Você está na página 1de 10

AnálisedoValorAgregado-rev1

Formação Total em
Scrum
Análise do Valor
Agregado
1
AnálisedoValorAgregado-rev1

Análise do Valor Agregado


A análise do valor agregado é uma técnica que mede o desempenho do projeto combinando
e integrando a avaliação do escopo, o cronograma e os custos. Ele é utilizado para auxiliar a
equipe de gerenciamento a avaliar e medir o desempenho e progresso do projeto.

Da forma como se conhece hoje, a AVA teve sua origem no Departamento de Defesa Americano
em 1967 para controlar e administrar riscos e custos de grandes projetos e programas.

A AVA monitora três dimensões chave para cada estória de usuário:

• Valor planejado (VP): representa o valor do progresso físico planejado até a data da


avaliação. O total do VP algumas vezes é chamado de linha de base de medição do
desempenho.

• Custo real (CR): é o custo efetivamente gasto até a data da avaliação.

• Valor agregado (VA): representa o valor do progresso físico efetivamente realizado até a


data da avaliação. É chamado de agregado, pois o resultado do trabalho “agregou” valor
ao projeto.

Vamos considerar um exemplo bem simples tal como a construção de um muro ao redor
de um terreno. Para esse pequeno projeto temos planejado que a construção levará quatro
semanas, sendo que cada lado do muro custará R$1.000,00 e levará uma semana para ser
erguido. Assim, o orçamento final previsto é de R$ 4.000,00 com prazo de conclusão em quatro
semanas.

Após três semanas de execução, verificou-se que foram construídas duas das quatro paredes
do muro e que para isso foram gastos R$3000,00. Assim, temos as seguintes informações:

• Valor planejado: segundo o planejamento deveriam ter sido construídas três paredes e
gastos R$3.000,00.

• Custo real: o custo efetivamente gasto após três semanas foi de R$3.000,00.

• Valor agregado: após três semanas agregou-se ao projeto duas paredes, ou seja,
R$2.000,00 de parede.

Por esses valores, podemos concluir que, o projeto agregou menos que o planejado, já que
após três semanas deveríamos ter três paredes construídas e foram construídas apenas duas. E
para piorar, além de terem sido construídas somente duas paredes, elas custaram R$1.000,00
a mais do que o planejado!

2
AnálisedoValorAgregado-rev1

Cálculo das variações


A partir das três dimensões chave, a técnica da análise do valor agregado calcula indicadores
de variação que traduzem desvios positivos ou negativos em relação à linha de base de medição
do desempenho.

• Variação de prazos (VPR): esta é uma medida do desempenho do cronograma do projeto.


É uma métrica útil, pois pode indicar que um projeto está se atrasando em relação a sua
linha de base. Valores negativos indicam que o projeto está atrasado. Já valores positivos,
que o projeto está adiantado. E valores iguais a zero, que o projeto está progredindo
exatamente de acordo com o planejado. Usamos a seguinte fórmula:
VPR = VA – VP
Onde:

VPR = variação de prazos (em relação ao planejado)

VA = valor agregado

VP = valor planejado

• Variação de custos (VC): esta é uma medida do desempenho dos custos do projeto. É


uma métrica útil, pois pode indicar que um projeto está gastando além do previsto em
relação à sua linha de base. Valores negativos indicam que o projeto está gastando mais
do que devia. Já valores positivos, que o projeto está gastando menos que o previsto.
E valores iguais a zero, que o projeto está progredindo exatamente de acordo com o
planejado. Usamos a seguinte fórmula:
VC = VA – CR
Onde:

VC = variação de custo (em relação ao planejado)

VA = valor agregado

CR = custo real

Utilizando o exemplo da construção do muro, temos:


VP=3000 VA = 2000 CR = 3000

Então, vamos calcular a variação nos prazos:

VPR = VA-VP

3
AnálisedoValorAgregado-rev1

VPR = 2000 – 3000

VPR = - 1000,00 (-> projeto atrasado!)

VPR < 0 => indica que o projeto está atrasado; VPr > 0 => indica que o projeto está adiantado;
VPR = 0 => indica que o projeto está dentro do planejado;

Agora vamos calcular a variação nos custos:

VC = VA-CR

VC = 2000 – 3000

VC = - 1000,00 (-> orçamento estourado!)

VC < 0 => indica que o projeto está gastando mais do que devia; VC > 0 => indica que o
projeto está gastando menos do que o planejado; VC = 0 => indica que o projeto está dentro do
orçamento planejado;

Na figura a seguir mostramos o gráfico de andamento do nosso projeto. Veja que o valor
real (= CR – custo real) está acima do VP (valor planejado) e o VA (valor agregado) está abaixo.

4
AnálisedoValorAgregado-rev1

Cálculo dos índices de desempenho


Pode parecer um pouco irreal avaliar a variação de prazos em termos monetários, além disso
um valor negativo para a variação de custos não mostra exatamente a grandeza do problema.
Por exemplo, -1000,00 em um pacote de trabalho orçado como 100.000,00 não representa uma
perda significativa. Já no nosso exemplo, esse valor afeta em muito o desempenho de custos do
projeto.

Por isso, precisamos de indicadores que mostrem as grandezas relativas e assim surgiram os
índices de desempenho do projeto:

• Índice de desempenho de prazos (IDP): é uma medida do progresso alcançado


comparado ao progresso planejado em um projeto. IDP < 1 => indica que menos trabalho
foi executado do que o planejado, ou seja, projeto atrasado; IDP > 1 => indica que mais
trabalho foi executado do que planejado, ou seja, projeto adiantado; IDP = 1 => indica
que o trabalho foi executado dentro do planejado, ou seja, projeto dentro do cronograma
previsto. Usamos a seguinte fórmula:

Onde:

IDP = índice de desempenho de prazos

VA = valor agregado

VP = valor planejado

• Índice de Desempenho de Custos (IDC): é uma medida do valor do trabalho executado


comparado ao custo real ou progresso feito no projeto. O IDC mede a eficiência de custos
do trabalho executado. IDC < 1 => indica um excesso de custo para o trabalho executado,
ou seja, estamos “estourando” o orçamento; IDC > 1 => indica um desempenho de custo
abaixo do limite até a data presente, ou seja, estamos gastando menos que o previsto;
IDC = 1 => indica que os custos estão dentro do previsto.

5
AnálisedoValorAgregado-rev1

Onde:

IDC = índice de desempenho de custos

VA = valor agregado

CR = custo real

Utilizando o exemplo da construção do muro, temos:

VP=3000 VA = 2000 CR = 3000


Então, vamos calcular o índice de desempenho de prazos:

IDP = 2000 / 3000

IDP = 0,66 -> projeto atrasado!

E agora, calcular o índice de desempenho de custos:

IDC = 2000 / 3000

IDC = 0,66 -> projeto gastando além do previsto

No gráfico da figura a seguir mostramos os índices IDP e IDC. Ambos estão abaixo de 1
indicando que estamos com o projeto atrasado e gastando além do previsto.
1,5

1,0

IDC
IDP
0,5

1a semana 3a semana

6
AnálisedoValorAgregado-rev1

Previsão

Acompanhar constantemente o projeto é uma prática obrigatória para que o projeto siga
nos trilhos. Mas a análise do valor agregado também nos permite “prever o futuro”, ou seja, a
partir do andamento atual do projeto podemos estimar como irá acabar o projeto. E é isso o
que abordaremos nesta aula.

Para realizar as previsões utilizaremos mais três conceitos:

• Orçamento no término (ONT): Este é o valor total final planejado para o projeto.
Chegamos a este valor a partir do processo “Determinar o orçamento”.

• Estimativa para terminar (EPT): Este é o valor necessário para se completar o projeto.
No início do projeto ONT = EPT.

• Estimativa no término (ENT): Este é o valor estimado de quanto o projeto vai custar
considerando o progresso medido até o momento.

Em um mundo ideal o ENT seria exatamente igual ao ONT. Mas, dificilmente isso acontece.
Veja na figura a seguir um exemplo onde por conta de um atraso na entrega de algumas
atividades, o valor agregado ficou abaixo do esperado e o ONT (Orçamento no término) não
corresponde mais ao valor total que será gasto no projeto. O novo valor é representado pelo
ENT = Estimativa no término.
ONT = Orçamento ENT = Estimativa no
no término término

Valor agregado EPT = Estimativa para terminar

A ENT (estimativa no término) normalmente é calculada somando-se os custos incorridos


até a data da avaliação com a estimativa de custos para se terminar o projeto (EPT = estimativa
para terminar). Assim, a fórmula utilizada é a seguinte:

ENT = CR + EPT

Onde:

ENT = Estimativa no término

CR = Custo real

EPT = estimativa para terminar

7
AnálisedoValorAgregado-rev1

Como já vimos o CR (custo real) é obtido diretamente pelo andamento do projeto a partir
da soma dos custos incorridos até a data da avaliação. A estimativa para o término pode ser
calculada de diversas formas, variando de acordo com as informações disponíveis no momento.
Sendo assim, teremos diferentes formas de calcular a ENT (estimativa no término):

• ENT a partir de suposições inválidas: A estimativa para terminar (EPT) é calculada


manualmente e é baseada na experiência até a presente data. Dessa forma, a partir do
progresso atual do projeto pode-se tentar prever como será o andamento restante. Não
é a ideal, mas é a forma mais simples de se calcular. Assim a fórmula de cálculo é:
ENT = CR + EPT

Onde

ENT = Estimativa no Término

CR = Custo real

EPT = Estimativa para terminar

• ENT a partir de variações atípicas: Este cálculo assume que o trabalho restante a ser
executado pelo projeto o será em conformidade com o plano original e que um desvio
ocorrido não representa uma tendência de degeneração do andamento do projeto. Esta
estimativa é usualmente chamada de Otimista, porque considera que o andamento
do projeto será exatamente o que foi planejado, mesmo que o andamento na data da
avaliação tenha sido abaixo do esperado. Deve-se ter muito cuidado em utilizar esta
forma de estimativa, pois pode gerar valores irreais (otimistas demais). Assim, a fórmula
de cálculo será:
EPT = ONT – VA
Assim,
ENT = CR + ONT – VA

Onde:

ENT = Estimativa no Término

CR = Custo real

ONT = Orçamento no Término

VA = Valor Agregado

8
AnálisedoValorAgregado-rev1

Exemplo:

A partir dos dados obtidos até o momento do projeto de construção do muro, podemos
calcular a Estimativa no Término da seguinte forma:

CR = 3000

ONT = 4000

VA = 2000

ENT = 3000 + 4000 – 2000

ENT = 5000

Veja que o valor obtido para a estimativa no término (ENT) ficou acima do orçamento no
término (ONT) em R$1.000,00. Como veremos a partir do exemplo seguinte, esta estimativa
é muito otimista, pois ela considera que o desempenho futuro será exatamente o que foi
planejado, mesmo que o desempenho até o momento tenha sido sofrível.

• ENT a partir de variações típicas: Este cálculo assume que o trabalho restante a ser
executado pelo projeto seguirá o mesmo desempenho financeiro obtido até o momento
(utilizando-se o IDC = índice de desempenho de custo). Uma tendência negativa ou
positiva do IDC obtido até o momento da avaliação projetará a mesma tendência para os
custos finais do projeto. Isso é interessante, pois alerta a equipe do projeto de que se o
andamento se mantiver dessa forma (ou seja, nada for feito), o projeto terminará fora do
orçamento previsto. Como os projetos normalmente são executados com IDCs inferiores
a um, esta estimativa é chamada de Realista. Assim, a fórmula de cálculo será:

Onde:

ENT = Estimativa no Término

ONT = Orçamento no Término

IDC = Índice de Desempenho de Custo

9
AnálisedoValorAgregado-rev1

Exemplo:

A partir dos dados obtidos até o momento do projeto de construção do muro, podemos
calcular a Estimativa no Término da seguinte forma:

ONT = 4000

IDC = 0,66

ENT = 4000 / 0,66

ENT = 6060, 60

Aqui a estimativa no término (ENT) ultrapassa em mais de R$2.000,00 a estimativa inicial do


orçamento no término (ONT). Esta estimativa considera que o desempenho de custos futuro do
projeto será exatamente igual ao desempenho atual, o que serve de alerta para o gerente do
projeto.

10

Você também pode gostar