Você está na página 1de 7

O Uso de Compósitos Estruturais

C
na Indústria Aeroespacial
O
Após décadas de uso restrito em alguns setores da indústria, como na área de mísseis, foguetes e aerona-
M ves de geometrias complexas, os compósitos poliméricos estruturais, também denominados avançados, têm
ampliado a sua utilização em diferentes setores da indústria moderna, com um crescimento de uso de 5 % ao
P ano. Atualmente, a utilização de estruturas de alto desempenho e com baixo peso tem sido feita nas indústrias
automotiva, esportiva, de construção civil, entre outras.
Ó
S
A partir da década de 60, os indústria de eletroeletrônicos, que inovação das engenharias aeronáu-
I materiais compósitos de alto de-
sempenho foram introduzidos de
necessitava de maior resistência a
climas úmidos. Revestimentos de
tica e de materiais.
Após décadas de uso restrito em
maneira definitiva na indústria aeronaves também foram obtidos alguns setores da indústria, devido
T aeroespacial. O desenvolvimento de especificamente para minimizar os ao seu custo de obtenção, os
fibras de carbono, boro, quartzo efeitos de corrosão, erosão e compósitos poliméricos estruturais,
O ofereceram ao projetista a oportu- minimizar sinais de infravermelho. também denominados avançados,
nidade de flexibilizar os projetos Outros plásticos foram pesquisados têm ampliado a sua utilização em
S estruturais, atendendo as necessida- visando a confecção de pára-que- diferentes setores da indústria mo-
des de desempenho em vôo de ae- das e a construção de artefatos mais derna, com um crescimento de uso
ronaves e veículos de reentrada. Em resistentes a fluidos hidráulicos. de 5% ao ano. Atualmente, a utili-
paralelo, os compósitos carbono/ Com o advento da corrida es- zação de pré-impregnados (tecido
E carbono (compósitos de Carbono
Reforçados com Fibras de Carbo-
pacial novos desenvolvimentos fo-
ram feitos na área de compósitos
ou cabo de reforço contínuo, im-
pregnado com resina no estágio B)
S no-CRFC) e tecidos de fibras de
quartzo foram desenvolvidos e sub-
carbono/carbono, com maior resis-
tência à oxidação, garantindo o seu
na manufatura de artefatos em
compósitos estruturais está distribu-
metidos a severas condições térmi- uso em gargantas de tubeiras de fo- ída, ao nível mundial, nos seguin-
T cas e de erosão, em cones dianteiros guetes impulsionados à base de tes ramos da indústria: aeronáutico
de foguetes, em partes externas de propelente sólido e cones de comercial 60%, defesa e espaço
R veículos submetidos à reentrada na exaustão de aeronaves. 20%, recreativo 10% e indústrias
atmosfera terrestre e em aviões su- No conflito com o Iraque, mais em geral 10%. Com relação ao ti-
U persônicos. Os avanços dos compó- uma vez, a indústria aeronáutica pos de reforços, os setores aeronáu-
sitos criaram novas oportunidades surpreendeu o setor tecnológico tico/defesa/espaço utilizam 60% de
T para estruturas de alto desempenho
e com baixo peso, favorecendo o
com o lançamento da aeronave
F-117, construída em compósitos
pré-impregnados unidirecionais (ta-
pes) e 40% de tecidos bidirecionais,
U desenvolvimento de sistemas estra-
tégicos, como na área de mísseis,
de fibras de carbono com matrizes
epóxi e bismaleimida, apresentan-
o setor recreativo 80% de reforços
unidirecionais e 20% de tecidos
foguetes e aeronaves de geometrias do, ainda, a característica de baixa bidirecionais e os demais setores
R complexas. detecção por radares. A geometria 10% de tecidos e reforços unidire-
Durante o conflito no sudeste desse avião, associada ao uso de cionais e 90% de reforços tipo não-
A da Ásia, no Vietnã, em ambiente materiais compósitos e revestimen- tecidos (nonwoven reinforcements).
de floresta, novos desafios surgi- tos específicos, que favorecem a Com relação às matrizes poliméricas
I ram na área de materiais. Como absorção da radiação eletromagné- utilizadas na impregnação dos re-
conseqüência, novos plásticos fo- tica na faixa de microondas, ainda forços, 40% são do tipo epóxi, 20%
ram desenvolvidos para atender a hoje são marcos impressivos de relativas a sistemas para uso em
S
E4 Polímeros: Ciência e Tecnologia, vol 10, nº 2, 2000
mais altas temperaturas, em relação co Aeroespacial e à indústria aero- priedades mecânicas que este ma-
à epóxi, tipos bismaleimidas e al- náutica nacional e suas ramifica- terial confere ao componente que
guns termoplásticos e 40 % demais ções, trabalhos de pesquisa e está sendo projetado e por permi-
tipos de resinas. desenvolvimento têm sido rea- tir flexibilidade no projeto de pe-
Mais recentemente, mesmo no lizados na Divisão de Materiais, ças complexas e com propriedades
setor aeroespacial, a obtenção de enfocando o uso de diferentes ma- locais específicas. Hoje, a empre-
componentes em compósitos estru- trizes poliméricas, otimização de sa americana Hexcel Corporation,
turais tem procurado correlacionar processos e melhoria de proprie- fornecedora de pré-impregnados
as propriedades dos materiais, o dades mecânicas, principalmente (tecido ou cabo de reforço contí-
desempenho estrutural do compo- pelo estudo de interfaces fibra/ma- nuo, impregnado com resina no
nente e os diferentes processos de triz e tratamento superficial de re- estágio B) homologados internacio-
manufatura com a redução de cus- forços. nalmente para serem utilizados na
to. Processos que favoreçam maior manufatura de componentes aero-
produtividade a menores custos e Setor Aeroespacial náuticos estruturais, já movimenta
com qualidade compatível à utiliza- mais de 1 bilhão de dólares, forne-
ção do produto estão sendo inves- Historicamente, estruturas ae- cendo para empresas como a
tigados. Com isto, os compósitos ronáuticas em compósitos têm sido Boeing, Bombardier e EMBRAER.
avançados têm ampliado as suas fabricadas utilizando-se fibras lon- O crescente uso de políme-
aplicações em outras áreas da en- gas, com comprimento igual à di- ros reforçados com fibras de car-
genharia, ao nível mundial. mensão do componente que está bono no setor aeronáutico deve-se,
Exemplos de alguns desses proces- sendo manufaturado. Dessa manei- principalmente, ao constante desa-
sos são a moldagem por transfe- ra, ocorre a máxima transferência fio que esta indústria possui na
rência de resina assistida a vácuo das propriedades mecânicas da fi- obtenção de componentes que exi-
(Vaccum-Assisted Resina Transfer bra para o compósito (sob determi- bam os maiores valores de resis-
Molding - VARTM) e a moldagem nadas condições de carregamento tência mecânica e de rigidez
por transferência de resina (Resin das fibras). No entanto, a fabrica- específicas entre os materiais dis-
Transfer Molding - RTM), bem ção de estruturas complexas, utili- poníveis. A substituição do alumí-
como, numerosas modificações de zando fibras contínuas, exige uma nio por compósitos poliméricos
processos básicos têm sido reali- significativa quantidade de traba- estruturais, por exemplo, permite
zadas recentemente. Essas inova- lho manual ou equipamentos com- uma redução de peso de 20 a 30%,
ções têm propiciado uma maior plexos e caros de corte do reforço além de 25% na redução do custo
utilização desses compósitos nos e laminação dos pré-impregnados. final de obtenção das peças.
setores de transporte, artigos espor- Em função disso, trabalhos recen- Hoje, os compósitos de fibras
tivos, médicos e, mais recentemen- tes têm combinado o uso de pré- contínuas com matriz termorrígida
te, na área da engenharia de formas de fibras secas e picadas e estão sendo utilizados na obtenção
construção. processos de transferência de resi- de componentes internos, externos,
Neste contexto, o Brasil tem na, visando ampliar o uso de nervuras de asas em aeronaves da
ampliado a sua experiência de ino- compósitos poliméricos em com- Boeing, portas de trens de aterris-
vação na aplicação dos compósitos ponentes de estrutura secundária sagem, radome do Hércules, flapes,
estruturais, principalmente, no se- (com menor exigência estrutural). partes estruturais do F-16, bordas
tor aeronáutico, utilizando este tipo O resultado desses trabalhos mos- de ataque, entre outras.
de material em componentes ex- tra vantagens de custo e proces- O processo mais utilizado na
ternos e internos de aviões (cerca sabilidade e na relação peso/ fabricação dos compósitos polimé-
de 20% da área de uma aeronave) resistência, em comparação ao ricos termorrígidos tem sido a cura
e helicópteros e, em menor escala, componente metálico substituído. em autoclave de peças laminadas
na estrutura de foguetes. Em apoio, A utilização de compósitos manualmente. Com o objetivo de
principalmente, aos trabalhos em poliméricos avançados em partes otimizar a produção desses com-
andamento no Instituto de Aero- estruturais de aeronaves cresce a pósitos com qualidade para apli-
náutica e Espaço do Centro Técni- cada ano, devido às excelentes pro- cação aeroespacial, estudos têm

Polímeros: Ciência e Tecnologia, vol 10, nº 2, 2000 E5


sido realizados sobre o efeito de BMI. A aeronave F-22, apesar de estes compósitos estão sendo utili-
delaminação em bordas livre e suas velocidades de vôo, não utili- zados na obtenção de componen-
moldada de compósitos com dife- za em suas superfícies externas tes externos, como portas de
rentes arranjos de fibras e sobre a material retardante de chama, devi- aeronaves da Boeing e da Fokker.
influência da porosidade nas pro- do às características de resistência Vários polímeros de última ge-
priedades mecânicas finais do térmica e química da BMI. ração estão sendo utilizados na
material obtido. Entretanto, exis- A Figura 1 apresenta a aeronave obtenção destes compósitos desta-
tem muitos outros processos atual- Tucano produzida pela EMBRAER, cando-se: poliamidas, poliimidas,
mente em uso, podendo-se citar a mostrando os componentes fabrica- PEEK [poli(éter-éter-cetona)], PEI
pultrusão, bobinagem, a trançagem dos em compósitos termorrígidos, [poli(éter-imida)], PPS [poli(sulfeto
com ângulos e densidades de fi- utilizando como reforço fibras de de fenileno)], PSU (polisulfona),
bras pré-determinados (braiding), carbono, kevlar e vidro. entre outros, atendendo a requisi-
RTM, etc. O uso de compósitos termo- tos de resistência mecânica na fai-
Apesar da matriz epóxi ser ain- plásticos reforçados com fibras xa de –60 a 200°C, utilizando
da muito utilizada no proces- contínuas também tem sido amplia- processos como a moldagem por
samento de compósitos, uma nova do no setor aeroespacial, devido, compressão a quente, a pultrusão
geração de resina termorrígida principalmente, à redução drástica reativa, a injeção e o RTM.
modificada com termoplásticos, as da fadiga, maiores valores de re- No setor aeroespacial tem-se,
bismaleimidas (BMI), está sendo sistências ao impacto e ao fogo, ainda, os compósitos carbono/car-
utilizada nas mais importantes e baixa absorção de umidade, tem- bono constituídos por uma matriz
complexas aplicações de alto de- peratura de serviço mais elevada e de carbono, proveniente de precur-
sempenho no setor aeronáutico, grande versatilidade na produção sores à base de resinas ou piches.
podendo-se citar na aeronaves em série, exibindo propriedades Esta classe de compósito termo-
F-22, F-117 e B-2, do programa mecânicas iguais ou superiores às estrutural procura aliar as proprie-
militar americano. Na área civil, apresentadas pelos compósitos dades de alto desempenho das
compósitos com este tipo de ma- termorrígidos. No setor aeronáuti- fibras de carbono com as caracte-
triz vêm sendo utilizados na indús- co, o uso de compósitos termoplás- rísticas singulares do carbono. Os
tria de carros de fórmula-1. Os ticos é promissor na construção de materiais carbonosos, em suas di-
compósitos com bismaleimida fuselagens, permitindo com isto ferentes formas estruturais, apresen-
apresentam a combinação única de uma redução de peso em torno de tam alta resistência mecânica em
alta temperatura de serviço, exce- 25%, em relação às estruturas me- temperaturas de até 2800°C, na au-
lentes propriedade mecânicas até tálicas hoje utilizadas. Hoje, dois sência de oxigênio, boa resistência
cerca de 180°C em condições úmi- processos tecnológicos estão sen- à corrosão, baixa expansão térmi-
das, exibindo tolerância a danos do estudados, de modo a ampliar ca, inércia química e resistência a
superior às melhores resinas epóxi. o uso deste tipo de compósitos variações súbitas de temperatura.
Certas BMI são capazes de serem sem, no entanto, onerar em dema- Estas propriedades tornam este ma-
utilizadas na faixa de temperatura sia os custos com a aquisição de terial atrativo para aplicações a ele-
de 232-288°C, apresentando com- novas ferramentas de moldagem. vadas temperaturas (800-2500°C)
portamento semelhante à poliimida O primeiro processo, conhecido em atmosfera inerte e condições
PMR-15. As BMI, também, per- como termoformagem de laminas, ablativas.
mitem o uso do processo RTM. consiste em laminar os pré-im- Embora existam todas estas van-
A aeronave supersônica F-22, pregnados e pré-consolidar por tagens, a aplicação do carbono tem
que atinge velocidades de 1,5 Mach, prensagem a quente. Estes lami- sido limitada pela baixa deforma-
utiliza em sua estrutura 24% de nados são, então, cortados e mol- ção na ruptura, alta sensibilidade a
material compósito polimérico, 39% dados na obtenção da peça. O imperfeições, anisotropia, variabi-
de titânio, 16% de alumínio, 6% de segundo processo é conhecido lidade nas propriedades, dificulda-
aço e 15% de outros materiais. Sen- como consolidação in-situ, o qual des no processo de obtenção de
do que, 50% do peso em compósito utiliza a laminação contínua e a componentes de grandes dimensões
é constituído da matriz de resina consolidação direta da peça. Hoje, e formatos complexos. Além disso,

E6 Polímeros: Ciência e Tecnologia, vol 10, nº 2, 2000


Figura 1. Aeronave TUCANO produzida pela EMBRAER (Cortesia da EMBRAER)

devido ao seu elevado custo, com- Apesar do CRFC ser susceptí- temperatura, aos bons coeficientes
parado com outros materiais, a sua vel à oxidação a temperaturas su- de atrito e de calor específico, que
aplicação está restrita às áreas periores a 500 °C, este fator torna-se proporcionam um atrito brando du-
aeroespacial, nuclear, biomédica e menos relevante quando a aplica- rante o período de frenagem. O po-
algumas aplicações especiais. ção do compósito for por um curto tencial de frenagem do compósito
Outro fator limitante da utili- período de duração, como nos ca- carbono/carbono é cerca de quatro
zação do CRFC é a sua susceptibi- sos de gargantas de tubeiras de fo- a cinco vezes superior aos sistemas
lidade à oxidação a temperaturas guetes à base de propelente sólido convencionais (metálicos) aumen-
de aproximadamente 500°C, sob ou componentes com a função de tando, assim, a segurança da aero-
ar. Porém, isto pode ser mini- proteção térmica, como em mísseis nave. Este sistema oferece, ainda,
mizado fazendo-se o recobrimento e veículos de reentrada. Ainda no uma economia de peso, comparado
de sua superfície com antioxidantes campo aeroespacial, os CRFC es- com os convencionais.
adequados. Quando a temperatura tão sendo utilizados em bordas de O processamento do CRFC
de aplicação está na faixa entre ataques de aeronaves supersônicas tem como fase intermediária a ob-
500 - 600°C, a inibição pode ser e do ônibus espacial (Space Shuttle) tenção de compósitos carbono/
obtida utilizando-se compostos da NASA, componentes estes que fenólica. Estes compósitos poli-
inorgânicos como óxido de boro e chegam atingir temperaturas de até méricos reforçados com fibras de
fosfatos. Quando a temperatura de 1500 °C, devido ao atrito com a at- carbono, além de serem materiais
utilização for maior que 600 °C, mosfera e, em sistemas de freios de precursores dos CRFC, têm encon-
costuma-se recobrir o CRFC com aeronaves supersônicas militares e trado aplicações termo-estruturais
carbeto de silício, carbeto de civis (como o Concorde), devido à como proteção térmica de fogue-
titânio, entre outros. sua baixa taxa de desgaste com a tes. Na tecnologia de propulsão de

Polímeros: Ciência e Tecnologia, vol 10, nº 2, 2000 E7


foguetes que usam combustíveis giões anterior e posterior à gar- bobinagem, entre outras. Hoje, esta
sólidos, os compósitos carbono/ ganta (Figura 2). indústria já faz uso de polímeros e
fenólica têm papel fundamental de compósitos com fibras picadas
como o suporte da garganta de Transporte na fabricação de componentes sem
tubeira em CRFC, protetor térmi- exigência estrutural primária.
co na região de saída dos gases A tendência mundial mostra Com relação aos compósitos
de queima do propelente e nas re- que a indústria automotiva a mé- carbono/carbono, hoje estes mate-
dio e longo prazos será a maior riais já são utilizados como discos
usuária dos compósitos polimé- de freios em carros de formula-1 e
ricos. No entanto, esta lucrativa trens de alta velocidade, em subs-
oportunidade só se firmará quan- tituição ao asbestos.
do os compósitos reforçados com
fibras de vidro e carbono apresen- Indústria da Construção Civil
tarem preço competitivo com o
alumínio e o aço. A possibilidade Durante muito tempo os com-
de aplicação dos compósitos neste pósitos poliméricos têm sido utili-
setor é na manufatura de um siste- zados basicamente para reparos e
ma único de estruturas como chas- adequações de pontes e edificações
sis e carrocerias, principalmente danificadas. No entanto, a dete-
pelos processos de moldagem e rioração da parte pavimentada das
RTM, podendo ainda ser amplia- pontes (leito da ponte) é conside-
do na manufatura do tanque de rado um sério problema de infra-
combustível, pelo processo de estrutura. Tal desafio tem levado à
investigação de materiais não-con-
vencionais para solucionar esses
problemas. Avanços na manufatu-
ra de compósitos poliméricos re-
forçados com fibras, somado aos
valores de resistência e rigidez des-
ses materiais nas condições de uso,
simulados em laboratório, levaram
à produção, nos Estados Unidos da
América no estado da Virgínia, de
módulos de leitos de pontes para
reparos temporários ou permanen-
tes. Inicialmente, o custo desses lei-
tos em material compósito é cerca
de 60% maior que o correspondente
à produção de leitos em concreto.
No entanto, a busca por uma pro-
dução em escala industrial e o me-
nor peso desses leitos, facilitando
o seu transporte e a sua colocação
final, têm motivado a continuida-
de dos trabalhos de substituição de
materiais convencionais. Uma ou-
tra área da indústria da construção
Figura 2. Esquema de uma garganta de foguete produzida pelo CTA mostrando o uso de compósitos civil que tem dedicado atenção es-
carbono/carbono e carbono/fenólica. pecial aos compósitos poliméricos

E8 Polímeros: Ciência e Tecnologia, vol 10, nº 2, 2000


estruturais, na tentativa de mini- energia elétrica. Estas células in- traseiras de emissores de rádio-fre-
mizar o peso das estruturas e di- dividuais são ligadas em série for- qüência. Já os compósitos com fi-
minuir os riscos de desabamentos, mando módulos. A combinação de bras de vidro e kevlar vêm sendo
mantendo as mesmas característi- muitos desses módulos são utili- utilizados como material transpa-
cas mecânicas dos materiais con- zados para formar um gerador de rente à radiação eletromagnética na
vencionais, é a construção de energia. Protótipos dessas células faixa de microondas, sendo apli-
edificações em áreas sujeitas a aba- com compósitos CRFC têm mos- cados na manufatura de radomes
los sísmicos. trado bons resultados, porém a de aeronaves (nariz do avião), ten-
A prática da trançagem de fi- viabilização de seu uso depende, do como função proteger o radar
bras (braiding) foi, por muito tem- ainda, da redução do custo e do de busca e imageamento, sem in-
po, utilizada para a obtenção de tempo de preparação do compósito. terferir na radiação emitida ou re-
estruturas simples, de uso decorati- A aplicação dos compósitos cebida pelo radar.
vo ou como cordas. Atualmente este CRFC em reatores de energia por Os compósitos poliméricos ob-
processo vem sendo utilizado na fusão e fissão também é promisso- tidos pelo processo de trançagem
manufatura de componentes aeroes- ra por apresentar como caracterís- e/ou pultrusão têm sido utilizados
paciais e mais recentemente na pro- ticas: baixo número atômico, baixa na manufatura de artigos esporti-
dução de hastes, estacas e tubos de seção de choque com neutrons, alta vos como tacos de basebol, de hó-
menor peso aplicados no setor da estabilidade térmica, não se fun- quei, varas de pescar, esqui para
construção civil, como componen- de, excelente resistência ao choque uso em esportes aquáticos e em
te com exigências estruturais. O uso térmico, tolerância a danos por neve, estruturas de bicicletas, en-
de fibras estruturais como carbono, neutrons, baixo coeficiente de ex- tre muitos outros artigos utilizados
vidro, aramida tem viabilizado a ob- pansão térmico, alta resistência me- nesta área.
tenção de pré-formas trançadas, cânica, baixo módulo de Young, Uma outra área que vem se be-
com a combinação de fibras ou não, resistência à erosão por jateamento neficiando das propriedades de re-
cilíndricas ou planas, impregnadas de plasmas e baixa liberação de sistência mecânica e menor peso
com termorrígidos ou termoplás- gases. dos compósitos estruturais é a de
ticos. Estas estruturas trançadas, de- O CRFC também pode ser uti- construção de plataformas off-
pendendo dos tipos de fibra e matriz lizado na confecção de cápsulas de shore e de equipamentos para a
polimérica utilizados têm apresen- proteção de isótopos utilizados em extração de petróleo em alto mar.
tado, em geral, preço competitivo, missões espaciais para gerar calor O uso de compósitos obtidos pelo
com interessantes valores de resis- e eletricidade. processo de bobinagem tem ofe-
tência e rigidez, resistência à corro- recido muitas vantagens nesta
são e menor peso. Outras Aplicações área, permitindo o projeto de tu-
bos com as características deseja-
Células Combustível Na área médica os materiais das à aplicação, em função da
compósitos poliméricos têm encon- escolha correta da fibra, matriz e
Os compósitos carbono/carbo- trado aplicação na confecção de da orientação das fibras durante a
no além de suas aplicações no se- próteses ortopédicas externas e o bobinagem.
tor aeroespacial têm encontrado compósito carbono/carbono em
aplicações em células combustível próteses ortopédicas internas. Olhando para o Futuro
como eletrodos e outros componen- O compósitos poliméricos re-
tes estruturais, devido à sua exce- forçados com fibras de carbono têm Sabendo-se que, os compósitos
lente resistência à corrosão e boas sido utilizados, também, em siste- avançados são obtidos pela com-
propriedades térmicas e elétricas. mas de antenas, devido às suas boas binação de materiais com diferen-
A maioria das células combustível propriedades de reflexão de rádio- tes características físico-químicas
modernas é baseada no uso de freqüência, alta estabilidade di- e mecânicas e pela utilização de
eletrólitos à base de ácido fosfórico mensional e boa condutividade diferentes processos de manufatu-
como eletrólito, operando a 204°C elétrica. Isto inclui antenas para- ra, necessitando esses desempenhar
e gerando de 200 kW a 11 MW d bólicas, subrefletores e estruturas funções estruturais cada vez mais

Polímeros: Ciência e Tecnologia, vol 10, nº 2, 2000 E9


exigentes, os trabalhos de pesqui- Agradecimentos 2. Sampe Journal, v. 35(6), 1999.
sa e desenvolvimento nesta área são 3. Sampe Journal, v. 35(4), 1999.
cada vez mais importantes. A cres- Ao Sr. Jeffferson Rodrigues
cente utilização dos compósitos Tavares pela preparação das figu- 4. Sampe Journal, v. 35(3), 1999.
estruturais tem estimulado a for- ras, ao Sr. Edmundo C. Ortiz da 5. Sampe Journal, v. 35(2), 1999.
mação de recursos humanos cada Hexcel Composites e à Divisão de
6. Sampe Journal, v. 35(1), 1999.
vez mais capacitados, de modo a Química do IAE por fornecer a fi-
atingir com êxito os desafios da gura do foguete VLS. 7. Sampe Journal, v. 34(6), 1998.
obtenção de componentes com fun- 8. Sampe Journal, v. 34(5), 1998.
ções múltiplas, atendendo requisi- Bibliografia sugerida
tos de utilização como: menor 9. Sampe Journal, v. 34(4), 1998.
peso, maior desempenho mecâni- 1. Composites Technology . Yellow 10. LEE, S.M. International
co, transparência à radiação, resis- Pages 2000. International Encyclopedia of Composites,
tência à erosão, entre outras. Edition, v. 6 (3), 6-20, 2000. v. 1-6, VCH, New York, 1991.

Matéria elaborada por Mirabel C. Rezende, Centro Técnico Aeroespacial, Instituto de Aeronáutica e Espaço, Divisão de Materiais e
Edson C. Botelho, Centro Técnico Aeroespacial, Instituto Tecnológico de Aeronáutica.

E10 Polímeros: Ciência e Tecnologia, vol 10, nº 2, 2000