
foram obtidos valores para rejeitar a hipótese nula em nenhuma das variáveis
testadas, dessa forma, não foram encontradas diferenças significativas entre os
dois grupos.
Analisando os valores de U encontrados, verifica-se um equilíbrio entre os dois
grupos. Desde o primeiro momento avaliativo não se verificou diferença estatística
entre os grupos, principalmente no teste de velocidade. Igualdade esta, que
permaneceu no pré e no pós-teste (Quadro 7).

No teste de experiência da impulsão vertical com contramovimento aparece a


maior diferença dos escores U dos dois grupos (GE=33,5 e GC=14,5), no entanto
esta diferença (não-significativa) é invertida de modo progressivo no pré e no pós-
teste (GE=25,5 e GC=22,5, GE=21 e GC=27, respectivamente) (Quadro 8).
Também houve progressão dos valores U do grupo experimental (27, 29 e 31) no
teste de agilidade, ocorreu regressão dos valores U do grupo controle (21, 19 e 17)
(Quadro 9).
Quanto ao teste de impulsão vertical parado, ocorreu inversão dos escores entre
o teste de experiência (GE=29 e GC=19) e o pré-teste (GE=19,5 e GC=28,5),
porém, no pós-teste ocorreu diminuição da diferença numérica de U (GE=21,5 e
GC=26,5) (Quadro 10).

Deve-se ressaltar que as diferenças, principalmente, nos testes de agilidade (4


cantos) e potência muscular (impulsão vertical com contramovimento), favoráveis
ao grupo experimental, que treinou musculação na pré-temporada, não são
diferenças conclusivas, pois como ressaltado anteriormente, os índices obtidos não
foram suficientes para rejeitar a grande probabilidade de outros fatores
influenciarem e auxiliarem a construção destes resultados.

Discussão dos resultados


O treinamento físico possui um número muito grande de situações complexas
que são responsáveis pelo aprimoramento das capacidades físicas treináveis. Essas
situações são regidas por princípios que, segundo Dantas (1998, p. 43) "são a pedra
angular da preparação física". A partir desta afirmação serão discutidos aspectos
intervenientes da preparação física que podem ter contribuído para a obtenção dos
resultados nos testes físicos.

Princípio da individualidade
Durante o período de treinamento na musculação, os atletas possuíam o controle
de seus exercícios supervisionados pelo responsável. Algumas características, como
volume (séries e repetições), velocidade de movimento e período de descanso entre
cada série, eram determinadas.
Porém, a carga de trabalho foi determinada pelo atleta, apenas com supervisão
do pesquisador. Foi apresentado aos atletas que a carga deveria ser a máxima para
o número determinado de repetições completas. Este controle foi feito
subjetivamente. À medida que se ultrapassava o número determinado de
repetições, a carga era aumentada. Como se pode verificar nas fichas individuais do
treino de musculação, a alteração de cargas foi praticamente constante.
Cappa, Berardi e De Cara (2000) também utilizaram o método de RMs para o
controle das cargas de treinamento com sua amostra de não-atletas. No estudo que
realizaram ao longo de oito semanas, verificaram que o treinamento com exercícios
derivados do levantamento de peso (arranque de potência, carregada de potência e
2º tempo de potência) produziu resultados melhores e mais rápidos comparando
com os resultados obtidos com o treinamento a partir de exercícios tradicionais
(supino, agachamento e remada) que, produziu melhora no rendimento, porém,
esta não foi significativa.
O treinamento de musculação aplicado neste estudo foi desenvolvido com
exercícios em máquinas (legpress 45º, mesa flexora, banco extensor, e banco para
sóleo), tradicionalmente utilizadas para a prática desta modalidade de treinamento.
Os exercícios utilizados (pressão de pernas, extensão e flexão de joelhos, flexão
plantar sentado e em pé) foram definidos considerando os grupos musculares
atuantes nos mesmos e, a segurança na execução das repetições com altas cargas
de treinamento. Estes exercícios diferenciaram-se dos desenvolvidos por Cappa,
Berardi e De Cara (2000), pelo fato de serem executados em máquinas e não com
pesos livres.
Garrido (1995) utilizou em seu estudo comparativo, entre musculação e
pliometria, com atletas de voleibol, percentuais da carga máxima (40, 60, 70 e
80%) durante as oito semanas. Para ambos os métodos as séries eram executadas
durante 6 segundos com um número de repetições máximo estabelecido
previamente. Neste estudo o trabalho de musculação obteve melhor resultado que
o trabalho pliométrico em apenas uma das seis variáveis estudadas, contudo, um
fator importante ocasionou a redução da intensidade do trabalho de musculação no
período correspondente entre a 3ª e a 6ª semanas, podendo ter interferido no
estudo.
Nestas duas situações apresentadas, os autores tinham como objetivo, o
desenvolvimento da potência muscular, principalmente, de membros inferiores.
No trabalho específico, realizado em quadra, onde foram realizados exercícios de
velocidade, mudança de direção, saltos, entre outros, o controle da carga existiu,
através do controle do volume (sessões e repetições) e o tempo de recuperação. Os
atletas foram orientados a realizar os exercícios com esforço máximo.
O problema desta questão é justamente até que ponto, o sujeito conhece os seus
limites. Um esforço inferior ao ideal, não produz aprimoramento das capacidades
físicas treinadas e, um esforço excessivo, atropela o processo de adaptação
podendo ocasionar lesões.
O método utilizado para o desenvolvimento da potência muscular na musculação
valorizou bastante as características individuais dos atletas, isto porque,
proporcionou ajuste constante das cargas e certo controle do intervalo de
recuperação. Porém, os treinamentos de velocidade, agilidade e salto vertical não
possibilitaram tal controle, ficando de forma subjetiva, por parte do atleta, a
regulação da intensidade do esforço realizado.
Entende-se, portanto, que a não precisão das cargas de trabalho de velocidade,
agilidade e salto, podem ter significado baixo esforço para os padrões necessários
ao aprimoramento das capacidades físicas, mesmo, os atletas tendo apresentado,
aparentemente, características de esforço máximo ou quase máximo.

Princípios da adaptação, da sobrecarga e da continuidade


O princípio da adaptação refere-se ao processo de reação do organismo aos
estímulos recebidos (DANTAS, 1998). Se o estímulo for forte, o organismo reage
forte, se o estímulo for fraco, o organismo reage fraco.
Este princípio esta diretamente relacionado com os princípios de sobrecarga e da
continuidade. Percebe-se uma importância considerável referente à questão
abordada no item anterior. Se o estímulo dado pelo atleta foi pequeno, a adaptação
será mínima, produzindo com isso, baixa ou nenhuma melhora no desempenho.
Quanto ao princípio da continuidade, este diz respeito justamente à não
interrupção dos treinamentos para evitar a regressão ao estágio inicial, afinal, se a
recuperação for muito prolongada, o período de supercompensação entra em
declive e o condicionamento físico também. Neste ponto em questão, a maior
influência nos resultados foi a freqüência dos atletas aos treinamentos. Estes
obtiveram 85% de presença nas quatro semanas de treinos específicos. De fato,
este não é um valor baixo, porém, em se tratando de quatro semanas, sendo que
este é realizado apenas duas vezes semanais (este fator também é prejudicial ao
desempenho) torna-se no mínimo considerável. Anteriormente, no período de treino
na musculação, apenas duas faltas foram registradas, uma por lesão - não
decorrente dos treinos - e outra por compromisso externo de um dos atletas.
Quanto ao número de sessões semanais, foram estabelecidos três treinos
semanais para o treinamento de força na musculação (segundas, quartas e sextas-
feiras) e dois treinos semanais para o treinamento específico no ginásio (terças e
quintas-feiras). Para a primeira etapa tínhamos dois períodos de recuperação de 48
horas (segunda - quarta e quarta - sexta) e um período de 72 horas (sexta -
segunda).
A quantidade de descanso exigida entre as sessões de treinamento depende da
capacidade de recuperação do indivíduo. Tradicionalmente, estabeleceu-se que três
treinamentos por semana com 1 dia de descanso entre as sessões permitiam uma
recuperação adequada, especialmente para os iniciantes (ATHA apud FLECK;
KRAEMER, 1999, p. 97).
Porém, Fleck e Kraemer (1999, p. 98), na seqüência desta discussão estabelecem
que
um programa de três dias por semana para todas as situações e esportes está
longe da freqüência ótima de treinamento [...] Estas escolhas baseiam-se no
progresso planejado em direção aos objetivos específicos do treinamento e na
tolerância do indivíduo às mudanças feitas no programa.
Com o controle realizado durante as sessões de treinamento, percebeu-se que o
tempo de recuperação não estava prejudicando o trabalho de musculação, pois
algumas características nos demonstram uma provável adaptação neuromuscular
nos atletas. Aparentemente, houve manipulação constante das cargas para o
aumento da intensidade. A chamada dor muscular tardia (DMT) apareceu, na
maioria dos sujeitos da amostra, apenas nos primeiros treinamentos (na maioria
dos casos após a primeira e a segunda sessão) e, principalmente, na região do
músculo gastrocnêmio (panturrilha) que foi o músculo mais exigido devido ao maior
volume de treinamento.
Para a segunda etapa, o período de 48 horas entre a terça e a quinta-feira foi um
período considerado adequado para a recuperação dos sistemas energéticos e
neuro-musculares, porém, de quinta para terça-feira, foram 120 horas de
recuperação que, certamente não correspondeu ao tempo ideal.
Weineck (2003, p. 34) sugere o tempo de recuperação para diversos sistemas
biológicos na figura 6.
Como vemos, o organismo humano necessita de diferentes tempos de
recuperação para cada sistema biológico. A remoção do ácido láctico leva em torno
de uma hora para ser completada. Já a recuperação das proteínas contráteis leva
em torno de 2 dias. Ainda segundo Weineck,
esses períodos podem ser reduzidos por um acompanhamento do treinamento com
banhos relaxantes, massagens, alimentação correta (manutenção do equilíbrio
hídrico e eletrolítico, manutenção das reservas celulares de carboidratos), ginástica
para flexibilidade e relaxamento, etc (2003, p. 34).
Platonov e Bulatova (2003, p. 31) propõem períodos ótimos de recuperação entre
as sessões de treinamento de acordo com o objetivo da sessão (Quadro 11).
Um processo eficaz de adaptação aos estímulos resultantes da execução dos
programas de treinamento exige o respeito a um período adequado entre a
aplicação das sessões. [...] É natural que os intervalos entre as sessões de
treinamento dependam da magnitude da carga aplicada (PLATONOV; BULATOVA,
2003, p. 30).
Neste estudo foi desenvolvido treinamento de três principais capacidades físicas,
potência de salto, velocidade e agilidade. Ao considerarmos o trabalho desenvolvido
como de intensidade alta, devido, principalmente, ao baixo condicionamento físico
dos atletas, o maior tempo de recuperação seria de 72 horas para o treinamento de
velocidade. Como afirmado anteriormente, em um dos períodos entre sessões,
tínhamos 120 horas. Estudos semelhantes utilizaram períodos padrões de três
treinos semanais com um dia de recuperação entre cada um (GARRIDO, 1995;
CAPPA; BERARDI; DE CARA, 2000).
Mesmo os treinamentos tendo regularidade, o excessivo período de recuperação
entre a quinta e a terça-feira, na segunda fase do estudo, foi consideravelmente
influente nos resultados. Ainda assim, considerando a intensidade e o volume como
adequados para cada sessão, o volume de treinamento do período específico, não
foi suficiente para o não comprometimento dos dados levantados para análise.

Princípios da interdependência volume-intensidade e da especificidade


Estes dois princípios estão diretamente relacionados aos objetivos propostos no
treinamento. A relação entre volume e intensidade significa o balanceamento dos
sistemas energéticos de acordo com as exigências da modalidade esportiva. Por
mais que o esporte seja baseado em ações curtas de alta intensidade como é o
caso do basquetebol, do futebol, em geral, dos esportes de invasão, também há
uma exigência em termos de resistência física. Estas capacidades (resistência
aeróbia e anaeróbia) são desenvolvidas através de treinamentos com volumes altos
e intensidades moderadas.
Devido ao pequeno espaço de tempo obtido para a realização da pesquisa,
apenas uma semana foi destinada ao trabalho com volume alto e intensidade
moderada, nas outras semanas, o foco dos treinamentos girou entre a velocidade
de deslocamento, as mudanças de direção e os saltos. Cada sessão de treino
possuiu de 30 a 40 minutos de preparação física, por isso, os exercícios buscaram
aproximar-se ao máximo das ações realizadas durante uma partida de basquetebol.
Vimos que a intensidade do treinamento correspondeu aos objetivos das
atividades, porém, não foram suficientes para produzir os resultados esperados.
Isso ocorreu, pois, o volume de trabalho, considerando as quatro semanas de
treinamento específico, foi bastante pequeno, além disso, o período de recuperação
entre sessões foi prolongado, provocando a volta aos níveis iniciais de
condicionamento físico dos atletas (ZAKHAROV; GOMES, 2003).

Periodização do treinamento esportivo


Torna-se interessante ressaltar também, a importância da periodização do
treinamento para que ocorra um melhor controle destes aspectos. Essa engloba
todas as condições de treinamento possíveis nos esportes.
A organização dos treinamentos para a pesquisa obedeceu a uma periodização
simples correspondente a quatro microciclos dentro de cada um dos dois
mesociclos desenvolvidos. A primeira semana, no treinamento de musculação,
consistiu ao período de adaptação, a segunda, de preparação e as duas últimas de
desenvolvimento. O treinamento específico realizado no ginásio, teve uma semana
destinada à resistência aeróbia e anaeróbia (carga submáxima e condicionamento
orgânico geral - fase de preparação) e três semanas destinadas às capacidades
físicas velocidade, agilidade e potência (cargas altas e condicionamento específico -
fase de desenvolvimento).
Para Viru e Viru (2003) esse treinamento seria insuficiente para percebermos
resultados através de trabalho físico mensurável. Segundo esses autores, "dois ou
três meses são necessários antes de os efeitos do treinamento serem
demonstrados pela habilidade e pela capacidade de trabalho físico mensuráveis" (p.
89).
Como exemplo podem ser citados os trabalhos de Garrido (1995), Cappa, Berardi
e De Cara (2000) e Santo, Janeira e Maia (1997) que utilizaram oito semanas de
treinamento. Os dois primeiros já foram apresentados anteriormente, porém o
terceiro trabalho, teve como objetivo verificar os efeitos do treino pliométrico nos
indicadores de força explosiva (velocidade, agilidade e salto a partir de uma posição
estática e com contramovimento). Também foi constituído por três treinos
semanais. Neste caso obteve-se resultados positivos quanto à melhora nas
variáveis testadas.
Frade (2001) e Arruda et al. (1999) utilizaram-se de temporadas inteiras para a
realização do estudo. Ao todo, foram 240 dias para o estudo que Frade realizou
quanto à alteração nos escores de força de membros inferiores de jovens atletas de
voleibol feminino. Neste caso percebeu-se forte influência do desenvolvimento das
jovens que se encontravam em plena fase de maturação sexual. Já Arruda et al.
(1999) propuseram um trabalho de 32 semanas para o condicionamento de atletas
de futebol da categoria júnior. Este treinamento foi dividido em três blocos (fases),
nas quais foram realizados condicionamentos segundo o objetivo de cada etapa da
periodização. Foi verificado que nos primeiros blocos (fases de preparação = 10
semanas) houve um aprimoramento da capacidade física força explosiva, porém, no
período competitivo (22 semanas) ocorreu um decréscimo no rendimento.
O período utilizado para este estudo foi, também, de oito semanas, porém, foram
quatro semanas de musculação e quatro de treinamento específico. Assume-se
neste momento o pouco tempo existente para o desenvolvimento dessas
capacidades, com períodos de recuperação excessivos e sessões de treinamento
semanais insuficientes. Mesmo tendo as intensidades ótimas para os exercícios,
para a musculação foram duas semanas de estímulos fortes (potência) e no treino
específico foram três, ou seja, totalizando cinco semanas de trabalho intenso para
resultar em diferenças entre os dois grupos. Analisando criticamente, seria difícil
neste curto período obter resultados satisfatórios nos testes realizados.

Considerações finais
Embasado na hipótese de que o treinamento de potência na musculação, ao
produzir uma adaptação do sistema neuromuscular com o aumento do
recrutamento das unidades motoras, afeta os índices de força explosiva
desenvolvidos no treinamento físico específico de basquetebol, este trabalho teve
como propósito verificar esta influência nas variáveis agilidade, velocidade e
potência de salto parado e com contramovimento. Porém, a análise dos resultados
identificou que as diferenças entre os grupos experimental e controle, não foram
significativas em nenhuma das 4 variáveis.
Dessa forma, o trabalho leva a refutar a hipótese tendo em vista que os
resultados não a confirmaram. As informações obtidas através deste estudo
permitem afirmar que para estes atletas com os quais foi constituída a amostra,
não foi verificada diferença significativa, entre os grupos controle e experimental,
enquanto desenvolvimento das variáveis de potência muscular (força explosiva)
aqui representadas pelos testes de velocidade (20 metros), agilidade (4 cantos) e
impulsão vertical (salto vertical parado e com contramovimento).
Como já foi discutido anteriormente, o treinamento de musculação apresentou
intensidade e volume ótimos para cada fase. Porém, para que os resultados
tivessem mais significado, seria interessante que houvesse pelo menos mais um
mês de trabalho, pois, as quatro semanas utilizadas não foram suficientes para
obtenção de resultados que indicassem influência da musculação no desempenho
da potência muscular do grupo experimental.
A análise aqui realizada, leva a problematizar o propósito da musculação
enquanto desenvolvimento da potência muscular para este grupo de atletas. Deve-
se, entretanto, questionar, se para atletas profissionais os resultados seriam
diferentes. Neste caso, os treinos, na maioria das equipes, ocorrem de 5 a 6 dias
semanais e muitas vezes em dois turnos diários. Além disso, equipes profissionais
possuem condições suficientes para desenvolver técnicas de recuperação
neuromuscular. Os atletas possuem uma alimentação balanceada com controle
nutricional e, têm como obrigação o aprimoramento da condição física para o
melhor desempenho durante os jogos.
Como área de pesquisa pouco explorada, existe a necessidade de que mais
discussões sejam realizadas a respeito destas problemáticas. Que métodos utilizar
para aprimorar as capacidades físicas? Como alcançar a carga ótima para obter
melhores resultados? Como planejar o treinamento em longo prazo sem perder a
especificidade do esporte e as particularidades do grupo a qual esta sendo
submetido? Que meios utilizar para o controle do condicionamento dos atletas?
Estas são apenas sugestões para novos estudos que podem contribuir para o
aprimoramento dos métodos de preparação física dos Esportes Coletivos de
Invasão.

Referências
• ARRUDA, M. de. et al. Futebol: uma nova abordagem de preparação
física e sua influência na dinâmica da alteração dos índices de força
rápida e resistência de força em um macrociclo. Treinamento
Desportivo. Curitiba, v.4, n.1, p.23-28, Abril, 1999.
• ARRUDA, M. de.; RINALDI, W. Utilização da Potência Muscular no
Futebol: um estudo da especificidade em jogadores de diferentes
posições. Treinamento Desportivo. Curitiba, v.4, n.3, p.35-42,
Dezembro, 1999.
• BARROS, M. V. G. de; REIS, R. S. Análise de Dados em Atividade Física
e Saúde: Demonstrando a utilização do SPSS. Londrina: Midiograf,
2003.
• CAPPA, D. F.; BERARDI, V.; DE CARA, A. Desarrollo de la Potencia
Muscular: Comparación de dos Metodologías de Entrenamiento.
PubliCE Standard. 2000. Pid: 49.
• DANTAS, E. H. M. A Prática da Preparação Física. 4ª ed. Rio de Janeiro:
SHAPE, 1998.
• FERNANDES FILHO, J. A Prática da Avaliação Física. 2ª ed. Rio de
Janeiro: Shape, 2002.
• FLECK, S. J.; KRAEMER, W. J. Fundamentos do Treinamento de Força
Muscular. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 1999.
• FRADE, R. E. T. Influência do treinamento na força de membros
inferiores de jovens atletas de voleibol feminino. 2001. 30p. Trabalho
de Conclusão de Curso (Graduação em Educação Física) - UniFMU,
São Paulo, 2001.
• GARRIDO, P. S. Estudo comparativo sobre a influência do treinamento
pliométrico e de musculação na potência do salto vertical em
voleibolistas universitários do sexo masculino. 1995. 146p.
Dissertação (Mestrado em Educação Física). Escola de Educação
Física e Desportos, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de
Janeiro, 1995.
• GENTIL, D. A. et al. Avaliação da Seleção Brasileira Feminina de
Basquete. Rev. Bra. Méd. Esporte. V.7, n.2, mar/abril, 2001.
• GONZALEZ, F. J. Sistema de classificação de esportes com base nos
critérios: cooperação, interação com o adversário, ambiente,
desempenho comparado e objetivos táticos da ação. Lecturas:
Educación Física y Deportes. Revista Digital. Buenos Aires, Año 10,
n.71, Abril 2004. Disponível em
http://www.efdeportes.com/efd13/taxono.htm.
• JIMÉNEZ, A. V. et al. La potencia anaeróbica enelbaloncesto. Lecturas:
Educación Física y Deportes. Revista Digital. Buenos Aires, Año9, n.
66, Noviembre, 2003. Disponível em www.efdeportes.com.
• JIMÉNEZ, A. V. et al. Perfil fisiológico deljugador de baloncesto.
Lecturas: Educación Física y Deportes. Revista Digital. Buenos Aires,
Año8, n. 47, Abril, 2002. Disponível em www.efdeportes.com.
• MAGALHÃES, J. et al. Avaliação Isocinética da Força Muscular de
Atletas em Função do Desporto Praticado, Idade, Sexo e Posições
Específicas. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. Porto, v.1,
n.2, p.13-21, Janeiro/Julho, 2001.
• MARINS, J. C. B.; GIANNICHI, R. S. Avaliação e prescrição de atividade
física: guia prático. 2ª ed. Rio de Janeiro: Shape, 1998.
• PLATONOV, V. N.; BULATOVA, M. M. A Preparação Física. Rio de
Janeiro: Sprint, 2003.
• SANTO, E.; JANEIRA, M. A.; MAIA, J. A. R. Efeitos do Treino e do
Destreino Específicos na Força Explosiva: um estudo em jovens
basquetebolistas do sexo masculino. Revista Paulista de Educação
Física. São Paulo, v.11, n.2, p.116-127, Julho/Dezembro. 1997.
• TRICOLI, V. A. A. Análise da potência muscular nos músculos
extensores do joelho em jogadores de basquetebol e voleibol do sexo
masculino. São Paulo: USP, 1994. Resumo. Nuteses.
• VIRU, A.; VIRU, M. Natureza dos Efeitos do Treinamento. In.: GARRETT
Jr, W. E.; KIRKENDALL, D. T. A Ciência do Exercício e dos Esportes.
Porto Alegre: Artmed, 2003. p.89-119.
• WEINECK, J. Treinamento Ideal. 9ª ed. Barueri/SP: Manole, 2003.
• ZAKHAROV, A.; GOMES, A. C. Ciência do Treinamento Desportivo. 2ª
Ed. Rio de Janeiro: Palestra Sport, 2003.
Outros artigos em Portugués

Parte superior do formulário


Parte inferior do formulário
Parte superior do formulário

EFDeportes.com

pub-7621742700 1 1326221297 ISO-8859-1

0000 z38-Z7F2aqfedgo GALT:#008000;G

Parte inferior do formulário


revista digital · Año 13 · N° 119 | Buenos
Aires,Abril 2008
© 1997-2008 Derechos reservados