Você está na página 1de 37

CISALHAMENTO TRANSVERSAL

Aula 12

Antonio Otto;
Eng. Mecânico
Esp. em Engenharia de Petróleo e Gás

Novembro de 2015
CISALHAMENTO TRANSVERSAL
Cisalhamento em elementos retos

Anteriormente, foi visto que em geral, as vigas


suportam cargas de cisalhamento e também de
momento fletor.
O cisalhamento V é o resultado de uma
distribuição de tensão de cisalhamento transversal que
age na seção transversal da viga.
É possível exemplificar fisicamente por que a tensão de cisalhamento se desenvolve
nos planos longitudinais de uma viga considerando que ela é composta por três tábuas.

Se as superfícies superior e inferior de


cada tábua forem lisas e as tábuas
estiverem soltas, a aplicação da carga P
fará com que as tábuas deslizem uma sobre
a outra e, assim, a viga sofrerá a deflexão
mostrada na fig. A; em contra partida, se
estiverem unidas entre elas, impedirão que
haja o deslizamento, e assim, a viga agirá
como se formada de uma única peça, fig. B.
Como resultado da tensão de cisalhamento, serão desenvolvidas tensões de
deformação que tenderão a distorcer a seção transversal de modo complexo.

Para exemplificar, tome um material com


alto grau de deformação e, marcado com uma
grade de linhas em toda sua extensão.

Quando é aplicado um cisalhamento V, as


linhas da grade tendem a deformar conforme o
padrão mostrado.
Ao contrário da flexão, no caso do cisalhamento transversal, a distribuição da
deformação por cisalhamento ao longo da largura de uma viga não pode ser expressa
facilmente em termos matemáticos.
Por exemplo, ela não é uniforme nem linear para seções transversais retangulares, como
se vê na imagem anterior.
A fórmula do cisalhamento
A equação é conhecida como fórmula do cisalhamento.

𝑉. 𝑄
𝜏=
𝐼. 𝑡

Onde:
τ = Tensão de cisalhamento no elemento no ponto
localizado à distância y’ do eixo neutro.
Consideramos portanto que essa tensão é constante e,
portanto, média, por toda a largura t do elemento.
A fórmula do cisalhamento
V = Força de cisalhamento interna resultante, determinada pelo método das seções e pelas
equações de equilíbrio.
I = Momento de inércia da área da seção transversal inteira, calculada em torno do eixo
neutro.
t = Largura da área da seção transversal do elemento, medida no ponto onde τ deve ser
determinado.
Q = 𝒚′. 𝑨′, onde A’ é a porção superior/inferior da área da seção transversal do elemento,
definido pela seção onde t é medida e 𝑦′ é a distância até o centroide de A’, medida em
relação ao eixo neutro.
Exercícios
1 - A viga de madeira está sujeita a uma força de cisalhamento vertical interna resultante V =
3kN. (A) Determine a tensão de cisalhamento na viga no ponto P e (B) calcule a tensão de
cisalhamento máxima na viga.
A)
Momento de inércia

𝑏. ℎ3 100𝑚𝑚 ∗ 1253 𝑚𝑚
𝐼= → = 16,28𝑥106 𝑚𝑚4
12 12

Cálculo de Q

50𝑚𝑚
𝑄= 𝑦 ′ . 𝐴′ → 12,5𝑚𝑚 + 50𝑚𝑚 ∗ 100𝑚𝑚 = 18,75𝑥104 𝑚𝑚³
2

Tensão de Cisalhamento

𝑉. 𝑄 3𝑥103 𝑁 ∗ 18,75𝑥104 𝑚𝑚³


𝜏𝑝 = → = 0,346 𝑀𝑃𝑎
𝐼. 𝑡 16,28𝑥106 𝑚𝑚4 ∗ 100𝑚𝑚
B)

Cálculo de Q
62,5𝑚𝑚
𝑄= 𝑦 ′ . 𝐴′ → 62,5𝑚𝑚 ∗ 100𝑚𝑚 = 19,53𝑥104 𝑚𝑚³
2

Tensão de Cisalhamento
𝑉. 𝑄 3𝑥103 𝑁 ∗ 19,53𝑥104 𝑚𝑚³
𝜏𝑚á𝑥 = → = 0,36 𝑀𝑃𝑎
𝐼. 𝑡 16,28𝑥106 𝑚𝑚4 ∗ 100 𝑚𝑚
Exercícios
2 – O raio da haste de aço é 30 mm. Se ela for submetida a um cisalhamento V= 25kN,
determine a tensão de cisalhamento máxima.
Momento de inércia
𝜋 4 𝜋 ∗ 304
𝐼= 𝑟 → = 202500𝜋 𝑚𝑚 4
4 4

Cálculo de Q
4 𝜋 2 2
𝑄 = 𝑦. 𝐴′ → 𝑐 ∗ 𝑐 2 ∴ 𝑐 3 → 𝑄 = 30 𝑚𝑚 3
= 18000 𝑚𝑚3
3𝜋 2 3 3

Tensão de Cisalhamento
𝑉. 𝑄 25𝑥103 𝑁 ∗ 18000 𝑚𝑚³
𝜏𝑚á𝑥 = → = 11,79 𝑀𝑃𝑎
𝐼. 𝑡 202500𝜋 𝑚𝑚4 ∗ 2 ∗ 30 𝑚𝑚
Exercícios
3 - Se a viga for submetida a um cisalhamento de
V = 15 kN, determine a tensão de cisalhamento
na alma em A e B. Indique as componentes da
tensão de cisalhamento sobre um elemento de
volume localizado nesses pontos. Considere w =
125 mm. Mostre que o eixo neutro está
localizado em y’ = 0,1747 m em relação à parte
inferior e INA = 0,2182(10-3) m4.
Centroide do conjunto

𝑦. 𝐴 15 ∗ 125 ∗ 30 + 295 ∗ 200 ∗ 30 + 155 ∗ 250 ∗ 25


𝑦= →𝑦 = →
𝐴 125 ∗ 30 + 200 ∗ 30 + 250 ∗ 25
𝑦 = 174,7 𝑚𝑚
Obs.: Área entre parêntese, todas as unidades são mm

Inércia do conjunto
2 2
0,125 ∗ 0,033 0,03 0,2 ∗ 0,033 0,03
𝐼𝑁𝐴 = + 0,125 ∗ 0,03 ∗ 0,1747 − + + 6𝑥10−3 ∗ 0,1747 − 0,25 − 0,03 −
12 2 12 2
2
0,025 ∗ 0,253 0,25
+ + 6,25𝑥10−3 ∗ 0,1747 − − 0,03
12 2

Obs.: Todas as unidades são m


𝐼𝑁𝐴 = 9,5923𝑥10−5 + 3,4978𝑥10−5 + 8,7283𝑥10−5

𝐼𝑁𝐴 = 2,18184𝑥10−4 𝑚4
Cálculo de Q

𝑄𝐴 = 𝐴′ ∗ 𝑦𝐶𝐺 𝑄𝐴 = 0,2 ∗ 0,03 ∗ 0,03 + 0,25 + 0,03 − 0,015 − 0,1747 →


𝑄𝐴 = 7,218𝑥10−4 𝑚3

𝑄𝐵 = 𝐴′ ∗ 𝑦𝐶𝐺 𝑄𝐵 = 0,03 ∗ 0,125 ∗ 0,1747 − 0,015 → 𝑄𝐵 = 5,9888𝑥10−4 𝑚3

Tensão de Cisalhamento

𝑉. 𝑄𝐴 15𝑥103 𝑁 ∗ 7,218𝑥10−4 𝑚3
𝜏𝐴 = → → 𝜏𝐴 = 1,99 𝑀𝑃𝑎
𝐼. 𝑡𝐴 2,18184𝑥10−4 𝑚4 ∗ 0,025 𝑚

𝑉. 𝑄𝐵 15𝑥103 𝑁 ∗ 5,9888𝑥10−4 𝑚3
𝜏𝐵 = → → 𝜏𝐵 = 1,65 𝑀𝑃𝑎
𝐼. 𝑡𝐵 2,18184𝑥10−4 𝑚4 ∗ 0,025 𝑚
Fluxo de cisalhamento em estruturas compostas
por vários elementos

É comum que se use múltiplos materiais em uma estrutura composta por várias partes,
afim de se obter maior resistência à cargas.
Se as cargas provocarem flexão nas partes dos componentes, pode ser necessário utilizar
elementos de fixação como pregos, parafusos, material de soldagem para evitar o
deslizamento. Assim, para projetar esses elementos de fixação, é preciso conhecer a força de
cisalhamento à qual serão submetidos ao longo do comprimento da estrutura.
Esse carregamento, quando medido como força por unidade de comprimento, é
denominado fluxo de cisalhamento q.
𝑉. 𝑄
𝑞=
𝐼
Onde:
q = força de cisalhamento, medida como uma força por unidade de comprimento ao longo da
viga.
V = Força de cisalhamento (cortante) interna resultante.
I = Momento de inércia de toda a área da seção transversal calculado em torno do eixo
neutro.
Q = 𝒚′. 𝑨′, onde A’ é a área da seção transversal do segmento acoplado à viga na junção onde
o fluxo de cisalhamento deve ser calculado e 𝑦′ é a distância do eixo neutro até o
centroide de A’.
Exercícios
4 - A viga é composta por quatro tábuas coladas. Se for submetida a um cisalhamento V =
850kN, determine o fluxo de cisalhamento em B e C ao qual a cola deve resistir.
Centroide do conjunto

𝑦. 𝐴 2 0,15 ∗ 3𝑥10−3 + 0,205 ∗ 1,25𝑥10−3 + 0,305 ∗ 2,5𝑥10−3


𝑦= →
𝐴 2 ∗ 3𝑥10−3 + 1,25𝑥10−3 + 2,5𝑥10−3
Obs.: As unidades são m e m²
𝑦 = 0,1968 𝑚
Inércia do conjunto

0,01 ∗ 0,33
𝐼=2 + 3𝑥10−3 ∗ 0,1968 − 0,15 2 +
12
0,125 ∗ 0,013 2
0,25 ∗ 0,013
+ + 0,00125 ∗ 0,0082 + + 0,0025 ∗ 0,10822 ∴
12 12

𝐼 = 87,52𝑥10−6 𝑚4
Ponto B:

Cálculo de Q

𝑄𝐵 = 𝑦𝐵 . 𝐴′ 𝐵 → 0,305𝑚 − 0,1968𝑚 ∗ 2,5𝑥10−3 𝑚2 = 0,271𝑥10−3 𝑚3

Fluxo de cisalhamento
𝑉. 𝑄 850𝑘𝑁 ∗ 0,271𝑥10−3 𝑚3 𝑘𝑁 𝑀𝑁
𝑞= → = 2.632,271 = 2,632
𝐼 87,52𝑥10−6 𝑚4 𝑚 𝑚

Como são dois apoios, qB = 1,31 MN/m


Ponto C:
Cálculo de Q

𝑄𝑐 = 𝑦𝐶 . 𝐴′ 𝐶 → 0,205𝑚 − 0,1968𝑚 ∗ 1,25𝑥10−3 𝑚2 = 0,01026𝑥10−3 𝑚3

Fluxo de cisalhamento
𝑉. 𝑄 850𝑘𝑁 ∗ 0,01026𝑥10−3 𝑚3 𝑘𝑁 𝑀𝑁
𝑞= → = 99,645 = 0,996
𝐼 87,52𝑥10−6 𝑚4 𝑚 𝑚

Como são dois apoios, qC = 0,0498 MN/m


Exercícios
5 - A viga é construída com cinco tábuas
parafusadas como mostra a figura.
Determine o espaçamento máximo s para
os parafusos se cada um deles puder
resistir a um cisalhamento de 20 kN e o
cisalhamento aplicado for V = 45 kN.
Centroide da seção transversal

𝑦. 𝐴 3 ∗ 175 ∗ 350 ∗ 25 + 2 ∗ 325 ∗ 250 ∗ 25


𝑦= → 𝑦 = 223,387 𝑚𝑚
𝐴 3 ∗ 350 ∗ 25 + 2 ∗ 250 ∗ 25
Obs.: As unidades são mm e mm²

Inércia do conjunto

0,025 ∗ 0,353 −3 2
0,025 ∗ 0,253
𝐼=3 + 8,75𝑥10 ∗ 0,04839 + 2 ∗ + 6,25𝑥10−4 ∗ 0,1016132
12 12

𝐼 = 5,236𝑥10−4 𝑚4
Cálculo de Q

𝑄= 𝑦. 𝐴′ → 2 ∗ 0,325 − 0,2234 ∗ 0,25 ∗ 0,025 𝑄 = 1,27𝑥10−3 𝑚3

Fluxo de cisalhamento

𝑉. 𝑄 45 𝑘𝑁 ∗ 1,27𝑥10−3 𝑚3 𝑘𝑁
𝑞= → = 109,148
𝐼 5,236𝑥10−4 𝑚4 𝑚

espaçamento máximo s
𝑘𝑁
𝑞 𝐹 109,148
= → 𝑚 = 20 𝑘𝑁 → 𝑠 = 0,7329 𝑚 = 733 𝑚𝑚
𝑛 𝑠 4[] 𝑠

𝑛º planos de corte Espaçamento


CISALHAMENTO TRANSVERSAL

Aula 12

Antonio Otto;
Eng. Mecânico
Esp. em Engenharia de Petróleo e Gás
Fim
Novembro de 2015
CISALHAMENTO TRANSVERSAL

Aula 12
Complemento
Antonio Otto;
Eng. Mecânico
Esp. em Engenharia de Petróleo e Gás

Novembro de 2015
Tensões de cisalhamento em vigas
Seção transversal retangular

Considere uma viga se seção transversal


retangular dada nas dimensões b x h.
A distribuição da tensão de cisalhamento pela
seção transversal pode ser determinada pelo cálculo da
tensão de cisalhamento a uma altura arbitrária y em
relação ao eixo neutro.
Tensões de cisalhamento em vigas
Seção transversal retangular

A área sombreada colorida escura A’ será usada


para calcular τ. Assim temos:

1 ℎ ℎ
𝑄= 𝑦 ′ . 𝐴′ = 𝑦+ −𝑦 . − 𝑦 .𝑏 ∴
2 2 2

1 ℎ2
𝑄= − 𝑦2 . 𝑏
2 4
Aplicando a fórmula do cisalhamento, temos:

6𝑉 ℎ2 2
𝜏= − 𝑦
𝑏. ℎ3 4

Esse resultado indica que a distribuição da


tensão de cisalhamento na seção transversal é
parabólica.
Tensões de cisalhamento em vigas
Vigas de abas largas

Uma viga de abas largas consiste em duas “abas”


(largas) e uma “alma”, como mostra a figura.
Como ocorreu na seção transversal retangular, a
tensão de cisalhamento varia parabolicamente na
altura da viga, já que a seção transversal pode ser
tratada como a seção de três retângulos.
Tensões de cisalhamento em vigas
Limitações do uso da fórmula do cisalhamento

Uma das premissas mais importantes utilizadas no desenvolvimento da fórmula do


cisalhamento é que a tensão de cisalhamento é uniformemente distribuída pela largura t na
seção onde a tensão de cisalhamento é determinada.
Ou seja, a tensão de cisalhamento média é calculada na largura.
O valor τ’máx ocorre nas bordas da seção transversal da viga, e esse depende da razão
b/h.
A fórmula do cisalhamento não dá resultados precisos quando aplicados a elementos
cujas seções transversais são curtas/achatadas, ou sofre mudança abrupta. Tampouco deve
ser aplicada em uma seção que intercepta o contorno do elemento a um ângulo diferente
de 90º. Para tais casos, o cálculo deve ser feito por métodos mais avançados baseados na
teoria da elasticidade.
Fluxo de cisalhamento em elementos de paredes
finas
Se um elemento for composto por segmentos com paredes finas, só o fluxo de
cisalhamento paralelo às paredes do elemento é importante.
O fluxo de cisalhamento varia linearmente ao longo de segmentos perpendiculares à
direção do cisalhamento V.
O fluxo de cisalhamento varia parabolicamente ao longo de segmentos
inclinados/paralelos em relação à direção do cisalhamento V.
Na seção transversal, o cisalhamento “flui” ao longo dos segmentos de modo que
contribui para o cisalhamento V e, ainda, satisfaz o equilíbrio de forças vertical e horizontal.
Usa-se das mesmas equações.
Centro de cisalhamento para seções transversais
abertas
O centro de cisalhamento (O) é o ponto no qual se pode aplicar uma força que causará
a deflexão de uma viga sem provocar torção. Ele sempre está localizado em um eixo de
simetria da seção transversal.
A localização do centro de cisalhamento, é função da geometria da seção transversal e
não depende do carregamento aplicado.

Você também pode gostar