Você está na página 1de 1

PESSOAS 9

INFORME ESPECIAL

Mudando velozmente
Professor Mario Sergio Cortella diz que para sobreviver num mundo que muda em grande velocidade é preciso ser capaz de antecipar
A velocidade da mudança é a era criança, como as férias de final usam o mesmo tipo de roupa”,
novidade do mundo contempo- de ano demoravam a passar?” disse Cortella.
râneo. Nunca, em toda a história Hoje tudo é fast, ressaltou o Ele recorreu ao aniversário de
humana, a sociedade mudou filósofo. O ritmo que essa veloci- dez anos da conquista do tetra-
com tanta velocidade. É preciso dade imprime à nossa vida altera campeonato de futebol pelo Bra-
estar atento para não ser atrope- o nosso modo de ser, de conhe- sil para destacar as muitas mu-
lado pela mudança nem ser pego cer e aprender. O horário das au- danças desse breve período. Com
por suas armadilhas, como a ar- las foi ultrapassado pelas mudan- a ajuda da platéia, ele listou os
rogância e a acomodação. A única ças. Cortella explicou que o tem- eletroeletrônicos que não faziam
maneira de enfrentar isso é ter po da aula tradicional – de cin- parte da nossa vida há uma déca-
humildade para aprender, capaci- qüenta minutos durante o dia e da ou pouco mais: DVD, mi-
dade de perceber que não se po- quarenta e cinco à noite – foi fi- croondas, câmara digital, celular,
de mais sobreviver do mesmo xado no começo do século passa- CD, TV a cabo. Também não ha-
modo que se vivia, e que é preci- do, depois que psicólogos cons- via internet, cartão de banco e
so antecipar-se à mudança. tataram ser este o tempo limite computador pessoal eram recen-
Esta reflexão foi feita pelo filó- no qual a criança e o jovem con- tes, mouse ainda não existia. Nes-
sofo e professor Mário Sérgio Cor- seguiam se manter atentos. se período quantos equipamen-
tella, ao falar sobre o tema Cená- “Esta pesquisa foi refeita há tos ficaram obsoletos: máquina
rios turbulentos, mudanças velo- dois anos e o tempo médio que de escrever, fax, telefone com dis-
zes: acomodar é perecer, para uma criança ou um jovem hoje co, vitrola, três-em-um, elepê, to-
clientes e colaboradores do Banco presta atenção em alguma coisa é ca-fitas, telex, videocassete, bip,
Rural, no dia 20 de agosto. A pales- de seis minutos”, revelou o filó- Pager, várias gerações de compu-
tra fez parte do Rural Competên- sofo. Isto porque as novas gera- tadores, Polaroid.
cias, programa de desenvolvimen- ções cresceram assistindo a pro- O videocassete ficou obsole-
to de executivos do Banco Rural. gramas infantis de TV em que os to sem que a maioria das pessoas
Cortella mostrou com exemplos blocos são de seis minutos. mais idosas tenha aprendido a
divertidos e surpreendentes como Essa velocidade provocou ou- programá-lo; quando querem
o mundo mudou velozmente nas tra mudança: a distância entre as gravar um programa, elas recor-
últimas décadas, ressaltando que gerações diminuiu. “Choque de rem ao filho ou ao neto. “Sabe
não basta constatar as mudanças, é gerações antigamente era choque como você sabe que a casa não
preciso compreendê-las. entre pais e filhos. Hoje, choque tem criança? O relógio do video-
“A velocidade da mudança é de geração é imediato; meu filho cassete fica piscando”, brincou.
tamanha, que cada dia você levan- de vinte e seis anos é considera- O sujeito então desliga o apare-
ta mais cedo e vai deitar mais tar- do ultrapassado pela minha filha lho. Este comportamento, segun-
de, sempre com a sensação de de vinte e quatro anos. Por sua do Cortella, é grave, pois mostra
que está perdendo tempo”, disse vez, o mais novo, de vinte e um, que, em vez de tentar aprender o
Cortella. Nem bem saímos de um considera os dois mais velhos ul- novo, o indivíduo quer recupe-
fim de semana, outro já chegou, o trapassados. Eles não cortam ca- rar o antigo, está desistindo, e é
Natal está próximo e o ano está belo do mesmo jeito, não ouvem atropelado pela velocidade da CONHECIMENTO
acabando. “Lembra, quando você o mesmo tipo de música e não mudança. O estoque de conhecimento está em todas as pessoas, mas corremos o risco de liquidá-lo com a arrogância, alerta o filósofo Mario Sergio Cortella

Velocidade acarreta perdas Idoso é diferente de velho


A velocidade trouxe prejuízos a ta o filósofo. Queremos velocidade portantes para a nossa capacidade É preciso não cair numa ar- “Algumas empresas, há alguns cidade, dá-se hoje o nome de pró-
valores importantes da vida humana, na hora de ser atendidos por um de conviver, de aprender e de sa- madilha de confundir idoso anos, fizeram uma bobagem, em atividade. É diferente de reativida-
como a relação de confiança e a pa- médico, mas não queremos veloci- ber, que é a paciência”, advertiu com velho, advertiu Cortella. nome da reengenharia, manda- de, que é aguardar para ver o que
ciência. “Como tudo é veloz, não dá dade na consulta. Queremos veloci- Cortella. “A gente não tem mais “Idoso é quem tem bastante ida- ram embora vários idosos e fica- acontece. “O velho é reativo, o ido-
tempo de conhecer as pessoas”, ob- dade na hora de sentar num restau- paciência para cuidar, paciência de, velho é o que acha que já sa- ram com um bando de velhos. so é pró-ativo”, definiu Cortella.
servou Mario Cortella. Ele lembrou rante para comer, mas não quere- para aprender. Se o seu computa- be, que já está pronto. Velho é Agora, estão chamando os idosos Um dos piores perigos é quan-
que há vinte anos, fazíamos compras mos ter de comer velozmente. dor demora vinte segundos para arrogante. Idosa é uma pessoa de volta, com o nome de consultor. do a gente se acomoda, porque
em armazéns, empórios e mercea- Queremos ser atendidos com pres- abrir um programa, você fica batu- de sessenta anos, sessenta e cin- Ao mandar o idoso embora, o que acomodar é perecer. “A satisfação
rias; o funcionário anotava a lápis nu- teza pelo call center, mas quere- cando no teclado”, disse. co, setenta; velho você pode ser ela mandou junto? A renovação. paralisa, amortece, faz com que a
ma caderneta, que ficava de posse do mos usar o tempo que for necessá- Por falta de tempo, corremos o aos quinze anos de idade, aos Gente idosa é cheia de vitalidade”, gente se acomode. Guimarães Ro-
cliente e era acertada no fim do mês. rio no atendimento. risco de perder, por exemplo, a ar- vinte, trinta, quarenta, cinqüen- disse Cortella. sa diz isso num dos seus momen-
O dono sabia em quem podia con- “Algumas pessoas se subme- te de se tocar piano, pois se levam ta, sessenta”, explicou. Velho Essa vitalidade é a capacidade tos mais geniais: o animal satisfei-
fiar em que quem não podia. tem à velocidade como se ela fos- nove anos para aprender, pratican- não tem humildade, não apren- de antecipar, de ficar em estado de to dorme”, citou Cortella. Por isso,
A velocidade é ambígua e te- se uma ditadura, e isto acaba esti- do horas e horas por dia. E os jo- de; perece, porque é incapaz de prontidão, não esperar as coisas segundo ele, a regra básica para
mos que ter cuidado com ela, aler- lhaçando uma das coisas mais im- vens não têm tempo para isso. acompanhar a mudança. acontecerem, ir atrás. A essa capa- não perecer é não estar satisfeito.

Anjos de uma asa só


A arrogância é um perigo, pois zer do jeito deles. Pegaram a última vazia; o sistema travava, e um braço
corremos o risco de liquidar o fileira e a puseram na frente. hidráulico rejeitava a embalagem.
mais poderoso estoque que te- “O que eu estava fazendo era Depois de cinco meses de fun-
mos, que é o estoque de conheci- uma solução, mas não era a me- cionamento com sucesso, a empresa
mento. Este, segundo Mario Cor- lhor, pois consumia mais trabalho descobriu que o sistema tinha sido
tella, está não apenas nos livros, e mais tempo. A melhor solução desligado pelos operários havia três
mas em todas as pessoas; cada estava no estoque de conhecimen- meses. Eles explicaram que aquele
uma tem um tipo de conhecimen- to”, disse Cortella. sistema interrompia o trabalho deles
to. Ele contou duas histórias para A outra história se passou no fi- a todo momento, por isso tinham re-
exemplificar a importância do es- nal dos anos 80, na fábrica paulista solvido o problema do seu jeito. Fize-
toque de conhecimento. de uma das maiores multinacionais ram uma vaquinha, compraram um
Em 1994, quando chegou para do planeta. Na esteira de aço, no final ventilador e o colocaram junto à es-
palestra numa fábrica em São José do processo, vez por outra, embala- teira – quando passava uma caixinha
dos Campos (SP), havia um palco va-se uma caixa vazia. Para resolver o vazia, o vento a empurrava para fora.
fixo e vinte fileiras de vinte cadei- problema, dois engenheiros com Mais uma vez, a melhor solu-
ras. Para aproximar as cadeiras do pós-doutorado, durante três meses ção estava no estoque de conheci-
palco, ele desceu e começou a pu- gastaram milhões e chegaram a uma mento. “Seres humanos são anjos
xar as cadeiras, uma por uma. solução genial: um programa de de uma asa só, para voar têm que
Quando estava na quinta cadeira, computador acoplado a uma balança grudar no outro”, disse Cortella,
ACOMODAÇÃO alguns operários lhe ofereceram ultra-sensível acusava diferença de citando o escritor italiano Luciano
A regra básica para não perecer é não ficar satisfeito, pois a satisfação leva à acomodação e acomodar é perecer ajuda. Perguntaram se podiam fa- peso toda vez que passava uma caixa di Crescenzo.

Quem é Mario Sergio Cortella O que é o Rural Competências


Mario Sergio Cortella é fi- lista em geopolítica religiosa. Rural Competências é um programa de desenvolvimento de executivos do Banco Rural que promove regularmente pales-
lósofo, com mestrado e douto- É também professor convida- tras de especialistas em gestão de pessoas, processos e negócios, liderança, finanças e economia. Por acreditar que o principal
rado em Educação pela PUC- do da Fundação Dom Cabral, capital do século XXI é o conhecimento, o Banco Rural, em parceria com o jornal Estado de Minas, compartilha com os leitores
SP, na qual é professor Pós- em Belo Horizonte, e consul-
Graduação em Educação e do tor organizacional no campo o conteúdo das palestras.
Departamento de Teologia e da Ética, Educação e Gestão
Ciências da Religião, especia- do Conhecimento. O conteúdo das palestras está disponível pela internet no seguinte endereço: www.rural.com.br

w w w. r u r a l . c o m . b r