Você está na página 1de 22

AGENTES DA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO

OS TRÊS PODERES: LEGISLATIVO, EXECUTIVO E JUDICIÁRIO “Tudo estaria perdido se o


mesmo homem, ou o
A teoria dos três poderes foi criada por Montesquieu no século mesmo corpo dós
XVIII. O filósofo francês, em seu livro “O espírito das leis”, propõe uma principais, ou dos nobres,
ou do povo exercesse os
reformulação das instituições políticas por meio da “teoria dos três
três poderes: o de fazer as
poderes”, na qual Executivo, Legislativo e Judiciário funcionariam de leis, o de executar as
forma equilibrada, de modo que um fiscalizaria o outro e os três seriam resoluções públicas e o de
regulamentados e amparados por uma constituição democrática. O julgar os crimes ou as
Estado Democrático de Direito ou Estado Cidadão foi pensando no querelas entre os
particulares.”
contexto do Iluminismo e de insatisfações com o modelo absolutista, o
ancien régime. Montesquieu (filósofo
francês, 1689-1785)

PODER LEGISLATIVO
É o encarregado de exercer a função legislativa do estado, que consiste em regular as relações dos indivíduos entre si e com o
próprio Estado, mediante a elaboração de leis.
No Brasil, o Poder Legislativo Federal é organizado em um sistema bicameral e exercido pelo Congresso Nacional, que é
composto pela Câmara dos Deputados, como representante do povo, e pelo Senado Federal, representante das Unidades da
Federação. Esse modelo bicameral confere às duas Casas autonomia, poderes, prerrogativas e imunidades referentes à sua
organização e funcionamento em relação ao exercício de suas funções.
A Câmara dos Deputados é composta, atualmente, por 513 membros eleitos pelo sistema proporcional à população de cada
Estado e do Distrito Federal, com mandato de quatro anos. O número de deputados eleitos pode variar de uma eleição para
outra em razão de sua proporcionalidade à população de cada Estado e do Distrito Federal. No caso de criação de territórios, cada
um deles elegerá quatro representantes. A Constituição Federal de 1988 fixou que nenhuma unidade federativa poderá ter
menos de oito ou mais de 70 representantes. Já no Senado Federal, os 81 membros eleitos pelo sistema majoritário (3 para
cada Estado e para o Distrito Federal) têm mandato de oito anos, renovando-se a cada quatro anos, 1/3 e 2/3 alternadamente.
Compõem ainda a estrutura de cada casa as comissões, que têm por finalidade apreciar assuntos submetidos ao seu exame
e sobre eles deliberar. Na constituição de cada comissão é assegurada, tanto quanto possível, a representação proporcional dos
partidos e dos blocos parlamentares que integram a casa.
Na Câmara dos Deputados, há dezoito comissões permanentes em funcionamento e no Senado Federal, sete. As comissões
podem ser, ainda, temporárias, quando criadas para apreciar determinado assunto e por prazo limitado. As comissões
parlamentares de inquérito (CPIs), as comissões externas e as especiais são exemplos de comissões temporárias.
No Congresso Nacional, as comissões são integradas por deputados e senadores. A única comissão mista permanente é a de
Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização.
Contudo, existe também a Representação
Brasileira de Comissão Parlamentar Conjunta
Exercido por um Congresso bicameral, composto pelo Senado, do Mercosul. Já as comissões temporárias
com 81 membros, e pela Câmara dos Deputados, com 513
membros. Todos são eleitos por voto direto, para mandatos de obedecem aos mesmos critérios de criação e
8 e 4 anos, respectivamente. O Senado Federal é composto por funcionamento adotados pela Câmara e pelo
três senadores de cada estado e do Distrito Federal. As eleições
para senador são alternadas (1/3 e 2/3) a cada 4 anos. Senado.
Apesar de o Congresso Nacional ser um
Exercido pelas assembleias legislativas. O número de membros órgão legislativo, sua competência não se
de cada assembleia é proporcional à sua população. Os
deputados estaduais são eleitos também por voto direto, para resume à elaboração de leis. Além das
mandatos de 4 anos. atribuições legislativas, o Congresso dispõe de
atribuições deliberativas; de fiscalização e
Constituído pelas câmaras municipais, tem funções legislativas, controle; de julgamento de crimes de
atribuições para fiscalizar e assessorar o Executivo, competência para
organizar e dirigir os seus serviços internos, elaborar leis sobre todas responsabilidade; além de outras privativas de
as matérias de competência do município, respeitadas as reservas cada Casa, conforme disposto na Constituição
constitucionais dos estados e da União. O mandato é de 4 anos.
Federal de 1988.
Tema | Para que serve a arte?

Problema | A arte não cumpre seu papel transformador no Brasil porque o


acesso à produção artística é restrito no país.

| Proposta |
É urgente que o Poder Legislativo, pautado pelo dever de legislar
em prol de todos os direitos constitucionais, inclusive os direitos à
educação e à cultura, elabore um Plano Nacional das Artes, a
exemplo do Plano Nacional da Educação, o que deve ser feito por
meio do amplo debate com representantes das mais diversas áreas
artísticas, com o intuito de fomentar a produção artística brasileira e
democratizar o acesso à arte, possibilitando, assim, que ela cumpra
seu papel de transformar a realidade.

PODER EXECUTIVO
O Poder Executivo Federal é exercido, no sistema presidencialista, pelo presidente da República, auxiliado pelos Ministros
de Estado. Juntamente com o vice-presidente, é eleito pelo voto direto e secreto para um período de quatro anos. Em 1997,
através de Emenda Constitucional n. 16, foi permitida a reeleição, para um único mandato subsequente, do presidente da
república, dos governadores e dos prefeitos. Em caso de impedimento do presidente da República, ou vacância do respectivo
cargo, serão chamados sucessivamente para exercer o cargo, o vice-presidente, o presidente da Câmara dos Deputados, do
Senado Federal e do Supremo Tribunal Federal.
Compete ao Presidente da República, entre outras atribuições, chefiar o governo; administrar a coisa pública; aplicar as
leis; iniciar o processo legislativo; vetar, total ou parcialmente projetos de lei; declarar guerra; prover e extinguir
cargos públicos federais; e editar medidas provisórias com força de lei.
Aos ministros de Estado compete exercer a orientação, coordenação e supervisão dos órgãos e entidades na área de sua
competência e referendar os atos assinados pelo presidente da República e expedir instruções para a execução das leis,
decretos e regulamentos. A indicação de ministros é feita pelo Presidente da República com base em critérios políticos, de
modo a fazer acomodações na base de sustentação do governo. Entretanto, isso não exclui a possibilidade de, em alguns
momentos, ser utilizado um critério exclusivamente técnico para a escolha do ministro.
O exercício das funções relativas ao Poder Executivo é feito através da Administração Direta e Indireta.

Processos administrativos disciplinares


Assessoria Especial
Secretaria-Geral Gabinete Pessoal do Presidente da
República

Secretaria de Casa Civil Advocacia-Geral


Governo da União

Secretaria de Gabinete de
Assuntos Segurança
Estratégicos Institucional

Controladoria-
Geral da União

Ministério da Ministério da Ministério da


Ministério da Justiça e
Educação Infraestrutura Segurança Pública Economia

Ministério de Ministério das Ministério da


Ministério da Relações Agricultura, Pecuária
Saúde Minas e Energia Exteriores e Abastecimento

Ministério da Ministério das Ministério da Ministério do


Cidadania Comunicações Defesa Turismo

Ministério da Mulher, Ministério da


da Família e dos Ciência, Tecnologia
Direitos Humanos e Inovações

Ministério do Ministério do
Desenvolvimento
Meio Ambiente Regional

CONHEÇAM OS PRINCIPAIS MINISTÉRIOS DO PAÍS E SUAS PRINCIPAIS FUNÇÕES


MINISTÉRIO COMPETÊNCIA
▪ Assistir diretamente o Presidente da República o desempenho de suas atribuições:
a) na supervisão e na execução das atividades administrativas da Presidência da República e,
Secretaria-Geral supletivamente, da Vice-Presidência da República;
b) na publicação e preservação dos atos oficiais;
c) na elaboração de subsídios para a preparação de ações de governo.
▪ Auxiliar o presidente da república na coordenação política e social, em especial no
relacionamento com o Congresso Nacional, partidos políticos, e na interlocução com Estados,
Secretaria de Governo Distrito Federal e municípios;
▪ Atuar na prevenção e gerenciamento de crises institucionais e na formulação de políticas de
apoio a micro e pequenas empresas.
▪ Produzir subsídios sobre assuntos estratégicos, a fim de contribuir com processos de tomada
de decisão do governo federal;
Secretaria de Assuntos ▪ Planejar e formular as políticas e as estratégias nacionais de longo prazo;
Estratégicos ▪ Produzir subsídios para a formulação do planejamento nacional estratégico e das ações
estratégicas de Estado, especialmente nas áreas de segurança; defesa nacional; política externa,
inteligência; indústria, comércio e desenvolvimento; ciência e tecnologia;
Gabinete Pessoal ▪ Exercer as atividades de secretariado do Presidente da República.

▪ Assistir direta e imediatamente ao Presidente da República no desempenho de suas atribuições,


Casa Civil especialmente na coordenação e na integração das ações do governo;
▪ Coordenar e integrar as ações governamentais.
Gabinete de Segurança
▪ Assistir direta e imediatamente ao Presidente da República no desempenho de suas atribuições.
Institucional
▪ Assistir diretamente o Presidente da República no desempenho de suas atribuições e,
Assessoria Especial do
especialmente na realização de estudos e contatos em assuntos que subsidiem a coordenação
Presidente da República
de ações em setores específicos do governo federal.
▪ Exercer a representação, a fiscalização e o controle jurídicos da União e da República Federativa
do Brasil;
Advocacia-Geral da ▪ Proteger o patrimônio público contra terceiros ou contra os ocupantes do Governo;
União ▪ Representar os poderes da União na esfera judicial ou extrajudicial;
▪ Representar a República Federativa do Brasil perante a justiça de outros países e organismos e
jurisdições internacionais.
▪ Promover a transparência, o acesso à informação, o controle social, da conduta ética e da
Controladoria-Geral da integridade nas instituições públicas e privadas;
União ▪ Promover a cooperação com órgãos, entidades e organismos nacionais e internacionais que
atuam no campo da prevenção da corrupção.
Conselho de Governo ▪ Assessorar o presidente da República na formulação de diretrizes da ação governamental.

▪ Assessorar o presidente da República na formulação de políticas e diretrizes específicas,


Conselho de
voltadas ao desenvolvimento econômico e social;
Desenvolvimento
▪ Apreciar propostas de políticas públicas, de reformas estruturais e de desenvolvimento
Econômico e Social
econômico e social que lhe sejam submetidas pelo Presidente da República

▪ Assessorar o presidente da República na formulação de políticas e na definição de diretrizes


Conselho Nacional de
para que o governo garanta o direito humano à alimentação;
Segurança Alimentar e
▪ Integrar as ações governamentais visando ao atendimento da parcela da população que não
Nacional
dispõe de meios para prover suas necessidades básicas, em especial o combate à fome.

▪ Propor medidas que propiciem a integração dos transportes aéreo, aquaviário e terrestre e a
Conselho Nacional de
harmonização das respectivas políticas setoriais;
Integração de Políticas
▪ Harmonizar as políticas nacionais de transporte com as políticas de transporte dos estados, do
de Transporte
Distrito Federal e dos municípios.

▪ Promover o aproveitamento racional dos recursos energéticos do país;


Conselho Nacional de
▪ Rever periodicamente as matrizes energéticas aplicadas às diversas regiões do país,
Política Energética
considerando as fontes convencionais e alternativas e as tecnologias disponíveis

▪ Opinar sobre a decretação do estado de defesa, do estado de sítio e da intervenção federal;


Conselho de Defesa
▪ Estudar, propor e acompanhar o desenvolvimento de iniciativas necessárias a garantir a
Nacional
independência nacional e a defesa do Estado Democrático.

▪ Pronunciar-se sobre intervenção federal, estado de defesa e estado de sítio


Conselho da República
▪ Pronunciar-se sobre as questões relevantes para a estabilidade das instituições democráticas
▪ Gerir o orçamento destinado à educação;
▪ Estabelecer diretrizes para a educação em geral, compreendidos o ensino fundamental, o
ensino médio, o ensino superior, a educação de jovens e adultos, a educação profissional, a
Ministério da Educação
educação especial e a educação a distância, exceto o ensino militar;
(MEC)
▪ Promover iniciativas de avaliação, informação e pesquisa educacional;
▪ Coordenar a elaboração e a consolidação dos planos e programas anuais e plurianuais do
Ministério da Educação e submetê-los à decisão superior.
▪ Desenvolver políticas nacionais de saúde;
▪ Coordenar e fiscalizar o Sistema Único de Saúde;
▪ Promover saúde ambiental, de proteção e recuperação da saúde individual e coletiva, inclusive a
dos trabalhadores e dos índios;
Ministério da Saúde ▪ Criar políticas de informações de saúde;
▪ Desenvolver ação preventiva em geral, vigilância e controle sanitário de fronteiras e de portos
marítimos, fluviais e aéreos;
▪ Realizar vigilância de saúde, especialmente drogas, medicamentos e alimentos;
▪ Fomentar pesquisa científica e tecnologia na área de saúde.

▪ Desenvolver políticas nacionais: a) de desenvolvimento e assistência social; b) de renda de


cidadania; c) de segurança alimentar e nutricional; d) de cultura; (d) de desenvolvimento da
prática dos esportes;
Ministério da Cidadania ▪ Atuar em favor da ressocialização e da proteção dos dependentes químicos;
(Secretaria Especial do ▪ Proteger o patrimônio histórico, artístico e cultural;
Desenvolvimento Social, ▪ Desenvolver e implementar políticas e ações de acessibilidade cultural;
Secretaria Especial do ▪ Estimular as iniciativas públicas e privadas de incentivo às atividades esportivas e
Esporte e Secretaria ▪ Planejar, coordenar, supervisionar e avaliar os planos e programas de incentivo aos esportes e
Especial de Cultura) de ações de democratização da prática esportiva e de inclusão social por intermédio do
esporte.

▪ Formular, coordenar e executar políticas e diretrizes voltadas à promoção dos direitos humanos,
incluídos: a) da mulher; b) da família; c) da criança e do adolescente; d) da juventude; e) do
Ministério da Mulher, da
idoso; f) da pessoa com deficiência; g) da população negra; h) das minorias étnicas e sociais;
Família e dos Direitos
▪ Combater a todas as formas de violência, de preconceito, de discriminação e de intolerância;
Humanos
▪ Articular iniciativas e apoiar projetos destinados à proteção e à promoção dos direitos humanos,
com respeito aos fundamentos constitucionais do Estado de Direito.
▪ Desenvolver políticas nacionais do meio ambiente e dos recursos hídricos;
▪ Desenvolver política de preservação, conservação e utilização sustentável de ecossistemas, e
biodiversidade e florestas;
Ministério do Meio
▪ Propor estratégias, mecanismos e instrumentos econômicos e sociais para a melhoria da
Ambiente
qualidade ambiental e o uso sustentável dos recursos naturais;
▪ Desenvolver políticas para a integração do meio ambiente e da produção;
▪ Realizar o zoneamento ecológico-econômico.

▪ Administrar a política nacional de transportes ferroviário, rodoviário, aquaviário e aeroviário;


Ministério da ▪ Vincular-se às autarquias: a) Agência Nacional de Transporte Terrestres (ANTT); b) Agência
Infraestrutura Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ); c) Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e d)
Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT)

Ministério de Minas e ▪ Zelar pelo equilíbrio conjuntural e estrutural entre a oferta e a demanda de recursos
Energia energéticos no País.
▪ Regular os serviços de radiodifusão, serviços postais, de telecomunicações e suas entidades
vinculadas;
▪ Gerenciar as políticas nacionais em áreas correlatas como a da inclusão digital;
Ministério das
▪ Coordenar as assessorias dos ministérios, das empresas públicas e das demais entidades do
Comunicações
Poder Executivo Federal.
▪ Garantir a disseminação de informações de interesse público, como direitos e serviços, e
também projetos e políticas de governo.
▪ Criar políticas nacionais de pesquisa científica e tecnológica e de incentivo à inovação;
▪ Planejar, coordenar, supervisionar e controlar as atividades de ciência, tecnologia e inovação;
Ministério da Ciência,
▪ Criar políticas de desenvolvimento de informática e automação;
Tecnologia e Inovações
▪ Criar políticas nacionais de biossegurança, espaciais e nucleares;
▪ Controlar a exportação de bens e serviços sensíveis.

▪ Criar políticas de desenvolvimento urbano;


▪ Criar políticas setoriais de habitação, de saneamento ambiental, de transporte urbano e de
Ministério do
trânsito;
Desenvolvimento
▪ Promover, em articulação com as diversas esferas de governo, com o setor privado e
Regional
organizações não-governamentais, ações e programas de urbanização, de habitação, de
saneamento básico, de trânsito.

▪ Defender a ordem jurídica, os direitos políticos e as garantias constitucionais;


▪ Defender a ordem econômica nacional e os direitos do consumidor;
▪ Coordenar a ações para combate a infrações penais em geral, com ênfase em corrupção, crime
Ministério da Justiça e
organizado e crimes violentos;
Segurança Pública
▪ Planejar, coordenar e administrar a política penitenciária nacional;
▪ Coordenar as políticas de imigração e de segurança do território nacional;
▪ Combater o tráfico de drogas e os crimes conexos.

▪ Assessorar o presidente da república na formulação e na execução da política externa brasileira.


Ministério das Relações
Conhecido como Itamaraty, também tem entre suas responsabilidades demarcar as fronteiras
Exteriores
do Brasil.

▪ Desenvolver políticas nacionais de defesa;


Ministério da Defesa
▪ Coordenar as ações da Marinha, Aeronáutica e Exército.
▪ Administrar financeiramente a contabilidade pública;
▪ Administrar dívidas públicas internas e externas;
▪ Negociar com governos, organismos multilaterais e agências governamentais;
▪ Fiscalizar o controle do Comércio Exterior;
▪ Elaborar estudos e pesquisas para acompanhamento da conjuntura econômica;
Ministério da Economia ▪ Administrar assuntos relacionados à previdência;
(Secretaria Especial de ▪ Desenvolver políticas de desenvolvimento da indústria, do comércio e dos serviços;
Fazenda, Secretaria Especial ▪ Defender a propriedade intelectual e a transferência de tecnologia;
de Previdência e Trabalho,
▪ Regulamentar a saúde e a segurança no trabalho;
Secretaria Especial
▪ Regulamentar políticas e diretrizes para a geração de emprego e renda e de apoio ao
Comércio Exterior e
trabalhador;
Assuntos Internacionais,
▪ Viabilizar novas fontes de recursos para os planos de governo;
Secretaria Especial de
Produtividade, Emprego e ▪ Administrar os recursos financeiros e a contabilidade pública;
Competividade) ▪ Administrar as dívidas públicas, interna e externa;
▪ Fazer negociações econômicas e financeiras com governos, organismos multilaterais e agências
governamentais;
▪ Realizar pesquisas para acompanhamento da conjuntura econômica;
▪ Propor reformas que visem aperfeiçoar as instituições que regulamentam o funcionamento da
economia brasileira;
Ministério da
▪ Fomentar políticas de incentivo à agricultura, à pecuária e ao abastecimento, respeitando
Agricultura, Pecuária
valores da economia sustentável.
e Abastecimento

▪ Criar políticas nacionais de turismo;


▪ Promover a divulgação institucional do turismo nacional, no país e no exterior;
Ministério do Turismo ▪ Estimular as iniciativas públicas e privadas de incentivo às atividades turísticas;
▪ Planejar, coordenar, monitorar e avaliar os planos e os programas de incentivo ao turismo;
▪ Gerir o Fundo Geral de Turismo (Fungetur).
Tema | O que causa os conflitos sociais e o que
eles causam?

Problema | Grupos sociais são historicamente invisibilizados.

| Proposta |
Faz-se premente que o Poder Executivo, que, na administração da
coisa pública, desempenha papel central na promoção da justiça
social, fomente as ONGs e demais entidades sociais voltadas para a
defesa de grupos sociais invisibilizados, por meio da criação de
editais que destinem verbas para essas instituições, com a finalidade
de tornar menos injusta e conflituosa a realidade, retirando da
indigência social alguns grupos historicamente alheios à atenção do
Estado.

Tema | Trabalho no futuro: como será a relação com a


tecnologia nas próximas décadas?

Problema | A educação brasileira não consegue ainda formar para o futuro.

| Proposta |
É necessário que o MEC, responsável por coordenar a elaboração e
a consolidação dos planos e programas educacionais, promova
uma reforma modernizadora do ensino, por meio de ampla
discussão com representantes das secretarias estaduais e de
educação, com o intuito de oferecer uma educação que forme
crianças, jovens e adultos para os desafios tecnológicos do futuro.

AGÊNCIAS REGULADORAS
Conheçam agora as principais agências reguladoras do país. Deve-se observar que a função das agências reguladoras,
instituições independentes criadas pelo governo federal, é regular ou fiscalizar a atividade de determinado setor da economia do
país. As agências caracterizam-se por terem um quadro técnico, que as possibilita regular e fiscalizar com racionalidade as
diversas atividades econômicas.
CONHEÇA MAIS SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DAS AGÊNCIAS NACIONAIS
Agência Atribuições Agência Atribuições

Regular, contratar e Regular e fiscalizar a


fiscalizar as atividades de indústria cinematográfica e
petróleo e derivados videofonográfica

Regular e fiscalizar o setor Regular, normatizar e


de telefonia, rádio e internet fiscalizar os planos de saúde

Regular e supervisionar a
Regular e fiscalizar a
prestação de servições e a
produção, a transmissão, a
exploração da infraestrutura
distribuição e a
de transportes rodoviários e
comercialização de energia
ferroviários

Regular e fiscalizar a aviação


Implementar a política de
civil e a infraestrutura
recursos hídricos
aeronáutica e de aeroportos

Fiscalizar a produção e a Regular e supervisionar a


venda de produtos e prestação de serviços e a
serviços submetidos à exploração de infraestrutura
vigilância sanitária de transportes aquaviários
Tema | O mundo em números: como as estatísticas
influenciam a compreensão da realidade?

Problema | A divulgação limitada de dados sobre as atividades governamentais


contribui para que a população desconheça sua própria realidade.

| Proposta |
Mostra-se fundamental que as agências reguladoras, as quais
cumprem o papel de fiscalização em áreas específicas, divulguem
sistematicamente os dados pertinentes às suas atividades, por
intermédio da comunicação frequente com os órgãos de imprensa,
de modo que a produção de matérias acerca dos resultados, por
exemplo, da gestão dos recursos hídricos ou da vigilância sanitária
demonstre à população a importância dos estudos estatísticos para
a compreensão da realidade.

PODER JUDICIÁRIO
A função do Poder Judiciário, no âmbito do Estado democrático, consiste em aplicar a lei a casos concretos, para assegurar
a soberania da justiça e a realização dos direitos individuais nas relações sociais.
A estrutura do Poder Judiciário é baseada na hierarquia dos órgãos que o compõem, formando assim as instâncias. A
primeira instância corresponde ao órgão que irá primeiramente analisar e julgar a ação apresentada ao Poder Judiciário. As
demais instâncias apreciam as decisões proferidas pela instância inferior a ela, e sempre o fazem em órgãos colegiados, ou seja,
por um grupo de juízes que participam do julgamento.
Devido ao princípio do duplo grau de jurisdição, as decisões proferidas em primeira instância poderão ser submetidas à
apreciação da instância superior, dando oportunidade às partes conflitantes de obterem o reexame da matéria.
Às instâncias superiores, cabe, também, em decorrência de sua competência originária, apreciar determinadas ações que,
em razão da matéria, lhes são apresentadas diretamente, sem que tenham sido submetidas, anteriormente, à apreciação do
juízo inferior. A competência originária dos tribunais está disposta na Constituição Federal.
A organização do Poder Judiciário está fundamentada na divisão da competência entre os vários órgãos que o integram
nos âmbitos estadual e federal.
À Justiça Estadual cabe o julgamento das ações não compreendidas na competência da Justiça Federal comum ou
especializada.
A Justiça Federal comum é aquela composta pelos tribunais e juízes federais, e responsável pelo julgamento de ações
em que a União, as autarquias ou as empresas públicas federais forem interessadas; e a especializada, aquela composta pelas
Justiças do Trabalho, Eleitoral e Militar.
No que se refere à competência da Justiça Federal especializada, tem-se que à Justiça do Trabalho compete conciliar e julgar
os conflitos individuais e coletivos entre trabalhadores e empregadores. É formado por Juntas de Conciliação e Julgamento,
pelos Tribunais Regionais do Trabalho, composto por juízes nomeados pelo Presidente da República, e pelo Tribunal Superior do
Trabalho, composto por vinte e sete ministros, nomeados pelo Presidente da República, após aprovação pelo Senado Federal.
À Justiça Eleitoral compete, principalmente, a organização, a fiscalização e a apuração das eleições que ocorrem no
país, bem como a diplomação dos eleitos. É formada pelas Juntas Eleitorais, pelos Tribunais Regionais Eleitorais, compostos
por sete juízes e pelo Tribunal Superior Eleitoral, também composto por sete ministros.
E, à Justiça Militar, compete processar e julgar os crimes militares definidos em lei. É composta pelos juízes-auditores e seus
substitutos, pelos Conselhos de Justiça, especiais ou permanentes, integrados pelos juízes-auditores e pelo Superior Tribunal
Militar, que possui quinze ministros nomeados pelo Presidente da República, após aprovação do Senado Federal.
JUSTIÇA ESTADUAL

JUSTIÇA COMUM

São órgãos do Poder Judiciário:


Supremo Tribunal Federal, que é o órgão máximo do Poder Judiciário, tendo como competência precípua a guarda da
Constituição Federal. É composto por 11 ministros nomeados pelo Presidente da República, depois de aprovada a escolha
pelo Senado Federal. Aprecia, além da matéria atinente a sua competência originária, recursos extraordinários cabíveis em
razão de desobediência à Constituição Federal.
Superior Tribunal de Justiça, ao qual cabe a guarda do direito nacional infraconstitucional mediante harmonização das
decisões proferidas pelos tribunais regionais federais e pelos tribunais estaduais de segunda instância. Compõe-se de, no
mínimo, 33 ministros nomeados pelo Presidente da República. Aprecia, além da matéria referente a sua competência
originária, recursos especiais cabíveis quando contrariadas leis federais.
Tribunais Regionais, que julgam ações provenientes de vários estados do país, divididos por regiões. São eles: os
Tribunais Regionais Federais (divididos em 5 regiões), os Tribunais Regionais do Trabalho (divididos em 24 regiões) e os
Tribunais Regionais Eleitorais (divididos em 27 regiões).
Tribunais de Justiça dos
Estados e do Distrito Federal e
de Alçada, organizados de acordo METAS DO PODER JUDICIÁRIO
com os princípios e normas da
constituição Estadual e do Estatuto
da Magistratura. Apreciam, em
grau de recurso ou em razão de
sua competência originária, as
matérias comuns que não se
encaixam na competência das
justiças federais especializadas.
Juízos de primeira instância
são onde se iniciam, na maioria das
vezes, as ações judiciais estaduais e
federais (comuns e especializadas).
Compreende os juízes estaduais e
os federais comuns e da justiça
especializada (juízes do trabalho,
eleitorais, militares).
Tema | Qual é o valor da verdade na sociedade da
informação?

Problema | A disseminação de notícias falsas e a desvalorização da verdade


nas relações políticas têm ameaçado a democracia.

| Proposta |
É fundamental que o Supremo Tribunal Federal, que é a instância
máxima do Poder Judiciário, agilize os julgamentos referentes à
disseminação de “fake news” por agentes do Poder Executivo,
mediante o estabelecimento de um expediente específico para
esse tipo de caso, a fim de minimizar o impacto negativo que as
informações falsas têm causado ao valor da verdade nas relações
políticas e, consequentemente, à integridade da democracia.

REVISÃO

NÍVEIS | SERVIÇOS SAÚDE EDUCAÇÃO SEGURANÇA E JUSTIÇA INFRAESTRUTURA OUTROS


Não tem ▪ Cria Política Nacional ▪ Grandes projetos de ▪ Relações e comércio
▪ Defesa Nacional
responsabilidade de Educação infraestrutura (ex.: rodovias, internacionais
(Forças Armadas)
direta sobre os ▪ Regula as ferrovias, barragens, ▪ Políticas monetária, cambial e
FEDERAL serviços de saúde, mas instituições de ensino
▪ Polícias Federais
aeroporto internacionais) fiscal
▪ Presídios Federais
organiza e financia o ▪ Geri o ensino ▪ Geração e distribuição de ▪ Previdência social
▪ Tribunais Superiores
SUS superior e o técnico energia elétrica ▪ Reforma agrária
▪ Educação do ensino ▪ Polícia Militar
Atendimento para
médio e da 2ª parte do ▪ Polícia Civil Rodovias que ligam cidades ▪ Moradias populares (a União e
casos mais complexos,
ensino fundamental ▪ Corpo de Bombeiros do estado, aeroportos os municípios podem participar)
ESTADUAL diagnósticos e terapias
▪ Alguns estados ▪ Sistema de regionais, obras de ▪ Transporte público interurbano
(ex.: hospitais como o
ofertam ensino superior Execuções Penais abastecimento hídrico (ônibus e trens)
Hugo e o Hugol)
(ex.: UEG, USP, UEL) ▪ Tribunais Estaduais
▪ Creches Saneamento básico (água e
Planejamento urbano,
▪ Educação infantil esgoto), iluminação pública,
Atendimento básico recolhimento de lixo e reciclagem,
MUNICIPAL (ex.: postos de saúde)
▪ Educação da 1ª Guarda civil municipal asfaltamento, rodovias
limpeza urbana, gestão do trânsito
parte do ensino municipais, espaços públicos
e transporte público urbano
fundamental e mobilidade urbana
TRIBUNAIS DE CONTAS
Os tribunais de contas são as “cortes” especializadas na análise
das contas públicas dos diversos órgãos da Administração Pública do
Estado ou da União. Com a finalidade de fiscalizar, inspecionar,
analisar e controlar as contas públicas em todo o território nacional,
atuam o Tribunal de Contas da União (TCU), os Tribunais de Contas
dos Estados (TCEs), o Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) e
os Tribunais de Contas dos Municípios (TCMs).
Os diversos tribunais de contas tem como função fundamental realizar
a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial
dos órgãos federativos e federados da Administração Pública direta e
indireta, estando sujeitas a esta fiscalização as empresas
públicas e sociedades de economia mista.
O Tribunal de Contas da União (TCU) julga as contas de
administradores públicos e demais responsáveis por dinheiros,
bens e valores públicos federais, bem como as contas de
qualquer pessoa que der causa a perda, extravio ou outra
irregularidade de que resulte prejuízo ao erário. Tal
competência administrativa-judicante, entre outras, está
prevista no art. 71 da Constituição brasileira.

MINISTÉRIO PÚBLICO
Segundo a Constituição Federal, “O Ministério
Público é uma instituição permanente, essencial à
função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a
defesa da ordem jurídica, do regime democrático
e dos interesses sociais e individuais
indisponíveis.”
Sem vinculação funcional a qualquer dos
poderes do Estado, o Ministério Público (MP) é
uma instituição pública autônoma e
independente, ou seja, não está subordinada aos
Poderes Judiciário, Executivo ou Legislativo.
Todos os seus membros têm as mesmas garantias
asseguradas aos integrantes do Poder Judiciário.
A instituição também tem orçamento, carreira e
administração próprios. Tudo isso garante ao
Ministério Público condições de fiscalizar o
cumprimento da lei e defender a ordem jurídica,
o regime democrático e os interesses sociais e
individuais indisponíveis, com isenção,
apartidarismo e profissionalismo.
É papel do MP defender o patrimônio nacional, o patrimônio
público e social. Isto inclui o patrimônio cultural, o meio ambiente, os
direitos e interesses da coletividade, especialmente das comunidades
indígenas, a família, a criança, o adolescente e o idoso, por exemplo. Ele
tem o dever de defender o inter esse público com isenção e de
proteger os direitos individuais indisponíveis, como o direito à vida, à
liberdade e à saúde; e os direitos difusos e coletivos, aqueles que dizem
respeito a todos.
O MP atua também no controle externo da atividade policial,
tratando também da investigação de crimes, da requisição de
instauração de inquéritos policiais, da promoção pela
responsabilização dos
culpados, do combate à
tortura e aos meios ilícitos de
provas. Os membros do MP
têm liberdade para atuar na
acusação ou para pedir a
absolvição de réus.
O Ministério Público deve
atuar para defender direitos
individuais indisponíveis dos
cidadãos, ou seja, os direitos
dos quais a pessoa não pode abrir mão, como a saúde, a vida, a liberdade e a dignidade.
Os a tores dessas ações para os cidadãos comuns são os promotores de justiça e, para os
que têm foro privilegiado, são os procuradores de justiça.

CONHEÇA AS ATRIBUIÇÕES DE ALGUMAS PROMOTORIAS DO MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL


PROMOTORIA ATRIBUIÇÕES
▪ Atuar em defesa de interesses difusos, coletivos, individuais homogêneos, nas questões
Meio Ambiente e
relativas a meio ambiente, urbanismo, patrimônio histórico, turístico, estético, cultural,
Urbanismo
paisagístico e urbanístico, nas esferas cível e criminal.
▪ Atuar em defesa e proteção ao consumidor, em casos de interesses difusos, coletivos e
Consumidor individuais homogêneos;
▪ Promover a defesa e a proteção da livre concorrência e da ordem econômica.
▪ Atuar em matéria cível no Juizado da Infância e da Juventude;
Infância e ▪ Promover o inquérito civil e a ação civil pública para a proteção dos interesses individuais,
Juventude difusos ou coletivos relativos à infância e à adolescência;
▪ Realizar visitas a entidades de acolhimento familiar e institucional.
Violência Doméstica ▪ Atuar no Juizado de Violência Doméstica e Familiar e na defesa dos direitos da mulher.
▪ Atuar na defesa do patrimônio público e no combate à corrupção e à improbidade
Patrimônio Público
administrativa, na esfera cível e criminal.
Idoso ▪ Atuar na defesa da pessoa idosa, inclusive na defesa do direito à saúde.
Pessoas com deficiência ▪ Atuar na defesa da pessoa com deficiência, inclusive na defesa do direito à saúde.
▪ Tutelar os direitos difusos, coletivos, sociais e individuais indisponíveis relativos à educação,
Educação
junto aos sistemas municipal e estadual de ensino.

Tema | O que é ser efetivamente cidadão?

Problema | Não há o devido cumprimento dos direitos previstos


na Constituição.

| Proposta |
É preciso que o Ministério Público, cuja função precípua é
defender os interesses sociais e individuais indisponíveis,
intensifique as ações contra o descumprimento dos direitos
constitucionais, por meio da conexão com as polícias, com
entidades sociais de classe e de grupos minoritários, com a
finalidade de efetivar os diretos cidadãos garantidos a todos.

DEFENSORIA PÚBLICA
Segundo a Constituição da República, "a Defensoria Pública é instituição
permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe, como
expressão e instrumento do regime democrático, fundamentalmente, a
orientação jurídica, a promoção dos direitos humanos e a defesa, em
todos os graus, judicial e extrajudicial, dos direitos individuais e coletivos,
de forma integral e gratuita, aos necessitados" (art. 134).
Em outras palavras, é dever do Estado, através da Defensoria Pública,
garantir assistência jurídica integral e gratuita àqueles que não podem custeá-
la. Isso significa muito mais do que o direito a assistência judicial, abrangendo
a defesa, em todas as esferas, dos direitos dos necessitados.
Desde a Emenda Constitucional nº 45/2004, as Defensorias Públicas
Estaduais passaram a contar com autonomia administrativa e funcional (art.
134, §2º, CF), bem como financeira (art. 168, CF), estando fora, portanto, da
estrutura do Poder Executivo. A Defensoria Pública presta atendimento
jurídico em sentido amplo, de natureza judicial e extrajudicial, de educação em
direitos, e tem legitimidade para atuar não só individualmente, mas também
por meio da tutela coletiva.
A Defensoria Pública é uma instituição autônoma, criada pela Todas as pessoas têm necessidade de conhecer seus direitos,
Constituição de 1988 com o objetivo de garantir o acesso à lutar por eles e de se defender, de acordo com a Constituição.
Justiça para quem não pode pagar pelos serviços de um Ao fazer concurso público e ingressar na carreira, o Defensor
advogado particular. A Defensoria Pública é uma das carreiras Público é o profissional responsável por oferecer assessoria
jurídicas previstas na Constituição Federal e, juntamente com jurídica integral e gratuita em processos judiciais, extrajudiciais
a Magistratura, o Ministério Público e as Advocacias Privada e ou em outras ocasiões necessárias ao cidadão que não pode
Pública, compõem o Sistema de Justiça. pagar um advogado particular.

SEGUNDO A
CONSTITUIÇÃO DA
APROXIMADA REPÚBLICA, "A
MENTE 78% DEFENSORIA
DOS PÚBLICA É
BRASILEIROS INSTITUIÇÃO
SÃO PÚBLICO- PERMANENTE,
ALVO DA ESSENCIAL À
DEFENSORIA FUNÇÃO
PÚBLICA. JURISDICIONAL DO
ESTADO”

Tema | O que desumaniza os seres humanos?

Problema | A falta de acesso à defesa dos direitos sociais e individuais é uma


dos problemas sociais que desumanizam o ser humano.

| Proposta |
É crucial que entidades do Terceiro Setor, as quais atuam em prol do
bem comum em áreas de falha estatal, promovam um movimento
social em prol da Defensoria Pública, por meio da proposição de um
projeto de lei por iniciativa popular que estabeleça um número
mínimo de defensores conforme a extensão populacional,
objetivando democratizar o acesso à defesa dos direitos sociais e
individuais, como condição irrevogável de humanização do ser
humano.

TERCEIRO SETOR
A expressão terceiro setor é resultado de uma divisão criada pelos Estados Unidos,
em que o primeiro setor é constituído pelo Estado, o segundo setor pelos entes
privados que buscam fins lucrativos – ou seja, o mercado – e o terceiro setor é formado
pelas organizações privadas sem fins lucrativos prestadoras de serviços públicos
(popularmente chamadas de ONGs). Embora o termo terceiro setor seja o mais utilizado
no Brasil, é importante ressaltar que essa divisão pode transmitir uma ideia equivocada,
a de que o primeiro setor teria mais importância que o segundo, e o segundo mais do
que o terceiro.
O terceiro setor corresponde ao campo da sociedade civil organizada. Pode-se dizer
que integram esse setor as pessoas jurídicas de direito privado que não possuem
finalidade lucrativa e, além disso, exercem uma atividade de interesse social – ou seja,
trabalham em causas humanitárias, prestam serviços filantrópicos ou realizam atividades
que promovem a cidadania e a inclusão social.
| Exemplos | | Exemplos |
Banco do Brasil IBGE
Banco Central do Brasil Funasa
BNDES Funai
Caixa Econômica Funarte
Eletrobras Fundação Biblioteca
Petrobras Nacional

| Exemplos |
Fundação Bradesco
Fundação Itaú Social
Intersetorialidade ocorre quando estes setores Fundação Lemann
atuam conjuntamente para solucionar problemas. Fundção O Boticário
Instituto Natura

ONGs
As organizações não governamentais (ONGs) são entidades privadas da sociedade civil, sem fins lucrativos, cujo propósito é
defender e promover uma causa política. Essa causa pode ser virtualmente de qualquer tipo: direitos humanos, direitos animais,
direitos indígenas, gênero, luta contra o racismo, meio ambiente, questõe s urbanas, imigrantes, entre muitos outros. Essas
organizações são parte do terceiro setor, grupo que abarca todas as entidades sem fins lucrativos (mesmo aquelas cujo fim não seja
uma causa política).

ONGs AMBIENTAIS
As ONGs ambientais têm por finalidade defender do meio ambiente, elaborar de pesquisas de preservação ambiental, promover
a educação ambiental, difundir conhecimento sobre os cuidados ambientais, fomentar a integração socioambiental, combater
práticas de degradação da natureza. Estando próximas das comunidades e de seus problemas, geram estratégias e projetos para
melhorar a qualidade de vida, desenvolvendo meios de educar as pessoas e preservar a natureza no cotidiano. Outras duas
finalidades das ONGs são: fiscalizar a atuação dos órgãos competentes nas questões que envolvem o meio ambiente e diminuir a
distância entre teoria e prática, buscando despertar a consciência cidadã na tutela da natureza.
ONG LOGO MISSÃO

SOS MATA ATLÂNTICA Defender o que resta da Mata Atlântica.

Defender bens e direitos sociais, coletivos e difusos, relativos


INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL (ISA) ao meio ambiente, ao patrimônio cultural, aos direitos dos
povos indígenas do Brasil.
Atuar na preservação do meio ambiente e desenvolvimento
GREENPEACE
sustentável.

Atuar nas áreas de conservação, investigação e recuperação


WWF BRASIL
ambiental.

Trabalhar pela conscientização e pela mobilização da


INSTITUTO AKATU
sociedade para o consumo consciente.

Trabalhar com projetos de formação de consciência


INSTITUTO ECOAR
ambiental e carboneutralização.

Equipar pessoas com habilidades práticas e disseminar a


SIKANA conscientização sobre saúde e meio ambiente através de
programas de vídeo educacionais multilíngues gratuitos.

WATER Promover acesso à água mais segura e saneamento básico.

INSTITUTO DE PESQUISA
Proteger a biodiversidade brasileira.
ECOLÓGICAS (IPE)

THE NATURE CONSERVANCY Garantir melhor qualidade de vida para as futuras gerações.

REDE NACIONAL DE COMBATE AO


Trabalhar pela conservação da biodiversidade.
TRÁFICO DE ANIMAIS SILVESTRES

Difundir as melhores práticas de meio ambiente e


FUNDAÇÃO BRASILEIRA PARA O sustentabilidade e influenciar a sociedade por meio da
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL geração de conhecimento, da contribuição na formulação de
políticas públicas e da realização de projetos de consultoria.

Estabelecer um espaço para reflexão, formulações, debates,


além de desenvolver projetos e políticas públicas para a
ECOA
conservação ambiental e a sustentabilidade tanto no meio
rural quanto no meio urbano.

Difundir informações sobre as questões ambientais, com


RECICLOTECA ênfase na redução, reaproveitamento e reciclagem de
resíduos.
Proteger as coisas mais fundamentais que a natureza nos
CONSERVAÇÃO INTERNACIONAL
fornece: alimento, água, nossos meios de vida e estabilidade
BRASIL
climática.
Contribuir para a conservação ambiental da Amazônia através
da valorização da floresta em pé e sua biodiversidade e da
FUNDAÇÃO AMAZONAS
melhoria da qualidade de vida das comunidades ribeirinhas
SUSTENTÁVEL (FAS)
associada à implementação e disseminação do conhecimento
sobre desenvolvimento sustentável.
ONGs SOCIAIS
São entidades sem fins lucrativos que, muitas vezes, desenvolvem trabalhos fundamentais para grupos vulneráveis da nossa
sociedade, como crianças vítimas de abusos, mulheres que sofrem violência doméstica, refugiados e pessoas em situação de rua. São
também organizações que dependem da participação das comunidades que elas atendem para sobreviverem. Afinal, mesmo sem fins
lucrativos, elas têm uma série de demandas e gastos, e precisam de força de trabalho e recursos financeiros.

ONG MISSÃO
▪ Conduzir e coordenar ações internacionais para proteção dos refugiados e a busca por
Agência da ONU para soluções duradouras para seus problemas.
Refugiados (Acnur) ▪ Fornece abrigo, água potável e assistência médica vital a refugiados e deslocados
internos em diversos países do mundo.
▪ Prestar auxílio para solicitantes de refúgio;
Associação de Assistência a ▪ Promover eventos que mantêm os refugiados (principalmente árabes) em contato
Refugiados no Brasil (Oasis) com elementos de suas culturas; oferece aulas de português e promove o apadrinhamento
familiar, que aproxima famílias brasileiras e famílias de imigrantes.
▪ Atua na proteção de crianças e adolescentes em situações como violências sexuais,
crimes de homicídio, violência física e violação dos direitos;
Centro de Defesa da Criança e
▪ Orientar e fornecer apoio às vítimas e seus familiares através do atendimento
do Adolescente Yves de
psicossocial e jurídico.
Roussan (Cedeca)
▪ Promover ações de sensibilização e mobilização em torno da questão da violência
contra as crianças.
▪ Atuar em parceria com governos, empresas e organizações da sociedade civil para
Childhood Brasil discutir pautas ligadas à proteção da infância e adolescência no país, principalmente em
relação à violência sexual.
▪ Trabalhar para o avanço da conscientização da sociedade, para a prevenção dos casos
de desaparecimento, para a oferta de ajuda psicológica às famílias, para o auxílio nas buscas
Desaparecidos do Brasil
dos desaparecidos, além do registro e divulgação dos casos através das comunidades e sites
relacionados.
▪ Prestar auxílio a todos que buscam parentes que desapareceram, visando à proteção
Gente buscando Gente da família, da infância, da adolescência e da velhice e ainda das pessoas que vivem em
situação de rua.
▪ Desenvolver projetos de educação e cultura, estimulando a leitura, a escrita e a
Associação Vagalume oralidade de crianças e adultos da região amazônica e promovendo o intercâmbio das
comunidades.
▪ Ajudar a melhorar as condições de acesso, de alfabetização e de sucesso escolar,
Todos pela Educação
ampliar de recursos investidos na Educação Básica e a aprimorar a gestão desses recursos.
Associação de Assistência à ▪ Atender pessoas com deficiência física, oferecendo serviços de fisioterapia, terapia
Criança Deficiente (AACD) ocupacional, fonoaudiologia, psicologia, pedagogia, odontologia e outros.
Centro de Defesa dos Direitos ▪ Auxiliar na defesa e promoção dos Direitos Humanos, nas esferas econômicas, sociais,
Humanos e Educação Popular culturais, ambientais e políticas, buscando uma sociedade justa, equânime e democrática e
(CDHEP) promovendo o respeito às pluralidades de classe, gênero e etnia.
Viva Rio ▪ Buscar a inclusão social das comunidades carentes.
▪ Atuar na proteção e no desenvolvimento de crianças e adolescentes em situação de
Fundação Abrinq
vulnerabilidade social.
▪ Prestar assistência e prevenção a aids, possibilitando dar dignidade e qualidade de vida
Sociedade Viva Cazuza
▪ àqueles afetados direta ou indiretamente pelo HIV.
Instituto Ayrton Senna ▪ Trabalhar para ampliar as oportunidades de crianças e jovens por meio da educação.
▪ Ligada à Igreja Católica, atuar na organização da comunidade e na capacitação de
Pastoral da Criança líderes voluntários que ali vivem e assumem a tarefa de orientar e acompanhar as
▪ famílias vizinhas em ações básicas de saúde, educação, nutrição e cidadania.
Associação Brasileira de Gays,
▪ Promover ações que garantam a cidadania e os direitos humanos de lésbicas, gays,
Lésbicas e
bissexuais, travestis e transexuais.
Transgêneros (ABGLT)
MOVIMENTOS SOCIAIS, ASSOCIAÇÕES E CONFEDERAÇÕES BRASILEIRAS

NOME OBJETIVOS
Organizar, representar sindicalmente e dirigir a luta dos trabalhadores e trabalhadoras da
Central Única dos
cidade e do campo, do setor público e privado, ativos e inativos, por melhores condições de
Trabalhadores (CUT)
vida e de trabalho e por uma sociedade justa e democrática.
Promover a integração social dos trabalhadores, lutando pela segurança de emprego, pela
formação e reconversão profissionais, por condições humanas de higiene e segurança nos
União Geral dos Trabalhadores
locais de trabalho e pelos direitos sociais dos jovens, dos aposentados e da mãe
(UGT)
trabalhadora; assegurar uma política de rendimentos justa e equitativa.

Movimento dos Trabalhadores Lutar pela reforma agrária, contra a estrutura fundiária brasileira, predominantemente
Rurais Sem Terra (MST) desigual.

Fiscalizar, defender e representar a classe dos advogados; lutar pela aplicação justa das leis
e pelo aperfeiçoamento da cultura e das demais instituições jurídicas; Prezar pelo bom
Ordem dos Advogados do
funcionamento do Direito; Participar – em colaboração com o Poder Judiciário – de todas as
Brasil (OAB)
fases dos concursos públicos para ingresso na magistratura;
Fiscalizar todas as profissões jurídicas do país.
Movimento dos Trabalhadores
Lutar pela reforma urbana, fazendo valer a garantia constitucional segundo a qual todos os
Sem Teto
cidadãos têm direito à moradia.
(MTST)
Interpretar o pensamento, as aspirações, os reclamos, a expressão cultural e cívica da
Associação Brasileira de
imprensa brasileira; lutar pela liberdade de expressão e contra as formas de opressão
Imprensa (ABI):
sofridas pelos órgãos de imprensa.

Confederação Nacional dos Promover ações em defesa dos trabalhadores rurais, agricultores familiares, pescadores
Trabalhadores na Agricultura artesanais, ribeirinhos e quilombolas; lutar em defesa da reforma agrária, contra a espoliação
(CONTAG); dos trabalhadores rurais e contra a exploração predatória do meio ambiente.

Confederação Nacional dos Lutar, junto aos trabalhadores em educação, por políticas públicas focadas nas reais e nas
Trabalhadores em Educação mais urgentes necessidades do ensino público; Lutar pela valorização dos trabalhadores em
(CNTE) educação.
Movimento Nacional Contra a
Lutar contra as diversas formas de corrupção institucionalizadas historicamente na política
Corrupção e pela
brasileira.
Democracia (MNCCD)
Combater a hierarquização urbana, a segregação socioespacial, os problemas relacionados
Movimento Organizado dos ao transporte, à habitação, ao emprego, à segurança pública, ao saneamento básico, à
Trabalhadores Urbanos (MOTU) saúde, ao meio ambiente; defender os povos trabalhadores em condição de vulnerabilidade
social.
Promover trabalhos que busquem a superação das ações repressoras ou meramente
Movimento Nacional da
assistencialistas junto às populações de rua; lutar contra todas as formas de violências
População de Rua (MNPR)
sofridas pelas pessoas em situação de rua.
Contribuir para defesa de um sistema educacional mais qualificado, sobretudo o ensino
União Brasileira dos Estudantes
básico. Discutir políticas públicos de ensino, buscando sempre defender os interesses dos
Secundaristas (UBES)
alunos secundaristas.
União Nacional dos Estudantes Lutar pela educação de qualidade, nos níveis fundamental, médio e superior. Defender os
(UNE) estudantes de todos os níveis educacionais.
Movimento Negro Unificado Combater todas as manifestações preconceituosas e discriminatórias contra os negros ou
(MNU) contra práticas sociais e culturais negras.
Associação Brasileira de ONGs Lutar contra todas as formas de discriminação e desigualdade, pela construção de modos
(Abong) sustentáveis de vida e pela radicalização da democracia.
Conselho Nacional de
Impedir que a publicidade enganosa ou abusiva cause constrangimento ao consumidor ou a
Autorregulamentação
empresas e defender a liberdade de expressão comercial.
Publicitária (Conar)
SISTEMA S
Os Serviços Sociais Autônomos – também conhecidos como Sistema S – são o conjunto de organizações, estabelecidas pela
Constituição Federal, das entidades corporativas profissionais voltadas para o treinamento profissional, assistência social,
consultoria, pesquisa e assistência técnica.

CONHEÇA QUAIS SÃO AS ENTIDADES DO SISTEMA S

Transporte
Indústria Comércio Cooperativas Empresas O Serviço Social
Serviço Nacional de Serviço Nacional de Agricultura
Serviço Nacional Serviço Brasileiro do Transporte
Aprendizagem Aprendizagem do Serviço Nacional
de Aprendizagem de Apoio às Micro (Sest) e o Serviço
Industrial (Senai) e Comércio (Senac) e de Aprendizagem
do Cooperativismo e Pequenas Nacional de
Serviço Social da Serviço Social do Rural (Senar)
(Sescoop) Empresas (Sebrae) Aprendizagem do
Indústria (Sesi) Comércio (Sesc) Transporte (Senat)

DICAS PARA VOAR ALTO

CONHEÇA A DIFERENÇA ENTRE


CONHEÇA AS 100 MELHORES ONGS CONHEÇA O QUE SÃO OS CONHEÇA O OBSERVATÓRIO DO
CONSELHO PROFISSIONAL,
DO BRASIL MOVIMENTOS SOCIAIS TERCEIRO SETOR
SINDICATO E ASSOCIAÇÃO

PARTICIPAÇÃO SOCIAL
A Política Nacional de Participação Social (PNPS), instituída em 2014, é o conjunto de conceitos e diretrizes relativos às
instâncias e aos mecanismos criados para possibilitar o diálogo, a aprendizagem e o compartilhamento de decisões entre o
governo federal e a sociedade civil – o cidadão, os coletivos, os movimentos sociais, as suas redes e suas organizações..
Para articular as diferentes instâncias e mecanismos de Participação Social existentes e demais formas de diálogo a serem
criadas, a PNPS institui o Sistema Nacional de Participação Social (SNPS), o qual integra as instâncias de participação em
rede, de modo flexível, não hierarquizado e complementar.
CONHEÇA MAIS AS INSTÂNCIAS E OS MECANISMOS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL
Instâncias colegiadas temáticas e permanentes,
instituídas por ato normativo, de diálogo entre a
CONSELHOS DE sociedade civil e o governo, destinadas a
POLÍTICAS PÚBLICAS viabilizar a participação da sociedade civil no
processo decisório e na gestão de políticas
públicas.

Instâncias colegiadas temáticas, instituídas por


ato normativo, criadas para o diálogo entre a
COMISSÕES DE sociedade civil e o governo em torno de
POLÍTICAS PÚBLICAS objetivos específicos, com prazo de
funcionamento vinculado ao cumprimento de
suas finalidades.

Instância periódica de debate, formulação e


avaliação sobre temas específicos e de interesse
CONFERÊNCIAS público, com ampla participação de
NACIONAIS representantes do governo e da sociedade civil,
podendo contemplar etapas estaduais,
municipais ou regionais.

Instância de controle e participação social


responsável pelo tratamento das reclamações,
OUVIDORIA PÚBLICA solicitações, denúncias, sugestões e elogios
FEDERAL relativos às políticas e aos serviços públicos,
prestados, sob qualquer forma ou regime, com
vistas ao aprimoramento da gestão pública

Mecanismo de debate e negociação com a


participação dos setores da sociedade civil e do
MESAS DE DIÁLOGO
governo diretamente envolvidos com o objetivo
de prevenir, mediar e solucionar conflitos sociais.

Mecanismo para o diálogo entre representantes


dos conselhos de políticas públicas para formular
FÓRUNS
e acompanhar as políticas públicas e programas
INTERCONSELHOS governamentais, aprimorando a sua
intersetorialidade e transversalidade.

Eventos participativos de caráter presencial,


consultivos, abertos a qualquer interessado, com
AUDIÊNCIAS PÚBLICAS
a possibilidade de manifestação oral dos
participantes.

Processos de caráter virtual que visam


sistematizar a opinião dos sujeitos sociais
afetados e interessados no seu objeto para
CONSULTAS PÚBLICAS
subsidiar uma decisão governamental,
garantindo a permeabilidade da política aos
interesses dos cidadãos.

Mecanismos de interação social, abertos ao


cidadão, que utilizam tecnologias de informação
INTERFACES E
e comunicação livres e auditáveis, em especial a
AMBIENTES VIRTUAIS internet, para promover o diálogo entre governo
federal e sociedade civil.
ENTENDA OUTRAS FORMAS DE PARTICIPAÇÃO SOCIAL NAS DECISÕES DO ESTADO

INICIATIVA POPULAR SUGESTÃO POPULAR


REFERENDO
PLEBISCITO A população pode
Consulta feita à população Qualquer cidadão pode
Consulta feita à população apresentar projetos de lei apresentar ideias de
por meio de voto para
por meio de voto para que serão votados pelo projetos de lei no portal e-
saber sua opinião sobre um
saber sua opinião sobre um Congresso. São necessárias cidadania, do Senado
projeto de lei (ou parte
tema. A partir do resultado, as assinaturas de pelo Federal. As ideias que
dele) ou ato administrativo
é elaborada uma lei. menos 1% dos eleitores recebem o apoio de, pelo
já aprovado. A população
Em 1993, os brasileiros foram às (cerca de 1,5 mi de menos, 20 mil internautas
responde se aceita ou não
urnas para escolher um sistema de pessoas). são encaminhadas à
governo. As opções eram
a ação do governo.
Foram criadas por iniciativa popular:
Aconteceu em 2005, quando os Comissão de Direitos e
monarquia, república a Lei n. 9.840/1999 (combate à
parlamentarista e presidencialismo,
brasileiros decidiram pela não Legislação Participativa,
compra de votos) e a Lei
que foi a vencedora.
proibição do comércio de armas de
Complementar n. 135/2010 (Lei da
que decide se as trasnforma
fogo e munição no país. em projetos de lei ou não.
Ficha Limpa).

Tema | Medidas de isolamento social: atentado com as


liberdades individuais ou segurança social

Problema | A desinformação causada por “fake news” prejudicou o


entendimento acerca do isolamento.

| Proposta |
É vital que entidades de classe, como o Conselho Federal de
Medicina e o Conselho Federal de Farmácia, importantes na
promoção do bem-estar social pelo disciplinamento das
respectivas atividades profissionais, alertem a sociedade sobre a
urgência do isolamento social, por meio da divulgação de
informações científicas que desmintam as “fake news” acerca
dessa medida emergencial, com o fito de conscientizar a todos da
extrema necessidade de respeitar os protocolos criados pelas
instituições de saúde.

Tema | O que as imagens do século XXI revelam


sobre o futuro?

Problema | A despreocupação da sociedade contemporânea com o futuro


revela-se na pouca importância dada à leitura das imagens.

| Proposta |
Urge que, no contexto brasileiro, a Associação Brasileira de ONGs,
entidade coletiva engajada na construção de um mundo mais justo
para todos, suscite um amplo debate social sobre os principais
eventos do século XXI, através da realização de mesas de diálogo
focalizadas em analisar as imagens que marcaram esses eventos,
sobretudo aquelas nas quais aparecem crianças, visando levar a
sociedade a um posicionamento de real preocupação com o
futuro.

Você também pode gostar