Você está na página 1de 18

Alexandre Sarmento Guilundo

Alexandre Sarmento Guilundo


Clark Zacarias Manhique
Clark Zacarias Manhique
Alexandre Sarmento Guilundo

Clark Zacarias Manhique

Licenciaturaem
Licenciatura em Ensino de
defísica
Licenciatura em Ensino
Ensino de física
física
11 ano
1 ano
ano

Relatório

Tema2: estudo sobre as leis de Movimento retilíneo uniforme

Relatório
Relatório
Tema2: estudo sobre as leis de Movimento retilíneo uniforme
Tema2: estudo sobre as leis de Movimento retilíneo uniforme

Universidade pedagógica

Maputo/2021
Universidae pedagógica
Universidae pedagógica
Maputo 2021
Maputo 2021
Alexandre Sarmiento Guilundo

Clark Zacarias Manhique

Licenciatura em Ensino de Física

ESTUDO SOBRE AS LEIS DO MOVIMENTO RECTILINEO UNIFORME

Relatório

Essa experiência foi realizada no laboratório

No âmbito de ser avaliada

Foi orientada pelos seguintes

Mestres :

Arsênio Mindu

Maria Lúcia

France Langa

Universidade pedagógica

Maputo 07/07/2021
Indice

I. Introdução………………………………………………………………………..1
II. Objectivos da experiencia……………………………………………………...2
III. Resumo teorico……………………………………………..…………………..3
IV. Materiais necessarios para a experiencia…………………………………….4
V. Procedimentos…………………………………………………………………..5
Tabela 1 para 14cm, 28cm e 42cm ………….………………………………….1
a) Calculos
Tabela 2………………………………………………………………………….2
a)calculos
VI. Conclusão ……………………………...………………………………………6
VII. Referências bibliográficas……………………………………………………7
Lista de tabelas

Experiência 1 (sobre o MRU usando o bastão de com a bolha de ar)

I. Tabela 1 para 14cm (para a primeira experiencia)

a) Tabela de erro para o tempo (14cm)

II. Tabela 1 para 28cm (para a primeira experiencia)

b) Tabela de erro para o tempo (28cm)

III. Tabela 1 para 42cm (para a primeira experiencia)

c) Tabela de erro para o tempo (42cm)

Experiência 2

I. Tabela 2 (para a segunda a experiência)


Introdução

A presente experiência foi realizada com vista a comprovar experimentalmente os conceitos de


velocidade constante, determinação da distância percorrida.

Isso usando um tudo de vidro estreito para simular uma trajetória rectilinea com uma bolha de ar
dentro que nesse caso é o móvel que usaremos para a nossa experiência isso para a primeira
tabela

Depois disso usamos uma máquina que aproxima o atrito para 0 denomindo soprador então, daí
tivemos o nosso "carinho elétrico"

O processo com o carinho foi o mesmo com a bolha de ar apresentado ligeiras diferenças que
serão apresentadas adiante.
Objectivos

Essa experiência foi realizada com o objectivo de

 Elaborar as leis dos espaços é em simultâneo das velocidades do movimento retilíneo


 Confirmar experimentalmente os conceitos da velocidade e da aceleração
Resumo teorico

Velocidade é uma grandeza vectorial que caracteziza a rapidez ou a lentidão do


movimento de um corpo.

O modulo da velocidade da partícula, isto é, a velocidade escalar é sempre positiva e


não transmite informação direccional.

No caso de movimento com rapidez constante o gráfico que representa a posição em


função do tempo é uma linha recta de inclinação constante. Com isso, pode-se concluir
que quanto maior for a inclinação maior será a velocidade.

O movimento rectelíneo uniforme é caracterizado por uma velocidade constante numa


trajectória rectilinea.

Velocidade constante, significa que um móvel percorre espaços iguais em intervalos de


tempo iguais ou aaceleração é nula (a=0).

A equação do espaço para este tipo de movimento é:

O deslocamento de um corpo à velocidade constante é equivalente à área sob o gráfico


v(t) entre os momentos correspondentes. Porém, só podemos determinar o deslocamento
e não a posição do corpo. Para isso precisamos de conhecer a posição inicial do objecto
que não se indica no gráfico.
O material que foi usado para essa experiência foi

 Tubo de vidro de 47 cm de comprimento, contendo um líquido e uma bolha de ar


 Cronômetro
 Marcador
 Fita métrica
 Carinho elétrico
Procedimentos

Para a primeira experiência isto é com a o bastão de vidro e a bolha de ar prosseguimos do


seguinte modo

1. Deixamos um espaço para iniciar a contagem de tempo é marcamos as distâncias de 14


cm 28 cm 42 cm
2. Daí colocamos o tubo na posição vertical
3. Registramos 5 vezes o tempo que a bolha leva para passar pelos marcos
4. Então preenchemos a tabela 1 para as distâncias 14cm , 28cm, 42cm
5. E então calculamos a velocidade e os seus respectivos erros

Tabela 1 para 14cm

N° Tempo ? s) ? [  s vcm/s ? cm ? v cm/s cm/s


t
(s) /s 
1 3.28 0.6 0.36 4,46cm/s 0,76

2 2.56 0.12 0.0144 5,46cm/s 0,24

3 2.82 0.14 0.0196 4,96cm/s 0,26


9,19% 5,7cm/s 4,74cm/s
4 2.43 0.25 0.0625 5,76cm/s 0,54

5 2.3 0.38 0.1444 6,09cm/s 0,87

Media 2.68 0.298 0,089 5,22cm/s 0,48

A tabela abaixo mostra os erros do tempo que foi medido na distância de 14cm
Tabela de erro para o tempo (14cm)

N° Tempo (s) t

Erro absoluto Erro relativo Erro relativo%


1 3,28 0.6 0,223 22,3%

2 2,56 0.12 0,044 4,4%

3 2,82 0.14 0,052 5,2%

4 2,43 0.25 0,093 9,3%

5 2,3 0.38 0,16 16%

Media 2,68 0.298 0,114 11,4%

Para determinar a velocidade CALCULAMOS para todos os tempos usando o mesmo


processo que foi usado para calcular a velocidade usando o tempo medio por isso evitamos
ser repetitivos

x
v
t
14cm
v  v  5,22cm / s
2,68s
Para o calculo do erro da velocidade aplicamos a formula que diz Erro absoluto , é o desvio do
valor de medição do valor real

Erro absoluto da Velocidade

v  v  v
v1  4,46cm / s  5,22cm / s  0,76
v2  5,46  5,22  0,24
v3  4,96  5,22  0,26
v4  5,76  5,22  0,54
v5  6,09  5,22  0,87

0,76  0,24  0,26  0,54  0,86


v   0,48
5
Depois disso seguem os calcu;os do

erro relativo percentual da velocidade

v
100%
v

0,48
100%  0,092  9,2%
5,22

vmin  v  v  5,22  0,48  4,74cm / s


vmax  v  v  5,22  0,48  5,7cm / s

Tabela 1 para 28cm

N° Tempo ? s) ? [s vcm/s ? cm ? v t cm cm/s


(s) /s /s

1 6.36 0.75 0,5625 4,4 0,6

2 5.35 0.26 0,067 5,23 0,23

3 5.64 0.03 9 10 4 4,96 0.04 5,4% 5,27cm/s 4,73cm/s

4 5.32 0.29 0,084 5,26 0,26

5 5.37 0.24 0,057 5,21 0,21

Media 5.61s 0.31 0,096 5,0cm/s 0,27

A tabela abaixo mostra os erros do tempo que foi medido na distância de 28 cm


Tabela de erros do tempo para 28cm

N° Tempo (s) t

Erro absoluto Erro relativo Erro relativo%


1 6.36 0.75 0,133 13,3%

2 5.35 0.26 0,046 4,6%

3 5.64 0.03 0,00534 0,534%

4 5.32 0.29 0,051 5,1%

5 5.37 0.24 0,042 4,2%

Media 5.61s 0.31 0,0554 5,54%

O mesmo processo aplicado na primeira tabela foi feito para a segunda tabela, então passo a
repetição de alguns passos
Usamos o tempo medio das 5 experiencias para determinar a velocidade

E para determinar a velocidade usando o tempo das 5 experiencias fica subentendido apenas
olhando para o calculo abaixo

x
v
t
28cm
v  5cm / s
5,61

v  v  v
v1  4,4cm / s  5cm / s  0,6
v2  5,23  5  0,23
v3  4,96  5  0,04
v4  5,26  5  0,26
v5  5,21  5  0,21

0,6  0,23  0,04  0,26  0,21


v   0,27
5
erro relativo percentual da velocidade para 28cm

v
100%
v

0,27
100%  0,054  5,4%
5

vmin  v  v  5  0,27  4,73cm / s


vmax  v  v  5  0,27  5,27cm / s

Para calcular o Erro da velocidade não se distanciamos do processo feito para determinação do
erro da velocidade da tabela 1 para 14cm

Tabela 1 para 42cm

N° Tempo ? s) ? [s vcm/s ? cm ? v cm/s cm/s


t
(s) /s

1 9.13 0.71 0,504 4,6 0,4

2 7.98 0.44 0,193 5,61 0,61

3 8.46 0.04 0,0016 4,46 0,54 6,8% 5,34cm/s 4,66cm/s

4 8.2 0.22 0,0484 5,12 0,12

5 8.34 0.08 0,0064 5,035 0,035

Media 8.42 0.29 0,0151 5cm/s 0,34

A tabela abaixo mostra os erros do tempo que foi medido na distância de 14cm
Tabela de erros do tempo para 28cm

N° Tempo (s) t

Erro absoluto Erro relativo Erro relativo%


1 9.13 0.71 0,084 8,4%

2 7.98 0.44 0,052 5,2%

3 8.46 0.04 0,00475 0,475%

4 8.2 0.22 0,026 2,6%

5 8.34 0.08 0,0095 0,95%

Media 8.42 0.29 0,0352 3,52%

olhando para o calculo abaixo, podemos observar como determinamos a velocidade e os erros da
mesma velocidade

x
v
t
42cm
v  5cm / s
8,42

v  v  v
v1  4,6cm / s  5cm / s  0.4
v2  5,61  5  0,61
v3  4,46  5  0,54
v4  5,12  5  0,12
v5  5,035  5  0,035

0,4  0,61  0,54  0,12  0,035


v   0,34
5
erro relativo percentual da velocidade para 42cm

v
100%
v

0,34
100%  0,068  6,8%
5

vmin  v  v  5  0,34  4,66cm / s


vmax  v  v  5  0,34  5,34cm / s

Procedimentos para a realização da segunda experiência com o carinho elétrico


6. Marcamos 5 distâncias separadas em 30 cm uma da outra.

7. Daí registramos o tempo que o carinho leva para percorrer cada distância na tabela 2

Tabela 2

S(cm) 30cm 60cm 90cm 120cm 150cm

t(s) 0.342s 0.698s 1.067s 1.442s 1.835s

V(cm/s) 87.71 85.95 83.34 83.21 81.74

Para o tempo da tabela acima, medimos 5 vezzes e calculamos a media para obter o tempo medio
que é o tempo mais aproximado da realidade

Abaixo constam os calculos da velocidade e os resultados podem ser apreciados na tabela


x
v
t
30cm
v30 cm   87,71cm / s
0,342 s
60cm
v60 cm   85,95cm / s
0,698 s
90cm
v90 cm   83,34cm / s
1,067 s
120cm
v120 cm   83,21cm / s
1,442 s
150cm
v150 cm   81,71cm / s
1,835 s

 Depois disso construimos um gráfico s-t (espaço em função do tempo) com os dados da
tabela acima
 E fizemos uma análise dos resultados que obtivemos desse mesmo gráfico

análise dos resultados que obtivemos desse mesmo gráfico

O grafico saio como esperado para a experiencia sendo uma linha recta com inclinação contunua
para cima indicando a velocidade do movel em relação ao espaço e o tempo.

A linha apresenta uma inclinação com um ângulo que dá a entender a sua grande velocidade
Conclusão

Concluimos esse relatorio referindo que essa experiencia foi bem sussedida apesar de não ter

saido exatamente como á expectivávamos, pois a ideia era da velocidade ser a mesma em todos

os intervalos de tempo considerando que o espaço e o tempo aumentavam de forma proporcional


Referencias bibliograficas

https://www.google.com/search?q=movimento+rectilineo+uniforme&oq=movime
nto+rectilineo+uniforme&aqs=chrome.
YOUNG, H. D. FREEDMAN, R. A. Física I Mecânica (Sears e Zemansky). 10. ed. Addison
Wesley, 2004.

Você também pode gostar