Você está na página 1de 5

BEM-VINDO À DISCIPLINA TELETRANSMITIDA

DIREITO ADMINISTRATIVO I
Aula 01
Professor José Maria Madeira

Apresentação
Mestre em Direito do Estado, Doutor em Ciências Jurídicas e
Sociais, Doutor em Ciência Política e Administração Pública. Curso
de pós-graduação no exterior. Procurador do Legislativo
(aposentado). Parecerista na área do Direito Administrativo.
Examinador de Concurso Público. Membro Integrante da Banca
Examinadora de Exame da Ordem dos Advogados do Brasil.
Membro de diversas associações de cultura jurídica, no Brasil e no
exterior. Professor Emérito da Universidade da Filadélfia.
Professor-palestrante da Escola da Magistratura do Rio de Janeiro -
EMERJ - Professor Coordenador de Direito Administrativo da
Universidade Estácio de Sá. Professor da Fundação Getúlio Vargas.
Professor integrante do Corpo Docente do Curso de Pós-Graduação
em Direito Administrativo da Universidade Cândido Mendes, da
Universidade Gama Filho e da Universidade Federal
Fluminense. Membro Titular do Instituto Ibero-Americano de
Direito Público. Membro Efetivo do Instituto Internacional de
Direito Administrativo. Presidente da Comissão Nacional de Direito
Administrativo. Os temas abordados nos nossos livros são citados
pelos nossos Tribunais, inclusive em acórdãos do STJ e do STF.

1. Ementa
– Estrutura da Administração Pública Brasileira – Teoria dos
Órgãos. Princípios. Poderes. Ato Administrativo. Licitação e
Contratos Administrativos.
2. Metodologia

3. Bibliografia

4. Avaliação

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NOÇÕES BÁSICAS


• 1º SETOR
• ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
• ART. 37 DA CRFB
• PESSOA JURÍDICA
• DIREITO PÚBLICO
• ADM.
• DIRETA
• ENTES DA
• FEDERAÇÃO
• ADM.
• INDIRETA
• AUTARQUIAS
• FUNDAÇÕES
• PÚBLICAS
• PESSOA JURÍDICA
• DIREITO PRIVADO
• ADM.
• INDIRETA
• EMPRESAS
• ESTATAIS
• EMPRESA
• PÚBLICA
• SOCIEDADE
• ECONOMIA
• MISTA
CASO CONCRETO 1

Antônio, servidor estatutário do Município do Rio de Janeiro, requereu na esfera


administrativa a percepção de uma determinada vantagem pecuniária – nível universitário.
Indeferido o pedido pelo Secretário de Administração Municipal, interpôs recurso, que foi
integralmente indeferido pelo Prefeito. Antônio, inconformado, procura você em busca de
uma medida judicial. Considerando o caso acima, responda justificadamente:
1) Em face da coisa julgada administrativa, pode ser a questão levada à
apreciação da Justiça?
2) A denominada coisa julgada é, na verdade, apenas uma preclusão de efeitos
internos?
3) Caso positivo, qual a via que você utilizaria, contra quem seria proposta a
medida e perante que órgão?
(Colaboração da Profª Patrícia Knöller)

CASO CONCRETO 2

(OAB-RJ) Lei de iniciativa do Congresso Nacional determina a criação de um novo


Ministério com atribuições de fiscalização da moralidade administrativa, principalmente
após a ocorrência escandalosa do Valérioduto e do mensalão.
Indignado, o Presidente da República intenta ação objetivando a
inconstitucionalidade da referida lei, ao fundamento de que se trata de afronta ao princípio
da separação dos poderes.
Decida a questão de maneira fundamentada.

( Colaboração do Prof. Gladstone)

CASO CONCRETO 3
Funcionário da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro – ALERJ, em
serviço, dirigindo carro oficial, atropela e mata uma mulher de 25 anos.
Os familiares da vítima intentam ação de responsabilidade civil em face da ALERJ
objetivado o ressarcimento de perdas e danos.
O juiz da causa, em sentença, determinou a extinção do processo sem apreciação
do mérito por faltar uma dos pressupostos da ação, ou seja, capacidade processual do
réu.
Considerando a ementa acima, responda:
1. Agiu corretamente o magistrado? Justifique.
2. Sabendo que a Câmara Municipal é um órgão público, é possível que se lhe
reconheça capacidade processual, como na decisão supracitada? Justifique, do ponto de
vista da personalidade jurídica dos órgãos públicos e da jurisprudência.
(Colaboração da Profa. Patrícia Knöller)

QUESTÕES OBJETIVAS

1. (OAB/CESPE) Ocorre a chamada descentralização administrativa quando o Estado


desempenha sua função indiretamente, por meio de outras entidades. A descentralização
requer, assim, duas pessoas jurídicas distintas: o Estado, como titular da atividade, e a
entidade que executara o serviço por ter recebido essa atribuição. A doutrina indica duas
maneiras para que o Estado efetive a descentralização administrativa: outorga e
delegação. Assinale a opção correta a respeito desse tema.
a) Descentralização é o mesmo que desconcentração.
b) Nos contratos de concessão de serviço público, verifica-se a descentralização por
outorga.
c) A descentralização é efetivada por meio de outorga quando o Estado transfere, por
contrato ou ato unilateral, unicamente a execução de um serviço para que o ente o preste
ao público em seu nome e por sua conta e risco.
d) Quando o Estado cria uma autarquia e a ela transfere certa atividade administrativa
ocorre a descentralização por delegação
e) A descentralização deve ser efetivada por outorga quando o Estado cria uma entidade
e a ela transfere, por lei, a execução de determinado serviço público.

2. (Analista Judiciário — Área: Judiciária - TRE/MT/2009) Entre os princípios


fundamentais da administração pública, encontram-se a descentralização e a
desconcentração. Quanto ao princípio da descentralização, Julgue os itens a seguir.
I. A descentralização pressupõe a existência de uma pessoa distinta da pessoa do
Estado.
II. O ente descentralizado age sem necessitar de outorga do serviço ou atividade ou de
delegação para a sua execução, mas sempre em nome próprio.
III. A fundação pública, resultante do processo de descentralização, é uma pessoa jurídica
de direito público que realiza atividades apenas de interesse público.
IV. Os ministérios e os órgãos de assessoramento da Presidência da República são
decorrências do processo de descentralização.
V. Os entes descentralizados são provenientes da divisão do trabalho do Estado, visando
a sua eficiência.
Estão certos apenas os itens:
a) I e II;
b) I e V;
c) II e III;
d) III e IV
e) IV e V