Você está na página 1de 9

Universidade Rovuma, Nampula, 2021, Curso de Química 2° ano,2° semestre, sala A19

Cadeira: Psicologia de Aprendizagem, Nome: Mariano dos Santos

1.Conceito da Psicologia de Aprendizagem

No sentido amplo, pode se aplicar tanto para a aprendizagem animal como para a aprendizagem
humana. O animal aprende a deslocar-se, a alimentar-se, a proteger-se do perigo, a abrigar-se
através da experiência directa através dos órgãos dos sentidos, para satisfazer as suas
necessidades instintivas. Esta aprendizagem permite que os animais de cada espécie se adaptem
ao meio ambiente. Os animais não podem aprender sobre a vida de outros animais que se
encontram noutros continentes, pois falta-lhes a linguagem verbal para a aquisição de tal
informação.

No sentido restrito, aplicável ao ser humano, a aprendizagem é o processo de aquisição de


conhecimentos, hábitos, habilidades, aptidões e qualidades de carácter. Portanto, a
aprendizagem permite ao ser humano adaptar-se ao ambiente e também modificar as suas
condições de vida.

A Psicologia da aprendizagem é uma área de estudo da Psicologia que se debruça sobre a


compreensão dos fatores que influenciam os processos de aprendizagem. Neste âmbito,
destacam-se assim o estudo das temáticas da motivação/desmotivação escolar, a aprendizagem
autorregulada, a perceção de autoeficácia e o locus de controlo no aprender. A aprendizagem é
o processo através do qual a criança se apropria ativamente do conteúdo da experiência humana,
daquilo que o seu grupo social conhece. Para que a criança aprenda, ela necessitará interagir
com outros seres humanos, especialmente com os adultos e com outras crianças mais
experientes. Nas inúmeras interações em que envolve desde o nascimento, a criança vai
gradativamente ampliando suas formas de lidar com o mundo e vai construindo significados
para as suas ações e para as experiências que vivem.

Para Cabral e Nick (1997: 23) a aprendizagem é o processo de transformação relativamente


permanente do comportamento, em resultado do desempenho prático da experiência de certas
tarefas específicas.
2. Objectivos e Objecto da Psicologia de Aprendizagem

O Objectivo diz respeito a meta ou alvo que se quer atingir e a disciplina Psicologia da
Aprendizagem tem como objectivo apresentar o conceito de aprendizagem e as diferentes
abordagens de estudo deste processo psicológico, analisando as bases epistemológicas das duas
principais concepções de aprendizagem, com ênfase nas teorias cognitivas da aprendizagem. A
Psicologia da Aprendizagem estuda o complexo processo pelo qual as formas de pensar e os
conhecimentos existentes numa sociedade são apropriados pela criança. Para que se possa
entender esse processo é necessário reconhecer a natureza social da aprendizagem. Como já foi
dito, as operações cognitivas (aquelas envolvidas no processo de conhecer) são sempre
ativamente construídas na interação com outros indivíduos.

3. Tarefas da Psicologia de Aprendizagem

A psicologia de aprendizagem tem como tarefa:

❖ Compreender as etapas de desenvolvimento: Dessa forma, o educador pode entender


quais são os métodos mais adequados para o desenvolvimento do aprendizado, a
depender de qual estágio se encontra o educando;
❖ Entender os métodos eficazes de ensino: Segundo a Psicologia da Educação, existem
algumas técnicas e abordagens que, comprovadamente, fazem toda a diferença para o
processo de ensino e aprendizagem. Tendo em mente essas informações, o educador
pode inserir no cotidiano escolar alguns desses princípios em benefício de seus alunos.
Com Isso porque esses recursos são capazes de fazer com que os alunos (sobretudo
crianças) absorvam o conteúdo ensinado de uma maneira divertida, porém saudável e
eficaz;
❖ Entender os princípios de avaliação: Avaliar o nível de aprendizado do aluno é um
processo inerente às práticas de ensino. Por meio de ferramentas e métodos de avaliação,
é possível identificar as limitações do educando, assim como reconhecer e aprovar seus
pontos fortes;
❖ Compreender a saúde mental dos alunos: Interferências negativas quanto à saúde mental
do aluno podem ser responsáveis pela falta de eficácia no processo de aprendizagem.
Nesse sentido, é papel da Psicologia Educacional fazer com que o professor esteja apto
a reconhecer o que está acontecendo, ou seja, quais componentes podem contribuir para
determinado estado mental;
❖ Compreender a essência da aprendizagem: David Ausubel, especialista em Psicologia
da Educação, acreditava que a essência da aprendizagem está no conhecimento prévio
do aluno, isto é, na bagagem que ele já traz de casa e da vida pessoal. Segundo suas
teorias de ensino, quanto mais o indivíduo sabe, mais ele aprende;
❖ Desenvolver habilidades necessárias: a escola não é somente um lugar para desenvolver
as funções intelectuais. O aspecto afetivo e social também é exercitado de modo
significativo nesse ambiente;
❖ Estimular o interesse em ensinar e aprender: A Psicologia da Educação também fornece
respaldo ao educador para atrair a atenção do educando de modo positivo. Por meio de
estratégias educativas criativas, é possível inspirar os alunos e suscitar a vontade de
aprender e, por que não, o interesse em ensinar.

4. Importância da Psicologia de Aprendizagem

A Psicologia de Aprendizagem tem como importância: professores e alunos são auxiliados ao


melhor entendimento do processo de educação. Assim, geram melhores resultados para si e
para a sociedade. Ela contribui diretamente para a criação do sistema educacional moderno que
conhecemos hoje. Quando aplicada no âmbito escolar, ela ajuda tanto os professores quanto os
alunos dos mais diversos modos. Partindo do geral percebemos que a importância da psicologia
na educação possibilita a criança a apreender, planejar, direcionar e avaliar as suas ações. Ao
longo desse processo, ela comete alguns erros, reflete sobre eles e enfrenta a possibilidade de
corrigi-los. A importância da psicologia no processo ensino-aprendizagem reside no
reconhecimento de que a educação é um fenômeno verdadeiramente complexo e o seu impacto
no desenvolvimento humano obriga que se considere a globalidade e a diversidade das práticas
educativas em que o ser humano se encontra imerso, isto porque a educação se desdobra em
múltiplos contextos nos quais as pessoas vivem e participam definidos como âmbitos
educativos.Assim a psicologia da aprendizagem, aplica à educação e ao ensino, busca mostrar
como, através da interação entre professor e alunos, entre os alunos, é possível a aquisição do
saber e da cultura acumulados. O papel do professor nesse processo é fundamental. Ele procura
estruturar condições para a ocorrência de interações professor-alunos-objeto de estudo, que
levam à apropriação do conhecimento. De maneira geral, portanto, essa visão de aprendizagem
reconhece tanto a natureza social da aquisição do conhecimento como o papel preponderante
que nela tem o adulto.
5. Lugar da Psicologia de Aprendizagem na Psicologia

A psicologia de aprendizagem é uma área de aplicação da psicologia na educação. A Psicologia


da Aprendizagem foca o indivíduo e o desenvolvimento intelectual de suas capacidades; a
Psicologia busca normalizar comportamentos e ações em que culpabilizavam aqueles que por
algum motivo não se desenvolviam ou não aprendiam dentro do esperado.

6. Relação da Psicologia de Aprendizagem com outras ciências

A Psicologia de Aprendizagem tem relação com várias ciências sendo as mais destacadas,
as seguintes:

❖ Psicologia Geral: Psicologia de Aprendizagem tem relaçãoPsicologia de Geral, que


trata das leis gerais da formação dos Fenómenos psíquicos, caracteriza os diferentes
fenómenos Psíquicos. A Psicologia de Aprendizagem vai estudar as leis da Formação
dos fenómenos psíquicos no processo de ensino-Aprendizagem fenómenos psíquicos,
caracteriza os diferentes fenómenos psíquicos. A Psicologia de Aprendizagem vai
estudar as leis da formação dos fenómenos psíquicos no processo de ensino-
aprendizagem;
❖ Psicologia de Desenvolvimento: Psicologia de Desenvolvimento trata das leis da
formação dos fenómenos psíquicos desde o nascimento do indivíduo até a vida adulta;
caracteriza o desenvolvimento físico-motor, intelectual, emocional, afectivo e social nas
diferentes faixas etárias. A Psicologia de Aprendizagem vai estudar as condições
psicológicas da formação de fenómenos psíquicos nas diferentes faixas etárias, os
aspectos psicológicos a considerar para o desenvolvimento físico-motor, formação
intelectual, emocional, afectivo e social de crianças de diferentes faixas etárias no
processo de ensino-aprendizagem;
❖ Psicopatologia: Psicopatologia aborda as perturbações de comportamento e da
aprendizagem. A Psicologia de Aprendizagem trata das condições psicológicas do
surgimento e tratamento das perturbações de comportamento e da aprendizagem no
processo educativo e de ensino-aprendizagem,em particular;
❖ Psicologia Animal: A Psicologia Animal ou Comparada trata do comportamento dos
animais, das diferenças entre as espécies, bem como dos mecanismos de aprendizagem
dos animais e relaciona-se com a Psicologia de Aprendizagem na medida em que esta
infere dos conhecimentos da Psicologia Animal e Comparada explicações de aspectos
psicológicos da aprendizagem human;
❖ Psicologia Social: A Psicologia Social estuda a formação de fenómenos psíquicos e,
em particular, comportamentos na interacção social. A Psicologia de Aprendizagem vai
apresentar o desenvolvimento físico-motor, a formação intelectual, afectiva, emocional
na interacção social das crianças e jovens no processo de ensino-aprendizagem;
❖ Pedagogia: Pedagogia estuda os fins, objectivos, conteúdos, métodos, tecnologias
educativas, formas de avaliação, formas de organização, condições espaciais temporais
do processo de educação. A Psicologia de Aprendizagem vai preocupar-se com as leis
psicológicas do processo educativo, em particular, do processo de ensino-
aprendizagem;
❖ Plano Curricular: A concepção, o desenho, a implementação, a avaliação do
Currículo, concebidos por Marsh e Wills (1999: 11) como um conjunto de planos e
experiências interrelacionados que o estudante leva a cabo sob a direcção da escola,
tratados pela Planificação Curricular, realizam-se com base em leis psicológicas do
processo de ensino-aprendizagem.

7. Sinopse da Psicologia de Aprendizagem

7.1. Na Antiquidade

Desde a antiguidade os filósofos e pensadores preocuparam-se com os factos da aprendizagem


do tipo verbal. A noção de aprender se confundia com a acção de captar ideias, fixar seus nomes,
retê-lás evocá-lás, isto seria a um tempo conhecer e aprender. A aprendizagem vem sendo
estudada e sistematizada desde os povos de antiguidade oriental. Já no Egipto, China e na Índia
a finalidade era transmitir as tradições e costumes. Na antiguidade clássica, na Grécia e em
Roma aprendizagem passou a seguir duas linhas compostas, porem complementares: pedagogia
da personalidade – visava a formação individual. A pedagogia humanista – desenvolvia os
indivíduos numa linha onde o sistema de ensino – sistema educacional era representativo da
realidade pessoal e dava ênfase a aprendizagem universal.
Sócrates dizia que o conhecimento preexiste no espírito do homem e a aprendizagem consiste
no despertar esses conhecimentos inatos e adormecidos.

Platão formulou uma teoria dualista que separava o corpo (material e a alma, ideias espirituais).
Disse ele que a alma está sujeita a metempsicose e guarda lembrança das ideias contempladas
na encarnação anterior que, pela percepção, volta a consciência. A aprendizagem é o buscar
desta recordação.

Aristóteles pai de associativismo: a criança é uma tábula rasa onde são impressas as sensações.

Eles afirmavam que a origem do conhecimento é as sensações. Toda a ideia é formada por
informações provenientes dos sentidos, rejeitando a preexistência das ideias em nosso espírito.

7.2.Idade média

Durante a idade média a aprendizagem e o ensino passaram a ser determinados pela religião e
seus dogmas. Por exemplo: uma criança aprendia a não ser canhota, a sinistra embora
geneticamente o fosse. No final daquele período iniciou-se a separação das teorias de
aprendizagem e do ensino com a independência em relação ao clero. Devido as modificações
que ocorreram com advento do humanismo e da reforma no século XVI e sua ampliação a parti
da revolução francesa as teorias de ensino – aprendizagem continuam a seguir o seu rumo
natural.

7.3. Século XVII até ao início do séc. XX

Do século XVII até ao início do século XX doutrina central sobre a aprendizagem era
demonstrar cientificamente que determinados processos universais regiam o princípio de
aprendizagem tentando explicar as causas e formas do seu funcionamento forçando uma
metodologia que visava enquadrar o comportamento de todos organismos num sistema
unificado de leis, a exemplo da sistematização efectuada pelos cientistas para explicação dos
demais fenómenos das ciências naturais. Muitos acreditavam que a aprendizagem estava
intimamente ligada somente ao condicionamento. Um exemplo de experiência de
condicionamento foi realizado pelo filósofo russo Ivan Pavlov que condicionou cães para
salivarem ao som de campainhas. John Watson (behaviorismo 1913), representante da
psicologia anti-mentalista que tem como objectivo uma conduta observável controlada pelo
ambiente através de estímulos – respostas (E – R). Esta teoria defende que toda a conduta é
redutível a uma serie de associações entre limites simples, estímulos e respostas; a
aprendizagem é iniciada e controlada pelo ambiente.

7.4. A partir de 1930

Na década 30 os cientistas Edwin R. Guthrie, Clark L. Hull e Edward C. Tolman pesquisaram


sobre as leis que rege a aprendizagem.

Guthrie acreditava que as respostas ao invés das percepções ou estados mentais puderam formar
os componentes da aprendizagem.

Hull afirmava que a forca do hábito, além dos estímulos originados pelas recompensas,
constituía um dos principais aspectos da aprendizagem, a qual se dava num processo gradual.

Tolman seguia a linha de raciocino de que o principal objectivo visado pelo sujeito era a base
comportamental para a aprendizagem. Percebendo o ser humano a sociedade em que esta
inserido se faz uma maior observação do seu estado emocional.

7.5. Psicologia de aprendizagem como ciência

De acordo com Tavares (2002), o interesse pela educação, suas condições e seus problemas foi
sempre uma constante entre filósofos, políticos, educadores e psicólogos.

Com o desenvolvimento da psicologia como ciência e como área da actuação profissional, no


final do século XIX várias perspectivas se alinharam, facto que também ocorreu a chamada
psicologia educacional. Durante as três primeiras décadas do século XX a psicologia aplicada
a educação teve enorme desenvolvimento. Nos EUA destacava-se a necessidade de um novo
profissional capaz de actuar como intermediário entre a psicologia e a educação.

Três áreas destacaram-se: as pesquisas experimentais da aprendizagem; o estudo e a medida


dos diferentes individuais; psicologia da criança. Até a década de cinquenta a psicologia de
aprendizagem ou educação apareceu como a rainha das ciências da educação.

A psicologia de aprendizagem era definida como uma área de aplicação da psicologia na


educação. Psicologia educacional era um ramo especial da psicologia, preocupado com a
natureza, as condições, os resultados e a avaliação e retenção da aprendizagem escolar. Ela
deveria ser uma disciplina autónoma, com sua própria teoria e metodologia. Durante a década
de 50 o panorama mudou começa-se a duvidar da aplicabilidade educativa das grandes teorias
de aprendizagem, elaboradas durante a primeira metade do século XX. Surgem outras
disciplinas educativas tão importantes a educação quanto a psicologia e esta precisa ceder
espaços. Na década de 70, assume o seu carácter multidisciplinar que conserva até hoje. Não é
mais considerada como a psicologia aplicada a educação. Actualmente, a psicologia de
aprendizagem é considerada um ramo da psicologia, como da educação e caracterizado como
uma área de investigação dos problemas e fenómenos educacionais, a partir de um
entendimento psicológico.
Referência Bibliográfica

RODRIGUES, A. & BILA, L. V. Módulo de Psicologia de Desenvolvimento e de


Aprendizagem. Maputo. Universidade Pedagógica. S/d.

https://www.escolamz.com/2021/05/historial-do-surgimento-da-psicologia.html/15.11.2021

Você também pode gostar