Você está na página 1de 23

Página |1

EBOOK
CRISTO É O
FIM DA LEI
Página |2

O Projeto E-book Livre é um ministério sem fins lucrativos e distribui


escritos com a intenção de equipar o corpo de Cristo e evangelizar os que
ainda não conhecem O Senhor. Respeitamos Direitos autorais. Não
praticamos pirataria. Nossas traduções são dos grandes escritores do
passado e são de domínio público. projetoebooklivre@outlook.com

© Todos os direitos desta publicação estão disponíveis sob a licença


Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0

Você é livre para copiar, distribuir e transmitir esta obra, desde que o
crédito seja atribuído ao(s) seu(s) autor(es) - mas não de maneira que sugira
que este(s) concede(m) qualquer aval a você ou ao seu uso da obra. Você
não pode utilizar esta obra para finalidades comerciais, nem alterar seu
conteúdo, transformá-lo ou incrementá-lo.
www.projetoebooklivre.blogspot.com

Título original: Christ is the End of the Law


Autor: João Calvino
Fonte: https://www.monergism.com
Foto da Capa: Phil Coch.
Tradução, Diagramação e Capa: Daniel Alves Filho.
Página |3

Cristo é o fim da lei


____João Calvino____
A todos aqueles que amam Cristo e seu evangelho, Saudações.

1- Deus, o Criador, o mais perfeito e excelente Criador de todas


as coisas, que já se mostrava mais do que admirável em sua criação,
fez do homem como sua obra-prima, para superar todas as outras
criaturas. O homem é dotado de uma excelência singular, pois Deus
o formou a sua imagem e semelhança, no qual vemos um brilhante
reflexo da glória de Deus. Além disso, o homem teria podido
continuar no estado em que ele se formou, se ele tivesse desejado
se inclinar com humildade diante da majestade de Deus,
magnificando-O com ações de graça; para não buscar a sua glória
em si mesmo, mas sabendo que todas as coisas boas vêm de cima
e glorifiquem um único Deus a quem pertence o louvor.
Mas o homem miserável, querendo ser alguém em si mesmo,
começou incontinentemente a esquecer e entender mal a fonte do
seu bem; e por um ato de escandalosa ingratidão, ele se propôs a
exaltar-se com orgulho contra o Criador e o Autor de tudo o que é
excelente para ele. Por esta razão, ele desceu em ruína e perdeu
toda a dignidade e superioridade do estado em que ele foi criado
pela primeira vez; Ele estava despojado e despojado de toda a sua
glória e privado de todos os presentes que eram dele; e isso,
confundi-lo no seu orgulho e constrangê-lo para entender o que ele
não estava disposto a fazer voluntariamente: que ele era por si só
nada além de vaidade e nunca teria sido mais nada senão com a
ajuda do Senhor do poder.
Página |4

Portanto, vendo que a imagem e a semelhança de Deus foram


assim desfiguradas, e o homem estava sem as graças que Deus em
seu bem lhe dera, Deus começou a aborrecer o homem e o
desanimou como sua obra. Uma vez que ele colocou o homem lá e
ordenou [a sua vida] para seu próprio gozo e prazer nele, como pai
com seu filho amado, Ele agora o dominou com desprezo e
abominação. Considerando que, antes que tudo no homem lhe
agradava, agora lhe dava desagrado; tudo o que ele amaria, agora
despertou sua ira; tudo o que ele tinha contemplado com a boa
vontade de um pai, ele começou a detestar e a olhar com
arrependimento. Em suma, todo o homem com tudo o que ele tinha,
seus feitos, seus pensamentos, suas palavras, sua vida, desagradava
completamente a Deus, como se o homem fosse um inimigo
especial e adversário de Deus; tanto que Deus se arrependeu de ter
feito ele. Depois de ter sido jogado em tal confusão, o homem foi
frutífero em sua semeada amaldiçoada, para gerar descendentes
como ele; isto é, vicioso, perverso, corrupto, vazio e privado de
todo bem, rico e abundante no mal.

Ainda assim, o Senhor da misericórdia, que não só ama, mas é ele


próprio amor e bondade, estando pronto em sua infinita bondade
para amar aquele que não merecia amor, não destruiu
completamente os homens nem os aborreceu no abismo da
iniqüidade. Mas, pelo contrário, ele os sustentou e apoiou
suavemente e pacientemente, dando-lhes tempo e oportunidade
para retornar a ele e se aplicar novamente a essa obediência a partir
da qual se desviaram. E mesmo que ele se disfarçasse e guardasse
silêncio, como se quisesse esconder-se deles, deixando-os para
perseguir seus desejos e os anseios de suas concupiscências, sem
lei, sem ordem, sem qualquer correção de sua Palavra, ele, no
entanto, deu-lhes aviso suficiente [de sua presença] para movê-los
a buscar, sentir e encontrá-lo, conhecê-lo e honrá-lo, como é
devido.
Página |5

Pois ele criou em todos os lugares, em todos os lugares e em todas


as coisas, suas insígnias e emblemas, tão claras e inteligíveis que
ninguém pode fingir ignorância ao não conhecer um Senhor tão
soberano, que exaltou tão amplamente sua magnificência; que tem,
em todas as partes do mundo, no céu e na terra, escrito e gravado a
glória do seu poder, bondade, sabedoria e eternidade. São Paulo,
portanto, disse com razão que o Senhor nunca se deixou sem uma
testemunha; mesmo entre aqueles a quem ele não enviou nenhum
conhecimento de sua Palavra. É evidente que todas as criaturas,
daqueles no firmamento para aqueles que estão no centro da terra,
podem atuar como testemunhas e mensageiros de sua glória para
todos os homens; para atraí-los a buscar a Deus, e depois de
encontrá-lo, meditar sobre ele e render-lhe a homenagem digna da
sua dignidade tão boa, tão poderosa, tão sábia, que é eterna; sim,
eles são capazes de ajudar cada homem aonde ele está nesta busca.
Para os pequenos pássaros que cantam, cantam de Deus; as bestas
clamam por ele; os elementos o temem, as montanhas ecoam-no,
as fontes e as águas que fluem lançaram suas olhadelas para ele, e
a grama e as flores riem antes dele. Realmente não há necessidade
de uma longa busca, pois todos podem encontrá-lo em si mesmo,
porque cada um de nós é sustentado e preservado pelo poder que
está em nós.

Enquanto isso, para revelar sua infinita bondade e bondade mais


plenamente entre os homens, ele não se contentava em ensinar
todos os homens como acabamos de descrever; mas ele fez a sua
voz para ser ouvida especialmente por um certo povo, a quem ele
elegeu, por sua boa vontade e graça livre, de todas as nações da
terra. Estes eram os filhos de Israel, a quem ele se mostrava
claramente por sua Palavra, e declarou-lhes por suas obras
maravilhosas o que ele queria que eles conhecessem. Pois, ele os
separou da sujeição a Faraó, o rei do Egito, sob a qual foram presos
e oprimidos, para livrá-los e libertá-los. Ele os acompanhou noite
e dia em seu vôo, como um outro fugitivo no meio deles. Ele os
Página |6

alimentou no deserto. Ele os fez possuir a Terra Prometida. Ele deu


vitórias e triunfos às mãos. E como se ele não fosse nada para as
outras nações, ele queria expressamente ser chamado de Deus de
Israel, e ter chamado Israel para o seu povo, desde que não
reconhecessem nenhum outro Senhor e não receberiam ninguém
como seu Deus. E esta aliança (pacto) foi confirmada e transmitida
por autênticos instrumentos de testemunho e testemunho dados por
Ele próprio.
No entanto, essas pessoas, todas compartilhadas na experiência
de sua raça amaldiçoada, mostraram-se verdadeiras herdeiras da
perversidade de seu pai, Adão. Eles não ficaram impacientes por
todas essas remontagens [de Deus], e não ouviram o ensinamento
pelo qual Deus os admoestou. As criaturas que tinham a glória e a
magnificência de Deus carimbadas sobre eles não ajudaram os
gentios e não conseguiram fazê-los glorificar a quem testificaram.
E a Lei e os Profetas não tinham autoridade para liderar os judeus
da maneira correta. Todos foram cegos à luz, surdos a
admoestações e endurecidos contra os mandamentos.
É verdade que os gentios, surpreendidos e convencidos por tantos
bens e benefícios que viram com seus próprios olhos, foram
forçados a reconhecer o Benfeitor oculto de quem veio tanto amor.
Mas em vez de dar ao Deus verdadeiro a glória que lhe deviam,
eles forjaram um deus a seu próprio gosto, um sonhado por sua
fantasia tola em sua vaidade e engano; e não um só Deus, mas
muitos como a sua temeridade e presunção lhes permitiram forjar;
de modo que não havia um povo ou lugar que não fizesse novos
deuses como lhes pareciam bons. Assim, essa idolatria, pôde
exercer domínio, afastar os homens de Deus e divertir-se com toda
uma multidão de fantasias aos quais eles próprios deram forma,
nome e ser em si mesmos. Quanto aos judeus, apesar de ter
recebido e aceitado as mensagens e os mandamentos que o Senhor
os enviou por seus servos, eles, no entanto, falsificaram a fé com
ele de forma intemperada, se desviaram descuidadamente dele,
violaram e desprezaram sua lei, odiaram e resistiu a andar em seus
Página |7

caminhos. Eles se tornaram estranhos à casa de Deus e correm


como homens dissolvidos após outros deuses, adorando ídolos à
maneira dos gentios, contrariamente à vontade de Deus.
Portanto, se Deus se aproximasse de seu povo, seja judeu ou
gentio, era necessária uma nova aliança: uma que seria certa,
segura e inviolável. E para estabelecê-lo e confirmá-lo, era
necessário ter um Mediador, que intercedesse e entre as duas
partes, para fazer uma concordância entre eles; pois sem isso, o
homem teria sempre que viver sob a ira e a indignação de Deus, e
não teria tido nenhum meio de alívio da maldição, da miséria e da
confusão em que ele estava envolvido e tinha caído. E foi nosso
Senhor e Salvador Jesus Cristo, o verdadeiro e único Filho eterno
de Deus, que teve que ser enviado e dado à humanidade pelo Pai,
para restaurar um mundo desperdiçado, destruído e desolado.
Desde o início, o mundo não teve a esperança de recuperar a perda
sofrida em Adão. Pois mesmo Adão, apesar de sua incontinência
após a sua ruína, recebeu a promessa de que a semente da mulher
esmague a cabeça da serpente; isto é, que Jesus Cristo nascido de
uma virgem derrubaria e destruiria o poder de Satanás.
Depois disso, essa promessa foi renovada mais completamente
a Abraão, quando Deus lhe disse que todas as nações da terra
seriam abençoadas em sua semente. Isso significava que, da sua
semente, viria a Jesus Cristo de acordo com a carne, por cuja
benção todos os homens de toda terra seriam santificados. E a
mesma promessa foi renovada para Isaac, na mesma forma e nas
mesmas palavras; e depois disso foi anunciado muitas vezes,
repetido e confirmado pelo testemunho dos vários profetas, de
modo a declarar de forma clara e confiável, de quem Cristo
nasceria, em que horas, em que lugar; quais as aflições e a morte
que ele deveria sofrer, e com qual glória ele deveria ressuscitar da
morte; qual seria o seu Reino, e para qual salvação ele deveria
trazer. No primeiro lugar, é anunciado para nós em Isaías, como ele
nasceu de uma virgem, dizendo: Eis que uma virgem conceberá e
dará um filho, e chamarás o seu nome, Emanuel (Isaías 7:14 ). O
Página |8

tempo é descrito para nós em Moisés, quando Jacó diz: O cetro não
será retirado da linha de Judá, nem o governo da sua mão, até a
vinda daquele que deve ser enviado; e a mesma expectativa das
nações (Gn 49:10). E isso foi verificado quando Jesus Cristo veio
ao mundo; Para os romanos, depois de ter despojado os judeus de
todo o governo e governar, trinta e sete anos antes [a vinda de
Cristo] ordenou o rei Herodes sobre eles, cujo pai era Antipas, o
edomita e sua mãe, um árabe; Ele era, portanto, um estrangeiro. Já
aconteceu às vezes que os judeus haviam estado sem um rei; mas
nunca antes tinham sido deixados como estavam agora sem
conselheiros, governantes e legisladores. Outra numeração [do
tempo do nascimento de Cristo] é dada em Daniel, pelo julgamento
das setenta semanas (Daniel 9:24). O lugar de seu nascimento nos
foi dado claramente por Miquéias, que disse: E você, Belém Efrata,
você é a menor entre os milhares de Judá; Mas de ti virá por mim
aquele que há de reinar sobre Israel; e a sua vinda será para todos
os dias da eternidade (Miquéias 5: 2). Quanto às aflições que ele
deveria suportar a nossa libertação e a morte que ele deveria sofrer
para a nossa redenção, Isaías e Zacarias falaram sobre essas
questões de forma plena e com certeza. A glória de sua ressurreição
e a natureza de seu Reino, e a graça da salvação que ele deveria
trazer para o seu povo - essas coisas foram tratadas completamente
por Isaías, Jeremias e Zacarias.
Tais promessas, declaradas e testemunhadas por esses santos
homens que foram preenchidos com o Espírito de Deus, foram o
consolo e a consolação dos filhos e eleitos de Deus, que nutriram,
apoiaram e sustentaram sua esperança nessas promessas,
aguardando a vontade do Senhor para mostrar o que prometeu.
Muitos reis e profetas entre eles desejaram muito ver sua
realização, nunca cessando o tempo todo para entender, em seus
corações e espíritos pela fé, as coisas que não podiam ver com seus
olhos. E, Deus confirmou o seu povo de todas as formas possíveis
durante a sua longa espera pelo grande Messias, fornecendo-lhes a
sua lei escrita, contendo inúmeras cerimónias, purificações e
Página |9

sacrifícios, que eram apenas as figuras e sombras das grandes


bênçãos vindouras com Cristo, que sozinho era a personificação e
a verdade deles. Pois a lei era incapaz de levar alguém à perfeição;
Ele apenas apresentou a Cristo, e como um professor falou e
conduziu a ele, que foi, como foi dito por São Paulo, o fim e
cumprimento da lei.
Da mesma forma, muitas vezes e em várias estações, Deus
enviou a seu povo reis, príncipes e capitães, para livrá-los do poder
de seus inimigos, para governá-los em paz, para recuperar suas
perdas, para dar-lhes reinos florescentes e por grande proeza torná-
los reconhecidos entre todos os outros povos. Ele fez tudo isso para
dar-lhes um antecipado dos grandes milagres que eles receberiam
deste grande Messias, que deveria ser dotado de todo o poder e
poder do Reino de Deus.
Mas quando a plenitude do tempo havia chegado e o período
predestinado por Deus terminou, veio este grande Messias, tão
prometido e tão aguardado; Ele era perfeito e realizou tudo o que
era necessário para nos resgatar e nos salvar. Ele foi dado não
apenas aos israelitas, mas a todos os homens, a todos os povos e a
todas as terras, até o fim que por ele a natureza humana poderia ser
reconciliada com Deus.
Ao declarar esta reconciliação, que o Senhor Jesus, que é seu
fundamento e substância, ordenou seus apóstolos, a quem ele
ordenou a publicar sua graça para o mundo inteiro. E os apóstolos,
para cumprir com seus deveres de forma adequada e clara, não só
se esforçaram e demonstraram diligência no cumprimento de sua
embaixada pela pregação da palavra, mas também seguiram o
exemplo de Moisés e os profetas e deixou uma eterna lembrança
de sua doutrina, reduzindo-a à escrita; no qual eles primeiro
contaram a história das coisas que o Senhor Jesus fez e sofreu pela
nossa salvação, e depois nos mostrou seu valor, o lucro que
ganhamos e a forma como devemos recebê-lo. Toda essa coleção é
chamada de testamento e é chamada de semelhante em relação ao
Velho, etc.
P á g i n a | 10

E este livro é chamado de Novo Testamento em relação ao Velho,


que, na medida em que teve que ser sucedido e relacionado ao
Novo, e inesquecível e imperfeito em si mesmo, foi abolido e ab-
rogado. É o novo e o eterno, que nunca envelhecerá e falhará,
porque Jesus Cristo é seu Mediador. Ele ratificou e confirmou por
sua morte, pelo qual ele realizou completa e eterna remissão de
todos os pecados (prevaricações) que permaneceram sob o
primeiro testamento.
A Escritura também é chamada de evangelho, isto é, notícias
novas e alegres, porque nela é declarado que Cristo, o único Filho
verdadeiro e eterno do Deus vivo, foi feito homem, para nos tornar
filhos de Deus, seu Pai, por adoção. Assim, ele é o nosso único
Salvador, a quem devemos a nossa redenção, paz, justiça,
santificação, salvação e vida; que morreu por nossos pecados e
ressuscitou por nossa justificativa; que subiu ao céu para a nossa
entrada lá e tomou posse disso para nós e é nossa casa; para ser
sempre nosso ajudante diante de seu Pai; como nosso defensor e
perpetuamente sacrificado por nós, ele se senta na mão direita do
Pai como Rei, fez o Senhor e o Mestre sobre todos, para restaurar
tudo o que está no céu e na terra; um ato que todos os anjos,
patriarcas, profetas, apóstolos não sabiam como fazer e eram
incapazes de fazer, porque eles não tinham sido ordenados para
esse fim por Deus. Como o Messias tinha sido prometido com tanta
frequência no Antigo Testamento pelos muitos testemunhos dos
profetas, assim também Jesus Cristo tinha certeza e certos
depoimentos declarados como sendo o único, e nenhum outro que
viria e devia ser esperado . Porque o Senhor Deus nos tornou tão
completamente certos neste assunto, pela sua Palavra e seu
Espírito, por seus anjos, profetas, apóstolos e até por todas as suas
criaturas, que ninguém está em posição de contradizê-lo sem
resistir e se rebelar contra O poder de Deus. Em primeiro lugar, o
Deus eterno testificou-nos por sua própria voz (que é, sem dúvida,
verdade irrevogável), dizendo: Eis o meu bem amado Filho, em
quem me agrada; ouça-o (Mt 9: 7).
P á g i n a | 11

E, como diz São João, o próprio Espírito Santo é o nosso grande


testemunho em nossos corações (1 João 5: 1). O anjo Gabriel,
enviado à Virgem Maria, disse-lhe: Eis que conceberás no teu
ventre e terão um Filho, e chamarão o nome de Jesus; porque ele
será grande e será chamado o Filho do Altíssimo. E o Senhor Deus
lhe dará o trono (o cerco) de seu pai Davi, e reinará para sempre na
casa de Jacó; e não haverá fim para o seu Reino (Lucas 1: 32-33).
Esta mesma mensagem foi dada em substância a José; e mais tarde
também aos pastores, aos quais foi dito que o Salvador nasceu, que
era Cristo, o Senhor (Mt. 1: 20-21, Lucas 2: 10-11). E esta
mensagem não foi apenas trazida por um anjo, mas foi confirmada
por uma multidão de anjos, que todos juntos glorificaram o Senhor
e anunciaram a paz sobre a terra. Simeão, o Justo, confessou
nobremente no espírito de profecia; e tomando a criança em seus
braços, disse: "Ó Senhor, que o teu servo se afaste em paz conforme
a tua palavra. Porque os meus olhos viram a tua salvação, que
preparastes na presença de todos os povos (Lucas 2: 29-31). João
Batista também falou dele como era apropriado, quando o viu
chegar ao rio Jordão, e disse: Eis o cordeiro de Deus; Contemple
aquele que tira os pecados do mundo (João 1:29). Pedro e todos os
apóstolos confessaram, testemunharam, pregavam todas as coisas
que pertencem à salvação, das quais os profetas haviam anunciado
que seriam cumpridas em Cristo o verdadeiro Filho de Deus. E
aqueles que o Senhor ordenou ser testemunhas até a nossa idade
demonstraram amplamente o mesmo por seus escritos, como seus
leitores podem ver o suficiente.
Todas essas testemunhas se juntam em uma unidade tão bem, e
são de um acordo entre elas tão completamente, que é fácil
reconhecer em tal acordo a verdade mais certa. Pois não poderia
haver tal harmonia em mentiras. Além disso, não é só o Pai, o Filho,
o Espírito Santo, os anjos, os profetas e os apóstolos que
testemunham Jesus Cristo; Suas próprias obras maravilhosas
mostram o seu poder mais excelente. Os enfermos, os coxos, os
P á g i n a | 12

cegos, os surdos, os malsos, os paralíticos, os leprosos, os


lunáticos, os demoníacos e até os mortos criados por ele carregaram
os emblemas de seu poder. Pelo seu poder, ele deu vida; Em seu
nome, as obras que ele lhe ofereceram foram testemunhas
suficientes para ele (João 10:25). Além disso, mesmo os ímpios e
os inimigos de sua glória foram restringidos pela própria força da
verdade para confessá-lo e reconhecer algo [da sua glória]: por
exemplo, Caifás, Pilatos e sua esposa. Não me importo de mostrar
o testemunho dos demônios e dos espíritos imundos, visto que
Jesus Cristo os rejeitou. Em suma, todos os elementos e todas as
criaturas deram a Jesus Cristo a glória. A seu comando, os ventos
cessaram, o mar furioso caiu, o peixe trouxe dois dracmas na
barriga, as pedras (para torná-lo testemunho) foram quebradas em
pedaços, o véu do Templo foi rasgado no meio, o sol escureceu, os
túmulos foram abertos, os muitos corpos foram restaurados à vida.
Não houve nada no céu ou na terra que não tenha testemunhado
que Jesus Cristo é Deus, Senhor e Mestre, e o grande Embaixador
do Pai enviado aqui abaixo para realizar a salvação da humanidade.
Todas estas coisas foram anunciadas, manifestadas, escritas e
assinadas neste Testamento, pelo qual Jesus Cristo nos fez seus
herdeiros no Reino de Deus, seu Pai, e nos declara sua vontade
(como um testador para seus herdeiros) de que [ seu Testamento]
seja executado. Além disso, somos chamados para essa herança
sem respeito pelas pessoas; homem ou mulher, pequeno ou grande,
servo ou senhor, mestre ou discípulo, clérigo ou leigo, hebraico ou
grego, francês ou latino - ninguém é rejeitado, quem com uma
certeza de confiança recebe aquele que foi enviado para ele, abraça
o que é apresentado para ele, e, em suma, reconhece Jesus Cristo
pelo que é e como é dado pelo Pai. Enquanto isso, todos nós que
carregamos o nome de cristãos, homens ou mulheres, nos
permitiremos desonrar, esconder e corromper esse Testamento, que
é tão corretamente nosso, sem o qual não podíamos fingir qualquer
direito ao Reino de Deus, sem o qual devemos ignorar as grandes
bençãos e promessas que Jesus Cristo nos deu, da glória e da bem-
aventurança que ele preparou para nós? Não sabemos o que Deus
P á g i n a | 13

nos ordenou ou nos proibiu; não podemos dizer o bem do mal, a


luz das trevas, os mandamentos de Deus das ordenanças
(constituições) dos homens. Sem o evangelho tudo é inútil e vã;
Sem o evangelho, não somos cristãos; sem o evangelho, todas as
riquezas são pobreza, toda sabedoria, loucura diante de Deus; A
força é a fraqueza, e toda a justiça do homem está sob a condenação
de Deus. Mas, pelo conhecimento do evangelho, somos filhos de
Deus, irmãos de Jesus Cristo, companheiros de cidade com os
santos, cidadãos do Reino dos Céus, herdeiros de Deus com Jesus
Cristo, por quem os pobres são enriquecidos, os fracos fortes, os
sábios, os pecadores justificados, os desolados consolados, os
duvidosos e os escravos livres. O evangelho é a Palavra da vida e
da verdade. É o poder de Deus para a salvação de todos os que
crêem; e a chave para o conhecimento de Deus, que abre a porta do
Reino dos Céus aos fiéis libertando-os dos pecados, e o fecha aos
incrédulos, unindo-os nos pecados deles. Bem-aventurados todos
aqueles que ouvem o evangelho e o guardam; pois, assim, mostram
que são filhos de Deus. Ai daqueles que não ouvirem e seguem;
porque são filhos do diabo.
Ó cristãos, homens e mulheres, ouçam isso e aprendam.
Certamente, o ignorante perecerá em sua ignorância, e o cego que
segue outro cego cairá no fosso com ele. Não há mais um caminho
para a vida e a salvação, e isso é fé e certeza nas promessas de Deus
que não podem ser feitas sem o evangelho; pois, ouvindo-o e
sabendo que a fé viva é fornecida, juntamente com a esperança
segura, e o amor perfeito por Deus e um amor vivo para com o
próximo. Onde é a sua esperança, se você condena e desprezando
ouvir, ver, ler e reter este evangelho sagrado? Aqueles que têm suas
afecções fixadas neste mundo perseguem com todos os meios o que
eles pensam que lhes trará felicidade, sem poupar trabalho, corpo,
vida ou reputação. E tudo isso é feito ao serviço desse corpo
miserável, que tem uma vida tão vã, miserável e incerta. Quando é
uma questão de vida imortal e incorruptível, de bem-aventurança
eterna e incomensurável, de todos os tesouros do Paraíso, não nos
P á g i n a | 14

esforçaremos por persegui-los? Aqueles que se entregam às artes


mecânicas, por mais baixas e significativas que possam ser, gastar
dor e trabalho para aprender e conhecê-las; e aqueles que aspiram
a uma reputação de maior excelência atormentam suas mentes dia
e noite, para entender algo das ciências humanas, que não são senão
vento e fumaça. Não devemos, então, mais empregados e diligentes
no estudo desta sabedoria divina, que passa além do mundo inteiro
e penetra até os mistérios de Deus, o que agradou a ele dar a
conhecer pela sua santa Palavra! O que então nos afastará e
alienará deste evangelho sagrado? Os ferimentos, as maldições, a
desgraça e a falta de honra mundana? Mas, sabemos bem que Jesus
Cristo percorreu o mesmo caminho que devemos seguir, se
fôssemos seus discípulos; que não devemos nos recusar a ser
desprezados, zombados, humilhados e rejeitados diante dos
homens. Pois é assim que seremos honrados, apreciados,
glorificados e exaltados no julgamento de Deus. Haverá
banimentos, proscrições, privação de bens e riquezas? Mas
sabemos que, se formos banidos de um país, toda a terra é do
Senhor e, se formos expulsos da própria terra, não devemos estar
fora do seu Reino. Sabemos que, quando somos despojados e
empobrecidos, temos um Pai que é rico o suficiente para nos nutrir;
mesmo que Jesus Cristo tenha sido feito pobre, para que possamos
segui-lo na pobreza dele. Haverá aflições, prisões, torturas,
tormentos? Mas sabemos com o exemplo de Jesus Cristo que este
é o caminho para chegar à glória. Finalmente, haverá morte? Mas
a morte não acabou com uma vida que vale a pena ter.
Em suma, se tivermos Jesus Cristo conosco, não devemos
encontrar nada tão maldito que ele não o converterá em uma
benção; nada tão execrável que não seja sagrado; nada tão maligno
que não se transforme em nosso bem. Não perca o nosso conforto
quando vemos todos os poderes e forças terrestres contra nós; pois
a promessa não pode falhar, que o Senhor no alto segurará todas as
assembléias e esforços dos homens que conspirariam contra ele.
Não nos deixemos desolados, como se toda a esperança estivesse
P á g i n a | 15

perdida, quando vemos os verdadeiros servos de Deus morrerem e


perecerem diante de nossos olhos. Pois foi afirmado
verdadeiramente por Tertuliano, e assim foi aprovado e será até a
consumação da era, para que o sangue dos mártires seja a semente
da igreja.
E temos um consolo ainda maior e mais seguro, quando
afastamos nossos olhos de todo esse mundo e reservamos tudo o
que podemos ver diante de nós, para aguardar pacientemente o
grande julgamento de Deus, pelo qual, em um momento, todos as
maquinações de homens contra ele serão destruídas e derrubadas.
Isto será quando o Reino de Deus, que agora vemos em esperança,
se tornará manifesto; quando Jesus Cristo aparecerá em majestade
com seus anjos. Será então que o bem e o mal estarão presentes
diante do tribunal do grande rei. Aqueles que permaneceram firmes
neste testamento, que seguiram e mantiveram a vontade deste bom
Pai, estarão à sua direita como seus verdadeiros filhos, e serão
abençoados com o cumprimento de sua fé, que será a salvação
eterna. E como eles não se envergonharam de possuir e confessar
a Jesus Cristo, quando ele foi desprezado e condenado perante os
homens, eles também compartilharão a sua glória e serão coroados
com ele na eternidade. Mas os perversos, rebeldes e condenados,
que desprezaram e rejeitaram este santo evangelho, e da mesma
forma aqueles que, por amor a sua honra, riquezas e bens altos, não
quiseram se humilhar e se tornarem baixos com Jesus Cristo; que,
por medo dos homens, afastaram o medo de Deus e, como os
bastardos, desobedeceram a este Pai, estes estarão na mão
esquerda; eles serão executados e expulsos; Para a recompensa de
sua infidelidade, eles receberão a morte eterna.
Portanto, quando você ouve que o evangelho apresenta Jesus Cristo
em quem todas as promessas e dons de Deus foram cumpridas; e
quando declara que ele foi enviado pelo Pai, desceu para a terra e
falou entre os homens perfeitamente tudo o que diz respeito à nossa
salvação, como foi anunciado na Lei e nos Profetas - deveria ser
mais certo e óbvio para você que os tesouros do Paraíso foram
P á g i n a | 16

abertos para você no evangelho; que as riquezas de Deus foram


exibidas e a própria vida eterna revelada. Pois, esta é a vida eterna;
para conhecer um só Deus verdadeiro e Jesus Cristo a quem ele
enviou, a quem estabeleceu como princípio, meio e fim de nossa
salvação. Ele [Cristo] é Isaque, o amado Filho do Pai que foi
oferecido como um sacrifício, mas, no entanto, não sucumbiu ao
poder da morte. Ele é Jacó, o pastor vigilante, que tem o grande
cuidado com as ovelhas que ele protege. Ele é o bom e compassivo
irmão José, que na sua glória não se envergonhou de reconhecer
seus irmãos, por mais humilde e abjeta de sua condição. Ele é o
grande sacerdote e o bispo Melquisedeque, que ofereceu um
sacrifício eterno de uma vez por todas. Ele é o legislador soberano
Moisés, escrevendo sua lei nas tabelas de nossos corações pelo seu
Espírito. Ele é o capitão fiel e guia Josué, para nos levar à Terra
Prometida. Ele é o vitorioso e nobre rei Davi, trazendo por sua mão
todo o poder rebelde para sujeição. Ele é o magnífico e triunfante
rei Salomão, que governa o seu reino em paz e prosperidade. Ele é
o poderoso Sansão, que por sua morte superou todos os seus
inimigos.
Segue-se que tudo o que podemos pensar ou desejar é encontrar
neste mesmo Jesus Cristo sozinho. Ele foi vendido, para nos
comprar de volta; feito cativo, para nos entregar; condenado, para
nos absolver; Ele foi feito uma maldição para nossa benção, oferta
pelo pecado para a nossa justiça; pecado, para que possamos ser
justos; ele morreu pela nossa vida; de modo que, por ele, a fúria é
gentil, a ira se apaziguou, a escuridão se transformou em luz, o
medo foi tranquilizado, a dívida cancelada, o trabalho iluminado,
a tristeza feliz, o infortúnio feito afortunado, a dificuldade feita
fácil, a desordem ordenada, a divisão unida, a ignomínia
enobrecida, a rebelião sujeita, emboscada descoberta, combate
combatido, guerra vencida, vingança vingada, tormento
atormentado, abismo afundado no abismo, inferno transfixado,
morte morta, mortalidade feita imortal. Em suma, a misericórdia
engoliu toda a miséria, e a bondade de todos os infortúnios.
P á g i n a | 17

Pois todas essas coisas que deveriam ser as armas do diabo em


sua batalha contra nós, e a ferrão da morte para nos penetrar, são
transformados para nós em exercícios que podemos recorrer ao
nosso lucro. Se pudermos se vangloriar com o apóstolo, dizendo:
Ó inferno, onde está a sua vitória? Ó morte, onde está seu aguilhão?
é porque, pelo Espírito de Cristo prometido aos eleitos, não
vivemos mais, mas Cristo vive em nós; e estamos com o mesmo
Espírito sentado entre os que estão nos céus, de modo que, para
nós, o mundo não é mais, mesmo enquanto a nossa conversa está
nele; Mas estamos satisfeitos em tudo, seja país, lugar, condição,
roupas, carne e todas essas coisas. E somos confortados na
tribulação, alegres na tristeza, gloriosos sob vituperação,
abundantes na pobreza, aquecidos em nossa nudez, pacientes entre
os males, vivendo na morte.
Este é o que, em breve, buscamos em toda uma Escritura:
conhecer verdadeiramente Jesus Cristo e como riquezas infinitas
que estão incluídas nos nossos serviços por Deus Pai. E, de fato,
uma vez que todos os tesouros da sabedoria e do entendimento
estão escondidos nele, não há um assunto menor, ou se voltar para
outro objetivo; São Paulo diz em outra passagem que não conhece
senão Jesus Cristo, e este cruficado. E este conhecimento,
significativo e desprezível para uma mente da carne, é suficiente
para nos ocupar todas as nossas vidas. E não devemos perder o
nosso tempo se empregarmos todo o nosso estudo e aplicação em
toda a nossa compreensão para lucrar com isso. O que mais nós
pediremos, como doutrina espiritual para as nossas almas, do que
conhecer Deus, para se converter (transformar) para Ele e Sua
glória e imagem impressa em nós, para que possamos participar da
Sua justiça, herdeiros de seu Reino e possuí-lo no final na íntegra?
Mas a verdade é que, desde o início, Deus se deu a si mesmo, e, de
momento, se dá mais plenamente, para que possamos contempla-
lo diante de seu Cristo. Por conseguinte, não é lícito que nos
desviemos e se desviem, mesmo em menor grau, por isto ou aquilo.
Pelo contrário, nossos usuários devem parar em um ponto em que
P á g i n a | 18

aprendemos nas Escrituras a conhecer Jesus Cristo e a ele sozinhos,


para que possamos ser bem-liderados por ele ao Pai, que se
encontram em si mesmo toda a perfeição.

Aqui, eu digo mais uma vez, está encerrado em toda sabedoria que
os homens podem entender e desenvolver aprender nesta vida; que
nenhum anjo, ou homem, morto ou vivo, pode adicionar ou tirar. É
aqui que devemos parar e colocar um limite para uma
compreensão, misturando nada com nossos serviços e recusando
qualquer doutrina que quer ser adicionado a Ele. Para quem se
compromete a ensinar uma outra sílaba além do que nos ensina
nela, deve ser amaldiçoado diante de Deus e de sua igreja.
E vocês, reis, príncipes e senhores cristãos, que são ordenados por
Deus para punir os ímpios e defender o bem em paz de acordo com
a Palavra de Deus - para você pertence ter essa doutrina sagrada,
tão útil e necessária, publicada, ensinou e compreendeu em todas
as suas terras, domínios senhoriais, até o fim de que Deus seja
ampliado por você, e seu evangelho exaltado; porque é certo que é
devido que todos os reis e reinos o obedecem com toda a humildade
e sirvam a sua glória. Lembre-se de que o Império soberano, acima
de todos os reinos, principados e senhorias, foi dado pelo Pai ao
Senhor Jesus; e ele deve ser temido, impressionado e honrado por
todos. Lembre-se do que foi predito pelos profetas: que todos os
reis da terra O fariam homenagem como seu superior e o adorariam
como seu Salvador e seu Deus; Deixe isso se tornar realidade em
você. E lembre-se que não é uma desonra para você estar sujeito a
um grande senhor, como se assim fosse sua própria majestade e
alto lugar seriam reduzidos e se tornariam como nada; pois é a
maior honra que você pode desejar legalmente, ser conhecido e
considerado como os oficiais e tenentes de Deus. É impensável que
Jesus Cristo, em quem Deus deseja ser glorificado e exaltado, não
deve ter domínio sobre você; e, na verdade, é razoável o suficiente
para que você seja o único a dar-lhe essa preeminência, desde que
seu próprio poder seja fundado nele sozinho. Caso contrário, o que
P á g i n a | 19

seria uma ingratidão que você deveria querer excluir aquele que o
estabeleceu no poder que possui e mantém você dentro dele! Além
disso, você deve saber que não há um melhor fundamento, nem um
mais firme, para manter seus domínios em verdadeira
prosperidade, do que fazê-lo como Senhor e Mestre, e governar
seus povos sob sua mão; e que sem ele, [os seus domínios] não
podem ser permanentes por muito tempo, mas serão anátemas de
Deus e, consequentemente, cairão em confusão e em ruínas. Como
Deus assim lhe deu a espada na mão para governar seus assuntos
em seu nome e por sua autoridade; desde que ele lhe fez a honra de
lhe dar seu nome e título; uma vez que ele santificou sua posição
acima dos outros, para fazer uma parte de sua glória e majestade
refletida nela - que cada um de vocês se envolva por sua própria
mão para magnificar e exaltar aquele que é a imagem verdadeira e
gloriosa de Deus, em quem Ele se representa completamente para
nós. Além disso, para fazer isso, não basta apenas confessar a Jesus
Cristo e professar ser seu, de modo que você tenha o título sem a
verdade e a realidade do assunto; você deve dar lugar ao seu santo
evangelho e recebê-lo com obediência e humildade. Este é um
escritório que todo homem deve cumprir; mas pertence a você,
especialmente para velar por que o evangelho seja ouvido, para que
ele seja publicado em suas terras, para que possa ser conhecido
pelas pessoas que foram confiadas a seu cargo; para que possam
conhecê-los como servos e ministros deste grande rei, e possam
servir e honrá-lo, obedecendo-lhe sob sua mão e sob sua
orientação.
Isto é o que o Senhor exige de você através do seu profeta, quando
ele te chama de guardiões de sua igreja. Para esta tutela e proteção
não se trata de ampliar as riquezas, os privilégios e as honras do
clero, o que os torna altos e altivos, vivendo em pompa e em toda
a dissolução, contrariamente à sua propriedade própria; muito
menos é uma questão de manter o clero em seu orgulho e exibições
desordenadas; é uma questão de assegurar que todo o ensinamento
do evangelho seja mantido em sua pureza e verdade; que as
P á g i n a | 20

Sagradas Escrituras são fielmente pregadas, lidas e examinadas;


que Deus é honrado de acordo com a regra que nos é dada, e a igreja
está bem governada; que tudo o que é contrário à honra de Deus,
ou ao bom governo da igreja, seja corrigido e reprimido; para que
o Reino de Jesus Cristo possa florescer pelo poder de sua Palavra.
Ó vós que se chamam bispos e pastores dos pobres, cuide-se de que
as ovelhas de Jesus Cristo não sejam privadas do seu próprio pasto;
e que não é proibido a nenhum cristão livremente e em sua própria
língua ler, manusear e ouvir este santo evangelho, visto que tal é a
vontade de Deus, e Jesus Cristo o ordena; pois é por essa causa que
ele enviou seus apóstolos e servos em todo o mundo; dando-lhes o
poder de falar em todas as línguas, para que eles possam em todas
as línguas pregar a toda criatura; e ele os tornou devedores aos
gregos e aos bárbaros, aos sábios e aos simples, a fim de que
nenhum deles possa ser excluído de seus ensinamentos.
Certamente, se vocês são verdadeiramente vigários, sucessores e
imitadores, é seu escritório fazer o mesmo, vigiando o rebanho e
buscando todos os meios possíveis para que todos sejam instruídos
na fé de Jesus Cristo, pela pura Palavra de Deus. Caso contrário, a
sentença já foi proclamada e escrita por escrito, que Deus exigirá
suas almas em suas mãos.

É a vontade do Senhor das luzes pelo seu Espírito Santo, por meio
deste evangelho santo e salvador, ensinar aos ignorantes, fortalecer
os fracos, iluminar os cegos e fazer reinar sua verdade entre todos
os povos e nações , para que o mundo inteiro conheça apenas um
Deus e um Salvador, Jesus Cristo; uma fé e um evangelho. Que
assim seja.
P á g i n a | 21

1. Notas abreviadas da tradução de Joseph Haroutunian (1958):


este prefácio à tradução de Pierre Robert Olivétan do Novo
Testamento, que teve uma influência duradoura sobre as versões
francesas da Bíblia, foi escrito em 1534, cerca de um ano após a
conversão de Calvino. Nós o traduzimos e colocamos aqui no início
deste volume porque é sua primeira declaração de fé como uma
defesa protestante e eloqüente disso. O texto atual, da Opera, C. R.
9, pp. 791 f., Contém adições feitas por Calvin depois de 1534.

2. Em vez de esta passagem, o tratado de 1543 e todas as edições


da Bíblia que a reproduzem contêm o parágrafo que segue no texto.

3. Este parágrafo não está no prefácio 1535. Parece, pela primeira


vez, no tratado de 1543 (C. R. 9, 815).
P á g i n a | 22

Biografia de João Calvino

João Calvino (1509-1564) foi um teólogo, Pastor e escritor francês.


Um Reformador que atingiu a maior parte dos países da Europa
Ocidental. João Calvino nasceu em Noyon, na região da Picardia,
no Norte da França, no dia 10 de julho de 1509. Ficou órfão de mãe
aos seis anos de idade, sendo confiado aos cuidados de um
aristocrata amigo da família. Ainda adolescente foi enviado para a
Universidade de Paris para estudar Teologia. Em Paris, tomou
contato com as ideias de Martinho Lutero. Em 1529, em obediência
ao pai, trocou Paris por Orléans, e a Teologia pelo Direito. Depois
de formado voltou à Paris e à Teologia. Começou uma fase de
intensa colaboração com o reitor da Universidade de Paris, Nicolas
Cop. Ao inserir trechos inteiros de Lutero em um discuro de reitor,
foi acusado de herege. Em 1536, após redigir em latim,
“Instituições da Religião Cristã”, onde reuniu as bases para o
conjunto das doutrinas do Calvinismo, foi perseguido e teve que
abandonar a capital francesa. Persuadido por Guilherme Farel,
francês que implantou a reforma de Zwinglio, um iniciador das
revoltas contra a venda de indulgências por parte dos emissários do
Papa Leão X, em Genebra, resolve permanecer na cidade. Em
1538, depois de ter frustradas suas tentativas de instaurar um
governo teocrático, e de escrever “Artigos Sobre o Governo Local”
e “Confissões de Fé”, é expulso de Genebra.
Em Estrasburgo, no Leste da França, começa a elaboração de uma
constituição religiosa baseada nas “Instituições” e participa do
congresso sobre religião como representante da cidade. Em
setembro de 1547, retorna à Genebra a pedido das autoridades, para
impedir a tentativa do cardeal de restaurar o catolicismo. Realiza
na íntegra o governo civil, que tornou supérflua a hierarquia
eclesiástica. Estabeleceu leis, abriu escolas e estimulou o comércio
P á g i n a | 23

exterior, prega e ensina expositivamente. Genebra passa a ser o


principal centro protestante da Europa. A consistência da moral foi
implantada. João Calvino estabeleceu diversas reformas na Igreja,
eliminou o ritual e a música instrumental da missa, despiu as igrejas
de vitrais, quadros e imagens, reduziu o culto a um sermão entre
quatro paredes nuas. Aboliu as comemorações da Páscoa e do
Natal, e apagou todos os vestígios do sistema episcopal. O
Calvinismo, ao contrário do luteranismo, difundiu-se na Europa
Ocidental. Na França, foi professado pelos huguenotes, na Escócia,
pelos presbiterianos, na Inglaterra, pelos puritanos e na Holanda,
pelos protestantes. João Calvino faleceu em Genebra, na Suíça, no
dia 27 de maio de 1564.

Você também pode gostar