Você está na página 1de 21

Eletrônica Analógica

SEMICONDUTORES
DIODO
Prof. Robson N. Vilela
RONDONÓPOLIS
2008
Um pouco de história: o tubo a vácuo ou
válvula termiônica

Diodo a válvula de
Fleming,1904

A válvula de Fleming em operação,


e um dos primeiros modelos de
sua válvula, 1905.
O termo válvula foi utilizado para
indicar que a corrente elétrica só
consegue passar em uma direção.
Um outro nome utilizado é tubo a
vácuo.
Diodo a válvula - operação
O tipo mais simples de válvula, com apenas dois
eletrodos – anodo e catodo (filamento, no caso
de válvulas à bateria, como mostrado no
diagrama). Os eletrodos estão em um ambiente a
vácuo, no interior de um bulbo de vidro, e as
conexões aos eletrodos passam por este bulbo
por entradas vedadas. O filamento quente ou
catodo gera uma “nuvem” invisível de elétrons
no espaço à sua volta. Um potencial positivo no
Diagrama de anodo atrai estes elétrons, havendo, portanto, a
funcionamento passagem de corrente do catodo para o anodo. O
ambiente a vácuo é necessário para que os
elétrons possam se mover livremente à medida
que passam do catodo (filamento) ao anodo
(placa).
Válvulas diodo de Fleming

Diodos a válvula de
Fleming,1904-1905
O PRIMEIRO COMPUTADOR DIGITAL: ENIAC (1945)

PESAVA 30 TONELADAS, E FAZIA 5.000 SOMAS POR SEGUNDO (HOJE


UM NOTEBOOK FAZ 2 BILHÕES DE SOMAS POR SEGUNDO).

A PROGRAMAÇÃO ERA FEITA LIGANDO-SE CABOS A CONECTORES, DE


ACORDO COM AS OPERAÇÕES A SEREM EXECUTADAS.

FOI CRIADO NO FIM DA 2A. GUERRA, PARA AUXILIAR NO PROJETO DA


1A. BOMBA ATÔMICA AMERICANA.

17.468 válvulas
500.000 conexões de solda
180 m² de área construída
5,5 m de altura
25 m de comprimento
Semicondutores
Dizemos que um material é semicondutor se
sua resistência se encontra entre a dos
condutores e a dos isolantes.

Os principais semicondutores utilizados são:

Silício (Si)
Germânio (Ge)
Diodo Retificador
Constituição
Um díodo retificador é constituído por uma junção PN de
material semicondutor (silício ou germânio) e por dois
terminais, o Ânodo (A) e o Cátodo (K).

Símbolo:
Junção PN
A junção de um material semicondutor do tipo P (com
excesso de lacunas) com um material semicondutor do tipo N
(com excesso de electrões livres) origina uma junção PN. Na
zona da junção, os elétrons livres do semicondutor N
recombinam-se com as lacunas do semicondutor P formando
uma zona sem portadores de carga eléctrica que se designa
por zona neutra ou zona de deplecção.

Electrões livres Lacunas


Zona neutra
ou zona de
deplecção
Símbolo e Encapsulamento do diodo de junção
Identificação visual dos
terminais
O terminal que se encontra mais
próximo do anel é o catodo (K).

O terminal ligado à parte mais


estreita/afunilada é o catodo (K).

O terminal ligado à parte roscada


é o cátodo (K).
Forma física de diodos de junção
TESTE DE DIODOS COM
MULTÍMETRO
•Diodos - Coloque a chave seletora na posição com o
símbolo do diodo e meça o componente nos dois
sentidos. Num sentido o visor deve indicar um valor de
resistência e no outro ficar apenas no número "1". Veja
abaixo:
Principio de funcionamento
Quando polarizado diretamente um díodo retificador conduz
porque na junção PN a zona neutra ou zona de depleção
(zona sem portadores de carga eléctrica) estreita a
resistência elétrica diminui e a corrente elétrica passa.

Electrões livres Lacunas

Zona neutra
ou zona de
deplecção
estreita
Principio de funcionamento
Quando polarizado inversamente um díodo retificador não
conduz porque na junção PN a zona neutra ou zona de
depleção (zona sem portadores de carga elétrica) alarga a
resistência elétrica aumenta significativamente e a corrente
elétrica não passa.
Electrões livres Lacunas

Zona neutra ou
zona de
deplecção alarga
Queda de tensão interna
Quando o díodo está polarizado diretamente a corrente
elétrica ao passar pela zona neutra ou zona de depleção que
apresenta uma certa resistência, origina uma queda de
tensão (U=RxI).
Nos díodos de silício essa queda de tensão interna pode
variar entre 0,6Volt e 1Volt.
Nos díodos de germânio essa queda de tensão interna
pode variar entre 0,2Volt e 0,4Volt.
Leitura das características
técnicas
Exemplo:
Díodo retificador 1N4007

UR = 1000V Tensão inversa máxima que se pode aplicar


ao díodo em polarização inversa.
IF = 1A Corrente direta máxima permanente que
pode circular pelo díodo.
IR = 5µA Corrente inversa que percorre o díodo
quando polarizado inversamente
VF = 1,1V Queda de tensão interna máxima quando o
díodo polarizado diretamente conduz uma
corrente direta de 1A.
Diodo polarizado
diretamente
O díodo retificador é um componente unidireccional ou seja,
só conduz num sentido (quando o Ânodo está a um potencial
positivo em relação ao Catodo). Nessa situação diz-se que o
díodo está polarizado diretamente.

A K

+
VCC
_
Díodo polarizado
inversamente
Quando o díodo rectificador está polarizado inversamente
(Ânodo a um potencial negativo em relação ao catodo) não
conduz (está ao corte).

K A

VCC
_
Uma aplicação simples: o retificador
Retificador: pode ser utilizado para gerar um sinal
de corrente contínua a partir de um sinal de corrente
alternada.

(a) Circuito retificador

(b) Forma de onda antes


da retificação
(e) Forma de onda
depois da retificação