Você está na página 1de 2

Aluno: Mauricio Barroso Junior

RGM : 21134553
8º semestre
NPJ – Mediação
Professora Fernanda Sampaio

RELATÓRIO DE AUDIÊNCIA CIVEL DE INSTRUÇÃO – PROCEDIMENTO COMUM – Usucapião


Extraordinário

PROCESSO Nº 0816443-92.2014.8.12.0001
Requerente: Espólio de Joel Corcino de Aquino e outros
Requerido: Serapião Alves Pereira

A audiência ocorreu em 18/05/2021, na cidade de Campo Grande - MS, conduzida pelo Juiz de
Direito José de Andrade Neto, onde foram ouvidas três testemunhas de forma remota.

A primeira testemunha, sra. Ester Aparecida, não tem grau de parentesco com nenhuma das
partes, afirma ter conhecido o falecido sr. Joel Corcino de Aquino e a sua viúva sra. Maria
Anasedir de Jesus Aquino como seus vizinhos por cerca de 50 anos. No testemunho da sra.
Ester há a declaração que ambos eram marido e mulher com convivência de casal de forma
pública e notória e que residiam nas cercanias de sua casa como vizinho a cerca de 50 anos.
Que desconhece se eles adquiriram a casa ou invadiram, mas que durante todo este período,
ninguém chegou na residência reivindicando o imóvel como sendo seu. Além de não ter
conhecimento quanto eventual reforma ou ampliação do imóvel.

Já a segunda testemunha foi o sr. Francisco da Conceição Pereira, não tem grau de parentesco
com nenhuma das partes, alega ter conhecido sr. Joel a cerca de 50 anos por ser inquilino do
sr. Joel pelo mesmo período, e que segundo a testemunho veio a falecer a cerca de 35 anos.
Quando indagado se a casa sofreu reforma, afirmou que a residência que sr. Joel morava era
pequena e humilde e no decorrer do tempo houveram reformas e ampliações e que durante o
período que morou no mesmo lote da família do sr. Joel ninguém manifestou ser proprietário
do imóvel

Por último a terceira testemunha, sra. Maria Isabel Pereira, que não tem grau de parentesco
com nenhuma das partes, é vizinha de frente da casa da sra. Maria Anasedir e que a conhece a
35 anos. Declara que ela verificou que a casa foi reformada e ampliada durante esses 35 anos
e que desconhece se o imóvel foi comprado, invadido ou ela tenha ganhado, além de não ter
informação sobre se alguém manifestou ser proprietário e ter tentado a desocupação da sra.
Maria.
Cabe destacar que havia uma quarta testemunha a ser ouvida em oitiva, a sra. Ana da Silva,
mas a mesma não compareceu. Diante da manifestação dos advogados quanto ao fato de ser
desnecessário ser ouvida mais uma testemunha o Juiz encerra a instrução.

As partes pugnaram prazo para apresentação de memoriais, que foi deferido pelo prazo
comum de 10 dias.

Você também pode gostar