Você está na página 1de 17

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE (LE1J1)

Prof. Fritz/Ventieri

Componente Curricular: Laboratório de Eletricidade 1 (LE1J1)


Curso de Tecnologia em Automação Industrial

Título: Exp. 06 - Teoremas de Thévenin e Norton

Data da Realização:28/11/2021
realizador da experiência:

– Prontuário (SP3083659) – Manoel Messias Alencar de Souza

1
LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE (LE1J1)
Prof. Fritz/Ventieri

SUMÁRIO
1. Objetivos ................................................................................................................................... 3

2. Introdução Teórica ................................................................................................................... 4

2.1. Teorema Thévenin.................................................................................................................... 4

2.2. Teorema Norton........................................................................................................................ 4

3. Materiais e Métodos ................................................................................................................. 5

4. Procedimentos Experimentais (Teoremas de Thévenin e Norton)) ...................................... 7

4.1. Teorema de Thévenin............................................................................................................... 7

4.2. Teorema de Norton ................................................................................................................ 10

4.3. Atividades Extraclasse .......................................................................................................... 14

5. Conclusão ............................................................................................................................... 16

REFERÊNCIAS .............................................................................................................................. 17

2
LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE (LE1J1)
Prof. Fritz/Ventieri

1. Objetivos
Verificar experimental as Leis de Kirchhoff das Tensões e Leis de Kirchhoff das Correntes.

3
LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE (LE1J1)
Prof. Fritz/Ventieri

2. Introdução Teórica
2.1. Teorema Thévenin
2.2. Teorema Norton

4
LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE (LE1J1)
Prof. Fritz/Ventieri

3. Materiais e Métodos
Quantidade Material
1 Resistor de 120 Ω
1 Resistor de 270 Ω
1 Resistor de 390 Ω
1 Resistor de 490 Ω
1 Multímetro Digital
1 Protoboard
- Fios para Protoboard
1 Fonte DC Variável
- Cabos banana jacaré

Resistores: Restringe o fluxo de corrente, utilizado para proteção e controle de um circuito.

Figura 3.1 - Resistor de 120 Ω Figura 3.3 - Resistor de 390 Ω

Tinkercad Tinkercad

Figura 3.2 - Resistor de 270 Ω Figura 3.4 - Resistor de 490 Ω

Tinkercad
Tinkercad

Multímetro Digital: Ferramenta utilizada para medição de corrente, tensão e resistências dos circui-
tos e dispositivos.

Figura 3.5 - Multímetro Digital

Tinkercad

5
LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE (LE1J1)
Prof. Fritz/Ventieri

Protoboard: Placa de ensaio utilizada para montagem de circuitos eletrônicos. O modelo abaixo
possui trinta linhas, dez colunas e dois grupos de filamentos para alimentação do circuito com positivo
e negativo cada.

Figura 3.6 - Protoboard

Tinkercad

Fonte de Alimentação: Fonte para fornecimento de corrente contínua para testes de circuitos ele-
trônicos.

Figura 3.7 - Fonte DC Variável

Tinkercad

Cabo banana jacaré: A ponta tipo “banana” é utilizada em conexões como osciloscópios, multíme-
tros e fontes de alimentação, e a ponta de do tipo garra jacaré permite realizar medições, tais como
tensão e corrente

6
LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE (LE1J1)
Prof. Fritz/Ventieri

Figura 3.8 - Par cabo ponta de prova banana jacaré

Retirada do site www.filipeflop.com

4. Procedimentos Experimentais (Teoremas de Thévenin e Norton))


4.1. Teorema de Thévenin
4.1.1. Monte o circuito abaixo e meça e preencha a tabela com o valor da corrente e da tensão no
resistor R4 com suas respectivas unidades de medida.

Figura 4.1 - Medição de corrente e tensão no resistor R4

Tinkercad

7
LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE (LE1J1)
Prof. Fritz/Ventieri

VR4 = 3,53V
IR4= 7,52mA

4.1.2. Retire o resistor de 470Ω. Meça e anote no a tensão VTh entre os pontos A e B.

Figura 4.2 - Medição tensão VTh entre os pontos A e B

Tinkercad
VTH = 5V
4.1.3. Desative a fonte de tensão. Meça com o ohmímetro e anote a resistência RTh, entre os pontos
A e B.
Figura 4.3 - Medição resistência RTh entre os pontos A e B

Tinkercad

RTH = 195ꭥ

8
LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE (LE1J1)
Prof. Fritz/Ventieri

4.1.4. Monte o equivalente de Thévenin utilizando a Fonte de tensão DC e a década resistiva e


realoque a carga entre os terminais A e B.

Figura 4.4 - Equivalente Thévenin

Tinkercad

4.1.5. Meça e anote a corrente e a tensão no resistor de 470Ω.


VR4 (TH) = 3,53V
IR4 (TH)= 7,52mA
4.1.6. Compare os valores obtidos das tensões e correntes no R4 antes e após o equivalente de
Thévenin.

Circuito Completo Equivalente de Thévenin ∆E (%)


VR4 3,53V 3,53V 0%
IR4 7,52mA 7,52mA 0%

9
LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE (LE1J1)
Prof. Fritz/Ventieri

4.2. Teorema de Norton


4.2.1. Monte o circuito abaixo, meça e preencha a tabela com o valor da corrente e da tensão no
resistor R4 com suas respectivas unidades de medida.

Figura 4.5 - Medição de corrente e tensão no resistor R4

Tinkercad

VR4 = 3,53V
IR4= 7,52mA

4.2.2. Retire o resistor de 470Ω, substitua-o por um curto-circuito entre os pontos A e B. Meça e
anote a corrente de Norton (IN) neste curto.

10
LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE (LE1J1)
Prof. Fritz/Ventieri

Figura 4.6 - Medição corrente Norton (𝐈𝐍 )

Tinkercad

IN = 25,6mA
4.2.3. Retire o curto dos pontos A e B. Desative a fonte de tensão. Meça com o ohmímetro e anote
a resistência RN, entre os pontos A e B.

Figura 4.7 - Resistência 𝐑𝐍

Tinkercad
RN = 195ꭥ

11
LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE (LE1J1)
Prof. Fritz/Ventieri

4.2.4. Monte o equivalente de Norton conforme circuito abaixo inicialmente ajustando a fonte DV
para 0 V e a década resistiva para o valor de Norton obtido.

Figura 4.8 - Fonte VDC para 0V e década resistiva Norton

Tinkercad

12
LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE (LE1J1)
Prof. Fritz/Ventieri

4.2.5. Incremente o valor da fonte DC até atingir a corrente de Norton (IN) no amperímetro.

Figura 4.9 - Corrente Norton (𝐈𝐍 )

Tinkercad

4.2.6. Meça e anote a corrente e a tensão no resistor de 470Ω.

Figura 4.10 - Corrente e tensão resistor R4

Tinkercad

13
LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE (LE1J1)
Prof. Fritz/Ventieri

VR4 (N) = 3,6V


IR4 (N)= 7,66mA
4.2.7. Compare os valores obtidos das tensões e correntes no R4 antes e após o equivalente de
Norton.
Circuito Completo Equivalente de Norton ∆E (%)
VR4 3,53V 3,6V 2%
IR4 7,52mA 7,66mA 1,8%

O motivo do erro, é a precisão de ajuste de tensão na fonte, não é a necessária para ajustar
o valor exato, por isso colocamos o valor mais próximo.

4.3. Atividades Extraclasse


4.3.1. (Atividade Extraclasse) Utilizando um simulador de circuitos elétricos e dos instrumentos vir-
tuais necessários, gere o equivalente de Norton do circuito abaixo.
Dê um PrintScreen da tela e cole neste relatório. O PrintScreen deve conter o nome, em caixa de
texto, de um dos integrantes do grupo.

4.3.2. (Atividade Extraclasse) Utilizando-se do simulador de circuitos elétricos e dos instrumentos


virtuais necessários, gere o equivalente de Thevénin do circuito abaixo.
Dê um PrintScreen da tela e cole neste relatório. O PrintScreen deve conter o nome, em caixa de
texto, de um dos integrantes do grupo.

14
LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE (LE1J1)
Prof. Fritz/Ventieri

15
LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE (LE1J1)
Prof. Fritz/Ventieri

5. Conclusão
A partir dos resultados obtidos no experimento, verificou-se a validade dos teoremas de Thévenin e
Norton e como determiná-los experimentalmente.Thévenin, inclusive, verificou-se uma outra ma-
neira de determinar a resistência equivalente (aplicação de tensão e medida da tensão e corrente
no conjunto de resistores). Tal método é também utilizado pelos aparelhos de medição de resistên-
cia (multímetro no modo ohmímetro), também utilizados nesse experimento Perceberam-se tam-
bém as diferenças existentes entre os valores teóricos e os experimentais, dado que em um sis-
tema real existem influências de diversos fatores na medida, como o valor real das resistências (to-
lerância em relação ao valor nominal), resistência interna da fonte de tensão, ocasionando uma
queda de tensão já na saída, além das resistências internas dos próprios aparelhos de medição,
que deveriam se mostrar “invisíveis ao circuito”

16
LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE (LE1J1)
Prof. Fritz/Ventieri

REFERÊNCIAS
BOYLESTAD, R.L.;Introdução à análise de circuitos
; 10.ed. São Paulo:Pearson Prentice Hall, 2004

17

Você também pode gostar