Você está na página 1de 10

UNIVERSIDADE PAULISTA

ANA PAULA MARTINS DE GOES


ANA LAURA ROZÃO DA SILVA
ANDREYNNA ZARESKI DE OLIVEIRA
ERIK HENRIQUE SANTOS LOPES
ELIANDRA DA SILVA LIMA
JULYANA GONÇALVES RODRIGUES PEREIRA
LUIZ FELIPE CAMILO
MILENA FOGAÇA DE JESUS

ATIVIDADE PRÁTICA SUPERVISIONADA -


CIRURGIA SEGURA

Nota: 8,0

BAURU
2021
SUMÁRIO

1.INTRODUÇÃO
2. METODOS
3. CONCLUSÃO
REFERÊNCIAS

2
1. INTRODUÇÃO

Ao abordamos assunto de cirurgia segura, já pensamos qual a função e a


importância do enfermeiro neste momento, onde o paciente confia na equipe que
saíra de lá, melhor de quando entrou independente da cirurgia a ser realizada, e
como profissionais da saúde cabe a nós garantir a segurança dos pacientes,
cuidando para que não haja erros que os prejudique.
Na área da saúde sempre existira uma preocupação pela segurança do
outro, seguindo esta linha de pensamento, neste trabalho serão abordados
assuntos que visam os cuidados de pacientes em ambiente hospitalares, como o
centro cirúrgico, um lugar onde há cuidados específicos devido aos
procedimentos invasivos e complexos nele executados, e a necessidade de uma
equipe de enfermagem com conhecimentos, teórico e prático, em relação à
assistência prestada a este tipo de pacientes, com intuito de prevenir eventos
adversos.

2. MÉTODO
O método realizado para fazer este trabalho foi através de pesquisa
bibliográficas, cada membro desde grupo fez sua respectiva pesquisa, onde todas
as partes foram discutidas e colocada no trabalho.

- CONTEÚDO PROGRAMÁTICO-

Será abordado neste trabalho as diversas atuações que o enfermeiro tem na


cirurgia segura

ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO PRÉ-CIRURGICO

Segundo o doutor Reynaldo Gomes de Oliveira a preparação cirúrgica se


inicia no diagnóstico, que possui um procedimento cirúrgico como melhor conduta
para o paciente. O principal objetivo deste pré-operatório é garantir uma preparação
adequada e promover a segurança cirúrgica.

3
Essa etapa da cirurgia se divide em duas importantes partes: a mediata, onde
o paciente realiza exames para confirmar o diagnóstico, aptidão para o
procedimento, tratamento clínico para amenizar sintomas até a cirurgia e
precauções necessárias para o melhor pós-operatório possível; de acordo com o
médico Reynaldo esse período se compreende desde a consulta médica até o dia
que precede o procedimento cirúrgico. Enquanto o período imediato se inicia 24
horas antes da cirurgia: nele estão inseridos o preparo do cliente para o ato
cirúrgico, incluindo procedimentos como o jejum, lavagem vesical, preparo da pelo
ou medicação pré-anestésica.
Para o doutor Oliveira o papel da enfermagem durante os períodos mediatos
e imediatos também podem ser representados por 5 momentos de atuação; cada
um com características independentes, porém que se completam como a assistência
do enfermeiro no período pré-cirurgico.
A iniciar-se pela orientação prévia, momento no qual o enfermeiro irá atuar na
pós-consulta médica ou em consulta pré-operatória de enfermagem, nesse episódio
além de apresentar-se e explicar novamente o diagnóstico e o objetivo do
procedimento, o enfermeiro deve buscar esclarecer todos os passos dos cuidados
para a preparação cirúrgica, desde a higiene necessária até aos medicamentos que
devem ser ingeridos ou não durante esse período. Orientá-lo sobre a rotina do
hospital para a cirurgia a ser feita e observar a ansiedade do paciente mediante a
situação, buscando alternativas para seu bem estar psicológico também são ações
que se enquadram nesta primeira orientação de enfermagem.
A seguir-se pelo consentimento informado que deve ser assinado pelo
cirurgião e pelo paciente, essa atribuição compete ao médico e ao setor
administrativo, todavia é de responsabilidade do enfermeiro checar o comprimento
dessa norma, pois ela é fundamental para a admissão do paciente no bloco
cirúrgico.
A orientação sobre os medicamentos de uso contínuo e sobre a suspensão
ou não destes no período pré-cirurgico é de responsabilidade do cirurgião e do
anestesista, porém devem ser complementadas em orientações pela enfermagem e
em algumas unidades, dependendo da rotina de serviço a orientação pode ser feita
pelo próprio enfermeiro, segundo o Dr. Oliveira.

4
O quarto momento de atuação da enfermagem se estabelece no
esclarecimento e no treinamento do que se deve esperar e como agir no período
pós-cirúrgico. Nele o profissional deve informar e descrever as previsíveis situações
que podem ocorrer quando o paciente estiver recuperando a consciência após o
procedimento, como presença de dor, sonda, visão turva, drenos, ventilação ou
intubação, esse momento serve para preparar o paciente e tentar deixa-lo o menos
ansioso e agitado possível caso se apresente alguma destas situações.
Para o médico Reynaldo Gomes ainda compete a esse momento o
treinamento do paciente e dos seus acompanhantes sobre sua reabilitação após a
cirurgia, estes devem ser orientados sobre o provável período de internação, a
reabilitação respiratória e motora, a alimentação a ser consumida, o controle de
micção e evacuação, o tempo de repouso aconselhado, a retomada de
medicamentos de uso contínuo e a necessidade de acompanhantes ou cuidadores
e, se será possível receber visitas nesse período. É necessário ainda conversar com
o cliente sobre estratégias de analgesias e estimulá-lo a sempre a comunicar caso
sinta dor.
A última fase da atuação do enfermeiro pode ser definida como a
enfermagem no período imediato pré-cirurgico, ela se inicia com a confirmação junto
ao instrumentador se todo o material necessário está disponível e na checagem de
sangue compatível com o paciente. É cabível nesta etapa também a confirmação se
o cliente se encontra com todos os preparos para o procedimento e se houver
alguma recomendação, como medicamentos a serem administrados nas horas ou
minutos que antecedem a cirurgia, se estes foram executados.
Em seguida o enfermeiro deve receber o paciente no bloco cirúrgico e mesmo
sempre tratando-o por seu nome deve questioná-lo sobre nome, nome da mãe, data
de nascimento e mais alguns dados pessoais que possam identificar o paciente,
além de conferir seus dados na pulseira de identificação. Sobre a cirurgia é
necessário perguntar sobre qual procedimento irá ser realizado e pedir a ele para
apontar o local no corpo que passará por cirurgia, confirmar também a altura e a
lateralidade para a melhor segurança do procedimento cirúrgico.
Revisar com o paciente as ultimas anotações do prontuário e como ele
passou as últimas horas, questionar sobre quando urinou ou evacuou e se há
necessidade no momento, sobre medicamentos ingeridos e sobre o jejum

5
executado, orientá-lo caso haja alguma dúvida ainda e orientar os acompanhantes
sobre o tempo estimado de cirurgia e o local para aguarda-lo, providenciar que eles
se despeçam é a última etapa da atuação do enfermeiro no período pré-cirurgico
com cirurgia segura.
PROCEDIMENTOS REALIZADOS NA CIRURGIA SEGURA.

Quando falamos dos procedimentos em uma cirurgia segura, sempre haverá


um responsável pelo checklist, sendo um profissional de saúde e, cada checklist
pode variar entre instituições aqui listaremos uma diretriz para instituições de saúde.
Podemos começar falando do momento antes da incisão cirúrgica ou tempo
limite, neste momento a equipe fara uma pausa antes da cirurgia e serão realizado a
seguinte checklist:
 Apresentação de cada membro da equipe por nome e função
 Confirmação da operação no paciente e o local correto
Podemos começar a demarcar o campo cirúrgico
Essa identificação deve ser realizada pelo medico membro da equipe
cirúrgica antes de ir para cirurgia, neste momento o checklist a ser seguido
consiste em:
 Identificação do paciente acordado e consciente
 Confirmar o locar da intervenção cirúrgica (função do medico e enfermeiro)
Próximo tópico a ser tratado seria a segurança da anestesia, onde uma serie de
operações é realizada pelo anestesista para reduzir a insegurança como:
 Inspeção formal do equipamento de anestesia;
 Inspeção de medicamentos e riscos;
A anestesia do paciente antes de cada operação deve seguir as orientações
incluídas no manual de cirurgia segura da OMS, onde um lista de verificação é
dividida em três etapas, antes da indução anestésica, antes da incisão cirúrgica e
antes do paciente sair da sala de cirurgia, o enfermeiro ou profissional de saúde
capacitado fica responsável pela implementação, onde o mesmo deve conformar se
equipe concluiu suas tarefas antes de prosseguir para o próxima etapa, caso algum
item não seja checado e não atender aos regulamentos, a verificação será
interrompida até a resolução, antes da indução da anestesia é preciso confirmar o
quanto antes:
6
 Se o procedimento e o local da operação estão corretos.
 O consentimento para cirurgia e anestesia.
 Confirmar visualmente o campo cirúrgico correto e seus limites.
 Confirmar a conexão e a função do monitor multiparâmetro para o paciente.

Seguindo com o checklist, vemos agora a verificação de alergias conhecidas;


 Perguntar ou confirmar se o paciente possui alguma alergia conhecida
Caso positivo para alguma alergia;
 Confirmar com se o anestesista tem conhecimento e se alergia trás algum
risco para o paciente;
Agora iremos para a verificação de vias aéreas e risco de aspiração:
 Confirmar verbalmente com o anestesista se avaliou objetivamente se
paciente possui uma via aérea difícil, levando em conta também o risco de
aspiração
. Seguindo o checklist, vamos para a verificação de risco de perda sanguínea
 Confirma se existe a possibilidade de uma perda de mais de meio litro de
sangue durante a cirurgia a fim de assegurar e garantir a preparação para
essa situação
Enfim entre outros pontos temos há:
 Verificação para previsão de eventos críticos
 Revisar eventuais complicações anestésicas
 Verificação para a realização da profilaxia antimicrobiana
 Verificar exames de imagem
Adaptar os protocolos do checklist de cirurgia segura ao contexto do locar é foco
para o sucesso.

CUIDADOS PÓS-OPERATORIO

A equipe de enfermagem deve verificar a alimentação do paciente, lembrando


para que este realize as refeições de forma certa e que retorne o mais breve
possível para uma dieta normal.

7
É necessário ficar atento às possíveis situações como infecções no trato
urinário ou dificuldades na hora de evacuar, bem como outros problemas físicos que
possam vir em consequência da cirurgia. Por conta disso, a equipe de enfermagem
deve manter contato sempre com o médico e alertá-lo de qualquer mudança.

A reabilitação do organismo
Todo procedimento cirúrgico coloca o corpo em estado de estresse, o que
debilita o sistema imunológico e amplia os riscos de infecção. Os cuidados com o
pós-operatório proporcionam que o paciente tenha uma recuperação completa
alcançando os resultados que desejou quando decidiu intervenção.
Entre as práticas mais indicadas no pós-operatório estão o repouso, o uso de
pomadas cicatrizantes e curativos (especialmente em cortes), uma alimentação
equilibrada, medicamento para dor e inchaço, além de evitar ficar exposto ao sol e o
uso de produtos inapropriados na região operada.
Pacientes que seguem todas as restrições e cuidados nesse momento têm
menores chances de apresentar queloide, infecções, trombose, entre outras
complicações.
A importância do pós-operatório na aparência da cicatriz
O que se espera, após a realização de uma cirurgia, é que a cicatriz fique fina e
plana, com coloração semelhante à pele onde se encontra.
No entanto, para que isso aconteça, é preciso que o profissional de saúde
tenha cuidado na hora de realizar a incisão e fechá-la. Sendo assim, o paciente
precisa cumprir todas as orientações dadas pelo médico para o pós-operatório.

8
CONCLUSÃO

As falhas na segurança e os riscos não controlados durante a assistência


cirúrgica podem causar danos e na maioria das vezes irreparáveis, fazendo então o
papel do enfermeiro ainda mais importância, onde apenas um simples e mero papel
a ser checado fara toda diferença.

Uma educação continuada e permanente do assunto nas instituições de


saúde, onde se implementariam medidas que visem a adesão do check list de
cirurgia segura facilitando assim, a adesão e consequentemente promovendo uma
assistência de maior qualidade aos pacientes.

9
REFERÊNCIAS

OLIVEIRA, Reynaldo Gomes de. Blackbook enfermagem. Belo Horizonte: Blackbook


editora, 2016

SENA, Adriana. Cuidados de Enfermagem no Pré-operatório. Disponível em:


atualizacursos.com.br/blog/cuidados-de-enfermagem-no-pre-operatorio-seu-guia-
completo. Acesso em: 19 out. 2021.

https://segurancadopaciente.com.br/qualidade-assist/cirurgia-segura-10-pontos-que-
devem-estar-no-checklist/ Acesso em 12/10/2021, 14:05

http://www.bionext.com.br/2018/03/a-importancia-do-pos-operatorio-e-seu-resultado-
final/ Acesso em 16/10/2021 as 20:53

https://www.nucleodoconhecimento.com.br/saude/cirurgia-segura/ Acesso em
23/10/2021 as 23:05

http://www.coren-ce.org.br/wp-content/uploads/2020/01/Atua%C3%A7%C3%A3o-
da-enfermagem-no-processo-de-cirurgia-segura.pdf Acesso em 23/10/2021 as 22:30

10

Você também pode gostar