Você está na página 1de 85

Professor autor/conteudista

PAULO RENATO LIMA


É vedada, terminantemente, a cópia do material didático sob qualquer
forma, o seu fornecimento para fotocópia ou gravação, para alunos
ou terceiros, bem como o seu fornecimento para divulgação em
locais públicos, telessalas ou qualquer outra forma de divulgação
pública, sob pena de responsabilização civil e criminal.
SUMÁRIO
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

Valores e indicadores de sustentabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6


Indicadores: conceitos e objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
O surgimento da ideia e os princípios que norteiam os indicadores . . . . . . . . . . . . . . . 8
Finalidade dos indicadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Funções e escolha dos indicadores e seus critérios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Funções dos indicadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .16
Funções dos indicadores de sustentabilidade como ferramentas na política
organizacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .17
Condições para a escolha de um indicador ideal . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Ponderação dos indicadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Critérios e subcritérios para a escolha de um indicador ideal . . . . . . . . . . 22
Aspecto qualitativo e quantitativo dos indicadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Termos e indicadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Valores implícitos e explícitos dos indicadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Valores explícitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Valores implícitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Definição do “peso” dos indicadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

Ferramentas de sustentabilidade: índices de sustentabilidade e os sistemas de indicadores


de desenvolvimento sustentável (IDS) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
O dashboard of sustainability . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Instituições envolvidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
A coleção de indicadores: os índices e seus cálculos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Cálculo dos índices de sustentabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Grau de sustentabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
As dimensões da sustentabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Conceituação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Capacidade de carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Método de cálculo da PE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Pontos fortes e fracos da PE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Cálculo da PE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Barômetro de sustentabilidade como ferramenta de medição do desenvolvimento
sustentável . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Comparação das ferramentas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

NBR ISO 37.120/2017 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53


A norma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Aplicação prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54

Aplicação prática dos indicadores de sustentabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55


A implementação de indicadores de sustentabilidade e suas etapas . . . . . . . . . . . . . 55
Cidades que se utilizam de indicadores de sustentabilidade como referência . . . . . 57
Indicadores de sustentabilidade da cidade de Ribeirão Pires . . . . . . . . . . . 57
Indicadores de sustentabilidade e a cidade de Cubatão . . . . . . . . . . . . . . 62
O uso aplicado dos indicadores de sustentabilidade: uma visão estratégica
ambiental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Estratégia e a formação de um sistema de indicadores de sustentabilidade . . 64
Projeto Jaboticabal Sustentável (PJS) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
Construindo indicadores de sustentabilidade: o exemplo prático de Jaboticabal .
69

Modelos de avaliação ambiental integrada: indicadores de pressão, estado e resposta


(PER) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
A estrutura do PER . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Modelos que partem do PER: FER e FPEIR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77

Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80

Glossário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
INTRODUÇÃO
Intuitivamente poderíamos pensar que o termo indicador refere-se a tudo aquilo que mostra que
algo é aquilo mesmo, e, por ter acesso direto a este algo, qualquer tipo de indicador que possua um
caráter mais formal é dispensável e até mesmo trivial.

No meio ambiente é comum pôr de lado as coisas que são importantes para se concentrar
nas urgentes, porém, quando emergem as urgentes a ponto das importantes serem praticamente
esquecidas, urge a clara sensação de que, se as importantes fossem prioritárias, as urgentes
poderiam existir como deveriam, isto é, em casos excepcionais e extraordinários que eventualmente
ocorrem. Não é o que vemos, razão pela qual as ferramentas que fazem uso dos indicadores de
sustentabilidade e seus tipos, bem como eles próprios, são desconsideradas praticamente por
completo, especialmente pelo fato de representarem algo muito longe da realidade, ficando apenas
no campo teórico.

Infelizmente, desde que posto em atas, pautas e no meio virtual, tudo é teórico até ser colocado
em prática. Com efeito, tudo o que trataremos ao longo de nossos capítulos também pode ser
“engavetado” e simplesmente entendido como algo que possivelmente poderá ser usado no futuro
pelo governo ou setores mais avançados da indústria.

É por pensar desta forma que a maioria de nós da área ambiental deixa de contribuir em algo
que acrescente e conserve a urgente e importante necessidade do zelo ambiental e, especialmente
em nossos estudos, de mensurá-lo.

Destarte, trabalharemos com questões de valores e princípios, funções e demais considerações


sobre os indicadores, mas também veremos a importância das ferramentas que deles fazem uso,
seus pontos fortes e fracos e, passando pela NBR 37.120/2017, culminaremos na aplicação prática
que são vistas em alguns municípios brasileiros. Por fim, traremos alguma contextualização a
respeito dos modelos de avaliação ambiental integrada.

Pág. 5 de 85
VALORES E INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE
Indicadores: conceitos e objetivos Figura 1 – Indicadores e sustentabilidade

De acordo com o estudioso do assunto Dr. Hans Michael


Van Bellen, em seu Indicadores de sustentabilidade (2006),
os conceitos que envolvem indicadores são confusos e não
consensuais. Por este motivo, o autor busca na origem da
palavra a questão terminológica a fim de construir uma linha
de raciocínio mais sólida.

Fonte: Por 9comeback/Istock


Van Bellen (2004) cita que indicador é proveniente de indicare em latim, que significa descobrir,
apontar, anunciar ou estimar. Com efeito, os “indicadores podem comunicar ou informar sobre
o progresso em direção a uma determinada meta” (VAN BELLEN, 2004, p. 5), tal como o próprio
desenvolvimento sustentável, porém é possível também compreender. Para Malheiros, Coutinho
e Philippi Junior (2012, p. 35) indicador “[...] refere-se a uma medida que resume informações
importantes sobre determinado fenômeno”.

Fantinatti, Zuffo e Ferrão (2015, p. 238), em Indicadores de sustentabilidade em engenharia,


reforçam de modo didático a contextualização, porém voltando-se para a questão sustentável no
cerne do pensamento ambiental:

Os indicadores de sustentabilidade devem descrever os seus impactos ambientais,


econômicos e sociais para projetistas, proprietários, usuários, gestores, desenvolvedores
de políticas públicas e demais atores envolvidos em um empreendimento. Tais
indicadores precisam capturar tendências, suficientemente confiáveis, de tal forma
a orientar os decisores para o desenvolvimento e o monitoramento de políticas e
estratégias. E, ainda, deve ser definida uma metodologia consensual e uma estrutura
de organização de indicadores.

Com efeito, os indicadores de desenvolvimento sustentável (IDS) possuem a tarefa de “[...]


descrever a realidade de forma simples e confiável, orientar a escolha de dados para medir os
avanços, bem como passar a mensagem sobre os desafios ambientais, humanos, econômicos,
tecnológicos e políticos associados” (MALHEIROS; COUTINHO; PHILIPPI JUNIOR, 2012, p. 35).

Além de compreendermos, portanto, o indicador de desenvolvimento sustentável como uma


espécie de “descritor da realidade”, pois demonstra em termos claros o que está acontecendo no
âmbito natural, ele pode ser compreendido simplesmente como um critério (com seus respectivos
subcritérios), devendo “[...] refletir eficiência, suficiência, equidade e qualidade de vida, não podendo

Pág. 6 de 85
mais ser confundido com crescimento apenas, gerando uma única questão acerca da possibilidade
de nossa geração viver com qualidade de vida”, e isto “[...] sem dilapidar a saúde e a produtividade do
planeta, e, por conseguinte, permitir que as próximas gerações também tenham acesso às mesmas
condições de vida” (COUTINHO; MALHEIROS, 2012, p. 192).

Critérios são definidos por Fantinatti e Zuffo (2015, p. 237-238) como aquilo que representa

[...] a tradução dos objetivos em características, qualidades ou medidas de desempenho


diante das possíveis alternativas”, enquanto que subcritérios são entendidos como
“objetivos em níveis mais baixos para um objetivo em nível mais alto.

Os indicadores também são entendidos por serem variáveis, sendo a variável uma “representação
operacional de um atributo de um sistema” (VAN BELLEN, 2006, p. 42). O atributo é visto como
uma qualidade, propriedade ou característica. A característica mais importante de um indicador é
sua importância para a política – uma vez que a proposta de sustentabilidade é essencialmente
politizada – e demais contextos relacionados ao processo de tomada de decisão. Simplificar e
resumir as informações relevantes de um sistema, facilitando a compreensão, também são ações
que se desejam dos indicadores.

Deste modo,

O objetivo dos indicadores é agregar e quantificar informações de modo que sua


significância fique mais aparente. Eles simplificam as informações sobre fenômenos
complexos tentando melhorar com isso o processo de comunicação (VAN BELLEN,
2006, p. 42).

Fantinatti, Zuffo e Ferrão (2015, p. 283) informam que os indicadores (ou critérios) devem “[...]
ser definidos por atores que possuam bom conhecimento sobre o problema [...]”, podendo eles se
dar à luz do senso comum ou sob o aspecto científico. Exemplo disso é um morador local de longa
data poder contribuir em grande medida com as pesquisas científicas.

O que os autores chamam de “candidatos” a indicadores precisam ser

“[...] extraídos por meio de mapas cognitivos, em que devem ser identificados ‘grupos’
(clusters), os quais definem objetivos e indicadores relacionados com um mesmo
objetivo fundamental [...] em cada ‘grupo’ devem ser identificados ‘ramos’ relacionados
com um mesmo ‘objetivo fim’”.

Assim, aqueles que são “objetivos meios” dos níveis mais elementares de cada ramo “[...] serão
os indicadores em que as possíveis alternativas (ou cenários) poderão ser avaliados” (FANTINATTI;
ZUFFO; FERRÃO, 2015, p. 283, grifo nosso).

Pág. 7 de 85
Deste modo, segundo Teixeira et al. (2012, p. 163) o foco nos “[...] processos participativos e
democrático de gestão coloca o debate central sobre os indicadores na questão da informação
como direito que permite o diálogo entre a gestão pública e a sociedade civil.” Ademais, a “[...]
democratização das informações favorece o aumento da participação popular na formulação das
políticas públicas, e os indicadores tornam-se para controle da gestão e medição de sua eficiência
e eficácia” (TEIXEIRA et al., 2012, p. 163).

SAIBA MAIS

Veja este interessante formulário permeado de questões a serem respondidas para agências de
publicidade (mas que podem se estender para demais organizações), auxiliando em como preencher
os indicadores de sustentabilidade.

- Versão compacta dos indicadores de sustentabilidade da ABAP. Disponível em: <www.abapnacional.


com.br/pdfs/publicacoes/compacto.pdf>.

O texto a seguir esboça, a partir de uma questão problemática em alguns bairros, como o poder
municipal deve atuar precipuamente em questões de sustentabilidade, garantindo melhores
condições e expectativas para aplicações de poupanças internas no município.

- Indicadores de sustentabilidade e indutores do desenvolvimento empresarial. Disponível em: <www.


administradores.com.br/artigos/academico/indicadores-de-sustentabilidade-e-indutores-do-desenvolvimento-
empresarial/107310/>.

O surgimento da ideia e os princípios que norteiam os indicadores


O início da ideia que visava suprir a demanda Figura 2 – Ideias e indicadores
por indicadores ambientais surgiu especialmente
na década de 1970, no momento em que países
industrializados e ONGs de atuação internacional em
geral “[...] expressaram a necessidade de que deveriam
ser realizadas avaliações sistemáticas e periódicas
acerca da situação ambiental no mundo” (BITAR;
BRAGA, 2012, p. 162).

Fonte: ipopba/Istock
Ainda de acordo com Bitar e Braga (2012, p. 162):

Diante de cenários de degradação


crescente do meio ambiente, tais
demandas foram apresentadas
em diversos fóruns de discussão,
sendo então consideradas como
insumos fundamentais para a

Pág. 8 de 85
tomada de decisões públicas e privadas acerca de medidas preventivas e corretivas
necessárias para reverter a tendência. Datam dessa época as primeiras iniciativas para
a avaliação do estado geral do meio ambiente, elaborados com base em indicadores
ambientais, visando obter um panorama do meio ambiente no mundo, detalhando-se
progressivamente a situação geral em continentes, países, regiões e cidades.

No final da década de 1980, o governo do Canadá

[...] aprimorou o conceito de indicador ambiental até então empregado, sugerindo


considerá-lo como uma simplificação de informações técnico-científicas, com
o objetivo de facilitar a comunicação acerca de questões ambientais relevantes.
(BITAR; BRAGA; 2012, p. 162).

Isto também ocorreu em outros países de modos similares.

No ano de 1989, o G7, em reunião de cúpula, solicitou à OCDE (Organização para a Cooperação e
Desenvolvimento Econômico), conforme nos informa Bitar e Braga (2012, p. 162), o “[...] desenvolvimento
de um conjunto básico de indicadores ambientais, de fácil compreensão, para subsidiar a tomada
de decisões por parte dos governos envolvidos”. E, na Conferência Rio 92, bem como na Agenda
21, “[...] incluiu-se a recomendação sobre a necessidade de desenvolver indicadores para avaliação
ambiental de forma integrada às outras dimensões do desenvolvimento sustentável” (BITAR; BRAGA,
2012, p. 162).

Diversos modelos e aplicações aos indicadores foram dados a partir daí. Contudo, podemos
pensar que esse “afloramento” da necessidade de uso dos indicadores é reflexo de um sentimento
que nasce na década de 1960 em torno da questão ambiental. Não é difícil de refletir sobre o fato
de que o mundo está passando por um período mais “calmo” em sua história, uma vez que vinha de
turbulências diversas no cenário geopolítico (Grandes Guerras, horrores do nazismo e comunismo
etc.).

Com efeito, esse período gerou um impacto que não ficou somente ali, mas, conforme o tempo
passou, a ideia sustentável foi “amadurecendo” a ponto de se entender que sustentabilidade por
si só é algo bastante subjetivo – tal como Joel Makower em seu A economia verde (2009) tanto
indaga: “o quanto de bom é bom o suficiente?” Deste modo, o intento dos indicadores seria “suprir”
tal necessidade, tornando a questão sustentável mais objetiva em virtude das medições.

Neste contexto, houve em novembro de 1996, segundo Malheiros, Coutinho e Philippi Junior
(2012), uma assembleia de um grupo internacional de pesquisadores e especialistas em sistemas
de avaliação do mundo inteiro que se reuniram na Fundação de Estudos Rockfeller e no Centro de

Pág. 9 de 85
Conferências em Bellagio (Itália) a fim de rever o progresso até então da questão do desenvolvimento
sustentável. Esse grupo, segundo os autores, “[...] propôs um conjunto de princípios que servem
como um roteiro para todo o processo de avaliação, incluindo a escolha e a forma dos indicadores,
sua interpretação e a comunicação dos resultados”. Deste modo, por ter como característica a
inter-relação, eles “[...] devem ser aplicados como um conjunto completo” (MALHEIROS; COUTINHO;
PHILIPPI JUNIOR, 2012, p. 32).

Tais princípios trazem quatro abordagens de aspectos diferentes no que concerne à avaliação do
progresso em direção ao desenvolvimento sustentável. Eles podem orientar, de acordo com Malheiros,
Coutinho e Philippi Junior (2012, p. 34), a “[...] construção de sistemas adequados de medições, os
quais são indispensáveis para operacionalizar o conceito de desenvolvimento sustentável”, uma vez
que eles “[...] possibilitam aos tomadores de decisão e à sociedade estabelecer objetivos e metas,
bem como avaliar o seu desempenho em relação a eles”.

O princípio 1 está relacionado ao início de qualquer avaliação, no qual a noção de desenvolvimento


sustentável é estabelecida a fim de fornecer um objetivo claro e prático. Os princípios de 2 a 5 se
voltam para o conteúdo a ser avaliado, enquanto os princípios de 6 a 8 visam questões relacionadas ao
processo de avaliação. E, por fim, os princípios 9 e 10 focam-se na ideia de reiteração da necessidade
de melhoria contínua no processo de avaliação (MALHEIROS; COUTINHO; PHILIPPI JUNIOR, 2012).

Quadro 1 - Princípios que norteiam o processo de avaliação dos indicadores de sustentabilidade.

Princípio 1 A avaliação deve ser guiada por uma visão de desenvolvimento


sustentável e deve buscar objetivos claros que definam essa visão.
Visão direcionada e
objetivos

Princípio 2 Incluir a revisão do sistema como um todo e de suas partes.

Perspectiva holística
Considerar o bem-estar dos subsistemas social, econômico e ambiental,
seu estado, a direção e a taxa de mudança desse estado, de suas partes
componentes e a interação entre as partes.

Considerar as consequências negativas e positivas das atividades


humanas que se refletem em custos e benefícios para os sistemas
ecológicos e humanos, ambos em termos monetários e não monetários.

Pág. 10 de 85
Princípio 3 Considerar equidade e disparidade dentro da atual população e entre as
presentes e futuras gerações, lidando tanto com a preocupação quanto
Elementos essenciais
com o uso de recursos, consumo exagerado e pobreza, direitos humanos
e acesso a serviços, se cabível.

Considerar o desenvolvimento econômico e outras atividades fora do


mercado que contribuem para o bem-estar humano e social.

Princípio 4 Adotar horizonte de tempo grande o suficiente para englobar tanto as


Escopo adequado escalas de tempo humanas quanto as ecológicas, respondendo, assim,
às necessidades dos tomadores de decisão de curto prazo quanto às
necessidades das futuras gerações.

Definir um espaço de estudo grande o suficiente para englobar tanto as


escalas de tempo humanas quanto as ecológicas.

Definir um espaço de estudo grande o suficiente para englobar tanto o


impacto local quanto os distantes.

Construir histórico de atuais condições para antecipar as futuras: onde


queremos ir e onde poderemos ir.

Princípio 5 Adotar um conjunto explícito de categorias ou uma estrutura organizada


Foco prático que ligue as visões e objetivos aos indicadores e critérios de avaliação.

Adotar um número limitado de questões para análise.

Adotar um número limitado de indicadores ou combinação de


indicadores para fornecer um sinal claro do progresso.

Padronizar medidas, se possível, para permitir a comparação.

Comparar os valores dos indicadores com as metas, os valores de


referência, a posição, os pontos iniciais ou a tendências de direção, se
cabível.

Princípio 6 Fazer com que os métodos e dados que sejam usados estejam acessíveis
Abertura a todos.

Explicitar julgamentos, assunções e incertezas dos dados e


interpretações.

Pág. 11 de 85
Princípio 7 Ser concebida para direcionar as necessidades da audiência e do
Comunicação efetiva conjunto de usuários.

Ser desenhada através dos indicadores e outras ferramentas que


estimulem e engajem os tomadores de decisões.

Objetivar simplicidade na estrutura e uso de linguagem clara e


abrangente.

Princípio 8 Obter ampla participação (representação) da população-chave,


Ampla participação profissionais, técnicos e grupos sociais, incluindo jovens, mulheres e
população indígena, a fim de assegurar o reconhecimento de valores
diversos e em mudança.

Princípio 9 Desenvolver capacidade de avaliação constante para determinadas


Avaliação constante tendências.

Ser interativa, adaptativa e sensível à mudança e incerteza, porque os


sistemas são complexos e mudam frequentemente.

Ajustar objetivos, estruturas e indicadores, a partir de novos


conhecimentos adquiridos.

Promover desenvolvimento de aprendizado coletivo e feedback para os


tomadores de decisões.

Princípio 10 Estabelecer claramente as responsabilidades e fornecer ajuda constante


Capacidade institucional no processo de tomada de decisões.

Fornecer capacidade institucional para a coleta de dados, manutenção e


documentação.

Ajudar no desenvolvimento de capacidade para avaliação local.

Fonte: MALHEIROS; COUTINHO; PHILIPPI JUNIOR(2012, p. 32-34)

Finalidade dos indicadores


A utilização de indicadores objetiva, de acordo com Bitar e Braga (2010, p. 131) sintetizar “[...]
a informação de caráter técnico-científico para transmiti-la numa forma sintética, preservando o
essencial dos dados originais e empregando apenas as variáveis que melhor servem aos objetivos”.
Isto significa dizer que nem todas poderão ser analisadas ou mensuradas.

Segundo Teixeira et al. (2012, p. 163), a “[...] utilização de indicadores para diagnóstico e
acompanhamento da realidade de um lugar, em seus vários aspectos, tem sido uma tendência

Pág. 12 de 85
corrente nos últimos anos”. Especificamente no contexto sustentável, segundo os autores, “[...]
os indicadores surgem como instrumentos para análise e acompanhamento dos processos de
desenvolvimento, servindo não só como subsídio para a formulação de políticas públicas”, mas
igualmente para o monitoramento da execução e dos efeitos gerados por tais políticas.

Os indicadores podem ser entendidos como sintetizadores de um conjunto de


informações em um número, permitindo a mensuração de determinados fenômenos
entre si e a observação de mudanças e tendências ao longo do tempo. Nesses
termos, indicadores de sustentabilidade apresentam-se como informações capazes
de mensurar o grau de sustentabilidade de um lugar, processo ou objeto, em suas
várias dimensões, observando as escalas tanto temporais quanto espaciais dos
acontecimentos (TEIXEIRA et al., 2012, p. 163).

A clareza do indicador é dada por meio de análises estatísticas e matemáticas, preferencialmente,


por conta da objetividade, mas claro que podem ser enquadradas em contextos qualitativos. A
finalidade, com efeito, é a de sempre transformar a informação que é dada no aspecto natural/
ambiental a fim de comunicar como de fato o real cenário se encontra.

Deste modo, os indicadores servem para diversas aplicações, alternando suas funções de
acordo com as necessidades e objetivos pretendidos de seu uso. Assim sendo, Bitar e Braga (2010)
destacam algumas finalidades principais dos indicadores de sustentabilidade, associando com
sua respectiva utilização.

Em primeiro lugar temos a alocação de recursos (financeiros, materiais e humanos), a qual dá


bases à tomada de decisão feita por gestores no uso de suas atribuições, auxiliando na determinação
de prioridades. Exemplo disto seria, no âmbito público, dar preferência a investimentos voltados para
o controle de emissão de gases do efeito estufa (GEE) quando o índice demonstrar-se alarmante,
em vez do investimento estar voltado para o controle de áreas contaminadas que se demonstram
em caso menos grave.

Embora tais investimentos devam correr sempre em paralelo, dar-se-á vistas mais a um do que
a outro quando as contas estiverem “apertadas” e houver um caminho onde algum precisa ser
posto em maior evidência no caráter de urgência. É neste sentido que emerge a necessidade de um
indicador que contemple e abarque com segurança dados corretos e confiáveis a fim de garantir
que a tomada de decisão está sendo feita dentro de um escopo objetivo, e não subjetivo, de acordo
com a vontade/desejo do gestor público ou administrativo.

Pág. 13 de 85
Temos na sequência a classificação de locais como Figura 3 – Tomada de decisão
instrumento para a comparação de condições em diferentes
locais ou áreas geográficas. Deste modo, a utilização de “[...]
indicadores ambientais como forma de comparar distritos/
bairros de um município é um recurso importante para
detalhar a tomada de decisão”. Os autores exemplificam
expondo que “[...] se os indicadores de qualidade do ar estão
ruins e eles são relativamente piores em um determinado
bairro, a prioridade seria iniciar as ações de melhor da Fonte: Por Geber86/Istock
qualidade do ar nesse bairro” (BITAR; BRAGA, 2012, p. 132).
Já segundo Néspoli e Zeilhofer (2012, p. 264), no que concerne ao contexto social, o homem
citadino precisa se ver como “[...] parte de um espaço que não seja só a sua rua, o seu bairro, a sua
região administrativa, mas um ambiente ampliado, uma biorregião, quer seja enquanto microbacia,
sub-bacia ou bacia hidrográfica”, a qual acabar por sofrer “[...] os impactos de suas ações e onde
possam ser medidos os seus resultados”.

ATIVIDADE REFLEXIVA

Pensar em um contexto mais amplo que não o seu próprio bairro e sua rua vai de encontro com
diversas linhas de reflexão filosóficas em torno do meio ambiente que trabalham um contexto que
somente se é possível pertencer a algo próximo e local, pois, mesmo que haja planos no âmbito
global e menos regionalizado, segundo autores como Roger Scruton, por exemplo, isso não é salutar
para a sociedade, visto que se perde a noção de pertencimento e a oikophilia (amor pelo lar) para
dar lugar à oikophobia, já que é difícil amar locais desconhecidos. Por outro lado, há divergências
em relação a esse pensamento que corroboram com Néspoli e Zeilhofer, tal como Israel Klabin,
que entende que a noção de cidadão internacional (o extremo deste pensamento) pode ser um
pensamento correto para o bom caminhar da questão. Por fim, a primeira segue uma linha mais
conservadora/liberal na questão política, em função de defender uma mudança social que ocorra
de baixo para cima (a população influencia o Estado), enquanto que a segunda é mais progressista/
socialista, pois entende a adoção de sistemas cujo vetor se dá de cima para baixo (o Estado institui
programas governamentais diversos que influenciam a população).

Qual é, portanto, a sua opinião ou posição a esse respeito? Global ou local? Ou ainda, sem tomar
partido de algum dos extremos, você acredita que não passaria de uma reflexão dialética (no
aspecto hegeliano, ou seja, tese [I] e antítese [II] que culminam em uma síntese [I e II]) onde ambos os
contextos devem ser pensados e adotados em semelhantes pesos e medidas? Não deixe de refletir
acerca disto.

Em um terceiro momento aparece o cumprimento de normas legais como uma das finalidades
dos indicadores. Os efeitos normativos tomam grande parte do uso das atribuições dos indicadores.
Por exemplo, podemos pensar nos valores de referência de qualidade (VRQ), de prevenção (VP) e de

Pág. 14 de 85
investigação (VI) aduzidos na Resolução Conama nº 420/2009. Com efeito, os indicadores servirão
para demonstrar se existe adequação ou não à legislação.

A análise de tendência surge na “[...] aplicação a séries de dados para detectar evolução no tempo
e no espaço.” Destarte, a difusão anual dos indicadores de sustentabilidade “[...] permite avaliar
tendências, isto é, se o indicador está melhorando, piorando ou mantendo-se constante, sendo um
aspecto importante inclusive no âmbito municipal” (BITAR; BRAGA, 2012, p. 132).

As informações ao público e a investigação científica ainda são maneiras de demonstrar a


finalidade crescente do uso dos indicadores, visto que a primeira está voltada para uma espécie de
“democratização da informação” em função da difusão desta à população, a qual serve de suporte
ao Poder Público quando este precisa defender os interesses do povo. A segunda não diferente disto,
mas, de maneira complementar, visa nortear os olhares para aquilo que requer atenção redobrada
no sentido de investimento em novas tecnologias, como a remediação do solo em vez de somente
esgotá-lo e destiná-lo a aterros, culminando apenas em jogar o “problema” de um local para outro.

Em suma, os indicadores e os índices servem como ferramentas para diversas frentes, cada
uma com seus objetivos específicos, das quais, para efeitos didáticos, o Departamento de Ambiente
e Qualidade de Vida da cidade de Maia em Portugal (2015) destaca resumidamente o que vimos
até aqui:

• Levantamento de recursos: suporte em decisões, ajuda os decisores ou gestores na fixação


de fundos, alocação de recursos naturais e determinação de prioridades;
• Classificação de localidades: comparação de condições em diferentes locais ou áreas
geográficas;
• Cumprimento de normas legais: aplicação a áreas específicas para clarificar e sintetizar a
informação sobre o nível de cumprimento das normas ou critérios legais;
• Análise de tendências: aplicação dos dados obtidos para detecção de tendências;
• Investigação científica: aplicações em desenvolvimentos científicos servindo de alerta para
a necessidade de investigação científica mais aprofundada;
• Informação ao público: informação popular sobre os processos de desenvolvimento sustentável.

Pág. 15 de 85
Funções e escolha dos indicadores e seus critérios
Funções dos indicadores Figura 4 – Critérios e escolhas

Assim, as principais funções dos indicadores são


trazidas por Tunstall (1994 apud VAN BELLEN, 2006, p. 43):

• Avaliação de condições e tendências


• Comparação entre lugares e situações
• Avaliação de condições e tendências em relação às
metas e aos objetivos
• Prover informações de advertências Fonte: Por FotoCuisinette/Istock

• Antecipar futuras condições e tendências

Segundo Van Bellen (2006), no que concerne especificamente à questão sustentável, os requisitos
que devem nortear seus indicadores são vistos a seguir:

• Os valores dos indicadores devem ser mensuráveis (ou observáveis).


• Deve existir disponibilidade de dados.
• Metodologia para a coleta e o processamento dos dados.
• Os meios para construir e monitorar os indicadores devem estar disponíveis.
• Os indicadores precisam ser viáveis financeiramente.
• Em seu respectivo nível, a aceitação política é necessária, pois são influenciadores de tomada
de decisão.

É importante, ainda, “testar” a validade dos indicadores a fim de que realmente possam ser
considerados no escopo do desenvolvimento de um projeto ambiental e/ou procedimentos que
envolvem sua respectiva aplicabilidade.

Fantinatti, Zuffo e Ferrão (2015) nos ajudam com esse ponto endossando que os indicadores
(ou critérios) devem, de modo obrigatório, atender a nove requisitos básicos simultâneos, ou seja,
qualquer um que seja adotado deve possuir esses noves requisitos ao mesmo tempo:

• essencial
• controlável
• completo
• mensurável
• operacional
• isolável

Pág. 16 de 85
• não redundante
• conciso
• compreensível

Com efeito, a função de valor “[...] ilustra um indicador objetivo, isto é, cuja função de valor pode
ser explicitada em uma função matemática, ou seja, um gráfico”, por exemplo.

Adiante, no tópico Critérios e subcritérios para a escolha de um indicador ideal, veremos a


aplicação de tais funções. Por ora, ainda nos vale compreender que as ferramentas de avaliação (ou
sistemas de indicadores) são também funcionais para o importante contexto da tomada de decisão.

Funções dos indicadores de sustentabilidade como ferramentas na política organizacional

Neste contexto, as ferramentas de avaliação, entendendo-as como o conjunto de indicadores,


podem ser utilizadas para o desenvolvimento de políticas organizacionais. De acordo com suas
respectivas funções, pode-se engajá-las em programas de planejamento que visem o desenvolvimento
sustentável.

Segundo Van Bellen (2006), existem algumas funções básicas dessas ferramentas, a saber:

Quadro 2 - Funções básicas

Tipo de função Característica

Analítica Na presença de medidas diversas e precisas, o


auxílio se dá em decorrência da interpretação de
dados quando em um sistema coerente, fazendo o
agrupamento em matrizes ou índices.

Comunicação As ferramentas auxiliam os tomadores de decisão


a ter melhor trato com os indicadores, pois
geram familiaridade com os métodos e conceitos
pertinentes às questões sustentáveis, uma vez que
elas ajudam a estabelecer metas.

Aviso e mobilização Na presença de medidas diversas e precisas, os


administradores têm maior facilidade na divulgação
dos resultados, pois medidas ajudam na clareza da
transparências das publicações anuais de relatórios
sustentáveis e questões pertinentes a estas.

Pág. 17 de 85
Coordenação Quando na presença de um sistema de medidas,
bem como relatórios em geral, estes precisam
ser amparados por dados coletados por variadas
agências, visando a corroboração de resultados
possivelmente discrepantes. Questões de recursos
humanos e financeiras devem ser consideradas.
A circunvizinhança deve ser envolvida, bem como
todos os stakeholders.

Fonte: Adaptado de Van Bellen (2006).

Segundo os autores, tais funções “[...] são melhor preenchidas no processo de escolha de
indicadores e na fase de implementação quando os tomadores de decisão utilizam as ferramentas
de mensuração e os indicadores.” Com efeito, basicamente a função principal dos indicadores de
sustentabilidade é a de “[...] apoiar e melhorar a política ambiental e processo de tomada de decisão
em diferentes níveis”, sendo o maior nível o global ou internacional (VAN BELLEN, 2006, p. 58).

Para facilitar a visualização da questão dos indicadores no contexto de tomada de decisão,


vejamos a Figura 5 a seguir, ilustrando bem o seu ciclo dentro da visão política organizacional:

Figura 5 – Ciclo de tomada de decisão

Formulação de
políticas

Reconhecimento de
Implementação
problemas/aumento
de políticas
da consciência pública

Identificação Avaliação
de problemas de políticas

Fonte: Van Bellen (2006, p. 57).

Pág. 18 de 85
Os indicadores tornam-se poderosas ferramentas quando são eles efetivamente aplicados na
comunicação e na tomada de decisão. Isso significa dizer que

[...] não há sentido em construir indicadores se os interessados não se apropriam


deles para orientar e guiar suas decisões, desde aquelas relacionadas às atividades
diárias de cada ator até as mais amplas relacionadas ao coletivo. (MALHEIROS;
COUTINHO; PHILIPPI JUNIOR, 2012, p. 85).

Condições para a escolha de um indicador ideal


A escolha de um indicador pode se dar à luz da Figura 6 – Cenário ideal
amplitude local ou global, podendo ele ser qualitativo
ou quantitativo. Isso dependerá dos valores fornecido
a eles: sociais, culturais ou científicos, sendo que estes
últimos devem trabalhar em função de um grau mais
elevado de objetividade a fim de medir e informar dados
mais confiáveis.

Para que o tomador de decisão tenha condições


Fonte: Por cyano66/Istock
mais seguras para escolher o indicador ideal, segundo
Malheiros, Coutinho e Philippi Junior (2012), essa escolha requer algumas requisitos básicos, tais
como:

• representatividade, pois deve retratar problemas atuais;


• ter validade científica;
• possuir boa fonte de informação, uma vez que deve garantir confiabilidade em sua origem;
• ter relevância; possuir valores de referência (para efeito de comparação);
• conformidade temporal, pois deve se levar em consideração o tempo da coleta de dado e o
seu efetivo uso.

Ainda deve-se considerar:

• redundância (não pode haver);


• sensibilidade às mudanças;
• séries temporais, isto é, séries temporais de dados, podendo ser lineares, cíclicas ou sazonais;
• capacidade de expressar mudanças em uma escala de tempo compatível com os problemas;
• abrangência, já que deve apresentar sempre limites bem definidos, tanto geográficos quanto
operacionais;

Pág. 19 de 85
• integração, sendo que o indicador deve ter a capacidade de sintetizar informações de vários
outros indicadores (MALHEIROS; COUTINHO; PHILIPPI JUNIOR, 2012).

De acordo com a longa lista ainda de Malheiros, Coutinho e Philippi Junior (2012), da qual possui
vasto rigor de referencial teórico na questão dos indicadores de sustentabilidade, ainda temos os
seguintes requisitos:

• tipo de informação, visto que se deve ter claro se esta é prescritiva ou descritiva;
• disponibilidade e acesso à informação fornecida pelo indicador;
• comunicação/divulgação dos indicadores, considerando que deve ser difuso e claro;
• ter custo razoável, considerando sempre a relação custo-benefício;
• visar a participação popular em algum momento da elaboração do projeto.

Deve o indicador ser atualizado e divulgado, nos quais os “[...] dados precisam ser coletados
e reportados regularmente, devendo haver um tempo mínimo entre a coleta e a reportagem, a
fim de garantir a atualidade e utilidade para o usuário”. Também deve ser de fácil compreensão e
possuir um modelo conceitual estrutural a fim de ser usado como “guia para o desenvolvimento e
a estruturação de um conjunto de indicadores”, uma vez que, sem ele, “[...] o conjunto se torna uma
mistura eclética de indicadores, sem qualquer justificação clara para sua seleção” (MALHEIROS;
COUTINHO; PHILIPPI JUNIOR, 2012, p. 81).

Van Bellen (2006, p.140-141) endossaria tais pontos e complementaria com a relação a seguir,
sendo características básicas para escolha de um indicador ideal:

• Relevância política: o indicador deve estar associado com uma ou várias questões que são
relevantes para a formulação de políticas.
• Simplicidade: informação compreensível.
• Validade: os indicadores devem realmente refletir os fatos.
• Série temporal de dados: deve-se procurar observar as tendências ao longo do tempo, com
um número relevante de dados.
• Disponibilidade de dados de boa qualidade: devem existir atualmente, ou no futuro próximo,
dados de boa qualidade disponíveis a um bom custo.
• Habilidade de agregar informações: indicadores referem-se às dimensões de sustentabilidade,
e a lista potencial de indicadores que podem estar ligados ao desenvolvimento sustentável é
infinita. Os indicadores que agreguem informações de questões amplas são preferíveis.
• Sensitividade: os indicadores selecionados devem ter a capacidade de identificar ou detectar
mudanças no sistema.

Pág. 20 de 85
• Confiabilidade: o mesmo resultado deve ser alcançado efetuando-se duas ou mais medidas
do mesmo indicador.

Ponderação dos indicadores


Ademais, Rabelo e Lima (2012), também se baseando no Figura 7 – Ponderação dos indicadores
livro de Van Bellen, por ser uma obra clássica e norteadora –
leitura obrigatória – a todos aqueles que desejam trabalhar
com a questão de indicadores de sustentabilidade, porém
dentro de seus escritos próprios, informam-nos que um dos
itens que está em voga no debate acerca da formulação
de indicadores é aquilo que está relacionado aos pesos
dos dados conferidos a cada um dos indicadores de
sustentabilidade. Fonte: Por CANARAN/Istock
Aqui, a participação dos diferentes atores sociais no modelo poderá contemplar uma mistura
de foco dos diferentes tipos, a saber: top-down e/ou bottom-up, segundo as necessidades que lhes
são próprias a cada objetivo do sistema (VAN BELLEN, 2006; RABELO; LIMA, 2012).

A diferença de ambos, segundo Rabelo e Lima (2012) é a que segue abaixo:

• Top-down: utilizado quando determinado indicador, por ser tão específico e técnico, precisa
que os pesos sejam dados por especialistas e pesquisadores, e não pela comunidade na qual
está inserido o projeto avaliado.
• Bottom-up: utiliza o peso – opinião – da comunidade para pontuá-los.

Deste modo, a sequência metodológica dos indicadores de sustentabilidade exigiriam aqui


uma ponderação em cada escopo ou dimensão, a qual “[...] deve ocorrer a partir de entrevistas
com especialistas na atividade e/ou membros da comunidade, utilizando tanto o top down quanto
o bottom-up” (RABELO; LIMA, 2012, p. 405).

Tais critérios utilizados possuem os seguintes pesos, segundo os exemplos trazidos de Rabelo
e Lima (2012):

• Social: educação, habitação, saúde e lazer seriam top-down;


• Ambiental: água, cumprimento da legislação, saneamento ambiental e poluição do ar seriam
top-down; enquanto que a biodiversidade seria bottom-up;
• Econômico: energia, trabalho, renda e consumo são top-down, já atividades complementares
à renda são bottom-up;

Pág. 21 de 85
• Institucional: associação e gênero são bottom-up; tecnologia utilizada, top-down.

Critérios e subcritérios para a escolha de um indicador ideal

Neste sentido, conforme apenas comentado na seção Funções dos indicadores, detalharemos
agora cada um dos critérios fundamentais a se considerar na escolha de um correto indicador, visto
que já pusemos luz no tópico anterior sobre a escolha ideal do mesmo.

• Essenciais: devem levar em conta os aspectos de fundamental importância segundo o sistema


de valores dos decisores.
• Controláveis: devem representar um aspecto que seja influenciado apenas pelas ações
potenciais.
• Completos: o conjunto de objetivos fundamentais deve incluir todos os aspectos considerados
como fundamentais pelos decisores.
• Mensuráveis: permitem especificar, com a menor dúvida possível, o desempenho das ações
potenciais segundo os aspectos considerados fundamentais pelos decisores.
• Operacionais: possibilitam coletar as informações requeridas sobre o desempenho das ações
potenciais, dentro do tempo disponível e com esforço viável.
• Isoláveis: permitem a análise de um aspecto fundamental de forma independente com relação
aos demais aspectos do conjunto (este requisito, muitas vezes, só pode ser testado no
desenvolvimento dos descritores);
• Não redundantes: o conjunto de objetivos fundamentais não deve levar em conta o mesmo
aspecto mais de uma vez.
• Concisos: o número de aspectos considerados pelo conjunto de objetivos fundamentais deve
ser o mínimo necessário para modelar, de forma adequada, o problema segundo a visão dos
decisores.
• Compreensíveis: devem ter o seu significado claro para os decisores, permitindo a geração e
comunicação de ideias. (FANTINATTI; ZUFFO; FERRÃO, 2015).

Deste modo, ao se estabelecer os critérios, deve-se ter uma descrição clara do mesmo. Isso
significa dizer que, para cada critério, devem ser desenvolvidos os descritores de desempenho, os
quais auxiliam na compreensão do que está sendo considerado pelos decisores, tornam os objetivos
inteligíveis e acabam por permitir “[...] a geração de ações de aperfeiçoamento, possibilitam a
mensuração do desempenho de ações do critério e auxiliam na construção de um modelo global
de avaliação” (FANTINATTI; ZUFFO; FERRÃO, 2015, p. 241-242).

Pág. 22 de 85
CURIOSIDADES

Somente é possível saber que a dívida pública de Moçambique ultrapassou limites de


sustentabilidade quando é mensurada a sustentabilidade. É estranho muitas vezes tratar um termo
aparentemente subjetivo com tamanha objetividade, mas temos o caso jornalístico a seguir que
passa a ser até mesmo curioso, pois contempla também as dívidas ilegais:

- Dívida pública de Moçambique, incluindo as ilegais, ultrapassou limites de sustentabilidade.


Disponível em: <www.verdade.co.mz/tema-de-fundo/35-themadefundo/64997-divida-publica-de-mocambique-
incluindo-as-ilegais-ultrapassou-limites-de-sustentabilidade>.

Houve ainda um concurso de bioideias em Portugal (ano de 2018) que pede para indicar o impacto da
ideia, utilizando para isto indicadores de sustentabilidade econômico-financeira.

- Candidaturas abertas para o concurso “Acelerador de Bio-Ideias”. Disponível: <https://omirante.pt/


economia/2018-03-17-Candidaturas-abertas-para-o-concurso-Acelerador-de-Bio-Ideias>.

Para que o desenvolvimento dos critérios e subcritérios possam ser corretamente estabelecidos,
de acordo com Fantinatti e Zuffo (2015), duas perguntas são básicas e necessárias:

1. Para o contexto em análise, quais os critérios que devem ser aplicados para a avaliação do
investimento, considerando a realização de um empreendimento sustentável? Isto é, quais
são as dimensões a serem consideradas?
2. Que tipo de modelo de decisão é mais adequado ao processo de avaliação? É um problema
bem definido (composto apenas por aspectos puramente objetivos) ou é uma situação
complexa (contém aspectos subjetivos ambientais ou sociais)?

O método adotado dependerá das respostas destas perguntas, uma vez que pode ser metodologia
multicritério de apoio à decisão (MCDA); métodos baseado na programação matemática (MOLP);
métodos baseados nas teorias do valor e da utilidade multiatributo (MAUT) etc. Dependerá, portanto,
do tipo de projeto, organização e objetivo da utilização dos indicadores de sustentabilidade para a
atividade pretendida.

É preciso, portanto, tomar alguns cuidados importantes na escolha do método a ser adotado.
Fantinatti e Zuffo (2015, p. 246) nos alertam acerca de alguns conceitos e erros que são comuns
nas avaliações multicritério. Vejamos:

1. Foco nos valores: o erro comum é o “[...] foco em alternativas predefinidas para a resolução
dos problemas. A maioria dos métodos comete este erro – ou deixa de alertar os usuários”.
2. Escala padronizada: o uso de escalas variadas é um erro comum. Aqui, se há um critério que
possui uma grandeza (tal como unidade de medida qualquer) que seja maior que outros,

Pág. 23 de 85
será ele preponderante, mesmo não sendo o mais importante. Porém, de qualquer modo,
distorcerá os resultados.
3. Escalas semânticas: é um erro comum o “[...] uso de escalas numéricas para discretização
dos critérios ou para definição dos pesos entre critérios”.
4. Cardinalidade: o erro comum é o “[...] uso de relação direta (divisão) para definição dos
pesos entre os critérios”.

Aspecto qualitativo e quantitativo dos indicadores


Podendo ser quantitativos ou qualitativos, os Figura 8 – Aspectos qualitativos e quantitativos
indicadores para a sustentabilidade, defendem
muitos autores, deveriam focar mais nos aspectos
qualitativos (exceto, é claro, para áreas como
engenharia ambiental e de projetos socioambientais
da construção civil etc.), visto que tornariam as
informações mais explícitas.

Fonte: Por NiroDesign/Istock


São especialmente utilizados no nível qualitativo por três motivos; segundo Gallopin (1996 apud
VAN BELLEN, 2006, p. 43):

1. Quando não forem disponíveis informações quantitativas;


2. Quando o atributo de interesse é inerentemente não quantificável;
3. Quando determinações de custo assim os obrigarem.

Com efeito, as principais propostas de funções dos indicadores relacionam-se com:

• avaliar condições e as tendências;


• comparar lugares e situações;
• avaliar condições e tendências no que tange a metas e objetivos;
• prover informações de advertências;
• antecipar condições futuras e tendências (VAN BELLEN, 2006).

Desse modo, segundo Van Bellen (2006), os indicadores podem se apresentar como variáveis
diversas, e não necessariamente tabulados, apresentados em gráficos etc. A variável pode ser
individual ou função de outras variáveis. Ademais, por ser, em essência, o indicador uma ferramenta
de apoio à decisão. A escolha dele “[...] depende primeiramente das necessidades dos usuários
potenciais”, partindo-se, com isto, “[...] de um objetivo a partir do qual se identifica a necessidade
de informações de apoio à decisão, em que tais informações são os indicadores. As variáveis,

Pág. 24 de 85
então, são definidas a partir do que se espera desse indicador” (MALHEIROS; COUTINHO; PHILIPPI
JUNIOR, 2012, p. 39).

De acordo com Malheiros, Coutinho e Philippi Junior (2012, p. 38), sobretudo no setor ambiental,
“[...] observa-se predominância quase que absoluta do uso de indicadores quantitativos”, visto que
são aqueles que mais apontam caminhos objetivos e não somente subjetivos, como “achar” (mera
opinião) que há poluição em São Paulo. Todos acham, mas a respeito de onde, quanto, quais níveis
estão dentro do padrão da Organização Mundial de Saúde, quais não estão etc., isso somente os
indicadores quantitativos poderão estabelecer.

Termos e indicadores
Os termos utilizados pelos indicadores podem possuir Figura 9 – Termos e indicadores
diferentes significados, tais como norma, padrão, meta e
objetivo. O primeiro significado está bastante aliançado
com a questão sustentável, embora o último significado
faça uso de todos eles. Vejamos com mais cuidado o
que Van Bellen (2006) nos informa permeando-o de mais
detalhes:

• Norma e padrão: são compreendidos de modo


Fonte: sureeporn/Istock
semelhante, uma vez que se referem de modo
fundamental a valores que são dados ou desejados pelas autoridades governamentais ou
ainda obtidos por meio um consenso social. Eles são utilizados dentro de um senso normativo,
de um valor técnico de referência.
• Meta: representa uma intenção, mensurável em valores específicos a serem alcançados.
Está sempre relacionada ao aspecto quantitativo. Por exemplo, datas, prazos, conquistas em
números etc. Não é interessante propor algo intangível, tampouco fácil de alcançar.
• Objetivo: demonstra a mudança na realidade no qual o projeto pretende contribuir. Está
relacionado ao aspecto qualitativo. Intenta o alcance da resposta do principal problema.
Tem uma perspectiva de médio e longo prazos e não necessariamente é atingido durante a
execução do projeto.

É possível pensar em diversos termos na vida real que são considerados indicadores, tais como:
diagnóstico, sintoma, sinal, informação, dado, medida etc. Isso faz com que compreendamos melhor
o mundo à nossa volta, o que significa dizer que os indicadores “facilitam nossa vida”.

Pág. 25 de 85
Já é esperado que cada cultura possua variados graus de “compreensão subjetiva” de
indicadores. Claro que, à luz de aspectos científicos bem corroborados, a subjetividade é extraída,
mas, em geral, somente a presença dos indicadores afeta o comportamento social. A esse respeito,
contraintuitivamente, Fantinatti, Zuffo e Ferrão (2015, p. 283) afirmam que as “[...] subjetividades
devem ser explicitadas ao máximo. Pois, apenas dessa forma é que se poderão definir os critérios
(indicadores) que refletirão”, de modo fidedigno, “[...] os objetivos estratégicos dos decisores, de tal
forma a possibilitar a delimitação das ações que levarão a tais objetivos.”

Segundo Van Bellen (2006, p. 45) isso se dá pelo fato de que a “[...] sociedade mede o que ela
valoriza e aprende a valorizar aquilo que ela mede. Essa retroalimentação é comum, inevitável e
útil, mas também cheia de armadilhas”.

A despeito de sua importância enquanto modelo de realidade, os indicadores não podem ser
considerados a própria realidade. São partes de “[...] informação que apontam para características
dos sistemas, realçando o que está acontecendo”, sendo ainda utilizados para “[...] simplificar
informações sobre fenômenos complexos e para tornar a comunicação sobre eles mais compreensível
e quantificável.” (VAN BELLEN, 2006, p. 45).

Valores implícitos e explícitos dos indicadores


Valores explícitos Figura 10 – Sociedade e sustentabilidade

Os indicadores podem se apresentar de modo implícito


ou explícito. Os de valor explícito são “[...] aqueles tomados
conscientemente e compreendem uma parte fundamental do
processo de criação de indicadores”; já os valores implícitos
“[...] decorrem de aspectos que não são facilmente observáveis
e que, na sua maioria, inconscientes e relacionados a
características pessoais” (VAN BELLEN, 2006, p. 46-47),
Fonte: Liana Monica Bordei/Istock
incluindo diferentes culturas sociais. Deste modo, mensurar
a influência dos valores implícitos é difícil, uma vez também
que afetaria o processo de formulação dos indicadores de
qualquer maneira.

Pág. 26 de 85
Os julgamentos de valor explícito, ainda segundo o autor, podem aparecer do seguinte modo
quando utilizados nos indicadores e em seu processo de criação:

• Diretamente no processo de observação ou medição (tal como preferências estéticas);


• Adicionados à medida observada (podendo se dar por meio da limitação imposta em função
do aspecto legal ou preferências diversas, o que inclui objetivos e metas);
• Por meio de pesos que são dados indicadores de diferentes níveis dentro de um sistema
agregado.

Não se pode negar que haja mais valor para uma vaca na Índia, por exemplo, do que na Nigéria.
Ao passo que, em geral, alguns países baixos como a Holanda e outros desenvolvidos como
Inglaterra, França, Dinamarca, Suíça e outros tendem mais a valorizar a beleza natural do que os
países emergentes.

A despeito desse fato, Roger Scruton, um filósofo que há muito se interessa por questões
ambientais e estéticas, ressalta em sua obra Beleza que a “[...] beleza das grandes obras da arquitetura
muitas vezes depende do contexto humilde que essas belezas inferiores viabilizam” (SCRUTON,
2013, p. 21, grifo nosso). Desse modo, uma harmonia arquitetônica humilde permeada de contextos
naturais sem a agressividade de outros arranha-céus ao seu redor tende a ser um indicador positivo
sustentável no qual representa um valor claramente explícito.

Valores implícitos

No que concerne aos julgamentos de valor implícitos, resumidamente a boa didática de Van
Bellen (2006) nos informa que eles são decorrentes de aspectos que possuem grau maior de
dificuldade quanto à observação, uma vez que, em sua maioria, são inconsistentes e relacionados
a características pessoais e/ou relacionadas a culturas sociais específicas.

É possível identificar nas ações, práticas e relações cotidianas, no entanto, a dificuldade em


diagnosticar reais interesses com as questões sustentáveis e quais são os objetivos implícitos do
indivíduo, grupos sociais ou organizações por detrás dos atributos explícitos.

Definição do “peso” dos indicadores


Os indicadores (ou critérios) devem ser definidos com a ajuda de cenários de avaliação, fazendo
uso de parâmetros de comparação onde todos são tidos em uma mesma escala. Os pesquisadores

Pág. 27 de 85
da área de indicadores sustentáveis propõem dois cenários fictícios: (1) um que todos os indicadores
possuam desempenho no nível “neutro” (igual a 0) e outro em que todos os indicadores possuam
desempenho no nível “bom” (igual a 100). Decorre-se diante disto que, novos cenários devem ser
criados nos quais varie o indicador a cada vez objetivando o nível “bom” (desempenho igual a 100).

Fantinatti, Zuffo e Ferrão (2015, p. 286) ilustram esse ponto da seguinte maneira:

Figura 11 – Ilustração da escala padronizada para todos os critérios.

Bom 100

Neutro 0

Fonte: Adaptado de Fantinatti, Zuffo e Ferrão (2015, p. 286).

Assim sendo, aqueles que são responsáveis pela tomada de decisão devem explicitar, “[...] na
mesma escala semântica de comparação cardinal, os graus de preferência entre os diversos cenários”,
onde cada um deles “[...] representará a preferência do conjunto de decisores e ou especialistas
em relação aos respectivos indicadores em uma comparação cardinal”, isto é, “[...] de ‘distância’ de
preferência e não de ‘quociente’, que é o que a maioria dos métodos faz, remetendo ao ‘erro crítico
mais comum’” (FANTINATTI; ZUFFO; FERRÃO, 2015, p. 287).

Pág. 28 de 85
Esta avaliação dos níveis de desempenho de cada critério, é claro, se dá após a definição dos
critérios de avaliação e seus respectivos descritores, os quais, como já tratamos anteriormente
(no tópico Funções e escolha dos indicadores e seus critérios), ajudam a compreender o que os
decisores estão considerando.

O descritor (ou subcritério), de acordo com Fantinatti e Zuffo (2015, p. 242) expõe as “possibilidades
de desempenho de um determinado critério”, ou indicador. São os exemplos que os pesquisadores
nos trazem, onde, o primeiro critério é qualitativo (subjetivo) e o segundo quantitativo (objetivo):

1. Se um critério na compra de um carro for a “cor do carro”, o descritor irá explicitar as


possibilidades de desempenho deste critério: brando, preto, vermelho etc.
2. No caso de critérios de sustentabilidade, um critério pode ser o de promover a infiltração
da água da chuva que precipita sobre as áreas impermeabilizadas do empreendido. Neste
caso, o desempenho das alternativas pode ser medido em função do percentual de água que
é direcionado para infiltração. E o descritor irá explicitar as possibilidades: de 0% a 100%.

A partir disto, é possível estabelecer os níveis de desempenho para cada critério, como vimos
na Figura 11, onde existe um nível “neutro”, correspondendo ao mínimo aceitável para qualquer
alternativa do processo decisório de análise, e um nível “bom”, correspondendo ao desempenho
que é desejado para qualquer alternativa deste processo (FANTINATTI; ZUFFO, 2015).

Com efeito, para a definição de pesos entre os critérios, deve-se montar cenários de avaliação,
iniciando pelo cenário base, onde os critérios são considerados com desempenho “neutro”. A partir
disto, cria-se novos cenários, os quais se varia cada critério individualmente a fim de alcançar o nível
“bom”. Cada cenário representará a preferência do decisor/especialista (FANTINATTI; ZUFFO, 2015).

Com efeito, o fortalecimento dos indicadores, segundo Malheiros, Coutinho e Philippi Junior
(2012), depende de diversos fatores. No entanto, os autores destacam três:

1. Aplicação em questões complexas: há interações complexas que surgem no contexto da


sustentabilidade, sendo os indicadores aqueles que articulam o caminho dessa complexidade.
O foco gira em torno de refletir sobre como obter o máximo das diferentes metodologias,
considerando suas potencialidades e limitações, levando em consideração os diferentes
usuários-alvo, o nível de gestão, a urgência etc.
2. Maior sentimento de propriedade sobre os indicadores pelas várias partes interessadas: os
indicadores são validados quando usados pelos tomadores de decisão e pelos stakeholders
na sustentabilidade. A propriedade intelectual pode ser adquirida de diferentes maneiras: (a)

Pág. 29 de 85
envolvimento direto dos usuários e das partes interessadas no processo de desenvolvimento
de indicadores; (b) incentivo à apropriação, ao uso de indicadores para a comunicação
estratégicas; e (c) capacidade das instituições e pessoas de adotar os indicadores.
3. A inclusão de indicadores de sustentabilidade nos processos orçamentários: a avaliação da
eficácia do programa em relação aos objetivos de níveis superiores (estratégicos) sempre
é um complexo desafio para os governos.

Neste contexto, passa a ser fundamental a compreensão de quais parâmetros fazem parte do
processo de indicadores de sustentabilidade, isto é

• mobilização
• engajamento
• construção
• implementação
• monitoramento
• avaliação

Para ser mais claro, este processo é uma “[...] ferramenta indispensável na operacionalização do
conceito de desenvolvimento sustentável”, contudo “[...] requer prioridade e continuidade, para que
alcance todo seu potencial enquanto peça-chave nos processos de tomada de decisão” (MALHEIROS;
COUTINHO; PHILIPPI JUNIOR, 2012, p. 86).

SAIBA MAIS

Os artigos a seguir contribuem para complementação do que vimos até aqui, pois tratam-se, em sua
maioria, de levantamentos bibliográficos que resumem muito do que se tem em pauta no campo
teórico, ajudando-nos também a ter uma melhor compreensão das temáticas que estão por vir:

- Como mensurar a sustentabilidade? Um estudo das principais técnicas e indicadores. Disponível em:
<www.uel.br/revistas/uel/index.php/ros/article/view/27259>.

- Recorte teórico das ferramentas de mensuração da sustentabilidade mais citadas na literatura.


Disponível em: <admpg.com.br/revista2011/v2/artigos/artigo%208%20Recorte%20teorico%20das%20ferramentas.
pdf>.

- Indicadores de sustentabilidade: um levantamento dos principais sistemas de avaliação. Disponível


em: <www.scielo.br/pdf/cebape/v2n1/v2n1a02>.

Pág. 30 de 85
FERRAMENTAS DE SUSTENTABILIDADE: ÍNDICES DE SUSTENTABILIDADE
E OS SISTEMAS DE INDICADORES DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
(IDS)
O dashboard of sustainability Figura 12 – Desenvolvimento sustentável

Sobre o termo dashboard, tal como o painel do carro,


onde ao menos em maioria apresenta três componentes
(velocidade, temperatura do motor e ponteiro do combustível),
concorda Van Bellen (2006, p. 129) com Peter Hardi (2000) que
ele é de fato um tripé, uma vez que a ideia da inclusão de of
sustainability representa a relação entre qualidade ambiental,
saúde social e performance econômica, constituindo-se numa
Fonte: Por Dirtydog_Creative/Istock
“[...] importante ferramenta para auxiliar os tomadores de
decisão, públicos e privados, a repensar suas estratégias de
desenvolvimento e a especificação de suas metas.”
O painel de um automóvel descreve o funcionamento dos seus diferentes componentes
por instrumentos que o monitoram. O dashboard of sustainability utiliza essa analogia
para o desenvolvimento sustentável; trata-se de um painel de instrumentos projetado
para informar tomadores de decisão e o público em geral da situação do progresso
em direção ao desenvolvimento sustentável. (VAN BELLEN, 2006, p. 132).

Deste modo, o dashboard of sustainability é compreendido como ferramenta para a sustentabilidade,


cujo foco Van Bellen (2006, p. 133) expõe a seguir:

A ferramenta disponível atualmente utiliza um painel com três mostradores que


representam a sustentabilidade do sistema no que se refere às dimensões propostas
e deve ser usado para a comparação entre nações. A ferramenta também pode ser
aplicada para índices urbanos e regionais.

Conceitualmente, portanto, o dashboard of sustainability é um “[...] índice agregado de vários


indicadores dentro de cada um dos mostradores; a partir do cálculo dos índices deve-se obter o
resultado final de cada mostrador.” Uma função adicional, ainda de acordo com Van Bellen (2006,
p. 130), é a de calcular a média dos mostrados a fim de que “[...] se possa chegar a um índice de
sustentabilidade global ou sustainable development index (SDI). Se o objetivo é avaliar o processo
decisório, um índice de performance política, policy performance index (PPI) é calculado”.

Como software, ele é projetado para ajudar os países emergentes a alcançar os Objetivos de
Desenvolvimento do Milênio e trabalhar para o desenvolvimento sustentável. Tem sido aplicado a

Pág. 31 de 85
um grande número de indicadores, entre outros, aos indicadores dos Objetivos de Desenvolvimento
do Milênio e à Comissão das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável.

Em 2002, os pesquisadores do painel de sustentabilidade Jochen Jesinghaus e Peter Hardi


apresentaram-no na Cúpula de Joanesburgo e no Fórum Social Mundial de 2002 em Porto Alegre.
Também foi incluído nos recursos para o Fórum Mundial sobre indicadores-chave da OCDE. Em
janeiro de 2006, o Projeto do Milênio utilizou-o no painel de sustentabilidade para concluir seu
relatório State of the Future, no qual informou que, em termos globais, a saúde geral, a riqueza e a
sustentabilidade da humanidade estavam melhorando, mas lentamente.

Em fevereiro de 2006, foi proposto que o painel de sustentabilidade fosse utilizado para combinar
e representar dois ou mais dos cinco quadros a seguir usados atualmente
​​ no desenvolvimento de
indicadores de sustentabilidade: baseados em domínios, baseados em metas ou baseados em
pesquisas setoriais.

Instituições envolvidas
Como já temos discutido, o dashboard of sustainability é uma ferramenta robusta de indicador
sustentável e Van Bellen (2006) tem se dedicado à pesquisas sobre o assunto desde a década de
1990 com o apoio de diversas instituições preocupadas com a questão sustentável.

Atualmente, o Consultative Group on Sustainable Development Indicators (CGSDI) – grupo


este que se trata de uma rede de instituições que fazem uso de sistemas de indicadores de
sustentabilidade –, resultante de uma iniciativa do Wallace Global Fund, que promoveu a reunião
de diversos especialistas, responde à necessidade da harmonização dos trabalhos internacionais
em indicadores de sustentabilidade, com foco nos desafios teóricos em volta do setor (VAN BELLEN,
2006).

O objetivo é criar um sistema simples, porém que concomitantemente apresente a realidade em


sua complexidade, e a missão é a de “[...] promover cooperação, coordenação e estratégias entre
indivíduos e instituições-chave que trabalham no desenvolvimento e utilização de indicadores de
desenvolvimento sustentável.” (VAN BELLEN, 2006, p. 126).

Pág. 32 de 85
A coleção de indicadores: os índices e seus cálculos
Cálculo dos índices de sustentabilidade Figura 13 – Cálculos de índices

Segundo Van Bellen (2006, p. 130, grifo nosso),


quando “[...] uma coleção de indicadores é combinada
matematicamente por um processo de agregação, o
resultante é chamado índice”. Os indicadores, com
efeito, devem facilitar a comunicação que existe entre o
desenvolvimento sustentável, o qual transforma números
e dados, medidas e descrições, sinais e projeções em
Fonte: Easy_Company/Istock
dizeres concretos e claros.

O desafio dos pesquisadores em torno do dashboard of sustainability é a escolha dos indicadores


corretos que compõem este índice. Os autores deste sistema afirmam que o

[...] cálculo de valores agregados é um método normalmente utilizado para a construção


de índices”, os quais podem ser ponderados ou simples, a depender de seus objetivos,
sendo “muito importantes para direcionar a atenção das pessoas e simplificar a
compreensão de alguns problemas”, muito embora ainda possam “mascarar detalhes”
importantes. (VAN BELLEN, 2006, p. 131).

O índice de sustentabilidade, segundo Rabelo e Lima (2012, p. 408) deve “incorporar todas as
dimensões ou escopos considerados”. Com efeito, uma das maneiras de mensurá-lo é por meio da
expressão matemática a seguir:

Onde:

IS = Índice de sustentabilidade

Iw = Valor do w-ésimo índice, w = 1, ..., k. Sendo que se trata de índices que comporão o índice
de sustentabilidade: econômico, social, ambiental e institucional.

I = 1,..., m, número de indicadores de sustentabilidade.

Pág. 33 de 85
W = 1,..., 4, número de índices que comporão o índice de sustentabilidade.

A expressão acima atribui pesos semelhantes a cada dimensão analisada. Ainda de acordo com
Rabelo e Lima (2012), caso se deseje a atribuição de uma importância maior a um dado índice, a
expressão a seguir é sugerida:

Sendo:

Pw = peso atribuído ao w-ésimo índice; w = 1,..., k

Grau de sustentabilidade

O objetivo principal do índice de sustentabilidade é o de “[...] permitir o conhecimento do grau


de sustentabilidade no qual se encontra o que se avalia, percebendo, assim, os demais índices que
o compõe”, bem como “[...] em quais indicadores poderão ser tomadas ações que façam melhorar
o seu grau ou continuar no ritmo de sustentabilidade que se busca” (RABELO; LIMA, 2012, p. 408).

Antecipando a fase final da sequência metodológica de indicadores de sustentabilidade (SMIS),


cujos passos veremos um pouco mais adiante no tópico denominado Estratégia e a formação de
um sistema de indicadores de sustentabilidade, a possibilidade aqui é a de conhecer o estado atual
de sustentabilidade, bem como, segundo Rabelo e Lima (2012, p. 408), “[...] visualizar sua tendência
ao longo do tempo, avaliando as atividades humanas – subsistemas meio ambiente humano –
que afetam e podem inviabilizar os processos ambientais – subsistema recursos naturais”, e, por
conseguinte, alterar por definido o sistema (natureza).

Rabelo e Lima (2012, p. 409) explicam bem a questão da construção dos índices de acordo com
os graus de sustentabilidade:

A construção de índices nada mais é do que transformar o valor dos indicadores num
quantum que varia entre 0 e 1, de forma que o valor 1 significa a melhor condição de
sustentabilidade alcançada – dentro do conceito de desenvolvimento sustentável

Pág. 34 de 85
escolhidos e do tipo de sustentabilidade que se busca alcançar, isto é, sustentabilidade
sensata –, e o 0, o desempenho mais desfavorável – sustentabilidade não alcançada.

Por fim, neste contexto, o índice de sustentabilidade poderá atingir cinco graus diferentes:

Tabela 1 – Graus de sustentabilidade

Nível de sustentabilidade Legenda Intervalo

Sustentabilidade excelente (VERDE)  1 ≤ IS ≤ 0,800

Sustentabilidade boa (AZUL)  0,799 ≤ IS ≤ 0,650

Sustentabilidade média (AMARELO)  0,649 ≤ IS ≤ 0,500

Sustentabilidade ruim (ROSA)  0,499 ≤ IS ≤ 0,300

Sustentabilidade crítica (VERMELHO)  0,299 ≤ IS ≤ 0,000

Fonte: Rabelo e Lima (2012, p. 409), com adaptação do Programa das


Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD, 1998).

Acima temos então a possibilidade, sob um aspecto didático, de colorir o grau de sustentabilidade
que é encontrado, o que torna o resultado mais claro aos tomadores de decisão a fim de que gere
um cenário adequado que contribua para novas ações de estratégia ambiental dos gestores frente
aos resultados obtidos.

As dimensões da sustentabilidade
Ainda nesta contextualização, cada um Figura 14 – Dimensões da sustentabilidade
dos indicadores dentro dos escopos ou
dimensões da questão sustentável que são
propostos pelo sistema pode ser avaliado
tanto no que concerne a abordagens
sustentáveis quanto no nível do processo
decisório a partir de dois elementos bases,
a saber: importância e performance (VAN
BELLEN, 2006). Fonte: Por LeoWolfert/Istock

Pág. 35 de 85
Van Bellen (2006, p. 131) nos norteia:

• Importância do indicador: é revelada pelo tamanho que assume frente aos outros na representação
visual do sistema correspondente.
• Desempenho do indicador: é mensurado em uma escala de cores que varia do verde até o
vermelho. O agrupamento de indicadores dentro de cada um dos escopos fornece a resultante
ou o índice relativo da dimensão.

O consenso gira em torno de medir a sustentabilidade por meio de suas dimensões, uma vez
que o uso de dimensões – ou “grupos de indicadores agrupados” –, “[...] pode facilitar o emprego
de medidas que estão além dos fatores puramente econômicos e incluir um balanço de sinais
que derivam do bem-estar humano e ecológico” (VAN BELLEN, 2006, p. 131). A respeito disto, os
agrupamentos em suas respectivas dimensões de sustentabilidade devem abranger:

• Duas dimensões: bem-estar humano e bem-estar ecológico.


• Três dimensões: bem-estar humano, ecológico e econômico.
• Quatro dimensões: riqueza material e desenvolvimento econômico; equidade e aspectos
sociais; meio ambiente e natureza; democracia e direitos humanos.

O CGSDI adota, em especial, o sistema de três dimensões, alegando que este possui maior
aceitação nos debates políticos. Com efeito, a seguir temos a abrangência que a ferramenta
sustentável que estamos tratando deve contemplar, segundo Van Bellen (2006):

• Meio ambiente: qualidade da água, ar e solo; níveis de lixo tóxico etc.


• Economia: emprego, níveis de investimento, produtividade, distribuição de receitas,
competitividade, inflação e utilização eficiente de materiais e energia.
• Sociedade: crime, saúde, pobreza, educação, governança, gastos militares e cooperação
internacional.

Para cada uma das dimensões, faz-se necessária a inclusão de um índice agregado, contendo
medidas do estado, do fluxo e dos processos relacionados. O objetivo, deste modo, é “[...] medir a
utilização de estoques e fluxos para cada dimensão.” Os estoques ambientais podem ser representados
pela “[...] capacidade ambiental, uma medida incluindo estoque de recursos naturais e tipos de
ecossistema por áreas e qualidade” (VAN BELLEN, 2006, p. 132). Já os fluxos, dentro de uma
perspectiva econômica, podem ser representados pelo PIB ou algum outro novo índice que envolva
contextos de desemprego, inflação, propriedade, infraestrutura etc.

Pág. 36 de 85
A seguir temos uma representação de uma versão recente da representação do dashboard of
sustainability.

Figura 15 - Representação do dashboard of sustainability como


ferramenta de sustentabilidade em diversos setores

Fonte: traduzido de <https://www.iisd.org/sites/default/files/publications/measure_dashboard_brochure.pdf>.

As dimensões do painel de sustentabilidade, como comentado, são quatro: ecológica, social,


econômica e institucional, as quais são mensuradas por meio de uma escala de cores que varia
do verde, amarelo até o vermelho. Ou seja, a “[...] performance do sistema é apresentada em uma
escala de cores que varia do vermelho-escuro (crítico), passando pelo amarelo (médio), até o verde-
escuro (positivo)” (VAN BELLEN, 2006, p. 133).

Essas cores são definidas “[...] para cada indicador a partir da regressão linear simples dos
dados entre dois valores extremos, onde o valor maior recebe 1000 (mil) pontos e o valor menor
recebe pontuação 0 (zero)”. Segundo a classificação da performance das variáveis do painel de
sustentabilidade, apresentam-se nove gradações dessas cores (SANTOS; SANTOS; SEHNEM, 2016).

Os principais indicadores de fluxo e de estoque do dashboard of sustainability para cada dimensão


do painel de sustentabilidade são demonstrados a seguir, conforme informações trazidas por Van
Bellen (2006, p. 135):

Pág. 37 de 85
Quadro 3 – Dimensões do painel de sustentabilidade

Dimensão Indicadores

Ecológica mudança climática

depleção da camada de ozônio

qualidade do ar

agricultura

florestas

desertificação

urbanização

zona costeira

pesca

quantidade de água

ecossistema

espécies

Social índice de pobreza

igualdade de gênero

padrão nutricional

saúde

mortalidade

condições sanitárias

água potável

nível educacional

alfabetização

moradia

violência

Pág. 38 de 85
Econômica desempenho econômico

comércio

estado financeiro

consumo de materiais

consumo de energia

geração e gestão do lixo

Institucional implementação estratégica do desenvolvimento sustentável

cooperação internacional

acesso à informação

infraestrutura de comunicação

ciência e tecnologia

desastres naturais (preparo e resposta)

Fonte: Adaptado de Van Bellen (2006).

O objetivo atualmente é o de demonstrar tendências, tanto de mercado quanto de comportamento


humano, o que depende muito da disponibilidade e da confiabilidade de uma base de dados
constante no tempo. Hardi (2000 apud VAN BELLEN, 2006) diz que o maior problema do dashboard
of sustainability é fazê-lo transmitir uma visão holística do cenário ambiental, mesmo ele sendo
construído com este objetivo.

Passado pela etapa dos cálculos e delimitação das cores, onde foi importante pontuar os
quesitos a respeito de quais indicadores foram possíveis de ser identificados dentro do escopo
do projeto, chega o momento de lidar com eles, respondendo a perguntas como as trazidas por
Rabelo e Lima (2012):

Pág. 39 de 85
Quadro 4 – Análise do painel de sustentabilidade

Indicador Requisito

Ambiental houve mitigação do impacto ambiental?

Social houve melhoria na qualidade de vida?

Econômico houve possibilidade de melhoria de


renda?

Institucional houve comprometimento da


organização?

A técnica é de fácil acesso?

Fonte: Adaptado de Rabelo e Lima (2012)

Pegada ecológica como sistema de indicador de sustentabilidade


Conceituação Figura 16 – Pegada ecológica (PE)

Malheiros, Coutinho e Philippi Junior (2012) nos informam


que o termo pegada ecológica (PE) – ou ecological footprint
method, em inglês – foi concebido pelos famosos Mathis
Wackernagel e William Rees, no ano de 1990, tendo relação
com o espaço ecológico necessário o qual sustente algum
sistema ou unidade específica. Os criadores desse indicador
definiram PE como “[...] a área de território ecologicamente
Fonte: Por urfinguss/Istock
produtivo (plantações, pastagem, florestas ou ecossistemas aquáticos) necessário para produzir os
recursos utilizados por tempo indeterminado”, e ainda, “[...] para assimilar os resíduos produzidos
por uma população definida [...] onde quer que esteja essa área” (GONZÁLEZ; RINCÓN, 2012, p. 108).

Em geral, o PE “[...] contabiliza os fluxos de matéria e energia que entram e saem de um sistema
econômico e converte esses fluxos em área correspondente de terra ou água existentes na natureza
para sustentar esse sistema indefinidamente”. Fundamenta-se, com isto, “[...] no conceito de
capacidade de carga, ou seja, a máxima população que pode ser suportada por dado sistema.”
(MALHEIROS; COUTINHO; PHILIPPI JUNIOR, 2012, p. 66).

A PE é um indicador simples, porém muito abrangente, que não somente confere a possibilidade
da estimativas das exigências mínimas, no que concerne às áreas necessárias que fornecem os

Pág. 40 de 85
materiais, bem como a energia requerida pela população, mas também é um indicador que avalia
a sustentabilidade das atividades humanas (GONZÁLEZ; RINCÓN, 2012).

Capacidade de carga

O pensamento que está por trás da PE está embasado, em especial, na análise do conceito de
capacidade de carga (CC), cuja definição é, segundo González e Rincón (2012, p. 108), “[...] o máximo
de população de determinada espécie que pode ser suportada indefinidamente em determinado
habitat, sem reduzir permanentemente a produção desse habitat”. Contudo, os autores acreditam
que seria diferente se a CC fosse entendida de modo mais amplo, abarcando um contexto onde
a população não impactasse negativamente o meio ambiente, isto é, a carga que esta população
impõe ao meio ambiente, de modo então diverso de tratar do contexto de população máxima que
seja suportada por ele [meio ambiente].

Deste modo, é possível notar que, por um lado, “[...] a carga exigida pelo homem sobre a biosfera,
a cada dia, vem aumentando como resultado do crescimento da população e do consumo”, sendo
que, por outro lado, “[...] a área total de produção e a quantidade de recursos naturais são fixos ou,
em vários casos, estão continuamente em declínio, reduzindo, portanto, a sua CC” (GONZÁLEZ;
RINCÓN, 2012, p. 109).

González e Rincón (2012, p. 109) prosseguem nos informando acerca da justificativa da utilização
da PE e a questão da CC como um indicador de sustentabilidade, traçando uma mudança de
paradigma em torno das indagações que devem ser feitas:

Assim ficou mais clara a necessidade de saber se o estoque de recursos naturais


seria suficiente para atender à crescente demanda de toda a população, justamente
por causa da expansão do comércio internacional e da tecnologia. Analisar de forma
diferente essa questão fundamental significa, então, deixar de se perguntar quantas
pessoas poderiam ser mantidas de forma sustentável em determinada região, e
começar a se perguntar: qual é a área de território produtivo que seria necessária
para sustentar dada população indefinidamente, onde quer que ela esteja localizada?

Com efeito, aplicar a questão do desenvolvimento humano torna as respostas das questões
acima mais eficaz.

Pág. 41 de 85
Método de cálculo da PE

É preciso certa quantidade de território para ser suprido e também tratar dos resíduos gerados,
uma vez que o método de cálculo da PE exige isto de cada unidade de consumo de matéria ou
energia. Em função deste ponto, no ato do cálculo desse indicador, estima-se a área de território que
é necessária para a produção de cada item de consumo por pessoa (GONZÁLEZ; RINCÓN, 2012).

Ainda de acordo com González e Rincón (2012, p. 109), a filosofia que rege o cálculo da PE
considera que “[...] a utilização do equivalente em hectares de terras ecologicamente produtivas
permite expressar o tanto da produção da natureza que está sendo aproveitado pelos humanos”.
E, por isto, os tão conhecidos Wackernagel e Rees se concentraram em cinco categorias para
elaboração dos cálculos, quais sejam:

• alimentação
• habitação
• transporte
• bens de consumo
• serviço

Para cada uma dessas categorias, estima-se a área que é fulcral para a produção de recursos
consumidos, bem como é estimada a absorção dos resíduos gerados por uma determinada população.
Pode ser dividida cada uma destas categorias de consumo em pequenas partes, a depender das
informações que estão dadas, bem como da precisão e exatidão do cálculo que é esperado, os quais
estão à mercê dos objetivos específicos de cada enfoque de trabalho (GONZÁLEZ; RINCÓN, 2012).

Com o objetivo de determinar a área de terra necessária para cada categoria, os pesquisadores
Wackernagel e Rees consideraram os tipos de solo a seguir:

Quadro 5 – Tipos de solo e atividades econômicas

Tipo de solo Destino econômico

Área das plantações Agricultura

Área de pastos Alimentação do gado

Área de florestas naturais ou replantadas

Extensão de mar produtivo Áreas marinhas produtivas

Pág. 42 de 85
Área de território urbanizado Área urbana ou ocupada por infraestrutura

Área de absorção de CO2 e de resíduos Terrenos necessários para a absorção de CO2


urbanos produzido pelo consumo de combustíveis fósseis
e material degradado gerado pela produção e
consumo de bens e serviços

Fonte: adaptado de González e Rincón (2012)

Segundo González e Rincón (2012), quando a abordagem geral do cálculo da PE é levada em


consideração, nas interpretações dos resultados devem ser também consideradas as hipóteses
em que se desenvolveu o indicador, a exemplo da lista a seguir:

• É possível contabilizar grande parte dos bens consumidos e dos resíduos.


• Os fluxos de recursos e resíduos podem ser transformados em área biologicamente produtiva
necessária para manter esses fluxos.
• Os diferentes tipos de áreas biologicamente produtivas podem ser expressos na mesma unidade,
uma vez que foram normalizados de acordo com sua produtividade. Ou seja, cada hectare de
lavouras, pastagens etc. pode ser expresso na forma de um hectare com produtividade igual
à média global.
• Desde que as áreas tenham usos mutuamente exclusivos e que cada hectare padrão represente
a mesma produtividade, essas áreas podem ser agregadas. O total obtido mostra a demanda
total.
• A área requerida pela população total pode ser comparada com a oferta de serviços ecológicos
da natureza, que também pode ser expressa em unidades-padrão de produtividade.
• A PE inclui apenas a área ecologicamente produtiva para uso humano, excluindo desertos,
geleiras permanentes e florestas protegidas. Portanto, considera-se a área terrestre e a marinha
que suportam a atividade fotossintética e a biomassa utilizada pelos humanos. Excluem-se
as áreas não produtivas e as áreas marginais com vegetação distribuída uniformemente.
• O método da PE pressupõe que as práticas agrícolas, florestais e da pecuária em grande
escala são sustentáveis e, portanto, considera que a produtividade do solo não diminui ao
longo do tempo.
• O cálculo da PE considera apenas os serviços básicos fornecidos pelo ambiente; o abastecimento
de energia proveniente de fontes renováveis e não renováveis, a absorção de resíduos, o suporte
ou terra necessária para viver etc.
• Esse cálculo tenta não contabilizar duas vezes a mesma área de terra se ela fornece dois ou
mais serviços simultaneamente (GONZÁLES; RINCÓN, 2012).

Pág. 43 de 85
A despeito de seu nascimento ser recente (década 1990), este indicador ganhou bastante espaço
não somente nas cadeiras científicas das academias, mas tomadores de decisão e consumidores
em geral. Muito embora isto seja um fato, é importante ressaltar que qualquer indicador possui
pontos mais fortes e outros mais fracos, sendo que a PE não seria diferente.

Pontos fortes e fracos da PE

O ponto forte da PE é levar em consideração quatro questões que são fundamentais, fortalecendo-a
como indicador de sustentabilidade:

• é um indicador forte de sustentabilidade real;


• é consistente com as leis da termodinâmica (na qual a primeira lei é a da conversão de massa,
e a segunda, conhecida como lei da entropia, onde todo sistema está destinado à desordem);
• reconhece o componente social da sustentabilidade;
• incorpora limites ecológicos às atividades humanas (CARBALLO et al., 2006 apud GONZÁLEZ;
RINCÓN, 2012).

Além de distinguir diferentes categorias de consumo e a da área apropriada, identificando com


isto os impactos de áreas distintas a fim de executar ações baseadas nas questões levantadas com
alto grau de clareza e simplicidade, a PE é um indicador que comunica bem os resultados, visto
que permite “definir e visualizar a dependência do homem do funcionamento dos ecossistemas”,
bem como “fazer cálculos para diferentes comunidades ou setores de uma mesma sociedade, com
estilos diferentes de vida, mostrando a desigualdade na apropriação e no uso dos ecossistemas.”
(GONZÁLEZ; RINCÓN, 2012, p. 111-112).

A desvantagem da PE é que exclui alguns itens que têm um impacto ecológico significativo
– por exemplo, consumo de água, de recursos naturais renováveis e não renováveis, bem como
alguns tipos de poluição. Ademais, fora outros aspectos negativos que os críticos apontam, no
contexto da PE, “[...] supõe-se que cada tipo de área tem um único uso, incluindo apenas a área
ecologicamente produtiva. Entretanto, a área improdutiva pode ser utilizada, direta ou indiretamente,
para uso humano” (GONZÁLEZ; RINCÓN, 2012, p. 112).

Contudo, a maior parte das críticas, segundo os defensores da PE, já foram levadas em consideração
e corrigidas, tal como a abordagem de questões que incluem o gás metano, bem como outros do
efeito estufa, ou ainda acerca da diferenciação entre o uso sustentável e insustentável da superfície
da Terra (GONZÁLEZ; RINCÓN, 2012).

Pág. 44 de 85
Atualmente, segundo ainda González e Rincón (2012, p. 113), a PE “[...] redireciona-se para
objetivos mais específicos e menos ambiciosos do que os primeiros”. Com isso, ela se concentra,
de modo exclusivo, “[...] na contabilidade do capital natural e na documentação da superexploração
ecológica”, sem com isto alterar “a essência do conceito e do método de cálculo”. Nas palavras dos
autores, “[...] a atual formulação do indicador se concentra no estudo da resiliência (capacidade de
recuperação da biosfera)”.

SAIBA MAIS

Por requerer longa discussão de como se proceder com o método de cálculo da PE em termos
matemáticos, optamos por não detalhar em nosso Caderno de Estudos, porém deixaremos a seguir
alguns links de artigos úteis que trabalham essa questão, tanto teoricamente quanto de modo
aplicado na prática, especialmente dentro do contexto da PE como indicador sustentável:

- A relação da pegada ecológica com o desenvolvimento sustentável/cálculo da Pegada Ecológica de


Toribaté. Disponível em: <www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/viewFile/15931/8991>.

- Síntese dos métodos de pegada ecológica e análise emergética para diagnóstico da


sustentabilidade de países. Disponível em: <www.unicamp.br/fea/ortega/extensao/Tese-LucasPereira.pdf>.

- A sustentabilidade ecológica do consumo em Minas Gerais: uma aplicação do método da pegada


ecológica. Disponível em: <www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-63512015000200421>.

Cálculo da PE
O cálculo da área por determinada população pode variar de acordo Figura 17 – Cálculo da PE
com o número itens que foram escolhidos, bem como se estão disponíveis
ou não para utilização de seus dados. De modo geral, Van Bellen e Andrade
(2012) resumem o cálculo da PE em quatro etapas:

1. Calcular a média anual de itens de consumo de dados agregados:


exemplo disto seria o consumo de energia e de alimentos, dividindo
o consumo total pelo tamanho da população.
2. Determinar ou estimar a área apropriada per capita para cada um
Fonte: Por thodonal/Istock
dos principais itens consumidos: deve-se dividir o consumo anual
per capita pela produtividade média anual.
3. Calcular a área da PE média por pessoa: deve-se somar as áreas
do ecossistema apropriadas por cada item de consumo de bens
ou serviços.
4. Calcular a área total apropriada: multiplica-se o resultado da etapa
anterior pelo tamanho da população.

Pág. 45 de 85
Quanto às concepções de Wackernagel e Rees, os itens de consumo poderiam ser definidos por
aqueles que fossem os responsáveis por calcular a pegada ecológica. Com efeito, ainda hoje cabe
aos pesquisadores em torno da questão “[...] escolher aqueles com maior demanda, isto é, os que
exercem maior pressão sobre o meio ambiente, e aqueles que possuem disponibilidade de dados
suficientes para realização dos cálculos” (VAN BELLEN; ANDRADE, 2012, p. 478).

O cálculo, com efeito, para a transformação do montante consumido de cada item possui sua
variação de acordo com o tipo de item elencado. Pode-se usar, dentro do modelo PE de Wackernagel
e Rees, a sequência geral como etapas de cálculo, conforme nos informam Van Bellen e Andrade
(2012, p. 478):

O que vem ao encontro à PE de determinado sistema é a capacidade bioprodutiva, ou seja,


a área que é suficientemente fértil para a plantação de florestas ou que possui capacidade para
agricultura – áreas que, portanto, provêm os recursos naturais que sejam úteis aos seres humanos
em termos econômicos.

Quando se considera a superfície da Terra, de aproximadamente 51 bilhões de hectares,


apenas 11,2 bilhões são áreas bioprodutivas, das quais 8,8 bilhões são áreas de terra
e 2,3 bilhões são áreas marítimas. As áreas de terras abrangem aquelas utilizáveis
para atender a produção econômica, bem como aquelas áreas naturais, sem valor
econômico aparente, mas necessárias ao equilíbrio vital do planeta. (VAN BELLEN;
ANDRADE, 2012, p. 478).

Deste modo, baseando-se em literaturas diversificadas, bem como na própria fonte do conceito
de terra, temos:

1. PE, Wackernagel e Rees, Van Bellen e Andrade (2012) nos trazem o agrupamento em cinco
territórios básicos que são territórios de disponibilidade limitada: áreas não contabilizadas
no cálculo da PE. Elas são consideradas terras que estão destinadas à preservação e
conservação ambiental ou ainda dispõem de recursos não destinados à extração. São os
dois tipos:

Pág. 46 de 85
b) Áreas de biodiversidade (florestas virgens).
c) Áreas não produtivas (desertos, geleiras, rios, lagos, montanhas etc.)
2. Territórios construídos: são áreas com ambientes construídos para habitação, comércio,
indústria, infraestrutura e jardins. O consumo de terras é concomitante com a perda de
território bioprodutivo.
3. Territórios de energia: áreas que correspondem ao montante de área necessária para
a absorção de CO2 emitido pelo consumo de energia fóssil. O conceito é flexível para
abranger áreas de terra que são utilizadas para a geração de energia por hidroelétricas ou
por biocombustíveis.
4. Territórios terrestres bioprodutivos: terras cultiváveis para agricultura, áreas de pastagem,
florestas para corte de madeira etc.
5. Áreas marítimas bioprodutivas: na costa marítima existe maior bioprodutividade, uma vez
que é ali que há pesca comercial mais intensiva.

Os tipos de áreas bioprodutivas na Terra são divididos como vemos na tabela:

Tabela 2 – Distribuição de áreas bioprodutivas

Área bioprodutiva Porcentagem de disponibilidade

Marítima 21%

Pastagem 31%

Construída 3%

Cultivo 13%

Floresta e território de energia 32%

Fonte: Van Bellen e Andrade (2012)

Em função do montante consumido de cada item por determinado sistema, bem como o tamanho
da PE resultante, as áreas apresentarão tamanhos diferentes (VAN BELLEN; ANDRADE, 2012).

Destarte, os diversos tipos de terras “[...] apresentam capacidade bioprodutiva variada em função
da região onde estão situados, em virtude das diferentes condições climáticas e geológicas e das
tecnologias de produção utilizadas.” Com efeito, a “[...] biocapacidade total de uma região se dá pela
soma de todas as suas áreas bioprodutivas” (VAN BELLEN; ANDRADE, 2012, p. 480).

Pág. 47 de 85
Só se pode revelar a quantidade que o consumo antrópico exige dos recursos naturais por meio
da comparação da PE com uma região específica, bem como com a biocapacidade presente no
local, demonstrando, com isso, a extensão em que o meio ambiente natural é utilizado. É assim,
portanto, que se determina o saldo ecológico, segundo a fórmula que também foi estipulada pelos
criadores da PE, Wackernagel e Rees, como nos informam Van Bellen e Andrade (2012, p. 480):

Saldo ecológico (ha) = Pegada ecológica (ha) – Biocapacidade (ha)

Assim, quando ocorre da PE ser maior que a biocapacidade, haverá, portanto, um déficit ecológico
no local. Se o caso for o oposto, onde a biocapacidade é maior que a PE, então haverá uma reserva
ecológica onde os recursos não são utilizados além da biocapacidade de renová-los.

Barômetro de sustentabilidade como ferramenta de


medição do desenvolvimento sustentável
Desenvolvido por pesquisadores do Canadá (International Union for Conservation of Nature
- IUCN) e International Development Research Centre - IDRC), o barômetro de sustentabilidade é
uma ferramenta para avaliação de sustentabilidade que, por meio do levantamento de conjunto de
indicadores integrados, objetiva proceder com a análise dos padrões de interação das pessoas e
do meio ambiente através de informações no que concerne à qualidade de vida, bem como à taxa
de progresso de uma sociedade rumo ao desenvolvimento sustentável (VAN BELLEN, 2006).

O barômetro de sustentabilidade, segundo Van Bellen (2006, p. 145) avalia “[...] o progresso
em direção à sustentabilidade pela integração de indicadores biofísicos e de saúde animal”.
O desenvolvimento do bem-estar humano é medido pelo sistema, bem como o bem-estar do
ecossistemas, o qual constrói uma espécie de classificação que nivela os pontos em torno da
sustentabilidade.

Van Bellen (2006, p. 144) nos confere mais detalhes:

O barometer of sustainability é uma ferramenta para a combinação de indicadores


e mostra seus resultados por meio de índices. Os índices são apresentados com
uma representação gráfica, facilitando a compreensão e dando um quadro geral do
estado do meio ambiente e da sociedade. Assim, pode-se apresentar a dimensão
principal de cada índice para realçar aspectos de performance que mereçam mais
atenção, sendo adequada também para comparações entre diferentes avaliações.

Pág. 48 de 85
Cada indicador, portanto, emitiria um sinal. Destarte, quanto mais indicadores forem utilizados
pela ferramenta, melhor será a observação da medição. Um indicador de modo isolado “[...] não
oferece um retrato da situação como um todo e apenas pela combinação dos indicadores é possível
se obter uma visão geral do estado da sociedade e do meio ambiente.” (VAN BELLEN, 2006, p.144-145).

Os indicadores podem ser combinados de dois modos:

1. Pela conversão para uma mesma escala;


a) Desvantagem: distorção, perda de informações e a dificuldade de converter certos
aspectos de sustentabilidade em medidas exclusivamente quantitativas.
2. Utilizando escalas de performance.
b) Vantagem: trabalha com a distância entre valores, ou seja, trabalha com intervalos entre
padrões definidos.

Os elementos que são considerados fundamentais pelos desenvolvedores da ferramenta


(Prescott-Allen) são basicamente três:

1. igualdade de tratamento entre as pessoas e os ecossistemas;


2. escala de cinco setores;
3. facilidade de utilização.
Figura 18 - Apresentação do resultado do barômetro da sustentabilidade (BS)

Fonte: IUCN (2001, p. 23).

Pág. 49 de 85
A escala segue a numeração com sua cor respectiva: “bom” (verde) vai de 81 a 100; “razoável”
(azul) de 61 a 80; “médio” (amarelo), de 41 a 60; “pobre” (rosa) de 21 a 40 e o “ruim” (vermelho) de
1 a 20. Tal divisão “[...] permite ao usuário controlá-la pela definição de um ou mais setores”, sendo
que a escala “[...] deve ser ajustada para cada um dos indicadores e isto envolve definir o melhor e
o pior valor para os indicadores dados” (VAN BELLEN, 2006, p. 146).

Basicamente, a avaliação segue um ciclo de seis estágios, partindo preferencialmente de uma


visão geral da sustentabilidade a fim de alcançar os seus principais indicadores. Os estágios
elencados são:

• definir o sistema e as metas;


• identificar questões e objetivos;
• escolher os indicadores e critérios de performance, onde indicadores são aspectos mensuráveis
e representativos de uma questão e os critérios de performance são os padrões alcançáveis
e desejáveis para cada um dos indicadores.
• medição e organização dos indicadores;
• combinação dos indicadores, uma vez que devem combinar dentro de uma hierarquia do
sistema e de cada um dos eixos separadamente.
• alocação, organização e revisão dos resultados (VAN BELLEN, 2006).

SAIBA MAIS

Veja este interessante artigo, que trata da questão da aplicação da ferramenta na Região Sul do
Brasil:

- Barômetro de sustentabilidade estadual: uma aplicação na Região Sul do Brasil. Disponível em:
<periodicos.feevale.br/seer/index.php/revistagestaoedesenvolvimento/article/view/37>.

Veja também:

- Indicadores de sustentabilidade: proposta de um barômetro de sustentabilidade estadual. Disponível


em: <abes-dn.org.br/publicacoes/rbciamb/PDFs/30-07_Materia_4_artigos376.pdf>.

- Barômetro da sustentabilidade, painel de sustentabilidade e pegada ecológica: a abordagem da


gestão de resíduos sólidos na avaliação da sustentabilidade. Disponível em: <www.infohab.org.br/
entac2014/2012/docs/0994.pdf>.

Pág. 50 de 85
Comparação das ferramentas
Figura 19 – Comparação

Fonte: Por gpointstudio/Istock

Baseando-nos no que vimos no tópico acerca da ponderação dos indicadores, onde trabalhamos
a questão dos sistemas top-down e bottom-up, a seguir Hans Van Bellen (2006) analisa, dentro
desta perspectiva, qual ferramenta está mais próxima a quê.

A ecological footprint method (ou pegada ecológica) está dentro de uma abordagem top-down,
em função de conter as características a seguir listadas pelo autor:

• Dados primários determinam a sustentabilidade sem interferência dos atores sociais.


• Especialistas determinam os coeficientes de conversão de matéria e energia em área apropriada.

A ferramenta pegada ecológica possui maior complexidade do que as demais (portanto


complexidade elevada), sendo que a sustentabilidade aqui está mais relacionada com fluxos de
matéria e energia de um sistema. Alguns cálculos estão associados com produtividade ecológica
e consumo. Acerca dos sistemas de auxílio, há um grande número de sistemas informatizados que
auxiliam na realização dos cálculos associados (VAN BELLEN, 2006).

Já o dashboard of sustainability tem uma abordagem considerada mista, uma vez que apresenta
as características a seguir:

• Índice fornecido pelo método.


• Subíndice e indicadores sugeridos pelo método.
• Os pesos dos indicadores podem ser determinados pelos atores e especialistas.
• O sistema não prevê um método de participação dos atores sociais na seleção dos indicadores.

Pág. 51 de 85
Possui complexidade mediana, sendo que a sustentabilidade aqui está relacionada com os índices
e indicadores. Os cálculos estão associados a abordagens de: média aritmética e ponderadas, bem
como à interpolação não linear (VAN BELLEN, 2006).

Por fim, no barometer of sustainability podemos ver as seguintes características que o aproximam
de uma abordagem também de aspecto misto, porém mais próximo ainda do bottom-up do que o
dashboard of sustainability, que seguem:

• Índices e subíndices fornecidos pelo método.


• Indicadores e subindicadores sugeridos pelo método.
• Os pesos dos indicadores podem ser determinados pelos atores e especialistas.
• O sistema prevê um modelo para seleção dos indicadores considerando especialistas e atores
sociais.

Também apresenta uma complexidade mediana, relacionando a sustentabilidade tal como o


dashboard of sustainability, de igual modo aos índices e indicadores. Os cálculos são semelhantes
a esta última ferramenta, sendo que, diferentemente do dashboard, o barômetro possui sistemas
de auxílios adicionais, como o uso computacional específico para aplicação e desenvolvimento da
ferramenta (VAN BELLEN, 2006).

Por fim, para uma visualização ainda da classificação das ferramentas quanto à interface sob
o aspecto de suas vantagens e desvantagens, vejamos o Quadro 6:

Quadro 6 – Classificação das ferramentas quanto à interface – potencial educativo

MÉTODO PONTOS FORTES PONTOS FRACOS

Ecological Destaca a dependência do meio Utiliza apenas uma dimensão


footprint ambiente natural
method Cálculos complexos
Resultado impactante – área apropriada
Pouca influência sobre os
Influência maior sobre a sociedade civil tomadores de decisão

Dashboard of Utiliza no mínimo três dimensões Excesso de dimensões mascara a


sustainability dependência dos recursos naturais
Representação visual
Impacto menos sobre o público-
Influência maior sobre os tomadores de alvo
decisão

Pág. 52 de 85
Barometer of Revela a dependência do meio ambiente Impacto menor sobre o público-
sustainability natural alvo

Utiliza duas dimensões

Representação visual

Influência maior sobre os tomadores de


decisão

Fonte: Van Bellen (2006, p. 188).

NBR ISO 37.120/2017


A norma Figura 20 – Cidade sustentável

A fim de medir a sustentabilidade das cidades, a nova NBR ISO


37120:2017, primeira Norma Internacional ISO para indicadores de
cidades, utiliza-se de diversos indicadores de sustentabilidade,
especialmente os que se voltam para (I) educação, (II) economia, (III)
energia, (IV) saúde, (V) resíduos, (VI) transportes, (VII) segurança,
(VIII) água, (IX) taxa de desemprego, (X) emissões de GEE (gases de
efeito estufa) etc. Fonte: Por SceneNature/Istock
A CEE 268 (Comissão de Estudos Especial) de Desenvolvimento Sustentável em Comunidades,
sob coordenação do prof. Alex Abiko, foi responsável pela tradução da Norma ISO 37120:2014
Sustainable Development of Communities – Indicators for City Services and Quality of Life, a qual,
segundo Jucon (2018, p. 18), ajuda “[...] os gestores municipais a tratarem a questão sob a visão
tripartite do social, econômico e ambiental”.

Deriva-se também dessa norma a NBR ISO 37100 e NBR ISO 37101, que são de vocabulário e
sistema de gestão para desenvolvimento sustentável, respectivamente, sendo que o emprego da
norma é multidisciplinar, como praticamente tudo no setor ambiental, a qual, segundo ela própria pode
contribuir com gestores municipais, políticos, pesquisadores, empresários, urbanistas, designers,
engenheiros civis e ambientais, dentre muitos outros.

ACONTECEU

Leia esta notícia: ABNT publica primeira Norma Técnica para Cidades Sustentáveis. O regulamento
estabelece indicadores que possibilitam a medição do desenvolvimento sustentável. Para acessá-la,
basta ir à página disponível em: <jornal.usp.br/atualidades/abnt-publica-primeira-norma-tecnica-para-cidades-
sustentaveis/>. Ali há também uma entrevista com o prof. Alex Abiko de aproximadamente 15 minutos.

Pág. 53 de 85
Aplicação prática
Figura 21 – Aplicação de norma em cidades

Fonte: Por sompong_tom/Istock

A despeito das mais de 500 cidades paulistas participantes do programa Município Verde Azul,
que estão empregando alguns dos indicadores de sustentabilidade presentes na norma, a cidade
de Sorocaba foi escolhida para a simulação de aplicação dos indicadores da NBR ISO 37120:2017.

Visando aplicação prática da norma, a qual possui os indicadores que podem ajudar as cidades
a avaliar seu desempenho e medir o progresso ambiental, segundo a pesquisadora Iara Negreiros da
Escola Politécnica da USP, a escolha do município de Sorocaba se deu por três fatores principais: é
um município de grande porte, com vários indicadores já publicados em outras plataformas e está
próximo à cidade de São Paulo (JUCON, 2018).

Nesta pesquisa, Iara Negreiros levantou a maioria dos indicadores presentes na norma, a qual
totaliza 100 indicadores de sustentabilidade. Desses 100 indicadores, para ela, 46 são essenciais
e 54 servem de apoio, sendo 39 deles indicadores de perfil simples e factíveis. Deles, em torno de
30% são mensurados e disponibilizados por outras instituições como o IBGE (Instituto Brasileiro
de Geografia e Estatística), SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento), Cetesb
(Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) etc. (JUCON, 2018).

Baseando-se na experiência de Sorocaba e os benefícios socioambientais que a norma técnica


pode oferecer, a pesquisadora comenta em uma nota da ótima revista do setor ambiental Revista
Meio Ambiente Industrial (RMAI) que “[...] a própria NBR ISO 37120:2017 cita que cidades necessitam
de indicadores para medir seu desempenho. Porém, os indicadores existentes geralmente não são
padronizados, consistentes e comparáveis no tempo ou entre cidades” (JUCON, 2018, p. 21).

Ademais, segundo a pesquisadora:

Pág. 54 de 85
Os indicadores incluídos na NBR ISO 37120 poderão ajudar as cidades a avaliar o
seu progresso gradativamente, com o objetivo final de melhorar a qualidade de vida
e a sustentabilidade. A abordagem da norma permitirá que as cidades compararem
perfeitamente onde estão em relação a outras cidades. Esta informação pode, por
sua vez, ser usada para identificar as melhores práticas para o aprendizado de uma
cidade com outra. A NBR ISO 37120 é aplicável a qualquer cidade, municipalidade
ou governo local que intencione medir seu desempenho de uma forma comparável
e verificável, independentemente do tamanho e localização. (JUCON, 2018, p. 21-22).

A aplicação dos indicadores da norma dá também oportunidade aos cidadãos e comunidade em


geral, pontuar seus próprios indicadores os quais podem se apresentar melhor ou pior que outras
localidades, quando comparados, a fim de que sejam priorizadas ações que visem uma sociedade
com valores sustentáveis (JUCON, 2018).

Há muitos indicadores da Norma que apontam para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável


(ODS) da ONU, também conhecida como Agenda 2030 da ONU. Com efeito, a “[...] busca para
a melhoria contínua de vários indicadores deveria fazer parte do planejamento financeiro dos
municípios”, priorizando recursos “[...] no sentido de reduzir a mortalidade infantil e o número de
mortes no trânsito, ou por desastres naturais, por exemplo” (JUCON, 2018, p. 22).

Infelizmente ainda não há um processo de Certificação pela NBR ISO 37120:2017 no Brasil,
diferentemente de tal como ocorre em cidades desenvolvidas como Toronto (Canadá), Barcelona
(Espanha) e Londres (Inglaterra), que possuem resultados detalhados e bem definidos para cada
um dos indicadores. Contudo, pode ser uma questão de tempo para que ocorra a normalização da
norma à realidade brasileira, sendo este o trabalho do Comitê Técnico da Comissão ABNT/CEE-268.
(JUCON, 2018).

APLICAÇÃO PRÁTICA DOS INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE


A implementação de indicadores de Figura 22 – Indicadores
e sustentabilidade
sustentabilidade e suas etapas
É possível identificar alguma dificuldade no levantamento
de referencial teórico no que consiste à estruturação de um
sistema de indicadores, uma vez também que os objetivos e
metas variam de acordo com o objetivo do programa, plano
ou projeto que está fazendo uso dos mesmos (TEIXEIRA et
al., 2012).

Fonte: Por SergeyNivens/Istock

Pág. 55 de 85
Neste contexto, ressalta Teixeira et al. (2012) que existem algumas características importantes
que precisam ser levadas em consideração para os indicadores, quais sejam:

• Relevância
• Facilidade de compreensão
• Acessibilidade e confiabilidade: mensuráveis e capazes de refletir as tendências fundamentais
da saúde cultural, econômica e ambiental a longo prazo.

Há o bom exemplo da cidade da cidade de Seattle, do condado de King (Estados Unidos), o


que se tornou um referencial no ano de 1997 para comunidades diversas que se interessavam na
implementação de um processo de construção coletiva de indicadores de sustentabilidade.

Na pesquisa para a construção destes indicadores, segundo Teixeira et al. (2012), diversos
indicadores foram selecionados – lazer, cultura, saúde, educação, economia, transporte, natureza,
ambiente social, população e participação da comunidade etc. –, sendo que tais critérios (lembrando
que este termo é sinônimo de indicador) deveriam atender aos requisitos a seguir:

• Refletir as tendências fundamentais de saúde cultural, econômica e ambiental há uma ou


duas décadas, preferencialmente.
• Ser atraentes para a mídia local.
• Ser compreensíveis para as pessoas comuns.

Deste modo, ainda de acordo com Teixeira et al. (2012, p. 164), tal método resultante aponta
para dez etapas básicas – que receberam o nome de passos ou steps – a fim de implementar um
processo de construção coletiva de indicadores de sustentabilidade, a saber:

• Passo 1: Formar um grupo de trabalho.


• Passo 2: Esclarecer a proposta.
• Passo 3: Identificar os valores e as visões compartilhados pela comunidade.
• Passo 4: Revisar modelo, indicadores e informações existentes.
• Passo 5: Esboçar um conjunto de indicadores propostos.
• Passo 6: Organizar um processo de seleção participativo.
• Passo 7: Fazer uma revisão técnica.
• Passo 8: Pesquisa as informações.
• Passo 9: Publicar e promover o relatório.
• Passo 10: Atualizar o relatório regularmente.

Pág. 56 de 85
Cidades que se utilizam de indicadores de sustentabilidade como referência
Para a cidade de Barcelona (Espanha), foi criado em 1997 Figura 23 – Cidade sustentável
um sistema municipal de indicadores de sustentabilidade a
fim de planejar e avaliar os avanços nesta área, denomina
Xarxa de Ciutats i Pobles cap a la Sostenibilitat (TEIXEIRA
et al., 2012). O referencial teórico de tal experiência acerca
dos indicadores, segundo Teixeira et al. (2012), toma como
base alguns critérios de sustentabilidade propostos pela
Xarxa, a saber:
• Utilização eficiente dos recursos ecológicos
Fonte: Petmal/Istock
• Não superação da capacidade de carga do meio
• Valorização e proteção da biodiversidade
• Utilização de recursos próprios
• Diversidade funcional da cidade
• Contribuição à sustentabilidade global
• Implicação social no processo de sustentabilidade

Já no Brasil, a experiência que é destacada por Teixeira et al. (2012 é a do Índice de Qualidade
de Vida Urbana (IQVU) no município de Belo Horizonte (BH), no qual, frente às necessidades de se
“[...] conhecer melhor as disparidades intraurbanas do município, a fim de direcionar o investimento
dos recursos públicos na cidade”, fora proposta a estruturação de um “[...] sistema de indicadores
municipais que pudessem dimensionar a sua qualidade de vida urbana em ambiental” (TEIXEIRA
et al., 2012, p. 165).

Foi calculado pela primeira vez no ano de 1996 o IQVU de BH, apresentando um total de 75
indicadores que objetivavam o dimensionamento quanti e qualitativo do que havia disponível de
equipamentos e serviços locais, provenientes de segmentos diversos, quais sejam: cultura, educação,
esportes, habitação, segurança, serviços urbanos, abastecimento, assistência social, meio ambiente
e saúde (TEIXEIRA et al., 2012).

Indicadores de sustentabilidade da cidade de Ribeirão Pires

A seguir poderemos ver um quadro que apresenta alguns indicadores que foram utilizados pelo
Conselho da Cidade de Ribeiro Pires (São Paulo). Eles nos são interessantes por serem bastante
abrangentes, visto que se trata daquilo que estamos buscando: modelos que funcionam, a fim de
focar em sua replicação.

Pág. 57 de 85
Ou seja, com base nos indicadores a seguir, podemos então aplicá-los não somente em casos
de gestão municipal, mas para todas outras aplicações cujo grau de interesse corresponda a
fazer uso de indicadores que representam uma realidade. Por exemplo, ao nos depararmos com o
indicador praça por habitante, em termos organizacionais, é possível conceber a possibilidade de
destinar um espaço paisagístico para que os colaboradores possam sentir-se melhor acolhidos
com um local belo.

Isto gera diversas sensações para a motivação humana, tais como: fazer parte intrínseca do
local, gerando um sentimento domiciliar; zelo com a não depredação e destinação incorreta de
resíduos individuais (plásticos de bala, bitucas de cigarro etc.). Contudo, de qualquer modo, há
muitos cursistas que trabalham na esfera pública, destarte haverá maior utilidade ainda o Quadro
6 a seguir, o qual é enriquecido com os comentários e sugestões dos pesquisadores:

Pág. 58 de 85
Quadro 7 – Indicadores, sugestões e comentários propostos pelo Conselho da Cidade de Ribeirão Pires

Dimensão Indicador Comentários/sugestões

Ambiental 1. Atendimento dos serviços de Sugestão de inclusão de


abastecimento regularidade e qualidade do
atendimento (rodízio, perdas na
rede)

2. Atendimento dos serviços de Verificar eficiência do sistema


coleta e tratamento de esgotos de tratamento (qualidade da
água tratada, % de tratamento)

3. Coleta e disposição População atendida, forma de


adequada de resíduos disposição, reciclagem e coleta
seletiva

4. Drenagem de águas pluviais Número de pontos de


alagamento, população
atingida diretamente, valoração
dos danos, frequência, uso e
ocupação do solo

5. Presença de garças nos rios Gerou controvérsias: seria um


da cidade indicador de má qualidade da
água ou indicaria um problema
ecológico, de falta de habitat/
alimento? Qual seria um bom
bioindicador?

6. Variedade de fauna e da flora Medir se há variedade de


espécies

Social 7. Metro quadrados de parque Há padrão da Organização


por habitante Mundial da Saúde (OMS)

8. Número de praças por Talvez possa ser englobado


habitante pelo indicador anterior

9. Oportunidades para Questões de acessibilidade da


atividade de lazer população

10. Número de especialidades Há padrão da OMS


médicas

11. Frequência de atendimento Indicador qualitativo


médico satisfatório interessante

Pág. 59 de 85
Dimensão Indicador Comentários/sugestões

Social 12. Número de equipamentos e Verificar se a população está


centros de saúde sendo atendida e utilizando
esses equipamentos

13. Tempo de demora no Indicador de qualidade


agendamento e atendimento
médico

14. Número de leitos ou centros Há padrão da OMS


de saúde por habitante

15. Número de atendimentos Sustentabilidade territorial,


no município e por bairro verificar se o programa é
(programas de agentes adequado
comunitários da saúde)

16. Informação nutricional das Qualidade da merenda escolar


escolas

17. Investimento na atualização Investimento por professor,


de professores horas de treinamento, número
de cursos oferecidos

18. Tempo de carreira do Questão relevante ou não?


funcionário

19. Oferta de cursos Acessibilidade, diversidade de


profissionalizantes cursos

20. Demanda da população Incluir ensino fundamental e


infantil sobre a oferta de vagas médio, por região

21. Índice de mortalidade por Relação violência, conservação


acidente de trânsito de estradas, sinalização,
alcoolismo

22. Índice de mortalidade por Vulnerabilidade juvenil,


homicídio educação

23. Índice de mortalidade por Relação com programas de


doenças contagiosas saúde

24. Índice de mortalidade por Impacto na qualidade de vida


faixa etária conforme faixa etária

Pág. 60 de 85
Dimensão Indicador Comentários/sugestões

Social 25. Índice de mortalidade por Sustentabilidade territorial


região da cidade

26. Número de organizações da Medir pelo número de projetos


sociedade civil desenvolvidos

27. Número de projetos Incluir população atingida


desenvolvidos (pelas pelos projetos
organizações da sociedade
civil)

28. Divulgação das ações Quantas pessoas participam


do Conselho da Cidade à das reuniões
população

29. Frequência de visitação e Quais espaços públicos


utilização do espaço público

Econômico 30. Número de emprego e Quem efetivamente ocupa os


salário médio dos empregados cargos?
por setor

31. Arrecadação de impostos e Relacionar a investimento


produção por setor público

32. Número de empresas por Desemprego


setor

33. Número de migrações do Relacionar com renda da


trabalho formal para o informal população

Fonte: Coutinho e Malheiros (2012, p. 201 e 205).

No que concerne aos serviços de abastecimento de água, coleta e tratamento de esgotos, bem
como coleta de resíduos, no futuro eles tendem a ser universalizados, restando, neste contexto,
questões fulcrais que poderão, segundo Coutinho e Malheiros (2012, p. 207) “[...] responder melhor
sobre a qualidade desses serviços, tais como a regularidade e qualidade do atendimento no
abastecimento de água, as perdas na rede, a qualidade de água tratada” (indicador este que
falaremos mais adiante, quando tratarmos do município de Jaboticabal), incluindo também a forma
de disposição de resíduos, coleta seletiva, reciclagem etc.

Os resultados obtidos a partir da análise do processo de construção dos indicadores


de desenvolvimento sustentável de Ribeirão Pires indicam que foi possível, por meio
de um processo participativo dos membros representativos da sociedade dentro do

Pág. 61 de 85
Conselho da Cidade, discutir as bases de um desenvolvimento sustentável para o
município dentro de uma visão de futuro, permitindo se chegar a resultados concretos
de construção por consenso de um conjunto de indicadores de desenvolvimento
sustentável. (COUTINHO; MALHEIROS, 2012, p. 210).

Indicadores de sustentabilidade e a cidade de Cubatão


Cubatão é uma cidade brasileira próxima a Santos, no Figura 24 – Poluição atmosférica
litoral sul de São Paulo (Região Metropolitana da Baixada
Santista), a qual é notoriamente conhecida como uma
cidade que possui um alto grau de poluição atmosférica.
Especialmente nos anos de 1970 e 1980, a cidade passou
a ser famosa internacionalmente sob o aspecto negativo
de ser uma das cidades mais poluídas do mundo “[...] em
virtude da grande quantidade de poluentes emitidos pelo
complexo industrial sídero-petroquímico ali instalado” Fonte: kamilpetran/Istock
(FERREIRA, PHILIPPI JÚNIOR, 2012, p. 223).
A degradação ambiental na cidade, assim como na grande maioria dos casos, foi o planejamento
inadequado, ou, mais especificamente, nenhum planejamento. Isto é um problema recorrente ao
meio ambiente e não é de hoje. A falta de qualquer estruturação culmina na desordem do sistema,
respeitando obedientemente a segunda lei da termodinâmica, que trata a respeito da entropia,
afirmando que tudo o que existe tende um estado completo de desorganização até o atingimento
da homogeneidade de temperatura, pressão e matéria em todos os locais físicos do universo.
Isso significa dizer que somente é possível se chegar a um sistema sustentável por meio da ação
(atitude) e planejamento (inteligência).

No ano de 1982, de acordo com dados da Cetesb, a emissão de material particulado era de 5.400
t/mês, sendo 4.100 t/mês correspondiam a emissões de fontes sem nenhum tipo de controle. Em
relação à contaminação do solo, a Cetesb estimou que mais de 1,5 milhão de toneladas de resíduos
sólidos foram dispostas inadequadamente, especialmente a céu aberto (FERREIRA; PHILIPPI
JÚNIOR, 2012).

Mas, além da poluição atmosférica e do solo, a poluição hídrica também foi bastante severa.
A instalação desordenada do polo industrial culminou também numa queda na qualidade dos
parâmetros salutares das águas, desde sua montante até a jusante. DBO (demanda bioquímica
de oxigênio), coliformes fecais e totais e nitrogênio amoniacal, em especial, foram parâmetros
que apresentaram piora; indicando, segundo Ferreira e Phillipi Júnior (2012, p. 231) “[...] poluição

Pág. 62 de 85
por esgotos sanitários e industriais existentes ao longo do curso final do rio, logo antes do último
ponto de amostragem”.

Deste modo, para Cubatão, os principais IDSs estão a seguir listados por Ferreira e Phillipi Júnior
(2012). Como de costume, eles servem não somente para esta cidade, mas para a aplicação a casos
semelhantes onde possam interessar:

• Geração de resíduos sólidos industriais em tonelada/ano


• Porcentagem de resíduos industriais perigosos sobre o total gerado
• Porcentagem de resíduos industriais destinados à reciclagem/reaproveitamento sobre o total
gerado
• Porcentagem da área contaminada sobre o total da área do município
• Porcentagem de perda de floresta primária sobre o total remanescente
• Total de florestas recuperadas
• Porcentagem de áreas protegidas sobre o total da área do município
• Porcentagem de coleta seletiva de lixo sobre o total de lixo coletado
• Gastos anuais com pesquisa e desenvolvimento (P&D)
• Porcentagem da população vivendo em áreas de invasões e favelas sobre o total da população
do município
• Porcentagem de áreas protegidas ocupadas por invasões e favelas em relação ao total da
área urbana
• Taxa de desemprego
• Relação escolaridade-desemprego
• Incidência de doenças relacionadas ao saneamento ambiental inadequado
• Porcentagem do gasto público com proteção do meio ambiente no total do orçamento do
município
• Existência de leis municipais específicas para proteção do meio ambiente
• Existência do Conselho Municipal do Meio Ambiente em atividade

Deste modo, a “[...] construção de indicadores de desenvolvimento sustentável para Cubatão,


com ampla participação da população nesse processo, é, portanto, fundamental para garantir que
haja melhoria das condições ambientais” (FERREIRA; PHILIPPI JÚNIOR, 2012, p. 257).

Por fim, Ferreira e Phillipi Júnior (2012) acerca da gestão, planejamento adequado e o uso de
indicadores de sustentabilidade, ressaltam:

Pág. 63 de 85
Alcançar o desenvolvimento sustentável de um município depende diretamente de
uma gestão ambiental pública eficiente e eficaz, que não pode prescindir da existência
de uma política ambiental que traga no seu contexto a visão holística e o tratamento
multidisciplinar das questões ambientais, com ampla participação e envolvimento
de toda a sociedade na sua elaboração e execução, desde a fase de planejamento
até a efetivação de ações concretas. A gestão deve, ainda, ser flexível, apresentando
possibilidade de revisão e readequação periódicas ante o dinamismo dos sistemas
natural e social, o que somente será possível caso haja monitoramento e avaliação
contínuos, por meio de indicadores adequados.

O uso aplicado dos indicadores de sustentabilidade:


uma visão estratégica ambiental
Estratégia e a formação de um sistema de indicadores Figura 25 – Estratégia ambiental
de sustentabilidade

Rabelo e Lima (2012, p. 402-403) entendem que trabalhar


com indicadores de sustentabilidade é também aplicar
estratégia ambiental, uma vez que, “[...] ao fazer a avaliação
de um projeto rumo ao desenvolvimento sustentável,
para se ter uma noção mais clara da relação sociedade-
natureza dentro do objeto estudado, é preciso conhecer
Fonte: Por Rawpixel/Istock
seu objetivo, sua missão” e valores. Isso inclui também,
quando houver, “[...] as interações formadas e os processos gerados, para produzir, então, o seu
grau de sustentabilidade”.

A estratégia ambiental está centrada na combinação, por um lado, do conhecimento


das pressões – impactos ambientais – que a comunidade gera no ecossistema e, por
outro, da obtenção de resultados socioeconômicos que assegurem a sobrevivência
dessa comunidade. O estudo de “contabilidade socioambiental” não é tão simples
sob o prisma da visão sistêmica, em que os impactos são gerados e revertidos para
os seus locais de origem. Essa intensidade da pressão da comunidade sobre os
ecossistemas também reflete nos resultados econômicos, principalmente em longo
prazo. Desse modo, quanto mais se impacta em curto prazo o ecossistema, menos
resultados econômicos, em longo prazo, se terá (RABELO; LIMA, 2012, p. 403).

Posto isto, a fim de englobar a questão estratégica ambiental, os pesquisadores seguiram oito
passos que deram base ao raciocínio de como formar um sistema de indicadores de sustentabilidade,
fulcral em nossos estudos, restando apenas a criatividade de adaptação por parte do cursista para
aquilo que se deparar em seu setor de atividade.

De modo bastante didático, os pesquisadores basearam esses oito passos também em diversos
documentos internacionais, tais como o Comission on Sustainable Development do Internacional

Pág. 64 de 85
Institute for Susteinable Development, bem como da obra de Hans Michael Van Bellen (a qual fizemos
bom uso de modo direto em nossos estudos também).

Vejamos o Quadro 8 a seguir como resultado da sequência metodológica de indicadores de


sustentabilidade (SMIS):

Quadro 8 – Passos de como formar um sistema de indicadores de sustentabilidade

Passo 1 Definição e caracterização do objeto de estudo

Passo 2 Contextualização da relação Identificação dos fatores específicos


sociedade-natureza necessários para a promoção do
desenvolvimento sustentável da atividade ou
comunidade em questão, a partir de entrevistas
com especialistas e atores envolvidos
(empresários, produtores, empregados,
moradores etc.) e ampla revisão bibliográfica.

Esta fase tem por objetivo evitar a seleção de


indicadores de baixa relevância e a omissão de
indicadores importantes que pudessem levar à
subestimação dos resultados.

Passo 3 Definição dos indicadores de (1) possibilidade de obtenção;


sustentabilidade para o estudo a partir
dos critérios: (2) confiabilidade das informações;

(3) possibilidade de quantificação;

(4) baixa complexidade;

(5) reconhecimento científico; de tal


forma que se aproximem o máximo
possível da realidade local.

Ressalta-se que, por envolver uma análise de uma atividade específica ou pequena
comunidade, o sistema de indicadores em foco foi formado a partir de dados
primários.

Passo 4  Classificação dos indicadores selecionados segundo o escopo – social,


econômico, ambiental e institucional –, o porte e a situação em que se encontrava
o projeto.

Pág. 65 de 85
Passo 5 Elaboração e aplicação de um pré-questionário para coleta dos dados que
permitiram a identificação dos indicadores.

Os pesquisadores atribuíram escores às respostas do questionário para tomar


a mensuração possível. A aplicação do pré-questionário também apoiou a
identificação de novos itens relevantes ao estudo ou à exclusão de outros,
conforme realidade observada na comunidade.

Passo 6 Elaboração e aplicação do questionário final.

No questionário, além dos aspectos à análise da sustentabilidade, haviam


formulações que permitiram analisar qualitativamente o nível de desenvolvimento
sustentável existente no objeto de estudo.

Passo 7  Cálculo de índice de sustentabilidade e conhecimento do seu grau de


sustentabilidade para possibilitar a geração de um cenário que inclua os impactos
gerados sobre e para o subsistema meio ambiente humano, isto é, conhecimento
dos limites do desenvolvimento sustentável.

Passo 8  Sugestões de “opções respostas” que pudessem permitir a busca da


sustentabilidade.

Fonte: Rabelo e Lima (2012, p. 403-404).

Por fim, Rabelo e Lima (2012, p. 404) ressaltam acerca dos passos elencados que “[...] caberá
aos grupos que estejam desenvolvendo indicadores para as suas realidades empreender esforços
nas adaptações necessárias, conforme a necessidade e o projeto avaliado”, uma vez também que
“[...] dependerão do porte e da situação na qual se encontra o projeto.” Ademais, tais adaptações
servem para que os indicadores cumpram de fato seus reais objetivos, que consistem em “[...]
registrar o mais próximo da realidade descrita.”

Pág. 66 de 85
Projeto Jaboticabal Sustentável (PJS)
Há também o Projeto Jaboticabal Sustentável (PJS), Figura 26 – Estratégia ambiental
que integrou vários princípios de sustentabilidade. É
uma cidade classificada no Grupo 1 do Índice Paulista
de Responsabilidade Social (IPRS), possuindo alto grau
de riqueza, alta ou média longevidade e alta ou média
escolaridade (TEIXEIRA et al., 2012).

O desenvolvimento do processo se deu em fases. Mas


em geral a estratégia adotada – o que nos é fulcral em
Fonte: anyaberkut/Istock
nossos estudos, uma vez que são amplas e passíveis de serem reproduzidas, sendo este nosso
foco é o motivo pelo qual estamos contemplando –, foi que houve, concomitantemente à geração
de conhecimento, também a formação de pessoas e intervenções diversas. Basicamente são as
três linhas estratégicas adotadas, de acordo com Teixeira et al. (2012):

1. Ação no município: por meio da parceria formada entre a PMJ, a UFSCar e outros agentes
locais.
2. Formação de pessoas: a partir de encontros periódicos, oficinas e seminários para a discussão
dos temas envolvidos com a sustentabilidade no município.
3. Produção de conhecimento: por meio de projeto e publicações desenvolvidos pelos alunos
da UFSCar e membro do grupo.

A viabilização dos meios da estratégia de pesquisa foi fundamental para que os objetivos
do projeto fossem alcançados – nas etapas tanto de intervenção quanto de pesquisa. Segundo
Teixeira et al. (2012, p. 169), no que concerne à interação com os atores locais, “[...] foram escolhidas
estratégias de participação e aprendizagem mútua como forma de manter uma relação aberta com
os participantes”. Isso se deu tanto em termos de “[...] horizontalidade de decisões e opiniões, como
da troca de conhecimentos e experiências”, afora uma série de eventos públicos para promover o
projeto.

Inicialmente, a centralidade do projeto estava na capacitação de técnicos do poder


público para formulação, implementação e avaliação de programas e projetos de
políticas públicas a partir de princípios e indicadores de sustentabilidade. (TEIXEIRA
et al. 2012, p. 169).

Neste contexto, a primeira fase do projeto se voltou para sensibilizar o poder público de sua real
importância no que concerne adotar a ideia do projeto para difusão legal à população, bem como a
própria sociedade civil foi envolvida. Tal capacitação se deu tanto por meio dos indivíduos voluntários

Pág. 67 de 85
da prefeitura quanto de técnicos de carreira. Estes participaram ativamente de reuniões que se
voltavam para a questão sustentável, bem como nos eventos de discussões gerais e treinamentos
específicos (TEIXEIRA et al., 2012).

A segunda fase se voltou para outra questão importante, que é o desenvolvimento de um processo
participativo, pois, é claro, não se pode fazer nada em favor do meio ambiente sem isto. A busca foi
então local, e não “global”. Não houve abordagens internacionais ou questões que precisariam de
uma mobilização nacional, mas sim o foco estava na garantir da participação dos agentes locais
de modo diversificado – o que também é importante, visto que, por nunca haver grande debate em
torno de questões políticas, isso interfere diretamente no aspecto sustentável.

Deste modo, segundo ainda Teixeira et al. (2012) (pesquisadores responsáveis pelo projeto),
acabou-se por definir duas estratégias que serviram o contexto basilar do projeto:

• Aumento do conhecimento local sobre sustentabilidade.


• Ampliação de parceiros e participantes no projeto.

Partindo disto, os pesquisadores implementaram diversas ações que fizeram com que
a operacionalização das estratégias adotadas fossem concretizadas, bem como o próprio
desenvolvimento do projeto. Deste modo, os “[...] esforços passaram a se concentrar na ampliação
das parcerias e na consolidação de um grupo de ação local, como forma de proporcionar o encontro,
a discussão e a mobilização da sociedade”. Para que tal participação ou formação de pessoas fosse
realizada, “[...] foram organizados seminários e oficinas para discussão de ideias e propostas do
projeto à comunidade local, visando à definição de conceitos e debates coletivos” (TEIXEIRA et al.,
2012, p. 170).

Aqui podemos aplicar o velho jargão popular: “faz assim que dá certo”. A ideia é esta neste tópico.
Apreender o que foi feito e efetivamente funcional, para que, como técnicos, gestores, engenheiros
ambientais e profissionais do setor ambiental, o apliquemos de igual modo, baseando-nos nas
etapas e estratégias adotadas pelos pesquisadores.

Pág. 68 de 85
Construindo indicadores de sustentabilidade: o exemplo prático de Jaboticabal
Ainda dentro desse projeto que visou a criação de Figura 27 – Centro de Jaboticabal
indicadores de sustentabilidade no município de Jaboticabal, os
autores relatam que todas as fases possibilitaram a construção
de indicadores de sustentabilidade. Tais etapas incluem desde
a realização de mostras e elaboração dos cadernos até a
sensibilização das entidades locais a fim de incorporar os
princípios sustentáveis (TEIXEIRA et al., 2012).

O levantamento dos indicadores se deu por meio de


Por Marco Aurélio/Wikimedia Commons
seminário, onde cada participante teve a oportunidade de
contribuir para indicar algum, a fim de gerar debate e a consequente seleção ou não do indicador
proposto. Isto se deu também por meio de auxílio de “[...] métodos de atribuição quantitativa de
valores para cada indicador” (TEIXEIRA et al., 2012, p. 171). Em um primeiro momento, por conta de
haver toda uma gama de informações, bem como profissionais envolvidos que conhecem acerca,
o primeiro indicador escolhido foi a água.

Assim sendo, Teixeira et al. (2012) resumem a realização do seminário nas seis etapas descritas
a seguir – claro, logo após a aplicação da metodologia que primeiramente permitiu uma discussão
coletiva, engajando diversos atores:

• Primeira etapa: Proposição de indicadores segundo quatro diferentes aspectos relacionados


com a água (uso urbano, uso rural, águas pluviais e função ecológica), considerando os que
pudessem representar problemas à comunidade e ao ambiente.
• Segunda etapa: definição dos critérios de escolha de indicadores e sua forma de avaliação.
• Terceira etapa: escolha dos indicadores propostos na primeira etapa segundo os critérios
estabelecidos (representatividade, comparabilidade, viabilidade de coleta de dados, preditividade,
clareza e síntese).
• Quarta etapa: adequação dos indicadores segundo as dimensões de sustentabilidade –
ambiental, social, econômica, política e cultural.
• Quinta etapa: coleta de dados para mensuração dos indicadores escolhidos.
• Sexta etapa: revisão dos indicadores e nova seleção.

Ao final desse processo todo, os pesquisadores chegaram aos indicadores de sustentabilidade,


os quais, para eles e para todos os envolvidos, foram os indicadores que mais se adequaram em
termos de urgência e importância, na discussão em conjunto com todos os interessados (técnicos,
gestores, população local etc.) da questão da água como foco para criação de indicadores.

Pág. 69 de 85
Basicamente os indicadores elencados são os que podemos ver a seguir (Quadro 9), o qual,
embora seja baseado no município de Jaboticabal, pode ser aplicado a cidades, organizações,
empresas rurais e tantas outras pelo fato da água ser um bem difuso e de semelhante preocupação.

Portanto, salvo em casos onde se precisará trabalhar com este ou aquele indicador pelo fato de
requerer maior grau de atenção – por exemplo, uma localidade que tenha um posto de combustível
da década de 1970 e que anda não trocou os seus tanques ou o fez recentemente, indica um forte
potencial de contaminação do lençol freático. Com efeito, a análise da água subterrânea e seus
pormenores analíticos de cada parâmetro torna-se um indicador fundamental.

Quadro 9 - Proposta de indicadores de sustentabilidade sobre o tema água

Proposição de indicadores de sustentabilidade para água de Jaboticabal

Aspecto urbano 1 - Consumo de água por habitante

2 - Percentual de residências com falta de água

3 - Vazão dos rios para captação

4 - Número de pontos de lançamento de esgotos não tratados em corpos


d’água

5 - Perdas de água por vazamento

6 - Frequência de limpeza das caixas d’água

7 - Número de casos de doenças por veiculação hídrica

8 - Número de vazamentos de esgoto identificados

9 - Existência de um Conselho de Gestão de Recursos Hídricos

10 - Desconformidade com o padrão de potabilidade

11 - Desconformidade com o enquadramento dos corpos hídricos

12 - Quantidade de produtos químicos utilizados no tratamento de água

13 - Tema água abordado no ensino de forma ampla

Pág. 70 de 85
Aspecto pluvial 1 - Vazões máximas e mínimas de corpo d´água

2 - Número de ocorrências de inundações

3 - Percentual de aproveitamento de água da chuva

4 - Percentual de impermeabilização das bacias

Aspecto rural 1 - Extensão de mata ciliar

2 - Grau de preservação das nascentes

3 - Presença de erosões

4 - Número de poços artesianos em uso

5 - Área irrigada

6 - Consumo de água rural

7 - Contaminação de rios

8 - Número de poços abandonados

Aspecto ecológico 1 - Número de locais cuja água é o elemento preponderante para estruturas
paisagísticas, ecológicas e lazer

2 - Presença de peixes nos rios e córregos

3 - Diversidade de fauna e da flora

Fonte: Teixeira et al. (2012, p. 172-173).

A fim de buscar autonomia do grupo local e da capacitação dos vários atores do projeto, a
estratégia foi a de garantir a continuidade do projeto – não adianta somente fazer, é necessário
prosseguir –, depois da segunda fase. Para isto foi criado o Fórum Permanente Jaboticabal
Sustentável. As instituições que se comprometeram com tal continuidade assinaram uma Carta de
Princípios, que continha a natureza do fórum, bem como objetivos, princípios e valores (TEIXEIRA
et al., 2012).

Feito tudo isto, os pesquisadores obtiveram os resultados que seguem abaixo de modo resumido,
uma vez que é importante para nós o “caminho trilhado” por outros, a fim de que o percurso seja
reduzido e previsto o máximo possível quando na elaboração de um novo projeto que faça uso
intensivo de indicadores:

Pág. 71 de 85
• Houve avanço da discussão sobre sustentabilidade no município.
• Métodos, instrumentos e técnicas participativas (levadas pelos pesquisadores) facilitaram
o aprendizado coletivo de alguns participantes e dificultaram para outros (por serem muito
acadêmicas).
• Alguns atores locais entenderam os conceitos de sustentabilidade e incorporaram em suas
ações, outros apenas em discurso.
• A sustentabilidade foi um tema de difícil entendimento para alguns setores sociais (sem
formação técnica).
• Os Cadernos Jaboticabal sustentável foram instrumentos que favoreceram a acessibilidade
e a sistematização de noções sobre sustentabilidade para a comunidade.
• Houve avanços no processo de criação de indicadores, mas o método (técnico e complicado)
e o processo participativo (mais demorado) restringiram a sua construção de fato.
• Baixo engajamento de alguns setores sociais
• Baixo engajamento do poder público nas atividades do projeto, mas forte no GAJS (Grupo de
Ação Jaboticabal Sustentável).
• O fórum foi a estratégia utilizada para a comunidade do processo, mas careceu de maior
adesão e recursos para o prosseguimento do processo.

Deste modo, os pesquisadores concluem que é preciso um questionamento contínuo e permanente


do modelo de gestão pública por parte de todos os interessados, bem como é preciso que haja
uma organização coletiva da sociedade inserida em um posicionamento autônomo e emancipado
de ações. Ainda, é importante que ocorra simultaneamente uma formação contínua e também
permanente no âmbito da sustentabilidade – incluindo princípios, indicadores e suas dimensões
(TEIXEIRA et al., 2012).

É preciso também “[...] criar condições reais para que a sociedade domine a ferramenta, o poder
público possa dele se utilizar, e os problemas decorrentes da observação desses instrumentos
possam de fato ser resolvidos”, e isto por meio de alguma ação ou política pública no aspecto local.
Faz-se necessário o apoio do poder público como fomentador do processo, incluindo também certa
assessoria técnico-política que seja “[...] capaz de promover a mediação e o equilíbrio na relação
entre atores e entre o saber técnico e o saber das pessoas, provocando e facilitando a aprendizagem,
aprendendo e produzindo conhecimento pela ação” (TEIXEIRA et al., 2012, p. 185).

Veja no quadro a seguir o detalhamento dos procedimentos a serem empregados para a


construção dos indicadores e índices de qualidade ambiental.

Pág. 72 de 85
Quadro 10 – Procedimentos para índices de qualidade

Variáveis observada

Ambiente natural Ambiente construído Ambiente cultural

Ar – mortalidade por doenças Pessoas residentes na sub- Pessoas alfabetizadas com


respiratórias (n. de óbitos-bairro) bacia dez anos ou mais

Água – Oxigênio dissolvido/ Número de Domicílios Responsáveis de DPP com


Nitrogênio total/Fósforo/ Particulares Permanentes oito anos de estudo ou
Coliformes fecais (DPP) mais

Áreas verdes – total de áreas DPP com rede de Renda média dos
(m2) por sub-bacia abastecimento de água responsáveis pelos DPP

Parques urbanos – m2 por sub- DPP com rede de esgoto ou Responsáveis pelos DPP
bacia água pluvial com renda inferior ou igual
a dois salários mínimos
DPP com banheiro

DPP com serviço de coleta de


lixo

DPP com sete moradores ou


mais

Variáveis deduzidas ou indicadores relativos obtidos

Indicadores relativos ao Indicadores relativos ao Indicadores relativos ao


ambiente natural ambiente construído ambiente cultural

Indicador de qualidade do ar Indicador de densidade Indicador de alfabetização


populacional da sub-bacia

Indicador de qualidade da água Indicador de domicílios Indicador de instrução dos


particulares permanentes responsáveis

Indicador de áreas verdes Indicador de domicílios Indicador de renda média


abastecidos por rede geral de dos responsáveis
água

Dimensões de análise dos ambientes – natural, construído e cultural

Indicadores relativos ao Indicadores relativos ao Indicadores relativos ao


ambiente natural ambiente construído ambiente cultural

Pág. 73 de 85
Indicador de parques urbanos Indicador de domicílios com Indicador de responsáveis
rede ou pluvial com renda inferior ou igual
a dois salários mínimos
Indicador de domicílios com
banheiro

Indicador de domicílios com


serviço de coleta de lixo

Indicador de
congestionamento domiciliar

Cálculo dos Índices de Qualidade dos Ambientes

Índice de Qualidade do Ambiente Índice de Qualidade do Índice de Qualidade do


Natural (IQAN) Ambiente Construído (IQACO) Ambiente Cultural (IQAC)

Cálculo do índice de qualidade ambiental (sintético)

Validação interna e externa dos índices

Mapa dos indicadores relativos, índices de qualidade dos ambientes e índice de qualidade
ambiental por sub-bacia

Fonte: NÉSPOLI; ZEILHOFER (2012, p. 272-273)

Por fim, há também muitos outros tipos de indicadores de sustentabilidade, dos quais podem
ser utilizados nas mais diversas áreas de atuação. Por exemplo, temos nove grandes indicadores
que Fantinatti, Zuffo e Ferrão (2015) nos trazem, os quais são especialmente utilizados nos setores
de engenharia (o que inclui a ambiental) e que, por este motivo não iremos detalhar, já que foge do
escopo da disciplina. Apenas vale-nos citar:

1. Qualidade do ambiente externo e infraestruturas


2. Seleção e consumo de materiais, componentes e sistemas
3. Gestão do canteiro de obras
4. Gestão da água
5. Eficiência energética
6. Qualidade do ambiente interno e saúde dos usuários
7. Operação e manutenção
8. Social
9. Poluição por emissões

Pág. 74 de 85
SAIBA MAIS

São inúmeras as aplicações práticas dos indicadores de sustentabilidade, visto que este é o objetivo
principal a fim de que não fique somente na teoria ou engavetado em locais que nunca deles se
utilizem. Destarte, escolha três artigos que poderão complementar tais abordagens mais práticas
que tratamos neste tópico, especialmente voltadas para o ar (gestão atmosféricas), a água (gestão
hídrica) e o solo (gerenciamento de resíduos e de gestão em geral).

- Utilização de indicador de emissões atmosféricas como ferramenta de gestão em refinarias de


petróleo - estudo de caso. Disponível em: <www.inovarse.org/filebrowser/download/8833>.

- Modelos de indicadores de sustentabilidade para gestão de recursos hídricos. Disponível em: <books.
scielo.org/id/bxj5n/pdf/lira-9788578792824-01.pdf>.

- Construção de indicadores de sustentabilidade na dimensão da saúde para gestão de resíduos


sólidos. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-11692016000100362&script=sci_
arttext&tlng=pt>.

- Indicadores de sustentabilidade como instrumentos de gestão: uma análise da GRI, Ethos e ISE.
Disponível em: <www.revistageas.org.br/ojs/index.php/geas/article/view/130>.

MODELOS DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA: INDICADORES DE


PRESSÃO, ESTADO E RESPOSTA (PER)
A estrutura do PER Figura 28 – Avaliação

Além do que conferimos até agora, os indicadores têm


sido desenvolvidos cada dia mais para se voltarem também à
égide da integração e inter-relacionamento. Existe uma nítida
consolidação de alguns modelos que foram desenvolvidos e
melhorados com o passar do tempo, no qual surgiu de uma
única estrutura básica de análise denominada PER (pressão,
estado, resposta), originada e adotada pela OCDE (Organização
Fonte: Por Rawpixel/Istock
para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) (BITAR;
BRAGA, 2012).
Tal estrutura nasce, de acordo com Bitar e Braga (2012, p. 133), de uma necessidade de encontrar
respostas para as questões a seguir:

• O que está acontecendo com o meio ambiente? (ou seja, qual é o estado?)
• Por que isso está acontecendo? (ou seja, qual é a pressão?)
• O que está sendo feito a respeito disso? (ou seja, qual é a resposta?)

Pág. 75 de 85
Os fenômenos que estão voltados à pressão sobre o ambiente estão relacionados com as ações
antrópicas e sua dinâmica. São, com efeito, as causas diretas e indiretas dos problemas ambientais,
sendo elas as mais diversas, desde questões de saneamento básico, florestal e contaminação do
solo até poluição atmosférica, visual etc.

Figura 29 – Ocupação irregular de encostas: situação de risco e


pressão direta e indireta aos recursos ambientais

Fonte: Frizi/Istock

Já os indicadores de estado são concernentes aos resultados das condições ambientais que
refletem a qualidade das águas, ar e solo.

Figura 30 – Esgoto a céu aberto recebendo lançamento in natura: pressão


direta ao ambiente que se reflete no estado dos recursos hídricos

Fonte: Por peeterv/Istock

Por fim temos os indicadores de resposta, os quais, de acordo com a boa sequência de Bitar e
Braga (2012, p. 134), devem “[...] revelar as ações empreendidas pelo conjunto da sociedade (Poder
Público, empresas, população) no sentido de melhorar o estado do meio ambiente”. Ademais, tais
ações geralmente desenvolvem programas sociais diversos, os quais objetivam mitigar ou corrigir
os impactos que são provenientes dessas atividades.

Pág. 76 de 85
Figura 31 – Estação de tratamento de esgoto: resposta para prevenir a degradação dos recursos hídricos

Fonte: tuachanwatthana/Istock

Modelos que partem do PER: FER e FPEIR


Vista tal estrutura, é possível conceber diretrizes ainda mais específicas para os componentes
do PER e até mesmo remodelá-lo, complementando-o ou alterando alguns quesitos. Daí decorre o
surgimento de outros modelos para as atividades que o compõe.

Separam-se, então, os fenômenos que pressionam o ambiente de maneira direta


(que passam a compor, então, a Pressão “P”, propriamente dita – como a emissões
atmosféricas – e os que o fazem de modo indireto – como o crescimento da pobreza
ou a desigualdade social, constituindo um novo tipo, mais amplo, denominado de
Força Motriz (F), formulada para representar estes últimos (BITAR; BRAGA, 2012, p.
134-135).

Este seria então o modelo FER, adotado pela UNCSD (United Nations Conference on Sustainable
Development – Comissão das Nações Unidas Sobre Desenvolvimento Sustentável), talvez em
decorrência do escopo mais abrangente, de modo que as análises sejam feitas de maneira
indiretamente ou ainda de modo direto (BITAR; BRAGA, 2012).

Já o PER foi adotado pelo nosso IBGE quando se trata da questão de IDS no Brasil, enquanto
que a Agência Europeia do Ambiente adotou ambas as estruturas, incorporando o impacto (‘I’)
a fim de “[...] tratar dos fenômenos que se referem aos efeitos adversos à qualidade de vida, aos
ecossistemas e a socioeconomia, configurando a estrutura FPEIR” (BITAR; BRAGA 2012, p. 136).

Pág. 77 de 85
Figura 32 – Modelo FPEIR.
Normas, leis, controle ambiental
Urbanização
Atividades Resposta
humanas
Investimentos em coleta
e tratamento de esgotos
e disposição de resíduos

Pressões
Recuperação de corpos Impactos
Resíduos d’água degradados
sólidos e esgoto
Doenças
de veiculação hídrica
Estado
Qualidade das águas
superficiais
subterrânes
Fonte: AEA (2004 apud BITAR; BRAGA, 2012, p. 136).

As três estruturas de base se somam à abordagem que é usada em processos de avaliação


ambiental de municípios que são guiados pelo Pnuma (Programa das Nações Unidas para o Meio
Ambiente). Bitar e Braga (2012) informam que outro modelo que chama a atenção é o da Usepa (United
States Environmental Protection Agency). Seu modelo adota o conceito de impacto, trabalhando
a tipologia de outro indicador chamado de efeito (‘E’), concernente a consequências diversas ao
meio ambiente, culminando, portanto, no modelo PEER.

Já a estrutura do modelo PEIR, onde (P) pressão descreve as variáveis que causam diretamente
(ou podem causar) problemas ambientais; (E) estado mostra a atual condição do ambiente –
considera-se ferramentas adequadas para o planejamento da recomposição do habitat; (I) impacto
descreve os efeitos das mudanças de estado e demonstram os padrões do modelo econômico, em
particular o de causa-efeito, cuja função é a de facilitar as discussões sobre ações que evitem o
advento de novos impactos negativos no futuro; e, por último, o indicador de (R) resposta demonstra
os esforços da sociedade para resolver seus problemas (OLIVEIRA; FARIA, 2012).

Pág. 78 de 85
Figura 33 – Modelo PEIR

Modelo PEIR

Pressão

Estado

Impacto

Resposta

Fonte: Oliveira e Faria (2012, p. 450).

Pensando nisto que Bitar e Braga (2012) reuniram os principais modelos disponíveis atualmente
e os tabelaram, desenvolvidos também com base nas aplicações. Vejamos a Quadro 11 a seguir:

Quadro 11 – Modelos de sistemas de avaliação ambiental integrada

Tipo de indicador (dimensão) Modelo de matriz de indicadores

PER PEER FER FPEIR PEIR

Força motriz (F) Drive      * *   

Pressão (P) Pressure *  *    *  *

Estado (E) State *   *  * *   *

Impacto (I) Impact        *  *

Efeito (E) Effect   *       

Pág. 79 de 85
Resposta (R) Response  * *   * *   *

Fonte OECD Usepa UNCSD EEA Pnuma


(1993) (1995) (1996) (1999) (2002)

Fonte: Bitar e Braga (2012, p.137).

Por fim, os autores ressaltam que tais modelos são resultados de experiências práticas,
representando, com isto, “[...] as principais referências de aplicação para fins de avaliação ambiental
integrada.” De qualquer modo, “[...] os casos de sistema de indicadores ambientais adotados em
diferentes contextos resultam dos modelos disponíveis” (BITAR; BRAGA, 2012, p. 137).

CONCLUSÃO
O intuito foi o de demonstrar que o uso dos Indicadores de Sustentabilidade facilita a tomada de
decisão. É nítido que especialmente em casos de grandes desafios de projetos ambientais (como
é o do EIA/RIMA – Estudo de Impacto Ambiental/Relatório de Impacto Ambiental) requer decisões
que envolvem dezenas, centenas ou até milhares de pessoas, incontáveis impactos na fauna, flora
e em toda a biodiversidade em geral.

Com efeito, tal tomada de decisão é um grande desafio para quem o faz, por envolver muito
daquilo que não afetará somente ele mesmo. Para isto, pessoas sensatas que buscam alinhar não
apenas a voracidade de seus lucros, mas que também visam ao outro, bem como ao meio ambiente
em geral, procurarão ser sempre prudentes, cautelosos e reflexivos antes de qualquer tipo de decisão
que estejam a ponto de tomar.

Contudo, quando o tomador de decisão não dispõe somente da sua subjetividade ou de fontes
que visam apenas seu próprio interesse – as quais o pressionam a tomar uma decisão x ou y –,
ele se vê em uma posição muito mais adequada ao se deparar com algo que mensura aquilo que
está planejando, com o objetivo de assegurar a sustentabilidade. Esta é, portanto, a função dos
indicadores de sustentabilidade: trazer à luz de forma didática e teórica algo que está somente
presente no aspecto prático, sem muita objetividade.

Apresentamos algumas ferramentas que auxiliam nessa tomada de decisão, uma vez também
que fazem uso de um conjunto de indicadores. Esse percurso foi facilitado ao se demonstrar que
há forte possibilidade de se culminar em seu uso, especialmente em alguns municípios brasileiros,
e, por fim, norteamos os estudos para alguns modelos importantes de avaliação.

Pág. 80 de 85
SAIBA MAIS

Para aqueles que necessitam de Indicadores de Desenvolvimento Sustentável (IDS) cuja


especificação seja nacional e detalhada por região, indicamos o acesso ao link do IBGE (Sidra).

Fonte: <https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/ids/tabelas>.

GLOSSÁRIO
Antrópico: Relativo ao ser humano ou à sua ação; que resulta de ação humana (ex.: modificações
antrópicas, processos antrópicos). Fonte: <https://www.priberam.pt/dlpo/Antr%C3%B3pico>.

Holístico: Que defende uma visão integral e um entendimento geral dos fenômenos. Fonte: <https://
www.priberam.pt/dlpo/Hol%C3%ADstico>.

Oikofobia: Aquele que sente algo contrário às formas tradicionais de associação: contra o lar, contra
a família, contra a nação etc.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BITAR, O. Y.; BRAGA, T. O. Indicadores ambientais aplicados à gestão municipal. In. MALHEIROS, T. F.;
PHILIPPI JUNIOR, A. Indicadores de sustentabilidade e gestão ambiental. Barueri, SP: Manole, 2012.

CALDEIRA, A. Dívida pública de Moçambique, incluindo as ilegais, ultrapassou limites de


sustentabilidade. Verdade Online, 23 fev. 2018. Disponível em: <www.verdade.co.mz/tema-de-fundo/35-
themadefundo/64997-divida-publica-de-mocambique-incluindo-as-ilegais-ultrapassou-limites-de-sustentabilidade>.
Acesso em 24 jul. 2018.

CAMPOS, Lázaro. ABNT publica primeira Norma Técnica para Cidades Sustentáveis. Jornal da USP,
17 abr. 2017. Disponível em: <jornal.usp.br/atualidades/abnt-publica-primeira-norma-tecnica-para-cidades-
sustentaveis/>. Acesso em: 25 jul. 2018.

CANDIDATURAS abertas para o concurso “Acelerador de Bio-Ideias”. O Mirante, 17 mar. 2018.


Disponível: <https://omirante.pt/economia/2018-03-17-Candidaturas-abertas-para-o-concurso-Acelerador-de-
Bio-Ideias>. Acesso em: 24 jul. 2018.

Pág. 81 de 85
CETRULO, C. B.; MOLINA, N. S.; MALHEIROS, T. F. Indicadores de sustentabilidade: proposta de
um barômetro de sustentabilidade estadual. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, n. 30, dez.
2013. Disponível em: <abes-dn.org.br/publicacoes/rbciamb/PDFs/30-07_Materia_4_artigos376.pdf>. Acesso
em: 25 jul. 2018.

COUTINHO, S. M. V.; MALHEIROS, T. F. Indicadores de sustentabilidade local: caso de Ribeirão Pires,


SP. In: MALHEIROS, T. F.; PHILIPPI JUNIOR, A. Indicadores de sustentabilidade e gestão ambiental.
Barueri, SP: Manole, 2012.

DALCHIAVON, E. C.; BAÇO, F. M. B.; MELLO, G. R. Barômetro de sustentabilidade estadual: uma


aplicação na Região Sul do Brasil. Gestão e Desenvolvimento, v. 14, n. 1, 2017. Disponível em:
<periodicos.feevale.br/seer/index.php/revistagestaoedesenvolvimento/article/view/37>. Acesso em: 25 jul. 2018.

DAQV (DEPARTAMENTO DE AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA). Indicadores de sustentabilidade.


Disponível em: <ambiente.maiadigital.pt/desenvolvimento-sustentavel/indicadores-de-sustentabilidade-1>.
Acesso em: 27 fev. 2018.

FANTINATTI, P. A. P.; ZUFFO, A. C. As fases e as ferramentas para aplicação da abordagem MCDA.


In: ______. Indicadores de sustentabilidade em engenharia: como desenvolver. Rio de Janeiro:
Elsevier, 2015.

FANTINATTI, P. A. P.; ZUFFO, A. C.; FERRÃO, A. M. A. Indicadores de sustentabilidade em engenharia:


como desenvolver. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.

FERREIRA, L. G.; PHILIPPI JÚNIOR, A. Indicadores de desenvolvimento local e sua aplicação em


municípios. In: MALHEIROS, T. F.; PHILIPPI JUNIOR, A. Indicadores de sustentabilidade e gestão
ambiental. Barueri, SP: Manole, 2012.

GONZÁLEZ, L. V. A.; RINCÓN, M. Alejandro Pérez. Indicador pegada ecológica: aspectos teóricos e
conceituais para aplicação no âmbito de universidades. In. MALHEIROS, T. F.; PHILIPPI JUNIOR, A.
Indicadores de sustentabilidade e gestão ambiental. Barueri, SP: Manole, 2012.

GONZALEZ, M. H. G.; ANDRADE, D. C. A sustentabilidade ecológica do consumo em Minas Gerais:


uma aplicação do método da pegada ecológica. Nova Economia, v. 25, n. 2, maio-ago. 2015. Disponível
em: <www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-63512015000200421>. Acesso em: 25 jul. 2018.

Pág. 82 de 85
HANAI, F. Y.; ESPÍNDOLA, E. L G. Indicadores de sustentabilidade para desenvolvimento turístico.
In. MALHEIROS, Tadeu F.; PHILIPPI JUNIOR, A. Indicadores de sustentabilidade e gestão ambiental.
Barueri, SP: Manole, 2012.

HARDI, P. Dashboard of sustainability. Winnipeg, 2000. (Working paper).

INDICADORES de sustentabilidade. Portal do Ambiente, 30 mar. 2015. Disponível em: <ambiente.


maiadigital.pt/desenvolvimento-sustentavel/indicadores-de-sustentabilidade-1>. Acesso em: 24 jul. 2018.

INTERNATIONAL UNION FOR CONSERVATION OF NATURE (IUCN). Iucn Resource Kit For Sustainability
Assessment. Part C: slides for facilitators. IUCN Monitoring and Evaluation Initiative, 2001. Disponível
em: <http://cmsdata.iucn.org/downloads/resource_kit_c_eng.pdf>. Acesso em: 23 mar. 2018.

JUCON, S. Desempenho planejado. Meio Ambiente Industrial, Ano XXII, n. 130, jan./fev. 2018. 58 p.

LACERDA, C. S.; CÂNDIDO, G. A. Modelos de indicadores de sustentabilidade para gestão de recursos


hídricos. In: LIRA, W. S.; CÂNDIDO, G. A. (Org.). Gestão sustentável dos recursos naturais: uma
abordagem participativa. Campina Grande: EDUEPB, 2013. p. 13-30. Disponível em: <http://books.
scielo.org/id/bxj5n/pdf/lira-9788578792824-01.pdf>. Acesso em: 25 jul. 2018.

LOZANO, M. C.; TEIXEIRA, B. A. N. Barômetro da sustentabilidade, painel de sustentabilidade e


pegada ecológica: a abordagem da gestão de resíduos sólidos na avaliação da sustentabilidade.
In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO (ENTAC), 14., 2012, Juiz
de Fora, MG. Anais eletrônicos... Porto Alegre: Antac, 2012. Disponível em: <www.infohab.org.br/
entac2014/2012/docs/0994.pdf>. Acesso em: 25 jul. 2018.

MAKOWER, J. A economia verde: descubra as oportunidades e os desafios de uma nova era dos
negócios. São Paulo: Gente, 2009.

MALHEIROS, T. F.; COUTINHO, S. M. V.; PHILIPPI JUNIOR, A. Indicadores de sustentabilidade: uma


abordagem conceitual. In: MALHEIROS, T. F.; PHILIPPI JUNIOR, A. Indicadores de sustentabilidade
e gestão ambiental. Barueri, SP: Manole, 2012.

MELLO, J. et al. Recorte teórico das ferramentas de mensuração da sustentabilidade mais citadas
na literatura. ADMpg Gestão Estratégica, v. 4, n. 1, p. 73-80, 2011. Disponível em: <admpg.com.br/
revista2011/v2/artigos/artigo%208%20Recorte%20teorico%20das%20ferramentas.pdf>. Acesso em 25 jul. 2018.

Pág. 83 de 85
NÉSPOLI, G. R. C. B.; ZEILHOFER, P. Sistema de indicadores socioambientais para planejamento e
gestão urbana. In. MALHEIROS, T. F.; PHILIPPI JUNIOR, A. Indicadores de sustentabilidade e gestão
ambiental. Barueri, SP: Manole, 2012.

OLIVEIRA, M. L. B. C.; FARIA, S. C. Aplicação do modelo FPSEEA na construção de indicadores


de saúde ambiental. In: MALHEIROS, T. F.; PHILIPPI JUNIOR, A. Indicadores de sustentabilidade e
gestão ambiental. Barueri, SP: Manole, 2012.

PEREIRA, L. G. P. Síntese dos métodos de pegada ecológica e análise emergética para diagnóstico
da sustentabilidade de países: O Brasil como estudo de caso. Dissertação (Mestrado em Engenharia
de Alimentos). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2008. Disponível em: <www.
unicamp.br/fea/ortega/extensao/Tese-LucasPereira.pdf>. Acesso em: 25 jul. 2018.

PNUD/ONU. Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil. Edição digital. Brasília: PNUD, 1998.
Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?id=2100436&view=detalhes>.
Acesso em: 01.08.2018.

RABELO, L. S.; LIMA, P. V. P. S. Indicadores de sustentabilidade em cultivos de algas vermelhas.


In. MALHEIROS, T. F.; PHILIPPI JUNIOR, A. Indicadores de sustentabilidade e gestão ambiental.
Barueri, SP: Manole, 2012.

RODRIGUES, G. R.; FARIAS FILHO, J. R. Utilização de indicador de emissões atmosféricas como


ferramenta de gestão em refinarias de petróleo - estudo de caso. In: CONGRESSO NACIONAL DE
EXCELÊNCIA EM GESTÃO, 4., Niterói, RJ, 2008. Anais eletrônicos... Niterói, RJ: UFF, 2008. Disponível
em: <www.inovarse.org/filebrowser/download/8833>. Acesso em: 25 jul. 2018.

SANTOS, S. G.; SANTOS, A. A. P.; SEHNEM, S. Como mensurar a sustentabilidade? - Um estudo das
principais técnicas e indicadores. Organizações e Sustentabilidade, v. 4, n. 1, 2016. Disponível em:
<www.uel.br/revistas/uel/index.php/ros/article/view/27259>. Acesso em: 21 mar. 2018.

SCRUTON, R. Beleza. São Paulo: É Realizações, 2013.

SILVA, E. A. et al. Indicadores de sustentabilidade como instrumentos de gestão: uma análise da


GRI, Ethos e ISE. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade (GeAS), v. 3, n. 2, p. 130-148, 2014.
Disponível em: <www.revistageas.org.br/ojs/index.php/geas/article/view/130>. Acesso em: 25 jul. 2018.

Pág. 84 de 85
TEIXEIRA, B. A. N.; ADEODATO, M. T. P. C.; SHIMBO, I.; SILVA, R. S. Indicadores de sustentabilidade
local: experiência do Projeto Jaboticabal sustentável. In: MALHEIROS, T. F.; PHILIPPI JUNIOR, A.
Indicadores de sustentabilidade e gestão ambiental. Barueri, SP: Manole, 2012.

VAN BELLEN, H. M. Indicadores de sustentabilidade: um levantamento dos principais sistemas de


avaliação. Cadernos EBAPE.BR, v. 2, n. 1, mar. 2004. Disponível em: <www.scielo.br/pdf/cebape/v2n1/
v2n1a02>. Acesso em: 25 jul. 2018.

VAN BELLEN, H. M. Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. 2. ed. Rio de Janeiro:
FGV, 2006.

VAN BELLEN, H. M.; ANDRADE, B. B. Método da pegada ecológica na avaliação da gestão do


desenvolvimento territorial. In. MALHEIROS, T. F.; PHILIPPI JUNIOR, A. Indicadores de sustentabilidade
e gestão ambiental. Barueri, SP: Manole, 2012.

VEIGA, T. B. et al.  Construção de indicadores de sustentabilidade na dimensão da saúde para gestão


de resíduos sólidos. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 24, e2732, 2016. Disponível em:
<www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-11692016000100362&script=sci_arttext&tlng=pt>. Acesso em: 25 jul. 2018.

Pág. 85 de 85