Você está na página 1de 41

Resumo - Case Studies -

Per Runeson • Martin Höst


Victor Klisman
O que é o estudo de caso?
Estudo de caso

É uma metodologia de pesquisa adequada para a pesquisa


em engenharia de software, uma vez que estuda fenômenos
contemporâneos em seu contexto natural. No entanto, a
compreensão do que constitui um estudo de caso varia e,
portanto, a qualidade dos estudos resultantes.
Uma breve introdução
Estudos empíricos na Engenharia de
Software

A aceitação dos estudos empíricos em Engenharia de


Software e suas contribuições para o aumento do
conhecimento está crescendo continuamente. No entanto, a
parcela geral dos estudos empíricos é insignificante na
pesquisa em ciência da computação;

Além disso, o trabalho existente sobre metodologia de


pesquisa empírica em engenharia de software tem um forte
foco na pesquisa experimental;
Estudos empíricos na Engenharia de
Software
Existem diretrizes para a condução de experimentos
(Kitchenham et al. 2002; Wohlin et al. 2000) e relatórios
(Jedlitschka e Pfahl 2005), medições (Basili e Weiss 1984;
Fenton e Pfleeger 1996; van Solingen e Berghout 1999) e
sistemática revisões (Kitchenham 2007), enquanto apenas
pouco foi escrito sobre estudos de caso em engenharia de
software (Höst ​e Runeson 2007; Kitchenham et al. 1995;
Wohlin et al. 2003) e métodos qualitativos (Dittrich 2007;
Seaman 1999; Sim et al. 2001 )

Mas, recentemente, uma visão abrangente de questões de


pesquisa empírica para engenharia de software foi
apresentada, editada por Shull et al. (2008).
Estudos empíricos na Engenharia de
Software
A metodologia de estudo de caso é adequada para muitos tipos
de pesquisa em engenharia de software, pois os objetos de
estudo são fenômenos contemporâneos, que são difíceis de
estudar isoladamente. Os estudos de caso não geram os
mesmos resultados em, por ex. relações causais como os
experimentos controlados fazem, mas fornecem uma
compreensão mais profunda dos fenômenos em estudo.

Por serem diferentes dos estudos empíricos analíticos e


controlados, os estudos de caso têm sido criticados por serem
de menor valor, impossíveis de generalizar e serem
tendenciosos por pesquisadores.
Estudos empíricos na Engenharia de
Software

Diante disso, o artigo tem o objetivo de fornecer orientação


para o pesquisador que conduz estudos de caso, para revisores
de manuscritos de estudos de caso e para leitores de estudos
de caso.
Antecedentes e Definição de Conceitos
Metodologia de Pesquisa

A fim de definir o escopo para o tipo de estudos empíricos


que abordamos neste artigo, colocamos os estudos de caso
no contexto de outras metodologias de pesquisa e nos
referimos às definições gerais do termo estudo de caso de
acordo com Robson (2002), Yin (2003) e Benbasat et al.
(1987) respectivamente.

As três definições concordam que o estudo de caso é um


método empírico que visa investigar fenômenos
contemporâneos em seu contexto.
Metodologia de Pesquisa
Existem três outras metodologias de pesquisa principais
que estão relacionadas a estudos de caso:

Levantamento: coleta de informações padronizadas de


uma população específica, ou alguma amostra de uma
população.
Experimento: medir os efeitos da manipulação de uma
variável em outra variável.
Pesquisa-ação: influenciar ou mudar algum aspecto de
qualquer que seja o foco da pesquisa.
Características das Metodologias de Pesquisa
Diferentes metodologias de pesquisa servem a diferentes propósitos;
um tipo de metodologia de pesquisa não atende a todos os
propósitos. Nós distinguimos entre quatro tipos de propósitos de
pesquisa com base na classificação de Robson (2002):

Exploratório - descobrir o que está acontecendo, buscar novos


insights e gerar ideias e hipóteses para novas pesquisas.
Descritivo - retrata uma situação ou fenômeno.
Explicativo - buscar uma explicação de uma situação ou
problema, principalmente, mas não necessário, na forma de uma
relação causal.
Melhorar - tentar melhorar um certo aspecto do fenômeno
estudado.
Os estudos de caso de Engenharia de
Software tendem a se inclinar para uma
perspectiva positivista, especialmente
para estudos do tipo explicativo.
Estudos de Caso

Os estudos de caso são, por definição, conduzidos em


ambientes do mundo real e, portanto, têm um alto grau de
realismo, principalmente às custas do nível de controle.

Os dados coletados em um estudo empírico podem ser


quantitativos ou qualitativos.

Os dados quantitativos envolvem números e classes,


enquanto os dados qualitativos envolvem palavras,
descrições, imagens, diagramas etc.
Estudos de Caso
Os dados quantitativos são analisados ​usando estatísticas,
enquanto os dados qualitativos são analisados ​usando
categorização e classificação.

Ainda, o processo de pesquisa pode ser caracterizado como


fixo ou flexível de acordo com Anastas e MacDonald (1994) e
Robson (2002).

Em um processo de projeto fixo, todos os parâmetros são


definidos no lançamento do estudo, enquanto em um processo
de projeto flexível os principais parâmetros do estudo podem
ser alterados durante o curso do estudo.
Processo de Pesquisa de Estudo de Caso
Condução de um estudo de caso

Ao conduzir um estudo de caso, há cinco etapas principais


do processo a serem percorridas:

1. Desenho do estudo de caso: os objetivos são definidos e


o estudo de caso é planejado.
2. Preparação para coleta de dados: são definidos
procedimentos e protocolos para coleta de dados.
3. Coleta de evidências: execução com coleta de dados
sobre o caso estudado.
4. Análise dos dados coletados
5. Relatórios
Projeto e planejamento do estudo de
caso
Definindo um Caso
A pesquisa de estudo de caso é do tipo flexível, conforme
mencionado anteriormente. Isso não significa que o
planejamento seja desnecessário. Pelo contrário, um bom
planejamento para um estudo de caso é crucial para seu
sucesso.

Existem várias questões que precisam ser planejadas, como


quais métodos usar para a coleta de dados, quais
departamentos de uma organização visitar, quais documentos
ler, quais pessoas entrevistar, com que frequência as
entrevistas devem ser realizadas, etc.
Definindo um Caso

Um plano para um estudo de caso deve conter pelo menos os


seguintes elementos (Robson 2002):

Objetivo - o que alcançar?


O caso - o que é estudado?
Teoria - quadro de referência
Perguntas de pesquisa - o que saber?
Métodos - como coletar dados?
Estratégia de seleção - onde buscar dados?
Protocolo de Estudo de Caso

O protocolo do estudo de caso é um recipiente para as decisões


de design do estudo de caso, bem como procedimentos de
campo para sua realização. O protocolo é um documento
continuamente alterado que é atualizado quando os planos
para o estudo de caso são alterados.
Considerações Éticas
No momento do projeto de um estudo de caso, considerações
éticas devem ser feitas (Singer e Vinson 2002). Mesmo que um
estudo de pesquisa seja, antes de mais nada, construído sobre a
confiança entre o pesquisador e o caso (Amschler Andrews e
Pradhan 2001), medidas explícitas devem ser tomadas para
prevenir problemas.

Os principais fatores éticos incluem:


Consentimento informado
Revisão da aprovação do conselho
Confidencialidade
Tratamento de resultados sensíveis
Incentivos
Comentários
Coletando Dados
Fontes de dados diferentes

Existem várias fontes diferentes de informações que podem ser


usadas em um estudo de caso. É importante usar várias fontes
de dados em um estudo de caso para limitar os efeitos de uma
interpretação de uma única fonte de dados.

Em um estudo de caso, também é importante levar em


consideração pontos de vista de diferentes funções e investigar
diferenças, por exemplo, entre diferentes projetos e produtos.
Fontes de dados diferentes

De acordo com Lethbridge et al. (2005) as técnicas de coleta de


dados podem ser divididas em três níveis:
Primeiro grau: métodos diretos significam que o pesquisador
está em contato direto com os sujeitos e coleta dados em
tempo real.
Segundo grau: métodos indiretos onde o pesquisador coleta
diretamente os dados brutos, sem realmente interagir com os
sujeitos durante a coleta de dados.
Terceiro grau: Análise independente de artefatos de trabalho
onde já estão disponíveis e às vezes são usados ​dados
compilados.
Entrevistas

A coleta de dados por meio de entrevistas é importante em


estudos de caso. Na coleta de dados baseada em entrevistas, o
pesquisador faz uma série de perguntas a um conjunto de
sujeitos sobre as áreas de interesse do estudo de caso. Na
maioria dos casos, uma entrevista é realizada com cada sujeito,
mas é possível conduzir entrevistas em grupo. O diálogo entre o
pesquisador e o (s) sujeito (s) é norteado por um conjunto de
perguntas da entrevista.
Entrevistas

As entrevistas podem, por exemplo, ser divididas em


entrevistas:

não estruturadas,
semiestruturadas;
totalmente estruturadas.
Observações

As observações podem ser realizadas a fim de investigar como


uma determinada tarefa é conduzida por engenheiros de
software.

Existem muitas abordagens diferentes para observação. Uma


abordagem é monitorar um grupo de engenheiros de software
com um gravador de vídeo e, posteriormente, analisar a
gravação, por exemplo, por meio de análise de protocolo (Owen
et al. 2006; von Mayrhauser e Vans 1996).
Dados de arquivo
Os dados de arquivamento referem-se a, por exemplo, atas de
reuniões, documentos de diferentes fases de desenvolvimento,
organogramas, registros financeiros e medidas coletadas
anteriormente em uma organização.

Os dados de arquivo são um tipo de dados de terceiro grau que


podem ser coletados em um estudo de caso. Para este tipo de
dados, uma ferramenta de gerenciamento de configuração é
uma fonte importante, pois permite a coleta de uma série de
documentos diferentes e diferentes versões de documentos.
Métricas

As técnicas de coleta de dados acima mencionadas são


principalmente focadas em dados qualitativos. No entanto, os
dados quantitativos também são importantes em um estudo de
caso.
Medição de software é o processo de
representar entidades de software,
como processos, produtos e recursos,
em números quantitativos (Fenton e
Pfleeger 1996).

Métricas

Os dados coletados podem ser definidos e coletados para o


propósito do estudo de caso, ou os dados já disponíveis podem
ser usados ​em um estudo de caso. O primeiro caso oferece, é
claro, a maior flexibilidade e os dados mais adequados para as
questões de pesquisa sob investigação.
Métricas

A definição de quais dados coletar deve ser baseada em uma


técnica de medição orientada a objetivos, como o método Goal
Question Metric (GQM) (Basili e Weiss 1984; van Solingen e
Berghout 1999). No GQM, as metas são formuladas primeiro e
as perguntas são refinadas com base nessas metas e, depois
disso, as métricas são derivadas com base nas perguntas.
Análise de Dados
Análise de dados quantitativos

A análise de dados é conduzida de forma diferente para dados


quantitativos e qualitativos. Para dados quantitativos, a análise
geralmente inclui análise de estatísticas descritivas, análise de
correlação, desenvolvimento de modelos preditivos e teste de
hipóteses. Todas essas atividades são relevantes na pesquisa
de estudo de caso.
Análise de dados qualitativos

Visto que a pesquisa de estudo de caso é um método de


pesquisa flexível, métodos de análise de dados qualitativos
(Seaman 1999) são comumente usados.

A análise deve ser realizada em paralelo com a coleta de dados,


uma vez que a abordagem é flexível e novos insights são
encontrados durante a análise. A fim de investigar esses
insights, novos dados devem ser freqüentemente coletados e
instrumentação, como questionários de entrevista, deve ser
atualizada.
Técnicas Gerais de Análise

Existem duas partes diferentes de análise de dados qualitativos,


técnicas de geração de hipóteses e técnicas de confirmação de
hipóteses (Seaman 1999), que podem ser usadas para estudos de
caso exploratórios e explicativos, respectivamente.

A geração de hipóteses tem como objetivo encontrar hipóteses a


partir dos dados. Ao usar esses tipos de técnicas, não deve haver
muitas hipóteses definidas antes de a análise ser conduzida.
Técnicas Gerais de Análise

Em vez disso, o pesquisador deve tentar ser imparcial e aberto a


quaisquer hipóteses que possam ser encontradas nos dados. Os
resultados dessas técnicas são as hipóteses como tais.

As técnicas de confirmação de hipóteses denotam técnicas que


podem ser usadas para confirmar que uma hipótese é realmente
verdadeira, por ex. através da análise de mais dados. A triangulação
e a replicação são exemplos de abordagens para confirmação de
hipóteses (Seaman 1999).
Validade

A validade de um estudo denota a confiabilidade dos resultados, em


que medida os resultados são verdadeiros e não influenciados pelo
ponto de vista subjetivo dos pesquisadores.

A validade deve ser abordada durante todas as fases anteriores do


estudo de caso.
Validade

scolhemos um esquema de classificação que também é usado por


Yin (2003) e semelhante ao que é normalmente usado em
experimentos controlados em engenharia de software (Wohlin et al.
2000).

Validade de constructo
Validade interna:
Validade externa
Confiabilidade
Obri
gado!
Você tem perguntas para
mim?

vksm@icomp.ufam.edu.br

Você também pode gostar