Você está na página 1de 10

F R O N T E I R A S N A I N V E S T I G A Ç Ã O D A ESQUIZOFRENIA

MARCELO BLAYA *

As reações psicopatológicas incluídas sob o rótulo de esquizofrenia


compreendem quadros clínicos bastante diferentes entre si. Apesar disso e
da discordância de opiniões, a maioria dos autores aceita o conceito formu-
6
lado por Bleuler , em 1911: "Pelo nome "demência precoce" ou "esquizo-
frenia" designamos um grupo de psicoses cujo curso é, às vezes, crônico e,
outras vezes, marcado por ataques intermitentes, podendo estacionar ou
regredir em qualquer fase, sem completa restitutio aã integrum". Bleuler
classificou os sintomas esquizofrênicos em fundamentais e acessórios: fun-
damentais são as perturbações de associação de idéias e de afetividade, a
ambivalência, o autismo, as alterações da atenção e da vontade; acessórios
são as alucinações, as idéias delirantes e uma variedade de sintomas somá-
ticos e psicológicos.
É óbvia a importância médico-social da esquizofrenia. Trata-se de en-
fermidade que geralmente atinge pessoas jovens; tem evolução lenta e é de
difícil tratamento, o que explica a elevada percentagem de pacientes esqui-
zofrênicos na população dos hospitais psiquiátricos.
As investigações relativas à esquizofrenia tem seguido caminhos diver-
sos, dividindo-se, de modo geral, os pesquisadores em organicistas e de orien-
tação psicológica. Uma revisão excelente das pesquisas efetuadas em torno
39
dos aspectos somáticos da esquizofrenia foi publicada por Richter . Bel-
3 4
lak . revisou a bibliografia da esquizofrenia até 1957. É grande o número
de trabalhos publicados por investigadores com orientação psicológica: cita-
10
remos, como contribuições que nos parecem mais relevantes, as de Federn ,
1 2 2 2 2 3 4 1 4 4 4 0
Fromm-Reichmann , Knight - , Sechehaye , Wexler e Rosen .
Apesar de certo antagonismo entre as correntes somatogênicas e psico-
gênicas, parece haver acordo quanto à influência mútua de fatores bioló-
gicos e psicológicos, aceitando-se que as alterações psicológicas tenham uma
correspondência no substrato anátomo-fisiológico, especialmente no sistema
nervoso central.

P a r t e dêste trabalho foi apresentado à Sociedade de Neurologia, Psiquiatria e


N e u r o c i r u r g i a d o R i o G r a n d e d o Sul.
* E x - i n t e r n o d o M i c h a e l R e e s e H o s p i t a l ( C h i c a g o , I l l i n o i s ) ; e x - f e l l o w da M e n ¬
n i n g e r School o f P s y c h i a t r y ( T o p e k a , K a n s a s ) ; e x - r e s i d e n t e e m P s i q u i a t r i a do To¬
p e k a S t a t e H o s p i t a l e d o L a r n e d S t a t e H o s p i t a l ; D i r e t o r da C l í n i c a P i n e l ( P ô r t o
A l e g r e , R i o Grande do S u l ) .
Nesta apresentação pretendemos revisar a contribuição de três grupos
de investigadores que julgamos representarem tendências características da
investigação neste setor e cujos trabalhos encerram grandes esperanças para
a solução futura deste problema. Um dos grupos o aborda do ponto de
vista biológico, e os outros dois trabalham em problemas psico-sociais rela-
cionados com a esquizofrenia, particularmente problemas familiares.

INVESTIGAÇÕES NA TULANE UNIVERSITY (NEW ORLEANS)

Os e f e i t o s da m e s e a l i n a sobre seres h u m a n o s f o r a m estudados por B e r i n g e r •" que,


e m 1927, p u b l i c o u e x t e n s a m o n o g r a f i a sobre o assunto; esse estudo, entretanto,
passou d e s p e r c e b i d o . O m e s m o o c o r r e u c o m a p u b l i c a ç ã o de H o f m a n , e m 1943,
4 2
sobre os e f e i t o s da i n g e s t ã o a c i d e n t a l de pequena q u a n t i d a d e de L S D - 2 5 . Stoll
publicou, e m 1947, os r e s u l t a d o s o b t i d o s c o m o L S D - 2 5 e m v o l u n t á r i o s " n o r m a i s " e
e m psicóticos. O interesse nessas p u b l i c a ç õ e s isoladas a u m e n t o u c o n s i d e r a v e l m e n t e ,
3 S
a p a r t i r d o t r a b a l h o de O s m o n d e S m y t h i e s . c h a m a n d o a a t e n ç ã o para a s e m e -
l h a n ç a de e s t r u t u r a q u í m i c a e n t r e a m e s e a l i n a , a a d r e n a l i n a e a n o r a d r e n a l i n a ;
estes a u t o r e s s u g e r i r a m q u e uma substância i n t e r m e d i á r i a e n t r e a m e s e a l i n a e a
a d r e n a l i n a — substância M — r e s u l t a n t e da m e t a b o l i z a ç ã o d e f e i t u o s a da a d r e n a l i n a ,
p o d e r i a ser r e s p o n s á v e l por c e r t o s aspectos a p a r e n t e m e n t e t ó x i c o s , das r e a ç õ e s es-
q u i z o f r ê n i c a s . P o d e r - s e - i a a t r i b u i r a f a l h a da m e t a b o l i z a ç ã o da a d r e n a l i n a a u m a
d e f i c i ê n c i a no sistema e n z i m á t i c o , l i g a d a a u m f a t o r g e n é t i c o , c o m o foi p o s t u l a d o
12 w
por K a l l m a n . U l t e r i o r m e n t e H o f f e r e n c o n t r o u q u a n t i d a d e s e l e v a d a s de a d r e n o -
c r o m o no soro de p a c i e n t e s e s q u i z o f r ê n i c o s e d e p a c i e n t e s " n o r m a i s " q u e h a v i a m
r e c e b i d o L S D - 2 5 e s u g e r i u q u e essa substância fosse a M de O s m o n d . H o f f e r inje-
tou a d r e n o c r o m o e m v o l u n t á r i o s , d e t e r m i n a n d o q u a d r o s i n t o m a t o l ó g i c o que l e m -
b r a v a o de p a c i e n t e s e s q u i z o f r ê n i c o s a g u d o s ; d e c l a r a r a m esses v o l u n t á r i o s h a v e r
perdido o c o n t r o l e s o b r e suas a l u c i n a ç õ e s e idéias d e l i r a n t e s , j u l g a n d o q u e tais e x -
p e r i ê n c i a s e r a m reais. Essa f a l t a de insight n ã o o c o r r e q u a n d o se a d m i n i s t r a o
LSD-25 e a mesealina.

Os t r a b a l h o s m e n c i o n a d o s f o r a m l e v a d o s a c a b o por pesquisadores f a m i l i a r i z a -
dos c o m as t e o r i a s p s i c o l ó g i c a s m a s sem t r e i n o e p r á t i c a i n t e n s i v a nesse setor. A
s i t u a ç ã o é m u i t o d i f e r e n t e c o m o g r u p o da T u l a n e U n i v e r s i t y ( N e w O r l e a n s ) , l i d e -
r a d o por R o b e r t H e a t h . A l é m de sua f o r m a ç ã o m é d i c a , n e u r o l ó g i c a e p s i q u i á t r i c a ,
H e a t h t e m f o r m a ç ã o p s i c a n a l í t i c a e, d u r a n t e m u i t o s anos, i n v e s t i g o u c o r r e l a ç õ e s
e n t r e f e n ô m e n o s m e n t a i s e funções c e r e b r a i s . A s bases t e ó r i c a s do g r u p o da T u -
3 7
l a n e são as f o r m u l a d a s p o r R a d o .

H e a t h d e m o n s t r o u , c o m e x p e r i ê n c i a s e m m a c a c o s , a e x i s t ê n c i a de c o r r e l a ç ã o
e n t r e a a t i v i d a d e do sistema l í m b i c o e a c o n d u t a dos a n i m a i s . Q u a n d o a r e g i ã o
septal e a p o r ç ã o a n t e r i o r do h i p o c a m p o são destruídas, os a n i m a i s a p r e s e n t a m a l -
t e r a ç õ e s de c o n d u t a e da p o s t u r a que l e m b r a m as q u e o c o r r e m e m p a c i e n t e s c a t a -
t ô n i c o s a g u d o s ; a e s t i m u l a ç ã o e l é t r i c a dessas á r e a s t o r n a os a n i m a i s interessados
no a m b i e n t e , a l e r t a s , h a v e n d o d i m i n u i ç ã o d o t o n o p o s t u r a l . P a r t i n d o desses t r a b a -
lhos, f o r a m d e s e n v o l v i d a s t é c n i c a s e s t e r e o t á x i c a s de i m p l a n t a ç ã o de e l e c t r o d o s sub-
c o r t i c a i s . D e 1950, q u a n d o f o r a m i n i c i a d a s as pesquisas e m seres h u m a n o s , até
1959, H e a t h e s t u d a r a u m t o t a l de 52 i n d i v í d u o s , a l g u n s p o r m a i s de dois anos (42
esquizofrênicos crônicos, 4 epilépticos, 6 " n o r m a i s " ) , demonstrando h a v e r estreita
c o r r e l a ç ã o e n t r e a a t i v i d a d e e l é t r i c a da r e g i ã o septal e do h i p o c a m p o c o m a c o n d u t a
psicótica dos e n f e r m o s . P a c i e n t e s a g i t a d o s e h i p e r i r r i t a d o s e x i b i a m a l t e r a ç õ e s dos
t r a ç a d o s o b t i d o s na r e g i ã o da a m í g d a l a e da p o r ç ã o a n t e r i o r do h i p o c a m p o , en-
q u a n t o f e n ô m e n o s c a t a t ô n i c o s c i o n c i d i a m c o m a l t e r a ç õ e s de t r a ç a d o s o b t i d o s na
região septal; traçados obtidos mediante electrodos implantados em outras áreas
s u b c o r t i c a i s e c o r t i c a i s , e, b e m assim, o e l e c t r e n c e f a l o g r a m a c o n v e n c i o n a l , n ã o e x i -
b i a m q u a i s q u e r a l t e r a ç õ e s . T r a ç a d o s s e m e l h a n t e s aos c o l h i d o s de p a c i e n t e s e m fase
a g u d a f o r a m o b t i d o s e m p a c i e n t e s n ã o - p s i c ó t i c o s que h a v i a m r e c e b i d o m e s c a l i n a e
L S D - 2 5 . O p a r a l e l i s m o e n t r e essas a l t e r a ç õ e s b i o e l é t r i c a s e as p e r t u r b a ç õ e s de
c o n s c i ê n c i a e de p e r c e p ç ã o era e s t r e i t o . Essas i n v e s t i g a ç õ e s m o s t r a m a e x i s t ê n c i a ,
na o p i n i ã o de H e a t h , d e uma r e l a ç ã o e n t r e os processos básicos q u e o c o r r e m na
e s q u i z o f r e n i a e na epilepsia, p r i n c i p a l m e n t e nas c h a m a d a s e p i l e p s i a s p s i c o m o t o r a s .
Os s i n t o m a s c l í n i c o s de a m b a s se a s s e m e l h a m e o d i a g n ó s t i c o d i f e r e n c i a l é, às v e z e s ,
difícil. N a prática, recorre-se ao e l e c t r e n c e f a l o g r a m a ; porém, como foi dito acima,
p e r t u r b a ç õ e s e l é t r i c a s profundas p o d e m n ã o ser r e g i s t r a d a s n o e l e c t r e n c e f a l o g r a m a
convencional.

A e s t i m u l a ç ã o e l é t r i c a da r e g i ã o septal p r o d u z e f e i t o s de d u r a ç ã o f u g a z , espe-
c i a l m e n t e estados e u f ó r i c o s . A e s t i m u l a ç ã o de o u t r a s á r e a s s u b c o r t i c a i s n ã o p r o d u -
ziu essa e u f o r i a , e, e m a l g u m a s r e g i õ e s , d e t e r m i n o u sensações v a g a s de m a l - e s -
1 3 1 4 1 6 3 4
tar
S i m u l t a n e a m e n t e foi i n v e s t i g a d a a p r o p r i e d a d e q u e t e m o s o r o de e s q u i z o f r ê -
nicos de o x i d a r a a d r e n a l i n a a u m a v e l o c i d a d e m a i o r q u e a d o s o r o de p a c i e n t e s
c o n t r o l e s n ã o - e s q u i z o f r ê n i c o s . Essa p r o p r i e d a d e é c o m u m a o soro de o u t r o s p a c i e n -
tes q u e s o f r e m de d o e n ç a s o r g â n i c a s c r ô n i c a s . O e n z i m a r e s p o n s á v e l p o r essa o x i -
d a ç ã o é a c e r u l o p l a s m i n a , uma g l o b u l i n a l i g a d a à q u a s e t o t a l i d a d e do c o b r e en-
2 4 1 8
c o n t r a d o no s o r o . A o t e n t a r i s o l a r a c e r u l o p l a s m i n a , H e a t h e o u t r o s obtiveram
u m a f r a ç ã o q u e d i f e r i a da isolada de s o r o de p a c i e n t e s n ã o - e s q u i z o f r ê n i c o s . Q u a n d o
i n j e t a d a e m m a c a c o s , essa substância p r o d u z i a a l t e r a ç õ e s e l é t r i c a s s e m e l h a n t e s às
r e g i s t r a d a s e m p a c i e n t e s p s i c ó t i c o s e m fase a g u d a ; i n j e t a d a e m v o l u n t á r i o s h u m a -
nos, i n c l u s i v e m é d i c o s , d e t e r m i n o u s i n t o m a s q u e r e p r o d u z i r a m os a p r e s e n t a d o s e
descritos por p a c i e n t e s e s q u i z o f r ê n i c o s . A s s i m foi d e s c o b e r t a a t a r a x e í n a , sendo su-
g e r i d o q u e esta s u b s t â n c i a e n d ó g e n a , c a p a z de p r o d u z i r a l t e r a ç õ e s e s p e c í f i c a s e m
á r e a s s u b c o r t i c a i s , fosse a s u b s t â n c i a M p r e v i s t a por O s m o n d . H e a t h a c r e d i t a q u e
a t a r a x e í n a seja uma p r o t e í n a a n o r m a l r e s u l t a n t e da i n t e r a ç ã o de f a t o r e s g e n é t i c o s
o
e f a t o r e s estressantes i n t e r n o s ou e x t e r n o s ' V - D e a c o r d o c o m H e a t h , o e s q u i z o f r ê -
n i c o é u m i n d i v í d u o c o m um d e f e i t o b á s i c o de i n t e g r a ç ã o da p e r s o n a l i d a d e resul-
t a n t e de u m a f a l h a de i n t e g r a ç ã o n e u r o l ó g i c a , p o s s i v e l m e n t e s i n á p t i c a ; esta insu-
ficiência a o n í v e l das sinapses seria o c a s i o n a d a por a n o m a l i a s dos sistemas e n z i -
máticos.

A s i n v e s t i g a ç õ e s d e H e a t h e c o l a b o r a d o r e s t ê m d e s p e r t a d o g r a n d e interesse, es-
p e c i a l m e n t e na A m é r i c a do N o r t e . A t é a o p r e s e n t e m o m e n t o , dois l a b o r a t ó r i o s
n o r t e - a m e r i c a n o s e um sueco c o n s e g u i r a m r e p r o d u z i r os e x p e r i m e n t o s q u e e n v o l v e m
3 3
a taraxeína .

INVESTIGAÇÕES N O "CENTRO DE ESTUDOS FAMILIARES" (BETHESDA)

O c o n h e c i m e n t o das d i f i c u l d a d e s f a m i l i a r e s e m casos d e e s q u i z o f r e n i a l e v o u
B o w e n a i n t e r n a r , e m secções especiais, p a c i e n t e s e s q u i z o f r ê n i c o s e o p r o g e n i t o r a
q u e m o e n f e r m o se l i g a v a m a i s e s t r e i t a m e n t e . N a fase i n i c i a l da pesquisa f o r a m
i n t e r n a d o s t r ê s a d o l e s c e n t e s e s q u i z o f r ê n i c o s e suas m ã e s p a r a o b s e r v a ç ã o d i r e t a da
i n t e r a ç ã o e o t r a t a m e n t o , que consistia e m p s i c o t e r a p i a i n d i v i d u a l p a r a o p a c i e n t e
7
e sua m ã e . B o w e n o b s e r v o u q u e a m b o s p a s s a v a m por c i c l o s intensos de c o m b i n a -
ções, c o m o se n ã o h o u v e s s e b a r r e i r a s d e f i n i d a s e n t r e o E g o d o p a c i e n t e e o da
m ã e ; esta fusão c h e g a v a a o p o n t o de p r o d u z i r perda d e i d e n t i d a d e , u m j u l g a n d o - s e
o o u t r o . D e p o i s dessa c o m b i n a ç ã o intensa h a v i a u m a f a s e de s e p a r a ç ã o , q u a n d o
o p a c i e n t e e sua m ã e p r o c u r a v a m e s t a b e l e c e r o m e s m o t i p o de r e l a ç õ e s c o m o u t r o s
i n d i v í d u o s . P a r e c i a m não ter c o n s c i ê n c i a da i n t e n s i d a d e e da p e r i o d i c i d a d e dessas
a l t e r a ç õ e s . O t r a t a m e n t o p s i c o t e r á p i c o i n s t i t u í d o s e r v i a p a r a e s t a b i l i z a r as r e l a ç õ e s
d o p a r n u m p o n t o de c o e x i s t ê n c i a c o n f o r t á v e l , sem a i n t e n ç ã o de r e s o l v e r a intensa
relação simbiótico-parasitária existente.
9
N e s t e s pares, D y s i n g e r o b s e r v o u um t i p o de c o m u n i c a ç ã o p r é - v e r b a l c a r a c t e -
rístico, a o qual c h a m o u " d i á l o g o por a t u a ç ã o " , b a s e a d o e m m o v i m e n t o s d e a p r o -
x i m a ç ã o f e i t o s p e l o p a c i e n t e ou p o r sua m ã e ; t a i s m o v i m e n t o s d e a p r o x i m a ç ã o são
i n c o n s c i e n t e s e, nesse p l a n o , a c e i t o s o u r e j e i t a d o s . A o b s e r v a ç ã o d e u m p a r du-
r a n t e u m p e r i o d o d e 6 meses, t a b u l a d o o t i p o d e a p r o x i m a ç õ e s e respostas, p e r m i t i u
a D y s i n g e r e s t a b e l e c e r c e r t a s v a r i a ç õ e s c í c l i c a s nessas c o m u n i c a ç õ e s . Contrastando
e s t a f o r m a de c o m u n i c a ç ã o c o m a v e r b a l c o n c o m i t a n t e , v i u - s e a n ã o - c o i n c i d ê n c i a
dos c o n t e ú d o s c o m u n i c a d o s e dos p r o b l e m a s associados. Esse d i á l o g o e n t r e a pa-
c i e n t e e a m ã e p a r e c e ser r e a l i z a d o e m n í v e l i n c o n s c i e n t e , e n v o l v e n d o processos p r i -
m á r i o s , e n q u a n t o as c o m u n i c a ç õ e s v e r b a i s são m a i s e l a b o r a d a s e do t i p o dos p r o -
cessos s e c u n d á r i o s .

B o w e n c h e g o u à c o n c l u s ã o de q u e o p a r e s t u d a d o i n i c i a l m e n t e e r a a p e n a s p a r t e
d e u m g r u p o p a t o l ó g i c o m a i o r , a f a m i l i a . A s s i m , n u m a s e g u n d a fase da pesquisa,
sete f a m í l i a s c o m u m f i l h o ou f i l h a e s q u i z o f r ê n i c o s f o r a m v i v e r n u m a e n f e r m a r i a
e s p e c i a l p a r a o e s t u d o c l í n i c o e o t r a t a m e n t o desses g r u p o s f a m i l i a r e s . A t e r a p ê u -
t i c a consistia, p r i n c i p a l m e n t e , de p s i c o t e r a p i a p s i c a n a l í t i c a de g r u p o , e n v o l v e n d o
t o d o s os m e m b r o s d a f a m í l i a . Os " n o r m a i s " c o n t i n u a r a m suas a t i v i d a d e s de rotina,
e o g r u p o passou a ser v i s t o , d i a r i a m e n t e , e m r e u n i õ e s c o m o t e r a p e u t a da f a m í l i a .
A e q u i p e da e n f e r m a r i a f o i i n s t r u í d a p a r a l i d a r c o m a f a m í l i a c o m o u m todo, d e -
s e n c o r a j a n d o as t e n t a t i v a s d e r e s o l v e r p r o b l e m a s " i n d i v i d u a i s " i s o l a d a m e n t e .

É n o t ó r i a , n e s t a s f a m í l i a s , a a u s ê n c i a d e u m dos c ô n j u g e s , g e r a l m e n t e o pai,
n o processo de t o m a r decisões q u e d i z e m r e s p e i t o â f a m í l i a e seus m e m b r o s . Quan-
do, n o t r a t a m e n t o , esse m e m b r o r e t r a í d o p o d e ser t r a z i d o de v o l t a a d e s e m p e n h a r
o p a p e l q u e l h e c o m p e t e d e n t r o d o g r u p o f a m i l i a r , há g r a d u a l d i s s o l u ç ã o d o p a r
formado pelo paciente com o outro cônjuge.
O u t r a o b s e r v a ç ã o f e i t a p o r B o w e n , c o r r o b o r a n d o hipóteses a v e n t a d a s p o r outros,
3
é a que chamaríamos "efeito de g a n g o r r a " . O progresso clínico "isolado" de um
p a c i e n t e f a z - s e e m d e t r i m e n t o d o e q u i l i b r i o h o m e o s t á t i c o no E g o d o p r o g e n i t o r
( o u c ô n j u g e ) a ê l e l i g a d o de f o r m a s i m b i ó t i c a . A f a m í l i a , c o m o u m t o d o , e s t á
d o e n t e , e a s i n t o m a t o l o g i a p s i c ó t i c a p o d e ser d e s c a r r e g a d a a t r a v é s de u m de seus
membros.
Estes p a c i e n t e s t ê m d i f i c u l d a d e s e m a p r o x i m a r - s e e m o c i o n a l m e n t e dos d e m a i s
m e m b r o s da f a m í l i a , p o s t o q u e e s t a s a p r o x i m a ç õ e s s ã o s e g u i d a s p o r m a n o b r a s de
i s o l a m e n t o e d i s t a n c i a m e n t o , p o s s i v e l m e n t e m o t i v a d a s p o r i m p u l s o s incestuosos cons-
cientes ou p e l o t e m o r d e ser e n g l o b a d o p e l o o u t r o f a m i l i a r . P a r a que esta a p r o -
x i m a ç ã o o c o r r a , é n e c e s s á r i o que o p a c i e n t e se s i n t a s e g u r o de sua p o s i ç ã o na
f a m i l i a e q u e os p a p é i s dos d e m a i s m e m b r o s e s t e j a m c l a r a m e n t e d e f i n i d o s *.

INVESTIGAÇÕES NA YALE UNIVERSITY (NEW HA VEN)

26 27 28 29
Lidz e col. , , , e s t u d a r a m m i n u c i o s a m e n t e , d u r a n t e anos, as f a m í l i a s de 16
e s q u i z o f r ê n i c o s a d o l e s c e n t e s . D e suas o b s e r v a ç õ e s i n f e r i r a m q u e há c e r t a c constan-
tes nessas f a m í l i a s c o m r e l a ç ã o à p e r s o n a l i d a d e dos pais, à d e s o r g a n i z a ç ã o da es-
t r u t u r a f a m i l i a r , a u m t i p o e s p e c i a l d e t r a n s m i s s ã o de p a d r õ e s de i r r a c i o n a l i d a d e
d e n t r o d a f a m í l i a e, d e r i v a d a s d a s a n t e r i o r e s , c e r t a u n i v e r s a l i d a d e d e p r o b l e m a s
incestuosos e h o m o s s e x u a i s .

U m p r o g e n i t o r ou a m b o s l u t a m p a r a m a n t e r seu p r ó p r i o e q u i l í b r i o e m o c i o n a l
e r e c o r r e m à d i s t o r ç ã o da r e a l i d a d e e x t e r n a a f i m de e n q u a d r á - l a d e n t r o d e seu
e s q u e m a i n f l e x í v e l d e u m m u n d o e x t e r n o p r e c o n c e b i d o . Em. n o v e das dezesseis f a -
m í l i a s estudadas, p e l o m e n o s u m dos p r o g e n i t o r e s e r a e s q u i z o f r ê n i c o . Os n ã o - e s q u i -
z o f r ê n i c o s se m o s t r a v a m m a i s ou m e n o s r e f r a t á r i o s às e m o ç õ e s e necessidades de
o u t r o s i n d i v í d u o s , e s p e c i a l m e n t e do c ô n j u g e e d o s f i l h o s . Essa a t i t u d e p a r e c i a cons-
t i t u i r u m a defesa q u e n ã o p e r m i t i a i n t r o m i s s ã o d e p e n s a m e n t o s ou p e r c e p ç õ e s que
a m e a ç a s s e m p e r t u r b a r o e q u i l í b r i o c a r a c t e r e o l ó g i c o típico desses i n d i v í d u o s .

L i d z o b s e r v o u q u e a d e s o r g a n i z a ç ã o d e n t r o dessas f a m í l i a s é o c a s i o n a d a pela
i n o b s e r v â n c i a dos l i m i t e s das d i f e r e n t e s g e r a ç õ e s e n v o l v i d a s e d o r e s p e i t o às fun-
3 0
ções dos m e m b r o s , l e v a n d o e m c o n s i d e r a ç ã o os r e s p e c t i v o s s e x o s . P a r s o n s estudou
o f u n c i o n a m e n t o de n ú c l e o s f a m i l i a r e s d o p o n t o d e v i s t a p s i c a n a l í t i c o e, a t r a v é s
de suas conclusões, c o m p r e e n d e - s e m e l h o r os p o n t o s o n d e a d e s o r g a n i z a ç ã o a c i m a
m e n c i o n a d a é m a i s conspícua. P a r s o n s frisa a p r e c a r i e d a d e d o e q u i l í b r i o e x i s t e n t e
d e n t r o d e todos os g r u p o s f a m i l i a r e s e n t r e as r e l a ç õ e s e r ó t i c a s essenciais à coesão
do n ú c l e o f a m i l i a r e a o d e s e n v o l v i m e n t o n o r m a l da c r i a n ç a , e, por o u t r o l a d o , os
impulsos incestuosos q u e t e n d e m a d e s o r g a n i z a r a f a m í l i a . U m a das funções básicas
do g r u p o f a m i l i a r é a d e s e r o t i z a ç ã o das r e l a ç õ e s m ã e - f i l h o ou p a i - f i l h a , o q u e e m
n o m e n c l a t u r a p s i c a n a l í t i c a se e x p r e s s a d i z e n d o q u e o c o n f l i t o e d í p i c o foi s o l u c i o n a d o
satisfatoriamente. O papel c e n t r a l q u e esse c o n f l i t o d e s e m p e n h a nas c o l e t i v i d a d e s
h u m a n a s , d e v e - s e a o f a t o de q u e a c r i a n ç a t e m de a t r a v e s s a r esse f i o de n a v a l h a ,
h a v e n d o t r a g é d i a e m a m b o s os l a d o s . P r o b l e m a s g r a v e s d e c o r r e m da f a l t a d e In-
v e s t i m e n t o libidinoso, p o r p a r t e dos pais, na c r i a n ç a d u r a n t e as fases p r é - f á l i c a s .
P o r o u t r o l a d o , a p e r s e v e r a n ç a d e r e l a ç õ e s e r ó t i c a s d u r a n t e a fase de l a t ê n c i a , e
após a m e s m a , r e s u l t a e m p r o b l e m a s g r a v e s p a r a a m a n u t e n ç ã o d o n ú c l e o f a m i l i a r .

N o quadro t são c o m p a r a d a s as funções essenciais a p o n t a d a s por P a r s o n s e m


famílias normais, e as f a l h a s m a i s f r e q ü e n t e s a p o n t a d a s p o r L i d z nas f a m í l i a s de
esquizofrênicos.
V i o l a ç õ e s de l i m i t e s e n t r e g e r a ç õ e s de pais e f i l h o s d e s t r o e m a e s t r u t u r a fa-
m i l i a r essencial a o c o n t r o l e i n c o n s c i e n t e de i m p u l s o s incestuosos por p a r t e dos c o m -
ponentes de a m b a s as g e r a ç õ e s . Isso o c o r r e , q u a n d o , p o r e x e m p l o , u m dos esposos
se c o m p o r t a e m r e l a ç ã o a o o u t r o c o m o u m f i l h o , r i v a l i z a n d o c o m a c r i a n ç a na
o b t e n ç ã o das a t e n ç õ e s do pai ou da m ã e . O m e s m o a c o n t e c e q u a n d o u m dos c ô n -
j u g e s u t i l i z a a c r i a n ç a p a r a substituir o o u t r o . P a r a isso p o d e h a v e r u m a l u t a
surda e n t r e os pais, m o v e n d o - s e c a m p a n h a s de d e s c r é d i t o c o m o i n t u i t o d e o b t e r
a aliança com o filho. O e q u i l í b r i o e m tais f a m í l i a s é a l c a n ç a d o , r e c o r r e n d o - s e a
essas a n o m a l i a s de funções p a r e n t a i s , e p o d e c h a m a r - s e d e e q u i l í b r i o p s i c ó t i c o .
P a i s psicóticos d i f i c u l t a m à c r i a n ç a e s t a b e l e c e r os l i m i t e s de seu E g o ; c u s t a - l h e
a p e r c e p ç ã o c l a r a de suas necessidades e das dos pais, o q u e r e s u l t a n u m a con-
fusão e d i f u s ã o d e papéis. N u m caso m e n c i o n a d o por L i d z , essa c o n f u s ã o ia a o
p o n t o d e o f i l h o p ô r a m ã e nos j o e l h o s e d a r - l h e p a l m a d a s p a r a c a s t i g á - l a , e a m ã e
n ã o só a c e i t a r esse c a s t i g o , m a s n ã o p e r m i t i r q u e o pai interferisse.
A i m p o s s i b i l i d a d e de a s s u m i r e m esses p r o g e n i t o r e s , e m r e l a ç ã o aos f i l h o s , a t i t u -
des c o m p a t í v e i s c o m seu s e x o e c o m os h á b i t o s d o a g r u p a m e n t o h u m a n o , d e c o r r e
da i d e n t i f i c a ç ã o confusa q u e f i z e r a m e m r e l a ç ã o à sua p r ó p r i a f a m í l i a . É n e c e s -
s á r i o q u e o p r o g e n i t o r q u e v a i s e r v i r d e m o d e l o p a r a i d e n t i f i c a ç ã o s e x u a l dos f i l h o s
t e n h a u m a s i t u a ç ã o d e f i n i d a e m r e j a ç ã o a si m e s m o . N a i m p o s s i b i l i d a d e de resol-
v e r essa s i t u a ç ã o c o m os pais, os p a c i e n t e s de L i d z t i n h a m u m a p e r t u r b a ç ã o no
b a l a n ç o de t e n d ê n c i a s h é t e r o e h o m o s s e x u a i s , n ã o e n c o n t r a n d o uma s i t u a ç ã o l i v r e
de c o n f l i t o d e n t r o do g r u p o f a m i l i a r .
O p r o b l e m a da h o m o s s e x u a l i d a d e que, desde a discussão do caso S c h r e b e r
p a r e c e l i g a d o a o da e s q u i z o f r e n i a , é e s t u d a d o por L i d z e m c o n j u n ç ã o c o m as t e n -
d ê n c i a s incestuosas. L i d z n ã o c r ê que as f a n t a s i a s incestuosas e homossexuais
conscientes de seus e s q u i z o f r ê n i c o s s e j a m e x p l i c á v e i s a p e n a s c o m o s i n t o m a s de re-
g r e s s ã o . C o m o v i m o s a c i m a , P a r s o n s a p o n t a a necessidade d e u m a d e s e r o t i z a ç ã o
m a i s ou m e n o s c o m p l e t a das r e l a ç õ e s m ã e - f i l h o e p a i - f i l h a , d u r a n t e a fase de la-
tência, p e r m i t i n d o q u e a c r i a n ç a faça uma i d e n t i f i c a ç ã o c o m o p r o g e n i t o r do m e s m o
s e x o e q u e use as c a r g a s libidinosas l i b e r a d a s p a r a i n v e s t i - l a s nos processos de
a p r e n d i z a d o e d e f o r m a ç ã o de r e l a ç õ e s i n t e r p e s s o a i s f o r a do c í r c u l o f a m i l i a r , espe-
c i a l m e n t e na e s c o l a . N a s f a m í l i a s e s t u d a d a s p o r L i d z tal n ã o o c o r r e . A c o n s t e l a -
ção f a m i l i a r m a i s f r e q ü e n t e é a q u e l a e m q u e o p r o g e n i t o r do s e x o o p o s t o assume
u m a a t i t u d e s e d u t o r a c o n s c i e n t e ou i n c o n s c i e n t e , a o passo q u e o p r o g e n i t o r d o
m e s m o s e x o t e m u m a a t i t u d e i n d i f e r e n t e . A ausência de e x p e r i ê n c i a s f r u s t r a n t e s
q u e f o r c e m o p a c i e n t e a d e s e r o t i z a r a r e l a ç ã o o b j e t a i p r i m á r i a c o m os p r o g e n i t o r e s
e x p l i c a r i a a p e r s e v e r a n ç a das idéias incestuosas e h o m o s s e x u a i s c o n s c i e n t e s e a
t e n d ê n c i a q u e se v ê nestes p a c i e n t e s de s e x u a l i z a r t o d a s as suas r e l a ç õ e s o b j e t a i s . A s
f a n t a s i a s incestuosas i m p e l e m o p a c i e n t e a o p á n i c o , e o t e m o r de ser d o m i n a d o
por e l a s l e v a - o a e s t a b e l e c e r m a n o b r a s d e f e n s i v a s de s e g u r a n ç a , que L i d z crê c o i n -
c i d i r e m c o m os s i n t o m a s p r i m á r i o s de B l e u l e r . P o r p a r t e dos pais, e s p e c i a l m e n t e
d a q u e l e c o m q u e m o p a c i e n t e e s t a b e l e c e a r e l a ç ã o s i m b i ó t i c a , há uma necessidade
i n c o n s c i e n t e de p e r p e t u a r essa s i t u a ç ã o ^ÍOMU^

COMENTÁRIOS

É satisfatório verificar o interêsse crescente que psiquiatras com orien-


tação psicanalítica têm demonstrado por trabalhos de investigação envolven-
do o substrato biológico dos fenômenos mentais, como nos casos de Heath,
32 31
Masserman , Margolin e outros. Não se pretende, como querem os
simplistas, ver nisso uma solução final exclusivamente biológica ou psicoló-
gica. Freud, que tinha excelente formação médica, especialmente neuroló-
gica, nunca perdeu de vista o fato de existir uma correlação entre o apa-
relho mental por êle delineado e as estruturas somáticas.
Em relação aos problemas da esquizofrenia, essa aproximação multidis-
21
ciplinar é mandatória. Os trabalhos de K a l i m a n com gêmeos univitelinos
parecem indicar claramente a participação de fatôres genéticos na etiologia
da esquizofrenia. Parece lógico que fatôres anatômicos, bioquímicos, fisio-
lógicos e endócrinos devam ter um papel, apesar de os métodos usados, até
há poucos anos, não terem permitido uma conclusão a êsse respeito. Não
faz muito que os fatôres bioquímicos e a produção das "psicoses modelos"
têm permitido um estudo mais preciso de algumas das variações que ocor-
rem em pacientes esquizofrênicos.
Até que ponto essas pesquisas auxiliarão na correção terapêutica, é uma
15
questão aberta. Os resultados promissores, apresentados por H e a t h , com
o uso de extrato bovino de porções cerebrais (região septal), no tratamento
de enfermos esquizofrênicos, aguardam confirmação.
Citemos, no caso das investigações com drogas capazes de produzir sin-
tomas semelhantes aos da esquizofrenia, que um dos seus usos imediatos
é a facilitação do ensaio biológico das novas drogas a serem introduzidas
na terapêutica psiquiátrica.
Nas investigações psicanalíticas relacionadas com a esquizofrenia há uma
mudança radical de foco, da psicopatologia individual para a familiar. Se
o tratamento de pacientes neuróticos pode ser feito sem a participação da
família, a maioria dos autores concorda em que tal não é possível quando
se trata de pacientes esquizofrênicos. Os trabalhos de Bowen parecem con-
firmar outras observações, principalmente de Lidz, de que o problema deve
ser encarado em têrmos de uma família doente e não apenas de um indi-
víduo enfêrmo.
As conclusões a que chegou Lidz hão que ser apreciadas com certo
cuidado no que diz respeito às relações intrafamiliares anômalas, sobretudo
quanto ao papel por êle atribuído aos impulsos incestuosos conscientes dêstes
enfermos; êste autor chama a atenção para o fato de não considerar essa
situação como a causal para esquizofrenia. Lidz crê não se tratar de fan-
tasias regressivas do doente e, sim, da resultante de uma situação criada
e alimentada pelas funções distorcidas que os pais desempenham dentro
2
dessas famílias. Bateson , na discussão de uma apresentação feita por Lidz,
vê nesse fenômeno um tipo de pantalha onde o paciente projeta dificuldades
caracteristicamente orais, verbalizadas em têrmos fálicos, incestuosos ou
homossexuais. Estas manifestações visariam encobrir terrores mais sérios
relacionados com as intensas frustrações orais e as fantasias de abandono
e deamparo que as acompanham.

RESUMO

O conceito bleuleriano de esquizofrenia continua a ser o mais acatado


pelos investigadores. Apesar da existência de correntes nitidamente bioló-
gicas ou psicológicas nota-se, nos trabalhos de pesquisa, uma tendência
marcadamente psicobiológica. N o presente trabalho são discutidos os resul¬
tados obtidos por três grupos de investigadores, um operando com variáveis
biológicas, e os outros dois, com variáveis de relação interpessoal, especial-
mente infrafamiliares.
O primeiro grupo é liderado por Heath que tem chamado a atenção
para a atividade bioelétrica anormal de certas estruturas subcorticais (re-
gião septal e hipocampo) em relação às variações posturais e de conduta,
tanto em macacos como em sêres humanos. O isolamento de uma proteína
específica no sôro de pacientes esquizofrênicos, capaz de produzir sintomas
em voluntários injetados com esse material, parece mostrar que existe uma
falha metabólica, possivelmente enzimática, nesses pacientes.
Os outros dois grupos, liderados por Bowen e Lidz, estudam caracterís-
ticas das funções e interrelações em famílias com pacientes esquizofrênicos.
As conclusões de ambos os grupos apoia o conceito de famílias esquizofrê-
nicas contra o ponto de vista clássico de pacientes esquizofrênicos.

SUMMARY

Schizophrenia: advances in research.

Bleuler's concept of schizophrenia is up till now the most widely ac-


cepted by the investigators. In spite of trends of research clearly biological
or psychological, there is a tendency for a clear cut psychobiological approach
or, even better, for a multidisciplinary study of the problem. In this paper
are discussed the results obtained by three groups of researchers. One
deals with biological variables while the other two work with interpersonal
relations, mostly intrafamilial ones.
The first is the Tulane group. Heath, in charge of the project, has
stressed that abnormal bioelectrical activity of certain subcortical areas,
mainly the septal region and the hippocampus, is related to postural and
behavioral variations in monkeys and humans. The isolation of a protein
from the serum of schizophrenic patients, that produces schizophrenic-like
symptoms in voluntaries when injected with this substance, tries to prove
the existence of a metabolic error, probably enzymatic, in these patients.
The other two groups (Bethesda and Yale), with Bowen and Lidz, are
studying characteristics of the functions and interrelations in families with
one schizophrenic patient mainly adolescent. The conclusions arrived by
both groups of researchers support the concept of a schizophrenic family
vs. the classical concept of a schizophrenic patient.

REFERÊNCIAS

1. A L B U Q U E R Q U E , M . A . — C o m u n i c a ç ã o pessoal. 2. B A T E S O N , G. — Discussão
no l i v r o compilado por J. H . M a s s e r m a n n : I n d i v i d u a l and F a m i l y D y n a m i c s . Grune
& Stratton, N o v a York, 1959. 3. B E L L A K , L . — D e m e n t i a P r a e c o x . G r u n e & S t r a t ¬
ton, N o v a Y o r k , 1948. 4. B E L L A K , L . — S c h i z o p h r e n i a : A R e v i e w o f the S y n d r o m e .
L o g o s Press, N o v a Y o r k , 1958. 5. B E R I N G E R , K . — D e r M e s k a l i n r a u s e h . Monogr.
N e u r o l . P s y c h i a t . , 1927. 6. B L E U L E R , E. — D e m e n t i a P r a e c o x o r t h e G r o u p of
S c h i z o p h r e n i a s . I n t e r n a t i o n a l U n i v e r s i t i e s Press, N o v a Y o r k , 1950. 7. B O W E N , M .
— F a m i l y p a r t i c i p a t i o n in s c h i z o p h r e n i a . A p r e s e n t a d o a o 113? C o n g r e s s o da A m .
P s y c h i a t . A s s . , C h i c a g o , 1957. 8. B O W E N , M . — A F a m i l y C o n c e p t o f S c h i z o p h r e n i a .
N o livro compilado por D. D. Jackson: Etiology of Schizophrenia. Basic Books,
N o v a Y o r k , 1959. 9. D Y S I N G E R , R . H . — T h e " a c t i o n d i a l o g u e " in an intense
r e l a t i o n s h i p : A study o f a s c h i z o p h r e n i c girl and h e r m o t h e r . A p r e s e n t a d o no 113»
C o n g r e s s o da A m . P s y c h i a t . Ass... C h i c a g o , 1957. 10. F E D E R N , P . — P r i n c i p l e s of
p s y c h o t h e r a p y in l a t e n t s c h i z o p h r e n i a . A m . J. P s y c h o t h e r . , 1:129, 1947. 11. F R E U D ,
S. — P s y c h o a n a l y t i c N o t e s upon an A u t o b i o g r a p h i c a l A c c o u n t o f a Case of P a r a n o i a .
C o l l e c t e d P a p e r s , v o l . I I I , H o g a r t h Press, L o n d r e s , 1924. 12. F R O M M - R E I C H M A N N ,
F . — P s y c h o t h e r a p y of s c h i z o p h r e n i a . A m . J. P s y c h i a t . , 111:410, 1954. 13. H E A T H ,
R . G. — Studies in S c h i z o p h r e n i a : A M u l t i d i s c i p l i n a r y A p p r o a c h t o M i n d - B r a i n R e -
lationships. H a r v a r d U n i v e r s i t y Press, C a m b r i d g e , Mass., 1954. 14. H E A T H , R . G .
— C o r r e l a t i o n s b e t w e e n l e v e l s o f p s y c h o l o g i c a l a w a r e n e s s and p h y s i o l o g i c a l a c t i v i t y
in the c e n t r a l n e r v o u s system. P s y c h o s o m . M e d . , 17:385, 1955. 15. H E A T H , R . G.
-— P h a r m a c o l o g i c a l and b i o l o g i c a l a p p r o a c h e s t o p s y c h o t h e r a p y . Apresentado ao
1
113 ? C o n g r e s s o da A m e r i c a n P s y c h i a t r i c Ass., C h i c a g o , 1957. 16. H E A T H , R . G. —
C o r r e l a t i o n of e l e c t r i c a l r e c o r d i n g s f r o m c o r t i c a l and s u b c o r t i c a l r e g i o n s o f t h e
brain w i t h a b n o r m a l b e h a v i o r in h u m a n subjects. C o n f i n i a N e u r o l . , 18:305, 1958. 17.
H E A T H , R . G.; L E A C H , B . E.; C O H E N , M . — R e l a t i o n s h i p of P s y c h o t i c B e h a v i o r
and A b n o r m a l Substances in S e r u m . N o A . R . N . M . D . : T h e Effect of P h a r m a c o l o g i c
A g e n t s on the N e r v o u s S y s t e m . W i l l i a m s & W i l k i n s , B a l t i m o r e , 1959. 18. H E A T H ,
R . G.; L E A C H , B. E.; M A R T E N S , S.; C O H E N , M . — Studies in m i n d - b r a i n rela-
tionships: behavioral changes with administration of T a r a x e i n , a substance extracted
f r o m s c h i z o p h r e n i c s e r u m . A p r e s e n t a d o a o 112º C o n g r e s s o da A m e r i c a n P s y c h i a t r i c
Ass., C h i c a g o , 1956. 19. H E A T H , R . G.; C O H E N , S. B . ; S I L V A , F.; L E A C H , B. E.;
C O H E N , M . — A d m i n i s t r a t i o n o f T a r a x e i n in h u m a n s . D i s . N e r v . Syst., 20:5, 1959.
20. H O F F E R , A . ; O S M O N D , H . ; S M Y T H I E S , J. — S c h i z o p h r e n i a : A n e w a p p r o a c h .
J. M e n t . Sc., 100:29, 1954. 21. K A L L M A N , F . J. — H e r e d i t y in H e a l t h and M e n t a l
D i s o r d e r s . W . W . N o r t o n , N o v a Y o r k , 1953. 22. K N I G H T , R . P . — P s y c h o t h e r a p y
in a c u t e p a r a n o i d s c h i z o p h r e n i a w i t h successful o u t c o m e . B u l l . M e n n i n g e r Clin., 3 :
81, 1939. 23. K N I G H T , R . P . — P s y c h o t h e r a p y o f an a d o l e s c e n t c a t a t o n i c s c h i z o -
phrenic w i t h m u t i s m . P s y c h i a t r i c , 9:923, 1946. 24. L E A C H , B. E.; H E A T H , R . G.

— T h e in v i t r o o x i d a t i o n of e p i n e p h r i n e in p l a s m a . A . M. A . Arch. Neurol. &


P s y c h i a t . , 76:444, 1956. 25. L I D Z , R . W . ; L I D Z , . T . — T h e r a p e u t i c C o n s i d e r a t i o n s
a r i s i n g f r o m t h e I n t e n s e S y m b i o t i c N e e d s o f S c h i z o p h r e n i c P a t i e n t s in P s y c h o t h e r a p y
w i t h S c h i z o p h r e n i c s . E m E. F . B r o d y e F . C. R e d l i c h : P s y c h o t h e r a p y w i t h S c h i z o -
phrenics. I n t e r n a t i o n a l U n i v e r s i t i e s P r e s s , N o v a Y o r k , 1952. 26. L I D Z , T . — S c h i z o -
p h r e n i a and the f a m i l y . P s y c h i a t r y , 21:21, 1957. 27. L I D Z , T . ; C O R N E L I S O N , A . ;
F L E C K , S.; T E R R Y , D . — T h e i n t r a f a m i l i a l e n v i r o n m e n t o f the s c h i z o p h r e n i c p a -
tient: I . T h e father. P s y c h i a t r y , 20:329, 1957. 28. L I D Z , T . ; C O R N E L I S O N , A . ;
F L E C K , S.; T E R R Y , D . — T h e i n t r a f a m i l i a l e n v i r o n m e n t o f the s c h i z o p h r e n i c pa-
t i e n t : I I . M a r i t a l schism and s k e w . A m . J. P s y c h i a t . , 114:241, 1957. 29. L I D Z , T . ;
C O R N E L I S O N , A . ; F L E C K , S.; T E R R Y , D . — T h e i n t r a f a m i l i a l e n v i r o n m e n t of the
schizophrenic patient: V I . T h e transmission of irrationality. A . M. A . Arch. Neurol.
& P s y c h i a t . , 79:305, 1958. 30. L I M E N T A N I , D . — S y m b i o t i c i d e n t i f i c a t i o n in s c h i z o -
p h r e n i a . P s y c h i a t r y , 19:231, 1956. 31. M A R G O L I N , S. G. — On s o m e principles of
therapy. A p r e s e n t a d o a o 113º C o n g r e s s o da A m . P s y c h i a t . Ass., C h i c a g o , 1957. 32.
M A S S E R M A N , J. H . ; P E T C H E L , C. T . ; A A R O N S , L . — E f f e c t s o f c o n f l i c t and b r a i n
lesions in y o u n g v s . old a n i m a i s . A p r e s e n t a d o a o 115« C o n g r e s s o da A m . P s y c h i a t .
Ass., F i l a d é l f i a , 1959. 33. M E L A N D E R , B . ; M A R T E N S , S. — A n o t e on the m o d e
of a c t i o n of T a r a x e i n and L S D . Dis. N e r v . Syst., 19:11, 1958. 34. M O N R O E , R . R . ;
H E A T H , R . G.; M I C K L E , W . A . ; M I L L E R , W . H . — A c o m p a r i s o n of c o r t i c a l and
s u b c o r t i c a l b r a i n w a v e s in n o r m a l , b a r b i t u r a t e , reserpine and C h l o r p r o m a z i n e sleep.
A n n . N . Y . A c a d . Sci., 61:56, 1955. 35. O S M O N D , H . ; S M Y T H I E S , J. — S c h i z o p h r e n i a :
A new approach. J. M e n t . Sc., 98:309, 1952. 36. P A R S O N S , T . ; B A L E S , R . — T h e
F a m i l y . F r e e Press, G l e n c o e ( I l l i n o i s ) 1955. 37. R A D O , S. — D y n a m i c s and c l a s -
s i f i c a t i o n o f d i s o r d e r e d b e h a v i o r . A m . J. P s y c h i a t . , 110:406, 1953. 33. R E I C H A R D ,
S.; T I L L M A N , C. — P a t t e r n s o f p a r e n t - c h i l d relationships in s c h i z o p h r e n i a . Psy-
chiatry, 13:247, 1950. 39. R I C H T E R , D . — S c h i z o p h r e n i a : S o m a t i c A s p e c t s . P e r g a -
m o n Press, L o n d r e s , 1957. 40. R O S E N , J. N . — D i r e c t A n a l y s i s : S e l e c t e d P a p e r s .
G r u n e & S t r a t t o n , N o v a Y o r k , 1953. 41. S E C H E H A Y E , M . A . — S y m b o l i c R e a l i z a -
t i o n . I n t e r n a t i o n a l U n i v e r s i t i e s Press, N o v a Y o r k , 1951. 42. S T O L L , W . — L y s e r g ¬
saure-diäthylamid, ein P h a n t a s t i k u n aus der Mutterkorngruppe. Schweitz. Arch.
N e u r o l , u. P s y c h i a t . , 6 0 : 1 , 1947. 43. S Z A S Z , T . — A c o n t r i b u t i o n to the p s y c h o l o g y
of s c h i z o p h r e n i a . A . M . A . A r c h . N e u r o l , a. P s y c h i a t . , 77:420, 1957. 44. W E X L E R ,
M . — T h e s t r u c t u r a l p r o b l e m in s c h i z o p h r e n i a : t h e r a p e u t i c i m p l i c a t i o n . I n t . J.
P s y c h o a n a l . , 3 2 : 1 , 1951.

Clínica Pinel — Av. João Pessoa, 943 — Pôrto Alegre — Rio Grande do Sul.

Você também pode gostar