Você está na página 1de 17

Estudo comparativo entre o desempenho de

argamassas inorgânicas contendo


metacaulim – opções de substituição de
parte do cimento e simples adição à mistura

JOÃO M. F. MOTA; FRED R. BARBOSA; ANGELO J. COSTA e SILVA;


GEOVANI A. SILVA; SIMONE P. GALVÃO; PAULA A. S. SOUZA; ROMILDE
A. OLIVEIRA
1. OBJETIVO
Investigar os benefícios da pozolana metacaulim em argamassas
utilizadas para reforço de alvenaria resistente (argamassa armada),
avaliando propriedades mecânicas e as relacionadas com a durabilidade.

Simpósio Brasileiro de Tecnologia das Argamassas


2. PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL
 Variáveis do estudo:
• Dosagem da argamassa: forte e fraco
• Teor de metacaulim: 0% (referência), 8% e 15%
• Utilização de metacaulim: substituição e adição pura ao cimento

Simpósio Brasileiro de Tecnologia das Argamassas


2. PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL
 Amostras: 10 famílias

Traço médio – 1:1:6:1,5 Traço forte – 1:0,5:4,5:1,5

0% Metacaulim (referência) 0% Metacaulim (referência)

8% Metacaulim (substituição) 8% Metacaulim (substituição)

15% Metacaulim (substituição) 15% Metacaulim (substituição)

8% Metacaulim (adição) 8% Metacaulim (adição)

15% Metacaulim (adição) 15% Metacaulim (adição)

Simpósio Brasileiro de Tecnologia das Argamassas


3. MATERIAIS E MÉTODOS
 Cimento: CPIIZ32
 Cal hidratada: CHI
 Agregado: natural miúdo de natureza quartzosa
 Metacaulim: HP Ultra

Simpósio Brasileiro de Tecnologia das Argamassas


3. MATERIAIS E MÉTODOS
 Ensaios:
• Resistência à compressão (NBR 13279)
• Módulo de elasticidade dinâmico (NBR 15630)
• Velocidades de propagação da onda ultra sônica (NBR 8802)
• Ensaios de envelhecimento acelerado: carbonatação (CPC-18, RILEM, 1988) e
teores de cloretos solúveis (ASTM C 1152).

Simpósio Brasileiro de Tecnologia das Argamassas


3. MATERIAIS E MÉTODOS
 Carbonatação:
 Período de exposição:
 300 dias
 300 dias + 24 h câmara
 300 dias + 72 h câmara
 Amostragem: 3 cp´s por família

Simpósio Brasileiro de Tecnologia das Argamassas


3. MATERIAIS E MÉTODOS
 Carbonatação:

Simpósio Brasileiro de Tecnologia das Argamassas


3. MATERIAIS E MÉTODOS
 Teor de cloretos:
 Período de exposição (câmara salt spray) :192 horas
 Amostragem: 3 cp´s por família

Simpósio Brasileiro de Tecnologia das Argamassas


4. RESULTADOS
 Resistência à compressão:

linhas de
tendência
linear
crescente dos
dois traços

Simpósio Brasileiro de Tecnologia das Argamassas


4. RESULTADOS
 Módulo de elasticidade:

linhas de
tendência
linear
crescente

Simpósio Brasileiro de Tecnologia das Argamassas


4. RESULTADOS
 Velocidade da onda ultrasônica:
Velocidade de epropagação linear

2840 2817 2747 2941


4000 3086
3000 2841
(m/s)

2545 2551 2481 2711


2000
1000
0
0% 8% Subs 15% Subs 8% AP 15% AP

Traço médio Traço Forte

Simpósio Brasileiro de Tecnologia das Argamassas


4. RESULTADOS
 Carbonatação (traço médio):

linhas de
tendência
exponencial

Simpósio Brasileiro de Tecnologia das Argamassas


4. RESULTADOS
 Carbonatação (traço forte):

linhas de
tendência
exponencial

Simpósio Brasileiro de Tecnologia das Argamassas


4. RESULTADOS
 Teor de cloreto (linhas de tendência exponencial):
Teores de Cloretos médios
0,7
0,6064
0,6 0,5202
0,5178
0,5
Cloretos (%)

0,4 0,4763 0,2971


0,395 0,252
0,3
0,2 0,2616
0,2171
0,1
0
0% 8% Subs 15% Subs 8% AP 15% AP
Amostras:0% (Metacaulim); 8% Subs (Subsituição de parte do cimento por
metacaulim); 15% Subs (Subs de parte do cim. por met.); 8% AP (Adição pura); 15%
AP (Ad. Pura)

Traço médio Traço Forte

Simpósio Brasileiro de Tecnologia das Argamassas


5. CONCLUSÕES
 Aumento da resistência mecânica e módulo de elasticidade
promovidos pela adição mineral, devido fundamentalmente ao
refinamento dos poros.
 Mitigação aos ataques químicos – boa performance frente à ação de
cloretos e CO2.
 Melhores resultados para as amostras com adição pura, em
comparação com a referência e as substituições.

Simpósio Brasileiro de Tecnologia das Argamassas


Agradecimentos

Você também pode gostar