Você está na página 1de 7

Laboratório de Processamento de Sinais Radar Assistido por Computador: Uma Nova

Perspectiva para o Ensino de Guerra Eletrônica na FAB .

1º Ten. Esp. Com. Alexandre Camacho Coelho.


Destacamento de Controle do Espaço Aéreo de Boa Vista.
e-mail : paidothor@aol.com ; acamacho@ele.ita.br .

Resumo : A concepção, execução e interpretação de experimentos têm grande


importância no processo de ensino-aprendizagem, principalmente em áreas de alta
tecnologia como a Guerra Eletrônica. Ciente desta realidade, o Comando da Aeronáutica
tem investido na edificação e aparelhamento de laboratórios destinados a formação e
aperfeiçoamento de recursos humanos em GE. Levando em conta que o computador é um
instrumento eficiente na diversificação da aplicação pedagógica do laboratório, este
trabalho apresenta uma proposta para o desenvolvimento de um projeto de automação de
experimentos no Laboratório de Processamento de Sinais Eletromagnéticos do ITA como
um passo inicial para a implementação do conceito de Laboratório de Acesso Remoto para
o Ensino de Guerra Eletrônica no âmbito do Comando da Aeronáutica.

Palavras-Chave :
Ensino de Guerra Eletrônica; Laboratório Assistido por Computador; Acesso Remoto.

Introdução

Os aspectos do processo de aprendizado em áreas de alta tecnologia, como a Guerra


Eletrônica, abordados neste artigo, têm tem como base a prática e o trabalho desenvolvido pelos
próprios estudantes. A participação ativa, dinâmica e interativa está ligada a existência de um
ambiente cintífico que pode ser obtido na instituição de ensino militar especializado a medida
que as atividades laboratoriais se tornam mais freqüentes, simples, modernas e prazerosas [1].
Neste contexto, o computador pode se tornar uma ferramenta pedagógica de amplas
aplicações. Sua rápida evolução, nas últimas décadas, tem provocado mudanças significativas
nos processos utilizados pelos profissionais de diferentes áreas na busca de soluções para os seus
[2]
problemas fazendo uso da imensa capacidade e flexibilidade que o mesmo proporciona .A
partir desta constatação cria-se a seguinte expectativa: Como extrair o máximo destas máquinas
como elemento ativo no processo ensino-aprendizagem ?
Neste artigo mostraremos as potencialidades do desenvolvimento de um Laboratório de
Processamento de Sinais Radar Assistido por Computador usando os recursos humanos e
materiais disponíveis no Instituto Tecnológico da Aeronáutica.

O Laboratório e a Evolução do seu Instrumental.

A aquisição, análise e representação de dados são funções básicas da maioria dos


aparelhos de medida existentes nos laboratórios modernos, sejam eles multímetros, geradores de
forma de onda, osciloscópios, ou até outros mais sofisticados como fontes digitais programáveis,
analisadores de espectro, etc.
A evolução da informática tem possibilitado concretizar a união entre hardware e
software necessária a comunicação com e entre os aparelhos de uma forma interativa. Surgiu
então o conceito de instrumento virtual ( VI – Virtual Instrument), que introduziu uma
flexibilidade até então inexistente, uma vez que o usuário passa a poder criar bancadas de
medida (Figura 1) em função de suas necessidades, combinando todos os elos do sistema
(hardware, software e acessórios) de forma a atender a sua aplicação específica [3].

Figura 1 – Bancada de Medida Usando VI [4].

Laboratório de Processamento de Sinais Eletromagnéticos (ITA/GITE)


O Laboratório de pesquisa em Guerra Eletrônica e Vigilância Eletromagnética da
Amazônia, inaugurado no CTA/ITA no dia 5 de março de 2001 (Figura 2), foi edificado por
meio da ação conjunta do DEPED (Departamento de Pesquisas e Desenvolvimento), COMGAR
(Comando Geral do Ar) e CCSIVAM (Comissão para Coordenação do Sistema de Vigilância da
Amazônia) [5].

Figura 2 – Inauguração do Laboratório de Pesquisa em Guerra Eletrônica e Vigilância Eletromagnética da


Amazônia [4].

Desenvolver atividades de pesquisa em ciência e tecnologia dentro de um programa de


formação de recursos humanos e aprimoramento da base operacional, científica e tecnológica do
SISGEA (Sistema de Guerra Eletrônica da Aeronáutica) constitui dos objetivos da criação deste
laboratório.
Dentro do processo de consolidação da base de recursos humanos do SISGEA, o
Laboratório de Pesquisa em Guerra Eletrônica e Vigilância Eletromagnética da Amazônia
recebeu do COMGAR um conjunto de equipamentos para ensino de Guerra Eletrônica na área
de radar, denominado Radar Training System (Figura 3), fabricado pela Lab-Volt System, com
um investimento da ordem de US$ 200,000.00. O Radar Training System possibilita a execução
de experiência real (não simulada) no uso de radar para detecção e rastreio de alvos passivos,
permitindo a operação de um sistema de radar ativo em tempo real dentro de um laboratório de
forma segura pelo uso de baixos níveis de potência. Seu conceito modular permite que sejam
estudados vários tipos de radar e suas técnicas de processamento de sinais, sejam elas analógicas
ou digitais.
Figura 3 – Lab – Volt Radar Training System.

O Grupo de Instrução Tática e Especializada (GITE) também foi contemplado pelo


COMGAR com o Radar Training System (uma versão básica contendo os subsistemas analógico
e de rastreio) e a Escola de Especialistas de Aeronáutica disponibilizou no Galpão de Eletrônica
praticamente todo o pacote da área de radar, bem como outros sistemas da área de
telecomunicações e eletrônica adquiridos junto à empresa Lab-Volt.

Laboratório de Processamento de Sinais Eletromagnéticos Assistido por Computador

Este acervo, por si só constitui uma evolução, se não uma revolução em termos de infra –
estrutura para a capacitação de recursos humanos em GE no Comando da Aeronáutica.
Entretanto, por meio de recursos tecnológicos, disponíveis no Brasil, é possível multiplicar a
efetividade destas ferramentas, bem como torna-las acessíveis em tempo real para outras
instituições de ensino militar especializado tais como a AFA (na instrução de GE), o CIAAR
(nas disciplinas de Microondas e Radar do Curso de Formação de Oficiais Especialistas em
Comunicações) , IPV (Curso Básico de Manutenção de Radar) e CINDACTAS (nos Cursos
Básicos de Manutenção de Radar disponibilizado pelas Seções de Instrução e Atualização
Técnica – SIAT). Este conceito, que envolve a manipulação e visualização de experimentos
monitorados e controlados a distância utilizando a intranet do Comando da Aeronáutica
(INTRAER), se materializaria no que poderia ser denominado como Laboratório de Acesso
Remoto para o Ensino de Guerra Eletrônica (Figura 4).
Figura 4 – Laboratório de Acesso Remoto para o Ensino de Guerra Eletrônica.

Um projeto desta natureza possuiria um nível de complexidade considerável uma vez que
envolveria a transmissão de dados em tempo real (inclusive imagem) e compartilharia meios de
comunicação (TELESAT) com outros sistemas (Rede Mercúrio, Arcantus, etc.) com variados
graus de prioridade. Entretanto, um passo inicial para o seu desenvolvimento poderia ser a
implementação de um projeto de automação de experimentos que passaremos a denominar:
“Laboratório de Processamento de Sinais de Radar Assistido por Computador” (Figura 5).

Figura 5 – Laboratório de Processamento de Sinais Eletromagnéticos Assistidos por Computador.


O Laboratório de Processamento de Sinais Eletromagnéticos Assistido por Computador
seria composto pelos seguintes sistemas:
- Sistema de Treinamento Radar Básico – Lab-Volt;
- Sistema de Treinamento de Guerra Eletrônica – Lab-Volt;
- Sistema de Geração de Ameaças – TS100+ Excalibur;
- Sistema de Treinamento de Antenas; e
- Sistema de Medidas de RCS e Imageamento ISAR.
Qualquer projeto que se pretenda desenvolver envolve a disponibilização de recursos
humanos e materiais para a sua viabilização. O ITA, com seus cursos de Graduação e Pós-
Graduação, possui o melhor em termos de recursos humanos (conhecimento e motivação) e o
Laboratório de Processamento de Sinais Eletromagnéticos dispõe de um excepcional acervo de
instrumentos, equipamentos e softwares com características necessárias a automação de medidas.
Estes fatores ressaltam a excelente relação custo/benefício deste empreendimento.
É interessante destacar que o conhecimento que seria adquirido com a realização deste
projeto está intimamente ligado ao necessário ao desenvolvimento de um Estande de Guerra
Eletrônica, ou seja, envolveria a formação de elementos com conhecimentos que os tornariam de
grande valor para o SISGEA nos projetos de avaliação operacional.

Conclusão

O SISGEA tem recebido especial atenção do COMGAR, em função do reconhecimento


da importância da Guerra Eletrônica para o cumprimento das missões de uma Força Aérea no
contexto da Guerra Moderna.
A excelência do ensino deve ser objetivo constante dos setores responsáveis pela
formação de recursos humanos e para atingir este objetivo na formação e aperfeiçoamento dos
nossos “Guerreiros Eletrônicos” a disponibilização de um ambiente pedagógico que permita
tornar sua experiência de ensino o mais próxima da sua futura realidade de trabalho é essencial.
A utilização do computador como ferramenta para a obtenção desta excelência através da
automatização em tempo real dos experimentos do Laboratório de Processamento de Sinais
Radar do ITA se apresenta como uma proposta viável uma vez que o espaço físico,
equipamentos e instrumental já fazem parte do acervo do laboratório, bem como os
conhecimentos adquiridos pelos executores do projeto serem de aplicação prática em projetos de
avaliação operacional dos sistemas eletrônicos de nossas plataformas aéreas.
Referências Bibliográficas:
1. SOUSA, Cleonilson P.; FILHO, Tarcísio C. Laboratório de Acesso Remoto para Ensino
Orientado a Experimentos Aplicado em Aprendizado a Distância e Presencial em
Engenharia. Disponível em: <www.asee.org/international/INTERTECH2002/520.pdf >.
Acesso em: 14 mar. 2003.
2. CAVALCANTE, Marisa Almeida et al. Proposta de um Laboratório Didático em
Microescala Assistido por Computador para o Estudo de Mecânica. Revista Brasileira de
Ensino de Física, v. 21, n. 2, São Paulo. 1999. P. 127-135. Disponível em:
<http://www.sbfisica.org.br/rbef/Vol21/Num1/v21_127.pdf> . Acesso em: 20 fev. 2004.
3. SILVA, P. J. et al. Automatização de Laboratórios de Medida de Componentes Ópticos e
Eletrônicos através de LabVIEW. Revista do DETUA, v. 2, n. 4, jan. 1999. p. 449-458.
Disponível em: <http://www.av.it.pt /collaborators/personal/pandre/pubs/detua_labview.pdf>.
Acesso em: 14 mar. 2003.
4. PACHECO, Osvaldo R. et al. Instrumentação Virtual Baseada em Computador para o
Ensino da Electrónica. 1º Simpósio de Informática Educativa. Disponível em:
<http://event.ua.pt/1siie99/espanhol/pdfs/comunicacao44.pdf>. Acesso em: 01 mar. 2004.
5. Inaugurado Laboratório de Pesquisa em Guerra Eletrônica e Vigilância
Eletromagnética da Amazônia: Página da Internet. Disponível em: <http://www.
sivam.gov.br/INFO/ un_10.htm>. Acesso em: 20 mai. 2003.