Você está na página 1de 4

PONTIFÍCIA UNIVERISADE CATÓLICA DO PARANÁ

ESCOLA DE CIÊNCIAS DA VIDA

CURSO DE PSICOLOGIA

DISCIPLINA PRÁTICAS PSICOLÓGICAS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO

REBECA RINALDI FAVATO

TIPOS DE EDUCAÇÃO: FORMAL, INFORMAL E NÃO-FORMAL

CURITIBA

2020
 A educação, como um todo, é vista e entendida como promotora de
mecanismos de inclusão social, isto se define por formas que possibilita
o acesso aos direitos de cidadania, que resgatam alguns ideais já
esquecidos pela humanidade (civilidade, tolerância, respeito)

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL

 Ocorre forma das escolas, por exemplo, na casa, no bairro, na igreja, no


clube, na rua...
 Oportuniza que o indivíduo aprenda a lidar com as diferenças e a ter um
olhar para o outro sem pré-conceitos, a socializar com respeito mútuo,
se adaptar em grupos com diferentes culturas e valores
 Permite que os indivíduos aprendam sobre a política dos direitos de
todos enquanto cidadãos, esse tipo de educação capacita os indivíduos
para o trabalho (desenvolvimento de habilidades e potencialidades),
capacita os indivíduos a resolverem problemas coletivos
 O ponto fraco desse tipo de educação, é a metodologia. O método da
educação não formal está inscrito no campo do simbólico, tendo em
vista que o método passa pela sistematização dos modos de agir e
pensar sobre o mundo
 A educação não formal não substitui e nem compete a educação formal,
pelo contrário, pode ajudar a complementar o que se é aprendido nas
escolas

EDUCAÇÃO FORMAL

 Acontece nas escolas, nas universidades, faculdades, instituições de


ensino regulamentadas pela lei
 Possui conteúdos previamente demarcados
 O educador é o professor
 Exige tempo, local específico, pessoas especializadas
 Se divide por idade e/ou classe de conhecimento
 Objetivos: aprender conteúdos historicamente sistematizados, formar a
pessoa como cidadão ativo, desenvolver habilidades e competências,
desenvolver a criatividade, a percepção, a motricidade
 Espera-se que aconteça uma aprendizagem efetiva (mesmo que isso,
infelizmente nem sempre aconteça) com certificação e titulação
 Está presente em conselhos, fóruns, assembleias populares e parcerias
- Conselhos: mescla a educação formal com a educação não formal,
pois há participação dos pais e outros membros da comunidade
educativa nas reuniões; possibilita que a sociedade civil exercite o direito
de participar da gestão de diferentes políticas públicas
- Colegiados: só participam ativamente aqueles pais com experiência
participativa anterior, extra-escolar, mostrando como é importante a
participação de todos os cidadãos em ações coletivas dentro da
sociedade. Os colegiados devem contribuir para o desenvolvimento da
igualdade e da universalidade, pois sem essa sensibilidade temos uma
inclusão excludente, isto é, há um aumento da quantidade de alunos nas
escolas e estruturas descentralizadas que não ampliam a intervenção da
comunidade na escola

EDUCAÇÃO INFORMAL

 O aprendizado se dá através da socialização, da interação (com a


família, amigos), possui enorme valor cultural, se aprende
compartilhando experiências com seus pares
 O educador é o “outro” – interação, socialização
 Objetivos: promover e incentivar a socialização, desenvolver hábitos,
atitudes, comportamentos, modos de pensar e de se expressar, construir
relações sociais pautadas na igualdade e na justiça social
 Não demanda de uma organização, como a educação formal. O
conhecimento é repassado através das experiências anteriores
compartilhadas com os outros, ou seja, é o passado orientando o
presente
 Atua no campo das emoções e dos sentimentos, ajuda na construção da
identidade coletiva de um grupo e também no desenvolvimento da
autoestima
 Não existem resultados ou metas a serem alcançados, eles
simplesmente ocorrem por meio do desenvolvimento do sendo comum
entre as pessoas

MOVIMENTOS SOCIAIS NA ÁREA DA EDUCAÇÃO

 Possuem caráter histórico, são processuais e ocorrem dentro e fora das


escolas
 Englobam questões tanto de conteúdo escolar quanto de gênero, etnia,
nacionalidade, religiões, portadores de necessidades especiais, meio
ambiente, qualidade de vida, paz, direitos humanos, direitos culturais

Você também pode gostar