Você está na página 1de 27

LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

LUZIMEIRE CARVALHO PEREIRA

RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 


NO ENSINO FUNDAMENTAL I – DOCÊNCIA EM MATEMÁTICA
 
 

UNIFATECIE
2021
LUZIMEIRE CARVALHO PEREIRA

RELATÓRIO PARCIAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 


NO ENSINO FUNDAMENTAL I – DOCÊNCIA EM MATEMÁTICA

 
 

Relatório de conclusão do Estágio,


apresentado ao Curso de PEDAGOGIA, como
requisito final para cumprimento das
atividades exigidas na disciplina do Estágio
Supervisionado.

Professor Coordenador do Curso: Me. Flávio


Batista

UNIFATECIE
2021
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO

2. DESENVOLVIMENTO (ANEXOS)
 Formulário de controle do Estágio Supervisionado;
 Relatório de observação e participação
 Plano(s) de aula;
 Relatório de regência;

3. CONSIDERAÇÕES FINAIS
1. INTRODUÇÃO

Visando superar os desafios presentes na formação desse profissional, tem-


se como exigência curricular no curso de Pedagogia da UNIFATECIE - Centro
Universitário Faculdade de Tecnologia e Ciências do Norte do Paraná a realização
do Estágio Supervisionado no Ensino Fundamental I ou na Educação Infantil, por se
constituir como uma possibilidade de articulação entre teoria e prática e de
desenvolvimento das habilidades necessárias à Docência em Matemática nos anos
iniciais do Ensino Fundamental. Consequentemente, refletindo na prática de ensino
desse profissional. 
Este estágio é uma exigência curricular, de caráter obrigatório, para os(as)
acadêmicos(as) regularmente matriculados no curso de Pedagogia da UNIFATECIE.
Representa um momento de formação, no qual o(a) acadêmico(a) deverá vivenciar e
consolidar as aptidões exigidas para o exercício da atividade docente nos anos
iniciais do Ensino Fundamental nas aulas de Docência em Matemática associando,
consequentemente, os conceitos teóricos à vivência profissional e reforçando os
conhecimentos construídos ao longo dos períodos letivos.
2. DESENVOLVIMENTO
FORMULÁRIO DE CONTROLE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 
 
Acadêmico(a)/Estagiário(a): Luzimeire Carvalho Pereira
Professor (a) orientador(a) do Estágio: Profa. Karla Prudente
 
Horas de
Atividades Visto
Data tarefas de Visto
Desenvolvidas prof. Orientador
Supervisão/ estagiário
 
Registros
24/08/2021 Orientação 08h    
31/08/2021 Orientação 08h    
01/09/2021 Observação e participação 04h
01/09/2021 Observação e participação 04h
02/09/2021 Observação e participação 04h
02/09/2021 Observação e participação 04h
03/09/2021 Observação e participação 04h
03/092021 Observação e participação 04h
10/09/2021 Observação e participação 08h    
14/09/2021 Orientação 08h    
24/09/2021 Orientação 40h    
De 24/08/2021 a
Elaboração de relatórios 06h     
24/09/2021
Planejamento (data que
....../....../.......... 04h     
terminaram plano de aula)
....../......  __ ....../
REGÊNCIA 08h     
....../..........
 
 
     
TOTAL DE HORAS CUMPRIDAS 60  
Carimbo do(a) Professor(a)
Orientador(a) do Estágio 
FICHA DE FREQUÊNCIA

Nome do Estagiário: Luzimeire Carvalho Pereira Fone: (71) 99167-7428

Curso: 2a Licenciatura em Pedagogia R.A: 39058 Série:

Unidade Concedente: Unifatecie

Endereço: Não se aplica (Modalidade remota)

Cidade: Não se aplica (Modalidade remota) Estado: Não se aplica (Modalidade remota)

Professor supervisor: Profa Tainá Coelho

Fone: [44] 99113-9685 e-mail: taina.coelho@fatecie.edu.br

PERÍODO - Início: 24/08/2021 Término: 22 /10/2021

Data Carga-horária Atividade realizada

24/08/2021 08h ORIENTAÇÃO (Orientações para a realização de estágio e


produção de relatório)

31/08/2021 08h ORIENTAÇÃO (Orientações para preenchimento de


documentação do estágio e produção de relatório)

01/09/2021 04h Observação e participação


01/09/2021 04h Observação e participação
02/09/2021 04h Observação e participação
02/09/2021 04h Observação e participação
03/09/2021 04h Observação e participação
03/092021 04h Observação e participação
OBSERVAÇÃO E PARTICIPAÇÃO

10/09/2021 (Produção de relatório a partir de aula-live com o


04h tema “A atuação do pedagogo no ensino da
Matemática”

ORIENTAÇÃO (Elaboração do plano de aula)


14/09/2021 08h

24/09/2021 08h ORIENTAÇÃO (Produção do Relatório final)


/ / Regência

/ / Regência

Não se aplica (Modalidade remota)

Supervisor da Unidade Concedente

(Assinatura)

Não se aplica (Modalidade remota)

_________________________________

Coordenador do Curso

(Assinatura)
RELATÓRIO DE OBSERVAÇÃO E PARTICIPAÇÃO

DATA: 24/08
ATIVIDADE REALIZADA: PRODUÇÃO DE RELATÓRIO
CONTEÚDO DA ATIVIDADE: ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO

O processo de desenvolvimento das atividades de Estágio Supervisionado foi

iniciado no dia 24/08/2021, a partir das orientações disponibilizadas pela

coordenação de estágio da Unifatecie. Na ocasião, as diretrizes para a realização

das práticas de estágio supervisionado tanto em modalidade presencial como

remota foram determinadas.

Neste primeiro encontro, o primeiro ponto de atenciamento aos adeptos à realização

do estágio em caráter presencial, era o fluxo de documentos envolvido neste

processo.

O primeiro documento apresentado foi o cronograma com todas as atividades a

serem realizadas nas categorias presencial e remota. As ações estão discriminadas

em uma tabela com seu descritivo, indicando a carga horária a ser atribuída e a

etapa correspondente com os prazos. Pôde-se observar que as etapas obedeciam

ao seguinte sequenciamento: orientação, observação e participação.

Esse é o momento em que a instituição indica a necessidade de contato prévio com

a unidade escolar a fim conhecer a oferta de vagas de estágio e preenchimento da

carta de solicitação de estágio, além dos demais instrumentos para oficializar a

relação de estágio entre estudante e escola com respaldo da Unifatecie. Aos

professores que já atuam em sala de aula, houve a orientação para solicitação de

dispensa parcial de carga horária à proporção do tempo de atuação docente com

limite máximo de 80%.A solicitação é feita mediante comprovação de atuação como

professor regente, acessando o portal do aluno.


DATA: 31/08
ATIVIDADE REALIZADA: PRODUÇÃO DE RELATÓRIO
CONTEÚDO DA ATIVIDADE: ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE
DOCUMENTAÇÃO REFERENTE AO ESTÁGIO

No dia 31/08, a instituição realizou uma nova atividade de orientação, para que

os estudantes optantes pela modalidade remota incrementassem parcialmente

seus relatórios visando ao relatório final. Logo no início, a coordenadora Karla

Prudente apontou que as indicações daquele momento seriam de natureza mais

específica.

O tema do encontro envolvia o preenchimento das fichas de controle de estágio

e das fichas de frequência. Tais documentos precisam ser minuciosamente

preenchidos a fim de atestar a legitimidade das informações prestadas.

Inicialmente, a coordenadora abordou a estrutura do cronograma

disponibilizado, com o descritivo das atividades melhorando o acesso às

informações disponibilizadas, independente da modalidade adotada, seja ela

remota ou presencial.
DATA: 01/09
ATIVIDADE REALIZADA: PRODUÇÃO DE RELATÓRIO
CONTEÚDO DA ATIVIDADE: ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO

DATA: 01/09
ATIVIDADE REALIZADA: PRODUÇÃO DE RELATÓRIO
CONTEÚDO DA ATIVIDADE:

DATA: 02/09
ATIVIDADE REALIZADA: PRODUÇÃO DE RELATÓRIO
CONTEÚDO DA ATIVIDADE:

DATA: 02/09
ATIVIDADE REALIZADA: PRODUÇÃO DE RELATÓRIO
CONTEÚDO DA ATIVIDADE:

DATA: 03/09
ATIVIDADE REALIZADA: PRODUÇÃO DE RELATÓRIO
CONTEÚDO DA ATIVIDADE:

DATA: 03/09
ATIVIDADE REALIZADA: PRODUÇÃO DE RELATÓRIO
CONTEÚDO DA ATIVIDADE:
DATA: 10/09
ATIVIDADE REALIZADA: Produção de relatório de orientação e participação
CONTEÚDO DA ATIVIDADE: Live com tema “A atuação do pedagogo no ensino da
Matemática”

Nas etapas de Orientação e Participação, os estudantes tiveram contato com o tema

“A atuação do pedagogo no ensino da Matemática” com a profº Dra. Nelma Araújo.

A partir do questionamento quanto à atuação dos estudantes na área de docência,

ela pôde conhecer o público notando através da interação de que grande parte do

público ainda não possuía experiência docente. Além dessa investigação, a prof a Dra

inquiriu aos participantes quanto á experiência discente na disciplina de Matemática

e se essa experiência influencia na prática docente. A partir de um link, fomos

incitados a descrever com uma palavra a que remete à Matemática. As palavras

“dificuldade”, “desespero”, “professor” dentre outras indicando que a maioria delas

remetia a experiências negativas. A interação pode servir como um indicativo para o

modelo de prática que desejamos reproduzir e para a reflexão quanto ao desafio que

enfrentamos quando nos propomos ao ensino da Matemática. Sobretudo, como

nossa atuação pode impactar positivamente nas representações que o aluno

constrói no estudo da Matemática.

De acordo com Nelma Araújo, o conhecimento do conteúdo, conhecer a turma,

possuir domínio de sala, conhecer o currículo, planejar com instrumentos dinâmicos

os encontros, respeita as individualidades dos alunos e atenciar às dúvidas. Uma

abordagem passiva e verticalizada precisa ser repensada a fim de amplificar essa

abordagem. A professora indicou como leitura a obra “Para aprender Matemática”

de Sérgio Lorenzato, que indica dez princípios para mediar o processo de ensino

aprendizagem da Matemática.
O primeiro princípio diz respeito ao conhecimento do conteúdo abordado, o que

representa um preparo a fim de se adquirir maiores habilidades e conseguir

segurança ao ministrar aulas. Ressaltando a diferença entre a expressão “dar aulas”

e “ensinar”

Há ensino somente quando há aprendizagem significativa estabelecendo relações

entre conceitos, levantar hipóteses, fazer cálculos mentais, dentre outras atividades

que permitam a assimilação do conteúdo. E aqui ela lança o questionamento: “Como

ensinar com prazer aquilo que não se conhece?”. É importante, nesse sentido,

buscar superar tais dificuldades para estabelecer uma relação de segurança no

ensino da disciplina. Além do conhecimento do conteúdo, é importante pensar em

metodologias, estratégias e recursos para horizontalizar o conhecimento respeitando

as especificidades de cada contexto. Não é necessariamente importante que o

professor ensine tudo o que sabe, mais que, observando a demanda do aluno oferte

aquilo que é adequado à turma.

O conhecimento do conteúdo é importante, mas, não se pode incorrer no mito do

“sabe-tudo”. O professor deve estudar a fundo o seu conteúdo, mas precisa estar

ciente de que ele também é um aprendente. Caso o professor desconheça a

resposta a uma pergunta, pode utilizar aquele momento para suscitar a pesquisa.

A experiência do magistério precisa ser valorizada, a partir de uma constante

reflexão sobre sua prática, a partir das interações com outros docentes.

A faculdade é o único caminho para a formação docente? A faculdade representa

apenas o primeiro passo dentro do processo de estudo. A formação continuada é

importante para aprimorar a práxis na docência. Seja buscando artigos, revistas ou

lendo teses de pós-graduação para aperfeiçoamento. Existem diversas

possibilidades para ampliação do conhecimento.

Outro princípio fundamental no ensino é o princípio da “auscultação”. Ou seja, a

leitura e interpretação das interações com os alunos, a partir da escuta ativa em


aulas deixando-o à vontade para se expressar as suas dúvidas, inquietações,

percepções e

inferências. Ao professor, cabe também observar o contexto social em que o aluno

se insere para alcançar melhor o estudante em seu processo de aprendizagem

Outro princípio mencionado pela mediadora é “começar pelo concreto”. É importante

partir do concreto para alcançar o sucesso no processo de aprendizagem.

O uso de materiais manipuláveis é fundamental para aquisição de competências

matemáticas. Mas, apenas o uso de materiais manipuláveis não assegura o alcance

da competência matemática. O que deve ser levado em conta é a “ação mental”

engatilhada pelo uso e manipulação de objetos que configura a abstração

necessária para a aquisição de conhecimento.

A vivência do aluno precisa ser aproveitada pois ele já traz saberes das vivências

que presenciou em seus nichos sociais agregando valor à construção conjunta de

conhecimento. Assim, as dúvidas apresentadas precisam ser valorizadas e

respondidas, pois este “vácuo” em si, se torna a resposta e impacta na obtenção do

conhecimento.

No processo de ensino é importante observar quais conhecimentos prévios esse

estudante possui. Além disso, não se deve “saltar etapas”, embora haja pressão

para o cumprimento do currículo escolar, valorizando o cumprimento de

cronogramas e não o processo de aprendizagem do estudante. Esse fenômeno

pode ser bastante recorrente quando o docente parte do princípio de que o conteúdo

é de fácil aprendizado e não desenvolve estratégias diversificadas para a

abordagem. Outro fator que implica no desrespeito às etapas é a própria limitação

do professor diante de um determinado conteúdo que o leva a não abordar de forma

mais contundente, desprezando os eventuais questionamentos aos quais pode ser

submetido. Assim, é importante conhecer o nicho social do seu público estudantil

pois é um caminho para compreender melhor os saberes prévios daquele grupo bem
como suas demandas. Em se tratando de um período pandêmico, “saltar etapas”

torna-se uma tentação uma

vez que as autoridades regulamentadoras desse processo não respeitaram esse

princípio e apresentaram cadernos de atividades sem levar em conta esse processo.

A profa Dra Nelma Araújo também apresentou o nono princípio também indicou a

necessidade de respeitar as individualidades de cada um em sala de aula. Auscultá-

lo é fundamental no processo de percepção de nossos discentes Além disso, é

necessário lembrar da sala de aula como espaço heterogêneo e fazer reflexões

acerca do tratamento dispensado a estudantes com altas habilidades ou com grande

defasagem no processo de aprendizagem, bem como de que forma se relacionam o

rendimento escolar e o respeito à individualidade e se a exclusão escolar é

decorrente desse desrespeito à individualidade no espaço escolar.

O último item é extremamente relevante nesse processo de aprendizagem: como

lidamos com os “acertos” dos alunos? Não é incomum que caiamos em armadilhas

nesse processo... Ansiosos para que a aprendizagem ocorra, associamo-la ao

acerto sem questionar de que forma aquela resposta foi construída. Então, é

importante dar voz a esse estudante de modo que ele também informe como esse

processo se deu na sua trajetória de raciocínio, a quais estratégias o estudante

recorreu para compor seus resultados. Inclusive, valorizamos o acerto e

desprezamos o “erro”. É também de grande relevância que se investigue a linha de

raciocínio utilizada pelo aluno. Assim, conhecemos melhor de que modo o

conhecimento é processado e utilizar uma nova abordagem para a compreensão do

conteúdo.
DATA: 14/09
ATIVIDADE REALIZADA Atividade de Orientação do Estágio
CONTEÚDO DA ATIVIDADE: Plano de aula

O objetivo desse momento de orientação destinava-se a fornecer diretrizes quanto à


elaboração do plano de aula. O documento possui um modelo com os indicativos a
serem adotados pelos estudantes. A professora Karla Prudente iniciou o contato
indicando as diferenças de preenchimento do plano de aula entre os adeptos das
modalidades presencial e remota. A forma de lançar o conteúdo da regência é vai
traçar diferença. No caso dos estudantes que foram a campo, a informação relativa
ao tema das aulas será fornecida pelo professor-regente. No caso dos adeptos à
modalidade remota, a escolha da temática é livre, a partir da audiência aos vídeos
disponíveis em plataforma para complementar as cargas horárias de orientação e
observação. O plano de aula precisa ser um descritivo das ações do professor de
modo que quem o acesse, consiga compreender a proposta de interação
pedagógica.
É importante descrever as ações voltadas à sensibilização, desenvolvimento e
mobilização para promover a aprendizagem do tema com o descritivo da carga
horária determinada no que estiver relacionado.
DATA: 24/09
ATIVIDADE REALIZADA Atividade de Orientação do Estágio
CONTEÚDO DA ATIVIDADE: Elaboração do relatório final
PLANO DE AULA
 
INSTITUIÇÃO: Unifatecie
MUNICÍPIO: Paranavaí  UF: PR 
PROFESSOR(A) REGENTE DA TURMA: Karla Prudente 
DISCIPLINA: Matemática   
DURAÇÃO DA REGÊNCIA: 8 horas/aula 
ANO/TURMA: 50 ano A     TURNO: Matutino/Vespertino   DATA: 16.09.2021
 
ACADÊMICA: Luzimeire Carvalho Pereira 
 
1. CONTEÚDO: Unidade de Medida de Tempo
 
2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS: 

 Utilizar o relógio para ler as horas e os minutos;


 Perceber a importância das horas para as pessoas se programarem durante o
dia;
 Identificar relógios digitais e de ponteiros (analógico);
 Conhecer vários tipos de relógios usados no presente e no passado;
 Identificar as 24 horas do dia, relacionando-as com o seu cotidiano;
 Calcular estimativas do tempo de duração;
 Desenvolver a linguagem oral e escrita;
 Desenvolver habilidades relativas à fala por meio de interação e de sua
participação nas diversas atividades propostas;
 Desenvolver atitudes de interação, de colaboração e de troca de experiências
em grupos
 
3. DESENVOLVIMENTO METODOLÓGICO 
Conversar com os alunos sobre a representação das horas, falar dos ponteiros e da
posição dele no relógio. Pedir que os alunos registrem as horas no caderno. Fazer no
papel bobina um relógio sem ponteiros marcando o centro com um ponto. Pedir a um
aluno que se coloque no centro do relógio para ele servir de ponteiro. O seu braço
esquerdo será o ponteiro grande, e a sua perna direita o ponteiro pequeno. O aluno
marca as horas com o seu próprio corpo.
Primeiro dia da regência:

Sensibilização: A aula iniciará com a saudação inicial, a apresentação das


estagiárias aos alunos e, em seguida, ouviremos a canção “Sobre o tempo” Da
banda Pato Fu, logo após, realizar uma roda de conversa a fim de realizar uma
investigação acerca do entendimento dos alunos quanto ao tempo.
Duração: 30 minutos. 
Desenvolvimento: Conversar com os alunos sobre a representação das horas, falar
dos ponteiros e da posição dele no relógio. Pedir que os alunos registrem as horas
no caderno. Fazer no papel bobina um relógio sem ponteiros marcando o centro
com um ponto. Pedir a um aluno que se coloque no centro do relógio para ele servir
de ponteiro. O seu braço esquerdo será o ponteiro grande, e a sua perna direita o
ponteiro pequeno. O aluno marca as horas com o seu próprio corpo.
Duração: 3h30. 
 
Segundo dia da regência:

Sensibilização: A aula iniciará com a saudação inicial, a reapresentação das


estagiárias e a retrospectiva oral da aula anterior.
Duração: 15 minutos. 
Desenvolvimento: Fazer com os alunos um disco de cartolina, com duas tiras finas
de tamanhos diferentes presas ao centro. Cada aluno deve confeccionar seu próprio
relógio
Duração: 3 horas. 
Atividade avaliativa: (jogo/ brincadeira/ atividade em grupos, oral ou
impressa). Solicitar que o aluno estime o horário de encerramento de um evento
dado o seu horário de início
Duração: 45 minutos. 
 
4. RECURSOS DIDÁTICOS  
Lápis, aparelho de som com bluetooth, cartolina, canetinha, cola., arquivo de mídia,
caderno e folha de sulfite.
 
5. AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM 

A avaliação do aproveitamento do aluno deve ser realizada de maneira processual e


contextualizada, observando a interação que o estudante apresenta com o objeto de
aprendizagem, seus questionamentos e dúvidas sobre a temática, sua iniciativa em
participar das atividades propostas, além da conclusão da atividade no anexo de
número II desse relatório.

6. REFERÊNCIAS 

ANDRADE, Doherty; NOGUEIRA, Clélia Maria Ignatius. Educação Matemática e


mas Operações Fundamentais – Formação de Professores EAD n.21. Maringá:
EDUEM, 2005.

ANDRADE, Doherty (org.). Grandezas e Medidas: Encaminhamentos Metodológicos


para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental. Formação de Professores EAD n.22.
Maringá: EDUEM, 2005.

MACHADO, Nilson José. Vivendo a matemática: medindo comprimentos, 15ª edição.


São Paulo. Editora Scipione, 1997.
 
 
ANEXO 1 

Canção Sobre o tempo

https://www.youtube.com/watch?v=Fh0vvDWtX2s

 
ANEXO 2 

 Atividade de aprendizagem

Quando Renata colocou uma torta para assar, o relógio marcava:

A torta ficou pronta em 35 minutos. Que horário o relógio estava marcando quando a

torta ficou pronta?


RELATÓRIO DE REGÊNCIA

CONTEÚDO DA AULA:

Como não houve a possibilidade de ir a campo e colocar em prática o plano


elaborado, falar sobre o processo de elaboração do plano de aula, do conteúdo e
objetivos elencado. Refletir sobre sua possibilidade de implementação e de que
forma as atividades elencadas poderiam contribuir para o desenvolvimento dos
alunos.
4. CONCLUSÃO

Finalizar refletindo sobre todas as experiências proporcionadas pela disciplina


de Estágio Supervisionado e como elas contribuíram para sua formação.
REFERÊNCIAS 
 

ANDRADE, Doherty; NOGUEIRA, Clélia Maria Ignatius. Educação Matemática e


mas Operações Fundamentais – Formação de Professores EAD n.21. Maringá:
EDUEM, 2005.

ANDRADE, Doherty (org.). Grandezas e Medidas: Encaminhamentos Metodológicos


para as Séries Iniciais do Ensino Fundamental. Formação de Professores EAD n.22.
Maringá: EDUEM, 2005.

LORENZATO, Sérgio (org.) O Laboratório de Ensino de Matemática na Formação de


professores. Campinas: Autores Associados, 2006. Coleção Formação de
Professores.

MACHADO, Nilson José. Vivendo a matemática: medindo comprimentos, 15ª edição.


São Paulo. Editora Scipione, 1997.

PARANÁ, Secretaria do Estado da Educação. Diretrizes Curriculares da Rede


Pública na Educação Básica do Estado do Paraná-Matemática. Curitiba: SEED,
2008.

Você também pode gostar