Você está na página 1de 370

Página 1

Página 2

Página 3

TENTATIVA DE DIABO
PECADORES E SANTOS LIVRO 2

Página 4

VERONICA EDEN
Página 5
TENTATIVA DE DIABO
Copyright © 2020 Mara Townsend escrevendo como Veronica Eden
Todos os direitos reservados.
Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, armazenada em um sistema de recuperação ou
transmitida em qualquer
forma ou por qualquer meio, eletrônico, mecânico, fotocópia, gravação ou outro, sem o
permissão prévia por escrito do proprietário dos direitos autorais, exceto no caso de breves citações
incorporadas em
resenhas e outros usos não comerciais permitidos pela lei de direitos autorais. Para pedidos de
permissão,
escreva para o autor neste site:
WWW . VERONICAEDENAUTHOR . COM
Esta é uma obra de ficção. Nomes, personagens, lugares, negócios, empresas, organizações,
localidades,
eventos e incidentes são produto da imaginação do autor ou usados ficticiamente. Algum
semelhanças com pessoas reais, vivas ou mortas, é não intencional e coincidente. O autor faz
não tem qualquer controle e não assume qualquer responsabilidade pelo autor ou sites de terceiros ou
seu conteúdo.

Página 6
CONTEÚDO
Nota do autor
Sobre o livro
Lista de reprodução
1. Blair
2. Devlin
3. Devlin
4. Blair
5. Devlin
6. Blair
7. Blair
8. Devlin
9. Blair
10. Blair
11. Devlin
12. Devlin
13. Blair
14. Devlin
15. Devlin
16. Devlin
17. Blair
18. Blair
19. Devlin
20. Blair
21. Devlin
22. Blair
23. Devlin
24. Blair
25. Blair
26. Blair
27. Devlin
28. Blair
29. Devlin
30. Blair
31. Blair
32. Devlin
33. Devlin
34. Blair

Página 7
35. Blair
36. Devlin
37. Devlin
38. Blair
39. Devlin
40. Blair
41. Blair
42. Blair
43. Devlin
44. Devlin
45. Blair
46. Devlin
47. Epílogo
48. Epílogo
Obrigado + O que vem a seguir?
Agradecimentos
Junte-se à equipe ARC de Veronica
Antevisão da Série dos Pecadores e Santos
Sobre o autor
Também por Veronica Eden

Página 8

NOTA DO AUTOR
Tempting Devil é um novo e sombrio romance adulto valentão do
ensino médio destinado a
leitores maduros. Os meninos da série Sinners and Saints são todos
valentões diabólicos
trazidos de joelhos por uma heroína explosiva, então se você ama
inimigos-para-amantes
digite histórias, você está no lugar certo. Este novo romance adulto
maduro
contém linguagem grosseira, situações duvidosas e gráficos intensos
conteúdo sexual / violento que alguns leitores podem considerar
desencadeante ou ofensivo.
Prossiga com cuidado.
Se você gosta de heroínas fracas e caras legais, este não é para você,
mas
se você gosta de mulheres fortes e anti-heróis presunçosos, então você
está certo
Lugar, colocar! Segure seus corações, porque esses caras não hesitam
em roubar.
Cada livro faz parte de uma série, mas pode ser apreciado
separadamente.
Série Sinners and Saints:
# 1 Santo Perverso
# 2 Diabo tentador
# 3 Ruthless Bishop
# 4 SW (Livro 4)
Assine a newsletter da Veronica para receber notícias e conteúdos
exclusivos
sobre os próximos lançamentos. Siga Veronica no BookBub para um
novo lançamento
alertas!

Página 9

SOBRE O LIVRO
BLAIR
VENDI MINHA ALMA AO DIABO .
Os tempos difíceis provam quem é sobrevivente e quem não é. Eu? Eu
sou um sobrevivente.
O plano era perfeito: roubar um de seus carros em troca de um
pagamento para nos preparar para o resto da vida.
Tudo isso enquanto me vingando dele por me atormentar desde o
primeiro momento
pisou na arrogante Silver Lake High School.
Mas ele me pegou em flagrante. O que é pior, uma sentença de prisão
ou tornando-se
o brinquedo favorito do diabo?
Meu monstro tortuoso me fez uma oferta que não pude recusar. Agora
estou vendendo
tudo para ele. Até minha alma.
DEVLIN
O SEGREDO DE SER LIVRE NÃO É AMAR NADA .
As marionetes são levadas a acreditar no meu jogo de fingir. Mas o jeito
que ela
olha para mim sempre perfurou sob minha pele. Como ela sabe . Ela é
rato de sarjeta - como ela poderia entender?
Eu jurei quebrá-la. Quando eu a pego roubando meu carro, fica claro
que ela não
aprendeu sua lição. Ela não vai escapar da minha ira novamente.
Pronto para jogar, pequeno ladrão? As regras são simples: meu caminho
é a lei.

Página 10

LISTA DE REPRODUÇÃO
( Spotify )
Renegado - Niykee Heaton
Moshpit — Bohnes
Amor zumbi - Bohnes
Fundo do Mar Azul Profundo - MISSIO
MAYDAY — Coldrain, Ryo
Problemas - Julia Michaels
Stomp Me Out - Bryce Fox
Eu vou continuar vindo — Low Roar
Qual é a sensação? —Tonight Alive
A mão que alimenta - pregos de nove polegadas
Dentes - 5 segundos de verão
Way Down We Go — KALEO
Todo mundo sabe - Sigrid
Perder você para me amar - Selena Gomez
The Box - Roddy Ricch
Godzilla — Eminem, Juice WRLD
Bandeira Branca - Bispo Briggs
Blood In The Cut - K.Flay
Poderoso - Major Lazer, Ellie Goulding, Tarrus Riley
Não me deixe sozinho - Mark Ronson, Yebba
Desaparecido - Vermelho
Horns - Bryce Fox
Angel On Fire - Halsey

Página 11
Sentado, Esperando, Desejando - Jack Johnson
Luar — XXXTENTACION
Enterre-me de cara para baixo - neto
Você não me possui - Lesley Gore
Dark Nights - Dorothy
Eu vou te seguir no escuro - Deathcab for Cutie
Estrelas cadentes - Elephante

Página 12
O lar não é um lugar, são as pessoas que o preenchem.
Para os sobreviventes, continuem lutando.

Página 13
1

Página 14

BLAIR
Estar aqui é necessário , eu me lembro agachado entre as árvores,
examinando meu alvo. Tudo faz parte do plano perfeito .
Silver Lake Forest Estates sempre me fez sentir deslocada.
Esta noite não é diferente, mesmo enquanto eu espreito nas
sombras. Minha amiga gemma
Turner me arrastou para esta comunidade de mansões muitas vezes no
ano passado para festas
na casa do namorado, do outro lado do lago. Talvez a sensação de
não pertencer vem de estar cercado por pessoas com tanto
privilégio sangra de seus ouvidos, em comparação com o que eu
tenho. Talvez seja isso
Sempre posso sentir Devlin Murphy julgando minha presença.
De qualquer forma, nunca houve uma dúvida sobre isso. Eu
definitivamente não sou
bem vindo aqui.
Agora estou vigiando um lugar que nunca pensei que iria de bom grado:
meu
casa do inimigo.
O tempo está ameno para o início de setembro em Ridgeview, mas estou
vestida de preto para se misturar com a noite. O suor umedece as axilas
da minha camiseta de manga comprida desbotada depois de caminhar
até o meu esconderijo, onde eu
tenha uma visão clara do portão gigante que guarda a casa. Não sei se é
da ansiedade que está passando por mim ou de que estou
superaquecendo
na roupa que arranjei para esta noite na loja de segunda mão.
Provavelmente ambos.
Se Devlin me pegar em sua propriedade, ele viverá de acordo com
aquele grande nome ruim
dele. Ele é conhecido como o notório diabo das trevas da Silver Lake
High School,
tanto por sua aparência quanto por seu ataque letal no campo de futebol.
Diabo idiota . Eu o odeio mais do que qualquer um dos idiotas da minha
escola.

Página 15
Uma semana no último ano e ele já está lucrando com o meu
inferno da vida mais uma vez. Ele se acalmou um pouco no ano
passado, depois que Gemma começou
namorando seu primo e rei da escola, Lucas Saint. Isso não o impediu
de atirar em mim a cada chance que tinha, no entanto. Isso só o fez
conseguir mais
criativo.
Com Lucas e Gemma fora do Oak Ridge College of the Arts, o alto
escola tornou-se o reino de Devlin Murphy e Connor Bishop, o mal
dupla governando sobre nós com punhos de ferro.
Hoje, Devlin e seus amigos de futebol me enganaram com notas de
dólar em
fio de pesca, caçando meu desespero. Seu desprezo cruel queimou meu
por dentro com ódio ácido. A parte mais deprimente? Precisamos de
dinheiro então
mal que quase caí em sua armadilha cruel para adicionar mais alguns
dólares a
nossas magras economias.
A sobrevivência sempre supera o orgulho quando se trata disso.
Uma brisa quente move os galhos acima, os galhos rangentes
trilha sonora para minha criação ilícita de problemas.
O plano é invadir e levar uma das coisas que ele mais ama.
Pelo que posso dizer, Devlin tem pelo menos cinco carros - carros caros.
Estes não são seus carros típicos da classe econômica. É cerca de quatro
a mais que o
as necessidades de uma pessoa média.
Um roubo de carro vai um pouco mais longe do que minha música e
dança habituais. Mais como
milhas adiante . O canto da minha boca se levanta sem um traço de
humor enquanto o
pensamento cruza minha mente.
Devlin Murphy merece.
O bastardo merece desde o primeiro ano. Eu agüentei a marca dele
de atormentar a merda por muito tempo.
Um galho estala com um som abafado sob meus sapatos enquanto eu
mudo meu
peso. Eu aperto meu rabo de cavalo para manter meu cabelo longe do
rosto enquanto trabalho,
sacudindo meu olhar para as estrelas pontuando o céu acima das
sempre-vivas. Isso é
escuro o suficiente, eu acho.
É hora de começar, se vou conseguir. Sem mais atrasos,
dançando na linha do quero ou não vou.
Não há vontade ou não esta noite - apenas tenho que fazer e nenhuma
escolha .
Solto um suspiro e esfrego as pontas dos dedos. Meus ombros também
são
tenso. Precisando relaxar, dou uma pequena sacudida.
A casa isolada que surge diante de mim é uma mistura de
contemporaneidade moderna
estilo com toques luxuosos de cabine - grandes janelas, estrutura de
metal, branco

Página 16
concreto lavado e os confortos estéticos de uma montanha de grandes
dimensões
cabine.
Cabin está sendo tímido. Esta é uma mansão de montanha legítima. O
maior do
comunidade privada da própria marca de realeza de Ridgeview.
Parece arrogante e fora do lugar. As linhas salientes da casa
espalhar-se como se fosse seu direito, justaposta à natureza enquanto as
árvores lutam para
manter sua posição.
Porque o dinheiro te dá tudo. Ele abre qualquer porta. Natureza não
pode dizer não ao dinheiro.
Minha boca se torce em amargo desprezo enquanto minhas unhas
cavam na casca de um
tronco de árvore ao meu lado. Eu me mantenho nas sombras.
A adrenalina formiga em meus dedos com o primeiro passo que dei
uma hora, as picadas afiadas saltando ao longo da minha consciência e
contorcendo meu
estômago.
Ninguém está por perto. A casa de Devlin está espalhada longe dos
vizinhos, o
propriedade mais remota que vi aqui. Mesmo assim, não deixo minha
guarda cair.
Um flash de luz faz meu coração disparar - faróis! Segurança
patrulha? - e eu me escondo atrás de um aglomerado de pedras. Ele se
move para a árvore
linha, afastando-se da casa de Devlin. Eu solto um suspiro de alívio e
rasteje mais perto da casa.
Engraçado como uma comunidade privada para a maioria da elite de
Ridgeview não
espera que intrusos indesejáveis entrem imediatamente, assumindo que
hóspedes e residentes
só passe pelo quiosque de segurança no portão. O anoitecer baixou
enquanto eu caminhava
da estrada, deslizando entre as casas sem ser visto, traçando o caminho
que eu
mapeado para chegar à casa de Devlin no Google Maps na biblioteca.
Um bufo mordido me deixa. Eu espio ao redor para verificar se a costa
está limpa
e disparar por uma muda magra. Um pouco mais longe e estarei além
do ponto de não
Retorna.
Se o boletim de programação esportiva no site da escola estivesse certo,
Devlin
deve estar no treino de futebol até as 20h. Isso me dá pelo menos
quarenta e cinco
minutos para trabalhar sob a cobertura da noite. Seu Range Rover
estava no
lote de estudantes hoje, três espaços abaixo do balde de ferrugem
Corolla 2001 que
me leva do ponto A ao B.
O plano passa pela minha cabeça repetidamente: passe despercebido,
desative o
Sistema de rastreamento GPS de acordo com o tutorial do YouTube,
dirija como um
chefe de merda, observe a fúria daquele idiota de longe na escola ...

Página 17
Eu movo minha mão sobre meus quadris, verificando a bolsa
enganchada em meu
presilhas de cinto. Dentro está tudo o que preciso para este plano.
O senso de preparação, calculando cada movimento, nasce do
fingimento
até eu fazer isso. Não é como se eu já tivesse cometido um crime tão
sério
antes.
Minha casa do leme é um pequeno roubo - ganhando o nome idiota de
dedos pegajosos
o diabo de Silver Lake High me provoca roubando o que eu não posso
pagar e roubar bolsos quando necessário.
Os cantos da minha boca se contraem. Devlin Murphy não tem ideia do
que é
gosto de se estressar constantemente com dinheiro.
Robin Hood rouba dos ricos, certo? Bem, os ricos esnobes deste
cidade são aqueles que me ensinam lições brutais de sobrevivência,
então estou voltando
o favor.
Há muito tempo que deixei de lado qualquer culpa moral pairando sobre
minha cabeça por ser
um sobrevivente.
Parando minha abordagem da casa, eu mordo meu lábio. O inegável
consequências do que estou aqui para fazer passam pela minha cabeça
como um
marquise. Devlin tem dinheiro mais do que suficiente para me enterrar
e depois ir atrás
Mamãe. Inferno, ele provavelmente poderia me matar por tocar em
seus carros e fugir
com isso.
Aquele olhar louco que assombra seus olhos quando eles estão em mim
...
Um estremecimento sacode meu corpo. Sim, ele está bagunçado o
suficiente para matar
alguém. Nenhuma dúvida sobre isso.
Você está protelando . "ECA."
Eu forço meus pés a se moverem.
Esta é uma grande pontuação para mim, maior do que jamais
consegui. Eu não estou
roubando rímel barato, pegando uma caixa extra de leite ou pegando
um
cem dólares de colegas mimados que não percebem que estão com falta
de dinheiro quando
seus cartões de crédito sem limite fazem a diferença.
Não, este é um crime real. Risco alto, recompensa mais alta. O ir-para-
a-prisão-se-
tipo pego .
Meu estômago revira enquanto eu hesito na escuridão.
Se eu for pego, mamãe não vai sobreviver sozinha. Talvez eu devesse
ter
fiz isso no final do primeiro ano, antes de completar dezoito anos em
junho. Eu puxo
o fim do meu rabo de cavalo e morder meu lábio novamente.
Não há outra maneira. Esta é a única coisa que eu poderia pensar para
obter o
precisamos de dinheiro rápido. É uma ideia melhor do que assaltar um
banco.

Página 18
Se eu tiver que me tornar um vigilante, reaproveitando alguma riqueza
extra inútil
para os mais necessitados - eu e minha mãe - então que assim
seja. Voltando em
Devlin é a cereja do bolo amargo.
Movendo-se de sombra em sombra em direção ao meu objetivo, minha
resolução
fortalece. Isso me dá a falsa sensação de bravura de que preciso para
dar esse salto
da minha zona de conforto.
Eu paro ao longo da parede de pedra da altura da cintura que forma um
perímetro ao redor
Linha de propriedade de Devlin. Tudo sobre sua casa grita elite, até
o portão de ferro frio cortando a propriedade da estrada que se
transforma em
entrada de automóveis circular.
“Um portão para a maior casa de um condomínio fechado”, murmuro
para
eu mesmo, balançando a cabeça enquanto pulo na parede de pedra e
balanço minhas pernas
sobre.
Eu caio da parede agachado no caso de a comunidade ser privada
a patrulha de segurança vem por aqui. Meus passos são leves e rápidos.
O mesmo foco afiado cai sobre mim que sinto quando estou prestes a
escolher
no bolso de alguém ou roubar algo na loja. Respiração constante,
exalando a confiança de que nada está errado e me misturando como se
eu pertencesse
são as maneiras de me safar com o que faço.
Isso não é diferente. Mesmo que meu coração pule uma batida a cada
som desconhecido. Eu mantenho minha máscara fria no lugar enquanto
chego à garagem.
É uma entrada de nível inferior da casa, a estrada circular inclinada para
baixo
incline-se para as quatro grandes portas pretas da garagem ladeadas por
um estilo industrial
lâmpadas. Lançando um rápido olhar para a casa principal, eu cavo meu
conjunto caseiro de
picaretas da bolsa de ferramentas no meu cinto e deslizar em um par de
luvas. Não são luvas de couro de ladrão duronas, mas estavam em
a lata de cinquenta centavos em um brechó.
Minha expressão se derrete em surpresa quando eu agarro a alça da
lateral
porta de entrada, congelando enquanto gira. Não está trancado.
Balançando meu olhar surpreso para frente e para trás para outra
verificação do meu
arredores, eu deslizo para dentro, fechando a porta atrás de mim.
Além da entrada agourenta, a segurança de Devlin é terrível. O
as chaves nem estão em um cofre. Eles são orgulhosamente exibidos na
parede perto do
porta, com pequenos holofotes sob os logotipos de cada marca de carro.
Porra de gente rica.
Sua arrogância me irrita. Enquanto eles vivem com a constante
expectativa de que eles podem ter tudo o que querem, mamãe e eu
lutamos para

Página 19
mantenha nossas cabeças acima da água. Esses idiotas mimados
confiam tanto em
seus enormes portões e segurança privada para fazer o trabalho pesado.
Estou ofendido por ter sido tão fácil entrar aqui enquanto coloco minhas
pinças de volta
em minha bolsa de suprimentos com zíper.
O ar dentro da garagem é fresco e artificial, como se houvesse uma
fantasia
sistema de regulação da temperatura no trabalho. Cada carro está
estacionado diagonalmente em seu
próprio local com uma luz de teto iluminando suas características
elegantes. Existem
mais do que os cinco carros que vi Devlin usar - todos os modelos
sofisticados que
já ouvi falar e alguns que não reconheço. É como se eu tivesse entrado
em um
museu onde os loucos por carros babavam sobre marcas e modelos que
eles só
sonho de colocar os olhos em. O excesso desta coleção torna meu
estômago, e um escárnio silencioso sai dos meus lábios entreabertos.
São tantos que meus olhos ficam embaçados e minha têmpora lateja
enquanto tento fazer
a matemática na minha cabeça para somar o valor que me rodeia. Não
sei o que
alguns desses são vendidos no varejo, mas os que faço são facilmente
mais de setenta
grande. Esta sala inteira pode acabar com a dívida que paira como um
veneno
névoa sobre a cabeça da mamãe de uma só vez.
Não é justo, porra.
Mas essa é a crueldade do mundo.
Minhas mãos se fecham em punhos, o material das luvas rangendo o
mais forte eu aperto. Papai me ensinou tudo sobre este mundo cruel
desde muito jovem
antes de ele decolar.
Outro aviso de cobrança de uma de suas dívidas de jogo pesa em
meu bolso, a correspondência esfarelada enfiada ali depois de ler fez
meus olhos
picada e um pânico nauseante surgem no meu caminho para fora do
trailer para executar
este plano. A única opção era levá-lo comigo. Não pude deixar para
Mãe para encontrar. Cada um quebra seu espírito um pouco mais, não
importa o quão forte
ela tenta ser por nós dois. Eu sou o forte e logo ela não vai
tem que se preocupar.
Eu dou um passeio rápido pela fileira de carros à esquerda, zombando
de um berrante
Lamborghini amarelo, um Audi cinza bronze, um reluzente cor de
pérola
Mercedes-Benz GLS e um elegante Escalade preto. O outro lado do
garagem é tão ruim quanto com um Mustang vintage e veículos que
parecem mais
como carros voadores futuristas.
Por um momento, fico surpreso com a indecisão. Eu não sabia que ele
tinha tantos
carros. É mais seguro pegar um dos mais indefinidos que eu nunca vi

Página 20
usar. Será mais fácil mover algo comum em vez de um perfil alto
carros. Meu olhar voa para frente e para trás, considerando as opções.
Tenho que ser inteligente quanto à minha escolha.
A voz da mamãe ainda ecoa em minha mente quando a ouvi na semana
passada,
implorando ao telefone por um empréstimo que ela solicitou. Caiu, o
viscoso
escória de um agente de crédito que não simpatizou com sua voz
trêmula enquanto ela
explicou a ele qual seria a nossa situação se não recebêssemos aquele
dinheiro. Ele
não me importava, como todos os homens. Como papai . Mais uma vez
me lembrando porque eu não posso
confie em qualquer um deles.
Minha garganta fica espessa com a memória e fecho os olhos com
força. Eu não
tem tempo para isso. Eu preciso agir agora.
No final da linha, em uma posição de destaque está um carro que me
faz
fumei assim que eu o localizei.
O Porsche vermelho.
O passeio premiado de Devlin. Possivelmente a única coisa que ele ama
mais neste mundo
do que ele mesmo. Eu o vi praticamente beijando no estacionamento da
escola
enquanto suas groupies assistem e riem. Eles provavelmente esperam
que ele os foda em
o banco de trás apertado, mas eu nunca o vi dar a qualquer uma de suas
conexões um
levante quando ele o dirige.
O carro vermelho brilhante é um farol, puxando-me alguns passos mais
perto. Eu bato
meus dedos contra minhas pernas. A doce satisfação de pegar algo
precioso de Devlin canta em meu sangue. Minha indecisão desaparece,
obliterado pela chance de obter a vingança final sobre ele.
Caminhando de volta para a caixa de exibição de mogno na parede, eu
pego a chave
FOB abaixo do logotipo brilhante da Porsche. Um sorriso torce os
cantos da minha boca
quando admiro o espaço vazio deixado para trás.
"Karma é uma vadia, Murphy."
Girando no meu calcanhar, corro para o Porsche. A porta abre
sem apertar o botão do comando. Mesmo os carros quase não estão
protegidos, à esquerda
desbloqueado.
Eu bufo em diversão com raiva, murmurando enquanto deslizo para trás
do volante. "É
aquele grande portão deveria mantê-lo seguro? Pense de novo, idiota. "
Depois de ajustar o assento para frente da altura de Devlin, eu empurro
o keyless
ignição. O motor ronrona para a vida, enviando o poder correndo
através de mim enquanto agarro
a roda. Uma vibração sutil e estrondosa percorre minhas coxas e eu
mordo
meu lábio. Droga , este é um bom carro. Meus olhos enrugam com meu
sorriso. Agora o
luvas de condução são mais adequadas.

Página 21
Estou procurando uma maneira de acionar a porta da garagem para abrir
dentro do carro, imaginando que com a riqueza de Devlin, ele é
provavelmente o tipo que tem
algo assim em todos os seus carros. Meus dedos enluvados se
atrapalham com o
visor e digitalize a tela sensível ao toque.
Em seguida, uma figura sombria se move na minha periferia,
bloqueando a luz do
janela.
Em segundos, meu plano perfeito desmorona diante dos meus olhos
enquanto meu corpo
pulsa com a injustiça avassaladora de alguém estar lá. eu pulo
quando a porta se abre uma batida depois, sugando um suspiro
estrangulado enquanto eu vôo
em movimento.
"Não!" O grito me deixa confuso enquanto tento fugir.
“Oh, eu acho que não,” Devlin estala em uma voz mortal. "Volte aqui!"
Uma mão forte com dedos longos prende meu pulso, parando meu
olhos arregalados corram pelo console central para escapar. Meu
coração cai
em meu estômago, todos os pelos do meu corpo se arrepiaram. Porra!
Eu chuto com todas as minhas forças, acertando um golpe sólido contra
seu torso. Devlin
grunhe com raiva, mas não consigo me livrar de seu aperto.
Ele puxa meu pulso, me arrastando para fora do carro. Eu me deparei
com um zangado
rosnar enquanto ele se eleva sobre mim. "Que porra você está fazendo?"
O rosto de Devlin está gravado em raiva, sobrancelhas grossas franzidas
e sua umidade
cabelo preto ondulado em sua testa, caindo em seus olhos. Um músculo
pula em sua mandíbula cinzelada, enviando meus instintos para o modo
lutar ou fugir.
Merda, merda, merda . Meu coração bate no ritmo dos meus
pensamentos acelerados. Ele era
aqui o tempo todo - mas o Range Rover! Não está aqui. Eu lanço meu
olhar
ao redor para confirmar isso. Ele não deveria estar em casa ainda.
Devlin me sacode, exigindo minha total atenção enquanto ele se inclina
para o meu
Rosto. Seus lábios se curvam, dando-me um vislumbre de seus dentes
brancos perfeitos. Com um
grunhido, ele me empurra para fora do caminho, parando o tempo
suficiente para alcançar o carro
desligar o motor sem me soltar. Eu mal tenho tempo para
considere se posso escapar antes que ele esteja na minha cara
novamente.
Estou tão fodido.
"Você está perdendo a cabeça, sua vadia ladrão", ele ferve,
apertando seu aperto no meu pulso até doer. Com a outra mão, ele
enfia os dedos no meu braço. "Você vai pagar por isso."
Cada músculo do meu corpo fica tenso com a necessidade de correr.
Pela primeira vez em anos, fui pega em flagrante. E agora vou enfrentar
as consequências nas mãos de alguém que me odeia tanto quanto eu

Página 22
odeio o dele. Devlin Murphy, meu valentão.
Eu deveria ter me arriscado roubando um banco em vez disso.

Página 23
DOIS

Página 24

DEVLIN
A casa está silenciosa como de costume quando eu saio do banheiro
cheio de vapor,
deslizando uma camiseta preta sobre a minha cabeça. É exatamente
como era quando eu entrei no
banho há vinte minutos. O mesmo silêncio sem vida de sempre.
Um novo livro que peguei sobre psicologia espera na minha mesa de
cabeceira.
Meu telefone vibra, interrompendo a estação do Spotify tocando o
assustador
batidas de synth-pop rock de MISSIO.
A calça de moletom que eu puxei descaia em meus quadris enquanto
arrasto a mão
através do meu cabelo úmido. Eu considero ignorar o telefone, mas já
sei
quem é. Eu entro no meu quarto e fecho a porta, fechando-me
do resto da vasta casa.
Por um segundo, posso fingir que não estou sozinha em casa.
O nome de Bishop pisca na tela do telefone novamente com uma nova
mensagem.
O canto da minha boca se contorce e eu deixo escapar um suspiro
resignado. Isso é
o que ganho por sair do treino mais cedo. Não é como se eu estivesse
investido da mesma forma
Bishop é, mas é por isso que ele é o capitão do time de futebol do
colégio desde
ano passado. Talvez eu continue com ele, porque se não o fizesse, não
veria Bishop como
muito, pois ele vive e respira o time.
É algo para fazer e me mantém fora de casa. Pelo menos, até o
escuridão em minha cabeça se derrama. É por isso que eu tive que fugir
da prática
hoje.
Eu estive à deriva, perdida de uma maneira que não estava no ano
passado. Está ficando pior,
mais difícil de conter, mais difícil de fingir que estou despreocupada.
Franzindo a testa, passo pela minha cama - perfeitamente feita pelo
esquivo
governantas que passam como um botão de reset, esfregando até mesmo
o meu
existência desta cela de prisão cara - para se apoiar no amplo

Página 25
peitoril da janela. Todas as manhãs eu deixo minha cama uma bagunça
e todas as noites antes de
subir, se eu entrar, é meticulosamente refeito. Eu olho para as silhuetas
de
árvores espalhadas pela montanha, vislumbrando o lago entre os
pinheiros
agulhas.
Até algumas semanas atrás, eu não estaria com esse humor. Antes que
tivesse o
chance de entrar sorrateiramente, eu estaria do outro lado do lago saindo
com
Lucas. Era mais fácil ignorar que algo estava errado com minha tia e
casa do tio. Isso me acalmou, me deu ânimo para ter um lugar para ir
onde eu não precisava me preocupar se não fosse desejada. Eu fiquei lá
até lucas
me chutou de volta para casa através do lago.
Não costumava ser uma merda assim porque sempre havia uma au pair
em volta. Mas quando fiz dezesseis anos, dois anos atrás, papai decidiu
que eu era velha
o suficiente para ficar sozinho com a conta de despesas que ele e mamãe
preenchem cada
mês. Independência autossuficiente, como eles chamam. Sou só eu e o
empregadas invisíveis que nunca encontro, mesmo quando tento
procurá-las.
Eles são como duendes.
Lucas está muito fora de alcance agora que está na faculdade com sua
namorada, Gemma.
Se eu perdesse Bishop, não sobraria ninguém. Tenho sorte de meu
melhor amigo ter ficado
ao meu lado enquanto ele estiver.
Mas nada dura para sempre.
Não consigo manter a mesma rotina.
Todo mundo segue em frente.
Pare .
Esfregando minha mão sobre minha cabeça, eu luto com o esforço de
empurrar o
pensamentos melancólicos de volta em sua caixa, trancados onde eles
pertencer. Onde eles não podem sussurrar suas verdades malignas para
mim.
Eu respiro fundo e devagar.
Leva um minuto para controlar minhas emoções dispersas, trazendo-as
de volta
verifique à beira da histeria miserável que me assola quando eu deixo
a solidão em, onde pode cortar mais profundamente.
Meus dedos se contraem com o desejo de pegar o maço de cigarros do
criado-mudo.
É assim que a vida deve ser. Os idosos se formam e vão para a
faculdade.
Bishop e eu faremos o mesmo depois deste ano.
Eu solto outra respiração forte que queima minha garganta e
desbloqueio meu
telefone para ler as mensagens de Bishop. Eles são um disparate
esporádico até o
o mais novo de um minuto atrás.

Página 26
Bispo: Você caiu no maldito mictório? Se você não responder ou sair
em
5, estou enviando busca e resgate. Nenhum mano deixado para trás.
Bispo: Certo, acho que você não vai voltar para praticar. Frio. Legal
legal
frio.
Bispo: [GIF de um homem piscando em descrença]
Bispo: Ei, Devil Boy, você me deve por ter saído cedo hoje.
Um bufo me deixa. Todos em Silver Lake High me apelidaram de
escuro
demônio, mas Bishop gosta de colocar seu próprio estilo nas coisas.
Devlin: Eu tive que sair daí. Cãibra nas pernas por causa desses
exercícios.
Bispo: Ok, sua alteza. [emoji revirar os olhos] Sério, estou fazendo
você
prática extra esta semana. Eu não posso te dar um tempo ou os caras
vão pensar que eu
dar-lhe um tratamento especial. Eu não sou sua cadela
chicoteada. Além do seu
footwork precisa dele para a primeira partida.
Devlin: [emoji de dedo médio] [emoji de dedo médio] Foda-se. Eu
sempre
pontuação e você sabe disso.
Devlin: [sorriso emoji] E você sabe que eu te trataria bem, baby.
Bispo: Tanto faz, seu idiota. JMJ? Quer pendurar e fumar uma
tigela? Eu tenho
comprei um novo saco de Doritos com o seu nome.
Por melhor que pareça e por mais que eu queira sair com o Bishop,
fumar maconha quando minha cabeça está toda torcida sempre me
deixa mais
ansioso e paranóico. Como se meu corpo não me deixasse apenas
relaxar. Isso é
alguma besteira de grau A, mas não vou jogar os dados sobre isso esta
noite.
Devlin: Nah cara, tenho que jantar na casa da minha tia e do meu tio.
Uma mentira. Mas eles me convidariam para jantar com prazer se eu
aparecesse. Minhas
estômago ronca, zombando dos meus planos inventados. Se eu invadir
a cozinha, eu poderia
tenha sorte e encontre algo. Às vezes, uma das empregadas gosta de
deixe-me a comida extra que ela faz.

Página 27
Bispo: Legit. Até amanhã bem cedo para o seu castigo
[emoji rindo]
Devlin: [emoji de dedo médio] [emoji de dedo médio] [emoji de dedo
médio]
Colocando meu telefone no bolso, eu me aventuro na casa deserta
em busca de comida. Meus passos na escada flutuante envernizada são
os únicos
ruído abafado em toda a casa. Estou pensando em conectar meu
telefone a
o sistema de alto-falantes bluetooth e ative alguma lista de reprodução
de som ambiente para preencher
a casa com barulho. Às vezes, ajuda a abafar o silêncio sufocante.
É assustador pra caralho e ainda não estou acostumada a ter o lugar só
para mim. eu
pode nunca ser. Eu não sei se é melhor nas raras ocasiões em que meu
os pais também estão por perto. Eles ficam quietos quando estão em
casa,
quase como se eles não estivessem aqui.
É exatamente por isso que prefiro passar todo o meu tempo na casa de
Lucas em frente
o lago.
Eu gostaria que meus pais tivessem adotado um animal de estimação
em vez de me ter, mas eu
não desejaria este tratamento em nenhum animal.
A cozinha é estéril e encenada, como um corretor de imóveis está
preparado para
compradores em potencial para visitar. Flores frescas estão em um vaso
de concreto no
centro do balcão de granito escuro da ilha. Uma pilha de revistas está
ao lado dele, uma virava para uma receita como se estivesse pensando
em assar açúcar
biscoitos. Ridículo.
Os cantos da minha boca caem quando eu paro antes do
geladeira, olhando para dentro assim que eu abri-lo.
Está totalmente abastecido, mas nada me atrai. Meu queixo se move de
um lado para o outro.
Dois recipientes com sobras estão na prateleira do meio. Sem rótulo ou
nota, mas se
Eu sou o único residente, não é como se os restos de comida estivessem
lá para mais alguém.
Beliscando a carne da minha bochecha entre os dentes, eu pesco meu
telefone de
minha calça de moletom. Eu puxo minha mensagem com papai e
engulo em um-
conversa lateral, suas respostas pontuando o lado esquerdo do tópico da
mensagem
longe e poucos entre eles. Meu polegar paira sobre o teclado. Não sei
porque eu me torturo implorando por sua atenção.
Ele não merece. Eu não quero que ele me dê, não como eu costumava
para.
Meus polegares se movem de qualquer maneira, como se eu estivesse
possuída.

Página 28
Devlin: Pedi a Frank para pegar meu Range Rover na escola hoje para
que ele possa
olhe para ele em sua loja. Ele perguntou se você está interessado em
uma Ferrari F355 1994
para nossa coleção. Eu disse a ele para segurar. Podemos dar uma
olhada quando você estiver em casa.
Parece que foi há um milhão de anos, quando papai me apresentou aos
carros. O
a memória está distante, nebulosa no fundo da minha mente, sempre
fora de alcance quando
Tento examiná-lo com clareza.
Mudando para o meu tópico de mensagens com a mamãe, as palavras
vêm
mais fácil.
Devlin: Meu professor de psicologia AP atribuiu um tópico de pesquisa
sobre identidade. Você
tenha algum livro sobre como o cérebro lida com as influências do
ambiente em
casa?
Uma sensação de queimação pesa no centro do meu peito, lambendo
minha caixa torácica. Eu esfrego enquanto coloco meu telefone na
ilha. Eu seguro meu peso
minhas mãos e deixo cair minha cabeça, pendurando-a acima do meu
telefone silencioso.
O granito está frio.
Desista , minha mente sussurra.
Dando uma gargalhada sem humor, eu me afasto para fazer
algo para comer.
Não há resposta quando termino de fazer um smoothie de proteína para
jantar. Só depois de enxaguar o liquidificador na pia é que minha tela
acende
para cima, prendendo uma parte profunda de mim que mantenho
trancada dentro de mim. A parte que
abriga esperança.
Repreendendo-me com um rolar de olhos, tiro a água e limpo o meu
mãos em um pano de prato dobrado, jogando-o no balcão antes de
agarrar
meu telefone.
A mensagem é da mamãe. A esperança que cresceu à superfície desvia-
se
volta para baixo. Suas palavras são cortadas e estéreis, mesmo para um
texto. Prateleira da biblioteca.
Escritório em casa.
Eu nem mesmo garanto sentenças completas. Minha boca se estabelece
em uma linha severa.
"Foda-se", eu murmuro.
É muito cedo para sentar no telhado e fumar cigarros. Meus dedos
esfregue minha boca. Eu poderia correr, mas Bishop nos esforçou muito
em
pratique com exercícios de drible. Empurrando minhas pernas para
queimar a variedade selvagem de
Página 29
pensamentos aglomerando minha cabeça só vão me morder na bunda
amanhã
prática.
Por maior que seja a casa, os tetos abobadados parecem
me engolindo, as paredes rastejando de todos os lados. Eu preciso sair
de
aqui. Um passeio de carro até Peak Point parece bom.
Eu preciso estar sob as estrelas enquanto elas piscam em vista. Eles
sempre claros
minha mente.
Depois de correr escada acima para pegar minha carteira, vou para a
garagem. Antes de mim
passo pela porta, um som suspeito me para no meio do caminho. Um
o motor acabou de ligar.
Eu cerro os dentes contra a sensação acelerada do meu coração batendo
forte
mais forte, meu corpo em alerta intensificado.
Algo está errado.
Meus olhos se estreitam enquanto vou para a garagem.
Eu fico perto da parede, onde posso espiar uma divisória que leva
na garagem onde papai e eu guardamos nossa coleção de carros. Meu
olhar voa de volta
e para frente, então se alarga quando vejo as lanternas traseiras acesas
em meu Porsche.
Alguém está sentado no banco do motorista.
"Não, você não precisa, seu bastardo", eu sussurro enquanto me movo
como uma sombra, mãos
cerrado em punhos.
Tenho a intenção de matar o filho da puta que pensou que poderia entrar
na minha
casa e pegue meu carro favorito. Eu me arrasto até o pára-choque
traseiro com medidas
passos, lutando para manter minha respiração estável. Não porque eu
tenho medo de um
intruso, mas porque estou tremendo de raiva.
Assim que o ladrão se afasta, eu me esgueiro até a janela e congelo
enquanto
o reconhecimento me atinge na cara.
Dedos pegajosos .
Não é qualquer ladrão no meu carro. Não é um bandido aleatório
olhando para cortar
meu passeio. Não, eu peguei Blair Davis roubando Red, meu Porsche
premiado.
A amiga de Gemma e o rato de rua irritante e enfurecedor com quem eu
brinco
para minha própria diversão na escola.
O choque inicial desaparece e minhas mãos flexionam ao lado do corpo.
Ela é um espinho no meu lado, puxando seus truques de batedor de
carteira bem na frente de
meus meninos. Ela não tem medo de mim como deveria, sua ousadia
teimosa como
um inseto que não consigo eliminar.
Esta pequena barata acabou de assinar sua maldita sentença de morte.

Página 30
A raiva vem rápida, imparável e consumindo tudo. Isso queima como
a risada de um fósforo, meu corpo inteiro queimando de ódio por essa
vadia.
Um rosnado áspero rasga minha garganta enquanto abro a porta.
Blair grita, mas não me satisfaz. Seu elegante rabo de cavalo
balançando
para frente e para trás com seus movimentos agitados enquanto ela corre
para o movimento. Ela
me lança um olhar misturado com desafio e frustração.
Sem medo, no entanto. E isso não vai adiantar, vai?
"Não!" Blair grita enquanto tenta mexer no console central.
Eu chego atrás dela, agarrando seu pulso em um piscar antes que ela
possa ir longe.
Seu sapato surrado arranhou o volante enquanto ela chutava.
“Oh, eu acho que não,” eu estalo. "Volte aqui!"
Seu pé voa no meu rosto, atingindo minhas costelas quando eu me
inclino para trás. Eu resmungo
a explosão de dor. Vadiazinha. O chute me pegou desprevenido, mas eu
não
solte o pulso dela.
Blair Davis vai pagar por isso. Vou me certificar disso.
Apertando meu controle sobre ela, eu puxo seu braço até que ela
cede. Quando
Eu a puxei do meu passeio, eu a prendi e uso minha altura para prendê-
la
contra o carro.
Suas bochechas pálidas estão vermelhas, mas seus olhos cor de uísque
são afiados e
focado. Ela parece cada centímetro um vagabundo, ainda mais do que
o normal em um desbotado
t-shirt preta de manga comprida com decote surrado. Não há vestígios
ela sente muito, só está chateada por ter sido pega.
"Que porra você está fazendo?" Eu rosno.
Teimosia é tudo que vejo em seu rosto. Eu olho para ela. Ela não sabe
o
monstro que ela cruzou. O que eu faço com ela na escola é brincadeira
de criança
em comparação com o que quero fazer agora.
Blair testa meu aperto e eu aperto seu pulso ossudo com mais força até
que seus olhos voem
ao redor da sala.
Dando uma sacudida nela, eu me inclino em seu rosto. Ela fixa seu olhar
em mim,
inclinando o queixo para cima porque ela é o tipo de mulher que olha a
morte no
cara e risada de merda. Meu lábio se curva para trás, e eu solto um
suspiro entre
meus dentes.
Com um grunhido, eu a empurro de lado para que eu possa me inclinar
no carro para desligar o motor.
Não vejo o chaveiro, mas ela pode escondê-lo. Isso é um problema para
mais tarde, uma vez que eu tenha lidado com ela. Eu não vou deixá-la
escapar. Quando eu bato o
porta do carro, ela franze os lábios.

Página 31
"Você está perdendo a cabeça, sua vadia ladrão", eu fervo,
apertando meu aperto em seu pulso. Para esclarecer meu ponto de vista,
agarro sua parte superior
braço e aperto. Ela é pele e osso, mas isso não me impede.
"Você vai pagar por isso."
Blair fica tensa, mas ainda me dá uma aparência legal que me faz moer
dentes.
"Vamos." Eu a arrasto para fora da garagem.

Página 32
TRÊS

Página 33

DEVLIN
Algo me diz que ela é escorregadia, esperando que eu baixe a
guarda. Não é um
acaso, pequeno ladrão.
Blair permanece em silêncio quando entramos na cozinha. A tenacidade
de sua luta
quando a peguei pela primeira vez, o carro sangrou, mas duvido que
seja simplesmente
foi. Ela deve estar tentando fingir que é fraca contra minha força.
Eu não quero trazê-la para o meu quarto. A cozinha é minha melhor
aposta para
algo para contê-la.
Gaveta após gaveta, eu chego vazia. Tudo o que fiz foi dar uma olhada
barulho enquanto eu procuro. Blair testa meu aperto, tentando se
desvencilhar. Eu cavo meu
dedos em sua pele pálida com um grunhido. A frustração queima em
meu peito enquanto eu
procure por cordas de cozinha ou alguma merda.
Cristo, como não sei onde está essa porcaria na minha própria casa?
“Você parece despreparado para levar alguém em cativeiro”, disse
Blair.
Eu viro para ela, deixando meu olhar zangado deslizar sobre seu corpo
pequeno. "Se
você prefere, eu tenho um par de algemas no meu quarto. Eu te
acorrentaria
para a minha cama, mas eu não quero que você a suje. " Faço uma pausa
para fingir
Consideração. "Então, novamente, eu acho que eu poderia dar a você
um mergulho para pulgas primeiro."
Os lábios de Blair se curvam e eu volto para minha pesquisa.
Seu olhar fala muito, espetando minha nuca enquanto eu a puxo
meu velório. Quando eu olho para ela, ela está observando tudo ao redor
ela com um interesse calculista que me irrita.
Seu pulso não mente, no entanto. Ele salta sob meus dedos quando eu
empurro
ela deu mais um passo em seu pulso.
“Pegue isso, Davis,” eu cuspo, varrendo meu braço. “É a maior parte
do dinheiro
você estará sempre perto. ”

Página 34
Sua sobrancelha se ergue e seus lábios carnudos se contraem, as únicas
respostas ao meu
palavras. Ela tem tanta prática em conter suas reações quando eu a ataco
em
escola. Irrita-me que ela não vá lutar comigo aqui também.
Porra, diga alguma coisa. Faça alguma coisa .
Torna-se difícil vasculhar as gavetas com uma mão
enquanto eu a arrasto em círculos ao redor da sala.
Mordendo de volta um grunhido irritado, vejo a bolsa presa em seu
cinto.
Talvez ela tenha algo que eu possa usar. A justiça poética de usar o seu
próprio
merda nela é muito bom.
Em um movimento fluido, eu a giro e prendo um dos
banquinhos apoiados pela ilha com meu pé. O arranhar forte contra os
ladrilhos
deixa nós dois tensos.
Entrando no espaço pessoal de Blair, minhas mãos travam em sua
cintura. Esta
fechar posso ver as pequenas sardas pontilhando a ponte de seu nariz e
através
suas bochechas.
Sua respiração engata com a minha proximidade, seus olhos se
arregalando um pouco. "Obter
longe de mim!"
Eu sorrio enquanto a levanto com facilidade, deixando-a cair não muito
gentilmente sobre o
Banqueta. Ela atira as mãos no assento para firmar o equilíbrio. Eu
trago uma mão
para sua garganta, sorrindo quando seus lábios se moveram juntos em
uma torção descontente.
"Não pense em ir a lugar nenhum", eu sussurro em um tom zombeteiro
e sedutor
tom. "Você não está fugindo."
Eu espero que ela lute comigo. Ela tem um fogo dentro para
desencadear contra mim, um
Eu anseio - mesmo que apenas pela chance de esmagá-la à força. Mas
ela acalma, ela
mãos cerradas sobre os joelhos. Interessante.
Ela poderia estar ganhando tempo. Ela vai esperar a noite toda por uma
oportunidade
isso não está vindo. Não vou deixá-la escapar impune de nenhum
truque.
Os olhos inteligentes de Blair varrem a sala, demorando-se nas portas.
Eu enrolo seu rabo de cavalo macio em volta da minha mão, em
seguida, cavo meus dedos no
elástico e desfaça-se para que seu cabelo escuro se espalhe como uma
cortina ao redor de seu rosto. Isto
era difícil de ver na luta, mas não é mais a cor de uma tempestade
violenta
nuvem que me acostumei a procurar nos corredores da escola. Estava
tingido
a cor não natural quando eu esgotei dinheiro em uma rede de pesca
horas atrás. Agora é
tão preto quanto o meu.
Blair permanece em silêncio, mesmo enquanto eu deslizo minha mão
de seu cabelo, para baixo
camisa larga até o quadril. Isso não a irrita. Quando eu arrebatar ela

Página 35
bolsa com um movimento rápido, ela finalmente perde aquela
expressão entediada. O
cantos de seus olhos estão tensos.
Uma risada frágil cai de meus lábios e eu dou um leve toque em seu
pescoço
espremer. "O que você tem na sua mala de truques?"
Blair corta os olhos para o lado, seus cílios grossos varrendo aqueles
sardas que piscam para mim como estrelas. Seu lábio inferior suga entre
os dentes
ligeiramente em vez de responder.
Coloco a bolsa com zíper no balcão e a procuro com uma das mãos.
Minhas sobrancelhas se erguem nas alicates, alicates, uma chave de
fenda e um anel de
chaves que parecem semelhantes ao conjunto que Bishop e eu temos
para a escola para o nosso
própria travessura. Meu pequeno ladrão não está brincando.
Os cantos da minha boca se curvam de satisfação quando eu passo por
cima de um fino
cordão. Perfeito.
Agarrando seus pulsos, eu os forço para baixo atrás da cadeira,
amarrando cada
firmemente ao suporte de metal.
“Você acha que está me assustando com isso? Você não é."
“Eu peguei você, não foi? Você tem sido uma garota má. "
Blair torce a cabeça longe o suficiente para olhar para mim do canto
dela
olho, seu cabelo caindo em cascata pelas costas. Eu enterro meus dedos
nele e a puxo
fios sedosos, direcionando sua cabeça para dobrar para trás. Ela
encontra meus olhos, e
um sorriso sinistro aparece em meu rosto.
"Isso mesmo. Lute o quanto quiser. ” Eu me inclino para tocar meu
nariz para
sua têmpora, inalando. Ela cheira a imitação barata de baunilha, mas eu
gosto.
A nitidez disso combina com ela. “Você está sob prisão de cidadão. eu
estou no comando
e você não vai a lugar nenhum. ”
Blair zomba baixinho. Meu punho aperta em seu cabelo e um pequeno
o som fica preso em sua garganta.
Eu falo contra o lado de seu rosto. “Observe essa atitude. Ou você não
vai
gosto do que eu faço para você. "
Soltando-a, eu verifico a integridade dos nós em cada um de seus
pulsos,
garantindo que ela não possa se desvencilhar. Eles são confortáveis o
suficiente para beliscar em sua pele
sem cortar a circulação. Ideal para desconforto. Assim que terminar
protegendo-a, dou a volta e dou um tapinha em sua coxa. Cruzando
meus braços, eu inclino meu
cabeça, considerando meu intruso.
"Você vai ficar assim até a chegada da polícia."
"Você não chamou a polícia." Blair inclina a cabeça, combinando com
o meu
movimentos. Ela cruza as pernas. "E você não vai."

Página 36
Meus braços caem e eu avanço sobre ela, parando a centímetros de seu
rosto com
minhas mãos apoiadas no encosto do banco. É alto o suficiente para dar
ela tem alguma altura, mas ainda não nos coloca no mesmo nível.
A bravata tem que ser falsa. Ela não pode pensar que tem qualquer
vantagem como o
ladrão capturado nesta situação.
“Não vou? Eu fiz chover o inferno sobre as pessoas por menos do que
você fez. ”
A ameaça paira no pequeno espaço entre nós. "Você estava roubando
meu carro."
"Esse pedaço de merda espalhafatoso?" Blair provoca em um tom
gelado. "O que é um
monstruosidade."
Eu seguro um grunhido. Isso vai acabar muito rápido se eu não agir com
cuidado.
Ela merece uma tortura lenta por seu desrespeito. Eu toco o cabelo dela
novamente, torcendo
entre meus dedos enquanto considero minhas táticas.
“Você tingiu seu cabelo de preto para uma estética criminosa
completa? Agora você
realmente se encaixa no parque de trailers em que você é péssimo, não
é? "
Ela aperta a mandíbula, atirando punhais em mim. Eu afasto a mecha
de cabelo.
Blair parece uma deusa da malandragem e dos crimes ligados à cozinha
banquinho com um desafio nos olhos, uma garganta lisa como
porcelana implorando por minha
mão em torno dele, e porra você inclina para sua boca carnuda.
É uma visão tentadora.
Ela seria bonita se não fosse um pé no saco.
“Fazer truques não está pagando as contas, então você imagina que
atualizou
sua picareta descarada embolsando isso? " Outro sorriso perigoso curva
meu
boca. "Ou joelhos machucados são mais a área de especialização da sua
mãe?"
"Cale-se!" Blair se sacode contra o banquinho com um som áspero. O
cabelo dela
esconde seu rosto enquanto seus ombros sobem com sua respiração
acelerada.
Ah, um ponto fraco.
Eu seguro seu rosto, pressionando meu polegar sob seu queixo para
forçar seu rosto para trás
para mim. Eu enfio a faca com mais força, batendo nas costas dela onde
posso machucá-la com
palavras.
"Então é isso. Espere até que o corpo discente em Silver Lake ouça as
verdades
Eu descobri sobre a vida doméstica de Anne Raggedy. ”
Ela mostra os dentes. O fogo que eu ansiava explode. eu quero
Porra, lute com ela por me trair.
"Aí está você, seu pequeno demônio." Meu polegar empurra a cabeça
dela para trás
avançar. "Eu vou finalmente tirar você da minha maldita escola assim
que os policiais prenderem você
por invasão, arrombamento e tentativa de roubo. ”
"Idiota", ela rosna. "Você é um idiota patético."

Página 37
Eu rio na cara dela, inclinando-me mais perto. Ela recua o máximo que
pode em
a posição estranha em que a coloquei, seu nariz torcido.
"Você realmente quer cavar uma sepultura mais profunda para
você?" Minha voz é
suave, em desacordo com minhas palavras.
“Você já teria chamado a polícia. Você não fez. ” Ela se debate
contra os nós que prendiam seus pulsos. "Você prefere jogar este jogo
doentio de
fingindo que você tem qualquer controle sobre mim. "
Todo mundo na escola sempre me viu como um playboy arrogante, o
grande
flerte. Mas não Blair. Não, ela vê através de todas as diversões de palco
que eu faço. Como
se ela sabe . Ela nunca poderia saber como as coisas são. Não é um
inútil
rato de sarjeta como ela.
Meu maxilar fica tenso e agarro seu rosto, apertando suas
bochechas. “Talvez eu apenas
quero quebrar você primeiro. Mas você definitivamente está
terminando a noite em uma cela de prisão. ”
"Onde fica isso, seu porão?"
Um sorriso maldoso torce meus lábios. "É isso que você quer? Você
está desejando em
aquela sua cabecinha bagunçada que este é o começo de algum conto
de fadas,
onde eu tenho alguma torre para mantê-lo dentro? Eu sei que as garotas
da escola gostam de
falar, mas eu não sou um príncipe. Sou seu pior pesadelo, dedos
pegajosos. Vou
fazer você doer por tocar no meu carro. ”
“Eu poderia ter dito isso a eles antes que se degradassem pulando
seu pau doente. " Blair tenta sorrir, mas eu seguro seu rosto para impedi-
lo.
"Tudo o que vejo é um idiota patético que se cerca com um reino de
idiotas falsos. Você não pode fazer nada comigo. Você não tem
coragem. ”
“Você parece estar perdendo o fato de que você está amarrado na minha
cozinha.
Não deseje misericórdia. ” Eu estalo meus dentes perto de seu
rosto. “Você não vai encontrar
qualquer de mim. ”
“Para alguém que ama aquele carro ridículo, você com certeza vai levar
seu
tempo doce chamando as autoridades para me levarem embora. "
Ela parece presunçosa, como se ela me descobrisse. Okay, certo.
Isso é o que me deixa louco. Ela age como se soubesse tudo sobre
Eu. Ela não sabe de nada .
"Se você está com tanta pressa, então ..."
Eu giro para longe dela. Uma vez que eu ligo, eu lentamente viro para
encará-la mais uma vez,
mão enfiada casualmente no bolso.
Blair me encara, uma rachadura em sua fachada corajosa. Suas
sobrancelhas franzem
juntos quando começo a assobiar. Ela se contorce.

Página 38
“Ok, espere - desligue. Sério, eu irei ", ela interrompe, dando um
suspiro
respiração. Ela descruzou as pernas, não mais jogando como se eu não
fosse uma ameaça.
Assistir seu orgulho quebrar e ouvir o desespero inundando sua voz é
uma festa de vindicação. "Devlin - por favor ." Seus olhos se arregalam
quando eu abro meu
boca para responder, voltando minha atenção para o telefone. "Eu farei
qualquer coisa!
Não! ”
Levantando uma sobrancelha, deixei o momento esticar. Sua expressão
perdeu cada
grama de confiança, agora que as verdadeiras consequências se
aproximam. Eu troco o
telefone para alto-falante e deslize-o sobre o granito. Ele para perto
dela, girando
em volta.
“ Obrigado por ligar para Jimmy's Pizza Palace, posso anotar seu
pedido? ”
Blair lança um olhar chocado do telefone para mim. “Você ... chamou
por
Entrega?"
“ Alô? Recolha ou entrega? ”
Em vez de responder a ela ou à pessoa no telefone, eu finalizo a ligação
botão. "O que você acabou de oferecer?"
Blair se mexe no banquinho, lambendo os lábios. A contragosto, ela
repete: "Eu vou
faça qualquer coisa. Apenas ... não chame a polícia. Eu não posso ir
para a cadeia. De qualquer maneira você
quer se vingar de mim, tudo bem. ”
"Nada?" O gelo cristaliza minha voz, tornando-a irregular e nítida.
"Você está me dando carta branca para fazer justiça com minhas
próprias mãos." Eu clico
minha língua e balanço minha cabeça, olhando fixamente sobre
ela. “Poder perigoso para
ofereça a alguém. ”
Ela encolhe os ombros.
"Você sabe." Eu me aproximo, deslizando a mão por sua perna. Eu
aperto meu
polegar pressionado no alto de sua coxa. "Rumores dizem que você vai
desistir por
o preço certo. Digamos que renunciemos a essa taxa para começar. ”
Blair visivelmente se esforça para responder, desviando os olhos e
fechando
o queixo no peito. Sua respiração vem rápida e áspera.
"Se é o que você quer."
Diversão passa por mim com a contração torturada em sua expressão.
“Pensando bem ...” Eu paro, franzindo a testa severamente. “Eu não
quero
pegar qualquer coisa de um rato de sarjeta imundo. E eu não vou na
favela, não quando eu tenho
primo bichano em bloqueio. ”
A queda de seu rosto faz minha boca se torcer em um sorriso cáustico.
"Você é um porco."

Página 39
Eu dou um passo para trás, tirando minha mão de sua coxa. Deslizando
meu telefone de
o balcão, eu aceno em seu rosto.
"Continue. Implore-me muito bem para não chamar a polícia. ” Eu
mergulho meu queixo
para baixo uma fração e levanto minhas sobrancelhas. “De verdade
desta vez.”
Uma luta cruza seu rosto. A maneira como ela puxa o cabo parece um
vitória.
"Por favor", ela murmura.
“Você pode fazer mais do que isso. E é melhor você. ”
Um grunhido de frustração escapa dela. Quando está claro que ela não
vai
em qualquer lugar, ela cai contra o encosto do banco e olha para o céu,
como se ela fosse encontrar uma resposta lá.
Blair fala com o teto alto. “Eu não tive escolha. Você tem então
muitos, fazia sentido. Você poderia simplesmente comprar outro. ”
"O que você está falando?"
Blair solta um suspiro afetado. "Eu tenho ... alguém contando
comigo." Ela
levanta a cabeça para me furar com um olhar cansado do mundo. “O
dinheiro não é um
mercadoria para você como é para mim. Além disso, você é um idiota.
"
Eu fico olhando para ela por um momento. “Acho que ainda devo
chamar a polícia. Você não
parece mesmo arrependido. ”
- Não estou - rebate Blair. “Farei o que for preciso pelas pessoas que
amo.”
Por um breve momento, fico desconcertado com sua convicção.
Uma ideia surge na minha cabeça. Eu sigo meus lábios enquanto viro o
pensamento,
examinando-o de todos os lados. É um pouco louco, até para mim. Mas
vai ensinar
Uma lição para Blair - uma que dura desta vez. Ela não está
arrependida? Até o momento eu estou
com ela, o arrependimento será a menor de suas preocupações.
Tocando minha língua no meu lábio inferior, eu a observo com os olhos
semicerrados.
Destruição.
Ao controle.
Vingança .
Vou pegar tudo e fazer com que ela deseje nunca ter me conhecido.
Cruzando meus braços, eu a encaro. "Você pode transferir sua alma
para mim,
ou os policiais. Faça sua escolha, anjo. "
O brilho de Blair retorna com força total.
Eu reprimo a vontade de rir. Domá-la será uma diversão
experiência.
“Eu não sou o anjo de ninguém”, Blair jura.

Página 40
QUATRO

Página 41

BLAIR
"Então, o que vai ser, Davis?" Devlin inclina o quadril contra a cozinha
ilha.
Com olhos escuros assustadores e uma mandíbula afiada o suficiente
para se cortar em seu
arestas mortais, ele é dolorosamente bonito da mesma forma que o
oleandro é
fatal. Bonito de se olhar, mas seu veneno tóxico vai acabar com você
com um gosto.
E ele sabe disso.
Eu me esforço contra a corda estúpida com a qual ele me
amarrou. Meus próprios suprimentos
me segura. Me prendendo sob o polegar de Devlin. Ele é um bastardo.
Cada vez que eu mudo um pouco, seu olhar vai para baixo, observando
meu corpo.
Seja qual for sua oferta, não pode ser boa. Talvez tivesse sido mais fácil
se eu o tivesse convencido a me foder por vingança. Pelo menos então
ele teria que
me desamarre, e eu poderia fazer uma fuga mais limpa.
Embora essa seja a única coisa que eu nunca coloquei na mesa para
sobreviver.
Uma fênix renasce das cinzas, renasce da luta. Eu reforma e
remodelar a pessoa que sou, mas não me sinto nascida de novo. As
dificuldades que eu
enfrentou apenas tornar minha concha mais difícil, me preparando para
o próximo obstáculo para a batalha
dente e unha. Eu me tornei irreconhecível por causa da garotinha
idealista que
uma vez foi.
Minhas linhas foram desenhadas e redesenhadas na areia cada vez que
eu fiz o cano
mais um, aprendendo uma coisa nova que eu era capaz de perder se isso
significasse comida
a mesa e um telhado de zinco sobre nossas cabeças.
Mas não meu corpo. Nunca meu corpo.
Pode ser uma das minhas últimas linhas de pé, mas não vou ultrapassá-
la.
Acho que estou feliz por ele não querer isso de mim.

Página 42
Olhando para Devlin através dos meus cílios, é difícil decifrar a
máscara que ele
mantém-se bloqueado no lugar. Isso é diferente do que ele usa na escola
e
festas, aquela que o classifica como o rei sombrio de Silver Lake
High. Aquele é
fácil de ler. O cabelo cai em seus olhos, mas posso ver a mistura de
calculistas
frieza e uma ansiedade incômoda nas profundezas sinistras. Ele é
provavelmente ansioso para pegar um novo brinquedo em suas garras.
Eu raspo meus dentes contra meu lábio inferior, desejando poder
alcançar os nós
em torno de meus pulsos. Gemma me levou para uma aula de defesa
pessoal em Denver durante
O Verão. Se eu pudesse me soltar, dar um chute incapacitante em suas
bolas, eu
acho que eu conseguiria chegar à floresta ao redor da casa antes que ele
me pegasse
novamente. Sou um corredor rápido. Mas esses malditos nós são tão
apertados e ele amarrou meu
braços para que fiquem separados em vez de juntos, deixando-me
incapaz de usar meu
mão oposta para liberar a restrição.
Ganhar meu tempo não está indo bem. Quando ele me agarrou na
garagem, eu
Soube imediatamente que nunca o dominaria, não enquanto
estivéssemos sozinhos. eu preciso de
esperar pela vantagem para lutar contra ele. As regras aqui -
profundamente no inimigo
território - são desconhecidos. Eu tenho que descobrir uma maneira de
sair dessa bagunça.
Tenho tentado me livrar da corda enrolada em meus pulsos. Ele
não me amarrou com nenhum nó normal, ao que parece. Cada vez que
me movo eles sentem
mais apertado, não mais solto.
Os boatos se espalharam pela gabolice das garotas que estiveram com
ele
nade para a frente da minha mente, como ele não fode como os outros
caras. Eles
chamá-lo de travesso e perigosamente sexy. Com a forma como esses
nós são
amarrado ... Deus, que tipo de merda estranha o deixa excitado?
"Eu realmente deveria ter você trancado, mas já que você implorou tão
bem-
bem, não exatamente, mas, ”Devlin toca sua mão espalmada no peito e
finge se curvar, saído de um romance de Austen, "Estou disposto a ser
um
cavalheiro e te ajude. ”
Minhas sobrancelhas se erguem antes que eu possa conter uma
reação. Hum, o que?
Não soa como um gesto simpático, seu tom e a escuridão de
seus olhos sombreados desmentindo a armadilha de sua oferta.
Como se eu acreditasse que ele está me ajudando com a bondade de seu
coração!
Devlin não tem coração. Se ele já teve um, morreu há muito
tempo. Dentro
seu lugar é um buraco podre e decadente.
"O que exatamente você quer dizer?"
Passe sua alma para mim ou para a polícia.
Como posso escolher entre meu pesadelo e o diabo que me atormenta?

Página 43
O que ele espera que eu faça? É uma escolha impossível. Mas então
novamente, esse é o problema que me levou a essa situação em primeiro
lugar.
Isso parece um de seus truques cruéis, o mesmo que seus companheiros
de futebol
isca-me com notas de dólar em fio de pesca na escola. Ou no ano
passado, quando ele
deixe-me sentar em sua mesa de almoço ao lado de Gemma porque
Lucas a queria
lá, mas o preço era Devlin brincando com minha bandeja do almoço e
despejando-a sobre
o chão na frente de todos.
Devlin ignora minha pergunta. "Vou te dar o que você veio fazer aqui."
Isso chama minha atenção. Eu me sento o máximo que posso no
banquinho estreito,
engolir.
"Eu não sigo." Minha testa enruga. “Você vai me deixar dirigir
fora com seu carro? Bem desse jeito?"
O canto da boca de Devlin se curva e uma covinha aparece em seu
bochecha.
"De jeito nenhum. Você nunca mais tocará no meu carro. ” Ele aponta
para mim para
levar esse decreto para casa. Ele me estuda com uma curiosidade
astuta. “Não, o que eu
quer dizer, se você jogar meu jogo, esquecerei tudo sobre esta noite. E
se você fizer
isso, eu vou te dar o dinheiro que você obviamente precisa. ”
Meus lábios se abrem, atraídos pela tentação por um minuto.
A realidade me alcança um segundo depois. Eu fecho minha boca
enquanto eu
procure a parte em que ele ri na minha cara. Porque o que ele está
oferecendo? Isto
parece bom demais para ser verdade. Ele vai
apenas me dar dinheiro? Há um
pegar, eu sei disso.
Devlin? Tudo bem em me ajudar?
Nós nos odiamos.
“Esta oferta expira antes de você sair daqui.” O sorriso de Devlin é
presunçoso. "Então…
pronto para jogar um jogo, pequeno ladrão? " Ele se aproxima
furtivamente, como uma besta me caçando
para baixo por esporte, me afogando no cheiro rico e terroso de couro e
especiarias.
Ele envolve uma mecha do meu cabelo em torno de seu dedo enquanto
o sorriso dança em seu
lábios, as covinhas à mostra. “Vou explicar melhor. As regras são
simples: meu
caminho é a lei. ”
"É isso?" Eu franzo meus lábios para o lado.
As coisas com Devlin nunca são simples. Sempre há camadas, cruel
pegadinhas escondidas sob sua piada. Eu tenho dificuldade em acreditar
no que
que ele está oferecendo é tão simples quanto ele diz.
“É uma pechincha única.” Devlin se inclina para sussurrar em meu
ouvido -
porque o que é um ringmaster sem teatralidade? “Você pode dizer que
é um verdadeiro

Página 44
roubar . ”
A voz profunda de Devlin puxa algo dentro de mim, seu hálito quente
costeando sobre minha pele.
"ECA." Eu me afasto dele, sacudindo minha cabeça. Ele me libera,
ainda
invadindo meu espaço pessoal. “Sério, quais são as letras miúdas? De
jeito nenhum
inferno, vou concordar com qualquer coisa que você quiser sem saber
o que há de errado com o
o diabo acarreta. ”
Devlin ri, o som baixo e rouco. "Inteligente. Pena que você não
têm qualquer influência ou poder de negociação. Suas escolhas são
limitadas ao que eu
oferta, ou sabonete comunitário. ”
"Apenas me diga."
"O negócio é este, pequeno bug." Devlin bate no meu nariz. "Você se
torna meu."
Minha respiração fica presa na minha garganta enquanto ele continua.
"Meu para comandar, para fazer qualquer coisa que eu disser, sempre
que eu exigir." Devlin
inclina a cabeça, cobrindo os olhos. “E eu vou te pagar por isso. Se você
se comportar
e faça o que eu digo. ”
Como posso concordar com isso ?! Eu teria que estar louco! Mas ... o
dinheiro.
Tenho que engolir duas vezes para desalojar a espessura que está
obstruindo minha garganta.
"Como seu - seu servo pessoal?"
“Como um bem treinado,” Devlin olha rapidamente para a minha
camisa e faz uma careta,
"…cão. Até mesmo vira-latas podem aprender a obedecer a seus
mestres. ”
Mestre . Meu estômago se contrai e um formigamento frio percorre
minha pele.
O suor goteja na minha nuca.
Isso é uma loucura. Na verdade, estou considerando a oferta dele. Eu
tenho que fazer, não é? Eu estou
mais uma vez saiu com poucas opções.
Devlin está certo, infelizmente. Ele jogou bem na minha cara.
É hora de prisão para mim se eu recusar.
Eu não posso fazer isso com a mamãe.
Por alguma razão doentia, ele quer me dar isso. A carta de notificação
queima no bolso de trás. Dívidas acorrentadas a nós por papai vão
enterrar mamãe e eu,
mas esta pode ser a nossa maneira de cavar para fora da caixa de areia
sem fim. Droga, nós
preciso do dinheiro.
O que é pior, uma sentença de prisão ou se tornar o brinquedo do diabo?
Meu orgulho grita comigo. Anos de bullying em suas mãos na escola
piscam
como um rolo de filme em minha mente. Vai contra tudo em mim
curvar-se ao seu
regra.

Página 45
No ano passado, minha vida era mais fácil na escola. Minha amiga
Gemma era a nova
garota, sem medo de enfrentar as merdas das pessoas. Ela está na
faculdade agora, então as coisas
voltaram a ser como eram desde que comecei na Silver Lake High
Escola, a matilha de abutres liderada pelo próprio Devlin para pegar no
meu orgulho até
não sobrou nada além de restos.
Concordar com isso prejudicará os esforços que faço para me elevar
acima
sua besteira mesquinha.
Para a mamãe ... Você pode fazer isso desde que ajude a mamãe.
“Eu quero isso por escrito,” eu respiro, mal reconhecendo minha voz
tensa.
Ele cantarola, cobrindo a boca. É ainda mais difícil adivinhar seus
pensamentos
com apenas metade de seu rosto visível. "Por que?"
“Você não gravou essa conversa no seu telefone. Acordos verbais
são finos como papel. Você poderia simplesmente se virar e decidir que
quer me foder
acabou de qualquer maneira. " Eu molhei meus lábios e soltei as
palavras. “Coloque por escrito e
Eu vou assinar. Eu vou ... ”Minha voz fica presa na minha garganta em
chamas. “Eu vou ... me tornar
Sua. Para pagamento."
Devlin me considera por um longo minuto, traçando um padrão ausente
sobre
seus lábios. Ele dá um passo para trás, me dando espaço para respirar.
"Garota esperta", ele murmura enquanto vasculha as gavetas, chegando
vazio. Ele pega uma revista do meio da ilha e arranca um
página. "Multar. Existe uma caneta no seu kit de ladrão? ”
"Sim. Você vai precisar me desamarrar para que eu possa assinar. ”
Por fora, sou controlado, confiante e calmo. Por dentro estou uma
bagunça, um
tempestade de orgulho ferido e desespero faminto. Sobrevivência
acima de tudo.
Vai valer a pena.
Devlin vasculha minha bolsa e se inclina sobre o papel rasgado para
escrever
os termos do nosso acordo. Depois que ele assina com um floreio, ele
libera
uma das minhas mãos.
“Ainda está amarrado aqui,” eu aponto, sacudindo meu pulso e
flexionando-o.
"Exatamente como eu gosto de você, encrenqueiro." Devlin bate com a
caneta no
contrato e desliza na minha frente. “Assine e eu vou deixar você
ir. Claro,
se você ficou amarrado, podemos deixá-lo assim. Você faz um
excelente complemento para a decoração da cozinha. ”
Os cantos da minha boca viram para baixo. Dickhead.
Minha mão está úmida enquanto seguro a caneta. Desliza um pouco e
ajusto meu
pegada.

Página 46
A formulação é simples. A página rasgada da revista afirma exatamente
o que
Devlin disse.
Blair Davis concorda em concluir qualquer pedido definido por Devlin
Murphy em troca
para pagamento monetário .
Não há data de término especificada. Vou suportar, mesmo que seja
para sempre. O
chance de limpar as dívidas esmagadoras que mamãe e eu carregamos
é muito valiosa. Minha vida
e o orgulho são pequenos preços a pagar.
Inspirando silenciosamente, eu me entrego ao diabo.

Página 47
CINCO

Página 48

DEVLIN
Depois que ela assina seu nome no contrato que ela insistiu, eu cavo
meus dedos
na corda com nós em seu outro pulso, libertando-a.
O calor do sucesso enrola profundamente em minhas entranhas
enquanto eu deslizo sobre nosso improviso
contrato, seu nome escrito ordenadamente sem frescuras ao lado do
meu.
Oh, dedos pegajosos. Você não tem ideia do que se inscreveu.
Eu coloco minha língua em minha bochecha. Minha cabeça já está
transbordando
idéias para humilhá-la. Vou ensinar lição após lição. Não só ela vai
arrepender-se do dia em que decidiu pegar o que é meu , ela aprenderá
a temer
o monstro que mantenho acorrentado dentro de mim.
Serei seu pesadelo pessoal e sua salvação de uma vez. Um inebriante
mistura de poder colocada em minhas mãos.
O pensamento de fazê-la dançar a minha própria melodia distorcida me
enche de
tanta satisfação que fico um pouco tonta com a pressa.
Blair desliza para fora do banquinho, esfregando os pulsos. Existem
marcas rosa em
sua pele que vai desbotar pela manhã. O cabo não estava amarrado o
suficiente para
deixe uma marca duradoura.
Eu deveria fazer algo para marcá-la .
Esse desejo é colocado em espera por enquanto. Eu preciso de tempo
para planejar
os comandos que eu quero dar a ela.
Blair faz um trabalho rápido com o cordão, desfazendo-o do
banquinho. Ela sai
em torno de mim para pegar sua bolsa com zíper. Uma vez que é
recolocado em seu cinto,
ela passa os dedos pelos cabelos elegantes.
Estamos em um impasse. Os termos do contrato estão em vigor, mas o
humor de sua intrusão e meus esforços para frustrá-lo paira entre
nós. Estavam
não amigos - muito pelo contrário.

Página 49
Em vez de recuperar o controle firme mais uma vez, deixei o momento
se estender,
curioso para saber o que ela vai fazer. Inferno, ela é rápida o suficiente,
eu não diria que ela
pegue o mais próximo que ela puder e dê uma corrida louca para a
porta. Se isso
se trata disso, eu também sou rápido pra caralho. Eu vou pegá-la
novamente.
- Então ... - Blair para de falar e evita meu olhar. "Eu já estou indo."
Ela me observa por um momento, como se esperasse que eu voltasse
com a minha palavra.
Eu não quebro um acordo.
Inclinando minha cabeça para o lado, eu levanto minhas
sobrancelhas. "Saia correndo então,
rato de sarjeta. ”
Ela me lança um olhar severo, ombros uma linha rígida.
Bom. Mantenha esse orgulho de ferro intacto. Você vai precisar,
querida .
Enquanto Blair sai da sala, eu a sigo. Eu posso não voltar no meu
palavra, mas eu não confio nela em tudo. O desespero faz as pessoas
fazerem merdas estúpidas,
e ela tem três segundos da próxima má decisão escrita em cima dela
bunda esquelética.
O que é um grande furto além de seus outros crimes esta noite?
Na porta da frente, um desejo estranho arrasta uma pergunta de
mim. "Como você
entrar na comunidade, de qualquer maneira? ” Blair olha por cima do
ombro e
encolhe os ombros. Eu circulo e me apoio contra a porta, bloqueando
sua fuga.
Ela vai responder às minhas perguntas antes de desaparecer na
escuridão.
"Responda-me. Gemma está na faculdade, então essa opção está fora
de questão. Voce nao sabe
mais alguém aqui. ”
Blair sorri, a auto-satisfação parecendo irritantemente boa nela. "EU
tenho meus caminhos. ”
Ela tenta abrir a porta sem me tocar enquanto eu estou inclinado
nele.
Se ela não conhece ninguém aqui, acho que escalou a montanha. Isso é
como eu faria isso no lugar dela. Se for verdade, não me agrada.
"A floresta é perigosa à noite."
Seus olhos disparam e ela dá um passo para trás. Os movimentos são
rápidos,
mas eu observo fascinado enquanto ela avalia as outras opções de saída,
já que estou
bloqueando sua escolha atual.
“Se você planejava caminhar,” esclareço com um gesto da minha mão.
“Há uma patrulha comunitária, mas nem sempre assusta as coisas.”
"Eu me viro." Ela estende a mão para a maçaneta.
"E se eu te obrigar a ficar." Não é uma pergunta. Mas não sou
inteiramente eu
brincar com o controle. Apesar de prometer deixá-la ir ... Eu não estou

Página 50
pronto para ela partir.
Blair congela. Eu a tenho lá.
Seu olhar perceptivo encontra o meu. Eu mantenho minha expressão
suave, não
dando a ela alguma dica se estou blefando ou não. Ela engole.
"Eu, uh, não posso." Ela é repentinamente evasiva. Seus dedos torcem
na bainha dela
camisa ao lado dela. Eu cruzo meus braços. Depois de soltar um
suspiro, ela elabora,
“Minha mãe estará em casa logo. Eu preciso estar lá antes disso. ”
Blair me espera pelo intervalo de uma batida do coração até a próxima,
então torce
a maçaneta.
Minha resolução se quebra. Eu não posso deixá-la sair assim. Cristo,
ela é
teimoso. Estou ansioso para colocar esse mau hábito sob meu comando.
"A sério." Eu coloquei minha mão em seu ombro para impedi-la. “Você
precisa de um
cavalgar até o portão? Ou um Uber? ”
Blair zomba. "Ainda bancando o cavalheiro?"
Uma risada aguda sai de mim. Em um movimento rápido, meus braços
a circundam
cintura, girando em torno dela. Eu a prendo contra a porta, plantando
minhas mãos
em cada lado de sua cabeça enquanto eu me inclino em seu espaço. O
calor do corpo dela se infiltra
nos meus, seus seios roçando minha camiseta. Se eu der outro passo
mais perto,
Vou prendê-la com meu corpo.
“Dificilmente,” eu grito. “Eu sou pior do que o perigo que se esconde
lá fora. Eu não
quero que aconteça alguma coisa com o meu novo brinquedo. ”
Sua boca se torce e seus cílios escuros vibram. A cor preenche suas
sardas
bochechas enquanto sua atenção desliza para o meu antebraço
flexionando ao lado de sua cabeça.
Eu esperava reações grandes e impetuosas dela, embora ela nunca me
dê uma
resposta assim quando eu insulto ela na escola. O que estou
despreparado é
a maneira como ela fica parada, avaliando a situação ao invés de tentar
imediatamente joelhe minhas bolas.
"Vamos." Blair suspira e encosta a cabeça na porta. "Eu vou ficar bem.
Mesmo."
Quase funciona comigo, mas o forte tremor em seus ombros a faz
para longe, destruindo seu ar de casualidade. Eu a deixo mais
desconfortável do que
andando pela floresta à noite.
Eu dou um passo para trás e bato em seu queixo com um dedo torto. Isto
é um
descoberta que posso usar a meu favor mais tarde.
"Não seja comido lá." Eu coloco minhas mãos nos bolsos do meu
moletom. "Não posso deixar você morrer antes que a diversão comece."

Página 51
Blair me encara sem acreditar, depois revira os olhos. "Você está
fodendo-
crível. ”
A porta se abre e se fecha atrás dela. Ele ecoa no
vigas expostas no alto, o lustre moderno chacoalhando com o fraco
tilintar de vidro e metal.
Tch . Eu arquivei sua insolência. Ela vai pagar por isso também.
Volto para a cozinha e apoio os cotovelos na ilha.
O cheiro de seu xampu de baunilha barato imitação se apega a
mim. Vou ter que
tomar banho de novo para tirar essa merda de cima de mim.
O silêncio se instala na casa mais uma vez. Acontece mais rápido do
que
esperado, o peso opressor do silêncio quase me chocando. Por um curto
tempo, quase me esqueci. Agora que a emoção da noite passou, estou
deixado sozinho em minha casa com apenas meus carros e meus
pensamentos para me manter
empresa.
Quando engulo, minha garganta está apertada.
Esfrego as pontas dos dedos e resisto ao impulso persistente de subir
até o
patamar do segundo andar para ver se posso assistir a saída de
Blair. Algo me diz
ela já se mesclou com as sombras.
Pegando meu telefone, eu leio minhas notificações do Instagram. Há
uma enorme
de curtidas e comentários sobre a minha foto do Red esta manhã e a que
eu
compartilhado com a prática de minhas chuteiras ao lado de uma bola
de futebol. Bishop deixou uma carga de
emojis em um comentário em ambas as postagens que me faz bufar. É
engraçado para
imagine que esta noite poderia ter sido diferente se eu não tivesse
caminhado para o
garagem com a intenção de um passeio quando eu fiz.
Meu polegar paira sobre a tela. Eu nunca olhei antes. Blair faz
tem mídia social?
Uma busca por seu nome não traz nada. Eu mudo para o perfil de
Gemma e
role até encontrar uma foto recente dos dois. Eles estão no barco do
lucas
no meio do lago, seu cachorro pug aninhado entre eles. Gemma sorri
brilhantemente para a câmera com o braço em volta de Blair enquanto
ela é mais reservada,
atenção em Lancelot, o pug.
Existem dois perfis marcados na foto. Um é o Lucas, então o outro
deve ser de Blair. Minha boca se curva. Obrigado, Gem, por sempre ser
um
livro aberto .
Eu clicar no @disblair nome de usuário. É privado. A foto do perfil
dela é uma
foto dela quando ela tinha o cabelo tingido de azul acinzentado. Ela está
vestindo um

Página 52
moletom com capuz enorme e segurando a mão dela para esconder a
maior parte do rosto. Um
olho castanho espia entre os dedos, provocando a câmera.
"Merda."
Isso pode esperar mais tarde. Ou eu poderia pagar a ela para acessar sua
conta. eu
acariciar meu queixo.
Saindo do aplicativo, hesito. Olhando para o ícone de mensagem para
um
minuto, eu desisto, puxando meu histórico de texto com papai.
Sem resposta.
Que eu sabia.
Um som áspero sai da minha garganta.
Eu sabia, porra, e ainda não pude deixar de verificar.
"Maldição, seu idiota."
Eu aperto o telefone na minha mão até minhas juntas ficarem
brancas. Minhas
fraqueza me irrita.
Eu brevemente considero contar aos meus pais sobre uma pausa. Minha
respiração sibila
entre meus dentes cerrados. Não, não vou contar a eles.
Vou cuidar de tudo sozinho, como tudo o mais. Eles me empurraram
para ser
independente e eu dei um passo adiante. Eu não precisei da culpa
mensal
dinheiro que eles despejaram em minha conta bancária por mais de um
ano. Através
investimentos e planejamento com meu consultor financeiro, posso me
afastar de
eles sempre que eu quiser. O problema é dar esse passo.
Meu telefone começa a vibrar. Eu odeio o lampejo de esperança que
borbulha na minha
peito.
O identificador de chamadas é meu tio.
“Ei, tio Ed”, saúdo depois de aceitar a ligação. "E aí?"
" Ei, filho ." Sua voz é calorosa.
Quando ele me chama de filho, meu peito dói. É algo que ele sempre
fez,
quase como se ele me aceitasse desde o nascimento enquanto eu cresci
ao lado de Lucas, seu
filho biológico. Lucas e eu somos primos, mas minha tia e meu tio
deram
tudo que eles deram a ele.
“ Você já comeu? ”
"Não." Eu passo minha mão pelo meu cabelo. "Por que?
“ Venha aqui. Sua tia ainda está se adaptando a cozinhar para dois em
vez de
três ou quatro agora que as crianças estão de férias na faculdade. Ele
ri na linha.
“ Quero saber como foi a primeira semana do seu último ano. ”
“Sim,” eu respondo com a voz rouca, esperando que ele não ouça. Eu
limpo minha garganta.
"Isso parece legal. Estarei aí em quinze. ”

Página 53
É patético o quão rápido eu salto em qualquer chance de deixar minha
casa vazia por
mais um pouco.
“ Excelente. Te vejo daqui a pouco. ”
Quando Lucas e eu éramos crianças, eu passava muito tempo com sua
família
em vez do meu. Meus pais viajavam com ainda mais frequência naquela
época, e era
antes de contratarem au pairs para me criar para eles. Chamei tia Lottie
de meu
mãe naquela época.
Secretamente, eu ainda gostaria que ela e tio Edward fossem meus pais
reais. Mas
só as estrelas sob as quais me sento tarde da noite o ouvem.
Eu desligo e pego minha jaqueta de futebol verde e branca com zíper
da
o armário no corredor antes de entrar na garagem, indo para o vermelho.
Entrando, procuro no porta-copos e entre os assentos. Eu localizo o
chaveiro no chão, saindo de baixo do banco do motorista.
"Cristo, você é baixinho", murmuro, ajustando o assento com um
grunhido até
está de volta onde estou confortável.
Seguro o volante com uma das mãos e ligo o motor. Com um toque
rápido em
a tela, uma das portas da garagem se abre. Eu atiro, pegando as estradas
curvas
e inclina em um clipe rápido. Eu sei essa rota de cor.
É uma das primeiras que aprendi quando tirei minha licença.
Um que eu dirigi tantas vezes que está enraizado no meu sangue.

Página 54
SEIS

Página 55

BLAIR
Uma coruja pia na linha das árvores na beira do estacionamento de
trailers enquanto eu caminho até
aquele que eu divido com a mamãe.
A lâmpada da rua projeta nosso trailer azul desbotado em uma luz
bruxuleante e uma luz perdida
gato uiva. Todo o lugar está quieto, muito cedo para o turno do
cemitério
residentes voltem para casa com pernas cansadas suportando o peso do
mundo, e
os residentes idosos estão dormindo na frente de suas televisões. À
distância, eu
pode ouvir a TV e alguém conversando muito alto. Viagens sonoras
facilmente no lote de cascalho entre as casas de telhado de zinco.
Eu destranco a porta da frente que range. Ele reverbera ao se fechar. Um
suspiro
me escapa enquanto desabo contra a porta, observando nosso pequeno
ampla com uma varredura desinteressada.
É muito diferente do lugar moderno do tamanho de um palácio de
Devlin no
montanhas.
Há uma cozinha compacta com balcões de fórmica rosa sem graça, a
sala de estar
o comprimento do nosso sofá, que é o tipo de vintage nada legal em um
bronzeado feio
xadrez, e um corredor com painéis de madeira escura que leva aos
quartos e ao
banheiro.
Não é muito, mas é um lar. Mamãe tentou torná-lo o mais aconchegante
possível.
Ao longo dos anos, ela me lançou um olhar alegre enquanto pendurava
cortinas em tons pastéis
da loja do dólar ou estendeu um novo cobertor de crochê sobre o puído
sofá, e dizer que estava em casa enquanto estivéssemos juntos.
Nem sempre vivemos aqui. Antes de papai fugir, tínhamos uma casa
no bairro de Gemma, do outro lado do vale leste de Ridgeview. Nós
era uma família feliz quando era pequena.

Página 56
O barulho da mudança arranhada entre as almofadas do sofá ecoa
na minha cabeça, a memória da última vez em que vi papai flutuando
para a superfície.
Ele não me viu olhando da escada depois que desci para pegar um
biscoito
do pote que mamãe mantinha no balcão. Papai murmurou precisa de
mais para si mesmo
enquanto ele vasculhava a bolsa da mamãe, pegava notas de dólar e as
enfiava
seus bolsos. Uma mochila embalada estava na mesa da
cozinha. Quando eu perguntei
o que ele estava fazendo, papai se virou para me encarar com uma
careta.
“Blair Bear. Você não deveria estar fora da cama. " Ele deu um tapinha
na minha cabeça.
“Mamãe vai cuidar de você. Seja bom para ela, ok? "
Com aquela mensagem enigmática, ele se foi de nossas vidas. Depois
disso, tudo que eu
lembre-se que mamãe está chorando por causa do correio. Não foi até
que eu estava um pouco mais velho que eu
compreendeu que seus telefonemas constantes eram para cobradores de
dívidas exigindo
Forma de pagamento.
Afastando-me da porta com um resmungo, entro na cozinha para
a esquerda, ajoelhada perto do armário embaixo da pia. Pego o kit de
primeiros socorros
e afundar no sofá.
Há um rasgo na minha calça jeans onde eu arranhei meu joelho depois
de tropeçar no meu
caminhada apressada montanha abaixo da casa de Devlin. Arde quando
eu esfrego um
O álcool passa sobre a abrasão e eu assobio entre os dentes. Eu engesso
com
um Band-Aid sem marca.
Tirando a caneta da minha bolsa com zíper, coloco minha língua entre
os
dentes em concentração enquanto desenho uma carranca na
bandagem. É pessoal
lembrete para ser mais forte do que meus erros.
Esta noite eu não fiz nada além de bagunçar a torto e a direito.
Meu plano perfeito implodiu.
A inquietação se agita em meu peito enquanto meus olhos saltam para
a janela. Devlin
pode mudar de ideia, puxando o tapete debaixo de mim como uma piada
de mau gosto.
Do lado de fora da janela, só encontro escuridão em vez do vermelho
piscante e
luzes azuis da viatura que estou antecipando, colocando-me em alta
para o
todo o parque de trailers de desajustados enquanto ele se aproxima para
me puxar para fora.
Eu espio pela janela por alguns minutos antes de murmurar: "É melhor
ele
não estava brincando. ”
Com um grito de frustração, tiro a carta de aviso do bolso de trás e
bater na mesa de centro atarracada que ajudei a mamãe a recolher o lixo
e
repintar. O aviso de cobrança fica dobrado e amassado sobre a mesa,
um
Um ponto gritante do porquê eu não tive escolha em aceitar a oferta
distorcida de Devlin.

Página 57
Eu esfrego minhas mãos no rosto e me levanto para guardar o kit de
primeiros socorros.
Pegando o aviso, coloco-o na pilha que fica ao lado de nossa torradeira.
A pilha nunca encolhe, apenas parece crescer e crescer e crescer. Eu
rifle
por meio de contas abertas e fechadas, outros avisos de cobrança e
dívidas anteriores
devido - tudo que papai nos algemava antes de atacar.
Um medo doentio perturba meu estômago quando olho para esta pilha
de desespero. Eu esfrego
minha barriga para diminuir a sensação de minhas entranhas se
transformando em tijolos solidificados.
“Foda-se, pai,” eu rosno para as contas.
Minha têmpora lateja e eu engulo. Eu preciso tirar minha mente de tudo
que deu errado esta noite.
Girando no meu calcanhar, eu recuo para o meu quarto. É um pequeno
quadrado com um
cama futon, impressões da biblioteca das minhas peças de arte favoritas
pregadas na parede
ao lado de fotos em que estou posada com Gemma e mamãe, e pilhas
de
brochuras sob a janela.
Eles são minha coleção da lata de vinte e cinco centavos no brechó.
A maioria deles está surrada, com lombadas rachadas e páginas
amareladas, mas eu
adoro vasculhar a lixeira uma vez por mês para encontrar um novo
tesouro para adicionar ao
minha coleção.
Tirando minhas roupas sujas, eu as jogo no canto para serem negociadas
com mais tarde. Eu puxo meu cabelo para cima em um coque torcido e
visto minha velha calça de corrida
e camiseta do time de corrida feminino SLHS para relaxar. Minha mão
alisa a
camisa verde e um sorriso melancólico puxam meus lábios. Eu não
preciso da equipe de atletismo para
corro regularmente, mas sinto falta da maneira como ocupava meu
tempo. Foi algo que eu
tinha para mim, e esses são poucos entre os dois.
Mais uma decepção para creditar a Devlin ...
Suspirando, eu balanço minha cabeça e vou para as minhas pilhas de
livros. Eu sento no
chão e traço meu dedo sobre as lombadas para escolher algo adequado
para
me perder até a mamãe chegar em casa.
Não tenho tantos quanto gostaria. Se eu pudesse, encheria meu quarto
com chão
estantes de livros até o teto. Mas não temos espaço, então me limitei a
apenas os títulos que quero manter ao máximo. Os livros que eu não
amo, eu doo para
a estante de troca de livros gratuita na biblioteca Ridgeview.
Meu dedo faz uma pausa em uma biografia de Frida Kahlo. O canto do
meu
boca levanta. Perfeito .
Vou ler qualquer coisa, mas livros sobre arte e artistas estão entre os
meus favoritos.
Pegando meu livro, eu me jogo no meu futon, arrastando um travesseiro
para apoiá-lo
eu mesmo.

Página 58
O barulho da porta da frente me tira da leitura da biografia de Frida.
"Estou em casa, Blair!" Mamãe liga da sala principal.
Eu rolo para fora do futon e viro meu livro para salvar meu lugar antes
saindo do meu quarto.
Mamãe está na pia lavando as mãos. Ela termina, então se vira e
estende os braços para mim.
O uniforme de garçonete azul claro pende de seu corpo magro mais do
que
de costume, e isso faz com que uma pontada de preocupação me
atravesse. O cabelo dela é castanho
amarrado em um coque baixo, mas algumas mosca cinza sempre caem
em torno de seu rosto. A pele dela
tem uma qualidade cerosa que não gosto nem um pouco, e seus olhos
azuis estão fundos
com bolsas embaixo.
Ela tem trabalhado muito duro ultimamente.
"Ei, como foi o trabalho?" Eu me coloco em seus braços e aperto-a com
força,
enfiando minha cabeça sob seu queixo.
Este é o nosso ritual quando ela chega em casa do trabalho. Quando
cheguei à puberdade,
o desequilíbrio hormonal me fez um idiota e eu disse a ela que era
estúpido.
Ela sempre insistiu, e agora vivo para seus abraços. Por alguns
segundos, eu não
tem que ser o mais forte entre nós.
“O trabalho estava bom.” Mamãe passa a mão no meu coque e dá um
beijo
no topo da minha cabeça. “Eu trouxe para casa uma fatia de torta de
maçã. Está no
frigorífico."
"Obrigado. Quer que eu faça um chá? Vamos dividir. ”
Eu vasculho o armário onde guardamos chá, café instantâneo e
alguma mistura de limonada antiga que tenho certeza que se cristalizou
em um
massa singular. Eu seguro porque essa merda doeria se eu jogasse
o bêbado, dois trailers, que tenta entrar em nosso trailer a cada poucos
dias. eu
Gosto de estar preparado porque não confio nele se algum dia chegar
aqui.
"Você pode ficar com ele, querida."
Mamãe coloca os dedos em seu ombro, uma careta a torcendo
recursos. Eu abandono os saquinhos de chá no balcão e a guio para uma
cadeira na
nossa pequena mesa de bistrô no canto. Seu protesto não dura muito
depois que eu esfrego
seus ombros para massagear as dores de ficar em pé
o jantar.
"Estamos nos separando." Eu me curvo para beijá-la na bochecha e
continuo tomando
cuidar de seu desconforto. “Você tem um turno no sábado de manhã? eu
era

Página 59
pensando que poderíamos fazer panquecas. ”
Panquecas de fim de semana são uma das poucas guloseimas que
mantivemos vivas desde que
era uma criança. Não importa o quão pouco tenhamos, nós nos tratamos
com uma comida caseira
café da manhã com panquecas.
Mamãe suspira, jogando a cabeça para trás em meu estômago. “Sim,
querida. Desculpe.
E no domingo? ”
"Claro, não se preocupe", asseguro-lhe suavemente. "Não há pressa em
panquecas."
Mamãe bate as unhas na mesa. Seu esmalte vermelho está
lascado. "Mas
depois, pode ser meu último turno por um tempo. Eles estão mudando
os turnos de garçonete
em volta."
"O que?" Minhas entranhas ficam geladas e eu desvio meus olhos da
mãe para o
pilha bagunçada de contas perto da torradeira. "Por que? Você está aí
há muito tempo
o suficiente para que você tenha antiguidade sobre as escolhas de turno,
eles não podem simplesmente ... ”
"Blair." Ela dá um tapinha na minha mão e eu solto meu aperto tenso
em seus ombros.
“Eu vou deitar, eu acho. É tarde e estou cansado. ”
As palavras me atingiram como um tapa, embora ela falasse
baixinho. "Claro.
Desculpe, mãe. ”
"Tudo bem." Ela solta um gemido suave ao se levantar. Suas mãos
seguram meu
bochecha. Nunca vi seu rosto tão pálido e sem cor. O cansaço ao redor
os cantos dos olhos dela fazem meu coração doer. Estou preocupado
com a saúde dela
declinando mais rápido do que estamos preparados para lidar. Eu já tive
que levá-la
ao médico antes da escola. "Pegue a torta, ok?"
Trabalhar tanto quanto ela está destruindo-a, arrancando pequenos
pedaços
pouco a pouco. Apesar de nossa merda na vida, ela ainda consegue
encontrar um
sorria para mim.
“Sim,” eu grito. "Descanse um pouco, mãe."
Ela cantarola e enfia uma mecha solta de cabelo castanho atrás da
orelha. eu
sacudir minhas unhas, um hábito nervoso terrível que eu sei que ela
odeia. eu paro
e entrelaço meus dedos antes que eu a perturbe.
Meu estômago fica tenso enquanto a observo recuar lentamente para as
sombras do
corredor. Um momento depois, a porta de seu quarto se fecha.
Quando meus joelhos trêmulos cedem, eu desabo na cadeira do bistrô
mesa, embalando minha cabeça em minhas mãos.
Ela está piorando.
Papai fez isso com ela. Primeiro foi o estresse, mas agora não tenho
tanta certeza. Posso
o estresse lentamente mata alguém, sugando sua força vital como um
parasita
ao longo dos anos? Eu mordo meu lábio, desejando poder ver papai
agora. Identidade

Página 60
gritar minha cabeça com ele por ser tão irresponsável e egoísta. Então
eu
soco o bastardo.
Os homens são vermes indignos de confiança, todos eles podres.
Eu não sei o que fazer. As contas já são muito para lidar. Se ela
entra em colapso como no ano passado, a conta médica do pronto-
socorro é
vai nos destruir.
Eu largaria a escola e arranjaria um emprego, mas tenho uma bolsa de
estudos na Silver
Lake High School. Frequentar a escola sozinho é o suficiente para abrir
portas para
eu, que antes acreditava, estava preso para o resto da vida. Graduando-
se na Prata
Lake High será a diferença entre mamãe e eu lutando para sobreviver
o resto de nossas vidas e a chance de uma carona para qualquer
faculdade que eu quiser.
É melhor Devlin não me ferrar.
Meus olhos queimam enquanto eu viro meu olhar lacrimejante para a
janela, procurando
para piscar em vermelho e azul.
Eu espero por tanto tempo que meu corpo fica rígido. Os policiais nunca
vêm.

Página 61
SETE

Página 62

BLAIR
Ainda não aconteceu nada.
Eu agüentei durante o fim de semana, aulas na segunda-feira e todo o
dia de hoje -
nada.
Esperar o sapato cair está me causando uma úlcera precoce. Nem
mesmo o
o ar fresco da montanha pode acalmar meus nervos.
Devlin e eu compartilhamos a aula de inglês do Sr. Coleman juntos,
mas ele ignorou
enquanto acabava lançando olhares em sua direção por dois dias
seguidos.
Parte de mim deseja que ele se mova, porque mamãe e eu precisamos
dinheiro o mais rápido possível, mas outra parte de mim tem andado
por aí
o extenso campus da Silver Lake High School como se um ataque
viesse
de qualquer canto.
Após o término do último período do dia, fui para os campos de
atletismo
atrás das arquibancadas e além do local onde treina o time de futebol. É
o exterior
campo onde as equipes de atletismo gostam de praticar.
A treinadora da pista apita e as meninas disparam para o metro
travessões. Eu puxo um punhado de grama do local de onde estou
observando, um
distância suficiente para que não fiquem estranhos.
Afinal, não estou mais em sua equipe de atletismo.
O sol do meio da tarde me mantém aquecido. Eu me inclino para trás
em minhas mãos e
cruze minhas pernas esticadas na minha frente. As mangas largas do
meu
Uma camisa de botão de segunda mão desce pelos meus braços.
As pessoas estão sempre quebrando os requisitos do uniforme da
escola. Eles vão
andem de gorros e os sapatos que quiserem, mas enquanto estão
expressando-se, estou indo contra o regulamento porque o blazer para
o uniforme é caro demais. Não consigo encontrar um usado. Eu desisto

Página 63
segundo ano e, desde então, usei apenas a camisa branca e a saia.
O conselho administrativo acha que os uniformes confundem as linhas
da classe
diferenças entre o corpo discente, mas tudo o que faz é nos separar ainda
mais em minha mente.
Com o próximo apito estridente, outro grupo de meninas sai correndo
sua posição inicial. Eu lambo meus lábios e solto um suspiro.
Meu telefone acende ao meu lado na grama com uma mensagem de
Gemma. Isso é
um iPhone usado que comprei de um cara com um carrinho de compras
cheio de dispositivos
o lado mais sombrio do centro de Ridgeview. O telefone não é o mais
recente e
melhor modelo, como as crianças ricas e mimadas que sempre ganham
um telefone novo
uma atualização libera. Este tem pelo menos quatro
gerações. Funciona,
apesar da teia de aranha de rachaduras na tela. Mamãe e eu mal
podemos pagar
o plano mensal barato, mas é para emergências, uma vez que não temos
um
telefone fixo.
O texto é uma selfie de Gemma no campus da faculdade com o
namorado,
Lucas, parcialmente visível. Ela parece tão feliz em comparação com
esta época do ano passado,
quando nos conhecemos. Um sorriso aparece no canto da minha
boca. O telefone
vibra com outra mensagem.
Gemma: Acabei de encontrar este novo local e, meu Deus, estou
morrendo de vontade de fazer uma sessão de fotos
lá com você. Eu quero te mostrar muito aqui. Venha me visitar em
breve!
Uma visita com Gemma parece incrível.
Mas também é impossível. Dinheiro, minha mãe, dinheiro, meu carro
de sucata,
dinheiro . Há muito me impedindo de viver a vida de um adolescente
normal
seria.
Uma pontada me atinge no peito. Sinto falta de Gemma. Antes dela
fazer amizade comigo
ano passado, como a garota nova durona, eu não era ninguém na
escola. Outro que não seja
cruzando caminhos com Devlin, eu mantive minha cabeça baixa e
focada tanto quanto eu
poderia nos meus estudos enquanto os abutres nesta escola me
xingavam e
zombou de mim por ser pobre. Gemma fez muito disso ir embora.
Seu namorado - o rei anterior da escola - não era nem tão ruim
uma vez que Gemma endireitou a cabeça.
Por que Gemma tinha que estar uma nota à minha frente?
O peso de ser deixado para trás pesa sobre meus ombros. eu cavei
meus dedos na grama.

Página 64
"Continue assim, senhoras", diz a treinadora de corrida, seu
encorajamento flutuando
o meu caminho.
Eu finjo que ela ainda está me dando um empurrão.
Uma leve brisa muda minha saia, o tecido xadrez verde e branco
subindo pelas minhas pernas. As folhas da grama fazem cócegas na
parte de trás dos meus joelhos.
Eu quero correr. Talvez eu devesse colocar minhas roupas de ginástica
e correr o
pista em torno do campo de futebol.
“É isso, meninas! Vá, vá! ”
Mesmo tendo sido expulso da equipe de atletismo no ano passado, no
final do
temporada de cross country, eu ainda venho para assisti-los. Foi um
choque quando o
o treinador me disse que ela não tinha escolha a não ser me tirar do
time. As regras eram
claro, ela explicou, e eu tinha muitos deméritos em meu histórico
escolar.
Ridículo.
Meus dentes arranham meu lábio enquanto eu cavo com mais força na
grama, rasgando-a.
Eu solto meu punho e vejo as lâminas baterem no chão.
Sei exatamente a quem agradecer por ter sido expulso do time.
Devlin.
Bastardo maldito.
Ele retaliou contra mim roubando o bolso de seu amigo no ano passado,
fabricando mais detenções no meu arquivo escolar. Com um melhor
amigo que é o
filho do nosso diretor e seu eletivo auxiliar de escritório, provavelmente
foi fácil
para ele. E porque eu não tenho uma família rica para doar para a escola,
não
alguém notou algo errado com meu arquivo.
Quando tudo aconteceu com meu treinador em um de nossos últimos
treinos do
temporada, Devlin certificou-se de que estava por perto para assistir ao
confronto, de
curso. Ele sorriu enquanto limpava a boca com o pescoço de sua bola
de futebol
camisa. Quando a queima de seu olhar presunçoso se tornou demais
para ignorar, eu
virei meu olhar para ele. Eu te disse , ele murmurou.
Porque ele me avisou para não experimentá-lo.
Eu abafo um som irritado na minha garganta e bato meu punho no chão.
O rei cruel pode tirar meu lugar na equipe, mas ele não pode tirar
correndo de mim. Eu ainda corro de qualquer maneira.
"Legal, Katrina!" Meu antigo treinador elogia uma garota quando ela
chega ao grupo.
Sentando, coloco minhas pernas em um pretzel, apoiando meus
cotovelos nos joelhos
enquanto eu me curvo.
Acho que muitos da equipe não gostaram de mim, mas correr com
aquelas meninas
preencheu um buraco no meu peito, só um pouco para que a solidão não
se curvasse

Página 65
sobre si mesmo como um estômago vazio e dolorido destruído pelas
pontadas de fome. O
equipe era como uma família. Não é a corrida que eu sinto falta, mas
correr com
outras pessoas que me protegem.
Outra mensagem interrompe minha lamentação. Deve ser Gemma, já
que eu não
responder.
É de um número que não tenho no meu telefone. Minhas sobrancelhas
se juntam.
Que diabos?
Desconhecido: Faça o primeiro ensaio de inglês para mim. $ 250.
A realização surge em mim. Meu corpo inteiro fica quente e frio com
emoção de uma vez. É de Devlin.
"Motherfu-" Eu cortei minha maldição irritada e bato meus dedos
contra o
lado do telefone. "Como você conseguiu meu número, seu diabo
astuto?"
Eu vasculho meu cérebro, tentando pensar nas poucas pessoas que têm
meu
número e onde meu celular está listado. Não há nenhuma maneira que
ele tenha se livrado disso
Gemma.
Conhecendo-o, ele provavelmente invadiu minha privacidade e a
roubou do
formulário de contato de emergência em meu arquivo de aluno. Ou ele
tinha seu melhor amigo,
Connor Bishop, faça a escavação. Eu ouvi que aquele cara sabe tudo
sobre
todos na escola, trocando segredos por favores e pagamento.
Um bufo de descrença me escapa.
Eu deveria saber que Devlin seria o tipo de idiota moralmente cinza
facilidade em furtar arquivos pessoais para seu próprio benefício.
A questão é: posso confiar que ele manterá sua palavra se eu fizer isso?

Página 66
OITO

Página 67

DEVLIN
Blair não responde meu texto imediatamente. Eu fico na beirada do
futebol
campo com minha garrafa de água em uma mão e meu telefone na
outra. Atrás
mim, os gritos de Bishop para os rapazes tornam-se ruídos de fundo
enquanto minha atenção
concentra-se em Blair.
Minha cabeça estremece com um bufo.
Ela acha que está sendo sutil, sentada perto do time feminino de
atletismo?
Ela é patética.
Sua cabeça está inclinada, seu cabelo criando uma cortina preta quando
cai
em torno de seu rosto.
Meus olhos vão para a tela, antecipando três pontos aparecendo
a qualquer segundo com sua resposta.
Depois de subornar Bishop com uma pequena travessura e o número de
um coiote
Garota que ele queria roubar do jogador de futebol que ela estava
namorando, ele me deu
a senha para desbloquear os arquivos atuais do aluno armazenados no
computador
sistema. Esta manhã, durante meu período eletivo de auxílio ao
consultório, encontrei o celular dela
número em um formulário para uma excursão no segundo ano. Com um
sorriso malicioso, eu
programei-a no meu telefone como Little Thief .
“Dev, pare de relaxar”, diz um dos meus companheiros de equipe.
Eu levanto uma sobrancelha em sua direção e lentamente trago minha
garrafa de água para o meu
boca, tomando um longo gole.
Ele me mostra o dedo do meio.
O telefone vibra, mas é uma mensagem da minha tia me avisando
o jantar é às sete esta noite.
O que está demorando tanto? Eu olho para o meu telefone e direciono
meu olhar
entre a tela e Blair. A tarefa que estabeleci não é difícil. Depois da
merda

Página 68
ela puxou com meu carro, eu poderia tê-la mergulhado no fundo do
poço e pago
ela para correr pela escola em sua cueca. Ela deveria estar me
agradecendo.
Quando Blair começa a empacotar suas coisas e roubar grama de sua
saia, eu
brilho das linhas laterais do campo de futebol. Eu mando outra
mensagem.
Devlin: Ou eu poderia ligar para meu tio. Ele é muito amigável com o
Departamento de polícia de Ridgeview. Tenho certeza que eles
adorariam ouvir tudo sobre o
imagens de segurança que tenho da outra noite. Não se esqueça das
regras deste
jogos.
É um blefe. Na verdade, não tenho um feed de segurança configurado,
embora depois
A façanha de Blair, estive pensando em dizer ao papai que deveríamos
tomar medidas para
proteja a casa por precaução. A patrulha de segurança está claramente
perdendo seu
toque se eles não puderem pegar um vira-lata sarnento vagando.
Devlin: Estou deixando você com calma e pagando o triplo do que eu
pago
lição de casa do meu cara normal.
Dou alguns passos na direção de Blair. As mensagens a pararam dentro
dela
faixas. Não consigo ver a expressão dela daqui, mas ela olha ao redor,
corpo
rígido. Blair esfrega a testa e passa os dedos pelos cabelos.
Meu telefone vibra e os cantos da minha boca se curvam em vitória.
Pequeno ladrão: Kk.
Um som divertido sai de mim. É essencialmente um foda-se . Mas ela
concordou.
O jogo começou.
“Dev,” Bishop chama. Ele corre e bate no meu ombro. “Cara, vamos
vai. Eu não quero acordar cedo de novo esta semana para fazer você
praticar um
Duplo. Sexta de manhã já foi ruim o suficiente. ”
Bishop apóia seu peso em mim e geme dramaticamente. Eu agito meu
cabeça, lutando contra um sorriso. Bishop sempre pode me fazer sorrir
com seu
palhaçadas.
Ele se inclina, sussurrando: "Descobri a localização de um
anel de luta secreto. Esta noite. Landry aceita apostas até as sete. Nós
temos trinta

Página 69
por cento do corte. ”
Meu sorriso se liberta, perverso e tortuoso. “Os pais dele não seriam
satisfeito se eles descobrissem. O que você tinha com ele que ele
precisava pagar
você tão abruptamente? "
“Um teste de drogas positivo que arruinaria sua bolsa de futebol. Óh, e
filmagem dele sendo atacado naquela festa no barco em julho. ”
Para o resto da escola, o Bispo é este rosto angelical e o do diretor
filho, mas para mim ele é meu parceiro no crime com uma sequência
perversa de uma milha
ampla. Somos melhores amigos porque nos encaixamos como um
conjunto combinado -
charmoso e bonito por fora, mas por baixo de nossa irresistível
os folheados são uma escuridão que certamente consumirá qualquer um
que chegue perto demais.
"Frio? Frio." Bishop bate nas minhas costas. "Agora coloque sua bunda
de volta no
jogos."
Cubro seu rosto com a mão e dou um empurrão nele. "Yeah,
yeah. Obter
seu próprio traseiro engatado, capitão. "

Página 70
NOVE

Página 71
BLAIR
O ensaio não demora muito para ser concluído. Eu datilografo na
biblioteca antes
escola começa.
Eu não coloquei todo o meu esforço, mas é o suficiente para dar a
Devlin um passe justo
avaliar. Ele nunca especificou que deveria ser um bom ensaio. Ele não
é tão inteligente
como ele pensa que é. Se ele quisesse nota máxima, ele não iria pegá-
los de mim.
Demônios não merecem um A +.
Estou nervoso nas duas primeiras aulas do dia, ansioso para colocar
minhas mãos
em meus $ 250. Eu circulo por hábitos nervosos, mordendo meu lábio
praticamente em carne viva,
girando minha caneta, quicando meu joelho e sacudindo minhas unhas
até os alunos
olhar para mim por ser perturbador.
A ansiedade cresce para uma onda de borboletas no meu estômago
enquanto eu bato
meu armário entre os períodos.
Um mar de alunos circula ao meu redor enquanto eu caminho para a
aula de inglês,
as meninas em saias xadrez verdes e blazers pretos com o dourado da
escola
crista, e os caras de calça comprida, gravata verde e branca, e os
mesmos blazers.
Pequenas rebeliões surgem em todos os lugares, alunos com suas
camisas em vários
estados de desordem, usando jaquetas e chapéus que não fazem parte
do exigido
uniforme e todo tipo de calçado imaginável. Poucos usam o
regulamento brilhante
mocassins pretos.
Eu envolvo meus braços com mais força em torno dos meus livros, a
tarefa de Devlin dobrada
dentro do meu livro. Meu uniforme incompleto e Chucks pretos
surrados
não são uma demonstração de auto-expressão. Eu juntei o que pude
encontrar e
proporcionar.
No primeiro ano, eu nem tinha o uniforme certo. Eu vesti uma camisa
creme
em vez de branco porque foi o que encontrei no brechó por alguns

Página 72
dólares e uma saia midi xadrez marrom.
Chego à aula quando a campainha toca. Devlin está em seu assento na
fileira ao lado de
meu, conversando com Connor Bishop. Alguns de seus companheiros
habituais ficam por perto
por perto, fingindo que não estão ouvindo cada palavra de seus reis.
É quase imperceptível para as massas sem cérebro nesta escola, mas há
algo estranho sobre Devlin quando ele está cercado por seus
bajuladores.
As pessoas não conseguem ver além do fim das colheres de prata
enfiadas na boca. Mas
agora que estive em sua casa sozinha com ele, a falsa arrogância em seu
ações é ainda mais óbvio.
Apesar do comportamento despreocupado e sedutor, quando ninguém
está olhando, vejo um
lampejo de nervosismo taciturno sob seus sorrisos com covinhas.
O que quer que Devlin murmure baixinho, faz Bishop rir e
bagunce seu cabelo castanho claro.
Esses dois são uma dupla temível, e minhas entranhas se contraem com
o pensamento de
o que eles poderiam estar tramando com suas cabeças inclinadas
juntas. Com o
arrogante, atraente inclinação para a boca, mesmo eu posso admitir com
relutância que o diabo está
jeitoso. Todas as coisas tentadoras estão perfeitamente embrulhadas
para atraí-lo para baixo
caminho da depravação. Devlin apoia o cotovelo na mesa e traça a boca
com as pontas dos dedos. Seus olhos pousam em mim quando eu
começo a descer o corredor para o meu
assento.
O brilho em seus olhos não pode significar coisas boas.
Quando chego à mesa de Devlin, deslizo sua redação para ele,
colocando-a em cima do
livro de psicologia que ele lançou. Sua mão cobre a minha antes que eu
possa pegar minha
assento.
“Proclamações de amor não estão sendo aceitas neste momento,”
Devlin
fala arrastada.
Bishop bufa e cutuca Devlin no ombro.
A boca de Devlin puxa para cima enquanto eles trocam um olhar
cruel. Ele
encontra meu olhar novamente.
"Mas se você está especialmente desesperado", ele me leva da cabeça
aos pés, então
faz uma careta, “eh, pensando bem. Eu ainda não faço isso, rato de
sarjeta. Mover
ao longo. Seu desespero está fedendo o lugar. ”
Minha mão se fecha em um punho sob a mão dele, enrugando a redação
atribuição embaixo. Falo por entre os dentes em um murmúrio
baixo. "Vocês
sabe para que serve isso. ”
“Oh, a sua confissão é extra especial? Você me escreveu algum emo
poesia feminina? " Devlin afasta minha mão e levanta a redação. Ele
finge

Página 73
examine-o de perto. “Hmm, isso é fofo. Quem diria que o pobre poderia
seja tão eloquente. ”
Bishop rouba o ensaio dele. Ele folheia a página, seus olhos
sacudindo para Devlin por um momento.
“Oh, uau, vocês,” Bishop diz enquanto balança a página. Ele
ri e balança a cabeça, arrancando palavras de sua bunda, "Eu não posso
parar
pensando em você, meu doce e lindo príncipe. Meu coração bate por
você
sozinho. Desde a primeira vez que vi seus olhos de meia-noite e seus
cabelos sedosos. eu
espero que você retribua meus sentimentos, e faça meus sonhos se
tornarem realidade. Leva me para
baile de formatura?"
Os outros caem na gargalhada, apoiando-se uns nos outros e arrulhando
para mim
maldosamente.
A humilhação queima sob minha pele.
Bishop joga a redação de volta na mesa de Devlin e me dá uma
piscadela.
Meus dentes rangem enquanto eu travo minha mandíbula. "Ouço-"
Devlin estala a língua, sacudindo o dedo para mim. “Eu não gosto do
jeito
você olha para o meu pau. Não é sexy pensar que você pode morder
porque você
confundi com um cachorro-quente. ”
“Oh, droga,” Bishop engasga em seu punho para abafar sua
risada. "Mano.
Essa imagem mental. Meus olhos!"
Um rosnado baixo sai dos meus pulmões. Dou um passo em direção a
Devlin, mas o
olhe, ele me pisca pára meu ataque. Meu estômago se contrai.
E se ele encerrar nosso acordo agora e chamar a polícia?
Isso é besteira! Eu só quero meu dinheiro. Foi estúpido da minha parte
não perceber
que os jogos de Devlin só são divertidos para ele. Quando você pensa
que está ganhando?
Você está realmente perdendo.
Rangendo os dentes, continuo sendo seu saco de pancadas para brincar,
resistindo
suas risadas provocantes.
"Qualquer que seja. Você é nojento."
Resistindo ao desejo de chutar o inferno de sua cadeira, eu me sento.
"Oh, vamos lá, dedos pegajosos", Devlin canta com o queixo apoiado
a mão dele. A curva viciosa de sua boca é tão perfurável. “Eu ouvi você
piorar ainda mais para qualquer pessoa disposta a pagar. Mas eu
não. Eu não pago por
e eu com certeza não estou tocando em você com uma vara de três
metros. Não há
preservativos suficientes no mundo para dobrar antes que eu deixe sua
boca ou sua
boceta perto de mim. "

Página 74
Eu olho para ele, fervendo. Os risos de nossos outros colegas irritam
minha
ouvidos.
"Devlin, você é tão ruim." Uma garota loira sorridente chamada Nina
drapes
ela mesma sobre as costas de Devlin, enlaçando os braços em volta do
pescoço dele.
Ele cantarola e se orgulha de sua atenção. Ela encosta os seios nos dele
costas e fuça em seu pescoço. Ele brinca com o cabelo dela e a desenha
perto o suficiente para beijar. Ele fala contra os lábios dela, mas suas
palavras são para mim.
“É melhor para o lixo saber a que lugar pertence. Não posso deixar de
pensar nisso
tem uma chance de sair da lixeira. ” Seus olhos cortaram para mim
como seus lábios
pastar na boca da garota suspirando que ele está se transformando em
massa. "Ela precisa
entender que não sou seu príncipe encantado. Não estou aqui para
salvá-la. ”
Devlin se afasta de Nina. É sutil, mas eu pego o flash de
dureza em seus olhos e a maneira como ele a empurra para longe. Ele
empurra seu preto
franja para trás de sua testa e suspira para mim como se eu estivesse
causando-lhe um enorme
inconveniência.
“Eu não quero isso. É patético."
Devlin pega a redação e a rasga bem na minha frente. Ele joga
os pedaços rasgados no corredor. Eu fico olhando para ele enquanto
eles caem no chão
entre nós. Pessoas ao nosso redor torcem, batem palmas e uivam como
coiotes
porque esses animais se consideram um com o mascote da nossa escola.
Meu olhar cai para o ensaio arruinado. Ele apenas ... rasgou e jogou
longe. Ainda estou sendo pago?
Devlin cobre um sorriso maligno com sua mão espalmada quando meus
olhos voam para trás
para ele. Outra folha de papel está em sua mesa, o tema do ensaio em
negrito
no topo da página. Ele não precisava da minha redação. Eu vim para a
escola cedo para
nenhuma razão, exceto para saciar os caprichos de um idiota total.
Minhas narinas dilatam. Se é assim que ele quer jogar, eu agüento. Suas
palavras
não significa nada para mim, desde que ele me pague.
Eu sabia que era um tolo por confiar nesse idiota.
"Você ainda vai-"
"Você não deve tratar as pessoas assim."
Nós dois nos voltamos para Thea Kennedy, torcida em seu assento na
frente de
Bishop's. Suas bochechas estão rosadas, e ela parece um pouco surpresa
por ela
interveio, mas ela se mantém firme, segurando a parte de trás de seu
assento com
juntas brancas.
"Não está certo." Thea lambe os lábios, respirando fundo. Seus olhos se
voltam para
Bishop antes de voltar para nós. "Então, por favor, pare."

Página 75
Thea é uma garota quieta e nerd da nossa turma com olhos amáveis e
ruivo selvagem
cabelo. Hoje está domado em uma trança com vários cachos voando
longe escapando. Sua
uniforme é mais desarrumado, ainda mais do que minha camisa grande,
e
ela geralmente está enrolada em algum tipo de tricô disforme.
As sobrancelhas de Devlin se erguem de surpresa.
Isso é o máximo que eu já ouvi Thea falar em quatro anos de escola
juntos. Normalmente temos pelo menos uma aula juntos e ela tem um
reputação de ficar quieto.
Bishop solta uma risada áspera e se inclina para perto de Thea. O que
quer que ele
sussurra para ela, isso a faz ficar vermelha como uma beterraba. Thea
abaixa a cabeça e puxa
nos punhos sobre o blazer que é pelo menos dois tamanhos maior. Bispo
reclina
em sua cadeira com uma torção maldosa em seu sorriso que o faz perder
aquele
charmosa vibração jokester. Ele chuta os pés para descansar nas costas
do corpo de Thea
sente-se enquanto ele pega o telefone.
Eu estreito meus olhos, mas não verbalizo o que está na minha
cabeça. Se Thea pode falar
sua mente, então ela é capaz de lidar com sua própria merda. Eu não
perguntei por ela
ajudar e eu tenho meu próprio monstro para lidar com Devlin.
“Vamos começar”, o Sr. Coleman anuncia na frente da sala.
Meus ombros caem. Eu debato esconder meu telefone debaixo da
minha mesa para que eu possa
exija que Devlin me pague. Eu o encurralarei mais tarde.
Por todo o período da aula, Devlin ignora minhas tentativas de chamar
sua atenção,
parecendo vagamente entediado com a lição. A atenção do bispo está
grudada em seu
telefone e eu posso ver um beliscão entre suas sobrancelhas, sua atitude
bajuladora
caindo. Na frente dele, Thea guincha. Tipo, realmente chia. Bispo
muda de posição, sem perceber os olhares suspeitos de Devlin.
Enquanto o Sr. Coleman fala com as mãos na frente da sala, meu
a atenção cai para o ensaio rasgado no chão.
Eu posso lidar com o jogo dele, não posso? Quanto pior pode ficar?

Página 76
DEZ

Página 77

BLAIR
No caminho para o almoço, paro no meu armário para deixar meus
livros matinais e
pegue meu caderno para minha próxima aula. Eu paro quando eu abro.
Um envelope está dentro, torto em cima das minhas coisas. Deve ter
foi empurrado pela fenda na porta do armário. Olhando para o outro
alunos em seus armários, eu pego.
Mantendo a aba aberta, minha respiração fica presa. Dinheiro . Contas
frescas preenchem o
envelope.
Um pequeno som me escapa enquanto inclino meu ombro contra o
metal frio.
Não há nenhuma nota ou nada escrito no envelope. É simples e
indescritível.
Afinal, Devlin não estava brincando. Meus lábios se contraem quando
eu viro isso na minha
cabeça. Eu queria o pagamento, mas agora que o tenho, o alarme está
tocando
como sirenes na minha cabeça.
Claro, ele está carregado, mas não faz sentido. Por que ele está
realmente dando
meu dinheiro depois de roubar seu carro amado? Eu esfrego meu queixo
e ignoro o
eco de armários batendo no corredor.
Isso tudo foi ideia dele, mas eu não tinha certeza se ele iria seguir em
frente. Eu não
confiar em fazer o que ele queria resultaria em dinheiro no meu
bolso. Após
Inglês antes, eu pensei que ele poderia balançar a cenoura e rir quando
eu tentasse
para pular para ele.
Uma desconfiança inquieta zumbe em mim. Eu bato o envelope contra
o meu
mão. Por enquanto, coloco-o bem no fundo do meu armário, escondido
entre um livro grosso sobre
a história da arte do Japão na biblioteca da escola e um livro de
matemática. eu
Aperte a porta de metal duro e feche-a.

Página 78
Meus pensamentos nadam enquanto sangro no fluxo de alunos em meu
caminho para o refeitório para o almoço.
Não confio na mão que me alimenta. Estou preparado para mordê-lo a
qualquer momento
perceber.
Quando chego ao refeitório, o horário do almoço está em pleno
andamento. Eu me juntei ao
linha e pegue uma bandeja. A merendeira acena para mim e desliza
minha refeição
através. Enquanto os outros compram pizza e as coisas oferecidas que
não estão no
cardápio principal do almoço, recebo a refeição do programa de auxílio
alimentar. Hoje é um
colher de purê de batata, brócolis cozido no vapor, uma maçã e um
pedaço de assado
peito de frango. É quase a refeição exata que Devlin tirou de mim no
ano passado e
jogado no chão para ser um idiota.
Sem Gemma, voltei a sentar-me sozinho perto da janela do
mesa que eu preciso ter para mim. Ninguém mais quer sentar com o
notório
dedos pegajosos. Não depois que Devlin colocou meus truques no
TikTok em
retaliação por roubar de seus companheiros de futebol. Esses idiotas me
desafiaram
na minha cara quando souberam que eu poderia roubar bolsos. Antes
que as pessoas me evitassem
porque eu sou a pobre garota, mas agora todo mundo mantém distância
porque
Devlin me marcou como um ladrão.
Se eles soubessem onde isso me levou.
Eu pego a comida no meu prato e considero qual é o meu plano de
backup se
o negócio com Devlin vai para o sul. Não tem como Devlin ter um
coração escondido
de ouro por trás de seus olhos frios. Não há um osso útil em seu
demônio,
corpo atlético. Ele não está me dando dinheiro porque ele quer, ele está
fazendo isso
para me mostrar que ele tem o poder aqui.
Coisas que são boas demais para ser verdade geralmente são. Os
homens são todos iguais
eles pegam o que querem e deixam você recolher os pedaços quebrados.
Ou eu sigo suas regras ou ele me denuncia. Ambos dão a ele
controle total sobre mim.
Com um suspiro, eu passo meus dedos pelo meu cabelo. O que eu
consegui
dentro de mim?
Após o último período, o sol da tarde bate forte no estacionamento dos
alunos
muitos. Eu inclino meu rosto para os raios com meus olhos fechados e
encosto no meu carro
antes de colocar minhas coisas no banco de trás.
Página 79
Preciso voltar para casa para fazer o jantar para que mamãe tenha algo
para comer quando
ela entra. Ela está no turno do jantar hoje, e ela sempre parece tão
abatido quando ela chega em casa. Nunca há tempo para ela comer
quando o
lanchonete recebe clientes da interestadual e das famílias de classe
baixa no
arredores da cidade.
Ao meu redor, passeios de luxo espalhafatosos cercam minha porcaria
de Corolla. Dois
fileiras depois, vejo o Porsche de Devlin imprensado por um BMW e
um Hummer.
Uma respiração indignada passa pelos meus lábios. Esses malditos
alunos são tão
estragado.
Um zumbido do meu telefone me tira dos meus pensamentos. Eu
alcanço atrás de mim
para pegá-lo do topo dos meus livros eu coloco no capô do meu carro
enquanto eu
aproveitei o sol.
Meu olhar se estreita quando eu olho para ele. Em vez do Instagram
DM estou
esperando de Gemma em resposta ao vídeo que enviei a ela de um pug
que encontrei
na página de exploração, D-bag Devil me provoca com uma nova
notificação de texto.
A mensagem é curta o suficiente para ler tudo na tela de bloqueio:
Caminhe para a escola amanhã. Nenhum carro. Sem Uber. Sem
transporte público.
Outra tarefa bastante simples, embora irritante como o inferno.
Mastigando o interior da minha bochecha, meu olhar se move ao redor
do estacionamento,
passando por cima do carro esporte de Devlin. Ele não está lá. Eu
examino os degraus que conduzem
subindo a colina até o campus principal, onde a placa da escola fica em
frente ao
colunas de pedra do edifício norte. Bingo. Devlin se inclina contra um
dos
estátuas de coiote que flanqueiam a placa.
Deste ângulo, os pinheiros pontudos que se estendem para o céu em
qualquer
lado da escola parecem chifres de diabo saindo de sua cabeça.
Devlin está me observando. Ele acena com o telefone no ar.
Eu cruzo meus braços e me recuso a baixar meu olhar primeiro. Devlin
segura meu
olhar teimoso.
O comando de Devlin ecoa em meus pensamentos, sua voz um
fumegante
som que agita minhas entranhas.
Tanto quanto posso sentir em meus ossos que assinei meu nome com
sangue em
um contrato com o demônio das trevas de Silver Lake High ... Preciso
do dinheiro.
Nada mais importa. Eu tenho que jogar seu jogo de acordo com suas
regras até encontrar um
maneira de contorná-los.
Se este babaca rico e arrogante gozar comigo fingindo estar sob o seu
controle enquanto ele me entrega o dinheiro que estou desesperada, vou
aguentar.

Página 80
Eu já sofri muito pior - as cólicas dolorosas da fome,
o peso do pânico no meu peito enquanto eu junto dinheiro o suficiente
com urgência
para pagar o aluguel para que mamãe e eu não estejamos na rua, os
soluços angustiados
da mamãe tarde da noite quando ela pensa que estou dormindo, os
olhares maliciosos de sacanagem
que presumem que estou decidido a chupar pau por dinheiro, e a feia e
ingênua esperança em
aqueles primeiros anos que se eu realmente desejasse estrelas cadentes,
meu pai
iria querer mamãe e eu como sua família novamente.
A onda de memórias queima meus olhos. Um flash de estrelas
desenhadas e um
menino de cabelos escuros com olhos tristes, desejando com todas as
minhas forças, sem saber
quando meu papai voltaria para ver o desenho de estrela que fiz para
ele
pisca em minha mente. Eu aperto meus braços em volta de mim. Porra
eu não tenho
pensei sobre isso em anos. É difícil respirar por um minuto, o ar
chacoalhando na minha garganta, raspando o comprimento do meu
esôfago como um
lâmina afiada.
Devlin Murphy? Ele nem mesmo está entre os meus dez primeiros. Eu
cuidei dele
intimidação por três anos. O que é mais um? Depois deste ano, irei para
faculdade em uma jornada completa porque eu vou trabalhar pra
caralho para merecê-la. De
jogando seu jogo, mamãe e eu finalmente conseguimos algum espaço
para respirar
nossas finanças.
Olhando para o texto novamente, eu solto um suspiro, resignando-me a
fazer
o que Devlin quer.

Página 81
ONZE

Página 82

DEVLIN
O tabuleiro de xadrez está definido.
Eu assisto com um foco nítido da minha posição no topo do
passos até os ombros de Blair caírem em derrota. A satisfação se
desenrola na minha
peito, florescendo como uma flor da lua. É algo lindo que só vem
nas sombras.
Isso mesmo, pequeno ladrão . É assim que o jogo funciona. Você
entende
agora.
Seu olhar chocado quando rasguei a redação antes da aula foi como
acelerando pela estrada em meu orgulho e alegria com as janelas abertas
e
o vento em meu cabelo. Foi emocionante e eu desejo mais. Já estou com
vontade de
perseguir o alto.
Blair concordou com nosso acordo de ficar fora da prisão, mas o que
ela não sabe é
a verdadeira extensão deste arranjo. Eu vou fazer ela fazer o que eu
quiser na frente
de toda a escola, mexendo os fios como um titereiro. É tudo parte do
meu
plano de vingança. Vou quebrar seu orgulho e seu espírito para que ela
saiba além de um
sombra de dúvida que ela nunca deveria ter ousado roubar de mim.
A porta de seu pedaço de merda Corolla bate com força quando ela
entra, o
eco viajando do estacionamento até onde estou de vigia. Como ela
vai embora, o carro faz um som estridente horrível e agudo.
Afastando-me, molhei meus lábios e aceno para Bishop enquanto ele
vagueia na minha
direção do terraço sombreado em frente ao prédio norte com Sean
e Trent da equipe, junto com algumas gostosas da torcida e
esquadrões de dança. Não estou com vontade de sair com os bonecos
de plástico que
nos cercam, mas é fácil enganar esses idiotas fazendo-os pensar que eu
dou uma
merda sobre eles.

Página 83
Além de Bishop, eu não.
Mas eles nunca vão adivinhar meu segredo. A razão pela qual eu
sempre pareço tão
despreocupado. O truque é não amar nada.
O único amor que tenho é reservado para mim e para os poucos
escolhidos que concedo
minha verdadeira atenção para - Bishop, minha tia e tio, Lucas e
Gemma.
Isso é tudo que meu coração negro e retorcido tem a capacidade de se
preocupar. Todos
senão? Peões inúteis para usar e jogar fora quando eles serviram seus
objetivo.
Blair Davis vai servir a um propósito muito específico jogando no meu
Tribunal.
"Ei, mano." Bishop bate seu ombro no meu.
Estamos fora do treino hoje. Bishop não tem uma boa aparência.
Minha boca se curva.
As meninas riem com Trent e Sean, pendurados nos braços. Nina, a
loira oxigenada com seios grandes pendurados em cima de mim em
inglês enquanto eu desfiava
A redação de Blair me dá um olhar malicioso disfarçado. É seu código
secreto para implorar por um
passeio no meu pau. Um olhar suplicante que não respondi este ano. Eu
não estou
interessado em seus gemidos falsos e sua obsessão com a notoriedade
de meu
empresa nacional de pesquisa médica dos pais.
"Onde estamos indo hoje? Ponto de pico? ” Trent pergunta enquanto
desdobra seu
camisa e afrouxa a gravata da escola. Seu blazer está fora, jogado por
cima do ombro.
Ele é um daqueles idiotas que pensa que tem todo o mercado para
arrogância,
mas ele é realmente como qualquer outro aspirante a nesta escola -
coberto de machado
spray, sempre procurando por uma buceta disposta e acenando com o
cartão preto de sua mãe
em volta. Sean é um pouco mais suportável, mas ele é um seguidor sem
original
pensamentos. É como se alguém enfiasse a mão em sua bunda,
desligasse seu cérebro e
controlou sua boca.
Nina estala a língua. “Por favor, o que você é, um calouro? Não sênior
garota quer ir a Peak Point para ficar com você. ” Ela a empurra
a mão bem cuidada no rosto de Trent, as pulseiras de ouro em seu pulso
tilintando. "Fazer
melhor, querida. ”
A irritação ferve sob minha pele. Tudo parece mais apertado, mas talvez
é assim que meus punhos estão enrolados nos bolsos da minha calça.
“Devíamos dirigir até Denver e fazer o inferno.” Eles querem algo
diabólico para excitá-los? Eu darei a eles. Meu olhar encontra o de
Bishop. "No
Escalade do diretor. ”

Página 84
As sobrancelhas de Bishop se erguem e um grito o deixa. Ele me dá um
tapa no
voltar. “ Inferno, sim. Agora você está falando. Meu velho vai virar a
cara quando ele
tenta sair do campus hoje. ”
Nina e sua amiga, Bailey, riem em suas mãos.
"Onde nós vamos?" Bailey pergunta.
O tédio ocioso leva à tentação. Estamos todos desejando algo que
nos faz sentir vivos.
“Nós iremos para a universidade.” Certifico-me de que Nina está
prestando atenção
antes de entrar no espaço de Bailey. Ela não é tão baixa quanto Blair,
mas ainda
muito mais curto do que eu. Eu deslizo meus dedos em seu cabelo
ondulado macio enquanto ela olha
para cima de mim, atingido por estrelas. "Então vamos encontrar uma
festa para dormir."
Quando espio Nina pelo canto do olho, os dela estão estreitos e
seus braços estão dobrados com força sob os seios. Você não me possui,
querida .
Eu pisquei para Nina, vendendo como o namorador de playboy que
todos eles me conhecem. Parece
mais uma máscara este ano do que nunca. Ela faz beicinho e a enfia
dedos com os de Sean.
Eu quase rio. Ela não pode me deixar com ciúmes. Eu preciso querê-la
para isso
trabalhar.
“Oh,” Bailey respira, inclinando-se mais perto de mim sem sutileza.
Eu largo minha mão e me viro para Bishop. “Esconda todos os carros
no lago e
iremos até lá em um dos carros do meu pai. ”
“Sim, perfeito,” Bishop concorda com um olhar astuto.
Vamos atingir nossos pais com uma pedra.
Bishop se vira para se dirigir ao grupo, com as mãos para cima. “Tudo
bem, pessoal. Vocês
ouvi nosso Devil Boy. Pule para isso, corte-o. ”
Ele bate palmas. À medida que todos entram em ação para seguir nossa
liderança, eu
recue. Bishop espera comigo. Uma vez que os bonecos estão longe o
suficiente
os passos, começamos nossa descida sem ninguém para escutar.
"O que mais você sabe sobre Davis?" Eu murmuro, olhando para o
direção em que ela partiu.
À nossa frente, as garotas correram para seus carros e Trent buzina
enquanto ele sai do lote, Sean não fica muito atrás dele. As meninas
uivam como
coiotes enquanto outros alunos observam suas travessuras.
Bishop encolhe os ombros, passando a mão pelo cabelo. Ele está
distraído por
o que quer que ele esteja olhando em seu telefone. Eu bato em seu braço
com os nós dos dedos.
"Não muito, cara." Parece que ele exige muito esforço para colocar seu
telefone
longe. Meus olhos se estreitam. Ele é tão viciado nessa maldita coisa
quanto qualquer um que eu

Página 85
sei, mas algo está errado. Bishop assinala em seus dedos. “Fora do
registros escolares e o acúmulo de formulários para os quais dei o
código, ela é como uma
fantasma. Eu perguntei por aí, mas sua pequena senhora só é conhecida
por aqui como uma
caso de caridade para a cota de diversidade econômica do distrito
escolar. ”
Minha boca puxa para o lado quando chegamos ao estacionamento. Eu
estava preocupada ele
diria isso.
Todos nós imediatamente odiamos Blair à primeira vista por não
pertencer.
Ela se destaca em todos os sentidos, desde o uniforme incompleto até a
comida
almoços programados. Ela é inevitável. Eu odeio que eu ache ela
impossível
ignorar pelo ninguém que ela é.
Ignorar Blair nunca foi uma opção para mim. Seja o que for
ela, exige minha atenção como uma maldita mariposa em chamas.
Blair me olha como se estivéssemos no mesmo nível. Totalmente
errado, pequeno inseto . eu
quero esmagá-la sob meu sapato por sua insolência.
Se eu vou colocá-la de volta em seu lugar, faça-a entender que ela está
nunca arranhando seu caminho para fora de sua posição nos degraus
inferiores abaixo de mim,
então eu preciso saber quais são seus pontos fracos para pressionar os
botões com mais força.
Quanto mais eu a empurro, mais perto chego do controle total sobre ela.
"Se você ouvir alguma coisa, me avise." Paramos ao lado do meu
carro. Eu desbloqueio
, incline-se e pegue meu maço de cigarros. Eu tiro um, deslizando o
cigarro
entre meus lábios. Bishop recusa quando eu lhe ofereço um. “Vamos
nos foder
esta noite. "
Bishop sorri. "É melhor você ter a sua cura para ressaca pronta para
mim
antes da escola então. ”
"Foda-se, vou cortar amanhã." Minha boca se inclina nos cantos em um
sorriso arrogante. "E é melhor meu capitão não me culpar por isso."
"Justo, justo." Bishop ri. A diversão desaparece quando ele verifica
seu telefone e é sugado novamente com foco de laser. O que há com
isso?
"Eu, uh ... provavelmente cortarei amanhã também."
Bishop sai para sua carona e eu entro no meu carro, balançando meu
cigarro
fora da janela.
Usando minhas conexões e acesso no escritório para orquestrar Blair's
a demissão da equipe de atletismo não foi suficiente. Eu vou esmagá-
la, quebrá- la
além do reparo. Ela assinou um acordo com o diabo, e quando eu
terminar
ela, ela não será nada além dos cacos da garota que me cruzou.
O erro fatal de Blair foi acreditar que o jogo poderia terminar feliz para
ela.
Ela tem meu ódio e vou enterrá-la viva com isso.

Página 86
DOZE

Página 87

DEVLIN
O período do almoço tem sido um longo exercício de autocontrole
preciso neste
ano.
Eu me inclino contra a mesa em meus cotovelos e me viro para encarar
a sala. Minhas
as pernas estão esticadas, cruzadas no tornozelo. Blair está do outro
lado da sala, sentada
na mesa perto da janela.
Assim como no ano passado.
Com o semestre mal encaminhado, tive que me conter
tirando várias vezes. Hoje estou chegando perigosamente perto do meu
limite. eu
preciso de algo para queimar essa energia raivosa antes que ela me
engula por inteiro
e libera meu monstro interior.
Talvez seja a ressaca de ontem.
Deveria ter ficado em casa, mas dar uma trégua àquela vadia
sorrateira não é
a agenda .
Eu preciso dar um soco em algo. Ou fumar. De preferência, ambos.
Tia Lottie e tio Ed verão através de mim se eu aparecer
jantar esta noite com este humor. Eles sempre sabem quando algo está
errado com
Eu.
Eu inclino minha cabeça de um lado para o outro para quebrar meu
pescoço, mas isso não faz nada para dissipar
a coceira rastejando sob minha pele.
Bishop está aqui, pelo menos. O resto das pessoas que se reúnem para
nós como se fôssemos
deuses me deixam louco.
No ano passado foi mais fácil fingir interesse no horário de almoço de
Lucas, mas ele
era como uma estrela brilhante atraindo admiradores, dourada e
perfeita. Era
óbvio para ver por que as pessoas amavam o zagueiro estrela. É uma
pena que não

Página 88
como meu primo - muito paquerador, muito vulgar, muito sujo, muito
isso, muito aquilo, também
muito .
Agora tenho que trabalhar para esconder o fato de que me importo com
muito poucas pessoas em
este mundo. Se eu não me importo com eles, então ninguém pode parar
de cuidar de mim,
qualquer.
Nossa mesa no centro da sala está lotada de pessoas - todas de plástico
e falso. Bailey se senta perto. Eu posso dizer que ela está criando
coragem para apostar
sua reclamação sobre mim pelas leves contrações de sua boca. Talvez
ela esteja falando
-se nisso, raciocinando que embora eu flerte com todas as garotas da
escola,
de alguma forma, era especial quando eu era charmoso com ela.
Não foi especial. Simplesmente uma máscara bem trabalhada para
manter as pessoas em seus
Lugar, colocar.
Minha atenção se concentra em Blair mais uma vez. Seu cabelo escuro
cai,
formando uma cortina ao redor de sua cabeça curvada. Seus ombros
estão em linha reta,
orgulhosa, mesmo quando ela tem o desprezo de todos na escola,
incluindo eu.
Ela não poderia colocar mais uma vibração de deixe-me em paz se
pendurasse um banner
letras em negrito no alto.
Bishop está segurando a corte do meu outro lado, sua voz profunda
sendo a única
isso me atinge acima do barulho da conversa de fundo. Todo mundo
está comendo fora
da palma de sua mão, seus gritos de riso irritantes.
"Então, Dev está com a garota desse garoto da fraternidade em seu colo,
certo." Bispo dá uma risadinha
seu punho. “O cara é um idiota pra caralho, mas Dev está tipo 'Não,
você está certo. Se seu
o nome está na bunda dela, devemos verificar. Justo é justo. ' e a pobre
garota pensa
ele está brincando. Legit, ele se levanta, e o garoto da fraternidade está
cagando tijolos
quando ele tiver uma ideia da altura do nosso menino. "
“Você está tão fodido, mano,” Sean ri, empurrando minha cabeça por
trás.
Isso me pega desprevenido. Meus ombros ficam rígidos. Eu estava
muito ocupado assistindo
Blair em vez de ficar de olho nos arredores.
"Hah, sim, bem." Minha voz está quebradiça e fria. A mão do sean
desaparece. "Eu não iria puxar a saia dela na frente de todos sem
o consentimento dela. " Eu encolho os ombros. “Ela estava nisso. Ela
queria um papai, se você sabe
o que eu quero dizer."
Eu pisquei para Bailey.
Na verdade, aquela garota queria algo perigoso para excitá-la. eu era
misterioso e disponível quando ela me encontrou fumando do lado de
fora, e ela
gostei da emoção quando minha mão escorregou por baixo de sua saia
sob o brilho

Página 89
luzes de néon na casa da fraternidade. Eu não toquei nela, mas ela agiu
como se eu estivesse
dedo transando com ela para qualquer um ver.
Bailey faz um pequeno som ao meu lado. Ela está corando e com os
olhos arregalados. eu
pode ver a luta interna em sua expressão, debatendo se deve mover
longe de mim ou fique perto, porque estar perto de mim vem com um
status na cadeia da hierarquia social.
Meu lábio quase se curva com sua força de vontade patética quando ela
se aproxima
em vez de fugir, mesmo depois de ouvir a história. Me faz querer
fique de pé na mesa e grite para todos eles que eu não sou bom ou legal
ou
algum cavaleiro alto, moreno e bonito.
Se qualquer coisa, eu sou o maldito vilão, a coisa que se esconde nas
sombras
de pesadelos.
Eu levo um segundo para me concentrar na minha respiração antes que
alguém perceba o
maneira que estou arrastando ar para os meus pulmões. Meus dedos se
contraem. É um milagre que guardo
meu joelho de saltar neste ponto.
Não sou nada sem o controle vigoroso sobre meu trapaceiro desonesto
mascarar. Todo mundo se concentra no que eu quero mostrar a
eles. Enquanto eles veem o meu
distração, eu escondo meu rosto real por dentro, distorcido e feio e
desagradável
terror.
Espinhos envolvem meu coração em uma confusão de amoreiras. Meus
próprios pais não
me ama, então deve haver algo errado comigo. Eu pertenço à escuridão.
Do outro lado da sala, Blair empurra sua bandeja de almoço vazia para
o lado e tem
o nariz dela em um livro. Isso irrita a coceira ardente, tornando minha
pele muito tensa. Ela
não consegue relaxar e se divertir enquanto estou pronto para rastejar
para fora do meu
corpo de tudo trancado dentro de mim.
Foda-se isso.
Se eu sofrer, ela vai sentir minha ira dez vezes mais.
"Ei."
Com uma palavra, a mesa chama atenção. Todos os olhos estão em
mim. Bispo
e eu posso governar esta escola juntos como os melhores, mas quando
eu falo, todos eles
escute, porra. Eu sorrio para o meu alvo desavisado.
Má jogada, meu brinquedinho . Regra número um: esteja sempre
preparado. Se vocês são
não, vou causar mais estragos .
“Quem quer ver um truque bacana que eu aperfeiçoei?” Eu inclino
minha cabeça para trás para
examine-os, forçando meu corpo a relaxar e se esparramar contra a
mesa.
O rei demônio está em sessão em seu trono.

Página 90
Bailey se acende primeiro, como se eu tivesse pessoalmente me
oferecido para me ajoelhar entre ela
pernas. “Oh, sim, sim! Que tipo de truque? Magia?"
Minha boca se curva. “Mais ou menos como mágica. Você vai ver."
Eu tiro meu telefone do bolso e encontro meu tópico de mensagens com
Pequeno ladrão .
Devlin: Venha aqui.
A cabeça de Blair surge do outro lado da sala. Ela franze a testa. Eu
torço meu dedo
e ela revira os olhos.
As tarefas têm sido fáceis demais.
É hora de isso acabar e o verdadeiro jogo começar.
Quando Blair se aproxima da mesa, alguém atrás de mim zomba. "O
que você faz
quer?"
Blair para na minha frente com os braços cruzados. Há atitude em cada
centímetro
de sua postura enquanto ela inclina o quadril para o lado. Eu a deixei
segurar aquele pedaço de
independência obstinada, preparada para arrancá-la dela com este
comando.
"É parte do truque", murmuro. Inclinando minha cabeça para olhar para
todos, eu
permitir que um sorriso sinistro se liberte. "Vê isto. Eu tenho Anne
Raggedy
bem treinado. Ela fará qualquer coisa que eu mandar, como minha
bonequinha. ”
Blair faz um som sufocado e eu dou a ela um olhar exultante. Eu pego
um
grande cantil de água que Sean carrega e entrega a Blair. Está cheio para
o
borda. Seus dedos estão frios quando tocam os meus, aceitando a
garrafa.
Discretamente, eu murmuro o quanto ela vai ganhar - trezentos dólares.
"Despeje em você mesmo."
Meu pedido é frio, duro, sem emoção. Bailey engasga ao meu
lado. Algum
das mesas lotadas ao nosso redor estão olhando, assistindo a cena se
desenrolar.
Blair permanece imóvel, a mandíbula travada enquanto ela me encara
com fogo queimando
nos olhos dela.
Meu sorriso hostil se estende ainda mais. "Faça."
Todos ao redor esperam com a respiração suspensa, se inclinando
coletivamente.
tensão e antecipação pressionam de todos os lados. Ninguém quer Blair,
possivelmente ciente da mesma coisa que eu. A luta é clara como o dia
no
linha rígida de seu corpo e aperto mortal na garrafa. Eu posso adivinhar
o que está acontecendo
por sua cabeça - orgulho versus quanto dinheiro ela precisa.
Para merecê-lo, ela se submeterá aos meus caprichos. Ela é louca para
fazer isso, para
se humilhar de bom grado. Mas quando ela solta um pequeno suspiro e
inverte

Página 91
a garrafa de água em sua cabeça, a emoção que percorre meu corpo é
inegavelmente
satisfatório.
Em segundos, Blair está encharcada, seu sutiã é visível através da
camisa branca
grudando em sua pele. Seu peito arfa e ela inclina a cabeça para deixar
seu cabelo
pendurar em uma massa escura cobrindo seus olhos.
Uma risada áspera sai de mim. “Que boa menina você é, pegajosa
dedos."
Aplausos e risadas explodem pela sala. Jeers voa.
Blair fica parada, toda molhada, os ombros tremendo.
"Você treinou a vadia!" Corvos de Trent.
"Boa menina, boa menina!" As pessoas zombam e gritam em meio a
suas estridentes
diversão. “Alerta de cachorro molhado!”
“Algo fede!”
Várias pessoas na mesa ao lado fazem sons de beijo para chamar
Blair como se eles fossem chamar um cachorro.
Blair aguenta tudo em silêncio. Ela desistiu de respostas e reações
no primeiro ano, uma vez que ela descobriu que as pessoas iriam atrás
dela, não importava
o que.
Sua obediência silenciosa é minha recompensa para colher, a música de
riso cruel para
as minhas orelhas.
“Cara,” Bishop murmura, sentando ao meu lado no banco. "O que
dá? ”
Eu ofereço a Bishop um sorriso secreto.
Meu olhar passa por Blair, encontrando o olhar que ela me lança por
trás
o cabelo dela. A fúria abrasadora naqueles olhos castanhos profundos
puxa meu peito e
mais baixo, meu estômago apertando. A sala se estreita para a
intensidade Blair
dirige para mim.
Em um estranho senso de admiração, eu olho para ela como se esta
fosse a primeira vez que
já a vi.
Com sua atitude despojada de volta a esta força simples em seu
vulnerável
estado, eu vejo beleza.
Blair é gostosa, se você conseguir superar o fato de que ela é uma
criminosa.
Meus dedos se contraem por uma razão diferente da agitação que eu
lutei contra dez
minutos atrás, as pontas dos dedos se esfregando para mantê-los longe
do
tentação de seus peitos pequenos e empinados. Merda, se ela der um
passo, posso agarrar
sua.

Página 92
"Nós temos um acordo", eu explico, saindo do estranho parafuso de
calor que passou entre nós. Deve ser a camisa transparente. “Isso é parte
de
isto."
Blair respira fundo e me entrega o cantil vazio. “O almoço está quase
sobre."
"Eu não terminei de olhar para você ainda", eu contraponho, me
inclinando
cotovelos, levando meu tempo estudando-a.
Bishop bufa. "Você é um idiota malvado, mano."
"Não se preocupe." Eu balanço minhas sobrancelhas e coloco minha
língua em minha bochecha.
"Ela receberá sua recompensa."
Os caras da mesa entendem que eu quero ser sexual, reagindo como um
bando de animais.
Blair lança outro olhar para o chão. O beliscão de raiva entre ela
sobrancelhas é algo que tenho o desejo de traçar e aprender a forma com
meu
língua.
O que é isso ...
Minha cabeça está mais bagunçada hoje do que eu pensava.
"Hum." Thea Kennedy chega atrás de Blair com guardanapos. Ela
oferece
eles. "Eu trouxe isso para você."
Bishop fica tenso, respirando fundo. Eu lanço um olhar questionador
para
ele. Seu foco está completamente travado em Thea, sua expressão como
um faminto
leão abrindo a boca para morder um coelho.
“Obrigada”, murmura Blair, aceitando-os.
Thea paira enquanto Blair se dá um tapinha. Ela atira em Bishop e eu
um
olhar de desaprovação. Este goody-goody é um pouco buzzkill que
provavelmente
pensa que o mundo é luz do sol e arco-íris.
Bishop explode de sua cadeira e fica na cara de Thea. É risível
porque ele é um gigante ao lado dela, quase precisando se inclinar para
alcançá-la.
Thea é mais baixa que Blair, até.
Thea congela, segurando os guardanapos contra o peito. "U-hum,
Connor."
"Você foi convidado aqui?" Bishop exige.
Thea pisca. "Não. Mas isso não importa. ” Ela levanta o queixo.
"Blair precisava de ajuda."
" Blair precisava de ajuda?" Bishop imita, circulando atrás dela. Ele
aperta o seu
mãos em seus ombros. "Você ouviu isso, Dev?"
"Claro que sim." Com um grunhido, eu me levanto e vou até a casa de
Blair
espaço pessoal. "Você precisava de ajuda, Davis?"

Página 93
Comunico qual seria a resposta dela com meu olhar duro. Blair
trabalha sua mandíbula, então suspira.
"Não", ela murmura em um tom monótono.
A energia rebelde enjaulada flui dela quase como se fosse um meio de
vida
entidade, roçando contra mim como uma isca. Eu quero sua
desobediência e motim
para que eu possa ter um prazer extra em fazê-la se curvar à minha
vontade. Eu sufoco
o desejo de afastar o cabelo molhado de suas bochechas.
Os grandes olhos de Thea dançam entre Blair e eu com seu lábio inferior
contraído
entre os dentes. "Nós vamos-"
- Você sabe, - Bishop fala arrastado próximo ao ouvido de Thea,
sorrindo para ela vacilar.
Ele traça os ombros dela, puxando as mangas grossas do suéter que ela
vestindo em vez do blazer da escola. “A única coisa que uma garota da
porta ao lado é
bom para aquecer meu pau. " Ele se inclina mais perto o suficiente para
que seus cachos ruivos
toque seus lábios enquanto ele fala em um silêncio sinistro. “Você está
oferecendo, vizinho? Vocês
pode deixar seu suéter de vovó. "
Eu entendo suas palavras porque elas estão ao nosso lado.
Thea tropeça em seu próprio pé enquanto tropeça para fora do alcance
de Bishop.
"Você ... Você-"
“Eu,” Bishop declara com um movimento orgulhoso de seus
braços. "Tudo eu, baby."
A maneira como ele diz isso sugere algo mais no significado.
Thea parece entender perfeitamente. Ela balança a cabeça como se não
pudesse
acredite em seus olhos. Sua expressão desmorona e ela sai correndo,
derramando lágrimas
longe.
Bishop a observa recuar com a mandíbula cerrada. A escuridão
obscurece o seu
olhos. Eu olho de Thea para Bishop. Estou preocupada com o que está
acontecendo nele
mente ultimamente.
Quando volto para a mesa, todos estão olhando para o dois por um
show play out. Há sede de sangue em cada rosto, o drama se desenrola
bom demais para ignorar.
“Faça o cachorro fazer outro truque”, sugere Trent.
Sean e os outros explodiram em gargalhadas.

Página 94
TREZE

Página 95

BLAIR
Está frio pra caralho. E umida. Desconfortável.
Minhas roupas grudam na minha pele. A risada não é tão ruim, mas
aquele idiota
Trent me chamou de cachorro .
Porra. Esta.
“Ugh,” eu rosno baixinho.
Meu ombro bate no peito de Devlin enquanto eu deixo os idiotas
cacarejantes
atrás. A porta bate quando eu entro nela, uivos seguindo meu rastro.
Esta escola nada mais é do que um bando de hienas raivosas.
Mais adiante no corredor, eu pego o borrão desaparecendo de Thea
Kennedy como
ela vira a esquina com pressa. Eu poderia ir atrás dela e agradecê-la por
me defendendo, mas estou chateado e preso em roupas molhadas.
A pesada porta de madeira se abre atrás de mim. Eu giro para encontrar
Devlin.
Excelente. Meu mestre selvagem me seguiu até o corredor.
Uma garota furiosa não pode ficar cinco minutos sozinha?
Ficamos ali por um momento. Meus punhos flexionam ao meu lado
enquanto ele apóia
contra a parede, considerando-me. Ele está muito focado em meus
seios.
“Dê-me meu dinheiro,” eu exijo, jogando minha mão em
expectativa. "EU
fez isso, então me pague. ”
Tudo em Devlin é afiado, cortado e esculpido como
mármore. Resfriado.
Duro. Imóvel.
Devlin acaricia seu queixo, inclinando a cabeça
“A questão não é se você seguiu as ordens, mas com que rapidez
obedecido. ”
"O que?" Eu respiro, espreitando em direção a ele. "Você está
brincando comigo? Vocês
não disse que tinha que fazer isso com um limite de tempo. Você me
chamou e me disse para

Página 96
- ”Eu perco minhas palavras, queimado pela minha raiva. Eu jogo
minhas mãos ao redor para
preencha o espaço. “—Na frente de todos .”
"Não se preocupe." Devlin ergue um ombro, descuidado,
insensível. "Vocês
não tem uma reputação a arruinar em primeiro lugar. Você é apenas
suas etiquetas para
eles. Rato de sarjeta, lixo, caridade indesejada. ”
Meu peito arfa enquanto eu arrasto em suspiros dolorosos. Minhas
emoções estão correndo
longe de mim, escorregando por entre meus dedos. Eu trabalho tanto
para não deixar
tudo o que acontece neste buraco do inferno me atinge. Algo dentro é
rachaduras em advertência. A barragem está se fragmentando,
ameaçando desencadear o
torrente de tudo que eu seguro.
Com um som frustrado, eu empurro Devlin. "Pague-me, droga!"
"Não." Devlin sorri, arrogante e maldoso. “Ganhe na próxima
vez. Esses são
as regras."
“Você não me contou todas as regras! Você continua mudando eles! ”
Ele agarra meu pulso quando vou empurrá-lo novamente. "Sim eu
fiz. Minhas regras
é o que eu digo vai. ”
Devlin me libera com um escárnio nada impressionado.
A barreira desmoronando dentro de mim se quebra em outro ponto.
Eu o odeio! Por que eu pensei que poderia confiar que ele não voltaria
em seu
palavra? Ele é um homem, é claro que vai me enganar.
Chegando ao rosto de Devlin, eu assobio, “Eu sabia que não podia
confiar em você. eu deveria ter
sabia que sua palavra não valia a pena! "
Algo malévolo cruza os olhos de Devlin, um lampejo de veracidade
por trás de seu verniz imaculado. O ódio que vomito em seu rosto é uma
distração.
Enquanto ele está focado em outro lugar, coloco meus dedos em seu
bolso com
praticou destreza e destreza, pegando sua carteira. Eu vou me pagar
o que devo.
"Sua mãe deve estar tão orgulhosa de ter um encantador de serpentes
mentiroso para um
filho."
Devlin rosna e se move tão rápido que não tenho tempo para
processar. Um
minuto em que minha mão está a segundos de liberar sua carteira, no
próximo ele tem meu
pulso em sua mão, puxando-o acima da minha cabeça.
Eu suspiro. “O que—”
“Ainda quer continuar correndo essa boca? Isso é o máximo que você
já fez
falou comigo, eu acho. ”
Há um tom perigoso em sua voz, uma nitidez irregular que
pica nas minhas terminações nervosas e faz meu coração disparar. O
cheiro de couro

Página 97
e o gengibre me cerca, intoxicando meus sentidos. Minha pele fica
quente enquanto ele
olha de soslaio para o contorno dos meus seios, a camisa molhada
colada no meu peito agradece
a um cantil cheio de água.
Devlin olha para meu pulso preso com a precisão de um
predador. "Você quer
para entrar nas minhas calças? "
O calor lateja entre minhas coxas e a vergonha me atravessa.
Que diabos?
Eu mudo um pouco e o aperto de Devlin aumenta em meu pulso.
"Se você queria tanto nas minhas calças, tudo que você tinha que fazer
era pedir."
Ele me pressiona, empurrando meu corpo contra a parede fria de
azulejos. Isto
morde minha camisa, infiltrando-se em minha pele, justaposta pelo
calor que
rola para fora dele quando ele pisa em mim. Meu coração bate no ritmo
da pulsação
no meu clitóris.
Eu trago minha outra mão para empurrá-lo de cima de mim, mas assim
que minha palma
cai sobre ele eu congelo.
O peito de Devlin é duro, musculoso e ... quente .
Ele dá um tapa na palma da mão perto da minha cabeça, me fazendo
sufocar um salto assustado. Seu
olhos semicerrados, mantendo-me presa no lugar com seu corpo e seu
olhar penetrante.
"Vou fazer você ganhar seu apelido para dedos reais e pegajosos",
Devlin
murmura em um tom áspero. Ele libera meu pulso preso em favor de
tocando minha cintura, provocando seu polegar em minhas costelas até
que ele roça o
parte inferior do meu peito. Seu nariz toca minha têmpora úmida. “Eu
vou todos
sobre eles e deixar você uma bagunça. "
Minhas entranhas começam a se revoltar, derretendo e explodindo à
esquerda e à direita. Eu pressiono
mais para dentro da parede sólida e Devlin segue, não permitindo
qualquer alívio de
o calor de seu corpo ou a sensação de seu abdômen. Ele inala, traçando
seu nariz no
lado do meu rosto.
"O que você está fazendo?" Minha voz está estremecida. Eu aperto o
dele
camisa engomada em minhas mãos. “Nós nos odiamos.”
Eu deveria odiá-lo por isso. Tenho que descobrir antes que isso saia do
controle.
Mas procurando dentro de qualquer fragmento de lógica, não encontro
nenhum, apenas o insano
faísca de atração.
Como posso ficar excitado com o olhar perverso nos olhos de Devlin
enquanto ele segura
minha cintura e respira contra minha pele? Isso é loucura.
Eu preciso parar com isso. Precisa retaliar. Eu quero dar um tapa na cara
dele,
mas tenho medo de quebrar uma de suas regras não ditas arbitrárias. E
se ele

Página 98
termina nosso acordo com alguma quebra de contrato
besteira? Perdendo o
só o fluxo de caixa que tenho não é uma opção.
"Você nunca ouviu falar de sexo com ódio?" Devlin ri no meu pescoço,
e, oh, merda , isso não deveria ser tão bom quanto parece. Estou
mortificado pelo
maneira que agarro sua camisa com as duas mãos. "Se você tentar essa
merda de novo, eu terei
você de costas com a mão ou boca em volta do meu pau tão rápido você
não será capaz de recuperar o fôlego. ”
Seus lábios roçam meu pescoço quando ele fala. Envia uma onda de
arrepios
através da minha pele, a explosão de ondas quentes e frias. Eu tremo,
incapaz de abafar
um pequeno som quando aperto minhas coxas juntas em uma tentativa
de aliviar o
enrolamento de pressão mais apertado.
"Devlin", eu sussurro, com a intenção de terminar aquele nojento
ofegante
frase dizendo a ele para dar o fora de mim.
Ele me dá um estrondo em resposta, o som primitivo profundo me
fazendo
contorcer-se. Injusto e nada legal. Como diabos ele é capaz de fazer um
soa sexy assim?
Devlin ri no meu pescoço superaquecido. É rápido, mas me surpreendo
com a dica
de seus dentes arranhando minha pele sensível.
"O que-"
A campainha toca, interrompendo o que está acontecendo agora.
Devlin fica tenso. Eu sinto o aperto de seu abdômen contra mim. Logo
antes
alunos se espalham pelo corredor, Devlin me deixa com frio, molhado
e sozinho,
colado na parede com meu rosto em chamas. Seu rosto é ilegível
escudo, como se ele não fosse afetado pela nova maneira cruel que ele
inventou para brincar comigo.
Pegando minha mão mole, Devlin coloca um maço de dinheiro nela e
me empurra
através da porta do banheiro próximo, murmurando: "Limpe-se, você
maldita praga. "
A porta bate atrás de mim antes que eu tenha a chance de girar e
dê uma bronca nele. Eu coloco minha cabeça no corredor, mas ele se
foi.
Franzindo os lábios, eu me retiro para o banheiro, reivindicando a tenda
mais distante
da porta e me barricar para dentro. Eu me encosto na parede,
esfregando meu rosto.
"Que porra é essa," murmuro contra as palmas das mãos.
Eu bato o fundo do meu punho contra a tenda, saboreando a satisfação
golpe que faz.
Todo o meu corpo está tremendo e desconfortável com as minhas
roupas, mas
por baixo de tudo, um zumbido despertou dentro de mim.

Página 99
Esta batalha de vontades é muito mais perigosa do que eu pensava. eu
preciso ser
cuidadoso para que eu possa descobrir como contornar as regras
arbitrárias de Devlin que dão a ele
controlo total.
Ele tem outra coisa vindo se ele acreditar que vou lhe entregar o poder
meu corpo também.

Página 100
QUATORZE

Página 101

DEVLIN
Tão impossível de ignorar como sempre, Blair permanece presa na
minha cabeça por dias
como os teimosos espinhos de uma rosa.
Ela invade minha escola, minha casa e meus pensamentos.
No vestiário masculino, rodeado pelos outros caras do time, eu
desleixado no banco de madeira. Meu uniforme de futebol está pela
metade, minha camisa pendurada
sobre um ombro e minhas chuteiras ao meu lado.
É uma noite de jogo, mas minha cabeça não poderia estar mais longe
do foco. Minhas
tia e tio estão no campo para assistir antes de sairmos para jantar.
À minha frente, Bishop parece estar no mesmo barco pela primeira
vez. Ele
enfia a mochila no armário e se senta no banco sem o blazer,
camisa desabotoada e gravata meio desfeita e esquecida.
Minha testa franze por um segundo antes de eu alisá-la. Bispo
geralmente é o
o primeiro pronto antes de uma partida para que ele possa vagar pelos
corredores do vestiário
à medida que mudamos, bombardeando-nos com lembretes sobre
nossos oponentes. Ele
raramente perde uma oportunidade de dar uma palestra estimulante,
mas esta noite sua cabeça não está
o jogo.
Bishop nunca se cala sobre futebol, a única coisa que ele vive e respira,
então algo está definitivamente acontecendo com ele.
Em vez de se preparar para a nossa partida, ele está absorto no telefone
novamente.
Olhando ao redor para ter certeza de que Trent e Sean partiram para
pegar a bola
bolsa, eu apoio meus cotovelos em meus joelhos.
"E aí cara? É mais coisa com seus pais? ”
Os olhos de Bishop erguem-se para encontrar os meus. "O que?" Ele
pisca. "Não não. Seu-
Não se preocupe com isso. Não é nada."

Página 102
Antes que ele esconda seu telefone, eu pego um vislumbre da garota na
tela, um
pequena gostosa pelo que parece, com seu suéter grosso puxado para
cima
expor seu estômago e sugerir seios cheios aparecendo por baixo. Eu
bufo,
balançando minha cabeça. Bishop está louco por causa de alguma
garota?
Eu não estava preocupado por nada.
"Eu vejo." Rindo, eu bati no joelho de Bishop com um toque
brincalhão. Ele sorri,
guardando seu telefone. Quando ele encontra meu olhar novamente, ele
é meu futebol
melhor amigo obcecado. "Ali está ele."
“Vamos esmagar esses caras. Eles não vão nos ver chegando. ”
Eu bato meu punho contra o dele quando ele o levanta.
O time de futebol do colégio pode ser menos chamativo do que nosso
time de futebol, mas
entre Bishop e eu, somos uma força a ser reconhecida. Eram ambos
jogadores calculistas. Nosso ataque inflexível de dois homens arrasa
nossos oponentes
toda vez que Bishop pega a bola da linha defensiva e
move-se para jogos de ataque ao lado da minha posição de ataque.
Eu puxo a camisa sobre a minha cabeça, passando a mão pelo número
6 no meu peito.
Foi no campo de futebol que cultivei meu apelido de demônio. Bispo
sempre brinca que, como atacante, meu número atribuído deveria ser #
9, mas eu
insistiu em jogar como # 6 assim que minha reputação como o diabo
das trevas surgiu e
cresceu.
Bishop veste sua camisa # 10 e fica diante de mim. "Você vem?"
"Bem atrás de você."
"Dois minutos." Bishop bate em seu pulso.
Eu aceno para ele enquanto ele corre ao redor do vestiário para
arrebanhar nossos
companheiros de equipe.
O eco de armários batendo e a conversa dos outros caras viaja
pela sala.
Fechando meus olhos, eu imagino a garota no telefone de Bishop, mas
ela
curvas mudam automaticamente para pele clara, peitos pequenos e uma
cascata de
cabelo preto. Meu pau estremece com interesse.
Me incomoda que eu não senti nada olhando para aquela foto que
Bishop tinha. Certo,
foi rápido, mas longo o suficiente para entender a essência da foto
sexy. Não
onda de calor na minha virilha.
Eu me recosto no armário.
A única garota em minha mente é Blair, meus pensamentos preenchidos
mais uma vez com
a repetição do que aconteceu entre nós no corredor durante o almoço.

Página 103
O calor que eu esperava antes cai no meu estômago. Eu respiro
, enrolando minhas mãos em meus shorts.
Blair não me empurrou, como eu suspeitei que ela faria quando eu
toquei
sua. Para uma sobrevivente, ela tem terríveis habilidades de
autopreservação. Sabendo que posso
pressiono seus botões com meu melhor trunfo, pretendo usá-lo a meu
favor.
O tabuleiro de xadrez muda, se reformando e se adaptando a algo que
irei
tenha um prazer supremo com.
De manhã, espero no armário de Blair. Eu quero estar aqui quando ela
abrir
para encontrar o pacote especial que escondi dentro com a ajuda do
zelador
antes do início das aulas. Algumas pessoas param para dizer oi e
perguntar sobre o meu
planos de fim de semana. Eu posso ver a curiosa suspeita em seus olhos,
me perguntando por que
Estou aqui, em vez de no estacionamento com Bishop.
Blair para a vários metros de distância quando chega. Eu não a avisei
com um
mensagem desta vez. Eu não vou dar a ela espaço para respirar entre os
comandos,
aplicando pressão com mais força.
Ela fecha a distância entre nós e me ignora enquanto gira o botão
em seu armário. Eu me apoio ao lado dela, observando. O cabelo dela
é
parcialmente úmido de um banho matinal e sinto o cheiro daquele
barato
imitação de baunilha flutuando dela.
Blair dá uma olhada para mim antes de abrir o armário. "Por que você
é
aqui?"
Eu encolho os ombros descuidadamente. "Na escola? O estado exige
um número mínimo
de dias para os alunos se formarem - ”
- Ai, meu Deus, cala a boca - geme Blair. "Por que você está no meu
armário?"
"Por que você teve que vir para a minha escola?" Eu rebato, inclinando-
me sobre ela.
Ela se mantém firme, semicerrando os olhos para mim. Coisinha
teimosa. Uma vez
ela abre aquele armário, ela saberá melhor.
Eu faço um show ao verificar a hora em um relógio invisível. "Melhor
se apressar.
Você vai se atrasar para a aula. ”
"Isso não significa que você deve mexer seu traseiro também?"
“Eu tenho auxiliar de escritório para homeroom esta manhã. Tomando
atendimento. ”
Quando ela revira os olhos, eu sorrio.
O armário se abre e eu saboreio o momento exato em que Blair faz uma
pausa.

Página 104
"Que diabos", ela murmura, pegando a sacola de presente. Ela congela
quando
ela espia dentro. "O que. O. Inferno . ”
Ela lança um olhar confuso para mim. Eu dou a ela um sorriso
desafiador
resposta.
"O que é isso?" Blair gesticula bruscamente para o armário.
Eu espio dentro da bolsa e contenho um sorriso sádico para o novo
Silver
Uniforme Lake High School, completo com um blazer e sapatos novos.
No topo fica um item extra especial: uma coleira de couro.
Ele tem uma placa de identificação prateada que diz Sticky
Fingers . Minha nota aparece
debaixo do colarinho, onde escrevi instruções para vestir tudo no
bolsa para a escola ou então haverá consequências terríveis - como
nenhum pagamento.
Abaixo disso, escrevi $ 750 .
"Acho que você encontrará todas as respostas de que precisa dentro
desta bolsa." Eu aceno um
mão preguiçosamente e apóio meu ombro contra a borda do
armário. "Parece
como se você não fosse mais se destacar por ter um uniforme
incompleto. Como
generoso."
Blair zomba e aponta a gola com o dedo. “E isso ? Você está fodendo
brincando comigo?"
Minha boca se estende mais ampla enquanto a diversão floresce em meu
peito. "Não em
o mais leve. Você está dizendo que prefere escolher a outra opção de
nosso
acordo?"
Eu puxo meu telefone pela metade do bolso.
Blair segura a mão no meu pulso, apertando com força. "Não!" Quando
eu cantarolar,
ela solta um suspiro. "Jesus."
Ela me solta e esfrega a testa. Seu olhar salta ao redor do
corredor. Um de seus vizinhos de armário alguns lugares abaixo a faz
engolir em seco.
Eu finjo verificar meu relógio inexistente novamente. “Tiquetaque,
Davis.
Não quero se atrasar para a aula, lembra? Devo marcar você como
ausente
quando vou para o escritório? ” Eu tsk com desaprovação. “Muitos dias
ausentes irão
aumentar seus deméritos, você sabe. Poderia colocar o status da sua
bolsa em
risco."
“Cale a boca,” Blair se encaixa.
Eu me movo para bloqueá-la entre mim e o armário, apoiando minhas
mãos
ambos os lados de sua cabeça. Uma expressão fria se instalou em meu
rosto. “Cuidado,
pequeno defeito. Com essa atitude, você está me fazendo querer
esmagá-lo
meu calcanhar. ”

Página 105
A mandíbula de Blair aperta enquanto ela se torna o menor possível,
mantendo um
alguns centímetros de espaço entre nós. Ela não quer repetir o que
aconteceu outro dia.
“Faça o que a nota diz, ou o jogo acaba.”
Eu sigo seu pescoço com um toque delicado, em seguida, pressiono o
ponto macio sob
seu queixo, direcionando seu rosto para o meu. A garganta de Blair
funciona enquanto ela
engole. Seu olhar é rebelde, atirando veneno ácido em mim com seu
rico
olhos cor de uísque.
Blair é uma chama incontrolável que eu quero tocar se me queima
ou não enquanto eu o domo sob meu controle.
Eu olho em seus olhos, apertando seu queixo entre meu polegar e
dedo indicador. Minha atenção cai para aqueles lábios carnudos e
carnudos. Eles estão rachados
hoje, como se ela os lambesse com muita frequência. Mudando meu
polegar, eu escovo a ponta do
seu lábio inferior com meu polegar.
Blair solta uma respiração áspera, quebrando minha concentração nela
boca. Ela envolve seus dedos em volta do meu pulso e crava suas unhas
curtas,
quase forte o suficiente para romper a pele. A picada estimula o desejo
de imobilizá-la
contra o armário e tome sua boca como a minha.
Eu empurro o desejo para baixo e o bloqueio com o resto do meu real
emoções. Tudo é compartimentado, enterrado profundamente sob
camadas de
sorrisos falsos e flertes. Empurrando tudo para baixo, não preciso me
importar. Eu posso
permanecer entorpecido, meu coração protegido em minha fortaleza de
ferro.
"Caia fora." Blair mostra os dentes e se sacode úmida, parcialmente
seca
mechas de cabelo de seu rosto. “Eu vou usar. É melhor você pagar. ”
Colando minha máscara arrogante característica no meu rosto, eu sorrio
para o meu pequeno
brinquedo. "Você não pode me dizer o que fazer."
Blair faz um som abafado e zangado e se afasta de mim. Ela
pega a bolsa de seu armário, batendo a porta com um estrondo
que chama a atenção dos alunos que ficam no corredor antes da escola
começa. Todos olham para mim e Blair com interesse.
O tortuoso rei da escola e o pária da escola? É um show suculento.
A tagarelice morre enquanto Blair se afasta na direção do
banheiro, me deixando louco o caminho inteiro.
Um sorriso lento e genuíno se abre em minha boca.
Eu escondo a expressão secreta atrás da minha mão até que eu me
afundo
ao controle. Com minha armadura social no lugar, eu ando pelo
corredor no
direção oposta com uma arrogância preguiçosa em meu passo.

Página 106
A expectativa canta em minhas veias para a nossa aula de inglês.

Página 107
QUINZE

Página 108

DEVLIN
O uniforme é um ajuste perfeito em comparação com a camisa grande
e mal ajustada
saia que Blair tinha antes.
Eu sigo atrás dela no caminho para o Inglês, mantendo-me longe o
suficiente para que
as pessoas não nos confundem por chegarmos juntos. A saia cai como
uma luva
sua pequena cintura, alargando-se sobre seus quadris. Sem querer, meus
olhos caem para
sua bunda enquanto ela desliza pelo corredor em direção à sala de aula.
A mão de Blair continua voando para o pescoço. A autoconsciência me
tem
lutando contra o divertimento divertido.
As pessoas ficam surpresas quando ela passa. Ninguém está
acostumado a ver
ela com o uniforme completo. Ela parece gostosa.
Um cara do time de basquete olha Blair de cima a baixo com a língua
cutucando para fora do canto da boca. Ele a assobia. “Droga,
garota! Você pode
venha aqui, baby. "
Blair o ignora, e o outro lobo assobia que a agride enquanto ela
entra na aula antes.
Algo escuro desliza por mim. Rangendo os dentes, é uma luta
não parar e socar o cara. Blair pertence a mim.
“Ei, Dev! Jogo doente na noite passada. Esse gol na última metade foi
incrível." Ele acena para mim enquanto eu passo, mas eu o gelo.
Não demonstro meu aborrecimento nem faço qualquer esforço. Tudo
que eu faço é
um desempenho para manter. O cara não vale meu tempo.
Com o canto do olho, vejo sua expressão cair. Eu faço uma nota mental
para atacar Bishop pelo que quer que ele tenha contra o cara mais tarde,
para que eu possa me vingar
quando me convém.

Página 109
Cedendo a um desejo básico de socar esse pau por olhar o que é meu
não me serve no momento. Eu não trabalho na luz, eu só opero em
pesadelos.
O Sr. Coleman não está na sala de aula quando eu passo pela porta.
Nem Bishop. Blair se senta em sua mesa em frente à minha com o
queixo
dobrado em seu peito e uma mão espalmada sobre a gola de sua
camisa. Isso é
bem abotoada, mas ela não está arriscando que ninguém descubra o que
ela
vestindo para mim. Manchas gêmeas de cor tingem suas bochechas
enquanto seus olhos se voltam para
pessoas que chegam muito perto.
Eu me movo pelo corredor entre as mesas como uma sombra sinistra,
batendo em cada mesa conforme eu passo. Passando por Blair, eu largo
minha bolsa e me empoleiro
em cima de sua mesa. Ela se recosta, um som irritado escapando dela
enquanto ela se inclina
longe de mim. Seus lábios formam uma linha enquanto ela evita meu
olhar. Aqueles escuros
cílios varrem suas bochechas sardentas.
Por um momento, estou perdido em explorar as constelações que vejo
no
sardas no nariz.
Blair cruza os braços sob os seios, se abraçando. Ela a transforma
cabeça para longe.
Os botões de sua camisa franzem. Eu sorrio quando vejo aquele
vislumbre do
colarinho sob sua blusa, bloqueado em torno de sua garganta de
porcelana.
Inclinando-me sobre ela, murmuro baixo o suficiente para apenas ela
ouvir: "Encontre-me
mais tarde."
"O que?" Blair vira a cabeça bruscamente, seu cabelo preto lustroso
balançando como
seda em volta dos ombros. "Por que?"
Eu levanto minhas sobrancelhas, silenciosamente dizendo porque eu
disse isso .
Seu queixo se projeta e ela franze os lábios. Com essa inclinação
rebelde, eles são um
sedução inegável. Eu afundo meus dentes dentro do meu lábio para
manter
eu me concentrei antes de descer e roubar o gosto daqueles lábios por
Eu mesmo.
O Sr. Coleman entra na sala, palavras cortadas chamando a classe para
atenção. “Temos muito o que cobrir hoje. Sentem-se. ”
Saindo da mesa de Blair, abro a boca para definir um ponto de encontro,
mas
Estou interrompido.
"Devlin, sente-se." O Sr. Coleman estala os dedos para mim. Ele
começa
escrevendo no quadro-negro. “Hoje vamos falar sobre a leitura de
esta semana."

Página 110
Eu atirei para ele com os olhos estreitos de aborrecimento. Pegando
meu
assento, apoio meu queixo na mão, entediado com o início da
lição.
O Sr. Coleman é um daqueles jovens professores que finge que é
ótimo com seus alunos porque ele está na moda ou algo assim. Ele
chama as meninas em
classe mais do que qualquer coisa e eles se penduram em suas palavras.
Exceto Blair. Ela não sai de seu caminho para participar da maneira que
outras meninas na classe fazem.
Com cabelo castanho bem penteado, nariz reto, covinhas idênticas e um
queixo forte, ele é o sonho americano de integridade. Ele aparece
como alguém em quem você pode confiar, e é exatamente por isso que
eu não confio. Ninguém é
fidedigno.
Ele me irrita.
Olhando para Blair, ela está igualmente desiludida com a lição. Sua
o caderno está aberto, mas seu foco está em outro lugar. Há uma
inclinação preocupada para ela
sobrancelhas. Ela nunca para de se preocupar por um segundo? Acho
que sou a culpada
por alguns de seus problemas, mas ela mesma os causou.
Eu fico olhando para o pescoço dela e imagino como fica a gola. Eu
quero ve-lo.
Toque isso.
O Sr. Coleman faz uma pausa repassando a leitura quando a porta se
abre dez
minutos de aula. Bishop entra.
"Você está atrasado, Sr. Bishop." O Sr. Coleman coloca as mãos nos
quadris como
uma zombaria de uma figura de autoridade. Nenhum aluno aqui leva
um professor sob
trinta a sério. "Importa-se de se explicar?"
“Não,” Bishop diz com atitude, levantando uma sobrancelha.
"Desculpe?"
Eu sufoco um bufo. Um pequeno som idêntico à minha direita me diz
Blair
acha isso tão engraçado quanto eu. Um calor sangra em minhas veias
com a luz
alegria dançando em seus olhos quando eles encontram os meus por um
momento.
Bishop passa pelo Sr. Coleman como se ele não estivesse atrasado. À
medida que ele desce o
corredor, sua expressão carrancuda se transforma em um brilho traído
que ele dirige
Thea. Ela encolhe os ombros e relaxa. Ele encontra seu assento,
suspirando
agitadamente.
O ar morto enche a sala. Bishop ergue os olhos para o professor e acena
mão.
"Nós vamos?" Bishop estala os dedos em uma imitação perfeita da
maneira como o Sr.
Coleman tende a. “Estou aqui para estudar.”

Página 111
Tiras se movem pela sala. Eu cutuco as costas de Bishop em um show
de
camaradagem.
O Sr. Coleman trabalha sua mandíbula, mas deixa Bishop
deslizar. “Vamos voltar ao
lição. Alguém pode me dizer o que pensa sobre a passagem do
protagonista em
página quarenta e três? ”
A mão de Thea dispara no ar, junto com vários outros alunos. O
as garotas que ele come na palma da mão balançam os braços com
vontade de
responder.
"Sim?"
“Acho que a passagem significa que é importante ser verdadeiro
consigo mesmo,”
Thea diz em voz baixa, o braço ainda parcialmente levantado.
"Sim, Thea", elogia o Sr. Coleman em um tom caloroso, apontando para
ela
energeticamente. "Excelente."
Seus dentes são muito brancos, o brilho cegante e
desconcertante. Falsa . Seu
fácil de detectar sua máscara falsa porque eu sou tão bom em esconder
que a minha não é
real, também.
Seguindo o que li nos meus livros de psicologia sobre transtornos, eu
ando de bicicleta
através das possibilidades do que se esconde sob o disfarce brilhante do
Sr. Coleman.
Thea ri, nervosa com o incentivo. Posso imaginar o sorriso tímido
ela sempre dá a ele e as estrelas em seus grandes olhos de corça.
Na minha frente, Bishop aperta seu lápis com força. A ponta quebra
contra suas notas quando ele pressiona na página de propósito. Um
vermelho raivoso
o rubor sobe sorrateiramente por sua nuca. O joelho de Bishop salta por
alguns
segundos, então ele explode de seu assento.
"Sr. Bispo, você está atrapalhando ... ”
“Foda-se,” Bishop late. "Estou fora daqui."
“Se você sair da aula, receberá detenção.”
Bishop joga as mãos no ar e bate a porta atrás de si. O
vidraça na porta chocalhos.
Thea guincha e ergue a mão. "Sr. Coleman, posso ser desculpado por
usa o banheiro? ”
O Sr. Coleman encara Thea, a queda derrotada de seus ombros
completamente fabricado. Ele acena em permissão e ela sai como um
tiro.
Meu olhar curioso vai da porta para o Sr. Coleman. Alguma coisa é
indo.
Espontaneamente, aquela foto atrevida do telefone de Bishop na outra
noite aparece
em minha cabeça. Thea usava o mesmo tipo de suéter hoje. Não tem
jeito

Página 112
ela é a garota da foto, certo?
Eu tirei isso da minha mente.
O Sr. Coleman faz outra pergunta para colocar a classe de volta nos
trilhos, mas eu
desligue-o. Em vez disso, escrevo um horário e um lugar na parte
inferior do meu espaço em branco
página. Começo do almoço, no pátio . Eu rasgo e dobro alguns
vezes em um pequeno quadrado.
Quando o professor está de costas, eu discretamente deslizo o bilhete
para
A mesa de Blair.
Blair cobre o bilhete com a mão e, por um segundo, acho que ela vai
para retirá-lo da mesa sem lê-lo. Seu olhar frio se volta para mim.
Desdobrando-o com dedos hábeis, ela passa os olhos pela nota. Os
lábios de Blair se contraem.
Colocando a nota embaixo do caderno, Blair volta sua atenção para o
borda.
É difícil se concentrar na classe. Pela primeira vez, não consigo nem
seguir o
essência geral, quando normalmente a escola é fácil para mim.
Eu continuo estudando Blair na minha periferia.
Só perto do final do período ela me reconhece novamente. UMA
ponta afiada cutuca meu braço enquanto o Sr. Coleman vasculha uma
pilha de
apostilas. Eu resmungo de surpresa, esfregando o local sensível onde
meu bíceps estava
espetado. Blair segura uma nota dobrada entre os dedos. Dobrou tantos
vezes os cantos do papel se tornaram armas espinhosas.
Eu agarro antes que ela cutuque meu braço novamente. Abrindo, acho
que é o
mesma nota que dei a ela vinte minutos atrás. Sua única resposta é uma
marca de seleção
abaixo da minha escrita. Simples, sucinto.
Os cantos da minha boca se contraem. A campainha toca,
interrompendo o Sr.
Coleman no meio da frase.
"Te vejo mais tarde, dedos pegajosos."
Blair enrijece, colocando a mão na camisa abotoada enquanto eu
levanto
coloquei minha bolsa no ombro e saí do quarto.
Saindo para o pátio, meu sorriso pisca antes que eu possa domá-lo. Ela
é
ali, esperando por mim no banco de pedra. As folhas da árvore choupo
estendendo-se acima do banco não virou ouro ainda, embora alguns no
ramos finos desbotaram para um amarelo esverdeado.

Página 113
Isso faz com que Blair se destaque fortemente, ao lado da fina casca
branca do tronco
com seu cabelo preto como tinta.
Blair se vira. "O que você quer?"
Eu coloco minhas mãos nos bolsos. “Ansioso para chegar ao seu
brócolis cozido no vapor
e carne misteriosa? Ouvi dizer que é muito nutricional. ”
"Por favor, você nem consegue o menu normal." Blair revira os olhos.
"Por que você me chamou aqui?"
Ela não é tão cuidadosa agora, embora seu olhar penetrante vá para as
saídas a cada
alguns segundos. Eu inclino minha cabeça e entro em seu espaço
pessoal. Jogos de blair
eu passo a passo até a parte de trás de seus joelhos atingir o
banco. Minha boca se curva.
"Agora você está preso."
Blair bufa indignado. "Dificilmente."
Ela vai se esquivar de mim, mas eu a seguro pela cintura.
“Ainda não terminamos.”
Os olhos de Blair se estreitam. “Então vá em frente. Você está perdendo
meu tempo. ”
“Isso é jeito de falar com a pessoa que te paga?”
“Me paga para me humilhar”, ela murmura.
A gola aparece entre os botões feitos todo o caminho até o topo rígido
de sua camisa. Em um movimento ágil, desfaço os dois primeiros
botões antes de Blair
os olhos se arregalam. Ela bate nas minhas mãos e cobre seu pescoço,
lutando para
mover-se para fora do alcance com a pedra pressionada na parte de trás
de suas pernas nuas.
“O que você está fazendo, seu psicopata? Estamos no meio da escola!

Seu olhar voa ao redor, verificando as janelas. Com um olhar
preguiçoso, eu
verifique com ela.
“Não, você está sozinho comigo no pátio. Só eu consigo ver isso. ” eu
cobrir sua mão com a minha e puxar. "Agora me mostre."
A garganta de Blair balança. Ela resiste ao meu puxão, pressionando a
mão com mais força para
cubra a gola.
Eu tapo meus olhos. "Mostre-me. Quero ver a prova de que você é meu
bichinho de estimação. ”
Blair luta por mais uma batida, nervosa. Com um escárnio áspero, sua
mão
cai para o lado dela. Ela desvia o olhar, cílios escuros delineando seu
marrom
olhos.
Sorrindo, minha atenção cai para a gola de couro em seu pescoço. A
prata
a placa de identificação parece perfeita. Eu coloco meu dedo na gola e
a puxo para mais perto,
perto o suficiente para que meus lábios pudessem roçar os dela se eu
me inclinasse. Blair evita
olhando para mim, a cor sangrando em suas bochechas. Tão perto, eu
posso inalar
imitação de baunilha e conte a galáxia de sardas salpicando suas
bochechas.

Página 114
Esses lábios carnudos e carnudos se juntam. Meu coração bate forte e
um animado
um formigamento se espalha pela minha pele.
“Boa menina,” eu murmuro. "Olhe para você. Ninguém saberia que
você é um
vira-lata sarnento. ”
Blair se contorce contra mim, fazendo um som estrangulado. Eu rio e
pastoreio
a parte de trás do meu dedo sobre sua bochecha. É quente e macio
embaixo do meu
toque. Blair pisca rapidamente.
Uma tontura borbulha dentro de mim, borbulhando como champanhe
de primeira
ao longo de minhas terminações nervosas. Isso é bom pra caralho. Eu
quero mais do
expressão no rosto de Blair, essa rachadura em sua confiança insolente
e anos de
indiferença silenciosa. Estou finalmente entendendo sua pele tanto
quanto ela escava
sob o meu. A emoção disso canta em minhas veias.
Sempre que estou perto dela, me sinto vivo. Por um momento, posso
esquecer
sobre meus demônios.
Meu dedo se enrola com mais força, puxando-a um pouco mais
perto. Fãs de respiração dela
em meu pescoço com sua expiração tensa. Estou fascinado pelo micro-
expressões se contorcendo em suas feições, cheias de admiração
enquanto eu a observo
luta para se controlar para me impedir de saber exatamente o que é isso
fazendo com ela. Mas posso ver tudo.
Um canto se repete em minha mente: tudo meu, tudo meu, tudo meu,
meu, meu .
Se ela me obedecer nisso, o que mais posso dizer a ela para fazer? Eu
imagino deitado
de volta ao meu lugar especial sob as estrelas, olhando para a vastidão
enquanto ela
cavalga meu pau.
Nunca mostrei a ninguém o meu lugar. Eu não trago meninas de volta
para minha casa,
mas posso imaginá-la lá no telhado comigo.
A cena muda e eu me imagino acordando em uma cama quente com
seus lábios
enrolada em torno de mim e aquele tom rosado bonito em suas
bochechas. As imagens em
minha cabeça se aglutina, ideia após ideia correndo mais rápido do que
uma batida rápida
do meu coraçao.
Meu pau duro pressiona contra minha braguilha.
Eu poderia torná-la minha e só minha.
O canto de sereia de seus lábios é tão hipnótico quanto a droga para
controlá-la
como isso. Eles são rechonchudos e rosados. Quando sua língua se
lança para lambê-los, eu
toque meu nariz no dela, com a intenção de beijá-la desta vez. Blair
congela.
O ar fica parado e o pátio fica borrado.
Blair finalmente encontra meu olhar faminto com um olhar
chocado. Ela dá uma gorjeta
cabeça para cima. Acho que ela vai me deixar beijá-la. Eu chego mais
perto.

Página 115
"Quando você vai me pagar por isso?"
Sua pergunta abafada extingue o calor que queima meu estômago. Eu
estreito meu
olhos para fendas.
"O que?" Eu grito.
Por um minuto, Blair me fez esquecer minhas próprias regras. Me
colocou de lado
anos de ódio e sede de vingança. Me fez desejá-la, e nada
senão.
Não somos uma doce história de amor. Seríamos, na melhor das
hipóteses, uma merda de ódio. Cru,
zangados, e mortos decididos a machucar um ao outro tanto quanto
possível. Blair e eu
são óleo e porra de água mergulhados em querosene e acesos no fogo
do inferno.
Blair pisca lentamente, fingindo que não é afetada pela minha
proximidade e
inconsciente de minha guerra interna.
Deve ser assim que ela faz. Se ela fizer as merdas desculpas que pagam
por
seu corpo sente algo mais do que uma coceira para coçar, ela deve fazer
mais
dinheiro. De que outra forma um lixo de trailer como ela poderia
sobreviver em um lugar como este?
Por quantos caras nesta escola ela se ajoelhou? Esse boato sobre ela
soa verdadeiro como um sino maldito.
Como pude não ver isso antes? Ela é tão falsa quanto o resto deles.
Repito meu mantra, minha regra sagrada em minha cabeça. Não ame
nada, não deixe ninguém
perto o suficiente para doer . Com esses pensamentos sobre o replay,
eu esmaguei o pressentimento
poderíamos ser qualquer coisa mais do que um meio para um fim.
É o filete de gelo que preciso para colocar minha cabeça no lugar. Parar
pensando com meu pau. Esses lábios de merda ainda me
seduzem. Porra, eu
vai tê-los. Eu vou aceitar aquele beijo, e eu não dou a mínima se ela
não gosta disso.
Assim que eu provar, as coisas voltarão a ser como eram antes.
“Você disse $ 750. Me dê isto."
Não estou nem perto de terminar com ela ainda. Ela ainda tem uma
lição a aprender.
Meu aperto na gola flexiona e eu posso sentir a forma como minha junta
cravando
A garganta de Blair. Ela cerrou os dentes.
Esfregando meu nariz contra o dela em uma zombaria de um focinho
romântico, eu sorrio
sem humor. Blair estremece.
Dinheiro. Essa é a única razão pela qual ela está aqui. Eu tive a chance
de mandar ela
longe, mas eu era egoísta. Eu queria fazer ela pagar na minha mão.
Quando falo, minha voz está envolta em sombras e cacos de vidro.
"Você realmente precisa desse dinheiro, não é?"

Página 116
Ela se sacode contra mim. "Que parte disso não era óbvio?" As mãos
dela
suba para agarrar meu pulso até que minhas escolhas sejam liberadas
ou pegue meu braço
trincado. Eu a liberto com um grunhido. Ela sibila: "Eu não roubei seu
carro por
a porra da emoção disso. Você é um idiota. "
Eu dou um passo para trás, passando a mão pelo meu cabelo, fingindo
indiferença enquanto
ela discursa.
Assim que eu dou espaço para ela, Blair pisa alguns metros de distância,
respirando
duro. Ela se vira para mim, as bochechas ainda rosadas.
"Você acha que eu colocaria isso se não precisasse?" Ela aponta para o
colarinho.
“Isso é tudo para cuidar da pessoa que amo. Não posso fazer isso se for
para a cadeia ”.
Um músculo em minha mandíbula salta. Eu não gosto do som
disso. Faz meu
peito apertado e desconfortável. Não sei por quê. Enfiando minhas
mãos em
meus bolsos, eu os fecho em punhos fora de vista.
Eu respiro e domino as emoções furiosas que lutam por dentro,
esmagando
o menino quebrado e esperançoso, e me lembre que sou apenas um
monstro agora.
Folheio minha carteira e a pego com desinteresse praticado. Eu conto
as notas e jogue-as aos pés dela. Eles voam por toda parte como o
respingo de um
aceno. Blair grita.
Antes que ela possa se abaixar para pegar o dinheiro, eu volto na cara
dela,
envolvendo a mão em torno de sua garganta sobre a gola de couro. A
placa de identificação
pressiona em minha palma quando eu aperto.
"Se eu for sua salvação ..." Faço uma pausa para sorrir, lançando um
olhar vicioso sobre
sua. Com a outra mão, pego uma mecha de seu cabelo entre meus
dedos,
girando ao redor. "Bem-vindo ao inferno."
Eu memorizo a expressão no rosto de Blair. Ódio. Isso é tudo. Não
desejo, não
amor.
Porque isso não é algo que compartilharemos. Ninguém se sente assim
sobre mim. Não vou cometer esse erro de novo, atraída por aqueles
lábios beijáveis
e a emoção que fico dizendo a ela o que fazer. Talvez em outra vida,
uma onde
nossas circunstâncias eram diferentes, poderíamos ter sido algo que
funcionou.
Blair e eu não somos um talvez ou quase, somos apenas duas pessoas
que
se odeiam, trocando golpes para frente e para trás para destruir o
inimigo em
um esforço para nos distrair de nossa dor, tentando sobreviver ao
traseiro amargo
limões que a vida nos tratou.
Este é um arranjo destinado a torturá-la. Eu não posso esquecer esse
objetivo por
permitindo que ela puxasse as partes que eu mantenho escondido,
enterrado sob

Página 117
amoreiras e correntes para me proteger da esperança. Essas partes são
fracas
e inútil.
Ela está fazendo isso porque estou pagando, não porque ela queira
pagar. eu
não posso esquecer, ou me permito perder de vista esmagá-la sob meu
salto.
Esta noite eu preciso me sentar sob as estrelas para acalmar a raiva que
queima em meu
sangue.
“Eu vou te dar tudo que você merece. Castigo, humilhação,
arrependimento." Meu aperto em sua garganta flexiona com cada
palavra. “Estou no controle de
seus pecados agora, meu anjo demoníaco. " Soltando-a, eu me afasto,
jogando
meu ombro, "Melhor se abotoar se você não quiser que ninguém saiba
quem você
pertence a."

Página 118
DEZESSEIS

Página 119

DEVLIN
O barulho do alarme de incêndio irrita meus ouvidos. Eu saí de vista do
secretárias assim que disparou enquanto eles se arrastavam para fora do
escritório. Eles
acho que sangrei na massa de pessoas fluindo pelos corredores para
seguir
protocolo, mas na verdade estou esperando que a colmeia de escritórios
se esvazie do meu
esconderijo no armário de casacos.
"O terceiro este mês, não é?" O comentário abafado de Denise me faz
ranger os dentes.
Apresse-se , eu acho, preso entre um casaco de marinheiro mofado que
esteve no
armário por dois anos e uma capa de chuva esquecida. Ela está
demorando mais para
sair.
Eu só tenho algum tempo depois que a sala esvaziar para encontrar o
que eu preciso, e é
me custando.
O pagamento de Blair está no meu bolso, enrolado e embrulhado em
borracha
bandas. Se eu encontrar o que preciso, vou pagar a ela por puxar o
alarme para fornecer o
distração para minha espionagem. É o dobro do que ofereci para esta
tarefa, mas o
pequeno demônio ganancioso negociou um acordo melhor para si por
causa do
problemas em potencial que ela terá se for pega. A ideia de que ela se
preocupa
consequências são risíveis.
Eu mordo um sorriso. O que Blair não sabe é o alarme que eu disse a
ela
puxar está no mesmo corredor O bispo principal sempre caminha para
pegar seu segredo
pausa para fumar matinal.
Ela ainda fez o que eu pedi, e sinto uma emoção elétrica por ter
muito poder sobre ela. Eu subestimei o quão viciante é. Tendo ela
dobrado
aos meus caprichos toca uma parte há muito escondida de mim que eu
sufoquei e
sufocado por anos.

Página 120
Por enquanto, ela não vai a lugar nenhum. Esse pensamento continua
correndo
minha cabeça à noite quando me sento no telhado observando as
estrelas cadentes.
Minha obsessão com sua obediência voluntária está crescendo,
alimentando o
fera. É voraz, faminto por mais obediência dela agora que tive um
gosto. Quero saber exatamente até onde posso pressioná-la.
Quando nenhum som vem do escritório além do toque estridente do
alarme de incêndio, eu saio do armário.
A porta do vice-diretor Sanford se abre e eu me escondo atrás do
mesa circular antes de ser pego. Eu prendo minha respiração enquanto
ele cruza o
sala. Eu dou mais alguns segundos, em seguida, coloco minha cabeça
sobre a borda do
mesa onde fica meu donut comido pela metade.
A costa é clara.
Eu me pergunto se é assim que Blair se sente quando está derrubando
lojas de conveniência ou qualquer problema de delinquente que ela
tenha quando eu vou
a sala na parte de trás do hub administrativo. As portas estão
destrancadas
durante o dia, poupando-me o trabalho de interromper depois do
expediente com o aparelho
das chaves que Bishop e eu copiamos no segundo ano.
Felizmente, a sala abafa o trinado zangado do alarme assim que estou
lado de dentro. Os registros permanentes de cada aluno são mantidos
aqui. Parece que
algo saído de um clube de cavalheiros abafado, em vez de um colégio,
com um estilo mudo preso no tempo. Há uma cadeira de couro no canto,
como
alguém aproveita o tempo de lazer com os arquivos dos alunos e
madeira polida
os armários de arquivos revestem as paredes. Os únicos itens básicos
que faltam são uma lareira e
fumaça de charuto.
Encontrando as gavetas para os nomes de DE , começo a trabalhar. Há
apenas
minutos para passar seu arquivo.
Essa missão é necessária. Preciso descobrir mais sobre Blair.
Conhecimento é munição para meu arsenal contra ela.
Eu vasculho a primeira gaveta e não encontro nada. Arrastando o
em seguida, folheio os arquivos grossos e finos. Dabrowski…
Dacosta…
Daniels… Davis!
Sorrindo, pego a pasta de papel manilha e me encosto no arquivo.
As coisas mais recentes são óbvias - dispensa da equipe de atletismo,
aluno
papelada do programa de almoço do estado, recibos de suspensão e
detenção.
Existem algumas desculpas atrasadas da primeira semana de aula,
datadas de antes
ela invadiu minha garagem para roubar meu Porsche. Um explica que
Blair a levou
mãe para o hospital como sua razão para chegar durante o terceiro
período.

Página 121
Meus olhos se estreitam. É por isso que ela precisava de dinheiro? Para
cuidar dela
contas do hospital da mãe?
Isso puxa meu núcleo. O ciúme desce pela minha espinha em um
deslizamento quente como o gelo.
Blair tem que ter uma forte conexão com sua mãe para ser a única
pessoa
ao seu lado cada vez que ela tem que ir ao médico.
Eu rastreio a caligrafia de Blair. Deve ser bom.
Quando me imagino fazendo o mesmo, é difícil imaginar o que
deve sentir vontade de levar um pai ao médico. Eu ficaria
ansioso? Seria
eles me asseguram que tudo ficaria bem?
No meu bolso, o silêncio do meu telefone grita comigo. Já se passaram
dias desde
Eu ouvi qualquer coisa de meus pais.
Eles poderiam ter morrido e eu não saberia sobre isso.
Eu poderia ter morrido e eles não se importariam.
Agitada, eu arrasto meus dedos pelo meu cabelo, estremecendo quando
eu puxo também
duro e arrancar alguns fios do meu couro cabeludo. Um suspiro áspero
faz meus ombros
afundar. Isso é sobre Blair, não eu.
Vasculhando o arquivo, descubro mais deslizes atrasados do ano
passado que
mencione incidentes hospitalares adicionais. É muito mais
hospitalizações
do que o normal. Meu intestino aperta quando eu considero a primeira
coisa que vem à mente
em situações como esta - um pai abusivo ou talvez a mãe tenha um
fodido
namorado colocá-la no hospital várias vezes.
Isso envia uma pontada injustificada de preocupação através de mim.
Eu congelo, chocada com a sensação desconhecida. Minhas
sobrancelhas franzem enquanto eu empurro
a proteção desnecessária de lado.
Inacreditável. Estou procurando munição contra ela, mas aqui estou
preocupando-se que ela tenha uma vida doméstica perigosa. O que há
de errado com
Eu?
Já disse a ela que não sou seu cavaleiro branco.
Não há espaço para simpatia, apenas as maneiras pelas quais posso usar
as informações para
controlar as peças do tabuleiro. A mãe de Blair pode ser viciada em
drogas, usando
recursos da cidade para atendimento gratuito. Eu não deveria dar a
mínima para a vida familiar deles.
Eu zombei e virei antes, lendo comentários de seus professores em
ensino fundamental e médio. Todos eles dizem aproximadamente a
mesma coisa sobre
sua.
Blair mostra grande aptidão para o material e aprecia os desafios
apresentado. Ela tem um grande interesse em assuntos de arte e
história. Individual

Página 122
o trabalho é excelente, mas na aula ela é quieta e lenta para participar .
Miss Davis é educada e reservada, mas muitas vezes se isola de seus
colegas .
Blair mostra grande inteligência em seu trabalho escolar devido às
mudanças recentes
em sua situação familiar. No entanto, ela deixou de ser brilhante,
sorridente e feliz
jovem a se retirar. Quando outros colegas a envolvem, ela se esquiva
longe.
Uma carranca puxa meus lábios.
O alarme finalmente desliga. Olhando para o relógio, percebo que
preciso
se apresse. Não há tempo para correr para a copiadora na outra sala, e
Não quero deixar evidências. Meu telefone terá que servir.
Eu coloco a pasta na cadeira, folheando rapidamente as páginas e
tirando fotos da história lamentável de Blair.
Inteligente, mas triste, que clichê .
Uma pedra irregular se aloja em meu estômago, pesando.
Meu aperto no telefone fica mais forte. Ela não é como eu. Não é o
mesmo.
Eu trabalho tudo de trás para frente, me preocupando mais com o que é
relevante
informações do que o prazer que ela era para seu professor de pré-
escola. Um vincado
observação em uma página anterior perto do início do arquivo me faz
parar. eu
perdi na minha primeira leitura. Abrindo, acho que é de uma orientação
conselheiro na Academia Little Boulder.
"Huh." O curioso som sai de mim antes que eu possa contê-lo.
Eu também fui para a Academia Little Boulder. Lucas e Bishop
também. A maioria
das pessoas em nosso círculo frequentaram o prestigioso curso
elementar privado
escola. Eu tento relembrar, procurando memórias distantes para
qualquer um
pestinha de cabelo. Como poderia uma garota tão pobre quanto ela
pagar as mensalidades do
escola particular?
Eu sempre pensei que o lixo a gerou, de classe baixa através
e por diante. Blair sempre foi a garota da sujeira que de alguma forma
conseguiu ganhar uma bolsa de estudos para Silver Lake High. Eu
nunca considerei nosso
caminhos podem ter se cruzado antes do colégio.
Pegando o memorando do arquivo, li-o com as sobrancelhas franzidas.

Página 123
Macy Davis ligou para informar a escola que Blair vai se retirar da
Little
Boulder Academy devido a uma mudança nas circunstâncias
financeiras. A transferência
vai passar no próximo mês. Macy expressou preocupação com a
reação de Blair a
a deserção de seu pai e o desaparecimento de sua família. Por favor
informe a todos
dos professores de Blair desta mudança e fique de olho nela enquanto
ela permanece
estudante da Little Boulder Academy .
Meu coração bate mais forte enquanto meus olhos voam sobre as
palavras. Não percebo
Eu amassei a nota do meu aperto firme até que o papel amassasse.
Inspirando, aliso as rugas enquanto tento acalmar meu pulso.
A simpatia indesejada se infiltra em meus ossos. Eu quero cavar
a medula e cortá-la. Não gosto de me sentir assim em relação a Blair
Davis.
A forte dor dentro de mim se expande em meu peito como um balão.
Eu esfrego meus olhos e coloco minha mão em meu
cabelo. Compreensão relutante
faíscas para a vida. Seu pai a deixou e eu sei o que é isso.
Eu solto um suspiro, balançando minha cabeça.
Enquanto coloco o memorando de volta no arquivo, uma entrevista de
saída com o conselheiro
chama minha atenção. A caligrafia de uma menina preenche a página
em letras grandes
impressão. Estrelas pontilham os I 's.
Apertando os olhos, puxo-o para mais perto, agachando-me para
ajoelhar rigidamente sobre a pasta aberta.
Eu reconheço esta caligrafia. O nome de Blair está na parte inferior com
o mesmo
estrela pontuando a letra em seu nome.
Você parece triste. Não fique triste. Aqui, desejo à minha estrela.
A voz suave e estridente ecoa na minha cabeça junto com um flash de
longos cabelos escuros e olhos castanhos. Minha garganta está grossa
quando engulo. O
a memória da minha aula de arte da terceira série me assalta em
fragmentos, pulando como um
bobina de filme quebrada.
Havia uma garota da minha idade, nós duas mais velhas do que as outras
crianças, mas também
jovem para se juntar à série antes de nós. Ela veio até mim durante as
artes e
artesanato para me mostrar seu desenho de estrelas. Eles preencheram
a página, desequilibrados e
peculiar, assim como seu sorriso.
Eu estava evitando as instruções do professor para desenhar porque eu
estava
amuado. Tudo era uma merda e eu não estava conseguindo o que
queria. Mamãe e papai
ficava me deixando sozinho. Eu não gostava que a senhora ficasse em
minha casa. Ela não
conheço o livro que gostei de ler com a mamãe.
A menina não se importou ou percebeu a maneira como todos
mantinham distância
de mim, pegando a cadeira ao meu lado sem perguntar. Eu olhei pra ela,
mas ela

Página 124
ignorou isso também.
Você pode ter minhas estrelas, elas vão te fazer feliz novamente. Faça
um desejo! O
desejos que você faz em estrelas cadentes sempre se tornam realidade.
Eu não poderia gritar com ela para me deixar em paz. Em vez disso,
fiquei quieto e
grosseiramente, beliscando as bordas de seu desenho enquanto ela
começava uma nova página.
No final da página, ela escreveu seu nome, Blair com uma pequena
estrela
uma carta. Um olhar de concentração se estabeleceu em seu rosto, a
língua para fora
entre os dentes enquanto desenhava. Duas páginas cheias de estrelas
tortas e ela
episódios aleatórios de zumbidos depois, a raiva me fazendo gritar com
todos
sangrou, deixando-me mais calma.
Suspeito, perguntei a ela: “Como você sabe que os desejos
funcionam? Ter você
tentou? "
Blair soltou uma rajada de vento que mexeu com o cabelo dela. “Não,”
ela disse
com um beicinho, parando de desenhar. “Mamãe diz que eles saem
depois da minha
hora de dormir, mas ela jura que é como mágica! Magia é incrível ! ”
Seus olhos estavam tão grandes e cheios de sinceridade que eu tive que
acredito que ela estava certa.
Eu me agarrei às suas palavras como uma tábua de salvação depois de
toda a raiva, dor e
frustração que senti por meus pais me notando cada vez menos
enquanto ficavam
longe de casa por períodos mais longos. Eu não sei o que fiz para torná-
los
não quero ficar perto de mim, mas a dor era sufocante. Promessa de
blair
sobre desejar a estrelas cadentes ajudou. Procurei por um todas as noites
antes
cama, ficando acordada até que meus olhos estivessem secos e
coçando. Quando eu vi um, eu estava
vou contar a ela sobre isso, ansioso para me gabar de ter desejado um
de verdade
antes dela fazer.
Blair se sentou ao meu lado em todas as aulas de arte, falante o
suficiente para os dois
nós. Seu entusiasmo era contagiante. Ela me fez rir, atingida por uma
faísca
da vida novamente depois de me sentir entorpecida com o mundo.
Então ela se foi.
Como meus pais.
Ninguém queria ficar comigo.
Sua cadeira permaneceu vazia e a dormência formigante voltou para
dentro
sem seus sorrisos para lutar contra isso. A professora me disse que ela
tinha que ir embora
quando perguntei aonde meu amigo foi.
Só depois que Blair foi embora eu finalmente vi meu primeiro
verdadeiro
estrela cadente.

Página 125
Como meu primeiro desejo, desejei que ela voltasse. Eu estava bravo
que ela
poderia me deixar para trás tão facilmente.
Bem, eu desejei por Blair uma vez, e ela voltou para mim. Só estava
longe
muito tarde. Eu já estava quebrado além do reparo de suas estrelas
cadentes mágicas
no momento em que a encontrei novamente.
O amigo peculiar da minha infância é meu pequeno ladrão. Eu não
posso acreditar.
Minha respiração vem em ofegos ásperos e cubro meus olhos,
arrastando o ar para
meus pulmões. O mundo parece que está virado para o lado e me
derrubado.
Não penso na garota da minha aula de arte há anos. Eu a mantive
enterrada
profundamente sob as camadas de tudo o mais, trancada em sua própria
caixa com o resto do
minhas emoções e memórias.
Ela ao menos se lembra de mim? Não posso culpá-la se ela não o
fizer. O
raiva irracional que sempre senti quando olhei para ela faz mais sentido
agora. Eu posso ter empurrado a memória do nosso breve e estranho
vínculo, mas
a dor de perder aquela conexão tão facilmente escoou por entre as
rachaduras.
Essa descoberta não muda meus planos. Blair ainda precisa pagar.
O sorriso torto que costumava iluminar seu rosto surge na minha
cabeça.
Com ele vêm outras memórias daquela época da minha vida, aquelas
que me deixam
cru e zumbindo como um fio elétrico. Eu cerro meus dentes com força
suficiente
para sentir o pulso em meus ouvidos. Minha mão cobre minha boca
enquanto luto contra o
memórias de volta ao lugar, onde posso esquecê-las.
Isso é tudo culpa dela. Vou fazê-la se contorcer por quebrar o resistente
barreiras que eu ergui. Meu próximo movimento começa a se formar na
minha cabeça.
Você não vai escapar de mim tão facilmente desta vez .
A batida de uma porta e vozes abafadas me fazem pular.
"Foda-se", eu sussurro rispidamente.
Meu tempo acabou e não fiz minha fuga.
Entrando em ação, me levanto da minha posição agachada, recolhendo
o manila
pasta da vida educacional de Blair. Passos passam pela porta do aluno
sala de registros. Eu congelo, prendendo a respiração.
"Devlin ainda não voltou?" Debbie pergunta a alguém. "Deixe-me
saber quando
Ele está aqui. Eu preciso que ele faça cópias disso imediatamente. ”
Droga, Debbie, acalme seus peitos . Ficando quieto, eu
cuidadosamente abro o
gaveta do armário de madeira e deslize o arquivo de Blair de volta no
lugar. eu preciso de ajuda
escapar da sala de registros sem ser notado. O escritório parece cheio
novamente.
Eu mando uma mensagem para Bishop.

Página 126
Devlin: A que distância você está do escritório?
Bispo: [GIF de um homem correndo ao longe.]
O canto da minha boca se levanta. Ele odeia vir ao escritório quando
seu pai está por perto.
Devlin: Venha flertar com a Debbie. Preciso dela distraída para que eu
não tenha o seu
papai cavalgando minha bunda por estar na sala de registros dos alunos.
Bispo: Oh merda !! Seu demônio. [sorrindo emoji do diabo]
Bispo: Estou a caminho.
Bispo: [GIF do Superman voando pelo ar]
Eu me inclino pesadamente contra o batente da porta enquanto espero
pela ajuda de Bishop. Não posso
tire a voz de Blair da minha cabeça.
Os desejos que você faz a estrelas cadentes sempre se tornam
realidade .
Um sorriso sem humor torce minha boca. De todos os incontáveis
desejos que eu
feito nas estrelas, este se torna realidade. Eu passo a mão sobre o lado
das minhas costelas,
onde a magia da qual Blair me contou uma vez está gravada em minha
pele.
Acho que consegui o que eu queria.

Página 127
DEZESSETE

Página 128

BLAIR
O inferno é humilhante.
É preenchido com o sorriso travesso de Devlin Murphy, os comentários
de seus amigos
sobre meu desespero fedendo a escola, provocações desagradáveis do
aluno
corpo na forma de latidos de cachorro, e o que quer que aquela sensação
estranha tenha durado
semana quando ele me fez usar um colarinho.
Achei que ele fosse me beijar, então entrei em pânico. A vibração
ridícula na minha
O estômago estava confuso e eu me odiava um pouco por isso. eu o
odeio
mais para causá-lo.
Esse colar embaraçoso foi direto para a lixeira atrás do
parque de caravanas quando as aulas acabaram.
É tudo um inferno, mas pelo menos o dinheiro que eu preciso está
entrando com cada
teste completo de força de vontade contra meu orgulho maltratado.
Devlin sempre cumpre, mesmo quando brinca comigo primeiro. Ele me
paga em
pilhas de notas novas, os envelopes não identificados presos em meu
armário ou em meu
espancar junker. Eu nem vou entender como ele consegue entrar sem o
chave. Seu mundo são sistemas elétricos automáticos em carros de
luxo, então como
ele sabe usar algo para abrir a porta do Corolla abaixo do
vedação de janela? É uma pequena misericórdia ele trancar quando
terminar.
O bastardo é como um Batman distorcido, um cavaleiro das trevas que
se voltará contra mim
no segundo eu paro de jogar de acordo com suas regras.
Depois de parar em uma vaga no estacionamento dos alunos, um
envelope novo
enfiado entre meu assento chama minha atenção quando vou desatar o
cinto de segurança.
Eu devo ter perdido.
“Maldito seja,” eu murmuro, arrancando-o do esconderijo.

Página 129
Abrindo-o, conto quatrocentos dólares para acender o fogo
alarme ontem. Tenho sorte de ter dominado a arte de ser leve.
Principal Bishop quase me pegou, mas eu fui capaz de correr longe o
suficiente
corredor abaixo antes de me encontrar de pé ao lado do alarme
acionado.
Estou pensando em comprar um colchão novo para mamãe com
dinheiro para ajudá-la
descanse mais. Ela tem estado incrivelmente pálida e cansada
ultimamente, está realmente fazendo
me preocupar com ela. Eu não quero vê-la ficar tão mal que temos que
ir para o
hospital para outro ataque de exaustão. Mamãe nunca teve a melhor
saúde,
mas a transição nas estações geralmente não a atinge tanto. Este ano é
cobrando um preço brutal dela.
Tenho que fazer tudo o que puder para tornar a vida dela mais fácil.
Há uma nota entre os anos vinte. Meu intestino aperta.
Seu “carro” é um insulto aos carros reais em todos os lugares.
Sua voz cínica enche minha cabeça enquanto leio a nota. Minhas
sobrancelhas abaixam.
"Idiota."
Irrita-me que ele pense que pode insultar o carro que coloquei sangue,
suor e
lágrimas para economizar. O dia que comprei foi um dos mais felizes
da minha vida,
e posso contar esses dias com uma mão.
E daí se não for uma marca de luxo espalhafatosa? As únicas pessoas
que podem
permitir que sejam os garotos ricos arrogantes. O resto de nós trabalha
muito para conseguir
o que podemos.
É chamado de sobrevivência.
Eu pulo quando saio do carro. Devlin está estacionado na vaga oposta
meu, esperando por mim com óculos de sol que provavelmente custam
mais que um
aluguel de um mês no estacionamento de trailers. Ele está apoiado na
parte de trás de seu carro,
palmas das mãos apoiadas em cada lado do para-choque de seu Range
Rover, pernas longas cruzadas
no tornozelo. Eu devo ter sonhado muito com a falta dele quando
puxado para dentro. Droga.
Eu estava muito ocupado fazendo uma contagem mental do dinheiro
que economizei até agora
de ser a cadela de Devlin.
"O que, não sentindo sua compensação vermelha feia para o tamanho
do seu pau
hoje?"
Os lábios de Devlin se contraem. “Pensando no meu pau de novo, dedos
pegajosos?
O Range Rover é mais espaçoso. ” Ele acena para o SUV. “Suba no
de volta e eu vou te mostrar no que você não consegue parar de pensar.

Alguns alunos passando a caminho da escada dão risadinhas. Um cara
cumprimenta Devlin, que ele aceita com um sorriso largo e confiante.
Página 130
Eu só posso supor que Devlin muda seus passeios para flexibilizar sua
riqueza absurda,
enfiando na cara de pessoas como eu que ele está cheio de privilégios
enquanto me pergunto se posso pagar gasolina para o meu carro esta
semana.
"Você é nojento." Eu cruzo meus braços. Ele está sozinho, nem mesmo
seu horrível
outra metade à vista. “Nenhuma coorte para beijar os anéis do rei
hoje? Que
vergonha. Provavelmente o melhor, no entanto. A realidade bate como
um filho da puta e
depois de se formar, você descobrirá que este é o seu pico. ”
Os ombros de Devlin tremem com seu bufo. Ele toca o canto do seu
lábio inferior com a língua. "Queres apostar?"
Eu cerro meus dentes. Ninguém faz meu sangue ferver como ele, com
isso
atitude arrogante insuportável.
"Você acha que é intocável."
Devlin se inclina para frente. “Eu não acho. Sei quem eu sou."
Eu terminei com isso. Revirando os olhos, coloco minha mochila no
ombro e cabeça
para as escadas até a escola.
Devlin cai ao meu lado, um estímulo irritante em seus passos.
"Eu te convidei para andar comigo?" Eu dou um empurrão nele quando
ele não faz
responder. "Foda-se."
"Não." Um sorriso presunçoso dança nos cantos de sua boca, lutando
para
libertar.
Eu paro, agarrando as alças da minha bolsa. "O que você quer agora?"
Devlin para um passo na minha frente, meio se virando para olhar para
ele
ombro. "Eu tenho outra tarefa para você."
A luz da manhã brilha no cabelo preto pendurado em seu rosto. Com
sua mandíbula cinzelada e maçãs do rosto salientes, ele se parece com
todas as belas
tentação. Se ele não fosse um idiota total. Uma cobra indigna de
confiança na grama. UMA
homem .
Ele inclina os óculos de sol para baixo do nariz, olhando para mim por
cima da borda. Minhas
estômago afunda injustamente.
Eu afasto a sensação estúpida de vibração, dizendo ao meu coração para
calar a boca.
É confuso. O pequeno traidor mal orientado não entende que nada
bom viria de gostar de Devlin Murphy.
Engolindo para acalmar minha garganta seca, passo por ele com o
ombro. "O que você faz
quer que eu faça agora? Assumir o escritório? Quack como um pato na
aula?
Hotwire o carro do diretor? ”
“Esse último tem algum mérito.”

Página 131
O cabelo do meu braço arrepia-se sob o blazer e a camisa do uniforme,
ciente de
A presença de Devlin ao meu lado. O calor de seu corpo se infiltra em
minha bolha pessoal.
Eu evito para ganhar alguma distância. Um segundo depois, ele fecha,
seu braço
escovando o meu.
Couro e especiarias flutuam no ar, sedutoras e hipnóticas.
"É melhor você pagar caro se quiser seriamente que eu cometa uma
ofensa criminosa
-”
"O quê, você tem moral agora?" Devlin ri e dá um tapinha no topo da
minha
cabeça. "Bom anjinho, tão saudável e puro."
Seu tom de zombaria me faz resmungar baixinho. Nós alcançamos o
passos e começar a subir. É estranho entrar na escola com Devlin.
“Estou farto do nosso jogo. É hora de mudar. ”
"O que? Você não pode mudar as regras agora! ”
Devlin ri. “É o meu jogo. Eu posso fazer o que eu quiser."
Eu franzo meus lábios. Maldito Devlin Murphy de volta ao poço
demoníaco ele
rastejou para fora.
Ele me lança um olhar malicioso. “Eu quero mostrar a todos o quanto
espírito escolar que você trancou atrás de sua garota emo de brechó
estética." Sua língua aparece para limpar seu lábio inferior e fazer uma
forte insinuação
laços sua voz. “Quanto você apóia os atletas.” Ele salta o seu
sobrancelhas sugestivamente. "Você saberá quando encontrar."
Com essa dica misteriosa, Devlin corre à minha frente, deixando-me no
poeira nos degraus.
Ugh, bastardo. Espírito escolar ... Seja o que for que ele planejou, é
provável que seja
ainda mais humilhante do que ser rotulado de cachorro de Devlin . O
mal-estar se espalha
através de mim para o novo inferno que Devlin preparou.
Quando chego ao último degrau, ele já se foi. Suspirando, vou para o
meu
armário.
Assim que chego lá, sou distraída pelo alfinete de segurança explodindo
da minha presa
zíper. Gemendo baixinho, eu mexo com ele enquanto abro meu
armário. Balançando o
porta aberta, vou pendurar a mochila no gancho para consertar, mas
meu olhar
fechaduras na pilha de tecido verde e branco revelador esperando por
mim lá dentro.
Minha frustração se transforma em horror mais rápido do que um
estouro de gelo em chamas.
Oh infernos não. Inferno, não.
Vá se foder, Devlin!
Acontece que Nina está por perto. Ela espia dentro do meu armário e
zomba.
“Pensando em se juntar ao esquadrão, Raggedy Anne? Acho que não."

Página 132
Minha coluna estala em linha reta com sua voz zombeteira.
"Fale por si mesma, Nina." Trent, do time de futebol, joga o braço no
braço
sobre seus ombros. Ela mostra seus peitos enormes mais para fora,
como uma orgulhosa
pavão. Trent me observa com uma varredura de seus olhos que faz
minha pele
rastejar. “Eu gostaria de vê-la com o uniforme de torcida. E então eu
gostaria de ver no
meu chão. ”
Mordaça. Para caras como Trent, as mulheres ao seu redor não são nada
além de objetos
para ele cobiçar.
"Você pode fazer uma divisão, Davis?" Trent se inclina para o meu
espaço. “Quão flexível
és tu?"
Ignorá-los torna-se impossível. “Cai fora, Trent,” eu mordo. “Ou eu
vou
mostrar exatamente o quão alto eu posso chutar. ”
Quando ele não se move, chamando meu blefe, eu levanto minhas
sobrancelhas para dirigir
casa minha ameaça. Erguendo as mãos, ele dá um passo para trás.
Nina me examina com um olhar estreito, erguendo o queixo. Ela parece
por ter encontrado algum respeito relutante por mim enfrentando a
merda de Trent.
“De jeito nenhum você é bom o suficiente para o time,” Nina fala
arrastado. "Escolha
outra maneira patética de chamar a atenção de Devlin. ”
Eu rolo meus olhos. “Não tenho planos de me tornar uma líder de
torcida.”
Franzindo o rosto em aborrecimento, Nina joga o cabelo por cima do
ombro
e desfila pelo corredor com sua grande prateleira para fora.
Pego o uniforme de alegria da Silver Lake High do meu armário antes
qualquer outra pessoa vê, enrolando o material na minha frente. Uma
nota nítida sobre
papel grosso e extravagante sobressai do decote. Curvando-me sobre o
pacote, eu
leia a mensagem.
Troque-o pelo resto do dia por $ 1000 mais um bônus de $ 2500 para
torcer do lado de fora do treino de futebol de hoje. Me dê um grande
beijo
o campo quando terminarmos e realmente vendê-lo, ou você não ganha
nada.
Meu coração tropeça em uma batida e eu respiro tão rápido que minha
garganta
queimaduras. Ele é louco? Sim, eu me lembro. Ele é um psicopata
perturbado.
Minha dor é seu prazer.
De alguma forma, isso é muito pior do que jogar água em mim mesmo
ou ser
conhecido na escola como seu cão treinado. Este é um pesadelo
real. Não posso
misture-se em usar isso. Pinta um alvo nas minhas costas, me
transformando em um grande

Página 133
farol verde do falso espírito escolar que chamará a atenção de todos
único mosquito nesta escola.
Curvar-se às suas pegadinhas cruéis era horrível, mas este é um ponto
baixo totalmente novo. Isso é
a última coisa que eu faria. Provavelmente a razão exata pela qual o
escolheu .
Eu rolo meus lábios entre os dentes, piscando no ritmo do meu
pulsação pulsante. O sangue corre em meus ouvidos, abafando o som
no corredor.
Tudo o que ouço é o latejar constante , latejar, latejar nos meus
tímpanos.
Essas tarefas estão aumentando. Devlin está oferecendo mais dinheiro,
mas o
as coisas que ele exige estão se tornando cada vez mais difíceis de
concluir.
Estou vendendo tudo para Devlin, até minha alma.
Eu trabalho através de seu possível motivo como um quebra-cabeça
para resolver. O que ele vai
ganho em me colocar em exibição? Por que ele quer que eu beije
ele?
Tem que ser mais um de seus jogos mentais implacáveis.
Meu orgulho grita comigo. Isso vale a pena?
Eu fecho meus olhos e respiro fundo. Tem que ser. Para mãe.
Com minhas mãos tremendo de quanto eu quero dar um soco nele, eu
fecho meu
armário e vá vestir o uniforme de líder de torcida.

Página 134
DEZOITO

Página 135

BLAIR
A pior parte de passar um dia inteiro em uma saia de alegria acanhada
e
colete sem mangas que expõe uma faixa da minha barriga não é que eu
não seria
pego morto nele de outra forma. É a maneira como tudo muda a forma
como todos olham para
Eu. Também não há onde se esconder dele.
Nenhum dos meus professores se importa que eu estou quebrando o
código de vestimenta, não por causa
do espírito escolar. O Sr. Coleman até apertou meu ombro e me disse
que
estava feliz em me ver me envolvendo.
As meninas ficam irritadas, e não acho que seja simplesmente porque o
uniforme
não fica ruim em mim - eu verifiquei por quinze minutos inteiros no
banheiro esta manhã, antes de criar coragem para bravura homeroom.
Acho que tem a ver com a maneira como todo cara na escola não pode
levar seus
olhos fora de mim. Incluindo Devlin.
Seu olhar escuro é uma maldição inevitável contra minha pele.
Os olhares maliciosos dos caras me seguem o dia todo.
O almoço foi insuportável, sentar à minha mesa perto da janela à vista
de todos
da expressão presunçosa de Devlin enquanto ele governava sua corte na
mesa de centro.
Minha pele parecia muito tensa, me sufocando enquanto eu sufocava a
vontade de me contorcer
sob seu olhar. Ele bebeu ao me ver de uma forma que fez meu coração
libra.
O dia só piorou a partir daí. Alguém colou uma placa no meu
armário que dizia Dê-me um D! EU! C! K! com um pênis
grosseiramente desenhado ao lado de um
figura de palito triste líder de torcida. Na minha aula de história, a
garota que se senta atrás de mim
estava assistindo a um vídeo estúpido do TikTok que revelou que eu era
classificado como fodível agora que parei de ser "todo gótico e merda"
por algum desprezível
twerps de underclassmen.

Página 136
É um pesadelo, mas vou resistir a qualquer coisa pela quantia de
dinheiro
Devlin prometeu.
No final do dia, a caminhada até o campo de futebol para a partida de
treino
é um alívio e uma tortura prolongada.
Eu puxo a bainha da saia. É mais curto que o uniforme escolar e eu
não estou usando a cueca certa. Eu aperto minhas palmas contra o meu
coxas, prendendo a saia quando uma brisa ameaça me expor.
Há outras pessoas saindo do campo como o time de futebol
alongamentos para aquecimento. Eu paro a alguns metros de
distância. Às vezes, algumas garotas
assistir a prática, costumava vê-los durante a pista, mas não
tantos. Todos eles
vire-se para mim, me olhando de cima a baixo.
Seu julgamento é óbvio quando eles sussurram um para o outro.
O desejo de correr até a linha das árvores e pegar a trilha que serpenteia
através dos pinheiros me agarra. Estou a segundos de entrar em ação
quando
braços fortes envolvem minha cintura por trás, me envolvendo em um
perfume masculino familiar. Devlin.
“Aí está você,” Devlin murmura em meu cabelo. Eu endureço enquanto
ele faz cócegas no
tira de pele nua onde o uniforme não cobre meu estômago. "Hmm,
ter você vestido assim certamente melhora minha motivação. Me anima
assim nós vencemos nossa partida de treino. Bom e alto - e lembre-se
de que está escrito
diabo."
Eu posso ouvir o sorriso em sua voz.
"Você está torcido", eu respiro.
Sua risada é escura e esfumaçada, viajando pelo meu pescoço e
desenhando um
estremecer de mim. Esse som deveria ser ilegal. Eu me esforço para não
bater palmas
sobre meu pescoço formigando.
"Você não tem ideia, pequeno ladrão."
As garotas ao longo da linha lateral olham em nossa direção. Estou
pisando em tudo
seu território simplesmente por estar aqui. Os companheiros de equipe
de Devlin no campo sorriem.
"Vocês todos me devem cinquenta dólares", Bishop grita do centro,
seus braços
esticado no alto enquanto ele se curva.
Uma rodada de gemidos soa dos outros jogadores. Ótimo, agora eles
são
apostando em algo sobre o qual eles nada sabem. Eles provavelmente
pensam que Devlin
e eu sou uma coisa estranha .
Tenho alguns livros fumegantes em minha coleção de brochuras. Eu
estou familiarizado
com a ideia de ódio se transformar em amor. Besteira. Não no nosso
caso.

Página 137
"Por que você está me obrigando a fazer isso?" Eu assobio. “O que
atrapalhou a satisfação
isso está dando a você? E - a outra coisa que você quer? "
Os braços de Devlin apertam minha cintura. Ele me empurra para frente
e eu
ando desajeitadamente com ele enrolado em mim.
"Porque." Sua voz é dura perto do meu ouvido. “Eu quero fazer você
contorcer-se para mim. "
Meu estômago se revira em um nó apertado. Uma pulsação quente de
calor lateja entre
minhas pernas. Ele precisa falar ao lado do meu ouvido e respirar em
todo o meu
pescoço assim?
Chegamos à linha lateral e ele me solta, apenas para dar a volta. Ele
me puxa para perto, suas mãos pousando em meus quadris.
Eu olho em seus olhos, tentando ler o mistério nublando o
escuridão. Não acredito que o interesse na expressão dele seja por
mim. É para
mostrar. Por alguma razão, ele quer que todos acreditem que ele me
quer.
"Você trouxe pompons para torcer?"
A questão me surpreende ao tentar entendê-lo.
Eu bufo. "Sim, posso esconder totalmente os pompons nesta porcaria."
Dando um sorriso rápido, Devlin brinca com a ponta da saia. eu abro
minha boca, apenas para mantê-la fechada quando ele arrasta os dedos
pela minha coxa. Ele
move-se mais alto, deslizando sob o colete, acariciando minha
barriga. O toque dele
aquece minha pele e me faz lutar contra um tremor.
Eu odeio que ele possa fazer minhas entranhas enrolarem. O que há de
errado comigo?
Devlin cantarola pensativamente. "Eu vejo o que você quer dizer. Sem
armazenamento prático
espaço."
Meu queixo cai. Os ombros de Devlin tremem com uma risada
silenciosa. Ele é ...
se divertindo. Enquanto ele me atormenta com uma audiência.
"Pare de aproveitar isso", eu solto em voz baixa, olhando para o grupo
de
meninas por perto.
Se eles não me odiavam antes, definitivamente me odiavam agora. Eu
tenho o deles
gostosa favorita em cima de mim. Eu não quero cuidar de mim por
causa de garota má
ataques em cima dos jogos de Devlin. Ele está me tornando mais
visível, pintando um
maior alvo nas minhas costas com sangue.
“Mas é tão divertido.” Devlin inclina a cabeça para me dar um sorriso.
Este me assusta porque não é como os falsos. Eu acho que pode
seja genuíno. Isso o faz parecer ... menos malvado. Meu coração bate
forte e meus olhos
cair para a covinha piscando para mim.

Página 138
"Pare com isso." Perturbada, pressiono minhas mãos em seu peito e
empurro. “Vá brincar
futebol."
Devlin cobre minhas mãos com as dele, apertando-as contra sua camisa.
"Me deseje sorte. Você é meu esquadrão pessoal. ”
"Você não precisa disso." Eu preciso dele fora do meu espaço. Eu tenho
que limpar meu
cabeça, encontre meu lugar feliz para fazer o que ele ordenou.
A ameaça da cláusula do beijo paira sobre minha cabeça.
"Blair."
Eu lanço meu olhar para cima para encontrar o dele. Cabelo cai em sua
testa. Um lado
de sua boca puxa enquanto a diversão perversa dança em seu olhar.
Ai, meu Deus . Eu realmente não pensei sobre isso o dia todo, muito
ocupada suportando o
humilhação de usar o uniforme de torcida. Se eu não o beijar no final
de
o jogo de treino, eu não sou pago.
Devlin aperta minhas mãos presas novamente. “Você é péssimo
nisso. Diga 'bom
sorte, Devlin 'ou algo assim. "
Eu lambo meus lábios. Devlin se concentra em minha boca.
"Boa sorte, idiota."
"Dev, vamos embora!" O bispo chama.
"Em um minuto", ele grita de volta, olhando fixamente para os meus
lábios. O polegar dele
escova sobre eles. “Você está aqui para torcer por mim. Quando eu
ganhar, eu vou
para reivindicá-los. ”
Meu estômago embrulha.
Devlin sorri para o que quer que ele encontre na minha expressão de
cervo nos faróis,
então belisca minha bochecha antes de correr para o campo. As meninas
se reuniram
gritar para ele, formando seu próprio esquadrão. Eu fico lá, pasmo.
Eu toco meus lábios, onde sua carícia suave permanece. Suas palavras
se repetem no meu
cabeça.
Quando eu vencer, irei reivindicá-los .
Meu corpo inteiro estremece por causa da sensação de calor e frio
viajando sobre minha pele.
Como posso estar ligado agora? Isso não me torna algum tipo de
fodido, querer um beijo do cara que me intimidou por três longos
anos?
Esfregando meu rosto, acho que finalmente entendi o dilema Gemma
enfrentou no ano passado.
Nunca pensei que enfrentaria o mesmo problema.

Página 139
“Você sabe”, diz uma garota que se separa do grupo e atravessa
sobre a linha invisível na areia entre nós. “Devlin não faz
amigas. Ele faz conexões. Então, tudo o que você acha que tem com
ele,
não vai durar ”.
Normalmente, eu a ignoraria. Inferno, eu concordo com ela. Mas está
ficando difícil
pegue a merda das pessoas por aqui enquanto eu seguro minha língua. A
necessidade ardente de
lutar contra mexe sob minha pele.
Inclinando minha cabeça, eu estalo minha língua em simpatia. “Ah,
você está com ciúmes?
Que bonitinho. Você sabia que o ciúme deriva de se sentir ameaçado?
"
A garota aperta os olhos, curvando o lábio. “Você é um lixo. Ele não
vai querer você por
longo." Seus olhos vasculham o uniforme de torcida. “Por que você não
vai experimentar para
o show de cachorro em vez disso? É onde você pertence, vadia. "
Eu sufoco uma risada incrédula. Devlin não me quer, ponto final.
Essa coisa toda é um exercício para me fazer pular tão alto quanto porra
possível para seu jogo.
"Se Devlin só faz conexões, acho que isso significa que você não tem
um
chance de ser namorada dele também. É melhor ir cavar ouro em outro
lugar. ”
Os olhos da garota se arregalam de indignação, e ela sai pisando duro
para lamber o
ferida causada pela verdade entre seus amigos. Todos eles me dão um
tiro nojento
parece.
Qualquer que seja. São eles que lutam por um cara que nem percebe
eles existem.
A outra equipe chega para a partida de treino contra o Silver Lake High.
Alguns deles me veem à margem. Eles sorriem e se beijam.
Um bravo se dirige ao meu fim do campo para se aquecer, flexionando
seus bíceps
para esticar a camisa amarela. Há um # 11 azul escuro em seu peito.
Ele acena para mim.
Eu levanto minhas sobrancelhas, não afetada.
Devlin aparece atrás do cara, uma cabeça mais alto. A expressão em
seu rosto não é diferente de sua máscara, mas vejo uma fúria mortal no
tenso conjunto de sua mandíbula cinzelada e os cantos apertados de seus
olhos.
Ele murmura algo para Eleven. O que quer que ele diga, faz com que o
cara
vá até o final do campo de sua equipe para finalizar o
aquecimento. Devlin permanece
onde Eleven montou, driblando a bola com um jogo de pés sofisticado.
Devlin olha na minha direção, enfiando a língua entre os dentes em um
sorriso presunçoso
sorrio quando ele encontra minha atenção nele.
Mostrar.

Página 140
Assim que a partida de treino começar, é hora de torcer. Eu nunca
vou a um jogo e faço questão de evitar as líderes de torcida na escola.
Quando Devlin passa correndo com a bola, eu bato palmas e dou um
triste, "Woo!"
Devlin chama minha atenção alguns minutos depois. Sua expressão
impressionada
diz tudo: faça melhor .
Suspirando, eu aumento meus esforços.
Quando Bishop enfrenta dois jogadores ofensivos do outro
time e rouba a bola deles, coloco minhas mãos em volta da boca para
torça por ele. Bishop aponta para mim, sorrindo enquanto tece a bola
entre
seus pés para manter sua posse.
O jogo se move rápido. Um minuto a bola está caída perto do nosso
goleiro,
em seguida, no próximo Bishop e Devlin estão se movendo em
formação com o resto do
O time. É fascinante de assistir. Eles são rápidos, estratégicos e
muito bom em mover a bola.
Bishop e Devlin são uma força a ser considerada, ambos por conta
própria
e quando eles atacam juntos.
A bola passa em um borrão de jogador para jogador em nosso time. eu
acho
me torcendo com mais coração.
"Vamos lá pessoal!"
Eu me movo pelas laterais, mais perto do grupo de garotas que não
cale a boca desde o primeiro apito. Eles são melhores nisso do que
eu. eu ouço
o que eles estão dizendo em busca de ideias, mas tudo o que eles têm
são gritos infantis intermináveis
quando Devlin tem a bola.
"Você conseguiu, dez!" Eu coloco minhas mãos em volta da minha
boca e pulo
quando Bishop dá um giro legal que prende a bola entre seus
pés. "Obter
a bola!"
O bispo deve me ouvir, porque seu largo sorriso é enérgico enquanto
ele dirige
descendo o campo, passando para Devlin. Juntos, eles correm
coordenados
força. Seus oponentes não sabem como contra-atacar. Devlin tem
a bola e ele alinha um chute, chutando forte. Ele voa em um belo arco
e
erra as mãos estendidas do goleiro em mergulho, caindo no fundo da
rede.
O apito soa, confirmando o objetivo de Devlin.
“Woo! Vão, coiotes! ”
Eu não tenho ideia do que aconteceu comigo, mas estou sendo sugado
para o
jogos. Está se tornando mais fácil torcer por eles. Eu não tenho que
fingir meu
entusiasmo. A maioria da equipe sorri para mim quando passa
correndo, como se eu fosse sua
equipe de torcida pessoal de uma mulher.

Página 141
No meio da partida, lembro-me do que está por vir no final. eu
congele palmas no meio.
Porcaria.
O jogo me emocionou tanto que esqueci que torcer não é o suficiente.
Se eu quiser ser pago, tenho que beijar Devlin.
É a última coisa que eu faria, mas ...
Enquanto meus olhos o rastreiam se movendo ao redor do campo como
uma bala, meu estômago
vira. Não estou com medo de um beijo. A energia do jogo está
alimentando meu
adrenalina.
Céu - ou talvez inferno - me ajude, estou antecipando seus lábios nos
meus.
A verdade retumbante nesse pensamento me faz afundar meus dentes
em meu
bochecha.
Eu quero beijar Devlin Murphy. Mesmo que seja falso.
Devlin chama minha atenção. Sua expressão é faminta. Meu coração
bate forte
mais rápido e minha respiração engata.
Deus, estou confuso.
Devlin pisca antes de roubar a bola ultrarrápida do # 11, um
sorriso malicioso esticando seu rosto enquanto ele direciona a bola ao
redor. Onze parece
irritado. Devlin vai para a rede, imparável enquanto ele se aproxima do
alvo. Prendo a respiração, minhas palmas formigam. Se Devlin marcar
agora, o jogo
está acabado.
"Vai!" Eu grito, sem fôlego.
Devlin alinha o tiro perfeito entre os dois defensores. O pé dele
conecta-se com a bola e meu coração para quando ela voa para a rede.
Bato palmas com tanta força que minhas mãos doem. Esta é apenas uma
partida de treino, mas
algo sobre a vitória fez minha empolgação explodir livremente.
Bishop e os outros jogadores de Silver Lake High gritam como
banshees.
A derrota paira sobre a equipe adversária. Devlin circula o campo com
o punho em
o ar, terminando sua corrida alguns metros na minha frente. O resto de
sua equipe
a celebração se transforma em ruído de fundo enquanto o braço de
Devlin lentamente cai.
É isso.
Seu olhar intenso me puxa, fazendo meus pés se moverem como se eu
estivesse possuída.
Ainda estou batendo palmas quando o alcanço. Minhas bochechas
doem de tanto sorrir.
"Belo objetivo." Eu engulo em seco.
Devlin faz um som estrondoso em resposta, se aproximando. As mãos
dele
encontre meus quadris. Ele cheira almiscarado enquanto passa seus
lábios sobre os meus, cabelo

Página 142
pendurado em seu rosto. Devlin expira e atinge minha boca. eu
engula novamente.
Uma dor se revolve no meu estômago e entre as minhas pernas.
Devlin segura meu queixo. Seu toque quente me ilumina. Parece que
maldição, me atraindo e me arrastando para o mais doce inferno.
Ele passa o polegar pela minha bochecha e me pressiona sob seu
olhar fechado. "Você quer ganhar esse bônus?"
Suas palavras picam com a verdade de por que estamos fazendo isso,
mas eu não me importo.
Enfrentarei isso mais tarde. Eu inclino minha cabeça para aceitar o
beijo.
Com um rosnado baixo, Devlin cobre minha boca com a sua,
imediatamente
empurrando sua língua pelos meus lábios.
Quando estamos juntos, somos voláteis. Duro. Uma violenta
tempestade
decididos a espancar uns aos outros.
Ele reivindica meus lábios com poder, controle, a mesma força
imparável de
o campo me colocando sob seu feitiço. Meus dedos se fecham em seu
punho branco e verde
camisa.
O beijo aquece como um incêndio de cinco alarmes, queimando e nos
engolfando de desejo. eu
não esperava que ele me beijasse assim, como se eu fosse sua refeição
favorita. Eu não
saber se ele está igualmente surpreso, mas a julgar pelo gemido abafado
de que
vibra no meu peito, tenho uma ideia.
Um som engata no fundo da minha garganta quando sua língua desliza
com a minha.
Os dedos de Devlin pressionam minha bochecha e mandíbula. Ele
envolve seu braço em volta
minha cintura, segurando-me perto como se ele quisesse ser o único a
possuir
cada parte de mim.
A dor entre minhas pernas se intensifica. Isso é demais.
Eu me afasto dele, ofegante. Eu pressiono minha mão sobre meus lábios
inchados.
Os olhos de Devlin estão encobertos, suas pupilas poços sem fundo que
engolem seu
olhos escuros. Ele arrasta os dedos pelos lados da boca.
Sua atenção cai em meus lábios formigando. Ele aperta seu aperto na
minha cintura,
como se ele quisesse me puxar para outro beijo. Eu planto a mão em
seu peito para parar
ele de me varrer novamente.
Antes que qualquer um de nós possa dizer qualquer coisa sobre o beijo,
os companheiros de equipe de Devlin
bater em nós, comemorando a vitória.
"Sim! Cara, esse foi um tiro tão bom! "
"Você viu aquela peça?"
“O diabo está de volta!”

Página 143
Eles me absorvem em seu amontoado, dando tapinhas nas minhas
costas. Even Trent
e Sean parece feliz por me ter lá.
"Bom trabalho de torcida, Davis." Bishop bagunça o cabelo de
Devlin. "Você deve
venha aos nossos jogos oficiais também. Você é um amuleto de boa
sorte. ”
Dou uma risada tensa, me sentindo estranha por ter sido esmagada no
no meio de um amontoado de jogadores de futebol altos. Todos eles
fedem. Não é legal e
terroso como o perfume de Devlin.
“Eu acho que vocês estão bem sem mim. Você não ganha o tempo todo?

“Sim, mas não como que .” Bishop acena para Devlin. “Eu não vi você
joga assim desde JV. Como se você se importasse com a vitória. "
Devlin o ignora. Ele se liberta do amontoado e vai embora,
deixando-me no meio da manada de jogadores de futebol suados.
"Esperar!" Eu empurro o emaranhado de membros e luto para sair. eu
corro
depois de Devlin para alcançá-lo. "Onde você está indo?"
"Banho."
“Ok,” eu arrasto em uma longa sílaba. "E - o que você me deve?"
Devlin para, lançando um olhar acalorado em minha direção. "Você
quer mais?" Ele bufa
uma risada sensual, a curva de sua boca obscena quando ele varre seu
olhos sobre mim. Ele agarra meu pulso. “Tudo bem, venha para os
chuveiros. Eu vou te fixar
contra os ladrilhos e seus gritos ecoem por todo o armário
sala."
Meu rosto inteiro arde e minhas entranhas se reorganizam. Qual é o
problema dele? eu
fez o que ele queria.
"Pare de ser um idiota!" Eu puxo minha mão de seu aperto.
Baixando a voz, pergunto: "E quanto ao meu dinheiro?"
A mudança na expressão de Devlin é sutil, mas posso ver a maneira
como ele se fecha
estou fora. Eu não entendo o que ele quer, mas de alguma forma eu o
irritei.
“Você vai receber”, ele rosna, se afastando de mim.
Eu observo suas costas recuando para o prédio, não me importando
mais que o curto
bainha da saia de alegria se move com a brisa.

Página 144
DEZENOVE

Página 145

DEVLIN
Água quente corre pela minha cabeça, escorrendo pelos meus
braços. Eles estão preparados
contra o piso do chuveiro no vestiário, flexionando a cada respiração
forte que eu
arraste em meus pulmões. A água não afoga a pressa de
sangue em meus ouvidos ou distrair o quão duro meu pau está.
Não vou me tocar enquanto penso nela.
Minhas mãos se fecham em punhos. Bati um contra o ladrilho liso com
um grunhido.
"Peste de merda", murmuro.
Meu pau lateja assim que as palavras me deixam. O beijo se repete
sem parar, me bombardeando com os sons ofegantes de Blair, a maneira
como ela se agarrava
eu, e a onda de desejo de devorá-la ali mesmo no campo em frente ao
todos.
Eu ainda posso sentir o gosto dela em meus lábios.
Eu passo as costas de uma mão na minha boca, ignorando a pulsação
na minha
virilha.
Mais uma vez, Blair me fez esquecer o jogo. Enquanto a beijava, eu
Perdi de vista o fato de que ela só quer meu dinheiro. É a maldita isca
que ela tem
mais uma vez.
Ela é hábil em invadir meus sentidos, minando meus planos e
me intoxicando com seus olhos brilhantes da cor de uísque.
Achei que humilhá-la com um beijo de seu pior inimigo queimaria
essa pequena obsessão do meu sistema, mas não. Em vez disso, ele
ganhou vida. Esta
uma nova curiosidade está crescendo fora de controle, agora que
experimentei
lábios de pelúcia.
Meu pau empurra, o filho da puta retorcido muito estúpido para
perceber que não tenho
intenção de afundar ao nível de Blair. Eu nunca vou deixar ela me
bater. Não no

Página 146
jogo pelo qual sou mais conhecido.
"Ei, seu demônio sujo, estou saindo se você ainda não terminou de se
masturbar,"
O bispo chama.
"Foda-se", eu reclamo, levantando minha voz acima do chuveiro.
A risadinha de Bishop ecoa nas telhas. "Você tem sua pequena senhora

depois de fazer aquele show? ”
"Não."
Bishop ri de novo e dá um tapa na parede do lado de fora da minha
cabine. "Mas você
gostaria que ela fosse. "
Meu corpo certamente concorda com o tom conhecedor de
Bishop. Suspirando, eu fechei
fora da água. "Deixar."
“Tanto faz, cara. Vejo você mais tarde."
"Sim."
Bishop sai e eu sou deixado em um vestiário vazio com minha cabeça
bagunça.
Eu esperava que depois de um ou dois dias, eu voltasse aos meus
sentidos. Eu odeio estar errado.
Blair está mais inevitável do que nunca. Minha atenção parece grudada
nela
sempre que ela está perto da escola. Eu mantive minha distância, mas é
impossível não
para vigiá-la, mesmo quando não pretendo. Inevitavelmente, meu olhar
a procura.
Ela também está nos meus sonhos. Me atormentando, esteja eu
acordado ou dormindo.
Nunca me senti tão atraído por alguém antes.
Este campus me sufoca. Eu posso sair mais cedo para um passeio de
carro pelo
montanhas. Foda-se voltar aqui até que eu possa me controlar.
Enquanto eu sento em outra aula chata de inglês, tudo que posso focar
é
Blair na mesa ao lado da minha. Meu olhar periférico é magnetizado
para ela
presença. Não consigo parar de pensar no beijo no campo de futebol -
não consigo parar
pensando em Blair .
Pensamentos passam pela minha cabeça, se entrelaçando com a batida
gagueira de
meu coração quando eu pego uma pitada de shampoo doce de
baunilha. Eu brinco com a ideia
de pagar a ela para dar uma volta comigo, levá-la para casa e mantê-la
Eu mesmo. Prenda-a até que eu tenha a minha cota. Ela é escorregadia,
no entanto. Isto
não duraria o suficiente para erradicar esse vício dela.

Página 147
Não posso deixar meu lado impulsivo correr solto, não importa o quão
forte seja o desejo de
envolvê-la em meus braços é.
É uma loucura o quanto ela invadiu meus pensamentos. Quando estou
perto de
ela, meu estômago aperta. É um desafio não atraí-la para um ambiente
isolado
canto. O desejo de flertar com ela apenas para ver suas bochechas
sardentas corar preencheu
eu até a borda.
Ceder significa dar a ela poder sobre mim.
O que preciso fazer é recuar.
É hora de cortar minhas perdas. Se eu não consigo me controlar, então
o próximo viável
opção é remover a tentação. Eu dei a ela o pagamento pelo beijo,
e será a última coisa que ela receberá de mim.
Os olhos de Blair saltam, me pegando assistindo. Foda-se - quando eu
parei
olhando para ela da minha periferia? Seu olhar salta para os meus
lábios e
o calor queima minhas entranhas.
Eu quero ela.
E é exatamente por isso que tenho que parar.

Página 148
VINTE

Página 149

BLAIR
As tarefas de Devlin acabaram. Já faz quase uma semana.
Após o último pagamento por fazer um espetáculo de mim mesma em
uma torcida
uniforme e o beijo, Devlin silenciou o rádio sobre mim.
Atormentado pela ansiedade de que de alguma forma estraguei o
negócio, mordi
minhas unhas nas camas. Eles não estão tão ruins desde o ano
passado. Isto
é estranho não ter unhas de novo. Eu não consigo parar de cutucar meus
dedos.
Eu tiro minha atenção das minhas unhas tristes e me concentro no meu
dever de casa
espalhados pela mesa de café. É difícil se concentrar com o tweed que
coça
do sofá xadrez feio irritando minhas coxas e deixando marcas na minha
pele. eu
me mexer, ajustando meu short de algodão.
Mais cinco minutos tentando trabalhar em meu ensaio de história - um
assunto que eu
normalmente amo - e fecho meus olhos, caindo de costas no sofá com
um
gemido derrotado. Eu cubro meus olhos com as patas do suéter do meu
tamanho grande
moletom com capuz.
O maldito beijo com Devlin não sai da minha cabeça. A varredura dele
língua, seu aperto na minha cintura e o gemido abafado que ele fez estão
todos queimados
em minha memória. Eu não tinha ideia de que beijar poderia ser
assim. Os poucos beijos
Eu experimentei ter sido doce, estranho ou vazio de sentimento.
Beijar Devlin foi avassalador. Descontrolado. Inesquecível.
Ruinoso .
Uma espiral de calor envolve meu estômago em um emaranhado
delicioso. "Isso é
ridículo. E patético. Organize-se. ”
Estou confuso. Isso é tudo. De jeito nenhum vou deixar ele me
convencer a beijar
Ele de novo. Mesmo que ele me pague um milhão de dólares.
Nós vamos…

Página 150
Ok, não seria muito difícil. Eu caio de lado no
sofá, esticando meus braços acima da minha cabeça. Um sorriso torto
levanta a borda
da minha boca enquanto eu sonho. Com um milhão de dólares eu
poderia comprar um
bela casa, um carro confiável, elimine dívidas e contas, e ainda tenha
alguns
sobrou para pagar a faculdade.
No meio de imaginar escolhendo as aulas de história da arte perfeitas
para
No meu horário de faculdade, o barulho da porta me faz sentar ereta.
Mamãe entra pela porta horas antes de voltar para casa
turno da noite no restaurante. Seus ombros caem e seu rosto está muito
pálido,
fazendo as bolsas machucadas sob seus olhos se destacarem totalmente.
"Mamãe!" Eu me levanto do sofá e corro. "O que você está fazendo
casa?"
Ela solta um suspiro trêmulo e pega minha mão. Os dedos dela são de
gelo
resfriado.
"Oh, menina", ela sussurra asperamente.
Eu não gosto do som quebrado de sua voz. A preocupação pesa sobre
meu
estômago como tijolos cobertos de lama, aderindo e criando um
enorme massa de desconforto.
"Venha sentar-se." Enlaçando meus dedos com os dela, eu a guio para
o pequeno
mesa na cozinha.
Uma vez que ela está sentada, ela coloca a cabeça entre as mãos, os
cotovelos ossudos sobre o
tabela. Seu uniforme de garçonete está pendurado em seu pequeno
corpo. Se eu sou magro,
Mamãe está quase mortalmente magra. Ela nunca conseguia manter o
peso. E tem
sempre foi difícil quando nossas refeições são racionadas ao longo do
mês.
Seria melhor se nos qualificássemos para o vale-refeição, mas a mamãe
também ganha
Muito de. O sistema é uma piada para todos como nós, escapando pelas
fendas
porque temos renda demais para nos qualificarmos para assistência
governamental
programas que seriam uma grande ajuda e têm muito pouca renda para
sustentar
nós mesmos sem nos preocupar. Ridgeview ainda é um lugar caro para
se viver,
mesmo no lado difícil da cidade. A maior parte do contracheque da
mamãe da lanchonete
vai para o aluguel do trailer, então as contas em ordem de prioridade e
consequências. É uma existência horrível de se temer constantemente
se pudermos pagar
nossas contas ou se vamos comer de semana em semana.
Um soluço angustiado escapa da mamãe e ela enrola o cabelo no corpo
mãos com garras. Meu coração se parte quando a envolvo em meus
braços.
“Não chore,” eu sussurro, tão quebrada como ela está. Eu odeio vê-la
chorar. Isto
me destrói, apunhalando meu coração como adagas letais. "Tudo
bem. Só respire,

Página 151
Mamãe. Seja o que for, vamos descobrir. Sempre fazemos isso. ”
As palavras parecem vazias, mas não param de vir. eu tenho que fazer
algo para parar suas lágrimas.
Mamãe se vira com um gemido tenso, colocando os braços em volta da
minha cintura
e enterrando a cabeça no meu peito. Lágrimas ardem em meus olhos e
amontoam-se em meus cílios
enquanto eu acaricio seus cabelos, acalmando-a com silêncios
suaves. Ficamos assim até
ela se acalma.
"Sinto muito, querido", diz ela repetidamente em uma voz firme. "Estou
tão
Desculpe."
"Tudo bem."
O desamparo me algema, me prendendo com ferro. Como posso
consertar isso?
Mamãe dá um tapinha nas minhas costas e me empurra suavemente. Eu
me inclino para trás para dar a ela
quarto e ela olha para mim. Ela imediatamente começa a rir.
"Oh meu Deus", ela respira através de uma risada fraca. Os ombros dela
tremem
sob minhas mãos. "Você parece um guaxinim."
Eu pisco, limpando os rastros de lágrimas debaixo dos meus olhos. Meu
polegar vem
costas manchadas com rímel. Eu bufo uma risada e balanço minha
cabeça.
Dando a ela um sorriso irônico, eu a abraço. "Deixe-me ir lavar o rosto,
então eu vou
faça um pouco de chá. ”
Quando eu volto, mamãe está com o crachá na mão, traçando o plástico
letras que soletram Macy . Eu ligo a nossa chaleira elétrica que
encontrei na economia
faça compras no centro da cidade e retire xícaras e saquinhos de
chá. Enquanto faço o chá, mamãe
permanece quieto.
Me assusta quando ela desaba. Ela geralmente não chora na frente de
eu, então para ela perder a compostura em vez de chorar no quarto dela,
eu
sei que é ruim.
“Aqui,” eu digo enquanto coloco uma caneca fumegante de chá na
frente dela.
Mamãe deixa de lado o crachá de plástico amassado e fecha as mãos
em torno da caneca. Há algo sobre uma bebida quente que tem mágica
poderes calmantes. Não importa o quão ruim as coisas fiquem, isso nos
ajuda a aterrar.
Eu me sento em frente a ela e mordo meu lábio enquanto penso em
como
abordar o assunto. "Então…"
Mamãe suspira, cansada e abatida pelo mundo. Faz meu coração
pontadas, as fraturas como a picada de mil agulhas. Eu engulo meu
garganta grossa e apertada.
"Eu fui liberado da lanchonete."
Um caroço se aloja na minha garganta. Eu suspiro quando tento
respirar.

Página 152
Mamãe esfrega a têmpora, franzindo o rosto. “Eu não sei como vamos
faça o aluguel até o final do mês. Vou ter que começar a procurar outro
emprego
agora mesmo."
"Eu poderia conseguir um jo-"
"Não." Mamãe me interrompe com um olhar feroz. “Eu te disse cem
vezes, Blair. Concentre-se na escola. Eu vou cuidar de nós. Eu só quero
que você se preocupe
sobre seus estudos. Você trabalhou tão duro para conseguir sua bolsa
de estudos. Não vou ver
você desperdiça essa oportunidade por causa de preocupações com
dinheiro ”.
“Mas nem mesmo é sua culpa! É tudo porque papai saiu como um
maldito
-”
Mamãe bate a mão na mesa. Eu sacudo. Estou feliz que ela tem alguma
luta em
ela ainda, mesmo que seja para me repreender.
"É o bastante. Não importa mais. Nós apenas temos que manter
avançando. Morar não nos faz nenhum favor. ”
Eu me inclino para trás na minha cadeira, suspirando. Eu bato meus
dedos roídos nas unhas contra o
lado da caneca. Existe outra opção. Eu ia economizar, mas desde
Devlin não falou comigo a semana toda, posso muito bem dar a ela
agora.
"Eu volto já."
"Blair?"
Eu levanto um dedo enquanto vou para o meu quarto. Eu espero um
segundo, mãos plantadas
em meus quadris. Suspirando, vou para o colchão do meu futon e
levanto a ponta. Dentro
no armário, tiro dinheiro de dois pares de botas diferentes. Da minha
meia
caixa, eu recupero o resto do meu estoque de dinheiro guardado. A pilha
é grossa, tudo
vinte e cinquenta anos ganhos jogando o jogo de Devlin.
É tudo que eu salvei até agora.
Voltando para a sala principal do trailer, coloquei a pilha na frente de
Mamãe. "Aqui. Podemos usar isso para alugar. Acho que dá para dois
meses, pelo menos. ”
Mamãe fica boquiaberta, lançando seu olhar chocado do dinheiro para
mim. “O que-
Blair, de onde você tirou isso? "
Eu encolho os ombros, pegando uma cutícula vermelha irritada no meu
dedo mindinho. A picada
de dor me mantém ancorado.
Mamãe folheia o dinheiro, balbuciando a contagem. Quanto mais alto
ela
vai, mais as sobrancelhas sobem em sua testa. “Blair,” mamãe
murmura.
“Isso é quase cinco mil dólares.”
"Eu sei."
“Onde você conseguiu tanto dinheiro?”

Página 153
Eu evito a questão. “Tenho ensinado algumas pessoas na escola. Eles
estão
todos ricos, então eles pagam muito bem. Apenas pegue isso. Isso vai
ajudar? ”
Mamãe balança a cabeça em descrença. "Sim mas…"
Cobrindo sua mão com a minha, eu imploro. “Por favor, mãe. Deixe-
me
ajuda. Não sou mais criança e não quero que você se estresse com
isso. Esta
maneira você não tem que se matar procurando por um novo
emprego. Você pode ter
um pouco de descanso primeiro. ”
Eu observo seus olhos fundos, as rugas exauridas no canto de seu corpo
pálpebras, a fraqueza de seu rabo de cavalo baixo e a palidez
assustadoramente pálida de
a pele dela. Mamãe tem apenas 37 anos. Ela se casou com meu pai sujo
aos 18 anos, jovem e assim
apaixonado. Ele deu o mundo a ela, e ela me deu aos 19 anos. Ela
trabalha assim
dura e parece que ela é dez anos mais velha do que sua idade.
Mamãe já passou por muita coisa.
Seu lábio treme e seus olhos ficam vidrados, cheios de novas lágrimas.
"Oh, menina."
Eu aperto a mão dela. “Nós vamos ficar bem, mãe. Eu amo Você."
"Eu também te amo." Mamãe se levanta e dá um beijo no topo da minha
cabeça.
"Você já comeu? Que tal comermos uma pizza? ”
"Soa perfeito."
Enquanto mamãe pede a entrega, eu pego meu dever de casa na mesa
de centro
e coloque-o com pratos. Enquanto ela faz o pedido, pego meu telefone
e toco
outra mensagem para Devlin para descobrir o que está acontecendo com
nosso negócio. Se a mamãe não consegue
um trabalho, então eu preciso dele agora mais do que nunca. Tanto
quanto precisar dele faz
meu sangue ferve, ele é a maneira mais fácil de ganhar dinheiro agora.
Blair: Não sei por que você está me ignorando. Nós terminamos?
Não posso acreditar que estou realmente chateado com o ombro frio de
Devlin. Isso não
muito tempo atrás, teria sido um sonho tornado realidade parar de
existir em seu radar.
Agora eu quero pular na frente dele na torcida do SLHS
roupa novamente para chamar sua atenção.
Minhas bochechas esquentam.
Eu absolutamente não imagino o que mais eu poderia receber dele
usando isso.
Definitivamente não.
De jeito nenhum.
Não.

Página 154
Meu telefone vibra, enviando meu coração às minhas entranhas. Não é
Devlin. Ele ainda está me ignorando.
Mudando para o Instagram, abro a mensagem direta de Gemma. eu
não disse a ela sobre se envolver com o primo malvado de seu
namorado.
@brightgem: Dyyyying!
@brightgem: [enviou a história de @pugsly_daily]
A história do Instagram é hilária e tira o peso dos meus ombros
por alguns momentos de pura felicidade induzida pelo pug. O pug do
vídeo é
nossa conta favorita do cão Instafamous rechonchudo afundando em
um saco de feijão, mal
visível até que ele exploda do saquinho de feijão com um mangual
divertido.
@disblair: omg [emoji de olhos de coração] doce príncipe
protuberante!
Eu fecho o aplicativo e cutuco a lateral do meu telefone para sentir o
aperto de
minhas pontas dos dedos. Desejar que uma mensagem de Devlin
chegue não funciona.
Talvez eu deva esperar por uma estrela cadente, como mamãe
costumava dizer
Eu.
Mas isso também não funcionará.
Eu deveria saber, depois de todos os desejos que perdi esperando que
papai viesse
de volta e cuide de nós.
Mamãe e eu estamos apenas comendo nossas segundas fatias de pizza
quando alguém bate na porta
a porta. Nós pausamos nossa mastigação, olhando um para o outro.
"Espero que não seja Alexei querendo cobrar o aluguel." Mamãe limpa
pizza
molho de sua boca e vai se levantar.
"Eu atenderei."
Eu levanto antes que ela possa. Ela merece descansar.
Quando abro a porta de alumínio, tenho o que direi a Alexei, o
senhorio pronto para ir. Mas, em vez do cabelo ralo e descolorido de
Alexei,
bigodes grisalhos e barriga de cerveja, alguém que eu nunca pensei que
veria aqui espera por
a parte inferior das etapas.
Devlin.

Página 155
Ele fica na beira da poça de luz que se derrama sobre as ervas daninhas
e
cascalho na frente do nosso trailer, as mãos enfiadas nos bolsos. É uma
noite amena,
o calor do dia ainda não caindo nas temperaturas mais amenas.
Depois de mal vê-lo ou falar com ele esta semana, ele está aqui no meu
porta de entrada em um henley e jeans.
"Oi." Eu coloco minhas mãos no batente da porta. "O que você está
fazendo aqui?"
Devlin dá um passo à frente, na direção da luz. Ele olha para mim, olhos
encapuzado. Há bolsas embaixo deles, um sinal de que ele não
descansou. Eu nunca
vi ele assim.
Olhando por cima do ombro, encontro mamãe mordiscando sua crosta,
tentando
parece que ela não está ouvindo. Eu fecho a porta atrás de mim e sento
no topo
Passo. Um aperto desconfortável se instala em meu peito. É irritante
enfrentar Devlin
enquanto está sentado na frente da minha casa triste. O trailer poderia
caber facilmente em seu
garagem. Duas vezes, provavelmente.
Quando ele ainda não me responde, eu me intrometo mais. “Você me
evitou tudo
semana."
Não nos falamos desde o beijo em sua partida de treino. Mesmo em
ingles,
Devlin chega bem quando a campainha toca e sai assim que a aula
termina.
Devlin pega um cigarro e o acende, o brilho âmbar da chama
cintilando sobre os planos nítidos de seu rosto. Ele dá uma tragada
profunda, depois inclina
sua cabeça ligeiramente para trás para expirar. A nuvem de fumaça acre
ondula no ar,
fazendo cócegas em minhas narinas.
Eu cubro meu nariz com a manga do meu moletom enorme para filtrar
o
fumaça. "Então, vamos ter uma conversa unilateral aqui?"
Seu olhar se fixa no meu. Um músculo em sua mandíbula salta. Suas
bochechas encovadas
enquanto ele inala outra baforada.
“Fale comigo,” eu exijo, ficando irritada. Eu pulo de pé e corro
descer os degraus para chegar na cara dele. Ao primeiro toque de couro
e gengibre, meu
coração pula. Eu realmente senti falta disso. Vou fazer com que ele me
responda. “Por que você
vem aqui se você ainda está me ignorando? "
Devlin arranca o cigarro de entre os lábios, acendendo-o com um
filme ausente. Ele é irritante.
Jogando minhas mãos para cima, eu pergunto: "Como você sabe onde
eu moro?"
Devlin fica agitado, a linha afiada de sua mandíbula tensa enquanto ele
joga seu
cigarro meio acabado no cascalho e esmaga o sapato nele. Ele varre
seu olhar para longe, apenas para cortar de volta para mim como se ele
precisasse me manter à vista.

Página 156
Estou preocupado que algo tenha acontecido com sua família ou algo
assim
sombra assombrada em seus olhos escuros.
“Eu te segui para casa uma vez. Então, eu saberia como chegar até você
se você tivesse
longe."
Um arrepio percorre minha espinha. "Você ... o quê ?"
Devlin franze os lábios e encolhe os ombros. “Eu precisava saber, então
eu te segui.
Eu sei onde você mora esse tempo todo. ”
“Ok, perseguidor. Isso está errado em muitos níveis. ”
Ele puxa as mangas compridas do meu moletom. É então que eu
percebo que estou
shorts de algodão com patos amarelos estampados. Ele levanta uma
sobrancelha e esbarra
minha coxa logo abaixo da bainha.
Meu pulso troveja. Quando eu tropeço para longe, estremeço, batendo
meu dedão do pé descalço
em um grande pedaço de cascalho.
Devlin me puxa de volta pelos quadris, deslizando os dedos sob a
bainha
do moletom. Eu engulo, lutando contra a vibração. Nosso beijo não foi
real, e
nem é isso. Ele está brincando comigo.
Lutando para mascarar a verdadeira mágoa em minhas palavras,
murmuro: "Eu pensei que você
me jogou fora. "
“Eu não jogo as pessoas fora,” Devlin diz, frio e preciso. Seu controle
sobre
meus quadris flexionam. “Eu os uso quando são úteis para mim.”
Minha cabeça é jogada para trás. "É a mesma coisa."
Ele desliza a mão mais para o lado do meu estômago. Seu toque é
quente,
enviando faíscas sobre minha pele.
"Não é."
Devlin pressiona seu rosto no meu pescoço e expira. A rajada de ar
quente
me faz estremecer. Sua língua se lança e prova minha pele.
Isso é loucura. Ele é aquele que ficou fora a semana toda, e agora ele
está
me segurando como um homem possesso, sem vontade de me deixar
ir. Depois de hesitar
com minhas mãos penduradas no ar, eu as coloco de lado, brincando
com o
material macio da camisa henley agarrado ao seu abdômen.
"Que tipo de sereia perversa é você?"
"Eu não sei o que você quer dizer."
Ele se inclina para trás para me dar um olhar pensativo. “Você me faz
querer
coisas impossíveis. Desde que você me beijou, eu quero ... ”
Sua atenção cai para meus lábios. Ele se inclina, pairando sobre a boca
minha.

Página 157
“O beijo foi uma de suas ordens para o negócio,” eu sussurro, com os
olhos arregalados. "Isto
não era real. ”
Devlin está parado. Ele enterra o rosto no meu pescoço, permanecendo
quieto por
outra batida. Ele murmura algo que não consigo entender, palavras
abafadas
contra meu pescoço.
Este é um demônio diferente do que eu conheço.
A preocupação prevalece sobre todo o resto - meu aborrecimento com
ele por
evitando a mim e ao estresse. "O que há de errado?"
Devlin se transforma em mármore sob minhas mãos, rígido e
impenetrável. Ele
se inclina para trás para me encarar, suas mãos travando na parte
inferior das minhas costas.
“Venha morar comigo. Viva na minha casa. ”
A descrença cai sobre mim. Por um longo momento, eu não consigo
falar, apenas bocejar
para ele. Quando encontro minha voz, é estridente.
"Desculpe?" Uma risadinha nervosa sai de dentro de mim. “Você abriu
o seu
boca e fodidamente louco saiu. "
A expressão de Devlin é uma máscara em branco.
Não.
Não, não, porra não.
Eu empurro seu peito, mas ele me mantém no lugar, apertando seu
abraço.
Olhando para ele, eu listo todas as maneiras que isso nunca vai
acontecer.
"Você está fora de si! O que te faz pensar que eu concordaria com isso?
O que você ganharia com isso? De jeito nenhum! As pessoas na escola
iriam
falar e ficar com a ideia errada e, mais importante, minha mãe nunca
deixaria
Eu!"
"Dez mil." É a única resposta de Devlin, passiva e entediada.
Que porra é essa?
Eu bato em seu peito. Ele não se move.
" Por quê ?"
"Eu não tenho que explicar para você."
"Sim, se você espera que eu concorde!"
"Você está desistindo do nosso acordo?" Devlin me esmaga em seus
braços.
“Tudo o que eu disser vai. Se você não puder cumprir, vou rasgar nosso
contrato e derrubar
você na delegacia. ”
"Não!"
É difícil controlar a destruição do trem de emoções.
Por um lado, dez mil é muito dinheiro. Tudo que eu preciso fazer para
obtê-lo é ao vivo
com Devlin. Isso é bem menos humilhação pública, a menos que ele
traga

Página 158
pessoas em casa enquanto estou lá ou me deixe ir para a escola com ele.
Por outro lado, eu teria que viver com Devlin. Território inimigo,
desconhecido
e não mapeado. Isso me colocaria em uma posição vulnerável,
dependente dele
em todos os sentidos.
Jesus, o que ele faria com acesso a mim noite e dia? Ele é um
demônio retorcido e cruel. Tenho medo de imaginar o que ele pode
surgir
com em sua cabeça fodida.
A água da pia é aberta dentro do trailer. Eu posso ouvir o mudo
sons de mamãe se mexendo. Merda, eu não posso deixar ela descobrir
sobre o meu negócio
com Devlin.
“Você é psicótico e tem direito! Eu não vou fazer isso. Você não pode
simplesmente jogar
dinheiro para mim para que isso aconteça. O mundo não funciona
assim, Devlin. ”
Isso foi muito mais longe do que navegar no campo de jogo de Devlin
para
me manter fora da prisão.
Um músculo salta na mandíbula de Devlin quando ele se aperta. “No
meu mundo, sim.
O dinheiro não importa. Tudo que eu quero, eu entendo. ”
Ele desliza a mão no meu cabelo e puxa um punhado, puxando minha
cabeça
voltar. Um grito estrangulado fica preso na minha garganta. Ele põe os
dentes no
coluna esticada do meu pescoço, arranhando a pele. Eu empurro em seu
aperto,
calor passando por mim e latejando entre minhas pernas. Eu odeio o
jeito que ele
pode manipular meu corpo.
"Você não aprendeu as regras agora, pequeno ladrão?" A língua dele
persegue
o mesmo caminho de seus dentes. Eu cerro meus molares teimosamente
para segurar um gemido.
Não é justo, é tão bom. "Você não pode dizer não."
Eu me empurro contra ele para despistá-lo. "Me deixar ir!"
Devlin me solta com um grunhido e tropeço no cascalho. Isso cava
nas solas dos meus pés. Cerrar os dentes não ajuda a afastar o
dor.
"Você vem comigo esta noite."
"Eu acho que não."
Farto de Devlin, eu empurro a manga do meu capuz e dou um tapa
nele. O
O estalo da minha mão em sua bochecha ecoa no ar.
"Eu não sou ."
Devlin toca sua bochecha com cautela, olhando para mim com surpresa.
Bom.
Puxar de volta algum controle desse idiota intitulado parece incrível.

Página 159
Há um brilho de respeito nos olhos de Devlin por um segundo antes
disso
desaparece. Ele não faz nenhum movimento para retaliar. Eu não confio
nele, então eu respondo
contra ele com minha guarda levantada, preparado para o que quer que
ele queira jogar
eu próximo.
Meu peito arfa em uma respiração frustrada. “Você pode me pagar para
fazer
o que quer que você diga, mas isso não significa que você me controle.
"
Devlin me considera, inclinando a cabeça como se eu tivesse feito uma
jogada que ele não era
esperando. Os cantos de sua boca se contraem.
Antes que nossa discussão possa continuar, um estrondo alto soa de
dentro,
chamando nossa atenção. Eu giro no meu calcanhar, um pavor gelado
congelando minhas veias.
"Mamãe!"
Devlin está bem atrás de mim enquanto corremos para dentro do trailer.

Página 160
VINTE E UM

Página 161

DEVLIN
Macy Davis está caída no chão de linóleo barato, onde ela
desabou, branco como um lençol. Pedaços pontiagudos de uma placa
quebrada estão espalhados
ao redor dela. A torneira da pia está aberta.
Não é assim que eu esperava que as coisas fossem quando dirigi até
aqui para obter
Blair, não conseguindo mais evitar evitá-la.
"Oh meu Deus", Blair coaxa.
Algo ganha vida dentro do meu coração há muito congelado enquanto
Blair começa a
seus joelhos ao lado de sua mãe, quase perdendo o corte de seu joelho
aberto em um
pedaço de vidro estilhaçado.
A devoção de Blair por sua mãe é óbvia. É inegável que ela a ama.
Atordoado, eu passo ao redor deles para fechar a torneira. Uma
inquietação estimula
eu por dentro enquanto observo Blair cuidar de sua mãe. As peças do
O tabuleiro de xadrez se espalhou em minha cabeça, a estratégia
desequilibrada por um desejo de ajudar.
"Mamãe? Mamãe!" Blair rola Macy suavemente e toca sua bochecha.
"Mãe, acorde."
Simultaneamente chama o fragmento mutilado dentro de mim que
anseia por
se encaixam na minha família novamente e me faz arder de ciúme que
esses dois
as mulheres têm uma conexão forte. Um vínculo que nunca terei.
"Podemos colocá-la no carro?" Blair pergunta. “Nós temos que levá-la
ao
hospital."
“Por que diabos nós a levaríamos nós mesmos? Não sabemos o que
aconteceu com ela e nenhum de nós tem treinamento médico de
emergência. Nós
não pode transportá-la com segurança. ”
Blair cobre o rosto com uma das mãos. “Não temos seguro.”

Página 162
O conceito é estranho para mim. Com pais renomados na área médica
campo que me pressiona a seguir seus passos, sinto como se tivesse
colher alimentou a importância dos cuidados médicos. Minha família
nunca enfrentou ser
sem seguro. Eu não consigo entender estar doente e não ser capaz de
ver
um médico.
"Vamos nos preocupar com isso mais tarde." Pego meu telefone e
ligo. Eu tenho que
faça alguma coisa. “Quanto antes pedirmos ajuda profissional, melhor.”
Blair me lança um olhar exausto. Ela hesita, franzindo os
lábios. "Multar.
Chame uma ambulância, então! Nós precisamos de ajuda."
Eu levanto minhas sobrancelhas, o telefone pressionado no meu
ouvido. “Já estou nisso. Não se mexa
ela demais, você não sabe o que a levou ao colapso. "
Os olhos de Blair se arregalam, provavelmente em pânico porque ela
virou a mãe.
Ela pega a mão de Macy e pressiona a testa contra ela.
"As mãos dela estão frias e úmidas."
"OK. Verifique se há pulso. ”
A cor se esvai do rosto de Blair. Enquanto seus dedos se atrapalham
com o pulso de Macy,
ela sussurra: "Oh meu Deus."
A voz calma de uma mulher atende o telefone. “ 911, qual é o seu
emergência? ”
“Eu preciso de uma ambulância em 502 Spruce Lane, em Pine Hills
Park. Uma mulher
desabou."
“ Ok, senhor, eu tenho ajuda no caminho . Ela está consciente? ”
Eu me inclino para ver melhor. "Não. Ela desmaiou. "
“ Ela está respirando? ”
"Sim."
Blair murmura para sua mãe, acariciando cuidadosamente seus cabelos,
arrumando-os
de seu rosto. Lágrimas caem dos cílios escuros de Blair e ela morde o
lábio. Eu tenho
nunca a vi assim. Por alguma razão, eu quero tirar suas lágrimas,
faça ela se sentir melhor.
Eu quero protegê-la, porque só eu posso fazê-la chorar.
Essas lágrimas não são para mim.
"Ficará tudo bem." Blair se encolhe e olha para mim. Meu peito
aperta forte em volta do meu coração. "Sua mãe vai ficar bem."
Os grandes olhos cor de uísque de Blair brilham sob a luz fluorescente.
Ela acena com a cabeça. É estranho encontrá-la linda agora, com o nariz
rosa e
escorrendo, os olhos inchados e as lágrimas escorrendo pelo rosto.
Linda e minha.

Página 163
Meu para proteger. Meu para cuidar. Meu .
Não sei por que cedi ao desejo de confortá-la. Eu não devo nada a ela.
Na verdade, ela me deve e sua dívida ainda não foi paga.
Observando ela segurar gentilmente a mão de sua mãe enquanto as
lágrimas caem de seu queixo, eu
esqueça a dor persistente na minha bochecha, onde ela me deu um
tapa. A
faixa invisível em volta do meu peito torna difícil respirar. eu luto
contra o instinto de agachar-se ao lado de Blair, pegá-la em meus braços
e
inale o perfume de seu xampu de baunilha.
Ela me pertenceu desde que assinou o contrato. Antes mesmo.
A possessividade se eleva e assume o controle. Eu coloco tudo entre
nós
a parte, de lado. A única coisa que importa agora é o controle.
Minutos depois, luzes vermelhas piscando piscam pelas janelas,
iluminando as paredes. Abro a porta da frente. Assim que os
paramédicos entram,
Pego Blair em meus braços e a levanto para longe de Macy.
As equipes de emergência se ajoelham de cada lado de Macy no
cozinha em toda a sala estreita. Uma é uma mulher com suas tranças
torcidas
em um coque no topo de sua cabeça e o outro é um homem atarracado
em um EMT
uniforme.
"Esperar!" Blair chora, agitando as pernas enquanto eu saio do
caminho.
Mesmo enquanto ela luta, ela não pesa nada em meus braços. O short
minúsculo dela
com o padrão de pato, mais ela se debate, me deixando louco. eu desejo
que eu
poderia vê-la assim em circunstâncias diferentes.
Quando tudo isso terminar, vou fazê-la vestir o short novamente.
"Acalmar." Coloquei Blair no sofá, resistindo à contração na minha
mãos para pegá-la novamente. Eu empurro meu queixo. “Há vidros
quebrados por toda parte
no chão e você está descalço. ”
Blair olha para baixo. "Oh."
“Vá encontrar sapatos. Você provavelmente vai precisar deles se
tiverem que levá-la. "
As feições de Blair desmoronam. Ela rola os lábios entre os dentes e
acena com a cabeça.
Afastando-se, ela corre por um corredor escuro.
“Paciente é mulher, trinta e poucos anos, está inconsciente”, a mulher
anuncia para
seu parceiro. “A respiração é superficial. O paciente apresenta sintomas
de
hipotensão. Alguma condição conhecida? ”
Eu olho pelo corredor, Blair desapareceu. "Não tenho certeza."
O EMT faz uma anotação em seu tablet.
Quando Blair volta com um par de Chucks pretos, eu coloco ela
ao meu lado enquanto as equipes de emergência verificam os sinais
vitais de Macy e correm

Página 164
em torno de seu corpo deitado, evitando o vidro. Nós pairamos do outro
lado do
sala, ao lado do sofá mais feio do mundo e uma mesa de centro
surrada. Blair
treme, cravando os dedos no tecido da minha camisa. Segurando ela
fechar parece certo, acalmando a estranha possessividade. Eu acaricio
suas costas,
me sentindo estranho porque eu nunca consolei ninguém, e gosto do
a ação é a coisa mais natural a se fazer.
O tempo todo eu ignoro como é bom tê-la apoiada em mim. eu
não deveria gostar de ter Blair em meus braços. Eu vim aqui para
arrastá-la de volta para
minha torre nas montanhas porque sou um monstro egoísta.
Ela só está se consolando no meu abraço porque está perturbada, e eu
encarregou-se da situação.
"Ok, vamos carregá-la." O paramédico se volta para nós no apertado
espaço enquanto seu parceiro monta uma maca. “Nós vamos levá-la
para
Memorial de Ridgeview. Eu só posso deixar um de vocês ir na
ambulância. ”
"Eu", Blair fala. Ela enxuga os olhos e se afasta
meu lado, deixando-o frio e vazio. "Eu sou filha dela."
"Ok, vamos lá." O paramédico gesticula para a porta.
Lá fora, Blair congela, olhando para seu moletom e aqueles fofinhos
shorts. Quando ela saiu do trailer neles eu queria enterrar minhas mãos
sob a bainha e palma em sua bunda.
"Basta ir", murmuro em seu ouvido, apertando seus ombros por trás.
“As pessoas aparecem em todos os tipos de merdas quando há uma
emergência.
Onde está a chave da casa? Vou limpar o vidro, depois trancar e seguir
atrás de você."
Blair abaixa a cabeça, esfregando o rosto. “Fixe na porta. Obrigado."
"Eu estarei bem atrás de você."
"OK." A voz de Blair é tão pequena.
É bizarro vê-la assim, exausta e arrasada. Eu estou
acostumada com sua força silenciosa, a teimosia para superar as
provocações
escola. Eu quero congelar o momento para que eu possa examinar este
novo e fascinante
faceta de todos os ângulos, mas não há tempo.
"Eu prometo." Não sei o que me leva a oferecer garantias a ela.
Esfregando seus ombros, eu explico, “Ridgeview Memorial é
bom. Minhas
padrinho é o chefe da medicina lá. ”
Um lampejo de esperança ganha vida nos olhos de
Blair. "Obrigado." Ela olha para
a ambulância enquanto sua mãe é carregada nas costas. “Eu sei que
você veio aqui
por um motivo diferente. Mas, hum, estou feliz por você estar aqui. "

Página 165
Blair toca meu braço brevemente. Minha pobre pestinha está abalada,
insegura. Para
tudo que ela cuida das coisas, neste caso ela deixou o pânico governá-
la.
Eu lambo meus lábios. "Você pode me pagar mais tarde."
A crueldade deliberada de minhas palavras é usada para reconquistar
um terreno mais elevado.
Ela não consegue um passe. Não afasta a falta de controle que estou
lutando com.
Blair fica tensa.
Respirando fundo, ela sai correndo. Eu assisto do degrau da frente do
trailer dela
enquanto ela pega a mão do paramédico e sobe nas costas do
ambulância. Eu engulo a vontade de arrancá-la do cara do EMS. Ele é
fazendo seu trabalho, não vindo para cima dela.
Quando a ambulância sai, esmagando o cascalho, eu acorrento o
monstro para dentro e volte para o trailer.
Por dentro, faço uma pausa. Eu poderia descobrir todos os segredos de
Blair. Ela não deveria ter
confiou em mim para estar sozinha em seu trailer.
Localizando a vassoura, cuido dos restos do prato quebrado.
Cada segundo que passo no trailer, inalando notas de baunilha, é outro
em segundo lugar, uma corda puxa ensinada em meu estômago.
Uma semana sem falar com ela foi uma tortura. Eu ia deixar tudo
vá - o acordo, a invasão, até mesmo esqueça a existência dela. Meu
objetivo era
voltar a como as coisas eram antes de ela invadir minha garagem, antes
disso
jogo começou entre nós.
Isso me confundiu depois que ela me beijou como uma sereia, então
pediu
Forma de pagamento.
E é minha própria culpa. Meu próprio jogo me destruiu.
A ideia de fazê-la usar o uniforme de torcida e fazer papel de boba
ela mesma na frente de todos, em seguida, beijar-me para coroar tudo,
era para
ser uma forma de brincar com ela. Em vez disso, sou o único
atormentado por aquele beijo de merda.
Não era para despertar esse desejo em mim.
O sabor não é suficiente. Sou um viciado, desesperado por minha droga
preferida.
Depois de beijar Blair, eu quero devorá-la, porra.
O tempo que passei me restringindo, ignorando-a na aula e evitando
ela na escola só aumentou essa necessidade. Fez o oposto do que eu
desejado. Em vez de tirá-la do meu sistema, ela cravou suas garras mais
profundamente. eu
não podia ficar mais longe.
Ela está na minha corrente sanguínea e ela não vai a lugar nenhum a
menos que eu vá
algo sobre isso.

Página 166
Eu não quero ir para minha casa vazia deprimente nas montanhas, e
Eu não vou deixá-la sozinha agora.
Esqueça bisbilhotar os segredos de Blair.
Eu vou pegar minha garota.
A voz de Blair me alcança enquanto procuro na sala de emergência.
“Eu não me importo com seus procedimentos! Essa é minha mãe e eu
quero ir
de volta com ela! "
Virando a próxima esquina, encontro Blair lutando com uma
enfermeira.
"Senhorita, eu não posso deixar você além deste ponto." A enfermeira
parece completamente
feito, como se ela tivesse se repetido várias vezes. “Você pode esperar
na sala
bem ali."
Eu fecho a distância entre nós em quatro longas passadas, deslizando
entre
Blair e a enfermeira.
"Pare. Você está apenas fazendo uma cena e não chegando a lugar
nenhum. Não é assim
você consegue o que deseja. ”
Blair o encara. "E daí? Eu quero voltar lá. ”
A enfermeira desaparece atrás da porta Proibida a entrada além deste
ponto enquanto
Blair está distraída.
“Rápido, ela se foi. Podemos entrar sorrateiramente. ”
Quase sorrio. Pequeno encrenqueiro chato.
"Vamos." Direcionando Blair para longe da porta restrita, eu a levo para
um
área de descanso. Eu beijo sua testa. "Espere por mim."
Há uma máquina de venda automática de café nas
proximidades. Provavelmente é amargo e
uma merda, mas ela precisa de algo quente para beber. Eu aperto os
botões e
observe o copo de papelão encher.
Esta área do hospital não está ocupada agora. Passei por algumas
pessoas em
a recepção do pronto-socorro quando entrei, mas esta seção está deserta.
A iluminação é muito forte, tudo cheira a ar viciado e adstringente
antisséptico. Ele cria uma sensação de espaço liminar.
Eu não gosto de hospitais.
Uma das poucas memórias que tenho antes de meus pais começarem a
me largar
em outros foi quando eu era jovem, talvez quatro ou cinco. Eu estava
brincando com

Página 167
Lucas, que escalava melhor desde que era um ano mais velho. Eu queria
fazer
qualquer coisa que Lucas fez. Ele era meu ídolo. Meu unico amigo.
Quando tentei subir tão alto quanto Lucas, me atrapalhei com o
equilíbrio e
caiu mal em uma rocha. Eles me fizeram passar a noite no hospital,
sozinho,
com muitas máquinas de bipes.
Pegando o café bem quente, volto e encontro Blair mordendo-a
abusou da unha do polegar. Suas sobrancelhas estão franzidas e ela olha
para o espaço. eu passo
ela o café.
“Na ambulância ela começou a ter convulsões ou algo assim, não sei”,
Blair
murmura, parecendo abalado. “Assim que chegamos ao hospital, eles a
levaram
longe."
Eu levanto seu queixo. Seus olhos estão injetados e inchados. “Eu vou
encontrar
meu padrinho. Espere aqui. ”
Blair solta um suspiro irregular e encolhe os ombros. Tomando um gole
de café, ela
caretas.
"Isso tem gosto de merda."
O canto da minha boca se curva. "Resistente."
“Sério, esta é a pior xícara de café que já tomei.”
Deixo-a com seu café horrível de hospital e sigo para o elevador em
o próximo corredor. Subo até o terceiro andar, questionando o que estou
fazendo
todo o caminho até o escritório do meu padrinho.
Seja o que for, eu vou ver até o fim. Não há por que parar nisso
apontar. Se isso me levar ao meu fim de jogo, então vale a pena.
Tio Craig está dentro do escritório, sentado em uma mesa com tampo
de vidro com um par de
óculos de leitura caindo na ponta do nariz enquanto ele passa por cima
registros médicos. Um jaleco branco está enrolado em um sofá de couro
preto.
Craig é um homem de peito largo com um largo sorriso branco e
brilhante, leve
pele morena e olhos calorosos que fazem você sentir seu amor. Ele não
é meu tio
de sangue, mas eu o conheço minha vida inteira. Ele sempre insiste que
eu o trate
como família, o que estou feliz em fazer. No que me diz respeito, somos
uma família.
Eu bato na porta aberta. "Ei."
Tio Craig olha para cima e sorri para mim, acenando com a mão para
me fazer um gesto
in. “Devlin! Que surpresa. Eu estava conversando com seu pai alguns
dias
atrás. Sente-se."
Claro. Papai pode conversar com seus colegas, mas não com seu
próprio filho. eu
não converso com papai há mais de uma semana. Ele ignora a maior
parte do meu
Texto:% s.

Página 168
Eu deveria entender a dica e parar de me arrastar sobre brasas porque
não há nada a ganhar com ele.
Estou do outro lado da mesa de Craig. “Na verdade, eu não posso ficar
muito tempo.
Meu ... ”Eu vacilo. O que é Blair para mim? Ainda não somos
amigos. O que você faz
ligar para a garota que te deixa louco que você paga para controlar? O
pensamento
chacoalha pela minha cabeça de forma desagradável. As sobrancelhas
grisalhas de Craig erguem-se na minha
trapalhada verbal. Normalmente não tenho a língua presa. “... amiga, a
mãe dela era
trazido. Quero ter certeza de que ela receba o melhor atendimento
possível. ”
"Ah, entendi." Craig esfrega a grande palma da mão na careca
brilhante. Ele
arrasta seu laptop aberto para mais perto. "Qual o nome?"
“Macy Davis.”
As teclas do teclado clicam conforme Craig digita. Craig empurra os
óculos para cima
nariz. Seus olhos saltam para frente e para trás enquanto ele lê as
informações no
tela.
"OK. Ela recebeu uma cama no departamento de emergência para
avaliação
dos sintomas que ela apresentou ao chegar. Eu não posso te dizer
exatamente
detalhes."
"Você pode transferi-la para um quarto privado?"
Eu imagino Blair mordendo as unhas e sentada em seu short de pato
andar de baixo. Um suspiro sai de mim. Eu não posso dar a ela minha
própria saúde
seguro, mas posso jogar dinheiro no problema.
Um instinto mesquinho tem me incomodado desde que vi Blair com ela
joelhos ao lado de sua mãe. É algo lutando contra os tons mais escuros
de
minha mente está empenhada em conseguir o que quero com isso.
"Se eles a admitirem no chão, então sim."
“Eu quero cuidar de tudo isso.”
Craig tira os óculos de leitura e coça o queixo. “Algum amigo.
Tem certeza? Posso ver que este paciente não tem seguro em arquivo.

Eu aceno minha mão. “O que quer que dê a ela os melhores testes e
cuidados. Faça
acontecer. Você vai ficar de olho no caso dela? "
“Isso faz parte do meu trabalho.” Craig me estuda. "Está tudo
bem? Vocês
parece o inferno. "
Minha boca puxa para o lado. “Estudando muito, sabe? Papai me espera
para ser o melhor este ano para ter uma boa aparência para programas
de pré-medicina. ”
Craig abana a cabeça. "Descanse um pouco, Devlin."
Eu solto um suspiro de alívio. "Obrigado, tio Craig."
Enquanto Craig digita em seu laptop, saio do escritório.

Página 169
Blair não se moveu de onde eu a deixei, e isso envia um zumbido
satisfeito
na boca do meu estômago. Ela escutou. Obedecido.
Antes que eu pudesse contar a ela a boa notícia, a mesma enfermeira
com quem Blair discutiu
vem pelas portas duplas.
“Senhorita Davis? Estamos admitindo sua mãe lá em cima. Vem
comigo eu vou
levar você para vê-la. ”
Blair pula de pé e abandona sua xícara de café de papelão em um
pilha de revistas. "Ela esta bem?"
“Ela está estável. O médico que assumirá o caso provavelmente fará
alguns testes
para descobrir o que causou sua pressão arterial baixa. ”
A enfermeira caminha rapidamente enquanto fala. Blair se apressa para
se manter mais curto
pernas. Eu coloco meu braço em volta da cintura dela enquanto
seguimos a enfermeira para outro banco
de elevadores.
É ridículo, mas luto contra uma crise de irritação. Eu queria contar
Blair.
Enquanto a enfermeira nos orienta pelo corredor imaculado, Blair
enrijece ao lado
Eu.
"O que há de errado?"
“Estes são todos quartos privados. Eu pensei que os hospitais tinham
alguns onde você
compartilhar."
“Sua mãe está recebendo o melhor cuidado possível. Não é isso que
você quer? "
Blair me lança um olhar conflituoso. “Sim, mas ... não são quartos
privados
caro?"
Sua sobrancelha aperta. A matemática está se somando em sua
mente. Ela é provavelmente
levando em consideração o custo da viagem de ambulância, e quaisquer
que sejam as taxas
para o médico da sala de emergência.
“Aqui estamos”, a enfermeira anuncia quando chegamos a uma sala no
final do
o Salão.
Quarto de canto. Terá uma bela vista da cordilheira que se estende
em Ridgeview pela manhã. Eu suprimo um suspiro. Eu disse ao tio
Craig para
tome o melhor cuidado de Macy.
Eu não deveria me preocupar. Nem vai prejudicar a conta dos meus pais
despejar dinheiro em cada mês. O dinheiro da culpa.
Como se o dinheiro deles pudesse substituir a verdadeira paternidade.
Além disso, se drenou a conta, tenho minhas contas pessoais
cresci com meu consultor financeiro por meio de investimentos.
Página 170
“O horário de visita é até as 20h, então você tem cerca de vinte minutos
para ver
sua."
“Obrigado”, diz Blair.
A enfermeira acena com a cabeça e desce o corredor para a estação de
enfermagem.
"Você quer que eu fique?"
"Uh, não tenho certeza." Blair olha ansiosamente para o quarto do
hospital. "EU
não tem uma carona para casa. ”
"Sim ou não?"
"Não…?"
Suspirando, pego minha carteira. "Aqui." Eu entrego a ela uma nota de
vinte. "Pegar um taxi
casa."
"Obrigado."
Ir embora é a última coisa que quero fazer.
Eu quero arrastá-la para uma sala vazia e rasgar aquele algodão tentador
shorts fora dela. É uma tortura tê-la tão perto a noite toda após uma
semana de
resistir e não poder beijá-la ou tocá-la do jeito que eu quero.
Blair me olha, hesitando. “Você tem sido ... não o que eu esperava. eu
realmente aprecio sua ajuda. ”
Eu fico olhando para ela. Ela é a única coisa que eu quis durante toda a
semana. Ela está certa
na minha frente, me agradecendo.
E eu não terminei de tirar dela.
A dívida dela não foi paga.
Nem mesmo perto.
Eu levantei o preço que ela me deve mais. Eu terei o que eu quiser
dela. Tudo isso.
Blair é minha. Nada vai mudar isso agora.
"Você pode me agradecer mais tarde." Eu seguro seus ombros. “Porque
eu tenho o seu
mãe neste quarto e melhor cuidar. ”
As feições de Blair afrouxam. "Você o que?"
Eu me inclino para murmurar em seu ouvido. “Você pode considerar o
que eu fiz
Forma de pagamento. Estarei aí neste fim de semana para buscá-lo. É
melhor você fazer as malas
E pronto."
Um minuto atrás, ela estava me agradecendo. Agora ela tropeça um
passo para trás,
olhando para mim.
A demanda destrói qualquer ponte que construí com Blair ao ajudá-la
através da situação esta noite. Em vez de cruzar, eu escolho meu
egoísmo

Página 171
sobre todo o resto. É a única maneira que conheço de manter as peças
no
bordo sob meu controle.
"Te odeio." O olhar de Blair é feroz, mas ela não discute.
Eu sorrio. "Eu sei."
O problema não é que Blair me odeie. É que eu não a odeio mais
totalmente.
Escoou-se, superado pela crescente obsessão com a forma como ela
me faz sentir vivo quando estou perto dela.
A única coisa que me interessa é tê-la.
E eu sempre consigo o que quero.
"Vá ficar com sua mãe." Eu começo a recuar, mantendo-a trancada
minha vista. A fúria pura rola de Blair em ondas. "Vejo você neste fim
de semana."

Página 172
VINTE E DOIS

Página 173

BLAIR
Este mês pareceu muito longo com tudo o que aconteceu.
É o último fim de semana de setembro e o clima piorou
meados dos anos 80 a semana toda com uma onda de calor no final da
temporada. Estou desejando o refrigerador
temperaturas de outono, quando os álamos ficam dourados e o cheiro
de
a fumaça de lenha enche o ar.
A antiga unidade de janela morreu em agosto, deixando-me sofrendo
em um
trailer opressivamente quente enquanto eu puxo minha pequena caixa
de livros para o carro.
Devlin não está ajudando, seu bastardo.
Eu quero dar um tapa no sorriso bajulador e triunfante de seu rosto.
Ele se inclina contra o Porsche com óculos escuros, braços cruzados,
mostrando
fora da curva definida de seus bíceps. Em seu short de basquete e um
branco e
camiseta verde do time do colégio do SLHS, ele parece muito
bom. Estou irritado com
a mim mesma por ceder aos instintos mais básicos. Como posso ser
atraído por esse idiota
com cabelo preto despenteado e uma mandíbula cortada?
Devlin se mexe, deslizando a mão por baixo da camiseta para coçar,
mostrando seu abdômen enquanto a camisa levanta.
Deus. Droga. Isto.
Foda-se meu cérebro de lagarto. Foda-se direto para o inferno.
Eu subo a caixa pesada de livros mais alto enquanto minha atenção cai
para sua exposição
pele bronzeada. O calor se acumula no meu estômago. Quando eu lanço
meus olhos de volta para cima, seus
sorriso se estende. Que idiota. Ele sabe exatamente o que está fazendo.
Bem, não vai funcionar comigo. Eu não vou deixar. Nosso beijo falso é
tudo o que ele vai conseguir
fora de mim.
"Mataria você levantar um dedo?" Eu suspiro.

Página 174
O suor escorre pela minha nuca. A caixa é difícil de segurar no meu
pegada escorregadia.
Devlin encolhe os ombros. "Pode ser."
Revirando os olhos, coloco o fardo no porta-malas sem a ajuda
dele. Isso é
cheio de meus livros favoritos. Não estou trazendo muito mais
comigo. UMA
uma mochila remendada recheada com algumas roupas fica ao lado da
caixa. Outro que não seja
que tenho minha mochila cheia de material escolar e meus dois
uniformes.
Devlin insistiu em me pegar para ter certeza de que eu não recuaria. Seu
O mecânico deve pegar meu Corolla mais tarde e entregá-lo.
Temos segunda-feira de folga da escola. Vou ficar preso por três dias
seguidos
na casa gigante de Devlin.
Isso é uma loucura.
Vou morar com Devlin.
Tudo porque o idiota arrogante considera pagar as contas médicas da
mamãe
pagamento por sua demanda.
Grato alívio briga com a parte de mim indignada por ele estar usando
seu
ajuda financeira para me manipular. Agora ele acredita que me possui
até
mais que antes. Isso não parece mais um jogo para me humilhar como
retorno.
É mais escuro, mais distorcido e sinistro.
Tenho que me adaptar novamente aos seus jogos mentais. Se eu não,
ele vai me engolir
inteiro em danação e fogo do inferno, me consumindo até meu último
suspiro.
O problema não é dançar com o diabo.
É que estou disposta a continuar vendendo minha alma para ele, se isso
significar que mamãe
melhor tratamento e atendimento médico de primeira linha.
Nunca seríamos capazes de pagar aquele quarto de hospital privado,
muito menos
o passeio de ambulância com nossa falta de seguro e renda limitada.
"Isso é tudo?" Devlin examina minha coleção miserável de
pertences. "Você não tem mais?"
Ele provavelmente vê lixo, mas para mim eu tenho meus bens mais
preciosos
- minha coleção de livros e algumas das minhas impressões favoritas de
arte popular que consegui
a biblioteca. O conjunto de livros cuidadosamente montado é um dos
poucos
coisas que guardei para mim.
Eu encolho os ombros. "É isso. O resto pode ficar aqui. ”
“Então tranque sua caixa de sapatos do tamanho de um rato e vamos
dar o fora daqui.
Este lugar é deprimente e seus vizinhos continuam olhando para Red. ”
“Eles estão fixando o preço mentalmente pelo que poderiam conseguir
apenas pelos aros.”

Página 175
Devlin desliza seus óculos de sol para baixo e olha por cima das
armações. “Eu não vou
ofereça a eles o mesmo acordo que tenho com você, se tocarem no meu
carro. ”
O olhar que ele me envia emaranha minhas entranhas. Um quente e frio
sensação percorre minha pele, me deixando tremendo.
Sacudindo-me, eu corro de volta para o trailer e hesito na porta aberta,
espiando dentro. Não há um grama de apego ao lugar. Sem
Mãe, não me sinto em casa. Apenas um espaço vazio com
incompatíveis
móveis tentando criar um espaço confortável.
As pessoas são sua casa, não os lugares onde você mora.
Acenando para mim mesma, eu travo.
O aluguel do trailer é pago pelos próximos dois meses. Com Devlin
cobrindo as contas médicas, pude usar o dinheiro que economizei até
agora para
mantenha nosso trailer. Para o caso de a condição da mamãe
melhorar. Eu quero que ela venha
para casa do hospital sem se preocupar.
Já se passaram quatro dias. Todos os dias depois da escola eu vou sentar
com ela,
fazendo minha lição de casa ao pé da cama dela. Ela parece melhor. A
cor dela tem
voltou, mas os médicos não vão liberar sua liberação sem mais testes
primeiro.
No mínimo, ela está tendo uma boa pausa em um hospital particular
confortável
espaço para descansar.
Tudo às custas de Devlin.
Lancei um olhar para ele enquanto subíamos no Porsche vermelho. Ele
ajusta o seu
óculos escuros e movimentos em uma lista de reprodução assim que seu
telefone se conecta ao Bluetooth.
Uma batida lo-fi assombrosa enche o carro.
O cascalho range sob os pneus enquanto Devlin acelera o motor e
descasca
fora da comunidade de desajustados que chamei de casa nos últimos
anos.
Assistir o estacionamento de trailers encolher na janela traseira
enquanto partimos é
estranhamente agridoce.
Há anos que estou ansioso para fugir deste lugar. Ir para
faculdade e terra uma oportunidade de melhorar nossas vidas. É isso o
que
liberdade vai se sentir como?
"Você terá uma cãibra no pescoço se planejar ficar sentado assim o
tempo todo."
Bufando, eu me movo no assento, puxando as bordas desgastadas do
meu corte
shorts. Rapidamente deixamos as partes mais difíceis de
Ridgeview. Casas bonitas voam
pela janela quando nos aproximamos das Montanhas Rochosas.
Devlin parece relaxado. Ele relaxa no banco do motorista, mudando
engrenagens como se fosse uma segunda natureza. Uma mão repousa
sobre o volante, o ar tamborilando
ao ritmo da música tocando. Este aqui tem um estilo mais rock
misturado

Página 176
com algumas batidas de sintetizador. Eu não o teria imaginado por
ouvir coisas
como isso.
Enrolo um pedaço de jeans em volta do dedo para me manter
ocupada. Estou tentando não
para mexer tanto nas minhas unhas. Quanto mais o carro sobe nas
montanhas,
quanto mais meu estômago se agita com o nervosismo.
"Já que saímos na segunda-feira, vou ver minha mãe."
Devlin cantarola.
“Gemma me mandou uma mensagem ontem à noite. Ela e Lucas estão
vindo de
Oak Ridge College para o fim de semana. ”
Espero conseguir algum tempo para ver Gemma, já que Lucas mora do
outro lado da
lago de Devlin.
"Não conte a Gemma sobre nosso negócio." Devlin me atira de lado
olhar. "Ou Lucas."
Eu bufo. “Eu realmente não falo com Lucas. E suas regras são uma
merda. ”
"Estou falando sério. Não conte a ninguém. Isso não é o mesmo que
fazer você
grasna como um pato porque é engraçado. ”
"Qualquer que seja."
Eu inclino um braço contra a janela enquanto entramos na enorme
entrada de
Silver Lake Forest Estates. Meu estômago vira do avesso como a queda
de um
montanha russa. Devlin permanece quieto enquanto percorremos a
comunidade,
passando por quadras de tênis e uma piscina. Eu desprezo a placa para
a escalada
Academia. Essas pessoas ricas arrogantes têm tudo.
Devlin puxa pelo portão de ferro na frente de sua propriedade alguns
minutos depois, estacionando na frente da estrada circular.
O enorme e moderno contemporâneo encontra-se com uma mansão em
estilo de cabana.
as árvores que o guardam. À luz do dia, é lindo.
"Pegue sua merda." Devlin sobe os degraus da frente, deixando-me
carregar
minhas coisas sozinho.
Estreitando meus olhos, eu coloco minha mochila no ombro, seguindo
Devlin para dentro de casa.
Pode ser lindo e com um gosto caro, mas está vazio. O
o ar dentro da entrada é parado e opressor.
Eu olho para o teto alto com vigas expostas e um moderno
lustre de vidro e metal. É difícil acreditar que foram apenas alguns
semanas atrás, Devlin me prendeu a esta porta depois de me pegar
roubando seu
carro precioso.

Página 177
Devlin não espera que eu aprecie a maravilha de sua riqueza,
continuando na barriga da casa sem mim. Enquanto sigo, fico perplexo.
A casa é muito maior do que as festas a que Gemma me levou no ano
passado
Lucas Saint, e sua casa é enorme.
A cozinha é onde encontro Devlin. É tão luxuoso quanto da primeira
vez
Eu vi, embora estivesse um pouco distraído na hora. Minha atenção se
volta para o metal
bancos apoiados aos quais ele me amarrou. A sala parece algo saído de
um
revista de design de interiores de luxo com armários de vidro fosco e
escuro
balcões de granito.
Devlin se inclina na geladeira aberta, suspirando mesmo que esteja
cheia até a borda
com comida.
Um silêncio assustador cobre a casa.
Eu permito que minha mochila caia aos meus pés no azulejo frio. "Onde
estão
seus pais?"
Devlin fecha a geladeira e dá de ombros de forma afetada, como se eu
tivesse dirigido
um pico em um nervo. Ele me evita enquanto desvia de mim para pegar
uma cerveja
de uma geladeira menor no bar do outro lado da sala.
“Viajar a trabalho, como sempre. Nova York, pela última vez que ouvi.

Um lampejo de dor cruza seu rosto antes que ele alise seu verniz de
pedra.
Ele mora aqui sozinho? Sozinho?
Há um puxão em meu peito que parece assustadoramente com simpatia.
Eu passo meus dedos pelo meu cabelo para lutar contra isso. “Vou
pegar o meu outro
coisas do carro. ”
Devlin toma um longo gole de cerveja, os lábios envolvendo a boca do
garrafa enquanto ele me olha com olhos semicerrados.
Na saída, esfrego meu peito, mas a pontada de tristeza não me deixa.
Posso não ter quase nada neste mundo, lutando com unhas e dentes para
sobreviver
dia a dia, mas não estou sozinha. Eu tenho minha mãe.
Ele não tem isso?
"Não seja ridículo", murmuro para mim mesmo, engatando a caixa de
livros no
Meu quadril.
Devlin tem tudo o que deseja sob o sol. Eu não posso me sentir mal
porque
o triste menino rico está sentado sozinho em sua solitária torre na
montanha. Ele é um over
idiota privilegiado, muito acostumado a conseguir o que quer.
Eu não posso me deixar sentir mal.
Por mim, Devlin pode engasgar com sua colher de prata.

Página 178
Eu fortaleço minha determinação e faço duas viagens para trazer o resto
de meus
pertences, deixando-os na porta da frente. Vozes ecoam da cozinha
como
Largo minha mochila ao lado da caixa de livros.
“ Deve estar quente pra caralho amanhã. “É a voz de Bishop.
Encontro Devlin inclinado sobre o telefone na ilha da cozinha,
descascando
no rótulo de sua garrafa de cerveja pela metade. Ele cantarola em
resposta.
“ Já falei com o Lucas. Festa na praia amanhã, cara. Vai ser
aceso . ”.
Devlin encontra meu olhar enquanto eu permaneço na porta. "Festa na
praia, hein?"
Seus olhos deslizam pelo meu corpo em um arrasto lento que faz minha
pele formigar
com calor. “Sim, parece bom. Estaremos lá."
“ Nós? "Eu posso ouvir as sobrancelhas de Bishop voando através do
telefone por seu
tom intrigado. “ Você está com uma garota? Tipo, você realmente
deixa uma garota entrar
sua casa em vez de dirigir até Peak Point para foder? ”
A risada de Bishop enche a cozinha através do alto-falante do telefone.
“Tchau,” Devlin diz, apertando o botão de desligar. Deslizando seu
divertido
olhe de volta para mim, a atitude presunçosa de Devlin levanta sua
cabeça. "Deixe-me mostrar
você para o seu quarto. "
A casa não é apenas enorme, é também um labirinto. Devlin me
mostrou o principal
escada e apontou um quarto de hóspedes aleatório que posso usar. Uma
prateleira de arte
bugigangas colocadas chamaram minha atenção. Devlin disse que era
meu quarto e eu
poderia fazer qualquer coisa com isso. Pura alegria espiralou através de
mim enquanto eu movia o
decoração da estante, com a intenção de dar aos meus livros uma estante
de verdade.
Depois de colocar minhas coisas em uma quantidade estúpida de
degraus e cair em um
cama macia, eu gemo.
Droga, estou ficando frouxo. Eu preciso melhorar minhas corridas. A
perspectiva de
A trilha neste condomínio fechado é emocionante. Aposto que há uma
boa trilha que
envolve o enorme lago atrás da casa de Devlin.
Devlin se inclina contra o batente da minha porta com a dança travessa
em seu escuro
olhos. Ele teve grande prazer em me ver carregar minhas coisas para o
meu quarto. Eu estou
feliz por ter trazido apenas o essencial.
"O que?"

Página 179
"Bem, por um lado, esses shorts fazem parecer que você tem uma
bunda, então eu estou
apreciando a vista."
"ECA!" Eu rolo para impedi-lo de olhar para minha bunda. "Dick."
"Milímetros." Devlin lambe os lábios. Com uma força fluida, ele
empurra o
porta e espreita mais perto da cama. Ele se inclina, plantando as mãos
ambos os lados dos meus quadris. "Dois ... eu comprei isso para você."
Eu olho para o armário. Uma fantasia de empregada está pendurada na
porta.
"Q-Você está brincando?" Eu grito, subindo na cama. "Não
caminho no inferno. "
Devlin me segue como uma besta à espreita, os músculos de seus braços
flexionando enquanto ele rasteja até a cama para me prender
novamente. Ele está gostando disso. Minhas
o diabo trapaceiro tem-me à sua mercê sem escapatória.
Estreitando meus olhos, eu empurro minhas mãos para chegar em seu
rosto. Devlin's
os olhos brilham e ele sorri. Um raio de calor desce pela minha
espinha. Eu luto contra
gritando necessidade de deixar minhas pernas abertas, onde ele pudesse
encaixar seus quadris
entre minhas coxas.
Eu respiro e rosno para ele. “Vou fazer você se arrepender. Eu vou
encontrar o seu
quarto neste labirinto insano e mimado e sufocá-lo durante o sono. "
Um sorriso coquete puxa a boca de Devlin em uma curva atraente. Ele
mergulha a cabeça para arrastar o nariz pela minha bochecha,
respirando no meu pescoço.
Meu corpo paralisa, meu núcleo latejando continuamente, quente e
insistente.
"Se você entrar no meu quarto depois de escurecer, é melhor estar
preparado." Devlin's
a voz é profunda e cheia de promessas proibidas.
Eu mordo meu lábio. "Para que?"
"Qualquer coisa que eu quiser, pequena ladrão", ele sussurra
asperamente.
Ele mordisca meu pescoço, me fazendo contorcer com a deliciosa
sensação de
seus dentes na minha pele. Meus mamilos se contraem em botões duros
e meu corpo
exige mais. Eu quero envolver minhas pernas em torno dele, moer com
ele até que eu
coçar a coceira necessitada para a liberação.
Devlin rosna, o som puxando o calor crescendo em meu estômago.
Sua língua desliza sobre meu ponto de pulso, arrancando um suspiro de
mim.
O ar frio forma uma onda em meu corpo enquanto Devlin se afasta. Seu
as pálpebras são pesadas. Eu pisco, voltando aos meus sentidos.
"Você sai."
"Você não me diz o que fazer, Blair." O olhar de Devlin vai de aquecido
para
esfriar em segundos. Ele traça minha clavícula e segura meu pescoço
sem
pressão. "Você é meu e eu decido quando terminar."
Página 180
Meu pulso dispara em meus ouvidos. Sua mão em volta do meu pescoço
é minha algema, um
colarinho para me controlar. E eu não odeio a sensação disso.
A coisa crescendo entre nós desde que o beijo falso está se tornando
escorregadio
inclinação. Se eu não tomar cuidado, perderei o equilíbrio e me pegarei
gostando disso.
“Saia,” eu repito, a voz mais firme do que minhas entranhas líquidas
parecem.
Devlin me encara por um longo tempo. Eu mantenho seu olhar,
empurrando todos
minha resolução para isso. Meu coração bate forte. Ele provavelmente
pode sentir meu pulso acelerado
sob a ponta dos dedos. Eu não desvio o olhar, recusando-me a recuar.
Depois de mais um minuto, Devlin se recosta. “Há bastante comida no
cozinha. A governanta certifica-se de que está abastecido. ” Arrastando
uma mão
através de seu cabelo despenteado, ele acena com a cabeça para a
fantasia de empregada. "Isso foi uma piada. eu
queria ver seu rosto. Mas eu não vou dizer não para você vestindo isso
ou o seu
shorts de pato pela casa. ”
Um rubor quente engolfa meu rosto com a cadência sensual de sua
voz. "Pervertido.
Não pense sobre o que quer que esteja colocando essa expressão em seu
rosto. ”
Ele olha para mim, arrastando os dentes sobre o lábio inferior.
É apenas o primeiro dia, nem mesmo vinte e quatro horas em sua casa,
e eu estou
já lutando para manter o equilíbrio entre nós.
A linha na areia é, na melhor das hipóteses, desfocada.
Eu empurro contra o peito de Devlin, e ele segura minhas mãos,
prendendo-as. "Se
este é o meu quarto, tudo o que eu disser entra aqui. ”
Ele aperta os olhos. "Multar."
"Bom. Então saia. ”
Devlin me deixa com meus próprios recursos. Pela primeira vez em
toda a tarde, eu
enfrente o fato de que estou morando com meu monstro. Eu caio na
cama. É tão
confortável, não consigo conter outro gemido de gratidão.
Isso pode ser a coisa mais louca com a qual eu poderia concordar, mas
agora estou
planejando desfrutar desta cama.
Eu fico no meu novo quarto por um tempo, maravilhada que meu futon
poderia caber
aqui, tipo, cinco vezes. É grande, mas simples, com um grande armário,
uma janela com um
saliência profunda perfeita para uma bancada de livros e a maior cama
em que já estive.
Depois de cochilar até escurecer, meu estômago começa a roncar. Eu
me aventuro
para dentro de casa para explorar no meu caminho de volta para a
cozinha.
A casa tem tantos quartos. Eu passo em um bom estudo com uma lareira
de verdade
e prateleiras de cedro embutidas na parede, cheias até a borda com
tantos livros.
A escada tem degraus flutuantes, dando a ilusão de que estou levitando
no ar enquanto
desça para o nível inferior.

Página 181
Em toda a casa existe arte moderna. Eu faço uma pausa na frente de um
resumo
pintura para estudar seus tons suaves e as formas utilizadas. Eu amo
arte, mas não um
uma única peça nesta casa me faz sentir qualquer coisa.
Não há conexão. Está tudo sem vida. Resfriado.
Franzindo o nariz para a pintura, eu navego meu caminho para a
cozinha.
Não há sinal de Devlin. É meio assustador. Como ele se sentiu quando
estava só ele nesta casa? Eu franzo a testa, considerando o quão solitário
um grande lugar
como se isso fosse sozinho.
Talvez seja por isso que ele se tornou um idiota insuportável.
Eu me pergunto se ele comeu enquanto eu vasculho a geladeira. Eu
procuro um punhado de cenouras baby
então eu não tenho que encontrar nada nos armários ou usar o micro-
ondas que
parece algo projetado pela NASA.
No caminho de volta para o meu quarto com meu lanche, paro no
corredor.
Devlin emerge em uma nuvem de vapor do banheiro. Ele está fresco
tomou banho e vestiu apenas uma toalha baixa. Tem uma tatuagem
suas costelas, abaixo de seu coração.
É a primeira vez que vejo.
A tatuagem é um aglomerado de estrelas cadentes, delicadamente
pintadas. Conhecimento
formigamento nas minhas costas, onde minha própria tatuagem de
estrela marca meu corpo.
Somos iguais - cabelos pretos, corações manchados e tatuagens de
estrelas.
Devlin passa os dedos pelo cabelo molhado. Seus músculos ondulam
com o
movimento.
Santo inferno.
Eu engulo, segurando minhas cenouras.
Devlin ronda, me seguindo quando eu tropeço um passo para trás,
minhas costas
batendo na parede. Ele pressiona seu corpo contra o meu, seu torso forte
esfregando
contra meus seios através da minha camiseta fina. Minha respiração fica
presa na minha garganta.
"O que temos aqui?" Devlin provoca em um tom brincalhão. Ele enfia
um pouco do meu cabelo atrás da orelha. "Perdido?"
O calor de sua pele sangra pela minha camisa.
"Não."
"Oh, eu vejo." Devlin ri e coloca a mão na toalha. “Era você
se esgueirando por aqui na esperança de dar uma boa olhada? " Ele age
como se ele fosse
vai arrancar a toalha. "Quer que eu largue isso?"
Minha garganta está grossa quando engulo. "Não."
"Não?"
Eu balancei minha cabeça.

Página 182
"Tem certeza que?"
Sua voz é uma carícia pecaminosa contra minha pele, o estrondo baixo
roubando minha
tirar o fôlego. Aposto que ele pode sentir meus mamilos endurecidos
contra seu peito.
"Devlin." Meu olhar se concentra em seus lábios.
Sua boca se curva em um sorriso lento e presunçoso, covinhas à
mostra. "Sua
o quarto é por aqui, colega de quarto. "
Devlin se afasta e vai para seu quarto. É a porta do outro lado
do banheiro.
A sala a duas portas da minha.
Eu engulo em seco e entro no meu quarto, encostado na porta fechada.
"No que você se meteu agora?" Eu murmuro.
Tenha cuidado, encrenqueiro . A voz na minha cabeça soa como a de
Devlin.
É hora de se adaptar mais uma vez. Mas as regras são as mesmas?
Estamos jogando o mesmo jogo?

Página 183
VINTE E TRÊS

Página 184

DEVLIN
Depois de descartar a toalha e vestir uma cueca, sento na minha cama
com a
página de revista enrugada na qual escrevemos nosso contrato.
Ter Blair aqui é mais intenso do que eu imaginava. Ela cheirava tão
sedutoramente doce enquanto eu a prendia contra a parede. Afastando-
se dela em
o corredor quando eu a tinha bem onde eu a queria era um desafio. Mas
depois
forçando-a a vir aqui, não pude ignorar a voz na minha cabeça me
dizendo
para deixá-la em paz. Acho que pode ser minha consciência.
Quem sabia que aquela coisa velha e enferrujada estava viva e
chutando?
É forçar uma consciência de que idiota eu tenho sido na frente de meu
mente, bagunçando meus planos.
Soltando um suspiro, rastreio a assinatura de Blair. Não tem um grama
de
a maneira peculiar como Blair costumava escrever seu nome com uma
estrela. Agora é legal,
direto e direto ao ponto. Ela mudou tanto quanto eu desde então
nós éramos crianças?
A pergunta perdura enquanto mapeio as letras do nome dela. Mesmo
com o meu
inclinação para observar as estrelas, não sou nada como o menino que
era na época.
A tristeza que carregava cresceu comigo, infeccionou e me empurrou
para o
sombras.
Podemos ser muito diferentes das crianças que éramos e das pessoas
que
tornar-se para sempre recuperar o breve vínculo que
compartilhamos. Nós somos iguais agora
como éramos quando fizemos este contrato?
Eu imagino a expressão agressiva de Blair quando propus este arranjo,
ela
braços amarrados ao banquinho.
Minha língua desliza sobre meu lábio enquanto procuro o mesmo ódio
que nutria
para ela naquela noite. Há ainda menos do que antes. Está sangrando
fora de mim por

Página 185
o dia, substituído pelo desejo de persegui-la para provar outra vez seus
lábios.
A página amassada faz um som fraco quando me ponho de pé.
Se eu guardar, não terei que enfrentar por que ela está aqui. Eu posso
apenas aproveitar
enquanto dura.
Atravessando os painéis do armário ao longo da parede, tiro o contrato
de
vista abaixo de uma pilha de camisas em uma prateleira
baixa. Esfregando minha nuca,
Eu volto para a cama.
Muita da minha energia está focada na luta pelo controle, mas eu não
Tê-lo. Eu nunca fiz. Não apenas por Blair, mas por mim também. Tudo
O que fiz é uma tentativa fútil de obter controle.
Sempre foi mais fácil lutar por isso do que enfrentar os motivos pelos
quais quero
controle tão mal.
Blair está aqui, mas e agora? Se eu continuar no mesmo caminho, ela
só vai encontrar
um monstro no final. Blair merece mais do que isso.
Se ela vir meus demônios de frente, não há dúvida sobre isso, ela vai
vá embora, assim como os outros.
Talvez eu possa mudar isso.

Página 186
VINTE E QUATRO

Página 187

BLAIR
Acordar em um quarto desconhecido me faz pular da cama pela manhã.
Demoro alguns segundos para entender minha realidade: morar com
Devlin.
Saindo da cama, puxo um par de leggings e uma larga gola cinza.
camisa que cobre meu ombro.
Acontece que Devlin é fácil de evitar em uma casa tão grande. eu dou
ele o desliza enquanto eu o exploro mais à luz do dia. Eu aprendo onde
sai
são e memorizá-los, mapeando a propriedade gigante até sua
uma voz de comando enche a casa por meio de um sistema de
intercomunicação.
“Leve seu traseiro para a cozinha para o café da manhã, encrenqueiro,”
Devlin
demandas. Sua risada perversa enche a sala. “Não me faça vir encontrar
vocês. Eu vou te caçar e pegar o que eu quiser como taxa de
descobrimento. "
Eu corro para a cozinha, desconfiada do que ele pode fazer.
Devlin está no fogão com uma panela de ovos frescos. O choque dele
fazer comida me deixa na porta. O saboroso aroma de bacon faz o meu
água na boca, e eu me aproximo. Um estranho calor floresce em meu
peito no
visão dele servindo a comida que ele fez.
“Você quer comer ou não?” Ele parece divertido.
“Cheira muito bem. Obrigado por cozinhar. ”
Devlin cantarola, colocando um prato de torradas na mesa. Circulando
a ilha, ele aperta
meu pulso e me puxa, onde ele tem dois pratos colocados lado a lado.
É tão ... doméstico. Normal. Como uma família acostumada a comer
junta. Eu tenho
só tive isso com a mamãe.
O calor que floresce se expande.
“Uau, você realmente corta frutas frescas também? Acho que nunca
imaginei
alguém como você cortando sua própria fruta. ”

Página 188
"Eu gosto de cozinhar. Minha tia me ensinou. ” Devlin se senta ao meu
lado,
aquele ao qual ele me amarrou na primeira vez que estive aqui. “Você
não vai morrer de fome
enquanto você está aqui. Comer."
"Você não o envenenou, não é?"
Revirando os olhos, Devlin mastiga um pedaço de bacon.
Tem um cheiro divino. Quem sabia que o diabo sabia cozinhar?
Eu dou uma mordida e coloco minha mão sobre minha boca, gemendo
involuntariamente.
Um pequeno sorriso satisfeito curva a boca de Devlin.
Comemos em silêncio por alguns minutos. Estou tendo uma
experiência completa. Isso é
uma surpresa que ele levantaria um dedo, mas descobrir que ele
realmente é um bom
cozinheiro está explodindo minha mente.
"Vou correr antes da festa mais tarde", diz Devlin, interrompendo
o quieto.
"Tu es?" Eu me animei.
Devlin levanta uma sobrancelha grossa. “Eu suponho que você vai me
seguir na trilha
de qualquer maneira, então você pode muito bem se juntar a mim. Você
trouxe sapatos? ”
"Sim." Não quero parecer tão sem fôlego, mas não fui por um
corrida real em tanto tempo. "Eu também quero ir."
Terminamos de comer e o mundo não para. É um milagre.
Talvez tenhamos deixado de ser inimigos ferrenhos quando eu não
estava olhando, mas é difícil
continuar odiando o cara que te alimentou com ovos fofos e
gloriosamente pagou por você
despesas médicas da mãe.
Não somos amigos, mas talvez possamos ser. Se ele pode se desculpar
por ser
o maior idiota do mundo nos últimos anos. Vou até dizer que sinto
muito por
tentando roubar seu carro.
Quando estamos na trilha, uma hora depois, o ar fresco enche meus
pulmões.
Esticando minhas pernas e bombeando meus músculos enquanto
corremos pelo
trilha de montanha é incrível. É o máximo que me sinto eu mesmo em
meses.
Minhas pernas queimam de uma maneira que adoro enquanto
avançamos.
Devlin me acompanha enquanto aprendo o caminho desconhecido. Seu
perfeito
forma de corrida é tão precisa quanto o resto de seus hábitos cultivados,
apenas dando o
impressão de que ele está solto e sem esforço enquanto corta a trilha
com
velocidade incrível.
Eu me pego observando ele mais do que a trilha em alguns pontos. Ele
é um
lindo corredor, sua franja preta desgrenhada presa atrás de seu rosto por
um
faixa elástica.
Quando nos aproximamos do fim e sua casa fica à vista, ele dispara em
frente.

Página 189
"Ei!"
"Corrida com você!" Devlin joga por cima do ombro.
Eu sigo, prosperando com a explosão da competição. Eu puxo minhas
reservas para
feche a distância. Assim que passo por ele, ele solta um grunhido
enquanto me persegue. eu
olhe para trás, encontrando-o em uma perseguição com um brilho
perverso nos olhos.
Nossa corrida termina comigo derrotando-o por um fio de cabelo na
frente dele.
"Sim!" Eu suspiro.
“Você trapaceou,” Devlin rosna.
"Você trapaceou! Você começou sem dizer nada. Eu ganhei justo e
quadrado porque sou rápido. ”
Uma risada fácil sai de Devlin. "Sim, você é."
Enquanto ofegamos, não consigo conter um sorriso largo enquanto
recupero o fôlego.
Talvez morar com Devlin não seja tão difícil.

Página 190
VINTE E CINCO

Página 191

BLAIR
No início da tarde, o sol está assando o mundo vivo enquanto Lucas
puxa o jipe
no estacionamento da praia. Música de festa flutua no ar, junto
com gargalhadas de pessoas que já estão aqui. O sol está alto no
céu e uma leve brisa faz pequenas ondas baterem na superfície do
Lago.
"Oh meu Deus, mal posso esperar para mergulhar nessa água", Gemma
geme,
se abanando no banco ao meu lado. "Espero que seja frígido pra
caralho."
"Humor", eu concordo baixinho, amarrando meu cabelo em um coque
desleixado em cima do meu
cabeça para mantê-lo longe do meu pescoço. "Onde está o outono?"
“É melhor que aquela vadia com especiarias de abóbora apareça logo”,
diz Gemma. "Eu acabei de
quero usar flanela e minha jaqueta de couro. ”
Eu sorrio. Eu realmente senti falta de Gemma e seu humor afiado.
Devlin e Lucas saltam da frente do jipe de Lucas para pegar o
refrigerador
eles estocaram antes de sairmos.
Quando chegamos na casa de Lucas mais cedo, Gemma piscou surpresa
que Devlin apareceu comigo a reboque, então me deu um sorriso bobo,
enganchando
o braço dela com o meu. "O que diabos está acontecendo?"
Eu a empurrei quando entramos no jipe para andar ao redor do lago e
chegar ao
de praia. " Nada ."
“Uh huh. Certo." Gemma e Lucas trocaram um olhar de silêncio
comunicação no espelho. Eles certamente vieram longe de quando
se encontraram pela primeira vez e estavam constantemente na garganta
um do outro. “Tantas mudanças
quando você for para a faculdade, hein, baby? "
Lucas lançou um olhar malicioso para Devlin, que despistou seu
primo. Lucas
riu. "Muito."

Página 192
Devlin não me deixou faltar a esta festa na praia. Eu tentei me esconder
no armário,
mas ele me encontrou e me arrastou para fora, me içando por cima do
ombro enquanto eu
protestou.
Alguns guinchos agudos perfuram o ar, seguidos de respingos.
Enquanto pairamos na parte de trás do jipe, eu torço minhas mãos na
alça do
A bolsa de praia de Gemma. Ela pega uma das minhas mãos e me puxa
em direção ao
de praia.
“Estamos conseguindo um lugar!” Gemma chama por cima do ombro.
“Bem atrás de você, Gem,” Lucas diz.
Eu nunca disse a Devlin que não tinha trazido um maiô, mas de alguma
forma um biquíni
do meu tamanho estava esperando por mim na maçaneta da porta
quando acordei
manhã.
Está vermelho pra caralho.
Pelo menos tenho Gemma comigo para apoio moral. A loira bonita dela
o cabelo cai até os ombros em tranças francesas. Ela escolhe um local
semi-sombreado
na areia fofa - totalmente embarcado, um lago de grande altitude como
este deveria
tem uma praia rochosa - e gestos para sua bolsa listrada.
“Trouxe uma tonelada de protetor solar. Não estou lidando com um
Lucas queimado de sol. Ele
ficamos tão mal-humorados em nossas férias na Jamaica durante o
verão. O primeiro dia também!
Que pena. ”
Gemma balança a cabeça, mas ela exibe um sorriso afetuoso, e seus
olhos são
Longe. Ela está apaixonada.
Eu entrego a sacola, perdendo minha razão de ficar parada e manter
meu
camiseta superdimensionada para cobrir.
"Tire isso." Gemma aponta para a camisa que bate acima dos meus
joelhos.
"Eu vou cuidar de você."
Mastigando o interior da minha bochecha, eu lancei um olhar ao redor
da multidão
de praia. Bishop persegue Bailey, Nina e uma terceira garota pela parte
rasa,
espirrando ao redor. Metade do time de futebol está aqui, além da
maioria dos populares
multidão que se curvou no trono compartilhado de Bishop e Devlin.
Eles não importam. Tudo bem .
Cruzando os braços e agarrando a bainha da camisa grande, eu a retiro
acima da cabeça, jogando-o no cobertor que Gemma estendeu na areia.
“Droga, garota,” Gemma diz admiravelmente. “Você vai posar nas
rochas
mais tarde? Você sabe que tenho minha câmera comigo. Esse visual é
matador e eu preciso
Capture-o."

Página 193
"Pare, nem é meu." Eu cubro meu rosto. Eu espio entre meus dedos.
"Tudo bem?"
"Cara." Gemma me dá uma olhada. "Você está quente."
Uma exalação de alívio me deixa. Eu olho para o biquíni vermelho. É
ousado,
algo que eu nunca teria feito. O sol beija minha pele pálida. eu vou
provavelmente tenho sardas frescas pontuando minhas bochechas ao
pôr do sol.
Gemma tira seu short branco e tira seu Oak Ridge
Camiseta sem mangas da faculdade, revelando um biquíni verde militar
que cruza sobre ela
seios. Sinto-me menos deslocado com Gemma ao meu lado. Ela está
acostumada com o
cena de festa, mas nunca foi para mim. Eu meio que gostaria que Lucas
trouxesse seu
doce cão pug, porque ele é meu melhor amigo nessas coisas.
“Então,” Gemma fala lentamente, semicerrando os olhos para
mim. “Qual é o problema com você e
Dev? Você é, tipo, uma coisa agora? "
"Eu, uh." Não posso oferecer uma resposta direta. "É complicado."
“Hah, eu sei como é isso,” Gemma diz com uma gargalhada.
"Mas seriamente. Ele está relaxado? Eu preciso chutar suas bolas em
seus dentes? "
"Não. Ele é um idiota esperto, mas eu lidei com isso. " Eu não estou
prestes a ter
Gemma luta minhas batalhas por mim.
"Bom. Você me diria se precisasse de ajuda, certo? Porque eu tenho o
seu
de volta, mesmo que eu não esteja em Ridgeview. ”
"Sim." Eu concedo a ela um sorriso agradecido.
"Frio. Agora venha aqui, pastoso. ”
"Estou indo atrás de você, querida!" Lucas interrompe antes que
Gemma
a chance de aplicar o protetor solar.
Ele agarra Gemma em seu grande e musculoso abraço. Com um grito
profundo, ele
a pega e corre para o lago.
"Lucas, não!" Gemma grita, caindo na gargalhada. “Seu maluco
homem das cavernas!"
"Ayyy!" Bishop vibra mais adiante na praia, seguindo com um
uivo do coiote. “Pega ela, Saint! Cuidado, um rei e sua rainha vindo
Através dos!"
Assim que eles atingem a água, ela grita, envolvendo os braços e as
pernas
em torno de sua cintura enquanto cai para trás no lago. O respingo deles
fazer como eles rompem a superfície é enorme, pulverizando alto. Eles
se parecem com o
casal perfeito, o lindo ex-astro do futebol que virou arquiteto-estudante
e
o fotógrafo atrevido pelo qual ele se apaixonou. Ninguém saberia que
seu começo foi
rochoso e cheio de tensão.

Página 194
Abaixando-me, pego o tubo de protetor solar abandonado. Braços
fortes
enrolar em volta da minha cintura, e um peito nu sólido e quente
emplastros nas minhas costas.
Meu coração salta uma batida quando o almíscar decadente e picante
de Devlin me envolve.
“Foda-se,” Devlin raspa em meu ouvido, seus lábios pressionados no
meu lóbulo. "Eu tenho
Mudei de ideia. Ninguém mais consegue ver você assim. Eu tenho uma
doca. Nós
pode nadar em casa. Quanto me custaria arrastar você para casa direito
agora?"
A maneira como ele diz casa faz meu estômago revirar.
"Muito rico, mesmo para o seu sangue", eu ousado, virando minha
cabeça para vê-lo em
minha periferia. “Você fez de tudo para ter certeza de que eu estava
aqui, então vou ficar.
Além disso, Gemma quer tirar fotos minhas mais tarde. ”
Devlin estende a mão sobre a minha barriga, deslizando o biquíni
cuecas com o dedo mínimo.
Ele geme em meu ouvido. "Você está na minha cor."
"Você me colocou nesta cor."
Ele cantarola e esfrega o nariz na curva do meu pescoço.
Sua cor .
Vermelho, como o Porsche que tentei roubar.
Eu não deveria gostar do som disso, mas envia uma emoção através de
mim.
A atração da atração é inegável. Ele é difícil de resistir quando está
sendo
sexy assim. A coisa entre nós tem crescido constantemente desde
aquele
beijo falso. Está perto do ponto de ruptura. Não posso ignorar o que
sinto quando
ele é assim comigo.
"Agora estou imaginando você usando meu número." Ele respira fundo
e
Eu posso sentir uma dureza pressionando minha
bunda. "Merda. Adicione isso à lista de quais
você deve usar em casa. Os cortes, aqueles shorts de pato, meu
camisa de futebol. ”
Ele me aperta e pressiona seu pau na minha bunda.
"Devlin!" Eu golpeio seu braço e coloco um centímetro de espaço entre
nós. Meu coração
trovões em meu peito. Esta é a primeira vez que sinto sua atração. Nós
temos
dançado em torno dele. O elástico que nos une está puxando
mais apertado. "É melhor que não seja o que eu penso."
"Ninguém pode ver." Sua expiração atinge meu pescoço, provocando
um arrepio. eu
Aperte minhas coxas juntas. “Se estivéssemos em casa, poderíamos
mergulhar nus.”
Eu não sei de onde isso está vindo. Ele está flertando um pouco comigo,
mas
esta é a primeira vez que ele vai além do flerte. A primeira vez que ele
parecia sério sobre dar um passo além da linha. Ele está brincando?

Página 195
"Não me provoque."
“Eu não sou,” ele jura. “Eu não estou brincando. Cristo, se eu tivesse
você
para mim mesmo agora ... porra. " A maldição murmurada parece mais
direcionada a
a si mesmo do que a mim. Ele arrasta o dedo sobre a barra do biquíni.
“Estou fazendo seu coração bater forte? Você está se molhando
sabendo que estou difícil para
vocês? O que eu encontraria se deslizasse meus dedos em seu maiô
agora,
pequeno ladrão? Você faria meus dedos tão pegajosos quanto os seus
se eu enchesse o seu
buceta com eles? "
Minha respiração me deixa em uma rajada irregular, o rosto em
chamas. Qualquer um poderia
olhe e veja isso acontecendo. Devlin ri, o som pecaminoso
vibrando contra meu pescoço, puxando cada corda dentro de mim,
ameaçando
deixe-me uma poça de gosma.
Lambendo meus lábios, eu me contorço para fora de seu aperto. “Tenho
que passar protetor solar. eu
não quero queimar. ”
"Resistir." Devlin planta a mão na minha barriga e me puxa de volta
contra seu corpo, mantendo-me em um abraço possessivo. "O que é
isso?"
Eu tremo quando seus dedos traçam entre minhas omoplatas, mapeando
o
esboço da minha tatuagem de estrela. Eu consegui em algum lugar que
não seria visto com frequência, já que
era para mim, não parecer legal. Mais ou menos como o de Devlin,
escondido em nossos corpos.
Uma peça privada que mantemos guardada.
“Você tem uma estrela,” Devlin murmura, admiração preenchendo seu
tom.
"Você também."
Devlin traça a tatuagem mais duas vezes. Seu toque inflama milhares
de minúsculos
faíscas. Eles explodem em minha pele com pressa. Minha respiração
fica superficial.
Do outro lado da praia, Bishop entretém a multidão. Nina e Trent
esgueirando-se
fora para um local isolado na linha das árvores. Gemma e Lucas se
beijam no
água, enrolados uns nos outros em seu próprio mundinho.
O tempo todo meu corpo treme enquanto Devlin esbanja minha
tatuagem com a sua
atenção extasiada. Não é uma zona erógena que eu conhecia, mas está
enviando
calor elétrico direto para o meu núcleo. Eu deslizo minhas pernas
juntas, suportando o
tormento sensual enquanto eu puder.
"Devlin, o que você está fazendo?" Minha voz está trêmula.
“Aprender algo novo sobre você. Por que uma estrela? ”
"Eu gosto deles. Eu não sei, eles eram minha coisa quando eu era
pequeno. ”
Devlin faz uma pausa. "Isso é tudo?"
Não sei mais o que dizer a ele. A verdade é que eu era obcecado por
estrelas
ao ponto de usá-los na minha caligrafia da mesma forma que outros
jovens

Página 196
meninas colocar corações em suas I ‘s.
“Era apenas uma coisa. Minha mãe me prometeu que eles eram
mágicos. Isso lembra
eu dela. "
Eu ainda gosto das estrelas, mesmo sabendo da magia que mamãe
encheu minha cabeça
com quando criança não é real.
Se fosse, eu teria tirado mamãe e eu de nossos incontáveis problemas
vezes mais com todos os desejos que desperdicei com estrelas.
"É isso?" Devlin pressiona.
Eu dou de ombros e isso quebra o momento nos envolvendo em uma
bolha.
"Qualquer que seja. Esqueça." Devlin suspira e tira o protetor solar de
mim,
espalhando nas minhas costas onde eu não posso alcançar.
Eu retribuo o favor por ele. Manter minha respiração estável é uma luta,
minhas palmas deslizam sobre os músculos e os planos afiados de suas
costas. Ele mantém
ainda para mim, inclinando sua cabeça para que eu tenha uma visão de
sua mandíbula cinzelada e uma dica
de seu perfil.
"Vai dar uma olhada enquanto você está de volta lá?" Devlin provoca.
“Não,” eu murmuro, beliscando seu lado.
Sua risada profunda rola sobre mim como o cobertor do céu noturno,
salpicado pela luz das estrelas. Gosto do som de sua risada. Enrolando
meus dedos
hesitação por um momento, eu me deixei ser tão ousada quanto meu
biquíni vermelho, acalmando o
local eu belisquei e patinando meu toque até seus ombros.
Devlin fica imóvel, estendendo a mão para trás para escovar os dedos
contra meus quadris.
Bishop interrompe, jogando-se no cobertor de Gemma com sua atenção
colado ao seu telefone.
“Pensei que você estava perseguindo Bailey por aí,” Devlin diz
suavemente.
Bishop puxa um ombro segundos depois em uma reação retardada,
cantarolando.
“Sean gosta dela. Eu tenho algo melhor, de qualquer maneira. ”
Enquanto Bishop se esparrama de costas, eu pego um vislumbre de sua
tela. Minhas
sobrancelhas voam para cima.
“Puta merda. É aquele-?"
Devlin nos afasta antes que eu termine minha pergunta. Eu tenho
certeza
Bishop tinha uma foto picante de Thea Kennedy preenchendo sua
tela. Mas isso
não podia estar certo, Thea não é o tipo para enviar uma foto
como essa .
Especialmente para alguém como Bishop, que é horrível com ela com
seu
provocação constante.
"Tire o queixo do chão," Devlin murmura, o braço pendurado sobre o
meu
ombro possessivamente quando nos aproximamos de Sean e Bailey
perto do tabagismo

Página 197
grade.
Bailey se acende. “Dev! Você tem que experimentar os kebabs do Sean,
eles são, tipo,
impressionante."
O punho de Sean bate em Devlin enquanto ele vira os espetos. Ele pisca
para mim, tomando
no meu terno. “Parece bom, Davis. Você deveria sair com a gente com
mais frequência. Minhas
os pais têm um barco que tiramos no verão. Você está definitivamente
convidado se
você usa isso. "
Devlin grunhe, enrolando seu braço com mais força em volta de mim,
então estou pressionada contra
o lado dele. Eu coloco a mão em seu abdômen para manter o equilíbrio.
“Você vai fazer a corrida com os caras?” Bailey pergunta a Devlin.
Ele dá a ela um sorriso totalmente falso, a construção é uma faceta
precisa
de sua máscara. A mudança é sutil de como ele era quando estávamos
perto do
cobertor sozinho. É estranho, mas posso dizer a diferença.
“Eu não sei por que eles se importam. Todos eles sabem que vou
vencer. Eu sou o mais rápido
nadador."
Os músculos de Devlin ondulam sob minha mão enquanto ele faz uma
demonstração de
flexionando, caindo em sua habitual persona arrogante. Estou tentado a
beliscar ele
novamente para trazer de volta o verdadeiro Devlin, aquele que me
preparou o café da manhã e
me acusou de trapacear porque sou um corredor mais rápido.
"E você, Blair?" Sean pergunta. É a primeira vez que alguém de sua
multidão já usou meu nome. Eu pisco para seu sorriso perfeito e
brilhante. Seu
olhos caem para o meu peito. “Você vai se juntar às meninas torcendo
por nós? Você é tão
bom em elevar o moral da equipe. ” Sean passa os dentes pelo
lábio. “Eu então
quero que você me leve até a linha de chegada. ”
Pesadas insinuações marcam seu tom. Ele está ... flertando comigo
agora? o que
mundo bizarro eu acordei onde os caras populares me querem por perto
para mais do que alguém para rir?
Estreitando meus olhos, eu sorrio. "De jeito nenhum. Eu entraria na
corrida e mostraria a você
tudo pronto. ” Eu bato meu quadril contra o de Devlin. "Diga a eles
como eu venci você neste
manhã em nossa corrida pela trilha arborizada. ”
Este biquíni é como um amuleto mágico, inspirando confiança que
nunca usei
antes. Nunca me preocupei em me envolver com essas pessoas, mas
algo sobre
Sean insinuando que só valho o seu tempo com um uniforme de torcida
ou luzes de biquíni
um fogo teimoso em mim.
Olhando para Devlin, encontro um sorriso orgulhoso e correspondente
em seu rosto.
“Você é um pequeno demônio veloz,” ele confirma. “Você me deve
uma revanche
antes de irmos para a cama esta noite. "

Página 198
Meus lábios se abrem. Devlin poderia muito bem ter dito a eles que
estou morando com ele.
Até mesmo Bishop apontou que Devlin não transa com garotas em sua
cama, muito menos permite
eles em sua casa.
Não que eu tenha visto seu quarto. Ainda.
Os olhos de Sean se arregalam mais quando a mão de Devlin desliza
para baixo para descansar um pouco
centímetros acima da minha bunda. O dedo mínimo de Devlin enfia na
faixa do meu
parte de baixo do biquíni. Ele me reivindica na frente de seu
companheiro de equipe com aquele single
gesto. Outros caras do time de futebol por perto e pessoal da Nina's
O grupo de amigos olha em nossa direção com a surpresa gravada em
suas expressões.
Devlin pode flertar abertamente com as meninas na escola, mas ele
nunca faz um
gesto público que grita esta é minha garota, recue .
O calor inunda meu peito e se espalha pelo meu corpo.
"Venha, vamos dar um passeio." Devlin entrelaça seus dedos com os
meus.
Ele me afasta dos outros, levando-nos para a areia úmida onde um
a passagem de uma lancha cria uma onda de ondas que atingem nossos
pés. Devlin
continua segurando minha mão.
À nossa frente, Gemma está com sua câmera, tirando fotos da festa e
a paisagem. Lucas se aproxima e ela fecha a veneziana. Seu sorriso
predatório
se espalha antes que ele a pegue em seus braços. Os ombros de Gemma
tremem
com diversão enquanto as mãos de Lucas percorrem seu corpo. Eles se
beijam, seus lábios
conectando-se preguiçosamente.
“Eu deveria comprar um anel de noivado para você,” Devlin diz. “Vai
vencer o
outros caras que pensam que podem tocar o que é meu. ”
Eu gaguejo. "Desculpe - o quê ?"
As coisas foram de zero a sessenta.
"O que?" Devlin sorri. "Eles já suspeitam que eu devo estar te fodendo
se
você está aqui."
Meus olhos se estreitam. Que se intensificou rapidamente. Ele foi tão
doce a manhã toda,
mas este gosto da víbora espreitando sob a máscara de Devlin me
lembra que
não deveria confiar nele.
“Em primeiro lugar, foda-se. Não estou usando um anel de noivado
falso. Estavam
dezoito. Isso é insano." Eu puxo minha mão da dele. Os cantos de sua
boca
apertar, mas serve para ele direito. "Se você comprar um anel, vou
arremessá-lo a um peão
mostre pelo dinheiro a primeira chance que eu tiver. ”
Saindo de Devlin com minha réplica sarcástica, encontro um local
isolado lá embaixo
da praia, longe do barulho da festa. Eu sento na areia, colando meu
pés na água. Desta distância, posso assistir o que está acontecendo.

Página 199
Trent e Sean atacam um ao outro com pistolas de água de néon, em
seguida, ligam o
meninas, esguichando os peitos grandes de Nina. Ela faz beicinho,
então faz todos os caras uivarem
como coiotes para ela enquanto ela empilha seu longo cabelo molhado
na cabeça, exibindo
suas curvas.
Alguém liga a música e começa uma festa de dança. Devlin paira
em torno da borda dele por um tempo, um copo de plástico vermelho
balançando em suas mãos.
Bailey e Nina se aproximam dele. Eu prendo minha respiração, cavando
meus pés em
a areia.
Ele não é seu , eu me lembro. Ele pode querer me reivindicar como seu
território, então nenhum dos outros meninos vem até mim, mas Devlin
não é meu
namorado.
Espero que ele fique com Nina. Ela pisca os olhos do quarto para
cada cara aqui.
Mas Devlin se afasta para ficar com os pés na água, me surpreendendo.
Ainda. Ele não é meu.
Eu elimino a bolha da felicidade que não tem o direito de existir.

Página 200
VINTE E SEIS

Página 201

BLAIR
Por um tempo, observo as nuvens passarem. O sol aquece minha pele e
o
areia. Eu poderia adormecer assim.
O grito de Gemma chama minha atenção. Ela está correndo em minha
direção, espirrando
através da beira da água. Lucas a persegue e Devlin a segue de perto
atrás.
"Vamos, B!" Gemma chama quando ela se aproxima.
Gemma e Lucas cortaram a água. Devlin me alcança, agarrando
minha mão. Ele me põe de pé com um sorriso secreto brincando em
seus lábios,
trazendo suas covinhas.
"O que está acontecendo?" Eu suspiro.
“Guerra,” Devlin diz, a boca pressionada na minha orelha por trás. Os
braços dele
travo em volta da minha cintura e ele me leva mais fundo na água, indo
para
Lucas e Gemma. O lago é frio e refrescante enquanto lambe meus
quadris.
“Estamos brincando de galinha. Eu preciso de você para isso. Você está
no meu time contra
Lucas e Gem. ”
Antes que eu possa responder, Devlin mergulha na água, içando-me
para seu
ombros. Eu grito, quase perdendo o equilíbrio enquanto ele se
levanta. Ele protege o seu
mãos em volta das minhas pernas, entrando mais fundo na água.
"Espere - Devlin!" Minha única escolha é segurar firme enquanto seu
as palmas queimam minha pele como marcas de ferro. “Eu não sei jogar
frango."
Em vez de festas na piscina no verão, eu andava de bicicleta em
Ridgeview
procurando latas para levar ao centro de reciclagem. Eu faria qualquer
coisa quando eu primeiro
percebi o quanto mamãe cuidava de nossos fundos.

Página 202
Enquanto outras crianças tiveram uma infância normal jogando, passei
a maior parte do
o meu esquecendo sonhos idealistas e aprendendo realidades difíceis.
"É fácil. Você luta com Gemma. Lucas e eu somos o suporte. Você
ganha
quando você derrubar Gemma de seu corcel arrogante. "
"Eu ouvi isso", Lucas rosna.
Devlin ri.
Não tenho ideia de onde colocar as mãos, então seguro seu cabelo. O
molhado
fios deslizam por entre meus dedos. “Ela é mais forte do que eu. E se
ela
me derruba primeiro? "
Devlin aperta minhas coxas. “Você está desconexo. Você consegue."
A confiança resoluta em seu tom perfura meu coração, colocando um
fenda na parede de pedra que mantenho em torno dela. Devlin acredita
em mim.
"OK."
"Pode vir!" Gemma canta.
“Estamos derrubando você”, Lucas promete.
Devlin desliza seus dedos mais para cima em minhas pernas, fazendo
cócegas dentro do meu
coxas. “Pronto para lutar por isso?”
Minha respiração estremece com seu toque perturbador. "Sim. Vamos
fazer
isto."
Nós quatro circulamos um ao outro. Água na casa de Lucas e Devlin
estômagos, embora estejamos bem longe da costa. Gemma vem até
mim
assim que estivermos dentro do alcance. Nós apertamos as mãos,
empurrando e puxando para vencer a batalha.
Uma risada se solta enquanto tento táticas diferentes para tirá-la do
jogo.
“Vamos,” Devlin protesta, jogando suas próprias distrações. Ele nos
move
para frente e para trás, criando uma base de apoio inabalável para que
eu não sinta
como se eu estivesse caindo. “Você para de jogar futebol e todo o seu
trabalho de pé vai para
merda."
"Cale a boca, seu idiota." Lucas sorri, golpeando Devlin. "Caramba!
Você pode fazer isso, querida. "
Gemma se contorce para melhor aproveitar. Eu travo minhas canelas
contra as de Devlin
de volta, dando um bom empurrão. Lucas cambaleia, mas encontra o
equilíbrio novamente. Nós
recue alguns passos, atraindo nossos oponentes para águas mais
profundas.
Os dedos de Devlin sobem, arrancando um suspiro da minha garganta.
"O que você está fazendo?" Eu assobio. Ele continua, provocando a
pele sensível
da parte interna das minhas coxas. "Devlin!"
Poças de calor entre minhas pernas. Eu mudo para aliviar a pressão do
edifício, mas
só dá a Devlin espaço para roçar as pontas dos dedos contra a borda do
meu

Página 203
bichano. Eu mordo o som que ameaça escapar.
"Você é louco."
"Você me faz assim," Devlin murmura, seu toque provocando de certa
forma
isso me faz querer mais. "Sua boceta está encharcada de novo?"
“Concentre-se no jogo, seu pagão.” Eu puxo seu cabelo. Meus olhos
tremulam em
surpresa quando ele geme baixinho. Eu aperto minhas coxas para
prender sua mão. “Vamos
ganhe isso. ”
“Porra, sim, anjo. Assim que vencermos, você é todo meu. ”
Eu engulo a sugestão suja por trás de sua promessa. Minhas bochechas
estão pegando fogo,
envergonhado e ligado. A emoção do momento roubado sobe pela
minha espinha
como o clarão de um relâmpago.
“Pare de flertar lá e lute contra nós!” Lucas liga, fechando nossa
posição.
Meu estômago embrulha. Somos tão óbvios?
"Mostre a todos que lutadora você é, Blair." Devlin inclina a cabeça,
semicerrando os olhos para mim com um olho fechado contra a luz do
sol. “Eles são todos
observando você."
Olhando para a costa, vejo que atraímos uma multidão.
Gemma solta um grito selvagem enquanto ela e Lucas correm para
nós. Eu jogo minhas mãos
enquanto caímos juntos. Nós dois grunhimos e rimos enquanto lutamos
pela vitória.
O sorriso de Gemma é contagiante. A bolha feliz que esmaguei antes se
expande
e aparece dentro.
Isto é divertido. É bom sentar nos ombros de Devlin, sentir sua firmeza
aperto em minhas pernas enquanto meu melhor amigo ri comigo.
"Ah!"
Gemma me lança um olhar de surpresa quando torço suas mãos para o
lado.
Ela se inclina sobre os ombros de Lucas, levando-o para baixo com ela
por causa de suas pernas
estão enroscados em seu peito.
“Vencedores!” Devlin lança seus punhos no ar, girando no lugar.
Ele se inclina para trás e caímos na água. Eu gaguejo enquanto ele me
puxa para
a superfície com uma pegada segura. A água se agarra aos meus cílios
e gruda em sua tinta
pretos, criando pequenas pontas ao redor dos olhos. Gotículas de água
pontilham seu
lábios. Ele pode tocar o fundo do lago, mas é muito profundo para eu
alcançar
sem pisar na água.
"Nós ganhamos." Fixando-me com seu olhar, Devlin agarra sob minhas
coxas e
envolve minhas pernas em volta de sua cintura.
Página 204
Sob a água, sinto seu abdômen entre minhas coxas, pressionado contra
o meu
bichano. Devlin dirige sua atenção extasiada aos meus lábios.
Estou preso pela corda puxando entre nós.
Não há para onde ir. Para nenhum lugar que eu queira ir. Estou bem
onde deveria
ser.
Devlin segura meu queixo entre o polegar e o indicador. Minha
respiração
pega quando ele encontra meu olhar. Há uma pergunta silenciosa em
seus olhos. Um eu
precisa responder.
Desta vez não há promessa de pagamento.
É diferente. E eu quero isso.
Eu me inclino um pouco para frente, implorando sem palavras. Devlin
lança um
som áspero e mergulha, selando seus lábios nos meus. Eu fecho meus
olhos enquanto
nós nos juntamos em uma corrida de lábios e línguas.
O beijo de Devlin é como um buraco negro. Isso me engole, e estou
mergulhando
cabeça primeiro, desesperada por mais.
Se Devlin apostou sua reivindicação sobre mim na frente de todos antes
com um
pequeno gesto, ele me devora com seu beijo, marcando-me de dentro
para fora.
Sua língua me coloca sob um feitiço enquanto seu braço forte me
mantém no lugar
contra seu corpo duro.
Estamos tão absortos em beijos, não ouvimos os outros até que alguém
nos separa com um uivo alto de coiote - o universal Silver Lake High
ligar. É o Bishop.
Gemma e Lucas estão do outro lado de nós combinando
expressões, parecendo agradavelmente surpreso com este
desenvolvimento entre
Devlin e eu.
Eu toco meus lábios. Eu não posso acreditar que beijei Devlin, e o
mundo não acabou
em fúria e fogo do inferno.
Devlin me aperta e resmunga baixinho. "Maldito
bloqueadores de galo. ”
“Você pode namorar mais tarde,” Bishop diz maliciosamente.
Ele espirra em nós e eu suspiro, agarrando-me a Devlin.
“Oh, está certo, Bishop,” Lucas diz, juntando-se ao seu próprio ataque
splash.
"Aguentar." Devlin me manobra para pendurar em suas costas,
pegando carona para liberar suas mãos para retaliação. Eu bufo com o
seu agitar
ataques. "Você vai ficar sentado aí como uma maldita craca?"
"Não sei." Eu me inclino, afetando um tom majestoso. “Eu acho que
gosto disso
trono."

Página 205
Devlin estende a mão para me fazer subir mais alto, aproveitando a
abertura para espremer
minha bunda. "Lute comigo, anjo."
Um largo sorriso estica minha boca.
Lute com Devlin. Não contra ele.
Gemma entra na briga com uma risada desenfreada, esquivando-se atrás
de Lucas
quando eu direciono uma onda de água em sua direção. Nós cinco
cavalgamos ao redor, arremessando
água em todas as direções.
Isso me faz rir tanto que meus lados doem. Eu me apóio fortemente em
Devlin para
recuperar o fôlego. Ele me lança um sorriso encantador por cima do
ombro,
nos chicoteando sem aviso, então eu tenho que pendurar em seus
ombros
enquanto ele envia água voando.
Um grito se constrói em meu peito e eu o solto, inclinando minha cabeça
para trás para o
céu.
Meu coração está feliz e cheio pela primeira vez em muito tempo.

Página 206
VINTE E SETE

Página 207
DEVLIN
Algumas semanas se passam e Blair se instala na minha casa. Tão
simples
coisa não deveria me deixar tão feliz quanto parece. A casa não está tão
quieta com
ela lá.
O aroma de baunilha de Blair permanece nos quartos, no corredor entre
os nossos
quartos, no banheiro. Não ligo muito para doces, mas gostaria
devorar nela. Eu me tornei um louco desequilibrado, caçando-o quando
ela
desaparece com um livro de bolso.
Sempre que ela não está visitando sua mãe, eu a encontro sentada com
ela
pés na banheira de hidromassagem com borda de rocha natural no nível
inferior do deck de teca para fora
de volta com o nariz em uma brochura surrada e os dedos dos pés
respingando no
água aquecida. Ela também reivindicou a borda acolchoada baixa no
layout aberto
sala de estar, esparramada em seu estômago sob a grande janela.
Tornou-se um novo jogo, rondar a casa para encontrar os locais que ela
esconde
dentro.
Nossas corridas comuns rapidamente se tornando uma rotina nos fins
de semana. Futebol
a prática não é suficiente para cansar meus pensamentos, então treino
com corridas adicionais
para ficar fora da minha cabeça. Blair também gosta de correr. Acho
que é o mesmo para ela.
Há algo sobre a queimadura em suas pernas e o ritmo de suas
respirar enquanto você se esforça, é uma forma viciante de terapia.
Nossas corridas são preenchidas com rajadas de sprints em que
competimos entre si. O
a competição flerta quando se inclina para outra coisa. Blair me dá
vontade
persegui-la até eu pegá-la.
Esquivei alguns convites da tia Lottie e do tio Ed para
atravesse o lago até a casa deles para jantar. Eu acho que eles estão
pegando
Página 208
a mudança de hábitos, já que jantei com eles pelo menos uma vez a
semana desde o início do último ano.
Na escola, mantenho Blair por perto. Os fantoches idiotas aceitam a
mudança
com bastante facilidade, porque eles obedecem às minhas regras. Se eu
ligar Blair novamente,
eles contariam uma história sobre como esse era o meu plano o tempo
todo. Mas não importa como
muito me lembro do objetivo original, Blair transforma meus objetivos
dentro
Fora. Eu procuro por um grama de ódio por ela, mas está um poço seco.
A única coisa que resta é a necessidade de beijar aqueles lábios
carnudos.
É um desejo que permeia todas as minhas ações.
Em nossa aula de inglês, faço parceria com ela em vez de Bishop para
pares
trabalho de leitura. Ele está muito ocupado cedendo à sua nova
obsessão por Thea
qualquer maneira. Blair leva isso na esportiva com o mínimo de
atrevimento.
A luta teimosa em sua cabeça surge quando eu a puxo para o meu centro
mesa no refeitório. Eu compro o almoço para ela, mas ela ainda tenta
usar sua comida
conta, despertando meu aborrecimento. Esta é uma maneira de se
desculpar por ser um
idiota até este ponto, mas ela permanece desconfiada quando eu pago
pelo melhor
opções de almoço disponíveis para os alunos que podem pagar para
comer fora do padrão
menu - algo que quase ninguém nesta escola come, exceto Blair.
A condição de Macy se estabilizou. Tio Craig não poderia me dizer
muito, mas
Eu ouvi o telefonema dele para Blair. Ela visita a mãe dia sim, dia não
depois da escola.
Quando ela vai me visitar, eu a sigo e assisto do carro - um de
A coleção do papai que não tem muito uso, então ela não percebe que
estou seguindo
seu junker. A janela da sala de canto da Macy oferece a vista perfeita
para ver
O sorriso terno de Blair enquanto ela passa o tempo com a mãe.
Eu agarro o volante sempre que assisto. O ciúme de seu relacionamento
com
a mãe dela ainda está lá, mas quando ele gira no meu peito nesses
vigilância há algo novo. Uma emoção que não entendo, mas
sempre que olho para Blair, ela está presente. Inevitável.
O sentimento se entrelaça com o sussurro na minha cabeça para parar
de ser um idiota.
Nada aconteceu desde o beijo na festa da praia no fim de semana que
ela
mudou-se. Não por falta de tentativa da minha parte. Eu quero mais. O
tempo todo. Eu estou
como um dos cães de Pavlov, sintonizado com seus movimentos
rápidos e sutis,
ligado a cada pequeno movimento que ela faz.
Blair não é como as outras garotas com quem eu comi, no entanto. Eu
preciso trabalhar um
melhor maneira de seduzir minha pequena ladra para que eu a tenha
desmoronando em meus braços.
Meu pau fica duro simplesmente imaginando isso.

Página 209
Se ainda não posso tê-la, vou tê-la em minhas fantasias quando me
masturbar.
Um instinto está borbulhando em mim há alguns dias. Quase salta de
minha boca quando me deparo com Blair preparando um lanche, um
dela
Os livros de bolso abrem e viram no balcão da cozinha para guardar o
lugar dela.
Ela está usando minha jaqueta de futebol do time do colégio SLHS com
zíper, os punhos dando
suas patas de suéter. Meu coração dispara com a visão.
Eu dei a ela ações para compensar meu comportamento, mas eu preciso
fazer
mais. Talvez eu devesse dar minhas palavras a ela também.
"Oh, ei." Os lábios de Blair franzem de empolgação enquanto ela
espalha tempero
sobre a tigela de pipoca. “Eu ia ler no convés.”
Diga alguma coisa .
Eu me atrapalho, procurando uma maneira de não deixar escapar o que
tenho flutuando
ao redor da minha cabeça. Eu nunca me desculpei antes. Cada grama de
estratégia
foge agora que preciso elaborar minhas palavras com cuidado.
"Quer que eu acenda a fogueira?"
Blair cantarola em consideração enquanto enche um copo
d'água. "Obrigado,
isso seria legal."
"Vejo que você confiscou meu moletom." Eu circulo a ilha e arranco
na manga.
"Fica totalmente melhor em mim."
"Sim." Eu engulo.
O material quase cobre seus shorts esportivos, dando a ilusão de que
ela está vestindo minha jaqueta e nada mais, me deixando louco com a
fuga
pensei.
"Ouça, há algo que eu queria dizer." Eu puxo minha orelha enquanto
Blair joga pipoca no ar, com o objetivo de pegá-la com a boca
aberta. Aquecer
atira na minha virilha. "Blair."
"Sim?"
“Eu quero - eu estive -” Isso é ridículo. Minha língua se recusa a
cooperar com meu cérebro. Por que isso é tão difícil? “A maneira como
eu tratei
vocês…"
As sobrancelhas de Blair se erguem. "Cara. Junte-se. Isso é estranho
para
testemunha. Isso está arruinando minha imagem de Sr. Control Freak.

Página 210
Eu solto uma risada. Me fale sobre isso.
“Eu não deveria ter,” eu aceno minha mão, “sido uma merda com
você. O
coisas que eu disse sobre você, quero dizer. "
Blair me encara enquanto prende o cabelo escuro em um rabo de
cavalo. "Você está
tendo um derrame? "
Eu esfrego a mão no meu rosto, olhando para ela através dos meus
dedos abertos.
"Pode ser. Isso é mais difícil do que eu pensava. ”
"O que é?"
Meu estômago se revira. "Me desculpando."
"É isso que você está tentando fazer?" Blair ri. "Droga, você é péssimo
em
esta."
“Eu falo sério, no entanto. Não estava certo. ”
Blair dá de ombros e me olha com cautela. "Você está dizendo que quer
terminar o,
hum ... ”Ela gesticula entre nós. "O acordo."
"O que? Não."
Eu abafo um gemido por trás da minha mão enquanto cubro minha
boca. Isso é um desastre.
Ela não está entendendo nada. Eu só estou tentando dizer que sinto
muito por tratá-la
como um inseto e pregando peças estúpidas nela. Existe alguma
maneira de fazê-la
acredite em mim? Como posso compensar o que fiz?
"Devo deixar a pipoca fora?"
O copo d'água atrai minha atenção e estimula um pensamento
impulsivo. eu
sempre se esforce para ter controle, mas agora parece certo. Se ela não
entendo, talvez eu possa mostrar a ela. Não estamos no refeitório, mas
isso vai
tem que fazer por agora.
Eu pego a água de Blair enquanto ela vasculha a geladeira.
"Blair."
Ela se vira para mim e eu jogo o vidro na minha cabeça, piscando
a torrente de água fria encharcando minha cabeça.
O queixo de Blair cai. “O que—”
Ela começa a rir, abraçando a barriga.
A água escorre do meu cabelo para os meus olhos. "Quero dizer."
"Ok, você está falando sério." Há uma luz nos olhos de Blair quando
ela alcança
empurro as mechas molhadas de cabelo para trás da minha testa. "Você
é tão estranho."
Um peso é retirado de meus ombros e um sorriso suave curva minha
boca.
"Vou pegar algumas toras para colocar na fogueira."
Blair junta sua pipoca, livro e um novo copo de água para tirar
o convés. Meu peito fica quente enquanto eu a vejo ir.

Página 211
Mais tarde, uma rara conversa com papai me levou para fora. Como um
idiota, eu
atendeu a chamada. Qualquer pedaço de atenção que meu pai oferece
me faz esquecer
lógica e os padrões que ele segue.
Tudo o que ele queria falar era sobre suas expectativas para mim. Ele
tem meu
toda a vida planejada. Pré-med. Escola de medicina. Continuando o
renomado
reputação que o nome Murphy carrega no campo médico.
Foda-se o que eu quiser. Foda-se o fato de que eu realmente não quero
fazer
tudo o que ele espera. Foda-se que sou filho dele.
Papai só se preocupa com seus objetivos e planos.
Eu sento no meu lugar no telhado do lado de fora da janela do meu
quarto com uma luz
cigarro pendurado em meus dedos. Eu dou uma tragada e inclino minha
cabeça para trás para
sopre uma nuvem de fumaça. A nicotina atinge o limite.
A agitação toma conta de mim, deixando-me nervosa e agressiva. Estou
cheio de um
energia raivosa, preparada para chicotear qualquer coisa.
É sempre assim sempre que converso com papai. Mamãe também para
um menor
extensão. Pelo menos ela finge que tem um osso materno em seu corpo,
mas é
nunca foi o suficiente.
Ambos me deixam oco, abrindo o abismo de minhas entranhas para
transbordar
com a raiva solitária me engolfando, me afogando em águas
agitadas. eu
não consigo manter minha cabeça acima da corrente.
Olhando para o céu, vejo uma estrela cadente. Faça um pedido .
É estúpido, mas comecei a fazer isso em criança e não consigo parar.
Um suspiro pesado me deixa. Mas eu não apenas comecei, não é ? É
por causa de
Blair. Semanas depois e ainda estou me recuperando de lembrar do
nosso briefing
conexão, e percebendo que ela é a razão do meu ritual privado começou,
graças a
o que Blair me disse quando éramos crianças.
Seu incentivo para desejar às estrelas foi minha única graça salvadora
que
evitou que eu fosse engolido todos esses anos.
Eu massageio minha têmpora com a junta do polegar e deixo o cigarro
queimar
até o fundo, hipnotizado pelas cinzas.
Eu disse muito às estrelas na minha vida.
Eles esperam por mim enquanto eu olho para o céu. As sardas de Blair
surgem na minha cabeça.
Eles me lembram as estrelas.
Eu lambo meus lábios e esfrego as pontas dos dedos.
Blair foi meu primeiro desejo, mas sempre pensei que não se realizasse.

Página 212
Eu também desejei um irmão e uma irmã. Lucas estava sempre lá, mas
eu
queria mais família para brincar. Eu até queria fazer parte do Lucas '
família em vez da minha.
Implorei às estrelas cadentes que mandassem meus pais para casa por
mais de um
poucos dias. Para fazê-los falar comigo. Para se interessar por mim,
como
muito dinheiro que enviaram, como estão minhas notas e se vou fazer
medicina.
Sou filho deles, não um de seus experimentos de pesquisa com placas
de Petri.
O trabalho que eles fazem como médicos pode ser importante para
ajudar muitos
pessoas, mas uma criança não pode apenas querer a atenção dos pais?
Nenhum dos desejos funciona, mas algo sobre enviar o meu mais
profundo,
desejos secretos para bolas distantes de gás em chamas e fragmentos de
rocha caindo
na atmosfera me faz sentir melhor. É um ritual que acalma o oceano
de dor amarga por um breve momento.
Jogando o cigarro no cinzeiro que tirei, penso em ligar
Bishop ou Lucas para ver o que qualquer um deles está fazendo. Eu me
acalmei
um pouco por falar com papai, mas falar com eles ajudaria.
"Olha Você aqui. Eu estava procurando por você."
Eu viro minha cabeça para o lado. Blair sobe pela janela agilmente
e navega pela saliência estreita que leva ao meu lugar no telhado. O
o vento perturba seu rabo de cavalo enquanto ela fica em cima de mim,
apreciando a vista.
A vulnerabilidade queima. Ninguém nunca encontrou meu lugar. Eu
engulo.
"Você vai se sentar?"
Blair se acomoda ao meu lado. "É legal aqui em cima."
"Sim." Eu tento imaginá-lo com novos olhos, esquecendo tudo que eu
confessou aqui. "Eu vim aqui para pensar."
“Há um local na floresta entre o parque de trailers e o
loja de conveniência onde costumava me esconder quando não queria
ser encontrado. ”
Blair encosta os joelhos no peito e os envolve com os braços.
Ela está usando o mesmo moletom enorme da noite em que sua mãe
desabou, as pontas dos dedos saindo das mangas grandes. Eu belisco a
perna da calça
da minha calça de moletom para não estender a mão para pegar a mão
dela.
Ficamos quietos por alguns minutos. Meu pulso fica irregular. Estou
atormentado por
uma consciência de sua presença e de cada movimento.
"Eu sei seu segredo", murmura Blair em um tom conspiratório.
Eu cavo meu aperto em minha calça de moletom, fora de vista. Ela não
pode.
“Duvido”, eu zombo. Eu toco meu peito, perto do meu coração e da
estrela cadente
tatuagem. “Eu mantenho todos eles trancados a sete chaves.”

Página 213
Blair apoia o queixo nos joelhos. Seu olhar detém o meu. "Você quer
todo mundo pensa que você é esse playboy despreocupado. Mas você
não é. Seu segredo
é que você se importa. Mais do que ninguém."
Meu estômago embrulha com a verdade em sua avaliação. No meu
bolso, meu
o telefone pesa como chumbo. Três mensagens de texto enviadas para
o papai após o término da nossa ligação
sem resposta.
Os bonecos da escola acreditam que minha máscara é meu verdadeiro
eu, mas não é. Eles
veja o que eu quero que eles vejam. Blair está certa. A verdade é que
tento muito não
se preocupam com nada. Eu compartimentalizo tudo, enterrando as
feridas profundamente onde
eles não podem chegar até mim.
Como ela faz isso? Como ela sempre vê através da armadura que eu
construída para me proteger do desapontamento?
Talvez Blair esconda um monstro acorrentado também, porque suas
pequenas garras
raspe a caixa em que enfiei todas as fraquezas. Às vezes vaza
fora, como o caos de Pandora escapando de uma jaula não forte o
suficiente para prender o
torrente de horror desesperada para sair e se espalhar.
A voz de Blair é suave quando ela continua. “Eu acho que é por isso
que você tenta
difícil controlar tudo ao seu redor. Até a curva exata de seu
sorri. ”
Eu rio fortemente para fingir que ela me cega quando eu menos espero
isto. Arrastando a mão pelo meu cabelo, eu volto minha atenção para o
céu. "EU
não te deixei sentar no meu lugar secreto comigo para que você pudesse
psicanalisar
Eu. Pare ou você vai começar. ”
"Desculpe."
Mais surpreso por ela ter se desculpado comigo do que pelo fato de ela
ter me imaginado
para fora, eu dou uma olhada rápida para ela. Ela brinca com os punhos
de seu moletom.
“Eu também,” eu ofereço.
O resto fica preso na minha garganta. Quero dizer tudo isso - desculpe
por internalizar
tanta raiva porque ela foi embora, desculpe por torná-la meu alvo
favorito,
desculpe por tentar levá-la a partir todos esses anos.
“Sinto muito,” eu repito, tentando empurrar todo o meu significado para
o pedido de desculpas.
“Eu sei que eu confundi isso antes e você não acreditou em mim, mas
eu estou. Eu preciso
encontrar outro copo de água para despejar em mim? "
Blair ri, o som brilhante flutuando na noite. “Não há necessidade,
embora eu
acho que prefiro você molhado. " Ela me envia um olhar malicioso do
canto dela
olho. Depois de uma batida, ela abana a mão. “Eu acho que sinto muito
por fazer uma mudança
no seu carro também. ”

Página 214
"Eu não estou." As sobrancelhas de Blair erguem-se de surpresa. Eu
encolho os ombros. “Se você não invadiu,
Eu não teria você aqui agora. ”
É foda que meu plano de vingança tenha levado a isso, mas não posso
dizer que estou bravo
na virada da maré.
Ela sorri, o canto da boca puxando para cima. "Eu gosto daqui."
As estrelas piscam para nós, cintilando levemente.
Ultimamente, não tenho pedido às estrelas o que mais quero. O
segredo que pensei que Blair descobriu.
É impossível, demais até mesmo para a magia de um desejo.
Blair me estuda com um olhar ilegível, a lua pintando o lado
de seu rosto em uma luz pálida.
Meu coração estúpido e confuso bate, doendo com sua beleza. Os lábios
carnudos dela
deslize junto para conter o que ela está impedindo de dizer.
"O que?"
Ela pisca como se estivesse saindo de um torpor. "Você me lembrou de
alguém que eu conhecia. A muito tempo atrás."
"Quem?" Eu engulo os estilhaços apunhalando minha garganta.
Ela se lembra também?
“Um menino triste que conheci uma vez. Eu disse a ele sobre estrelas
cadentes. ” A sobrancelha dela
rugas. "Você tem o mesmo tipo de olhar em seus olhos."
Diga a ela , minha mente grita. Diga a ela que você é aquele
menino. Que você a conheceu,
também, mas ela foi embora.
Como os outros. Todos eles vão embora. Ninguém fica.
Parte de mim não quer contar a ela. Se eu fizer isso, ela verá minhas
fraquezas.
Ela poderia partir novamente. Ela irá embora eventualmente. Porque
ela não está aqui para
Eu. Blair está aqui apenas por outros motivos.
Não porque seja digno de sua companhia.
Não porque ganhei sua confiança ou afeto.
Não porque mereça qualquer segundo que roube com ela.
Meu coração miserável dá uma guinada enquanto eu a encaro.
Talvez estivesse sempre vindo, querendo-a tanto quanto minha próxima
respiração.
Eu apenas o sufoquei. Aprendi a sobreviver com isso.
Agora é uma força que não posso conter, a necessidade dela vivendo
em minhas veias e
meus ossos como videiras envolvendo cada parte de mim.
Esfrego meus dedos e volto minha atenção para o céu. Quando eu vejo
um
estrela cadente, eu aponto. "Há uma. Veja?"

Página 215
Blair cantarola em reconhecimento. “Há outro. Mamãe costumava ler
me este livro sobre uma estrela cadente. ” Sua expressão se torna
afetuosa e terna, como
acontece quando ela visita a mãe no hospital. “Foi um dos meus
favoritos. ”
Eu estudo seu perfil ao luar.
O desejo girando dentro se torna demais. Eu tenho fodido com
muitas garotas, mas preciso de outra coisa agora.
As palavras me abandonam antes que eu tenha formado totalmente o
pensamento. "Eu te pagarei
cinco mil para dormir na minha cama esta noite. Apenas durma."
A cabeça de Blair gira. "Oo quê?"
“Cinco mil,” eu repito, apertando minha mandíbula.
Se Blair for teimosa, sou uma parede de pedra. Sou egoísta e não
consigo evitar.
É o primeiro pedido que eu oficialmente dei a ela desde que ela se
mudou, porque eu
quer uma garantia.
Se esta é minha única chance, eu quero. Desta vez não estou esperando
o
estrelas para conceder meus desejos, eu vou levá-lo para mim.
"Qual é a sua resposta?"
Blair desliza os lábios carnudos, sugando o de baixo para dentro
boca. "Sim."

Página 216
VINTE E OITO

Página 217

BLAIR
Subimos pela janela em seu quarto. Ele vai primeiro. Eu pego o dele
mão para equilibrar enquanto eu pulo do parapeito da janela larga.
É uma surpresa que ele não tenha muito aqui. Mal se parece com um
quarto do adolescente.
Nos primeiros anos depois que papai saiu, eu escolhia catálogos do
lixo, imaginando a casa que mamãe e eu teríamos se ganhássemos na
loteria. eu
passei por um período em que tudo que eu queria era luzes de fadas
pairando sobre meu
cama e uma cortina roxa transparente para envolvê-la.
Todo aquele dinheiro, e o quarto de Devlin tem uma cama grande
meticulosamente
feita, uma parede de painéis modernos de madeira escura que eu acho
que são portas de armário,
e uma pilha de livros na mesa de cabeceira ao lado de um maço de
cigarros.
Parece mais um quarto de hotel do que o quarto de alguém. Limpo, mas
impessoal. Como se ele não pudesse se expressar em seu próprio espaço
privado.
Até eu tenho algumas fotos, minha coleção de livros e algumas
impressões de
a biblioteca das minhas peças de arte favoritas de todo o mundo no meu
quarto.
Eu tiro meu moletom, pendurando-o em um banco de madeira laqueada
de borda viva por
o armário. Se eu dormir com ele, vou superaquecer. Eu fico com
leggings e meu SLHS
t-shirt do time de corrida de meninas.
Indo até a mesa de cabeceira, inclino minha cabeça para ler a coluna do
livros. O Animal Social, Influência: Ciência e Prática, e O Lúcifer
Efeito: Entendendo como Pessoas Boas Transformam o Mal são os três
primeiros no
pilha.
"Você realmente gosta de psicologia, hein?"
Devlin paira na parte inferior da cama. “Eu gosto de saber como as
coisas
trabalhos. O comportamento humano é ... "Ele circula o colchão e para
na frente de

Página 218
Eu. Pegando meus ombros, ele me empurra para sentar. "Fascinante."
Eu observo enquanto ele tira sua roupa branca com movimentos
lânguidos,
deixando seu peito nu. A calça de moletom cai baixa em seus quadris.
Minha boca fica seca. O corte em V em seus quadris desce até a cintura
de seu moletom. Seu corpo é talhado como uma obra de arte, ágil e
atlético
força.
Eu coloco minhas mãos sob minhas coxas para não estender a mão para
rastrear as dele
abdômen.
Devlin me reivindicou com um beijo, mas isso é o mais longe que foi
entre
nós. Beijar-me no lago não significa que ele me quer.
“Afaste-se,” Devlin murmura. "Esse é o meu lado."
Uma vibração faz cócegas em meu estômago enquanto eu me movo
pelo colchão. "Você tem um
lado ? Quantos anos você tem, oitenta e cinco? "
Devlin puxa as cobertas e deita na cama. "Eu gosto do meu lado."
Assim que deitamos, Devlin apaga as luzes, mergulhando-nos na
escuridão.
O único som na sala é a nossa respiração fora de sincronia. Devlin
respira,
então eu. Inalar exalar.
A distância entre nós é palpável, como uma parede contra a qual eu
poderia me pressionar.
Tem apenas alguns centímetros, mas pode muito bem ser uma caverna.
Estou prestes a abrir minha boca e dizer algo para quebrar o estranho
ar, mas a mão de Devlin pousa em meu quadril. Seu toque é quente,
infiltrando-se
minhas leggings.
"OK?" A voz normalmente autoritária de Devlin é abafada e rouca.
"Sim. Tudo bem."
Devlin não leva apenas um centímetro, ele leva uma milha. Seu braço
serpenteia
minha cintura, arrastando minhas costas contra seu peito nu. Ele é como
um polvo,
envolvendo-se em torno de mim. Para alguém que uma vez acreditei
que era frio como
mármore, o calor de seu corpo me envolve.
Um som áspero sai de Devlin. Sua respiração fica tensa e
nervoso. Ele desliza sua grande mão por baixo da minha camiseta,
acariciando minha barriga e para cima
entre meus seios. Eu não estou de sutiã. Seu polegar traça a borda de
um
peito, puxando um suspiro de mim. Meus mamilos enrugam, a fricção
do meu t-
camisa me fazendo contorcer em uma explosão de hipersensibilidade.
“Devlin,” eu respiro.
Ele disse que só queria dormir. Ele quer mais? Ele me quer ?
O nariz de Devlin se enterra na minha nuca. Sua rigidez relaxa
e ele me abraça com mais força. Ele cutuca o joelho entre minhas pernas
e posso sentir

Página 219
seu pau meio duro contra a minha bunda.
Eu mudo meus quadris, rolando-os contra seu comprimento.
Devlin rosna, seu braço travando mais apertado em torno de mim. Ele
pressiona os quadris
contra o meu em resposta, seu pau ficando mais duro.
"Durma, encrenqueiro."
Eu mordo meu lábio. A faísca de fogo que ele acendeu no meu
estômago deixa minha pele
apertado e meu clitóris latejando. Nós realmente vamos dormir assim?
"A respeito-"
Devlin corta minha pergunta sobre seu pau com outro resmungo
som, beliscando meu pescoço. Sua língua segue, fazendo-me arquear
contra
ele.
"Cristo", ele geme em meu pescoço. "Vá dormir, porra."
Meu corpo protesta. Eu quero que ele pare de provocar a curva dos
meus seios
com toques ausentes porque está me deixando louco.
"Você me queria aqui."
Seus dentes e língua roçam meu pescoço, torturando o mesmo local. É
ele
me dando um chupão? Como ele pode me tocar assim e me pedir para
ir para
dormir?
"Eu quero que você durma." Devlin se acomoda, colocando meu corpo
no dele.
Quando ele exala, parece contente. Quase feliz.
Eu lambo meus lábios e tento desacelerar a batida rápida do meu
coração enquanto me enrolo
dormir. Estou cercado por seu cheiro, o toque de gengibre envolto em
couro
fazendo cócegas em meus sentidos. Está nos lençóis e ao meu redor
com Devlin segurando
eu perto.
Enquanto a sonolência sufoca a onda de luxúria, o sono me
escapa. Devlin cai
até ficar inconsciente com seus lábios pressionados na curva do meu
pescoço.
Nunca vendi meu corpo. É a única linha que me resta. Mas de alguma
forma isso
parece diferente, dormindo em sua cama. Talvez seja a coisa crescendo
entre nós
isso muda tudo.
É o que digo a mim mesmo para finalmente desviar.
Os lábios de Devlin se movem contra o meu pescoço em seu sono, como
se ele não tivesse
suficiente.
Eu acho que entendo a maneira como ele estava tenso, então foi capaz
de relaxar assim que
estavam emaranhados um no outro. Isso também me acalma. É legal.
Afagando Devlin, consigo adormecer, não me sinto mais tão sozinha
sem mamãe.

Página 220
Quando chego ao quarto de hospital da mamãe com uma braçada de
livros, ela está sozinha.
Mamãe está recostada na cama, parecendo melhor do que nunca.
Há uma cor saudável em suas bochechas e seus olhos estão brilhantes.
Nada foi mais assustador do que correr em nosso trailer para encontrá-
la
desmaiado no chão.
“Ei,” eu saúdo brilhantemente quando entro.
"Oi, menina." O sorriso da mamãe está cheio de brilho. Ela dá um
tapinha na cama.
"Venha sentar."
"Eu trouxe um pouco de entretenimento para você." Eu me empoleiro
ao lado de sua cama,
colocando os livros da minha coleção na bandeja. “Achei que você
poderia
estar ficando entediado e precisar de algo para ocupar o tempo. Será o
médico
já demitiu você? "
"Ainda não. Estamos esperando os últimos resultados do exame de
sangue. ”
Eu seguro um suspiro. As coisas na casa de Devlin têm estado melhores
do que eu
esperado, mas eu sinto falta da mamãe. Pego a escova da mesa lateral e
pego
trabalhar com nossa rotina. Eu visito, escovo o cabelo dela e faço minha
lição de casa enquanto nós
conversa.
Quando ela mantém os braços abertos, eu me inclino para um
abraço. Ela acaricia meu cabelo e
por um minuto, tudo está bem no mundo.
Depois que nos separamos, mamãe verifica os livros. “Alguns destes
são novos
adições à sua biblioteca. ”
"Sim, comprei alguns novos." Consegui comprar uma caixa inteira
biblioteca estava planejando se livrar. Eu aponto o que ela tem na mão.
“Olha, o mesmo autor que Stardust.”
"Ah, um de seus favoritos." Mamãe ri. “Você costumava me implorar
para ler
de novo toda vez que terminávamos. ”
Eu envolvo meus braços em volta dos ombros dela e a abraço. “Você
fez as vozes
melhor que eu. Eu amei."
Um olhar melancólico permanece em seus olhos, enrugando as linhas
ao redor deles enquanto eu
termine de escovar os cabelos e puxe a poltrona.
"O que é? Você está cansado?"
Mamãe acena com a mão. "Não não. Estou feliz que você estava
feliz. Isso é
o que é importante. ”
Meu coração aperta. "Claro que estava." Eu pego a mão dela,
acariciando-a
juntas. "Enquanto eu tiver você, estou feliz."

Página 221
Uma ruga aparece em sua testa. “Sinto muito, querida. Estar aqui
por muito tempo, estive pensando muito. ”
“Mãe,” eu respiro, apertando a mão dela.
"Sinto muito por seu pai, você não deveria ter se preocupado"
“Mãe, não. Não foi sua culpa. ” Minha expressão forte quase
desmorona.
Eu quero tirar toda a sua dor e engoli-la. O fardo pode tentar
queime-me de dentro para fora, eu sobreviverei. "Tudo vai ficar bem
agora."
Ela enxuga uma lágrima antes que caia. “Por que você não me fala
sobre
como é a escola? O médico mencionou que seu amigo contou a ele
sobre uma faculdade
justo chegando. "
"Direito."
Devlin deixou brochuras da faculdade na ilha na cozinha. Gemma
enviada
me o link para Oak Ridge College também. Mas eu não posso ir para a
escola de arte para estudar
história da arte. Eu deveria ir para algo prático. Enfermagem, talvez. Eu
não tenho
decidido ainda. Estou mais preocupado em escolher escolas que têm
bolsas de estudo
e bolsas que posso solicitar.
Nenhum deles precisa se preocupar com seu futuro. Gemma tinha seu
coração
definido em um objetivo e Devlin pode selecionar qualquer escola que
ele deseja.
“Eu sei que não falamos muito sobre isso, mas o que você escolher,
vamos fazer funcionar. Quero que você siga seus sonhos, Blair. ”
Eu olho para cima depois de mexer nas minhas unhas. “Eu ainda não
decidi sobre uma especialização.”
Mamãe se recosta nos travesseiros, sorrindo. "Estou tão orgulhoso de
você."
"Obrigado, mãe."
A enfermeira entra apressada alguns minutos depois, verificando a
mamãe e
deixando seu jantar. Nós dividimos a gelatina e rimos do animal TikTok
vídeos que acesso no WiFi do hospital.
Um vídeo mostra um menino que se parece com Devlin. Simples assim,
eu não consigo
ontem à noite fora da minha cabeça. Ele continua
aparecendo. Concentrando-se em inglês
mais cedo foi o inferno.
"O que colocou essa expressão em seu rosto?" Mamãe dá um suspiro
provocador. "Você está
rubor?"
"Eu- não ."
Eu cubro minhas bochechas em chamas. Oh Deus, estou corando. Eu
não posso evitar, não
quando minha mente dispara para a marca vermelha fraca, eu encontrei
isso no meu pescoço
manhã. Amarrei uma bandana em volta dele para escondê-lo. Minhas
bochechas esquentam mais,
repassando a sensação da boca de Devlin na minha pele, deixando sua
marca.

Página 222
Uma vibração no meu bolso fornece uma distração perfeitamente
cronometrada.
Esperançosamente, Gemma tem uma boa história no Instagram para
compartilhar sobre um cachorro para obter
Devlin fora da minha cabeça.
Exceto ... a mensagem é de Devlin.
O ciclo recomeça.
Eu rolo meus lábios entre os dentes enquanto me movo na minha
cadeira.
Devil: Você estará em casa logo? Quer dar uma corrida
noturna? [emoji de lua]
Deveria ser uma noite clara. Eu quero te levar ao mirante
onde há uma boa visão do céu.
Depois da festa do lago, tirei a parte do D-bag de seu nome de contato,
mas deixou o diabo . Ele ainda é meu demônio escuro, embora agora
ele faça meu corpo
formigar com algo diferente de ódio e ressentimento.
Uma corrida conjunta à noite conta como uma data quando estamos
morando na mesma?
lar?
Com meu batimento cardíaco acelerado por todo o lugar, eu digito uma
resposta rápida.
Blair: Visitando minha mãe, mas volto logo. Você me deve uma
corrida, então estou dentro
O perdedor faz o jantar?
Diabo: Você negocia muito, pequeno ladrão. Isso é chamado de aposta
fraudada.
Blair: [GIF de uma linda garota jovem encolhendo os ombros sem se
desculpar]
Diabo: Combinado. Te vejo em casa. [sorrindo emoji do diabo]
"Uau, você ficou vermelho." Mamãe ri, encantada. "É um menino?"
“Uh, sim. Mas é, hum. " Eu não sei o que dizer. Devlin não é meu
namorado. As borboletas que ganham vida em meu peito enquanto leio
seu texto
novamente pode se foder. “Um amigo da escola.”
É o melhor que tenho para explicar a coisa complicada que Devlin e eu
temos.
Inimigos para inimigos? Eu não sei o que está acontecendo.
Nada parece ter nada a ver com vingança entre nós
mais.
“É bom ver você feliz com uma paixão”, diz a mãe.
Página 223
Esmagar .
Oh Deus.
Meus lábios se abrem. É isso que é? A sensação que torna difícil
respirar
em torno de Devlin?
Não é apenas que ele é quente ou que seus beijos alcançam e batem no
meu coração.
Acho que realmente gosto de Devlin.
Mamãe cai na gargalhada com qualquer expressão em que meu rosto
está travado.

Página 224
VINTE E NOVE

Página 225

DEVLIN
Quando estou perto de Blair, algo me dá vida. Me faz sentir de várias
maneiras
Eu continuei entorpecido. Achei que fosse a emoção do jogo, de
controlá-la.
Mas acho que é mais do que isso, é só ela.
Ela está na minha cabeça, meus sonhos, minhas malditas veias. E ela
não vai sair.
Cada respiração que eu respiro é tingida com um toque de baunilha.
Isso pode ter começado como uma forma de atormentá-la por vingança,
mas ela
cavou seu caminho tão profundamente em mim, eu não quero que isso
acabe. Eu quero ela teimosa
espírito e seus gemidos. O desejo de separá-la do prazer, então colocá-
la
juntos para fazer tudo de novo ultrapassou a parte selvagem de mim
determinado a destruí-la.
O jogo mudou para sempre, porque agora estou jogando para sempre.
Mas Blair só está aqui pelo dinheiro, certo?
Tire isso e ela se foi de novo. Voltar a cuspir fogo e fúria em
Eu.
Eu esfrego a mão sobre minha boca enquanto vou do meu quarto para
o dela.
No meio do caminho, faço uma pausa. O chuveiro está ligado.
Um grito de prazer fraco e interrompido chega aos meus ouvidos,
abafado pela pressa de
agua. Eu permaneço rígido no corredor, olhando para a porta do
banheiro. Outro
gemido segue, alto e divino pra caralho.
Minha boca se curva em um sorriso calmo e predatório.
É hora de testar minha teoria. Eu tenho que ser estratégico e escolher
sua parte
por peça, assim como eu fazia quando costumava odiá-la. Vou fazê-la
ver a casa dela
está ao meu lado.
Quando pego a maçaneta, meu sorriso se alarga. A porta não está
trancada.

Página 226
Oh, seu gatinho travesso . Você quer ser pego? O monstro é
vindo para você .
Girando a maçaneta com cuidado furtivo, abro a porta e espio dentro.
O chuveiro com paredes de vidro está parcialmente embaçado pelo
vapor e salpicado de
gotas de água. Minha boca fica seca ao ver Blair.
Sua cabeça está arqueada para trás, colocando aquele pescoço tentador
em exibição. eu Lambo
meus lábios, querendo prender meus dentes sobre seu ponto de
pulsação. Marque a porra dela
meu .
- Ah ... - a respiração de Blair falha enquanto ela belisca um mamilo
ereto com uma das mãos
e desliza a outra entre as pernas. Seus quadris balançam em giros lentos,
movendo-se
contra sua mão enquanto ela obtém seu prazer.
Meu pau fica duro como uma rocha e um rosnado encharcado de luxúria
ameaça rasgar
da minha garganta. Eu fico quieto, pressionando a palma da minha mão
contra o meu
pau latejante.
O monstro dentro ruge, arranhando para ser solto. Dominar. Para
devorar .
Os lábios de Blair se abrem em um gemido ofegante. Porra, eu a
quero. Eu não me importo se eu sou
um verme, observando-a em segredo. Ela é minha para assistir.
Eu lutei contra a atração de possuir cada centímetro dela por muito
tempo. A obsessão
não é mais algo envenenando minhas ações. Não, está assumido.
A única coisa que quero é Blair. Seus lábios carnudos feitos para
envolver o meu
pinto e beijo até que eles estão inchados. Seu pequeno traseiro
apertado. Teimoso dela
atitude. Cada polegada.
Tudo dela .
Blair é minha e eu a terei. Ninguém mais vai conseguir esses sons,
veja seu corpo perfeito, tenha a emoção de sua luta até que ela se
submeta.
Eu abro a porta e vou até o chuveiro. Blair engasga quando eu
arrancar a porta de vidro. Água quente respinga na frente de minhas
roupas.
"Que porra é essa, cara?" A voz de Blair está rouca e rouca. Ela cobre
seu corpo, colocando entre suas pernas e envolvendo um braço sobre
seus seios. "Eu estou
tomar banho aqui. ”
“Tarde demais, anjo. Eu já vi. Solte esses braços. " Meu olhar se arrasta
para baixo em seu corpo e meu pau se contrai. "Agora."
As bochechas sardentas de Blair estão rosadas do banho quente, mas
ficam vermelhas
mais, a cor inundando seu rosto. Ela franze os lábios e aperta os braços.
"Foda-se."

Página 227
A luta de Blair é falsa. É claro na forma como suas pupilas se
expandem, desejo negro
tomando conta de seus olhos. Ela já estava excitada de se tocar. Esta
está aumentando a excitação.
Isso é tão corrido para ela quanto para mim. Talvez seja por isso que eu
sou tão
obcecado por ela. Essa dança entre nós é um tango do começo ao fim,
uma sedução da luta à foda.
Com o pensamento de transar com ela, uma pulsação quente puxa meu
pau.
Sim .
Eu a mantenho presa em um olhar duro e dominante, silenciosamente
exigindo que ela faça
como eu disse. É nossa regra. É assim que funciona.
"Faça. Mostre-me aqueles peitos que você estava provocando e aquela
buceta que você estava
tocando. ”
Um pequeno grito estrangulado escapa de Blair.
Depois de mais um minuto mordendo o lábio, ela abaixa os braços para
ela
lados. Seus punhos se fecham e ela treme, os mamilos pontiagudos
implorando por
meus dentes e língua. Ela é uma sereia linda e atraente.
Eu levo meu tempo olhando para cada centímetro nu dela, apreciando
o sutil
muda enquanto ela tenta ficar parada. Os músculos de suas coxas
flexionam enquanto Blair esfrega
eles juntos.
Eu sorrio. "Boa menina."
Blair lança os olhos para baixo, os cílios esfumaçados tremulando.
"Não. Olhe para mim." Meu comando é profundo e firme.
Fazendo outro som mordido, ela levanta seu olhar para encontrar o meu.
Seus olhos estão arregalados, os seios subindo e descendo a cada
respiração.
Minha língua se move sobre meu lábio inferior lentamente. "Bom."
Blair treme enquanto admiro meu prêmio. A energia tensa rola dela em
ondas. Ela precisa da liberação que roubei dela.
Tantas possibilidades passam pela minha cabeça, passando todas de
uma vez até
eles sangram juntos. Meu pau estica contra minhas calças.
"Estou me juntando a você."
"O que? Você é ... Blair engole em seco. "E se eu disser que você não
pode?"
Uma risada rola por mim. "Que regra eu dei a você sobre dizer
não?"
Suas pálpebras caem a meio mastro, sonolentas com o quanto meu
áspero e exigente
tom a excita.
Isso mesmo, hellcat. O monstro tem você em sua mira. Você não pode
escapar
esta.
Página 228
"Vou te dar 2.500."
Antes que as palavras saiam da minha boca, estou tirando minha
camiseta acima da cabeça
e jogá-lo de lado. Minha calça de moletom segue e meu pau salta livre,
balançando pesadamente entre minhas pernas.
Os olhos de Blair se alargam quando ela olha para dentro. Eu flexiono
os músculos que fazem
ele balançou novamente, apenas para vê-la se contorcer. Diversão
espirais através de mim em
A expressão de Blair.
“Então ...” Ela respira fundo, apontando para o meu pau. “Você está
pagando para
banho comigo agora. "
Eu cantarolo enquanto entro na água com ela. Ela se aproxima do canto
de trás,
colando-se contra a parede de vidro. Eu mantenho o olhar dela enquanto
arrasto
meus dedos pelo meu cabelo para molhá-lo. A água desce em cascatas
pelo meu peito e eu
seguir seu caminho com a ponta dos dedos, alcançando meu pau na base
e
apertando. Um gemido satisfeito me deixa, ecoando na parede de
azulejos.
Enquanto acaricio minha ereção, coloco minha mão ao lado de sua
cabeça, inclinando-me.
“Quanto para saber no que você estava pensando enquanto tocava
você mesmo? Fui eu?"
O lábio de Blair salta por entre os dentes. É rosa e rechonchudo. eu
quero
morda.
“Uma garota não pode se masturbar? Maldição ... ”O constrangimento
tinge seu tom.
Ela escova meu abdômen com um toque hesitante que fica mais
ousado. Ela explora,
movendo-se para meus peitorais, então sobre minha tatuagem. “Caras
fazem como se fossem
respirando e é normal. ”
"Claro. Eu acho que é sexy como o inferno que você está se divertindo.
"
Minha atenção desliza para baixo em seu corpo. “Tomando seu
prazer. Você era tão
com tesão você não aguentava mais? Sua buceta estava implorando
para ser fodida
depois da outra noite? "
Blair engasga. O som é incrível. Preciso de outro, de preferência com
minha mão em torno de sua garganta enquanto eu bato em seu corpo.
Eu libero meu pau e roço a pele de sua barriga, arrastando minha mão
para cima
para circular seus seios. Eu ajeito um mamilo, apreciando a maneira
como a cabeça de Blair bate
contra o vidro, em seguida, fecho meus dedos em torno de sua
garganta. Desafio misto
com lampejos de luxúria em seus olhos quando eu aperto o suficiente
para mostrar a ela que estou dentro
ao controle.
“É isso que você quer que eu admita? Que estava pensando em você? "
"Eu sei que você estava." Eu me inclino para lamber o lado de seu rosto,
lambendo o
gotas de água da mandíbula ao lóbulo da orelha. "Você está tão
perturbado por mim quanto eu

Página 229
sou sobre você? ”
Suas unhas cravam em meu peito enquanto ela enrola os dedos. “Você
está apenas dizendo
isso porque seu pau está duro. ”
Eu balanço minha cabeça, ofegando contra sua orelha. "Eu não
estou. Eu não posso te tirar de
minha cabeça."
Eu não quero mais me conter.
Em um movimento rápido, eu reivindico seus lábios, beijando-a como
se fosse o único ar que eu
obter. O beijo é quente e viciante. Ela me beija de volta, fazendo
pequenos sons
enquanto seus braços se enroscam em meus ombros.
Não é suficiente apenas beijá-la.
Partindo com um som áspero, eu seguro seus quadris em um aperto de
punição. Minhas
as impressões digitais estarão lá em sua pele quando eu o soltar. Blair
faz um som de
protesto e fica na ponta dos pés para me beijar novamente. Rumbling,
eu dou um selinho nela.
Eu caio de joelhos e olho para o anjo escuro demoníaco que a tem
garras afiadas em minha alma. Ela é uma combinação perfeita para o
monstro dentro de mim.
Agarrando a coxa de Blair, manobro sua perna por cima do ombro e
pairo
meus lábios sobre sua boceta. Ela está espalhada por mim, um som
necessitado saindo de
sua.
"Quantos?" Minha respiração fantasma sobre suas dobras sensíveis.
- Dev - Blair respira, enfiando os dedos no meu cabelo. "Eu não…"
Porra, quando ela diz meu nome assim.
Blair se esforça para encontrar mais palavras.
“Como ...” Eu passo minha língua sobre sua boceta, gemendo com a
primeira prova.
"…Muito de?"
"Por favor. Por favor, apenas— ”
Assim que ela quebra, implorando por minha boca, eu a devoro. Eu
chupo ela
clitóris enquanto aperto suas nádegas. O grito agudo de Blair soa sobre
a pressa do
banho. Eu me deleito em sua boceta até que ela esteja tremendo por
mim.
Ela implora, suspira e range no meu rosto enquanto eu a fodo com a
língua.
"Oh, Deus, eu - Devlin, eu estou -"
"Sim, porra," eu gemo contra sua pele sensível quando ela goza com
um
grito feroz. “Mais alto. Deixe me ouvir você."
Seus sons de êxtase ecoam nas telhas.
Eu continuo, deslizando dois dedos dentro dela enquanto provoco seu
clitóris com o meu
língua. Sua boceta está tão molhada para mim. Eu rosno contra ela,
enrolando meus dedos
e transando com ela com eles.
"Oh meu Deus! Foda-se! " Blair geme, puxando meu cabelo.

Página 230
Eu me afasto para molhar meu polegar entre os lábios e Blair grita.
"Não!"
Eu sorrio em volta do meu polegar enquanto a fodo com a outra mão,
bombeando meu
dedos. “Paciência, anjo. Vou fazer você se sentir bem. ”
Minha boca está de volta em sua boceta, provocando suas dobras e
clitóris. Como ela é
subindo mais e mais alto até o esquecimento, puxo sua bunda e
massageio meu
polegar sobre seu buraco. Ela parou por um segundo. Quando eu sigo o
exemplo, parando
tudo, ela se contorce.
"Droga, Dev."
Eu murmuro, dando a ela um pequeno golpe de prazer divino vibrando
sobre ela inchada
lábios.
"OK. OK tudo bem. Por favor, eu preciso— ”
"Eu sei."
Minha boca e meus dedos se movem em sinfonia. Eu a deixei relaxar,
recompensando-a
com mais pressão da minha língua. Quando meu polegar pressiona em
sua bunda,
ela estremece, arqueando-se para longe do vidro. No começo eu deixei
ela se acostumar com isso,
diminuindo para um ritmo tortuoso, brincando com ela apenas para
sentir sua bunda
apertando meu polegar. Os sons que ela faz são sublimes, me
estimulando.
Eu chupo seu clitóris implacavelmente enquanto fodo sua boceta e
bunda com o meu
dedos.
"Merda! Oh Deus - Ahh! ”
Ela goza novamente, seu corpo inteiro estremecendo de prazer.
A luta de Blair é uma droga linda e viciante.
Mas Blair se desfazendo?
Fodidamente deslumbrante.
Ela se inclina contra o vidro por um longo período, ofegando e
choramingando
de tremores secundários de seu orgasmo. Meu pau dói. Eu não quero
nada mais do que
para entrar nela agora, mas ainda não.
Eu fico de pé, lambendo o gosto dela dos meus lábios. Ela me pega nela
rede com carência inundando seu olhar. Com um estrondo, eu a prendo
contra o
parede e beijá-la, lento e sujo. Eu posso sentir seu batimento cardíaco
trovejando no tempo
com a minha, o calor de sua pele sangrando na minha. Steam nos rodeia
e o fluxo da água abafa nossa respiração irregular.
Afastando-me, eu grito contra seus lábios. "Você se prova no meu
língua?"
"Sim."
"Bom."

Página 231
O clima hipnótico perdura, cobrindo-nos enquanto enxaguamos e
deixamos o
banho. Blair me segue até meu quarto.
Minha ereção não desapareceu e se ela está aqui, ela está aceitando que
estamos
não realizado.
Deixando cair a toalha, sento-me na beira da cama. Blair paira perto do
porta, segurando sua toalha.
"Venha aqui."
Ela se arrasta, ao contrário de sua graça usual de passos leves.
"Largue a toalha."
Ele cai no chão com um farfalhar de tecido.
Eu abro meus joelhos para dar espaço a ela. "Ajoelhar."
A garganta de Blair se move com seu gole. O pedido leva mais tempo,
mas depois
um minuto ela fica de joelhos entre as minhas pernas. Ela inclina a
cabeça para cima,
olhando para mim com olhos grandes, bochechas salpicadas de estrelas
e lábios carnudos implorando para
caber em torno do meu pau. Porra, é uma visão linda.
Eu corro o polegar ao longo de seus lábios, puxando-os. "Abrir."
Blair inspira e se abre para mim.
Um rosnado me deixa enquanto o calor atinge minhas entranhas. Eu
pressiono em sua boca,
segurando sua mandíbula. Blair timidamente toca minha língua no meu
polegar, então
é uma merda.
"Porra, anjo." Eu só posso imaginar o fogo enchendo meus olhos
enquanto nossos olhares
trancar. "Sim. Continue assim. ”
Eu acaricio meu pau, observando sua boca atentamente enquanto ela
pega meu polegar
mais profundo, ficando mais confiante.
"Você fica tão bem de joelhos com essa boquinha bonita em mim."
Meu orgasmo iminente está subindo como uma maré crescente, me
varrendo
para longe quanto mais perto eu chego da borda. A língua de Blair
enrola em volta do meu polegar,
explorando, degustando. Foda-se . Meu aperto fica mais forte no meu
pau.
"É assim que você chuparia meu pau?"
O calor aumenta quando Blair olha para cima. Ela solta meu polegar
com um estalo.
Eu resmungo enquanto meu punho voa sobre meu eixo.
Blair fica mais ousada. Colocando o cabelo molhado para trás, ela abre
aquela porra
boca novamente e fecha sobre a ponta do meu pau. Um gemido feroz
rasga de
mim enquanto sua língua gira na coroa. Eu seguro a parte de trás de sua
cabeça e empurro
Deeper. Ela faz um som assustado, mas se ajusta para acomodar meu
pau
enchendo sua boca.
“Oh, porra, bebê. Assim, Deus, chupe meu pau. "

Página 232
Ela me espia por entre aqueles cílios escuros. Uma pitada de poder a
preenche
olhos. Céu e inferno, é um visual sexy. Meu pequeno ladrão está
gozando
tendo meu prazer sob seu controle enquanto eu a coloco de joelhos com
sua boca no meu pau.
Eu não duro muito mais. A visão daqueles malditos lábios no meu pau
é demais
Muito de. O prazer incandescente assume o controle.
Com um gemido, eu gozo, a mão emaranhada em seu cabelo.
Eu me curvo sobre ela, apoiando um cotovelo na minha coxa para não
tombar
de tontura. Ela sugou minha alma pelo meu pau e me deixou
na porra da nuvem nove.
"Jesus", murmuro.
Blair se senta nos calcanhares, fazendo uma careta.
Uma risada sem fôlego sacode meus ombros com a forma como sua
mandíbula funciona, um
gota de gozo deixou em seus lábios inchados.
"O que eu faço?" Blair chora, ininteligível com a boca cheia de gozo.
Minha virilha aperta e eu respiro fundo. Mesmo depois de vir, eu ainda
quero
para prendê-la na cama e foder até ela desmaiar. Cristo, ela vai ser a
minha morte.
Bufando, eu acaricio seu cabelo. Meus membros estão soltos e
desenrolados. Parece
como a primeira vez em anos que relaxei o rígido controle sobre mim
mesma.
“Depende de você se você cuspir ou engolir. É onde você mantém todos
os
potência. É uma das poucas liberdades que vou deixar você ter, então
aproveite. "
O nariz de Blair torce. Sua boca está cheia de gozo depois que ela me
chupou
fora como uma pequena sedutora e ainda assim eu a acho adorável
agora. Eu pastoreio o
costas de meus dedos sobre sua bochecha.
Lançando um olhar perscrutador ao redor da sala, Blair rasteja até o
lata de lixo perto da cama e cuspe. Um sorriso se espalha pelo meu rosto
e eu me inclino
para a frente para bater em sua bunda.
Blair grita. "Cara!"
“Não sacuda sua bunda na minha frente e não espere que eu dê um tapa
nela. Agora
traga essa bunda de volta aqui, eu não terminei com você ainda. "
"Você não é?"
"Nem mesmo perto."
Quando Blair está de volta ao alcance, eu a puxo para a cama e a beijo
profundamente. Ela é
não sair da minha cama esta noite, ou nunca mais, se eu conseguir.

Página 233
TRINTA

Página 234

BLAIR
Já passa da meia-noite, eu acho. Depois de um breve cochilo na cama
de Devlin, invadimos o
cozinha para um jantar tardio de manteiga de amendoim com torrada e
pimenta picante Doritos,
em seguida, acabou na banheira de hidromassagem subterrânea sob o
deck traseiro.
Nu.
Não posso explicar a sensação incandescente que se instalou em meus
ossos, mas é
expandindo a noite toda, recusando-se a se extinguir. Está me mantendo
leve, como eu
poderia flutuar até o céu.
A água quente e borbulhante nos envolve em um vapor úmido enquanto
nossa respiração
nubla o ar frio da noite. Está ficando mais frio. Devlin estica as pernas,
encostado nas pedras naturais que revestem a borda da banheira. Ele
passa
a franja úmida para trás da testa. A curva de seu bíceps e o
as veias em seu antebraço me distraem.
Há algo nele que mudou. A curva de sua boca é
mais suave, mais relaxado. Eu gosto desse lado dele. É como se eu
estivesse dando uma olhada
do outro lado, atrás da cortina do mestre de marionetes.
Eu escorrego no assento, deixando a água calmante cobrir meus
ombros.
Ele bate nos fios de cabelo que caem do meu topete, enrolando os fios
molhados
contra minha nuca.
O luar brilha no lago, iluminando o corpo de água calmo
e a linha do cume.
Uma coisa tem me incomodado desde que comecei a morar na casa de
Devlin. Isso é
já faz quase um mês e não vi ninguém passar. Devlin não era
brincando sobre as governantas ficarem caladas, nunca as conheci. Mas
mais
o mais importante é que seus pais não estiveram em casa nenhuma vez.
Quanto tempo duram suas viagens de trabalho?

Página 235
Pensar em passar tanto tempo longe da mamãe faz com que meus
ombros
afundar sob a água.
Viver assim, tão isolado, não pode ser bom para ele. Não é de admirar
que ele
se tornou um idiota tão amargo. Meu coração se contorce e eu giro
minhas mãos
através da água, observando o vapor subindo.
Eu pensei que seria uma tortura viver com ele, mas tudo o que sinto
agora é um
pontada no meu peito. Sou a única pessoa que faz companhia a Devlin
em
casa?
Engolindo, eu reúno minha coragem. “Onde estão vocês
pais? Mesmo?"
Devlin abre os olhos. Ele se senta com uma carranca e um nó de
a preocupação aperta meu estômago. Ele estava relaxado e ... feliz, eu
acho. Agora
ele está colocando a máscara de volta, me excluindo.
Eu coloco minhas mãos sob minhas coxas, mordendo meu lábio. "É
apenas. Você está sozinho
aqui em cima. Você nem mesmo vai para a casa da sua tia e do seu
tio. Os Santos, certo? eu
sei que Lucas é seu primo e sei que eles moram aqui. ”
"Eu geralmente vou para a casa deles para jantar uma ou duas vezes por
semana." Devlin
muda, jogando um braço atrás de mim na parede de pedra. As pontas
dos dedos dele roçam no meu
ombro. “Venho recusando os convites deles para garantir que você
receba
algo para comer."
Eu congelo. É verdade, ele fez o jantar na maioria das noites. Mesmo
quando é apenas
reaquecendo algumas sobras que a governanta deixou. Os cantos da
minha boca puxam
baixa.
“Eu impedi você de ver sua família? Isso não está certo. Você deve
-”
"Está bem." Ele me guia para mais perto e eu me inclino para o lado
dele. Devlin olha para
as estrelas. "Eu não estou sozinho. Você está aqui."
Minha garganta fica espessa de emoção. Nem sempre estive aqui. Jesus
meu
O trailer com a mamãe é mais um lar do que a maneira como Devlin
tem vivido.
"Quanto tempo?"
Devlin cantarola curiosamente.
"Há quanto tempo você vive sozinho?" Minha voz é
pequeno.
Seu braço aperta em volta de mim. “Preocupado com que tipo de
monstro é
criado, anjo? " Ele abaixa a voz para um tom grave enquanto beija o
topo da minha cabeça. "Está tudo bem agora."
Meu coração luta para pular do meu peito. Eu acho que ele quer se
libertar para
enterre-se na casa de Devlin.

Página 236
Ficamos quietos por alguns minutos. É uma espécie de silêncio
confortável.
Uma ideia começa a se formar na minha cabeça. Aquele que faz os
cantos do meu
boca se contorce e o calor se espalha. Vou surpreender Devlin com
algo que sempre quis. Vou enfeitar sua sala esparsa do jeito que
merece. Essas luzes de corda que eu sempre cobicei serão perfeitas.
Eu me enrolo ao lado de Devlin, imaginando o tipo em forma de
estrelas. Eles vão
parece ótimo pendurado em sua cama.
Talvez Devlin queira me manter. Esta. Nós.
Devlin acaricia meu lado enquanto seus lábios acariciam minha
bochecha.
Eu ainda não reconheci que cruzamos para o desconhecido, passado
o ponto de retorno. Quando esse negócio acabar ... Não sei como vou
voltar para
do jeito que as coisas eram antes de eu conhecer a forma tortuosa que
Devlin beija. Aquecer
escorre pelos meus membros só de pensar em Devlin ajoelhado no
chuveiro
chão, boca quente e insistente, me deixando louco até eu gozar.
Minhas bochechas formigam e uma gota de suor escorre pela minha
têmpora.
A língua de Devlin está lá para pegá-lo. Ele mordisca o lóbulo da minha
orelha, chamando o
poço de fogo que ele colocou em chamas dentro de mim. A água
borbulhante ondula enquanto eu suspiro.
Por enquanto, vou ver para onde as coisas vão. Talvez eu não tenha que
perder
isso quando o negócio terminar.
Nós combinamos. Cabelo preto. Corações mais negros, sombrios e
desgastados pelas circunstâncias.
Mas talvez possamos curar nossos hematomas juntos. Duas almas
quebradas encontrando
consolo e salvação nas profundezas das trevas um do outro.
"Venha aqui." Devlin me puxa para seu colo e beija as costas do meu
pescoço. "Eu preciso de você de novo."
"Novamente?" Minha risada se transforma em um gemido quando ele
encontra um ponto sensível.
"De novo e de novo. Eu não me canso de você. ”
Suas mãos vagam pelo meu corpo por trás, massageando meus seios
e mergulhando mais baixo, entre as minhas pernas. Minhas coxas se
separam para ele, espalhando
ampla em cada lado de suas pernas, pois ele não perde tempo com
provocações. Com
dedos espertos, ele esfrega meu clitóris.
"Por que você é tão bom em ..." Um gemido rouba minhas palavras
enquanto eu rolo meus quadris
contra sua mão.
Devlin me toca como sua harpa pessoal, arrancando com maestria e
criando harmonias com meu corpo para me levar ao limite. Eu
mergulho em um mar
de prazer que irrompe dentro do meu núcleo.
"Ah!"

Página 237
Devlin morde meu pescoço com um som satisfeito. Ele segura minhas
coxas enquanto ele
mói sua ereção contra minha bunda.
"Você tem uma roupa sexy de ladrão de gato em seu armário ou eu
preciso comprar
você um?" Ele belisca meus mamilos, torcendo-os até minhas costas se
curvarem. Seu
a voz é um murmúrio quente em meu ouvido. “Eu quero representar o
papel do policial que pega
você em flagrante. ”
As sensações dançando em minha pele me deixam sem fôlego. Eu
arqueio para
cada toque provocante, buscando mais.
"Você já me pegou."
“Foda-se, sim, eu fiz. Peguei você e posso fazer o que eu quiser com
você. "
"Sim." Vou concordar com qualquer coisa se ele me deixar gozar agora.
Devlin geme, me tirando da água enquanto se levanta. Está congelando.
Calafrios latejam em meu corpo. Ele me vira, me coloca no assento para
que nosso
a altura é melhor combinada e aperta minha bunda com tanta força que
grito.
"Vou marcá-lo para que todos saibam a quem você pertence."
“ Sim ,” eu gemo, perdida na sujeira de suas promessas.
Eu envolvo meus braços em volta do seu pescoço enquanto ele coloca
minha perna em seu quadril, esfregando
contra meu clitóris. Seu comprimento duro envia uma fricção deliciosa
direto para o meu núcleo.
"Olhe para você. É aqui que você pertence. Bem aqui, esfregando
aquela buceta
contra meu pau. "
Devlin aperta minha bunda e mói seu pau para cima e para baixo. Com
seu aperto
nas minhas costas, ele controla a pressão, fazendo-me tremer de
necessidade.
"Por favor." Estou delirando, sem saber o que estou implorando além
do
doce êxtase do orgasmo. Meu corpo lateja, pulsando quando chego ao
precipício.
"Devlin, por favor."
"Venha para mim, baby."
A explosão de liberação ondula através de mim com tanta força, eu
quase escorrega e perco o equilíbrio. Devlin está lá para me pegar,
apertando para abrir
beijos na boca do comprimento do meu pescoço até o peito. Ele me guia
volta para o assento na banheira de hidromassagem e pega seu pau na
mão, de pé
sobre mim.
"Abrir."
O comando em sua voz faz meus lábios se abrirem automaticamente.
"Sim, foda-se." As bochechas de Devlin se encovam enquanto ele
ofega, se masturbando. "Vou
foder aquela boca perfeita novamente em breve. Desça pela sua
garganta. "
Abro mais minha boca, avançando para frente para passar minha língua
sobre a ponta
de seu pau.

Página 238
Ele se curva quando vem, agarrando a parede de pedra atrás da minha
cabeça. Seu
salpicos de liberação sobre minha língua, meus lábios, meu queixo e os
topos de minha
seios. O som que sai dele vai direto ao meu núcleo.
Devlin encosta sua testa na minha. Ele esfrega seu gozo no meu
lábios, mergulhando em minha boca. Eu posso sentir o gosto enquanto
chupo seus dedos.
"Meu anjo imundo."
Ele faz um respingo ao cair na água, me puxando de volta para seu colo
então eu monto nele. Seus braços se enlaçam e se conectam atrás de
mim.
"Como vou sobreviver na escola sem tocar em você?" Ele espirra água
sobre meus seios para lavar o gozo, depois limpa meu queixo. “Eu vou
querer você
ainda mais quando eu não deveria. ”
"Não espere que eu encontre você sob as arquibancadas, pervertido."
Devlin sorri, lascivo e cheio de travessuras. Eu belisco seu mamilo e rio
com a maneira como ele resiste embaixo de mim. Meus dedos
percorrem seu peito,
seguindo o caminho das estrelas cadentes tatuadas em suas costelas.
“Sério, eu não estou matando aula. Eu preciso manter minhas notas
altas. ”
Eu me movo para rastrear seus ombros, mapeando os
músculos. Relógios Devlin
mim, olhos semicerrados. “Não tenho o luxo de uma rede de
segurança. Estou buscando um
bolsa de estudos para a faculdade. ”
Devlin me considera por um momento. Meu coração dá uma palpitação
fraca em
abrindo-se para ele.
“Nesse caso, prepare-se. Eu vou te cansar todas as noites para conseguir
o meu
preencher."
Eu bufo, mas minhas entranhas enrolam. Meu corpo está
agradavelmente solto com
superestimulação e ainda não fomos até o fim.
Devlin sorri. “Você ri o quanto quiser. Estou falando sério."
"Eu acredito em você."
"Fique na minha cama esta noite."
Minha respiração engata. "OK."
Os lábios de Devlin se curvam. Ele agarra meu queixo e passa o olhar
entre
meus olhos. Há uma questão por trás da maneira desenfreada como ele
me olha como
ele me quer.
"Você tem um encontro para o baile de inverno?"
Eu não esperava por isso. "Não."
"Você irá comigo?"
Eu não estava planejando ir. Minhas bochechas formigam de mais do
que o calor
banheira.

Página 239
Isto é real?
Eu tenho que saber se isso faz parte do jogo dele ou algo que ele
genuinamente
quer.
“Quanto eu recebo por isso?”
Devlin fica tenso. Um olhar duro cruza seu rosto. Ele empurra uma dura
respiração e corta seu olhar por cima do ombro para o lago atrás de
mim.
“O prazer da minha companhia.”
"Então, sem pagamento." Meu pulso acelera. "Você realmente me quer
como
seu encontro?"
Devlin relaxa um pouco. Alguma tensão permanece em sua
postura. "Eu faço."
Eu aperto seus ombros com a admissão. Então-?
Talvez os beijos no lago e no chuveiro esta noite não fossem
casualidades. eu
pensei que havíamos voltado ao negócio quando ele começou a oferecer
pagamentos junto
com suas ordens novamente. E porque eu estava fraco com o meu
desejo, eu deixei tudo
acontecer. Eu o deixei pagar para usar meu corpo.
Com cada beijo, cada toque, minha resolução desmoronou, e eu apaguei
o último
linha que eu segurei porque Devlin era muito difícil de resistir.
Mas estava realmente destruindo minha linhagem, vendendo meu corpo
para o diabo?
Não há nada na mesa desta vez. Nenhuma demanda. Devlin está me
perguntando
Fora.
Nunca fui a nenhum baile da escola com um par.
"Sim. Vamos fazer isso."
Devlin me puxa para outro beijo arrepiante.

Página 240
TRINTA E UM

Página 241

BLAIR
No espaço de uma semana, entramos em um novo território. Devlin faz
bem
em sua promessa suja. Se formos para a escola juntos, ele dificilmente
conseguirá
em casa sem encostar para enterrar a cabeça entre as minhas pernas.
Eu conheço seu corpo quase tão bem quanto conheço o meu, mas não
tivemos
sexo.
Mais orgasmos e minhas pernas podem se transformar em gel
permanentemente. Devlin
é insaciável - tocar, saborear e nunca parar.
Ainda estou descendo desta manhã, onde Devlin me acordou com
seus dedos enterrados dentro do meu corpo enquanto ele chupava meu
pescoço. Acordando em
a iminência de chegar é incrível. Estou planejando testá-lo nele, curioso
se acordá-lo com minha boca em seu pau vai me dar uma sensação ainda
maior
sensação de poder sobre ele.
Sempre que não estou visitando mamãe no hospital, ele me caça e
me devorou.
Sua condição permanece estável, e ela insistiu que eu tivesse tempo
para mim
em vez de se preocupar tanto com ela. Foi uma venda difícil, mas ela
prometeu que ela está se sentindo bem.
É fim de semana e pretendo passar minha tarde de sábado enrolada
em um cobertor no assento almofadado da janela na sala enquanto ouço
o
o tamborilar constante da chuva lá fora. Se eu conseguir encontrar meu
livro primeiro ...
Eu saio do meu quarto, que usei apenas para guardar minhas roupas e
minha coleção de livros. Não dormi lá a semana toda.
Parando no corredor, bato no queixo. Eu sei que não saí
andar de baixo. Talvez eu o tenha levado para o quarto de Devlin, em
minha crescente pilha de
brochuras na mesa de cabeceira.

Página 242
Quando eu verifico a pilha, ela não está lá. Eu vou para o lado de Devlin
da cama e
folheie os livros de psicologia que lê.
"Aha!"
Pego meu livro sobre a arte japonesa de Kintsugi, uma arte poética de
consertar cerâmica quebrada com ouro para simbolizar a aceitação de
falhas,
transformando o que está quebrado em uma obra de arte ainda mais
bonita. É um
prática de arte favorita sobre a qual adoro ler porque sinto uma conexão
com
a beleza em abraçar cicatrizes e pedaços fraturados.
Eu viro o livro e encontro um novo marcador saindo do topo. Isso é
um marcador de página real, ao contrário dos pedaços de papel e recibos
que costumo usar.
"O que você estava fazendo aqui?"
“Eu roubei. Junto com alguns outros. ”
Devlin se inclina contra a porta aberta, as mãos enfiadas nos bolsos de
seu
jeans.
"Agora quem é o ladrão?"
Sorrindo, eu verifico a pilha de livros em sua mesa de cabeceira e com
certeza
mais de meus livros estão entre os títulos de psicologia. Mesmo
Stardust, o
livro que mencionei a mamãe lendo para mim na primeira vez que
sentei no telhado com
ele. Quando ele tirou isso?
Eu seguro o livro. "Você leu tudo isso?"
"Eu fiz." Devlin se solta do batente da porta e se aproxima. Ele circula
meu
cintura por trás. “Isso me lembrou de quando minha mãe lia para
mim. eu
era muito jovem. " Sua voz fica mais baixa, tingida de melancolia. "Eu
posso
mal me lembro com clareza. Apenas memórias obscuras com uma luz
noturna
que lançam estrelas na parede. ”
Eu coloco Stardust para baixo e giro em seu abraço, enlaçando meus
braços ao redor
seu pescoço, enfiando meus dedos em seus cabelos grossos. “Parece
que ela passou um
muito tempo com você. Guarde essas memórias. ”
Devlin cantarola e me puxa para um beijo. Isso rapidamente varre nós
dois
longe, alimentando um fogo no meu estômago. Caímos na cama, onde
Devlin coloca
me em seu colo enquanto ele beija meu peito antes de tirar minha
camisa.
"Eu quero você", ele murmura em minha pele. "Todos vocês. Eu quero
manter você
para mim e não deixar ninguém mais entrar em nossa bolha. ”
Nossa bolha .
Ofegante, seguro Devlin enquanto seus lábios se arrastam sobre minha
pele, sussurrando
as coisas que estive cansado demais para desejar. Porque eu não sou
mais o pequeno
garota que acredita em desejar nas estrelas.

Página 243
Mas para Devlin? Posso ser capaz de encontrar uma maneira de
acreditar novamente, de ter esperança.
Para confiar que ele não está mentindo.
As coisas ficam quentes e pesadas, suas mãos seguindo o mesmo
caminho que suas
boca. Ele faz uma pausa, inclinando-se para trás para olhar para mim.
"O que é?"
"Vamos sair hoje à noite." Devlin traz sua boca para a minha. “Nós
vamos sair
da cidade. Podemos até conseguir um quarto de hotel. ”
"Tipo um encontro?"
"Sim."
Pisco duas vezes, procurando a piada. “O que há de errado em enforcar
na cidade? A pizzaria principal é popular para encontros. Ou, uh, então
eu
ouvir."
“Eu quero fazer isso direito.” Ele limpa a garganta, baixando os
olhos. Ele
continua, resmungando: “É o que você merece. Vales a pena." Ele
inala,
encontrando meus olhos mais uma vez. Parte de sua confiança parece
restaurada. "EU
descobrir crescer ou ir para casa. ”
Uma risada borbulha de mim. "OK. Certo."
Devlin sorri, recapturando minha boca em um beijo ardente.
Quando eu saio do chuveiro mais tarde, há um lindo vestido preto
estendido
na minha cama. Localizando a etiqueta, meu queixo cai. É
designer. Novo e sofisticado .
Não há como nas poucas horas desde que me convidou para sair, Devlin
conseguiu
para conseguir esta. Ele está planejando esta noite há algum tempo?
O vestido não é tudo, também há joias e sapatos.
Meus olhos esbugalham-se quando conto o valor das etiquetas do
design. Basta que eu
considere vender tudo no eBay. Eu poderia cobrir mais três ou quatro
meses de
alugar, ou pagar pelo remédio da mamãe para a doença auto-imune que
ela tem
diagnosticado com. Seria a coisa prática a fazer.
Tocando o material luxuoso do vestido sexy, afundo meus dentes
o interior da minha bochecha. É o melhor presente que já recebi, e é
bela. Perfeitamente adequado ao meu estilo, se eu tivesse outro que não
um brechó
chique.
Quando Devlin pediu o encontro fora da cidade, eu não achei que ele
quisesse dizer
isso .

Página 244
Estou prestes a questioná-lo, quando o encontro me observando do
porta enquanto ele abotoa o paletó. É feito sob medida e seu cabelo está
penteado para trás
com algum produto, mas ainda parece tocável. Meu estômago embrulha
em
quão sexy e elegante ele está no terno.
"Droga", eu falo lentamente em apreciação, olhando seu conjunto.
Devlin me dá um sorriso torto que reorganiza minhas entranhas. “É
tudo para
vocês. Eu quero te dar algo bom. ”
"É lindo." Eu aponto para o vestido. “Ajude-me a descobrir este zíper.
Não estou acostumada com essa merda chique. ”
A risada de resposta de Devlin é profunda e sem restrições, livre de uma
forma que ele raramente
se entrega.
Na viagem de limusine no caminho de volta, Devlin está absorto em
traçar minha mão,
palma na ponta dos dedos, levando a sensação de formigamento pelo
meu braço. "Você me faz
ganancioso, Blair. ”
A maneira como ele diz meu nome é um feitiço que me envolve. Não é

arranca as cordas do meu coração, funde-se com todo o meu ser e toca
um lugar
bem dentro de mim, um que eu ignorei por tanto tempo.
Nosso encontro estava absolutamente certo. Quando eu estava
apreensivo sobre
saindo para jantar em algum lugar sofisticado da cidade, Devlin riu e
admitiu que estava com vontade de comer pizza. Passamos mais de
duas horas trabalhando
nosso caminho através de uma enorme torta, gostando de inventar
histórias sobre quais outros
os clientes pensaram que estávamos lá tão bem vestidos. Meu favorito
era o
história em que éramos a realeza da máfia e um espião secreto, infeliz,
mas
desafiadoramente apaixonado. Eu queria engarrafar o brilho que
iluminou os olhos de Devlin
e a onda feliz de seu sorriso.
À medida que nos aproximamos de Silver Lake Forest Estates, os postes
de luz criam
poças intermitentes de luz âmbar espalhando-se pela parte de trás da
limusine.
Esta não é minha vida. É tão longe da minha realidade, onde mamãe e
eu nos separamos
refeições congeladas para jantar e dormir em um trailer com paredes
finas. Uma vida que eu era
forçado a, onde foi se adaptar ou morrer.
Mas eu quero que seja.
Eu sempre vivo com o único objetivo de ajudar a mamãe a sair da casa
do papai
dívidas de jogo, para ajudar com o fardo financeiro monumental, para
escolher um

Página 245
razoável faculdade, em vez de algo em que estou realmente interessado.
Devlin, posso ser egoísta. Eu tenho permissão para amar a mamãe como
sua filha,
ter uma vida adolescente normal. Eu não tenho mais que deixar de lado
todas as frívolas
coisa.
Com Devlin, eu consigo ser a versão idealista de mim mesma que
pensei que
esmagado anos atrás. O sobrevivente em mim não tem que lutar tanto a
cada
dia.
Eu me viro para o toque de Devlin, beijando-o, empurrando toda a
minha corrida
pensamentos no deslizar de nossas línguas, o arranhar de dentes na pele,
revelando
ele com a minha boca o quanto eu quero isso. Quero ele.
Há uma energia tangível quando voltamos para casa. Segue como
Devlin me ajuda a sair da limusine, quando manda o motorista embora,
e para dentro
a casa. Devlin me para na entrada, segurando meu pulso.
Nossos olhos se encontram e uma pulsação de calor em resposta ecoa
em meu núcleo.
Eu posso sentir antes que ele me beije, a construção constante de
excitação crescendo,
lambendo cada vez mais alto como chamas enquanto toma conta de nós
dois. Com um baixo
rosnar, Devlin me pega em seus braços e me carrega escada acima para
o
quarto.
Eu salto no colchão quando Devlin me joga lá. Ele está em mim
imediatamente, atacando minha boca, mordendo meu pescoço,
deslizando meu vestido com
mãos quentes. Ele agarra minhas coxas em um toque de hematoma,
separando-as com um tapa. eu
espalhe minhas pernas para dar-lhe espaço para caber entre elas.
A aspereza é emocionante.
Nossas roupas saem com o som revelador de tecido rasgando - dele, eu
esperança, porque gosto do vestido que ele comprou para mim - até que
estejamos completamente nus.
Os dentes de Devlin afundam em meu lábio, puxando-o com uma
brutalidade possessiva.
Seu pau duro bate contra minhas dobras lisas.
"Você molha para mim?"
"Sim." Eu respiro quando ele entra em mim com dois dedos, enrolando
de uma forma que me faz jogar minha cabeça para trás. Meu pulso bate
forte
tempo com nossas respirações irregulares. "Oh meu Deus."
A risada de Devlin é totalmente corrupta. “Estamos apenas
começando.” Ele
enfia os dedos mais profundamente, tirando um grito agudo de
mim. “Estou te fodendo
até você quebrar. "
Seus dentes apertam meu mamilo. Eu arqueio para cima, arranhando
suas costas de
a mistura de prazer e dor. Um som estrondoso vibra em seu peito.

Página 246
Devlin levanta minha panturrilha em seu ombro e se posiciona,
deslizando o
cabeça de seu pau sobre a minha entrada. Ele me olha maliciosamente,
parecendo um vingativo
deus com seus traços pecaminosamente atraentes. “Eu não me importo
com os outros. eu vou
foda-se cada um deles fora de você. " Seu aperto flexiona na minha
coxa.
"Eu vou te foder até que você só sinta meu pau dentro de você."
É difícil recuperar o fôlego com a pressa de esmagamento
Eu. Eu gostei da aspereza até que percebi que poderia fazer isso doer
mais.
Eu separo meus lábios, procurando uma maneira de desacelerar. Meu
coração bate
erraticamente. "Devlin."
Seus olhos escuros encontram os meus. Parte da luxúria se dissipou,
abrindo caminho para o choque
enquanto ele me estuda.
Devlin deixa minha perna cair na cama e agarra meu queixo. "Você tem
você sempre…?"
A emoção bloqueia minha garganta. É estúpido, mas sou incapaz de
lutar contra o ferrão
de lágrimas. Nenhum dos rumores sobre mim é verdade. Eu balancei
minha cabeça.
Devlin fica parado por um longo momento, respirando com
dificuldade. O jeito que ele me beija
parece que está segurando uma onda de força possessiva, mas ele a
mantém
Verifica. Seu beijo é abrasador e lento. Eu gemo, travando meus braços
em torno dele
pescoço.
A emoção ameaça transbordar. Sem eu dizer nada, ele
entendi o que eu preciso.
Devlin me separa com foco constante, beijando todo o meu corpo com
pinceladas leves como uma pena de seus lábios até que ele se estabelece
entre as minhas pernas. Ele acaricia
meus quadris, olhando para mim através de seus cílios.
"OK?"
Eu concordo.
O canto de sua boca se levanta. “Você não será, quando eu
terminar. Você vai
estar chorando e implorando por mim. Vou possuir cada centímetro de
você. "
Eu estremeço quando sua boca desce sobre mim. "Ah!"
Minhas mãos voam para a parte de trás de sua cabeça para segurá-lo
onde eu preciso. Seu
a língua e os dedos são tortuosos e tão bons. Ele murmura contra o meu
dobras sensíveis, sussurrando incentivos imundos enquanto ele come
minha boceta.
"Lá! Bem aí, por favor! ”
Meus quadris rolam, desesperados por liberação, montando sua língua
até a explosão
de ondas de prazer pelo meu corpo.
"É isso, anjo." Devlin levanta a cabeça. Sua respiração acelera sobre o
meu
clitóris latejante. "Goze para mim, goze na minha língua."

Página 247
Ele volta para mais, arrancando outros dois orgasmos de mim até que
eu
não aguento mais. Eu tento me esquivar, mas ele prende meus quadris
em um
aperto dominante, atirando-me um sorriso sujo.
“Por favor,” eu imploro, emaranhando minhas mãos em seus
cabelos. "Eu preciso de mais."
“Você acha que está pronto? Você está solto e molhado para mim? "
Eu aceno freneticamente, tremendo. "Sim!"
"Eu não acho que você já veio muitas vezes." Devlin mordisca o
pele macia da parte interna da minha coxa, me enchendo com os dedos
mais uma vez. "Um
mais. Eu quero que essa buceta encharque meu pau quando eu te foder.
"
"Ah!" Eu lamento enquanto ele me tortura com a boca.
Impossivelmente, outra explosão de espirais de prazer em uma explosão
do meu
testemunho. Como ele pode me fazer gozar tanto? O delírio inunda
meus sentidos. UMA
desejo profundo de mais conexão me domina. Eu sei que quero sentir o
dele
pau me enchendo, sinta nossos corpos unidos.
“Devlin, por favor! Eu preciso de você! Por favor por favor por favor!"
Enquanto ele se desloca na cama, esfregando sua ereção contra mim, eu
gemo
abandono.
"Você implora tão bonito, meu ladrãozinho sujo." Ele acaricia minha
bochecha com a sua
juntas. "É isso que voce quer?"
Eu faço um som de necessidade e tento empurrá-lo para dentro, cavando
meus calcanhares
em sua bunda. "Me dê isto. Eu quero você dentro de mim."
Devlin me lança um olhar selvagem e monstruoso que me excita. Ele
pode ser um
demônio, mas ele é meu demônio. Eu quero que ele me consuma em
seu fogo do inferno.
Ele se inclina para procurar uma camisinha na mesa de cabeceira. Uma
vez ligado, ele
me prende em seus braços.
"Basta lembrar ... isso é o que você implorou."
"Sim", eu respiro, segurando sua nuca para puxá-lo para baixo por um
beijo. "Faça. Quero isso. Foda-me. ”
"Você é tão perfeito", diz ele contra meus lábios. Devlin alinha e
empurra
in. "Foda-se." Ele encosta a testa na minha. "Você é minha, Anjo. Ser
meu."
Ele vai devagar no início, dolorosamente lento, me dando tempo para
me ajustar. O apertado
sensação de plenitude aumenta quanto mais seu pau afunda em meu
corpo. UMA
diferentes tipos de opressão desabam sobre mim à medida que a tensão
diminui. Ele
acaricia meu cabelo enquanto um pequeno som me escapa.
Devlin recua e empurra com mais força. Minhas costas arqueiam e
minhas unhas percorrem suas costas. Há pressão, mas não dói.
“Mais,” eu exijo.

Página 248
“ Sim ,” Devlin rosna, o rosto enterrado no meu pescoço. "Diga-
me. Diga-me como
muito você precisa do meu pau te fodendo bem. "
Devlin me envolve em seus braços e me levanta da cama, mergulhando
minha buceta. Nós ofegamos como um, agarrando-nos um ao outro
enquanto perseguimos nossa libertação.
Ele agarra meu cabelo e me beija, seus quadris estalando mais rápido.
Eu tremo quando ele me atinge profundamente o suficiente para que
uma galáxia exploda atrás de mim
olhos. Quase caio para trás, mas Devlin me segura perto, gemendo.
"Sim, bebê. Você está tão apertado, eu posso sentir você chegando. Sua
buceta é
agarrando meu pau. "
Suas estocadas ficam mais frenéticas. Então ele fica tenso, deixando
escapar um som de
puro êxtase. Seu pau lateja profundamente dentro de mim quando ele
goza.
A voz de Devlin está rouca enquanto ele repete: "Minha".
"Seu", eu sussurro.
Sinto como se estivesse flutuando enquanto Devlin me deita
gentilmente. Ele desaparece
da sala, voltando alguns minutos depois com uma toalha úmida. Devlin
me observa com um dos poucos olhares desprotegidos que ele me deu
enquanto
me limpa com cuidado.
Todos os meus membros são inúteis. "Não consigo me mover."
"Bom. Exatamente como eu gosto de você. ”
Manter meus olhos abertos é difícil. Estou inundado de sonolência.
A risada de Devlin me faz sorrir. Seus lábios macios pressionam contra
os meus
testa. “Você está todo fodido. É fofo. Vou ter que manter isso em mente
por
quando eu preciso de uma maneira de domar essa tendência teimosa. ”
Eu murmuro, fui longe demais para formular uma resposta atrevida.
Com uma reserva impressionante de energia, ele me levanta sob meus
joelhos
e em volta da minha cintura. Segurando-me perto, ele caminha pela
casa, e
afunda na água morna bem-vinda da banheira de hidromassagem.
Um gemido satisfeito me deixa.
Eu me sinto seguro, amado e em paz deitando minha cabeça no ombro
de Devlin
enquanto ele passa os dedos pelo meu cabelo.
Eu me sinto ... em casa.

Página 249
TRINTA E DOIS

Página 250

DEVLIN
Blair cochila por um tempo, entrando e saindo da consciência. Eu
realmente usei
ela fora.
É um desafio me conter para não brincar com seus peitos e escorregar
meus dedos em sua boceta agora. Eu quero fazer tudo que fiz para ela
esta noite tudo de novo. A necessidade que sinto por ela é muito grande
para conter, derramando
acabado com uma quantidade infinita de desejo.
"O que você está fazendo comigo, meu pequeno ladrão?"
Quando ela muda logo depois, acordando, eu a seguro mais perto.
"Veja."
"Hmm?"
Eu aponto. “Está vendo Polaris?”
“A Estrela do Norte?”
Traçando a forma no céu enquanto delineava a tatuagem da estrela no
corpo de Blair
de volta, eu aponto, “Você pode ver as constelações da Ursa Menor e
da Ursa Maior”.
"Frio." Blair se senta, inclinando-se para o céu. “Eles fazem parte de
uma grande
constelações. Eu tenho um livro sobre mitologia lá em cima que conta
a história. ”
“Na verdade, eu roubei aquele livro. Está do meu lado. ” Eu aponto um
par diferente
de constelações. “Sempre gostei da história do rei e da rainha,
Cepheus e Cassiopeia. ”
Meu coração bate forte contra minhas costelas porque eu gosto disso,
ter Blair
dentro das paredes que ergui. Ela cortou as amoreiras e enferrujou
correntes trancadas em volta do meu coração para entrar. Nossas vidas
podem parecer diferentes, mas
nossas entranhas combinam, chamando um ao outro.
Blair me lança um olhar malicioso e me espirra. “Agora quem está
cultivando um
hábito criminoso? "

Página 251
"O que posso dizer, sua natureza corrupta realmente afeta a
mim." Ilustrar
meu ponto, eu apalpo seus seios, brincando com seus mamilos.
Ela se recosta no meu peito com um pequeno gemido delicioso. Eu
circulo meu
braços ao redor dela.
"Eu acho que você vai descobrir que é a força corrupta da natureza no
trabalho aqui, você
demônio sujo. "
Eu pressiono contra sua bunda, deixando-a sentir a evidência de sua
declaração.
"Oh meu Deus!" Ela exclama exasperada, estendendo a mão para
beliscar meu
lado. “Você é insaciável. Isso é normal? ”
"É tudo culpa sua." Meus lábios encontram seu pescoço, minha parte
favorita dela para
mordiscar e deixar minhas marcas. Eu gosto de ver peeks deles quando
ela não consegue esconder
eles na escola. “Você mexeu com uma fera faminta. Eu quero ser
enterrado no seu
corpo o tempo todo. Quando você anda pela escola com essa porra de
saia que eu quero
para virar para cima, rasgar sua cueca de lado e deslizar em sua boceta
enquanto eu
você se curvou implorando por isso. "
Blair estremece quando ataco seu pescoço com a língua e os
dentes. "Muito
estereotipado cara-lagarto-cérebro de você. ”
Eu bufo, beliscando seu pescoço. “Nas minhas fantasias você fala de
volta, mas não isso
Muito de."
"Obviamente, o negócio real é melhor", diz Blair alegremente no tom
atrevido que
deixa meu pau duro.
"Cuidado com essa boca, ou vou enchê-la."
"Isso não é realmente uma punição ameaçadora se eu gosto tanto de
fazer isso."
"Porra, você me mata."
Blair ri. Eu quero engarrafar o som relaxado. "Com toda seriedade,
no entanto, estou muito dolorido. ”
Dirijo seu rosto para um beijo. "É por isso que eu te trouxe para baixo
aqui."
Ela morde o lábio, uma expressão linda e afetuosa iluminando-a
olhos. Ele quebra em meu coração, envolvendo-o em um bálsamo
calmante.
Entramos em um silêncio confortável depois que Blair se aconchega de
volta ao meu
peito. Eu aponto mais estrelas e conto a ela a mitologia por trás do
visível
e constelações não visíveis.
A pergunta que tenho vontade de fazer faz meu coração disparar. Não
posso
contê-lo por mais tempo.
“Você ainda desenha estrelas?”
Blair se sobressalta. "O que? Como você sabia que eu gostava de
desenhar estrelas? ”

Página 252
“Você foi para a mesma escola que eu. Little Boulder Academy. ”
"Espere, sério?" Blair se vira em meus braços para me encarar.
“Tivemos uma aula de arte juntos na terceira série. Você me mostrou o
seu
estrelas. ” Eu a puxo para mais perto, brincando com seus cabelos
enquanto murmuro meus segredos.
“Você sabia que eu estava triste, embora eu não tivesse dito
nada. Apesar dos meus esforços
para ser o merdinha mal-humorado que eu era, você veio direto até mim
e se sentou. "
Blair engasga, o reconhecimento transformando sua expressão.
"Você me disse para fazer um desejo para a sua estrela e eu fiz." Eu
molhei meus lábios.
“Sempre que me sentia sozinho, desejava às estrelas.”
Blair segura meu rosto. Ela está surpresa, pasma. “Você realmente era
o
mesmo menino. "
Eu viro minha bochecha em sua palma. "Eu era. Eu não lembrava até
recentemente.
Depois que você saiu, não fiquei feliz. ” Eu fecho meus braços em volta
de sua cintura pequena. "EU
queria que você voltasse. ”
"Eu gostaria de ter podido." A expressão de Blair cai, depois endurece
com
amargura. “Isso foi porque meu pai foi embora. Ele correu para
nós. Despejou tudo de
sua dívida de jogo com minha mãe. "
A explicação esclarece as poucas informações que reuni de
o que descobri sobre ela. Com as lacunas preenchidas, posso adivinhar
como
moldou Blair para passar por isso quando criança, e por que ela luta
tanto para
proteger sua mãe.
Blair balança a cabeça, uma ruga de raiva estragando sua testa. "Ele
destruiu tudo o que tínhamos porque ele era egoísta. Ele deixou a
mamãe para limpar
arrumar a bagunça. ”
Eu pressiono nossas testas juntas. "Eu sinto Muito. Não só que você foi
por isso, mas por ser um idiota também. Me desculpe eu machuquei
você."
Não estou totalmente arrependido pelo que minhas ações colocaram em
ação, no entanto. Minhas
a moral fica cinza. Se eu não tivesse começado a guerra entre nós,
poderíamos não ser
aqui agora.
Ela ri. “Malditamente certo. Mas, quero dizer, não sou totalmente
inocente aqui. eu
tentou roubar seu carro para se vingar de sua suprema idiotice. "
Eu murmuro, massageando sua bunda. "Isso é o que eu mais gosto em
você, anjo."
Blair abaixa a cabeça, mordendo meu ombro. Nós lutamos de
brincadeira por alguns
minutos.
Recostando-me nas pedras que revestem a banheira de hidromassagem,
passo a mão
meu cabelo.
“Todo esse tempo ...” eu paro, deixando o resto não dito.

Página 253
“Sim”, Blair ecoa, captando o que eu não expressei.
Todo esse tempo eu perdi odiando ela, e aqui ela é quem me deu
uma das minhas únicas salvações.
A menina com as estrelas e o ladrão teimoso que rouba todas as minhas
atenção, um e o mesmo.
A maneira como meu coração troveja em torno dela é nova e
desconhecida, mas eu
acho que estou começando a entender o que isso significa.

Página 254
TRINTA E TRÊS

Página 255

DEVLIN
Uma semana de felicidade passa onde Blair e eu estamos abraçados
a cada minuto ela está em casa.
Tenho trabalhado para perguntar se ela quer que eu vá com ela quando
ela
visita sua mãe no hospital todos os dias depois da escola. É uma ideia
boba,
pode ser. Mas quero estar com Blair o tempo todo.
Então, estamos no meio do jantar quando meus pais voltam da
lugar algum. Sem aviso. Eles se intrometem na minha bolha com Blair.
O garfo para a meio caminho da minha boca aberta quando mamãe e
papai se levantam
na entrada da cozinha, despejando suas coisas sem reconhecer
nós.
Blair lança um olhar inseguro de meus pais para mim. Estou tão
surpreso quanto
ela é. Isso também não aconteceu antes.
"Mamãe." Limpo minha garganta, pousando meu garfo. "Você está em
casa."
Papai lança um olhar de desprezo para a ilha da cozinha onde Blair e eu
sentamos
lado a lado em nossos banquinhos habituais. Ele sai da sala sem dizer
uma palavra, seu
passos soando nos degraus flutuantes envernizados que levam ao andar
de cima.
Mamãe franze a testa atrás dele, sua expressão comprimida. "Olá filho."
Com eficiência superficial, ela me dá um beijo de passeio a caminho de
lave as mãos na pia. Quando ela termina, ela pega uma garrafa de água
da
a geladeira e sai da sala.
Eles nem cumprimentaram Blair.
- Hum, - Blair diz depois que uma porta do andar de cima se
fecha. “Então, esses são seus
pais?"
"Sim." Eu esfrego meu queixo, enfiando meu garfo no frango no meu
prato.
"Parabéns, você testemunhou o reencontro feliz número trinta e oito."

Página 256
A cabeça de Blair salta para trás com meu tom cáustico. Eu não posso
evitar. Meus pais
sempre me colocava nesse estado de espírito sombrio.
"Desculpe. Termine, então vamos estudar para as provas. ”
Parece que ela quer conversar mais, mas acena com a cabeça e volta a
comer
jantar. Seus olhares preocupados em minha direção enrugam minha
espinha com
tensão enquanto sento em silêncio.
Depois do jantar, os pratos tilintam quando os colocamos na pia. Vamos
subir para
meu quarto e passar uma hora no chão passando espalhado
flashcards que Blair fez para o exame de inglês. Quando já é tarde, ela
lança um
desejo olhar para a cama.
"Eu vou, uh, voltar para a outra sala esta noite."
Ela não chama de seu quarto há semanas, muito menos dorme lá. Nós
temos
Vivendo em um casulo perfeito até meus pais aparecerem. Eu não quero
dormir sem ela na minha cama. Eu durmo melhor quando estou
enrolado em volta dela.
“Eles não se importam. Você pode ficar aqui se quiser. ”
"Ainda. Eu realmente não sei como fazer todo aquele estranho 'oi, eu
sou Blair,
e eu tenho dormido na cama do seu filho por semanas de conversa.
Entre outras coisas."
Blair fica com um belo tom de rosa. Eu a arrasto para mim, beijando-a
profundamente.
Seus olhos ficam mais escuros quando nos separamos, as pupilas
dilatadas e os cílios tremulando.
Um rosnado rasga através de mim. "Porra."
Blair me dá uma risada suave e tímida. "Lide com isso. Você vai
sobreviver. ”
“Mas a que custo?” Eu me coloco contra o seu lado.
Ela me empurra com um sorriso irônico. "Boa noite."
Blair reúne seus cartões e uma brochura que está lendo
de sua mesa de cabeceira antes de sair do quarto. Eu fico olhando para
a porta fechada depois
ela sai, desejando que meu coração torcido se acalme.
“Estúpido,” murmuro para mim mesmo enquanto fico de pé.
Indo para um dos painéis do meu armário, abro e retiro o
página da revista com nosso acordo de contrato escrito nela. Meus
dedos escovam
sobre ele, rastreando onde Blair assinou seu nome.
Agora que a peguei, posso segurá-la?
Ou o contrato é a única coisa que mantém Blair ao meu lado? Eu me
pergunto se
ela iria se eu rasgasse.
Página 257
Por dois dias, estou preparado para que meus pais digam algo
- qualquer coisa . Seu
o que os pais deveriam fazer, mas eles não fazem. Quase não há
reconhecimento da presença de Blair na casa, e ela está nervosa
sempre que estivermos todos na mesma sala.
Isso me deixa com raiva, debatendo-se.
“Meio de semestre esta semana?” Papai pergunta, segurando uma
xícara de café quando eu gozo
andar de baixo.
Eu resmungo em resposta, servindo uma caneca para mim.
"Você está preparado?"
Meu aperto na caneca fica branco enquanto eu digo, "Sim."
Papai cantarola, apaziguado. Tudo o que importa é que eu faça as notas
para
pré-med. Não temos uma relação pai-filho. Não temos nenhum tipo
de relacionamento que pode ser recuperado, no que me diz respeito
neste momento.
Vou ter que ser o único a cortar o fio mutilado segurando o último
fragmento
de esperança de que possamos ser uma família de verdade, mas não sou
forte o suficiente.
Blair entra na cozinha, entrando furtivamente em silêncio. Talvez se ela
fizesse mais barulho, meus pais poderiam falar com ela.
"Quer um pouco de café?"
Lançando um olhar para meu pai, ela balança a cabeça. Eu quero
suspirar com cansaço. Isso não é
o espírito de luta que amo. Eu sirvo o café para ela e entrego a caneca.
A atmosfera na cozinha é frágil e hostil, minha perpétua
base de raiva impossível de controlar quando meus pais estão em casa.
"Hum, Sr. Murphy?" Papai não dá sinais de ouvir Blair. Ela lambe ela
lábios. "Você poderia passar o açúcar?"
Está perto do cotovelo de papai. Ele o empurra na direção de Blair sem
resposta.
“Obrigada”, Blair diz depois que fica claro que ele não está interessado
em uma conversa.
"É sempre um prazer pela manhã, não é, meu velho?" Eu zombei.
“Energia desperdiçada é energia não gasta em descobertas
importantes.”
Os olhos de Blair saltam. A queimação quente de vergonha sobe pela
minha espinha.
Você não viu nada ainda, anjo. Este não é o pior neste frio-
filho da puta de coração já me disse .
Esfregando minha mandíbula, eu zombo, ansioso pela luta que estou
ansiosa para escolher
ele. "Sim. Não é eficiente falar com a namorada do seu filho ou
interagir com
sua família. Esqueça o afeto, uma perda de tempo total. ”
A cabeça de Blair vira para mim. Eu levanto minhas sobrancelhas
enquanto tomo um gole do meu café.
Sim, isso mesmo , minha expressão diz. Você é minha garota .

Página 258
Papai não se irrita com minhas estocadas.
Mamãe entra, vestida para o trabalho. Antes de começarem a viajar
tanto,
eles fizeram seu nome na área médica aqui em Ridgeview em
numa clínica especializada, começaram a tratar várias doenças
raras. Através de
clínica, meus pais começaram a pesquisar avanços experimentais em
medicamentos e tratamentos que os colocam em alta demanda para falar
e trabalhar
em todo o país.
“Estamos dirigindo juntos ou separados?” Mamãe pega uma barra de
granola de
a despensa.
Meus dentes doem com a força que aperto minha mandíbula.
"Separado." Papai toma um gole de café. “Certifique-se de que o
técnico entenda o
parâmetros do ensaio clínico. Não quero explicar para ele de novo. ”
Mamãe cantarola e se vira para mim. “Boa sorte em seus testes esta
semana. Sua
pai e eu podemos estar aqui até sexta-feira, mas provavelmente vamos
voar para
Seattle antes disso. Estamos apenas na cidade para supervisionar o
início deste julgamento
antes de nossa próxima obrigação. ”
Obrigação . Que besteira. Eu sinto que sou um deles
obrigações e eu sou seu filho.
“Tanto faz,” eu murmuro, me virando.
"Outra coisa, Devlin." Mamãe toca em seu telefone e me mostra ela
tela. É um extrato mensal. “Houve um pico anormal em seu
conta de gastos. ”
O gelo se cristaliza no meu estômago. "Por que importa se você me dá
o
conta de despesas em primeiro lugar? Não é como se eu tivesse feito
um grande estrago em
isto."
Mamãe franze os lábios. “Nós só queremos ter certeza de que você está
sendo
responsável com seus gastos. ”
Isto é ridículo. Eu tenho milhares restantes na conta. Eles preenchem
todo mês, dando-me mais do que posso gastar naquele tempo, até
quando estou sendo frívola.
Blair se transformou em uma estátua na minha frente, curvando os
ombros para
tornar-se menor. Me irrita que ela sinta que tem que se obrigar
imperceptível.
"Estou sendo responsável."
"Isso é tudo que eu queria saber." Mamãe guarda o telefone. "Tenha um
dia bom."

Página 259
“Devemos ir também? Nós vamos nos atrasar. ” Blair desliza ao meu
lado, agarrando meu
pulso mole. Seu toque é um bálsamo, acalmando a onda de raiva
venenosa.
"Sim." Eu despejo o resto do meu café na pia e sigo Blair para o
garagem. "Eu sinto Muito. Eles estão…"
Não há palavras para definir o que meus pais são.
"Está bem." Blair lança um olhar preocupado por cima do ombro. "Me
quer
para andar com você? "
"Sim." Sai áspero enquanto ajeito minha franja para trás.
Eu preciso dela ao meu lado agora mais do que nunca. Estou ficando
mais ganancioso com
seu tempo.

Página 260
TRINTA E QUATRO

Página 261

BLAIR
As linhas ficaram borradas. Na verdade, as tarefas pararam
completamente. O acordo
está praticamente acabado sem que nenhum de nós diga isso.
Mesmo assim, a nova conta do hospital que recebi foi paga
integralmente. Tem extra
dinheiro na minha carteira.
Em algum lugar ao longo do caminho, eu pisquei e não percebi que
Devlin e eu
caiu em algum relacionamento indefinido.
É inegável. Estamos juntos muitas vezes, um sobre o outro, uma vez
que seu
os pais saem de casa vazia. Nossa vida na casa dele é doméstica pra
caralho,
me deixando contorcido e confuso porque estou começando a pegar
sentimentos por
algo que não posso ter para sempre.
Isso sempre teve uma data de término. Tenho vivido de emprestado
Tempo. Em breve, os problemas dos quais estou fugindo serão
corrigidos.
Não importa o quão rápido você corra, seus demônios e problemas
sempre vêm
por sua libra de carne.
“Ei, Blair! Espere!" Sean liga do fundo do corredor quando eu saio do
biblioteca com uma braçada de livros. Ele alcança-me e estende um
braço por cima
meu ombro enquanto caminhamos. "O que você tem aí?"
“A biblioteca se livra de livros uma vez por mês.”
“Oh, então você estava comprando coisas novas. Frio."
A maneira como ele diz compras me atinge com força. Não é como se
as coisas mudassem
com Devlin e eu, o resto da minha experiência escolar mudou
completamente, mas
a maior parte do bullying implacável parou. Ainda assim, esses idiotas
privilegiados não podem
ajude a maneira como eles falam. Desdém pelo meu estilo de vida
transparece em seu tom
quando eles estão apenas conversando. Eu não achei que essas pessoas
fossem

Página 262
de repente meus amigos, mas o círculo mais próximo de Devlin tem
sido melhor desde o
festa na praia.
“Sim, legal,” eu repito em um tom cortante. “Posso te ajudar com
alguma coisa?"
"Oh sim!" Sean estala os dedos e me puxa para mais perto para
sussurrar
minha orelha. “Tenho me perguntado sobre suas taxas. Quando Dev
terminou, eu estava
na esperança de proteger seus serviços. ”
Cada músculo do meu corpo fica rígido. "Desculpe, o quê?"
Sean ri e o som me faz querer afundar meu punho em seu estômago.
“Não banque o tímido. Você realmente não tem os recursos redondos
para retirá-lo. Garotas
como Thea tem aquela merda em bloqueio com o nariz de botão fofo e
olhos de Bambi,
sabe? No entanto, vergonha por ela estar feia como suéteres de vovó.
Um escárnio desgostoso sai da minha garganta antes que eu possa
controlar minha reação.
Que porra de porco.
“Não, Sean, não sei o que você quer dizer. Elaborar. Agora."
A cabeça de Sean balança. “Oof, garota. Essa atitude é extra? Acho que
quero adicionar
um pouco disso de vez em quando. Gosto de um pouco de luta. Isso é
quente."
Tirando seu braço de meus ombros, eu me planto na frente dele.
Os alunos que passam observam a cena, mas não me importo. Estou a
três segundos de
chutando esse idiota-para-cérebros nas bolas.
"O que você está falando?" Eu assobio.
Sean me dá um sorriso torto e se aproxima. "Cara, você é como um
escolta. É isso que você está fazendo com Devlin, certo? "
Meu coração para de funcionar enquanto uma pulsação de adrenalina
percorre meu
terminações nervosas. Tudo está gelado e congelado por dentro.
"O que?" Eu engasgo com minha pergunta. Ai meu deus . Desejando
respirar
para não desmaiar, agarro os livros, agarrando-me desesperadamente ao
maneira como as espinhas cavam em minha pele para controlar meu
temperamento. "Por que você
pense nisso?"
Sean encolhe os ombros. “Tem sido um boato circulando por algumas
semanas.
Trent me contou. Então, ”ele fala arrastado. “Suas taxas? Quanto isso
vai me atrasar
para o negócio de 24/7? ”
Meu punho voa antes que eu possa controlar a raiva correndo por
mim. eu posso
não ser fisicamente forte, mas sei dar um soco. Sean é pego
desprevenido, dobrando-se com um gemido sem fôlego quando meu
punho atinge seu estômago.
"Eu não sou uma prostituta de merda, seu idiota de merda!"

Página 263
As pessoas que assistem desistem de fingir que estão fazendo isso
secretamente,
abertamente boquiaberto. Alguns deles têm telefones, porque se houver
drama
está sendo filmado atualmente. Porra de posteridade.
Meu peito arfa enquanto me afasto de Sean, fervendo de raiva.
Devlin sabia disso? Ele tem que. Trent e Sean são os seus mais
próximos
companheiros de equipe que não sejam Connor Bishop. Há quanto
tempo ele me deixa acreditar nisso
as coisas entre nós foram boas?
Ele me chamou de namorada na frente de seus pais, pelo amor de Deus.
Lágrimas brotam dos meus olhos. Eu golpeio eles com um som
frustrado. eu não vou
chore por isso.
A merda desta escola não pode me atingir.
Mas não termina aí. Agora que estou ciente disso e do vídeo
evidências do meu confronto com Sean se espalharam pela escola, eu
mantenho
ouvir comentários sarcásticos sobre ser a prostituta residente de Devlin
em todo o
resto do dia.
“Lá vem uma linda mulher”, anuncia um menino em minha sala de
estudos,
sorrindo com a onda de risos.
Nina está na minha sala de estudos. Ela se senta na minha frente em vez
de levá-la
assento habitual com Bailey. Eu passo metade do período atirando nela
estourou um olhar feroz, incapaz de fazer qualquer lição de casa.
Quando Nina se vira para fazer o movimento, ela claramente está
querendo
para, estou pronto para isso. Eu coloco meu caderno de lado e cruzo os
braços. Ela dá
um sorriso tenso e afetado.
"Você pode sugar o Dev o quanto quiser." Nina enrola as unhas bem
cuidadas
dedos ao redor da parte de trás de seu assento. Um olhar cruel e
triunfante pisca nela
olhos. "Até mesmo montar no pau dele tanto quanto ouvi dizer que você
fez, mas aqui está a coisa,
Anne esfarrapada. Não vai durar para sempre. Caras como Devlin não
se acomodam
com o lixo que recolheram na rua. ”
Minhas unhas cravam em meu blazer. “Por que você não se preocupa
consigo mesmo,
Nina. ”
Ela encolhe os ombros. “Estou tentando te ajudar, garota. Não é minha
culpa. Isso é
apenas o chá. ”
"Obrigado." Foda-se você .
Mesmo preparada para o ataque, suas palavras doem porque são
verdadeiras. Isto
lança tudo o que venho fazendo em alto relevo. Eu tenho brincado de
casinha
com Devlin, mas tudo começou com uma mentira.

Página 264
Devlin me transformou em tudo que eu nunca quis ser, me forçando
através da última linha de pé que mantinha minha dignidade intacta.
A vingança não termina com felizes para sempre. Meu erro foi esquecer
naquela.
Página 265
TRINTA E CINCO

Página 266

BLAIR
Demora quase toda a noite, mas não consigo mais segurar. Eu tenho que
saber né
agora, se isso é real ou não. Se o boato for mais verdadeiro do que os
sentimentos se enraizando
em meu ser.
Os sentimentos que pensei que poderiam ser amor.
Eu fui um idiota.
Roendo minha unha do polegar, eu escorrego da minha cadeira no
banquinho no
ilha de cozinha. Devlin está de costas para mim enquanto organiza os
ingredientes para um
smoothie. Devíamos sair correndo, mas preciso tirar isso do meu peito
antes que a dúvida me coma vivo.
"Então, Sean disse algo engraçado hoje."
Devlin revira os olhos ao passar por mim para pegar
bananas. "Duvidoso."
“Ele perguntou sobre minhas taxas.”
Devlin faz uma pausa na ilha, estreitando os olhos enquanto planta seu
palmas das mãos no granito frio. "O que?"
Eu mastigo minha unha e envolvo um braço em volta do meu estômago
contorcido. "Minhas
cotações. Ele tem a impressão de que estou disponível para
compra. Como prostituta.
Bem, escolta foi a palavra que ele usou, na verdade, mas semântica à
parte ... ”
Devlin bufa, o som áspero cáustico e perigoso. “Se ele chegar perto
o que é meu, ele vai se arrepender. Vou acabar com ele. "
A possessividade no tom de Devlin se enreda em torno de mim, atraindo
minha esperança
Fora. Tem sido mais difícil mantê-lo sob controle. Minhas habilidades
de sobrevivência estão ficando
oxidado.
“Não é só ele. Nina tocou no assunto também. O boato está em todo o
escola."
Página 267
Ele corta a mão no ar com um gesto afiado. “Você é meu, e
é o fim de tudo para os meus olhos. ”
Eu empurro minha cabeça para trás. "Besteira."
“O que é besteira é que você se importa com isso. Coisas piores têm
foi dito sobre você. Como isso é diferente de qualquer outro
boato? Além do mais,
é verdade que você é meu, então como eu disse, ponto final. ”
Meus ombros se contraem. Eu bato minhas mãos no balcão,
combinando com as dele
posição. “Eu sou seu e ponto final? Você não pode me controlar,
Devlin.
Não importa o quanto você lute para fingir que pode. " Eu olho pela ilha
para ele, desafiando sua lógica de baixa qualidade. "E isso te incomoda,
não é?"
Devlin me encara. “Disposto a apostar dinheiro nessa afirmação?”
Dou um passo instintivo para trás.
A expressão em seu rosto envia um frisson de inquietação por mim. Eu
tenho
fui capaz de lê-lo mais fácil do que nunca, mas agora é como se suas
paredes tivessem vindo
volta para baixo. Como se ele estivesse me afastando, voltando a me
controlar em vez de
lutando com me como um igual.
"O que você vai fazer?"
Ele anda pela ilha, prendendo-me contra a porta da despensa antes que
eu
fazer um movimento. Sua mão segura minha garganta, o polegar
pressionado em meu pulso.
“Prove que você pertence a mim. Você é minha . Isso é tudo que
importa."
Eu abro minha boca para contestar, mas sua língua mergulha dentro
enquanto ele beija
me com uma ponta de raiva. Eu pego seu bíceps e camiseta, unhas
arranhando enquanto ele
controla o beijo. Um pequeno som me escapa. Sua mão flexiona na
minha garganta.
Enquanto ele se afasta, ele arrasta meu lábio inferior entre os dentes.
"Ah!"
Devlin rosna e me puxa por cima do ombro, deixando a cozinha.
"Ei! Para onde você está me levando?" Um tapa pungente na minha
bunda faz
eu grito.
Eu recebo minha resposta quando Devlin me joga no tapete de pelúcia
no
lounge, ao lado da seção baixa e moderna cinza que ocupa a maior parte
do
sala. Ele está em mim em um flash, prendendo-me com seu corpo. Há
uma dureza em
os olhos dele.
"O que você está fazendo?"
“Sem mais perguntas.”
"Foda-se esse barulho." Girando para longe, eu me arrasto pelo chão.
Devlin envolve uma mão em volta da minha coxa e enganchou os dedos
no
O cós da minha calça jeans, puxando-me para trás com uma risada
sombria e sinistra.

Página 268
"Fique", ele ordena enquanto ataca meu pescoço, raspando os dentes no
meu
pele.
“Ah! Maldito!"
Eu tento me apoiar no tapete enquanto luto com ele. Nós dois
resmungamos,
lutando pela vantagem. Enquanto rolamos pelo chão, ele reclama meus
lábios
em outro beijo punitivo que faz meu coração bater forte e pulsar de calor
entre as minhas pernas enquanto elas o envolvem como se eu estivesse
voltando para casa. Ele mói
seu pau duro contra mim, nós dois consumidos pela excitação carnal de
lutando pelo poder.
Não sei se estamos brigando ou fodendo mais, mas se transformou em
preliminares viciosas.
E eu amo isso pra caralho.
O fogo queima por dentro, mais quente do que qualquer um que
experimentei antes.
Isso me faz sentir viva, o prazer e a dor criando uma mistura intensa.
A realização me atinge com força - ele não está nos empurrando de volta
ao nosso
luta pelo poder. Quando estamos assim, também tenho poder sobre
ele. Nós partilhamos
o controle, trocando-o de um lado para outro.
Um sorriso selvagem curva minha boca.
Devlin suga chupões na minha pele e morde uma trilha na minha
garganta,
esticando minha camisa solta para expor meus seios. Eu não estou de
sutiã,
dando a ele acesso para apertar seus lábios e dentes sobre meus
mamilos.
"Porra!" Eu arqueio com abandono devasso enquanto ele morde meus
seios com força
o suficiente para deixar marcas.
Quando terminarmos, estarei coberto, minha pele marcada por
Devlin como se estivesse queimando seu nome em meu corpo a cada
arranhão de dentes
e chupar forte.
Vou marcá-lo de volta com as trilhas vermelhas de raiva que minhas
unhas deixam em seu
pele.
"Isso mesmo", Devlin murmura entre chupar um dos meus mamilos
antes que ele se mova para o outro. Ele me tira, arrancando as roupas
do meu
corpo para continuar seu bombardeio de prazer brutal. Com cada novo
mordida contundente, sua voz é como cascalho enquanto ele declara:
“Aqui? Minha. Aqui,
também. Todos você - cada centímetro - você é todo meu, pequeno
ladrão. Esse era o acordo
nós fizemos."
O desejo de lutar aumenta. Eu levanto em um cotovelo, dividido entre
arrastando Devlin para mais perto ou afastando-o pelo meu aperto em
seu cabelo. "Então
você vai apenas deixar todos acreditarem que eu sou sua prostituta que
vive por dentro?

Página 269
Devlin fica na minha cara depois de arrancar sua camisa. Ele agarra
meu queixo no seu
aderência forte. "Você acha que eu me importo com qualquer um
desses fantoches ou o que
eles pensam? A única coisa que me importa é você. ” Ele me dá uma
alma ardente
beijo torcido. Eu suspiro contra seus lábios, e sua língua empurra dentro
do meu
boca, deslizando contra a minha. O beijo é mais suave que o
comandante
arrogância nublando suas ações. "Eles não importam."
Eu mordo seu lábio, dando tão bom quanto ele me deu. Ele me joga no
chão,
envolvendo seus dedos em volta da minha garganta. Isso puxa o desejo
acumulado em meu
intestino, latejando pelo meu corpo. Eu mostro meus dentes, pronta
para mais.
Os olhos de Devlin brilham com o desafio, seus lábios se
curvando. “Porra
lute comigo, anjo. "
Com um som cru, eu empurro, conseguindo virar Devlin para montar
ele. Minhas mãos formam garras enquanto raspo seu peito nu. Ele me
estimula
com provocações, seu sorriso feroz diabolicamente atraente. A onda de
poder preenche
enquanto eu rolo meus quadris para senti-lo entre minhas coxas
enquanto Devlin me segura
no lugar pelo seu aperto na minha cintura com um gemido.
A maravilha em sua expressão quando eu olho para ele com as
pálpebras pesadas
olhos derramam calor pelo meu corpo.
“Dê-me toda a sua luta. É por isso que você é meu. "
Devlin me joga nas minhas costas novamente, prendendo meus pulsos
acima do meu
cabeça em uma mão. Eu luto contra ele, mas ele se abate sobre mim,
beliscando
em meus lábios inchados. O tapete queima minha pele nua enquanto ele
espalha meu
pernas abertas e pressiona seus quadris nos meus, o material de sua
calça jeans raspando
contra minha buceta.
Meus olhos reviram na minha cabeça e um som gutural rasga minha
garganta
com a sensação, a aspereza de sua calça jeans separando seu pau de
mim.
Ele me vira, forçando um joelho entre minhas coxas enquanto mantém
meu
mãos presas acima da minha cabeça. Sua ereção pressiona contra minha
bunda
impiedosamente. Eu gemo, delirando de adrenalina e luxúria.
“Eu quero você nu. Nada entre nós desta vez. ” Engolindo não posso
parar meus quadris de rolarem contra ele. Diversão acompanha seu tom
enquanto ele
bate na minha bunda. "Oh? Você gosta do som disso, anjo? Você quer
que eu
foda-se cru? "
É difícil cortar a luxúria nublando minha cabeça. "Eu não estou
tomando pílula."
Não só isso, um frisson de medo se espalha por mim, travando cada
músculo. Meus pais cometeram esse erro. Eles eram tão jovens.
Seu aperto flexiona em meus pulsos. "Eu não me importo."

Página 270
O descuido imprudente pode nos morder na bunda.
"Eu cuidaria de você não importa o que aconteça, anjo." Sua voz rouca
suaviza em
as bordas.
Meu peito aperta com força. Isso é tudo o que eu quero. "OK."
"Fique." O comando é latido em uma voz perigosa. Ele espera uma
batida,
em seguida, descasca de volta. Eu faço um som de protesto quando o ar
frio atinge meu suado
pele, contorcendo-se contra o tapete para sentir o formigamento
queimar meus seios, onde
a pele mordida lateja com uma dor opaca e sensual. "Boa menina,
porra."
Eu suspiro, tremendo quando uma explosão de calor me oprime. A voz
dele é rouca
e dança ao longo de minhas terminações nervosas.
Quando Devlin cobre minhas costas com seu corpo, ele está nu. Um
gemido selvagem
me deixa enquanto ele desliza a cabeça de seu pênis entre minhas
dobras lisas. Com um
puxão forte, ele me reposiciona em minhas mãos e joelhos. Seu aperto
de controle
encontra meu cabelo e puxa, esticando a coluna do meu pescoço para
trás.
“Ah! D-Devlin! ”
“Você já está tão molhada. Porra, sua boceta está brilhando. " Como o
pau dele
alinhando, ele puxa meu cabelo com mais força, então estou
completamente à sua mercê. "É isto
pelo que você está gemendo? Você quer esse pau? "
Uma luta interna luta dentro de mim. Estou preso entre o inebriante
onda de excitação vertiginosa de sua aspereza e lutando por poder.
Mas eu me sinto vivo agora e tão fodidamente ligado, bêbado de desejo
por
este lado perverso que Devlin está deixando livre.
Não apenas liberando, mas perdendo o controle.
Este é Devlin por trás de tudo. Implacável e cruel. Deve assustar
mim, mas isso não acontece.
“Por favor,” eu imploro, apertada com a necessidade que ele acendeu
como um inferno.
“Vamos, eu quero isso. Quero você."
Os lábios de Devlin tocam minha orelha enquanto ele apalpa meu
quadril com a mão livre. "Vocês
se ouviu implorando por mim, Blair? É assim que eu sei que você é
meu. "
"Sim", eu suspiro. Ele libera meu cabelo para segurar meus quadris com
as duas mãos. "Faça,
apenas— ”O pênis de Devlin desliza através da umidade escorregadia
que cobre minhas dobras. "EU
preciso de você dentro de mim. "
Devlin empurra para dentro com um som depravado.
Nós dois soltamos gemidos sufocados. Ele me preenche
completamente, tão forte e
perfeito.
Antes que eu recuperasse o fôlego, os quadris de Devlin estalam,
conduzindo seu pênis
Eu.
Página 271
"Dê-me seus gritos, pequeno demônio."
"Oh Deus." Eu arco minhas costas quando seu pau atinge um ponto que
envia eletricidade
explosões de prazer no meu núcleo. "Porra, sim!"
Devlin cantarola em satisfação excitada. Nas enormes janelas, eu
vislumbro
como nos parecemos no reflexo.
Puta merda .
A cabeça de Devlin inclina para trás enquanto ele bombeia seus quadris,
me fodendo rudemente. Seu
o cabelo está despenteado, ondulando com o suor na testa. Os músculos
dele
o estômago e o corte em V em seus quadris flexionam a cada impulso.
Parecemos uma pintura da Bosch. Selvagem e
desencadeado. Hedonista.
“Cristo, Blair. Tão bom pra caralho. Aperte essa bucetinha apertada na
minha
galo."
Eu suspiro enquanto me aperto em torno dele, sentindo isso mais
intensamente. Minhas unhas cavam
no tapete grosso enquanto seu comprimento me preenche.
Devlin se inclina, beijando a tatuagem da estrela nas minhas costas, sua
mão
envolvendo em volta do meu pescoço novamente em um aperto de
ferro. Eu grito quando ele abre
beijos com a boca terminam nele mordendo com força. Ao mesmo
tempo, ele bate em
mim, fazendo minha respiração prender na minha garganta enquanto
meu núcleo explode de prazer.
"Oh foda-se, estou indo!" Meus gritos ficam incoerentes. Devlin não
pare, mas acelere o ritmo.
"Sim", ele rosna. "Eu entendo você."
Antes que meu orgasmo desapareça, outro está surgindo. Eu ofego
enquanto balanço de volta para
atender às investidas severas de Devlin. Com um rosnado, ele chicoteia
meu corpo ereto pelo seu
segure bem no meu pescoço.
Meu estômago se contrai. A nova posição faz seu pau deslizar mais
fundo. eu
esticar minha cabeça para trás para me inclinar para ele. Devlin aperta
meu pescoço, quase
cortando meu ar. Sua outra mão vai entre minhas pernas, esfregando
meu clitóris
implacavelmente.
"Você vai gozar de novo no meu pau," Devlin sussurra sombriamente
minha orelha. “Você só virá por mim. Eu sou o único que pode te dar
isso. ”
Os dedos de Devlin circundam meu clitóris latejante, fazendo-me sentir
tão bem que
é opressor. Minhas palavras são roubadas pelo enrolamento de calor
apertado o suficiente para quebrar. Seu toque é brutal enquanto ele bate
fundo e afiado
dentro de mim. Um soluço vem de mim quando o estímulo se torna
demais.
"Eu não posso."
"Você vai ." A pele de Devlin bate contra a minha com cada estocada
afiada. eu
posso ouvir o som molhado de nossos corpos se conectando enquanto
minha boceta aperta

Página 272
seu pau. "Puta que pariu, sim, minha sereia." As palavras
impressionadas se enredam
Eu. Seu polegar acaricia meu pulso enquanto seus dedos colocam mais
pressão no meu clitóris.
"Diga-me que você é meu."
Eu ofego para respirar, pendurado no braço em concha em meu pescoço
para salvar a vida enquanto
ele me salta em seu pau.
“D-Dev—”
"Diz."
Tudo é demais. A espiral no meu estômago quebra em uma explosão
de calor elétrico. Ele sobe pela minha espinha enquanto meu núcleo
treme com as ondas depois
aceno. Meu orgasmo ameaça me separar pelas costuras enquanto eu
grito.
"Sou seu! Eu sou seu, seu, seu, foda-se! "
Os dentes de Devlin afundam em meu ombro com um som feroz de seus
quadris
bombear. Seus braços me envolvem enquanto ele fica tenso. Seu pau
lateja dentro de mim
e eu sinto a sensação quente de seu gozo.
Meu coração bate forte, correndo em meus ouvidos e batendo forte em
meu corpo enquanto
nós trememos juntos, destruídos pelas réplicas de nossos
lançamentos. Nossas respirações
gozar em calças esfarrapadas, arrastando ar para nossos pulmões.
Por um longo período, Devlin me segura. Estou torcido, meu corpo todo
doendo agradavelmente com a pontada do uso, desde meus joelhos
queimados no tapete até meus
pele tenra onde Devlin deixou suas marcas. Ele traça o hematoma
dolorido se formando
sobre minha tatuagem de estrela com um toque suave, seguindo sua
carícia com um leve
beijo.
Há uma quantidade assustadora de verdade em minha resposta à
demanda de Devlin.
Eu quero ser dele e quero que ele seja meu.
"Você está bem?"
Eu cantarolo, exausta demais para formar palavras e pronta para desabar
no tapete.
Devlin deposita beijos suaves onde quer que alcance.
“Por que você não sobe. Coloque uma das minhas camisas e suba na
cama. ”
Eu fico tenso. "Onde você estará?"
"Fora um pouco." A dureza se insinua de volta em seu tom. "Eu tenho
um
rápido ... recado para cuidar. "
"Agora?" Eu me viro para vê-lo, mas ele me abraça com mais força.
"É importante." Devlin fala na curva do meu pescoço. “Prometo, eu vou
voltarei em breve. ”
"OK."
Cada músculo protesta enquanto Devlin me ajuda a ficar de pé. eu vou
plante o rosto na cama. Devlin segura meu rosto, deslizando o polegar
sobre minha bochecha.

Página 273
A maravilha de antes perdura, iluminando as sombras ameaçadoras em
seu
olhos. Ele beija minha testa com ternura.
Depois que Devlin se dirige para a garagem, eu subo as escadas, sem
me preocupar com nenhum
das roupas que ele jogou em nossa traquinagem. Apesar da exaustão e
satisfação com a experiência lá embaixo, uma inquietação incômoda
estimula
enquanto limpo o banheiro. Não abordamos exatamente o ponto que eu
trazido a ele. Com um suspiro áspero, coloco a toalha usada na pia,
Entre no quarto e abra um dos painéis do armário de Devlin. Como eu
cutucar seus moletons, eu mordo meu lábio.
Foi ótimo no momento, mas eu estava repetindo o passado ao não usar
proteção? Existem opções agora, mais do que meus pais
tinham. Mesmo assim não posso
repelir a incerteza crescendo em meu peito.
Enquanto vasculho a pilha de camisetas que adoro roubar, um farfalhar
me faz parar quando retiro o que quero. "O que…?"
Eu puxo a camisa e uma página de revista dobrada voa para o chão de
dentro da camisa. Meu estômago afunda quando eu o pego e abro.
Nosso contrato .
"Merda", eu sussurro, com a garganta apertada. "Por que você ainda
tem isso se ...?"
A preocupação mesquinha ganha vida, fazendo meu estômago rolar. eu
pensei
Devlin e eu estávamos lutando juntos, mas estou errado? Estamos de
volta para onde
nós começamos? Nós já progredimos em primeiro lugar?
Um suspiro de dor perfura o silêncio opressivo na sala.
Talvez ele tenha esquecido que o tinha.
Mas a camisa que vesti é uma que Devlin usou na semana passada. Os
vincos no
A página fala muito sobre a frequência com que foi aberta e dobrada.
"Caramba." Esfregando minha testa, eu ando ao pé da cama. "É ele
brincando comigo? "
Ele tem que ser, se ainda tem esse maldito contrato.
Ele pinta tudo o que fizemos lá embaixo com uma luz forte. Eu pensei
ter visto
admiração nos olhos de Devlin, mas agora?
O que eu realmente provei para ele? Para mim mesmo?
Devlin nunca negou o boato. Ele só queria me reivindicar. Como
inferno, ele pode sair por aí chamando-me de sua namorada para seus
pais enquanto ele tem
o contrato escondido em seu armário?
Ele só se preocupa comigo? Que piada.
Uma mentira.
Um pelo qual me apaixonei.

Página 274
Com um grunhido de frustração, agarro pelas duas pontas, com a
intenção de rasgá-lo. eu
pare antes que eu rasgue.
Por mais que doa encontrar isso, ainda não posso fazer nada. eu preciso
de mais
responde primeiro, e mamãe ainda está no hospital.
Meu coração parece frágil, tão machucado quanto meu corpo.
Atordoado, coloco o contrato na pilha de camisetas do Devlin's
armário. Não estou pronto para enfrentar o que descobri até estar
melhor preparado
para as consequências.

Página 275
TRINTA E SEIS

Página 276

DEVLIN
Meu aperto no volante é forte enquanto faço a curva do Mustang.
Bishop assobia, batendo forte na moldura da janela aberta, noite
o ar soprando em seu cabelo.
Um gemido abafado soa no banco de trás, onde escondemos Sean
depois
Eu o nocauteei. Ele pensou que íamos fazer um cruzeiro para pegar
garotas.
Não.
Eu escolhi o Mustang porque é do papai, então eu não dou a mínima se
o
o sangue escorrendo do canto da boca de Sean mancha o couro.
Bishop não fez perguntas quando eu liguei para ele pedindo ajuda com
este
incumbência. Ele tinha um taco na mão e um brilho violento em seus
olhos quando eu
Busquei ele.
Quero fazer isso rápido para poder voltar para Blair, esperando em casa
em nossa cama. Matou-me deixá-la sozinha depois da incrível foda,
mas eu
não poderia deixar isso voar. Um rosnado ressoa em meu peito, a raiva
é uma constante
ferver.
Sean e aqueles outros fantoches pensaram que poderiam escapar
impunes
espalhando merda sobre minha garota? Vou acabar com cada um
deles. Ele vai pagar o preço
e enfrente o impacto da minha ira.
“Aqui em cima à esquerda.” Bishop acena com a cabeça quando a
pedreira abandonada chega
à vista. “Local perfeito.”
Uma trilha de caminhada começa na parte de trás do terreno de cascalho
cheio de ervas daninhas, o
resto do local limpo e preenchido. Tudo o que resta é uma loja
enferrujada
prédio. É o local perfeito para dar uma lição ao Sean.
Eu paro no estacionamento antigo e estaciono o Mustang. Bishop pega
seu bastão, e
subimos para puxar Sean do banco de trás.

Página 277
"Deus, você é pesado", Bishop resmunga, reajustando a distribuição de
O peso de Sean balançou a cabeça pendurada.
Sean murmura algo ininteligível.
Nós o arrastamos para a parte de trás do prédio de armazenamento e o
apoiamos contra
a parede de metal enferrujada. Quando Sean não se mexe
imediatamente, chuto seu pé.
Duro.
"Acordar."
Sean se sobressalta ao som do meu comando. Ele avista Bishop
primeiro, depois eu.
O olhar relaxado desaparece quando ele percebe que minha expressão
é mortal. A mão dele
voa para sua cabeça.
Isso mesmo, merda para o cérebro . Eu sou aquele que te irritou .
"Bom dia, raio de sol!" Bishop se curva para chegar ao nível de Sean,
mãos
pendurado sobre o morcego pendurado em seus ombros. “Ouvi dizer
que você gosta de alimentar
aquela bela besta, o boato de Silver Lake. Devemos alimentá-lo com
algum
mais?" O sorriso de Bishop se torna maníaco. “Tenho guardado a
história do
vez que você se irritou no primeiro ano por um longo tempo. "
Sean recua e levanta as mãos. “Eo que foi, pessoal? O que é isso?"
Bishop inclina a cabeça para mim. Eu rosno, avançando para Sean. Ele
grita como um
pequena vadia, correndo pelo mato.
"Nenhum lugar para fugir de mim, filho da puta."
“Eu, uh,” Sean tagarelou, lambendo os lábios, “pensei que estávamos
indo no
rondar por buceta. ”
Bishop ri sadicamente, batendo seu bastão contra o papelão ondulado
revestimento de metal do edifício. "Mano, você vê algum bebê por aí?"
A garganta de Sean balança. "Uh…"
“Pense bem, Sean.” O luar muda com a passagem das nuvens,
pintando seu medo em lampejos em seu rosto. Eu domino a raiva
ardente,
andando na frente dele. "O que você fez essa semana? Com quem você
falou
para?"
“Isso é porque eu estava dando em cima de Davis? Caras, ela é uma
porcaria. Isso é justo
jogos."
O grito do Bispo perfura o ar da noite enquanto ele ri em
descrença. Bishop golpeia a ponta do bastão ao lado da cabeça de
Sean. Ele recua,
olhando para nós.
“Nossa, você é estúpido”, diz Bishop. "Isso é hilário."
Rangendo os dentes, agarro Sean pelo colarinho, meio levantando-o de
seu
posição sentada. Sean joga a cabeça para trás.

Página 278
“Você vai matar esse boato, ou eu vou te matar pelo que você disse a
ela,” eu rosno.
“O que há com você este ano? Você mudou, cara. ” O fim de
As palavras de Sean aumentam quando eu o bato contra a parede.
"Mesmo?" Há uma diversão perigosa em minha voz. "Eu tenho
nunca me senti mais como eu. ”
Dirijo meu punho na barriga de Sean, tendo imensa satisfação na
maneira como ele
geme e se enrola para frente. Bishop o agarra antes que ele caia, de pé
ele de volta para o meu próximo golpe. Eu bato em Sean com meus
punhos.
“Você não chega perto dela! Ela não está à disposição. ” Eu seguro
Sean pelo
garganta, apertando até eu controlar seu suprimento de ar. Seu olho está
inchado e fechado e
sangue escorre do corte em seu lábio. “Blair está fora dos limites,
porra. Claro?"
Sean acena fracamente. "D-desculpe."
Com um rosnado de nojo, eu o solto. Sean cai no cascalho como um
saco de batatas. Eu flexiono minha mão, examinando a
vermelhidão. Dois dos meus
os nós dos dedos se partem, ardendo a cada movimento.
“Aproveite sua caminhada para casa.” Eu cuspo no chão ao lado do pé
de Sean.
"Oh, e se você pensar em falar sobre isso ..." Bishop me mostra um
olhe, então se agacha ao lado de Sean, murmurando em seu ouvido.
Não consigo ouvir o que ele diz, mas a curva da boca de Bishop é
selvagem.
Sean fica pálido ao luar. Deve ser um de seus pedaços mais suculentos
de
chantagem.
"Frio?" Bishop sorri e dá um tapinha na cabeça de Sean quando ele
balança a cabeça. "Frio.
Boa escolha."
Bishop se levanta e gira o taco para descansar em seu ombro.
"Vamos."
Prometi a Blair que não demoraria muito. Agora que choveu o inferno
em Sean,
a raiva se dissipou. A corda no meu peito puxa, chamando-me de casa
para
sua.

Página 279
TRINTA E SETE

Página 280

DEVLIN
Eu espero fora de seu quarto, vestida e pronta para ir para minha tia e
o tio está no jantar de Ação de Graças.
Minhas juntas sararam, mas quando vi Sean pela última vez, não
demorou muito
o feriado de fim de semana começou, seu olho roxo permaneceu roxo e
inchado. Sempre que
ele me vê, ele foge como o pequeno roedor que ele é.
Blair abre a porta, um nocaute no vestido novo que comprei para
ela. Ela tentou
recusar quando o deixasse no quarto dela, alegando que era
demais. Parece
muito bom para ela, mas não é que o vestido seja algo especial.
É Blair - ela é o que faz o vestido brilhar, não o contrário.
Suas sobrancelhas levantam quando ela me encontra lá, sacudindo seu
olhar sobre mim. UMA
Uma labareda de calor enche seus olhos cor de uísque.
Meu pau estremece. É difícil controlar o quanto eu quero, porra
sua. A necessidade continua crescendo, como se eu nunca tivesse o
suficiente.
“Perfeito,” eu elogio, olhando para ela.
Os cílios escuros de Blair vibram, ainda mais escuros por causa da
maquiagem clara e
rímel. Ela alisa as mãos sobre o vestido de jade profundo que abraça
seu corpo
e cai de joelhos. "Parece bom?"
"Sim. Pronto para ir?"
"OK."
Eu descanso minha mão na parte inferior de suas costas enquanto
descemos os degraus, mas em
lá embaixo, ela caminha à minha frente para chegar primeiro à
garagem. Sufocando um
suspiro, pego o chaveiro do Porsche do gancho e subo no
carro, onde ela espera por mim.
Na curta viagem, fico de olho nela na minha visão periférica. Blair clica
nela
unhas juntas.

Página 281
As coisas permaneceram tensas entre nós desde o sexo selvagem na
semana passada. A
Uma sensação desconfortável desliza em minhas entranhas como um
veneno. Blair está se afastando.
Eu posso sentir isso. Tenho tentado me preparar mentalmente para isso,
se ela o fizer, dando
em meu mecanismo de enfrentamento para me proteger.
Mesmo depois de ler três dos livros da mamãe sobre ciência do cérebro
por trás desses hábitos, não posso eliminá-los apenas lendo sobre eles.
É frustrante ser tão fraco. Para ter a única coisa que me fez sentir
vivo, incapaz de me impedir de me fechar para manter o medo sob
controle. Não
importa o quão forte eu acho que sou, ainda sou o mesmo garotinho por
dentro,
indefeso contra a dor crua de todos partindo.
Quando chego na casa da tia Lottie e do tio Ed, o carro de Lucas está
lá.
"Eles já devem estar aqui." Blair aponta para o carro. “Gemma disse
eles estariam na cidade no fim de semana para visitar as duas
famílias. Talvez nós possamos
pegue o café da manhã com eles amanhã. ”
Subimos o convés e entramos pela cozinha, onde o cheiro de um
refeição caseira nos atinge assim que a porta se abre.
"Cheira bem, tia Lottie."
"Devlin!" Tio Ed se levanta de uma cadeira na sala de estar,
seguido por seu cão pug rechonchudo, Lancelot.
Blair se acende, se abaixando para cumprimentá-lo. "Oi, meu cavaleiro
favorito."
"Parecendo afiado." Tio Ed aperta minha mão e sorri para Blair. Seu
a barba acinzentada usual é raspada, suas bochechas ligeiramente
rosadas de tanto beber.
“Estamos tentando fazer com que Dev traga você aqui há
semanas. Estavam
feliz por finalmente conhecer sua namorada. ”
Uma bolha de calor se expande em meu peito ao ouvir Blair ser descrita
como
minha namorada.
Blair enfia o cabelo elegante atrás das orelhas, levantando-se para
tremer
mãos. "É tudo culpa dele." Ela me dá uma cotovelada. “Eu amo o seu
cachorro e teria
feliz por ter vindo. Obrigado por me receber. ”
Tio Ed ri e estende a mão para bagunçar meu cabelo, bagunçando do
jeito que eu
estilizado.
“Ed”, reclamo, afastando-me.
"O que, você acha que é muito grande para eu fazer isso só porque você
é
mais alto do que eu agora? Eu ainda faço isso com Lucas também. Não
é, filho? "
“E eu faço isso de volta. Você simplesmente tem menos cabelo para
mexer ”, Lucas
brinca do sofá, onde seu braço está em volta de Gemma.

Página 282
Tio Ed ri, tocando seu cabelo castanho arenoso que está cheio de
cinzento.
“Entrem, vocês dois. Algo para beber?" Tio Ed nos acena para o
cozinha quente. É mais aconchegante que minha casa. Parece que uma
família realmente vive
aqui. “De qualquer forma, Dev, você não precisa se esquivar de nossos
convites. Você tia e eu
Senti sua falta depois que você esteve aqui tantas vezes no início da
escola
ano. Você sabe que você e seus amigos são sempre bem-vindos
aqui. Como está
Bispo?"
"Ele está bem."
Tia Lottie entra com algumas garrafas de vinho. "Eu trouxe
reforços. ”
Lucas e Gemma vêm do sofá para ajudá-la na cozinha
enquanto o tio Ed nos entrega aperitivos.
Depois de cuidar do vinho, tia Lottie se vira para mim, segurando minha
ombros. "Tudo bem, deixe-me ver você." Ela me dá uma olhada e puxa
em um abraço. “Vejo que você faz um esforço extra por Blair. Como é
que você
não se vista bem para nós quando vier aqui? "
Lucas bufa enquanto serve o vinho, passando a taça para Gemma. Ela
bate
ele, e Lottie lhe lança um olhar plano.
Blair ri baixinho, mas não tão relaxado como de costume.
Eu envolvo meu braço em volta da sua cintura, escondendo uma
carranca na linha tensa dela
corpo. "Tia Lottie, esta é Blair."
Ela dá a Blair um sorriso caloroso de aprovação. Ela segura as duas
mãos.
“Blair. É maravilhoso conhecê-lo. Estamos felizes por Devlin ter
conhecido alguém tão
amável."
"Obrigado, é ótimo conhecê-lo também." Blair dirige um olhar para
mim do
canto do olho. “Sua casa é muito legal.”
Gemma se aproxima e engancha seu braço no de Blair. “Vamos lanchar
queijo no convés. Há um ótimo pôr do sol nesta época do ano. Eu estava
chutando
por não ter trazido minha câmera quando eles me trouxeram no ano
passado. ”
Blair relaxa enquanto se afasta do meu lado. "Soa perfeito."
As meninas desaparecem no convés com uma travessa de queijo e o
cachorro,
circulando fielmente a seus pés na esperança de que caiam
pedaços. Gemma
alimenta-o com um pedaço de queijo cheddar, sorrindo com carinho
para o cão pug.
Lucas me dá um tapa nas costas, chamando minha atenção das
meninas. "Deixar
eles ficarão por um tempo. Eles nunca conseguem sair sem nós. ”

Página 283
Minha tia e meu tio nos comandaram um minuto depois para ajudar
com
jantar, delegando-nos a diferentes tarefas.
“Então,” Lottie se arrasta uma vez que o purê de batatas está
pronto. “Conte-nos sobre
sua!"
“Eu, uh,” eu olhei para Lucas em busca de ajuda. Ele tem um sorriso
largo e arrogante em seu
Rosto. “Bem, na verdade íamos para a mesma escola. Ela estava no meu
terceiro
classe de arte. ”
Eu engulo em seco com o olhar surpreso que todos os três me dão. Eu
puxo
na minha orelha e empurro minha mão pelo meu cabelo.
"Espera, Blair?" Lucas esclarece.
"Sim." Um sorriso afetuoso curva minha boca. “Ela me deu sua estrela
desenhos. Nenhum de nós se lembrava até recentemente ... nos
tornamos mais próximos. ”
Lucas levanta as sobrancelhas com conhecimento de causa. Ele está
ciente da tenacidade de nosso
ódio e testemunhou a mudança na festa do lago.
"Que doce", tia Lottie suspira feliz, envolvendo o braço em volta de
mim
em um meio abraço enquanto ela cozinha. "Era para ser, então!"
Meu coração bate forte.
Quando nos sentamos para jantar, a tensão ainda rola de Blair em ondas.
Ela nunca fala a menos que esteja à vontade, mas ela está mais quieta
do que o normal. eu
Lancei um olhar para ela enquanto minha família se deliciava com a
refeição.
Lucas, Gemma e tio Ed se perdem em uma conversa sobre a faculdade
enquanto estou distraído por Blair. Ela ficou agitada a noite toda.
"E você, Blair?" Pergunta tia Lottie.
"O que?"
“Você já escolheu uma universidade? O que você quer estudar?"
Blair se transforma em uma estátua ao meu lado. "Ainda não. As
inscrições terminam em breve,
Apesar. Eu não decidi, mas provavelmente vou acabar na enfermagem
ou talvez
contabilidade."
Tio Ed acena com a cabeça. “Campos inteligentes para estudar.”
O olhar de Blair cai para o prato, uma ruga marcando sua testa. Nós
não falei sobre isso, mas quando imagino Blair como enfermeira ou
contadora
parece errado. Nenhum desses é sua paixão.
Diferente do número de livros de arte e história que ela tem em seu
crescimento
coleção.
"Você terminou o envio de sua inscrição, Devlin?" Tio Ed pergunta,
enxugando a boca com um guardanapo.
"Sim."

Página 284
Os olhos de Blair se voltam na minha direção e um aperto
desconfortável aperta
meu peito.
Tia Lottie inclina a cabeça, franzindo os lábios. Quando ela faz isso, ela
se parece muito com a mamãe. “Qualquer escola terá sorte de ter você,
não importa
que caminho você decide seguir. ”
Uma risada vazia me deixa. Seu significado oculto é claro: você pode
fazer
o que você quiser, não dê ouvidos a seus pais . Eles nunca aprovaram
a maneira como meus pais me incentivam a seguir carreira na
medicina. Quando lucas
veio a eles no ano passado sobre seu sonho de faculdade, eles
apoiaram. Se eu
Tento dizer a mamãe e papai que não quero estudar medicina, sou
fechada.
"Sim, contanto que faça parte do plano." Eu coloquei ênfase
no plano com um
P maiúsculo
Blair franze a testa, brincando com a ponta do guardanapo no colo,
beliscando
a esquina.
“Nem tudo sai de acordo com o planejado”, diz Gemma com
sinceridade. "Fazer
o que você quiser fazer, Dev. " Seu olhar desliza para Blair. “Isso vale
para
vocês dois."
"Obrigado." Eu suspiro. É fácil para Gemma dizer. Os pais dela são
outro
exemplo perfeito de uma família amorosa e bem ajustada. Ela não
entenderia
os anos de investimento que meus pais colocaram em meus planos para
a faculdade. “Como está
Alec estudando na Universidade do Colorado em Denver? ”
Gemma começa a contar uma história sobre seu irmão gêmeo. No
momento em que ela é
feito, ela grita na hora em seu telefone. “Oh cara, me desculpe,
pessoal. eu
prometi aos meus pais que nos separaríamos para que pudéssemos
passar na casa deles por
sobremesa."
"Oh! Aqui, leve um pouco de caçarola extra de batata-doce para o seu
pai. Ele é
tenho pedido a receita. ”
Tia Lottie e Gemma se levantam para arrumar sua cota de sobras
enquanto
Lucas aperta a mão de seu pai.
“Hum, também vou sair”, diz Blair.
"O que?" Eu inclino meu braço nas costas da cadeira dela. "Eu dirigi
aqui."
"Gemma se ofereceu para me deixar quando eles fossem embora." Ela
salta o olhar
entre meus olhos e suspiros. “Eu quero ir ver minha mãe. Nós nunca
estivemos
separado para um feriado antes. Parece errado não vê-la. ”
O ciúme irracional e possessivo surge e depois desaparece tão rápido
quanto
ele veio. Eu coloco meu braço em seu ombro e a puxo para mais perto,
beijando-a
bochecha.

Página 285
"Você quer que eu leve você?" É estúpido, mas estou relutante em
deixá-la
deixe minha vista por muito tempo.
Eu me tornei tão ganancioso quanto mais tempo passo com Blair. Eu
guardei
ela de sua mãe monopolizando seu tempo? Eu sou um bastardo. A mãe
dela é
importante para ela, eu não deveria fazer nada para mexer com essa
conexão.
A saúde da Macy piorou com o clima mais frio.
Blair põe a mão na minha perna. "Não, está tudo bem. Eu vou- ”Seu
olhar muda para
minha tia e tio. Sinto que ela não quer admitir que vive com eles
me enquanto ela vacila. "Eu te ligo mais tarde."
“Blair, foi um prazer. Volte logo, ok? " Tio Ed consegue
para abraçá-la. Ela me lança um olhar de olhos arregalados. Eu seguro
um sorriso. Tio
Ed é afetuoso. "Você é bem vindo a qualquer hora. Você e Devlin
deveriam vir
na próxima semana. ”
Tia Lottie ecoa seus sentimentos no balcão.
Poucos minutos depois, estou sentado sozinho à mesa com minha tia e
tio depois que Lucas, Gemma e Blair saem.
Tio Ed e tia Lottie trocam olhares de expressão. Ela sorri e
estende o braço sobre a mesa para apertar minha mão.
"Nós realmente gostamos dela."
“Sim,” eu concordo, com a garganta seca e áspera.
Eu não coloquei um nome para nenhum desses sentimentos que se
espalharam por mim,
torcido em minhas entranhas como um organismo vivo. Gostar não
chega perto de
o que sinto quando estou perto dela. Não há como impedir que floresça,
nenhuma maneira de cortar isso sem matar meu coração. Eu tenho que
viver com isso, cada
segundo agridoce enquanto ela se afasta mais de mim.
Sentar com eles é fácil e confortável até que não seja mais. A mudança
acontece em
uma fração de segundo.
Percorremos duas tortas diferentes, rindo de uma história
sobre Lucas se perder no campus do Oak Ridge College na primeira
semana de
escola.
De repente, é demais sentar com tio Ed e tia Lottie. Até
embora eles sejam uma família, mais próximos do que meus próprios
pais, ainda não sou filho deles.

Página 286
Mamãe e papai não passaram o Dia de Ação de Graças ou qualquer
outro feriado comigo
em anos, não desde que eu tinha nove.
É em horas como essas que sua ausência arde mais.
"Eu devo ir." Eles me lançam olhares iguais com um toque de
simpatia. Eu não
quero ver isso. Esfregando a dor fantasma em meu peito, eu venho com
um
com licença. “Eu quero estar lá quando Blair voltar. Então, eu não perco
a ligação dela para
sei que ela voltou para casa com segurança. ”
“Ok, querida,” tia Lottie diz. “Mas, por favor, prometa que você vai
passar por aqui
em breve. Eu me preocupo com você, sozinho naquela casa
grande. Não está certo. Você sabe
você pode vir e ficar aqui quando quiser. ”
Ela dá um beijo na minha cabeça antes de eu me levantar.
"Sim. Obrigado, tia Lottie. ”
Eu digo boa noite para eles e vou para casa com as sobras que
carregaram
em mim. Está vazio quando eu chego lá, o peso da solidão esmagando
em meus ombros.
Soltando um suspiro tenso, não tenho nada a fazer a não ser esperar que
Blair
Retorna. Depois de colocar um pedaço da torta que ela estava olhando
antes no balcão,
Eu afundo no sofá da sala, olhando para o local onde eu a comi,
completamente desenfreado, permitindo que o monstro entre em rédea
livre.
E ela pegou.
Me implorou.
Ela não olhou para mim com nojo quando ela enfrentou meu monstro
interior,
ela abriu mais as pernas e me deu suas garras também.
Meu coração dá uma palpitação irritante e necessitada em meu peito. Eu
agarro na frente
da minha camisa.
É estranho como uma pessoa pode fazer você sentir tanto. Blair me faz
sinta ódio, desejo, raiva, luxúria e algo ainda mais perigoso - amor.
O tipo de amor que é desconhecido, como uma estrela colapsando sobre
si mesma para formar um
buraco negro. Você não pode deixar de ser arrastado pela atração
gravitacional. UMA
amor que não precisa de luz porque floresce até nas profundezas mais
escuras.
Eu não sei como dizer a ela. Não quando ela está se fechando. eu
não revelará minha necessidade por ela quando a dela não corresponder.
Ela está fugindo. Tudo o que quero fazer é segurar com mais força. Mas
se eu fizer isso,
Só farei exigências que não devo.
Se ela quer tanto ir, tudo bem.
Eu inclino meus cotovelos nas minhas coxas e coloco meu rosto em
minhas mãos,
massageando a dor surda em minhas têmporas.

Página 287
Quando ela for embora, ela terá sua mãe para voltar para casa. Eu vou
ter um vazio,
Cela de prisão cara só para mim mais uma vez.
A pontada de ciúme dá lugar ao desejo que sufoquei. Escoa
entre as fraturas em minhas caixas internas, borbulhando para a
superfície com
força suficiente para me fazer ofegar. Meu estômago dá um nó e meu
peito
machuca.
Eu cavo meus dedos em meu couro cabeludo na tentativa de empurrá-
lo de volta para baixo. O
o desejo se recusa a ser domesticado de volta ao seu lugar, comendo em
mim enquanto eu
espere que Blair volte para mim.
A porta se abre e a luz do corredor se acende. Minha cabeça levanta.
"Você está sentado no escuro?" Blair aparece do corredor, encolhendo
os ombros
do casaco de carvão que ela pegou emprestado de mim. “Estereótipo
Emo, muito?
Passo os dedos pelo cabelo. "Eu acho."
A sobrancelha de Blair aperta. A maquiagem dela está borrada, o rímel
seco
debaixo de seus olhos como se corresse. Ela estava chorando?
"Como está sua mãe?" Minha voz está muito difícil.
O controle da minha compostura está diminuindo graças ao medo que
perdi
na parte de trás da minha cabeça por dias.
Mas o olhar em seus olhos é cauteloso e distante.
"Ela está ... estável", diz Blair, a exaustão evidente em seu corpo
pequeno.
"Eles têm a febre sob controle, mas a inflamação em seu coração
não esclareceu. ”
“Os médicos dela não estão fazendo tudo o que podem para—”
"Eles são. Aparentemente, não há informações suficientes sobre sua
doença,
portanto, não está claro para eles o que causou seu problema
cardíaco. Todos eles mantêm
dizer é que a miocardite auto-imune é rara. ” Os olhos de Blair
brilham. "Eu estou
indo para a cama. Tem sido um longo dia."
Eu não quero que ela vá embora como todo mundo faz. Ninguém fica
muito tempo
o suficiente para me amar além de meus problemas, mas por um tempo
eu acreditei que ela poderia.
"Da próxima vez irei com você."

Página 288
TRINTA E OITO

Página 289

BLAIR
A risada que me escapa é aguda.
"Não, você não é. Eu não me importo se você está pagando as contas,
você não consegue
para me dizer quando e onde devo ir, ou venha comigo como se você
fosse meu
namorado."
A mandíbula de Devlin aperta, um músculo pulando. "Eu sou. Você é-
"
"Minha? É isso que você ia dizer? " Eu zombo, jogando meus braços
Fora. “Devlin, você nunca me perguntou! Você apenas começou a dizer
que eu era seu
namorada para sua família sem discutir isso! Você não falou comigo,
não
pergunte-me - você não pode simplesmente decidir. Não é assim que
funciona. ”
Ele se levanta, fechando a distância entre nós em dois passos,
elevando-se sobre mim com um brilho perigoso nos olhos. Eu empurro
meu queixo, sem medo
dele.
"Você está trilhando um caminho arriscado." Ele agarra meus
braços. “Não me faça
repita como as coisas funcionam conosco. ”
Tudo está se tornando muito.
"Não há nós !" Eu luto para me livrar de seu aperto firme e giro em meu
calcanhar.
Devlin me segue enquanto subo as escadas correndo. O cabelo na
minha nuca
fica de pé, meus instintos ficam em alerta, esperando que ele me
agarre. Eu sou mais rápido,
mantendo-se fora de seu alcance.
"O que você quer dizer com não existe um nós?" O tom de Devlin é tão
áspero, é
difícil entender sua pergunta.
O bastardo arrogante fez um retorno triunfante. Ele está escondido
embaixo
todo esse tempo, esperando para me lembrar da única verdade que
queimei em meu
cérebro desde que papai foi embora.

Página 290
Os homens não são confiáveis. Não importa o que eles digam, ou quão
docemente eles se importam
por você, todos eles farão a mesma coisa - machucar você. A
sobrevivência tem que vir primeiro.
Eu paro no meio de seu quarto, piscando com raiva. Meus pés
carregaram
me aqui automaticamente, como se eu não pudesse me livrar do quão
segura me senti nesta sala. eu
tire os saltos grossos e curtos que usei na casa da família dele e dê uma
respiração para filtrar um pouco da agitação que se construiu em meu
peito desde
encontrando o contrato escondido no armário de Devlin.
“Perdi a parte em que lhe vendi a experiência de namorada?” O
acusação me deixa em um grito de dor, raspando minha garganta em
carne viva.
Um flash de surpresa cruza o rosto de Devlin antes que ele ensine seu
expressão em uma calma controlada. É falso, fabricado para esconder
seu verdadeiro
sentimentos. Posso ver os punhos com nós dos dedos brancos que ele
enfia nos bolsos, no entanto.
“Eu não estabeleci uma tarefa ou paguei para você se humilhar nas
últimas semanas.
Temos claramente operado sob diferentes impressões de nosso
relação."
Ele é tão cuidadoso com a maneira como ele fala, pulando a maneira
como ele
tem me manipulado, me tratando como se ele se importasse quando
ainda tem o
contrato. A fúria escaldante transborda, estimulada pela longa foda
noite que eu tive sentado com a mamãe, seu corpo drenado como se ela
fosse ser
tirado de mim a qualquer segundo.
“Maldição, Devlin! Você não pode comprar o amor, não é real! Isso
tudo foi
um jogo de merda para você! "
“O dinheiro não importa.” A boca de Devlin aperta, trabalhando como
se ele fosse
prendendo suas respostas não filtradas, considerando o que dizer antes
de abrir
aqueles lábios mentirosos. "O arranjo não importa, ou qualquer outra
coisa."
Eu aponto meu dedo para ele. “Não é? Você está tão desesperado por
companhia,
você me pagou para brincar de casinha com você. ”
A mandíbula de Devlin aperta. A miséria enche seus olhos por um
segundo antes disso
desaparece. As palavras continuam vindo, saindo de mim sem
controle. Eu jogo
tudo em seu rosto.
“Você é um monstro,” eu assobio. "Você odiava tanto uma garota que
teve que aceitar
seu tormento ainda mais, diminuindo-me e manipulando meu
desespero para se adequar ao seu jogo doentio? Você me fez acreditar
que você realmente— ”Eu
interrompa-me com um suspiro áspero antes de continuar em voz
baixa. "Que
maneira de viver de acordo com sua reputação como o diabo. Não
admira que seus pais sejam
nunca por perto, porque eles provavelmente não suportam ficar perto
de seu demônio
desova. ”

Página 291
A única reação que Devlin me dá é uma leve tensão ao redor dos olhos
e a inclinação precisa de sua cabeça.
Minha garganta arde de arrependimento. No segundo em que as
palavras saem, eu gostaria de
poderia levá-los de volta. É um golpe baixo e cortante, mesmo para
mim. Depois de ver o
maneira como seus pais o tratam, eu não deveria ter dito isso. Essa raiva
nasce do
magoou papai instilado em mim, minha raiva é por ele acima de
qualquer outra pessoa, por ter deixado
e destruindo a felicidade da mamãe.
Abro a boca para me desculpar, dando um passo em direção a ele.
"Eu vejo." Essas duas palavras são cortantes e austeras, me paralisando
no lugar.
Isso ecoa no silêncio, destacando o quão pouco eu significo para ele.
Nada mais do que seu brinquedo pago. Um jogo para jogar e nada mais.
Tudo o que tínhamos era falso.
Eu fui tão estúpido em acreditar que este idiota cínico poderia amar uma
batida quebrada
menina do lado errado da cidade. Ingênuo esquecer o quão pouco posso
confiar
homens - no final, eles são todos iguais.
Soltando um suspiro aguado, vou até os painéis do armário ao longo da
parede,
abrindo aquele onde encontrei nosso contrato quando estava roubando
um dos
As camisas de Devlin para vestir. Pego a página da revista com nosso
acordo escrito
nele e gire para enfrentar Devlin. Eu soube quando descobri que ele
ainda tinha, em seu
quarto nada menos, que as coisas não tinham mudado.
Os olhos de Devlin se arregalam um pouco. Ele deve ter pensado que
eu não encontraria
o contrato. Estava prestes a acontecer - estou sempre roubando suas
roupas.
"Isto está acabado."
O som da página rasgando irrita meus ouvidos enquanto eu a rasgo na
frente de
ele. Meu peito arfa com a minha respiração agitada, sons roucos
escorregando
passando pelos meus lábios enquanto tento conter minhas
emoções. Estou em modo de sobrevivência,
não há tempo para lágrimas. Ainda não. Eu não posso quebrar até que
esteja em um espaço seguro,
onde eu posso me soltar e me sangrar desse sentimento desolador me
engolindo
inteira.
Devlin observa com desinteresse imparcial, olhos semicerrados. O
rasgado
Pedaços da página da revista caem no chão em uma agitação.
Parte de mim quer sair furiosa, mas não vou deixar meus livros para
trás. eu
tem mais roupa que deixei no trailer, as que estão aqui podem ficar. Eu
recolho o
tire as brochuras da mesa de cabeceira para os meus braços e vá para o
meu quarto. Devlin
segue, as mãos enterradas nos bolsos. Ele não diz nada para me impedir
como
Pego minha mochila e coloco meus livros dentro.
Ele penetra como agulhas em minhas terminações
nervosas. Ele não diz nada .

Página 292
Isso não mostra a verdade? Se ele se importasse, ele diria algo para
me impeça de me autodestruir.
As lágrimas que estou segurando vazam, mas ainda não consigo
quebrar. eu terminei
recolhendo os livros dos quartos, calce os sapatos e pare no topo
da escada com o saco pesado me pesando.
Há mais livros que deixei por toda a casa. O que não foi contado
pois o que mais dói é o meu livro favorito, aquele que li com a
mamãe. eu
não consigo encontrar Stardust em lugar nenhum e estou sem
tempo. Devlin está respirando para baixo
a parte de trás do meu pescoço.
Eu preciso sair daqui, para longe dele, antes que eu ceda aos fracos
chocalho em meu peito me implorando para ficar.
Empurrando-o para baixo, começo as etapas.
Uma mão no meu braço me impede. Eu olho para o punho de ferro de
Devlin
apertando meu bíceps com muita força. Há um tremor em sua mão.
"Você não pode me forçar a ficar aqui contra a minha vontade como se
eu fosse seu prisioneiro."
Minha voz está fria. É a única maneira que conheço de ficar forte para
que eu possa ir embora.
"Me deixar ir."
Devlin lança um escárnio zombeteiro, deixando cair meu braço. Ele
lateja, o eco de
seus dedos demorados. Minha pele pálida provavelmente carregará
seus hematomas.
"Este arranjo acabou então."
Hesito no topo da escada, olhando para trás. Ele poderia chamar a
polícia. Isto
foi a ameaça que me manteve sob seu controle no início, antes que eu
pensasse
mudado.
É uma consequência que terei de enfrentar mais tarde.
O olhar de Devlin é penetrante, não revelando nada. Mesmo quando eu
o odiava,
Eu podia ler nas entrelinhas de sua máscara cuidadosamente construída.
Agarrando a alça da minha mochila remendada, eu escapei.
Cada passo faz meu coração estalar, os pedaços quebrados caindo. Eu
não
chegar ao meu carro antes que as lágrimas atravessem a parede fina,
mantendo-as em
Baía.

Página 293
TRINTA E NOVE

Página 294

DEVLIN
Todos partem. Essa é minha verdade universal. Eu fui um idiota por
esquecer ou
acho que desta vez seria diferente.
Meu corpo se moveu sem minha permissão, segurando seu braço em
uma última vala
esforço, o instinto de pará-la, uma coisa inata que eu não conseguia
controlar.
Não importa o quanto eu me preparei para isso, a partida de Blair dói
mais
do que qualquer um que me abandonou antes.
E eu nunca mereci mais.

Página 295
QUARENTA

Página 296

BLAIR
Mamãe teve alta do hospital dois dias depois que voltei para o
reboque. Já faz uma semana, mas estamos convivendo com ela em
casa. O Real
o problema é como vamos pagar os medicamentos que os médicos
prescreveram para ela
doença auto-imune. Vai ser difícil para nós.
Pelo menos o aluguel do trailer é pago até o final do ano. eu encontrei
fora quando eu voltei. O presente de despedida de Devlin, eu acho.
Isso nos dá um pouco mais de um mês para descobrir algo.
Mais do que tudo na semana passada, odeio a dor doentia na minha
peito, aquele que grudou em minhas costelas como uma rebarba depois
da luta com Devlin. Isto
não percebi até que eu estava do lado de fora do trailer azul como as
coisas tinham
chega a uma parada brusca.
Arrependimento desliza em minhas entranhas todos os dias pelas coisas
horríveis que eu disse a ele.
Ele escondeu sua reação, mas devo tê-lo cortado para usar seus pais
horríveis contra
ele. Não sou menos monstro do que aquele que o acusei de ser.
Ver Devlin na escola é uma tortura nos dias em que ele decide
aparecer. Ele
não voltou a me atormentar, pelo menos. Os policiais não apareceram
para
me leve embora também. Estou começando a deixar minha raiva cair,
não mais
temendo minha prisão a qualquer segundo.
Através do inglês e do almoço, sinto o olhar inabalável de Devlin
penetrando
Eu. Parte de mim deseja - espera - que ele atravesse o refeitório e lute
para mim, ao invés de apenas me deixar ir.
Eu sou realmente tão fácil de jogar fora?
Devo ser, porque meu próprio pai fez isso.
Mas Devlin e eu não voltamos a nos odiar. Em vez disso, somos
preso em um limbo estranho e angustiante que dói tanto que mal posso

Página 297
respirar.
Eu tenho que fazer, no entanto. O que sou bom é ser um sobrevivente,
e preciso
ser um agora mais do que nunca. Para o meu futuro ... para a mamãe.
Quando eu faço ramen instantâneo para o jantar, meu estômago se
revira. Isso nunca
me incomodou antes, quando era a coisa básica que eu comia no jantar
à noite
Mamãe trabalhou até tarde na lanchonete. Agora, o caldo salgado com
cheiro de frango formiga
minhas narinas e envia uma onda de náusea por mim.
Eu agarro as laterais do balcão de fórmica rosa barata, respirando
continuamente para
acalmar meu estômago embrulhado.
O ramen instantâneo com sabor de frango é o meu favorito.
Então por que?
Talvez minha dose de alta vida tenha mexido demais com minhas
papilas gustativas.
Uma angústia amarga surge. E daí se Devlin tivesse uma boa comida
para comer?
Eu repreendo a fraqueza, me endurecendo de volta para a pessoa que eu
aperfeiçoei
desde que papai nos abandonou. Amassando meu rosto, dou uma
grande
pedaço de macarrão fumegante, acenando com a mão na frente da boca
quando é
muito quente.
“Ai, ai,” eu choramingo.
"O que está fazendo querido?" Mamãe sai do corredor.
"Nada", eu digo a ela em uma voz confusa. Fazendo uma careta, eu
engulo o
bocado. “Você deveria estar na cama, descansando. O médico enfatizou
como
importante é manter-se relaxado para não ter um surto ”.
O apavorante bipe de seu monitor de frequência cardíaca no hospital
assombra o
no fundo da minha mente com um eco dissonante quando a inflamação
ao redor dela
coração disparou alarmes de alerta para alertar a enfermeira de plantão
quando visitei pela última vez
semana de Ação de Graças.
Ela toca meu cabelo. "Tudo bem. Eu me sinto bem."
Eu levo meu ramen para o sofá e coloco meus pés na mesa de
café. "Dentro
nesse caso, quer ler comigo? ”
"Claro." Mamãe se senta ao meu lado, colocando os pés embaixo
dela. Ela
me dá um sorriso afetuoso que alivia um pouco da dor que esvazia meu
peito.

Página 298
Passaram-se apenas dois dias quando mamãe me deu outro
susto. Drenos de sangue
do meu rosto quando entro no trailer e a encontro caída no sofá,
segurando a cabeça dela.
"Mamãe? Mamãe! O que é - o que há de errado? " Eu corro para o lado
dela, pegando um
de suas mãos.
Ela estremece. "Dor de cabeça. Ainda não vai embora. ”
Merda. Ela teve essa dor de cabeça por mais de um dia, depois que ela
saiu para encontrar um
trabalho enquanto eu estava na escola. Mamãe aponta para os frascos
de comprimidos abertos na mesa,
três tipos diferentes para ajudar nas dores de cabeça.
"Vamos." Eu a ajudo a se levantar e a sento na mesa da cozinha,
agachada
ao lado de sua cadeira. "Nós vamos hoje à noite."
"Blair-"
"Não! Achamos que poderíamos sobreviver, mas você não se qualifica
para o
programa de assistência, desde que fiz dezoito anos e você perdeu seu
dinheiro extra
impulso de ter um dependente. Foda-se a dívida do papai agora, não
podemos deixar isso
mantenha-nos longe da ajuda de que você precisa, não importa o que
custe. ” Eu pego um esfarrapado
respiração. Minha voz fica baixa e rouca. "Eu não posso te perder."
“Oh, Blair. Eu não estou indo a lugar nenhum." Mamãe afasta meu
cabelo. "Eu estou
bem aqui com você. Se isso te faz sentir melhor, podemos ir à clínica.

Já conversamos um pouco sobre isso. Eu tenho dinheiro guardado, tudo
que eu
já recebido de Devlin. Está indo em direção a uma clínica na cidade que
tem
vários especialistas. Entrei em contato com eles e eles a recomendaram
para o centro deles quando expliquei que estava tentando cuidar dela
em casa, mas
não estava indo bem.
"Ok, então vou apenas fazer uma mala para você, pegar a cópia de seus
registros de
o hospital ... "Eu assinalo o que precisamos, a contagem mental
continuando em meu
cabeça.
Mamãe me impede de ir embora, os dedos enrolando em volta do meu
pulso.
"O que é?"
Uma tristeza cansada está clara em seus olhos e as rugas de idade em
seu rosto. Ela
acaricia o interior do meu pulso. "Nada. Eu só estava me perguntando
quando meu
menina ficou tão forte. Na maioria dos dias, sinto que você é a mãe e
eu ... ”
Eu seguro seu rosto e beijo sua testa antes de abraçá-la. "Eu amo Você,
Mamãe. Eu vou cuidar de você e de tudo o mais. ”
“Eu também te amo, Blair. Estou orgulhoso da mulher que você
cresceu. Então,
tão orgulhoso." A voz da mamãe falha e eu a aperto com mais força,
uma picada reveladora
meu nariz e olhos alertando sobre minhas próprias lágrimas iminentes.

Página 299
Enquanto faço uma mala para ela, não me sinto forte. Não sei como a
mamãe pode ser
orgulhoso de mim. Eu sou fraco, porque o único pensamento correndo
ao lado do meu
lista de tarefas mentais é o quanto eu quero que Devlin venha me ajudar
para que eu não tenha
para enfrentar isso sozinho. Uma exalação quebrada de lágrimas dos
meus pulmões. Eu me inclino contra o
parede no quarto da mamãe por um segundo, sentindo a profundidade
dos meus medos e
erros.
Depois de me dar trinta segundos para me sentir frágil e vulnerável, eu
engula e volte para o lado da mamãe.
A viagem não é longa. A decoração alegre do feriado subindo por aí
Ridgeview para dezembro está em conflito com os nós em meu
estômago. Nosso
o destino está no meio da cidade.
Na recepção, a recepcionista é doce. Ela leva a mamãe para um
área diferente enquanto preencho formulários e desembolso meu
dinheiro. O maço grosso
faz minhas mãos tremerem.
"Ah, me desculpe, Srta. Davis", a recepcionista me interrompe
enquanto estou
assinar o formulário de contato de emergência. “Você é baixo. Isso não
vai cobrir o
programa da clínica de que falamos. ”
O medo penetra em minhas entranhas e o afunda. Eu esfrego minha
testa. "Uh,
Certo. Quanto mais ...? ”
“Sem seguro, isso vai cobrir duas noites.”
Eu evito que meus olhos saltem por pura força. Jesus foda, isso é muito
dinheiro que entreguei.
"OK." Minha voz vacila. “Eu vou, hum. Eu voltarei com o resto em um
alguns dias."
O pânico surge em meu peito. Preciso de dinheiro e preciso agora.

Página 300
QUARENTA E UM

Página 301

BLAIR
Não há escolha. Se eu não fizer algo para conseguir dinheiro
imediatamente,
A saúde da mamãe está em sério perigo.
O caminho de volta para o trailer passa em um borrão enquanto meus
pensamentos correm.
Minhas opções são derrubar algumas lojas de conveniência perto do
interestadual, esperando que eles tenham o suficiente no caixa, ou a
única linha que eu nunca
estava disposto a cruzar. Pelo menos ... não para ninguém além de
Devlin. Meu coração partido
pontadas de dor ao pensar nele.
Não posso acreditar que estou de volta ao mesmo lugar em que estava
meses atrás. Exceto
roubar o carro de Devlin não funcionará desta vez.
Quando chego em casa, sento-me lá, cravando as unhas no volante.
O tempo está passando, pequeno ladrão .
Eu odeio minha voz interior. Por que sempre soa como Devlin?
Com um som mordido, eu entro de repente. Eu corro meus dedos pelo
meu cabelo
algumas vezes, colocando tudo em uma caixa bem protegida. Quando
eu sinto
entorpecido, eu faço o que tenho que fazer.
Demora vinte minutos. Eu paro na frente do espelho que venho
evitando
desde que me vesti, esfregando as pontas dos dedos. Tenho medo de
olhar, mas eu
faço isso de qualquer maneira, me forçando a enfrentar o que estou
fazendo de frente. É o único
maneira de colocar minha armadura mental no lugar.
A maquiagem que apliquei é mais espessa do que o normal, meus olhos
orlados de preto
forro alado para fazê-los parecer maiores. Um sorriso desinteressado
estende meu
lábios carnudos e vermelhos. Devlin diria que finalmente encaixei a
vibração do ladrão de gatos com o
estilo alado.
Meu cabelo cai sobre meus ombros, cobrindo parcialmente a malha
transparente
cubra com pequenos pontos. O sutiã de renda preta é visível por
baixo. Eu escolhi um

Página 302
saia curta de couro e o único par de meias que eu tenho - elas são cinza
transparente com
alguns buracos, mas eles vão me manter mais quente do frio no
ar. Nenhum
meus casacos exalam apelo sexual suficiente, então opto por um casaco
de lã grosso e comprido.
Enquanto eu olho para a nova fênix em que me transformei, guardo o
menina idealista por dentro que chora por cruzar essa linha.
Apoiando minhas mãos em cada lado do espelho encostado na parede,
eu
me dê uma conversa estimulante. “Anime-se. A vida não está indo do
seu jeito. o que
o que mais é novo? "
Eu pego o ônibus para a cidade, muito nervosa vou cair na tentação de
pular
de volta ao meu carro se eu tiver uma saída fácil. O motorista do ônibus
me dá uma lateral
olhar cheio de pena quando ela olha as meias rasgadas e a blusa
transparente
espreitando pela gola do cardigã, agarrei bem. Um homem que se dá
bem
na próxima parada, olha para mim, sem pressa, arrastando seu
repugnantemente aberto
olhe para cima minhas pernas.
No momento em que desço do ônibus, meu coração bate forte. Tudo ao
meu redor, Ridgeview
está explodindo com a alegria do feriado. Eu passo por uma vitrine na
rua principal com
folhas de azevinho pintadas e uma cena de neve nas montanhas
decorando o
exibição. Os madrugadores e planejadores movem-se para cima e para
baixo no bloco, pesados
para baixo por sacolas de compras e pacotes comprados a tempo para
as férias. Isto
não clica na minha cabeça que as pessoas possam ser tão felizes e
festivas quando meu
o mundo inteiro está desmoronando.
Cada passo na calçada estala, ecoando dos saltos que peguei
do armário da mamãe. É a trilha sonora do meu plano em pânico.
Eu tremo quando a brisa sopra. Está frio lá fora. A meia-calça e o
cardigã não
faça tudo o que eu esperava para me proteger do vento.
"Droga", murmuro, correndo um pouco em direção ao meu destino para
aquecer meu
corpo.
O problema de correr é que também me leva para onde estou indo
rapidamente.
Cinza e ácido sobem pela minha garganta quando me aproximo do
canto escuro do
periferia da faixa principal no meio de Ridgeview. É conhecido por
sexo
trabalhadores, perto o suficiente para atrair clientes e isolados pela
escuridão
envolvendo a rua estreita e proibida.
Hesito por um longo momento alguns metros antes de chegar à
esquina. Há
um café movimentado à minha esquerda. Seria tão fácil deslizar para
dentro da loja quente
e esqueça essa ideia estúpida.

Página 303
Isso é uma loucura. Tenho dezoito anos e sou bolsista. Eu puxo o casaco
de lã
mais apertado, cerrando os dentes.
Eu sou uma garota assustada sem outras opções.
Preparando-me para o quão doloroso isso será, eu faço meus pés se
moverem,
caminhando para o canto escuro. Homens como o do ônibus virão aqui.
Com alguma sorte, depois de uma noite assim, posso descobrir como as
meninas acabam sendo
Sugar Babies ou uma escolta. Esta cidade está cheia de residentes ricos
da classe alta.
Eles têm que pagar melhor.
É difícil engolir o nó na garganta quando passo por duas mulheres
perto da entrada da rua. Minha pele se arrepia quando ouço um gemido
fraco
para baixo, nas sombras escuras. Meus membros estão nervosos e
rígidos enquanto eu ando
nos saltos da minha mãe.
Outros trabalhadores me olham com compreensão,
simpatia, solidariedade em
seus olhares.
Uma respiração aguda fica presa na minha garganta quando encontro
um local aberto.
Disfarçadamente, eu espreito uma das mulheres próximas para ter uma
ideia do que
fazer, como ficar de pé para não gritar novato.
Com um esforço monumental, eu solto minhas mãos em garras do meu
cardigã, permitindo que se abrisse e caísse de um dos meus ombros. O
O frio gelado sobe pelas minhas pernas, movendo-se sobre a minha
barriga. Eu sufoco um arrepio e
inclino meu quadril para o lado quando um carro vira na rua em um
movimento lento. O
outros trabalhadores do quarteirão rondam, alguns até chamando o
carro.
Por aqui, querida .
Quer se divertir?
Bem aqui, baby, vou te dar o que você precisa .
Meu estômago se revolta. É tudo que posso fazer para manter meu
beicinho sexy no lugar.
Bem, espero que seja um beicinho sexy e não uma dica da confusão
acontecendo dentro de mim.
O carro para e uma garota que não parece muito mais velha do que eu
se inclina
o carro com um sorriso presunçoso enquanto fala com o homem
rechonchudo de meia-idade
atrás do volante.
Eu torço meus dedos para dentro e para fora da borda do cardigã,
torcendo-o para dentro
uma forma esticada. Deus, eu gostaria de não ter lutado com Devlin
agora.
O coração partido que tenho amamentado sem qualquer sinal de
recuperação dá um triste
baque de acordo, como se estivesse dizendo que você pensa, idiota?
Nunca senti como se estivesse vendendo meu corpo para Devlin.
O dinheiro que ele trocou para me tocar foi ... diferente. Como se fosse
dele
desculpa para chegar perto de mim. Mesmo que tudo isso fosse uma
mentira, meus sentimentos eram reais.

Página 304
Eles ainda estão.
Suportar a tempestade de Devlin foi mais fácil do que o inferno que
estou afundando
esta noite.
Um motor de som familiar rasga meu olhar em direção à rua
principal. Minhas
O pulso dispara ferozmente enquanto mantenho meus olhos atentos ao
Porsche vermelho.
É ele-?
A rotação do motor fica fraca, indo embora. Meu coração afunda.
Mais dois carros dirigem devagar pela rua sombreada, fazendo sexo
trabalhadores da marcenaria enquanto vendem seus produtos -
dobrando seus corpos,
franzindo os lábios, e mostrando um vislumbre provocador da coxa nua
para os Johns.
Estou criando coragem para falar com as meninas perto de mim quando
um carro passa
para uma parada não muito longe do meu lugar. O carro é bom, um
cinza gunmetal com brilho
faróis de halogênio. Quando a janela desce, o John acena para mim
com dois dedos. Terrivelmente, minha mente pisca com a memória do
meu pai
fazendo esse mesmo movimento.
"Venha aqui", o John chama em um barítono áspero e autoritário.
Minha pulsação troveja em meus ouvidos e minhas palmas ficam
úmidas. Eu forço o ar
em meus pulmões, ignorando que todo o meu corpo está
frio. Desbloqueando meu
joelhos trêmulos, dou um passo instável. Terror misturado com
determinação
guerras dentro de mim, mas meu modo de sobrevivência entra em ação
para me calar
Estou traindo.
Não consigo ver o interior do carro além dos vidros escuros, mas ele
está descansando um braço
na janela aberta. A camisa elegante parece cara.
Por favor, por favor, tenha muito dinheiro e nenhum pedido
excêntrico .
Talvez a magia das estrelas que eu costumava desejar esteja finalmente
fazendo efeito e
Recebi um Sugar Daddy que só quer que eu fique sentado fazendo
meu dever de casa na minha cueca. Olhando, mas nunca tocando. Sim,
certo .
Eu me pergunto se essa é a sensação de falha de órgão quando tropeço
em uma rachadura no
meio-fio. Eu balanço nos calcanhares enquanto dou passos rígidos para
fechar a curta distância
entre mim e o carro.
O John não é horrível, então é isso. Ele tem escuridão espessa
sobrancelhas, um queixo quadrado e uma carranca natural. Ele me olha
com um azul claro
olhos e eu pulo em ação, encostado na janela aberta.
“Uh, oi. Oi , ”eu repito, corrigindo meu tom tenso para algo
se aproximando abafado.
Os olhos do John caem para onde minhas mãos agarram sua janela
aberta em um
aperto de morte. Sua testa se contrai e eu salto para trás.

Página 305
"Desculpe. O que, hum, "Estou totalmente fodendo tudo, mas os nervos
à flor da pele
meu sistema está tornando difícil pensar "do que você gosta?"
O John me encara por mais um segundo, o silêncio se alongando.
Porra! Juntem-se!
Respirando sutilmente para não vomitar, agito minhas pestanas e espio
através deles, mordendo o canto do meu lábio. Espero que nenhum
batom vermelho acabe
em meus dentes. Eu sigo a coluna do meu pescoço, através do meu
mínimo
decote - obrigado, sutiã push up único da parte de trás do meu armário
- para baixo
o material transparente mostrando minha barriga, e coloco meus dedos
na parte superior
da minha saia de couro.
“Quer se divertir?”
Um suspiro resmungão soa do John. Ele me dá outra vez.
"O que você oferece?"
Merda. Não criei coragem para obter uma lista de serviços do outro
trabalhadoras do sexo no meio do meu surto.
"Ah, o que você quiser." A voz ofegante que uso me faz rolar meu
olhos internamente. Eu enrolo uma mecha de cabelo em volta do meu
dedo. “Veja algo que você
Como?"
Ele bate os dedos na coxa. “Eu não te vi por aqui
antes."
Tradução: meu fingimento até que eu faça bravata não é suficiente. Eu
tenho primeiro
cronômetro escrito em mim.
Eu dou a ele uma risadinha feminina, batendo minha mão. “Estou aqui
o tempo todo. Mas
se for a sua primeira vez, serei bom para você. ”
Derramar ácido na minha língua doeria menos do que proferir essas
palavras.
O John cantarola com ceticismo. “Você parece muito jovem. Quantos
anos você tem?"
Não consigo evitar que meus olhos se arregalem. Minhas unhas cravam
em minhas palmas.
“Vinte e um”, minto, embora não seja menor de idade. “Quero ir tomar
uma bebida
primeiro a se soltar? Então podemos ir a algum lugar privado. Hum,
como um hotel. ”
"Direito." O John não acredita nisso por um segundo. Ele abre a porta
e
sai. Ele é alto, uma figura imponente em uma camisa social, gravata e
calças de carvão. Apoiando a mão no telhado, ele se inclina para o meu
espaço. eu
encolher instintivamente. Algo muda em seu olhar e ele acena com a
cabeça. "Isso é
o que eu pensei."
“Mais ou menos a minha idade?”
"Senhorita, você está presa por solicitação e prostituição."

Página 306
Meu estômago embrulha. O que?! Eu pisco, fingindo uma risada
confiante. “Eu aposto com você
jogue isso com todas as meninas. Ouça, se você quiser usar restrições,
isso é extra. ”
Estou em plena atividade agora, criando uma história inteira. Eu imito
esfregando meus pulsos. "O
da última vez que um cara usou algemas em mim, zombou como uma
cadela. "
Ele me concede um olhar impressionado. “Eu não estou brincando. Eu
realmente não quero
para algemar você, mas eu o farei se você resistir à prisão. Entre no
carro. ”
Outra risada me deixa, esta bem menos confiante, tingida de pavor.
“Se você é policial, onde está seu distintivo?”
"Fora de serviço." Ele verifica o relógio, suspirando como se eu tivesse
causado um grande
inconveniência. "E atrasado para um jantar de bife pelo qual estou
ansioso."
“Quero ver o seu distintivo.”
Com um resmungo resmungado, ele pega sua carteira e abre, piscando
me o distintivo. Lançando um olhar desconfiado para ele, eu o agarro,
trazendo-o
perto para inspecionar se é falso. Diz Ridgeview Police Dept. na parte
superior
e Chief na parte inferior, enviando meu estômago em uma agitação de
pânico.
"É real." Ele pega de volta, deslizando a carteira no bolso.
A porra do chefe de polícia. Oh Deus, estou ferrado.
"Eu não vou com você." Um aperto desconfortável se instala em meus
pulmões.
Eu tropeço um passo para trás, perdendo o equilíbrio quando meu
calcanhar atinge uma pedra solta
na estrada. "Eu preciso, ah-!"
Ele me pega antes que eu caia com mãos grandes e fortes. Antes que eu
possa obter
para longe, ele gentilmente prende meus braços atrás das costas e me
guia para dentro do carro.
“Espere, não, por favor,” eu divago enquanto ele me deposita no assento
de couro.
O oficial me bloqueia, encostado no telhado com um suspiro. "Veja,
vamos tornar isso rápido e fácil, ok? Você é um pouco mais velho que
o meu
filha, e odeio ter que prender os mais novos. Eu não vou algemar você,
mas
em troca, você vai cooperar. Combinado?"
Um caroço do tamanho de uma pedra fica preso na minha garganta
quando tento engolir
para baixo o pânico. “Eu irei para a cadeia?”
O policial não responde. Ele franze a testa e fecha a porta do carro,
entrando no
banco da frente.
Enquanto dirigimos em direção à estação, eu mastigo minhas unhas. Eu
falhei. Lágrimas quentes
deslizar pelas minhas bochechas.
Finalmente estou sem truques. Desta vez não há fuga tranquila.

Página 307
QUARENTA E DOIS

Página 308

BLAIR
A luz na delegacia de polícia de Ridgeview é muito forte, o que torna
impossível
para me esconder do meu plano fracassado. Eu tive um rápido
vislumbre de mim mesma em um espelho
quando o chefe de polícia me trouxe. Meu estômago despencou com a
maneira como eu
parecia - exposto, destituído, desesperado.
Isso é o que ganho por vender minha alma.
Uma noite em uma cela sozinha, muito fria, cansada e sem opções.
Uma das minhas cutículas sangra de tanto mastigar a unha. Eu continuo
mexendo nisso.
A picada me lembra que estou aqui e vivo enquanto o tempo parece
passar lentamente
e em um ritmo rápido, tudo de uma vez. Não tenho como saber que
horas são. Como um
casino, não há janela e sem relógio.
Deixe os bons tempos rolarem ...
Exceto que tudo o que faz é me deixar com meus pensamentos
sombrios.
Devlin chamaria de psicológico por design, uma tática para permitir que
os criminosos
ensopado na gaiola até que estivessem prontos para quebrar sob
pressão.
Zombando, eu me enrolo no banco duro, dobrando meus joelhos
ossudos no meu
peito. Eu inclino minha testa contra eles, batendo minha cabeça com os
olhos
aparafusado com força. Não muda meu ambiente quando abro os olhos.
A parede de concreto e as barras de ferro com tinta branca lascada
fecham-se de
todos os lados, destilando uma sensação de não fuga. Não há uma
colher de plástico à vista.
Uma risada vazia sai de mim, sacudindo meus ombros. Eu esfrego meus
braços,
desejando que o guarda tivesse me deixado ficar com meu suéter. Este
top transparente não faz nada
para me manter aquecido.
Me apertando, me preocupo com mamãe. O que vou fazer? A clínica
precisa do dinheiro até amanhã para manter seu lugar. Droga, eu não
deveria ter
foi para as ruas. A gaiola de Devlin era muito mais confortável.

Página 309
Se eu não fosse tão cheio de orgulho teimoso, chateado com o contrato.
O único ruído na sala ecoante vem de mim. Se eu esticar meus ouvidos,
Eu não consigo ouvir nenhum som passando pela porta pesada que
separa o
segurando a área de cela do labirinto da estação além do corredor. eu
imagino
é exatamente assim que o purgatório parece. Iluminação fluorescente
dura, dura
assentos e uma vedação a vácuo na sala que o deixa sozinho com seu
pensamentos e seus gritos suplicantes, uma vez que o desespero cria
raízes.
Um soluço vacilante fica preso na minha garganta, soluçando até a
superfície de
lugar algum. Uma profunda sensação de desespero me preenche
enquanto desejo alguma maneira de sair do
esta.
Vamos, estrelas. Pela primeira vez, por favor, apenas ... faça o seu
trabalho.
Eu coloco meus dedos macios, roídos pelas unhas, debaixo dos meus
joelhos dobrados, desejando
a onda de emoção para diminuir. Algo que papai costumava dizer
aparece na minha
cabeça. Chorar é para desistentes . Meu lábio se curva em um rosnado
feroz.
Eu não sou um desistente, porra. Ele é o desistente caloteiro.
Não há tempo para lágrimas. Se eu não sair daqui logo, mamãe estará
em
dificuldade. Eu posso chorar quando eu arranjei meu caminho para sair
dessa bagunça.
O que você vai fazer?
Essa voz familiar e sarcástica precisa dar o fora da minha cabeça. Com
sua voz vem pensamentos de outras coisas, como o formato de seus
lábios carnudos quando
ele está satisfeito, a maneira como ele se enrosca em torno de mim na
cama, e a maneira como seus beijos
roubar meu fôlego.
“Ugh, seu idiota maldito,” eu murmuro, inclinando minha cabeça para
o teto insípido.
Todos os meus pensamentos miseráveis continuam prendendo
Devlin. Eu estou sentado em uma prisão
celular, enfrentando a única coisa de que tenho fugido todo esse tempo,
e ainda
não consigo parar de pensar nele. Sou patético ou o quê? É ridículo
como
facilmente alguém pode criar raízes em sua cabeça e em seu coração.
Eu gostaria de nunca ter encontrado o contrato em seu armário. Minha
garganta arde com
meu próximo pensamento - eu gostaria de ter discutido isso com ele
com a cabeça fria em vez
de assumir o que isso significava. Nunca dei a ele a chance de explicar.
A única maneira de avançar é engolir meu orgulho, suportando os
dentes do cacto
formigando ao longo da minha garganta todo o caminho.
Devlin é a única pessoa que conheço capaz de me tirar dessa
segurando a célula.
Eu preciso da ajuda dele. Se for preciso, vou implorar por isso. Eu
posso odiá-lo mais tarde.
Agora eu preciso dele.

Página 310
Eu lambo meus lábios. Mais do que isso, Devlin é a única pessoa que
sou mais
desesperado para ver esta noite que não seja a mamãe, porque quando
seus braços envolvem
ao meu redor, estou em casa.
Existem milhões de pessoas no mundo, e uma pessoa pode fazer você
sinta um espectro completo de emoções. Devlin me faz sentir vingança,
ressentimento, desejo, proteção e algo ainda mais mortal - amor. O
tipo de amor que é inevitável. Você não pode deixar de permitir que
isso o consuma.
É um amor que não precisa de regras, porque é o destino escrito nas
estrelas.
"Oh meu Deus", eu sussurro, olhando para além das barras da cela sem
ver
eles. "Eu amo ele."
Devlin me desafiou, fazendo-me sentir algo diferente do
esmagador peso da minha vida. Eu estava feliz com ele, e agora que se
foi,
há um grande buraco faltando em minha vida.
Eu amo ele .
A batida da porta no corredor me faz pular, assustado para fora do meu
revelação inoportuna. Por um minuto, meu intestino se agita com a
preocupação de que estou prestes
para conseguir um companheiro de cela. Eu espero, preparado para um
viciado em drogas ou um zangado
bêbado, mas ninguém vem.
Colocando meu rosto em minhas mãos, eu suspiro asperamente. Meu
coração se desdobra, dando
fora as leves pontadas de dor que sofreu. Eu sou igualmente responsável
pela dor
Eu me forcei a fugir em vez de enfrentar o que meu
coração já sabe há um tempo.
A questão é: se eu ligar, ele virá? Ele pode não me intimidar em
escola, mas senti algo intenso na maneira como seu olhar me rastreia.
Bem, se ele me odeia, merda. Eu preciso dele, mesmo que ainda esteja
com raiva.
Confiar em Devlin é um risco que vale a pena correr.
O que? Posso admitir que o amo, quero confiar nele e ainda estar
chateado com
ele. Um sorriso irônico puxa meus lábios enquanto passo meus dedos
pelo meu cabelo.
"Que bagunça quente." Ficando de pé, agarro as barras frias que
prendem
eu e espie a porta. Eu coloco meu braço pelas aberturas e aceno,
esperando
a imagem da câmera acima da porta irá alertar os guardas desatentos de
que preciso
eles. "Ei! Tem alguem ai Alôôôô! "
Demora dez minutos, mas finalmente a porta se abre. Eu deixo cair
minha queima
braço, grato por descansá-lo. Um policial corpulento em uniforme
caminha pela fileira de
segurando células com um sanduíche preso em seus dedos grossos.
Inclinando-me contra as barras, levanto minhas sobrancelhas. “Posso
receber minha ligação?”

Página 311
O policial mastiga por um longo minuto, me olhando de cima a
baixo. "Isso é
apenas no cinema. Eu não tenho que deixar você usar o telefone. ”
Meu queixo cai de surpresa. "Uh ... por favor?"
A vontade de me cobrir é forte, meu sutiã de renda agarrando o do cara
atenção. Eu endireito minha espinha em vez disso, desejando que ele
me faça um sólido.
"Sim, ok. Vamos." Sacudindo as chaves, ele desbloqueia o celular com
um
clangor metálico que soa como liberdade.
De alguma forma, quando eu passo pela soleira para o outro lado das
barras, eu
sinto mais leve.
O oficial de plantão me conduz pelo corredor com um aperto gorduroso
no meu
cotovelo. "Você memorizou o número?"
Meu coração gagueja, mas então está tudo bem. Por algum milagre, eu
tenho
O número de Devlin memorizado desde os primeiros dias do nosso
negócio, antes de eu
programei-o no meu telefone.
"Sim."
O labirinto da fileira de células de retenção se transforma em uma área
de escrivaninhas em
no centro de uma grande sala com dois escritórios nas traseiras.
“Ok, garoto. Aqui está." Ele acena um telefone de mesa para mim e o
apóia
um armário de arquivos. "Ligue para sua mãe."
"Obrigado." Um tremor de expectativa ansiosa percorre meus dedos
enquanto eu disco. Cada anel me faz afundar meus dentes mais
profundamente em meu lábio. "Pegar…
pegar…"
“ Quem é este? ”
Eu quase grito de alívio com sua voz profunda e curta. "Devlin."
A linha fica quieta por um segundo. “ Blair? ”
"Sim." Minhas mãos úmidas escorregam no telefone, o pulso
palpitando. Eu esmago
o receptor no meu ouvido. "Um oi."
“ Você está bem? Onde está você? Diga-me agora, estou indo buscá-
lo .
Cristo, tenho tentado encontrar você. ”
A emoção bloqueia minha garganta. "Você tem?"
Afinal, foi o Porsche dele que ouvi no início da noite? Eram tipo
ímãs, em desacordo uns com os outros quando estamos virados para o
lado errado, então
inegavelmente reunidos quando estamos corrigidos.
“ Sim. Diga-me onde você está . ”
“Eu estou no centro. Na, uh, delegacia de polícia. Você pode me pagar
a fiança? "
Devlin amaldiçoa. " Estou indo atrás de você, pequeno ladrão ."

Página 312
O ar sai dos meus pulmões com suas palavras. Meu mundo se realinha,
estalando
tudo em seu devido lugar. "Obrigada."

Página 313
QUARENTA E TRÊS

Página 314

DEVLIN
As estrelas não estão ajudando esta noite. Eles não o fazem há
dias. Estou começando a
acho que o único ritual que finalmente perdi a faísca que me fazia
continuar. Eu sento em
o telhado para escapar da casa cavernosa vazia, mas não está impedindo
o lento
sangrar para fora do meu coração. A maldita coisa não parou de escoar
vida desde Blair
saiu.
No começo eu estava com raiva, porque ela foi embora e porque eu não
a impedi.
O desespero surgiu como sombras assim que ela arrumou seus livros e
saiu com aquela bolsa de lona de merda pesando sobre ela. O resto dela
coisas estão aqui, me parando como minúsculas granadas sempre que
encontro algo de
dela.
Nos primeiros dias, tudo que eu conseguia pensar era como Blair era
exatamente como o
outros, prontos para fugir uma vez que ela conhecesse meu verdadeiro
eu porque eu também sou
difícil de amar debaixo da minha máscara.
Uma nuvem de fumaça passa pelos meus lábios na minha expiração. Eu
lanço o fim de
o cigarro com o polegar, sem vontade de fumá-lo. A nicotina não é
entorpecendo o constante latejar monótono de dor.
Eu fico pensando que vou caminhar pela sala ou pelo quarto e encontrá-
la
milagrosamente de volta, lendo um de seus livros. Dormir tornou-se
impossível. Tenho sorte se durar algumas horas por noite, se conseguir
descansar.
De alguma forma, é fácil se acostumar a compartilhar a cama, então
quando você se depara
com lençóis vazios e frios, a ausência é palpável.
Levou tudo em mim para não persegui-la na escola e beijá-la.
Hoje ela ficou espiando quando ela pensou que eu não estava
olhando. O
agitação endurecendo seus ombros me chamou, me implorando para ir
levá-la
preocupa-se.

Página 315
Estou tão cansado disso. Doente de segurar, de viver do jeito que eu
sou, fechado
fora de todos. Não suprime a decepção nem suaviza o golpe.
Por muito tempo, usei essa desculpa, fingindo que me tornava melhor
do que
meus demônios. Mas é uma merda para me proteger. No final, eu ainda
estou sozinho
e esquecido.
Meus lábios puxam para o lado em uma careta quando apago o cigarro.
Eu estraguei tudo pensando que poderia ter Blair tão facilmente sem
abordando como começamos em primeiro lugar.
As caixas que escondem tudo que eu tranquei estão quebrando, o
dor visceral vazando.
Meus dedos coçam para pentear o cabelo sedoso, macio e com cheiro
de baunilha. Sua
o cheiro desapareceu dos meus lençóis e comecei a andar por aí com
um pequeno
frasco de seu shampoo no meu bolso. Eu pego quando as coisas ficam
demais
muito, inalando enquanto eu imagino seus profundos olhos castanhos,
seus lábios, o jeito que ela
se encaixava perfeitamente em meus braços.
"Maldição", murmuro.
Esta sensação crua e dolorida me atormentando como uma doença é
uma droga e estou feito .
Foda-se essa desconfiança que meus pais criaram em mim. Eu terminei
com isso. Eu não vou
deixe isso me governar mais. Não quando isso poderia me fazer perder
a única coisa boa
na minha vida.
Eu sei quem vai fazer isso parar e é hora de eu ir buscá-la.
Chafurdar não a trará de volta. Eu preciso ir vê-la.
Ficando de pé, envio um grito selvagem para o céu. Minha garganta
esta seca,
áspero com desuso. Eu ofego, esfregando as bolsas tenras de exaustão
sob meus olhos inchados.
Minha respiração está curta enquanto subo pela janela. Cada nervo do
meu
corpo me estimula.
As coisas abstratas que desejo quando olho para as estrelas? Eu
encontro quando
Eu estou com ela.
Pela primeira vez em anos, percebi que preciso perseguir alguém em
vez
do que aceitar ser esquecido. Eu quero lutar pelo meu amor com Blair
porque
o coração dela é onde eu quero fazer minha casa. Mesmo que ela não
aceite o meu
amor, só preciso dizer a ela como me sinto. Se eu não o fizer, a
decadência comerá no meu
coração vai me matar.

Página 316
O trailer de Blair estava vazio quando cheguei lá. A preocupação me
incomodou quando eu vi
o carro dela estacionado na frente. Eu dirigi pela cidade a noite toda,
procurando. Ela
não estava no hospital, na biblioteca ou em qualquer um dos lugares por
onde passei.
Bishop fez o check-in para me informar que não a havia encontrado
depois que eu recrutei
ele para ajudar.
Pensei tê-la visto enquanto cruzava a rua principal da cidade, mas foi
lotado de compradores de férias e a garota desapareceu.
Quando meu telefone tocou com um número que não reconheci, fiquei
cético,
mas graças a Deus atendi e ouvi sua voz na linha.
Eu quebro cerca de quatro leis de trânsito diferentes para chegar à
estação. Faz parte de
a coleção de edifícios mais antigos da cidade, a arquitetura do Gold
Era do Rush que varreu a região.
Enquanto espero que Blair seja trazida, vou para o escritório do chefe
de polícia.
"Ele está fora esta noite." Um oficial de plantão noturno com manchas
de mostarda
seu colarinho inclina a cabeça para o escritório escuro com paredes de
vidro na parte de trás do
sala.
"Tudo bem, vou ligar para ele, então." Eu quase sorrio com a expressão
de olhos esbugalhados
oficial me dá. Eu pressiono o telefone no meu ouvido. “Ele é um grande
amigo meu
do tio. "
Tio Ed trouxe Lucas e eu para a delegacia muitas vezes quando
eram crianças. O chefe de polícia era tenente na época.
Chefe Landry atende no segundo toque enquanto eu faço meu caminho
de volta para o
frente da estação para esperar por Blair. “ Sim? Voce esta
interrompendo meu jantar,
então faça isso rápido. ”
“É Devlin Murphy. Sobrinho de Edward Saint. "
“ Devlin! Sua voz se torna jovial. “Como vai, filho? Eu ouço os coiotes
o time de futebol do colégio foi bem nesta temporada . ”
"Sim. Ouça, minha garota - alguém importante para mim foi pego
esta noite. Estou na delegacia para socorrê-la, mas quero saber o que
posso fazer
para garantir que a cobrança não vá para seu registro permanente. ” Eu
baixo minha voz,
olhando ao redor para verificar se ninguém ouve. "Tudo o que eu tenho
que fazer."
Eu nunca fui mais grato pelo interesse feroz de Bishop em
chantagem como estou neste momento. Ele desenterrou um boato
interessante
em torno da promoção do chefe de polícia de seu posto anterior.
O cão-chefe da Ridgeview fará favores pelo preço certo.
Não importa que Blair tenha me machucado ao partir. Vou lutar por ela
e dar
ela tudo o que ela deseja. Eu farei tudo ao meu alcance para garantir
que ela

Página 317
não quer sair de novo.
“ Oh, a garota que eu peguei na Red Hill Road? ”Seu tom torna-se
conhecedor.
Meu coração pula uma batida e eu respiro fundo. Morro Vermelho? É
onde
prostitutas pegam seus clientes. Porra. Blair, o que você estava
pensando em tomar
um risco assim? Velhos depravados rondam aquela rua escura e as
meninas são
conhecido por desaparecer. Algum desprezível poderia ter colocado as
mãos nela e ...
Cortei meus pensamentos circulares. "Sim. Sua."
“ Ela parece ser uma boa criança. Eu não fiz uma prisão oficial. eu era
vou deixá-la ir de manhã. ”
O alívio inunda meu sistema. “Bem, considere a fiança que eu paguei
uma generosa
doação para mantê-lo assim. ”
Chefe Landry ri. “ Você é igualzinho ao seu pai . Diga ao seu tio que
eu disse
Eu o verei na noite de pôquer . ”
A linha fica muda. Franzindo a testa, coloco o telefone de volta no
bolso.
Ser comparado ao meu pai não é um elogio brilhante.
Blair aparece através de uma divisória transparente, aceitando um saco
com suas coisas
antes que ela seja autorizada a passar pela porta. Preciso de todo o meu
controle para não ficar boquiaberto
em sua roupa minúscula - a blusa transparente com pequenos pontos
dando a provocação perfeita
vista de seu sutiã preto rendado. Nós nos encaramos por um
momento. Meus dedos
estremecer com o desejo de puxá-la contra meu peito e nunca deixá-la
ir.
"Vamos sair daqui." Blair olha para os policiais com uma pequena
carranca e
começa para a porta.
Lá fora, o ar fresco do inverno sopra pelo vale. Blair estremece, ela
braços estourando em arrepios. Ela encolhe os ombros em seu cardigã,
embrulhando-o
em torno de si mesma e cobrindo a visão tentadora de seu corpo.
Eu destranco o Vermelho, estaciono em frente à estação, e abro o
passageiro
porta. Olhando para cima, encontro Blair caminhando pela calçada em
direção ao ônibus
estação.
“Blair. Onde você está indo?"
Ela faz uma pausa, meio se virando. Uma expressão de desejo
permanece em seu rosto
quando ela me encontra segurando a porta aberta, esperando por ela. Ela
a preocupa
lábio e gestos atrás dela.
“Peguei o ônibus para a cidade.”
"Eu sei, eu vi seu carro quando fui para sua casa."
"Você fez?"
Eu fecho a distância entre nós e lustro seus braços quando ela
estremece de frio. “Eu disse a você, anjo. Estive procurando por todos
vocês

Página 318
noite. Há muito que preciso lhe contar. ”
Tudo em mim grita para tirar a tristeza de Blair
expressão. Ela se inclina ao meu toque, fazendo um pequeno som. Uma
sugestão de
baunilha formiga em meu nariz.
"Deixe-me te dar uma carona."
Blair passa os dentes pelo lábio. "OK."
Envolvendo meu braço em volta dos ombros dela, eu a levo de volta
para o carro.
Quando eu entro, eu ligo o aquecedor e clico nos aquecedores de
assento. Blair sopra
respiração em suas mãos e me lança um olhar agradecido.
"Obrigado, está frio pra caralho na cela."
Uma risada curta sai de mim. "Pequeno criminoso."
"O verdadeiro negócio agora."
"Você sempre foi o verdadeiro negócio." Eu levanto minha sobrancelha
enquanto ligo o motor.
"Desta vez, você foi pego."
O conflito distorce as características de Blair. “Eles não falaram nada
sobre vir
de volta para uma data no tribunal. ”
"Eles não vão."
Sua cabeça se vira para mim. "O que você quer dizer?"
“Eu conheço o chefe. Ele é um bom amigo do tio Ed. Eu liguei para ele
antes
você saiu. Não foi oficial, então não vai para seu registro. Ele disse que
ele
não ia te segurar. "
O alívio derrete suas feições quando ela cai para trás contra o assento
de couro.
"Graças a Deus."
Agora que a tenho comigo, segura no carro, a onda de proteção
surtos. Eu permito que alguns minutos se passem antes que eu não possa
segurar mais.
"Por que você fez isso?"
Blair mexe nas unhas roídas. "Ser preso?"
“Vamos, Blair. Não brinque comigo. O que você fez foi perigoso. ”
Ela zomba. “Andar na rua à noite? Toda mulher vive isso
realidade."
Eu aperto o volante com mais força. "Sim, mas você saiu em busca de
problemas por
caminhando pela Red Hill Road. Você tem sorte de ter sido o chefe
Landry e não
algum filho da puta doente que sequestra prostitutas ... ”
" Profissionais do sexo " , interrompe Blair para corrigir.
Deus, eu perdi sua luta. "Multar. Meu ponto é válido. ”
"Multar." Blair suspira. "Eu não quero brigar por isso."

Página 319
"Eu também não quero." Manter minhas mãos para mim mesmo é um
desafio
quando tudo que eu quero fazer é colocar minha mão na coxa dela, tocá-
la e sentir isso
ela está bem. "Desculpe. Apenas ... me diga por que você fez isso? "
"Eu precisei." Ela se mexe na cadeira para olhar meu perfil enquanto
dirijo. "Minhas
a saúde da mãe não está boa. É pior do que quando fui morar com você.

"Eu pensei que ela tinha alta?"
“Ela era, mas os medicamentos prescritos são difíceis de pagar sem
seguro." Blair enfia o cabelo atrás da orelha. “Peguei o que tinha
guardado e
a levei para esta clínica com a qual tenho conversado. Ela está lá agora,
mas o dinheiro
você me deu não é suficiente. A clínica é ... cara. ”
Uma faixa se fecha em volta do meu peito. "Clínica? Novos
horizontes?"
"Sim, é esse mesmo."
Bem, merda. Blair levou Macy para a melhor clínica médica do país -
aquele que meus pais são famosos por começar.
"Não se preocupe. Sobre qualquer coisa, ok? "
“Devlin, eu não posso. Ainda temos a dívida do meu pai e seguro
as empresas não aceitam a condição da minha mãe como segurável. ”
“Essa clínica é dos meus pais. Eu cuidarei disso. Por favor, deixe-me
ajudar. ”
Uma respiração instável sibila por entre seus dentes. “Mas ... eu não
quero ser um
caso de caridade."
"Por favor, Blair." Esta é a coisa certa a fazer. “Olha, você pode me
pagar
voltar. Como assim? Combinado?"
Ela parece preparada para continuar protestando como a pequena
cabeça-dura teimosa.
amor.
"Eu só quero cuidar de você."
- Tudo bem - murmura Blair. "Obrigada. Por ter vindo me pegar, e por
sua ajuda."
Lambendo meus lábios, admito uma das coisas que preciso dizer a
ela. “Eu perseguiria
você em qualquer lugar, Blair. Eu não existo sem você. ”
Sua respiração engata e seus olhos se arregalam. Tem algo diferente
brilhando neles. “Devlin…”
Eu reprimo o desejo de esconder o momento de vulnerabilidade atrás
de uma mortalha.
Em vez disso, eu a deixo ver minhas partes cruas quando dou a ela um
olhar aberto.
Blair se prepara, sua língua rosa se lançando para umedecer os
lábios. "Eu estou
Desculpe. Deus, sinto muito pelo que disse sobre seus pais. ” Com um
hesitante
movimento, ela estende a mão e pressiona os dedos no meu ombro. “Eu
não
significa."

Página 320
"Eu sei." Minha voz sai rouca. “Eu também sinto muito. Eu nunca quis
fazer você se sentir assim. Eu fui um idiota. ” Eu estendo minha mão,
oferecendo a
ela para tomar. Ela olha para baixo. "Se você quiser. Você não tem que
fazer nada
você não quer. Mas sou louco por você e quero que estejamos juntos. ”
Blair agarra minha mão com força. Seu toque é como um bálsamo para
minha alma crua.
É a primeira vez que me sinto enraizada em dias. Um som áspero me
deixa e Blair
faz um som suave de resposta enquanto ela agarra minha mão.
Com uma voz rouca, pergunto: "Para onde?"
"Hmm?"
Com a outra mão apoiada no topo do volante, gesticulo algumas luzes
à frente. Uma direção nos leva montanha acima e a outra serpenteia
o vale em direção ao estacionamento de trailers.
"Casa." O olhar penetrante que ela lança em meu caminho puxa as
cordas do meu coração.
- Não diga isso se não for sincero, Blair.
Ela aperta minha mão. "Quero dizer. Eu não quero ficar sozinho esta
noite.
Lar é quando estou com você. ”
Um sorriso suave curva meus lábios. Meu coração de pedra fraturado
se funde de volta
juntos, uma borda irregular de cada vez. "OK. Está em casa. ”
Página 321
QUARENTA E QUATRO

Página 322

DEVLIN
É surreal quando voltamos para casa. Minha mão paira na parte
pequena de
Blair está de volta quando entramos pela garagem. É algo que fizemos
um
cem vezes quando ela morava comigo, deixando uma pontada agridoce
na minha
ossos.
Blair toma banho e entra no meu quarto, onde espero por ela. Ela é
vestindo uma das minhas camisas henley. A camisa cinza está solta
nela, o top
botão aberto, as mangas enroladas e o decote pendendo precariamente
de um ombro. Atinge o meio da coxa e o topo de seu sutiã aparece.
É preciso uma quantidade absurda de força de vontade para manter
minhas mãos longe de mim
quando tudo que eu desejo fazer é envolver Blair e colocá-la de volta
no meu coração, onde
ela pertence.
Respirando fundo, apago a distância entre nós. "Sentir-se melhor?"
"Muito." Sua boca se abre em um sorriso torto. “Agora que estou fora
o slammer, sou como uma nova mulher. Estou pensando em escrever
um livro de memórias
nas lições que a prisão me ensinou. ”
Eu rio, segurando seus ombros para trazê-la para mais perto. Parece
certo para
tê-la de volta no meu quarto. Eu preciso mantê-la neste momento. Vou
fazer de tudo para
ser digno o suficiente para merecê-la.
Um rosnado alto soa. Blair torce o nariz, juntando as sardas
espalhados pela ponte. Ela cobre o estômago com uma das
mãos. "Como
você gostaria de pedir alguma coisa? Eu não jantei. ”
Um som divertido sai de mim. "Vou fazer o pedido e pegá-lo." Eu deixo
cair
um beijo suave em sua têmpora. "Eu volto em breve. Eu tenho algumas
coisas para
cuide de."

Página 323
Antes de eu ir longe, Blair puxa minha camisa com um som vulnerável.
"Esperar."
Há uma necessidade em seus olhos. Ele responde o correspondente em
meu peito.
Sem palavras, chegamos juntos, nós dois puxando até que nossos lábios
se conectem
em um beijo carinhoso.
O mundo se endireita. Beijar Blair preenche a caverna vazia em meu
peito.
Ambos liberamos sons desesperados enquanto nos abraçamos. Eu
quero nada
mais do que aprofundar o beijo, deitá-la na minha cama e fazê-la sentir
Boa. Primeiro, há algo que preciso fazer.
"Espere por mim. Eu volto em breve."
No caminho de volta da clínica, ligo para o número do papai. É melhor
ele atender. eu
não liguei ou mandei mensagem para ele desde o Dia de Ação de
Graças, sem interesse em tentar
fingir que temos uma relação pai-filho que vale a pena recuperar.
Na clínica, a recepcionista me encarou com os olhos arregalados
enquanto copiava
minhas informações para o arquivo da Macy da minha
licença. "Murphy como em ..."
as feições se esticaram com sua pergunta silenciosa.
"Sim." Assinei o formulário de autorização de pagamento eletrônico
para pagar o
saldo pendente para manter Macy na New Horizons.
Papai realmente atende o telefone com um curto, “ Alô? ”
"Pai. É Devlin. ” Ele resmunga na linha. Prick . “Um novo paciente
check-in em sua clínica hoje à noite. Doença auto-imune."
“ Oh? “Eu odeio o interesse que se destaca em sua voz. Trunfos da
medicina
porra de decência humana. “ Como você sabe disso? ”
"Ela é a mãe da minha namorada."
“ Sua namorada? ”
"Sim, pai", eu digo enquanto puxo pelo portão e estaciono na circular
dirigir. “Eu tentei te apresentar antes, lembra? Essa é uma das coisas
você saberia sobre mim se você se importasse em falar com seu filho
sobre mais do que o seu
expectativas de carreira para mim. Você sabe, como um verdadeiro pai.

" Eu sou seu pai verdadeiro ."
"Você está?" A raiva reprimida que sufoquei durante anos ondula em
meu peito. eu
bater minha mão no volante. “Besteira, velho. Tio Ed e Tia Lottie
têm sido melhores pais para mim do que você e mamãe. ”

Página 324
A verdade queima meus pulmões. Eu tive pais minha vida toda, eles
apenas
não eram meus pais biológicos.
“ Agora ouça aqui, Devlin! ”
"Não, pai!" Eu apunhalo um dedo contra o couro do volante. "De uma
vez,
você escuta! Você está tão obcecado com sua carreira que nem
consegue ver você
perdi minha vida inteira. Eu não te pedi nada, mesmo que você
ambos me abandonaram. ”
“ Você está errado. Sua mãe e eu demos a você a oportunidade de
continue nosso trabalho e— ”
Uma risada vazia me arranca. "Você está brincando? Você ouve o que
você está dizendo?" Eu passo meus dedos pelo meu cabelo. “Você me
deixou para o
babás e irmã da mamãe. A única vez que você presta atenção em mim
é para
curso correto se eu me desviar das expectativas da escola de medicina
que você reprime
minha garganta. Por que você teve um filho se queria tanto trabalhar? ”
Meu grito bruto ecoa no carro.
Papai fica quieto na linha por um minuto. " Sua mãe, ela ... "
“Não se preocupe. Não é como se eu não pudesse adivinhar. " Soprando
um
respiração irregular, eu corto todos os vestígios de esperança com os
quais meus pais se preocupam
Eu. É libertador, de certa forma, para deixar ir os fios quebrados que eu
tenho agarrado
para. Eu não preciso deles. Eu tenho uma família - Blair, minha tia e
meu tio, Lucas,
Gemma e Bishop. Eu não preciso de mais ninguém. “Você queria que
eu fosse um homem
tão ruim, crescer e ser independente, bem, isso sou eu fazendo isso. ”
“ Gritando comigo como uma criança? A aversão na voz de papai é
risível.
Cristo, quem o deixou procriar? A maneira isolada e clínica que ele
a abordagem da paternidade está errada. Cada um dos meus livros de
psicologia no
assunto soa verdadeiro quanto à importância durante os estágios
principais de desenvolvimento.
"Não." Minha voz é fria e autoritária. “Macy Davis. Ela é a
paciente. Quero que você aceite o caso ou recomende um especialista.

“ O que te dá o direito de me dar ordens ou tomar decisões médicas
em nome de outra pessoa? ”
Eu cerro meus dentes. “Toda a minha existência. Eu mereço
retribuição,
mas, em vez disso, é tudo o que estou pedindo. Pegue o caso desta
mulher e ajude-a. ”
“ Por que você se preocupa com isso? ”
Uma dor surda lateja atrás do meu olho. “Porque a filha dela é minha
namorada e sua mãe é a porra do mundo dela - algo que você
nunca entendo! Esta é a garota que eu amo. Ela é minha família. Meu
universo. eu vou

Página 325
fazer de tudo para protegê-la e cuidar dela. Se você não fizer isso, eu
irei para
você, meu velho. Nós temos um acordo?"
Papai fica em silêncio por um longo período. Eu considero ameaçar
algo
mais drástico para fazê-lo obedecer.
“ Muito bem. ”
Eu pisco para fora do meu sonho diurno sobre desenterrar chantagem
para enterrar o seu
carreira com. "Bom."
“ Quais são seus planos em relação ao seu futuro? ”
Eu coloco o telefone na frente do meu rosto para rosnar meu
ponto. “Qualquer coisa que eu
quero, porra, porque é a minha vida, não a sua. "
Eu desligo antes que ele possa coagular meu sangue. Foi bom
finalmente me levantar
para ele. Eu não preciso de nenhum deles. Faz um tempo que não. Entre
o meu
gestor de investimentos e financeiro, não tenho uso para suas despesas
mensais
conta mais.
O que eu queria deles nunca foi dinheiro. Foi só o último
desejos persistentes de um garotinho solitário sentindo falta do amor de
seus pais,
esperando que eles notassem ou se importassem. Eu tenho a única
família que importa para mim e
não os inclui mais.
Com esse problema resolvido, posso finalmente ir para Blair.

Página 326
QUARENTA E CINCO

Página 327

BLAIR
Enquanto Devlin está fora, a sensação de conforto me atinge com força
enquanto estou no
meio de seu - nosso - quarto . Eu vou para o lado dele da cama,
correndo meu
dedos sobre o travesseiro. A pilha de textos de psicologia está presente
e
outro livro, que faz meu coração disparar.
Stardust fica ao lado dos livros de Devlin, resgatado de onde eu o havia
deixado
antes de sair de casa quando lutamos.
Isso me faz querer pedir desculpas a ele com mais do que palavras, para
fazer as pazes
por lutar com ele, e agradecer a ele por vir me salvar quando eu precisei
ele.
Eu costumava pensar que Devlin não era nada mais do que um mal, sem
emoção,
idiota manipulador.
Mas ele não é isso. Ele é seletivo sobre as pessoas que permite que
vejam o
ele real, mantendo aqueles que não importam à distância com palavras
cruéis.
Devlin é alguém que anseia pela magia das estrelas porque uma
garotinha
deu-lhe esperança quando ele precisava. Debaixo da dor aguda ele está
envolto
ele mesmo, Devlin é um homem que ama ferozmente com todo o seu
coração.
Eu o amo, tudo dele.
De suas arestas afiadas a seus encantos ocultos.
Seu coração é minha casa. Nunca mais quero sair disso.
Os suprimentos que comprei semanas atrás para uma reforma especial
no quarto aparecem
minha cabeça. "Sim!"
Correndo para o meu antigo quarto, eu vasculho o armário, onde eu
empurrei
as luzes da corda e estrelas de plástico se afastam. Eles estão enfiados
nas costas, atrás de um
pilha de cobertores extras. Um calor terno enche meu peito quando
começo.
Eu dei a Devlin minhas estrelas uma vez. É hora de eu dar a ele
novamente.

Página 328
No quarto, penduro o fio de pequenas luzes em forma de estrela sobre
a cama.
Ele lança um brilho dourado nos travesseiros. Eu coloco o brilho de
plástico no escuro
estrelas na parede, focalizando-as na cabeceira da cama e espalhando o
galáxia de minha própria criação ao longo da parede. Eles têm formas
diferentes, alguns
grandes e alguns pequenos.
Estou me alongando ao meu limite, de pé na cama para chegar ao teto
para
dar os toques finais em minha surpresa.
Uma risada silenciosa soa atrás de mim, seguida por uma voz
sarcástica. "Voltar
em casa por cinco minutos e você já está redecorando? ”
Eu pulo, girando para encontrar Devlin encostado na porta,
assistindo.
"Quanto tempo voce esteve lá?"
"Alguns minutos. Eu estava gostando da vista. ” Seu olhar desce pelo
meu
corpo. "O que é tudo isso?"
Eu aponto para as estrelas. "Você gosta disso? Eu planejei isso um
tempo atrás,
na realidade. Eles brilham no escuro. ”
Devlin cantarola, observando a nova decoração. "Sim. Você trouxe as
estrelas
lado de dentro."
"Eu fiz." Uma vibração faz cócegas em meu estômago por dentro. "Eu
queria que você
sempre tenha as estrelas acima para que você possa sussurrar seus
desejos para eles. ”
Os cantos dos olhos de Devlin se enrugam e suas covinhas aparecem
com seu
sorriso surpreso. "Vocês…"
Ele atravessa a sala e agarra minha cintura. Com um puxão suave, ele
guia
eu de joelhos, então estamos mais perto da altura. Nossas testas se
tocam.
"Eu te amo", eu sussurro.
Devlin envolve seus braços em volta de mim e captura minha boca em
um doce,
beijo profundo que rouba meu fôlego. Nós nos beijamos longa e
lentamente, sem propósito
além de sentir. Quando nos separamos, Devlin encontra meus olhos.
"Eu necessito te dizer."
Ele disse que estava procurando por mim esta noite porque tinha coisas
para
dizer.
"Diga-me."
Devlin traça as sardas espalhadas pelo meu nariz. Sua testa enruga e
Eu chego para alisá-lo.
"Doeu quando você saiu." Abro a boca, mas ele balança a cabeça. "Isto
dói sempre que alguém sai. Acho que começou quando meus pais eram
bonitos
muito me desistiu em favor de seu trabalho. As pessoas continuavam
saindo, então eu construí um

Página 329
escudo. Eu parei de deixar as pessoas entrarem, parei de me preocupar
com elas, então quando elas
inevitavelmente deixado, isso não me incomodaria. Mas, no fundo,
sim. Não fica
enterrado para sempre. ”
Um pequeno som me escapa. A boca de Devlin se contorce em um
rápido
careta. Ele se senta na cama e me puxa para seu colo, me segurando
feche enquanto ele continua.
"Eu sou assim há tanto tempo, quando você cavou seu caminho em meu
coração,
isso me assustou. Eu era muito ganancioso. Eu só - eu queria muito
porque parei
de sentir essas coisas. Eu estava bêbado de você. "
Eu coloco minha cabeça em seu ombro, beijando seu pescoço. Devlin
ronca, deslizando
seus dedos sob a bainha da camisa henley para traçar meu quadril.
"Sinto muito pelas coisas que fiz para machucar você." Ele lambe os
lábios. "Tudo que eu quero
fazer é ser digno do seu coração. ”
Devlin remexe nos bolsos da calça jeans, tirando um papel dobrado. Ele
entrega para mim. Meus olhos se arregalam enquanto leio as palavras. É
de longo prazo
papelada de admissão para minha mãe na clínica, paga integralmente e
delineando um
programa especializado para pacientes com doenças como a da mamãe.
Eu me sento "Você - Devlin, você fez isso?"
“Eu te disse, é a clínica dos meus pais. Liguei para meu pai. Eles vão
levar bem
cuidar dela. Ela terá o melhor tratamento. ”
Meu coração bate forte quando uma onda de emoção brota de dentro de
mim. eu
jogar meus braços em volta do pescoço dele. "Obrigada."
Devlin encosta a testa no meu ombro. “Você é minha estrela cadente.
Meus desejos se realizam quando estou com você. ” Ele vira o rosto,
roçando seu
boca no meu pescoço. "Meu coração pertence a você."
Meus lábios se abrem e eu o beijo novamente, me perdendo no jeito que
nós
entrelaçar. Ele faz um som baixo e eu me movo para montá-lo,
sentindo-o
endurecer entre minhas pernas enquanto nos movemos. Meus dedos
deslizam em seu cabelo e nosso
beijo se aprofunda. Ele explora languidamente, arrastando as palmas
das mãos sobre a minha
coxas, por cima do meu traseiro e pela minha espinha debaixo de sua
camisa.
"Por favor", murmuro. "Quero você. Eu preciso sentir você agora. "
"Sim." Devlin não interrompe o beijo enquanto seus braços se prendem
em volta de mim,
puxando-me ainda mais para o colchão enquanto ele se deita.
Seus sapatos batem no chão enquanto eu coloco suas roupas. Ele desliza
as mãos
para cima dos meus lados, tirando sua camisa de henley do meu corpo
e desfazendo meu sutiã
com um movimento habilidoso. Assim que cai, ele geme, curvando-se
para chupar um dos

Página 330
meus mamilos em sua boca. Sua língua sacode, me fazendo tremer em
seus braços.
Minha cabeça cai para trás enquanto ele se move para o lado
negligenciado, beliscando o primeiro.
O movimento de sua língua me faz resistir, esmagando seu corpo rígido
comprimento. Estamos apenas de cueca e não preciso que haja barreiras
entre
nós.
“Dev, por favor. Eu quero sentir você por dentro. ”
Ele libera meu mamilo para me beijar. “Paciência, anjo. Vou tirar
meu tempo, foda-se longo e devagar até que tocamos cada centímetro
de cada
outro."
Uma respiração divertida me deixa enquanto eu me esfrego nele. “Eu
só estive fora,
tipo, uma semana. ”
"Pareceu mais uma vida", Devlin resmunga contra a pele sensível
do meu pescoço. Seus dedos mergulham na parte de trás da minha
calcinha, apertando minha
bunda. A ponta do dedo médio brinca entre as bochechas.
"Uh, Dev?" Minha voz é gutural quando ele se contorce embaixo de
mim, pressionando
seu pau em meu clitóris latejante. Ao mesmo tempo, ele esfrega o dedo
meu buraco enrugado. Eu deixo cair minha cabeça para trás, os lábios
entreabertos em um suspiro. "Quando você
diga cada centímetro ...? "
Com uma risada grave, Devlin nos vira para que eu fique de costas. Ele
monta
meus quadris e prendem meus pulsos acima da cabeça enquanto seus
dentes mordem a coluna de
minha garganta. Eu me levanto para encontrá-lo, meu corpo vibrando
com seu toque.
“Quero dizer cada centímetro. Vai ser uma longa noite. ”
"Sim, eu também quero isso." Eu mordo meu lábio enquanto ele se
move para baixo, descascando meu
cueca para baixo enquanto ele se estabelece entre as minhas pernas
abertas.
“Mantenha essas mãos onde eu as deixei.” Devlin aparece. Não deveria
parece sexy como o inferno, mas é. A curva perversa de sua boca, o
brilho em
seus olhos, e a sugestão de travessura em seu tom profundo enquanto
ele sussurra, pairando
sua boca sobre minha boceta, tudo me faz tremer de prazer diante dele
boca desce onde eu preciso dele. "Vou fazer você se sentir tão bem."
No primeiro golpe da língua de Devlin em meu clitóris pulsante, eu
grito,
fechando minhas mãos nos lençóis. Ele rosna, lambendo e chupando
minha boceta. Ele
me leva ao orgasmo tão rápido que fico tonta.
“Mm, é isso, bebê. Você está pronto? Vai ser assim a noite toda.
Não vou parar até fazer você desmaiar de tanto gozar. "
"Ah!" Eu gemo enquanto os dedos de Devlin provocam minha entrada
antes de afundar
lado de dentro. Ele os enrola, me acariciando e me fodendo em seus
dedos. "Sim!"

Página 331
Eu choramingo quando Devlin levanta a boca do meu clitóris quando
estou perto de
outro orgasmo, mas então ele está de volta, me funcionando
perfeitamente.
Seu polegar liso massageia minha bunda, circulando com uma pressão
suave. Parece
tão bom quanto eu relaxo de volta na cama. Seu polegar desliza pelos
músculos tensos,
trabalhando na minha bunda enquanto ele enfia os dedos na minha
vagina. Meu corpo zumbe
com o prazer da língua e dos dedos de Devlin. Devlin mexendo os
dedos
e o polegar em um ritmo tortuoso e calmo enquanto ele lambe meu
clitóris, o eufórico
construção de sensações.
Devlin me preenche, minha boceta e minha bunda apertando em seus
dedos.
"Por favor mais! Estou perto, eu só preciso ... ”Devlin cantarola contra
minha boceta,
pressionando sua língua com mais força enquanto ele enfia os dedos no
ponto ideal
no fundo do meu núcleo que me empurra para o limite. Minhas costas
se curvam enquanto eu grito.
"Ah, Deus, sim!"
"Só eu, baby," Devlin murmura enquanto ele trabalha seus dedos
perfeitamente,
saber como me tocar para manter meu orgasmo. "Só eu."
"Só você", repito em um sussurro áspero.
Devlin puxa seus dedos livres e sobe na cama para me beijar. eu gemo
em sua boca quando seu pau desliza contra minhas dobras lisas. Leva
esforço monumental para manter minhas mãos presas à cama quando
tudo que eu quero é
toque ele. Devlin termina o beijo e se inclina, recuperando um
preservativo do
criado-mudo.
"Por favor." Eu flexiono meus dedos, olhando para cima.
Um sorriso afetuoso aparece no rosto de Devlin. "Me toque baby."
Eu sorrio enquanto me sento, patinando minhas palmas sobre os
músculos rígidos e lisos
pele, prestando atenção especial ao aglomerado de estrelas cadentes
com tinta abaixo
O coração de Devlin. Minhas unhas curtas arrastam levemente em seu
peito. Eu saboreio o caminho
seus olhos semicerrados e sua cabeça ligeiramente inclinada para
trás. Eu pego o preservativo de
Devlin e acaricie seu pênis, encontrando seu olhar intenso. Abrindo
meus lábios, eu pego
ele em minha boca, sugando o eixo e subindo de volta.
“Foda-se,” Devlin geme, sua mão segurando a parte de trás da minha
cabeça. Ele
enfia os dedos no meu cabelo, massageando suavemente. "Tão
bom. Você é
perfeito."
Eu retiro e abro o preservativo, rolando-o em seu pau. Ele inclina meu
queixo
levanta e me beija. Eu caio de volta para os lençóis e Devlin segue,
entrando em mim
em um deslizamento suave.
"Mm, tão perfeito", ele sussurra contra meus lábios, apoiando-se em seu
antebraço
e segurando meu queixo.

Página 332
Conforme ele se move, meu corpo se abre, dando boas-vindas à
plenitude e à conexão.
Minha atenção se concentra nas estrelas cintilantes no feixe de luzes e
no
galáxia caseira sob a qual estamos fazendo amor. Isso me enche de uma
alegria brilhante,
sentindo que estou bem onde deveria estar.
Devlin se move no mesmo ritmo lento, girando os quadris de uma forma
que
dirige meu prazer mais intensamente. Um poço de emoção borbulha no
meu peito,
entrelaçando-se com o calor enrolando em meu núcleo. Com um som
suave e necessitado, eu cobro
meus braços em volta do pescoço de Devlin, segurando com força
enquanto ele me traz para a borda
de novo e de novo.
"Venha aqui." Devlin me pega da cama e se senta em sua
saltos com minhas pernas em volta dele. Ele balança na minha buceta,
batendo no meu
ponto doce e me enchendo mais profundamente. Um som áspero deixa
Devlin enquanto ele embala
eu perto, acariciando a tatuagem de estrela entre minhas
omoplatas. "Você sente
naquela?"
“Sim,” eu suspiro, os braços em volta de seus ombros.
A emoção aumenta, embaçando meus olhos. Eu capturo os lábios de
Devlin, beijando-o
ternamente enquanto nos movemos como um, subindo cada vez mais
alto. Conforme eu alcanço
esquecimento, Devlin fica tenso com os lábios entreabertos, rugindo
enquanto goza. Eu abraço ele
mais apertado, sorrindo contra o lado de seu rosto enquanto ele acaricia
minhas costas.
Com uma atenção que Devlin só mostra quando estamos sozinhos, ele
nos muda
para a cama sem quebrar nosso abraço. Ele afasta meu cabelo do meu
rosto e dá um beijo suave em meus lábios. Tanta devoção enche seus
olhos quando
ele me olha sem máscaras.
“Descanse um minuto. Então, vamos começar de novo. ”
Eu rio, me enrolando em seu lado. "Novamente?"
"Sempre."
Nossos dedos traçam preguiçosamente enquanto recuperamos o
fôlego. Gradualmente, nosso toque
fica mais insistente, mais determinado, até que estamos buscando a
liberação novamente.
E de novo.
Devlin não para de me tocar, mesmo quando terminamos, exausto
demais para
vá outra rodada. Ele puxa minha coxa sobre suas pernas e escova seus
lábios no
coroa da minha cabeça enquanto descanso minha bochecha em seu
peito, mapeando meu próprio caminho
a pele dele. Seu batimento cardíaco bate sob meu ouvido.
Um sorriso curva minha boca quando sua mão encontra a minha,
enredando nossos dedos.
Sempre combinamos. Nossos corações feridos estão entrelaçados e
consertando, terno e precisando do tipo de amor que damos um ao
outro. Nós cabemos
juntos, dois fragmentos quebrados mostrando nossos danos ao se
fundirem como

Página 333
minha tradição de arte japonesa favorita, uma delicada cola dourada
unindo nossos corações como
1.
Fundidos juntos, fazemos uma obra de arte mais bonita com prova de
tudo o que passamos.

Página 334
QUARENTA E SEIS

Página 335

DEVLIN
Na noite do baile de inverno, duas semanas depois, Blair é um nocaute
em um elegante
vestido justo que rouba meu fôlego com a mesma facilidade com que
ela roubou todo o resto
- minha dor, minhas paredes, meu coração.
Sob as decorações prateadas e brancas que transformam o ginásio
em um país das maravilhas do inverno, o material cinza escuro do
vestido de Blair brilha
quando capta a luz, como minúsculos diamantes entrelaçados no
tecido. Ela
coloca sua mão na minha enquanto eu a ofereço a ela.
"Quero dançar?" Eu pergunto.
Uma música lenta é filtrada pelos alto-falantes e outros casais enchem
a dança
andar. O Sr. Coleman paira na extremidade da sala, sorrindo através de
seu
deveres de acompanhante. Surpreendentemente, Bishop dança com
Thea Kennedy, que
fica incrível em um vestido rosa suave e esvoaçante.
“Prepare-se para algum constrangimento verdadeiramente
descoordenado.” Blair
acena com a mão livre com um floreio enquanto a levo para um local
aberto. Preenchimento de cor
suas bochechas sardentas enquanto eu a puxo para perto, levando-nos
em um balanço suave. Ela
descansa uma mão no meu bíceps e a outra enrola em volta do meu
pescoço.
"Bem, na verdade. Você parece saber o que está fazendo. ”
“Você é leve em seus pés e entre todos os seus outros criadores de
problemas
habilidades, você está me dizendo que não sabe dançar? "
“Não há muitas oportunidades de estourar uma jogada enquanto libera
carteiras. Quer
que eu vá fazer um moonwalk da próxima vez? "
Blair sorri e eu sinto vontade de beijá-la. Eu posso sentir o seu sorriso
e
sua alegria enquanto giramos no meio da pista de dança.
Dançamos por mais algumas canções. Blair fica mais confortável,
deixando
solta comigo.

Página 336
Quando chega uma pausa na música, ela abana o rosto. "Sustento?"
"Venha, vamos pegar uma bebida."
Eu descanso minha palma na base de sua coluna e a levo para a estação
de bebidas
instalado em frente a uma cortina de mylar prateado. A mesa teve uma
explosão
de confete de floco de neve. Blair pega um pouco e joga alto o suficiente
para pousar
no meu cabelo, balançando a cabeça com satisfação brilhando em seus
olhos quando algum gruda
meu cabelo. Eu a trago de volta, pegando um floco de neve e
pressionando-o contra ela
decote.
Inclinando-me, murmuro: “Voltarei para isso mais tarde. Com meus
dentes. ”
Ela morde o lábio em um sorriso e fica na ponta dos pés para me beijar,
agarrando minhas lapelas. Eu aperto sua cintura.
“Quanto mais tarde? Talvez eu não seja muito bom para um pouco de
ação em um
sala de aula deserta, afinal. ”
Uma risada tortuosa sai dos meus lábios. Antes que eu possa responder
com
algo atraente, Trent e Sean caminham até a mesa de bebidas com
arrogância
presunçosos. Sean lança um olhar cauteloso em minha direção. Trent
acena para mim, sua atenção
voltando-se rapidamente para Blair. Esses idiotas olham para ela com
uma apreciação maliciosa.
não gosto. Possessividade cresce em meu peito e eu deslizo meus dedos
por baixo
o decote de seu vestido para acariciar suas costas.
Sean não perde o movimento, suas sobrancelhas saltando.
“Parecendo gostoso pra caralho, Davis,” Trent diz.
“Você realmente limpa”, acrescenta Sean. "Para ... você sabe."
Quase rosno, pronto para lhe ensinar outra lição, mas Blair a pressiona
mão no meu peito. Nós trocamos um olhar. Ela silenciosamente me dá
um eu tenho
esta expressão.
Sabendo que ela pode se controlar, eu a deixo assumir a liderança,
pronta para desfrutar
o show desses dois idiotas sendo estripados pela minha garota mal-
humorada.
"Mesmo? Obrigado rapazes." Ela inspeciona os dois ternos. “Não
posso dizer o
o mesmo para você, no entanto. Eu posso ver o estoque de preservativo
saindo do seu
bolso, Sean. ” Blair estala , balançando a cabeça com falsa
simpatia. "Um pouco
ambicioso, e não acho mais DTF de Bailey depois que você começou
boato. Você sabe, aquele em que você queria uma escrava sexual viva
para cumprir
suas necessidades."
Sean pisca estupidamente. “O-seu pequeno-”
"Pare." O comando em meu tom o puxa antes que ele possa
estenda a mão para agarrar Blair. Sean se encolhe e Trent parece
surpreso com a minha
expressão. “Você não a toca. Ou olhe para ela assim. "

Página 337
Blair se inclina para mim. Lutamos nossas batalhas juntos, equilibrados
e unidos
como um.
"Merda - segure esse pensamento." Blair se afasta, correndo para o
outro
lado da sala, onde Bishop está no rosto de Thea, prendendo-a contra o
muro.
Trent zomba. “Que vadia. Cara, quando você vai se livrar desse ouro
cavando clinger? "
Uma raiva incandescente se desenrola em meu peito. Estendo a mão e
pego Trent pelo
colarinho, enfiando meu polegar no oco de sua garganta. O rosto de
Trent derrete
em estado de choque quando ele agarra meu braço na tentativa de me
jogar fora.
"Nunca. Se você continuar falando merda sobre a minha namorada,
você vai
me arrependo. ” Meu olhar se volta para Sean. "Vocês dois. Eu odeio
repetir uma lição.
Eu fui claro? ”
Trent e Sean acenam com a cabeça. Eu pressiono meu polegar com mais
força, apreciando o pânico
o modo como os olhos redondos de Trent percorrem a sala. Um
momento depois, eu o solto
com um empurrão.
"Sai da minha cara."
Eles partem, tropeçando em si mesmos. Eu examino a sala e encontro
Blair
cutucando seu dedo no peito de Bishop.
Não consigo ver o rosto dela, mas ele está surpreso, provavelmente
surpreso por ela não
tema sua reputação. O que quer que ela diga, o irrita. Bispo se afasta de
Thea e Blair com uma expressão estrondosa. Seu ombro bate no Sr.
Coleman está a caminho das portas duplas envoltas em cortinas
cintilantes. UMA
Uma carranca preocupada puxa os cantos da minha boca para baixo.
Blair esfrega as costas de Thea e a leva até a mesa de refrescos para
enxugá-la
rasga com um guardanapo.
Eu envio uma mensagem rápida para verificar Bishop.
Devlin: Você está bem?
Pontos aparecem e desaparecem por um minuto, então meu telefone
vibra com o dele
resposta.
Bispo: Sim. Qualquer que seja. Indo para casa.
Bispo: Certifique-se de que Thea chegue em casa em segurança.

Página 338
Meus olhos se estreitam. Ele mesmo deveria fazer isso se a trouxesse
aqui.
Bispo: Não a deixe aí sozinha.
Devlin: Não é exatamente isso que você fez ??
Bispo: [emoji do dedo médio] [emoji do dedo médio]
Bispo: Sério, não confio em mais ninguém. Dê a ela uma carona para
casa.
Eu olho para cima. Blair mostra Thea sorrindo com relutância enquanto
conversa. Faz
algo no meu coração ao vê-la se abrindo para mais pessoas.
Devlin: Sim, ótimo. Nós a levaremos.
Bispo: Obrigado. Te devo uma.
Pondo meu telefone no bolso, vou para o lado de Blair, brincando com
seu cabelo. Ela
envia-me um sorriso afetuoso enquanto Thea me olha timidamente.
"Olha, eu estava mostrando a Thea a conta desse cachorro que Gemma
e eu amamos em
Instagram." Blair me mostra seu telefone.
"É esse o cão pug que você está obcecado?"
Blair suspira melancolicamente. “O príncipe mais doce e grosso. Aqui,
Thea, assista
1."
Thea pega o telefone de Blair e logo a tristeza persistente nela
os ombros desaparecem enquanto ela ri do vídeo.
Eu cutuco Blair. "Pronto para sair daqui?"
"Sim." Blair torce o nariz. É adorável e eu tenho que lutar
não a arrastar para um beijo. “Eu já tive o suficiente de todo o inverno
cena formal. ”
"Vamos, vamos te dar uma carona para casa", eu digo para Thea.
Ela olha para o Sr. Coleman quando ele passa. "Oh, eu ia perguntar ..."
Blair balança a cabeça. “Nós temos um passeio muito mais doce. Está
com fome?
Devíamos parar para comer uma pizza. ”
"Vestido?" Thea olha para seu vestido rosa transparente.
"Isso aí!" Blair acena para mim. “Da última vez que fizemos isso,
inventamos loucamente
histórias sobre por que estávamos enfeitados. É divertido."

Página 339
Thea franze os lábios expressivamente. “Bem, certo. Obrigado."
“Qualquer coisa por um amigo de Bishop,” eu digo.
A expressão de Thea cai e Blair me dá uma cotovelada.
"Tudo o que quero dizer é que ele pediu para ter certeza de que você se
divertiu e fez isso
em casa com segurança. ” Eu esfrego meu queixo. "Já que ele saiu mais
cedo."
Thea me estuda por um instante. Eu pisco, surpreso com a mudança
perceptiva
nos olhos dela. Talvez ela não seja a nerd quieta e tímida que todos nós
pensamos que ela.
"Tudo bem." Thea me dá outro olhar desafiador. "Eu gosto
abacaxi na minha pizza. ”
Blair dá uma risada. "Você e eu vamos nos dar muito bem."
Eu sigo as meninas para fora do país das maravilhas do inverno com
um sorriso suave, mãos
enfiado em meus bolsos.
O ar da noite está frio, mas estamos envoltos em um casulo de
cobertores no telhado.
Blair se aninha entre minhas pernas, de costas para meu peito enquanto
olhamos para as estrelas.
Não sinto que estou fugindo de uma casa vazia, porque a garota em
meus braços são a única casa de que preciso. Não parece mais um
cavernoso,
prisão isolada porque Blair está comigo.
Uma profunda sensação de paz nos rodeia. Por muito tempo este foi um
privado
ritual que fiz em segredo, mas agora não consigo imaginar fazer isso
sem Blair, não
quando foi ela quem me deu este pedaço de esperança em primeiro
lugar.
Eu estou feliz. A raiva que lutei por tantos meses finalmente
diminuiu. Não tem que me governar.
Não estamos olhando para o céu noturno porque precisamos fazer
desejos, mas
porque queremos mostrar as estrelas, tornamos nossos desejos realidade
de qualquer maneira
encontrando amor um no outro.
Blair cantarola, virando a cabeça quando beijo sua bochecha. “Para uma
escola
dança, esta noite foi muito divertida. "
“Experiência básica para adolescentes, verifique.”
Blair bufa, se mexendo para ficar mais confortável. “Nós temos que
fazer o
toda a coisa do baile também? "
"Apenas se você quiser."
"Deveríamos. Você pode sair com um estrondo. Nós realmente
venderemos o demônio das trevas
de Silver Lake High. ” Blair me lança um sorriso irônico por cima do
ombro. "Mais,

Página 340
você ficaria super quente em um terno de veludo vermelho. ”
Meu peito vibra contra suas costas com minha risada profunda. “Você
vai vestir
um vestido como você fez esta noite? " Eu arrasto meus dentes sobre
meu lábio, imaginando o
material sexy e elegante abraçando seu corpo. “Você ficaria ótimo de
vermelho também. Pode ser
algo com uma fenda. ” Eu movo seu cabelo de lado e murmuro mais do
fantasia contra sua garganta. “Para facilitar o acesso quando eu te
roubar para preencher
sua buceta com meu pau. "
Blair inclina a cabeça para me dar melhor acesso. Eu posso ouvir o
sorriso dela
voz quando ela diz: "Eu estava pensando mais como calças de couro
vermelho justas e
pequenos chifres de demônio. "
A imagem que ela coloca na minha cabeça faz meu pau pular.
"Oh Deus. Porra, eu te amo. ”
Blair estica o braço para trás, entrelaçando os dedos atrás da minha
cabeça para me puxar para baixo
para um beijo. Quando nos separamos, um sorriso puxa meus lábios. Eu
pressiono-os no ouvido dela,
baixando minha voz.
“Quer brincar de policial e ladrão? Eu ainda tenho aquelas algemas em
algum lugar
no quarto."
“Devo ir para a garagem? Posso roubar o carro pelos velhos tempos ”,
Blair
piadas. "Ou escolha seu bolso."
Eu pego suas mãos e belisco seus dedos. “Você sabe o que acontece
quando você tenta entrar nas minhas calças, dedos pegajosos. ”
"É com isso que estou contando." Blair espia por cima do ombro, uma
brincadeira
travessura cintilando em seus lindos olhos cor de uísque.
Meu coração bate com devoção enquanto o calor se espalha pelo meu
corpo.
"Você tem uma vantagem de cinco minutos." Eu beijo minha promessa
contra ela
bochecha.
"Venha me pegar." Blair se levanta, atraindo-me com um olhar
sedutor. Ela trapaceia
seu dedo enquanto ela recua em direção à janela. "Apanha-me Se
Puderes."
“Eu sempre vou te perseguir. Cinco minutos, ”eu a lembro. “Então eu
vou
para capturá-lo novamente, pequeno ladrão. "

Página 341
QUARENTA E SETE

Página 342

EPÍLOGO
BLAIR
2 anos depois
Ridgeview está coberto por montes fofos de neve, cobrindo os ramos
de pinheiro
árvores enquanto eu dirijo até a nova casa da mamãe. É uma casinha
bonita no
montanhas. Mamãe conseguiu comprá-lo no início deste ano, antes do
meu semestre de outono
em Oak Ridge College começou.
Graças ao consultor financeiro de Devlin trabalhando pro bono com
mamãe e eu
no segundo semestre do último ano, traçamos um plano para fazer
frente à dívida.
Devlin se ofereceu para ajudar, mas foi algo que ambos tivemos que
fazer para
nós mesmos. Estamos finalmente livres do fardo que papai nos
deixou. Tem sido libertador
para ter esse peso retirado de nossos ombros.
Mamãe está feliz e saudável. No final do verão, antes de voltar para
escola com Gemma e Lucas, ela encontrou trabalho como gerente do
novo
padaria no centro de Ridgeview. Seu tempo na clínica lhe deu um
mundo de
Boa. Os pais de Devlin podem ter um relacionamento complicado com
ele, mas
sua experiência médica devolveu a vida à mamãe. Eu sou grato por tê-
la
vivendo sua melhor vida.
A chaminé de pedra emite uma onda de fumaça de madeira. Mamãe
deve ter fogo
indo. Eu sorrio enquanto pulo para fora do meu carro, inalando o ar
fresco da montanha e o
cheiro de lenha. Minhas botas esmagam a neve enquanto me dirijo para
a porta da frente.
Estou em casa nas férias de inverno e pretendo passar os primeiros dias
com
Mãe até o intervalo de Devlin começar. Nós vamos para faculdades
diferentes, mas a dele está perto
para Oak Ridge. Ele vai dirigir até Ridgeview da casa em que vivemos

Página 343
entre os dois campi no final da semana após seu desenvolvimento
acabamentos finais de psicologia.
Amo minha vida de uma maneira que nunca imaginei ser possível. Mais
do que isso, eu
adoro compartilhá-lo com Devlin. As coisas que enfrentamos, nós
crescemos juntos. eu
sempre pense no ouro cintilante que se funde sobre nossas velhas
rachaduras curadas, não
esquecendo-os, mas fazendo-os brilhar.
Quase não nos separamos desde a formatura. Fazia sentido viver
juntos em nossa espaçosa casa quando já morávamos juntos em
A casa de Devlin em Ridgeview. Ele escolheu especificamente porque
tinha
muito espaço para minha crescente coleção de livros. Eu o provoco
sobre isso, uma vez que
sua biblioteca de livros para seu diploma de psicologia rivaliza a minha.
"Ei mãe!" Eu chamo enquanto chuto a neve das minhas botas.
Sua casa é quente e convidativa, o fogo crepitando na pedra
lareira enchendo a casa confortável com uma espécie de calor
sonolento. Eu relaxo
meu cachecol e penduro meu casaco.
"Na cozinha! Estou fazendo muffins. ”
"Cheira ótimo."
"Como foi a descida?" Mamãe coloca a cabeça para fora do arco
porta para a cozinha. Há uma mancha de farinha em sua bochecha e
meu coração
se expande com uma flor de felicidade. Ela sorri. “É bom ver você, bebê
menina."
Eu atravesso a sala e a envolvo em um abraço. Nossa velha tradição não
morreu.
Sempre a abraçarei quando qualquer um de nós entrar pela porta. Ela
cheira a
massa açucarada e canela. Seus braços se fecham em volta de mim, me
apertando com força.
"Senti sua falta! Os chats de vídeo não são iguais aos reais. ”
Eu ri. "Eu sei. Mas estou aqui agora. A viagem foi boa. ”
“Espero que a direção de Devlin não seja ruim. Eles estão chamando
por outra tempestade. ”
“Oh, confie em mim, ele está esperando por isso. Ele tem uma nova
adição. ” É um bmw
X1, perfeito para dirigir em todos os terrenos. Lucas tem estado em
nossa casa para
babar várias vezes desde que Devlin o comprou. Eu balanço minha
cabeça,
carinho enlaçando meu tom. "Ele está morrendo de vontade de uma boa
nevasca para ver o que
pode fazer. ”
Mamãe ri. "Aquele menino e seus carros."
"Eu sei, me fale sobre isso." Vou fazer chá no piloto
automático. "Vocês
deveria ver o que eu andei aqui. Eu ia levar meu carro, mas ele não
estava
tê-lo e me obrigou a dirigir o Land Rover. ”

Página 344
O Corolla não existe mais. Morreu uma morte lamentável e cuspida dias
antes
nossa formatura do último ano, mas Devlin tinha algo esperando por
mim. Ele chamou
o Audi Q7 vermelho brilhante a parabéns por ter conseguido uma bolsa
de estudos na Oak
Presente do Ridge College . Eu o provoquei que ele queria que eu
tivesse meu próprio tinto
cavalgar para que eu parasse de roubar o dele. A boca de Devlin se
curvou nos cantos e
ele me lembrou de como ele acha que eu fico bem de vermelho.
Mamãe verifica os muffins assando no forno e aceita a caneca de
chá eu entrego a ela quando está pronto. “Eu gosto que ele seja tão
protetor com você. Dá
ele o carimbo de aprovação certificado pela mãe. ”
Eu mordo meu lábio em um sorriso afetuoso. Secretamente, também
gosto. Mas isso o mantém
na ponta dos pés se eu atrevê-lo com minha independência.
Levamos nosso chá para a mesa.
“Bem, vá em frente,” mamãe encoraja, relaxando em sua cadeira. “Eu
posso ver que você é
zumbindo com isso. Como foi sua prova final de história da arte? ”
Meu sorriso se liberta, junto com um som exultante. “Bem, eu não sei
as pontuações oficiais ainda. Mas meu professor disse que ficou muito
impressionado. Ele é
recomendando-me para o estágio no museu durante o verão! ”
"Isso é maravilhoso!" Os olhos da mamãe embaçam. "Estou tão
orgulhoso de você, Blair."
Uma faísca de orgulho feliz enche meu peito. Eu amo meus estudos de
história da arte
maior. Hoje em dia, meus sonhos atingem níveis mais altos do que as
estrelas que eu costumava desejar.
Quando o cronômetro do forno toca, mamãe aparece para tirar os
muffins. Ela
alvoroça-se pela cozinha com o perfume celestial de canela e marrom
açúcar enche a sala.
"Esses têm um cheiro incrível." A porta da frente se abre e minhas
sobrancelhas se erguem
pra cima. “O que, você tem um namorado que você não me contou? Ou
você está
sendo roubado agora? "
“Essa é a sua área de especialização.” Uma voz profunda e familiar
envolve meu
sentidos e um beijo cai na minha cabeça, envolvendo-me no rico
perfume de
couro e especiarias.
Eu me viro em meu assento. “Dev? O que você está fazendo aqui? Eu
pensei em você
não descia até o final da semana? ”
Devlin me concede um sorriso charmoso tingido de malícia. Ele está
satisfeito
ele me surpreendeu. Eu o vi esta manhã antes do encontro com a minha
arte
professor de história, mas ele tem uma maneira de acender uma brasa
constante de calor em
meu estômago com seu cabelo escuro despenteado, seus olhos
inteligentes e sua risada.
Meus dedos encontram os dele e ele leva meus nós dos dedos à boca,
beijando-os
com um pequeno sorriso.

Página 345
"Surpresa."
"Oi, Devlin." Mamãe cumprimenta. Ela não parece tão chocada quanto
eu ao ver
ele. "Como foi sua viagem?"
"Excelente. Quer ver o novo amor da minha vida? Ele vem em linha
após o seu
filha, claro. ”
Mamãe sorri e aponta para ele. “Resposta inteligente. Deixe-me pegar
um casaco. ”
Devlin me puxa para um beijo de verdade. Ele roça o nariz ao longo
minha bochecha.
“Se você estivesse dirigindo ao mesmo tempo que eu, poderíamos ter
dirigido
juntos."
Devlin cantarola. “Sim, mas então eu não teria a chance de dirigir o
X1.”
Eu aperto os olhos, meus instintos formigando. “Você está tramando
algo. Você tem
seu rosto intrigante. ”
"É assim mesmo?" Os braços de Devlin travam em volta da minha
cintura e ele fecha os olhos.
"Tenho certeza de que isso é apenas genética, anjo."
Mamãe volta para a cozinha, embrulhada em uma parca fofa. Gestos de
Devlin
nós até a porta. No caminho, pego meu cachecol e enrolo no pescoço
para
bloquear o frio crocante.
“Uau,” mamãe fala arrastado enquanto saímos. "É tão legal."
Devlin bufa um pouco com a admiração, de pé nas minhas costas com
seu
braços em volta de mim. Mamãe contorna o veículo enquanto
avançamos. Ele
distraidamente esfrega meus braços para me proteger do frio, seu casaco
de lã
me mantendo quentinho.
"Muito impressionante, Devlin." Mamãe passa por nós, dando tapinhas
no ombro de Devlin.
"Vou ver se os muffins esfriaram."
Eu me viro para segui-la, mas Devlin segura minha mão.
"Espere. Eu tenho algo no carro para você. ” Ele me encara por um
batida, um breve flash de nervosismo brilhando em seus olhos antes de
abrir a porta do carro
e recupera um pequeno pacote. "Aqui, peguei isso."
"O que é?" Eu atiro para ele um sorriso enquanto o desembrulho. “Isso
parece livro-
em forma. ”
A boca de Devlin se curva, mas ele permanece quieto enquanto eu
empurro o
invólucro. Minha respiração fica presa enquanto eu patino meus dedos
delicadamente sobre a capa.
“Devlin…”
Ele dá um pequeno passo mais perto, segurando meus cotovelos. É uma
cópia do Stardust,
a edição de capa dura. O leve cheiro de um livro antigo, mofado com
um toque de
doçura, chega ao meu nariz. Eu rastreio as letras do título.

Página 346
“Abra,” Devlin diz suavemente.
Eu encontro seu olhar. Ele me observa com tal foco que rouba meu
respiração.
Rasgando o resto do papel, um marcador de página com fita de veludo
azul anexado
para o livro se desenrola. Um brilho de metal dança no final, onde a fita
está atado. Meus olhos se arregalam enquanto Devlin segura minhas
mãos e se ajoelha na neve.
"Dev", eu sussurro com voz rouca.
Ele desfaz a fita e me presenteia com um lindo anel de platina
com uma lua e uma estrela encaixadas em torno de uma opala negra que
se parece com um
galáxia está trancada dentro. É a joia mais bonita que já vi.
Lágrimas sufocadas picam meus olhos porque este anel é ... somos
nós. Isso é
tudo sobre Devlin e eu.
"Blair." Devlin olha do ringue para mim com amor brilhando em seus
olhos.
“Você é minha casa, minha estrela mágica. Eu quero manter isso, se
você me quiser.
Para sempre, de preferência. ”
Uma risada chocada e ofegante me deixa. Devlin lambe os lábios,
pegando meu
mão. Ele coloca o anel na ponta do meu dedo. Um guincho animado
distrai
mim por um momento. É a mamãe, filmando com seu telefone. Ela tem
uma mão pressionada
em sua bochecha, sorrindo alegremente.
"Você sabia sobre isso?" Eu chamo ela.
Mamãe acena com a cabeça, gritando novamente. Devlin acaricia meus
dedos com os seus
polegar, chamando minha atenção.
Eu limpo sob meus olhos para pegar as lágrimas que vazam. “Isso é
realmente
acontecendo?"
Os cantos dos olhos de Devlin se enrugam. “Quando você estiver
pronto para isso,
você se casar comigo? "
Palavras me escaparam. Tudo o que posso fazer é acenar com a cabeça,
olhando como se estivesse do lado de fora
do meu corpo enquanto ele desliza o anel deslumbrante em meu
dedo. Um suspiro aguado começa
preso na minha garganta enquanto eu me lanço em Devlin,
serpenteando meus braços ao redor dele
pescoço.
Uma risada aliviada ressoa em seu peito enquanto ele me agarra
perto. "Amor
você anjo. Vou te amar para sempre. ”
Uma felicidade como eu nunca conheci me enche até a borda quando
eu o abraço. Mamãe
aplausos do degrau da frente quando Devlin me pega pela parte de trás
das minhas coxas.
Minhas pernas travam em torno de sua cintura enquanto ele me
apóia. Eu sorrio, segurando suas bochechas
com mãos frias e ele me dá uma expressão correspondente. Eu beijo seu
sorriso,
incapaz de conter o meu.

Página 347
"Tem certeza?"
"Foda-se, sim." Devlin sorri, me levando para a casa. “Eu sei que eu
queria me casar com você desde o último ano formal de inverno. ”
“Uau,” eu arrasto. "Jogo longo, hein?"
A voz de Devlin cai quando ele leva seus lábios ao meu ouvido para
que mamãe não
ouvir. "Você sabe o quanto eu amo jogar com você."
Minha risada encantada ecoa nas árvores enquanto cruzamos a soleira
para
a casa quente.

Página 348
QUARENTA E OITO

Página 349

EPÍLOGO
DEVLIN
Três anos depois
Depois que o último compromisso do dia sai, eu me inclino para trás na
cadeira do escritório,
examinando o que eu construí para mim. Os quartos são projetados de
forma semelhante a
a casa rústica em estilo cabana que Blair e eu temos nas montanhas,
com madeira
acentos e foco no conforto. Arte da galeria que Blair administra
o centro alinha as paredes. Meu objetivo é fazer com que este lugar
pareça o menos
escritório do conselheiro quanto possível.
A prática de terapia recém-estabelecida com foco em crianças e
adolescentes
psicologia desperta orgulho em meu peito. Minha lista de pacientes está
crescendo constantemente, mas
não é por causa da reputação dos meus pais. É por causa da dedicação
a
certifique-se de que meus pacientes sejam ouvidos, determinado que
nenhuma criança nesta cidade
enfrentaria a mesma falta de saída que tive enquanto crescia.
Meu telefone acende na mesa com uma mensagem do Bishop para o
nosso
grupo de texto com Lucas. Eu bufo para a foto que ele enviou, ajudando
sua esposa com
uma de suas novas ideias selvagens para seu negócio.
Bispo: Neste Dia dos Namorados você também pode ter seu próprio
pau de chocolate
mofo. [emoji de berinjela] Divulgue para suas esposas. Família fica em
primeiro lugar
dibs em pedidos.
Lucas: Jesus. Isso é muito mais de você do que eu gostaria de ver
novamente. eu vou
encaminhar a você minha conta de terapia. Dev, você tem alguma vaga?

Página 350
Devlin: Foda-se vocês dois.
Bispo: [sorrindo emoji do diabo] O que, Santo, você não tirou nenhuma
roupa nua
figurar nas aulas de desenho em sua escola de arte chique?
Lucas: [emoji do dedo médio]
Devlin: [GIF de Homer Simpson recuando para um arbusto]
É estranho pensar na angústia que uma vez enfrentei pensando meus
dois melhores
amigos algum dia me deixariam para trás. Em vez disso, crescemos
mais perto do que
sempre. Sanguíneo ou não, somos todos uma família.
Eu não preciso mais desejar um. O que eu precisava estava lá
ao longo.
Eu giro a aliança de platina no meu dedo anelar, imaginando as estrelas
Blair tinha gravado no interior quando nos casamos no ano passado.
Como se eu a tivesse conjurado, ela me envia uma mensagem. O canto
da minha boca se levanta.
Blair: O que você acha do guisado de carne para o jantar? Eu tenho o
maior
desejo. Ou talvez algo com um pequeno chute.
Devlin: O que minha esposa quer, minha esposa consegue.
Blair: [GIF de uma linda mulher em uma coroa]
Blair: Está se esforçando para o prêmio de melhor marido deste ano?
Um sorriso atravessa meu rosto e o calor puxa minha virilha enquanto
eu digito meu
resposta.
Devlin: Não até que você grite meu nome esta noite. Você ganha carne
por
o jantar e eu levo você para o banquete.
Não importa que estamos juntos há cinco anos, ainda não posso
controlar a necessidade que tenho dela.

Página 351
Blair: [sorriso emoji] Indo para o ouro, então?
Devlin: Sempre quando se trata de você, anjo.
Blair: Melhor correr para casa, então.
Ela envia uma selfie sub-reptícia de seus lábios vermelhos carnudos
enrolados
seu dedo, sugando-o até a junta.
"Foda-se", murmuro com voz rouca, ajustando meu pau na minha calça.
Eu amo meu pequeno demônio de fogo. Pegando meu chaveiro e
casaco, deixo Blair
Sei que estarei em casa logo depois de parar para pegar coisas para o
jantar.
Quando eu entrar, Blair ainda não voltou da galeria. Eu penduro meu
casaco
a aconchegante sala de estar, cheia de estantes do chão ao teto para o
nosso livro
coleção. Na prateleira mais próxima às nossas fotos de casamento, a
edição de capa dura
de Stardust da minha proposta é exibido na frente e no centro.
Assim que coloco os mantimentos na cozinha, ouço a porta da frente
abrir. Blair murmura em um tom calmante. Minha testa franze quando
eu me aproximo
para ver o que ela está fazendo.
Blair está com o lenço enrolado em um braço, movimentando-se pela
sala para
construir uma espécie de forte com as almofadas do sofá de
veludo. Uma vez que ela é
satisfeita, ela aninha o cachecol embrulhado.
Intrigado, chego mais perto. Apoiando meu ombro contra a porta, eu
examine a maneira atenciosa com que ela enfia as pontas do lenço.
É nutritivo, de certa forma, como ela cuida do pacote. Nós dois
conversamos
sobre como queremos uma grande família. Meu olhar varre seu
corpo. estou pronto
para começar um agora, ansioso para ver sua barriga inchar com nosso
bebê.
Só chegamos perto uma vez até agora. Pouco depois de nos casarmos,
nós
fiz um teste em casa quando pensamos que poderíamos estar grávidas,
mas acabou
para ser um falso positivo. Eu não queria pressioná-la, não até que ela
estivesse pronta
para tentar novamente também.
"O que você está fazendo?"
Blair emite um som assustado e aparece. Ela me vê e bufa.
"Jesus, dá muito ataque cardíaco a uma garota?"
O humor injeta minha voz enquanto atravesso a sala. “Você não deveria
ter ensinado
me o truque para ser furtivo então. Se eu não posso usá-lo para chegar
furtivamente em você, o que
bem, isso me faz? ”

Página 352
A lição passa na minha cabeça, seguida pelas maneiras como usei o
nova habilidade ao longo dos anos. Normalmente termina com nós dois
nus e saciados.
Blair ergue o queixo com um sorriso irônico.
Minha mão repousa em sua bunda quando a alcanço. Dando um aperto,
eu olho
no monte do lenço. Uma bola de pelo preto me cumprimenta.
“Eu a encontrei atrás da galeria. Ela estava sozinha, gritando uma
tempestade. "
Blair estende a mão para acariciar o pelo do gatinho. "Eu não poderia
deixá-la lá."
A gatinha levanta a cabeça, olhando para mim com um grande amarelo-
esverdeado
olhos. Ela é uma coisa pequena e patética. Eu posso ver porque Blair
foi imediatamente
atraído pelo gatinho.
Sento-me ao lado do travesseiro que Blair construiu, inclinando um
braço
nas costas do sofá enquanto observo o gatinho. "Então, meu extraviado
trouxe
em casa um vira-lata? "
Blair bufa e se estatela no meu colo, beliscando meu braço. Eu a puxo
para mais perto,
e ela se aninha no meu peito enquanto estudamos o pequeno gatinho.
“Ela não é fofa? Ela me lembrou de você. "
Passo o dedo pelas costas do gatinho. Meus lábios se contraem com a
forma como o
gatinho se inclina para o meu toque como se estivesse faminto por afeto,
carente de um
conexão. O gatinho solta um miado indignado, exigindo mais
atenção. Eu volto a acariciá-lo, surpreso com o ronronar alto.
"Eu acho que ela se parece mais com você", eu contraponho em um tom
de provocação, dando tapinhas
A coxa de Blair. "Então, um gato, hein?"
"Sim." Blair morde o canto do lábio, pegando minha mão. Nosso
dedos se entrelaçam, da mesma forma que fizeram mil vezes. “E isso
não é
tudo."
“Mais surpresas?”
"Bem, marquei uma consulta para confirmar, mas tenho quase
certeza." Blair
puxa minha mão sobre sua barriga, cobrindo-a com a palma da mão. Os
olhos dela são suaves
conforme sua boca se curva. "Eu acho que…"
Com os olhos arregalados, seguro seu queixo. "Você realmente?"
Blair acena com a cabeça, descendo para me beijar. Eu a embalo perto,
rastreando-a
estômago com cuidado, buscando a sensação de vida que criamos
juntos.
Ela solta uma risada ofegante. "Você não vai sentir nada ainda."
"Isso não vai me impedir de imaginar."
A exaltação cresce em meu peito quando me atinge. Blair e eu vamos
ter um filho.
Um miado penetrante interrompe nossa celebração. O gatinho sobe
desajeitadamente
do agasalho improvisado e pula entre nós, enrolando-se mais uma vez.

Página 353
A família que encontrei está crescendo. Um brilho quente sobe dentro
de mim. eu penso isso
pode ser felicidade.
Blair encosta a testa na minha. Eu coloco minhas mãos em volta da
cintura dela
e beijar ela.
Meu polegar acaricia sua bochecha sardenta quando nos
separamos. “Meu tiro
Estrela. Você é melhor do que um desejo. "
O FIM
Baixe uma cena de bônus grátis em bit.ly/TDfreebonus
A série Sinners and Saints continua no livro de Bishop e Thea,
Bispo implacável. Encomende aqui!
Página 354

OBRIGADO + O QUE VEM A SEGUIR?


Obrigado por ler Tempting Devil! Se você gostou, por favor, deixe
um
comente no seu varejista ou comunidade de livros favorito! Seu apoio
significa isso
muito para mim!
Precisa de mais séries Sinners and Saints agora? Ter teorias sobre
quais personagens serão apresentados a seguir? Quer visualizações
exclusivas do próximo
livro? Junte-se a outros leitores no Reader Garden de Veronica
Eden no
Facebook!
Você é assinante de um boletim informativo? Ao se inscrever, você
pode baixar um
cena bônus especial com Blair e Devlin de Tempting Devil, como
bem como um epílogo bônus de Wicked Saint. Cadastre-se para fazer
o download aqui
no dia do lançamento.

Página 355

AGRADECIMENTOS
Quero agradecer a vocês, leitores, por lerem este livro! Isso significa
que o mundo
eu que você apoiou meu trabalho. Eu não estaria aqui sem você! O
resposta a esta série e esses personagens me surpreendeu seriamente. eu
adoro todos os comentários e mensagens que você envia! Espero que
tenha gostado do seu
leitura! Estou muito animado para trazer mais desta série!
Obrigado ao meu marido por ser você! Ele não lê isso, mas ele é meu
maior apoiador. Ele me mantém alimentado e regado enquanto estou no
escritor
caverna, e não reclama quando eu me jogo para fora da cama em
horários estranhos
com uma ideia para rabiscar freneticamente.
Bre, eu seriamente não poderia ter escrito este livro sem você. Nossos
muitos
os bate-papos foram incríveis. Você nunca deixa de me fazer rir, me
animar e
inspire-me a escrever. Seu amor e compreensão pelos meus
personagens é
incrível! Obrigado pela sua amizade e apoio, e não, eu não vou
peço desculpas pelo meu amor por abacaxi na pizza haha!
Obrigado a Jade Bones por ajudar a vencer este problema filho de um
livro
em forma e me ajudando a torná-lo algo de que me orgulho! Eu sempre
Agradecemos sua ajuda e adoro conversar, escrevendo com você!
Obrigado a Ashlee of Ashes & Vellichor pelos incríveis trailers de
livros para
esta série! Eu amo a maneira como você pode olhar para algo e entendê-
lo, e eu
Fiquei maravilhado com o que você criou para dar vida a esses livros!

Página 356
Aos meus leitores beta, obrigado do fundo do meu coração! eu aprecio
que todos leiam minhas palavras cruas e ofereçam seu tempo, atenção
aos detalhes e
consideração dos personagens e do enredo dos meus livros! Você é um
sonho
equipe e estou muito feliz por ter conhecido cada um de vocês! Seu
tempo e trabalho duro são muito
estimado!
Para meu time de rua e grupo de leitores, vocês são as melhores
gatas! Agradecer
por sua ajuda em compartilhar meus livros e por seu apoio ao meu
trabalho!
Aos blogueiros e bookstagrammers, obrigado por serem os mais
comunidade maravilhosa e acolhedora! Vocês são incríveis e explodem
me embora com sua paixão pelo romance!
Como sempre, quero enviar um grande grito de amor às minhas bruxas
escritoras, as
melhor grupo por aí! Eu sempre prezo seu apoio e incentivo de meu
escrevendo, não importa onde os olhos do meu coração e a musa me
levem. Cada livro eu
publicar é graças a vocês.

Página 357
JUNTE-SE À EQUIPE DE ARCO DA
VERÔNICA
ARC + Street Teams abertos! Você adora ler e revisar itens
avançados
cópias? Interessado em participar de atividades
promocionais? Inscreva-se hoje!
Inscreva-se para ser um leitor ARC!
Inscreva-se para fazer parte da equipe do Blogger / Bookstagrammer
Street!

Página 358
Bispo implacável
Pecadores e Santos - Livro 3
DARK NEW ADULT HIGH SCHOOL BULLY ROMANCE
Revelação da capa: maio de 2020
Lançamento: verão de 2020
THEA
Um movimento errado e TI ' S SOBRE .
Eu estava invisível até não ser mais.

Página 359
Um número digitado incorretamente se tornou o catalisador para o meu
inferno na terra quando eu
acidentalmente enviou uma foto picante para o rei da chantagem de
Silver Lake High.
Agora Connor Bishop tem isso como moeda de troca sobre minha
cabeça. Eu tenho
tornar-se sua boneca, à sua mercê em um castelo corrupto.
Melhor fazer o que ele diz ou então, ou então, ou então ...
Seu polegar está no botão enviar toda vez que tento resistir ao seu
comando. Posso
Eu sobrevivi a uma foto privada viralizando em vez de viver essa vida
de tormento?
Não está certo. Talvez seja a hora de seu castelo pegar fogo.
CONNOR
OS SEGREDOS E FAVORES CONSTRUEM MEU TRONO .
Manso. Tímido. Saudável.
Thea Kennedy era a imagem perfeita da inocência até que ela não era. O
foto inesperada é o segredo mais suculento para cair no meu colo em
um tempo. Quem
sabia que ela estava escondendo curvas deliciosas sob suéteres
desgrenhados?
Com uma selfie picante, Thea entrou no meu mundo. Vou prender o
ratinho
e não vou deixá-la escapar do reino depravado que construí. Ninguém
testa meu
poder porque eu controlo o conselho através de uma chantagem
implacável.
Mas existem monstros mais sombrios do que eu à espreita nas
sombras. Eles querem
dê uma mordida no meu ratinho. Eu não gosto de compartilhar o que é
meu.
Pedido antecipado
Adicionar ao Goodreads TBR
Inscreva-se para atualizações
Junte-se ao Street Team

Página 360

SOBRE O AUTOR
ROMANCE COM OUSADO
Veronica Eden é autora de novos romances adultos sombrios + romances de harém reverso com
spitfire
heroínas e heróis irresistíveis.
Ela adora explorar sentimentos complicados, mundos mágicos, aventuras épicas e o vínculo de
personagens que nos abraçam contra o mundo . Ela sempre foi atraída por anti-heróis rudes,
inteligentes
vilões e as voltas tortuosas de decisões moralmente cinzentas. Ela acredita que às vezes o vilão deve
obter
a garota e é viciada em um anti-herói deliciosamente diabólico. Veronica Eden também escreve
romance como
Mara Townsend. Quando não está escrevendo, ela pode ser encontrada tomando sol na praia,
aconchegando-se
uma pilha com sua matilha indomada de animais (seu marido, cachorro e gato), e cercando-se de
quantas plantas ela conseguir colocar em suas mãos.
CONTATO + SEGUIR
Email: veronicaedenauthor@gmail.com
Site: veronicaedenauthor.com
Grupo de Leitores FB: bit.ly/veronicafbgroup
Amazon: amazon.com/author/ veronicaeden

Página 361
TAMBÉM POR VERONICA EDEN
Veronica Eden está trazendo a você mais novos romances adultos sombrios e harém reverso
paranormal
romances em 2020. Inscreva-se na lista de discussão para obter o primeiro acesso e oportunidades
ARC! Seguir
Veronica no BookBub para alertas de novos lançamentos!
REVERSE HAREM ROMANCE
Bound by Bounty Series
Prequel ( EM BREVE )
A Bruxa Caçada ( EM BREVE )
Bound by Bounty Book 2
Bound by Bounty Book 3
Estar sozinho
Mais do que barganhado
DARK ROMANCE
Sinners and Saints Series
Santo Perverso
Demônio tentador
Bispo implacável
SW (Pecadores e Santos, livro 4)
Estar sozinho
Coração Desmascarado
E mais vindo!

Você também pode gostar