Você está na página 1de 6

FACULDADE DE IMPERATRIZ

CURSO DE DIREITO
ACADÊMICO: VALTEIR SILVA SOUSA

DIREITO CONSTITUCIONAL II

Imperatriz
2010
EFICÁCIA HORIZONTAL E EFICACIA VERTICAL DOS DIREITOS
FUNDAMENTAIS

1. CONCEITOS

a) Eficácia horizontal

A eficácia horizontal ou privada (erga omnes), trata dos direitos fundamentais no


âmbito das relações jurídico-privadas ou seja, cobra cumprimento dos direitos
fundamentais também nas relações entre particulares. .

b) Eficácia Vertical

A eficácia vertical dos direitos fundamentais, trata da relação entre estado e


indivíduo, como uma forma de proteção das liberdades individuais, ou seja, ela obriga ao
respeito pelo Poder Público

2. DIFERENÇAS:

– Enquanto na eficácia vertical a finalidade dos direitos fundamentais era a


proteção do homem contra os abusos de um determinado Estado, na eficácia
horizontal a finalidade é garantia de proteção ao homem nos relacionamentos entre os
que ocupam o mesmo plano hierárquico, ou seja dos interesses do particular frente o
próprio particular.

A eficácia vertical (estatal) dos direitos fundamentais é clarificada pela


abstenção ou necessidade de ação do Poder Público, aplicando-se de
imediato a cada caso em concreto, enquanto a eficácia horizontal, voltada às
relações particulares, inibe os detentores de poder social e econômico de
mutilarem o piso vital mínimo ofertado pela CF.(SILVA JUNIOR, 2009 [ON
LINE])

3. CASOS JULGADOS STF

Vasconcellos (2008) nos lembra que dada a sua natureza jurídica os Direitos
Fundamentais possuem elevada carga de abstratividade, e, ante este fato, muitos
magistrados buscam socorro nas regras (intermediação legislativa). Não obstante, na
ausência desta, o juiz não poderá abster-se do dever de solucionar a lide, em atenção ao
Princípio da Inafastabilidade da Prestação Jurisdicional (artigo 5º, XXXV, da CF/88). Ainda
assim, na jurisprudência brasileira, sobretudo do Supremo Tribunal Federal, é possível
encontrar algumas decisões onde a aplicação da eficácia horizontal dos Direitos
Fundamentais ocorreu de forma direta.

De início, impende-se trazer à colação, o Recurso Extraordinário n. 158215/RS,


cuja ementa encontra-se assim vazada:
DEFESA - DEVIDO PROCESSO LEGAL - INCISO LV DO ROL DAS
GARANTIAS CONSTITUCIONAIS - EXAME - LEGISLAÇÃO COMUM. A
intangibilidade do preceito constitucional assegurador do devido processo legal
direciona ao exame da legislação comum. Daí a insubsistência da óptica
segundo a qual a violência à Carta Política da República, suficiente a ensejar o
conhecimento de extraordinário, há de ser direta e frontal. Caso a caso,
compete ao Supremo Tribunal Federal exercer crivo sobre a matéria,
distinguindo os recursos protelatórios daqueles em que versada, com
procedência, a transgressão a texto constitucional, muito embora torne-se
necessário, até mesmo, partir-se do que previsto na legislação comum.
Entendimento diverso implica relegar à inocuidade dois princípios básicos em
um Estado Democrático de Direito - o da legalidade e do devido processo legal,
com a garantia da ampla defesa, sempre a pressuporem a consideração de
normas estritamente legais. COOPERATIVA - EXCLUSÃO DE ASSOCIADO -
CARÁTER PUNITIVO - DEVIDO PROCESSO LEGAL. Na hipótese de
exclusão de associado decorrente de conduta contrária aos estatutos,
impõe-se a observância ao devido processo legal, viabilizado o exercício
amplo da defesa. Simples desafio do associado à assembléia geral, no que
toca à exclusão, não é de molde a atrair adoção de processo sumário.
Observância obrigatória do próprio estatuto da cooperativa.
Neste paradigmático julgado, cujo relator foi o Em. Min. Marco Aurélio, o Supremo
Tribunal Federal, por sua Segunda Turma, há mais de uma década, já considerou que
uma pessoa jurídica de direito privado, no caso, uma cooperativa, precisava observar o
devido processo legal, a ampla defesa e o contraditório no caso de exclusão compulsória
de um de seus associados.
Decisão semelhante e mais recente se deu no Recurso Extraordinário n.
201819/RJ, relatado pelo Min. Gilmar Mendes, pela Segunda Turma, encontrando-se a
ementa com o seguinte teor:
SOCIEDADE CIVIL SEM FINS LUCRATIVOS. UNIÃO BRASILEIRA DE
COMPOSITORES. EXCLUSÃO DE SÓCIO SEM GARANTIA DA AMPLA
DEFESA E DO CONTRADITÓRIO. EFICÁCIA DOS DIREITOS
FUNDAMENTAIS NAS RELAÇÕES PRIVADAS. RECURSO DESPROVIDO. I.
EFICÁCIA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS NAS RELAÇÕES PRIVADAS.
As violações a direitos fundamentais não ocorrem somente no âmbito das
relações entre o cidadão e o Estado, mas igualmente nas relações
travadas entre pessoas físicas e jurídicas de direito privado. Assim, os
direitos fundamentais assegurados pela Constituição vinculam
diretamente não apenas os poderes públicos, estando direcionados
também à proteção dos particulares em face dos poderes privados. II. OS
PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS COMO LIMITES À AUTONOMIA PRIVADA
DAS ASSOCIAÇÕES. A ordem jurídico-constitucional brasileira não conferiu a
qualquer associação civil a possibilidade de agir à revelia dos princípios
inscritos nas leis e, em especial, dos postulados que têm por fundamento direto
o próprio texto da Constituição da República, notadamente em tema de
proteção às liberdades e garantias fundamentais. O espaço de autonomia
privada garantido pela Constituição às associações não está imune à
incidência dos princípios constitucionais que asseguram o respeito aos
direitos fundamentais de seus associados. A autonomia privada, que
encontra claras limitações de ordem jurídica, não pode ser exercida em
detrimento ou com desrespeito aos direitos e garantias de terceiros,
especialmente aqueles positivados em sede constitucional, pois a autonomia
da vontade não confere aos particulares, no domínio de sua incidência e
atuação, o poder de transgredir ou de ignorar as restrições postas e
definidas pela própria Constituição, cuja eficácia e força normativa
também se impõem, aos particulares, no âmbito de suas relações
privadas, em tema de liberdades fundamentais. III. SOCIEDADE CIVIL SEM
FINS LUCRATIVOS. ENTIDADE QUE INTEGRA ESPAÇO PÚBLICO, AINDA
QUE NÃO-ESTATAL. ATIVIDADE DE CARÁTER PÚBLICO. EXCLUSÃO DE
SÓCIO SEM GARANTIA DO DEVIDO PROCESSO LEGAL.APLICAÇÃO
DIRETA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS À AMPLA DEFESA E AO
CONTRADITÓRIO. As associações privadas que exercem função
predominante em determinado âmbito econômico e/ou social, mantendo seus
associados em relações de dependência econômica e/ou social, integram o
que se pode denominar de espaço público, ainda que não-estatal. A União
Brasileira de Compositores - UBC, sociedade civil sem fins lucrativos, integra a
estrutura do ECAD e, portanto, assume posição privilegiada para determinar a
extensão do gozo e fruição dos direitos autorais de seus associados. A
exclusão de sócio do quadro social da UBC, sem qualquer garantia de ampla
defesa, do contraditório, ou do devido processo constitucional, onera
consideravelmente o recorrido, o qual fica impossibilitado de perceber os
direitos autorais relativos à execução de suas obras. A vedação das garantias
constitucionais do devido processo legal acaba por restringir a própria liberdade
de exercício profissional do sócio. O caráter público da atividade exercida
pela sociedade e a dependência do vínculo associativo para o exercício
profissional de seus sócios legitimam, no caso concreto, a aplicação
direta dos direitos fundamentais concernentes ao devido processo legal,
ao contraditório e à ampla defesa (art. 5º, LIV e LV, CF/88). IV. RECURSO
EXTRAORDINÁRIO DESPROVIDO.
Verifica-se, neste julgado, um maior aprofundamento da temática da eficácia dos
direitos fundamentais nas relações jurídicas havidas entre particulares, tendo restado
bastante clara a posição da Suprema Corte no sentido da necessidade da observância
dos preceitos fundamentais, especialmente aqueles de natureza procedimental, como a
ampla defesa e o contraditório, sobretudo nos casos em que o ente privado tem o poder
de ingerência na vida profissional do associado.
Já o Recurso Extraordinário n. 160222/RJ, encontra-se assim ementado:
I – Recurso Extraordinário: legitimação da ofendida – ainda que
equivocadamente arrolada como testemunha -, não habilitada anteriormente, o
que, porém, não a inibe de interpor o recurso, nos quinze dias seguintes ao
términi do prazo do Ministério Público (STF, Súms. 210 e 448).
II – Constrangimento ilegal: submissão das operárias de indústria de
vestuário à revista íntima, sob ameaça de dispensa; sentença
condenatória de primeiro grau fundada na garantia constitucional da
intimidade e acórdão absolutório do Tribunal de Justiça, porque o
constrangimento questionado à intimidade das trabalhadoras, embora
existente, fora admitido por sua adesão ao contrato de trabalho, questão
que, malgrado a sua relevância constitucional, já não pode ser solvida
neste processo, dada a prescrição superveniente, contada desde a
sentença de primeira instância, e jamais interrompida desde então.
Neste caso, relatado pelo Min. Sepúlveda Pertence, a Primeira Turma do Pretório
Excelso, infelizmente, não pôde se aprofundar na questão constitucional, pois se tratava
de ação penal, em que restou reconhecida a prescrição superveniente.
Não obstante, verifica-se que a primeira instância reconheceu o constrangimento
ilegal, por parte do representante da empresa, enquanto que o Tribunal de Justiça
entendeu que, por terem "aderido" ao contrato de trabalho, estariam as trabalhadoras
anuindo com a violação de sua intimidade por parte da empregadora. Trata-se, pois, de
reconhecer a primazia da autonomia negocial, em detrimento dos direitos fundamentais
das trabalhadoras.
Entretanto, o próprio despacho de admissão do Recurso Extraordinário, admitiu,
em princípio, que teria havido a inobservância, por parte do representante empresarial, da
norma inscrita no art. 5º, inciso X, da Constituição, que resguarda a intimidade do
indivíduo.
Outro julgado do Supremo Tribunal Federal de destaque neste tema é o do
Recurso Extraordinário n. 161243/DF, relatado pelo Min. Carlos Velloso, pela Segunda
Turma, cuja ementa se transcreve:
CONSTITUCIONAL. TRABALHO. PRINCÍPIO DA IGUALDADE.
TRABALHADOR BRASILEIRO EMPREGADO DE EMPRESA ESTRANGEIRA:
ESTATUTOS DO PESSOAL DESTA: APLICABILIDADE AO TRABALHADOR
ESTRANGEIRO E AO TRABALHADOR BRASILEIRO. C.F., 1967, art. 153, §
1º; C.F., 1988, art. 5º, caput. I. - Ao recorrente, por não ser francês, não
obstante trabalhar para a empresa francesa, no Brasil, não foi aplicado o
Estatuto do Pessoal da Empresa, que concede vantagens aos empregados,
cuja aplicabilidade seria restrita ao empregado de nacionalidade francesa.
Ofensa ao princípio da igualdade: C.F., 1967, art. 153, § 1º; C.F., 1988, art. 5º,
caput). II. - A discriminação que se baseia em atributo, qualidade, nota
intrínseca ou extrínseca do indivíduo, como o sexo, a raça, a
nacionalidade, o credo religioso, etc., é inconstitucional. Precedente do
STF: Ag 110.846(AgRg)-PR, Célio Borja, RTJ 119/465. III. - Fatores que
autorizariam a desigualização não ocorrentes no caso. IV. - R.E. conhecido e
provido.
Aqui acolheu o Eminente Ministro Relator o parecer do Ministério Público, no
sentido de que a empresa privada deve respeitar o princípio isonômico, inscrito no caput
do art. 5º, da atual Constituição da República, sendo reconhecidamente proibida a
discriminação fundada na nacionalidade do trabalhador. Desta forma, o Pretório Excelso
conferiu maior envergadura ao direito fundamental de igualdade do trabalhador do que ao
princípio da autonomia, não permitindo que este legitimasse a discriminação do
trabalhador quanto à distribuição de benefícios previstos no estatuto empresarial.
Revela-se especialmente evidente a necessidade da incidência das normas de
direitos fundamentais na seara das relações de trabalho, sobretudo no que diz com as
condutas discriminatórias adotadas por empresas empregadoras com relação a seus
trabalhadores. Isto porque, diante da flagrante situação de desigualdade entre as partes,
o empregador é, frequentemente, fonte de violações aos direitos fundamentais de seus
trabalhadores.
Neste sentido, o acórdão da Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho,
relatado pelo Juiz convocado André Luís de Oliveira, cuja ementa é a seguinte:
Recurso de Revista. Dispensa Discriminatória por Idade. Nulidade. Abuso de
Direito.Reintegração.
Se das premissas fáticas emergiu que a empresa se utiliza da prática de
dispensar seus funcionários quando estes completam 60 anos, imperioso se
impõe ao julgador coibir tais procedimentos irregulares, efetivados sob o manto
do "poder potestativo", para que as dispensas não se efetivem sob a pecha
discriminatória da maior idade. Embora o caso vertente não tivesse à época de
sua ocorrência previsão legal especial (a Lei 9.029 que trata da proibição de
práticas discriminatórias foi editada em 13.04.1995 e a dispensa do reclamante
ocorreu anteriormente), cabe ao prolator da decisão o dever de valer-se dos
princípios gerais do direito, da analogia e dos costumes, para solucionar os
conflitos a ele impostos, sendo esse, aliás, o entendimento consagrado pelo
art. 8º, da CLT, que admite que a aplicação da norma jurídica em cada caso
concreto, não desenvolve apenas o dispositivo imediatamente específico para
o caso, ou o vazio de que se ressente, mas sim, todo o universo de normas
vigentes, os precedentes, a evolução da sociedade, os princípios, ainda que
não haja omissão na norma. Se a realidade do ordenamento jurídico trabalhista
contempla o direito potestativo da resilição unilateral do contrato de trabalho, é
verdade que o exercício deste direito guarda parâmetros éticos e sociais como
forma de preservar a dignidade do cidadão trabalhador. A despedida levada a
efeito pela reclamada, embora cunhada no seu direito potestativo de resilição
contratual, estava prenhe de mácula pelo seu conteúdo discriminatório, sendo
nula de pleno direito, em face da expressa disposição do art. 9º da CLT, não
gerando qualquer efeito, tendo como conseqüência jurídica a continuidade da
relação de emprego, que se efetiva através da reintegração. Efetivamente, é a
aplicação da regra do § 1º do art. 5º da Constituição Federal, que impõe a
aplicação imediata das normas definidoras dos direitos e garantias
fundamentais, pois, como apontando pelo v. acórdão, a prática da
dispensa discriminatória por idade confrontou o princípio da igualdade
contemplado no caput do art. 5º da Constituição Federal. Inocorrência de
vulneração ao princípio da legalidade e não configurada divergência
jurisprudencial. Recurso de Revista não conhecido relativamente ao tema.
Aqui, a mais alta Corte da Justiça Especializada tratou de afastar a possibilidade de
a empresa praticar condutas discriminatórias, que importavam na dispensa imotivada de
seus empregados, ao completarem sessenta anos de idade, ainda que a ordem jurídica
permita a dispensa sem necessidade de motivação. Entretanto, havendo a conduta de
dispensa se baseado em critério discriminatório, ofendido restará o direito à igualdade do
trabalhador, devendo tal conduta ser prontamente rechaçada pelo Estado-Juiz, pois o
poder potestativo da empresa e sua prática de promover a despedida de funcionários por
motivo de idade confrontam-se aos dispositivos constitucionais dos artigos 5º, caput e 7º,
inc. XXX, da Constituição Federal.

REFERENCIAS

VASCONCELLOS, Armando Cruz. A eficácia horizontal dos direitos fundamentais nas


relações privadas de subordinação. 2008. Jus Navigandi. Disponível em:
<http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=12595>. Acesso em: 23 mar 2010.
BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. São Paulo. Malheiros, 1996.
MORAIS, Alexandre de. Direto Constitucional. São Paulo: Atlas, 2002.
______. Constituição do Brasil Interpretada e Legislação Constitucional. São Paulo:
Atlas, 2003.
MENDES, Dayane Aparecida Rodrigues. A eficácia dos direitos fundamentais nas
relações entre particulares e a atuação do poder judiciário. Disponível em:
<http://docs.google.com/viewer?a=v&q=cache:5Vx-
cp3aL0MJ:intertemas.unitoledo.br/revista/index.php/ETIC/article/viewFile/1620/>. Acesso
em 23 mar 2010.
SILVA JUNIOR, Nilson Nunes da. Eficácia horizontal dos Direitos Fundamentais. In:
Âmbito Jurídico, Rio Grande, 62, 01/03/2009 [Internet].
Disponível em . Acesso em 24/03/2010