Você está na página 1de 36

Nome N.

o Turma Data / /
Ficha 13 – Gases e dispersões (1)
Domínio 2: Propriedades e transformações da matéria

1. A maior parte dos materiais que nos rodeiam são misturas. Na figura estão representadas quatro mistura
sem estados físicos diferentes.

a) O ar seco da atmosfera terrestre é uma mistura homogénea ou heterogénea?


b) Qual dos seguintes gráficos diz respeito ao ar seco da atmosfera terrestre?

c) Considere o componente cálcio(2+), Ca2+, da água mineral.


i) Escreva a informação quantitativa correspondente.
ii) Identifique a grandeza física a que esse valor corresponde.
iii) Calcule o volume de água que seria necessário beber para ingerir 0,15 g de iões Ca 2+.
d) Indique o significado físico da informação «14% Vol.» no rótulo da bebida alcoólica.

154 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q


e) Qual das expressões seguintes permite determinar a percentagem, em massa, de ouro nas alianças?
10 10
(A) (B)
7,5× 100 100× 7,5
7,5 7,5× 100
(C) (D)
10× 100 10
f) As soluções são misturas
(A) homogéneas, mostrando-se heterogéneas se observadas ao microscópio.
(B) homogéneas, não sendo possível distinguir os seus componentes.
(C) heterogéneas, mostrando-se homogéneas se observadas ao microscópio.
(D) heterogéneas, sendo possível distinguir os seus componentes.
g) As soluções, quanto ao estado físico, podem ser
(A) líquidas ou gasosas, pelo que o material das alianças de ouro não pode ser classificado como
solução.
(B) líquidas ou sólidas, pelo que o ar seco não pode ser classificado como solução.
(C) sólidas, líquidas ou gasosas, pelo que as quatro misturas representadas na figura são soluções.
(D) sólidas ou gasosas, pelo que a bebida alcoólica não pode ser classificada como solução.

2. Prepararam-se 200 mL de uma solução aquosa de sulfato de cobre(II), de concentração em massa


15,0 g/dm3, a partir do soluto sólido.
As imagens apresentam, sequencialmente, as quatro principais etapas envolvidas no procedimento
experimental seguido na preparação da solução.

A B C D
a) Calcule a massa de sulfato de cobre(II) que foi necessário medir para preparar essa solução.
b) Identifique a peça de material de laboratório que foi utilizada para transferir o sulfato de cobre sólido
para o gobelé.
c) Descreva o procedimento seguido nas etapas C e D, e identifique o material utilizado.
d) Para determinar experimentalmente a massa volúmica da solução aquosa de sulfato de cobre(II), que
grandezas deveriam ser medidas?

Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 155


3. Colocou-se água numa proveta, como indicado em A, e
mediu-se a massa de um objeto maciço, tendo-se obtido
11,85 g. Em seguida, colocou-se este objeto dentro da
proveta com água, e o nível que a água atingiu, na proveta,
está representado em B.
a) Qual é o valor da menor divisão da escala da proveta?
b) Determine a massa por unidade de volume do material
que constitui o objeto.
c) Considere um cubo maciço, e homogéneo, de aresta
1,0 cm, feito do mesmo material do objeto. Determine
a massa do cubo.
A B

4. Na figura seguinte estão representadas duas experiências, A e B, que foram realizadas com uma amostra
de ar contida numa seringa de vidro.

A B
a) Durante a experiência em A, relativamente à amostra de ar, a
(A) massa aumentou e o volume diminuiu.
(B) massa diminuiu e o volume também.
(C) pressão aumentou e a densidade também.
(D) pressão diminuiu e a densidade aumentou.
b) Qual é a característica dos gases que foi posta em evidência com a realização das experiências
A e B?

156 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q


Nome N. o Turma Data / /
Ficha 14 – Gases e dispersões (2)
Domínio 2: Propriedades e transformações da matéria

Consulte a Tabela Periódica, tabelas de constantes e formulários, sempre que necessário e salvo indicação em contrário.

1. A figura seguinte representa quatro amostras, de igual volume, de gases diferentes nas condições normais
de pressão e de temperatura (PTN).

a) Nessas condições, as amostras gasosas têm igual


(A) massa.
(B) massa por unidade de volume.
(C) número de átomos.
(D) quantidade de matéria por unidade de volume.
b) Calcule o número total de átomos que existem em 5,6 dm 3 de O2 (g) nas condições normais de pressão
e temperatura (PTN).
c) Quanto à massa volúmica dos gases das amostras, pode estabelecer-se a relação
(A) 𝜌He < ρ F < ρO < 𝜌Ar.
2 2

(B) 𝜌He < ρO < ρ F < 𝜌Ar.


2 2

(C) 𝜌Ar < ρ F < ρO < 𝜌He.


2 2

(D) 𝜌Ar < ρO < ρ F < 𝜌He.


2 2

d) Considere a mistura das quatro amostras de gases. Qual é a fração molar de cada gás na mistura?

2. Num recipiente de 4,60 dm3 encontram-se 5,25 g de nitrogénio, N 2. Se se transferir o gás para um
recipiente de 5,00 dm 3, determine a massa de nitrogénio que se deve adicionar ao recipiente para que se
mantenham as mesmas condições de pressão e temperatura.

Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 157


3. Considere uma amostra pura de CO (g) e uma amostra pura de CH 4 (g), nas mesmas condições de pressão
e temperatura.
a) Quantas vezes é que a massa volúmica do CO (g) é maior do que a massa volúmica do CH 4 (g), nas
mesmas condições de pressão e temperatura?
Apresente o resultado com três algarismos significativos.
b) Num reator com a capacidade de 5,00 L, foi introduzida, a uma determinada temperatura, uma mistura
gasosa constituída inicialmente por 0,150 mol de CO (g) e 0,150 mol de CH 4 (g).
Calcule a massa volúmica da mistura gasosa no reator.

4. Os óxidos de nitrogénio, NOx, são poluentes atmosféricos. Uma amostra de um desses poluentes, à
pressão e à temperatura ambientes, apresenta uma massa volúmica de 1,88 g dm −3. O volume molar, nas
condições de pressão e temperatura referidas, é 24,5 dm 3 mol−1.
a) O gás que apresenta esse valor de massa volúmica é o
(A) monóxido de nitrogénio, NO.
(B) monóxido de dinitrogénio, N2O.
(C) dióxido de nitrogénio, NO2.
(D) tetróxido de dinitrogénio, N2O4.
b) Indique duas fontes, uma antropogénica e outra natural, de emissão para a atmosfera dos óxidos de
nitrogénio.
c) A fração molar de nitrogénio no tetróxido de nitrogénio, N 2O4, é
(A) 0,67. (B) 0,50. (C) 0,25. (D) 0,33.

5. A tabela seguinte apresenta a composição de uma amostra gasosa.

Gás Quantidade / mol


N2 3,50
O2 1,20
H2O 0,300

a) Calcule o número total de moléculas na amostra gasosa.


b) Qual das expressões seguintes permite calcular a fração molar de H 2O (g), x H O, nessa amostra?
2

0,300 0,300
(A) x H O= (B) x H O=
2
3,50 ×1,20 × 0,300 2
3,50+1,20+ 0,300
3,50 ×1,20 × 0,300 3,50+1,20+ 0,300
(C) x H O= (D) x H O=
2
0,300 2
0,300

158 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q


1
6. Numa mistura gasosa constituída por HF (g), N 2 (g) e He (g), das moléculas presentes são de
5
1
N2 (g) e das moléculas presentes são de He (g).
4
Nessa mistura, a fração molar de HF (g) é
(A) 0,55. (B) 0,45. (C) 0,20. (D) 0,89.

7. A troposfera é uma mistura de gases formada por cerca de 78%, em volume, de nitrogénio e 21%, em
volume, de oxigénio. Outros gases, como vapor de água, dióxido de carbono (CO2), árgon, etc., existem
em percentagens muito baixas, sendo a do CO 2 cerca de 3,9 × 10–2 %, em volume, na atmosfera atual.
Determine, para o ar troposférico:
a) as frações molares do nitrogénio e do oxigénio.
b) a concentração em massa de nitrogénio, a 20 °C.
(Vmolar, 20 °C = 24,2 dm3 mol−1)
c) o teor de CO2, expresso em partes por milhão, em volume (ppmV).

8. A figura ao lado representa o rótulo de uma embalagem que contém uma solução, que é vulgar encontrar
num laboratório de química.
a) Identifique o soluto e o solvente na solução. Ácido sulfúrico, H2SO4 (aq)
95% (m/m)
b) Calcule a massa de H2SO4 que existe num frasco com 250 mL 1 L = 1,84 kg
dessa solução. M = 98,08 g/mol
c) DESAFIO
z Determine a concentração da solução.

9. DESAFIO
z A composição máxima de iões chumbo, Pb 2+, permitida para uma água potável é 0,05 ppm.
Expresse este valor em mol / dm3. Admita que a massa volúmica da água potável é 1,00 g / cm 3.

10. A seguir apresentam-se as indicações sobre a solução designada como Dextrose em Soro Fisiológico,
usada no tratamento da desidratação.

APROVADO EM 24-04-2013
INFARMED: 50 mg de glicose/mL + 9 mg de cloreto de sódio/mL (ou seja, 154
mmol de Na+/L e 154 mmol de Cℓ−/L).
Dose máxima diária: 40 mL por kg de massa corporal, correspondente a 6 mmol de
sódio por kg de massa corporal.

a) Determine a concentração, em mol/dm3, de cloreto de sódio na solução.


b) A um adulto de 60 kg, pode ser administrado diariamente, no máximo,
(A) 1,5 L de solução, correspondente a 0,223 g de sódio.
(B) 1,5 L de solução, correspondente a cerca de 13,5 g de sódio.
(C) 2,4 L de solução, correspondente a cerca de 8,28 g de sódio.

Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 159


(D) 2,4 L de solução, correspondente a cerca de 21,6 g de sódio.

160 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q


11. A imagem seguinte apresenta uma montagem que foi utilizada na determinação experimental do teor
de álcool, C2H6O, num vinho.
Fez-se a análise de um determinado vinho, tendo-se obtido 12,84 mL de álcool a partir de uma amostra
de 120 mL de vinho, à temperatura de 20 °C.
Na tabela seguinte estão registadas massas volúmicas, ρ, de vinhos, a 20 °C, e os correspondentes
teores de álcool.
Teor de álcool
𝜌, o
/g mL-1
% (V/V)
20 C,vinho

0,9859 10,52
0,9858 10,61
0,9857 10,70

0,9856 10,78

a) Determine a massa volúmica do vinho analisado, a 20 °C.


b) Determine a percentagem em massa, %(m/m), de álcool no vinho, sabendo que a densidade do
álcool, a 20 °C, é 0,79 g/cm3.
c) Determine a concentração em massa de álcool no vinho.

12. Prepararam-se, com rigor, 100,00 cm3 de uma solução aquosa de hidróxido de bário, Ba(OH) 2, de
concentração 0,0250 mol dm−3, por dissolução de hidróxido de bário sólido.
a) Calcule a massa de hidróxido de bário que foi necessário medir, para preparar essa solução.
b) Determine a concentração em massa da solução em iões hidróxido.
c) A partir desta solução pretende-se preparar 50,0 cm 3 de uma solução aquosa de hidróxido de bário de
concentração 1,00 × 10−2 mol dm−3. Calcule o volume de solução inicial necessário para preparar o
volume referido de solução diluída de hidróxido de bário.

13. DESAFIO Prepararam-se 100,0 mL de uma solução aquosa de cloreto de cobre(II), CuCℓ 2, com
z
concentração 1,86 mol dm−3.
Que volume de água se deve adicionar à solução preparada para se obter uma nova solução de cloreto
de cobre(II), de modo a que 50,0 mL da solução diluída contenha 2,5 g de CuCℓ 2?

14. DESAFIO Misturaram-se 100,0 mL de uma solução aquosa de cloreto de potássio, KCℓ, de concentração
z
0,20 mol/dm3, com 50,0 mL de uma solução aquosa de cloreto de cálcio, CaCℓ 2, de concentração
0,15 mol/dm3.
Calcule a concentração em iões cloreto, Cℓ −, na solução final. Considere que o volume da solução
mistura é igual à soma dos volumes adicionados.

Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 161


Nome N. o Turma Data / /
Ficha 15 – Gases e dispersões (3)
Domínio 2: Propriedades e transformações da matéria

Questões de provas nacionais realizadas desde 2010.

Consulte a Tabela Periódica, tabelas de constantes e formulários, sempre que necessário e salvo indicação em contrário.

1. O nitrogénio molecular, N2, é um gás à temperatura e pressão ambientes, sendo o componente


largamente maioritário da atmosfera terrestre.
a) O gráfico da seguinte figura representa o volume, V, de diferentes amostras de nitrogénio, N 2, em
função da quantidade de gás, n, existente nessas amostras, à pressão de 752 mm Hg e à temperatura
de 55 °C.

Que significado físico tem o declive da reta representada?


b) Em determinadas condições de pressão e temperatura, 0,5 moles de N 2 (g) ocupa o volume V1.
Nas mesmas condições de pressão e temperatura, 0,5 mol de NO 2 (g) ocupa o volume
2 3
(A) V (B) V 1 (C) 2V1 (D)2 V 1
3 1 2

2. Nas mesmas condições de pressão e de temperatura, o volume ocupado por 0,5 mol de oxigénio, O 2 (g), é
aproximadamente
(A) um quarto do volume ocupado por 32 g desse mesmo gás.
(B) um meio do volume ocupado por 32 g desse mesmo gás.
(C) o dobro do volume ocupado por 32 g desse mesmo gás.
(D) o quádruplo do volume ocupado por 32 g desse mesmo gás.

3. Considere uma amostra de 8,24 mol de CH 4 (g) e uma amostra de 0,398 mol de CO (g), nas mesmas
condições de pressão e de temperatura.
Quantas vezes é que o volume ocupado pela amostra de metano é maior do que o volume ocupado pela
amostra de monóxido de carbono?
Apresente o resultado com três algarismos significativos.

4. Quantas vezes é que a massa volúmica do SO 3 (g) é maior do que a massa volúmica do SO 2 (g), nas
mesmas condições de pressão e de temperatura?
Apresente o resultado com três algarismos significativos.

162 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q


5. Num reator com a capacidade de 10,00 L, foi introduzida, à temperatura de 700 °C, uma mistura gasosa
inicialmente constituída por 0,300 mol de CO (g) e por 0,300 mol de H 2O (g).
Calcule a massa volúmica da mistura gasosa no reator.
Apresente todas as etapas de resolução.

6. A água, H2O, é uma substância vital para qualquer organismo vivo.


A massa volúmica do vapor de água, à temperatura de 100 °C e à pressão de 1 atm, é 0,590 g dm −3.
Determine o volume ocupado por 3,01 × 10 24 moléculas de H2O, contadas numa amostra pura de vapor de
água, nas condições de pressão e de temperatura referidas.
Apresente todas as etapas de resolução.

7. Considere uma mistura gasosa constituída por 5,00 × 10 −2 mol de F2 (g) e 8,00 × 10−2 mol de
Cℓ2 (g), nas condições normais de pressão e de temperatura.
Determine a massa volúmica da mistura gasosa, nas condições de pressão e de temperatura referidas.
Apresente todas as etapas de resolução.

8. O amoníaco, NH3, é um gás à pressão e temperatura ambientes.


a) Considere que a massa volúmica do NH3 (g), nas condições normais de pressão e de temperatura, é
1,08 vezes maior do que a massa volúmica desse gás à pressão e à temperatura ambientes.
Determine o número de moléculas de amoníaco que existem numa amostra pura de 200 cm 3 de
NH3 (g), à pressão e à temperatura ambientes.
Apresente todas as etapas de resolução.
b) Considere que a massa volúmica do amoníaco, à pressão de 0,989 atm e a 55 °C, é 0,626 g dm −3.
Calcule o número de moléculas de amoníaco que existem numa amostra de 500 cm 3 desse gás,
naquelas condições de pressão e de temperatura.
Apresente todas as etapas de resolução.

9. A 25 °C, a massa volúmica de uma substância B (M = 146,16 g mol−1) é 1,5 vezes superior à massa
volúmica de uma substância A (M = 116,24 g mol−1).
Considere uma amostra pura da substância B com o dobro do volume de uma amostra pura da substância
A, a 25 °C.
Determine o quociente entre o número de moléculas da substância B e o número de moléculas da
substância A existentes nas respetivas amostras.
Apresente todas as etapas de resolução, explicitando todos os cálculos efetuados.

10. O ar que constitui a camada mais baixa da atmosfera, a troposfera, é uma mistura de gases composta
essencialmente por cerca de 78%, em volume, de nitrogénio e 21%, em volume, de oxigénio. Os restantes
gases – árgon, vapor de água, dióxido de carbono, néon, etc. – existem em percentagens relativamente
baixas, embora alguns deles sejam muito importantes para a vida na Terra.
F. Duarte Santos, Que Futuro? Ciência, Tecnologia, Desenvolvimento e Ambiente, Gradiva, 2007 (adaptado)

Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 163


a) O número de moléculas de oxigénio que existem em 100 dm 3 de ar, na troposfera, em condições
normais de pressão e temperatura, pode ser calculado através da expressão
100 100
(A) ×22,4. (B) ×22,4.
6,05× 1023 0,21× 6,02× 1023
100 100× 0 , 21
(C) × 6,02× 1023. (D) ×6,02 ×1023 .
22,4 22,4
b) Considere uma amostra de ar seco, recolhida ao nível do mar, de volume 5,0 dm 3, medido nas
condições normais de pressão e temperatura.
Calcule a massa de O2 (g) que deve existir nessa amostra.
Apresente todas as etapas de resolução.

11. Considere uma amostra de 10 cm3 de uma qualquer mistura de SO 2 (g), O2 (g) e SO3 (g), nas condições
normais de pressão e de temperatura (PTN).
O número total de moléculas na amostra é
(A) 2,7 × 1023. (B) 2,7 × 1020.
(C) 1,3 × 1027. (D) 1,3 × 102.

12. As moedas de 10 cêntimos de euro são compostas por ouro nórdico, uma liga metálica constituída por
cobre, Cu, alumínio, Aℓ, zinco, Zn, e estanho, Sn.
As moedas de 10 cêntimos de euro têm uma massa de 4,10 g. No ouro nórdico, a percentagem, em
massa, de cobre é 89%.
Determine o número de átomos de cobre numa moeda de 10 cêntimos de euro.
Apresente todas as etapas de resolução.

13. Nos finais do século XVIII, elevaram-se na atmosfera os primeiros balões cheios de ar, do tipo
representado na figura.
Considere que o ar contém cerca de 21%, em volume, de oxigénio e
que Vm representa o volume molar de um gás, em dm 3 mol−1, em
quaisquer condições de pressão e de temperatura.
Qual das expressões seguintes permite calcular a quantidade
aproximada de oxigénio que existia num balão de volume 800 m 3?
800 ×10 ×0,21
(A) ( Vm )
mol (B) ( 8000,21×10 × V )mol
m

800 ×103 ×0,21 800 ×103


(C)
( Vm
mol ) (D) ( 0,21
× V m mol)

164 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q


14. Um balão cheio com 0,750 mol de hélio, He, tem um volume de 70,0 dm 3, a uma determinada altitude. A
essa altitude recolheu-se uma amostra de 1,0 dm 3 de ar, medido em condições de pressão e de
temperatura idênticas às existentes no interior do balão.
A percentagem em volume de nitrogénio, na amostra de ar recolhida, é 78%.
Determine a massa de nitrogénio nessa amostra de ar.
Apresente todas as etapas de resolução, explicitando todos os cálculos efetuados.

15. O ar seco é uma mistura gasosa constituída essencialmente por nitrogénio, N 2 (g), e por oxigénio, O2 (g),
na qual existem ainda componentes minoritários como o árgon, Ar (g), e o dióxido de carbono, CO 2 (g).
a) Considere que o teor de CO2 (g) no ar seco é, aproximadamente, 0,05% (m/m).
i) O teor de CO2 (g) no ar seco, em ppm, é, aproximadamente,
(A) 5 × 106 ppm. (B) 5 × 104 ppm. (C) 5 × 102 ppm. (D) 5 ppm.
ii) Qual das expressões seguintes permite calcular a quantidade de CO 2 que existirá numa amostra de
1 kg de ar seco?
0,05× 10 0,05× 100
(A) mol (B) mol
44,01 44,01
0,05 0,05
(C) mol (D) mol
100× 44,01 10× 44,01
b) Considere que em 100 g de ar seco existem 23,14 g de O 2 (g) e que, nas condições normais de pressão
e de temperatura (PTN), a massa volúmica do ar seco é 1,30 g dm −3.
Determine a percentagem em volume de O 2 (g) no ar seco.
Apresente todas as etapas de resolução.

16. Considere uma mistura gasosa constituída por 76,5% (m/m) de nitrogénio, N2 (g), e por 23,5% (m/m) de
oxigénio, O2 (g).
Na figura, está representado um gráfico do volume, V, ocupado por um gás ideal (como é o caso da
mistura gasosa considerada) em função da quantidade, n, de gás, a 20 °C e a 1 atm.

a) Qual é o significado físico do declive da reta representada?


b) Calcule a massa volúmica da mistura gasosa, a 20 °C e a 1 atm.
Apresente todas as etapas de resolução.

Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 165


17. Considere que, em cada ciclo respiratório, um atleta inspira 0,50 dm 3 de ar e expira o mesmo volume de
ar, medidos em condições em que o volume molar de um gás é 25 dm 3 mol−1.
Considere ainda que a percentagem em volume de oxigénio, O 2 (g), no ar inspirado e no ar expirado são
21% e 16%, respetivamente.
Qual é a quantidade de O2 (g) consumida num ciclo respiratório?
(A) 1,0 × 10−3 mol (B) 7,4 × 10−3 mol (C) 3,2 × 10−3 mol (D) 4,2 × 10−3 mol

18. O dióxido de carbono, CO2, desempenha um papel importante na regulação da temperatura superficial
da Terra.
O teor médio de CO2 na troposfera tem aumentado de forma continuada nos últimos 150 anos,
apresentando atualmente um valor de cerca de 3,9 × 10 −2 %, em volume.
a) O teor de CO2 na troposfera, expresso em partes por milhão, em volume (ppmV), pode ser
determinado a partir da expressão
102 × 106 3,9× 10−2 ×106
(A) ppmV . (B) ppm V .
3,9× 10−2 102
3,9× 10−2 102
(C) ppmV . (D) ppm V .
102 × 106 3,9× 10−2 ×106
b) Calcule o número de moléculas de CO 2 (g) que existem numa amostra de 10,0 dm 3 de ar troposférico,
em condições PTN.
Apresente todas as etapas de resolução.
c) Qual é a percentagem, em massa, de carbono em 1 mol de moléculas de CO 2?
d) Considere várias amostras de CO 2 (g) contidas em recipientes fechados, nas mesmas condições de
pressão e de temperatura.
Qual é o esboço do gráfico que pode traduzir a relação entre a massa volúmica das amostras de
CO2 (g) e o número de moléculas desse gás existentes nessas amostras?

(A) (B)

(C) (D)

e) Considere que a massa volúmica de CO2 (g), à pressão de 1 atm e à temperatura de 25 °C, é igual a
1,80 g dm−3.
NA
Calcule o volume ocupado por moléculas de CO2 (g) nas condições de pressão e de temperatura
2
referidas, sendo NA a constante de Avogadro.
166 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q
Apresente todas as etapas de resolução.

Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 167


19. O metano, CH4, o óxido nitroso, N2O, e o dióxido de carbono, CO 2, são gases à temperatura ambiente e
pressão normal.
a) O teor médio de CH4 (g) na troposfera é 1,7 ppmV.
Esse teor, em percentagem em volume, é
(A) 1,7 × 10−2 % (B) 1,7 × 10−4 %
(C) 1,7 × 10−6 % (D) 1,7 × 10−8 %
b) Considere uma amostra pura de CH4 (g) e uma amostra pura de N2O (g), com volumes iguais, nas
mesmas condições de pressão e de temperatura.
Quantas vezes é que a amostra de N2O é mais pesada do que a amostra de CH 4?
Apresente o resultado arredondado às unidades.
c) Calcule o número total de átomos que existem em 50,0 dm 3 de CO2 (g), nas condições normais de
pressão e de temperatura (PTN).
Apresente todas as etapas de resolução.

20. A composição do gás natural depende, entre outros fatores, da localização do reservatório subterrâneo
a partir do qual se faz a sua extração. No entanto, o gás natural é sempre maioritariamente constituído
por metano, CH4 (g), embora possa conter outros gases, como, por exemplo, metilbutano, dióxido de
carbono, vapor de água e sulfureto de hidrogénio.
Considere que se extrai, de um determinado reservatório subterrâneo, gás natural contendo 70%, em
volume, de metano.
Determine o número de moléculas de metano que existem numa amostra de 5,0 dm 3 do gás natural, nas
condições normais de pressão e de temperatura.
Apresente todas as etapas de resolução.

21. Um dos componentes minoritários que pode existir no gás natural é o nitrogénio, N 2 (g).
A composição em N2 (g), expressa em partes por milhão em volume, de uma amostra de gás natural que
contém 1,3%, em volume, de nitrogénio, pode ser determinada a partir da expressão
1,3× 106 1,3× 102
(A) . (B) .
102 106
106 102
(C) . (D) .
1,3× 102 1,3× 106

22. O sulfureto de hidrogénio, H2S (g), é um gás incolor que tem um cheiro característico a ovos podres.
a) Considere uma amostra de H 2S (g) com o dobro do volume de uma amostra de metano, CH 4 (g), nas
mesmas condições de pressão e de temperatura.
Nessas condições, as amostras contêm
(A) o mesmo número de moléculas. (B) a mesma quantidade de moléculas.
(C) o mesmo número de átomos de hidrogénio. (D) a mesma quantidade de átomos.
b) O sulfureto de hidrogénio dissolve-se em água, dando origem ao ácido sulfídrico, H 2S (aq).
Se o teor de sulfureto de hidrogénio numa solução aquosa for 22 ppm, a massa, expressa em mg de
H2S em 1 kg de solução, é
(A) 22 × 106. (B) 22. (C) 22 × 10−3. (D) 22 × 103.
168 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q
Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 169
23. O cianeto de hidrogénio, HCN, que tem um cheiro característico a amêndoa amarga, apresenta um
ponto de ebulição de 26 °C, à pressão de 1 atm.
a) Um teor de HCN, no ar, de 0,860 ppm corresponde a um teor, expresso em massa, de
(A) 8,60 × 10−7 %. (B) 8,60 × 10−5 %.
(C) 8,60 × 10−2 %. (D) 8,60 × 103 %.
b) Considere que a massa volúmica do HCN (g) (M = 27,03 g mol−1), à pressão de 1 atm e à temperatura
de 30 °C, é 1,086 g dm−3.
Qual das expressões seguintes permite calcular a quantidade de HCN (g) que existe numa amostra
pura de 5,0 dm3 desse gás, nas condições de pressão e de temperatura referidas?
1,086× 5,0 27,03
(A) mol (B) mol
27,03 1,086× 5,0
1,086 27,03× 5,0
(C) mol (D) mol
27,03× 5,0 1,086

24. Numa análise efetuada a uma amostra de 500 g de água de um poço, destinada a ser utilizada para fins
2−¿ ¿
agrícolas, determinou-se um teor em ião sulfato, SO 4 , de 6,0 ppm (m/m).
Calcule a quantidade de ião SO 2−¿ ¿
4 que existia naquela amostra de solução.
Apresente todas as etapas de resolução.

25. Considere uma solução concentrada de ácido sulfúrico, de massa volúmica 1,84 g cm −3, que contém
98%, em massa, de H2SO4.
Determine a massa de H2SO4 que existe em 100 cm3 de solução.
Apresente todas as etapas de resolução.

26. Admita que a quantidade total de fosfato numa amostra de urina é a soma da quantidade dos iões H 2
PO –4 (aq) e HPO2−¿¿
4 (aq).
Considere uma amostra de 50,0 cm 3 de urina, na qual a concentração total de fosfato é
2−¿¿
29 mmol dm−3, sendo a concentração de HPO4 (aq) 3,0 vezes maior do que a concentração de
−¿ ¿
H 2 PO 4 (aq).
2−¿¿
Calcule o número de iões HPO4 (aq) que existem na amostra de urina.
Apresente todas as etapas de resolução.

27. O ozono, O3 (g), existente na estratosfera tem grande importância na preservação da vida na Terra.
a) Qual é a quantidade de ozono existente numa amostra de ar, de massa 5 × 10 2 g, numa zona da
estratosfera na qual o ar contém 10 ppm (em massa) de ozono?
(A) 1 × 10−5 mol (B) 1 × 10−4 mol (C) 5 × 10−3 mol (D) 5 × 10−4 mol
b) Em condições normais de pressão e de temperatura (PTN), o volume ocupado por 13 g de ozono é

A) ( 48,0
13
×22,4 ) dm . (B) (
3 13
48,0
×22,4 ) dm . 3

170 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q


11
(C) ( 22,4 ×48,0 ) dm . (D) ( 13 ×22,4 × 48,0 ) dm .
3 3

Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 171


28. Uma solução aquosa de hidróxido de sódio, NaOH (aq) (M = 40,00 g mol−1), contém 20%, em massa, de
soluto. A massa volúmica da solução é 1,219 g cm −3.
Determine a concentração, em mol dm−3, desta solução.
Apresente todas as etapas de resolução.

29. Considere uma solução de ácido nítrico cuja concentração é 3,94 mol dm −3, contendo 22,0%, em massa,
de HNO3 (M = 63,02 g mol−1).
Calcule a massa volúmica da solução.
Apresente todas as etapas de resolução.

30. Considere uma solução de ácido acético de concentração 0,50 mol dm −3.
A solução considerada foi preparada a partir de uma solução inicial de concentração 4,50 mol dm−3.
a) Qual é o fator de diluição a considerar na preparação da solução de ácido acético de concentração
0,50 mol dm−3?
(A) 9 (B) 5 (C) 4 (D) 2
b) A massa volúmica de uma solução de ácido acético de concentração 0,50 mol dm −3 é
1,0025 × 103 g dm−3, a 20 °C.
Qual das expressões seguintes permite calcular a quantidade de ácido acético que existe em 100 g de
solução?
0,50 ×100 100
(A) mol (B) mol
1,0025× 103 0,50 ×1,0025 ×103

1,0025× 103 0,50 ×1,0025 ×103


(C) mol (D) mol
0,50 ×100 100

31. O grau de acidez de um vinagre pode ser expresso em termos de massa de ácido acético, CH 3COOH, em
gramas, dissolvida em 100 cm3 desse vinagre.
a) A concentração de ácido acético num determinado vinagre comercial é 1,3 mol dm −3.
Determine o grau de acidez desse vinagre comercial.
Apresente todas as etapas de resolução.
b) Para determinar a percentagem, em massa, de ácido acético no vinagre, a partir do grau de acidez
desse vinagre, tem ainda de ser conhecida
(A) a massa volúmica do vinagre.
(B) a massa molar da água.
(C) a massa molar do ácido acético.
(D) a massa de ácido acético em 100 cm3 de vinagre.
c) Um vinagre comercial de grau de acidez 6,0% é diluído 20 vezes, preparando-se um volume total de
500,0 cm3 de solução diluída.
Determine a quantidade de ácido acético dissolvida na solução diluída de vinagre.

172 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q


Apresente todas as etapas de resolução.

Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 173


32. Nos laboratórios químicos, as soluções aquosas de amoníaco, com as quais se trabalha habitualmente,
são preparadas a partir de soluções aquosas comerciais, em geral muito concentradas.
Transferem-se 20,0 cm3 de uma solução aquosa de amoníaco, de concentração 7,34 mol dm −3, para um
balão volumétrico de 100,0 mL, adicionando-se água até ao traço de referência do balão.
Calcule a concentração da solução diluída.
Apresente todas as etapas de resolução.

33. Considere uma solução aquosa comercial de amoníaco, de concentração 13 mol dm −3 e de massa
volúmica 0,91 g cm−3, que é posteriormente diluída 500 vezes.
a) Qual das expressões seguintes permite calcular a percentagem, em massa, de amoníaco
(M = 17,04 g mol−1) na solução comercial?
13× 0,91 13 × 17,04
(A) × 100 (B) ×100
17,04 ×1000 0,91× 1000

0,91× 1000 17,04 ×1000


(C) ×100 (D) × 100
13 × 17,04 13× 0,91

b) Para preparar 1,0 dm3 da solução de amoníaco mais diluída, o volume a utilizar da solução comercial
será
(A) 500,0 cm3. (B) 200,0 cm3. (C) 5,0 cm3. (D) 2,0 cm3.

34. Considere uma solução aquosa de amoníaco, de concentração 0,10 mol dm −3.
Retiraram-se 50,0 cm3 dessa solução e transferiu-se esse volume de solução para um balão volumétrico
de 250,0 mL, adicionando-se, em seguida, água destilada até ao traço de referência do balão.
A concentração da solução de amoníaco obtida será
(A) 2,0 × 10−2 mol dm−3. (B) 2,5 × 10−2 mol dm−3.
(C) 4,0 × 10−2 mol dm−3. (D) 5,0 × 10−2 mol dm−3.

35. No laboratório, um aluno preparou, com rigor, uma solução aquosa de cloreto de sódio, a partir do
reagente sólido.
a) Para preparar a solução, o aluno mediu a massa necessária de cloreto de sódio, utilizando uma
balança digital que apresentava uma incerteza de leitura de 0,01 g.
Dos seguintes valores de massa, qual deve o aluno ter registado?
(A) 8,341 g (B) 8,34 g (C) 8,3 g (D) 8 g

b) O volume de solução preparada foi 250,0 cm 3.


Apresente o valor acima referido expresso em dm 3, mantendo o número de algarismos significativos.
c) Em seguida, foi pedido ao aluno que preparasse, com rigor, 50,0 cm 3 de uma solução aquosa de
cloreto de sódio de concentração 0,23 mol dm −3, a partir da solução inicialmente preparada de
concentração 5,71 × 10−1 mol dm−3.

174 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q


i) Calcule o volume de solução inicial necessário para preparar o volume referido de solução diluída de
cloreto de sódio.
ii) Descreva o procedimento experimental seguido na preparação da solução diluída de cloreto de sódio,
referindo, sequencialmente, as três principais etapas envolvidas neste procedimento.

36. Numa atividade laboratorial, um grupo de alunos preparou, com rigor, 100,00 cm 3 de uma solução
aquosa de sulfato de cobre(II), CuSO 4, de concentração 0,400 mol dm −3, por dissolução de sulfato de
cobre(II) penta-hidratado, CuSO4 · 5H2O, sólido.
a) Calcule a massa de sulfato de cobre penta-hidratado que foi necessário medir, para preparar essa
solução.
Apresente todas as etapas de resolução.
b) De modo a pesar o sulfato de cobre penta-hidratado necessário para preparar a solução, os alunos
colocaram um gobelet sobre o prato da balança.
Identifique a peça de material de laboratório que deve ser utilizada para transferir o sulfato de cobre
penta-hidratado sólido para o gobelet.
c) Ao prepararem a solução, os alunos deixaram o menisco do líquido ultrapassar o traço de referência do
balão volumétrico.
Qual é a atitude correta a tomar numa situação como esta?
(A) Ignorar o facto, uma vez que que o colo do balão é estreito.
(B) Adicionar um pouco mais de soluto à solução preparada.
(C) Acertar o menisco pelo traço de referência, retirando líquido.
(D) Preparar uma nova solução, a partir do soluto sólido.
d) Os alunos prepararam ainda, com rigor, a partir da solução de sulfato de cobre(II) inicialmente
preparada, uma solução 2,5 vezes mais diluída.
Os alunos dispunham apenas do seguinte material:
• balão volumétrico de 50 mL (±0,06 mL);
• pompete;
• pipeta graduada de 10 mL (±0,05 mL);
• pipeta volumétrica de 10 mL (±0,02 mL);
• pipeta graduada de 20 mL (±0,10 mL);
• pipeta volumétrica de 20 mL (±0,03 mL);
• pipeta graduada de 25 mL (±0,10 mL);
• pipeta volumétrica de 25 mL (±0,03 mL).
Determine o volume da solução mais concentrada que os alunos tiveram de medir, de modo a
prepararem a solução pretendida.
Selecione, de entre as pipetas referidas, a que permite a medição mais rigorosa do volume da solução
mais concentrada.
Apresente todas as etapas de resolução.

Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 175


Nome N. o Turma Data / /
Ficha 16 – Transformações químicas (1)
Domínio 2: Propriedades e transformações da matéria

1. Considere as equações químicas representadas na coluna I e as transformações na coluna II.

Coluna I Coluna II
+¿¿
1. N2 (g) → N 2 (g) + e – a. Decomposição

2. N2 (g) + 3 H2 (g) → 2 NH3 (g) b . Síntese


3. 2 H2O (ℓ) → 2 H2 (g) + O2 (g) c. Combustão
4. CH4 (g) + 2 O2 (g) → CO2 (g) + 2 H2O (g) d. Atomização
5. H2O (ℓ) → H2O (g) e. Ionização
6. O2 (g) → 2 O (g) f. Evaporação

a) Faça corresponder a cada equação química da coluna I uma transformação da coluna II.
b) Faça a leitura da equação representada pelo número 3.
c) Escreva a equação representada pelo número 3 usando estruturas de Lewis para cada uma das
substâncias.
d) Conclua, com base na ligação química que se estabelece entre os átomos, qual das moléculas, N 2 ou O2,
é mais estável. Apresente, num texto estruturado e com linguagem científica adequada, a
fundamentação da conclusão solicitada.

2. As transformações dos materiais envolvem ligações químicas e podem ser desencadeadas por vários
fatores.
a) Durante uma reação química há rutura de ligações químicas nos reagentes e
(A) altera-se o número de átomos.
(B) formam-se novos elementos químicos.
(C) há conservação de volume.
(D) há novos rearranjos dos átomos.
b) A água ao congelar _________________ energia e um fósforo a arder _________________ energia.
(A) absorve … também absorve
(B) absorve … liberta
(C) liberta … também liberta
(D) liberta … absorve
c) Nas folhas das árvores, durante a realização da fotossíntese, ocorrem transformações
(A) físicas por ação da luz.
(B) físicas por ação do calor.
(C) químicas por ação do calor.
(D) químicas por ação da luz.

176 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q


3. Numa fatura relativa ao consumo doméstico de gás natural, constituído essencialmente por metano, pode
ler-se a seguinte informação:
Consumo: 9 m3
Consumo: 105 kW h
O consumo provocou a emissão de 19,32 kg de CO 2
a) Apresente o volume de gás natural consumido expresso em litros, mantendo o número de algarismos
significativos.
b) O consumo energético, expresso em joules, pode ser traduzido pela expressão
105
A) ( 105 ×3600 ) J. (B) ( 3600 ) J.
105 ×103
(C) ( 105 ×103 ×3600 )J. (D) ( 3600
J. )
c) Cada metro cúbico de gás natural é responsável pela emissão de, aproximadamente
(A) 1,15 kg de CO2. (B) 2,15 kg de CO2.
(C) 3,15 kg de CO2. (D) 4,15 kg de CO2.
d) A molécula de metano é representada por
(A) CH4, formada por quatro ligações simples CH.
(B) C2H2, formada por uma ligação tripla CC e duas ligações simples CH.
(C) C2H4, formada por uma ligação dupla CC e quatro ligações simples CH.
(D) C3H8, formada por duas ligações simples CC e oito ligações simples CH.

4. Considere a informação do rótulo de um produto alimentar, correspondente a 100 g desse produto:

349 kcal / 1459 kJ

a) A caloria é uma
(A) grandeza e a energia é uma unidade.
(B) grandeza e a energia também.
(C) unidade e a energia é uma grandeza.
(D) unidade e a energia também.
b) O valor energético de 100 g de produto é
349 1459
(A) kcal. (B) kcal.
1459 348
(C) 349 kJ, ou seja, 1459 kcal. (D) 349 kcal, ou seja, 1459 kJ.

Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 177


c) O gráfico que traduz a relação entre a energia expressa em joules e em calorias é:

(A) (B)

(C) (D)

178 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q


Nome N. o Turma Data / /
Ficha 17 – Transformações químicas (2)
Domínio 2: Propriedades e transformações da matéria

Consulte a Tabela Periódica, tabelas de constantes e formulários, sempre que necessário e salvo indicação em contrário.

1. O diagrama da figura seguinte representa o balanço energético na rutura/formação de ligações na reação

a) A energia que é necessária para quebrar as ligações nos reagentes é à energia que é na formação das
ligações dos produtos.
(A) superior … absorvida
(B) superior … libertada
(C) inferior … absorvida
(D) inferior … libertada
b) Conclua, com base no diagrama, se o processo é endotérmico ou exotérmico. Apresente, num texto
estruturado e com linguagem científica adequada, a fundamentação da conclusão solicitada.
c) A tabela ao lado apresenta valores de energias médias de ligação. Energia de
Ligação ligação
Com base nos valores das energias de ligação da tabela, calcule a kJ mol-1
variação de entalpia, ΔH, da reação de combustão do metano. C–H 414
d) Compare o resultado obtido em c) para a variação de C=O 799
entalpia da reação com o valor obtido experimentalmente:
ΔH = –802 kJ/mol. O=O 498
O–H 460

e) Considere, para a variação de entalpia da reação de combustão do metano, o valor experimental


referido na alínea anterior.
i) Determine a massa de metano necessária para produzir a energia de 1,80 × 10 4 kJ.
ii) A combustão de uma determinada amostra de metano originou a formação de duas moles de
moléculas de água. Determine a energia envolvida na combustão da referida amostra.

Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 179


2. A reação do metano na presença de flúor origina fluorometano e fluoreto de hidrogénio. A reação pode
ser traduzida por:

a) Se a reação ocorrer em sistema isolado, a temperatura do sistema ____________________ e a energia


interna ____________________.
(A) diminui … aumenta (B) aumenta … mantém-se
(C) aumenta … aumenta (D) diminui … mantém-se
b) DESAFIO Sabendo que as energias médias das ligações C–H, F–F e C–F são, respetivamente,
z
413 kJ mol–1, 153 kJ mol–1 e 434 kJ mol–1, a energia de ligação na molécula de fluoreto de hidrogénio é
dada por
(A) E(H–F) = (413 + 153 – 427 – 434) kJ mol–1.
(B) E(H–F) = (4 × 413 + 153 – 427 – 3 × 434) kJ mol –1.
(C) E(H–F) = (413 + 153 + 427 – 434) kJ mol–1.
(D) E(H–F) = [413 + 153 – (427 – 434)] kJ mol–1.

3. Uma reação química, que ocorreu em sistema isolado, provocou uma diminuição de temperatura do
sistema.
Tal significa que a reação é ____________________ , pelo que se o sistema não fosse isolado ocorreria
transferência de energia do ____________________.
(A) endotérmica … exterior para o sistema (B) endotérmica … sistema para o exterior
(C) exotérmica … exterior para o sistema (D) exotérmica … sistema para o exterior

4. As equações (1) e (2) representam a formação de água a partir das substâncias elementares, H 2 e O2, a
25 oC.
1
(1) H2 (g) + O2 (g) → H2O (ℓ) ΔH = –286 kJ mol–1
2
1
(2) H2 (g) + O2 (g) → H2O (g) ΔH = –242 kJ mol–1
2
A formação de uma mole de água no estado líquido ocorre com
(A) absorção de energia cujo valor é superior em 44 kJ ao da energia envolvida na formação da mesma
quantidade de água no estado gasoso.
(B) absorção de energia cujo valor é inferior em 44 kJ ao da energia envolvida na formação da mesma
quantidade de água no estado gasoso.
(C) libertação de energia cujo valor é superior em 44 kJ ao da energia envolvida na formação da mesma
quantidade de água no estado gasoso.

180 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q


(D) libertação de energia cujo valor é inferior em 44 kJ ao da energia envolvida na formação da mesma
quantidade de água no estado gasoso.

Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 181


5. A síntese do óxido nítrico é traduzida pela seguinte equação:
N2 (g) + O2 (g) → 2 NO (g) ΔH = +181 kJ mol–1
a) Apresente o diagrama que pode representar o balanço energético na rutura/formação de ligações na
reação de síntese do NO.
b) Na referida reação _________________ 181 kJ por cada _________________ de NO (g) sintetizado.
(A) libertam-se … mole (B) são absorvidos … mole
(C) libertam-se … duas moles (D) são absorvidos … duas moles
c) DESAFIO Sabendo que as energias médias das ligações N≡N e O=O são, respetivamente,
z
941 kJ mol–1 e 496 kJ mol–1, determine a energia de ligação na molécula NO.

6. A tabela seguinte apresenta valores de energias de ionização e de dissociação para as moléculas dos dois
gases mais abundantes na atmosfera terrestre e para a molécula de ozono, que é o gás mais importante
na estratosfera.

Energia de Energia de
Moléculas
ionização / J dissociação / J
N2 2,5 × 10-18 1,6 × 10-18
O2 1,9 × 10-18 8,2 × 10-19
O3 ______ 6,0 × 10-19

a) Escreva a equação química que traduz a dissociação da molécula do oxigénio, O 2, na estratosfera.


+¿¿
b) A energia envolvida na transformação representada por N 2 (g) → N 2 (g) + e– é
(A) 1,6 × 10–18 J. (B) 2,5 × 10–18 J. (C) 3,2 × 10–18 J. (D) 5,0 × 10–18 J.
c) Como se designa a transformação representada em b) pelo facto de ocorrer por ação da luz (na
atmosfera terrestre)?
d) Conclua, com base nas energias de dissociação, sobre a estabilidade das moléculas de N 2, O2 e O3,
quando expostas à ação da luz na atmosfera terrestre. Apresente, num texto estruturado e com
linguagem científica adequada, a fundamentação da conclusão solicitada.
e) Expresse a energia de ionização da molécula de oxigénio em kJ mol −1.

7. Na figura ao lado está representado o processo de produção do ozono estratosférico.


a) A equação química global que pode traduzir o processo de formação do
ozono estratosférico representado é
(A) O2 → 2 O.
(B) O + O2 → O3.
(C) O + 2 O2 → 2 O3.
(D) 3 O2 → 2 O3.

182 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q


b) Explique porque é que as moléculas de oxigénio e de ozono constituem filtros das radiações
ultravioletas UV–B e UV–C.
Comece por escrever as equações químicas correspondentes.
Apresente, num texto estruturado e com linguagem científica adequada, a explicação solicitada.
c) Mostre que os átomos de oxigénio são radicais livres.

8. Em zonas de grande tráfego rodoviário, óxidos de carbono e de nitrogénio, em determinadas condições


de temperatura e na presença da luz, podem reagir com oxigénio e conduzir à formação de ozono, o qual
provoca ou agrava problemas respiratórios das populações.
Na atmosfera terrestre pode encontrar-se ozono na
(A) estratosfera, onde atua como poluente.
(B) estratosfera, onde atua como poluente e como filtro de radiação ultravioleta.
(C) troposfera, onde atua como poluente.
(D) troposfera, onde atua como poluente e como filtro de radiação ultravioleta.

9. Medições da concentração de CFC, como CFCℓ 3 e CF2Cℓ2, e de CH3CCℓ3 na troposfera revelaram que a taxa
de diminuição temporal da concentração dos CFC era inferior à taxa de diminuição temporal da
concentração do CH3CCℓ3.
a) De acordo com o texto, CFC são substâncias formadas por cloro, flúor
(A) , carbono e hidrogénio, mais estáveis na troposfera do que CH 3CCℓ3.
(B) , carbono e hidrogénio, mais reativas na troposfera do que CH 3CCℓ3.
(C) e carbono, mais estáveis na troposfera do que CH 3CCℓ3.
(D) e carbono, mais reativas na troposfera do que CH 3CCℓ3.
b) Explique a formação de radicais livres traduzida pela equação química seguinte, identificando a camada
da atmosfera onde tem maior probabilidade de ocorrer.

Apresente, num texto estruturado e com linguagem científica adequada, a explicação solicitada.
c) Com base nas equações (1) e (2), explique o efeito do uso de CFCℓ 3 na concentração de ozono
estratosférico.
(1) Cℓ + O3 → O2 + CℓO
(2) CℓO + O3 → 2 O2 + Cℓ
Apresente, num texto estruturado e com linguagem científica adequada, a explicação solicitada.

Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 183


Nome N. o Turma Data / /
Ficha 18 – Transformações químicas (3)
Domínio 2: Propriedades e transformações da matéria

Questões de provas nacionais realizadas desde 2010.

Consulte a Tabela Periódica, tabelas de constantes e formulários, sempre que necessário e salvo indicação em contrário.

1. A energia, transferida como calor, necessária para dissociar 1 mol de moléculas de N 2 (g), a pressão
constante, é 945 kJ.
A variação de entalpia associada à obtenção de 4 mol de átomos de nitrogénio, em fase gasosa, a partir
de 2 mol de N2 (g) é
(A) +(4 × 945) kJ. (B) −(4 × 945) kJ. (C) +(2 × 945) kJ. (D) −(2 × 945) kJ.

2. A reação de síntese do amoníaco pode ser traduzida por:


N2 (g) + 3 H2 (g) ⇌ 2NH3 (g) ΔH = –92,6 kJ
a) Se a reação de síntese do amoníaco ocorrer em sistema isolado, _________________ transferência de
energia entre o sistema e o exterior, e a energia interna do sistema _________________ .
(A) não há … mantém-se
(B) não há … diminui
(C) há … diminui
(D) há … mantém-se
b) A tabela ao lado apresenta dois valores de Ligação Energia de ligação / kJ mol-1
energia média de ligação.
H−H 436,4
Qual é a expressão que permite estimar a energia
envolvida na quebra da ligação tripla (EN≡N) na N−H 393
molécula de nitrogénio, expressa em kJ mol−1?
(A) –3(436,4) – EN≡N + 6(393) = –92,6
(B) +3(436,4) + EN≡N – 6(393) = –92,6
(C) +3(436,4) + EN≡N – 2(393) = –92,6
(D) –3(436,4) – EN≡N + 2(393) = –92,6

3. A água pode ser decomposta em hidrogénio e oxigénio, de acordo com:


2 H2O (g) → 2 H2 (g) + O2 (g)
A variação de energia associada à decomposição de 2 mol de H 2O (g), segundo a reação considerada, é
572 kJ.
A energia das ligações H–H e O=O são, respetivamente, 436 kJ mol −1 e 498 kJ mol−1.
Determine a energia que é necessário fornecer, em média, para quebrar uma mole de ligações O–H na
molécula de água.
Apresente todas as etapas de resolução.

184 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q


4. O oxigénio, O2 (g), é um dos componentes principais da atmosfera terrestre.
a) Na termosfera, pode ocorrer a ionização de O2 (g) por absorção de, pelo menos, 1,18 × 103 kJ mol−1.
Para que ocorra a ionização de uma molécula de O 2 (g), deverá ser absorvida, pelo menos, uma
energia, em joule (J), igual a
1,18 × 103 103
(A) J. (B) J.
103 × 6,02× 1023 1,18× 103 × 6,02× 1023

6,02× 1023 1,18× 103 × 103


(C) J. (D) J.
1,18× 103 × 103 6,02× 1023

b) A energia de ionização da molécula de oxigénio é 1,9 × 10 −18 J, enquanto a sua energia de dissociação é
8,3 × 10−19 J.
As radiações, que são absorvidas pelas espécies químicas existentes na estratosfera, têm valores de
energia entre 6,6 × 10−19 J e 9,9 × 10−19 J.
Com base nestes dados, indique, justificando, se o processo que ocorre na estratosfera será a
dissociação ou a ionização da molécula de oxigénio.

5. O ozono, O3 (g), existente na estratosfera tem grande importância na preservação da vida na Terra.
Qual é a radiação, nociva para os seres vivos, que é absorvida pelo ozono na estratosfera?

6. O ozono, O3, encontra-se na estratosfera, formando a chamada camada de ozono, que se estende por
vários quilómetros de altitude.
Na estratosfera, a interação da radiação ultravioleta B (UV–B) com as moléculas de oxigénio dá origem à
formação de radicais livres (átomos) de oxigénio. São estes radicais que, reagindo com outras moléculas
de oxigénio, na estratosfera, produzem ozono.
Por seu lado, as moléculas de ozono também interagem com a radiação UV–B, na estratosfera,
dissociando-se.
Se não houvesse interferência de outras espécies químicas presentes na estratosfera, a concentração de
ozono nesta camada da atmosfera permaneceria aproximadamente constante – a formação e
decomposição deste gás ocorreriam à mesma velocidade.
No entanto, alguns radicais livres também presentes na atmosfera, nomeadamente os radicais livres
(átomos) de cloro, reagem com o ozono, que passa a decompor-se a uma velocidade superior à
velocidade a que se forma. Como resultado da ação destes radicais livres, ocorre, assim, uma diminuição
da concentração de ozono na estratosfera, fenómeno que é habitualmente designado por «buraco do
ozono».
Maria Teresa Escoval, A Ação da Química na Nossa Vida,
Lisboa, Editorial Presença, 2010 (adaptado)

a) Escreva as equações químicas que traduzem as reações referidas no segundo parágrafo do texto.

Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 185


b) A reação dos radicais livres de oxigénio com as moléculas de oxigénio, na estratosfera, envolve a
libertação de cerca de 105 kJ por cada mole de moléculas de ozono que se formam.
A variação de energia, em joule (J), associada à formação de uma molécula de ozono, poderá ser
traduzida pela expressão
+ 1,05× 105 −1,05× 105
(A) . (B) .
6,02 ×1023 6,02 ×1023

(C) −1,05 ×105 ×6,02 ×1023 . (D) +1,05 ×105 ×6,02 ×1023 .

c) Explique porque é que as moléculas de oxigénio e de ozono constituem filtros da radiação UV–B na
estratosfera.

d) Os CFC (clorofluorocarbonetos) são compostos que, interagindo com a radiação UV–B, constituem a
principal fonte de radicais livres de cloro na estratosfera.
Nas moléculas de CFC que chegam à estratosfera, verifica-se a quebra das ligações C−Cℓ, mais fracas,
não ocorrendo, no entanto, a quebra das ligações C–F, mais fortes.
Indique o motivo que justifica que a quebra das ligações C–F não ocorra.

e) Os átomos de cloro são agentes destruidores da camada de ozono estratosférico.


Um mecanismo reacional que traduz a destruição do ozono pode ser representado pelas seguintes
equações:
Cℓ + O3 → CℓO + O2
CℓO + O → Cℓ + O2
Escreva a equação química que corresponde à soma destas duas equações.

7. Um dos compostos cuja emissão para a atmosfera acarreta prejuízos graves à saúde dos seres vivos é o
óxido de nitrogénio, NO (g), também designado por óxido nítrico, que contribui para a formação da chuva
ácida e para a destruição da camada de ozono.
a) As reações entre o óxido de nitrogénio, NO (g), e o ozono, O 3 (g), podem ser traduzidas por um
mecanismo reacional (em cadeia), no qual ocorrem, sucessivamente, a destruição de uma molécula de
O3 (g) e a regeneração de uma molécula de NO (g).
Quais são as fórmulas químicas que preenchem, sequencialmente, os espaços seguintes, de modo a
obter um esquema correto do mecanismo reacional considerado?
O3 (g)+ NO (g) → NO2 (g) + _________________
NO2 (g) + O (g) → _________________ + O2 (g)
(A) O (g) … N2 (g) (B) O (g) … NO (g)
(C) O2 (g) … NO (g) (D) O2 (g) … N2 (g)
b) À semelhança do que acontece com o NO (g), também a emissão de CFC para a atmosfera contribui
para uma diminuição acentuada da concentração de ozono estratosférico.
Refira duas das características dos CFC responsáveis por esse efeito.

186 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q


Nome N. o Turma Data / /
Ficha global 2
Domínio 2: Propriedades e transformações da matéria

Consulte a Tabela Periódica, tabelas de constantes e formulários, sempre que necessário e salvo indicação em contrário.

1. Os átomos estabelecem ligações entre si, formando moléculas, e as posições relativas dos átomos na
molécula definem a sua geometria molecular.
a) A cada molécula da coluna A associe um tipo de ligação covalente entre os seus átomos da coluna B e
uma geometria da coluna C.

Coluna A– molécula Coluna B – ligação covalente Coluna C – geometria

A. Nitrogénio, N2 I. Simples a. Angular


B. Fosfina, PH3 II. Dupla b. Linear
C. Dissulfureto de carbono, CS2 III. Tripla c. Piramidal trigonal
D. Sulfureto de hidrogénio, H2S

b) Conclua, com base na estrutura de Lewis e na geometria molecular, sobre a polaridade da molécula de
dissulfureto de carbono. Apresente, num texto estruturado e com linguagem científica adequada, a
justificação da conclusão solicitada.
c) DESAFIO Em qual das sequências as moléculas se encontram dispostas por ordem crescente de energia
z
da ligação interatómica?
(A) HBr, HCℓ, HI (B) HCℓ, HBr, HI (C) HI, HBr, HCℓ (D) HI, HCℓ, HBr.
d) DESAFIO Considere as transformações químicas traduzidas por:
z
H2 + F2 → 2 HF ΔH = –530 kJ mol−1
H2 → H + H ΔH = 436 kJ mol−1
F + F → F2 ΔH = –158 kJ mol−1
Determine a energia de ligação H–F na molécula de fluoreto de hidrogénio.

2. As moléculas também estabelecem ligações entre si. Na figura seguinte representa-se um tipo dessas
ligações entre as moléculas de fluoreto de hidrogénio e o mapa de potencial eletrostático da molécula HF.
A intensidade das ligações intermoleculares determina algumas propriedades físicas das substâncias.

a) A molécula de fluoreto de hidrogénio é ______________________ e a ligação intermolecular representada


é mais ______________________ do que a ligação intramolecular.
(A) apolar … fraca (B) apolar … forte
(C) polar … forte (D) polar … fraca

Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 187


b) Entre as moléculas de fluoreto de hidrogénio estabelecem-se
(A) apenas ligações de hidrogénio.
(B) apenas forças de van der Waals entre moléculas polares.
(C) apenas ligações de hidrogénio e forças de van der Waals entre moléculas polares.
(D) ligações de hidrogénio e forças de van der Waals entre moléculas polares e forças de London.
c) A figura seguinte mostra as fórmulas de estrutura das moléculas de propano, C 3H8, e de etanol, C2H5OH.

Enquanto o propano é gasoso, à temperatura ambiente, o etanol é líquido. Explique a diferença de


estados físicos das duas substâncias, à temperatura ambiente. Apresente, num texto estruturado e
com linguagem científica adequada, a explicação solicitada.

3. Na figura seguinte apresentam-se as estruturas de Lewis de quatro moléculas de substâncias diferentes.

(A) (B) (C) (D)

a) Identifique a classe de compostos orgânicos correspondente a cada uma das substâncias.


b) Indique o número de eletrões de valência da molécula D.
c) Indique o número e a localização dos eletrões de valência não ligantes na molécula A.

4. Na camada mais baixa da atmosfera, a troposfera, a presença do ozono provoca efeitos nefastos na saúde
humana e impactos ambientais negativos. O ozono tem efeitos ao nível do sistema respiratório,
provocando inflamação das vias respiratórias, que se torna aguda para níveis elevados de concentração,
causando tosse, irritação da garganta e desconforto na respiração.
A Agência Europeia do Ambiente estabeleceu que, em relação à concentração do ozono no ar
atmosférico, 180 μg/m3 constitui o valor limiar de informação ao público e que 240 μg/m 3 é o limiar de
alerta.
a) Sabendo que em determinadas condições de pressão e temperatura, o volume molar do ozono é
25 dm3 mol−1, calcule:
i) em partes por milhão em volume, ppmV, o valor limiar de informação ao público relativo ao ozono
troposférico.
ii) a partir do valor limiar de alerta, estabelecido para o ozono, o número de moléculas de O 3 (g) que
são necessárias para contaminar uma amostra de 10,0 dm 3 de ar atmosférico.

188 Editável e fotocopiável © Texto | 10Q


b) O ozono troposférico pode formar-se em resultado de reações fotoquímicas de outros poluentes, como
os óxidos de nitrogénio (NOx). Nesse processo, numa primeira etapa, o dióxido de nitrogénio, NO 2,
sofre fotodissociação, originando um radical de oxigénio.
i) Escreva a equação química que traduz a reação de fotodissociação do dióxido de nitrogénio.
ii) Compare a energia dos reagentes com a dos produtos da reação de fotodissociação do dióxido de
nitrogénio.
iii) Qual é a percentagem, em massa, de nitrogénio em 1 mol de moléculas de NO 2?

5. Pretende-se preparar 50,0 cm3 de uma solução aquosa de cloreto de sódio de concentração
0,030 mol dm–3, a partir de uma solução aquosa do mesmo soluto de concentração 0,065 mol dm –3.
a) Determine o volume de solução mais concentrada necessário para preparar o volume referido de
solução diluída de cloreto de sódio.
b) Dos materiais seguintes, identifique o que deve ser utilizado na medição do volume necessário de
solução concentrada e indique qual deve ser a sua capacidade.
(A) Balão volumétrico.
(B) Pipeta graduada.
(C) Pipeta volumétrica.
(D) Proveta graduada.
c) Descreva o procedimento experimental que deveria ser seguido na preparação da solução diluída de
cloreto de sódio, referindo, sequencialmente, as três principais etapas envolvidas nesse procedimento.

Editável e fotocopiável © Texto | 10Q 189

Você também pode gostar