Você está na página 1de 53

Diretrizes para as ações de

capacitação para atendimento


aos Requisitos Legais e Requisitos
de Atividades Críticas
Prezados,

A nossa empresa acredita que A Vida em Primeiro Lugar é um valor


inegociável. Para que esse valor seja disseminado e efetivamente praticado,
assegurando a integridade física de todos os empregados nas operações e
projetos, foram estabelecidos requisitos que representam o sistema de gestão
de Saúde, Segurança e Meio Ambiente.

Para suportar a implementação de ações com foco na prevenção de


fatalidades, foram estabelecidos requisitos para execução de atividades críticas,
assim como as capacitações obrigatórias para cada uma das atividades críticas
executadas na Vale e em suas empresas coligadas e controladas.

Com objetivo de padronizar e garantir os conteúdos mínimos a serem


aplicados, foram criadas as diretrizes educacionais para as ações de
capacitação em atividades críticas.

Na Vale Fertilizantes, além das capacitações para cada uma das atividades
críticas, foram incluídas as capacitações legalmente obrigatórias, compondo
assim as diretrizes para as ações de capacitação para atendimento aos
Requisitos Legais (RL) e Requisitos de Atividades Críticas (RAC).

Dessa forma, trabalhamos para a prevenção de perdas, valorização da saúde e


mitigação de eventos que possam impactar as pessoas, os ativos e a reputação
da empresa. Para alcançar dano zero, investimos continuamente em nosso
bem mais precioso: a vida.
Sumário
Objetivos deste documento 05
Contexto da criação deste documento 05
Envolvidos 05
Aplicação 05
Brasil 05
Áreas internacionais 05
Estratégia educacional 05
Solução educacional 05
Mapeamento do público-alvo 06
Mapeamento dos instrutores 06
Validação do conhecimento técnico e da proficiência/experiência 06
Viabilização da oferta das ações de capacitação em RAC e RL 07
Fornecedor de treinamento para empregados e prestadores de serviço 07
Material didático 07
Planejamento, execução e registro dos treinamentos 08
Gestão das ações de capacitação em RAC e RL 08
Ambientes de simulação prática 09
RAC para gestores imediatos 09
Conteúdo programático 09

Conteúdo programático 10
Direção defensiva – motorista de ambulância 10
Módulo I – Legislação de trânsito 10
Módulo II – Direção defensiva 10
Módulo III – Noções de primeiros socorros, respeito ao meio ambiente e convívio social 10
Módulo IV – Relacionamento interpessoal 11
Atualização/reciclagem para condutores de veículos de transporte de emergência 11
Módulo I – Legislação de trânsito 11
Módulo II – Direção defensiva 11
Módulo III – Noções de primeiros socorros, respeito ao meio ambiente e convívio social 11
Módulo IV – Relacionamento interpessoal 12
Formação de brigada de incêndio 12
Minas Gerais 12
Goiás, São Paulo e Sergipe 13
Primeiros socorros 14
Transporte Mopp (movimentação de produtos perigosos) 15
Módulo I – Legislação de trânsito 15
Módulo II – Direção defensiva 16
Módulo III – Noções de primeiros socorros, respeito ao meio ambiente e prevenção de incêndio 16
Módulo IV – Movimentação de produtos perigosos 17
Atualização do curso Mopp 18
Segurança na operação de caldeiras 19
Noções de grandezas físicas e unidades 19
Caldeiras – considerações gerais 20
Operação de caldeiras 20
Tratamento de água e manutenção de caldeiras 20
Prevenção contra explosões e outros riscos 21
Legislação e normalização 21
Segurança na operação de vasos de pressão 21
Noções de grandezas físicas e unidades 21
Equipamentos de processo 22
Eletricidade 22
Instrumentação 22
Operação da unidade 22
Primeiros socorros 22
Legislação e normalização 22
Estágio prático supervisionado obrigatório 22
Anexo: Matriz de treinamentos 23
NR 06 - Conceitos e práticas sobre equipamentos de proteção 23
Treinamento do Programa de Conservação Auditiva (empregados inseridos no PCA) 23
Treinamento do Programa de Proteção Respiratória (usuário de respirador) 24
Treinamento para supervisor e profissionais de segurança 25
Treinamento para pessoa que distribui o respirador 25
Treinamento para o condutor do ensaio de vedação 26
Treinamento para o administrador do programa 27
Produtos químicos (sinalização de segurança) 29
Ergonomia (transporte manual de cargas) 29
Blaster - detonação 30
Equipamento de força motriz 31
NR 12 - Operação segura de máquinas e equipamentos 31
NR 12 - Operadores de máquinas automotrizes ou autopropelidas 32
Operador de motosserra 32
Brigada de emergência (formação de brigadista) - MG 32
Brigada de emergência (formação de brigadista) - SP 32
Brigada de emergência (formação de brigadista) - GO 33
Brigada de emergência (formação de brigadista) - SE 33
Cipamim 33
Cipa 34
Condutor de veículos de emergência 34
Empilhadeira 34
Formação de trabalhadores para manuseio de explosivos 35
Grua 35
Guindaste 36
Guindauto 36
Mopp - Condutor de veículos perigosos 36
Segurança na operação de caldeiras 37
Segurança na operação de vasos de pressão 37
NR 20 - Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis - curso de integração 37
NR 20 - Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis - curso básico 37
NR 20 - Treinamento em capacitação - curso intermediário 38
NR 20 - Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis - curso avançado I 38
NR 20 - Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis - curso avançado II 39
NR 20 - Segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis - curso específico 39
Plataforma elevatória 40
Ponte rolante e talha elétrica 40
Supervisor de radioproteção 41
Radioproteção - Treinamento para técnico de radioproteção 41
Rigger 42
RAC 01 - Trabalhos em altura 43
RAC 02 - Veículos automotores 43
RAC 03 - Equipamentos móveis 44
RAC 04 - Bloqueio e etiquetagem 44
RAC 05 - Içamento de carga 45
RAC 06 - Espaços confinados - supervisor de entrada (NR 33) 45
RAC 06 - Espaços confinados - vigias e empregados autorizados (NR 33) 47
RAC 09 - Explosivos 48
RAC 10 - Trabalhos em eletricidade - básico (NR 10) 48
RAC 10 - Trabalhos com eletricidade complementar - segurança no Sistema Elétrico de Potência - SEP (NR 10) 50
NR 22 - Integração/ambientação - mineração a céu aberto 52
NR 22 - Integração/ambientação - mineração subterrânea 52
Treinamento de ambientação - introdutório plantas químicas 53
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
5 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

Objetivos deste documento

Este documento apresenta os requisitos mínimos obrigatórios para a implantação das ações de
capacitação geradas a partir de instrução, normas regulamentadoras e outras legislações.

• Desenvolver a percepção de riscos através das ações de capacitação;


• Aumentar a capacidade de antecipar e prevenir incidentes;
• Orientar os empregados Vale Fertilizantes e empresas prestadoras de serviços no cumprimento
dos Requisitos Legais (RL) e Requisitos de Atividades Críticas (RAC).

Contexto da criação deste documento

Envolvidos na elaboração

Na Vale Fertilizantes, este documento foi desenvolvido pela área de Saúde, Segurança e Meio Ambiente,
em parceria com a área de Recursos Humanos, com base na diretriz de capacitação Vale SA, Normas
Regulamentadoras (NR) e demais legislações às quais o negócio está submetido.

Nota: Pela característica do negócio, não se aplica, na Vale Fertilizantes, a RAC 11 – Metais Líquidos.

Aplicação deste documento

Brasil

Este documento deve ser obrigatoriamente aplicado na Vale Fertilizantes em todo o Brasil, incluindo
empresas prestadoras de serviço. Para as demais empresas nas quais a Vale Fertilizantes detenha
participação, também é recomendada a sua aplicação.

Áreas internacionais

A Vale Fertilizantes recomenda a utilização deste documento como parâmetro para o desenvolvimento
de diretrizes de capacitação aderentes à legislação local.
É importante ressaltar que deve ser adotado o critério mais restritivo entre legislação local e diretrizes para
as ações de capacitação para atendimento aos Requisitos Legais (RL) e Requisitos de Atividades Críticas
(RAC).
Os conteúdos, carga horária e reciclagem dos treinamentos de RAC deverão ser seguidos na íntegra.

Estratégia educacional

Solução educacional

A solução educacional desenvolvida consiste em ações de capacitação teórica e práticas. Essa estratégia
possibilita o aprendizado por meio da apresentação de conceitos, procedimentos e recursos utilizados no
planejamento e na execução das atividades críticas.
As estratégias para apresentação do conteúdo devem ser orientadas por intermédio de:

• Apresentação de riscos associados, medidas de controle e comportamentos seguros para cada


tipo de atividade crítica;
• Exposição de casos de situações com potencial de incidentes para análise e discussão;
• Demonstração e manuseio, sempre que possível, de equipamentos de proteção indicados para
a atividade crítica e outros requisitos;
• Utilização de instrumentos de medição em situações simuladas;
• Utilização de ilustrações, infográficos e vídeos apontando práticas que envolvem um
comportamento seguro.
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
6 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

Mapeamento do público-alvo

Somente os profissionais que efetivamente exercerão atividades críticas ou que há aplicabilidade do


Requisito Legal deverão ser mapeados. Não é recomendável que sejam treinados profissionais para a
condição de “banco de reserva”, a fim de evitarmos:

• Execução de atividades críticas por empregados que não as realizam no dia a dia;
• Ocupação de vagas das pessoas que necessitariam do treinamento;
• Custos desnecessários.

Mapeamento dos instrutores

O mapeamento dos instrutores para as ações de capacitação deve observar o perfil mínimo obrigatório,
seguindo os critérios abaixo:

• Conhecimento técnico específico da ação de capacitação a ser ministrada e/ou experiência


comprovada em Saúde e Segurança, aplicada no dia a dia de áreas operacionais de, no mínimo,
2 (dois) anos;
• Para instrutor Vale Fertilizantes: multiplicador chancelado pelo Programa de Formação de
Multiplicadores Internos;
• Para instrutor de empresa contratada ou instrutor de empresa fornecedora de treinamento:
experiência comprovada como instrutor e certificado em cursos de formação didática ou
semelhante;
• Ensino médio completo;
• Desejo de ser instrutor;
• Ser reconhecido como um profissional que trabalha de forma alinhada com os valores da
Vale Fertilizantes.

As áreas de Saúde, Segurança e Meio Ambiente e Recursos Humanos locais deverão analisar o perfil
necessário de cada instrutor de acordo com os requisitos da legislação brasileira.

Validação do conhecimento técnico e da proficiência/experiência

A comprovação pode ser feita por meio de registro ou documento, tais como:

• Atestado de capacidade técnica;


• Registro em carteira de trabalho;
• Declaração de gestores registrada por e-mail;
• Certificado de condução de treinamentos na área;
• Avaliação de conhecimento técnico;
• Dentre outros.

A comprovação técnica deve ser específica para o tema sobre o qual o instrutor irá ministrar os
treinamentos/treinamentos. A carga horária para formação didática dos instrutores é de 16 horas
para empregados Vale Fertilizantes, prestadores de serviços e fornecedores de treinamentos.

Não há obrigatoriedade de prova de conhecimento para chancela do instrutor. Essa decisão deve ser
tomada pelos responsáveis das áreas de Saúde, Segurança e Meio Ambiente e Recursos Humanos locais.

Em caso de instrutores de empresas prestadoras de serviços, a área de Saúde, Segurança e Meio Ambiente
local e o gestor de contrato Vale Fertilizantes deverão decidir a necessidade de prova para chancela do
instrutor.
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
7 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

Viabilização da oferta das ações de capacitação em RAC e RL

A oferta de ações de capacitação pode ser viabilizada das seguintes formas:

• Para empregados Vale Fertilizantes, por meio de instrutores internos;


• Para prestadores de serviço, por meio de instrutores internos da empresa contratada;
• Para empregados Vale Fertilizantes e prestadores de serviço, por meio de fornecedor de
treinamento.

Para maior efetividade do treinamento, o número de participantes por turma não pode exceder 40
pessoas.

Para RAC 02, a recomendação é de, no máximo, 12 pessoas por turma.

Na Vale Fertilizantes, o planejamento da oferta dos treinamentos precisa ser conduzido pelas áreas de
negócio e equipes de Saúde, Segurança e Meio Ambiente e Recursos Humanos locais, considerando que
os conteúdos definidos no material padrão (RAC) e os conteúdos específicos sejam trabalhados como
uma única ação.

Os currículos de capacitação dos RAC 01, RAC 06 e RAC 10 substituem, em caráter de equivalência, os
treinamentos nas NR 35, NR 33 e NR 10, respectivamente.

Determinadas ações que compõem os currículos de capacitação em RAC não possuem reciclagem
obrigatória, ou seja, não possuem periodicidade. São elas: Noções de Primeiros Socorros, Proteção
Respiratória, Permissão de Trabalho, Área Classificada e Primeiros Socorros – Avançado.

Não há treinamento específico para autorização dos RAC 07 e 08. Os empregados que atuam em
atividades onde há riscos relacionados à proteção de máquinas e estabilidade de solo devem receber
orientações sobre os riscos envolvidos e medidas de controle durante seus treinamentos básicos para a
função.

Fornecedor de treinamento para empregados Vale Fertilizantes e prestadores de serviços

As áreas de Recursos Humanos e Saúde, Segurança e Meio Ambiente locais devem, em conjunto, avaliar e
autorizar os fornecedores de treinamento, considerando os seguintes critérios:

• Registro de atuação no ramo de educação e/ou treinamento em seu contrato social;


• Instrutores com perfil citado anteriormente neste documento;
• Qualidade do material didático complementar, caso haja;
• Capacidade de atendimento da demanda regional mapeada.

Empresas fornecedoras de treinamento que treinarem prestadores de serviços devem seguir as diretrizes
acima avaliadas pelo gestor do contrato Vale Fertilizantes e pela área de Saúde, Segurança e Meio
Ambiente local.

Material didático

A Vale Fertilizantes possui materiais didáticos desenvolvidos internamente para implantação das ações de
capacitação em RAC.
Para a Vale Fertilizantes, a utilização desses materiais didáticos é obrigatória para todos os instrutores
internos e externos, e fundamental para garantir que os conteúdos mínimos sejam abordados.

A utilização do material didático também é obrigatória para as empresas prestadoras de serviço.


As empresas prestadoras de serviço, por meio do seu responsável técnico, devem garantir procedimento
similar ao adotado na Vale Fertilizantes antes de apresentar os certificados de capacitação de seus
empregados.
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
8 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

Cada ação de capacitação em RAC possui um kit, com recursos necessários para que os instrutores
ministrem as ações, composto por:

• Apresentação do instrutor com recursos didáticos considerando a complexidade da ação, tais


como: jogos, vídeos, peças em 3D e infográficos;
• Guia do instrutor com plano de aula;
• Infográfico com os riscos associados e medidas de prevenção, que deve ser impresso e
distribuído aos participantes.

Os conteúdos específicos das áreas/unidades (tais como: procedimentos, plano de atendimento


à emergência, regras e outros) fazem parte da carga horária estabelecida no material padrão dos
treinamentos de RAC, sendo responsabilidade da área de Saúde, Segurança e Meio Ambiente
acrescentá-los.

A identificação dos conteúdos e o desenvolvimento dos materiais, utilizando os templates


disponibilizados no material padrão (RACs), são de responsabilidade da área de Saúde, Segurança e Meio
Ambiente local, que pode contar com o apoio da área de Recursos Humanos local.

Os materiais específicos de cada unidade devem ser disseminados para os instrutores internos e
fornecedores de treinamento, assim como o material didático padrão (RACs). Para o treinamento dos
prestadores de serviço, o material específico deve ser ministrado pela própria contratada, ou pelo
empregado Vale Fertilizantes, conforme definição da área de Saúde, Segurança e Meio Ambiente local
e gestor do contrato.

É fundamental que o instrutor tenha conhecimento desses conteúdos específicos para que possa,
durante todo o treinamento, correlacionar a teoria com a prática, dando exemplos, orientações e
provocando reflexões dos participantes.

Planejamento, execução e registro dos treinamentos

A área de Recursos Humanos planeja, em conjunto com os clientes, e acompanha a execução do


treinamento. Para as ações de RAC, a área de Recursos Humanos deve fornecer ao instrutor:

• Banco de questões sugerido para avaliação de aprendizagem dos participantes;
• Avaliação de reação (conforme PGS de T&D 3202-62-004);
• Lista de presença;
• Certificados (conforme Matriz de Treinamentos).

O instrutor é responsável por aplicar a avaliação de aprendizagem obrigatória ao fim de cada ação de
capacitação e corrigi-la. Essa avaliação deve conter 10 questões.
Para aprovação do participante, é necessário que ele obtenha aproveitamento equivalente ou superior
a 80% da avaliação aplicada.

Caso o participante não seja aprovado, poderá fazer a avaliação novamente. Não há limite de tentativas,
porém ele não pode exercer as atividades antes da aprovação.
Os treinamentos de RAC e NR a serem realizados deverão seguir os conteúdos, carga horária, tempo de
reciclagem e tipo de evidências, conforme Matriz de Treinamentos Obrigatórios. Caso haja treinamentos
não mapeados, a unidade deverá solicitar a revisão do mesmo.

Gestão das ações de capacitação em RAC e Requisitos Legais (RL)

O mapeamento das necessidades de capacitações dos empregados próprios é responsabilidade do


gestor imediato em conjunto com a área de Saúde, Segurança e Meio Ambiente local em parceria com a
área de Recursos Humanos local.

Na Vale Fertilizantes, a área de Processos de Recursos Humanos é a responsável pelo cadastro e geração
dos códigos das ações de capacitação no SAP.
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
9 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

É responsabilidade da área de Recursos Humanos local arquivar provas, listas de presenças e certificados
dos empregados Vale Fertilizantes para os treinamentos dos RAC e RL conforme Matriz de Treinamentos
Obrigatórios.

É vedada a apresentação de certificados ou lista de presença de treinamentos online (EAD), exceto


treinamento online de EPI (NR 06), disponível na Plataforma Educacional.

Ambientes de simulação prática (treinamentos práticos)

A Vale Fertilizantes considera que ambientes de simulação prática são fundamentais para reforço da
mudança de comportamento, portanto recomenda a existência de estruturas disponíveis para esse fim.

A área de Saúde, Segurança e Meio Ambiente local é responsável por garantir o atendimento obrigatório
dos requisitos legais aplicáveis ao ambiente e que as orientações básicas sejam sempre apresentadas
antes de expor o participante ao ambiente simulado.
É de responsabilidade da área de Saúde, Segurança e Meio Ambiente que as áreas de simulaçoes práticas
estejam adequadas às práticas.

RAC para gestores imediatos

Essa solução educacional visa o desenvolvimento das lideranças imediatas dos profissionais que exercem
atividades críticas no dia a dia. A carga horária é de 8 horas.
A estratégia para apresentação do conteúdo deve ser orientada por intermédio de:

• Dinâmicas de reforço do papel da liderança de profissionais que exercem atividades críticas;


• Exposição de casos de fatalidades e de situações com potencial de incidentes para análise e
discussão;
• Utilização de ilustrações, infográficos e vídeos apontando práticas de comportamento seguro.

Conteúdo programático

• Conceitos;
• Número de fatalidades por ano;
• Número de fatalidades por RAC;
• Taxas de incidentes;
• Exemplos de acidentes catastróficos em empresas;
• Situações de RAC.
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
10 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

Conteúdo programático

Direção defensiva – Motorista de ambulância

Módulo I - Legislação de trânsito

Carga horária: 10 horas/aula


Determinações do Código de Trânsito Brasileiro - CTB quanto a:

• Categoria de habilitação e relação com veículos conduzidos;


• Documentação exigida para condutor e veículo;
• Sinalização viária;
• Infrações, crimes de trânsito e penalidades;
• Regras gerais de estacionamento, parada e circulação;
• Legislação específica para veículos de emergência;
• Responsabilidades do condutor de veículo de emergência.

Módulo II – Direção defensiva

Carga horária: 15 horas/aula

• Acidente evitável ou não evitável;


• Como ultrapassar e ser ultrapassado;
• O acidente de difícil identificação da causa;
• Como evitar acidentes com outros veículos;
• Como evitar acidentes com pedestres e outros integrantes do trânsito
(motociclista, ciclista, carroceiro, skatista);
• A importância de ver e ser visto;
• A importância do comportamento seguro na condução de veículos especializados;
• Comportamento seguro e comportamento de risco – diferença que pode poupar vidas;
• Estado físico e mental do condutor, consequências da ingestão e consumo de bebida
alcoólica e substâncias psicoativas.

Módulo III – Noções de primeiros socorros, respeito ao meio ambiente e convívio social

Carga horária: 10 horas/aula

Primeiras providências quanto à vítima de acidente ou passageiro enfermo:

• Sinalização do local de acidente;


• Acionamento de recursos: bombeiros, polícia, ambulância, concessionária da via e outros;
• Verificação das condições gerais de vítima de acidente ou enfermo;
• Cuidados com a vítima ou enfermo (o que não fazer).

O veículo como agente poluidor do meio ambiente:

• Regulamentação do CONAMA sobre poluição ambiental causada por veículos;


• Emissão de gases;
• Emissão de partículas (fumaça);
• Emissão sonora;
• Manutenção preventiva do veículo para preservação do meio ambiente.
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
11 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

O indivíduo, o grupo e a sociedade:

• Relacionamento interpessoal;
• O indivíduo como cidadão;
• A responsabilidade civil e criminal do condutor e o CTB.

Módulo IV – Relacionamento interpessoal

Carga horária: 15 horas/aula

• Aspectos do comportamento e de segurança na condução de veículos de emergência;


• Comportamento solidário no trânsito;
• Responsabilidade do condutor em relação aos demais atores do processo de circulação;
• Respeito às normas estabelecidas para segurança no trânsito;
• Papel dos agentes de fiscalização de trânsito;
• Atendimento às diferenças e especificidades dos usuários (pessoas portadoras de necessidades
especiais, faixas etárias, outras condições);
• Características dos usuários de veículos de emergência;
• Cuidados especiais e atenção que devem ser dispensados aos passageiros e aos outros atores
do trânsito na condução de veículos de emergência.

Requisito:
Possuir CNH categorias: B, C, D ou E.

Atualização/reciclagem para condutores de veículos de transporte de emergência

Módulo I - Legislação de trânsito

Carga horária: 3 horas/aula

• Retomada dos conteúdos do curso de especialização;


• Atualização sobre resoluções, leis e outros documentos legais promulgados recentemente.

Módulo II – Direção defensiva

Carga horária: 5 horas/aula

• A direção defensiva como meio importante para a segurança do condutor, passageiros,


pedestres e demais usuários do trânsito;
• A responsabilidade do condutor de veículos especializados de dirigir defensivamente;
• Atualização dos conteúdos trabalhados durante o curso relacionando teoria e prática.
• Estado físico e mental do condutor, consequências da ingestão e consumo de bebida alcoólica
e substâncias psicoativas.

Módulo III – Noções de primeiros socorros, respeito ao meio ambiente e convívio social

Carga horária: 3 horas/aula

• Retomada dos conteúdos trabalhados no curso de especialização, estabelecendo a relação com


a prática vivenciada pelos condutores no exercício da profissão;
• Atualização de conhecimentos.
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
12 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

Módulo IV – Relacionamento Interpessoal

Carga horária: 5 horas/aula

• Atualização dos conhecimentos desenvolvidos no curso;


• Retomada de conceitos;
• Relacionamento da teoria e da prática;
• Principais dificuldades vivenciadas e alternativas de solução.

Requisito:
Possuir CNH categorias: B, C, D ou E.

Formação de brigada de incêndio

Minas Gerais

Módulo Assunto
Introdução Objetivos do curso e o brigadista
Teoria do fogo Combustão e seus elementos
Propagação do fogo Condução, irradiação e convecção
Classes de incêndio Classificação e características
Métodos de extinção Isolamento, abafamento,
resfriamento e extinção química
Ventilação Técnicas de ventilação
Agentes extintores Água (jato/neblina), PQS, CO2,
espumas e outros
Equipamentos de combate Extintores, hidrantes, mangueiras e
a incêndio acessórios, EPI, corte, arrombamento,
remoção e iluminação
Equipamentos de detecção, alarme Tipos e funcionamento
e comunicações
Abandono de área Procedimentos
Análise de vítimas Avaliação primária
Vias aéreas Causas de obstrução e liberação
RCP (Reanimação cardiopulmonar) Ventilação artificial e compressão
cardíaca externa
Hemorragias Classificação e tratamento
Uso de respirador Treinamento para fuga, emergência
e salvamento
Prática Combate a incêndios
Prática Primeiros socorros
Avaliação Geral

Aproveitamento de 70%
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
13 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

Goiás, São Paulo e Sergipe

Módulo Assunto Objetivos parte teórica Objetivos parte prática


Introdução Objetivos do curso Conhecer os objetivos gerais do curso
e o brigadista e comportamento do brigadista
Aspectos legais Responsabilidade do Conhecer os aspectos legais relacionados
brigadista à responsabilidade do brigadista
Teoria do fogo Combustão, seus Conhecer a combustão, seus elementos,
elementos e a reação funções, temperaturas do fogo (por
em cadeia exemplo: ponto de fulgor, ignição
e combustão) e a reação em cadeia.
Propagação do fogo Condução, convecção Conhecer as formas de propagação do
e irradiação fogo
Classes de incêndio Classificação e Identificar as classes de incêndio Reconhecer as classes
características de incêndio
Prevenção de incêndio Técnicas de prevenção Conhecer as técnicas de prevenção para
avaliação dos riscos em potencial
Métodos de extinção Isolamento, Conhecer os métodos e suas aplicações Aplicar os métodos
abafamento,
resfriamento
e extinção química
Agentes extintores Água, Pós, CO2, Conhecer os agentes, suas características Aplicar os agentes
espumas e outros e aplicações
EPIs (equipamentos EPI Conhecer os EPIs necessários para Utilizar os EPIs corretamente
de proteção individual) proteção da cabeça, dos olhos, do tronco,
dos membros superiores e inferiores e do
corpo todo
Equipamentos de Extintores e acessórios Conhecer os equipamentos, suas Operar os equipamentos
combate a incêndio aplicações, manuseio e inspeções
Equipamentos de Hidrantes, mangueiras Conhecer os equipamentos suas Operar os equipamentos
combate a incêndio e acessórios aplicações, manuseio e inspeções
Equipamentos de Tipos e funcionamento Conhecer os meios mais comuns Identificar as formas de
detecção, alarme, de sistemas e manuseio acionamento e desativação
luz de emergência dos equipamentos
e comunicações
Abandono de área Conceitos Conhecer as técnicas de abandono de
área, saída organizada, pontos de encontro
e chamada e controle de pânico
Pessoas com Conceitos Descrever as técnicas de abordagem,
mobilidade reduzida cuidados e condução de acordo com
as peculiaridades da planta
Riscos específicos Conhecimento Discutir os riscos específicos de combate
da planta a incêndio da planta
Psicologia em Conceitos Conhecer a reação das pessoas em
emergências situações de emergência
Uso de respirador Treinamento para Conhecer as medidas de controle coletivo Realizar exercícios práticos
fuga, emergência e administrativo adotadas e a necessidade referentes à colocação e ao
e salvamento do uso de respiradores para proporcionar uso dos respiradores, e à
a proteção adequada, o motivo de ter verificação da vedação na
sido escolhido aquele tipo de respirador colocação
contra aquele risco respiratório, os perigos,
os riscos e as consequências da não
utilização do respirador de modo correto,
o funcionamento, as características e as
limitações do respirador selecionado,
incluindo a vida útil dos filtros e os
respiradores utilizados em situações
de emergência
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
14 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

Primeiros socorros

Módulo Assunto Objetivos parte teórica Objetivos parte prática


Avaliação inicial Avaliação do cenário, Conhecer os riscos iminentes, os Avaliar e reconhecer os riscos iminentes, os
mecanismo de lesão mecanismos de lesão, número de mecanismos de lesão, o número de vítimas
e número de vítimas vítimas e o exame físico destas e o exame físico destas

Vias aéreas Causas de obstrução Conhecer os sinais e sintomas de Descrever os sinais e sintomas de obstruções
e liberação obstruções em adultos, crianças e em adultos, crianças e bebês, conscientes
bebês conscientes e inconscientes e inconscientes, e promover a desobstrução

RCP (reanimação Ventilação artificial Conhecer as técnicas de RCP para Praticar as técnicas de RCP
cardiopulmonar) e compressão e adultos, crianças e bebês
tratamento
Hemorragias Classificação e Descrever as técnicas de hemostasia Aplicar as técnicas de contenção
tratamento de hemorragias
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
15 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

Transporte Mopp (movimentação de produtos perigosos)

Módulo I - Legislação de trânsito

Carga horária: 10 horas/aula

Determinações do Código de Trânsito Brasileiro – CTB quanto a:

• Categoria de habilitação e relação com veículos conduzidos;


• Documentação exigida para condutor e veículo;
• Sinalização viária;
• Infrações, crimes de trânsito e penalidades;
• Regras gerais de estacionamento, parada, conduta e circulação;
• Legislação específica e normas sobre transporte de produtos perigosos;
• Cargas de produtos perigosos;
• Conceitos, considerações e exemplos;
• Acondicionamento: verificação da integridade do acondicionamento (se há vazamentos ou
contaminação externa);
• Instrumentos de tanques (manômetros e outros);
• Proibição do transporte de animais, produtos para uso humano ou animal (alimentos,
medicamentos e embalagens afins), juntamente com produtos perigosos;
• Utilização do veículo que transporta produtos perigosos para outros fins;
• Descontaminação quando permitido;
• Responsabilidade do condutor durante o transporte;
• Fatores de interrupção da viagem;
• Participação do condutor no carregamento e descarregamento do veículo;
• Trajes e equipamentos de proteção individual;
• Documentação e simbologia;
• Documentos fiscais e de trânsito.

Documentos e símbolos relativos aos produtos transportados:

• Certificados de capacitação;
• Ficha de emergência;
• Envelope para o transporte;
• Marcação e rótulos nas embalagens;
• Rótulos de risco principal e subsidiário;
• Painel de segurança;
• Sinalização em veículos.

Registrador instantâneo e inalterável de velocidade e tempo:

• Definição;
• Funcionamento;
• Importância e obrigatoriedade do seu uso;
• Das infrações e penalidades (CTB e Legislação Específica);
• Tipificações, multas e medidas administrativas.
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
16 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

Módulo II - Direção defensiva

Carga horária: 15 horas/aula

• Acidente evitável ou não evitável;


• Como ultrapassar e ser ultrapassado;
• O acidente de difícil identificação da causa;
• Como evitar acidentes com outros veículos;
• Como evitar acidentes com pedestres e outros integrantes do trânsito (motociclista, ciclista,
carroceiro, skatista);
• A importância de ver e ser visto;
• A importância do comportamento seguro na condução de veículos especializados;
• Comportamento seguro e comportamento de risco – diferença que pode poupar vidas;
• Comportamento pós-acidente;
• Estado físico e mental do condutor, consequências da ingestão e consumo de bebida alcoólica e
substâncias psicoativas.

Módulo III - Noções de primeiros socorros, respeito ao meio ambiente e prevenção de incêndio

Carga horária: 10 horas/aula

Primeiros socorros

Primeiras providências quanto a acidente de trânsito:

• Sinalização do local de acidente;


• Acionamento de recursos: bombeiros, polícia, ambulância, concessionária da via e outros;
• Verificação das condições gerais de vítima de acidente de trânsito;
• Cuidados com a vítima de acidente, ou contaminação (o que não fazer) em conformidade com a
periculosidade da carga e/ou produto transportado.

Meio ambiente

• O veículo como agente poluidor do meio ambiente;


• Regulamentação do CONAMA sobre poluição ambiental causada por veículos;
• Emissão de gases;
• Emissão de partículas (fumaça);
• Emissão de ruídos;
• Manutenção preventiva do veículo;
• O indivíduo, o grupo e a sociedade;
• Relacionamento interpessoal;
• O indivíduo como cidadão;
• A responsabilidade civil e criminal do condutor e o CTB;
• Conceitos de poluição: causas e consequências.
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
17 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

Prevenção de incêndio

• Conceito de fogo;
• Triângulo de fogo;
• Fontes de ignição;
• Classificação de incêndios;
• Tipos de aparelhos extintores;
• Agentes extintores;
• Escolha, manuseio e aplicação dos agentes extintores.

Módulo IV - Movimentação de produtos perigosos

Carga horária: 15 horas/aula

Produtos perigosos

• Classificação dos produtos perigosos;


• Simbologia;
• Reações químicas (conceituações);
• Efeito de cada classe sobre o meio ambiente;
• Explosivos:
• Conceituação;
• Divisão da classe;
• Regulamentação específica do Ministério da Defesa;
• Comportamento preventivo do condutor;
• Procedimentos em casos de emergência.

Gases

• Inflamáveis, não-inflamáveis, tóxicos e não-tóxicos:


• Comprimidos;
• Liquefeitos;
• Mistura de gases;
• Refrigerados;
• Em solução;
• Comportamento preventivo do condutor;
• Procedimentos em casos de emergência.

Líquidos inflamáveis e produtos transportados a temperaturas elevadas

• Ponto de fulgor;
• Comportamento preventivo do condutor;
• Procedimentos em casos de emergência;
• Sólidos inflamáveis; substâncias sujeitas a combustão espontânea; substâncias que, em contato com
a água, emitem gases inflamáveis;
• Comportamento preventivo do condutor;
• Procedimentos em casos de emergência.
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
18 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

Produtos que necessitam de controle de temperatura

• Substâncias oxidantes e peróxidos orgânicos;


• Comportamento preventivo do condutor;
• Procedimentos em casos de emergência.

Substâncias tóxicas e substâncias infectantes

• Comportamento preventivo do condutor;


• Procedimentos em casos de emergência.

Substâncias radioativas

• Legislação específica pertinente;


• Comportamento preventivo do condutor;
• Procedimentos em casos de emergência.

Corrosivos

• Comportamento preventivo do condutor;


• Procedimentos em casos de emergência;
• Substâncias perigosas diversas;
• Comportamento preventivo do condutor;
• Procedimentos em casos de emergência.

Riscos múltiplos

• Comportamento preventivo do condutor;


• Procedimentos em casos de emergência.

Resíduos

• Legislação específica pertinente;


• Comportamento preventivo do condutor;
• Procedimentos em casos de emergência

Atualização do curso Mopp

Direção defensiva

• Álcool e drogas;
• Comportamento pós-acidente;
• Reforço de conceitos e estudo de casos.
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
19 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

Prevenção de acidentes

• Classificação de incêndio;
• Tipos de aparelhos extintores;
• Manuseio e aplicação dos agentes extintores.

Movimentação de produtos perigosos

• Reforço de conceitos;
• Comportamento pré e pós-emergências;
• Estudos de casos.

Atualização em legislação

• Leis, decretos, portarias e resoluções;


• Normas técnicas e documentação.

Meio ambiente e cidadania

• O cidadão e o meio ambiente;


• Legislação específica;
• Conceito de poluição, causas e consequências;
• Riscos para a saúde;
• A importância de uma operação adequada;
• Cuidados na substituição de fluidos;
• Detecção de veículos poluidores;
• Poluição sonora e visual.

Segurança na operação de caldeiras

Noções de grandezas físicas e unidades

Carga horária: 4 horas


1 - Pressão
1.1 - Pressão atmosférica
1.2 - Pressão interna de um vaso
1.3 - Pressão manométrica, pressão relativa e pressão absoluta
1.4 - Unidades de pressão
2 - Calor e temperatura
2.1 - Noções gerais: o que é calor, o que é temperatura
2.2 - Modos de transferência de calor
2.3 - Calor específico e calor sensível
2.4 - Transferência de calor a temperatura constante
2.5 - Vapor saturado e vapor superaquecido
2.6 - Tabela de vapor saturado
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
20 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

Caldeiras - considerações gerais

Carga horária: 8 horas


1 - Tipos de caldeiras e suas utilizações
2 - Partes de uma caldeira
2.1 - Caldeiras flamotubulares
2.2 - Caldeiras aquotubulares
2.3 - Caldeiras elétricas
2.4 - Caldeiras a combustíveis sólidos
2.5 - Caldeiras a combustíveis líquidos
2.6 - Caldeiras a gás
2.7 - Queimadores
3 - Instrumentos e dispositivos de controle de caldeiras
3.1 - Dispositivo de alimentação
3.2 - Visor de nível
3.3 - Sistema de controle de nível
3.4 - Indicadores de pressão
3.5 - Dispositivos de segurança
3.6 - Dispositivos auxiliares
3.7 - Válvulas e tubulações
3.8 - Tiragem de fumaça

Operação de caldeiras

Carga horária: 12 horas


1 - Partida e parada
2 - Regulagem e controle
2.1 - De temperatura
2.2 - De pressão
2.3 - De fornecimento de energia
2.4 - Do nível de água
2.5 - De poluentes
3 - Falhas de operação, causas e providências
4 - Roteiro de vistoria diária
5 - Operação de um sistema de várias caldeiras
6 - Procedimentos em situações de emergência

Tratamento de água e manutenção de caldeiras

Carga horária: 8 horas


1 - Impurezas da água e suas consequências
2 - Tratamento de água
3 - Manutenção de caldeiras
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
21 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

Prevenção contra explosões e outros riscos

Carga horária: 4 horas


1 - Riscos gerais de acidentes e riscos à saúde
2 - Riscos de explosão

Legislação e normalização

Carga horária: 4 horas


1 - Normas Regulamentadoras
2 - Norma Regulamentadora 13 - NR 13

Estágio prático supervisionado obrigatório:


a) Caldeiras da categoria A: 80 (oitenta) horas
b) Caldeiras da categoria B: 60 (sessenta) horas
c) Caldeiras da categoria C: 40 (quarenta) horas

Segurança na operação de vasos de pressão

Noções de grandezas físicas e unidades

Carga horária: 4 horas


1 - Pressão
1.1 - Pressão atmosférica
1.2 - Pressão interna de um vaso
1.3 - Pressão manométrica, pressão relativa e pressão absoluta
1.4 - Unidades de pressão

2 - Calor e temperatura
2.1 - Noções gerais: o que é calor, o que é temperatura
2.2 - Modos de transferência de calor
2.3 - Calor específico e calor sensível
2.4 - Transferência de calor a temperatura constante
2.5 - Vapor saturado e vapor superaquecido
Diretrizes para as ações de capacitação para atendimento
22 aos Requisitos Legais e Requisitos de Atividades Críticas

Equipamentos de processo

Carga horária: estabelecida de acordo com a complexidade da unidade, mantendo um mínimo de 4 horas por item,
onde aplicável.

1 - Trocadores de calor
2 - Tubulação, válvulas e acessórios
3 - Bombas
4 - Turbinas e ejetores
5 - Compressores
6 - Torres, vasos, tanques e reatores
7 - Fornos
8 - Caldeiras

Eletricidade

Carga horária: 4 horas

Instrumentação

Carga horária: 8 horas

Operação da unidade

Carga horária: estabelecida de acordo com a complexidade da unidade (mínimo 16 horas)


1 - Descrição do processo
2 - Partida e parada
3 - Procedimentos de emergência
4 - Descarte de produtos químicos e preservação do meio ambiente
5 - Avaliação e controle de riscos inerentes ao processo
6 - Prevenção contra deterioração, explosão e outros riscos

Primeiros socorros

Carga horária: 8 horas

Legislação e normalização

Carga horária: 4 horas

Estágio prático supervisionado obrigatório

Carga horária: 300 horas para vasos categorias I e II


23 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo Mínimo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Programático
Reciclagem
NR 06 - Conceitos NR 06 2h NR 06 a) Características e limitações dos EPIs adotados; 3 anos 2h Conceitos e práticas sobre Equipamentos Lista de presença Curso online disponível para os
e práticas sobre b) “Por que usar?”, ”Quem deverá usar?”, ”Como usar?” e de Proteção ou plataforma empregados próprios da Vale
equipamentos de “Quando usar?”; online Fertilizantes. A capacitação do uso
proteção c) ”Onde?” e ”Como?” guardar o EPI quando não estiver de EPI deve ser aplicada antes da
em uso; distribuição destes para assegurar
d) Conservação do EPI em condições de uso; o pleno entendimento dos usuários
e) ”Quando?” e “Para quem?” entregar o EPI para quanto à sua correta utilização e o
limpeza e conservação; conhecimento dos procedimentos de
f ) Como fazer a limpeza e a conservação?; segurança específicos em sua área de
g) “Quando?”, ”Onde?” e “Com quem?” fazer a trabalho. Os treinamentos também
substituição do EPI; podem ser realizados em sala de aula
h) Informações sobre a obrigatoriedade do uso pela área de Saúde e Segurança local,
adequado do EPI fornecido e sobre as sanções que pode delegar esta atribuição a
previstas, em caso de desobediência das regras. outras áreas ou fornecedores externos,
i) Não devem ser adotados treinamentos genéricos ou desde que sejam profissionais
normas e procedimentos gerais; devidamente habilitados pela unidade.
j) Obrigatoriedade da utilização de EPI, limitação de Área de saúde e segurança local
uso, conservação, inspeção, manutenção, conservação, definirá as funções que necessitam de
troca e sanções. treinamento em sala de aula.

Treinamento do Ordem de 1h30 Programa de • A necessidade do uso da proteção auditiva e efeitos 2 anos 1h • A necessidade do uso da proteção Lista de presença
Programa de Serviço 608 Conservação Auditiva no organismo; auditiva e efeitos no organismo; e prova
Conservação (PCA) • A necessidade de informar o seu supervisor de • A necessidade de informar o seu
Auditiva qualquer problema que tenha ocorrido consigo devido supervisor de qualquer problema que
(empregados ao uso do protetor auditivo, ou com seus colegas de tenha ocorrido consigo devido ao uso do
inseridos no PCA) trabalho; protetor auditivo, ou com seus colegas de
• Explicação do porque de a proteção coletiva não estar trabalho;
sendo realizada, ou não ser adequada, e o que está • Explicação do porque de a proteção
sendo feito para diminuir ou eliminar a necessidade de coletiva não estar sendo realizada, ou não
uso de protetores auditivos; ser adequada, e o que está sendo feito
• Explicação do porque de ter sido escolhido aquele para diminuir ou eliminar a necessidade
tipo de protetor; de uso de protetores auditivos;
• Explicação sobre a operação, capacidade e as • Explicação do porque de ter sido
limitações do protetor auditivo selecionado; escolhido aquele tipo de protetor;
• Instruções sobre inspeção e colocação correta do • Explicação sobre a operação, capacidade
protetor; e as limitações do protetor auditivo
• Explicações de como manter e guardar o protetor; selecionado;
• Os efeitos à saúde ocasionados pela exposição a nível • Instruções sobre inspeção e colocação
de pressão sonora elevado; correta do protetor;
• A interpretação dos resultados dos exames • Explicações de como manter e guardar
audiométricos; o protetor;
• Concepção, metodologia, estratégia e interpretação • Os efeitos à saúde ocasionados pela
dos resultados das avaliações ambientais; exposição a nível de pressão sonora
• Medidas de proteção coletivas e individuais possíveis. elevado;
• A interpretação dos resultados dos
exames audiométricos;
• Concepção, metodologia, estratégia
e interpretação dos resultados das
avaliações ambientais;
• Medidas de proteção coletivas e
individuais possíveis.
24 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo Mínimo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Programático
Reciclagem
Treinamento Instrução 1h30 Programa • As medidas de controle coletivo e 1 ano 1h30 • As medidas de controle coletivo e Lista de presença e Não será obrigatória a realização do treinamento
do Programa Normativa 01 de Proteção administrativo adotadas e a necessidade administrativo adotadas e a necessidade prova. Deverão ser para os empregados que desempenham
de Proteção de 11 de abril Respiratória do uso de respiradores para proporcionar a do uso de respiradores para proporcionar a guardados os registros atividades em áreas consideradas tipicamente
Respiratória de 1994 (PPR) proteção adequada. proteção adequada. de treinamento de administrativas (realizadas na maior parte do
(usuário de • O motivo de ter sido escolhido aquele tipo de • O motivo de ter sido escolhido aquele tipo de cada usuário, nos tempo em escritórios), sendo que a utilização do
respirador) respirador contra aquele risco respiratório. respirador contra aquele risco respiratório. quais constem: nome e respirador é realizada de forma eventual, e que
• Os perigos, os riscos e as consequências da • Os perigos, os riscos e as consequências da assinatura do usuário; o uso do equipamento de proteção respiratória
não utilização do respirador de modo correto. não utilização do respirador de modo correto. nome do instrutor; data; não faça parte da rotina do empregado no
• O funcionamento, as características e as • O funcionamento, as características e as local; tipo e conteúdo desempenho de suas atividades. Exemplo de
limitações do respirador selecionado, limitações do respirador selecionado, incluindo do treinamento cargos: diretores, gerentes gerais, profissionais
incluindo a vida útil dos filtros e os respiradores a vida útil dos filtros e os respiradores utilizados recebido; tipo(s) de da área de RH, contabilidade, compras, jurídico,
utilizados em situações de emergência. em situações de emergência. respirador(es) para o(s) assistentes administrativos, dentre outros que se
• Realização de exercícios práticos referentes • Realização de exercícios práticos referentes qual(is) o treinamento enquadrem no critério. Os Responsáveis Técnicos
à colocação e ao uso dos respiradores, à à colocação e ao uso dos respiradores, à foi direcionado; e o (administradores do programa de PPR) das
verificação da vedação na colocação, bem verificação da vedação na colocação, bem como resultado da avaliação. unidades operacionais, além do critério acima
como explicações acerca da necessidade do explicações acerca da necessidade do ensaio citado, definirão o público-alvo com base nas
ensaio de vedação. de vedação. avaliações dos agentes ambientais (avaliação do
• As consequências da omissão do uso. • As consequências da omissão do uso. risco respiratório) inseridas nos programas legais.
• A influência da vedação no FPA. • A influência da vedação no FPA. OBS.: Numa área em que podem ocorrer situações
• Realização de exercícios práticos com o • Realização de exercícios práticos com o de emergência devido aos riscos potenciais, os
objetivo de familiarizar o usuário com a objetivo de familiarizar o usuário usuários dos respiradores de fuga deverão ser
inspeção, a manutenção, a higienização e a com a inspeção, a manutenção, a higienização e treinados quanto a seu uso. As pessoas que não
guarda dos respiradores. a guarda dos respiradores. realizam tarefas nessa área, ou os visitantes,
• Os procedimentos a serem obedecidos em • Os procedimentos a serem obedecidos em devem receber instruções sobre seu uso. Para
caso de emergência e o uso de respiradores em caso de emergência e o uso de respiradores em essas pessoas não são obrigatórios o treinamento
situação de fuga. situação de fuga. detalhado no PPR. (Nesse caso a própria unidade
• As normas e os regulamentos sobre o uso de • As normas e os regulamentos sobre o uso de pode realizar esse treinamento para situações
respiradores. respiradores. de emergência, conforme necessidade e
• A necessidade de informar ao supervisor • A necessidade de informar ao supervisor abrangência). Equipes de emergência, como
qualquer problema que tenha ocorrido consigo qualquer problema que tenha ocorrido consigo brigadas de incêndio e salvamento, devem ser
ou com seus colegas de trabalho devido ao uso ou com seus colegas de trabalho devido ao uso criadas pelo empregador e treinadas quanto
do respirador. do respirador. ao uso de respiradores. Deve ser estabelecido
um programa conveniente de treinamento que
inclua a simulação da(s) emergência(s) para
assegurar a eficiência e a familiaridade com o
uso de respiradores pelos membros da equipe.
(Nesse caso a própria unidade pode realizar
esse treinamento para situações de emergência,
conforme necessidade e abrangência).
25 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Mínimo Programático
Reciclagem
Treinamento Instrução 1h30 Programa de Proteção • Conhecimentos básicos sobre práticas de 2 anos 1h30 • Conhecimentos básicos sobre práticas Deverão ser guardados Supervisor: aquele que tem a
para supervisor e Normativa 01 Respiratória (PPR) proteção respiratória. de proteção respiratória. os registros de responsabilidade de acompanhar a
profissionais de de 11 de abril • Regulamentos e legislação relativos à • Regulamentos e legislação relativos à treinamento de cada realização do trabalho de uma ou mais
segurança de 1994 seleção e ao uso dos respiradores. seleção e ao uso dos respiradores. usuário, nos quais pessoas que necessitam usar respirador,
• Critérios para a seleção dos respiradores • Critérios para a seleção dos respiradores constem: nome deve receber treinamento adequado
usados pelas pessoas que estão sob sua usados pelas pessoas que estão sob sua e assinatura do conforme conteúdo programático.
supervisão. supervisão. usuário; nome do Profissionais da segurança: profissionais
• Treinamento de usuários de respiradores. • Treinamento de usuários de respiradores. instrutor; data; local; do SESMT que tenham quaisquer
• Verificação de vedação, ensaio de vedação e • Verificação de vedação, ensaio de tipo e conteúdo do atividades de fiscalização, treinamento,
distribuição dos respiradores. vedação e distribuição dos respiradores. treinamento recebido; orientação ou que tenham suporte
• As consequências da omissão do uso. • As consequências da omissão do uso. tipo(s) de ou responsabilidade no Programa de
• A influência da vedação no FPA. • A influência da vedação no FPA. respirador(es) para o(s) Proteção Respiratória.
• Inspeção dos respiradores. • Inspeção dos respiradores. qual(is) o treinamento
• Uso e monitoramento do uso de • Uso e monitoramento do uso de foi direcionado; e o
respiradores. respiradores. resultado da avaliação.
• Manutenção, descarte, higienização e • Manutenção, descarte, higienização e
guarda dos respiradores. guarda dos respiradores.
• Natureza e extensão dos riscos respiratórios • Natureza e extensão dos riscos
a que as pessoas que estão sob sua respiratórios a que as pessoas que estão
supervisão poderão ficar expostas com a sob sua supervisão poderão ficar expostas
omissão do uso do respirador. com a omissão do uso do respirador.
• Reconhecimento e resolução dos problemas • Reconhecimento e resolução dos
decorrentes do uso de respiradores. problemas decorrentes do uso de
respiradores.

Treinamento Instrução 1h30 Programa de Proteção Deve receber treinamento, a fim de garantir 3 anos 1h30 Deve receber treinamento, a fim de Deverão ser guardados Esse treinamento é realizado através
para pessoa Normativa 01 Respiratória (PPR) que o trabalhador receba o respirador garantir que o trabalhador receba o os registros de da orientação contida no PPR. É de
que distribui de 11 de abril adequado para a tarefa, conforme definido respirador adequado para a tarefa, treinamento de responsabilidade do administrador
o respirador (a de 1994 nos procedimentos operacionais escritos no conforme definido nos procedimentos cada usuário, nos do Programa de Proteção Respiratória
pessoa indicada PPR da unidade. operacionais escritos no PPR da unidade. quais constem: da unidade aplicar o treinamento e
para distribuir os nome e assinatura encaminhar a evidência necessária ao
respiradores) do usuário; nome RH local para os devidos registros e
do instrutor; data; arquivamento.
local; tipo e conteúdo
do treinamento
recebido; tipo(s) de
respirador(es) para o(s)
qual(is) o treinamento
foi direcionado; e o
resultado da avaliação
(se aplicada).
26 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Mínimo Programático
Reciclagem
Treinamento para Instrução 1h30 Programa de Proteção • Seleção do respirador adequado à 3 anos 1h30 • Seleção do respirador adequado à Deverão ser guardados Esse treinamento é realizado através
o condutor do Normativa 01 Respiratória (PPR) exposição e ao usuário. exposição e ao usuário. os registros de da orientação contida no PPR. É de
ensaio de vedação de 11 de abril • Inspeção dos respiradores. • Inspeção dos respiradores. treinamento de cada responsabilidade do administrador
de 1994 • Habilidade para colocar corretamente a • Habilidade para colocar corretamente a usuário, nos quais do Programa de Proteção Respiratória
cobertura das vias respiratórias cobertura das vias respiratórias constem: nome da unidade aplicar o treinamento e
no rosto e realizar a verificação de vedação. no rosto e realizar a verificação de e assinatura do encaminhar a evidência necessária ao
• Habilidade para reconhecer um respirador vedação. usuário; nome do RH local para os devidos registros e
com vedação precária. • Habilidade para reconhecer um instrutor; data; local; arquivamento.
• Propósito e aplicabilidade dos ensaios de respirador com vedação precária. tipo e conteúdo do
vedação, as diferenças entre • Propósito e aplicabilidade dos ensaios de treinamento recebido;
eles e o uso correto dos métodos qualitativos vedação, as diferenças entre tipo(s) de
e quantitativos. eles e o uso correto dos métodos respirador(es) para o(s)
• Finalidade dos exercícios do protocolo. qualitativos e quantitativos. qual(is) o treinamento
• Preparação das peças faciais que serão • Finalidade dos exercícios do protocolo. foi direcionado; e o
ensaiadas. • Preparação das peças faciais que serão resultado da avaliação.
• Realização da checagem das peças faciais e ensaiadas.
do equipamento de ensaio. • Realização da checagem das peças
• Capacidade e limitações do equipamento faciais e do equipamento de ensaio.
de teste. • Capacidade e limitações do
• Condução correta do ensaio seguindo o equipamento de teste.
método escolhido. • Condução correta do ensaio seguindo o
• Problemas que podem surgir durante a método escolhido.
realização do teste e como • Problemas que podem surgir durante a
preveni-los e corrigi-los. realização do teste e como
• Interpretação dos resultados do ensaio. preveni-los e corrigi-los.
• Informações que devem ser registradas. • Interpretação dos resultados do ensaio.
• Informações que devem ser registradas.
27 Matriz de treinamentos

Carga
Carga
Descrição Requisito Atendimento Ação de Capacitação / Conteúdo Mínimo Programático Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária
Reciclagem
Treinamento para Instrução 24h Programa • As medidas de controle coletivo e administrativo adotadas 3 anos 1h30 As medidas de controle coletivo e administrativo adotadas Deverão ser guardados Esse treinamento
o administrador Normativa 01 de Proteção e a necessidade do uso de respiradores para proporcionar a e a necessidade do uso de respiradores para proporcionar a os registros de deverá ser realizado
do programa de 11 de abril Respiratória proteção adequada. proteção adequada. treinamento de cada incluindo todos
de 1994 (PPR) • O motivo de ter sido escolhido aquele tipo de respirador contra • O motivo de ter sido escolhido aquele tipo de respirador usuário, nos quais os temas do PPR e
aquele risco respiratório. contra aquele risco respiratório. constem: nome e de um nível mais
• Os perigos, os riscos e as consequências da não utilização do • Os perigos, os riscos e as consequências da não utilização assinatura do usuário; elevado.
respirador de modo correto. do respirador de modo correto. nome do instrutor; data;
• O funcionamento, as características e as limitações do • O funcionamento, as características e as limitações do local; tipo e conteúdo do
respirador selecionado, incluindo a vida útil dos filtros e os respirador selecionado, incluindo a vida útil dos filtros e os treinamento recebido;
respiradores utilizados em situações de emergência. respiradores utilizados em situações de emergência. tipo(s) de
• Realização de exercícios práticos referentes à colocação e ao • Realização de exercícios práticos referentes à colocação respirador(es) para o(s)
uso dos respiradores, à verificação da vedação na colocação, bem e ao uso dos respiradores, à verificação da vedação na qual(is) o treinamento
como explicações acerca da necessidade do ensaio de vedação. colocação, bem como explicações acerca da necessidade foi direcionado; e o
• As consequências da omissão do uso. do ensaio de vedação. resultado da avaliação.
• A influência da vedação no FPA. • As consequências da omissão do uso.
• Realização de exercícios práticos com o objetivo de familiarizar • A influência da vedação no FPA.
o usuário com a inspeção, a manutenção, a higienização e a • Realização de exercícios práticos com o objetivo de
guarda dos respiradores. familiarizar o usuário com a inspeção, a manutenção, a
• Os procedimentos a serem obedecidos em caso de emergência higienização e a guarda dos respiradores.
e o uso de respiradores em situação de fuga. • Os procedimentos a serem obedecidos em caso de
• As normas e os regulamentos sobre o uso de respiradores. emergência e o uso de respiradores em situação de fuga.
• A necessidade de informar ao supervisor qualquer problema • As normas e os regulamentos sobre o uso de respiradores.
que tenha ocorrido consigo ou com seus colegas de trabalho • A necessidade de informar ao supervisor qualquer
devido ao uso do respirador. problema que tenha ocorrido consigo ou com seus colegas
• Conhecimentos básicos sobre práticas de proteção respiratória. de trabalho devido ao uso do respirador.
• Regulamentos e legislação relativos à seleção e ao uso dos • Conhecimentos básicos sobre práticas de proteção
respiradores. respiratória.
• Critérios para a seleção dos respiradores usados pelas pessoas • Regulamentos e legislação relativos à seleção e ao uso dos
que estão sob sua supervisão. respiradores.
• Treinamento de usuários de respiradores. • Critérios para a seleção dos respiradores usados pelas
• Verificação de vedação, ensaio de vedação e distribuição dos pessoas que estão sob sua supervisão.
respiradores. • Treinamento de usuários de respiradores.
• Inspeção dos respiradores; distribuição de EPR (mesmo • Verificação de vedação, ensaio de vedação e distribuição
conteúdo de quem distribui). dos respiradores.
• Uso e monitoramento do uso de respiradores. • Inspeção dos respiradores; distribuição de EPR (mesmo
• Manutenção, descarte, higienização e guarda dos respiradores. conteúdo de quem distribui).
• Natureza e extensão dos riscos respiratórios a que as pessoas • Uso e monitoramento do uso de respiradores.
que estão sob sua supervisão poderão ficar expostas com a • Manutenção, descarte, higienização e guarda dos
omissão do uso do respirador. respiradores.
• Natureza e extensão dos riscos respiratórios a que as
pessoas que estão sob sua supervisão poderão ficar
expostas com a omissão do uso do respirador.
28 Matriz de treinamentos

Carga
Carga
Descrição Requisito Atendimento Ação de Capacitação / Conteúdo Mínimo Programático Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária
Reciclagem
• Reconhecimento e resolução dos problemas decorrentes do • Reconhecimento e resolução dos problemas decorrentes
uso de respiradores. do uso de respiradores.
• Seleção do respirador adequado à exposição e ao usuário. • Seleção do respirador adequado à exposição e ao usuário.
• Inspeção dos respiradores. • Inspeção dos respiradores.
• Habilidade para colocar corretamente a cobertura das vias • Habilidade para colocar corretamente a cobertura das vias
respiratórias no rosto e realizar a verificação de vedação. respiratórias no rosto e realizar a verificação de vedação.
• Habilidade para reconhecer um respirador com vedação • Habilidade para reconhecer um respirador com vedação
precária. precária.
• Propósito e aplicabilidade dos ensaios de vedação, as • Propósito e aplicabilidade dos ensaios de vedação,
diferenças entre eles as diferenças entre eles e o uso correto dos métodos
e o uso correto dos métodos qualitativos e quantitativos. qualitativos e quantitativos.
• Finalidade dos exercícios do protocolo. • Finalidade dos exercícios do protocolo.
• Preparação das peças faciais que serão ensaiadas. • Preparação das peças faciais que serão ensaiadas.
• Realização da checagem das peças faciais e do equipamento • Realização da checagem das peças faciais e do
de ensaio. equipamento de ensaio.
• Capacidade e limitações do equipamento de teste. • Capacidade e limitações do equipamento de teste.
• Condução correta do ensaio seguindo o método escolhido. • Condução correta do ensaio seguindo o método escolhido.
• Problemas que podem surgir durante a realização do teste e • Problemas que podem surgir durante a realização do teste
como e como preveni-los
preveni-los e corrigi-los. e corrigi-los.
• Interpretação dos resultados do ensaio. • Interpretação dos resultados do ensaio.
• Informações que devem ser registradas. • Informações que devem ser registradas.
• Deve ser estabelecido um programa conveniente de • Deve ser estabelecido um programa conveniente de
treinamento que inclua a simulação da(s) emergência(s) treinamento que inclua
para assegurar a eficiência e a familiaridade com o uso de a simulação da(s) emergência(s) para assegurar a eficiência
respiradores pelos membros da equipe. e a familiaridade com o uso de respiradores pelos membros
da equipe.
29 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Mínimo Programático
Reciclagem
Produtos químicos NR 26 1h30 Gestão de produtos • Compreensão da rotulagem preventiva e a NA NA NA Lista de presença O treinamento não necessariamente
(sinalização de químicos ficha com dados de segurança do produto deve ser presencial em sala de aula,
segurança) químico; devendo-se atentar para a compreensão
• Perigos, riscos, medidas preventivas para o dos riscos por parte dos usuários. É de
uso seguro e procedimentos para atuação responsabilidade da unidade aplicar o
em situações de emergência com o produto treinamento e encaminhar a evidência
químico. necessária ao RH local para os devidos
registros e arquivamento. As unidades
devem providenciar treinamento a
todos os usuários de produtos químicos,
para que saibam onde encontrar as
informações necessárias à sua proteção
nas respectivas FISPQ. OBS.: Os métodos
para comunicar as informações
pertinentes das FISPQ para os
empregados podem envolver Diálogos,
bate-papo, comunicação visual, entre
outros.

Ergonomia NR 17 1h30 Ergonomia 17.2.3 - Todo • Definição; 3 anos 1h30 • Definição; Lista de presença Esse treinamento é de responsabilidade
(transporte trabalhador designado • Objetivo; • Objetivo; e prova. da área do empregado que deverá
manual de para o transporte manual • Legislação; • Legislação; aplicar o treinamento e encaminhar a
cargas) regular de cargas, que • Ergonomia no ambiente de trabalho; • Ergonomia no ambiente de trabalho; evidência necessária ao RH local para os
não as leves, deve receber • Principais danos à saúde; • Principais danos à saúde; devidos registros e arquivamento.
treinamento ou instruções • Capacidade individual de carga; • Capacidade individual de carga;
satisfatórias quanto aos • Distribuição simétrica de carga; • Distribuição simétrica de carga;
métodos de trabalho que • Modo correto de manejo de cargas • Modo correto de manejo de cargas
deverá adequadas ao biotipo, à forma, tamanho e adequadas ao biotipo, à forma, tamanho
utilizar, com vistas a posição; e posição;
salvaguardar sua saúde e • Tipos de técnicas adequadas em função do • Tipos de técnicas adequadas em função
prevenir acidentes. tipo de carga; do tipo de carga;
• Movimentos incorretos durante a • Movimentos incorretos durante a
movimentação de cargas. movimentação de cargas.
30 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Mínimo Programático
Reciclagem
Blaster - Requisito legal 40h NR 19 Explosivos/R105 Perfuração de Rocha 2 anos 40h Perfuração de Rocha Certificado, carteira de A Carteira de Blaster ou similiar
detonação • Procedimento de segurança na perfuração; • Procedimento de segurança na blaster ou similiar (documentos pessoais), estará
Objetivo da perfuração; Importância da perfuração; Objetivo da perfuração; disponível na área do empregado ou
perfuração na performance e no custo final Importância da perfuração na pasta funcional - Administração de RH
dos desmontes; Aplicação da perfuração; performance e no custo final dos local.
Preparação da área para perfuração; desmontes; Aplicação da perfuração;
Equipamentos de perfuração; Perfuração Preparação da área para perfuração;
vertical x inclinada; Malha de perfuração Equipamentos de perfuração; Perfuração
• Otimização; Características dos furos; vertical x inclinada; Malha de perfuração
Perfuração em geral. • Otimização; Características dos furos;
Perfuração em geral.
Explosivos
• Definição de Explosivos; Propriedade e Explosivos
seleção dos explosivos; Interação explosivos/ • Definição de Explosivos; Propriedade
rocha; Efeitos oriundos da onda de choque; e seleção dos explosivos; Interação
Efeitos da expansão gasosa; Uso de explosivos/rocha; Efeitos oriundos da
explosivos de forma a atenuar vibrações e onda de choque; Efeitos da expansão
ultralançamentos de fragmentos rochosos. gasosa; Uso de explosivos de forma a
atenuar vibrações e ultralançamentos de
Acessórios de Explosivos fragmentos rochosos.
• Finalidades dos acessórios; Tipos e função
dos acessórios; Sistema de iniciação Acessórios de Explosivos
não elétrico (mais seguros); Booster ou • Finalidades dos acessórios;Tipos e
Reforçadores Plano de Fogo. função dos acessórios; Sistema de
iniciação não elétrico (mais seguros);
Plano de Fogo Booster ou Reforçadores Plano de Fogo.
• Definição; Técnicas de execução de plano de
fogo; Cálculo de plano de fogo. Plano de Fogo
• Definição;Técnicas de execução de plano
Desmonte Especial de fogo; Cálculo de plano de fogo.
• Definição; Demolições; Desmonte de rocha
em valas; Desmonte em Shaft; Desmonte Desmonte Especial
Subaquático; Desmonte Subterrâneo; • Definição; Demolições; Desmonte de
Desmontes Controlados em áreas de riscos rocha em valas; Desmonte em Shaft;
(área urbana, etc.). Desmonte Subaquático; Desmonte
Subterrâneo; Desmontes Controlados em
Meio Ambiente áreas de riscos (área urbana, etc.).
• Problemas gerados pelos desmontes de
rochas com explosivos; Causa dos problemas Meio Ambiente
ambientais gerados pelos desmontes de • Problemas gerados pelos desmontes
rochas. de rochas com explosivos; Causa dos
problemas ambientais gerados pelos
desmontes de rochas.
31 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Mínimo Programático
Reciclagem
Equipamento de NR 11 6h NR 11 - 11.1.3 - Os Introdução; Acidentes do Trabalho – 2 anos NA • conhecimentos básicos sobre práticas de Lista de presença ou O operador deverá receber treinamento
força motriz equipamentos utilizados causas e consequências; Componentes proteção respiratória; certificado específico para o equipamento a ser
na movimentação de do equipamento, motor, transmissão, • natureza e extensão dos riscos operado.
materiais, tais como embreagem, sistema hidráulico, painel respiratórios a que as pessoas que Para operação de máquinas,
ascensores, elevadores de de instrumentos, etc.; Inspeção diária estão sob sua supervisão poderão ficar equipamentos ou processos diferentes
carga, guindastes, monta- no equipamento (check list) – tabela de expostas; daqueles a que o operador estava
carga, pontes-rolantes, observação diária; NR 11 – transporte, • reconhecimento e resolução dos habituado, deve ser feito novo
talhas, empilhadeiras, movimentação, armazenagem e manuseio problemas que ocorrem com os usuários treinamento, de modo a qualificá-lo à
guinchos, esteiras-rolantes, de materiais; Operação do equipamento de respiradores; utilização dos mesmos;
transportadores de (prática) com exercícios de dificuldade • princípios e critérios de seleção de Cada unidade deverá definir o
diferentes tipos. crescente; Check list – identificação dos respiradores usados pelas pessoas que conteúdo específico de acordo com
instrumentos do painel e componentes; estão sob sua supervisão; o equipamento a ser operado. Todos
Manobras diversas. • treinamento para usuários de os operadores devem receber o
respiradores; treinamento no equipamento a ser
• verificação, ensaio de vedação e operado.
distribuição dos respiradores;
• inspeção dos respiradores; Teórico: 4 horas
• uso e monitoramento do uso de Prático: 2 horas
respiradores;
• manutenção e guarda dos respiradores; A área do empregado é responsável
• regulamentos e legislação relativos ao pela aplicação da ação e envio da
uso dos respiradores. evidência ao RH de sua localidade.

NR 12 - Operação NR 12 6h NR 12 Anexo II item Descrição e identificação dos riscos 3 anos 4h Descrição e identificação dos riscos Lista de presença, A etapa prática deve ser supervisionada
segura de 1 - Operação segura de associados com cada máquina e associados com cada máquina e provas e currículos dos e documentada, podendo ser realizada
máquinas e máquinas e equipamentos - equipamento e as proteções específicas equipamento e as proteções específicas instrutores na própria máquina que será operada.
equipamentos Téorico e prático 12.135. contra cada um deles; Funcionamento das contra cada um deles; Funcionamento Deve ser realizada capacitação para
Operação, manutenção, proteções, como e por que devem ser usadas; das proteções, como e por que devem ser reciclagem do trabalhador sempre que
inspeção e demais Como e em que circunstâncias uma proteção usadas; Como e em que circunstâncias ocorrerem modificações significativas
intervenções em máquinas pode ser removida, e por quem, sendo na uma proteção pode ser removida, e nas instalações e na operação de
e equipamentos. maioria dos casos somente o pessoal de por quem, sendo na maioria dos casos máquinas ou troca de métodos,
inspeção ou manutenção; O que fazer, por somente o pessoal de inspeção ou processos e organização do trabalho.
exemplo, contatar o supervisor, se uma manutenção; O que fazer, por exemplo, O treinamento deve ser ministrado
proteção foi danificada ou se perdeu sua contatar o supervisor, se uma proteção por trabalhadores ou profissionais
função, deixando de garantir uma segurança foi danificada ou se perdeu sua função, qualificados para esse fim, com
adequada; Os princípios de segurança na deixando de garantir uma segurança supervisão de profissional legalmente
utilização da máquina ou equipamento; adequada; Os princípios de segurança na habilitado que se responsabilizará pela
Segurança para riscos mecânicos, elétricos utilização da máquina ou equipamento; adequação do conteúdo, forma, carga
e outros relevantes; Método de trabalho Segurança para riscos mecânicos, elétricos horária, qualificação dos instrutores e
seguro; Permissão de trabalho; Sistema de e outros relevantes; Método de trabalho avaliação dos capacitados.
bloqueio de funcionamento da máquina seguro; Permissão de trabalho; Sistema de
e equipamento durante operações bloqueio de funcionamento da máquina Teórico: 4 horas
de inspeção, limpeza, lubrificação e e equipamento durante operações Prático: 2 horas
manutenção. de inspeção, limpeza, lubrificação e
manutenção.
32 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Mínimo Programático
Reciclagem
NR 12 - NR 12 6h NR 12 Anexo II Item 1 e 1.1 Noções sobre legislação de trânsito e de 3 anos 4h Noções sobre legislação de trânsito e Lista de presença, A etapa prática deve ser supervisionada e
Operadores (operadores de máquinas legislação de segurança e saúde no trabalho; de legislação de segurança e saúde no provas e currículos dos documentada, podendo ser realizada na
de máquinas automotrizes ou Noções sobre acidentes e doenças trabalho; instrutores própria máquina que será operada.
automotrizes autopropelidas) decorrentes da exposição aos riscos Noções sobre acidentes e doenças Deve ser realizada capacitação para
ou autopropelidas Téorico e prático existentes na máquina, equipamentos e decorrentes da exposição aos riscos reciclagem do trabalhador sempre que
12.135. Operação, implementos; existentes na máquina, equipamentos e ocorrerem modificações significativas nas
manutenção, inspeção Medidas de controle dos riscos: EPC e EPI; implementos; instalações e na operação de máquinas
e demais intervenções Operação com segurança da máquina ou Medidas de controle dos riscos: EPC e EPI; ou troca de métodos, processos e
em máquinas e equipamento; Operação com segurança da máquina ou organização do trabalho.
equipamentos. Inspeção, regulagem e manutenção com equipamento; O treinamento deve ser ministrado
segurança; Inspeção, regulagem e manutenção com por trabalhadores ou profissionais
Sinalização de segurança; segurança; qualificados para esse fim, com supervisão
Procedimentos em situação de emergência; Sinalização de segurança; de profissional legalmente habilitado
Noções sobre prestação de primeiros Procedimentos em situação de que se responsabilizará pela adequação
socorros. emergência; do conteúdo, forma, carga horária,
Noções sobre prestação de primeiros qualificação dos instrutores e avaliação
socorros. dos capacitados.

Teórico: 4 horas
Prático: 2 horas

Operador de NR 12 8h NR 12 item 4.1 - Utilização Prevenção de riscos para operação NA NA NA Lista de presença ou O operador deverá ser capacitado de
motosserra segura de motoserra de motoserra; certificado acordo com o modelo do equipamento a
Conteúdo programático relativo à utilização ser operado.
constante do manual de instruções.
A área do empregado é responsável pela
aplicação da ação e envio da evidência ao
RH de sua localidade.

Brigada de Requisito legal 12h IT - 12 - Brigada de Consultar pág. 11 6 meses 6h Os conteúdos serão elaborados conforme Certificado e lista de
emergência Incêndio - Minas Gerais Formação de Brigadista cenários de emergência de cada unidade. presença - Formulário
(formação de Teórico: 4h A teoria será de acordo com Brigadista Voluntário
brigadista) Prático: 8h o treinamento prático.

Reciclagem de Brigadista
Téorico: 2h
Prático: 4h

Brigada de Requisito legal 12h IT - 17 - Brigada de Consultar pág. 12 1 ano 8h Os conteúdos serão elaborados conforme Certificado e lista de Formação de Brigadista
emergência Incêndio - São Paulo cenários de emergência de cada presença - Formulário
(formação de unidade. A teoria será de acordo com o Brigadista Voluntário Teórica de combate a incêndio: 2h
brigadista) treinamento prático. Prática de combate a incêndio: 3h
Teórica e prática de primeiros socorros: 3h
Após 1 ano de capacitação do brigadista
deverá ser aplicado prova para fins de
avaliação da necessidade de reciclagem
(nota superior 70%). No segundo ano de
capacitação será realizado reciclagem de
todo o conteúdo programático teórico e
prático.
33 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Mínimo Programático
Reciclagem
Brigada de Requisito legal 12h IT - 17 - Brigada de Consultar pág. 12 6 meses 6h Os conteúdos serão elaborados conforme Certificado e lista de Formação de Brigadista
emergência Incêndio - Goiás cenários de emergência de cada presença - Formulário
(formação de unidade. A teoria será de acordo com o Brigadista Voluntário Teórica de combate a incêndio: 6h
brigadista) treinamento prático. Prática de combate a incêndio: 3h
Teórica e prática de primeiros socorros: 3h

Reciclagem de Brigadista

Téorico: 2h
Prático: 4h

Brigada de Requisito legal 12h IT - 12 - Brigada de Consultar pág. 12 6 meses 6h Os conteúdos serão elaborados conforme Certificado e lista de Formação de Brigadista
emergência Incêndio - Sergipe cenários de emergência de cada presença - Formulário
(formação de unidade. A teoria será de acordo com o Brigadista Voluntário Teórica de combate a incêndio: 2h
brigadista) treinamento prático. Prática de combate a incêndio: 3h
Teórica e prática de primeiros socorros: 3h

Reciclagem de Brigadista

Téorico: 2h
Prático: 4h

CIPAMIM Requisito legal 40h NR - 22 - Segurança e Estrutura da CIPAMIM; Organização da NA Certificado e lista de
Saúde Ocupacional na CIPAMIM e Atribuições; Gerenciamento dos presença
Mineração Riscos: Estudo do Ambiente e Condições de
Trabalho; Os principais riscos de acidentes
e doenças do trabalho na mineração;
Elaboração do Mapa de Riscos; Inspeções
de Segurança, aspectos teóricos e prática
da inspeção de campo; Metodologia de
Investigação e Análise de Incidentes(árvore
de causas e outras); Saúde no Trabalho:
Doenças do Trabalho e sua Prevenção;
Primeiros Socorros; Noções sobre a Síndrome
da Imunodeficiência Adquirida - AIDS e sua
Prevenção. Princípios gerais de higiene no
trabalho e de medidas de controle dos riscos;
Noções sobre as legislações trabalhistas e
previdenciárias relativas à Segurança e Saúde
no Trabalho.
34 Matriz de treinamentos

Carga
Carga
Descrição Requisito Atendimento Ação de Capacitação / Conteúdo Mínimo Programático Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária
Reciclagem
CIPA Requisito 20h NR-05 Estudo do ambiente, das condições de trabalho, bem como NA Certificado e lista
legal Comissão dos riscos originados do processo produtivo; Metodologia de de presença
Interna de investigação e análise de acidentes e doenças do trabalho;
Prevenção de Noções sobre acidentes e doenças do trabalho decorrentes
Acidentes de exposição aos riscos existentes na empresa; Noções sobre
a síndrome da Imunodeficiência adquirida-AIDS e medidas
de prevenção; Noções sobre as legislações trabalhistas e
previdenciárias relativas à Segurança e Saúde no Trabalho;
Princípios gerais de higiene no trabalho e de medidas de
controle dos riscos; Organização da CIPA e outros assuntos
necessários ao exercício das atribuições da comissão.

Condutor de Requisito 50h Resolução Consultar pág. 10 5 anos 16h Curso de atualização para condutores de veículos de transporte Lista de presença, A inclusão na CNH deve ser
veículos de legal CONTRAN 168 de emergência - Vide Coluna F. certificado e acompanhada pela área do
emergência de 2004 inclusão na CNH empregado, o documento
estará disponível na área do
mesmo ou pasta funcional -
Administração de RH Local.

Empilhadeira Requisito 16h Capacitação no 1) Introdução: 3 anos 4h 1) Introdução: Certificado e lista


legal equipamento a. Classificação das empilhadeiras: combustível, tamanho, a. Classificação das empilhadeiras: combustível, tamanho, de presença
aplicação; Mercado de empilhadeiras: principais fabricantes; aplicação; Mercado de empilhadeiras: principais fabricantes;
2) Conceitos: 2) Conceitos:
a. Estabilidade Frontal: ponto de apoio, princípio da alavanca; a. Estabilidade Frontal: ponto de apoio, princípio da alavanca;
Estabilidade Lateral: centro de gravidade, base, centro de carga; Estabilidade Lateral: centro de gravidade, base, centro de carga;
3) Partes da Empilhadeira: 3) Partes da Empilhadeira:
a. Motor, transmissão, embreagem, diferencial, chassis e a. Motor, transmissão, embreagem, diferencial, chassis e
contrapeso, sistema hidráulico, sistema de elevação, pneus, contrapeso, sistema hidráulico, sistema de elevação, pneus,
comandos e instrumentos do painel. comandos e instrumentos do painel.
4) Regras de Operação conforme NR-11 do Min. Trabalho: 4) Regras de Operação conforme NR-11 do Min. Trabalho:
a. Regras Básicas de Operação, regras para partida da máquina a. Regras Básicas de Operação, regras para partida da máquina
(7 pontos de manutenção diária), operação em rampas, frente (7 pontos de manutenção diária), operação em rampas, frente
e ré, corredor estreito, regras p/ manobrabilidade, obstáculos e ré, corredor estreito, regras p/ manobrabilidade, obstáculos
(terrestres e aéreos), parada e estacionamento, operação com (terrestres e aéreos), parada e estacionamento, operação com
cargas (cargas pequenas, médias, grande, cilíndricas, especiais), cargas (cargas pequenas, médias, grande, cilíndricas, especiais),
técnicas de empilhamento, desempilhamento e transporte de técnicas de empilhamento, desempilhamento e transporte de
carga e com cargas especiais. carga e com cargas especiais.
5) Regras Básicas de Segurança: 5) Regras Básicas de Segurança:
a. Conforme NR11, ex.: não transportar pessoas, mantenha a. Conforme NR11, ex.: não transportar pessoas, mantenha
braços e pernas no compartimento do operador, etc. braços e pernas no compartimento do operador, etc.
6) Exercícios Práticos: 6) Exercícios Práticos:
a. Exercícios evolutivos: verificação da manutenção diária pelo a. Exercícios evolutivos: verificação da manutenção diária pelo
operador (conforme NR11), identificação das partes da máquina, operador (conforme NR11), identificação das partes da máquina,
identificação das alavancas de comando e instrumentos identificação das alavancas de comando e instrumentos
do painel, operação com máquina parada (reconhecer os do painel, operação com máquina parada (reconhecer os
movimentos básicos), operação sem carga (avante / ré, slalow movimentos básicos), operação sem carga (avante / ré, slalow
grande / pequeno), operação com carga (slalow pequeno, grande / pequeno), operação com carga (slalow pequeno,
empilhamento, rampas e outros de acordo com suas aplicações). empilhamento, rampas e outros de acordo com suas aplicações).
35 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Mínimo Programático
Reciclagem
Formação de Requisito legal 6h NR 19 Explosivos/ R105/ Os riscos decorrentes das suas atividades 1 ano 4h a) Os riscos decorrentes das suas Lista de treinamentos Os treinamentos devem ser ministrados,
trabalhadores NR 22.21.17 produtivas e as medidas de prevenção; atividades produtivas e as medidas de obrigatoriamente, no ato de admissão,
para manuseio de O PPRA/PGR, especialmente no que diz prevenção; sempre que houver troca de função,
explosivos respeito à prevenção de acidentes com b) O PPRA, especialmente no que diz mudança nos procedimentos,
explosivos; O Plano de Emergência e respeito à prevenção de acidentes com equipamentos, processos ou nos
Combate a Incêndio e Explosão; As Normas explosivos; materiais de trabalho e, ainda,
de Procedimentos Operacionais; A correta c) O Plano de Emergência e Combate a no mínimo a cada ano a todos os
utilização e manutenção dos equipamentos Incêndio e Explosão; trabalhadores, sendo obrigatório o
de proteção individual, bem como as suas d) As Normas de Procedimentos registro de seu conteúdo, carga horária
limitações; Conceitos gerais relacionados com Operacionais; e frequência.
detonação de explosivos; Reconhecimento e) A correta utilização e manutenção dos
e controle dos riscos – Depósitos e áreas equipamentos de proteção individual,
de preparação e fabricação de explosivos bem como as suas limitações.
– Equipamentos e acessórios – Veículos – f ) Principais mudanças nos
Sinalização; Cuidados no manuseio, cuidados procedimentos, equipamentos, processos
com o veículo e checklist de transporte e ou nos materiais de trabalho.
instalação; Cuidados com pré-operação,
operação e pós-operação de detonações;
Anomalias após a explosão; Conceitos e
práticas sobre equipamentos de segurança:
- EPC;
- Funcionamento de equipamentos
de segurança;
- Inspeção dos EPIs e EPCs e itens de
segurança.

Grua Requisito legal 16h Capacitação no A Grua; Classificação de Grua; Classificação 3 anos 4h Classificação de Grua; Classificação Certificado e lista de A norma regulamentadora deixa aberta
equipamento quanto às características; O equilíbrio quanto às características; O equilíbrio presença a carga horária da atualização
da Grua; Estabilidade lateral; Centro da Grua; Estabilidade lateral; Centro NR-18 - Carga horária mínima de
de gravidade; Componentes da Grua; de gravidade; Componentes da Grua; dezesseis horas.
Características dos instrumentos do Características dos instrumentos do
painel; Manutenção; Verificação diária; painel; Manutenção; Verificação diária;
Tabela de observações diárias; Normas de Tabela de observações diárias; Normas
segurança; Acidente do trabalho; Conceito de segurança; Acidente do trabalho;
prevencionista; Teoria de Frank Bird, Resumo; Conceito prevencionista; Teoria de
Dimensionamento de espaços; Planejamento Frank Bird, Resumo; Dimensionamento
do espaço e layout da armazenagem; de espaços; Planejamento do espaço e
Determinação do espaço de manobra para layout da armazenagem; Determinação
Grua; Falha de operação. do espaço de manobra para Grua; Falha
de operação.
36 Matriz de treinamentos

Carga
Carga
Descrição Requisito Atendimento Ação de Capacitação / Conteúdo Mínimo Programático Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária
Reciclagem
Guindaste Requisito legal 16h Capacitação no Legislação - NR 11 (Técnica de Transporte, Movimentação, Armazenagem 3 anos 4h Legislação - NR 11 (Técnica de Transporte, Movimentação, Certificado
equipamento e Manuseio de Materiais) Armazenagem e Manuseio de Materiais) e lista de
Estrutura de cabo de aço Estrutura de cabo de aço presença
Inspeção, utilização de cabos de aço, estropos e critérios para Inspeção, utilização de cabos de aço, estropos e critérios para
substituição substituição
Tipos de guindastes Tipos de guindastes
Tipos de lança (treliçada/telescópica) Tipos de lança (treliçada/telescópica)
Raio de operação, quadrante, eixo de tombamento Raio de operação, quadrante, eixo de tombamento
Tabelas de carga e estudo de rigging Tabelas de carga e estudo de rigging
Análise de risco Análise de risco
Nivelamento do guindaste (patolamento) Nivelamento do guindaste (patolamento)
Checklist (manutenção diária) Checklist (manutenção diária)
Sinalização - visual, via rádio Sinalização - visual, via rádio
Aspectos de segurança Aspectos de segurança
Operação e movimentação de cargas na área
Direção preventiva

Guindauto Requisito legal 16h Capacitação no Legislação - NR 11 (Técnica de Transporte, Movimentação, 3 anos 4h Legislação - NR 11 (Técnica de Transporte, Movimentação, Certificado
equipamento Armazenamento e Manuseio de Materiais) Armazenamento e Manuseio de Materiais) e lista de
Estrutura de cabo de aço Estrutura de cabo de aço presença
Inspeção, utilização de cabos de aço, estropos e critérios para Inspeção, utilização de cabos de aço, estropos e critérios para
substituição substituição
Raio de operação, quadrante, eixo de tombamento Raio de operação, quadrante, eixo de tombamento
Diagrama de carga e alcance Diagrama de carga e alcance
Análise de risco Análise de risco
Nivelamento do Munck Nivelamento do Munck
Checklist (manutenção diária) Checklist (manutenção diária)
Aspectos de segurança Aspectos de segurança
Operação e movimentação de cargas na área Operação e movimentação de cargas na área
Plataforma de elevação Plataforma de elevação
Direção preventiva Direção preventiva

MOPP - Condutor Requisito legal 50h Artigo 145 da Consultar pág. 14 5 anos 16h Vide pág. 14 Certificado
de veículos Lei 9503/97
perigosos – Resolução
168/2004 -
CONTRAN
37 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Mínimo Programático
Reciclagem
Segurança na Requisito legal 40h NR 13 Consultar pág. 18 Vide Lista de presença, Deve ser realizada capacitação
operação de observação certificado e para reciclagem dos trabalhadores
caldeiras documentação envolvidos direta ou indiretamente
de estágio prático com a operação das instalações sempre
supervisionado que nelas ocorrerem modificações
significativas na operação de
equipamentos pressurizados ou troca
de métodos, processos e organização
do trabalho.

A área do empregado é responsável


pela aplicação da ação e envio da
evidência ao RH de sua localidade.

Segurança na Requisito legal 72h NR 13 Consultar pág. 20 NA Lista de presença,


operação de vasos certificado e
de pressão documentação
de estagio prático
supervisionado

NR 20 - Segurança Requisito legal 4h NR 20 - Líquidos 1. Inflamáveis: características, propriedades, NA Certificado e lista de


e saúde no combustíveis e inflamáveis perigos e riscos; presença
trabalho com 2. Controles coletivo e individual para
inflamáveis e trabalhos com inflamáveis;
combustíveis 3. Fontes de ignição e seu controle;
- curso de 4. Procedimentos básicos em situações de
integração emergência com inflamáveis.

NR 20 - Segurança Requisito legal 8h NR 20 - Líquidos I) Conteúdo programático teórico: 3 anos 4h 1. Inflamáveis: características, Certificado e lista de
e saúde no combustíveis e inflamáveis 1. Inflamáveis: características, propriedades, propriedades, perigos e riscos; presença
trabalho com perigos e riscos; 2. Controles coletivo e individual para
inflamáveis e 2. Controles coletivo e individual para trabalhos com inflamáveis;
combustíveis - trabalhos com inflamáveis; 3. Fontes de ignição e seu controle;
curso básico 3. Fontes de ignição e seu controle; 4. Proteção contra incêndio com
4. Proteção contra incêndio com inflamáveis; inflamáveis.
5. Procedimentos básicos em situações de 5. Procedimentos básicos em situações de
emergência com inflamáveis. emergência com inflamáveis.
II) Conteúdo programático prático:
Conhecimentos e utilização dos sistemas de
segurança contra incêndio com inflamáveis.
38 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Mínimo Programático
Reciclagem
NR 20 Requisito legal 16h NR 20 - Líquidos I) Conteúdo programático teórico: 2 anos 4h 1. Inflamáveis: características, Certificado e lista de Carga horária conforme norma
- Treinamento combustíveis e inflamáveis 1. Inflamáveis: características, propriedades, propriedades, perigos e riscos; presença regulamentadora.
em capacitação perigos e riscos; 2. Controles coletivo e individual para
- curso 2. Controles coletivo e individual para trabalhos com inflamáveis;
intermediário trabalhos com inflamáveis; 3. Fontes de ignição e seu controle;
3. Fontes de ignição e seu controle; 4. Proteção contra incêndio com
4. Proteção contra incêndio com inflamáveis; inflamáveis;
5. Procedimentos em situações de 5. Procedimentos básicos em situações de
emergência com inflamáveis; emergência com inflamáveis;
6. Estudo da Norma Regulamentadora n.º 20; 6. Acidentes com inflamáveis: análise de
7. Metodologias de Análise de Riscos: causas e medidas preventivas.
conceitos e exercícios práticos;
8. Permissão para trabalho com inflamáveis;
9. Acidentes com inflamáveis: análise de
causas e medidas preventivas;
10. Planejamento de resposta a emergências
com inflamáveis;
II) Conteúdo programático prático:
Conhecimentos e utilização dos sistemas de
segurança contra incêndio com inflamáveis.

NR 20 - Segurança Requisito legal 24h NR 20 - Líquidos Conteúdo programático teórico: 1 ano 4h 1. Inflamáveis: características, Certificado e lista de Carga horária conforme norma
e saúde no combustíveis e inflamáveis 1. Inflamáveis: características, propriedades, propriedades, perigos e riscos; presença regulamentadora.
trabalho com perigos e riscos; 2. Controles coletivo e individual para
inflamáveis e 2. Controles coletivo e individual para trabalhos com inflamáveis;
combustíveis - trabalhos com inflamáveis; 3. Fontes de ignição e seu controle;
curso avançado I 3. Fontes de ignição e seu controle; 4. Proteção contra incêndio com
4. Proteção contra incêndio com inflamáveis; inflamáveis;
5. Procedimentos em situações de 5. Procedimentos básicos em situações de
emergência com inflamáveis; emergência com inflamáveis;
6. Estudo da Norma Regulamentadora n.º 20; 6. Acidentes com inflamáveis: análise de
7. Metodologias de Análise de Riscos: causas e medidas preventivas.
conceitos e exercícios práticos;
8. Permissão para trabalho com inflamáveis;
9. Acidentes com inflamáveis: análise de
causas e medidas preventivas;
10. Planejamento de resposta a emergências
com inflamáveis;
II) Conteúdo programático prático:
Conhecimentos e utilização dos sistemas de
segurança contra incêndio com inflamáveis.
39 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Mínimo Programático
Reciclagem
NR 20 - Segurança Requisito legal 32h NR 20 - Líquidos Conteúdo programático teórico: 1 ano 4h 1. Inflamáveis: características, Certificado e lista de
e saúde no combustíveis e inflamáveis 1. Inflamáveis: características, propriedades, propriedades, perigos e riscos; presença
trabalho com perigos e riscos; 2. Controles coletivo e individual para
inflamáveis e 2. Controles coletivo e individual para trabalhos com inflamáveis;
combustíveis - trabalhos com inflamáveis; 3. Fontes de ignição e seu controle;
curso avançado II 3. Fontes de ignição e seu controle; 4. Proteção contra incêndio com
4. Proteção contra incêndio com inflamáveis; inflamáveis;
5. Procedimentos em situações de 5. Procedimentos básicos em situações de
emergência com inflamáveis; emergência com inflamáveis;
6. Estudo da Norma Regulamentadora n.º 20; 9. Acidentes com inflamáveis: análise de
7. Metodologias de Análise de Riscos: causas e medidas preventivas;
conceitos e exercícios práticos;
8. Permissão para Trabalho com Inflamáveis;
9. Acidentes com inflamáveis: análise de
causas e medidas preventivas;
10. Planejamento de Resposta a emergências
com Inflamáveis;
11. Noções básicas de segurança de processo
da instalação;
12. Noções básicas de gestão de mudanças.
II) Conteúdo programático prático:
Conhecimentos e utilização dos sistemas de
segurança contra incêndio com inflamáveis.

NR 20 - Segurança Requisito legal 16h NR 20 - Líquidos I) Conteúdo programático teórico: 1 ano 4h Metodologias de Análise de Riscos: Certificado e lista de
e saúde no combustíveis e inflamáveis - Estudo da Norma Regulamentadora n.º 20; conceitos e exercícios práticos; presença
trabalho com - Metodologias de Análise de Riscos: - Permissão para trabalho com
inflamáveis e conceitos e exercícios práticos; inflamáveis;
combustíveis - - Permissão para trabalho com inflamáveis; - Acidentes com inflamáveis: análise de
curso específico - Acidentes com inflamáveis: análise de causas e medidas preventivas;
causas e medidas preventivas; Planejamento de resposta a emergências
Planejamento de resposta a emergências com Inflamáveis.
com inflamáveis.
40 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Mínimo Programático
Reciclagem
Plataforma Requisito legal 8h Capacitação no • Informações Gerais; NR18 – Anexo IV; 3 anos 4h Instruções Gerais de Segurança; Riscos Certificado, lista de O treinamento deverá ser especifico no
elevatória equipamento NR11 – Segurança em Veículos Industriais; Residuais e Verificações; Espaço de presença e carteira de equipamento que irá operar.
Instruções Gerais de Segurança; Riscos Trabalho; Características Técnicas do habilitação
Residuais e Verificações; Espaço de Trabalho; Equipamento; Tipos de Plataformas; Téorico: 4h
Características Técnicas do Equipamento; Tipos de Montagem de Plataformas Prático: 4h
Tipos de Plataformas; Tipos de Montagem (Auto-propelida, Rebocada, Montada em
de Plataformas (Autopropelida, Rebocada, Caminhão); Atravancamentos e Rótulos;
Montada em Caminhão); Atravancamentos e Princípios de Funcionamento; Estudo do
Rótulos; Princípios de Funcionamento; Estudo Manual do Equipamento; Segurança na
do Manual do Equipamento; Segurança na Utilização; Proximidade a Linhas Elétricas;
Utilização; Proximidade a Linhas Elétricas; Efeito do Vento; Trabalhos em Ambientes
Efeito do Vento; Trabalhos em Ambientes Externos – Descargas Atmosféricas;
Externos – Descargas Atmosféricas; Carregamento, Descarregamento,
Carregamento, Descarregamento, Deslocamento e Precauções; Operações
Deslocamento e Precauções; Operações (Painel de Solo e no Cesto da Plataforma);
(Painel de Solo e no Cesto da Plataforma); Operação em Casos de Emergência;
Operação em Casos de Emergência; Manutenção (Preventiva e Corretiva -
Manutenção (Preventiva e Corretiva - TPM); TPM); Incidentes; Sistemas de Segurança;
Incidentes; Sistemas de Segurança; Checklist Checklist Diário;
Diário; • Avaliação Teórica - Final
• Avaliação Teórica - Final
Conteúdo Programático do Treinamento
- Prática: Contato Inicial com o
Equipamento;Realização do Checklist
detalhado;Estudo de Não Conformidades
e suas consequências verificadas durante o
Checklist;Trajeto Básico – Translado;Manobras
em Altura - Ascensão – Trabalhos
(simulação);Rotina de Estacionamento;
Manutenção Preventiva Básica pelo Operador
(Completando Níveis de Fluídos + Status
de Lubrificação + Inspeção das Soldas por
Rupturas ) ·
• Avaliação Prática - Final

Ponte rolante e Requisito legal 5h Capacitação no Conceito; Atividades; Conjunto de guincho; 3 anos 4h Conceito; Atividades; Conhecimento; Lista de presença Teórico: 3h
talha elétrica equipamento Equipamentos de proteção da ponte; Conjunto de guincho; Equipamentos Prático: 2h
Acessórios; Cabo de aço; Estrutura do de proteção da ponte; Acessórios;
cabo de aço; Substituição do cabo de aço; Cabo de aço; Estrutura do cabo de aço;
Tipos de engate para cabo de aço; Tipos de Substituição do cabo de aço; Tipos de
engate para corda de sisal ou fibra sintética; engate para cabo de aço; Tipos de engate
Habilidades; Ruído; Agentes ergonômicos; para corda de sisal ou fibra sintética;
Segurança na operação; Prevenção de Habilidades; Ruído; Poeira; Agentes
acidentes; Condições adversas; Inspeção; ergonômicos; Segurança na operação;
Dispositivos de içamento; Içamento crítico; Prevenção de acidentes; Condições
Correntes; Sinais utilizados; Capacidade de adversas; Inspeção; Dispositivos de
carga; Elevação de cargas; Movimentação içamento; Içamento crítico; Correntes;
de cargas; Marcação dos ganchos; Normas Sinais utilizados; Capacidade de carga;
de segurança; Manutenção; Checklist, Elevação de cargas; Movimentação de
Emergências. cargas; Marcação dos ganchos; Normas
de segurança; Manutenção; Checklist,
Emergências.
41 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Mínimo Programático
Reciclagem
Supervisor de Requisito legal 128h Plano radioproteção MÓDULO I: Infraestrutura de proteção NA Certificado
radioproteção radiológica - carga horária: 40h
Física atômica e nuclear - Estrutura da
matéria/ Efeitos biológicos da radiação/
Grandezas dosimétricas/Estatística
MÓDULO II: Fundamentos Básicos de
Radioproteção - carga horária: 40h
Modos de exposição/Teoria dos detectores/
Cálculo de Dose/Calibração de instrumentos/
Legislação básica e otimização
MÓDULO III: Avaliação de Dose e Engenharia
de Radioproteção - carga horária: 8h
Monitoração/Cálculo de blindagem
MÓDULO IV: Proteção Radiológica e Prática
das Diferentes Aplicações Industriais -
carga horária: 40h

Radioproteção Requisito legal 40h CNEN NN - 3.01 A) Fundamentos da Física Atômica e Nuclear NA Lista treinamento e
- treinamento CNEN NE - 3.02 • Elementos da teoria atômica e estrutura da certificado
para técnico de Plano radioproteção matéria;
radioproteção • Radioatividade: Lei da desintegração
radioativa, meia-vida;
• Tipos e propriedades das radiações: alfa,
beta, gama, nêutrons e raios x;
• Interação da radiação com a matéria;
• Princípios de detecção e medida da
radiação.
B) Princípios de Dosimetria e Radioproteção
• Grandezas Radiológicas: unidades e
quantidades;
• Instrumentos de medida: monitoração área
e individual;
• Principais monitores usados em
radioproteção;
• Controle de dose: tempo, distância,
blindagem;
• Limites de doses;
• Efeitos biológicos da radiação;
• Cálculo de doses e blindagem.
C) Aplicações industriais das radiações
ionizantes
• Medidores nucleares;
• Perfilagem de poços;
• Traçadores radioativos;
• Irradiação industrial;
• Técnicas analíticas;
• Serviço de manutenção de equipamentos
de raios X.
D) Normas e procedimentos
• Norma CNEN-NN-3.01 (Resolução CNEN
114/2011);
• Normas CNEN-NE-3.02 e NE-5.01;
• Plano de proteção radiológica;
• Transporte de material radioativo.
42 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo Mínimo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Programático
Reciclagem
Rigger Requisito 40h NR-11/ Descrição dos tipos de guindastes: explanação dos tipos 2 anos 16h Descrição dos tipos de guindastes: explanação dos tipos de Lista de presença/ Requisitos Mínimos:
legal NR-12/ de guindastes usuais, com suas características e descrição guindastes usuais, com suas características e descrição da certificado/carteira 2º grau completo. Desejável
NR-18/ NR-34 da operação; Movimentação de cargas: exposição das operação; Movimentação de cargas: exposição das técnicas de rigging engenharia (Civil, Mecânica,
NBR-11436/ técnicas de movimentação de carga, normas que a regem, de movimentação de carga, normas que a regem, incluindo a Segurança). Domínio de cálculos
NBR-13541 incluindo a norma N-1965 da Petrobras; Operações estáticas norma N-1965 da Petrobras; Operações estáticas e dinâmicas: em matemática, física, geometria e
NBR-ISSO 4309 e dinâmicas: demonstração de técnicas aplicáveis a demonstração de técnicas aplicáveis a movimentação de trigonometria, leitura de desenho
ASME-B 30.5/ movimentação de cargas estáticas e dinâmicas; Sinalização: cargas estáticas e dinâmicas; Sinalização: sinalizações padrão técnico e manuais técnicos.
ASME-B 30.9 sinalizações padrão de movimentação de carga de acordo de movimentação de carga de acordo com as normas
OSHA-1910.180/ com as normas vigentes; Cabos de aço: técnicas de vigentes; Cabos de aço: técnicas de identificação e inspeção
OSHA-1910-184 identificação e inspeção de cabos de aço; Acessórios de de cabos de aço; Acessórios de movimentação de carga: tipos
movimentação de carga: tipos de acessórios, normas de de acessórios, normas de inspeção (N-2170) e características;
inspeção (N-2170) e características; Cintas de poliéster/ Cintas de poliéster/nylon: características, correta utilização e
nylon: características, correta utilização e preservação; preservação; Conversão de unidades: métodos de conversão
Conversão de unidades: métodos de conversão de unidades de unidades do sistema métrico para o sistema americano,
do sistema métrico para o sistema americano, que são que são os dois sistemas mais utilizados em guindastes; Casos
os dois sistemas mais utilizados em guindastes; Casos de de acidentes: audiovisual mostrando acidentes ocorridos com
acidentes: audiovisual mostrando acidentes ocorridos com guindastes e seus estudos de falha; Movimentação de cargas
guindastes e seus estudos de falha; Movimentação de cargas pesadas; Definir ponto de equilíbrio da carga; Elevar cargas;
pesadas; Definir ponto de equilíbrio da carga; Elevar cargas; Centralizar cargas; Dimensionar peso da carga; Distribuir o
Centralizar cargas; Dimensionar peso da carga; Distribuir o peso em partes iguais; Tipos, componentes e tecnologia de
peso em partes iguais; Tipos, componentes e tecnologia de guindastes; Princípios, conceitos e terminologia utilizados
guindastes; Princípios, conceitos e terminologia utilizados em guindastes; Estudo de tabelas de carga: guindastes
em guindastes; Estudo de tabelas de carga: guindastes mecânicos e telescópicos; Matemática e diagramas aplicados
mecânicos e telescópicos; Matemática e diagramas aos estudos de Rigger; Cabos de aço, eslingas e acessórios
aplicados aos estudos de Rigger; Cabos de aço, eslingas utilizados em amarrações; Determinação de centro de
e acessórios utilizados em amarrações; Determinação gravidade, pesos, capacidade bruta e carga líquida; Operação
de centro de gravidade, pesos, capacidade bruta e carga com dois guindastes; Segurança e fatores que afetam a
líquida; Operação com dois guindastes; Segurança e fatores capacidade dos guindastes; História dos guindastes; Cálculo
que afetam a capacidade dos guindastes; História dos das capacidades e içamentos simples e múltiplos; Força na
guindastes; Cálculo das capacidades e içamentos simples e sapata; Efeitos do vento; Equipamentos de içamento vertical;
múltiplos; Força na sapata; Efeitos do vento; Equipamentos Gruas - tipos - funcionamento e escolha; Equipamentos de
de içamento vertical; Gruas - tipos - funcionamento e içamento horizontal; Técnicas de içamento; Considerações
escolha; Equipamentos de içamento horizontal; Técnicas de sobre içamento de peças; Plano de içamento e movimentação
içamento; Considerações sobre içamento de peças; Plano de cargas; Cálculo de cargas; Composição de forças; Plano
de içamento e movimentação de cargas; Cálculo de cargas; de Rigging; Estudo de Rigging; Amarração/movimentação e
Composição de forças; Plano de Rigging; Estudo de Rigging; descargas de cargas; Área de trabalho para movimentação de
Amarração/movimentação e descargas de cargas; Área cargas; Providências técnicas.
de trabalho para movimentação de cargas; Providências
técnicas.
43 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Mínimo Programático
Reciclagem
RAC 01 - Trabalhos RAC/Requisito 8h NR 35 Prevenção de riscos em trabalhos em altura; 2 anos 8h Prevenção de riscos em trabalhos Lista de presença Reciclagem:
em altura (NR 35) legal Conceitos; Normas e regulamentos em altura; Conceitos; Equipamentos e certificado 35.3.3 O empregador deve realizar
aplicáveis ao trabalho em altura; Análise para trabalhos em altura; Andaimes: treinamento periódico bienal e sempre
de risco e condições impeditivas; Riscos plataformas de trabalho aéreo; que ocorrer quaisquer das seguintes
potenciais inerentes ao trabalho em altura e Equipamentos de guindar para elevação situações:
medidas de prevenção e controle; Sistemas, de pessoas; Escadas; Passarela para a) mudança nos procedimentos,
equipamentos e procedimentos de proteção telhado; Balancim; Acesso por corda; condições ou operações de trabalho;
coletiva; Equipamentos para trabalhos em Equipamentos de segurança – Cinturão b) evento que indique a necessidade de
altura; Andaimes: plataformas de trabalho de segurança; Talabarte duplo; Trava- novo treinamento;
aéreo; Equipamentos de guindar para quedas retrátil; Trava-quedas de posição; c) retorno de afastamento ao trabalho
elevação de pessoas; Escadas; Passarela para Linha de vida; Acesso por corda; por período superior a noventa dias;
telhado; Balancim; Acesso por corda; Riscos e medidas de prevenção; Riscos: d) mudança de empresa.
Equipamentos de Proteção Individual Medidas de prevenção; Análise de risco; 35.3.3.2 Nos casos previstos nas alíneas
para trabalho em altura: seleção, inspeção, Incidentes típicos; Normas “a”, “b”, “c” e “d”, a carga horária e o
conservação e limitação de uso; e regulamentos aplicáveis ao trabalho conteúdo programático devem atender
Equipamentos de segurança – cinturão de em altura; Condutas em situações de à situação que o motivou.
segurança; Talabarte duplo; Trava-quedas emergência, incluindo noções de técnicas O treinamento deverá ser teórico e
retrátil; Trava-quedas de posição; Linha de de resgate e de primeiros socorros. prático.
vida; Acesso por corda; Riscos e medidas de
Prevenção; Riscos: medidas de prevenção,
análise de risco e incidentes típicos;
Condutas em situações de emergência,
incluindo noções de técnicas de resgate
e de primeiros socorros.

RAC 02 - Veículos RAC 4h RAC 02 Conceitos gerais - Direção preventiva - 5 anos 4h Conceitos gerais - Direção preventiva - Lista de presença Cinco anos e sempre que ocorrerem as
automotores Teórica Teórica situações específicas descritas na Ação
• Veículos em áreas de mineração de • Veículos em áreas de mineração de de Capacitação.
superfície e em vias públicas superfície e em vias públicas
• Veículos em áreas de mineração subterrânea • Veículos em áreas de mineração
• Veículos em áreas de prospecção mineral subterrânea
Dispositivos de segurança • Veículos em áreas de prospecção mineral
Riscos e medidas de prevenção Dispositivos de segurança
• Riscos associados Riscos e medidas de prevenção
• Fatores contribuintes • Riscos associados
• Medidas de prevenção • Fatores contribuintes
• Incidentes típicos • Medidas de prevenção
Direção preventiva • Incidentes típicos
• Definição Direção preventiva
• Distância de segurança x espaço de • Definição
frenagem • Distância de segurança x espaço de
• Dinâmica de transferência de peso x frenagem
estabilidade de veículo • Dinâmica de transferência de peso x
• Previsibilidade de perigo/reação antecipada estabilidade de veículo
• Cuidados ao dirigir à noite • Previsibilidade de perigo/reação
• Cuidados com o pedestre antecipada
• Responsabilidades dos condutores • Cuidados ao dirigir à noite
• Ponto cego • Cuidados com o pedestre
• Álcool, celular e direção • Responsabilidades dos condutores
Plano de trânsito interno • Ponto cego
Normas e regulamentos • Álcool, celular e direção
Plano de trânsito interno
Normas e regulamentos
44 Matriz de treinamentos

Carga
Carga
Descrição Requisito Atendimento Ação de Capacitação / Conteúdo Mínimo Programático Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária
Reciclagem
RAC 02 - Veículos RAC 4h RAC 02 • Checagem inicial do veículo - Direção preventiva - Prática 5 anos 4h • Checagem inicial do veículo - Direção preventiva - Lista de presença Dois anos e sempre que
automotores • Posicionamento correto dentro do veículo x Regulagens de Prática ocorrerem as situações
bancos e equipamentos • Posicionamento correto dentro do veículo x específicas descritas na
• Exercícios de controle de volante x Slalon com barreiras (posição Regulagens de bancos e equipamentos Ação de Capacitação
das mãos) • Exercícios de controle de volante x Slalon com barreiras
• Exercícios de controle de frenagem X Distância segura (pista seca (posição das mãos)
e molhada) • Exercícios de controle de frenagem x Distância segura
• Uso dos freios ABS em terrenos regulares e irregulares (pista seca e molhada)
• Uso dos freios ABS em terrenos regulares e irregulares

RAC 03 - RAC 2h RAC 03 Noções de primeiros socorros - 02 horas NA Lista de presença


Equipamentos • Conceitos gerais de emergência
móveis • Suporte básico de vida (RCP e DEA)
• Atendendo a uma emergência
• Avaliação da vítima
• Posição de recuperação
• Remoção de vítimas

RAC 03 - RAC 4h RAC 03 Prevenção de riscos em equipamentos móveis 3 anos 4h Prevenção de riscos em equipamentos móveis Lista de presença
Equipamentos Equipamentos móveis e dispositivos de segurança Equipamentos móveis e dispositivos de segurança
móveis • Equipamentos móveis de superfície • Equipamentos móveis de superfície
• Equipamentos móveis de mina subterrânea • Equipamentos móveis de mina subterrânea
• Dispositivos de segurança • Dispositivos de segurança
Riscos e medidas de prevenção Riscos e medidas de prevenção
• Riscos associados • Riscos associados
• Medidas de prevenção • Medidas de prevenção
• Incidentes típicos • Incidentes típicos
Responsabilidade do operador Responsabilidade do operador
Normas e regulamentos Normas e regulamentos

RAC 04 - Bloqueio RAC 2h RAC 04 Noções de primeiros socorros NA Lista de presença


e etiquetagem • Conceitos gerais de emergência
• Suporte básico de vida (RCP e DEA)
• Atendendo a uma emergência
• Avaliação da vítima
• Posição de recuperação
• Remoção de vítimas

RAC 04 - Bloqueio RAC 4h RAC 04 Prevenção de risco em bloqueio e etiquetagem 3 anos 4h Prevenção de risco em bloqueio e etiquetagem Lista de presença
e etiquetagem Conceitos Conceitos
Dispositivos de bloqueio Dispositivos de bloqueio
• Definição • Definição
• Tipos de energias • Tipos de dispositivos
• Tipos de dispositivos • Etiquetas de bloqueio
• Etiquetas de bloqueio Riscos e medidas de prevenção
Riscos e medidas de prevenção • Riscos
• Riscos • Medidas de prevenção
• Medidas de prevenção • Incidentes típicos
• Incidentes típicos Etapas para bloqueio e etiquetagem
Etapas para bloqueio e etiquetagem Normas e regulamentos
• Identificação das fontes de energia e pontos de bloqueio conforme
• Matriz de bloqueio
Normas e regulamentos
45 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo Mínimo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Programático
Reciclagem
RAC 05 - Içamento RAC 2h RAC 05 Noções de primeiros socorros NA
de carga • Conceitos gerais de emergência
• Suporte básico de vida (RCP e DEA)
• Atendendo a uma emergência
• Avaliação da vítima
• Posição de recuperação
• Remoção de vítimas

RAC 05 - Içamento RAC 4h RAC 05 Prevenção de riscos em içamento de carga 3 anos 4h Prevenção de riscos em içamento de carga Lista de presença
de carga Conceito Conceito
Equipamentos e acessórios Equipamentos e acessórios
• Dispositivos de segurança • Dispositivos de segurança
• Guindaste • Guindaste
• Ponte rolante • Ponte rolante
• Monovia • Monovia
• Talha elétrica • Talha elétrica
• Acessórios • Acessórios
Riscos e medidas de prevenção Riscos e medidas de prevenção
• Incidentes típicos • Incidentes típicos
Plano de Içamento de Carga Plano de içamento de carga
Tipos de Amarração Tipos de amarração
Normas e Regulamentos Normas e regulamentos
Procedimentos Vale Fertilizantes

RAC 06 - Espaços RAC 8h RAC 06 e NR 33 Primeiros socorros - Avançado NA Certificado e lista Um ano e sempre que houver uma das
confinados - • Suporte básico de vida (RCP e DEA) de presença seguintes situações:
supervisor de • Atendendo a uma emergência a. mudança nos procedimentos, condições ou
entrada (NR 33) • Avaliação da vítima operações de trabalho;
• Posição de recuperação b. algum evento que indique a necessidade de
• Engasgamento (vítima consciente) nova capacitação;
• Ataque cardíaco e dor torácica c. quando houver uma razão para acreditar
• Prevenção contra transmissão de doenças que existem desvios na utilização ou nos
• Sangramentos e ferimentos procedimentos de entrada nos espaços
• Estado de choque confinados ou que os conhecimentos não são
• Queimaduras adequados.
• Lesões graves
• Lesões em ossos, articulações e músculos
• Males súbitos
• Envenenamentos e intoxicações
• Emergências relacionadas a frio e calor
• Transporte e remoção de vítimas

RAC 06 - Espaços RAC 2h RAC 06 e NR 33 Proteção respiratória NA Certificado e lista Um ano e sempre que houver uma das
confinados - • Proteção respiratória e perigos envolvidos de presença seguintes situações:
supervisor de • Importância do uso do respirador a. mudança nos procedimentos, condições ou
entrada (NR 33) • Efeito do uso incorreto do respirador no organismo operações de trabalho;
humano b. algum evento que indique a necessidade de
• Funcionamento, características e limitações do respirador nova capacitação;
• Utilização correta do respirador c. quando houver uma razão para acreditar
• Reconhecimento de situações de emergência que existem desvios na utilização ou nos
• Exigências legais sobre o uso de respiradores procedimentos de entrada nos espaços
• Medidas de controle coletivo e medidas de controle confinados ou que os conhecimentos não são
administrativas adequados.
46 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo Mínimo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Programático
Reciclagem
RAC 06 - Espaços RAC 4h RAC 06 e NR 33 Permissão de trabalho NA Certificado e lista Um ano e sempre que houver uma das
confinados - • Importância da permissão de trabalho de presença seguintes situações:
supervisor de • Responsáveis pela emissão e liberação da permissão de a. mudança nos procedimentos, condições ou
entrada (NR 33) trabalho operações de trabalho;
• Pré-requisitos para aprovação da permissão de trabalho b. algum evento que indique a necessidade de
• Permissão para realização da atividade nova capacitação;
• Análise e validação da permissão de trabalho c. quando houver uma razão para acreditar
• Aprovação da permissão de trabalho que existem desvios na utilização ou nos
procedimentos de entrada nos espaços
confinados ou que os conhecimentos não são
adequados.

RAC 06 - Espaços RAC 2h RAC 06 e NR 33 Área classificada NA Certificado e lista Um ano e sempre que houver uma das
confinados - • Conceito de área classificada de presença seguintes situações:
supervisor de • Aspectos técnico-legais relacionados às áreas classificadas a. mudança nos procedimentos, condições ou
entrada (NR 33) • Critérios de classificação de área operações de trabalho;
• Reconhecimento de perigos em áreas classificadas b. algum evento que indique a necessidade de
• Medidas de controle de riscos e critérios de indicação de uso nova capacitação;
de equipamentos em áreas classificadas c. quando houver uma razão para acreditar
que existem desvios na utilização ou nos
procedimentos de entrada nos espaços
confinados ou que os conhecimentos não são
adequados.

RAC 06 - Espaços RAC 24h RAC 06 e NR 33 Prevenção de riscos em espaço confinado para supervisores 1 ano 8h Conceitos gerais Certificado e lista Um ano e sempre que houver uma das
confinados - de entrada • Identificação de espaços confinados de presença seguintes situações:
supervisor de Conceitos gerais • Exemplos de espaços confinados típicos a. mudança nos procedimentos, condições ou
entrada (NR 33) • Identificação de espaços confinados • Sinalização e isolamento operações de trabalho;
• Exemplos de espaços confinados típicos Reconhecimento, avaliação e controle b. algum evento que indique a necessidade de
• Sinalização, isolamento e identificação dos espaços de riscos nova capacitação;
confinados • Riscos associados c. quando houver uma razão para acreditar
Reconhecimento, avaliação e controle de riscos • Área classificada que existem desvios na utilização ou nos
• Critérios de indicação e uso de equipamentos para controle • Equipamentos de proteção procedimentos de entrada nos espaços
de riscos • Práticas seguras em espaços confinados confinados ou que os conhecimentos não são
• Riscos associados Programa de proteção respiratória adequados.
• Área classificada Noções de resgate
• Equipamentos de proteção
• Práticas seguras em espaços confinados
Equipamentos para controle de riscos
• Medição de gases
Programa de proteção respiratória
Legislação de segurança e saúde no trabalho
Noções de resgate e operações de salvamento
Primeiros socorros
47 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo Mínimo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Programático
Reciclagem
RAC 06 - Espaços RAC e NR 2h RAC 06 e NR 33 Noções de primeiros socorros NA Certificado e lista Um ano e sempre que houver uma das
confinados • Conceitos gerais de emergência de presença seguintes situações:
- vigias e • Suporte básico de vida (RCP e DEA) a. mudança nos procedimentos, condições ou
empregados • Atendendo a uma emergência operações de trabalho;
autorizados • Avaliação da vítima b. algum evento que indique a necessidade de
(NR 33) • Posição de recuperação nova capacitação;
• Remoção de vítimas c. quando houver uma razão para acreditar
que existem desvios na utilização ou nos
procedimentos de entrada nos espaços
confinados ou que os conhecimentos não
são adequados.

RAC 06 - Espaços RAC e NR 2h RAC 06 e NR 33 Proteção respiratória NA Certificado e lista Um ano e sempre que houver uma das
confinados • Proteção respiratória e perigos envolvidos de presença seguintes situações:
- vigias e • Importância do uso do respirador a. mudança nos procedimentos, condições ou
empregados • Efeito do uso incorreto do respirador no organismo operações de trabalho;
autorizados humano b. algum evento que indique a necessidade de
(NR 33) • Funcionamento, características e limitações do respirador nova capacitação;
• Utilização correta do respirador c. quando houver uma razão para acreditar
• Reconhecimento de situações de emergência que existem desvios na utilização ou nos
• Exigências legais sobre o uso de respiradores procedimentos de entrada nos espaços
• Medidas de controle coletivo e medidas de controle confinados ou que os conhecimentos não são
administrativas adequados.

RAC 06 - Espaços RAC e NR 12h RAC 06 e NR 33 Prevenção de riscos em espaço confinado para vigias e 1 ano 8h Conceitos gerais Certificado e lista Um ano e sempre que houver uma das
confinados empregados autorizados • Identificação de espaços confinados de presença seguintes situações:
- vigias e Conceitos gerais e definições • Exemplos de espaços confinados típicos a. mudança nos procedimentos, condições ou
empregados • Identificação de espaços confinados • Sinalização e isolamento operações de trabalho;
autorizados • Exemplos de espaços confinados típicos Reconhecimento, avaliação e controle b. algum evento que indique a necessidade de
(NR 33) • Sinalização e isolamento de riscos nova capacitação;
Reconhecimento, avaliação e controle de riscos • Riscos associados c. quando houver uma razão para acreditar
• Riscos associados • Área classificada que existem desvios na utilização ou nos
• Equipamentos de proteção e funcionamento dos • Equipamentos de proteção procedimentos de entrada nos espaços
equipamentos utilizados • Práticas seguras em espaços confinados confinados ou que os conhecimentos não são
• Práticas seguras em espaços confinados Programa de proteção respiratória adequados.
Equipamentos para controle de riscos Noções de resgate
• Medição de gases
Legislação de segurança e saúde no trabalho
Procedimentos e utilização da permissão de entrada e
trabalho
Noções de resgate
Primeiros socorros
48 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo Mínimo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Programático
Reciclagem
RAC 09 - RAC e NR 2h RAC 09 Noções de Primeiros Socorros NA Lista de presença
Explosivos • Conceitos gerais de emergência
• Suporte básico de vida (RCP e DEA)
• Atendendo a uma emergência
• Avaliação da vítima
• Posição de recuperação
• Remoção de vítimas

RAC 09 - RAC e NR 4h RAC 09 Prevenção de riscos em explosivos 5 anos 4h Prevenção de Riscos em Explosivos Lista de presença
Explosivos Conceitos gerais »» Conceitos Gerais
• Definição • Definição
• Classificação, composição e tipos • Classificação, composição e tipos
• Acessórios de detonação • Acessórios de detonação
Riscos e medidas de prevenção »» Riscos e Medidas de Prevenção
• Riscos associados • Riscos associados
• Instalações • Instalações
• Fabricação • Fabricação
• Armazenamento • Armazenamento
• Manuseio e transporte • Manuseio e transporte
• Carregamento de furos e detonação • Carregamento de furos e detonação
Incidentes típicos em atividades com explosivos »» Incidentes Típicos em Atividades com
Plano de trânsito Explosivos
Normas e regulamentos »» Plano de Trânsito
»» Normas e Regulamentos

RAC 10 - Trabalhos RAC 10 e 8h RAC 10 e NR 10 Primeiros socorros - Avançado NA NA Certificado e lista


em eletricidade - NR 10 • Suporte básico de vida (RCP e DEA) de presença
básico (NR 10) • Atendendo a uma emergência
• Avaliação da vítima
• Posição de recuperação
• Engasgamento (vítima consciente)
• Ataque cardíaco e dor torácica
• Prevenção contra transmissão de doenças
• Sangramentos e ferimentos
• Estado de choque
• Queimaduras
• Lesões graves
• Lesões em ossos, articulações e músculos
• Males súbitos
• Envenenamentos e intoxicações
• Emergências relacionadas a frio e calor
• Transporte e remoção de vítimas
49 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo Mínimo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Programático
Reciclagem
RAC 10 - Trabalhos RAC 10 e 2h RAC 10 e NR 10 Área classificada NA NA Certificado e lista
em eletricidade - NR 10 • Conceito de área classificada de presença
básico (NR 10) • Aspectos técnico-legais relacionados às áreas classificadas
• Critérios de classificação de área
• Reconhecimento de perigos em áreas classificadas
• Medidas de controle de riscos e critérios de indicação
de uso de equipamentos em áreas classificadas

RAC 10 - Trabalhos RAC 10 e 30h RAC 10 e NR 10 Prevenção de riscos em trabalhos com eletricidade 2 anos 8h Conteúdo geral Certificado e lista
em eletricidade - NR 10 Introdução à segurança com eletricidade Conceito de risco de presença
básico (NR 10) Riscos em instalações e serviços com eletricidade Exemplos de acidentes típicos em serviços com eletricidade
• O choque elétrico, mecanismos e efeitos Etapas de planejamento
• Arcos elétricos; queimaduras e quedas Processo de liberação da atividade
• Campos eletromagnéticos Permissão de trabalho
Técnicas de análise de risco Análise de risco
Medidas de controle do risco elétrico Ordem de serviço específica para SEP e linhas energizadas AT
• Desenergização Passos da desenergização
• Aterramento funcional (TN/TT/IT); de proteção; temporário Ferramentas para execução da atividade
• Equipotencialização Procedimento em caso de emergência
• Seccionamento automático da alimentação Reconhecimento das rotas de fuga
• Dispositivos à corrente de fuga Técnicas de combate a princípio de incêndio
• Extra baixa tensão Plano de atendimento às emergências
• Barreiras e invólucros Riscos específicos do trabalho em eletricidade
• Bloqueios e impedimentos Choque elétrico
• Obstáculos e anteparos Arco elétrico
• Isolamento das partes vivas Campo eletromagnético
• Isolação dupla ou reforçada Perigos adicionais
• Colocação fora de alcance Áreas classificadas
• Separação elétrica Umidade
Normas técnicas Condições atmosféricas
Regulamentações Fauna e flora
Equipamentos de proteção coletiva EPI - Específicos de eletricidade
Equipamentos de proteção individual Condições ideais de utilização
Rotinas de trabalho - procedimentos Informações básicas sobre selo e data de validade
• Instalações desenergizadas Importância da conservação, limpeza e armazenamento
• Liberação para serviços II. Conteúdo específico
• Sinalização Técnicas de trabalho em sistemas elétricos (energizados ou não)
• Inspeções de áreas, serviços, ferramental e equipamento Sistema de proteção coletiva
Documentação de instalações elétricas Acidentes típicos e desvios
Riscos adicionais Análises, discussão, medidas de controles
• Altura Sinalização e isolamento da área de trabalho
• Ambientes confinados Particularidades do ambiente onde será executada a atividade
• Áreas classificadas
• Umidade
• Condições atmosféricas
Proteção e combate a incêndios
• Noções básicas
• Medidas preventivas
• Métodos de extinção
50 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo Mínimo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Programático
Reciclagem
RAC 10 - Trabalhos RAC 10 e 40h RAC 10 e NR 10 Segurança no sistema elétrico de potência – SEP 2 anos 8h I. Conteúdo geral Certificado e lista Periodicidade de reciclagem:
com eletricidade NR 10 Organização do sistema elétrico de potência – SEP Conceito de risco de presença dois anos e sempre que houver
complementar Organização do trabalho Exemplos de acidentes típicos em serviços com uma das seguintes situações:
- segurança no • Programação e planejamento dos serviços eletricidade a. troca de função ou mudança
Sistema Elétrico de • Trabalho em equipe Etapas de planejamento de empresa;
Potência - SEP e • Prontuário e cadastro das instalações Processo de liberação da atividade b. retorno de afastamento ao
nas proximidades • Métodos de trabalho Permissão de trabalho trabalho ou inatividade, por
(NR 10) • Comunicação Análise de risco período superior a três meses;
Aspectos comportamentais Ordem de serviço específica para SEP e linhas energizadas c. modificações significativas nas
Condições impeditivas para serviços AT instalações elétricas ou troca de
Riscos típicos no SEP e sua prevenção Passos da desenergização métodos, processos e
• Proximidade e contatos com partes energizadas Ferramentas para execução da atividade organização do trabalho.
• Indução Procedimento em caso de emergência
• Descargas atmosféricas Reconhecimento das rotas de fuga
• Estática Técnicas de combate a princípio de incêndio
• Campos elétricos e magnéticos Plano de atendimento às emergências
• Comunicação e identificação Riscos específicos do trabalho em eletricidade
• Trabalhos em altura, máquinas e equipamentos Choque elétrico
especiais Arco elétrico
Técnicas de análise de risco no SEP Campo eletromagnético
Procedimentos de trabalho – análise e discussão Perigos adicionais
Técnicas de trabalho sob tensão Áreas classificadas
• Em linha viva Umidade
• Ao potencial Condições atmosféricas
• Em áreas internas Fauna e flora
• Trabalho a distância EPI – Específicos de eletricidade
• Trabalhos noturnos Condições ideais de utilização
• Ambientes subterrâneos Informações básicas sobre selo e data de validade
Equipamentos e ferramentas de trabalho (escolha, uso, Importância da conservação, limpeza e armazenamento
conservação, verificação, ensaios); Sistemas de proteção II. Conteúdo específico
coletiva; Posturas e vestuários de trabalho; Segurança Técnicas de trabalho em sistemas elétricos (energizados
com veículos e transporte de pessoas, materiais e ou não)
equipamentos; Sinalização e isolamento de áreas de Sistema de proteção coletiva
trabalho; Liberação de instalação para serviço e para Acidentes típicos e desvios
operação e uso; Treinamento em técnicas de remoção, Análises, discussão, medidas de controles
atendimento, transporte de acidentados; Acidentes Sinalização e isolamento da área de trabalho
típicos; Responsabilidades Particularidades do ambiente onde será executada
a atividade
51 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo Mínimo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Programático
Reciclagem
RAC 10 - Trabalhos RAC 10 e 40h RAC 10 e NR 10 Segurança no Sistema Elétrico de Potência – SEP 2 anos 8h I. Conteúdo geral Certificado e lista Periodicidade de reciclagem:
com eletricidade NR 10 Organização do Sistema Elétrico de Potência – SEP Conceito de risco de presença dois anos e sempre que houver
complementar Organização do Trabalho Exemplos de acidentes típicos em serviços com uma das seguintes situações:
- segurança no • Programação e planejamento dos serviços eletricidade a. troca de função ou mudança
Sistema Elétrico de • Trabalho em equipe Etapas de planejamento de empresa;
Potência - SEP e • Prontuário e cadastro das instalações Processo de liberação da atividade b. retorno de afastamento no
nas proximidades • Métodos de trabalho Permissão de trabalho trabalho ou inatividade por
(NR 10) • Comunicação Análise de risco período superior a três meses;
Aspectos comportamentais Ordem de serviço específica para SEP e linhas c. modificações significativas
Condições impeditivas para serviços energizadas AT nas instalações elétricas ou
Riscos típicos no SEP e sua prevenção Passos da desenergização troca de métodos, processos
• Proximidade e contatos com partes energizadas Ferramentas para execução da atividade e organização do trabalho.
• Indução Procedimento em caso de emergência
• Descargas atmosféricas Reconhecimento das rotas de fuga
• Estática Técnicas de combate a princípio de incêndio
• Campos elétricos e magnéticos Plano de atendimento às emergências
• Comunicação e identificação Riscos específicos do trabalho em eletricidade
• Trabalhos em altura, máquinas e equipamentos Choque elétrico
especiais Arco elétrico
Técnicas de análise de risco no SEP Campo eletromagnético
Procedimentos de trabalho – análise e discussão Perigos adicionais
Técnicas de trabalho sob tensão Áreas classificadas
• Em linha viva Umidade
• Ao potencial Condições atmosféricas
• Em áreas internas Fauna e flora
• Trabalho a distância EPI – Específicos de eletricidade
• Trabalhos noturnos Condições ideais de utilização
• Ambientes subterrâneos Informações básicas sobre selo e data de validade
Equipamentos e ferramentas de trabalho (escolha, uso, Importância da conservação, limpeza e
conservação, verificação, ensaios); Sistemas de armazenamento
proteção coletiva; Posturas e vestuários de trabalho; II. Conteúdo específico
Segurança com veículos e transporte de pessoas, Técnicas de trabalho em sistemas elétricos
materiais e equipamentos; Sinalização e isolamento de (energizados ou não)
áreas detrabalho; Liberação de instalação para serviço Sistema de proteção coletiva
e para operação e uso; Treinamento em técnicas de Acidentes típicos e desvios
remoção, atendimento, transporte de acidentados; Análises, discussão, medidas de controles
Acidentes típicos; Responsabilidades Sinalização e isolamento da área de trabalho
Particularidades do ambiente onde será executada
a atividade
52 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Conteúdo da
Descrição Requisito Atendimento Ação de Capacitação / Conteúdo Mínimo Programático Validade Horária Evidências Observações
Horária Reciclagem
Reciclagem
NR 22 - Integração/ NR 24h NR 22 - 22.35.1.2 • Ciclo de operações da mina; NA Lista de
ambientação - • Principais equipamentos e suas funções; presença
mineração a céu aberto • Infraestrutura da mina;
• Distribuição de energia;
• Suprimento de materiais;
• Transporte na mina;
• Regras de circulação de equipamentos e pessoas;
• Procedimentos de emergência, combate a incêndio e PAE - Plano de Atendimento a Emergência;
• Primeiros socorros
• Divulgação dos riscos existentes nos ambientes de trabalho constantes no Programa de Gerenciamento de Riscos e
dos acidentes e doenças profissionais e reconhecimento do ambiente do trabalho:
• Análise e avaliação de risco;
• Definição e comunicação de acidente, quase acidente;
• Conceito de RAC;
• Ergonomia;
• ASO - Atestado de Saúde Ocupacional;
• Saúde do viajante;
• Campanha de vacinas;
• Programa fadiga e sono;
• Programa de dependência química;
• Gestão de higiene ocupacional;
• EPI – Equipamento de Proteção Individual;
• Gestão de produtos químicos;
• Emissão atmosférica;
• Efluentes;
• Resíduos.

NR 22 - Integração/ NR 22 30h NR 22 - 22.35.1.2 • Ciclo de operações da mina; NA Lista de


ambientação - • Principais equipamentos e suas funções; presença
mineração subterrânea • Infraestrutura da mina;
• Distribuição de energia;
• Suprimento de materiais;
• Transporte na mina;
• Regras de circulação de equipamentos e pessoas;
• Procedimentos de emergência, combate a incêndio e PAE – Plano de Atendimento a Emergência;
• Primeiros socorros
• Divulgação dos riscos existentes nos ambientes de trabalho constantes no Programa de Gerenciamento de Riscos
e dos acidentes e doenças profissionais e reconhecimento do ambiente do trabalho:
• Análise e avaliação de risco;
• Definição e comunicação de acidente, quase acidente;
• Conceito de RAC;
• Ergonomia;
• ASO - Atestado de Saúde Ocupacional;
• Saúde do viajante;
• Campanha de vacinas;
• Programa fadiga e sono;
• Programa de dependência química;
• Gestão de higiene ocupacional;
• EPI – Equipamento de Proteção Individual;
• Gestão de produtos químicos;
• Emissão atmosférica;
• Efluentes;
• Resíduos.
53 Matriz de treinamentos

Carga
Carga Ação de Capacitação / Conteúdo Mínimo
Descrição Requisito Atendimento Validade Horária Conteúdo da Reciclagem Evidências Observações
Horária Programático
Reciclagem
Treinamento de 8h • Análise e avaliação de risco; NA Lista de presença Treinamentos para serem
ambientação/ • Definição e comunicação de acidente, quase ministrados para empregados
introdutório acidente; próprios e prestadores de
plantas químicas • Conceito de RAC; serviços.
• PAE – Plano de Atendimento a Emergência;
• Combate a incêndio;
• Ergonomia;
• ASO - Atestado de Saúde Ocupacional;
• Saúde do viajante;
• Campanha de vacinas;
• Programa fadiga e sono;
• Programa de dependência química;
• Primeiros socorros;
• Gestão de higiene ocupacional;
• EPI – Equipamento de Proteção Individual;
• Gestão de produtos químicos;
• Emissão atmosférica;
• Efluentes;
• Resíduos;
• Abatimento de chocos e blocos instáveis;
• Tratamento de maciços;
• Manuseio de explosivos e acessórios;
• Perfuração manual;
• Carregamento e transporte de material;
• Transporte por arraste;
• Operações com guinchos e içamentos;
• Inspeções gerais da frente de trabalho;
• Manipulação e manuseio de produtos tóxicos
ou perigosos;
• Outras atividades ou operações de risco especificadas
no PGR.

Você também pode gostar