Você está na página 1de 9

CÁLCULO VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA

CAPÍTULO 10
TRANSLAÇÃO E ROTAÇÃO DE EIXOS

1 TRANSLAÇÃO DE EIXOS
1.1 Translação no 2
Sejam Ox e Oy os eixos primitivos, do Sistema Cartesiano de Eixos Coordenados, com
sua respectiva origem O(0,0). Sejam O1x1 e O1 y1 os novos eixos coordenados com sua respectiva
origem O1(h,k), depois que o sistema primitivo foi transladado. Seja P(x,y) um ponto qualquer do
sistema primitivo. Portanto, o mesmo ponto P terá coordenadas P(x1,y1), em relação ao novo
sistema.
y
y1

Note que:
x 1  x  h

 y1  y  k y y1
P(x,y)(x1,y1)
Chamadas de equações de
translação no 2
x1
k
O1 x1

O h x

Observe que, fazer uma translação no 2, é transladar o sistema antigo (primitivo),
paralelamente ao eixos Ox e Oy, para uma nova origem O1(h,k).

Exemplo (1): Determine as coordenadas do ponto P(5,-3), em relação ao novo sistema, depois de
realizado uma translação para a nova origem O1(-3,2).
Solução: Usando as equações de translação, teremos:
x 1  x  h x  5  (3)  8
   1  P( x 1 , y1 )  (8,5)
 y1  y  k  y1  3  2  5
y1

O1(-3,2) k=2 8 x1

h=-3 O 5

-5 P(5,-3)(8,-5)
-3

Exemplo (2): Determine a equação reduzida da elipse 2x 2  3y 2  8x  6 y  7  0 , depois que a


origem foi transladada para o ponto O1(2,-1).
x  x  h x  x 1  2
Solução: Fazendo:  1   na equação da elipse, teremos:
 y1  y  k  y  y1  1

2( x 1  2) 2  3( y1  1) 2  8( x 1  2)  6( y1  1)  7  0  2x 12  3y12  18  0 

2x 12 3y12 18 x 12 y12
     1 . Note que, a equação reduzida da elipse, antes da
18 18 18 9 6

( x  2) 2 ( y  1) 2
translação era   1 , cujo centro é o ponto C(2,-1), ou seja, foi feita uma
9 6
translação para o centro da elipse.
y
y1

-1 2 5 x

-1 C x1
Observação importante: Para eliminarmos os termos de primeiro grau (x e y) da equação de uma
cônica, devemos fazer uma translação de eixos para o centro dela, ou
seja, fazer a nova origem O1(h,k) coincidir com o centro C(m,n) da
cônica. Veja o exemplo (3).

Exemplo (3): Determine a translação de eixos que transforme a equação da hipérbole

3x 2  4 y 2  6x  24 y  135  0 , na sua forma mais simples (sem os termos de


primeiro grau).

Solução (1): Pela observação acima, devemos fazer uma translação para o centro da hipérbole.

Passando para forma reduzida, teremos: 3( x  1) 2  4( y  3) 2  102 

( x  1) 2 ( y  3) 2
  1 . Logo, o centro é C(-1,3) que será a nova origem O1(h,k).
34  51
2

x  x 1  1
Fazendo  na equação reduzida, teremos: 3x 12  4 y12  102
y  y1  3

Solução (2): Caso não soubéssemos da observação acima, uma outra forma de descobrir qual a
translação para eliminar os termos de primeiro grau, seria aplicar as equações de
translação na equação dada e, impor as condições para que os coeficientes dos termos
de primeiro grau sejam nulos.
x  x 1  h
Sabemos que:  . Substituindo na equação 3x 2  4 y 2  6x  24 y  135  0 ,
 y  y1  k

teremos: 3( x 1  h ) 2  4( y1  k ) 2  6( x 1  h )  24( y1  k )  135  0 . Desenvolvendo

3x 12  4 y12  (6h  6) x 1  (8k  24) y1  (3h 2  4k 2  6h  24 k  135 )  0 . Impondo as


condições para que os coeficientes dos termos de primeiro grau sejam nulos:
6h  6  0  h  1
 . Portanto, a translação dever ser feita para a nova origem
8k  24  0  k  3
O1 (h, k)  (1,3) .
1.2 Translação no 3
Sejam Ox, Oy e Oz os eixos primitivos, do Sistema Cartesiano de Eixos Coordenados,
com sua respectiva origem O(0,0,0). Sejam O1 x1, O1 y1 e Oz1 os novos eixos coordenados com sua
respectiva origem O1(h,k,l), depois que o sistema primitivo foi transladado. Seja P(x,y,z) um ponto
qualquer do sistema primitivo. Portanto, o mesmo ponto P terá coordenadas P(x1,y1,z1), em relação
ao novo sistema.

z1
z

z1

l
P(x,y,z)(x1,y1,z1)
y1
y1

k y

y
h x1

x1
x

x 1  x  h

Pela figura acima temos:  y 1  y  k , chamadas de equações de translação no 3.
z  z  l
 1

Exemplo (4): Determine as coordenadas do ponto P(4,6,6), em relação ao novo sistema, depois de
realizado uma translação para a nova origem O1(4,3,4).
Solução: Usando as equações de translação, teremos:

x 1  x  h x 1  6  4  2
 
 y 1  y  k   y1  6  3  3  P(2,3,2)
z  z  l z  6  4  2
 1  1
2 ROTAÇÃO DE EIXOS
2.1 Rotação no 2
Sejam Ox e Oy os eixos primitivos, do Sistema Cartesiano de Eixos Coordenados, com
sua respectiva origem O(0,0). Sejam Ox1 e Oy1 os novos eixos coordenados com a mesma origem
O(0,0), depois que o sistema primitivo foi rotacionado de um ângulo , em relação a horizontal (em
relação ao eixo Ox). Seja P(x,y) um ponto qualquer do sistema primitivo. Portanto, o mesmo ponto
P terá coordenadas P(x1,y1), em relação ao novo sistema.
y

y1 P(x,y)(x1,y1)
y


x1

Q
Rx1
y1

 x

Nx M
O

x  OM  NM
Pela figura acima temos:  .
 y  NQ  QP
No triângulo OMR:
OM NQ
cos    OM  x 1 cos  e MR  NQ e sen    NQ  x 1 sen 
x1 x1
No triângulo PQR:
NM QP
QR  NM e sen    NM  y1 sen  e cos    QP  y1 cos 
y1 y1

x  OM  NM x  x 1 cos   y1 sen 
Portanto,    , chamadas de equações de rotação no 2.
 y  NQ  QP  y  x 1 sen   y1 cos 

 x   cos   sen  x 1 
Podemos escrever as equações de rotação na forma matricial:         , onde
 y   sen  cos    y1 

 cos   sen  
[M ]     é chamada de matriz de rotação de um ângulo .
 sen  cos  
Exemplo (5): Determine as coordenadas do ponto P(-2,6), após os eixos coordenados sofrerem uma
rotação de 60o.

 2  x 1 cos 60 o  y1 sen 60 o  2  1 x  3 y


 2 1 2 1 
Solução: Usando as equações de rotação:   
6  x 1 sen 60  y1 cos 60
o o
6  2 x 1  2 y1
3 1

 x 1  3 y 1  4 x  1  3 3
 . Resolvendo o sistema linear, teremos:  . Portanto, o
 3x 1  y1  12 y  3  3

ponto P terá novas coordenadas P(1  3 3, 3  3 ) .

Exemplo (6): Determine o ângulo, segundo o qual, os eixos devem ser rotacionados para eliminar o

termo xy na equação 7 x 2  6 3xy  13 y 2  16 .

Solução: Substituindo as equações de rotação na equação dada, teremos:

7( x 1 cos   y1 sen ) 2  6 3 ( x 1 cos   y1 sen )( x 1 sen   y1 cos )  13( x 1 sen   y1 cos ) 2  16
(7 cos2   6 3 sen  cos   13 sen2 ) x 12  [12 sen  cos   6 3 (cos 2   sen2 )]x 1 y1 

+ (7 sen2   6 3 sen  cos   13 cos2 ) y12  16 (*)


Fazendo o coeficiente do termo x1 y1 igual a zero, teremos:

6(2 cos  sen )  6 3 (cos 2   sen2 )  0  6 sen 2  6 3 cos 2  0  tg2  3 

x 12
2  60 o    30 o . Substituindo  na equação (*), a equação se reduz a  y12  1 .
4
Esta é a equação reduzida de uma elipse de centro na origem e semi-eixos a=2 e b=1.

2.2 Rotação no 3
Considere os eixos coordenados girando em torno da origem O(0,0,0), que permanece
fixa. As posições dos novos eixos Ox1, Oy1 e Oz1 são determinadas pelos seus ângulos diretores em
relação aos antigos eixos Ox, Oy e Oz, respectivamente.
Chamemos de 1, 2, 3, 1, 2, 3, 1, 2 e 3 os ângulos diretores dos novos eixos Ox1,
Oy1 e Oz1, em relação, aos antigos eixos Ox, Oy e Oz, respectivamente, de acordo com a tabela
abaixo:
EIXOS Ox Oy Oz
Ox1 1 1 1
Oy1 2 2 2
Oz1 3 3 3

Sendo P(x,y,z) um ponto qualquer do 3, suas coordenadas em relação ao novo sistema

x 1  x cos  1  y cos 1  z cos  1



rotacionado será:  y1  x cos  2  y cos  2  z cos  2 . Onde as seguintes relações são válidas:
z  x cos   y cos   z cos 
 1 3 3 3

cos2 1  cos2 1  cos2  1  1


 2
cos  2  cos  2  cos  2  1 . Por serem os eixos perpendiculares entre si, vale a relação:
2 2

cos2   cos2   cos2   1


 3 3 3

cos 1 cos  2  cos 1 cos  2  cos  1 cos  2  0



cos 1 cos  3  cos 1 cos  3  cos  1 cos  3  0
cos  cos   cos  cos   cos  cos   0
 2 3 2 3 2 3

3 EXPRESSÃO GERAL DE UMA CÔNICA


No capítulo 8 estudamos as cônicas, cujos eixos eram de posição horizontal ou vertical
e, consequentemente, suas equações eram características dessas situações. No entanto, a expressão
geral de uma cônica, cujos eixos podem estar em qualquer posição em relação aos eixos
coordenados é dada por:

Ax 2  Bxy  Cy 2  Dx  Ey  F  0
A classificação das cônicas pode ser feita, exceto em casos particulares por:
se B 2  4AC  0  elipse

se B  4AC  0  parábola
2

se B 2  4AC  0  hipérbole



Pode-se demonstrar (veja exemplo 6) que o ângulo , de que é necessário girar os eixos
B
para eliminar o termo xy (termo retângulo), é calculado por intermédio da fórmula: tg2 
AC
Exemplo (7): Por meio de uma translação e rotação dos eixos coordenados, reduzir a equação da

cônica 5x 2  6xy  5y 2  4x  4 y  4  0 a sua forma mais simples. Fazer um


esboço da cônica, representando os três sistemas de eixos.
Solução: Para reduzir a equação da cônica a sua forma mais simples, devemos eliminar os termos
de primeiro grau x e y, por meio de uma translação para o centro da cônica e, para eliminar
o termo retângulo xy, devemos fazer uma rotação de um ângulo , usando a relação
B
tg2  . Como A = 5, B = 6 e C = 5  B 2  4AC  64  0 , ou seja, a cônica em
AC
x  x 1  h
questão é uma elipse. Vamos primeiro fazer a translação, substituindo  na
y  y1  k

equação dada: 5( x 1  h ) 2  6( x 1  h )( y1  k )  5( y1  k ) 2  4( x 1  h )  4( y1  k )  4  0

(*) 5x 12  6x 1 y1  5y12  (10 h  6k  4) x 1  (6h  10 k  4) y1  (5h 2  6hk  5k 2  4h  4k  4)  0

Para eliminar os termos de primeiro grau x1 e y1, façamos seus coeficientes iguais a zero:

10 h  6k  4  0 h  1
 . Resolvendo o sistema teremos:  . Então, a nova origem será
6h  10 k  4  0 k  1
O1 (1,1) que é o centro da cônica. Substituindo h=1 e k=-1 em (*), vamos obter:

5x 12  6x 1 y1  5y12  8  0 (**), a equação transladada.

B 6 6
De tg2     ? , isso mostra que 2  90 o    45 o , ou seja, este é o
A C 55 0

ângulo de rotação para eliminar o termo x1y1. Fazendo   45 o nas equações de rotação
 x2  y2
x  x 1 cos   y1 sen  x 1 
  2
  y2
. Substituindo em (**), vamos obter
 y  x 1 sen   y1 cos  x
 y1  2
 2

4x 22  y 22  4  0 , que é a forma mais simples da equação da elipse de equação reduzida

y 22
x 22   1 , que, em relação ao sistema transladado e rotacionado, tem centro na origem e
4
eixo maior vertical.
y

y1
y2
x2

x
1

-1 x1

Exercícios Propostos
1) Qual a translação que devemos fazer para reduzir a equação da hipérbole

4x 2  5y 2  16 x  30 y  69  0 na sua forma mais simples? Escrever a equação reduzida da

x 12 y12
hipérbole depois da translação. Resp: translação para C(-2,3);  1
10 8

2) Achar a equação da cônica x 2  2xy  y 2  2x  4 y  3  0 , após uma rotação de 45 o nos eixos

coordenados. Quem é a cônica? Resp: 2 y12  3 2 y1  2 x 1  3  0 ; Parábola

3) Reduzir a expressão da cônica 4x 2  4xy  y 2  8 5x  16 5y  0 a sua forma mais simples.

1 2 2 5 5
Quem é a cônica? Resp: y  x ; parábola (use: cos   e sen    )
8 5 5
1 8 3
4) Reduzir a expressão da cônica 2x 2  3xy  y 2  4x  2 y   0 a sua forma mais
5
simples. Quem é a cônica?

x 22 y 22
Resp:   1 ; elipse (sugestão: faça primeiro a translação e depois a rotação)
10 2