Você está na página 1de 8

1

dS

A A

dVolume = A . dS

dVolume A.dS

dT dT

Q=A.V
Em que:
Q – vazão;
A – área da seção do tubo;
V – velocidade da água no tubo.

Obs: Equação muito utilizada para o dimensionamento de tubos com base na velocidade da água.

3.2 Regime de escoamento

- Regime Laminar: a trajetória da partícula é bem definida


- Regime Turbulento: as partículas se deslocam desordenadamente
- Regime de Transição: instável

- Experimento de Reynolds:

REGIME LAMINAR
2
corante

REGIME TURBULENTO

- Caracterização: Nº de Reynolds (NR)

V.D
NR 

Em que:

NR – Nº de Reynolds (adimensional)
V – velocidade (m/s);
D – diâmetro (m);
 - viscosidade cinemática (m2/s)
- Regime Laminar: NR  2.000
- Regime Turbulento: NR  4.000
- Transição: 2.000 < NR < 4.000

Exemplo: Determine o regime de escoamento sabendo que o tudo tem um diâmetro de 75 mm e transporta
água ( = 10-6 m2/s) com uma vazão de 20 m3/h.
20
V  3600 2  1,25m / s
.0,075
4
1,25.0,075
NR   93750  Regime Turbulento
0,000001

Exercício: Calcular a vazão que circula à velocidade de 2 m/s por um tubo de 50 mm de diâmetro.
Responder em m3/s, m3/h, m3/dia, L/s e L/h.
Resposta: Q = 0,00392 m3/s = 14,11 m3/h = 338,7 m3/dia = 3,92 L/s = 14.112 L/h.

3.3 Equação da continuidade

3
V1 V2
A1 A2

A1 = A2; V1 = V2; Q1 = Q2

V1 V2
A1 A2

A1 > A2; V1 < V2; Q1 = Q2

Equação da continuidade no escoamento permanente

ρ1.A1.V1 = ρ2.A2.V2

Equação da continuidade considerando um mesmo fluido

Q=A1.V1 =A2.V2

3.4 Teorema de Bernoulli para um fluído ideal

4
“No escoamento permanente de um fluído perfeito a energia total permanece constante”

Energia Total = Energ. de Pressão (Ep)+Energ. de Velocidade (Ev)+Energ. de Posição (Epos)

P1 V12 P2 V 2 2
  Z1    Z2  Cons tan te
 2g  2g

P
- Energia de Pressão:  = Kgf/m2/ Kgf/m3 = m
P – pressão (Kgf/m2)
 - Peso específico (Kgf/m3)

V2
- Energia de Velocidade: = m2/s2/ m/s2 = m
2g
V – velocidade (m/s)
g – aceleração da gravidade (m/s2)

- Energia de Posição: Z = m

Z – altura em relação ao referencial (m)


EnergiaTotal
V12
2g V22
2g
P1

A1
P2

A2

Z1
Z2

PlanodeReferência

Exemplo: Sabendo que: P1 = 1,5 kgf/cm2, V1 = 0,6 m/s, D1 = 250 mm, D2 = 200 mm, Fluído perfeito e
diferença de altura entre 1 e 2 é de 10 m
Determine:
a) A vazão na tubulação
b) A pressão no ponto 2
5
1
2

P1 = 147.150 Pa

 = 9.810 N/m3

.0,25 2
Q .0,6  0,02945m 3 / s
4

0,02945
V2   0,937m / s
.0,2 2
4

147150 0,6 2 P2 0,937 2


  10   0
9810 2.9,81 9810 2.9,81

P2 = 244.955,7 Pa

3.4 Teorema de Bernoulli para um fluído real

P1 V12 P2 V22
  Z1    Z2  Hf12
 2g  2g

Hf1-2 – Perda de energia entre 1 e 2

6
V12 Hf
2g
V22
P
1 2g

A1 P2

A2

Z1
Z2

PlanodeReferência
Exemplo: No esquema a seguir, a água flui do reservatório para o aspersor de irrigação. O aspersor
funciona com uma pressão de 3 kgf/cm 2 e vazão de 5 m3/h. A tubulação tem 25 mm de diâmetro.
Determine a perda de energia entre os pontos A e B.

50 m

B
PB = 30 mca
5
VB  3600 2  2,83m / s
.0,025
4
2,83 2
0  0  50  30   0  Hf A  B
2.9,81
HfA-B = 19,59 mca

Exercício: Determine a diferença de altura entre 1 e 2.


P1 P2
Hf1-2 = 2mca;   10mca ;   13mca

7
1

Resposta: 5 m

Você também pode gostar