Você está na página 1de 4

II. Perturbação de Disposição.

O termo disposição designa uma condição emocional suscita ou prolongada e


relactivamente estável.

Por sua vez, o distúrbio afectivo ou de disposição compreende a depressão e a elação.

Geralmente esses não se colocam ao mesmo nível nosológico, uma vez que a
preponderância de sintomas depressivos podem levar a caracterização de uma síndrome
ou distúrbio bem delimitado de depressão, enquanto a de sintomas afectivos ou
expansivos não parece chegar para justificar a caracterização independente de um
sindroma ou distúrbio de mania.

Os distúrbios de disposição compreendem os distúrbios bipolares e os distúrbios de


depressão.

2.1. Distúrbios Bipolares.

Os distúrbios bipolares são caracterizados por um ou mais episódios maníacos ou


hipomaniacos vulgarmente acompanhados por um ou mais episódios depressivos
maiores.

Os distúrbios bipolares compreendem três tipos sendo: mistos, maníacos, e


depressivos, consoante a prevalência da disposição do episodio corrente, isto é presente
quando da avaliação.

• Mania/depressão processa-se em alguns meses ( menos de um ano) em dois ou mais


ciclos, sendo posteriormente interrompida, por um período neutro ou assintomático.

• Os episódios maníacos incluem um período distinto com predominância de uma


disposição de elevação, expansão ou irritação, associada aos sintomas da síndrome da
mania.

• Os episodias hipo maníacos é a mesma com a diferença de que os sintomas são


menos graves do que no episodio maníaco, não obrigando a incapacidade social ou
ocupacional nem hospitalização.

2.2. Depressão.

2.2.1. Níveis de significação da depressão.


A depressão constitui. Sem duvida o distúrbio que mais controvérsia e mudanças
etiológicas e nosológicas tem grande na psicopatologia descritiva - tradicional.

E etiologia do que habitualmente se designa por estudo de distúrbio ou episodio


depressivo deve-se acima de tudo, a determinantes de cariz ambiental, educacional ou
cultural o que justifica a sua inclusão numa nosológia não orgânica.

Os depressogeneos podem estar presentes não so na psicopatologia orgânica ( ex.


demência delírios, alucinações orgânicas, síndrome orgânico da disposição) mas de
facto, em quase toda a não orgânica, incluindo a esquizofrenia, bipolares, ciclotemicos
fobicos, obssesivos-compulsivos, somatoformes e da personalidade.

A grande maioria dos processos depressivos não envolve uma deterioração acentuada
das funções cognitivas e metacognitiva, ao ponto da pessoa perder a noção da realidade
ou o sentido da identidade própria.

Dá-se um abrandamento ou uma inibição de processos a tencionais, mnemónicos ou


racionais. Nos casos mais graves, pode emergir uma actividade deliberada e mesmo
alucinatória semelhante a que se verifica na esquizofrenia na paranóia e mania.

Ao longo da história recente da psicopatologia definiram-se inúmeros tipos de


depressão: endógena, exógena, atípica, reactiva, monopolar, psicótica,
personalidade depressiva, afectiva, neurastenia. Muito destes termos reabrem a
mesma sintomatologia, distinguindo-se apenas nas referidas controvérsia dicotómicos.

Os distúrbios depressivos integram a depressão maior e a distemia.

• A depressão maior inclui um ou mais episódios depressivos maiores mas sem serem
acompanhados por episódios maníacos ou por um inequívoco episodio hipomaniacos.

2.2.2. Episodio depressivos maiores.

• Os episódios depressivos maiores integram uma disposição depressiva, ou perda de


interesse ou prazer em todas ou quase todas as actividades, sintomas associadas durante
um período de pelo menos duas semanas. Nisto, a depressão maior inclui um ou mais
episódios depressivos maiores, mas sem serem acompanhados por episódios maníacos
ou por um inequívoco e episodio hipomaniaco.

2.2.3. Distemia ou neurose depressiva

• A distenia ou a neurose depressiva envolve uma disposição depressiva( ou


possivelmente a de irritação nas crianças e nos adolescentes) na maior parte dos dias
durante pelo menos dois anos ( geralmente sem gravidade ou duracao suficiente para
justificara sua inclusão num episodio depressivo maior.

2.2.4. Acções delirantes da depressão

Nos casos mais graves de depressão (ditos psicóticos ) pode notar-se a presença de
formas delirantes e mesmo alucinatórias, por exemplo da despersonalização,
perseguição, ciúme, hipocondria e sobretudo culpa, antes referidas para outros
distúrbios, cujos significações são deficientemente estruturadas por movimento de
indiferenciação e desordenação.

Por ex: o sentimento intenso de culpa pode resultar numa alucinação de vozes
condenando-lhe que se suicide (não tens o mesmo direito de viver)

Paralelamente a pessoa deprimida queixa-se de dificuldade de atenção e de


concentração, de falta de memória e de múltiplas confusões e de perda de raciocínio
(desvio)

2.2.5. Disposição Bipolares – mania - Monopolares - estão reduzidos a uma


depressão.

Depressão - Depressão maior – distemia ou neurose depressiva.

2.4. Mania

2.4.1. Níveis de significação da mania

Mania – valorização exagerada do domínio ou das vivencias próprias, na vertente


relacional como na perspectiva. constitui a temática preponderante das significações da
manias hipo mania.

• A pessoa exibe a sua condição de escolha pelos grandes para beneficiar da sua
protecção ou desempenho de uma missão.
• A pessoa entrega-se exclusivamente aos seus interesse e necessidade hedonísticas e
vangloria-se do seu egoísmo.

• A pessoa realça sistematicamente as apreciações afectivas ou elogiosas dos outros em


relação a ela própria.

• A pessoa salienta com vaidade a sua individualidade inteligência, criatividade ou


moralidade, assim como a rejeicao dos valores convencionais da maioria.

2.4.2. Expressão emocional da mania

Na mania, a disposição é expansiva, intensa e dramática variando da elação ou euforia


para a irritabilidade, e mesmo para a hostilidade e agressão outra outrem.

A expressão do rosto pode ser histriónica ou cheia de trajeitos, gestos teatrais,


linguagem das mãos, maneirismo, vestuários, pomposos, compõe a expressão gestual.

Em geral nota-se uma intensa actividade corporal ou uma grande agitação, que
acompanha explosões do humor.

No processo elactivo e expansivo, a pessoa fala sem parar, joga com as palavras, grita,
canta das enormes gargalhadas, faz trajectos e caretas, improvisa rimas, imita
personagens mas, mesmo nos níveis superiores de significação, esta dramatização
queda-se na superficialidade.

Normalmente, a elação e a irritabilidade são sustidas, justificando a inclusão da mania


hipo mania nos distúrbios da disposição.No entanto, a pessoa pode variar da euforia
para a irritabilidade e destas para a depressão( intensamente expressa com gritos,
lágrimas, mascarada de dor, etc ) o que também justifica a caracterização do processo
ou estilo como de labilidade.

Normalmente exibe uma grande alegria de vida, mas pode passar muito facilmente do
riso as lágrimas. Mudanças imprevisíveis para a cólera e a violência são também
possíveis.

Você também pode gostar