Você está na página 1de 5

Introdução

Os sistemas de equações lineares são muito utilizados na engenharia,


pois auxilia na resolução de problemas frequentes na engenharia atual. O
presente trabalho ira aborda sobre as aplicações da engenharia civil.

Um problema fundamental que é normalmente é encontrado na


descrição matemática de fenômenos físicos é o da solução simultânea de
conjuntos de equações. Traduzindo para a linguagem matemática, tais
fenômenos passam a ser descritos por um conjunto de m equações em que se
deseja determinar a solução de n variáveis de interesse, normalmente
chamadas de incógnitas.

O primeiro registro histórico associado formulação de um problema


através de um conjunto, ou sistemas de equações algébricos lineares foi
relatado em um livro chinês – Chiu-chang Suan-shu (Nove Capilulos sobre
Aritmética) – escrito aproximadamente 250 anos antes Cristo.

Na época, os chineses formularam este problema empregado pedaços


de bambus de diferentes cores para representar os coeficientes de equações,
dispostos de forma organizada em um quadro onde as colunas representavam
a qualidade e cada colheita e o total vendido de todas as colheitas. A solução
problema era então obtida por uma sequencia ordenada de manipulações nas
linhas que compunham o quadro. Séculos se passaram até que os sistemas de
algébricas lineares fossem redescobertos da Europa, ganhando forma de
arranjos numéricos ordenados por linhas e colunas, como são atualmente
representados. Para o problema originalmente formulado pelos chineses, tem-
se na forma atual a seguinte reprentação:

3x+2y+z=39

2x+3y+z=34

x+3y+3z=26

A solução deste tipo de problema foi sistematizada pelo matemático


alemão Carl Friedrich Gauss (1777- 1855), tornando-se conhecido pelo método
de eliminação de Gauss.
Aplicações:
Os sistemas de Equações Lineares, está aplicada à engenharia civil. E
na maioria das vezes é bem aplicado em estruturas metálicas.

Aplicação 1: Considere o problema do projeto de uma estrutura metálica como


esboçada na Figura 1. Trata-se de um guindaste que deverá içar cargas. O
problema consistente em determinar qual é o esforço mecânico em cada viga
da estrutura, de modo que se possa escolher as vigas com a resistência
adequada.

O cálculo das forças que incidem na estrutura, F1 e F2, é imediato,


conhecendo-se a massa que irá ser suspensa e o comprimento do braço do
guindaste. Com essas forças, é preciso agora calcular a força exercida por
cada viga nos nós (pontos de interseção de suas ou mais vigas) para que a
estrutura permaneça em equilíbrio. Essas forças serão denotadas pelas
variáveis fij, em que os índices indicam os nós ligados por esta viga. Assim por
exemplo, a força f41 significa a força exercida sobre o nó 4 pela viga que liga o
nó 4 ao nó 1.

A somatória das forças em cada nó, de 1 a 6, deve ser nula tanto na


direção horizontal quanto na vertical. Para montar o conjunto de equações,
tomemos como exemplo o nó 1. O nó 1 é afetado pelas vigas que o ligam aos
nós 2, 3 e 4. As equações que implicam no equilíbrio de forças sobre o nó 1
são:

sendo que ϴij representa o ângulo entre a viga (ij ) e a vertical. Construindo
cada equação da somatória das forças em cada um dos nós, obtém-se o
seguinte conjunto de equações:

A última equação diz respeito ao de toda a estrutura, que não deve ter
em conjunto nenhuma aceleração horizontal.
Claramente, fij = -fji. Assim, por exemplo, f12 = - f21. O conjunto de variáveis
a serem determinadas, portanto, pode ser arranjado no vetor:

Definindo um vetor F e uma matriz Ω da seguinte forma:

é fácil verificar que a Equação matricial (2) na forma (3)? Há inúmeras


vantagens: Deve ter ficado claro que para o leitor que há um regra simples que
leva diretamente do desenho da Figura 1 para as entradas da matriz Ω.
Qualquer que fosse a estrutura composta de vigas que se ligam em nós, a
regra seria a mesma. Seria possível representar por meio de uma matriz Ω
qualquer estrutura, e essa representação poderia ser obtida automaticamente
(por meio de um programa de computador). Uma vez nessa forma, torna-se
pertinente perguntar: quais são as soluções desse problema? Quais vigas
devem suportar? Dado um conjunto de forças externas F, o conjunto de forças
sobre as vigas será dado por:

f=Ω-2F

Note-se que a matriz Ω deve ser invertível para que o problema tenha solução.
Se não for invertível, isso quer dizer que a estrutura correspondente não é
capaz de se manter de pé, e tem de ser trocada.
Referencias
• Aplicação de Álgebra Linear à Engenharia Civil; Prof. Ricardo Takahaski
– DMT;
• Aplicações da Álgebra Linear, Anton Howard e Cris Rorres;

Você também pode gostar