Você está na página 1de 6

A Exploração do Petróleo no Brasilsdsadsadsadsdadsadsadsasd

A história do petróleo no Brasil começa quando o Marquês de Olinda concedeu


a José de Barros Pimentel o direito de retirar betume em terrenos localizados
nas bordas do rio Maraú, na Bahia, em 1858. Em 1892, acontece a primeira
sondagem profunda no Brasil, em Bofete, no interior de São Paulo. É
inaugurada a prática da exploração no Brasil. O poço alcança
aproximadamente 490 metros de profundidade, porém encontra-se somente
água sulfurosa.

A atividade petrolífera no Brasil começou em meados do século XIX, mas foi na


década de 30 que começou a ter mais destaques. Nessa década, surgiu no
Brasil a tendência à nacionalização dos recursos do subsolo. 

1938

Toda a atividade petrolífera passou a ser por lei obrigatoriamente realizada por
brasileiros natos. No mesmo ano, foi criado o Conselho Nacional do Petróleo
(CNP), a fim de analisar os pedidos de pesquisas de jazidas de petróleo, que
ainda que não encontradas, tornaram-se patrimônio da União.

1939 

Com a descoberta de petróleo em Lobato, na Bahia, impulsionaram novas


pesquisas do CNP na região do Recôncavo baiano. Já 1941 foi perfurado um
novo poço que originou o campo de Candeias, que foi o primeiro a produzir
petróleo no Brasil.

Na década de 40 surge uma nova polêmica: qual seria a política mais


adequada a ser adotada pelo Brasil em relação à exploração do petróleo.
Alguns grupos defendiam o regime do monopólio estatal, enquanto outros, a
iniciativa privada.

1946 

O país com uma nova constituição também dá início a uma campanha


nacionalista em defesa da soberania brasileira sobre o recurso natural,
chamado “O Petróleo é Nosso!”.

1948 

É fundado o Centro de Estudos e Defesa do Petróleo e da Economia Nacional


(CEDPEN). O CEDPEN passa a gerir uma campanha do petróleo no Brasil,
articulando militares, estudantes, homens públicos e intelectuais.

1953 

Depois de uma campanha popular, o presidente Getúlio Vargas assinou nesse


ano a lei que estabeleceu o monopólio estatal da pesquisa e lavra, refino e
transporte do petróleo e seus derivados, criando a Petróleo Brasileiro S.A -
Petrobras para exercer tal finalidade. A lei dispõe sobre a política nacional de
petróleo e define as atribuições do Conselho Nacional de Petróleo.

1963 

A produção brasileira nesta década era de 2.700 barris/dia, enquanto o


consumo nacional era um total de 170 mil barris diários. Nesse ano, o mercado
foi ampliado, abrangendo as atividades de importação e exportação de petróleo
e seus derivados.

Em 1963, aconteceu a primeira descoberta de petróleo no mar, no Campo de


Guaricema, em Sergipe. A plataforma Petrobras 1 (P-1) é instalada pela
Companhia de Comércio e Navegação no Estaleiro Mauá, em Niterói (RJ). A P-
1 iniciou as atividades de perfuração no estado sergipano, sendo a primeira
plataforma de perfuração flutuante instalada no país e equipada com uma
sonda para perfurar poços de até 4 mil metros.

1974
 
Houve a descoberta de petróleo na Bacia de Campos, na área costeira do
estado do Rio de Janeiro. A descoberta foi decorrente da necessidade de
diminuir a dependência do país do mercado internacional, a fim de melhorar e
deixar positiva a balança comercial, já que em 1973, houve o primeiro choque
do petróleo. 

1975 

O Governo Federal libera a assinatura de contratos de serviços com cláusula


de risco, aceitando a participação de empresas privadas na exploração.
Entretanto, as empresas investiam em exploração e se obtivesse sucesso,
receberiam os investimentos alcançados e uma recompensa em petróleo ou
em dinheiro, porém a produção seria operada pela Petrobras.

1984 

Descoberta do primeiro campo gigante do país: Albacora, situado na Bacia de


Campos (RJ). O país alcança a meta-desafio de produção de 500 mil barris
diários de petróleo. No ano seguinte, a descoberta do segundo campo gigante
do país: Marlim, situado também na Bacia de Campos no Rio de Janeiro.

1988 
Começa a exploração no Alto Amazonas, no Campo do rio Urucu.

1994 

Surge à primeira plataforma semissubmersível, projeto desenvolvido pela


Petrobras, no campo de Marlim, situado na Bacia de Campos, no Rio de
Janeiro. Dois anos posteriores, descobrem o terceiro campo gigante do país:
Roncador, também situado na Bacia de Campos, no Rio de Janeiro. 

1997 

O Brasil passou a aceitar a presença de outras empresas para competir com a


Petrobras nas atividades petrolíferas, ou seja, o fim do monopólio petrolífero.
Instituíram o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) e a Agência
Nacional do Petróleo (ANP), depositando a responsabilidade da ANP para as
concessões de exploração de petróleo, agora em regime de iniciativa livre. No
mesmo ano, o país chega a um recorde de um milhão de barris/dia e o
gasoduto Brasil-Bolívia começa a ser construído. A partir deste momento, a
exploração petrolífera foi intensificada e, em consequência disso, houve a
necessidade de formar e especializar mão de obra para atender às
necessidades da indústria petrolífera brasileira.

Com o aumento nos investimentos em exploração e produção de petróleo e


gás natural, decorrente da lei citada anteriormente, foram descobertos outros
lugares para perfurar na Bacia de Campos, como também foram descobertas
outras bacias no Espírito Santo e Santos.

2000

Um novo recorde nacional: a Petrobras produz o petróleo a uma profundidade


de 1.877m, no Campo do Roncador.

2003

No Campo do Mexilhão situado na Bacia de Santos, descobrem uma nova e


maior jazida de gás natural.

2005

Foram achados os primeiros vestígios de petróleo no pré-sal, com volumes


entre cinco a oito bilhões de barris de petróleo e gás natural.

2006

O Brasil foi considerado autossuficiente na produção de petróleo, a Petrobras


passou a marcar aproximadamente 2 milhões de barril/dia. Esse número era o
suficiente para suprir o consumo do mercado interno, que era de
aproximadamente 1,8 milhões de barris/dia.

2007

No Governo Lula, a Petrobras anunciou uma descoberta de uma nova área


petrolífera situada em grande profundidade que colocaria o Brasil entre os
maiores países do mundo em termos de reservas de óleo e gás: a notícia das
descobertas do pré-sal, localizado nas Bacias de Campos, Santos e Espírito
Santo.

O pré-sal é um reservatório que fica no fundo do mar que é mais antigo que a
camada de sal. Acredita-se que essa camada formou-se há 150 milhões de
anos e que este possui grandes reservatórios de óleo leve, que é de boa
qualidade e que produz um petróleo mais fino. Essa camada fica entre 5.000 a
7.000m abaixo do nível do mar. 

Esta camada fica situada entre 5.000 e 7.000 metros abaixo do nível do mar, e
formou-se uma camada de sal a partir da separação do continente Gondwana
(África e América) no litoral do Atlântico. Para atingir as camadas do pré-sal, a
Petrobras desenvolveu novos projetos de perfuração. Nos últimos dois anos,
foram perfurados quinze poços, com investimentos de aproximadamente US$ 1
bilhão. Dos quinze poços perfurados, oito responderam de forma positiva em
produção.

Em 2008, a produção da Petrobras de petróleo e gás no Brasil e exterior estava


em 2,42 milhões de barris/dia de óleo, sendo que 2,195 milhões de barris era
para o território nacional e 225 mil para fora. 

As novas descobertas do Pré-Sal ganham destaque e uma dimensão


estratégica para o país, pois suas reservas de petróleo leve juntamente com a
produção de etanol são imensas, levando o país a um grande crescimento
econômico. 

Em 2009, segundo dados da Petrobras, a produção petrolífera aumentou. A


sua produção média de petróleo e gás natural no Brasil, em 2009, foi de
2.287.457 barris de óleo equivalente (boe), mostrando um aumento de 5,1%
sobre o volume produzido em 2008. A produção exclusiva de petróleo atingiu a
média diária de 1.970.811 barris, com um aumento de 6,3% sobre 2008,
conforme mostra o gráfico. Os gráficos em azul são projeções de óleo e gás
feitas pela Petrobras que eles desejam alcançar dentro de até nove anos.

Você também pode gostar