Você está na página 1de 41

 

Resgatar O Poder Da Sombra


 
 

Lição 1 – A Sombra 
Imagine que, quando nasce, o seu corpo e a sua alma são como um castelo.
Com muitos aposentos. Um aposento onde há amor. Outro onde há inveja.
Noutro ainda há ganância e noutro a bondade. Dezenas de aposentos, todos
eles importantes e úteis à sua maneira.

E você sente-se bem em todos eles. Passa um tempo num aposento, depois
visita outro, e assim vive. Feliz com todos os seus aposentos!

Mas depois os outros, os que estão de fora, os pais e os professores e os


líderes religiosos, começam a apontar o dedo e a dizer que este aposento é
feio, e o outro fica mal. E você, sem se dar conta (e porque quer ser
apreciado pelos outros), vai fechando as portas de vários aposentos. As
mensagens que vai recebendo das pessoas à sua volta é de que há algo de
errado consigo, por ter este ou aquele aposento no seu castelo. E se tem
esses aposentos ‘feios’ não merece ser amado.

Todavia, estes aposentos continuam a existir, mas você atirou com a chave
para longe. Decidiu que são aposentos feios que ninguém gosta.

O problema é que todos os aposentos são importantes, e todos são úteis.


Mas você vai passar a sua vida a fingir que estes aposentos não existem, são
maus! E gastará muita energia a fazer de conta que não existem.

Eventualmente o seu castelo transforma-se em meia dúzia de aposentos.

Estes aposentos que faz de conta que não existem irão tornar-se na sua
sombra, o seu lado negro.

A primeira pergunta que tem que se colocar, meu querido amigo, é esta:
prefere ser completo, ou prefere ser bom?

Quanto de si terá que ‘desaparecer’ para ser bom?

Nós somos todos uma parte do Todo, e em cada um de nós há todas as


qualidades e defeitos que vemos nos outros.

Já agora, como pode saber o que é o amor sem saber o que é o ódio? Ou a
bondade sem a ganância? Como pode saber o que é o bem sem o mal? Ou a
coragem sem a cobardia?

www.emidiocarvalho.com   1 
 

Cada um de nós possui todas as qualidades humanas que existem. Não há


nada que nós possamos imaginar ou ver que não seja já uma parte de nós. O
propósito da nossa viagem é regressar ao Todo que sempre fomos e sempre
seremos.

O santo e o pecador, o divino e o diabólico, o forte e o fraco. Todos estes


aspectos existem adormecidos dentro de nós. E todos eles se irão manifestar
nas nossas vidas se não formos capazes de os reconhecer e integrar nas
nossas mentes.

Mas quem é a sombra?

A sombra é a parte de si que preferia não ser. A parte de si que,


aparentemente, não existe. Ninguém sabe da sua existência.

Quando suprime um sentimento, ou impulso, acaba por suprimir também o


seu oposto. Se negar o feio em si, estará também a negar a sua beleza. Se
negar a cobardia, estará também a negar parte da sua coragem. Se negar a
ganância, estará a diminuir a sua generosidade.

Bill Spinoza disse-o de uma maneira magnífica: “aquilo que não és capaz de
ser, será capaz de não te deixar ser.”

É importante que aprenda a dar-se na totalidade e a permitir que quem você


é na totalidade exista em si. Se quer ser livre, tem que se permitir ‘ser’
primeiro. Significa isto que tem que parar de se julgar. Tem que se perdoar
por ser humano. Perdoar-se por ser menos que perfeito. Porque quando se
julga a si, irá sempre julgar os outros. E aquilo que faz aos outros, irá fazê-lo
a si mesmo.

O mundo é um espelho do que vai dentro de nós.

Lembre-se que aquilo que não é capaz de aceitar como sendo uma parte de
si, irá dominar a sua vida. Aquilo a que resiste, persiste!

Foi Jung que afirmou “Uma pessoa não se torna iluminada a imaginar
figurinhas de luz. Uma pessoa torna-se iluminada ao tornar a escuridão
consciente”.

Que partes de si tem negado? Que partes de si é incapaz de ver? Que partes
de si são tão vergonhosas que nem se atreve a aceitar que existem?

Faça o exercício que lhe proponho na Meditação Activa 1


(www.emidiocarvalho.com/multimedia.htm). Tenha à mão uma folha e lápis,
para poder tomar notas. Seja tão sincero consigo quanto seja capaz.

www.emidiocarvalho.com   2 
 

Lição 2 – Ir Ao Encontro Da Sombra 
A nossa sombra usa uma série interminável de disfarces: gananciosa,
maldosa, manipulativa, egoísta, controladora, não merecedora, preguiçosa,
fraca, hostil, vingativa, destrutiva, etc.

A nossa sombra funciona um pouco como um armazém, onde guardamos


todas estas partes de nós que não aceitamos. Todos os aspectos que
aparentemente não somos e que gastamos tanta energia a fazer de conta
que não existem. São as faces que não queremos mostrar ao mundo. Nem a
nós!

Tudo aquilo que odiamos, resistimos ou afirmamos que não somos, toma
uma vida própria dentro de nós, destruindo qualquer sentimento de auto-
estima que tenhamos.

Quando enfrentamos a nossa sombra pela primeira vez a nossa atitude é


quase sempre de negação. Fugimos daquilo que não aceitamos ou não
gostamos em nós. Outras vezes optamos por negociar com a sombra.
Fingimos que sim, que reconhecemos o potencial para ser isto ou aquilo, mas
viramos as costas na esperança de que nunca aconteça.

Mas são estes aspectos escondidos que mais atenção precisam de nós.
Temos que fazer as pazes com eles, aceitá-los na totalidade. São os nossos
tesouros escondidos.

Dois exemplos. Você poderá pensar que mentir é feio e os mentirosos são
pessoas indignas de ser amadas. É capaz de pensar numa situação em que
mentir possa ser útil a uma pessoa? Imagine uma criança de dez anos a
conversar, na internet, com um suposto ‘amigo’ que vem a descobrir tratar-se
de um pedófilo... Se a criança mentisse e dissesse ao agressor que na
verdade era um agente da Policia Judiciária? Não lhe parece que nesta
situação, mentir, fosse a diferença entre a liberdade e as garras de um
predador?

Ou imagine a situação em que um assassino vai matar a pessoa que mais


ama. E você tem uma oportunidade para lhe dar com um martelo na cabeça.
Seria capaz de o fazer? Claro que sim. É uma questão de sobrevivência.

Começa a ver como a sombra, aqueles aspectos que negamos, podem ser
úteis?

Mas tenha cuidado neste processo da sombra! Um dos nossos maiores


problemas, nestes dias de informação excessiva, é o sindroma “Eu já sei
isso”. Uma coisa é saber, intelectualizar, outra, muito diferente, é sentir. Este
processo da sombra não é algo a intelectualizar, mas sim uma viagem que

www.emidiocarvalho.com   3 
 

tem inicio na cabeça mas cujo destino final é o coração.

A nossa sombra é a porta para a verdadeira liberdade. Temos que tomar a


decisão de explorar, reconhecer e aceitar cada faceta da nossa sombra, para
sermos verdadeiramente livres.

E quer você goste ou não, enquanto ser humano, possui uma sombra, um
lado negro.

Abraçar um aspecto do nosso ser significa amá-lo e aceitá-lo tal como é. Não
significa torná-lo mais do que é, nem menos do que é. Simplesmente aceitar
que é apenas mais um aspecto de nós.

Vivemos hoje sob a falsa pretensão de que para algo ser divino tem que ser
perfeito. Isto é um erro. De facto o oposto é que é verdade. Ser divino
significa ser-se completo. E ser-se completo significa ser tudo, o positivo e o
negativo, o bonito e o feio, o santo e o pecador.

Quantas vezes, enquanto crescíamos, nos foi dito para não nos portarmos
mal? Para não sermos preguiçosos? Para não dizer asneiras? Para não falar
alto? Para não sermos egoístas? A mensagem era sempre a mesma: Não
ser! Ensinaram-nos a “não ser”!

Você nunca soube o que era ser belo, porque passou a maior parte da
infância a esconder o feio! Você nunca soube o que era a verdadeira
bondade porque passou a maior parte do tempo a esconder a ganância! E
assim foi perdendo uma parte importante de si mesmo.

E como aprendeu tão bem a ‘não ser’, começou a desenvolver uma certa
impaciência por aqueles que eram. Os maus da fita. E os maus da fita tinham
que existir sempre, para lhe mostrar as partes de si que aos poucos ía
escondendo.

E foi assim que você caiu na ratoeira do “se apenas”. Se apenas as pessoas
fossem mais simpáticas.. Se apenas as pessoas fossem mais generosas...
Se apenas eu tivesse uma relação mais amorosa... Se apenas eu tivesse
mais dinheiro...

Querido amigo, vai precisar de algum tempo para sentir amor por quem é na
totalidade.

Já reparou que a maior parte das pessoas com problemas sérios de saúde
são pessoas que nunca mostram raiva, nem se queixam, colocam sempre os
outros em primeiro lugar. E depois têm doenças graves e nem sabem porquê.

Escondido nos seus corpos há toda a raiva, sonhos, desejos, tristezas que

www.emidiocarvalho.com   4 
 

nunca foram capazes de mostrar ao mundo. Foram ensinados a colocar os


outros em primeiro lugar, porque é isso o que as pessoas boas fazem.

Dentro de nós há todos os aspectos, positivos e negativos, que observamos


na espécie humana. Cada emoção, cada impulso, cada necessidade.

Quando observar um comportamento humano, qualquer comportamento


humano, e for capaz de afirmar “eu sou assim” ao nível mais profundo do seu
ser, então será capaz de se aproximar da verdadeira iluminação.

Lembre-se que só saberá verdadeiramente o que é o amor, quando aceitar


em si a capacidade para odiar. O ódio só tem poder sobre si enquanto não o
reconhecer, enquanto não o aceitar. A partir do momento que aceita a sua
capacidade para odiar irá estar livre para amar sem impor condições.

A nossa sombra existe para nos mostrar que somos incompletos. Existe para
nos ensinar o amor, a compaixão e o perdão. Não só em relação aos outros
mas, acima de tudo, em relação a nós mesmos. E quando abraçamos a
nossa sombra, tem início a cura da nossa alma. É que a nossa sombra só é
sombra porque permanece escondida. Quando trazemos a nossa sombra à
presença da luz, quando descobrimos o presente da nossa sombra, ela
transforma-nos. Liberta-nos.

Quando abraçar a sua sombra, dará inicio ao processo da cura. E quando


cura a sua sombra torna-se livre para amar na totalidade.

Em cada ser humano há uma divindade à espera de nascer.

Faça a Meditação Activa 2 (www.emidiocarvalho.com/multimedia.htm)


apresentada nesta página. Tire tempo para a fazer com calma. Tenha à mão
umas folhas e lápis de cor.

Já é perfeito. 
 

Lição 3 – O Mundo Está Dentro De Si 
Nós não estamos no mundo, o mundo está em nós.

Isto significa apenas uma coisa: dentro de cada um de nós estão todos os
atributos do comportamento humano. Para além da superfície de cada ser
humano encontram-se todas as emoções, comportamentos, qualidades e
defeitos de toda a humanidade.

Isto pode parecer, a uma primeira vista, algo poético e sem qualquer
significado. Se foi isso o que pensou, aconselho-o a voltar a ler. E mais uma

www.emidiocarvalho.com   5 
 

vez.

O modelo holográfico do Universo (já referi este modelo em newsletters


anteriores) diz-nos que cada um de nós é um microcosmo do imenso
macrocosmo. Cada um de nós possui toda a sabedoria do universo. Se
examinar um ser humano irá encontrar um holograma do universo. No ADN
de cada ser humano encontrará tudo o que precisa para criar toda a
humanidade.

Quando conseguir sentir que contém em si tudo aquilo que vê nos outros,
todo o seu mundo irá ser alterado. Por isso o objectivo deste curso é
descobrir tudo aquilo que ama e odeia nos outros. Quando aceitarmos estes
aspectos em nós abrimos a porta para o universo dentro de nós. Quando
fizermos as pazes connosco seremos capazes de fazer as pazes com o
mundo.

A chave encontra-se em sentir que não há nada que consigamos ver nos
outros que não esteja já em nós. Se não possuirmos determinada qualidade
ser-nos-á impossível vê-la noutro. Se, por exemplo, você se sente inspirado
pela coragem de alguém, essa coragem é um reflexo da coragem que está
dentro de si. Se você se sente incomodado pelo egoísmo de alguém, pode
ter a certeza que é capaz de mostrar o mesmo nível de egoísmo noutras
alturas.

Embora não demonstre todos os atributos da humanidade constantemente,


tem a capacidade de o fazer numa determinada altura.

Sendo cada um de nós uma parte deste universo holográfico, somos tudo
aquilo que vemos, julgamos e admiramos nos outros.

Todos nós temos poder, força, criatividade e compaixão. Todos nós


possuímos inveja, luxúria, raiva e fraquezas. Não há um único atributo,
comportamento ou qualidade que não possuamos já. Todos somos
inundados com luz divina, amor e sabedoria, e, do mesmo modo, inundados
com egoísmo, secretismos e hostilidade.

A sua tarefa, enquanto ser humano, é encontrar o amor e a compaixão por


cada aspecto de quem é.

Lembra-se da analogia do castelo? O seu castelo tem aposentos de


criatividade, feminilidade, honestidade, integridade, saúde, assertividade,
sensualidade, poder, timidez, ódio, inveja, frigidez, preguiça, arrogância,
doença, maldade. E cada aposento é uma parte integrante do edifício. Para
cada aposento que é capaz de identificar pode ter a certeza que algures
existe o seu exacto oposto.

www.emidiocarvalho.com   6 
 

Este é o motivo da insatisfação para com a vida: andamos à procura de mais,


sempre à procura de mais. Mas não sabemos o que é esse mais. Os
aposentos que, consciente ou inconscientemente, decidimos que não fariam
parte do nosso castelo.

Mas se quer mesmo mudar a direcção da sua vida terá que voltar ao seu
castelo e abrir as portas de cada aposento. Tem que estar preparado para
explorar o seu universo interior e aceitar tudo aquilo que deserdou de si
mesmo. Só na presença do seu Eu Completo será capaz de dar apreço à
magnificência de quem é e desfrutar da totalidade da sua vida.

Quando vê, por exemplo, um homem zangado e a discutir na rua. Você tem o
potencial para se zangar e discutir. Consegue aceitar isto? Os outros são
sempre uma projecção do que está já latente em nós.

O segredo aqui é simples. Quando observa qualquer comportamento


humano, e não sente qualquer tipo de reacção emocional significa que aceita
em si esse comportamento ou o potencial para o demonstrar. Se, por outro
lado, tem uma reacção emocional isso significa um aposento do seu castelo
que foi encerrado há muitos anos.

Perante qualquer comportamento humano que observa deverá fazer-se três


perguntas: Em que situações do passado já tive este comportamento? Em
que situações do presente tenho este tipo de comportamento? Em que
situação, hipotética, seria eu capaz de demonstrar este comportamento?

As pessoas que você mais julga são aquelas que lhe mostram os aspectos
de si que mais odeia e nega. Lembre-se, se a sua vida tivesse sido diferente,
que tipo de comportamentos seria capaz de mostrar ao mundo?

Se você tivesse sido abusado na infância ao ponto de ter a sua vida


ameaçada. Se nunca tivesse sentido o apreço, o carinho de outro ser
humano, seria capaz de matar outra pessoa a sangue frio? Provavelmente.
Isto não significa que matar está certo. Não está. Mas consegue ver em si o
potencial latente para matar, se a sua vida tivesse sido diferente?

Será capaz de abraçar a possibilidade de ser qualquer uma das pessoas que
julga e critica?

Há um ditado inglês muito interessante que diz “nunca julgues outro ser
humano antes de caminhares nos seus sapatos”. É isto o que é pedido de si
antes de julgar outro.

Se prestar atenção, no dia-a-dia, irá aperceber-se que apenas julga as


pessoas que demonstram atributos que você não é capaz de aceitar em si. E

www.emidiocarvalho.com   7 
 

há uma forte probabilidade, meu querido amigo, de ser precisamente o


atributo que já há muito anda a mostrar aos outros.

Se for capaz de abraçar a totalidade do universo dentro de si, será capaz de


abraçar a totalidade da espécie humana também.

Infelizmente, e como afirmou Gunther Bernard tão bem, nós escolhemos


esquecer quem somos e depois esquecemo-nos de que nos esquecemos.

O universo irá sempre levar até nós as pessoas com os ‘defeitos’ que não
somos capazes de reconhecer em nós. É a forma de o universo nos conduzir
de volta à totalidade de quem somos. Por isso é que da mesma maneira que
nós somos, assim é o mundo que nos rodeia (uma boa altura para desistir de
ver os noticiários na televisão!).

Cada parte de si tem algo a oferecer-lhe. Ao aceitar-se e amar-se na


totalidade será capaz de aceitar e amar todos à sua volta.

Está na hora de pegar numas folhas, lápis de cor e caneta. Ouça a


Meditação Activa 3 (www.emidiocarvalho.com/multimedia.htm) e siga os
passos para o seu Eu Sagrado.

 
Lição 4 – Conhece A Tua Sombra, Conhece­te A Ti Mesmo 
Dentro de cada um de nós existe um verdadeiro tesouro. Este tesouro é o
nosso espírito, puro e magnificente, livre e brilhante! Mas este tesouro foi
escondido por uma camada espessa de preconceitos. Estes
preconceitos têm a sua origem nos nossos medos. É a nossa máscara
social: a cara que mostramos ao mundo. Revelar a nossa sombra é
colocar a descoberto a nossa máscara. Temos que olhar para esta
máscara com amor e compaixão, pois há um enorme tesouro à nossa
espera quando compreendemos porque motivo nos escondemos por
detrás dela.

Há uma história curiosa que podemos aplicar a este tema. Em 1957 um


grupo de monges na Tailândia estava a ser deslocado para outra parte do
país. Um dos monges ficou responsável por tratar da deslocação de uma
enorme estátua de barro do Buda que se encontrava à entrada do templo.
Como a estátua era de barro todo o cuidado era pouco para não a
estragar. Ainda por cima notava-se umas rachadelas num dos pés da
estátua. O monge não sabia o que fazer. Durante a noite não conseguia
adormecer, a pensar como melhor deslocar a estátua sem causar danos.
A meio da noite levantou-se, pegou numa lanterna e foi ver mais uma vez
a estátua. Ao incidir o foco de luz sobre o barro estalado notou que por

www.emidiocarvalho.com   8 
 

debaixo do barro reflectia-se um brilho forte. O monge começou a


arranhar o barro com as unhas, e o brilho aumentava cada vez mais. Por
fim surgiu ouro! Algumas centenas de anos antes, os monges daquele
mosteiro foram atacados e saqueados. Para protegerem a única coisa de
valor que tinham colocaram barro a cobrir uma enorme estátua de ouro do
Buda! E foi essa estátua que o monge tinha tentado manter no seu estado
original de barro!

Da mesma maneira que este Buda, o nosso aspecto exterior serve para
nos proteger do mundo exterior. O nosso verdadeiro tesouro esconde-se
por debaixo! Nós escondemos, inconscientemente, o nosso tesouro. A
maneira mais fácil de descobrir este tesouro é arranhando e quebrando a
nossa estrutura superficial.

Nos meus seminários encontro muitas pessoas que investem anos e


dinheiro em seminários, tratamentos e cursos. Procuram respostas. E
quando é que a procura irá terminar? Quando é que obterão as
respostas? Estas pessoas não se vêem como um Buda de ouro
escondido por detrás de uma camada de preconceitos. Na verdade estas
pessoas não suportam a sua camada superficial. Ainda não descobriram
que esta camada superficial as protege muito mais do que imaginariam
algum dia. Nós precisamos da nossa camada protectora por muitos
motivos, e para cada um de nós os motivos são diferentes. Apesar de que
o nosso objectivo último é ver-nos livres da camada protectora, primeiro
temos que compreender e aceitar estas máscaras.

Acha que o Buda de ouro, depois de lhe terem retirado a camada de


barro, disse “porque motivo me tiraram o barro?! Eu gosto deste barro que
me esconde!!” Ou será que o Buda sentia uma imensa gratidão pela
protecção que o barro lhe tinha dado no passado, e que agora já não
precisava?

A sua camada exterior é a face que mostra ao mundo. Esconde todas as


características que compõem a sua sombra. As nossas sombras
escondem-se tão bem que muitas vezes mostramos ao mundo uma cara,
quando no fundo nos sentimos exactamente o oposto. Há pessoas que
usam uma camada de frieza, para esconder a sua sensibilidade, ou usam
uma camada de humor para esconder a tristeza interior. As pessoas que
acreditam que ‘já sabem’, escondem sentimentos de estupidez. Enquanto
que aquelas que agem de maneira arrogante, ainda têm que revelar as
suas inseguranças. As pessoas ‘cool’ ainda têm que mostrar a sua parte
desenxabida. E as pessoas sorridentes, a sua cara de zangadas.

Nós temos que olhar para além das nossas máscaras sociais para poder

www.emidiocarvalho.com   9 
 

descobrir quem somos de verdade. Nós somos mestres dos disfarces,


enganando os outros mas, acima de tudo, enganando-nos a nós mesmos.
São as mentiras que contamos a nós mesmos que temos que decifrar.
Quando não nos sentimos completamente satisfeitos, felizes, saudáveis
ou a viver os nossos sonhos, sabemos que as nossas mentiras estão
activas. É assim que descobrimos a nossa sombra em acção.

A mudança que tem que ocorrer é perceptual. Você tem que ver as suas
camadas exteriores como estando a servir uma função protectora, e não
apenas como algo que o/a impede de viver os seus sonhos. As suas
camadas exteriores foram concebidas de maneira divina para o/a ajudar
no seu processo espiritual. Ao visitar e explorar cada acidente, emoção e
experiência que o/a levou a construir as suas camadas exteriores, será
conduzido de volta a casa para que possa abraçar a totalidade do seu ser.
As nossas camadas exteriores são o mapa do nosso desenvolvimento
pessoal. Contêm tudo o que somos, e tudo o que não queremos ser.
Independentemente do quão doloroso tenha sido o seu passado, se olhar
para si mesmo com total honestidade e utilizar a informação guardada nas
suas camadas exteriores como um guia, irá encontrar o caminho de volta
à iluminação.

Quando conhecer o seu Eu Total deixará de ter necessidade das


camadas exteriores para protecção. Irá deixar que as suas máscaras
caiam naturalmente. Todos os seres humanos que partilham o planeta
serão seus iguais. Literalmente.

As nossas camadas exteriores são criadas pelo ego. Ou melhor, são


criadas pelo ideal que o ego cria. O ego é o ‘eu’ que se diferencia dos
outros. O Espírito une este ‘eu’ com a totalidade de quem é. Quando esta
união entre espírito e ego ocorre, tornamo-nos um com nós mesmos e
com o mundo.

Muitas pessoas não conseguem ir muito longe neste processo de


desvendar a sombra porque não têm a vontade de ser honestas com elas
próprias. O ego não gosta muito de perder o controlo! Mas a partir do
momento que é capaz de reconhecer todos os aspectos de quem é, o
bom e o mau, o ego começa a sentir que perde o seu poder.

Comece por desafiar a pessoa que pensa que é para poder revelar a
pessoa que é capaz de se tornar.

Usar as outras pessoas como espelhos ajuda-nos a decifrar as nossas


máscaras.

Vá ter com os seus amigos e familiares mais próximos e peça-lhes para

www.emidiocarvalho.com   10 
 

lhe dizerem as três qualidades e os três defeitos que mais admiram/não


suportam em si. É importante dizer-lhes primeiro que não ficará ofendido
pelas suas respostas! Torne o espaço das perguntas um local seguro para
todos. Só assim os outros se sentirão bem em revelar-lhe o que pensam
de si. Descubra depois se aquilo que mostra aos outros é o que mostra a
si mesmo. Muitas pessoas conseguem ver mais qualidades em nós do
que nós mesmos. E, ao mesmo tempo, vêem mais características
negativas em nós do que seríamos capazes de admitir.

Muitas pessoas resistem este exercício. Têm medo de ser julgadas. Em


vez de pensar que vai ser julgado, pense neste exercício como uma forma
de feedback, informação que lhe será útil. Nós não temos que acreditar
naquilo que os outros pensam de nós, mas se temos receio de ouvir o que
as pessoas que nos são mais próximas pensam de nós, deveríamos
prestar atenção aos motivos.

A maioria das pessoas tem receio de ouvir aquilo que mais as aterroriza.
A isto chama-se ‘negação’. Nós só temos medo se, a um outro nível,
soubermos que temos andado a enganar-nos a nós mesmos. Se você
pensar, do mais fundo do seu ser, que aquilo que outros pensam de si
não é verdade, não irá dar qualquer significado ao que é dito.

Pense por instantes na quantidade de energia que necessita para


esconder algo de si mesmo e do mundo. Pegue, por exemplo, numa
laranja, e ande com ela na mão todo o dia. Mas sempre a tentar não ver a
laranja nem deixando que outros a consigam ver. Depois de algumas
horas repare na quantidade de energia que gasta para conseguir
esconder a laranja! É isto o que os nossos corpos têm que fazer ao longo
de cada dia. Com uma excepção: os nossos corpos não têm que
esconder apenas uma peça de fruta. Têm que esconder todas as peças
de fruta que temos medo de ver e mais medo que outros vejam.

Quando finalmente deixar que a sua verdade surja ao de cima irá


descobrir-se livre! Irá ter disponível toda aquela energia que consumia a
esconder cada peça de fruta que transportava, e neste processo irá ver-se
no caminho dos seus objectivos. Nós só estamos tão doentes quanto os
nossos segredos. Estes segredos fazem com que seja impossível sermos
nós mesmos.

Outra forma de expor quem é de verdade é fazendo uma lista de três


pessoas que admira e três pessoas que odeia. Podem ser amigos,
actores, políticos, e até pessoas que já morreram há centenas de anos.
As pessoas que mais admira deverão inspirá-lo com qualidades que
gostaria de possuir. As pessoas que odeia deverão deixá-lo mal-disposto,

www.emidiocarvalho.com   11 
 

zangado ou mesmo com raiva.

Depois, numa folha de papel, faça uma lista de todas as qualidades que
admira nas primeiras três pessoas e no outro lado da folha as
características que não suporta nas últimas três pessoas.

Estas listas são uma boa maneira de descobrir as partes de nós que não
aceitamos. Aconselho-o a começar pelas características negativas. De
início poderá ter alguma dificuldade em reconhecer em si as
características que odeia. Não deve ser fácil descobrir em nós
características do Hitler. É importante decifrar qualquer palavra mais
abrangente, como por exemplo ‘assassino’. A pergunta que tem que se
fazer é “que tipo de pessoa cometeria estes actos?”. Seguindo o exemplo
do assassino, poderia ser uma pessoa egoísta, enraivecida, que não
valoriza a vida humana. Se lhe surgir a expressão “não valoriza a vida
humana”, pergunte-se que tipo de pessoa é que não valoriza a vida
humana? Poderá surgir-lhe, como resposta, um narcisista, uma pessoa
doente, demente. A parte importante deste processo é tornar a linguagem
simples até chegar a uma palavra específica ou uma característica que
gosta ou desgosta. Descubra as características que possuem, para si,
uma carga emocional.

Mantenha presente as palavras de Nietzsche: “nós não temos nada a


dizer sobre as coisas que acontecem nas nossas vidas, mas temos
sempre algo a dizer sobre a forma como interpretamos essas coisas:”

Faça agora o exercício que acompanha esta aula, no anexo.

Depois faça ainda o exercício que se segue. Vou dar-lhe duas semanas
para completar esta série. É importante que faça tudo o que é pedido por
forma a poder continuar na sua caminhada!

O que eu mais detesto

A única maneira de poder conquistar todo o seu maravilhoso poder


criativo é resgatando o poder escondido na sombra. Talvez não se
sinta infiel ou mentiroso, talvez nunca o tenha sido. Mas o potencial
de o ser está dentro de si, como está dentro de mim.

Para este exercício precisará do seu caderno e de uma caneta. Não é


necessário criar qualquer ambiente específico, mas coloque-se em
frente a um espelho. Deverá estar a olhar-se nos olhos enquanto faz
as afirmações.

Neste exercício iremos fazer as pazes com todas aquelas pessoas

www.emidiocarvalho.com   12 
 

que não gostamos. Sempre que uma afirmação ‘mexa’ consigo,


sempre que sentir que não gosta, que sente desconforto, escreva
essa palavra no seu caderno.

Está pronto? Vamos começar.

• Eu Sou invejoso! • Eu Sou pomposo!


• Eu Sou mentiroso! • Eu Sou feio!
• Eu Sou fútil! • Eu Sou desleixado!
• Eu Sou rancoroso! • Eu Sou linguarudo!
• Eu Sou vingativo! • Eu Sou estridente!
• Eu Sou nojento! • Eu Sou passivo!
• Eu Sou violento! • Eu Sou agressivo!
• Eu Sou controlador! • Eu Sou mal-cheiroso!
• Eu Sou mau! • Eu Sou cobarde!
• Eu Sou uma cabra! • Eu Sou sinistro!
• Eu Sou demoníaco! • Eu Sou ansioso!
• Eu Sou um tolo! • Eu Sou invejoso!
• Eu Sou pudico! • Eu Sou manda-chuva!
• Eu Sou toxicodependente! • Eu Sou aluado!
• Eu Sou coscuvilheiro! • Eu Sou um falhado!
• Eu Sou um predador! • Eu Sou envergonhado!
• Eu Sou alcoólico! • Eu Sou negligente!
• Eu Sou estúpido! • Eu Sou puta!
• Eu Sou idiota! • Eu Sou sujo!
• Eu Sou amedrontado! • Eu Sou amargo!
• Eu Sou viciado no jogo! • Eu Sou desavergonhado!
• Eu Sou doentio! • Eu Sou frio!
• Eu Sou gordo! • Eu Sou inflexível!
• Eu Sou horrendo! • Eu Sou velho!
• Eu Sou sádico! • Eu Sou distante!
• Eu Sou masoquista! • Eu Sou racista!
• Eu Sou bulímico! • Eu Sou snob!
• Eu Sou anoréctico! • Eu Sou elitista!
• Eu Sou inconsciente! • Eu Sou coração de pedra!
• Eu Sou inconsequente! • Eu Sou ladrão!
• Eu Sou irrelevante! • Eu Sou aldrabão!
• Eu Sou frígido! • Eu Sou ignorante!
• Eu Sou rígido! • Eu Sou um coitadinho!
• Eu Sou abusador! • Eu Sou meio-morto!
• Eu Sou manipulador! • Eu Sou um zombie!
• Eu Sou vítima! • Eu Sou sempre um atrasado!

www.emidiocarvalho.com   13 
 

• Eu Sou egocêntrico! • Eu não Sou autêntico!


• Eu Sou superior aos outros! • Eu Sou ofensivo!
• Eu Sou doido! • Eu Sou inapropriado!
• Eu Sou emotivo! • Eu Sou selvagem!
• Eu Sou preconceituoso! • Eu Sou incompetente!
• Eu Sou condescendente! • Eu Sou preguiçoso!
• Eu Sou competitivo! • Eu Sou oportunista!
• Eu Sou sedento de poder! • Eu Sou luxúria!
• Eu Sou xenófobo! • Eu Sou injusto!
• Eu Sou homossexual! • Eu Sou tonto!
• Eu Sou pegajoso! • Eu Sou traidor!
• Eu Sou inseguro! • Eu Sou mesquinho!
• Eu Sou depressivo! • Eu Sou infantil!
• Eu Sou um caso perdido! • Eu Sou bisbilhoteiro!
• Eu Sou pedinte! • Eu Sou desesperado!
• Eu Sou delinquente! • Eu Sou maricas!
• Eu Sou perfeccionista! • Eu Sou cruel!
• Eu Sou intrometido! • Eu Sou insensível!
• Eu Sou ressentido! • Eu Sou assustador!
• Eu Sou um dejecto! • Eu Sou perigoso!
• Eu Sou inútil! • Eu Sou explosivo!
• Eu Sou traidor! • Eu Sou perverso!
• Eu Sou inferior! • Eu Sou psicótico!
• Eu Sou casmurro! • Eu Sou vampiro energético!
• Eu Sou destrutivo! • Eu Sou merdoso!
• Eu Sou lésbica! • Eu Sou inumano!
• Eu Sou paneleiro! • Eu Sou triste!
• Eu Sou desinteressante! • Eu Sou frágil!
• Eu Sou vazio! • Eu Sou impotente!
• Eu Sou diabólico! • Eu Sou superficial!
• Eu Sou ridículo! • Eu Sou insípido!
• Eu Sou um caos! • Eu Sou castrado!
• Eu Sou esquizofrénico! • Eu Sou menino da mamã!
• Eu Sou tarado! • Eu Sou nervoso!
• Eu Sou um verme! • Eu Sou arrogante!
• Eu Sou descuidado! • Eu Sou hipócrita!
• Eu Sou mártir! • Eu Sou miserável!
 
 

www.emidiocarvalho.com   14 
 

Lição 5 – Eu Sou Isso 
Uma vez que sejamos capazes de ver as partes de nós que andámos a
negar, estamos prontos a avançar para a próxima etapa deste processo.
Iremos aceitar cada um destes aspectos negados. Aceitar significa
reconhecer que determinada característica lhe pertence. Podemos assim
começar a aceitar a responsabilidade pelo todo que somos. Neste momento
não tem que gostar de cada parte de si, tem apenas quer estar preparado
para reconhecer cada uma delas em si e nos outros. Há três questões que
lhe poderão ser úteis nesta etapa: alguma vez demonstrei este
comportamento no passado? Ando a demonstrar este comportamento agora?
Sob circunstâncias diferentes, seria capaz de demonstrar este
comportamento? Uma vez que responda "sim" a qualquer destas questões
terá dado início ao processo de aceitação de qualquer comportamento.

Alguns comportamentos são mais fáceis de reconhecer e aceitar que outros.


Aqueles aspectos de nós que mais negamos, e que continuamente
projectamos nos outros, serão os mais difíceis de aceitar. Daí que é tão
importante ser implacável consigo mesmo, sendo, simultaneamente,
carinhoso.

Esteja preparado para aceitar que "é" aquilo que menos desejaria ser. Esteja
preparado para ver com novos olhos, para além dos mecanismos de defesa,
tudo aquilo que lhe diz "eu não sou isso". Olhe, com olhos que digam "eu sou
isso. Em que situações sou eu assim?". E resista à tentação de se julgar.

Não crie decisões repentinas e pense que é uma pessoa má, se descobrir
que é invejoso ou egoísta. Todos nós possuímos essas características, bem
como os seus pólos opostos. Fazem parte da nossa humanidade. Todas
estas características existem para nos guiar e ajudar. Pode ser que neste
momento esteja céptico, mas dê a si mesmo a oportunidade de descobrir
todas as características que o tornam completo. Prometo-lhe que no final irá
descobrir o tesouro que sempre esteve dentro de si.

Aceitar é uma etapa essencial deste processo de cura e de criação de uma


vida de amor. Nós não podemos abraçar aquilo que não aceitamos. Se quiser
manifestar todo o seu potencial tem que ir buscar as partes de si que tem
negado, escondido ou dado a outros ao longo dos anos.

Se há um aspecto de si que não aceita pode ter a certeza que irá


continuamente atrair as pessoas que lhe irão mostrar esse mesmo aspecto.
O Universo irá mostrar-lhe quem é de verdade através dos outros,
continuamente até aceitarmos esses aspectos negados.

Já alguma vez pensou porque motivo atrai o tipo de pessoa que não gosta
mesmo nada? Não é por acaso.

Há muitas maneiras de descobrir as partes de si que tem negado. Comece


por estudar as características que mais o ofendem. Faça uma lista com as
palavras que melhor descrevem as pessoas que detesta, ou gosta menos.
Não importa o quanto lhe possa custar, enquanto não aceitar estas

www.emidiocarvalho.com   15 
 

características em si não conseguirá avançar. Descubra uma altura da sua


vida em que demonstrou essa característica. Experimente cada um dos
aspectos que não é capaz de aceitar como quem experimenta um casaco.
Veja como se sente, o que terá que fazer para servir. Imagine como reagiria
se alguém que o ama lhe chamasse isso. Terá que analisar que tipo de juízos
faz sobre cada aspecto, e ainda que juízos faz sobre as pessoas que
demonstram esse mesmo aspecto. Veja quantas pessoas 'eliminou' da sua
vida por possuírem esse aspecto. Não tente comparar-se de maneira positiva
em relação a essas pessoas. não deixe que o seu ego se justifique ou
justifique o seu comportamento. Lembre-se que o mundo vê um invejoso
apenas como um invejoso.

Desista de investir tanta energia e tempo em ter razão, em se justificar. É


preciso compaixão para aceitar uma parte de nós que negámos,
escondemos, ou odiámos durante muito tempo.

As pessoas espelham de volta aquilo que já está dentro de nós porque


subconscientemente nós atraímos precisamente esses aspectos. É por este
motivo que há um determinado tipo de pessoas e situações que parecem
repetir-se. Quando nós somos finalmente capazes de aceitar um determinado
aspecto de nós, estas pessoas mudam de comportamento, ou então nós
simplesmente tornamo-nos livres para as abandonar. E uma vez que você
aceite a totalidade de quem é irá ser atraído pelo campo gravitacional
daqueles que também se aceitam na totalidade.

Leve o seu tempo a verificar os aspectos de si mesmo que não aceita.


Lembre-se que sempre que descobrir um aspecto em alguém que considere
negativo, isto acontece apenas porque você já possui esse mesmo aspecto.

As palavras mais difíceis de aceitar são sempre aquelas relacionadas com


incidentes do passado em que sentimos que fomos magoados. O nosso ego
irá resistir a aceitação das características daqueles que nos magoaram e que
culpamos pelos nossos infortúnios. Em vez de se agarrar ao ressentimento
tente aprender com ele. Olhe para a pessoa que o magoou, verifique que
aspectos dessa pessoa mexem consigo. E quando conseguir encontrar esses
aspectos em si, deixará de ser afectado por essa pessoa.

Muitas vezes, para aceitar um aspecto de si tem que libertar a raiva


acumulada – raiva contra a situação, contra a pessoa que o magoou e contra
si por ter permitido. Gritar é uma excelente forma de nos libertarmos dessa
raiva. Desde que não estejamos a magoar outros deveríamos sempre libertar
a nossa raiva. Quando se encontrar cara a cara com um aspecto de que não
gosta não tenha receio de demonstrar a raiva sentida. Demonstre-a com a
intenção de se libertar, de deixar partir os juízos, a vergonha, a dor, e a sua
resistência a aceitar este aspecto de si.

Se nós pudéssemos aceitar a maldade e o ódio dentro de nós não teríamos a


necessidade de os projectar nos outros.

Quando negamos um aspecto de quem somos, tentamos compensar essa


"perda" tornando-nos no seu oposto. É então que criamos personagens para

www.emidiocarvalho.com   16 
 

tentar provar a nós mesmos e aos outros que não somos isso. Confesse, se
olhar para si com bastante atenção, consegue ver a parte de si que é
aborrecida? E a parte de si que é estúpida? Consegue ainda ver a parte de si
capaz de mentir ou de atraiçoar? Permita-se gritar quando descobrir estes
aspectos em si. Aceite-os e liberte-se do seu peso. Se formos honestos, e
não estamos a demonstrar estes aspectos no presente, então teremos que
identificar um tempo em que fomos aborrecidos e estúpidos e mentimos e
atraiçoamos.

Nós gastamos na totalidade os nossos preciosos recursos quando "tentamos"


não ser algo. Nós estamos aqui para aprender algo com cada um destes
aspectos e fazer as pazes com cada um. Para sermos pessoas autênticas
temos que permitir que os aspectos que amamos e aceitamos co-habitem
com todos os aspectos de nós que desprezamos, julgamos e decidimos que
estão errados. Quando conseguirmos segurar em todos os nossos aspectos
numa mão, sem qualquer juízo, eles irão integrar-se naturalmente no nosso
ser. É ai que podemos tirar as nossas máscaras e confiar que o Universo
criou cada um de nós com um motivo divino. Poderemos então olhar desde
cima, abraçando todo o mundo.

Exercício:

Para que possamos tornar-nos verdadeiramente livres, temos que ser


capazes de aceitar e abraçar todas as características que não gostamos de
ver nos outros.

1. Volte à lista de palavras do último exercício (sim, aquele que diz "eu sou isto
e aquilo" – e nem uma palavra simpática para agradar!). Sente-se em frente a
um espelho e diga cada uma das expressões em voz alta uma vez, duas,
três, quatro... Diga-o até que a energia à volta da palavra se dissolva. Vai ver
que funciona. Se houver uma característica que mexa demasiado consigo,
que o deixe com raiva ou medo, ou se fica chateado com essa característica,
retire-se e escreva uma carta de ódio a essa característica. Demonstrar ódio
desta maneira é muito saudável (como irá descobrir). Estas cartas são só
para si, uma forma de se libertar de tensão acumulada. Se não souber o que
dizer comece por "Eu estou chateado contigo (por exemplo 'eu sou puta')
porque nunca na vida... E depois escreva tão depressa quanto for capaz,
sem sequer pensar no que escreve. Escreva tudo o que lhe vier à cabeça.
Não se preocupe com a gramática ou erros ortográficos. Foque a sua
atenção na libertação de velhas tensões. Este exercício é uma maneira de
libertar emoções tóxicas que intoxicam o nosso corpo. Se novos sentimentos
surgirem durante o processo, sinta-os. Irá descobrir que tem uma dificuldade
especial com aquelas características que julgou mais violentamente. Mesmo
que comece a chorar, mantenha todo o processo. Irá surgir uma altura em
que sentirá toda a carga emocional a dissipar-se espontaneamente.

2. Recorrendo à mesma lista de palavras, veja se consegue identificar alturas


na sua vida em que demonstrou essas características. Se não consegue
recordar-se de nenhuma altura, pergunte-se em que circunstâncias seria
possível para si demonstrar essa característica. Será que alguém já se referiu
a si como estando a demonstrar essa característica? Escreva as respostas

www.emidiocarvalho.com   17 
 

ao lado de cada característica.

Lição 6 – Abraçar A Nossa Sombra 
A maioria das pessoas tem um desejo inato de sentir paz. Mas só
conseguiremos essa paz quando formos capazes de abraçar a totalidade de
quem somos. Descobrir as qualidades dos nossos aspectos mais negativos é
um processo criativo que necessita apenas de um desejo profundo de ouvir e
aprender, uma vontade de deixar partir juízos de valor disfuncionais e
crenças limitadoras, e a intenção de querer sentirmo-nos melhor. O seu Eu
verdadeiro não cria juízos de valor. Apenas o nosso ego, conduzido pelo
medo, cria juízos de valor com o intuito de nos proteger – protecção essa
que, ironicamente, nos impede de uma realização pessoal plena.

Para poder ultrapassar o ego e as suas defesas tem que procurar o silêncio,
ser corajoso, e ouvir as vozes dentro da sua cabeça. Por detrás das nossas
máscaras sociais existem milhares de faces. Cada face possui uma
personalidade. Cada personalidade possui características específicas. Ao
conseguir dialogar com cada uma destas subpersonalidades irá transformar
os seus preconceitos egoístas em tesouros valiosos. Quando for capaz de
abraçar cada aspecto da sua sombra irá buscar o poder que deu a outros, irá
criar uma ligação verdadeira com o seu Eu autêntico.

Quando permitir que as vozes das suas subpersonalidades se tornem


conscientes, elas irão criar equilíbrio e harmonia com os seus ritmos naturais.

Para mim foi uma experiência única o descobrir algumas das minhas
subpersonalidades. Descobri partes de mim que, acreditava, nunca tinha
sequer rejeitado porque nem sabia que existiam!

É importante que comece por identificar cada uma das subpersonalidades e


depois dar-lhes um nome. O facto de dar um nome a uma subpersonalidade
específica irá torná-la consciente.

A maneira mais interessante de descobrir as suas subpersonalidades é


através de um exercício criado por Roberto Assagioli, fundador da
Psicossíntese.

Imagine que está numa paragem de autocarro. Pode ser numa cidade, no
campo, até, porque não, numa auto-estrada (a sua imaginação decide os
seus limites)! Imagine que ao longe se aproxima um autocarro cheio de
gente. Haverá nele pessoas novas e velhas, miúdos e graúdos, gente magra
e gorda, bonita e feia, inteligente e estúpida. Todo o tipo de pessoas! Só que
você ainda não sabe que pessoas estão dentro do autocarro!

O autocarro pára e você entra. Há apenas um lugar vazio, o seu. Repare no


ambiente dentro do autocarro. Comece a reparar nas pessoas. Sente-se. O
autocarro não arranca. Em vez disso uma das pessoas no autocarro avança
até si e estende-lhe a mão, para que a acompanhe. Repare na pessoa que o
convida. Verifique o que sente na presença desta pessoa. Depois saia com

www.emidiocarvalho.com   18 
 

ela para fora. Fora do autocarro, apenas os dois, sentem-se num banco e
converse com essa pessoa. Como se chama? O que pretende? Qual a sua
prenda para si? Como lhe pode ser útil? Quando tiver terminado a conversa
agradeça-lhe a sua presença. Abrace-a se sentir que é apropriado, ou dê-lhe
um aperto de mão.

Depois regresse ao autocarro e deixe que outra pessoa se aproxime de si.


Repita o processo. Faça por conhecer três ou quatro pessoas de cada vez
que faz este exercício.

O meu exemplo... Quando esperava pelo autocarro estava no campo, com


árvores frondosas na berma de uma estrada velha, com ervas que cresciam
nas bermas. O autocarro era novo e, à medida que se aproximava, tinha a
percepção de muito ruído, algazarra, dentro do autocarro. Senti um aperto no
peito quando o autocarro parou e as portas se abriram. A primeira pessoa
que vi foi o motorista – simpático e sorridente, acenou-me para entrar como
se estivesse com pressa. Sentei-me no fim do autocarro – o único lugar
vazio. Não me apetecia muito olhar à minha volta. Tinha a nítida sensação de
todas as pessoas em alvoroço, irrequietas, barulhentas. Quando levantei a
cabeça estava um idoso ao meu lado que me estendia a mão. A sua
expressão facial era de preocupação e ressentimento. Confesso que não me
apetecia muito sair e conversar com aquela pessoa, mas fui. Perguntei-lhe
como se chamava. Disse-me que era o Queirós Queixinhas. Quando nos
sentámos no banco, já fora do autocarro, o Queirós começou logo a falar.
Não se calava! Queixava-se dos políticos, dos amigos, do tempo, do trabalho,
até do autocarro que o transportava! Perguntei-lhe porque se queixava tanto.
Respondeu-me que se não se queixasse eu ficaria sempre para o fim! (E de
repente apercebi-me que o único lugar no autocarro era mesmo na traseira!).
Ele tinha que se queixar porque era a única maneira de eu prestar atenção ás
minhas necessidades. Enquanto se queixava senti uma enorme tristeza no
meu coração. Quando ele terminou agradeci-lhe a sua presença e prometi-
lhe que iria prestar mais atenção ás minhas necessidades. Abraçámo-nos
durante bastante tempo. Quando deixei o Queirós Queixinhas regressar ao
autocarro reparei que já não caminhava curvado e com andar arrastado. Por
outro lado eu sentia-me pesado.

Abri os olhos, escrevi numa folha um pequeno relato e regressei ao trabalho.


A segunda pessoa que veio ter comigo (desta vez o lugar vazio no autocarro
era muito mais à frente!) era um jovem musculado, com uma feição bruta,
ameaçadora. Chamava-se Tomás Teimoso. Mais uma vez, senti alguma
resistência em sair para fora do autocarro com esta personagem. Uma vez
fora do autocarro preparei-me para me sentar no banco e ouvir o que o
Tomás Teimoso tinha para me dizer. A primeira coisa que disse foi que
iríamos caminhar! Respondi-lhe que a ideia era de nos sentarmos e termos
uma conversa. Ele agarrou-me por um braço e disse que iríamos caminhar! A
sua voz era bastante persuasiva. Respirei fundo e lá fui. Perguntei-lhe
primeiro porque motivo queria ele caminhar. Respondeu-me que era simples:
ele tinha sempre razão! Uma nova pergunta surgiu na minha mente. Mas
então ter sempre razão não é algo que sempre combati?... Claro, por isso é
que o Tomás Teimoso era forte e bruto! Alimentei-o muito bem ao longo dos

www.emidiocarvalho.com   19 
 

anos, negando a sua existência! Disse-me que o querer ter razão é um jogo
do ego. O ter razão força-nos a aceitar que somos vítimas de uma maneira
perniciosa. Quando quis saber qual a sua prenda, informou-me, a sorrir, que
muitas vezes a minha intuição me tentava empurrar numa direcção mas,
seguindo a lógica do ego, eu ía no sentido oposto! E como não aceitava que
era teimoso, o Tomás aparecia de vez enquando, em conversas internas que
alimentavam o corpo de dor! Tinha que aceitar que muitas vezes me tornava
teimoso em situações mesquinhas quando deveria fazê-lo nos momentos em
que estava em jogo o meu desenvolvimento pessoal. Achei curioso quando o
Tomás Teimoso me disse que teríamos que voltar a encontrar-nos, ainda era
cedo para me dizer tudo o que tinha a dizer... Apertámos as mãos, mais
como sinal de respeito mútuo.

Abri os olhos e escrevi um relatório. Depois do Queirós Queixinhas e do


Tomás Teimoso, tive a oportunidade de conhecer o Victor Violento, a Zulmira
Zangada, o Afonso Alegre, o Manuel Mentiroso, o Carlos Comilão, a Belita
Boa-Vida, o Ivo Invejoso, a Maria Mordaz, a Vera Venenosa, o Sebastião
Sabichão, o Pedro Parvalhão, a Otília Otária, o Rafael Rancoroso, a Teresa
Trombuda, o Nelson Nega-Tudo, o Augusto Arrogante, o Carlos do Contra, o
Diogo Deprimido, o Teodoro Tudo-Bem, o Luís Luxúria, a Vânia Vai-com-
Todos, o Fernando Faz-de-Conta, o Mário Masoquista, a Sandra Sádica, a
Elsa Engraçadinha, o Belmiro Beato, o Angélico Angelical, o Mário Maricas, a
Vanda Vaidosa, a Carlota Cobardolas, o Alberto Abandonado, a Inês
Insaciável, a Joana Jurista, o Luís Larápio, a Tânia Traiçoeira, a Laura Lapa,
o Bartolomeu Bestial...

Ao longo deste processo irá ter momentos divertidos e momentos de tristeza.


Irá descobrir facetas que desconhecia e encontrar velhos amigos. No fim irá
descobrir que está tudo em si. Depois, é importante que escolha meia dúzia
de subpersonalidades que de facto estejam activas ao longo do dia. São
aquelas responsáveis pelos nossos hábitos. Por exemplo, se tem o hábito de
praguejar a outros condutores, talvez haja em si uma Carla Cabra ou um
Pedro Petulante... Da próxima vez que se encontrar na situação habitual fale
com essa subpersonalidade! Não só irá ser divertido como a situação se
dissolverá muito rapidamente.

Por exemplo, uma das minhas subpersonalidades mais activas era o


Sebastião Sabichão. Agora, sempre que alguém comenta algo e eu sinto
vontade de elaborar ou oferecer ainda mais informação sobre o assunto,
penso qualquer coisa como "Hallo! Sr. Sebastião Sabichão, agradecemos a
sua amabilidade mas neste momento os seus serviços não são necessários".
Ou quando alguém me fala de uma situação de injustiça e a Joana Jurista
começa aos pulos para dizer de sua sentença, posso pedir-lhe que se acalme
porque não se trata de uma situação de vida ou morte.

Mas o benefício maior é para as pessoas que estão em relacionamentos


estáveis. Se ambos souberem da existência das principais
subpersonalidades um do outro, é fácil dissolver situações conflituosas. Por
exemplo, a Carlota Chorona chega a casa a choramingar porque teve um dia
difícil e o marido, o Sandro Sádico, está à sua espera... Podem imaginar a
situação?... Explosiva! Mas se o marido disser qualquer coisa como "Aha!

www.emidiocarvalho.com   20 
 

Hoje temos a Carlota Chorona no palco!" ou a esposa afirmar "Podias pedir


ao Sandro Sádico que se acalme?", a situação mudaria completamente!

Para melhor poder encontrar as suas subpersonalidades, enquanto casal,


deixo-lhe o exemplo de um casal meu amigo.

A Andreia encontrou as seguintes subpersonalidades:

Rita Resistente, Zulmira Zangada, Dona Dominante, Paula Polícia, Rafaela


Rainha, Carla Controladora, Ana Amante, Sandra Sempre-Certa.

O Paulo encontrou as seguintes subpersonalidades:

Dionísio Dominador, Sebastião Sabe-Tudo, António À-Minha-Maneira,


Manuel Musculado, Alfredo Amante, Carlos Competente, Paulo Professor.

Já imaginaram o que acontecia neste casal quando a Dona Dominante se


encontrava com o Sebastião Sabe-Tudo?...

A confiança absoluta é algo que tem que existir antes de darmos início a
qualquer diálogo interior. Isto porque haverá alturas em que poderá estar a
falar com uma das suas subpersonalidades e alturas em que estará a ouvir a
vozinha interior (ego) que nunca tem nada de bom para dizer. Como
distinguir as duas? A vozinha que está sempre a deitar abaixo nunca terá
algo de positivo para lhe dizer, nunca haverá uma prenda ou algo a aprender.

É ainda importante receber as suas subpersonalidades de braços abertos.


Isto é mais fácil de dizer do que fazer. Esta é muito provavelmente a única
situação em que estar à espera do pior pode funcionar a seu favor.

À medida que for abraçando as partes de si que nunca aceitou, é uma óptima
ideia tentar descobrir onde é que essa subpersonalidade teve início. O que o
levou a acreditar que determinada característica era má e indesejada.

Se estiver preparado para ouvir, irá descobrir que a grande maioria das suas
subpersonalidades são engraçadas, divertidas, cheias de recursos, honestas
e capazes de perdoar tudo e todos. Na verdade cada uma das suas
subpersonalidades é uma das pessoas mais sábias em todo o Universo (o
seu Universo). Isto porque lhe dão respostas que vêm de si, do mais
profundo do seu ser. Na verdade você pode ter acesso a qualquer pessoa
indo bem dentro de si. Tudo o que tem a fazer é encontrar o silêncio interior e
chamar a pessoa à sua presença. Lembre-se, se essa pessoa não tem nada
de bom para lhe dizer, é a sua vozinha interna, parte do ego, que mais uma
vez tem a oportunidade de vitimizar.

As suas subpersonalidades estão à sua espera. Elas não querem mais nada
a não ser a sua atenção e aceitação. São as vozes do seu futuro e nunca do
seu passado. Quando conseguir ligar-se ao Todo que sempre foi nunca mais
se sentirá só, ser-lhe-á impossível. Temos que procurar o Universo dentro de
nós. Honrá-lo, amá-lo e aceitá-lo. Só então seremos capazes de aceitar a
magnificência que somos. Temos que parar de julgar a caminhada da nossa
alma, confiar no processo da nossa humanidade e abraçar a nossa bondade

www.emidiocarvalho.com   21 
 

eterna.

Faça o exercício do autocarro. Lembre-se que se a subpersonalidade que


aparecer não tiver nada de bom para lhe dizer é o seu ego a falar. Volte a
repetir.

 
Lição 7 – Aquilo Que Resiste, Persiste 
Se tem efectuado todos os exercícios dedicados à descoberta da Sombra, é
muito provável que comece a observar alterações significativas nos seus
relacionamentos.

Lembre-se de dois aspectos importantes de qualquer relacionamento:

1. O seu Corpo de Dor irá sempre atraí-lo para relacionamentos íntimos com as
pessoas capazes de alimentar a dor. Os relacionamentos irão causar-lhe
sofrimento, quer queira ou não, para que você possa despertar;

2. A partir do momento que aceita plenamente em si as características


negativas da pessoa com quem se relaciona, essa pessoa muda de
comportamento ou afasta-se, literalmente, de si.

O processo da Sombra não é fácil nem para qualquer pessoa. Ao iniciar este
processo irá mergulhar no que muitos mestres chamam de "Noite Escura da
Alma". A fase inicial deste processo é dolorosa e todo o sofrimento enterrado
ao longo dos anos irá surgir para que você o possa abraçar e abençoar,
vendo nele os presentes que encerra.

Não pode parar este processo. Não pode simplesmente dizer "já chega, já
sofri o suficiente, quero é viver a minha vida!". Se o fizer, pode ter a certeza
que voltará a passar pelo mesmo sofrimento vezes sem conta. Tem que se
permitir continuar.

Veja os presentes que cada trauma, cada drama, encerram em si.

Os acontecimentos da nossa infância, por mais traumáticos que tenham sido,


encerram o nosso dom. Para lhe facilitar este processo deixo-lhe alguns
exemplos.

Qualquer que tenha sido a experiência que o tenha marcado, a lição que
aprendeu foi qualquer coisa como:

- Não sou importante;

- Não devo sobressair;

- Não faço nada bem feito;

- Se for eu próprio serei punido;

- Se me respeitar outros irão afastar-se de mim;

www.emidiocarvalho.com   22 
 

- Se não fizer o que é esperado de mim ninguém me amará;

- Os outros têm sempre razão;

- Para ser amado tenho que abdicar daquilo que gosto;

- O meu corpo é feio;

- Sou mau porque não obedeço ás regras da sociedade;

- Se for atrás dos meus sonhos vou ser criticado;

- Não sou merecedor de fazer o que me dá prazer;

- Devo sacrificar os meus sonhos em favor de segurança;

- Não é seguro ser eu mesmo;

- Nunca vou ser completo;

- Se mostrar o que sinto outros irão rir-se de mim e/ou aproveitar-se das
minhas fraquezas;

- Se for bem educado todos me respeitarão;

- Só as pessoas sérias é que são levadas a sério;

- Etc, etc, etc.

Estas lições foram apreendidas através de situações específicas em que,


regra geral, um dos progenitores participou. Eis o que acontece:

A criança de seis anos, enquanto brinca, parte um vaso de estimação da


mãe. A mãe, porque teve um dia 'pesado', grita com a criança e diz-lhe
qualquer coisa como "Esse era o meu vaso favorito, que a tua bisavó me
tinha oferecido! Vai já para o teu quarto de castigo!" (ok, provavelmente
aconteceu algo muito pior). Qual a lição que a criança aprende? – pode
escolher entre "Nunca faço nada bem feito", "Sou uma pessoa má", "Só
causo problemas", "É arriscado divertir-me"...

Se os pais não foram capazes de mostrar carinho, afecto, a lição foi ainda
mais dura. Apreendeu coisas como "Não sou digno de ser amado", "Ninguém
gosta verdadeiramente de mim", "Não sou importante"...

Se os pais discutiam ou não mostravam uma relação amorosa, a lição que


apreendeu foi qualquer coisa como "Quando amamos alguém sofremos",
"Para ser amado tenho que abdicar daquilo que gosto", "Os outros são
incapazes de me amar quando sou eu próprio"...

Começa a perceber a história que foi criando enquanto criança? É capaz de


ver situações da sua infância e verificar como está agora a viver essas
situações de uma outra forma (embora as emoções sentidas sejam as

www.emidiocarvalho.com   23 
 

mesmas)?

Todavia, como se isto não bastasse, vamos fazer algo ainda mais absurdo do
que o comportamento que os adultos à nossa volta nos mostraram! Vamos
mostrar-lhes que não tinham razão, que erraram! E como vamos fazer isso?
Repetindo situações em que, inconscientemente, lhes mostramos que o que
fizeram estava errado e nós é que temos razão!

Alguns exemplos. Se a lição que o pai ou mãe, através de uma situação


específica, mostraram foi algo como "Não sou merecedor de ser amado"
então iremos sofrer nos nossos relacionamentos amorosos. Iremos criar
relações com pessoas instáveis, ou frias, calculistas, traiçoeiras, falsas. Ou
simplesmente não teremos uma relação amorosa com ninguém. Se a lição
que nos ensinaram foi "Nunca fazes nada bem feito" iremos criar situações
de emprego precário, seremos despedidos com frequência do trabalho,
saltaremos de emprego em emprego, teremos dificuldades na escola. Se a
lição for "Tu és feio" iremos ter problemas alimentares, um peso muito acima
ou abaixo do ideal, problemas de pele ou de saúde, agarrar-nos-emos a
vícios que deformem o nosso corpo.

E tudo isto com o único objectivo de podermos apontar o dedo aos


progenitores e afirmar "Erraste!".

O seu desafio, neste momento, é descobrir o presente que cada situação da


sua infância encerra – o seu Dom.

De que forma é que os seus pais o ajudaram? Vejamos alguns exemplos.

O Pedro, quando criança, presenciou muitas situações em que os pais


discutiam violentamente. Hoje o Pedro é um excelente comunicador e tem
ajudado, no seu trabalho, muitos casais a resolver os seus conflitos.

A Mariana, aos sete anos de idade, foi entregue a uma família porque os
pais, ambos alcoólicos, eram incapazes de cuidar dela. Hoje a Mariana é
directora de recursos humanos numa empresa que prima pela atenção e
cuidados prestados aos funcionários.

O pai do João disse-lhe, inúmeras vezes, enquanto criança, que não sabia
fazer nada e nunca lhe demonstrou carinho. Hoje o João é um juiz num
tribunal de família onde é conhecido pelo afecto com que trata vítimas de
maus tratos.

A Gabriela foi violada por um tio até aos nove anos de idade. Andou metida
no munda da droga e prostituição. Hoje está à frente de uma organização
que cuida de mulheres em situações precárias.

E de que maneira é que a sua história da infância lhe está a ser benéfica?
Qual a característica que demonstra devido a uma situação dramática da sua
infância? Talvez lhe tenham dito que nunca faria nada bem feito e hoje é um
homem de negócios de sucesso. Ou talvez lhe tenham dito que não era digna
de ser amada, e hoje, é-lhe fácil sentir compaixão por outros e ser-lhes útil.

www.emidiocarvalho.com   24 
 

Não sei se começa a ver o desenlace da sua sombra. Por um lado irá
manifestar-se numa área da sua vida, como a parte de si que não é capaz de
aceitar. Por outro lado, irá manifestar-se como o seu oposto numa outra área
da sua vida!

E quando for capaz de ver e aceitar ambas, ser-lhe-á fácil descobrir o seu
Dom – o motivo divino pelo qual mais ninguém no mundo poderia ocupar o
seu lugar.

O exercício desta semana é simples: pegue numa situação dramática da sua


vida (ocorrida na infância, adolescência ou juventude). Primeiro veja qual foi
a lição 'negativa' que apreendeu e que ainda hoje repete, só para ter razão e
poder apontar um dedo acusador. Depois veja qual o benefício dessa mesma
situação. De que maneira essa situação o tornou mais ou maior.

Para terminar, permita-se descobrir o que precisa de fazer para deixar partir a
situação dramática. Qual o ritual de limpeza necessário. Respire fundo
durante dois ou três minutos. Vá dentro de si e aguarde a resposta. Pode ser
que o que a sua alma necessite é um pedido de desculpa por parte da
pessoa que o/a magoou. Pode ser que seja suficiente ir até à praia e gritar a
plenos pulmões. Pode ainda ser que precise de acender meia dúzia de velas
e dançar com os braços no ar. Não há um ritual certo ou errado – faça o que
sentir ser mais apropriado para si.

Agora é a altura de se libertar da sua história.

Lição 8 – Reinterpretar O Seu Eu 
Se deixarmos o passado sem o curar, ele irá destruir as nossas vidas. O
passado esconde o nosso dom, a nossa criatividade e os nossos talentos.

Fomos ensinados que é difícil ir atrás dos nossos sonhos. E não nos
disseram que é ainda mais difícil viver cada dia sabendo que não estamos a
viver os nossos sonhos.

Se não tivermos a coragem de fazer as pazes com o nosso passado, iremos


sempre transportar ás costas a raiva, o ressentimento, a culpa, a impotência,
a vergonha e o medo.

O poder para fazer as pazes com o passado está já dentro de si, mas só irá
surgir quando você estiver preparado e desejoso de fazer as mudanças na
sua vida. Quando o desejo de mudar for mais forte que o desejo de querer
manter tudo como está. Claro que é sempre mais fácil culpar os outros pela
situação que estamos a viver agora, neste momento.

Tem que estar preparado para abraçar o passado se quiser fazer verdadeiras
mudanças no seu presente. O nosso passado é o que dá forma ao que
vemos, ao que dizemos e à maneira como vivemos.

Saiba que os preconceitos são passados de geração em geração, de

www.emidiocarvalho.com   25 
 

maneiras muitas vezes subtis. A dor também é passada de geração em


geração. O medo, a vergonha, a culpa, a impotência, também são passados
de geração em geração. Não sei se já tinha mencionado: o medo é passado
de geração em geração. Os seus problemas actuais são seus, ou herdou-os?

Muitas pessoas decidiram já que não seriam como os seus pais! Mas temos
que ter sempre presente que passamos os anos mais importantes da nossa
aprendizagem a absorver os conhecimentos e comportamentos dos nossos
pais. Todas as suas qualidades e defeitos.

Saiba que todos os eventos negativos da sua vida são na verdade bênçãos
disfarçadas de problemas. A dor tem um propósito. Ensina-nos e guia-nos a
níveis mais elevados de consciência.

Há um ditado chinês que diz “O mundo é um mestre para o homem Sábio, e


um inimigo para o louco”. Nenhum evento é doloroso em si. É tudo uma
questão de perspectiva. É importante saber que tudo o que acontece no
mundo acontece porque tem que acontecer, e é perfeito na forma como
acontece. Não há erros. Não há acidentes. O mundo é um paraíso e um
inferno. Qual a sua perspectiva?

Não há ninguém neste mundo que diga o que eu digo da maneira que o digo.
Ninguém neste mundo faz as coisas que eu faço na forma exacta em que as
faço. Eu sou eu e tu és tu. Cada um de nós é único e cada um de nós tem um
caminho especial a percorrer.

Por forma a ganhar sabedoria e liberdade do seu passado, tem que aceitar
total responsabilidade por todos os eventos que ocorreram na sua vida.
Aceitar a responsabilidade significa afirmar: “Fui eu quem fez aquilo.” Há uma
grande diferença entre o mundo fazer-lhe coisas a si e você fazer coisas a si
mesmo. Quando aceita a responsabilidade pelos eventos na sua vida, e pela
sua interpretação desses eventos, sai do mundo da criança e entra no mundo
do adulto. Ao aceitar a responsabilidade pelas suas acções e inacções , você
desiste da sua história pessoal (que é sempre qualquer coisa à volta de
“Porquê eu?”) e transforma-a em “Isto aconteceu-me porque eu precisava de
aprender uma lição. Isto faz parte da minha caminhada”.

De acordo com Nietzsche, desejar que o nosso passado não tivesse


acontecido é desejar que nós não tivéssemos acontecido. É praticamente
impossível mudar de direcção na nossa vida sem antes fazer as pazes com o
passado. Cada evento significativo da nossa vida muda a forma como
interpretamos a própria vida, e a perspectiva que temos dela.

A ideia de revisitar o passado pode parecer aterradora, mas é uma parte


essencial do processo. O nosso passado é uma bênção que nos pode guiar e
ensinar, e transporta consigo tantas mensagens negativas como positivas.

A nossa dor pode ser o nosso melhor mestre. Irá levar-nos a lugares que
nunca teríamos a coragem de ir de outra maneira. Quantas pessoas estariam
dispostas a sofrer durante 20 ou 40 anos só para descobrir a vontade da sua
alma?

www.emidiocarvalho.com   26 
 

Aceitar a responsabilidade total pelo nosso passado é uma tarefa


avassaladora. A maioria de nós está preparada para aceitar responsabilidade
pelas coisas boas que nos aconteceram, mas resistimos aceitar a
responsabilidade pelas coisas más que foram sucedendo. Mas quando
aceitamos a responsabilidade total por todos os eventos, tornamo-nos mais
fortes com cada evento ocorrido. Mesmo que nos sintamos envergonhados
ou magoados por qualquer evento, podemos encontrar paz no saber que de
alguma forma o evento está a ajudar-nos a descobrir o nosso dom. Tornamo-
nos responsáveis por tudo o que acontece. Dizemos ao Universo: “Eu sou a
fonte da minha própria realidade!” Este é o lugar de poder a partir do qual
pode alterar a sua vida.

Enquanto não for capaz de olhar o seu passado olhos nos olhos, ele estará
sempre por perto, trazendo-lhe mais experiências em tudo iguais ás do
passado. Mas tudo o que precisa é de uma mudança na sua perspectiva.

Para alterar a nossa percepção precisamos de encontrar cada momento do


nosso passado até encontrar uma interpretação poderosa que nos permita
aceitar a responsabilidade. Não faz ideia da energia que gasta para provar a
si mesmo que tem razão e que não foi ‘culpa’ sua! É claro que é sempre mais
fácil culpabilizar os outros pelas coisas que não gostamos no nosso mundo.
Mas esse caminho leva-nos sempre a um único local: nenhures!

Há sempre dor quando somos vítimas das circunstâncias: a dor do desespero


e do desalento. Mas você vive num universo onde tudo acontece por um
motivo. Procure a bênção em todos os eventos da sua vida e irá dar por si no
caminho da gratidão. Irá ter a experiência do que é ser-se abençoado.

Cada palavra, incidente e pessoa em relação à qual ainda sente existir uma
carga emocional tem que ser estudada, olhada na cara, reconstruída, re-
perspectivada e abraçada. Temos que caminhar até à origem da nossa dor. E
tomamos as rédeas da nossa vida ao escolhermos as nossas interpretações.

Ao inventarmos uma nova interpretação estamos a utilizar a forma mais


simples de transformar uma experiência negativa em outra, positiva. Tudo o
que acontece no nosso mundo é objectivo. Não possui um significado
inerente. Mas cada um de nós vê o mundo com um olhar diferente, sendo
que cada um irá atribuir um significado diferente a dado evento. É a nossa
percepção e interpretação que afecta as nossas emoções, e não o incidente
em si. É a nossa percepção e interpretação quem nega a nossa
responsabilidade e atribui as culpas.

Cada um de nós tem que tomar uma decisão consciente de alterar o nosso
mundo, alterando as nossas percepções. Mude a percepção, a interpretação,
de uma palavra ‘má’ apenas, e irá descobrir que não só a palavra perde a
sua carga emocional, como esta carga lhe é devolvida com poder.

Vou deixar-lhe um exercício simples para integrar este conceito. Irei pegar
numa palavra que, para mim, ainda tem alguma carga emocional. Uma
palavra que ainda hoje eu não suporto que me chamem: coitadinho. Eu recuo
no tempo para descobrir um incidente na minha vida que me causou dor e

www.emidiocarvalho.com   27 
 

ajudou a interpretar ‘coitadinho’ como algo mau. Chego a um ponto, quando


tinha uns dez anos, em que a minha mãe falava com amigas sobre mim e
depois de enunciar todas as ‘asneiras’ que eu tinha cometido terminou com
um “coitadinho, se eu e o pai morremos não sei o que será dele!”. Isto causou
em mim sentimentos de impotência, raiva e vergonha. A minha interpretação
foi a de que a minha mãe não gostava verdadeiramente de mim, e os
coitadinhos só fazem asneiras e vivem ás custas dos outros. Então eu tenho
que me permitir experienciar novamente as emoções negativas do evento. E
só depois começo a criar uma nova interpretação da palavra “coitadinho”

A interpretação negativa:

1. A minha mãe odiava-me e estava sempre a deitar-me abaixo;

2. A minha mãe pensava que eu era inútil e parasita.

A nova interpretação:

1. Eu sou poderoso, o que deixava a minha mãe nervosa. A única forma que ela
tinha de lidar com este nervosismo era chamar-me nomes que considerava
apropriados;

2. A minha mãe pensava que chamar-me “coitadinho” era uma forma de


mostrar-me afecto;

3. A minha mãe gostava tanto de mim que me queria preparar para o mundo
duro e cruel que ela imaginava, tentando assim impedir que eu caísse na
preguiça.

A questão que se deve colocar é: esta nova interpretação dá-me poder ou


retira-me poder? Esta nova interpretação deixa-me mais forte ou mais fraco?
Se a vozinha dentro da sua cabeça segue um diálogo que lhe rouba poder,
não irá mudar nada enquanto a vozinha não se transformar numa que lhe dá
poder, segurança interior e um pensamento optimista.

É por este motivo que é tão importante escrever tudo e olhar para os eventos
sob tantos ângulos quantos lhe for possível. Só o simples acto de escrever as
coisas obriga a que as palavras e os incidentes comecem a perder uma parte
do domínio que detêm sobre si.

É sempre uma responsabilidade sua escolher interpretações poderosas.


Quanto mais consciente estiver dos presentes da vida, mais depressa irá
escolher uma perspectiva positiva sobre os eventos da sua vida. Quando
nega um aspecto que seja de si, está a negar uma parte que o impedirá de
ser completo. E todos nós, sem o esforço necessário, iremos sentir a falta da
coragem para admitir que estamos errados, que somos inteiramente
responsáveis.

E por outro lado, temos receio que o nosso brilho, o nosso poder, nos isole
da sociedade. Porque a sociedade que vemos à nossa volta é medíocre a
todos os níveis.

www.emidiocarvalho.com   28 
 

A compaixão por nós mesmos é essencial neste processo. Se a compaixão


estiver ausente iremos sentir medo e ódio. E uma vez que é infinitamente
doloroso sentirmos medo e ódio por nós mesmos, iremos projectar esse
medo e ódio no mundo à nossa volta. É-nos mais fácil ser vítimas do mundo
do que vítimas de nós mesmos. E ao culpar o mundo evitamos a dor de nos
vermos tal como somos.

Quando abraçamos um aspecto negativo do nosso ser, regra geral, o seu


oposto surge espontaneamente. Ao abraçar o aspecto ‘medricas’ trazemos à
superfície o ‘corajoso’. Temos que abraçar o nosso lado negro na totalidade
para podermos abraçar a luz.

Quando nos abrimos à possibilidade de abraçar, a partir do coração, tudo o


que existe, e começarmos a olhar para aquilo que está bem, em vez daquilo
que está mal, iremos ver Deus.

E se tu conseguires ver o teu dom no final da caminhada, isso significa que


eu conseguirei ver o meu. Porque tu és eu e eu sou tu neste mundo que é
espírito momentaneamente a passar por uma experiência como matéria.

Exercício

Lembra-se dos exercícios em que entrava num elevador para poder


encontrar o seu eu superior e o ego? Volte a entrar nesse elevador, criando
antes um ambiente calmo, tranquilo, em que não será perturbado.

Respire fundo cinco vezes. Imagine-se a entrar no seu elevador interior e


descer 7 pisos. Quando as portas se abrirem estará no seu jardim sagrado.
Caminhe até ao lugar onde medita. Desfrute um pouco da beleza à sua volta.
Depois pergunte-se a si mesmo esta questão: Que crenças de fundo
orientam a minha vida? Aguarde uns minutos e depois faça uma lista.

Depois volte a cerrar os olhos e imagine a primeira crença da sua lista. Faça
a si mesmo as seguintes questões (leve o seu tempo para ouvir as respostas
que virão do seu mais íntimo):

1. Esta ideia é mesmo minha, ou adoptei-a de outra pessoa?

2. Porque motivo tenho esta crença?

3. Esta crença dá-me poder?

4. Do que teria que desistir se alterasse esta crença?

Depois anote as respostas no seu caderno especial.

Lição 9 – Deixe Que A Sua Luz Brilhe 
O nosso maior medo não é que sejamos insuficientes, ou que não
sejamos merecedores. O nosso maior medo é descobrir que temos um

www.emidiocarvalho.com   29 
 

poder ilimitado. Estas são palavras de Marianne Williamson, no seu livro


“A Return To Love”. É a nossa luz o que nos assusta mais, e não a nossa
escuridão. Não há nada de iluminado em encolher-nos ao ponto de que
outros não se sintam desconfortáveis à nossa volta. Tu nasceste para
manifestar a glória do Universo que está dentro de ti. Não está só dentro
de alguns, está dentro de todos. E à medida que deixamos que a nossa
luz brilhe permitimos, inconscientemente, que os outros, à nossa volta,
brilhem também. Ao mesmo tempo que nos libertamos dos nossos
medos, damos autorização aos outros para que façam o mesmo.
Nós vivemos numa época excitante. Está a ocorrer uma oportunidade
única de cura. Cura individual, cura da humanidade e cura do planeta.
Mas para esta cura ocorrer é imperativo rendermo-nos. Rendermo-nos
aos nossos egos e aos velhos padrões comportamentais.
A única coisa que nos impede de sermos completos e autênticos é o
medo. O nosso medo diz-nos que não podemos manifestar os nossos
sonhos. O nosso medo diz-nos para não corrermos riscos. Impede-nos de
desfrutar os nossos maiores tesouros. Na verdade o nosso medo obriga-
nos a viver vidas medianas, medíocres, em vez de vivermos todo o
espectro de possibilidades disponíveis.
Com medo, criamos situações nas nossas vidas para provarmos a nós
mesmos que as nossas limitações, auto-impostas, são apropriadas. Para
ultrapassar o nosso medo temos que o enfrentar e substitui-lo com amor.
Nós temos medo da nossa magnificência porque ela desafia todas as
nossas crenças. Contradiz tudo aquilo que nos foi ensinado.
Um dos passos mais importantes que deve começar já hoje é reconhecer
todo o bem que já faz. Todos os dias, todas as coisas boas que faz.
Compre um boneco chorão e sempre que der por si a criticar-se, a deitar-
se abaixo, pegue no chorão e bata-lhe com toda a força! Atire-o contra a
parede! E saiba que é isso que está a fazer à criança dentro de si de cada
vez que se criticar.
Não só é correcto dizermos coisas boas sobre nós, é imperativo. Temos
uma obrigação de reconhecer os nossos dons e os nossos talentos.
Aprender a reconhecer os nossos talentos permite-nos apreciar e amar os
dons e os talentos dos outros.
Pare agora e acalme a sua mente. Respire fundo meia dúzia de vezes.
Depois leia a lista que lhe apresento abaixo. Depois de ler cada palavra
diga a si mesmo: “Eu sou...” para cada uma. Por exemplo: “Eu sou
brilhante”, “Eu sou saudável”, “Eu sou talentoso.” Inclua ainda palavras
que representem pessoas que admira mas que não consegue imitar.
Satisfeito, seguro, amado, inspirador, sensual, radiante, delicioso,
apaixonado, alegre, feliz, sexy, capaz de perdoar, cheio de vida, realizado,
energético, confiante, flexível, capaz de aceitar, completo, saudável,
talentoso, capaz, sábio, honrado, sagrado, poderoso, capaz de abraçar
tudo, divino, poderoso, livre, engraçado, afluente, iluminado, equilibrado,

www.emidiocarvalho.com   30 
 

brilhante, um sucesso, merecedor, aberto, compassivo, forte, criativo,


pacífico, justo, famoso, disciplinado, responsável, bonito, desejável,
entusiasta, corajoso, precioso, afortunado, maduro, artístico, vulnerável,
consciente, capaz de ter fé em mim, magnificente, atractivo, centrado,
romântico, um coração amoroso, sortudo, agradecido, gentil, sossegado,
querido, extravagante, decidido, terno, irresistível, generoso, belo, calmo,
despreocupado, paciente, leal, espiritual, ligado aos outros, espontâneo,
organizado, bem humorado, contente, adorado, brincalhão, limpo, pontual,
divertido, compreensível, dedicado, activo, glamoroso, destemido, vivaço,
caloroso, focado, inovador, super-estrela, magnifico, um líder, sólido,
campeão, rico, simples, genuíno, sensível.
Você possui todas estas qualidades. Tudo o que tem a fazer para trazer
estas qualidades para a luz é abraçar cada uma, senti-la como sua
pertença. Se conseguir ver onde, na sua vida, já expressou determinada
qualidade, ou em que situações poderia expressar essa qualidade, pode
abraçá-la agora. Tem que estar disponível para afirmar “Eu sou isso!”.
O passo seguinte é ver o presente nessa qualidade. Ao contrário da
sombra escura, é fácil e óbvio ver de que maneira esta qualidade lhe pode
ser útil.
Mas muitos de nós precisamos de enfrentar o nosso medo e a nossa
resistência. Muitos de nós desenvolvemos mecanismos de defesa
bastante sofisticados para reforçar as nossas crenças que nos dizem que
não somos tão talentosos ou tão criativos como qualquer outra pessoa
que escolhemos como comparação.
Se não for capaz de abraçar determinada qualidade é muito pouco
provável que consiga manifestar algo nessa área. Se tem um problema de
peso e não for capaz de abraçar o eu magrinho dentro de si, é muito
pouco provável que consiga obter o peso ideal.
Não importa como se sente, quando estiver a afirmar as qualidades, não
fuja. Ao dedicar-se ao processo de resgatar as partes de si que escondeu
estes anos todos, está a dizer ao Universo que está preparado para ser
completo.
Nós somos ensinados que é errado reconhecer a nossa grandeza. A
maioria de nós acredita que possui algumas das qualidades positivas,
mas nunca todas. Mas nós somos tudo. Todas as coisas que nos fazem
sorrir, e todas as coisas que nos fazem chorar. Nós somos tudo o que é
belo e tudo o que é feio num só ser.
Quando conseguir abraçar toda a lista de qualidades, deparará consigo
diante dos olhos de Deus. Quando aceitamos em nós todas as nossas
projecções positivas iremos experienciar a paz interior – aquela paz que
nos diz que somos perfeitos tal como somos. A paz chega a nós quando
paramos de fazer de conta que somos quem não somos. Muitos de nós
nem nos apercebemos que estamos a fazer de conta que somos menos
do que somos de verdade. Convencemo-nos que quem somos é
suficiente.

www.emidiocarvalho.com   31 
 

Permita que o mundo dentro de si se manifeste, e irá ver o caminho para


a liberdade plena – a liberdade de ser sexy, de ser desejável, de ser
talentoso, de ser saudável, de ser um sucesso!
Quando é incapaz de reconhecer todo o seu potencial não permite que o
Universo lhe entregue todos os seus presentes. A sua alma anseia a
manifestação plena do seu potencial. E só você pode permitir que isto
aconteça. Pode escolher abrir o seu coração e abraçar a totalidade de
quem é, ou pode escolher viver a sua vida na ilusão de ser quem pensa
que é hoje. O perdão é o passo mais importante neste percurso de amor
próprio.
Temos que nos permitir ver-nos com a inocência de uma criança, e aceitar
as nossas falhas com amor e compaixão. Temos que por de parte os
nossos juízos e castigos e aceitar os erros que cometemos. Temos que
sentir que somos merecedores de perdão.
Este presente divino, de nos perdoarmos, ensina-nos que uma parte de
ser humano é cometer erros. E o perdão vem do coração e nunca do ego.
O perdão é uma escolha. Em qualquer altura podemos deixar partir os
nossos ressentimentos e as nossas criticas e optar por perdoarmo-nos e
perdoar os outros.
O amor que não inclui a totalidade de quem você é, é um amor
incompleto. Muitos de nós somos treinados para procurar o amor que
precisamos fora de nós. Mas quando deixamos partir a nossa
necessidade de amor no mundo exterior, a única forma de encontrar
algum conforto é indo dentro de nós, procurar aquilo que ansiamos tanto
que venha de fora. Temos que permitir que o Universo dentro de nós, o
nosso pai e a nossa mãe divinos, nos amem e nutram.
Procure dentro de si a raiva que ainda esconde. A raiva só é uma emoção
negativa quando é suprimida ou trabalhada de uma maneira pouco
saudável. Quando sente compaixão por si mesmo permite-se que todos
os aspectos de si, o seu amor e a sua raiva, coexistam dentro de si.
Sempre que eu me julgar ou julgar outros, eu sei que estou a agarrar-me
a interpretações negativas de um evento qualquer.
Pode custar-lhe a aceitar isto, mas a sua raiva é a chave que abre o seu
coração. Quando accionada liberta toda a energia vital que irá fluir por
todo o seu ser.
Tem que saber ainda que a cura que procura para os seus
relacionamentos não virá nunca dos outros. Tem que vir de si primeiro.
Tem que vir da comunhão com todas as qualidades e todos os defeitos
que vivem dentro de si.
Está na altura de libertar a paixão por quem é e encontrar o amor por
quem é na totalidade. É este o seu objectivo último nesta realidade física
e limitada.
Como dar amor a si mesmo... Já reparou como um bebé sorri? Os bebés
são excelentes demonstrações do que é viver cada emoção. Podem

www.emidiocarvalho.com   32 
 

chorar com um desespero ensurdecedor e um minuto depois rir como se


fossem reis do mundo! Quando olhamos para os olhos de um bebé que
sorri sentimos o nosso coração pleno, e sorrimos de volta. Porque na
verdade esse bebé sorri para nós sem juízos de valor, sem criticas nem
comparações. Isto é o amor incondicional. Também temos a experiência
do amor incondicional com animais. Mas raramente temos essa
experiência com outros adultos.
Os bebés projectam-nos a nossa inocência e o nosso amor incondicional.
E o que é que nós projectamos de volta? Pensamos na sua beleza,
inocência, perfeição, doçura? Ou pensamos que são egoístas, mimados,
descontrolados, monstrinhos?... Quaisquer que sejam os nossos
pensamentos, iremos projectá-los nos bebés. Lembre-se que são sempre
aspectos de quem você é que projecta sobre os outros.
Imagine-se agora a si como um bebé inocente que se sente merecedor de
todo o amor que a vida tem para dar. Sinta esse bebé dentro de si.
Permita que esse bebé receba todo o amor. Imagine-se todos os dias a
dar amor a esse bebé. Feche os olhos e permita que uma imagem de si,
quando era bebé, venha até à sua mente. Pergunte-se: “O que posso
fazer por este bebé hoje? Como é que posso fazer com que se sinta
amado e acarinhado?” Ouça a sua voz interior.
Nós andamos tão ocupados a andar ocupados que nos esquecemos
frequentemente de como dar-nos carinho. O início do dia é um momento
sagrado para nos ligarmos ao nosso divino, ao nosso bebé interior. À
medida que despertamos vamos tomando consciência dos pensamentos
e dos sentimentos que irão ditar como será o nosso dia. Em vez de correr
e fazer tudo de maneira automática, pare. Dê-se a si mesmo uma
massagem antes do duche. Sorria ao bebé dentro de si. Diga-lhe que está
tudo bem. Agradeça ao seu corpo por estar presente, por guardar a sua
alma, por ser o alicerce de quem você é nesta realidade.
O importante é honrar-se. Dar a si mesmo a mensagem que é importante.
Honre e respeite o génio brilhante que há em si. Quando o fizer será
capaz de o fazer também aos outros. irá assim atrair pessoas idênticas a
si. Situações idênticas a quem se sente por dentro.
Faça a si mesmo aquilo que gostaria que outros lhe fizessem. Se gosta de
flores, compre para si um ramo de flores. Se gosta de música, comece o
dia com música. Cante! Trate-se como se fosse realeza!
O mundo dá-lhe de volta aquilo que está já dentro de si. Se se amar, nutrir
e apreciar interiormente, o mundo exterior irá mostrar-lhe exactamente o
mesmo.
Se quer mais amor, ame-se mais. Se quer mais aceitação, aceite-se mais.
Se se amar e respeitar a partir do mais profundo do seu ser, irá atrair a si
o mesmo nível de amor e respeito.
Exercício
O objectivo deste exercício é identificar e libertar a energia emocional

www.emidiocarvalho.com   33 
 

tóxica. O foco da sua atenção é o perdão. O seu objectivo é libertar


qualquer emoção que esteja bloqueada – raiva, ressentimento,
arrependimento, ou culpa. Os sentimentos que o impedem de se perdoar
e perdoar outros.
Escrever um diário é uma maneira muito saudável de processar as suas
emoções. Encoraja o que vai na sua mente a fluir para o papel. Permite
que a toxicidade emocional do corpo e da mente se expressem
livremente. Uma vez que permitamos que esta toxicidade exista sem
qualquer juízo de valor ela é libertada.
Escolha um momento do dia em que não seja interrompido. Desligue os
telemóveis. Pode optar por ter uma música de fundo suave, umas velas
acesas, um incenso a arder. Crie o ambiente ideal para si.
Com os olhos fechados, imagine-se dentro de um elevador e carregue no
botão que o levará até ao quinto andar. Quando a porta se abre dá por si
num maravilhoso jardim. Enquanto olha para as flores, as árvores
frondosas, e tudo o que um jardim maravilhoso possa conter, dá-se conta
de uma cadeira num lugar perfeito para você descansar e relaxar. Vá até
essa cadeira, sente-se, respire fundo. Depois pergunte-se a si mesmo as
questões a seguir e permita que as respostas fluam até si. Depois de cada
resposta, abra os olhos, escreva no seu diário e regresse ao mesmo
lugar.
1. Que história criei eu sobre quem sou de verdade e que explica as
circunstâncias da minha vida actual?
2. Que ressentimentos, velhas feridas, raivas, ou arrependimentos
transporto ainda no meu coração?
3. Quem é a pessoa na minha vida que eu ainda não quis perdoar?
4. O que tem que acontecer para que eu me perdoe e perdoe os
outros?
Faça depois uma lista das pessoas que tem que perdoar e escreva-lhes
uma pequena carta. Se a sua lista for muito grande, escreva cartas a
todas as pessoas nessa lista. Aquilo que não terminar agora, nunca
poderá dar por completo mais tarde!
O que precisa de dizer a si mesmo para estar em sintonia com a sua vida
neste momento? Diga-o mil vezes ao dia! (E escreva-o no seu diário!)
Escreva uma carta de perdão a si mesmo. Faça uma lista das três
pessoas que mais admira. Escreva depois três qualidades que admira
nelas. Faça depois uma lista geral com as nove qualidades. Verifique
novamente a lista de qualidades que encontrou no início desta newsletter
e anote aquelas que não consegue identificar em si. Adicione estas
qualidades ás nove iniciais.
Pegue agora nesta lista e sente-se em frente a um espelho. Olhe-se nos
olhos e afirme “Eu sou...” Repita a afirmação até deixar de sentir qualquer

www.emidiocarvalho.com   34 
 

resistência interior. Escolha abraçar uma ou duas qualidades por dia. Se


ficar preso a uma qualidade, e incapaz de a aceitar, passe à qualidade
seguinte e regresse a essa mais tarde.
 
Lição 10 – Uma Vida Que Valha A Pena 
Manifestar os seus sonhos só pode ser possível depois de manifestar quem
você é de verdade. Como crianças temos a tendência a seguir os
ensinamentos dos nossos pais e professores. Muitos de nós aceitamos os
seus conselhos e conhecimentos, incluindo qual a melhor carreira, melhor
curso ou melhor papel a desempenhar como membro da sociedade que
integramos.
A questão é: quando é que deixou de ouvir essas vozes externas e começou
a ouvir-se a si? Quando é que começou a ouvir a voz de seu Eu Superior?
Quando é que viu que o caminho que está a percorrer não é na verdade o
que quer para si? Será por este motivo que muitos de nós nos sentimos
desajustados?
Este é o tipo de questões que tanto receamos. A resposta pode levar-nos por
caminhos diferentes, estranhos e até arriscados. Alguma vez questionou a
sua crença em Deus? Para muitas pessoas questionar a existência de Deus
é um pecado mortal. Mas se não estiver disposto a questionar as suas
crenças mais básicas nunca poderá crescer como ser espiritual que é. As
nossas vidas irão simplesmente ser algo idêntico ás vidas dos nossos pais,
dos nossos amigos, daqueles com quem crescemos.
É sempre um risco avançar por territórios desconhecidos. Uma vez, estava
eu num seminário nos estados Unidos, ouvi um participante confrontar o
formador principal com a afirmação “eu irei arriscar quando me sentir
preparado para arriscar!” ao que o formador respondeu: “Se só arriscas
quando estás preparado, isso não é arriscar... Estúpido!”
Em vez de dizer a si mesmo algo como “não sou capaz de fazer isto”, tem
que se perguntar: “Porque não haveria de fazer isto? De que é que tenho
medo?” Este tipo de questão desafia todos os laços que estabelecemos há
muito tempo com os nossos familiares e amigos. E abre as portas para
descobrir qual o nosso propósito nesta vida.
Perguntar-se se está no caminho certo pode parecer fácil. A parte difícil é
ouvir a resposta que chega a partir do coração. A sua cabeça terá uma
resposta, mas é muito provável que o seu coração tenha outra. O medo pode
levá-lo a manter a direcção actual, e no entanto o amor pode suplicar-lhe
para mudar o curso que segue. Tem que aprender a sossegar a mente para
poder ouvir a resposta do seu coração. Tem que abrir o seu coração à
resposta. Se optar por seguir as suas paixões e desejos, terá que estar o
suficientemente calmo para ouvir as respostas da sua alma. Se se meter na
água e só for até onde tiver pé, irá ver sempre o mesmo. Mas se optar por
nadar, ou agarrar-se a um tronco, irá ver novas paisagens.
O medo de morrer afogado é o que nos mantém acorrentados ás

www.emidiocarvalho.com   35 
 

experiências repetitivas da vida. O medo de estarmos errados. O medo de


falhar. Será que os seus desejos são o suficientemente fortes para fazer com
que enfrente os seus medos? Quer mesmo viver os seus sonhos? A escolha
é sempre sua.
O primeiro passo é sempre questionar-se. Transformar as suas afirmações
mentais em questões. Mude “Eu não presto” para “Será que eu poderia ser
um sucesso?”, “Estou aborrecido” para “Poderia eu sentir-me
entusiasmado?”, mude “A minha vida não tem qualquer significado” para
“Poderia eu ser a diferença no mundo à minha volta?”
A nossa necessidade de ter razão, de nos sentirmos seguros, é o que nos
impede de ir atrás dos nossos sonhos. Sentimo-nos inseguros se
questionarmos os nossos motivos. Preferiria ter razão sobre o sentir-se fraco
ou errado quanto à sua capacidade de brilhar e fazer a diferença? Preferiria
ter o controlo absoluto sobre uma pequena quantia de dinheiro ou sentir-se
inseguro a gerir as contas de um banco? Preferiria manter-se num trabalho
que não gosta ou arriscar criar o negócio dos seus sonhos? É feliz? Está a
seguir os desejos do seu coração? Se soubesse que tinha apenas um ano de
vida pela frente estaria agora a fazer aquilo que faz? Faria as mesmas
escolhas?
Feche os olhos e foque a sua atenção bem dentro de si, num lugar em que
se sinta seguro e confortável. Pergunte-se a si mesmo o que gostaria de
estar a fazer agora na sua vida. Pergunte-se ainda porque motivo não está a
seguir o seu sonho. De que tem medo? Pergunte-se ainda o que faria se
soubesse que tem apenas um ano de vida pela frente. O que mudaria?
Mantenha as respostas fixas no seu coração e decida-se a fazer algo ainda
hoje que o aproxime do seu sonho. Decida que irá sempre ouvir a sua
verdade, e irá ainda seguir essa verdade. Decida a deixar que o Universo o
guie até ao desejo do seu coração. Com apenas tomar estas decisões irá dar
início a mudanças na sua vida. Ao fazê-lo está a dizer a si mesmo e ao
Universo “Eu sou merecedor de ter aquilo que desejo e irei fazer o que for
preciso para realizar o meu sonho”.
Infelizmente a maior parte de nós não escolhe seguir os nossos desejos.
Deitamo-nos à noite na cama e esperamos uma vida melhor, um corpo
melhor, um trabalho melhor, mas nada muda. Isto é assim porque mentimos
a nós próprios. Aquilo de desejamos e aquilo a que nos dedicamos são
coisas opostas. Desejamos mais saúde mas dedicamo-nos a uma vida de
sedentarismo. Desejamos uma relação amorosa enriquecedora mas
dedicamo-nos a ficar em casa a ver televisão.
Só quando tivermos plena consciência de que ninguém aparecerá para nos
ajudar, para fazer as coisas por nós, e que as nossas velhas feridas
emocionais continuam abertas, quer as amemos ou odiemos, só então é que
iremos saber que só nós mesmos temos o poder para manifestar o nosso
potencial. Claro que é sempre mais fácil culpar outros do que assumir a
responsabilidade total. “E se eu falhar?”, “E se eu me magoar?”, “O que irão
pensar de mim?”
Só poderá mudar a sua vida se tiver a coragem de criar um certo grau de

www.emidiocarvalho.com   36 
 

desconforto primeiro. Tem que desistir da ideia que é perfeito e só vale a


pena fazer as coisas se saírem perfeitas. A sua missão não é ser perfeito. A
sua missão é ser completo, perfeito e imperfeito ao mesmo tempo. A sua
missão é ouvir a voz do seu coração, amar-se tanto quanto lhe for possível,
porque ao fazê-lo irá atrair a mesma quantidade de amor na sua vida.
Não se preocupe se não sabe ao certo o que quer. Simplesmente decida-se
a viver o seu potencial máximo. Viva no momento presente e o Universo
encarregar-se-á de lhe mostrar o seu dom único. A sua decisão irá guiá-lo a
lugares que precisa de visitar, a livros que precisa de ler, a pessoas que
precisa de conhecer, a cursos que precisa de aprender. Acredite que cada
pessoa que lhe bater à porta, a partir do momento que decida viver o seu
sonhos, surgirá para ajudá-lo a curar as suas feridas.
Esteja disponível para ir ao fundo dos seus problemas, para descobrir a
verdadeira causa da sua existência, decida viver os seus sonhos, e irá
assistir à sua manifestação gradual.
Seja um guerreiro quando for atrás dos seus sonhos. Conheço muitas
pessoas que falam dos seus sonhos como se fossem tesouros guardados
num museu, atrás de uma barreira protectora. Fazem muita meditação para
que os seus sonhos se manifestem. Fazem muitos cursos. Mas os seus
medos e resignação tornam-nas passivas. Sabe quem é que tem acesso ao
tesouro? Aquela pessoa que faz um plano, a pessoa que escreve num papel
a sua missão e decide seguir avante. Preparada para ser ridicularizada por
outros, para ter medo, para falhar. Mas mesmo assim, decide-se a ir em
frente.
Faça uma lista dos juízos de valor que escolheu para justificar a sua vida
actual. Deixo-lhe alguns exemplos:
- Não posso porque não sou o suficientemente criativo / não tenho
talento;
- Não é um sonho realista;
- Uma pessoa boa não deve ser soberba e desejar tanto para si;
- Não tenho estudos suficientes;
- Já tentei antes e não consegui nada;
- Ainda sou muito novo;
- Já não tenho idade;
- Não tenho tempo...
São juízos como estes que o impedem de avançar na vida. Descubra quais
os juízos que o impedem de avançar. As crenças que aceitou há muito
tempo. Questione cada uma.
Pegue numa folha e escreva um objectivo que ainda não conseguiu
manifestar. Escreva depois todas as crenças e justificações que explicam

www.emidiocarvalho.com   37 
 

porque motivo ainda não conseguiu. Escreva rapidamente, sem se esforçar


muito, e verá as respostas surgirem facilmente. Depois pegue em cada uma
e questione-a. Pergunte se é uma crença baseada num juízo ou num facto.
Este passo é importante. Se a crença for baseada num juízo (pista: 99,9%
das vezes é um juízo) ficará a saber porque motivo a sua vida está como
está. Nós permitimos que os nossos juízos controlem as nossas vidas.
Porque motivo pensa que julga os outros? Os amigos, os familiares, os
políticos, determinadas profissões, determinados programas de televisão, até
mesmo simples livros?... Chama-se comparação e serve para apaziguar o
nosso ego ferido. Mas um ego ferido será incapaz de nos levar até aos
nossos sonhos.
A decisão de querer alterar a sua vida é algo que deve levar muito a sério.
Sei que a maioria das pessoas gosta de falar em mudança, e mudar a vida
mas são incapazes de mudar os seus comportamentos responsáveis por
mantê-las nas mesmas situações dia após dia.
Reconheça pelo menos uma vez que ninguém irá consertar a sua vida. Mas
você pode. Na verdade apenas você pode consertar a sua vida. Você é a
pessoa com o poder, as respostas, e a capacidade de mudar a sua vida.
Apenas você.
Gastamos muito dinheiro a tentar mudar os nossos corpos, a nossa saúde,
os nossos relacionamentos e até os nossos familiares, e continuamos
insatisfeitos. Parece que estamos continuamente num estado de querer
qualquer coisa inatingível. Este estado de querer, de sonhos por manifestar,
é o resultado de fazer de conta que estamos a caminho de qualquer coisa
melhor quando na verdade a nossa vida está estagnada. Como pode ter um
verdadeiro sonho, uma verdadeira paixão, sem qualquer plano de acção?
Enganamo-nos com afirmações positivas e com a (falsa) esperança de um
dia conseguir qualquer coisa. Há pessoa que meditam sobre as suas
paixões. Há pessoas que resolvem situações de vidas passadas. Há pessoas
que se dedicam a actos de caridade. Não há nada de errado com isto. Mas
sem um plano de acção pode ter a certeza que a sua vida jamais mudará. Irá
repetir-se incessantemente enquanto caminha para a cova.
Há ainda pessoas que seguem gurus e mestres, ou vão à igreja todos os
dias, ou falam com os amigos. Há outras que visitam videntes e tarólogos.
Outras ainda dão a sua energia à televisão e ao cinema enquanto os seus
sonhos se mantêm em ‘stand-by’.
Tudo isto são maneiras de fugir à verdade. Não querer enfrentar aquilo que
nos assusta. A oração sem acção não é oração. É sonhar acordado. Como
pode Deus ajudar-nos se não estamos dispostos a ajudar-nos a nós
mesmos?
Não há nada de errado com a fé. Não há nada de errado com as afirmações
positivas. Mas a dada altura tem que entrar em acção. Tem que dar um
passo em frente, por mais assustador que isso lhe pareça. Decida-se a
desfrutar na vida daquilo que gosta e depois faça um plano que lhe mostre o
que fazer a seguir. E a seguir. E a seguir.

www.emidiocarvalho.com   38 
 

Se quer saber se está mesmo decidido a viver o seu sonho, a mudar algo na
sua vida, pergunte-se se tem um plano de acção. Se a resposta for “não”
volte atrás e verifique se tomou a decisão de viver o seu sonho. Um plano de
acção tem que estar escrito num papel, num local onde possa ser consultado
com frequência. Se o pano de acção estiver apenas presente na sua mente
não é mais que um sonho... um sonho acordado.
Conheço pessoas que se queixam de más relações, de falta de dinheiro, de
um trabalho precário, de uma saúde pobre. Quando lhes pergunto que planos
têm para alterar essas situações olham-me como se estivesse a falar num
idioma raro. Pensam que estou a brincar. Como se as mudanças fossem algo
que acontece por magia. Acreditam que os outros irão mudar as suas vidas,
ou então algo de inesperado irá acontecer.
Fazer um plano de acção é fácil. A parte mais difícil é mesmo encontrar o
tempo para o fazer. Sugiro-lhe escolher inicialmente um objectivo que há
muito deseja conseguir. O objectivo que lhe parecer mais realizável. Depois
divida-o em quatro partes. Um plano diário, um plano semanal, um plano
mensal e um plano anual. Pergunte-se: “O que posso fazer todas as
semanas para atingir o meu objectivo?” Faça um calendário com projectos
diferentes. Quando tiver construído o seu plano de acção indicou ao Universo
a sua disponibilidade para viver o seu sonho. Agora cumpra!
Qual é o seu dom? Qual a qualidade que se manifesta em si
espontaneamente? Para algumas pessoas é a aceitação. Para outras é a
compaixão. Outras ainda é o carinho. Para outras é a alegria. Qual é a sua
qualidade divina? Infelizmente não lhe posso ajudar muito aqui a descobrir o
seu dom. Este é um processo de várias horas (daí a existência de um
seminário). Mas uma vez que descubra o seu dom garanto-lhe que a sua vida
muda.
Mantenha a sua palavra. Isto é essencial para manifestar o seu sonho. Aquilo
que diz a si mesmo e aos outros conta! Se decidiu perder peso, dizer que um
pastel de nata não é nada é mentir a si mesmo! O que diz na verdade é que
não merece confiança. Se disser que quer um trabalho diferente do actual e
não começa a procurar, está a mentir a si mesmo. Envia uma mensagem que
diz “não contem comigo!” Faça aquilo que diz que vai fazer.
Se não vai ser capaz de o fazer, então não diga nada. Decida que a sua
palavra é a ferramenta mais importante que possui. Trate-a como se fosse de
ouro. Se tratar a sua palavra como se fosse ouro, ela irá trazer-lhe ouro. De
cada vez que fizer aquilo que disse que ía fazer está a treinar-se e a afirmar
ao Universo que pode contar consigo.
Quando mentimos a nós próprios continuamente é muito difícil acreditar em
nós. A sua palavra, se não for levada a sério, nada mais é que ruído. Mas a
sua palavra tem um presente muito maior para lhe dar. Pode ajudá-lo a criar
a sua vida. Pode dar-lhe o poder e a liberdade. Quando decide fazer algo por
si, ou por outro, e sabe que o irá fazer, estará a dar poder a quem é.
O seu dom pode ser ajudar os outros, ensinar os outros, descobrir a cura
para uma doença, interactuar com outros de maneiras criativas, educar

www.emidiocarvalho.com   39 
 

crianças... independentemente do seu dom, se se decidir a encontrá-lo e a


manifestá-lo, irá preencher o seu coração e deixá-lo inspirado.
Não entre em pânico se ainda não sabe qual é o seu dom. Decida-se a fazer
os exercícios que lhe indico. Estará no bom caminho. Peça ao seu Eu
Superior ajuda e ira obter ajuda. Sugiro-lhe criar uma afirmação que
represente o seu dom. Algo com meia dúzia de palavras. Por exemplo “Eu
sou um músico que alegra a vida dos outros”, ou “Eu sou a possibilidade de
ajuda do Universo”. Não se esforce muito de início. Deixe que a afirmação
venha até si. Decida-se a entrar em acção.
Exercício
Gostaria que criasse a afirmação do seu dom e missão nesta vida. Esta
afirmação deve ser algo que você quer manifestar no futuro. É uma afirmação
de poder. Pode focar a sua atenção na sua saúde, trabalho, relacionamentos,
desenvolvimento espiritual ou todos ao mesmo tempo.
Feche os olhos e vá ao seu elevador interior. Respire fundo várias vezes e
permita-se relaxar na totalidade. Quando estiver pronto vá ao seu Jardim
Sagrado. Caminhe lentamente até ao local onde obtém as suas respostas.
Quando se sentir completamente calmo peça ao seu Eu Superior que se
apresente à sua frente. Permita que esta imagem se torne viva, forte e
brilhante. Peça ao seu Eu Superior que se aproxime e lhe entregue uma
mensagem que lhe dê toda a força e coragem que precisa para viver a vida
dos seus sonhos. Se tiver dificuldades e não receber qualquer mensagem,
crie uma que lhe dê poder, que o faça sentir-se corajoso. Permita que
palavras de poder cheguem até si. Quando terminar agradeça ao seu Eu
Superior pela ajuda e regresse ao seu estado normal. Pegue no seu caderno
e anote tudo o que obteve deste encontro. Anote o que conseguiu ver.
Esta afirmação irá dar-lhe poder suficiente para o empurrar até ao próximo
nível do seu crescimento em todas as áreas da sua vida. Sugiro-lhe uma
afirmação curta. Use-a mil vezes ao dia! Recordar-se-á que é um ser divino a
viver a sua expressão física máxima! Deixo-lhe aqui algumas das afirmações
criadas por clientes meus:
“Eu sou um ser espiritual merecedor de honestidade, amor e abundância.”
“O Universo é o meu amigo e amante que preenche todas as minhas
necessidades.”
“Para onde quer que olhe vejo apenas beleza, verdade e possibilidades.”
“Eu sou sábia e permito que o Universo realize os meus desejos.”
“Não há nenhum desejo genuíno que não seja capaz de manifestar hoje.”
Saiba que já é mais que suficiente. Saiba que é merecedor de amor. Saiba
que já é importante. Saiba que pode fazer a diferença. Saiba que o Universo
conta consigo para ser completo.
Obrigado por ter seguido este curso online. Obrigado por se ter inscrito na

www.emidiocarvalho.com   40 
 

minha mailing list. Obrigado por de alguma maneira fazer parte da minha
vida. Obrigado pelos e-mails enviados com dúvidas, esclarecimentos e
agradecimentos. Termino dizendo-lhe aquilo que uma pessoa que me é
querida teve a coragem de me dizer a mim: “Obrigado por existir!”
Emídio Carvalho
 

Este curso é uma adaptação do trabalho de Debbie Ford, inteiramente dedicado à 
Sombra. Poderá ficar a saber mais em www.debbieford.com. 
Caso esteja interessado em abraçar a totalidade de quem é, poderá fazê‐lo num 
dos vários seminários que oferecemos, aplicando na prática todo o conhecimento 
relacionado com a Sombra. 
Lembre‐se que se não tratar da sua Sombra, mais cedo ou mais tarde, ela tratará 
da sua vida. 
 

www.emidiocarvalho.com   41