Você está na página 1de 11

Curso de Pedagogia Artigo de Revisão

A IMPORTÂNCIA DA CRIATIVIDADE NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM


THE IMPORTANCE OF CREATIVITY IN TEACHING AND LEARNING PROCESS

Domingo Moreira Silva¹, Sônia Regina Basili Amoroso2


1 Aluno do Curso de Pedagogia
2 Professora Mestre do Curso de Pedagogia

Resumo
A educação atualmente busca estratégias e métodos de ensino visando à formação integral do aluno nas diferentes áreas do
conhecimento, principalmente nas áreas: afetiva, cognitiva e social. Onde se compreende como um dos recursos essenciais o uso do
poder criativo na promoção do conhecimento. Assim este trabalho tem como objetivo geral identificar a quem corresponde maior peso
ou de quem é maior a contribuição no desenvolvimento da criatividade da criança. Este é um trabalho qualitativo, de cunho exploratório
e explicativo, que teve como base as diferentes bibliografias sobre o tema, também foi utilizado como subsídio teses de doutorado na
área educacional e da psicologia, que estão relacionadas ao tema. Esta é uma pesquisa de base qualitativa, apoiada em dados
quantitativos, e cuja metodologia sustenta-se na meta-análise. Concluiu-se pela analise dos dados, que o individuo pode se tornar
criativo com o uso de intervenções dos profissionais da área da educação e ou por influência do contexto em que vive, porém,
podemos também concluir que as instituições escolares são um dos locais mais apropriados a este desenvolvimento, contendo os mais
essenciais elementos facilitadores e estimuladores da criatividade. Observa-se nos relatos dos pesquisadores que há dificuldade dos
professores na utilização dos espaços da escola para o desenvolvimento da criatividade, que nem sempre são os mais
adequados,como também pela falta de preparo dos próprios professores. Recomenda-se para os atuais e futuros educadores, fazerem
uso do seu próprio potencial criador na mediação do conhecimento, objetivando uma aprendizagem significativa e prazerosa para o
aluno.
.
Palavras-Chave: criatividade; aprendizagem; professor, ambiente escolar;

Abstract
Education currently search strategies and teaching methods to the integral formation of the student in different areas of knowledge,
especially in the areas: affective, cognitive and social. Which is understood as one of the key features the use of creative power in the
promotion of knowledge. So this work has as main objective to identify who corresponds most weight or who is the greatest contribution
to the child's creativity development. This is a qualitative work, exploratory and explanatory nature, which was based on the different
bibliographies on the subject, was also used as support doctoral thesis in education and psychology, which are related to the topic. This
is a qualitative research base, supported by quantitative data, and whose methodology is sustained in the meta-analysis. It was con-
cluded by the analysis of the data, that the individual can become creative with the use of interventions of education professionals and
or influence the context in which he lives, however, we can also conclude that the educational institutions are one of the local suitable to
this development, comprising the most essential elements facilitating and stimulating creativity. It is noted in the reports of the research-
ers that it is difficult for teachers in the use of school spaces for the development of creativity, which are not always the most appropri-
ate, but also by the lack of preparation of teachers themselves. It is recommended for current and future educators, make use of their
own creative potential in the mediation of knowledge, aiming at a meaningful and enjoyable learning for the student.

Keywords: creativity; learning, teacher, school environment

Contato: domingomoreiras@gmail.com

Introdução

A educação atualmente busca estratégias e trabalho, e isso se observa especificamente entre


métodos de ensino visando à formação integral do profissionais da área da pedagogia e da
aluno nas diferentes áreas do conhecimento e na psicologia.
formação dos mesmos nas áreas: afetiva, Por se tratar de um processo ativo do
cognitiva e social. Onde se compreende como um indivíduo ao resolver problemas e inerente a seu
dos recursos essenciais o uso do poder criativo na desenvolvimento, que é um processo que ocorre
promoção do conhecimento, tema que vem sendo durante toda a vida, e que permite ao sujeito criar
debatido em palestras e pela academia de forma formas ou “caminhos” para a resolução de
geral. problemas de forma criativa e única, de modo que
Debates que estão abordando como tema as regras e métodos utilizados visam à
central, a importância da criatividade no processo descoberta, à invenção ou à construção de novas
de ensino aprendizagem, seja, nos assuntos formas para alcançar respostas a antigos
relacionados à educação formal, ou relativos ao problemas, ou seja, de modo próprio, espontâneo.
1
Observa-se, porém que o início do diferentes bibliografias lidas como base à compre-
processo criativo e seu uso e aprimoramento do ensão sobre o tema criatividade.
potencial criativo, ocorre principalmente no Também neste trabalho foi utilizado como
contexto escolar, onde o foco do processo é o subsídio teses de doutorado na área educacional
aluno, estendendo-se ao meio social. e da psicologia, que estão relacionados ao tema
Esta criatividade se faz presente criatividade, visando aproximar a discussão e a
integralmente nas práticas escolares, de forma compreensão sobre a temática por meio da análi-
que o aluno seja inserido no meio social de forma se e comparação dos dados obtidos com diferen-
letrada, preparado para a resolução de problemas tes respondentes, quando os autores das referidas
e para a busca e construção de novas respostas teses usaram escalas e outros instrumentos de
aos estímulos do meio ambiente. Que por sua vez, coleta de dados, que lhes deram informações rele-
farão com que ocorram maneiras mais adequadas vantes. Isso nos deu possibilidade de garantir
para realizar suas tarefas diante de novas maior sustentabilidade a esta pesquisa.
situações, e assim possa ter uma leitura de mundo Trata-se, portanto de uma pesquisa de base
de maneira satisfatória e eficaz. qualitativa e apoiada em dados quantitativos, e
Devido aos baixos níveis de aprendizado e cuja metodologia sustenta-se na meta-análise ou
a falta de motivação, por vezes observado nas metanálise. De onde se espera que os dados de
instituições escolares, em alguns casos resultando cada pesquisa possam contribuir para a compre-
até no fracasso escolar, ou seja, a geração da ensão do fenômeno em estudo, permitindo maior
evasão, da repetência e da violência nas escolas, precisão da análise, que terá na comparação dos
os educadores passaram a empreender buscas resultados das referidas pesquisas um apoio esta-
por organizar suas aulas com estratégias de tístico, com dados interpretados e já organizados e
ensino mais criativas, que por sua vez também referendados pelos autores
despertem esta criatividade. A metanálise ou meta-análise é um método
Por estes e outros motivos, é que a temática estatístico utilizado para análises de dados, que
vem despertando interesses crescentes por parte através das diferentes combinações e abordagens
de psicólogos e educadores em relação à apoie o atual estudo de forma sistemática, inte-
criatividade como possibilidade de construção de grando satisfatoriamente, resultados de diferentes
novas trajetórias educativas, e baseando-se na estudos abordados dentro de um mesmo assunto
ideia de que este é o “elo” da relação que pode com a finalidade de chegar a um resultado mais
haver entre a motivação e a criatividade, e que homogêneo possível (CASTRO, 2001).
pode se tornar forte aliada dentro e fora das Assim, por meio da meta-análise foi possível
escolas. comparar e analisar os dados das pesquisas, não
Na busca de respostas para essa temática, apenas no que diz respeito à criatividade como
que faz parte do processo ativo e significativo da recurso, mas como outros fatores importantes no
formação e desenvolvimento do aluno, pesquisas processo educacional, pois é a criatividade o as-
sobre as diferentes faces desse fenômeno estão sunto chave deste trabalho.
sendo realizadas por varias correntes teóricas de O olhar da presente pesquisa recai então
renomados autores intelectuais, visando melhor sobre a criatividade e todos que participam do
compreender sobre o uso e a relevância da processo educativo escolar, tais como o aprendiz
criatividade, além de descrever a importância do e sua reação diante desta abordagem; o mediador
papel do professor nesse processo. (professor) e suas perspectivas ao lidar com o
Pretende-se com o desenvolver deste “novo”; e o meio ambiente, fator essencial para a
trabalho alcançar como objetivo geral respostas prática do desenvolvimento do poder criativo.
que indiquem a quem corresponde o maior peso Na busca de resultados mais precisos para
ou de quem é maior a contribuição no responder aos questionamentos pertinentes ao
desenvolvimento da criatividade da criança assunto foco deste trabalho, foram utilizados como
durante o seu desenvolvimento e, como objetivos fonte/amostragens, resultados de pesquisas em
específicos buscar identificar quando e em que teses de doutoramentos publicadas recentemente
circunstâncias o poder criativo tem maior por alunos do curso de Doutorado da Universidade
possibilidade de se desenvolver; como também de Brasília-UnB, os quais foram a campo buscar
identificar se há diferentes padrões de criatividade em suas pesquisas, embasamento para suas te-
que podem ser desenvolvidos e se estes estão ses por meio de diferentes estratégias e projetos,
relacionados à subjetividade das crianças e dos coletando dados por meio de questionários e en-
professores. trevistas, em que foram participantes pais, alunos
e profissionais da área da educação.
Também se deve destacar que estes pes-
Materiais e Métodos quisadores leram em obras literárias, de diferentes
autores e pesquisadores da área da educação e
Este é um trabalho qualitativo, de cunho da psicologia, visando embasar suas discussões
exploratório e explicativo, que teve como base as que lhes oportunizaram compreender e alcançar

2
seus objetivos à luz das diferentes bibliografias sabe o que significa”.
lidas e pesquisadas. Já para Castro (2006) a criatividade e a
Após a leitura e análise dos dados, foi extra- imaginação não são atividades a serem propostas
ído do artigo as considerações mais relevantes em um segundo plano, que possam ser
para fazer as comparações relativas à temática, consideradas como de importância de menor valor
destacando-se as opiniões dos respondentes das do que a razão ou a memória, porque elas estão
referidas pesquisas pertinentes ao assunto, obser- ligadas e suas combinações integram a vida
vando em que são divergentes ou congruentes. humana, afirma que:
O que nos deu a possibilidade de ampliar as
discussões relativas à criatividade. Neste caso, em A imaginação, como base de toda atividade
criadora, se manifesta por igual em todos os
especifico, as que se relacionam diretamente ao
aspectos da vida cultural. Possibilitando a
uso e à importância do poder criativo no processo criação artística, cientifica e técnica. Neste
de ensino aprendizagem. sentido, absolutamente tudo o que nos rodeia e
Logo após, com base nas leituras foram rea- que foi criado pela mão do homem, todo o
mundo da cultura, em diferenciação ao mundo
lizadas as análises comparativas, de onde foi obti-
da natureza, tudo é produto da imaginação e
do um resultado, que nos aproxima do fenômeno da criação humana. (CASTRO, 2006, p.14)
criatividade, demonstrando com ela é compreendi-
da, valorizada e utilizada no âmbito escolar. A autonomia, para muitos psicólogos e
Também compreender e observar como a educadores é o resultado do uso do poder criativo,
criatividade pode ser utilizada como um recurso e que a escolarização e valorativa na crescente
capaz de influenciar e nortear de uma forma posi- transição da sociedade que desenvolve
tiva e significativa na formação do individuo como aceleradamente. Castro (2006, pag.14) refere-se à
cidadão pleno e realizado, tornando a mediação autonomia como “à propriedade pela qual o
do conhecimento mais prazerosa e significativa, homem pretende poder escolher as leis que regem
tanto para o professor como para o aluno. sua conduta.”
A Teoria de Guilford (Guilford, 1967, apud
Referencial Teórico Barros, 2002) demonstrou que o processo criativo
resulta de um conjunto de “traços”: fluência,
A criatividade é considerada por muitos flexibilidade e originalidade. Em relação à fluência,
autores como um fenômeno multidimensional que considera-se que sejam “as habilidades de
oferece influências de vários aspectos tais como: produzir palavras ou ideias com rapidez e
cognitivos, afetivos, ambientais e sociais, de alta abundantemente”.
relevância no cotidiano do aluno e do cidadão. Em relação à flexibilidade, considera-se que
Segundo algumas teorias, a criatividade deve ser seja a “capacidade que o pensamento tem de
estimulada principalmente dentro das escolas, por mudar a direção, procurando solucionar problemas
meio da valorização e estimulo do poder criativo, diante de novas situações”. Sobre a originalidade,
tanto, por parte dos docentes e dos discentes. o mesmo autor descreve que “é o “traço” que
Santos (2014) abordam em suas pesquisas consiste na habilidade de emitir conceitos
que a criatividade, cada vez mais, esta sendo inteligentes e únicos” (GUILFORD, 1967, apud
reconhecida dentro e fora das instituições BARROS, 2002, p. 32).
escolares, como um importante recurso para O psicólogo norte americano Edward Lee
mediar e assimilar o conhecimento de uma forma Thorndike foi um dos pioneiros na construção da
prazerosa para o aprendiz, como também para teoria da aprendizagem, e criador das leis dos
todas as áreas do conhecimento humano (afetivo, exercícios e do efeito. Ele considerava que a
motor e cognitivo), inclusive para o bom aprendizagem ocorria em um modelo de ensaio e
desenvolvimento do país, seja ela, na economia erro, e pensava na aprendizagem, como resultado
ou no social, desde que haja estratégias e da formação de conexões entre estímulos e
condições adequadas para que essa habilidade respostas.
seja desenvolvida e aprimorada, e que a escola é Ele formulou duas leis fundamentais da
o contexto adequado para o incentivo do uso do aprendizagem: lei do efeito e lei do exercício; lei
poder criativo, mas, por ser um recurso que requer do exercício quando um ato causa satisfação ou é
tempo e compromisso, por isso o potencial criador seguido de recompensa, ele tende a ser repetido e
nem sempre é estimulado e compreendido pelos não for seguido de recompensa ou seguido de
educadores de forma que deveria ser. punição ele não é repetido, em outras palavras,
Segundo Ostrower (1977), o potencial tudo que resulta e uma coisa boa a tendência é de
criador “é um fenômeno de ordem mais geral, repeti-la; lei do exercício, que são as ações feitas
menos especifica do que os processos de criação, várias vezes através da repetição tornado o ato
através dos quais o potencial se realiza”. mais fácil. Para Ostrower (2001)
Segundo Torrance (1965 apud BARROS,
2002, pág. 27) pesquisador e professor de Na aprendizagem humana a numerosos
exemplos da lei do exercício: aprender a
psicologia, “a criatividade é uma virtude desejável
patinar, guiar automóvel ou escrever á
e admirada por todos, mas, na realidade, ninguém maquina, significa executar, em primeiro lugar,
3
os movimentos em sua sequência correta e, terreno material – nunca instruíram ninguém e,
depois repeti-los até que se processem por uma fatalidade da natureza humana, cada
rapidamente, com desembaraço e precisão. nova geração é convocada a reaprender o que
Isto também ocorre na aprendizagem escolar. os outros já tinham descoberto por conta pró-
Para conseguir falar Francês ou aprender uma pria (PIAGET, 1998, p. 66).
série de fórmulas matemáticas, é necessário
repetir (isto é, exercitar) os elementos da tarefa,
na ordem correta, regular e com freqüência O potencial criador
(OSTROWER, 2001 apud Barros, 2002, pag.
47). Castro (2006) considera que a atividade
criadora é toda realização de algo novo em que o
Já na perspectiva behaviorista a ser humano esta envolvido, partido do abstrato
aprendizagem é definida como um conjunto de imaginário para o contexto da realidade.
reações ou respostas que um corpo ou organismo A criatividade no percurso de nossa vida
tem como reação a estímulos ou ação do meio às vezes surge de diferentes formas, quase
ambiente, e que ela modifica o comportamento espontaneamente, por si só, pois na essência do
nas ações resultantes. nosso mundo imaginativo deve se levar em conta
Criatividade é uma palavra derivada a partir a realidade configurativa por esta ativa na vida do
do verbo “criar”, e que segundo Ostrower: cidadão.
Criar é, basicamente formar, é poder dar uma
O impulso elementar e a força vital para criar
forma a algo novo, em qualquer que seja o
provem de áreas ocultas do ser. É possível que
campo de atividade, trata-se, nesse “novo” de
delas o indivíduo nunca se dê conta,
novas coerências que se estabelecem para a
percebendo inconscientemente, refratários até
mente humana, fenômenos relacionados de
a tentativa de se querer defini-los. Além dos
modo novo e comprometidos em termos novos
impulsos inconscientes, entra no processo
(1977, p.09).
criativo tudo o que o homem sabe, os
conhecimentos, as conjeturas, as propostas, as
O processo de criar acontece não porque as duvidas, tudo que ele pensa e imagina,
pessoas gostam, mas, por necessidade de um utilizando seu saber, o homem fica apto a
examinar o trabalho e fazer novas opções.
auxílio ou recurso para promover um suporte
(OSTROWER, 2001, apud BARROS, p. 55).
facilitador de uma determinada ação concreta, de
uma mobilização interior consciente direcionada Porque quando ele pensa em fazer algo
para determinada finalidade, levando em conta tende sempre a buscar a melhor forma de fazê-lo,
vários fatores, em que se destacam a cultura. pois sua escolha lhe dá a sensação de que terá
Principalmente pelo fato de que homem é chances de executar aquilo com maior qualidade e
historicamente um ser sensível, com relação ao eficiência.
seu passado como ser cultural, é que segundo Para Magalhães (2003, p.11), a criatividade
Ostrower (1977, p.13) “que o homem ao agir, age “é a disposição para criar que existe
culturalmente, apoiado na cultura dentro de outra potencialmente em todos os indivíduos e em todas
cultura”. as idades, em estreita dependência do meio
Em Barros (2002) a aprendizagem é sociocultural”.
abordada como um processo adquirido quando o Sendo imaginação e a criatividade formas
sujeito é exposto a condições especiais, na qual complexas de pensamento e ações para o
novas reações e estímulos antes indiferentes ou desenvolvimento do fazer, assim como para a
neutros, exercida para resultar em uma resposta a imaginação e a criatividade, é necessário que haja
um determinado anseio. uma experiência anterior de tudo que o rodeia é
Pressupondo de que a construção do de suma importância para o desenvolvimento da
conhecimento cognitiva e da autonomia da criança imaginação e do potencial criador para a execução
está relacionada com as atividades que ela realiza do concreto.
no seu dia a dia na escola e fora dela, fazendo-se A criatividade tem objetivado pesquisas de
necessário a importância de saber como a criança varias áreas do conhecimento, se tratando de uma
constrói o seu conhecimento partir do seu característica muito importante para o desenvolvi-
contexto. mento humano, principalmente na atual conjuntura
Segundo Piaget as crianças tem mais da globalização do mundo com suas inovações e
facilidade de aprende com objetos concretos, invenções que avançam em ritmo acelerado, prin-
coisas que elas podem pegar e de preferências cipalmente nas áreas tecnológicas direcionadas
coisa que faz parte de seu cotidiano, assim. ao mercado de trabalho, em que a criatividade é
de suma importância para enfrentar os novos de-
As melhores aulas continuarão sendo letra
morta se não se apoiarem sobre a própria ex-
safios do mundo globalizado.
periência, assim como a inteligência das leis da Apesar de não existir um consenso sobre
física é impossível sem a manipulação de um um conceito do termo “criatividade”, especialistas
material concreto. Quanto à experiência da so- das diversas áreas concordam que esse fenômeno
lidariedade, é necessário que a criança a refa-
ça por si mesma, pois as experiências dos ou-
exige uma maior atenção, principalmente para os
tros – no terreno espiritual ainda mais que no profissionais da área da educação na promoção
4
dessa habilidade criativa. Como ressalta a Lei de Mas, apesar das grandes dificuldades em ministrar
Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB suas aulas conseguem unir a prática à teoria com
9394/96) deve-se priorizar a capacitação do aluno a implementação de novas ideias, utilizando-se do
para a resolução de problemas por meio de pen- seu potencial criador como estratégias para pro-
samento lógico, da criatividade e de análise de mover a educação, pois “até mesmo professores
situações de forma critica. sobrecarregados de trabalho têm curiosidade a
O potencial criativo deve ser estimulado respeitos de alternativas” (MAGALHÃES1987,
prioritariamente no contexto escolar, uma vez que p.94).
ele é de grande importância e necessidade para o Ainda para o mesmo autor acima os profes-
viver em sociedade. Portanto, deve-se promover e sores falam diretamente e indiretamente sobre os
estimular o discente na busca de resultados satis- seus temores de perderem a prática pedagógica
fatório, em expressões e ações criativas ao depa- de transferência de conhecimento para a prática
rar com situações novas, pois este estímulo não da educação emancipadora.
deve ser ignorado porque pode ocorrer um efeito
negativo, ou seja, ele pode ser atrofiado por falta O professores que estão abertos à transforma-
ções sentem um apelo utópico, mas também
de estímulos, principalmente dentro do contexto
sentem medo, e são afastados da convicção de
escolar. que a educação devia libertar (MAGALHÃES,
Para isso, devem analisar as estratégias fa- 1987, p. 68).
voráveis para a implementação das práticas peda-
gógicas adequadas para fins da promoção dos Isso pode indicar que a emancipação pode
estímulos e o bom desempenho no trabalho moti- ser de fato assustadora do ponto de vista do do-
vador para o desenvolvimento do potencial criati- cente, uma vez que isso implica em não mais pre-
vo. cisarem de acessória e tornar-se autônomos na
Para se promover o estimulo do potencial aprendizagem.
criador dos alunos, deve-se levar em conta o am- Os professores são profissionais que bus-
biente, se ele é ou não favorável para estimular a cam inovações pedagógicas para a mediação do
criatividade do aluno de forma positiva e significa- conhecimento de forma satisfatória e eficiente,
tiva, fazendo avaliações e auto avaliações periódi- para a promoção do conhecimento, trabalhando
cas do processo dentro da abordagem de ensino com exemplos e objetos do próprio contexto do
aprendizagem, principalmente no que se refere à aluno, almejando de uma forma geral uma apren-
autonomia do aluno (OSTROWER, 1977) dizagem significativa.
Na opinião de Freire (1987, apud PASCHO- A vida de uma pessoa se faz com educa-
ALINO, 2009), Gadotti (1988, apud SILVA) e Mar- ção, na qual estão envolvidos vários segmentos
quesi (2002, apud SIQUEIRA, 2006), no estimulo contextuais tais como: o cultural, o social, o eco-
do uso da criatividade podem-se encontrar barrei- nômico, o étnico e o religioso, que fazem parte da
ras durante o período das práticas de estimulação historia da vida do individuo envolvido neste con-
da criança, que podem ser pessoais ou advindas texto. Assim, partindo do processo de aprendiza-
do próprio meio no primeiro caso o aluno talvez gem do contexto em que o individuo está inserido,
não tenha tido uma motivação ou um suporte ade- terá resultados mais satisfatórios.
quado antes da vida escolar, o que consequente-
mente pode ter gerado uma baixa autoestima ou O que temos que fazer, na verdade, e propor
ao individuo através de certas contradições bá-
outro tipo de “bloqueio”. Ou mesmo pela falta de sicas, sua situação existência, concreta, pre-
experiências dos professores ao lidar com situa- sente, como problema que, por sua vez, o de-
ções adversas, de um público diversificado em safie e, assim, lhe exige respostas não só no
termos culturais, sociais e cognitivos, como tam- nível intelectual, mas no nível de ação
(FREIRE,1987,apud BARROS, p. 86).
bém a falta de um espaço adequado para promo-
ver e exercitar o desenvolvimento do potencial O Para que seja gerada uma aprendizagem,
criador dentro processo de ensino aprendizagem. pressupõe-se o uso de atividades que criem situa-
As práticas pedagógicas realizadas de for- ções que desafiem o individuo, levando-o a uma
ma significativas contribuem para o desenvolvi- reflexão sobre a ação, que esteja envolvida no seu
mento da habilidade criativa dos alunos em qual- contexto/meio de modo que essa aprendizagem
quer que seja a componente curricular, pois dá seja mais acessível, divertida, sutil, interessante,
maior flexibilidade nas exposições das ideias rela- e, duradoura, do qual tire proveito desse aprendi-
cionadas ao conteúdo, possibilitando mais auto- zado.
nomia ao aluno, motivando-o a vencer desafios e Não é interessante pensar na aprendizagem
contribuindo para um bem estar já que será prová- de um ponto de vista basicamente cognitivo, uma
vel que isso o levará a superar suas dificuldades. vez que o professor oriundo de um curso de gra-
Para Magalhães (1987) a maioria dos pro- duação vem cheio de conhecimentos e técnicas
fissionais da área da educação reconhece que a didáticas, e vem trabalhar na mediação do conhe-
docência exige muito dos professores, tais como cimento com aulas expositivas, ou seja, aulas com
salas lotadas de alunos, falta de infraestrutura as metodologias e técnicas tradicionais, ou como
instituições escolares, pressão psicológica, etc.
5
relata Magalhães (1987) em uma “educação ban- ção e criatividade de alunos do 3º ano do ensino
cária”. fundamental”.
A diferença da pratica pedagógica para a da Neste trabalho as palavras chave eram Au-
mediação do conhecimento no caminho do saber, toconceito, motivação e criatividade de alunos do
segundo Perrenoud (2000), a diferenciação está 3º ano do ensino fundamental e foi realizada por
relacionada à didática e ao questionamento sobre Fernanda do Carmo Gonçalves dos Santos (2014).
o sentido do trabalho escolar, a relação com os Trata-se de uma tese de doutorado apre-
saberes e com sua utilização. sentada ao Instituto de Psicologia da Universidade
A falta ou a não existência do poder criati- de Brasília (UnB) no ano de 2014, como requisito
vo no processo de ensino aprendizagem pode para obtenção do titulo de Doutor em Processo de
gerar dificuldades no aprendizado para a formação Desenvolvimento Humano e Saúde, e cuja ênfase
do aluno, no âmbito escolar e no convívio social, centra-se na área de desenvolvimento humano e
levando-o ao fracasso escolar, ou seja, a repetên- educação.
cia ou até mesmo a evasão da escola. Neste trabalho o objetivo era descobrir quais
A mediação do conhecimento requer a uni- os efeitos do uso do poder criativo, a curto e médio
ão do saber, a experiência, pegar o conhecimento prazo no processo de ensino aprendizagem, para
abstrato, unir às experiências vividas e criar situa- o qual foram utilizados como subsídios para resul-
ções que levem o aprendiz a refletir sobre aquilo tar na compreensão do autor, dois programas, em
que foi adquirido. que um era direcionado aos pais e o outro aos
Além disso, de acordo com Alencar e Frei- professores, com o intuito de descobrir se com sua
tas (2009), traços de personalidade associados à intervenção haveria um gradual aumento do po-
criatividade, como espontaneidade, independên- tencial criativo nas crianças e se criatividade era
cia, autoconfiança, são reconhecidos por muito reconhecida como recurso importante para a pro-
docentes como características de alunos que per- moção do conhecimento e o bem-estar mental do
turbam o andamento das atividades em sala de indivíduo, como também se as escolas e as famí-
aula. lias estão oferecendo condições adequadas para o
No entanto, segundo Alencar e Freitas, desenvolvimento e aprimoramento dessa estraté-
embora tenha ocorrido um grande avanço nos gia para a promoção do conhecimento.
estudos sobre criatividade e se tenha preconizado Esta pesquisa trouxe como principais con-
o seu desenvolvimento na educação, essa habili- clusões que:
dade ainda é pouco estimulada e compreendida
por educadores, denotando que teoria e prática Os resultados desse estudo reforçam a ideia de
que intervenções em criatividade com professo-
estão desarticuladas (FREITAS, 2009, apud
ras podem ter impacto positivo na criatividade,
GONÇALVES, 1987, p.48) no autoconceito, na motivação para aprender e
Diversos estudos conduzidos no Brasil e em na percepção do clima para criatividade em sa-
outros países indicam um ambiente pouco favorá- la de aula dos alunos. Já os resultados do trei-
namento com mães indicaram efeitos positivos
vel ao desenvolvimento da criatividade em sala de parcialmente (SANTOS, 2014, p.197).
aula. O sistema educacional geralmente privilegia
um ensino focado na transmissão e reprodução e Isso pode indicar que a escola e o professor
não na assimilação ou construção de novos co- têm um impacto maior na compreensão das crian-
nhecimentos. ças, sendo mais motivadoras e provavelmente
despertando a criatividade nas crianças.
Apresentação e Discussão dos Dados Na segunda tese utilizada como base desta
pesquisa, e que foi desenvolvida por Geisa Nunes
Para compor esta pesquisa, foram escolhi- de Souza em 2008, doutoranda do instituto de
dos três trabalhos realizados por alunos do curso psicologia da Universidade de Brasília (UnB) como
de doutorado da Universidade de Brasília-UnB, requisito para obtenção do título de Doutora em
que foram a campo desenvolver projetos de pes- psicologia, dentro de uma perspectiva histórico-
quisa, para os quais utilizaram diferentes instru- cultural, sob o título: “A Criatividade Infantil na
mentos de coleta de dado tais como: questionários atividade de contar histórias: uma perspectiva
e entrevistas semiestruturadas, que tinham em sua histórico-cultural da subjetividade”, pesquisa esta,
temática central o foco na criatividade. realizada em 2008, que tinha como objetivo geral
Para alcançar os objetivos com maior eficá- compreender como se expressa a criatividade na
cia foi colocado em prática a implantação do seu atividade de contar histórias e quais são os ele-
trabalho, com pais, alunos e profissionais da área mentos subjetivos envolvidos nesta expressão em
da educação especificamente professores. crianças da educação infantil.
Este trabalho é resultante de uma pesquisa Sobretudo, visou estudar o comportamento
qualitativa apoiada em dados quantitativos e na das crianças nos primeiros anos de vida, e suas
compreensão da bibliografia sobre o tema. reações diante de situações que exigem o uso da
A primeira tese tem como título, “Interven- criatividade para a resolução das mesmas.
ção em criatividade com professoras e mães: efei- A autora usou problemas simulados após
tos no rendimento escolar, autoconceito, motiva- contar uma historia que tinham relação com o
6
cotidiano das crianças e suas contribuições para o trabalho pedagógico.
processo do seu desenvolvimento como um todo Como conclusão a autora traz a tese de
(cognitivo, afetivo e motor), e o principal embasa- que:
mento foi Vygotsky para quem a atividade reprodu- os processos subjetivos que configuram a
criatividade no trabalho pedagógico do
tiva com o uso da habilidade combinatória para a
professor são singulares, históricos e atuais e
solução de respostas a uma determinada proble- se relacionam de forma recursiva aos próprios
mática/imaginação será o resultado do meio ambi- processos de movimentos na subjetividade do
ente e o desconhecido, visando a um resultado docente(ARRUDA, 2014, p.241).
futuro (MOZZER, 2008).
Como conclusões a autora houve uma clara De onde a mesma pode oferecer
compreensão de que na contação de histórias a compreensões que nos levam a refletir que os
criatividade se manifesta de formas muito diferen- processos subjetivos que participam da expressão
ciadas. Indo desde a fantasia expressa em histó- criativa do professor no trabalho pedagógico
rias contadas de forma muito distante da história como, para os quais a autora destaca como mais
original, até a forma altamente personalizada e relevantes:
a) a forma como cada docente subjetiva o
dramatizada na qual a história é contada. papel do professor, vinculado à
Isso segundo a autora demonstrou de forma responsabilidade frente ao trabalho
concreta “que a criatividade tem, mesmo em uma pedagógico;
b) como subjetiva o aluno, ativo e participativo
única atividade, múltiplas formas de expressão no processo de aprendizagem;
relacionadas com o caráter único e singular do c) a subjetivação da aprendizagem escolar
sujeito da ação criativa” (MOZZER, 2008, p. 187). relacionada à compreensão e a elaboração
De onde prossegue a autora concluindo que pessoal a partir do aprendido;
d) a subjetivação da função social da educação
se constata que a criatividade é fortemente modifi- voltada à formação integral dos estudantes, o
cada pela subjetividade de cada criança. que abrange o contato com diferentes áreas do
Assim, “as diferenças na constituição subje- conhecimento; assim como,
tiva de cada uma das crianças estudadas foi um e) a subjetivação de conhecimentos em áreas
específicas, que se relacionam às
fator essencial para compreender as formas dife-
necessidades pedagógicas que se constituem
renciadas da expressão da sua criatividade (MOZ- no cotidiano educativo e aos temas de
ZER, 2008, p. 187) interesse dos professores, que estão para além
O que a autora descreve é que ao final da do campo profissional, abrangem outros
assuntos vinculados a interesses de modo
pesquisa que o maior valor que influi na criativida- geral (ARRUDA, 2014, p.241).
de das crianças é o que para elas tem maior valor
é o significado produzido para a satisfação das O que coincide com a compreensão de que
suas próprias necessidades, pois agregam ao seu a criatividade é um recurso subjetivo dentro da
desenvolvimento, ou seja, não depende do signifi- particularidade humana, seja no individual ou cole-
cado social, mas das necessidades geradas pelo tivo, contudo para que isso aconteça tem que ter
próprio processo de desenvolvimento. condições ambientais e favoráveis adequadas,
Na outra tese, neste caso a terceira usada como relata Santos (2014), quando afirma que:
como base de pesquisa, para buscar embasamen-
to que comprove a importância da criatividade no A escola e a família são contextos críticos de
processo de ensino aprendizagem, destaca-se incentivo à criatividade e fontes para a emer-
gência do comportamento criativo. Entretanto,
que a mesma foi realizada por Tatiana Santos o potencial criador nem sempre é estimulado e
Arruda, no ano de 2014, na Faculdade de Educa- compreendido por educadores e pais (SAN-
ção da Universidade de Brasília-UnB, como requi- TOS, 2014, p.10).
sito para a obtenção do titulo de doutora em edu-
cação, na área de escola, aprendizagem, ação Partindo dos dados e da leitura das pesqui-
pedagógica e subjetividade na educação e cujo sas realizadas por Arruda (2014), Mozzer (2008), e
tema é: “A Criatividade no Trabalho Pedagógico Santos (2014), pode-se constatar que todas as
do Professor e o Movimento em sua Subjetivida- pesquisas salientaram e destacaram a importância
de”. da criatividade na promoção do conhecimento, na
Como principal objetivo a tese buscou qual ambos ressaltam que a intervenção por parte
compreender processos subjetivos que configuram dos professores e pais nos trabalhos pedagógicos,
a criatividade no trabalho pedagógico do professor seja a curto, médio ou longo prazo, com o uso das
e suas inter-relações com o movimento em sua ações e atividades criativas redundarão em efeitos
subjetividade. Buscando respostas para cinco importantes.
abordagens; a) o processo subjetivo em que Compreendendo que o uso da criatividade
participa a criatividade no trabalho do professor; b) nas intervenções por parte dos professores e pais
o agir do aluno neste processo; c) a expressão são estimuladores para a construção e mediação
criativa; d) o professor como sujeito de sua prática do conhecimento, pois as habilidades criativas
profissional e e) os principais núcleos subjetivos motivam o aprendizado, levando o aprendiz a al-
associados ao trabalho pedagógico criativo e os cançar os objetivos propostos, mas que para além
movimentos relacionados à criatividade no de um alcance que seja apenas desejado pelos
7
adultos, há um aumento da motivação, autoestima mes das pessoas são incorporados as atividades,
e da realização pessoal das crianças, que se bem e aprendem através da assimilação de tudo que
conduzidas transformaram aprendizagem em pra- tem acesso ou contato, e esse conhecimento são
zer. adquiridos de acordo com o desenvolvimento bio-
Em relação à complexidade da criatividade lógico. Enquanto Vygostsky e Wallon dois socioin-
pode-se ressaltar que após as análises das três teracionistas que defende em suas teorias, que o
teses de doutorado, compreendeu-se que existem individuo desenvolve com a influência do meio, ou
várias articulações de ideias sobre os resultados e seja, o meio influencia, o meio corrompe e que o
os efeitos do estímulo para uso da criatividade nas sujeito e o produto do meio.
instituições escolares e no meio social no qual o Nestas teorias sociointeracionistas, Wallon
individuo vive, porém é mais fortemente destacada defendem o assimilação do conhecimento através
a ação do professor neste sentido, talvez porque da afetividade, enquanto Vygotsky defende a as-
haja uma maior orientação às tarefas e a escola similação do conhecimento através do convívio
ainda seja de fato um local mais apropriado e com com o meio auxiliado por um mediador.
maior foco no desenvolvimento da mesma.
Os autores concordam que o ponto comum Conclusão
nos resultados das pesquisas, está relacionado a
satisfação pessoal dos envolvidos, que estímulos Neste trabalho que tem cunho essencial-
são oferecidos, principalmente na percepção da mente qualitativo e bibliográfico, baseado princi-
situação e das necessidades para chegar a uma palmente em obras de escritores renomados e
solução de determinada dificuldade, partindo do teses de doutorados, observou-se que a criativi-
ponto de vista criativo, e apesar de se tratar de um dade tem uma grande influência nos resultados do
conceito abstrato, necessita fazer uma transição processo de ensino aprendizagem, o que indica
para uma solução concreta. que há grande relevância no desenvolvimento da
Com base nas pesquisas foi possível perce- mesma, pois ela traz potenciais diferenciados em
ber o grau de importância em estimular o individuo cada um, principalmente quando se inserem ativi-
para o uso da criatividade na promoção do conhe- dades desafiadoras e que permitam a criação de
cimento e de sua autonomia, principalmente na modos diferenciados de resolução de problemas
resolução de problema, e que lugares mais ade- de vida cotidiana.
quados para o desenvolvimento deste poder criati- Evidenciou-se pela análise dos dados que
vo, são as escolas. com o uso de metodologias e estratégias criativas
Porém, em contra partida pode-se perceber e inovadoras dentro do contexto educacional, po-
com as pesquisas que existem dificuldades ou de-se oferecer ao aluno e aos professores uma
barreiras para ao estimulo à criatividade nos espa- base sólida para lidar com situações que apare-
ços das escolas, uma vez que ainda há escola cem no dia a dia, e que requerem direcionamentos
que tem “raízes” no ensino tradicional, com conte- ou formas diferenciadas de resolução.
údos reproduzidos, em que o aluno é um agente No entanto, foi constatado pela analise dos
passivo no processo de ensino aprendizagem. dados das teses de doutorado utilizadas nesta
Também foi evidenciado nas pesquisas que pesquisa, e realizadas pelos alunos da UnB, que o
a subjetividade de cada um participa de forma individuo pode se tornar criativo com o uso de
muito central na expressão da criatividade, de intervenções dos profissionais da área da educa-
onde pode-se inferir que muitas são as motivações ção e ou por influência do contexto em que vive,
que podem ser promotoras da criatividade, mas há porém, podemos também concluir que as institui-
uma ideia central dentro das pesquisas que apon- ções escolares são um dos locais mais apropria-
ta para a motivação interna, seja por desafios, seja dos a este desenvolvimento, contendo os mais
por realizar as fantasias infantis e ou mesmo por essenciais elementos facilitadores e estimuladores
obter resultados a problemas do cotidiano, o que da criatividade. Mesmo assim, não é o único, ca-
move as pessoas rumo à criatividade ainda pode bendo também à família e à sociedade de forma
ser algo interno, mais que o próprio meio. geral um papel importante neste processo.
Quanto ao meio em que vivem as crianças, Pôde-se perceber ainda, que os profissio-
pode-se dizer que o mesmo tem grande possibili- nais da área da educação são altamente relevan-
dade de ser incentivador da criatividade, mas por tes no processo de desenvolvimento do potencial
vezes ele sozinho não redundará no avanço da criador do aluno, porém, para isso o profissional
mesma, requerendo que a criança seja estimulada da educação precisa estar sempre se capacitando,
e orientada para a realização das tarefas e, por- e se compromissando com um trabalho educacio-
tanto desenvolver estratégias criativas de resolver nal criativo e desafiador.
questões do cotidiano. Ainda é importante destacar que se observa
Piaget, Vygostsky e Wallon contribuíram de por meio da analise dos dados e dos relatos dos
forma significativa com suas teorias para o pro- pesquisadores que há dificuldades dos professo-
cesso de ensino aprendizagem, que para Piaget res na utilização dos espaços da escola para o
(1998) a assimilação dos dados da realidade, ou desenvolvimento da criatividade, pois muitas ve-
seja, é o processo pelo qual as idéias e os costu- zes estes não são adequados, visto que a diversi-
8
dade de estratégias e situações necessárias que meu filho e toda minha parentela por me apoiar
podem tornar a prática desse processo estimula- nesta etapa de minha vida.
dora ficará comprometida se não houver espaço Agradeço à professora Sônia Amoroso, uma
físico e material adequado. pessoa admirável, pela sua orientação no trabalho
Assim, o uso criativo das diferentes estraté- de conclusão de curso (TCC) e em todas as eta-
gias didáticas, de forma a torna-las adequadas ao pas da minha vida acadêmica em que ela partici-
processo de ensino aprendizagem, vão sendo pou diretamente e indiretamente; também agrade-
deixadas de ser aplicadas da forma quantitativa e ço aos demais professores que participaram na
qualitativa por parte de alguns professores em minha formação acadêmica.
prol do aprendizado. Aos colegas de formação que tive um imen-
Desta forma, com base nas pesquisas, re- so prazer de conviver e estudarmos juntos, em
comenda-se para os atuais e futuros educadores, especial duas pessoas que admiro muito, Jaqueli-
fazerem uso do seu próprio potencial criador na ne e Raquel, por termos juntos tantas alegrias,
mediação do conhecimento, objetivando uma desafios, dúvidas e às vezes discordâncias, mas
aprendizagem significativa e prazerosa para o essenciais para meu amadurecimento como pes-
aluno, levando-o a uma aprendizagem reflexiva, e soa e profissional.
continuada, visando especialmente à autonomia Em fim, agradeço a todos que fizeram e
do discente e a possível formação de um cidadão fazem parte de minha vida, seja, na pessoal, na
pleno e realizado. acadêmica ou na minha vida particular.

Agradecimentos

Primeiramente agradeço a Deus, por me dar


forças e saúde todos os dias para continuar nesta
jornada; à minha esposa, companheira e amiga;

9
Referências:

1 – ARRUDA, Tatiana Santos. A Criatividade no Trabalho Pedagógico do Professor e o Movimento em


sua Subjetividade. Tese apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Educação da Faculdade de
Educação da Universidade de Brasília/UnB – 2014.

2 – BARROS, Célia Silva Guimarães. Pontos de psicologia escolar. Edito Ática S.A., 5º Ed. São Paulo SP,
2002.

3 – CASTRO, Ana Luiza Manzini Bittencourt de. O desenvolvimento da criatividade e da autonomia na


escola, 2006. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-
84862006000100007
Acesso 18 de março de 2016.

4 – CASTRO, Aldemar Araujo; Revisão Sistemática e meta-análise; Universidade Federal de São Paulo,
ano 2001. Disponível em: http://metodologia.org/wp-content/uploads/2010/08/meta1.pdf. Acesso:11/05/2016

5 – LEV, SOMENOVITCH. Imaginação e a criatividade na infância. Ed Dinalivro , 2012

6 – MAGALHÂES, Freitas. Psicologia da criatividade-estudo sobre o desenvolvimento da expressão


criadora da criança 1987. Disponível em: http://docslide.com.br/documents/psicologia-da-criatividade-
estudo-sobre-o-desenvolvimento-da-expressao-criadora.html. Acesso em: 04 de abril de 2016.

7 – MARTINEZ, MITJÁNS. Criatividade, personalidade e educação. 3º ed. Campinas: Papirus, 2003.

8 – MOZZER, Geisa N. S., A Criatividade Infantil na atividade de contar histórias: uma perspectiva
histórico-cultural da subjetividade. Tese (Doutorado). Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília –
UnB, Brasília – DF, (2008).

9 – OSTROWER, Fayga. Criatividade e processo de criação. Editora Vozes, 15º Ed. Rio de Janeiro- RJ,
1977. Disponível em:
http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84862006000100007. Acesso em:
29 de março de 2016.

10 – PASCHOALINO, Renata. Relações dialógicas entre professor e aluno na sala de aula a partir das
contribuições de Paulo Freire, 2009. Disponível em: http://www.processoseducativos.ufscar.br/tcc1.pdf.
Acesso em: 23 de fevereiro de 2016

11 – PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Porto
Alegre, 2000.

12 – PIAGET, Jean. Sobre a pedagogia. São Paulo: Casa do Psicólogo; 1998.

13 – ________. A evolução social e a pedagogia nova. In: PARRAT, S.; TRYPHON, A. (Orgs.). Sobre a
Pedagogia: Textos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998. SARTÓRIO, L. A. V. Apontamentos críticos às
bases teóricas de Jean Piaget e a sua concepção de educação. Revista eletrônica Arma da Crítica, n.2, p.
205-226,Dez2010.
Disponívelem:<HTTP:/WWW.armadacritica.ufc.br/phocadownload/artigo_12_especial.pdf. Acesso em 18 de
maio de 2016.
.
14 – SANTOS, Fernanda do Carmo Gonçalves dos. Intervenção em criatividade com professoras e
mães: efeitos no rendimento escolar, autoconceito, motivação e criatividade de alunos do 3º ano do
ensino fundamental. Tese(Doutorado). Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília – UnB, Brasília –
DF, 2014.

15 – SILVA, Delcio Barros da; As principais tendências na pratica escolar brasileira e seus
pressupostos de aprendizagem. Disponível em: http://coral.ufsm.br/lec/01_00/DelcioL&C3.htm. Acesso
em: 03 de maio de 2016

10
16 – SIQUEIRA, Luciana Gurgel Guida; Motivação para a aprendizagem escolar: possibilidades de
medidas, 2006. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-
04712006000100004. Acesso em : 03 de maio de 2016

17 –VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente. São Paulo, Martins Fontes, 1984.

18 – ________. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos


superiores. 1996. 5º.ed. São Paulo (Brasil): Martins Fontes.

19 – WALLON, Henri. Psicologia e educação da infância. Lisboa: Estampa, 1975.

11

Você também pode gostar