Você está na página 1de 39

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL

CAMPUS ARAPIRACA
ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO

MILLENE LOPES DA SILVA

A IMPORTÂNCIA DO EMPREENDEDORISMO E DA INOVAÇÃO: ESTUDO DE


CASO DE UMA EMPRESA NA CIDADE DE ARAPIRACA/AL.

ARAPIRACA
2020
Millene Lopes da Silva

A importância do empreendedorismo e da inovação: estudo de caso de uma empresa na


cidade de Arapiraca/AL.

Trabalho de Conclusão de Curso – TCC,


apresentado ao Programa de Graduação do Curso de
Administração da Universidade Federal de Alagoas,
como requisito para obtenção do grau de Bacharel
em Administração.

Orientadora: Prof.ª Dr.ª Maria Amélia Jundurian


Corá

Arapiraca
2020
Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Biblioteca Campus Arapiraca - BCA
Bibliotecário Responsável: Nestor Antonio Alves Junior

CRB - 4 / 1557

S586i Silva, Millene Lopes da


A importância do empreendedorismo e da inovação: estudo de caso de uma
empresa na cidade de Arapiraca / AL / Millene Lopes da Silva. – Arapiraca, 2020.
37 f.: il.

Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Administração) - Universidade


Federal de Alagoas, Campus Arapiraca, Arapiraca, 2020.

Orientadora: Prof.ª Dr.ª Maria Amélia Jundurian Corá.

Referências: f. 35-37.

1. Empreendedorismo. 2. Inovação. 3. Competitividade. 4. Planejamento


estratégico. I. Corá, Maria Amélia Jundurian. II. Título.

CDU 658
Millene Lopes da Silva

A importância do empreendedorismo e da inovação: estudo de caso de uma empresa na


cidade de Arapiraca/AL

Trabalho de Conclusão de Curso – TCC,


apresentado ao Programa de Graduação do Curso de
Administração da Universidade Federal de Alagoas,
como requisito para obtenção do grau de Bacharel
em Administração.

Data de aprovação: 22/09/2020.

Banca Examinadora

Prof.ª Dr.ª Maria Amélia Jundurian Corá


Universidade Federal de Alagoas - UFAL
Campus Arapiraca
(Orientadora)

Prof. Dr.Acúrcio Castelo David


Universidade Federal de Alagoas - UFAL
Campus Arapiraca
(Examinador)

Prof. Me. Adriano César Rosa da Costa


Universidade Federal de Alagoas - UFAL
Campus Arapiraca
(Examinador)
À Deus, por ter me dado forças em todos os
momentos e está presente. À minha família, por
sempre ter me apoiado durante toda a minha
vida.
AGRADECIMENTOS

Primeiramente, quero agradecer a Deus, por ter me dados forças todos os dias, por ser
meu alicerce, minha fortaleza, o meu caminhar, em minhas lutas diárias, nas minhas
dificuldades, por sempre ter estado do meu lado para alcançar meus objetivos.
Agradecer a minha família, por todo o apoio, por sempre estarem do meu lado me dando
conselhos, me direcionando sempre a fazer a coisa certa, por serem minhas companhias durante
todo esse tempo seja nos momentos bons ou nos momentos ruins, nunca me deixaram na mão,
sempre estavam ali todos os dias da minha vida. Me deram forças para seguir em frente e
conseguir alcançar minhas metas e meus objetivos.
Agradecer ao meu marido, por ter estado do meu lado, me dando forças, me
aconselhando sempre, minha companhia diária. Que sempre me deu forças para superar todos
os obstáculos que surgiam no caminho e sendo meu braço direito em todos os momentos, para
conseguir alcançar meus sonhos.
Agradecer a minha orientadora, pela paciência e apoio que me deu todo esse tempo, por
sempre me direcionar a seguir o caminho certo, a fazer a coisa certa, por sempre me ajudar nos
problemas que surgia no caminho, mas sempre acreditando que tudo daria certo, pois sem a sua
orientação não teria conseguido concluir o meu curso.
Agradecer ao meu co-orientador, pela paciência e apoio que sempre me mostrou todo
esse tempo na elaboração deste estudo, por sempre me coordenar a fazer o certo e sempre me
dando dicas quando via algo que não estava certo, mas sempre acreditava que eu era capaz de
resolver todos os problemas e conseguir finalizar o trabalho, e sem sua ajuda não teria chegado
até o fim. A empresa, em especial, por ter me recebido de braços abertos e ter me ajudado em
todas as questões que levantei, através de suas respostas, que me fez evoluir como pessoal como
também como profissional.
Aos professores do Curso de Administração que me acompanharam durante esses 4
anos de graduação, que me proporcionaram aprendizado por toda a minha passagem. Por
conseguinte, queria agradecer a todos que fizeram parte da minha vida, que diretamente ou
indiretamente contribuíram para meu crescimento profissional e me ajudaram a concluir meu
curso, orientando, dando forças, motivação. Muito obrigada a todos vocês!
RESUMO

Diante dos crescentes níveis de competitividade no ramo empresarial, vê-se cada vez mais a
necessidade de que os gestores busquem por ferramentas estratégicas que corroborem com o
desempenho e destaque de sua empresa em relação aos concorrentes. Diante disso, o presente
estudo, trata de um estudo de caso, numa empresa de distribuição na cidade de Arapiraca-AL
buscando identificar a presença de práticas empreendedoras e inovadoras implantadas na
organização. Através das pesquisas feitas com especialistas em torno do tema, foi possível
demonstrar opiniões e conhecimentos que refutaram a tese de que o empreendedorismo e a
inovação são primordiais dentro das organizações e caracteriza-se como um diferencial no
planejamento estratégico. Devido a isso, cada vez mais os gestores têm investido nessas práticas
em suas atividades rotineiras para desenvolvimento de novos processos e na criação de novos
produtos e serviços, onde diferentes opiniões são importantes nesse processo de melhoria
contínua a curto e a longo prazo. Por meio dessa abordagem qualitativa e exploratória, buscou-
se identificar a presença do empreendedorismo e da inovação nas práticas desenvolvidas pela
empresa. Percebeu-se através da entrevista que o empreendedorismo e a inovação é de suma
importância para gerir uma vantagem competitiva, uma maior lucratividade, rentabilidade e
resultados eficazes para garantir lucro e a fidelização de seus clientes, que é fator primordial
para o crescimento da organização.

Palavras chave: Empreendedorismo. Inovação. Competitividade. Planejamento estratégico.


ABSTRACT

In view of the increasing levels of competitiveness in the business sector, mainly due to the
technological development of society, there is an increasing need for entrepreneurs to seek
strategic tools that corroborate their company's performance and prominence in relation to
competitors. Therefore, the present study, which deals with a case study, in a distribution
company in the city of Arapiraca-AL, seeking to identify the presence of entrepreneurial and
innovative practices implemented in the organization. Through research carried out with
specialists on the subject, it was possible to demonstrate opinions and knowledge that refuted the
thesis that entrepreneurship and innovation is paramount within organizations and is
characterized as a differential in strategic planning. Because of this, more and more managers
have invested in these practices in their routine activities for the development of new processes
and in the creation of new products and services, where different opinions are important in this
process of continuous improvement in the short and long term. Through this qualitative and
exploratory approach, we sought to identify the presence of entrepreneurship and innovation in
the practices developed by the company. It was realized through the questionnaire that
entrepreneurship and innovation is of paramount importance to manage a competitive
advantage, greater profitability, profitability and effective results to ensure profit and customer
loyalty, which is a key factor for the growth of the organization.

Keywords: Entrepreneurship.Innovation.Competitiveness.Strategic planning.


LISTA DE FIGURAS

Figura 1- Incentivos para Empreender 14


Figura 2 - As três características básicas do empreendedor 16
Figura 3 – Organograma 29
LISTA DE QUADROS

Quadro 1 - Categorias de Análise 25


LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

CCEs Características Comportamentais


UEN Unidade Estratégica de Negócio
OCDE Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Econômico Embrapa Empresa
Brasileira de Pesquisa Agropecuária
ITA Instituto Tecnológico da Aeronáutica CTA Centro Tecnológico da Aeronáutica
Inpe Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
Fiocruz Fundação Oswaldo Cruz
Cenpes Centro de Pesquisas da Petrobras
COPPE Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 11
1.1 OBJETIVO GERAL 12
1.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS 12
1.3 JUSTIFICATIVA 13
2 REFERENCIAL TEÓRICO 14
2.1 EMPREENDEDORISMO 14
2.1.1 Características do Empreendedor 15
2.1.2 Vantagens e Desvantagens de ser empreendedor 16
2.1.3 Empreendedorismo Interno 19
2.2 INOVAÇÃO 20
2.2.1 Tipos e Origem da Inovação 21
2.2.2 Sistemas de Inovação 23
3 METODOLOGIA 25
3.1 LOCAL E PERÍODO DE PESQUISA 25
3.2 MÉTODO DE COLETA DE DADOS 26
3.3 LIMITAÇÃO DE PESQUISA 27
4 ESTUDO DE CASO 28
4.1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA VIEIRA DISTRIBUIDOR 28
4.2 ANÁLISE DE RESULTADOS 29
5 CONCLUSÃO 33
REFERÊNCIAS 35
11

1 INTRODUÇÃO

A competitividade no meio empresarial vinha se acentuando cada vez mais, e com essa
realidade dentro das organizações explicita-se a necessidade, de se ter estratégias
comportamentais, na busca de um fator diferencial satisfatório, que pudesse ser capaz de
alavancar a competitividade empresarial. O tema abordado no presente trabalho busca
demonstrar a importância do empreendedorismo e da inovação no desenvolvimento de
estratégias de uma empresa. Os avanços tecnológicos e o surgimento de novos mercados são
fatores que acentuam a importância da utilização das estratégias nos negócios.
Para Barreto (1998, p.190), “empreendedorismo é habilidade de criar e constituir algo a
partir de muito pouco ou de quase nada”. Ou seja, é o poder da organização de observar, planejar
e construir um negócio a partir de algo que ainda não existe, produzindo assim, um resultado
eficiente para os objetivos esperados.
O empreendedorismo caracteriza-se pela busca de oportunidades de negócios, o que o
torna intimamente ligado à busca por inovações, já que tem como foco o crescimento e
reconhecimento no mercado. Baseando-se em Dornelas (2003), o empreendedorismo consiste
em fazer algo novo, diferente do habitual, buscando de forma incessante novas oportunidades
de negócio, com foco na inovação e na criação de valor.
O empreendedorismo denota a liberdade de produzir novas ideias, produtos, serviços e
assim, traz benefício como um todo para os contribuintes da organização, facilitando seus
trabalhos e adquirindo uma nova forma de crescimento junto à empresa, tornando-se apto para
novos mercados, saindo na frente da concorrência, adquirindo novas habilidades e estando a
par das novas tecnologias.
Apesar do empreendedorismo não se tratar de um tema novo, as inovações e facilidades
tecnológicas têm contribuindo para que ganhe mais espaço e força. Dentro desse contexto, a
inovação apresenta-se como uma grande vantagem, pois, através dela, as empresas mantém-se
competitivas e atuantes no mercado.
A inovação é o meio pelo qual encontra-se o grande desenvolvimento econômico de
muitas empresas, uma vez que exerce um papel crítico no tocante à sua competitividade e à sua
capacidade de adaptação e de sobrevivência nesse meio. (POSSAS, 1991). Ou seja, a inovação
visa ao ganho econômico, objetivando assim, lucros e resultados positivos para as atividades
rotineiras da organização.
12

Freeman apud Castilhos (1997), por exemplo, conceitua inovação como sendo a
primeira introdução comercial de produto ou processo. Com isso, a inovação é a transformação
de um dado processo produtivo de um produto ou processo, buscando aperfeiçoamento de suas
vantagens competitivas dentro de sua organização.
A inovação trata-se, portanto, da estratégia de observar a mudança organizacional, a
diferenciação e garantir uma vantagem competitiva, mudanças, em novos processos, novos
serviços. Adquirindo assim, novos meios comportamentais, para a criação de novos processos,
serviços, produtos, e atividades, em geral, como garantia da realização da busca das
necessidades de seus clientes.
Diante do exposto, o empreendedorismo é compreendido como estratégia de inovação
e crescimento para desenvolver de forma conjunta o instrumento das atividades dentro da
empresa, através de um estudo de caso, cujo negócio é voltada para a distribuição de alimentos,
tanto na fabricação quanto na comercialização, no município de Arapiraca no estado de
Alagoas.
Percebeu-se a necessidade de se considerar a utilização do empreendedorismo e da
inovação nas atividades organizacionais na tentativa de alcançar fatores de sucesso na
organização.
Diante disso, o estudo procura responder como problema da pesquisa: De que forma as
empresas e seus gestores consideram o empreendedorismo e a inovação como uma estratégia
que contribui para as atividades dentro da organização?

1.1 OBJETIVO GERAL

Este estudo tem como objetivo geral identificar a percepção dos gestores em relação
ao empreendedorismo e à inovação como estratégias implantadas na organização.

1.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

• Descrever as estratégias de empreendedorismo e inovação adotadas por uma


organização
• Mapear as mudanças percebidas pela gestão após serem implantadas estratégias dentro
de sua empresa.
13

1.3 JUSTIFICATIVA

Na literatura referente às estratégias de negócios, consolida-se que o


empreendedorismo e a inovação como de extrema importância para a organização, e com
isso propõe-se nesta pesquisa conhecer de que forma a empresa valora esses elementos nas
atividades cotidianas.
Assim, essa pesquisa justifica-se pela necessidade de conhecer e sistematizar como o
empreendedorismo e a inovação podem trazer vantagens para a organização, analisando quais
os impactos e como eles podem atingir a sociedade e os benefícios que podem trazer para os
clientes.
14

2 REFERENCIAL TEÓRICO

2.1 EMPREENDEDORISMO

As constantes mudanças ocorridas no mundo dos negócios o tornam cada vez mais
competitivo. Para alcançar êxito nessa competitividade, as empresas utilizam-se do
empreendedorismo como estratégia para explorar novas oportunidades e atingir os clientes com
criatividade e inovação, rompendo com desafios que as levam para novos caminhos.
Segundo Leite (2000), o empreendedorismo consiste na criação de valor por pessoas e
organizações, das quais trabalham juntas com o intuito de implementar uma ideia através da
criatividade, capacidade de transformar e o desejo de tomar aquilo que comumente se chamaria
de risco.
Diante disso, vê-se que um empreendedor precisa ser detentor de uma visão e percepção
aguçada, para que identifique as oportunidades promissoras. É necessário que tenha foco em
pessoas, não somente na empresa, agindo de forma a buscar o sucesso no âmbito de seu
trabalho.
O empreendedorismo existe desde início das relações comerciais modernas. Apesar de
ser definido por esse termo de maneira recente, o ser humano sempre sentiu a necessidade de
empreender, desde os tempos em que buscava novas estratégias para sobrevivência, na época
primitiva. “Os indivíduos são atraídos para o empreendimento por inúmeros incentivos
prazerosos ou recompensas”. (LONGENECKER; MOORE; PETTY, 2004, p.6).

Figura 1 – Incentivos para empreender

Fonte: Longenecker; Moore; Petty (2004).

A palavra empreendedor tem origem na palavra francesa entreprendeu, usada para


designar o indivíduo que assumia riscos.
15

Empreendedorismo é o processo de criar algo novo com valor, dedicando o tempo e o


esforço necessários, assumindo os riscos financeiros, psíquicos e sociais correspondentes
e recebendo as consequentes recompensas da satisfação e independência econômica e
pessoal. (SEBRAE, 2007, p. 15).

Pode-se, portanto, entender o empreendedorismo como um processo para contemplar a


satisfação das necessidades, explorando as oportunidades emergentes com inovação e
criatividade.

2.1.1 Características do empreendedor

Os empreendedores na maior parte das vezes, possuem características que implicam


quando bem executado o negócio, em êxito e bons resultados. Para tanto, é essencial que, cada
empreendedor tenha aspectos comportamentais de acordo com o seu perfil.
De Acordo com, Hisrich, Peters e Shepherd (2009), o processo empreendedor para ter
êxito em seus resultados, é preciso que o indivíduo esteja a par de características
comportamentais (CCEs) que são: inovação, correr riscos calculados, necessidade de realização
e autoconfiança.
De acordo com as características comportamentais, podemos citar que, os
empreendedores, passam por uma série de categorias para estudar seu estado de
comportamento, como por exemplo: a realização, o planejamento e o poder. Sendo necessárias
fazer uma série de questões a serem levantadas de acordo com os tipos de personalidade de
cada indivíduo.
As CCEs podem ser divididas em:1. Realização: os comportamentos impulsionam os
sujeitos a procurarem atividades desafiantes, fazendo-os alterar as condições ambientais com
base em seus objetivos pessoais; 2. Planejamento: supõe conhecer os processos para conduzir a
organização na direção correta, segundo o indivíduo, incluindo a capacidade de obter
informações e avaliar uma oportunidade num ambiente contrário; 3. Poder: potencial para
elaborar as atividades como planejadas, a cooperação e a ação, em prol do atingimento dos
objetivos traçados (OLIVO,2003)
Diante disso, podemos perceber que um empreendedor precisa está aberto para
mudanças, para assim obter êxito em suas ações e consequentemente, trazendo resultados
positivos para sua empresa, como também em prol do ganho coletivo.
Assim, existem três características básicas para um espírito empreendedor, são elas:
Necessidade de realização, Disposição para assumir riscos e a Autoconfiança.
16

A necessidade de realização, cada empreendedor tem a sua meta de realização


(excelência), ou seja, aquelas pessoas que possuem um alto nível de realização procuram por um
alto padrão de sucesso, conseguindo assim, resultados satisfatórios para seu negócio.
A disposição para assumir riscos, cada empreendedor, assume um risco ao abrir um
negócio, seja financeiro, seja com relação a trocar de produto/serviço, seja com relação
investimento de capital de giro, um bom empreendedor tem que está a par de mudanças como
também, a correr riscos. E por último a autoconfiança, um bom empreendedor enfrenta os
desafios e tem habilidades para reverter e conseguir ter domínios por cima dos problemas, ou
seja, um bom empreendedor, tem habilidades pessoais para enfrentar qualquer obstáculo que
apareça pelo caminho.

Figura 2 - As características básicas do empreendedor

Fonte: Chiavenato (2004).

Pode-se entender que, um bom empreendedor tem como características: Ser inovador,
assumir riscos, ser autoconfiante, visionário, realizador. Para um bom empreendedor conseguir
almejar seu sucesso é necessário que, ele se sobressaia com os desafios no decorrer do tempo,
para assim, com suas habilidades inatas, alcançar seus objetivos estratégicos.

2.1.2 Vantagens e desvantagens de ser empreendedor

Empreender é muito mais que abrir seu próprio negócio, ou só apenas uma profissão.
Empreender é a realização de um sonho, mudança de comportamento, inclusão de novos
hábitos, um novo estilo de vida. Diante disso, pode-se afirmar que, os empreendedores são
aqueles que executam, fazem e realizam, e com isso apresentam algumas atribuições, entre
17

algumas vantagens e desvantagens podemos citar: realização dos sonhos, liderança, criação
do futuro, atualizações constantes, riscos, insegurança, instabilidade e centralização.
Muitas pessoas seguem a carreira no ramo do empreendedorismo, por ser um sonho que
está se tornando realidade e a partir disso, conseguir os objetivos que tanto almejava. Para
Dolabela (2008, p. 16): O empreendedor é alguém que sonha e busca transformar seu sonho em
realidade, logo, empreender corresponde a um o processo de transformar sonhos em realidade
e em riqueza (DOLABELA, 2010). Ou seja, um bom empreendedor é aquele que busca todos
os dias ser melhor naquilo que faz, impondo assim, estratégias para serem realizadas com êxito
as atividades do dia-a-dia.
Um bom empreendedor não espera chegar o fim do expediente, fica olhando as horas
passar para ir logo embora, não pensa em ter férias, pois ele tem a liberdade de como administrar
seus dias. Quando um empreendedor faz o que gosta, seus dias são mais prazerosos e aumenta
sua qualidade de vida.
Um bom empreendedor torna-se também um líder. Um líder de si mesmo e do seu
próprio negócio. De acordo com Kouzes e Posner (1997): “Liderança é a arte de mobilizar os
outros para que estes queiram lutar por aspirações compartilhadas. “ Um bom líder é um
exemplo para os que o rodeiam, aproveita cada oportunidade que lhe é dada para pôr em prática
no seu dia-a-dia.
Segundo a visão de Drucker (1986), ele não vê os empreendedores causando mudanças,
mas os percebe explorando as oportunidades que as mudanças criam (na tecnologia, na
preferência dos consumidores, etc.). Com isso é definido o sentido de ser um empreendedor,
sendo assim, ele alcança a mudança, alcança e assim, explora-a como uma oportunidade.
O Empreendedor tem a visão de criar seu futuro. Pois não se pode pensar somente a
curto prazo, mas também observar como pode alcançar seus objetivos a longo prazo. Como
disse Peter Drucker (1986): “Não podemos prever o futuro, mas podemos criá-lo. “ Sendo
assim, o futuro cabe a nós mesmo decifrá-lo imaginando-o e o explorando no nosso dia-a- dia.
O Empreendedor para ter sucesso em seu negócio tem sempre que está trabalhando para
que seu sonho continue acontecendo. Sendo assim, tem que ser feitos projetos para garantir a
mudança nas atividades realizadas no dia-a-dia, e pondo em prática para que seja explorada
todas as oportunidades que venham a surgir.
Cada indivíduo tem uma imagem com relação ao sucesso. Dolabela (2010) trouxe em
formato de dois times, mas, independentemente de qual time o empreendedor esteja, o que deve
ser ressaltado, é se ele sente-se criando um bom futuro para si e para os que os que o cercam.
Com isso, é importante que o empreendedor esteja certo de quais decisões irá tomar a curto,
18

médio e longo prazo, para assim, obter eficácia em seus resultados, garantindo assim, sua
qualidade de vida.
Mas nem só de vantagens se estabelece o empreendedor, as desvantagens também
existem, podemos citar, as atualizações constantes, os riscos, insegurança e a instabilidade e a
centralização, vamos detalhar um pouco sobre cada uma a seguir:
As novas tecnologias que vem surgindo atualmente é um concorrente no mundo dos
negócios, pois cada empresa precisa está atualizada nas novas tendências, e o empreendedor
tem a escolha de crescer e se desenvolver com essas mudanças ou simplesmente, deixar a
concorrência passar na frente.
Uma das coisas certas para um bom empresário é o crescimento. Kotler (2000, p.63)
com o que entende de lucros e crescimento afirma que:

Uma empresa inteligente cia um alto nível de satisfação dos funcionários, que
leva a um esforço maior, que leva a produtos e atendimento de melhor
qualidade, que criam maior satisfação dos clientes, que leva a negócios mais
regulares, que levam a um alto nível de satisfação dos acionistas, que leva a
mais investimentos e assim por diante. Esse é o círculo virtuoso que significa
lucros e crescimento.

O Empreendedor para se ter sucesso em seus negócios tem que sempre andar atualizado
para tanto precisa está informado, buscar meios, traçar estratégias, criar, inovar, agir. Através
do empreendedor que é feita uma série de decisões, como por exemplo: tomar a frente quando
surgir problemas entre os funcionários, procurar por bons fornecedores, atentar para o público
ao qual se deseja conquistar, para isso, precisa está a par de atualizações.
No Ramo dos Negócios não chegamos de início com segurança e estabilidade. Muitos
empreendedores passam por muitos obstáculos e dificuldades, mas para isso, precisa-se de
eficiência em suas atividades e eficácia em suas ações.
O empresário não pode ter a mesma visão que tinha quando era funcionário de uma
determinada empresa. O empresário precisa está disposto a assumir riscos, a enxergar os
problemas de uma maneira flexível, de ser ágil em suas decisões e ser instável com os
problemas que venham a surgir. Pode-se dizer, que é de extrema importância de o
empreendedor fazer uma trajetória do caminho que necessita seguir, sem medo de arriscar.
Uma das desvantagens citadas é a centralização, o empreendedor é o responsável por
muitas atividades na empresa. Seja para fazer compra de alguma mercadoria que esteja faltando,
tem obrigações a cumprir, responsabilidades e gestão.
19

Com isso, muitas vezes, ele fica sobrecarregado, sentindo o peso da responsabilidade e
não tem tempo de cuidar da própria saúde, por está preso a questões relacionadas ao trabalho.
Ele assume seus compromissos, mas se cobra muito.
Pode-se dizer que, existem muitas desvantagens, mas que as vantagens se sobressaem e
são bem nítidas. Cabe cada empresário enxergar qual é o melhor caminho para se percorrer,
através de planejamento e confiança em suas ações.

2.1.3 Empreendedorismo interno

Muitos autores evidenciam a presença do empreendedorismo interno, a partir dele, é


evidenciado dois tipos em que alguns autores defendem seus argumentos para relatá-lo, entre
eles está Dornelas. De acordo com ele, o empreendedorismo interno pode ser definido como a
ação de empreendedores dentro das organizações, no exercício da criatividade em favor de
inovações futuras tomando sobre si um comprometimento com as ações organizacionais, a
ponto de sentir-se “proprietário” de sua área de trabalho (DORNELAS, 2003).
Ou seja, um empreendedor interno é aquele que busca oportunidades e mudanças dentro
de sua organização e para isso, conta com a ajuda da inovação para tratar de assuntos
organizacionais e assim, conseguir o sucesso pleno em suas atividades.
Deste modo o empreendedor interno possui autonomia para tomar decisões em sua
unidade estratégica de negócio (UEN) de forma que essas decisões possam ser aceitas pela alta
administração (HASHIMOTO, 2006). Sendo assim, ele está ciente das decisões ocorridas
dentro da empresa em si, como também, no aperfeiçoamento dos resultados.
O estudo do empreendedorismo interno, pode ser visto de dois tipos ou formas, de
acordo com o interior das organizações: o intraempreendedorismo e o empreendedorismo
corporativo. Segundo Balbi e Valadares (2008, p.2) “enquanto o intraempreendedorismo tem
como horizonte a inovação nos produtos, processos e procedimentos no interior da organização,
o empreendedor corporativo tem o seu horizonte centrado no mercado, buscando desenvolver
novas estratégias e negócios para a organização.
Sendo assim, podemos observar que, o intraempreendedor busca a inovação tanto para
seu benefício como para em prol da qualificação das atividades de sua empresa, e o

empreendedorismo corporativo busca uma autonomia no mercado, e com isso, se expandir


economicamente na realização de estratégias para a organização se tornar competitiva.
O intraempreendedor vivencia emoções, riscos, relativo grau de dependência na tomada
de decisões e gratificações de uma ideia que se tornou realidade a partir de uma visão voltada a
20

esfera organizacional (FILION,2004). O intraempreendedor é o agente que norteia o


crescimento/expansão da organização no que tange à inovação, fazendo-a ter assim, um
comportamento diferenciado das demais atividades da empresa.
O intraempreendedor é um meio estratégico das organizações ter um passo a frente de
sua concorrência e assim, dispor de novos meios para a inovação de seus produtos, serviços, e
assim, tornando-a um meio competitivo e estratégico no mundo dos negócios.
O empreendedor corporativo encontra-se presente em organizações do tipo holdings,
corporações no âmbito regional, nacional, atuando assim, como gestor fazendo parte do alto
escalão das organizações, sendo assim, trabalham na alta administração como acionistas,
conselhos administrativos, consultores e especialista na área da gestão empresarial,
planejamento estratégico e desenvolvimento de novos negócios que estabelecem a decisão de
obter diferença ou não em seus negócios. (SEIFFERT, 2005; CHIEH e ANDREASSI, 2007;
EMMENDOERFER; VALADARES e BALBI, 2008).
Sendo assim, o empreendedorismo corporativo encontra-se nas altas organizações na
esfera regional, nacional, e conta com a presença de altas contribuições para obter
oportunidades no que tange o ambiente mercadológico para que sejam estabelecidas inovações
nas estratégias dos novos negócios.
Sendo assim, o empreendedorismo interno pode ser visto de acordo com essas duas
vertentes e é de suma importância para a inovação e o desenvolvimento das atividades das
organizações independente do ramo ou setor que ela esteja inserida no mercado. E para tanto, as
organizações precisam está a par de possíveis barreiras que venham a surgir e que possam
impedir o desenvolvimento do comportamento empreendedor, e para isso, para evitar possíveis
barreiras é preciso cultivar as devidas características do espaço organizacional que a empresa
atua.

2.2 INOVAÇÃO

A inovação tornou-se a chave para o sucesso dos negócios. é imprescindível que as


organizações que almejam estar em posições de liderança no mercado estejam atentas e
constantes no conhecimento e uso de estratégias de inovação.
Segundo Porter (1998), uma estratégia voltada para inovação torna possível a percepção
de oportunidades no mercado que antes não eram vistas por nenhuma outra empresa. Ou seja,
a estratégia em inovar é a busca da organização se tornar capaz de ser um diferencial de sucesso
em meio aos seus concorrentes.
21

Na visão estratégica a inovação está ligada à obtenção de vantagens competitivas


sustentáveis, ao posicionamento competitivo, à capacidade de inovação e à aprendizagem
organizacional. Dessa forma, a inovação surge como um elemento fundamental da ação e
diferenciação das empresas (PORTER, 1998; HAMEL, 2007). Diante disso, podemos ver que
a inovação é ligada a vantagem competitiva nas organizações, gerando assim, um
posicionamento diante de seus concorrentes, obtendo um diferencial para atingir um sucesso
empresarial.
A relação entre criatividade e inovação é exposta por Amorim e Frederico (2008, p.77)
da seguinte maneira: “a primeira é a geração de ideias (por meio de conceitos, teorias e
processos que apresentam ao longo da história) e a segunda é a prática, fazer, implementar as
ideias geradas pela criatividade”.
Portanto, a inovação e a criatividade são processos que trabalham interligadas, tendo em
vista que uma é resultado final da outra. A criatividade é a geração de ideias, enquanto a
inovação é fazer o novo, gerando a ideia pensada de forma prática. Como define Lima, “[...]
toda inovação cabal, complexa e rigorosa ancora-se na criatividade” (LIMA et al., 2010, p.117).
Ou seja, inovação surge da criação de novos meios e resultados para satisfazer seus
clientes e funcionários da organização, objetivando novas saídas e produzindo assim, recursos
necessários para sair em frente a concorrência.
Após a realização da pesquisa de campo, espera-se que seja possível visualizar o grau de
importância que a inovação tem para com as empresas, e até que ponto é responsável pela alta
competitividade da organização apresentando ser um diferencial estratégico.

2.2.1 Tipos e origem da inovação

A inovação como um processo consiste na forma de inovar das organizações. Esse


processo de inovação pode ser definido como criação, desenvolvimento, uso e a difusão de um
novo produto ou ideia (UTTERBACK, 1983). Com isso, podemos entender que, a inovação é
a chave para que as organizações possam obter estratégias organizacionais,colocando assim,
seus conhecimentos em prática, formando assim, suas habilidades, para a criação de um
diferencial em prol do sucesso organizacional.
No mundo dos negócios, a inovação vem crescendo substancialmente. Pela criação de
produtos e serviços novos, mudanças nas tecnologias utilizadas, mudanças nos processos
organizacionais, definição de novos preços para os produtos, diversificação de produtos. Como
22

podemos perceber a inovação é a entrada para a empresa conseguir um resultado eficaz em suas
atividades. Para isso, pode-se identificar alguns tipos de inovação que será relatado a seguir.
A inovação pode ser classificada como objeto, grau de novidade e origem da fonte. A
inovação conforme o objeto é caracterizado no Manual de Oslo (OCDE,2004) em quatro tipos:
I) de produtos: bens ou serviços novos ou melhorados; II) de processo: um novo ou melhorado
para melhoramento da produção ou distribuição; III) de marketing: do novo, no conceito de
produto, marca, embalagem, promoção, posição no mercado, definição de preços. IV)
organizacional: métodos de decisão das empresas, na organização do local de trabalho onde o
foco é melhorar a atividade da organização.
Tiddy, Bessanti e Pavitt (2008) definem a inovação como um processo de mudança, de
acordo com a presença dos 4p’s da inovação, no qual se classificam em: inovação de produto,
de processo, de posição e de paradigma (mudanças nas atividades da empresa). A inovação por
paradigma pode ser vista como a visão organizacional vista pelo Manual de Oslo.
De acordo com o grau de inovação por grau de novidade consiste em: i) incremental: a
melhora dos produtos e serviços existentes (DAVILLA; EPSTEIN e SHELTON, 2008;
TIDDY; BESSANT e PAVITT, 2008); ii) semi-radical: a mudança com as tecnologias
utilizadas pela empresa, que não seriam utilizadas pelo modelo incremental. (DAVILLA;
EPSTEIN e SHELTON, 2008; TIDDY; BESSANT e PAVITT, 2008); iii) radical: oferta de
produtos e processos novos para a empresa, para trazer resultados positivos e substanciais para
o setor industrial ao qual faz parte. (DAVILLA; EPSTEIN e SHELTON, 2008; TIDDY ;
BESSANT e PAVITT, 2008).
Um modelo de negócio relata a maneira como a empresa cria valor para seus clientes,
propondo assim, produtos e serviços de qualidade diferenciados, ambiente agradável para toda
a família, preço acessível para todo tipo de cliente de determinada classe social, promoção para
a fidelização de clientes. E acima de tudo, o acompanhamento nas mudanças tecnológicas, pois,
tendo domínio das novas tecnologias é um passo para alcançar os benefícios esperados e sair
na frente da concorrência.
O conceito de inovação tem sua origem na teoria do desenvolvimento econômico de
Schumpeter (1984), no qual o autor analisou que o desenvolvimento estaria ligado a um
processo de sucessão de opções mais viáveis que substituiriam outros precedentes, por meio da
necessidade de difusão de fatores inerentes ao mercado e a sociedade, conhecida como
destruição criadora. De acordo com a criação de novos produtos, novos processos, abertura de
novos mercados, fontes de matéria-prima e novas formas de organização, formando assim,
resultados satisfatórios para a empresa.
23

2.2.2 Sistemas de inovação

Sistemas de Inovação, de acordo com Edquist (2005, p. 182), podem ser definidos como
“todos os importantes fatores econômicos, sociais, políticos, organizacionais e institucionais,
entre outros, que influenciam o desenvolvimento difusão e uso de inovações”. De acordo com
a sua abordagem, os principais componentes de um sistema de inovação são as organizações e
as instituições.
Com isso, podemos destacar que: a inovação está presente em diversos fatores dentro de
uma organização, seja eles: econômicos, políticos, dentre outros, que afetam a atividade do dia-
a-dia da empresa e assim, buscando aperfeiçoamento para novos resultados que a empresa
venha a adquirir no ramo da inovação.
Segundo Suzigan e Albuquerque (2011, p. 17), uma das características dos sistemas de
inovação nessa posição intermediária é a existência de instituições de pesquisa e ensino
construídas, as que ainda não conseguem mobilizar constringentes de pesquisadores,
cientistas e engenheiros em proporções semelhantes às dos países mais desenvolvidos.
No que tange ao caráter científico e tecnológico, existem poucos exemplos bem-
sucedidos de casos da infraestrutura de pesquisa com o setor produtivo no Brasil, alguns
exemplos são:

• A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa);


• O complexo de pesquisas ligado ao setor aeronáutico: o Instituto Tecnológico da
Aeronáutica (ITA), o Centro Tecnológico da Aeronáutica (CTA) e o Instituto
Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe);
• A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz); e
• o complexo de pesquisa associado ao setor de petróleo no Rio de Janeiro, do qual
fazem parte o Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes) e o Instituto Alberto Luiz
Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (COPPE).

Estas pesquisas foram utilizadas para resolverem certos tipos de problemas que
poderiam acarretar e aparecer nas atividades das empresas. E com isso, através da inovação
desses programas, é possível observar a mudança gerada através desses resultados contribuindo
assim, para eficiência e eficácia da organização.
A concepção mais adequada de um sistema de inovação depende em grande parte das
questões a serem respondidas e dos instrumentos de intervenção política disponíveis (ASHEIM;
24

SMITH e OUGHTON, 2011). Neste aspeto, é crucial compreender que um sistema não deve
ser visto como uma ilha isolada de outros subsistemas relacionados pelo que as conexões
externas dos sistemas e as diferentes sobreposições são elementos relevantes da análise
(UYARRA, 2009).
De acordo com os assuntos abordados sobre sistemas de inovação, podemos destacar
que, os sistemas de inovação partem de fatores que podem vir a interferir nas atividades das
empresas e assim, obter pesquisas de desenvolvimento para criação de novos métodos e novas
habilidades para a intervenção de possíveis interferências oriundas de práticas inovadoras
malsucedidas, e alcançando a plena realização no meio organizacional.
Diante disso, podemos observar que, o empreendedorismo e a inovação são estratégias
primordiais para a realização e desenvolvimento dos objetivos das organizações e assim,
alcançar suas metas e alavancar bons resultados em prol do benefício coletivo e satisfação de
seus clientes e desenvolvimento organizacional e tecnológico, no que tange a inovação de
produtos e serviços eficientes e eficazes para crescimento pessoal e profissional dos líderes que
estão à frente das rotinas administrativas de sua renomada empresa.
25

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

A metodologia é o caminho que a pesquisa que foi desenvolvida seguiu para assim ser
desenvolvido o estudo a ser elaborado. Sendo assim, metodologia é o conjunto de meios e
soluções para serem alcançadas os objetivos e as respectivas respostas das questões levantadas
ao longo da pesquisa.
O estudo de caso, que se trata da análise do mesmo setor em uma única empresa
distinta. Com relação ao estudo de caso, trata-se de um estudo singular, particular. As autoras
ainda descrevem que o mesmo deve ter seus contornos delimitados conceitualmente
desenvolvidos no decorrer da pesquisa. Sendo assim, o estudo de caso deve ter as
características bem definidas e desenvolvidas superficialmente. (LUDKE e ANDRÉ,1986,
p.17). Entendendo que o fenômeno em estudo envolvia uma complexa articulação de
conceitos, pareceu adequado que as categorias de análise fossem definidas a priori (MARIZ et
al., 2005), premissa básica, propósito, princípios, mecanismos de gerenciamento, tomada de
decisão, estrutura organizacional, e divisão do trabalho dos modelos burocrático e gerencial;
contexto externo (elementos legais, sociais, econômicos). Importa esclarecer que tais
categorias foram definidas com base no referencial teórico adotado para a presente
investigação.

Quadro 01 – Categorias de análise


Categoria Definição operacional
Identificação da missão, visão, valores, metas,
Princípios básicos
estratégias e objetivos da organização, público
Estrutura organizacional Caracterização da estrutura formal
Identificação dos processos,
Tomada de decisão participantes,parâmetros, de tomada de decisão na
organização
Refere-se a processos organizacionais referente a
Processo de inovação e empreendedorismo sistemas de inovação, práticas que estimulem
acriatividade e empreendedorismo.
Fonte: A autora (2019).

3.1 LOCAL E PERÍODO DE PESQUISA

O Estudo de caso foi realizado na cidade de Arapiraca-Al, em uma única empresa uma
vez que, diante do cenário da pandemia novas empresas se viam dificuldade de pesquisar e a
partir dela, pode ser avaliado as características.
26

3.2 MÉTODO DE COLETA DE DADOS

Com relação a elaboração da pesquisa, foi utilizada a entrevista como método de avaliar
a coleta de dados para assim observar como a organização implementa a importância do
empreendedorismo e da inovação no dia-a-dia de suas atividades, como também, para alcançar
os resultados esperados.
Ribeiro (2008 p.141) trata a entrevista como:

A técnica mais pertinente quando o pesquisador quer obter informações a


respeito do seu objeto, que permitam conhecer sobre atitudes, sentimentos e
valores subjacentes ao comportamento, o que significa que se pode ir além das
descrições das ações, incorporando novas fontes para a interpretação dos
resultados pelos próprios entrevistadores.

Sendo assim, a entrevista é um dos métodos eficientes para ser feita a realização da coleta
dos dados da pesquisa levantada pelo entrevistador, e objetivando assim, um diálogo entre o
emissor e o receptor. A entrevista será realizada com o diretor da empresa analisada no estudo
de caso. A coleta de dados foi feita com a observação das respostas colhidas no questionário
como também de acordo com a observação direta.
Além de ser feitas anotações, a entrevista será gravada para poder ter as falas revisitadas
e transcritas.
E de acordo com as respostas esperadas do entrevistado, será feita uma relação com a
literatura abordada na pesquisa para assim, atender ao objetivo da pesquisa, como citado no
início do estudo.
O Estudo de caso será realizada em uma única empresa pelo método da entrevista com
a utilização de um questionário. A entrevista será realizada com o diretor da empresa.
A coleta de dados foi feita com a observação das respostas colhidas no questionário
como também de acordo com a observação direta.
Além de ser feitas anotações no decorrer da entrevista, também será utilizado o método
da gravação, onde será utilizado o gravador de voz do celular, que só será utilizado se o
entrevistado autorizar.
E de acordo com as respostas esperadas do entrevistado, será feita uma relação com a
literatura abordada na pesquisa para assim, atender ao objetivo da pesquisa, como citado no
início do estudo.
27

3.3 LIMITAÇÃO DA PESQUISA

Este estudo foi realizado em uma única empresa, onde a partir dela, pode ser avaliado as
possíveis características da organização e assim observar, como o diretor está disposto a
detalhar as informações precisas para serem relacionadas com o tema em questão e assim,
observar a colaboração.
Será avaliado também como os elementos de empreendedorismo e inovação afeta no
desenvolvimento e colaboração do crescimento da empresa e como os responsáveis pela frente
da empresa obedecem ao rigor no que tange a esses elementos nas atividades do dia- a-dia da
empresa.
28

4 ESTUDO DE CASO

4.1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA VIEIRA DISTRIBUIDOR

A Grupo Vieira foi fundada no ano de 1984, e conta com 560 colaboradores. Atuando no
segmento Atacado/Distribuidor nos estados de Alagoas e Sergipe. Atendendo com uma
eficiência, Vieira Distribuidor a cada dia procura melhores práticas para que possamos atender
com qualidade, onde podemos destacar a nossa prestação de serviço em nossos mais de 4.000
pontos de vendas nos Estados de Alagoas e Sergipe.
A Grupo Vieira consiste em um grupo empresarial, dentro desse grupo encontra-se a
JOmart, grupo de atacarejo, unidades em AL e SE. A Distribuição Mervil, de alimentos e
bebidas e produtos de limpeza, matriz em AL e filial em SE. Indústria (Água Industrial Vieira),
possui alimentos e produtos de animais, como: arroz, feijão, rações, etc.
A grupo vieira possui 3 áreas, são elas: Diretoria, Presidência e Diretoria Administrativa
Financeira e Diretoria Empresarial. A Administrativa contém 15 colaboradores e as atividades
realizadas são: almoxarifado, uso e consumo (imobilizado, gestor responsável para essa área),
suprimentos, cadastros internos. Além da portaria e limpeza.
Para esta pesquisa, realizou-se a entrevista em profundidade com Dhyego Oliveira de 30
anos, formado em contabilidade pela UNEAL, possui MBA em Gerenciamento de projetos pela
Uninassau em Maceió, Finanças Corporativas Auditoria e Controladoria pela Unit em Maceió
e Gestão Empresarial pela FGV. Dyhego é o atual Diretor Administrativo/Financeiro da
empresa. Em setembro de 2019 Dhyego foi nomeado diretor administrativo, mas só seria
oficialmente em janeiro de 2020.
Tem como visão:

Perpetuar-se no mercado regional, e nos próximos dois anos


ser a referência da melhor experiência de compra e serviço.

Como missão:

Oferecer aos nossos clientes um atendimento diferenciado,


com mix de produtos adequados e entrega eficiente.
29

Como valores:

Humildade, Honestidade, Foco em resultado,


Comprometimento, Meritocracia.

O Vieira Distribuidor tem total interesse em conhecer todos questionamentos e possíveis


violações relacionadas a seu CÓDIGO DE CONDUTA, para que possa orientar e corrigir
desvios. Essa é a razão pela qual os colaboradores, clientes, fornecedores e parceiros devem
tratar suas preocupações, resolvendo dúvidas e informando à empresa sobre atos praticados em
desacordo com seu CÓDIGO DE CONDUTA.
Segue abaixo o organograma da empresa:

Figura 3 - Organograma - Cenário IV

Fonte: Vieira Distribuidor1 (2020). Adaptado (2020).

4.2 ANÁLISE DE RESULTADOS

A entrevista foi realizada com o Diretor Administrativo/ Financeiro cujo nome é


Dhyego Oliveira, por eu ter acesso com um membro da empresa e terem me indicado ele,

1
Disponibilizado pela empresa Vieira Distribuidor.
30

porque dentro ele é responsável por todos os processos, na qual foi descrito todos processos da
empresa seja em relação a hierarquia até a finalização do desenvolvimento de seus produtos e
serviços.
Buscando evidenciar a presença do empreendedorismo e da inovação na empresa,
notou-se que, se utilizam práticas empreendedoras e de inovação nas atividades de
desenvolvimento da empresa.
De acordo com o que foi descrito sobre empreendedorismo, Dyhego nos afirma que para
ele:
O Empreendedorismo é colocar na prática as melhores aplicações, unir em
subjetivo em algo prático, as melhores aplicações, unir em subjetivo em algo
prático. Com isso, explicou de fato o que seria realmente, que trata de criação
de valor entre pessoas e organizações das quais se complementam para
implementar uma ideia através da criatividade.

Por conseguinte, com as características do empreendedor, o entrevistado se considera


uma mistura de um empreendedor por necessidade e por oportunidade. O que foi evidenciado no
decorrer do caso, que as três características seriam: Necessidade de realização, disposição para
assumir riscos e autoconfiança, dessa maneira, ele se identificou com o perfil empreendedor
descrito acima.
Considerando, às práticas empreendedoras, possuem tecnologias de aplicativos de
pontos, férias análise de desempenho. Depois de cinco anos se encerrará o primeiro ciclo de
planejamento estratégico. O que de certa forma, se enquadram nos sistemas de inovação, no
que se refere a, todos os fatores incluídos na organização e na criação de instituições de pesquisa
e ensino construídas, que influenciam o desenvolvimento, difusão e uso de inovações.
Com relação aos benefícios das práticas empreendedoras ele destacou que: houve um
aumento do resultado na parte financeira da empresa, vantagem competitiva, ou seja, um
poderio competitivo para sair na frente em tecnologia e por fim o engajamento da gestão interna
de acordo com o clima organizacional. Que se destacam como: a liderança, criação de futuro e
realização de sonhos, como vantagens de se utilizar o empreendedorismo na empresa.
No que se refere a inovação, para Dyhego inovação seria, ser inovador não precisa criar
algo inédito, mas só precisa desenvolver algo inédito para o ambiente ao qual está inserido.
Por conseguinte, evidencia dois processos que estão interligados, a criatividade e a
inovação onde um á a geração de ideias e o outro o resultado final. Com isso, soube aplicar o
conceito de unir a criatividade e a inovação em um só momento.
31

Com isso, a diferença entre empreendedorismo e inovação, foi evidenciado que um seria
colocar em prática o que se aprendeu na teoria de uma forma subjetiva, beneficiando pessoas e
organização. E por outro a união entre criatividade e inovação para criação de um

produto já existente, mas sendo aperfeiçoado. Responde ao processo, pois ambos são objetivos
estratégicos da organização está a par de suas estratégias e assim, organizar suas metas a curto
e longo prazo, beneficiando todos os seus membros.
Com isso, com novos projetos, foi relatado um dos projetos que desenvolveram na
empresa durante esses anos. Houve a presença de metodologias conceituais novas, com a
implementação da controladoria governante (staff), um escopo de atuação da controladoria,
escritório de gerenciamento de projetos e processos de negócios. Metodologias de reuniões
estratégicas, táticas e operacionais, partindo da pirâmide da gestão. Ou seja, a empresa
apresenta o intraempreendedorismo que tem como horizonte a inovação nos produtos,
processos, e procedimentos no interior da organização.
A partir disso, foi visto que a organização possui uma inovação do tipo de marketing e
organizacional. Surge a ideia de um produto, vê sua posição no mercado, desenvolve sua marca
e a partir disso, vê métodos de serem plantadas para com outras empresas para ser posta no
mercado de trabalho, como por exemplo: presença de ferramentas tecnológicas como: softwares
de serviços internos, gestão de processos e resultados, gestão de indicadores, acompanhamento
de entrega (efetivo e rentável), e o e-commerce na Jomart, uma inovação que era pra ter
acontecido em agosto mas devido a pandemia tiveram que adaptar-se e anteciparam para abril.
Dentro dos benefícios da inovação, foi possível evidenciar que, o colaborador solicita as
férias pelo aplicativo, o gestor recebe e vê se autoriza ou não. Através do aplicativo meu RH o
funcionário tem uma relação mais afetiva com seu supervisor, gerente, diretor, numa forma, de
atuarem juntos na diferença e desenvolvimento das atividades da empresa, impactando no
crescimento do faturamento e rentabilidade, além de um maior alinhamento quanto ao
planejamento estratégico com o uso do Balanced Scorecard. Com isso, há a presença dos
processos internos, cliente, mercado, aprendizado e crescimento.
Na parceria com seus parceiros de negócios junto com a inovação foi relatado que existe
um comprometimento por parte dos dois lados, a distribuição da jomart há uma interação (rodar
programas inovadores), há parceria com seus distribuidores (indústrias) a Unilever (parceira).
Diversos programas como: a financeira escantex (programa de fidelidade, promoção, cliente e
supermercado), presença de Startups (implementação de melhorias para o consumidor.
32

Podemos verificar uma forma conjunta e mútua para com os processos de distribuição de seus
produtos.
No que evidenciamos sobre a criação de novos produtos e serviços foi verificado que, a
organização para poderem criar novos produtos e serviços tem que passar primeiro
pelaestratégia de grupo. Há na empresa 6 momentos de planejamento estratégico, entre eles: o
alinhamento macro com o conselho (reuniões, diagnósticos externos e internos), elaboração das
peças orçamentárias. Existem 4 peças orçamentárias orçamento comercial, despesas,
investimento e de resultado. Levantamento de ações estratégicas (iniciativas e projetos-
quebradas).
Evidenciamos que, foi destacado o uso da estratégia da inovação de produto, quando um
novo produto é criado ou melhorado para atender aos requisitos impostos pela sociedade ao qual
está inserida.
Os impactos da inovação dentro da empresa se tornam presentes nos quesitos ligados a:
melhoria da lucratividade, mensuração dos resultados, análise mensal, com uma visão de futuro
de aumentar faturamento, aumentar rentabilidade.
Considera-se que, a empresa possui competências que auxiliam na execução das
estratégias, nos quesitos sobre empreendedorismo e inovação, mostrando saber do tema, como
também adota medidas para melhoramento de seus resultados e desenvolvimento de processos,
possui ações voltadas para seus clientes, parceiros, colaboradores, para obter um
relacionamento afetivo com os mesmos. Para finalizar, para um bom resultado no que se refere
ao empreendedorismo e a inovação todos os membros da organização precisam está em
completo conjunto com as estratégias impostas pela empresa.
A empresa sempre busca a melhoria em seus resultados, tanto é que, neste ano de
mudanças, pandemia, adaptação, a empresa conseguiu aumentar seus resultados e adaptar seus
novos projetos, mantendo a postura de comprometimento e determinação que todos os membros
da empresa possuem. Como também se identificou a implementação de um planejamento
estratégico, estratégia de gestão, qualidade de vida, plano de carreira e de processos. É preciso
dar continuidade nas práticas de empreendedorismo e de inovação nas atividades rotineiras,
para se tornar uma organização com uma grande vantagem competitiva e estratégias eficazes
para seus resultados aumentarem cada vez mais.
33

5 CONCLUSÃO

O objetivo deste trabalho foi identificar a percepção do empresário sobre o papel do


empreendedorismo e da inovação para obtenção do resultado na organização, como também,
mapear as ações do empreendedorismo e da inovação implementado na empresa. Verificou-se
que a percepção do gestor, a empresa aliou todas as estratégias com as práticas de
empreendedorismo e inovação. Como também aplicou novas atividades na empresa nesse ano
de adaptação por causa da pandemia, que mesmo assim, obteve números maiores em
comparação com o ano de 2019.
No decorrer da entrevista, foi verificado que o gestor da mesma possui competência na
execução de suas estratégias, como também na implementação das atividades relacionadas ao
empreendedorismo e a inovação, atividades essas que são implementadas no desenvolvimento
da empresa.
Notou-se a importância que há entre oferecerem um produto de qualidade para seus
clientes, com as três empresas que a possuem, tendo um bom relacionamento com seus
funcionários, com os gestores dos outros departamentos da empresa, com seus concorrentes e
com seus parceiros na criação de um novo produto/serviço.
Foi possível notar que, a empresa busca sempre inovar em algo que já existe, para
facilitar a vida de seus funcionários como os membros da empresa. Como um aplicativo que o
funcionário pede suas férias, seu supervisor recebe esse aviso e a partir disso verifica se aprova
ou não, dessa forma, facilita a execução de certos trabalhos na parte do Departamento Pessoal.
Percebeu-se que a empresa trabalha em conjunto sempre no intuito de trazer agilidade,
qualidade, segurança em seus serviços e produtos para satisfazer aos seus clientes e
conseguindo sua fidelização para com sua organização.
O gestor procura alinhar todos os seus objetivos para assim, garantir uma dependência
financeira nos seus processos e serviços como também na sua tomada de decisão no que se
refere, às suas metas e objetivos a curto e longo prazo.
O intuito deste trabalho foi identificar a percepção do gestor em relação ao
empreendedorismo e à inovação e como são implantados na organização, obtendo assim, no
decorrer do estudo, uma descrição da hierarquia da empresa, como funciona cada setor da
empresa, quais são as outras empresas que fazem parte desta organização, quais foram as
práticas empreendedoras e inovadoras adaptadas pela empresa nesses anos e como se adaptaram
nesse ano de mudanças econômicas e financeiras para o desenvolvimento de suas atividades.
34

Sendo assim, o gestor soube como relatar sobre seus processos empreendedores e inovadores
dentro do dia-a-dia da empresa em suas inúmeras atividades rotineiras.
Retomando aos tipos de inovação retomados acima, a empresa possui a inovação por
possui uma inovação do tipo de marketing e organizacional. Surge a ideia de um produto, vê
sua posição no mercado, desenvolve sua marca e a partir disso, vê métodos de serem plantadas
para com outras empresas para ser posta no mercado de trabalho.
A partir da fala do gestor sobre novos métodos tecnológicos e na criação de novos
produtos já existentes, podemos vê a presença do intraempreendedorismo, no que tange c]aos
processos do gestor em correr riscos, agir com grau de dependência para seus resultados futuros.
Por conseguinte, a empresa utiliza as práticas de empreendedorismo e inovação em suas
atividades e em seu dia-a-dia, oferece produtos de qualidade e inovadores para atender aos mais
variados clientes, tem um bom relacionamento com seus parceiros, há uma troca de conversas
no decorrer do processo de novos produtos e serviços. Cliente satisfeito, funcionários
motivados, um bom relacionamento com seus parceiros, inovação em seus produtos e serviços,
uma boa qualidade de vida, traz como resultado para a empresa uma boa produtividade, um
ótimo feedback, clientes fidelizados, e um diferencial na vantagem competitiva.
Nos caminhos futuros, ampliar para mais empresas da região para poder fazer de fato
um estudo comparativo já que, no meio da pandemia não foi possível e que enriqueceria muito,
para vê como as outras empresas similares a essa estão se comportando no mercado.
35

REFERÊNCIAS

AMORIM, Maria C. Sanches; FREDERICO, Ronaldo. Criatividade, inovação e controle nas


organizações. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, v.42, n.1 e 2, p. 75-89, abr./ out.
2008.

BALBI, R. V.; VALADARES, J. L. Estratégia e planejamento: bases da cultura


empreendedora? um trabalho teórico. In: SIMPÓSIO DE GESTÃO DA INOVAÇÃO
TECNOLÓGICA, 25., 2008, Brasília, DF. Anais [...]. Brasília, DF: ANPAD, 2008. p.1-13.

BARRETO, L. P. Educação para o empreendedorismo. Revista Educação Brasileira, v.20 n.


41, p. 189-197, 1998.

CASTILHOS, Clarisse C. Inovação. In: CATTANI, Antonio D. (org.). Trabalho e


tecnologia: dicionário crítico. Petrópolis: Vozes, 1997. p. 132-135.

CHIAVENATO, I. Empreendedorismo: dando asas ao espírito empreendedor. São Paulo:


Manole, 2004.

CHIEH, N.; ANDREASSI, T. Intraempreendedorismo: um estudo de caso sobre o


entendimento e a aplicação do termo em uma instituição bancária. Revista Eletrônica de
Ciência Administrativa, v.7. n.2, p. 1-12, nov. 2008.

DAVILA, T.; EPSTEIN, M. J.; SHELTON, R. As regras da inovação. São Paulo: Bookman,
2008

DOLABELA, F. Oficina do empreendedor. São Paulo: Cultura Editores Associados, 2008.

DOLABELA, A corda e o sonho. Revista HSM Management, n. 80, p. 128-132, 2010.

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo corporativo: como ser empreendedor, inovar e se


diferenciar em organizações estabelecidas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

DRUCKER, P. F. Inovação e espírito empreendedor. São Paulo: Pioneira, 1986.

EMMENDOERFER, M. L.; VALADARES, J. L.; BALBI, R. V. Esforços para a


construção do conhecimento sobre “empreendedorismo interno”: reflexões e perspectivas a
partir de eventos da ANPAD (1997-2007). In: SIMPÓSIO DE GESTÃO DA INOVAÇÃO
TECNOLÓGICA, 25., 2008, Brasília, DF. Anais[...].Brasília, DF: ANPAD, 2008. 1 CD.

FILION, L. J. Entendendo os intra-empreendedores como visionistas. Revista de Negócio,


FURB, v.9, n.2, abr./jun. 2004. Edição especial empreendedorismo.

HAMEL, G. The future of management. Boston: Harvard Business School Publishing,


2007.

HASHIMOTO, M. Espírito empreendedor nas organizações. São Paulo: Saraiva, 2006.

HISRICH, R. D.; PETERS, M. P.; SHEPHERD D. A. Empreendedorismo. 7. ed. Porto


Alegre: Bookman, 2009.
36

KOTLER, Philip. Administração de marketing. 10. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2000.

KOUZES, James M.; POSNER, Barry Z. Leadership practices inventory: individual


contributor (LPI–IC): workbook. San Francisco: Jossey-Bass Pfeiffer Publishers, 1997.

LEITE, E. O fenômeno do empreendedorismo. Recife: Bagaço, 2000.

LIMA, L. et al. Inovação, complexidade e aprendizagem: um ensaio sobre religar saberes.


Revista ADM.MADE, ano 10, v.14, n.3, p. 110-120, mio/set. 2010.

LONGENENECKER, J. G.; MOORE, C. W.; PETTY, J.W. Administração de pequenas


empresas: ênfase na gerência empresarial. São Paulo: Pearson, 2004.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas.


São Paulo: EPU, 1986.

MARIZ, L. A.; GOULART, S.; RÉGIS, H. P. O reinado dos estudos de caso na teoria das
organizações: imprecisões e alternativas. Cadernos EBAPE.BR, v. 3, n. 3, p. 1-14, 2005.

OCDE. Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre
inovação tecnológica. Brasília, DF: OCDE; FINEP, 2004.

OLIVO, S. Como entender o mundo dos negócios: o empreendedor, a empresa, o mercado.


2. ed. Brasília: Sebrae, 2003.

PORTER, Michael (ed.). A busca da vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

POSSAS, M. Concorrência, inovação e complexos industriais: algumas questões conceituais.


Cadernos de Ciência e Tecnologia, Brasília, DF, v. 8, n.1/3, p.78-97, 1991.

RIBEIRO, Elisa Antônia. A perspectiva da entrevista na investigação qualitativa. Evidência:


olhares e pesquisa em saberes educacionais, Araxá, MG, n. 04, p.129-148, maio 2008.

SCHUMPETER, J. A. O processo de destruição criadora. In: SCHUMPETER, J. A.


Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1984. cap. 7. p.
108-136.

SEBRAE. Disciplina de empreendedorismo: manual do aluno. São Paulo: SEBRAE, 2007.


67 p.

SEIFFERT, P. Q. Empreendendo novos negócios em corporações: estratégias, processo e


melhores práticas. São Paulo: Atlas, 2005.

SUZIGAN, W.; ALBUQUERQUE, E. M. e. A interação universidades e empresas em


perspectiva histórica no Brasil. Belo Horizonte: UFMG, 2008. (Textos para Discussão,
329).

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da inovação. São Paulo: Bookman, 2008.
37

UTTERBACK, J. The dinamics of product and process innovation in industry. In: HILL, C.
T.; UTTERBACK, J. M. Technological innovation for a dynamic economy. New York:
Pergamon Press,1983. p.40-65.

UYARRA, Elvira. What is evolutionary about regional systems of innovation? Implications


for regional policy. Journal of Evolucionary Economics, v. 20, n.1, 115-137, 2009. DOI
10.1007 / s00191-009-0135-y.

Você também pode gostar