Você está na página 1de 4

Escola

Secundária 4º Ficha Formativa


de Penafiel

Duração da Ficha Formativa: 90 min março de 2018

Caderno 1 + Caderno 2

12.º Ano de Escolaridade Turma K-G

Caderno 1
ˆ Neste Caderno é permitida a utilização de calculadora

  n2
2 1
1. Em qual das opções está o valor de k, sendo k um número real e tal que lim 1 + = ?
n+3 ek2 −2k
(A) −1
(B) 1
(C) 2
(D) −2
2. No conjunto de alunos que frequentam o ensino secundário na área de Ciências e Tecnologias de uma
escola do norte do paı́s, sabe-se que:

ˆ 5 em cada 12 dos seus alunos não gosta de Matemática;


ˆ 50% dos seus alunos gostam de Fı́sica e Quı́mica;
ˆ Dos alunos que gostam de Fı́sica e Quı́mica, uma sexta parte não gosta de Matemática.
Escolhe-se ao acaso um aluno do grupo de alunos acima referido

2.1. Determina a probabilidade de o aluno gostar de Matemática ou de Fı́sica e Quı́mica. Apresenta o


resultado na forma de fração irredutı́vel
2.2. Determina a probabilidade de o aluno gostar de Fı́sica e Quı́mica sabendo que não gosta de
Matemática. Apresenta o resultado na forma de fração irredutı́vel

2kx e
3. Sabe-se que lim = , com k ∈ R
x→0 −ex+1 + e 2

Em qual das opções está o valor de k?



e e
(A)
4√
e e
(B) −
4

e e
(C) −
√2
e e
(D)
2
4. Considera duas retas, r e s, estritamente paralelas

A B C s

Na reta s estão marcados três pontos e na reta r estão marcados quatro


pontos, como se observa na figura 1
C D E F r
Quantos triângulos é possı́vel construir com os sete pontos?

Figura 1

Professor Francisco Cabral Página 1 de 4 4º. Ficha Formativa


 
+ 2 2 1 3
5. Sabendo que a, b ∈ R \ {1} e que loga (b ) = , mostra que logb √
4
=−
3 b3 a 2
6. Considera a função f , de domı́nio ] − ∞; −1[∪]1; +∞[, definida por f (x) = log3 (x2 − 1) − 1
Na figura 2 está representado, num referencial o.n. xOy, parte do gráfico da função f e o trapézio isósceles
[ABCD]

f
Sabe-se que:
A O D x
B C
ˆ B e C têm ordenada igual a −1;

ˆ A e D são os pontos de interseção do gráfico de f com o eixo Ox.

Figura 2

Determina a área do trapézio [ABCD]


7. Na figura 3 está representado, num referencial o.n. xOy, parte do gráfico da função h, de domı́nio
] − ∞; −1[∪]1; +∞[, definida por h(x) = ln(x2 − 1) − 1
y

t2 t1

Sabe-se que: f

O x
ˆ as retas t1 √
e t2 são
√ tangentes ao gráfico de f nos pontos P e Q de P Q
abcissas − 2 e 2, respetivamente

Mostra, analiticamente, que as retas tangentes, t1 e t2 se intersetam no


ponto I(0; −5).

Figura 3

8. A partir do instante em que foi administrada uma medicação por via oral, a quantidade do medicamento
existente no sangue (em mg/l) é dada pela fórmula f (t) = 50(e−0.3t − e−2t ) com t em horas.

8.1. Qual a quantidade de medicamento existente no organismo ao fim de 2 horas? Apresentar o resultado
arredondado às décimas.
8.2. Sabe-se que a eficácia do tratamento depende da existência de uma quantidade mı́nima de 5mg/l no
organismo.
Utiliza a calculadora gráfica para determinar durante quanto tempo é garantida a quantidade mı́nima
no organismo. Apresenta o resultado em horas arredondado às décimas.

Nota: Na tua resposta deves:

ˆ equacionar o problema;
ˆ representar, em referencial o.n., os gráficos que necessitares para resolver o problema,
devidamente identificados;
ˆ assinalar pontos notáveis;
ˆ dar a resposta ao problema.

Professor Francisco Cabral Página 2 de 4 4º. Ficha Formativa


Caderno 2

ˆ Neste Caderno não é permitida a utilização de calculadora

9. Na figura 4 está representado, num referencial o.n. Oxyz parte do gráfico da função g, de domı́nio R e
2
definida por g(x) = e−x +1 + x2 − 1.

y
g

Sabe-se que:
C

ˆ os pontos A, B e C são pontos do gráfico de g onde a função A B


atinge um extremo relativo
O x

Figura 4

Determina, analiticamente, as coordenadas dos pontos A, B e C, e indica os intervalos de monotonia da


função.
10. Considera a função f , de domı́nio R−
Sabe-se que a reta de equação y = −3x + 2 é assı́ntota ao gráfico da função f
e− ln( x2 ) − f (x)
1

Qual é o valor de lim ?


x→−∞ x

(A) −∞
(B) +∞
(C) −3
(D) 3
11. Seja f uma função definida por f (x) = emx+b , Com m, b, números reais positivos.

f (−x) 1
O valor de b para o qual se tem f 0 (x) × = é:
m 2
(A) − ln(2)
(B) ln(2)

(C) − ln( 2)

(D) ln( 2)
12. Considera a função f , de domı́nio R, definida por
 2x+2
e − ex+1 1−e

 + se x < −1
x+1  e1 



f (x) = ln e e se x = −1


 ln(x + 2) 1
−1+ se x > −1


x+1 e

Resolve os dois itens seguintes, recorrendo a métodos analı́ticos

12.1. Averigua se a função f é contı́nua em x = −1


12.2. O gráfico da função f tem uma assintota paralela ao eixo das abcissas quando x tende para +∞.
Escreve a sua equação

13. Determina, analiticamente, o conjunto solução da inequação log7 (x + 2) ≥ log7 (6 − 2x) − log7 (x)

Professor Francisco Cabral Página 3 de 4 4º. Ficha Formativa


Formulário

Geometria
Comprimento de um arco de circunferência:
αr (α - amplitude, em radianos, do ângulo ao centro; r - raio)
área de um polı́gono regular: Semiperı́metro × Apótema
área de um setor circular:
αr2
(α- amplitude, em radianos, do ângulo ao centro, r - raio)
2
área lateral de um cone: πrg (r - raio da base, g - geratriz)
área de uma superfı́cie esférica: 4πr2 (r - raio)
1
Volume da pirâmide: × área da base × Altura
3
1
Volume do cone: × área da base × Altura
3
4
Volume da esfera: πr3 (r - raio)
3
Probabilidades
µ=p p1 x1 + · · · + pn xn
σ = p1 (x1 − µ)2 + · · · + pn (xn − µ)2
Se X ∼ N (µ, σ), então:
Progressões P (µ − σ < X < µ + σ) ≈ 0.6827
P (µ − 2σ < X < µ + 2σ) ≈ 0.9545
Soma dos n primeiros termos de uma progressão (un ):
P (µ − 3σ < X < µ + 3σ) ≈ 0.9973
u1 + un
Progressão aritmética: ×n
2
1 − rn
Progressão geométrica: u1 × , r 6= 1 Regras de derivação
1−r (u + v)0 = u0 + v 0
(uv)0 = u0 v + uv 0
 u 0 u0 v − uv 0
=
v v2
Trigonometria (un )0 = nun−1 u0 (n ∈ R)
(sin u)0 = u0 cos u
sin(a + b) = sin a cos b + sin b cos a (cos u)0 = −u0 sin u
cos(a + b) = cos a cos b − sin a sin b u0
(tan u)0 =
cos2 u
(eu )0 = u0 eu
(au )0 = u0 au ln a (a ∈ R+ \{1})
Lei dos senos u0
sin  sin B̂ sin Ĉ (ln u)0 =
= = u
a b c 0 u0
(loga u) = (a ∈ R+ \{1})
u ln a
Lei dos cossenos ou Teorema de Carnot
Limites
 notáveis
n
a2 = b2 + c2 − 2bc cos  1
lim 1 + =e (n ∈ N)
n
sin x
lim =1
Complexos x→0 x
ex − 1
lim =1
(ρcisθ)n = ρn cis(nθ) ou (ρeiθ )n = ρn einθ x→0 x
√ √

θ + 2kπ

√ θ+2kπ ln x
lim =0
p
n
ρcisθ = n ρcis ou n ρeiθ = n ρe n x→+∞ x
n
ex
(k ∈ {0, · · · , n − 1} e n ∈ N) lim = +∞ (p ∈ R)
x→+∞ xp

Professor Francisco Cabral Página 4 de 4 4º. Ficha Formativa

Você também pode gostar