Você está na página 1de 124

Técnico em

Enfermagem
Módulo II
SAÚDE DO TRABALHADOR
CONCEITO DE SAÚDE
Fatores determinantes e condicionantes da saúde.

A saúde tem vários fatores determinantes e condicionantes, entre


outros, a alimentação, a condição de moradia, o saneamento
básico, a família, o meio ambiente, o trabalho, a renda familiar, a
educação, os meios de transportes, o lazer e o acesso aos bens e
serviços essenciais. Ações que se destinam a garantir as pessoas e à
coletividade condições de bem – estar físico, mental e social. Nesse
conceito apreende-se que o trabalho é um eterminante/
condicionante da saúde dos indivíduos.
CONCEITO DE SAÚDE
Fatores determinantes e condicionantes da saúde.

O ambiente de trabalho se constitui em espaço no qual o


trabalhador passa a maior parte de sua vida, nele muitas
oportunidades e ocorrências acontecem e se constituem um desafio
ao crescimento e desenvolvimento do ser humano.
Sendo este ambiente agradável e oferecendo condições de
salubridade ao individuo, oferecendo proteção e prevenção de
acidentes nas ações geradas como resultados do trabalho, se
constitui um grande fator de saúde mental.
CONCEITO DE SAÚDE
Fatores determinantes e condicionantes da saúde.

Ação integral à saúde: significa tornar o trabalho como fator


determinante do processo saúde- doença e atender ao “...
trabalhador, na qualidade de vida do indivíduo, ainda que os
procedimentos de diagnóstico e tratamento da doença que
apresenta sejam os mesmos, independentemente de o agravo
estar ou não relacionado ao seu trabalho atual ou pregresso, é
importante que essa relação seja estabelecida e os
encaminhamentos sejam feitos adequadamente. As ações de saúde
do trabalhador são desencadeadas a partir da identificação de um
agravo à saúde ou de uma situação de risco, relacionados ao
trabalho”.
Significado do trabalho na
vida do homem
A atividade humana é transformadora, desenvolvida na natureza para
garantir a sobrevivência da espécie.

Tem sentido de realização, gere satisfação, reconhecimento e que


permaneça além da vida do trabalhador e, em outros momentos, tem
sentido de esforço, preocupações e aflições.

“Trabalho” origina-se da palavra “tripallium” que era um instrumento


constituído de três paus aguçados utilizados pelos agricultores antigos,
mas que também serviu como instrumento de tortura.

O trabalho é um direito fundamental para melhoria da qualidade de


vida da pessoa humana e assegurar a sua sobrevivência, se constitui
em direito social.
Significado do trabalho na
vida do homem
Portanto, o trabalho permitiu ao homem abandonar as cavernas,
dominar a natureza e transformá-la, modificando-o através dos
novos conhecimentos adquiridos, através de avanços na tecnologia,
educação, ciência, cultura, política, religião, enfim,
transformando–o em espaço de transformações continuas. Estas
evoluções realizadas através do trabalho, aceleraram o advento e
desenvolvimento das máquinas, da tecnologia, da informática, das
ciências, conectando o mundo on-line em todos os âmbitos.
Significado do trabalho na
vida do homem
Estes avanços relacionados as mudanças são reais, geraram
resultados na produtividade, no desenvolvimento em todos os
segmentos da indústria, da saúde, educação e ambiente. No
entanto estas mudanças levam a uma nova postura do individuo,
do profissional, da família, dos negócios, da qualidade de vida.

A longevidade humana aumentou, muito nas ultimas décadas, em


virtude de novos avanços na qualidade de vida, da alimentação,
prevenção da saúde física e mental.
Processo de trabalho e saúde

Para entender a relação existente entre processo de trabalho e


saúde é necessário, definir processo de trabalho. Exemplo de uma
situação da vida cotidiana.. Imaginemos um carpinteiro que queira
construir uma cadeira. Para iniciar seu trabalho ele precisa de
madeira, cola, serrote, lixa, martelo, plaina, espaço físico para se
instalar e iluminação adequada. Chamamos de matéria-prima aos
objetos que são transformados pelo trabalho para construir o
produto final. No nosso exemplo, matéria-prima é a madeira e a
cola que vão se constituir como parte da cadeira.
Processo de trabalho e saúde

Para juntarmos os componentes da cadeira é necessário utilizarmos


o que chamamos meios de trabalho, que são todas aquelas coisas
que direta ou indiretamente nos permite transformar a matéria-
prima em produto final. No exemplo os meios de trabalho que
atuam diretamente sobre a matéria-prima são o martelo, o serrote,
a plaina e a lixa. Os meios de trabalho que atuam de forma indireta
são o local de trabalho, a iluminação, etc.
Processo de trabalho e saúde

Por último, analisaremos a atividade humana realizada pelo


trabalhador, que utilizando os meios de trabalho transforma a
matéria-prima no produto final. No nosso exemplo, o carpinteiro
gasta energia física e mental para construir a cadeira. A esta energia
empregada pelo trabalhador no processo de trabalho chamamos
de força de trabalho.

Portanto os elementos fundamentais do processo de trabalho são a


força de trabalho dos homens e os meios de trabalho. A produção
das riquezas das sociedades ocorre por meio do processo de
trabalho, e este vem alterando-se ao longo da história das
sociedades.
Definição do termo
trabalhadores
Trabalhadores são todos os homens e mulheres que exercem
atividades para sustento próprio e/ou de seus dependentes,
qualquer que seja sua forma de inserção no mercado de trabalho,
nos setores formais ou informais da economia.

Estão incluídos nesse grupo os indivíduos que trabalharam ou


trabalham como empregados assalariados, trabalhadores
domésticos, trabalhadores avulsos, trabalhadores agrícolas,
autônomos, servidores públicos, trabalhadores cooperativados e
empregadores-particularmente, os proprietários de micro e
pequenas unidades de produção.
Definição do termo
trabalhadores
São também considerados trabalhadores aqueles que exercem
atividades não remuneradas, voluntários, os aprendizes, os
estagiários e aqueles que prestam trabalhos temporários ou
definitivamente afastados do mercado de trabalho por doença,
aposentaria ou desemprego.

Trabalhador é toda pessoa que exerça uma atividade de trabalho,


independentemente de estar inserido no mercado formal ou
informal de trabalho, inclusive na forma de trabalho familiar e/ou
doméstico. Ressalte-se que o mercado informal no Brasil tem
crescido acentuadamente nos últimos anos.
Definição do termo
trabalhadores
O termo Saúde do Trabalhador refere-se a um campo do saber que
visa compreender as relações entre o trabalho e o processo saúde/
doença. Nesta acepção, considera a saúde e a doença como
processos dinâmicos, estreitamente articulados com os modos de
desenvolvimento produtivo da humanidade em determinado
momento histórico. Parte do princípio de que a forma de inserção
dos homens, mulheres e crianças nos espaços de trabalho contribui
decisivamente para formas específicas de adoecer e morrer. O
fundamento de suas ações é a articulação multiprofissional,
interdisciplinar e intersetorial.
Definição do termo
trabalhadores
Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE,
cerca de 2/3 da população economicamente ativa – PEA têm
desenvolvido suas atividades de trabalho no mercado informal.
É importante ressaltar, ainda, que a execução de atividades de
trabalho no espaço familiar tem acarretado a transferência de
riscos/fatores de risco ocupacionais para o fundo dos quintais,
ou mesmo para dentro das casas, num processo conhecido como
domiciliação do risco.
Definição do termo
trabalhadores
Num momento em que o processo de descentralização das ações de
saúde se consolida e em todo o país, um dos mais importantes
desafios sobre os quais os municípios brasileiros têm enfrentado diz
respeito as organização da rede de prestação de serviços de saúde,
em consonância com os princípios do Sistema Único de Saúde – SUS:
• Descentralização dos serviços.
• Universalidade.
• Hierarquização.
• Equidade.
• Integralidade da assistência.
• Controle social.
• Utilização da epidemiologia para o estabelecimento de
prioridades, entre outros.
Definição do termo
trabalhadores
As políticas públicas no campo da saúde e segurança no trabalho
constituem ações implementadas pelo Estado visando garantir que o
trabalho, base da organização social e direito humano fundamental,
seja realizado em condições que contribuam para a melhoria da
qualidade de vida, a realização pessoal e social dos trabalhadores,
sem prejuízo para sua saúde, integridade física e mental. Por esta
razão, envolvem aspectos gerais, como a garantia de trabalho, a
natureza e relações de trabalho, a distribuição da renda, as questões
diretamente relacionadas às condições e ambientes de trabalho,
tendo em vista a promoção, proteção e recuperação da saúde e a
reabilitação profissional.
Definição do termo
trabalhadores
A política de saúde do trabalhador apresenta interfaces com as políticas
econômicas, de indústria e comércio, agricultura, ciência e tecnologia,
educação e justiça, além de estar diretamente relacionada às políticas
do trabalho, previdência social e meio ambiente. A mesma deve estar
articulada com as organizações de trabalhadores e as estruturas
organizadas da sociedade civil, de modo a garantir a participação e dar
subsídios para a promoção de condições de trabalho dignas, seguras e
saudáveis para todos os trabalhadores.

A Saúde do Trabalhador é uma área técnica da Saúde Pública que busca


intervir na relação entre o sistema de produção e a saúde, no sentido de
promover um trabalho que dignifique ao invés de denegrir o homem.
Sua missão é auxiliar na estruturação de uma sociedade que promova a
saúde através dos espaços de trabalho.
Conforto ambiental
no trabalho
Passamos em media 8 a 10 horas do dia no ambiente do trabalho, neste
sentido existe hoje preocupação em adequar medidas de controle e
proteção coletivas ou individuais, observando a saúde e qualidade de
vida dos colaboradores.

A palavra Ergonomia deriva do grego ERGON (Trabalho) e normas


(normas, regras, leis). Ela se define como uma disciplina científica que
relaciona a adaptação dos seres humanos aos elementos do sistema.
Conforto ambiental
no trabalho
A palavra ergonomia significa interconectar harmonicamente, por meio
de projetos e ações , organização do bem estar humano e o ambiente
em que se vive, de modo a formar um conjunto com objetivo de visar
melhoria do desempenho. A legislação brasileira, Norma reguladora 17-
Ergonomia, da portaria 3.214 de 8 de junho de 1978.

Recomenda sua aplicação ``para locais de trabalho onde são executadas


atividades que exijam solicitação intelectual e atenção constante,
parâmetros de conforto, níveis de ruídos, índice de temperatura,
velocidade e umidade do ar, visando adaptação das condições do
trabalho ás características psicológicas dos trabalhadores de modo a
proporcionar conforto, segurança, e desempenho eficiente.
A importância da ginástica
laboral no trabalho
Ginástica laboral é o conjunto de práticas de exercícios físicos realizados
no ambiente de trabalho (donde o qualificativo laboral), com a
finalidade de colocar previamente cada pessoa — e todos — da equipe
ou grupo de trabalho bem preparadas para o exercício do labor diário.
Usualmente baseia-se em técnicas de alongamento, distribuídas pelas
várias partes do corpo, dos membros, passando pelo tronco, à cabeça,
sendo, de ordinário, orientada ou supervisionada por um fisioterapeuta,
educador físico ou por algum especialista treinado.
A importância da ginástica
laboral no trabalho
A Ginástica Laboral começou a
ser compreendida como um
grande instrumento na melhoria
da saúde física do trabalhador,
reduzindo e prevenindo
problemas ocupacionais, através
de exercícios específicos que são
realizados no próprio local de
trabalho. A Ginástica Laboral
não sobrecarrega nem cansa o
funcionário, porque é leve e de
curta duração.
Objetivos ginástica laboral

• Trabalhar a reeducação postural.


• Aliviar o estresse.
• Diminuir o sedentarismo.
• Aumentar o ânimo para o trabalho.
• Promover a saúde e uma maior consciência corporal.
• Aumentar a integração social.
• Melhorar o desempenho profissional.
• Diminuir as tensões acumuladas no trabalho.
• Melhorar o bem estar físico, do sono e resultados no humor.
• Prevenir lesões e doenças por traumas cumulativos, como as
LER’s (Lesões por Esforços Repetitivos) e os DORT’s (Distúrbios
Osteomusculares Relacionados ao Trabalho).
Benefícios trazidos para as empresas com
a incorporação da ginástica laboral

• Redução de faltas dos funcionários.


• Aumento da produtividade.
• Redução de quedas.
• Maior integração da equipe.
Diferença entre LER e DORT

• A legislação brasileira que normatiza as condições de trabalho e as


ações relacionadas à prevenção e ao tratamento de pessoas que
desenvolvem doenças ocupacionais, vem sendo mudada nos
últimos anos e o termo L.E.R. está sendo substituído por D.O.R.T.,
que significa Distúrbios Osteomusculares.

• L.E.R. supõe que a pessoa tenha uma lesão, o termo D.O.R.T.


admite que os sintomas (dor, formigamento) podem aparecer nos
braços, ombros, cotovelos e mãos, sem que a pessoa esteja
"lesionada".
Lesões mais frequentes

Na coluna cervical: síndrome da tensão


cervical, síndrome do desfiladeiro torácico,
hipercifose torácica, hiperlordose, escoliose.

No ombro: tenossinovite do bíceps e


tendinite do músculo supra-espinhoso.

No cotovelo: epicondilites.

No punho: tenossinovite dos flexores do


punho e dedos, tenossinovite dos
extensores do carpo e dedos, tendinite de
Dequervain e síndrome do túnel do carpo.

Na mão: fascite palmar e miosite dos


lumbricais.
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• O primeiro registro inerente à saúde do trabalhador data do


século I a.C., quando Lucrécio fez observações a respeito da
morte prematura dos cavouqueiros das minas. Esta passagem é
citada pelo médico italiano Bernardino Ramazzini (1633-1714),
considerado o pai da medicina do trabalho, que em sua obra de
Morbis Artificum Diabrita. As doenças dos trabalhadores de
1700, descreve doenças em mais de 50 tipos de profissões,
decorrentes da falta de condições favoráveis no ambiente de
trabalho (MENDES, 1995).
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• Plínio (23-79 d.C.), autor de História Naturalis, estudioso das


doenças relacionadas ao trabalho, é que primeiro a descrever a
utilização de protótipos de equipamento de proteção individual,
quando, após visitar galerias de minas, observou a iniciativa dos
escravos de utilizar à frente do rosto panos ou membranas (de
bexiga de carneiro) para atenuar a inalação de poeiras (MENDES,
1995).
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• A preocupação com a saúde do trabalhador ganhou maior


ênfase no século XIX, com o impacto da Revolução Industrial,
fato que permitiu a rápida produção com maquinários mais
avançados, contribuído substancialmente para as bases do
capitalismo, no que se refere à mão de- obra barata, produção
em grande escala e estímulo a aquisição de bens de consumo
(MIRANDA, 1998). A situação dos trabalhadores era dramática
devido à longa jornada, repetido, baixos salários, ambiente
perigoso e totalmente desconfortável, servindo de palco para
acidentes, como menciona Hunter (1974 apud Mendes 1995,
p.6): (de bexiga de carneiro) para atenuar a inalação de poeiras
(MENDES, 1995).
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• “Toda sorte de acidentes graves, mutilantes e fatais, como


intoxicações agudas e outros agravos à saúde, impactaram os
trabalhadores, incluindo crianças de cinco, seis ou sete anos, e
mulheres, preferidas que eram[...] pela possibilidade de lhes
serem pagos salários mais baixos.”
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• Por meio de intenso movimento social, essa situação começa a se


modificar quando foi aprovada, na Inglaterra, em 1802, a Lei de
Saúde e Moral de Aprendizes, que estabelecia o limite de 12 horas
de trabalho por dia, proibia o trabalho noturno e propunha
medidas de melhoria dos ambientes das fábricas. Segue-se em
1833 a Factory Act, Lei das Fábricas, que é considerada a primeira
norma realmente eficiente em relação à saúde do trabalhador. Esta
proibia o trabalho noturno para menores de 18 anos e exigia
exames médicos de todas as crianças trabalhadoras. Este foi o início
da contratação de médicos voltados para a saúde do trabalhador
(MIRANDA, 1998).
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• No Brasil, devido sua característica de colônia de exploração, as


atividades eram predominantemente a fabricação do açúcar e a
mineração. Apenas em 1840 é que surgiram os primeiros
estabelecimentos fabris que começaram a aumentar em 1870, e só
nos anos 50 do século XX é que a industrialização se consolidaria
(MIRANDA, 1998).
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• Nesse enfoque, vale ressaltar que em 1919, o Decreto- legislativo


nº. 3.724 regulamentou a implantação de serviços de medida
ocupacional para fiscalização das condições de trabalho nas
fábricas, e também criou o Seguro de Acidentes do Trabalho (SAT)
determinando que o empregador indenizasse ao operário ou à sua
família, em caso de acidentes, por meio de verba única, que variava
de acordo com o resultado do evento, desde incapacidade
temporária até a morte (LEATE, 2003).
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• Em 1923 foi editada a Lei Eloy Chaves, considerada o marco inicial


da Previdência Social, a qual determinou a criação das caixas de
aposentadoria e pensões aos empregados de cada empresa
ferroviária, assumindo estas a responsabilidade pelo pagamento de
indenização em caso de acidentes de trabalho. Posteriormente,
surgiram caixas de outras categorias profissionais, como os
portuários, marítimos, pessoal das empresas de serviços
telegráficos e radiotelegráficos, empregados nos serviços de força,
luz e bondes, servidores públicos e trabalhadores das empresas de
mineração, respectivamente (IBRAHIM, 2006).
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• Após a Revolução de 1930, com o início do governo de Getúlio


Vargas, foi criado o Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio
pelo Decreto nº19.433,de 1930, com atribuições de orientar e
supervisionar a Previdência Social. Em1933, pelo Decreto nº.
22.872, foi criado o primeiro Instituto de Aposentadoria e Pensões
dos Marítimos (IAPM), subordinado ao Ministério do Trabalho, com
a função de conceder ao pessoal da marinha os benefícios de
aposentadoria e pensões. Só a partir dessa data que se tinha a
evidente participação e o controle do Estado sobre o sistema
securitário de nosso país. Diversos outros institutos (IAPS) foram
criados para atender as mais diversas categorias profissionais
(BRASIL, 2006c).
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• Sob a égide do Decreto- Lei nº. 5.452, de 1943, foi aprovada a


Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), constando as normas que
regulam as relações individuais e coletivas de trabalho e as normas
de direito material e processual relacionadas ao direito trabalhista.

• Em 1948, um marco importante determinou a aplicação das


normas jurídicas, no âmbito da saúde do trabalhador, com a
realização da Assembléia Geral das Nações Unidas, que aprovou a
Declaração dos Direitos Humanos.
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• “Esta assegura, em seu artigo XXIII, direito ao trabalho, à livre


escolha de emprego, a condições justas e favoráveis de trabalho e a
proteção contra o desemprego”; o artigo XXIV trata ainda que “
todo homem tem direito a repouso e lazer, inclusive à limitação
razoável das horas de trabalho e a férias renumeradas periódicas”;
o artigo XXV complementa” todo homem tem direito a um padrão
de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bemestar[...
]”(BRASIL, 2006d).
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• Em 1960, o Ministério do Trabalho passou a ser denominado


Ministério do Trabalho e Previdência Social, e, em 1974, por meio
da Lei nº. 6.036, de 01 de maio, o Ministério da Previdência e
Assistência Social foi desmembrado do Ministério do Trabalho e
Previdência Social, passando a existir dois Ministérios, o da
Previdência e o Trabalho. Apesar de este último mudar várias vezes
de denominação, finalmente, em 1999, por meio da Medida
Provisória nº. 1.799, passa a ser intitulado de Ministério do
Trabalho e Emprego (BRASIL, 2006c).
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• A manutenção de diversos institutos estatais, exercendo


exatamente a mesma função, diferenciando-se somente pela
clientela protegida, ocasionou a unificação dos IAPs, em 1966, por
meio do Decreto-lei nº. 72, criando o Instituto Nacional de
Previdência Social (INPS), o qual constituía entidade da
administração indireta da União (IBRAHIM,2006).
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• Por sua vez, o SAT teve sua legislação reformulada em 1934, e por
meio da Lei nº.5.316,de 1967, o SAT foi integrado à Previdência
Social, sendo esta junção de grande relevância para o sistema, uma
vez que a organização privada deste não traz atendimento
adequado a esta demanda social.Após inúmeras normas
regulamentares o mencionado seguro é regulado pelo Decreto nº.
3.048, de 06 de maio de 1999 (IBRAHIM, 2006).
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• No início da década de 70, o Brasil foi o campeão mundial de


acidentes de trabalho, incitando o Legislador a acrescentar, em
1977, um capítulo específico,sobre a matéria,na CLT,por meio da
alteração perpetrada por meio da Lei nº. 6.514 (MARTINS, 2006).

• Em 1977, através da Lei nº.6.439 o INPS, órgão responsável pelo


pagamento do acidentado até então, foi agregado ao Instituto de
Administração Financeira e Previdência e Assistência Social (IAPAS),
instituindo o Sistema Nacional de Previdência e Assistência Social
(SINPAS). Esta mesma Lei também criou e integrou ao SINPAS o
Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência
Social(INAMPS).
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• Por meio da Portaria nº. 3.214, da Secretaria de segurança e Saúde


no Trabalho, atualmente o Departamento de Segurança e Saúde no
Trabalho, do Ministério do Trabalho e Emprego, foram
regulamentadas 28 NR’s, que se inter-relacionam, objetivando
explicitar a implantação das determinações contidas nos artigos
154ª da CLT. Posteriormente, por meio de outras portarias, foram
regulamentadas outras três NR’s. Estas são elaboradas por uma
Comissão Tripartite Paritária, composta por representantes do
governo, empregador e empregados, conforme recomenda a OIT
(OLIVEIRA, 2006).
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• A Constituição Federal de 1988 também contribuiu no que


concerne à saúde do trabalhador, conforme apresenta o artigo 196:

“A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantindo


mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução
do risco de doença e de outros agravos e ao acervo universal
e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção
e recuperação (MORAES, 2006, P.216)”.
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• Nesse contexto, fica entendido que o trabalho também deve ser


protegido de riscos permitido o direito que todos os indivíduos têm
a saúde. A proteção à saúde do trabalhador também se
fundamenta, constitucionalmente, no artigo 7º, inciso XXI “redução
dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde,
higiene e segurança”; inciso XXIII complementa prevendo
“adicional de renumeração para as atividades penosas, insalubre ou
perigosas, na forma da lei.
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• “O artigo 200, inciso II, esclarece uma das atribuições do SUS


“executar as ações de vigilância sanitária e epidemiológica, bem
como a de saúde do trabalhador.” (MORAES, 2006,P.38).

• O SIMPAS foi extinto em 1990, por meio da Lei nº. 8.029, de 12 de


abril de 1990, criando o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS),
vinculada ao hoje Ministério da Previdência Social, por meio da
fusão do INPS com o IAPAS. Assim, foram reunidas as duas
autarquias previdenciárias, abrangendo custeio e benefício em uma
única entidade (IBRAHIM, 2006).
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• Em 2005, com a Portaria nº.485,os profissionais da área da saúde


foram favorecidos pela NR 32- Segurança e Saúde no Trabalho em
Estabelecimentos de Saúde. Contudo, esta normalização só foi
possível porque a Associação Nacional de Enfermagem do Trabalho
(ANENT) e a Fundação dos Trabalhadores de Saúde do Estado de
São Paulo empreenderam ações no sentido de sensibilizar o
Ministério do Trabalho e Emprego, visto que as estatísticas
apontam que a atividade campeã em notificações por
adoecimento/acidentes de trabalho é a área da saúde (OLIVEIRA,
2006).
Segurança e saúde no trabalho

Histórico e legislação

• Portanto, é notável o grande avanço com a relação à legislação que


regula a segurança e saúde no trabalho ganhado destaque tanto
para o Governo como para os que estão diretamente envolvidos
nesta esfera (empresários,sindicatos,sociedades) com o intuito de
unir esforços na tentativa de reduzir o número de acidentes/
doenças do trabalho.
Segurança do trabalho

Conceito

• Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de


medidas que são adotadas visando minimizar os acidentes de
trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade
e a capacidade de trabalho do trabalhador.
Segurança do trabalho

Conceito

• A Segurança do Trabalho estuda diversas disciplinas como


Introdução à Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho,
Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e
Instalações, Psicologia na Engenharia de Segurança, Comunicação e
Treinamento, Administração aplicada à Engenharia de Segurança, O
Ambiente e as Doenças do Trabalho, Higiene do Trabalho,
Metodologia de Pesquisa, Legislação, Normas Técnicas,
Responsabilidade Civil e Criminal, Perícias, Proteção do Meio
Ambiente, Ergonomia e Iluminação, Proteção contra Incêndios e
Explosões e Gerência de Riscos.
Segurança do trabalho

Conceito

• A equipe multidisciplinar composta por Técnico de Segurança do


Trabalho, Engenheiro de Segurança do Trabalho, Médico do
Trabalho e Enfermeiro do Trabalho, formam o que chamamos de
SESMT - Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e
Medicina do Trabalho.

• CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, que tem como


objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do
trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o
trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde do
trabalhador.
Segurança do trabalho

Conceito

• A Segurança do Trabalho é definida por normas e leis. No Brasil a


Legislação de Segurança do Trabalho compõe-se de Normas
Regulamentadoras, Normas Regulamentadoras Rurais, outras leis
complementares, como portarias e decretos e também as
convenções Internacionais da Organização Internacional do
Trabalho, ratificadas pelo Brasil.
Segurança do trabalho

Conceito

• O profissional de Segurança do Trabalho tem uma área de atuação


bastante ampla. Ele atua em todas as esferas da sociedade onde
houver trabalhadores. Atua em fábricas de alimentos, construção
civil, serviços de Saúde, hospitais, empresas comerciais e industriais,
grandes empresas estatais, mineradoras e de extração. Também
podem atuar na área rural e em empresas agro-industriais.
Atuação dos profissionais de
segurança do trabalho
O profissional de Segurança do Trabalho atua segundo a sua
formação, quer seja ele médico, enfermeiro, técnico de
enfermagem ou engenheiro. O campo de atuação é muito
vasto. Em geral o engenheiro e o técnico de segurança atuam
em empresas organizando programas de prevenção de
acidentes, orientando as CIPAs, os trabalhadores quanto ao
uso de equipamentos de proteção individual, elaborando
planos de prevenção de riscos ambientais, fazendo inspeção
de segurança, laudos técnicos e ainda organizando e dando
palestras e treinamento. Muitas vezes esse profissional
também é responsável pela implementação de programas de
gestão ambiental e ecologia na empresa.
Atuação dos profissionais de
segurança do trabalho
Os médicos e os enfermeiros do trabalho, planejam a
organização dos programas de prevenção de saúde
ocupacional, desenvolvem a prevenção de doenças,
realizando palestras, visitas aos locais de trabalho, realizando
consultas médicas ambulatorial, atendendo eventuais
acidentes ocupacionais, planejando campanhas de
vacinações, exames adimensionais e periódicos nos
funcionários das empresas. O controle estatístico é
fundamental, como ferramenta de resultados de sucesso das
empresas.
Profissionais de saúde e
segurança do trabalho

Segundo a Classificação Brasileira


de Ocupações - CBO
Funções do engenheiro de
segurança do trabalho - CBO 0-28.40

Assessorar empresas industriais e de outro gênero em assuntos


relativos à segurança e higiene do trabalho, examinando locais e
condições de trabalho, instalações em geral e material, métodos
e processos de fabricação adotados pelo trabalhador, para
determinar as necessidades dessas empresas no campo da
prevenção de acidentes.

Inspecionar estabelecimentos fabris, comerciais e de outro


gênero, verificando se existem riscos de incêndios,
desmoronamentos ou outros perigos, para fornecer indicações
quanto às precauções a serem tomadas.
Funções do engenheiro de
segurança do trabalho - CBO 0-28.40

Promover a aplicação de dispositivos especiais de segurança,


como óculos de proteção, cintos de segurança, vestuário
especial, máscara e outros, determinando aspectos técnicos
funcionais e demais características, para prevenir ou diminuir a
possibilidade de acidentes.

Adaptar os recursos técnicos e humanos, estudando a


adequação da máquina ao homem e do homem à máquina,
para proporcionar maior segurança ao trabalhador.
Funções do engenheiro de
segurança do trabalho - CBO 0-28.40

Executar campanhas educativas sobre prevenção de acidentes,


organizando palestras e divulgações nos meios de comunicação,
distribuindo publicações e outro material informativo, para
conscientizar os trabalhadores e o público, em geral.

Estudar as ocupações encontradas num estabelecimento fabril,


comercial ou de outro gênero, analisando suas características,
para avaliar a insalubridade ou periculosidade de tarefas ou
operações ligadas à execução do trabalho.
Funções do engenheiro de
segurança do trabalho - CBO 0-28.40

Realizar estudos sobre acidentes de trabalho e doenças


profissionais, consultando técnicos de diversos campos,
bibliografia especializada, visitando fábricas e outros
estabelecimentos, para determinar as causas desses acidentes e
elaborar recomendações de segurança.
Técnico de segurança do
trabalho - CBO 0-39.45

Inspecionar locais, instalações e equipamentos da empresa,


observando as condições de trabalho, para determinar fatores e
riscos de acidentes; estabelece normas e dispositivos de
segurança, sugerindo eventuais modificações nos equipamentos
e instalações e verificando sua observância, para prevenir
acidentes.

Inspecionar os postos de combate a incêndios, examinando as


mangueiras, hidrantes, extintores e equipamentos de proteção
contra incêndios, para certificar-se de suas perfeitas condições
de funcionamento.
Técnico de segurança do
trabalho - CBO 0-39.45

Comunicar os resultados de suas inspeções, elaborando


relatórios, para propor a reparação ou renovação do
equipamento de extinção de incêndios e outras medidas de
segurança;

Investigar acidentes ocorridos, examinando as condições da


ocorrência, para identificar suas causas e propor as providências
cabíveis. Manter contatos com os serviços médico e social da
empresa ou de outra instituição, utilizando os meios de
comunicação oficiais, para facilitar o atendimento necessário
aos acidentados.
Técnico de segurança do
trabalho - CBO 0-39.45

Registrar irregularidades ocorridas, anotando-as em formulários


próprios e elaborando estatísticas de acidentes, para obter
subsídios destinados à melhoria das medidas de segurança.

Instruir os funcionários da empresa sobre normas de segurança,


combate a incêndios e demais medidas de prevenção de
acidentes, ministrando palestras e treinamento, para que
possam agir acertadamente em casos de emergência.

Coordenar a publicação de matéria sobre segurança no trabalho,


preparando instruções e orientando a confecção de cartazes e
avisos, para divulgar e desenvolver hábitos de prevenção de
acidentes.
Técnico de segurança do
trabalho - CBO 0-39.45
Participar de reuniões sobre
segurança no trabalho,
fornecendo dados relativos
ao assunto, apresentando
sugestões e analisando a
viabilidade de medidas de
segurança propostas, para
aperfeiçoar o sistema
existente.
Médico do trabalho –
CBO - 0-61.22
Executar exames periódicos de todos os empregados ou em
especial daqueles expostos a maior risco de acidentes do
trabalho ou de doenças profissionais, fazendo o exame clínico e/
ou interpretando os resultados de exames complementares,
para controlar as condições de saúde dos mesmos a assegurar a
continuidade operacional e a produtividade.
Médico do trabalho –
CBO - 0-61.22
Executar exames médicos especiais em trabalhadores do sexo
feminino, menores, idosos ou portadores de subnormalidades,
fazendo anamnese, exame clínico e/ou interpretando os
resultados de exames complementares, para detectar prováveis
danos à saúde em decorrência do trabalho que executam e
instruir a administração da empresa para possíveis mudanças de
atividades.

Realizar tratamento de urgência em casos de acidentes de


trabalho ou alterações agudas da saúde, orientando e/ou
executando a terapêutica adequada, para prevenir
conseqüências mais graves ao trabalhador.
Médico do trabalho –
CBO - 0-61.22
Avaliar, juntamente com outros profissionais, condições de
insegurança, visitando periodicamente os locais de trabalho,
para sugerir à direção da empresa medidas destinadas a
remover ou atenuar os riscos existentes.

Participar, juntamente com outros profissionais, da elaboração e


execução de programas de proteção à saúde dos trabalhadores,
analisando em conjunto os riscos, as condições de trabalho, os
fatores de insalubridade, de fadiga e outros, para obter a
redução de absenteísmo e a renovação da mão-de-obra.
Médico do trabalho –
CBO - 0-61.22
Participar do planejamento e execução dos programas de
treinamento das equipes de atendimento de emergências,
avaliando as necessidades e ministrando aulas, para capacitar o
pessoal incumbido de prestar primeiros socorros em casos de
acidentes graves e catástrofes;

Participar de inquéritos sanitários, levantamentos de doenças


profissionais, lesões traumáticas e estudos epidemiológicos,
elaborando e/ou preenchendo formulários próprios e
estudando os dados estatísticos, para estabelecer medidas
destinadas a reduzir a morbidade e mortalidade decorrentes de
acidentes do trabalho, doenças profissionais e doenças de
natureza não-ocupacional.
Médico do trabalho –
CBO - 0-61.22
Participar de atividades de prevenção de acidentes,
comparecendo a reuniões e assessorando em estudos e
programas, para reduzir as ocorrências de acidentes do trabalho.

Participar dos programas de vacinação, orientando a seleção da


população trabalhadora e o tipo de vacina a ser aplicada, para
prevenir moléstias transmissíveis.

Participar de estudos das atividades realizadas pela empresa,


analisando as exigências psicossomáticas de cada atividade, para
elaboração das análises profissiográficas;
Médico do trabalho –
CBO - 0-61.22
Proceder aos exames médicos destinados à seleção ou
orientação de candidatos a emprego em ocupações definidas,
baseando-se nas exigências psicossomáticas das mesmas, para
possibilitar o aproveitamento dos mais aptos.
Médico do trabalho –
CBO - 0-61.22
Participar da inspeção das instalações destinadas ao bem-estar
dos trabalhadores, visitando, juntamente com o nutricionista,
em geral (0-68.10), e o enfermeiro de higiene do trabalho
(0-71.40) e/ou outros profissionais indicados, o restaurante, a
cozinha, a creche e as instalações sanitárias, para observar as
condições de higiene e orientar a correção das possíveis falhas
existentes. Pode participar do planejamento, instalação e
funcionamento dos serviços médicos da empresa. Pode elaborar
laudos periciais sobre acidentes do trabalho, doenças
profissionais e condições de insalubridade.
Médico do trabalho –
CBO - 0-61.22
Pode participar de reuniões de órgãos comunitários
governamentais ou privados, interessados na saúde e bem-estar
dos trabalhadores. Pode participar de congressos médicos ou de
prevenção de acidentes e divulgar pesquisas sobre saúde
ocupacional.
Enfermeiro do trabalho –
CBO - 0-71.40
Estudar as condições de segurança e periculosidade da empresa,
efetuando observações nos locais de trabalho e discutindo-as
em equipe, para identificar as necessidades no campo da
segurança, higiene e melhoria do trabalho.

Elaborar e executam planos e programas de proteção à saúde


dos empregados, participando de grupos que realizam
inquéritos sanitários, estudam as causas de absenteísmo, fazem
levantamentos de doenças profissionais e lesões traumáticas,
procedem a estudos epidemiológicos, coletam dados
estatísticos de morbidade e mortalidade de trabalhadores,
investigando possíveis relações com as atividades funcionais,
para obter a continuidade operacional e aumento da
produtividade.
Enfermeiro do trabalho –
CBO - 0-71.40
Executar e avalia programas de prevenções de acidentes e de
doenças profissionais ou não-profissionais, fazendo análise da
fadiga, dos fatores de insalubridade, dos riscos e das condições
de trabalho do menor e da mulher, para propiciar a preservação
de integridade física e mental do trabalhador.

Prestar primeiros socorros no local de trabalho, em caso de


acidente ou doença, fazendo curativos ou imobilizações
especiais, administrando medicamentos e tratamentos e
providenciando o posterior atendimento médico adequado,
para atenuar conseqüências e proporcionar apoio e conforto ao
paciente.
Enfermeiro do trabalho –
CBO - 0-71.40
Elaborar e executa ou supervisiona e avalia as atividades de
assistência de enfermagem aos trabalhadores, proporcionando-
lhes atendimento ambulatorial, no local de trabalho,
controlando sinais vitais, aplicando medicamentos prescritos,
curativos, instalações e teses, coletando material para exame
laboratorial, vacinações e outros tratamentos, para reduzir o
absenteísmo profissional; organiza e administra o setor de
enfermagem da empresa, provendo pessoal e material
necessários, treinando e supervisionando auxiliares de
enfermagem do trabalho, atendentes e outros, para promover o
atendimento adequado às necessidades de saúde do
trabalhador.
Enfermeiro do trabalho –
CBO - 0-71.40
Treinar trabalhadores, instruindo-os sobre o uso de roupas e
material adequado ao tipo de trabalho, para reduzir a incidência
de acidentes.

Planejar e executa programas de educação sanitária, divulgando


conhecimentos e estimulando a aquisição de hábitos sadios,
para prevenir doenças profissionais, mantendo cadastros
atualizados, a fim de preparar informes para subsídios
processuais nos pedidos de indenização e orientar em
problemas de prevenção de doenças profissionais.
Técnico de enfermagem do
trabalho - CBO – 5-72.15
Técnico em Enfermagem do Trabalho participará com o
Enfermeiro na elaboração de projetos e aplicar análises de
prevenção de doenças relacionadas ao trabalho, incluindo
estratégias de controle e sugerindo mudanças necessárias para
identificar riscos que possa resultar em doenças ocupacionais
além de auxiliar a elaboração e execução de projetos para
investigação sobre saúde do trabalhador, para promover a
educação na prevenção de acidentes, de doenças ocupacionais
e de treinamento relacionado à prevenção da saúde do
trabalhador.
Evolução histórica da
enfermagem do trabalho
Por muito tempo a Enfermagem foi exercida de maneira
empírica por mães, sacerdotes, feiticeiros e religiosos. Tal
prática contemplava o simples ato de cuidar, promover e manter
a vida em desenvolvimento, atendendo as necessidades
primordiais do ser humano.

A trajetória da Enfermagem foi permeada por muitos obstáculos.


Com o advento do cristianismo, passou a ser exercida pelos
diáconos, que cuidavam dos enfermos e pobres. Contudo, esse
cuidado era inconstante, devido às perseguições religiosas.
Evolução histórica da
enfermagem do trabalho
A liberdade conquistada pela igreja, através do Edito de Milão
do Imperador Constantino, refletiu em progresso para a
Enfermagem, visto que hospitais foram fundados, bem como
levou muitas das mais distintas damas de Roma a se dedicar ao
serviço dos pobres e doentes (ELLU SAÚDE, 2007). A
consolidação da Enfermagem como profissão ocorreu no final
do século XIX, em conseqüência do trabalho de Florence
Nightingale que lançou as bases da Enfermagem moderna como
saber sistematizado. No Brasil, até 1890 a Enfermagem era
exercida por irmãs de caridade, porém nesse ano foi criada a
Escola Profissional de Enfermeiros nas dependências do
Hospício Nacional de Alienados.
Evolução histórica da
enfermagem do trabalho
A segunda escola surgiu em 1916, por intermédio da Cruz
vermelha Brasileira, seção Rio de Janeiro, tendo o objetivo de
preparar voluntários para a Segunda Guerra Mundial, e
posteriormente de profissionais para os hospitais (FIOCRUZ,
2007).

Em 1923, foi implantada a enfermagem moderna no Brasil, com


a criação da Escola de Enfermeiros do Departamento Nacional
de Saúde Pública (DNSP), hoje, Escola de Enfermagem Ana Neri
da Universidade Federal do Rio de Janeiro (BRAGA, 2000).
Evolução histórica da
enfermagem do trabalho
Desde 1926, as diplomadas pela Escola começaram a se
organizar em associação profissional, depois chamada de
Associação Brasileira de Enfermeiras (A.B.En.), a qual em 1929
foi aceita como membro do Conselho Internacional de
Enfermeiras (FIOCRUZ, 2007).

Em 1973, através da Lei nº. 5.905, foram instituídos os


Conselhos Federal e Regionais de Enfermagem, constituindo em
seu conjunto Autarquias Federais, vinculadas ao Ministério do
Trabalho e Previdência Social (ELLU SAÚDE, 2007).
Evolução histórica da
enfermagem do trabalho
A enfermagem, se subdividiu
em diversas especialidades,
como forma de aprimorar o
conhecimento técnico-
científico particulares de
cada especialidade. Dentre
essas, se destaca a
Enfermagem do Trabalho,
por se preocupar com a
saúde e segurança do
trabalhador das mais diversas
áreas, que seja assistido por
este profissional.
Leis de Segurança do Trabalho

As questões de saúde e segurança no trabalho são pertinentes


desde quando o homem, na necessidade de acelerar e facilitar
as técnicas de produção, gerou um ambiente insalubre para a
saúde humana. Desde então, a preocupação com as condições
de trabalho é baseada nos altos índices de acidentes ocorridos
durante o desenvolvimento da atividade laboral. Segundo a
Organização Internacional do Trabalho (OIT) ocorrem, por ano,
cerca de 5 milhões de acidentes de trabalho no mundo inteiro
(BRASIL, 2007).
Leis de Segurança do Trabalho

A Saúde Ocupacional surgiu, no final do século XVIII, com a


Revolução Industrial em decorrência dos acidentes de trabalho,
porém no Brasil, a preocupação com a saúde do trabalhador
tornou-se evidente a partir de 1940, quando surgiu a Associação
de Prevenção de Acidentes de Trabalho (ALMEIDA; PAGLIUCA;
LEITE, 2005).
Leis de Segurança do Trabalho

A Lei nº. 8.213, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre os


Planos da Previdência Social e dá outras providências, define
em seu artigo 19 acidente de trabalho como:

“Aquele que ocorre pelo exercício do trabalho da empresa,


ou ainda pelo exercício do trabalho dos segurados especiais,
provocando lesão corporal ou perturbação funcional que
cause a morte, a perda ou redução da capacidade para o
trabalho, permanente ou temporária” (BRASIL, 2006).
Leis de Segurança do Trabalho

O artigo 20, § 2º, complementa que também é considerado


acidente de trabalho a doença profissional desencadeada pelo
exercício do trabalho, e arremata o artigo 21 equiparando ao
acidente de trabalho o ato de agressão, sabotagem ou
terrorismo, ofensa física, ato de imprudência, de negligência ou
imperícia praticada por terceiros, desabamento, inundação,
incêndio, atividade prestada fora do horário e local de trabalho
se for sob autoridade da empresa, se ocorrer durante o
percurso da residência para o trabalho ou deste para aquela e
nos períodos destinados à refeição, descanso, ou satisfação de
outras necessidades fisiológicas, no local de trabalho ou
durante este (BRASIL, 2006ª).
Leis de Segurança do Trabalho

Um aspecto muito importante a ser observado após um acidente


decorrente do trabalho é a notificação do mesmo junto ao INSS
por meio da Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) e ao
Ministério da Saúde por meio da ficha do Sistema de Informação
de Agravos de Notificação (SINAN) em anexo. De acordo com o
Regulamento da Previdência Social, no artigo 336, a instituição
deverá comunicar o acidente até o primeiro dia útil seguinte ao
da ocorrência, e, em caso de morte, de imediato, à autoridade
competente, sob pena de multa (IBRAHIM, 2006). A emissão da
CAT também é regulamentada pela NR 32. Quanto ao SINAN,
desde 2004, através da portaria777, o Ministério da Saúde
obriga os serviços a notificarem os acidentes de trabalho que
envolve exposição à material biológico(BRASIL,2004).
Leis de Segurança do Trabalho

O acidente de trabalho onera o trabalhador porque este fica


impossibilitado de realizar suas atividades rotineiras, além de
gastar com tratamento médico, ou ainda poder ficar
incapacitado ao trabalho; onera a organização porquanto esta
tem que pagar o salário ao acidentado durante os quinze dias
decorridos do dia do acidente, bem como deve proceder aos
depósitos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, durante
todo o período em que o empregado estiver assistido pelo
benefício previdenciário- artigo 15, § 5º da Lei n º. 8.306, de 11
de maio de 1990.
Leis de Segurança do Trabalho

Torna-se também dispendioso pela redução em seu quadro de


profissionais, devendo redistribuir as atividades entre os
trabalhadores que estão na ativa, e, causando, desta maneira,
uma sobrecarga para estes com aumento da probabilidade de
causar outro acidente, além do comprometimento da
qualidade do trabalho; onera também a sociedade por esta
ficar mais carente à assistência, principalmente, em se tratando
da área da saúde devido à carência e dificuldade de
atendimento especializado encontrado, seja por falta de
recursos humanos ou materiais no atendimento do Sistema
Único de Saúde
(SUS) (SILVA, 1999).
Leis de Segurança do Trabalho

Segundo Miranda (1998), os trabalhadores estão expostos a


diversos riscos ocupacionais, que segundo ele são os
elementos presentes no ambiente de trabalho insalubre que
podem causar danos ao corpo do trabalhador ocasionando
doenças ocupacionais adquiridas em longo prazo. A palavra
“insalubre” deriva do latim e significa tudo aquilo que origina
doença. O artigo 189 da CLT assim define o trabalho insalubre:

“Serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas


que, por sua natureza, condição ou métodos de trabalho,
exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos
limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade
do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos.” (MARTINS,
2006, p.42).
Classificação dos riscos do
ambiente de trabalho
Os riscos presentes no ambiente de trabalho são classificados em
cinco grupos em cores padronizadas, de acordo com a natureza,
segundo a NR 5 e a portaria 3.214/1978 do Ministério do Trabalho
e Emprego (BRASIL, 2006).
Classificação dos riscos do
ambiente de trabalho

Grupo 1: VERDE

• Ruídos (contínuos e intermitentes).


• Vibrações (localizadas, corpo inteiro).
• Radiações ionizantes (raios x,gama,raios cósmicos,partículas
Riscos Físícos

energéticas).
• Radiações não ionizantes (ultravioleta, infravermelho,
radiofreqüência, microondas, lasers.
• Temperaturas extremas (frio, calor).
• Pressão anormal (submersão, pressurização, doença descompressiva,
barotrauma), umidade.
Classificação dos riscos do
ambiente de trabalho

Grupo 2: VERMELHO

• Poeiras.
• Fumos.
Riscos Químicos

• Névoas.
• Neblinas.
• Gases (asfixiantes, anestésicos).
• Vapores.
• Substâncias composta ou produtos químicos em geral (metais,
solventes, plásticos, borrachas, inalantes irritantes,
carcinógenos químicos, pesticidas).
Classificação dos riscos do
ambiente de trabalho

Grupo 3: MARROM

• Vírus.

Riscos Biológico

Bactéria.
• Protozoários.
• Fungos.
• Parasitas.
• Bacilos.
Classificação dos riscos do
ambiente de trabalho

Grupo 4: AMARELO

• Esforço físico intenso, levantamento e transporte manual de


Riscos Ergonômicos

peso.
• Exigência de postura inadequada.
(biomecânica)

• Controle rígido de produtividade.


• Monotonia e repetitividade.
• Outras situações causadoras de estresse físico e/ ou psíquico.
Classificação dos riscos do
ambiente de trabalho

Grupo 5: AZUL

• Arranjo físico inadequado.



Riscos Acidentais

Máquinas e equipamentos sem proteção.


• Ferramentas inadequadas ou defeituosas, iluminação
inadequada.
• Eletricidade.
• Probabilidade de incêndio ou explosão.
• Armazenamento inadequado.
• Animais peçonhentos.
• Outras situações de risco que poderão contribuir para a
ocorrência de acidentes.
Classificação dos riscos do
ambiente de trabalho
Diante de uma atividade insalubre não existe risco zero, porém
há possibilidade de minimizá-lo ou alterá-lo para os níveis
considerados aceitáveis. De acordo com o artigo 191 da CLT
devem ser adotadas medidas para que o ambiente de trabalho
se torne tolerável, bem como a utilização de Equipamentos de
Proteção Individual (EPI), com a finalidade de diminuir os riscos
advindos da atividade.
Classificação dos riscos do
ambiente de trabalho
“A NR- 6 apresentam EPI como todo dispositivo ou produto de
uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção
de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde do
trabalho”. Destaca a mesma NR que este equipamento deve ser
fornecido gratuitamente pela empresa, que também deverá
orientar e treinar o trabalhador de como usá-lo (BRASIL,
2006B).
EPI’s utilizados na área da saúde
(chin et al.,2006)
“A NR- 6 apresentam EPI como todo dispositivo ou produto de
uso individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção
de riscos suscetíveis de ameaçar a segurança e a saúde do
trabalho”. Destaca a mesma NR que este equipamento deve ser
fornecido gratuitamente pela empresa, que também deverá
orientar e treinar o trabalhador de como usá-lo (BRASIL,
2006B).
EPI’s utilizados na área da saúde
(chin et al.,2006)
Luvas : Utilizada sempre quando for ter contato com fluidos
corpóreos, manipulação de produtos químicos, ou
procedimentos estéreis.

Máscaras: Utilizada sempre que houver risco de contaminação


das vias aéreas superiores, ou durante a realização de
procedimentos estéreis.

Óculos: Utilizados sempre que houver risco de respingo de


material infectante, substâncias químicas, partículas ou outro
material que irrite o olho.
EPI’s utilizados na área da saúde
(chin et al.,2006)
Gorros: Utilizado para prender os cabelos e orelhas e evitar a
contaminação por contato ou aerossóis contaminados.

Capotes: Utilizado para prevenir a contaminação da roupa do


profissional, bem como do paciente durante a realização de
procedimentos estéreis.

Botas: Utilizada quando há risco de respingo de fluidos


orgânicos.

Propés : Utilizado para evitar a disseminação de patógenos


presentes nos sapatos provenientes do ambiente externo
dentro do ambiente hospitalar.
Acidentes de Trabalho

Equiparam-se aos acidentes de trabalho:


• O acidente que acontece quando você está prestando
serviços por ordem da empresa fora do local de trabalho.
• O acidente que acontece quando você estiver em viagem a
serviço da empresa.
• O acidente que ocorre no trajeto entre a casa e o trabalho
ou do trabalho para casa.
• Doença profissional (as doenças provocadas pelo tipo de
trabalho).
• Doença do trabalho (as doenças causadas pelas condições
do trabalho).
Causas dos Acidentes de Trabalho

O acidente de trabalho ocorre, principalmente em


decorrência de duas causas:

• Ato inseguro - É o ato praticado pelo homem, em geral


consciente do que está fazendo, que está contra as normas
de segurança. São exemplos de atos inseguros: subir em
telhado sem cinto de segurança contra quedas, ligar
tomadas de aparelhos elétricos com as mãos molhadas e
dirigir a altas velocidades.
Causas dos Acidentes de Trabalho

O acidente de trabalho ocorre, principalmente em


decorrência de duas causas:

• Condição Insegura - É a condição do ambiente de trabalho


que oferece perigo e ou risco ao trabalhador. São exemplos
de condições inseguras: instalação elétrica com fios
desencapados, máquinas em estado precário de
manutenção, andaime de obras de construção civil feitos
com materiais inadequados.
Determinações do Governo - Quadro
Institucional relativo à Saúde do Trabalhador

Ministério do Trabalho e Emprego (MTE)


tem o papel, entre outros, de realizar a inspeção e a
fiscalização das condições e dos ambientes de trabalho
em todo o território nacional.

Ministério da Previdência e Assistência Social (MPAS)


Apesar das inúmeras mudanças em curso na Previdência
Social, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) ainda é
o responsável pela perícia médica, reabilitação
profissional e pagamento de benefícios.
Determinações do Governo - Quadro
Institucional relativo à Saúde do Trabalhador

Ministério da Saúde/Sistema Único de Saúde MS/SUS


No Brasil, o sistema público de saúde vem atendendo os
trabalhadores ao longo de toda sua existência. Porém, uma
prática diferenciada do setor, que considere os impactos
do trabalho sobre o processo saúde/doença, surgiu apenas
no decorrer dos anos 80, passando a ser ação do Sistema
Único de Saúde quando a Constituição Brasileira de 1988,
na seção que regula o Direito à Saúde, a incluiu no seu
artigo 200.
Artigo 200

Ministério do Meio Ambiente (MMA)


Com base na Constituição Federal e suas legislações
complementares, o papel do governo na área ambiental passou
a ter no Brasil sustentação legal revigorada e condizente com as
necessidades de uso racional dos recursos naturais do planeta.
O MMA, nesse contexto, exerce um papel de fundamental
importância, dado a proporção continental de nosso país, sua
enorme variedade climática, seu gigantesco patrimônio
ambiental e a maior diversidade biológica conhecida.
Artigo 200

Ministério do Meio Ambiente (MMA)


Em virtude de a degradação ambiental estar fortemente ligada a
diversos fatores de ordem econômico-social, como à ocupação
urbana desordenada e, principalmente, aos modos poluidores
dos processos produtivos, a área ambiental, para o
cumprimento de sua missão institucional, além de estabelecer
articulações com setores da sociedade civil organizada,
necessariamente deve trabalhar em sintonia permanente com
setores de governo, em especial da saúde, educação e trabalho.
Sistema Único de Saúde (SUS) e Rede
Nacional de Atenção Integral à Saúde do
Trabalhador (Renast)
A Renast propõe a atenção integral à saúde do
trabalhador no SUS mediante a:
• Articulação intrasetorial e intersetorial (Previdência
Social, Trabalho, Meio Ambiente, Justiça, Educação e
demais setores relacionados com as políticas de
desenvolvimento).
• Informações em saúde do trabalhador.
• Apoio ao desenvolvimento de estudos e pesquisas.
• Capacitação permanente em saúde do trabalhador.
• Gestão participativa dos trabalhadores.
Sistema Único de Saúde (SUS) e Rede
Nacional de Atenção Integral à Saúde do
Trabalhador (Renast)
A Renast propõe um sistema de informação que dá apoio
às ações de saúde do trabalhador, as quais são:
• Promoção da saúde.
• Diagnóstico e tratamento.
• Vigilância da saúde; orientação do trabalhador.
• Notificação aos sistemas de informação.
• Acesso à Previdência Social e ao Seguro Acidente de
Trabalho (SAT).
• Capacitação e educação permanente.
• Produção de conhecimento.
• Controle social
Normas Regulamentares do
Ministério do Trabalho)

As Normas Regulamentares (NRs), são normas aprovadas


pela portaria 3.214, de 1978, que objetivam fornecer
parâmetros para que sejam implantadas as determinações
contidas no capítulo V da Consolidação das Leis do
Trabalho (CLT), que trata sobre a Segurança e Medicina do
Trabalho (LAETE, 2003). Atualmente há 34 NRs, elaboradas
por uma Comissão Tripartite Paritária, composta por
representantes do governo, dos empregadores e
empregados, conforme preconiza a Organização
Internacional do Trabalho (OIT).
Normas Regulamentares do
Ministério do Trabalho)

Nr - 32 - Segurança e Saúde no Trabalho em


estabelecimentos de Saúde:
Esta Norma Regulamentadora, tem por finalidade
estabelecer as diretrizes básicas para a implementação de
medidas de proteção à segurança e à saúde dos
trabalhadores dos serviços de saúde, bem como daqueles
que exercem atividades de promoção e assistência à saúde
em geral.
Normas Regulamentares do
Ministério do Trabalho)

Inspeção de Segurança:
O acidente é consequência de diversos fatores que, combinados,
precipitam a ocorrência do mesmo. Portanto, não devemos
esperar que aconteçam.

A Inspeção de Segurança é muito importante, pois permite


identificar situações de risco e providenciar para que as medidas
preventivas sejam tomadas. Por isso, recomendamos ao
membro de CIPA que procure percorrer sua área de ação e
identificar fatores que poderão ser causas de acidentes. Feito
isto, empenhar-se para tomar as providências devidas.
Normas Regulamentares do
Ministério do Trabalho)

Investigação de Acidentes:
Como roteiro básico na investigação, podemos no valer das
perguntas seguintes:
• O que fazia o trabalhador no momento imediatamente
anterior à ocorrência?
• Como aconteceu?
• Quais foram as consequências?
• Quais as causas que contribuíram direta ou indiretamente
para a ocorrência do acidente?
• Quando ocorreu? (Data e hora)
• Onde ocorreu? (Especificar o setor ou seção)
• Quanto tempo de experiência na função tinha o acidentado?
Normas Regulamentares do
Ministério do Trabalho)

Ações em Saúde do Trabalhador:


A municipalização e a distritalização, como espaços
descentralizados de construção do SUS, são consideradas
territórios estratégicos para estruturação das ações de saúde do
trabalhador. Nesse sentido, o Ministério da Saúde está
propondo a adoção da Estratégia da Saúde da Família e de
Agentes Comunitários de Saúde, visando contribuir para a
construção de um modelo assistencial que tenha como base a
atuação no campo da Vigilância da Saúde.

Assim, as ações de saúde devem pautar-se na identificação de


riscos, danos, necessidades, condições de vida e de trabalho,
que, em última instância, determinam as formas de adoecer e
morrer dos grupos populacionais.
Normas Regulamentares do
Ministério do Trabalho)

Ações em Saúde do Trabalhador:


Em relação aos trabalhadores, há de se considerar os diversos
riscos ambientais e organizacionais aos quais estão expostos, em
função de sua inserção nos processos de trabalho. Assim, as
ações de saúde do trabalhador devem ser incluídas
formalmente na agenda da rede básica de atenção à saúde.

Dessa forma, amplia-se a assistência já ofertada aos


trabalhadores, na medida em que passa a olhá-los como
sujeitos a um adoecimento específico que exige estratégias –
também específicas – de promoção, proteção e recuperação da
saúde.
Normas Regulamentares do
Ministério do Trabalho)

Atribuições Gerais para o Território:


• A população economicamente ativa, por sexo e faixa
etária.
• As atividades produtivas existentes na área, bem como os
perigos e os riscos potenciais para a saúde dos
trabalhadores, da população e do meio ambiente.
• Os integrantes das famílias que são trabalhadores (ativos
do mercado formal ou informal, no domicílio, rural ou
urbano e desempregados), por sexo e faixa etária.
Normas Regulamentares do
Ministério do Trabalho)

Atribuições Gerais para o Território:


• A existência de trabalho precoce (crianças e adolescentes
menores de 16 anos, que realizam qualquer atividade de
trabalho, independentemente de remuneração, que
frequentem ou não as escolas).
• A ocorrência de acidentes e/ou doenças relacionadas ao
trabalho, que acometam trabalhadores inseridos tanto no
mercado formal como informal de trabalho.
Normas Regulamentares do
Ministério do Trabalho)

Conduta em Acidente ou Doença Relacionada ao


Trabalho:
• Condução clínica dos casos (diagnóstico, tratamento e alta)
para aquelas situações de menor complexidade,
estabelecendo os mecanismos de referência e
contrarreferência necessários.
• Encaminhamento dos casos de maior complexidade para
serviços especializados em Saúde do Trabalhador, mantendo
o acompanhamento dos mesmos até a sua resolução.
• Notificação dos casos, mediante instrumentos do setor
saúde: Sistema de Informações de Mortalidade – SIM;
Sistema de Informações Hospitalares do SUS - SIH; Sistema
de Informações de Agravos Notificáveis – SINAN e Sistema
de Informação da Atenção Básica – SIAB.
Normas Regulamentares do
Ministério do Trabalho)

Conduta em Acidente ou Doença Relacionada ao


Trabalho:
• Solicitar à empresa a emissão da CAT, em se tratando de
trabalhador inserido no mercado formal de trabalho. Ao
médico que está assistindo o trabalhador caberá preencher
o item 2 da CAT, referente a diagnóstico, laudo e
atendimento.
• Investigação do local de trabalho, visando estabelecer
relações entre situações de risco observadas e o agravo que
está sendo investigado.
• Realizar orientações trabalhistas e previdenciárias, de
acordo com cada caso.
• Planejar e executar ações de vigilância nos locais de trabalho,
considerando as informações colhidas em visitas, os dados
epidemiológicos e as demandas da sociedade civil
Normas Regulamentares do
Ministério do Trabalho)

Conduta em Acidente ou Doença Relacionada ao


Trabalho:
• Informar e discutir com o trabalhador as causas de seu
adoecimento.
• Desenvolver, juntamente com a comunidade e instituições
públicas (centros de referência em Saúde do Trabalhador,
Fundacentro, Ministério Público, laboratórios de toxicologia,
universidades etc.), ações direcionadas para a solução dos
problemas encontrados, para a resolução de casos clínicos e/
ou para as ações de vigilância.
• Considerar o trabalho infantil (menores de 16 anos) como
situação de alerta epidemiológico/evento – sentinela.
Normas Regulamentares do
Ministério do Trabalho)

Atribuições do ACS – Agente Comunitário de Saúde:


• Notificar à equipe de saúde a existência de trabalhadores
em situação de risco, trabalho precoce e trabalhadores
acidentados ou adoentados pelo trabalho.
• Informar à família e ao trabalhador o dia e o local onde
procurar assistência.
• Planejar e participar das atividades educativas em Saúde do
Trabalhador.
Normas Regulamentares do
Ministério do Trabalho)

Atribuições do Técnico de Enfermagem em Unidade de


Saúde da Família:
• Acompanhar, em visita domiciliar, os trabalhadores que
sofreram acidentes graves e/ou os portadores de doença
relacionada ao trabalho que estejam ou não afastados do
trabalho ou desempregados.
• Preencher e organizar arquivos das fichas de
acompanhamento de Saúde do Trabalhador.
• Participar do planejamento das atividades educativas em
Saúde do Trabalhador.
• Coletar material biológico para exames laboratoriais.
Normas Regulamentares do
Ministério do Trabalho)

Atribuições do Enfermeiro em Unidades de Saúde da


Família:
• Programar e realizar ações de assistência básica e de
vigilância à Saúde do Trabalhador.
• Realizar investigações em ambientes de trabalho e junto ao
trabalhador em seu domicílio.
• Realizar entrevista com ênfase em Saúde do Trabalhador.
• Notificar acidentes e doenças do trabalho, por meio de
instrumentos de notificação utilizados pelo setor saúde.
• Planejar e participar de atividades educativas no campo da
Saúde do Trabalhador.
Normas Regulamentares do
Ministério do Trabalho)

Atribuições do Médico em Unidade de Saúde da Família:


• Prover assistência médica ao trabalhador com suspeita de
agravo à saúde causado pelo trabalho, encaminhando-o a
especialistas ou para a rede assistencial de referência
(distrito/município/referência regional ou estadual), quando
necessário.
• Realizar entrevista laboral e análise clínica (anamnese
clínico-ocupacional) para estabelecer relação entre o
trabalho e o agravo que está sendo investigado.
• Programar e realizar ações de assistência básica e de
vigilância à Saúde do Trabalhador.
• Realizar inquéritos epidemiológicos em ambientes de
trabalho.

Você também pode gostar