Você está na página 1de 16

Reinhart Koselleck

lull
ESTUDOS SOBRE HISTORIA

conTROPomo
Reinhart Koselleck

ESTRATOS DO TEMPO
ESTUDOS SOBRE HISTORIA

COM UM A CONTRIBUIÇÃO DE

Han s-Georg Gadamer

TRADUÇAO

Markus Hediger

conTRAPomo

Ed i t o r a

PUC RIO
© Suhrkamp Verlag Frankfurt am Main, 2000
Todos os direitos reservados e controlados por Suhrkamp Verlag Berlim
Título original: Zeitschichten. Studien zur Historik. M it einem Beitrag von Harts-Georg Gadamer

Direitos adquiridos para a língua portuguesa por Contraponto Editora Ltda.

Vedada, nos termos da lei, a reprodução total ou parcial deste livro, por quaisquer meios,
sem autorização, por escrito, da Editora.

Contraponto Editora Ltda.


Av. Franklin Roosevelt 23 / 1405
Centro - Rio, de Janeiro, RJ - Brasil
Cep 20021-120
Telefax: (21) 2544-0206
Site: www.contrapontoeditora.com.br
E-mail: contato@contrapontoeditora.com .br

E d ito ra P U C -R io
Rua Marquês de S. Vicente, 225
Projeto Com unicar - Casa A gência/Editora
Gávea - Rio de Janeiro, RJ - CEP 2 245 3 -9 00
Telefax: (21) 3 5 2 7-1 760/1838
Site: www.puc-rio.br/editorapucrio
E-mail: edpucrio@puc-rio.br

Conselho Editorial
Augusto Sampaio, Cesar Rom ero Jacob, Fernando Sá, Hilton Augusto Koch,
José Ricardo Bergmann, Luiz Alencar Reis da Silva Mello, Luiz Roberto Cunha,
Miguel Pereira e Paulo Fernando Carneiro de Andrade

I a edição: agosto de 2014


Tiragem: 2.000 exemplares

Preparação de originais: César Benjamin


Revisão tipográfica: Tereza da Rocha
Projeto gráfico: Regina Ferraz

CIP-BRASIL CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO


SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RI

K88e Koselleck, Reinhart, 1923-2006


Estratos do te m p o : estudos sobre história / Reinhart Koselleck; tradução
Markus Hediger. - 1. ed. - Rio de Janeiro: C ontraponto: PUC-Rio, 2014.
352 p .; 23 cm

Tradução de: Zeitschichten. Studien zur Historik. Mit einem Beitrag von
Hans-Georg Gadamer
ISBN (Contraponto) 9 7 8 -8 5 -7 8 6 6 -0 9 9 -4
ISBN (Ed. PU C -R io) 9 7 8 -8 5 -8 0 0 6 -1 3 5 -2

1. História. 2. Historiografia. I. Título.

14-11503 CDD-.901
CD U: 931.1
Sumário

Prefácio................................................................................................................. 7
Introdução........................................................................................................... 9

I. Sobre a antropologia de experiências


históricas do tempo

Estratos do tem po............................. 19


Mudança de experiência e mudança de método.
Um esboço histórico-antropológico........................................................ 27

Espaço e história................................................................................................ 73
Teoria da história e hermenêutica.................................... ......................... 91
Teoria da história e linguagem.
Uma réplica de Hans-Georg Gadamer................................................... 111

II. 0 entrelaçamento e a mudança


das três dimensões temporais

A temporalização da utopia............................................................................ 121


Existe uma aceleração da história?................................................................ 139
Abreviação do tempo e aceleração.
Um estudo sobre a secularização................. 165

O futuro desconhecido e a arte do prognóstico.............................. .......... 189

III. Atualidades e estruturas de repetição

Quão nova é a modernidade?............................................ ........ ................... 209


Indícios de um “novo tempo” no calendário da Revolução Francesa ... 223
Continuidade e mudança de todas as histórias contemporâneas.
Notas referentes à história dos conceitos............................................... 229
Eclusas da memória e estratos da experiência.
A influência das duas guerras mundiais na consciência social...... 247
IV. Perspectivas historiográficas sobre
os diferentes níveis do tempo

Os tempos da historiografia............................................................................ 267


Sobre a indigência teórica da ciência da história....................................... 277

A história social moderna e os tempos históricos..................................... 295


I Iislória, direito e justiça.................................................................................. 313
Alemanha, uma nação atrasada?.................................................................... 333
Prefácio

Os estudos, palestras e ensaios aqui reunidos foram elaborados ao longo


das três últimas décadas, sobre assuntos amplamente dispersos no espaço
e no tempo, mas com uma problemática comum: as estruturas temporais
da história humana, de suas experiências e de suas narrativas. Todos tra
tam de uma teoria dos estratos dos tempos históricos. Brevemente serão
publicados dois outros volumes, um sobre a teoria e a prática da história
dos conceitos, o outro com estudos historiográficos sobre a história como
percepção; cada um dos três títulos remeterá aos outros.
Este primeiro volume teria sido impensável sem o auxílio de m ui
tos, a quem desejo expressar meus agradecimentos. No Netherlands Ins-
titute for Advanced Study in the Humanities and Social Sciences encon
trei tranquilidade para reler, organizar e discutir trabalhos anteriores.
Sem a amável insistência de Siegfried Unseld e suas cobranças, muito
teria sido deixado de lado. E sem a decisiva e competente ajuda de Wolf-
gang Kaufien este trabalho não teria chegado ao fim. Agradeço a Florian
Buch pela elaboração dos índices.

Bielefeld, janeiro de 2000


R .K .

7
Introdução

Precisamos usar metáforas ao falar sobre o tempo, pois só podemos re-


presentá-lo por meio do movimento em unidades espaciais. O caminho
que é percorrido daqui até lá, a progressão, assim como o progresso ou
o desenvolvimento contêm imagens que nos propiciam conhecim en
tos temporais. O historiador precisa servir-se dessas metáforas retira
das da noção espacial se quiser tratar adequadamente as perguntas sobre
diferentes tempos. A história sempre tem a ver com o tempo, com tempos
que permanecem vinculados a uma condição espacial, não só metafó
rica, mas também empiricamente. De maneira semelhante, “acontecer”
[geschehen], verbo que antecede a “história” [ Geschichte], nos remete pri
meiramente a “apressar-se, correr ou voar”, ou seja, ao deslocamento es
pacial.* Os espaços históricos se constituem graças ao tempo, que nos
permite percorrê-los e compreendê-los, seja do ponto de vista político ou
do econômico. Mesmo quando a força metafórica das imagens temporais
tem origem em noções espaciais, as questões espaciais e temporais per
manecem entrelaçadas.
Poderíamos descartar como mero jogo de palavras o fato de que a
“história” também permite uma conotação espacial, a de conter estratos
[Schichten].** Mas a metáfora espacial traz consigo uma vantagem. Assim
como ocorre no modelo geológico, os “estratos de tempo” também reme
tem a diversos planos, com durações diferentes e origens distintas, mas
que, apesar disso, estão presentes e atuam simultaneamente. Graças aos
“estratos de tempo” podemos reunir em um mesmo conceito a contem-
poraneidade do não contemporâneo, um dos fenômenos históricos mais
reveladores. Muitas coisas acontecem ao mesmo tempo, emergindo, em
diacronia ou em sincronia, de contextos completamente heterogêneos.
Em uma teoria do tempo, todos os conflitos, compromissos e formações

* Em alemão, o verbo geschehen [acontecer] tem a mesma raiz que o substantivo


Geschichte [história], fato que permite a este substantivo designar não apenas a
ciência histórica, mas também “histórias” no plural e aquilo que aconteceu. [N.T.]
** Schichten significa “estratos” ou “camadas”. Geschichtet significaria, portanto, “estra
tificado”. [N.T.]

9
Reinhart Koselleck • Estratos do tempo

de consenso podem ser atribuídos a tensões e rupturas - não há como


escapar das metáforas espaciais - contidas em diferentes estratos de tem
po e que podem ser causadas por eles.
Com isso, delineei grosso modo os limites nos quais os estudos a seguir
foram elaborados. Pus à parte todos os meus trabalhos dedicados exclu
sivamente à historia dos conceitos, à historiografia e à historia social, que
estão destinados a uma edição separada. Priorizei aqui ensaios que ex
põem as linhas de fuga da teoría do tempo.
Urna das teses que constituem meu ponto de partida é a de que os
tempos históricos podem ser distinguidos claramente dos tempos natu
rais, embora ambos se influenciem reciprocamente. O percurso regular e
repetitivo do Sol, dos planetas, da Lúa e das estrelas, assim como a rotação
da Terra, remetem a medidas temporais constantes - anos, meses, días e
“constelações” - , bem como à sucessão das estações do ano. Todos esses
decursos de tempo foram impostos ao ser humano, mesmo que ele tenha
aprendido a interpretá-los e, sobretudo, a calculá-los graças a realizações
culturais e intelectuais. Calendários e cronologias, séries de dados e esta
tísticas se apoiam nessas medidas de tempo derivadas da natureza, que os
seres humanos descobriram como usar, mas das quais não podem dispor
ao seu bel-prazer. Por isso, a linguagem dos tempos naturais preestabele
cidos conserva um sentido incontestável.
A metáfora dos “estratos do tempo” só pôde ser usada a partir do sé
culo XVIII, após a temporalização da velha e respeitável história natural,
a “historia naturalis”. Kant e Buffon inauguraram o novo horizonte tem
poral, submetendo a Terra e todos os seres biológicos - animais e seres
humanos - a uma perspectiva histórica. Kant procurou várias vezes um
novo termo que lhe permitisse separar a assim chamada (também por
ele) “história natural” e a história humana. Mas nem “fisiogênese” nem
“arqueologia da natureza” conseguiram se impor na linguagem científica.
Manteve-se então “história natural”, agora temporalizada.1
Kant temporalizou o ato da criação, até então singular na teologia.
“A criação não é obra de um momento” - ela abrange e estrutura o pro-1

1 Veja R. Koselleck, artigo “Geschichte, Historie”, in Otto Brunner et alii (orgs.),


Geschichtliche Grundbegriffe, v. 3, Stuttgart, 1975, p. 678-682: “Von der ‘historia natu
ralis’ zur ‘Naturgeschichte’”.

10
Introdução

cesso da natureza, infinitamente aberto ao futuro. “A criação jamais ter


mina. [...] Realiza uma obra que estabelece uma relação com o tempo,
que se desdobra nela.” Nesse contexto, Kant recorreu a condições visíveis
e terrestres para deduzir uma metáfora temporal aplicável ao processo
progressivo de formação da natureza: “Para que se alcance a perfeição,
decorrerão milhões e montanhas de milhões de séculos, durante os quais
sempre surgirão novos mundos e novas ordens cósmicas nos âmbitos
naturais mais distantes.”2 A figura de estratos terrestres que se desdobram
em montanhas disponibiliza decursos temporais de milhões de séculos,
até então inimagináveis para o uso metafórico.
Carus fez retroceder a história da Terra, agora temporalizada, para
“conciliar certas formas de montanhas com a estrutura interior de sua
massa”, deparando-se com “o fato necessário de que essa estrutura inte
rior decorre da história dessas montanhas”. Aqui se torna evidente a ori
gem geológica do conceito de história em nosso uso linguístico.3 Portan
to, não surpreende que, em outra retrocessão, a história humana também
seja interpretada por meio de novas metáforas que abarcam períodos de
longa duração. Quando Gõrres buscou esclarecer o “caráter do moderno”
em seu próprio tempo - que, na época, era “o nosso tempo” - , usou pa
rábolas geológicas: “Na história da Terra, o período de formação das
primeiras montanhas está para as montanhas de estratos sedimentares
assim como o tempo antigo está para o tempo novo ”4 Montanhas com
pactas e homogêneas, que se estenderam sobre a Terra, passaram a conter
todas as formações posteriores - ou seja, os estratos sedimentares mais
recentes e mais maleáveis - como o novo tempo. Malgrado as especula
ções românticas nas quais Gõrres incorre, uma coisa se tom a clara: o que
antes se baseava em mitos de criação e cosmogonias, agora adquire estru
turas históricas. Longos prazos de tempo da história da Terra, bem como
suas sedimentações ou erupções, agora se associam a uma “pré-história”

2 Kant, Allgemeine Naturgeschichte und Theorie des Himmels, in Wilhelm Weischedel


(org.), Werke, v. 1: Vorkritische Schriften, p. 335.
3 Carl Gustav Carus, Neun Briefe über Landschaftsmalerei, 8, in Friedmar Apel (org.),
Romantische Kunstlehre, Frankfurt am Main 1992, p. 265 (Bibliothek der Kunstli
teratur).
4 Joseph Görres, Korruskationen [=coriscos], in Wolfgang Frühwald (org.), Ausge
wählte Werke, v. 1, Freiburg, Basileia e Viena, 1978, p. 97ss.

11
Reinhart Koselleck • Estratos do tempo

da humanidade que nem só em sentido metafórico apresenta caracterís


ticas estruturais análogas.
Existem, pois, fatores meta-históricos que fogem ao controle humano.
Além da história da Terra, pertencem a essa categoria todas as condições
geográficas e climáticas que o ser humano talvez possa influenciar, mas
nunca poderá dominar. Isso nos leva àquelas precondições naturais que
possibilitam as experiências temporais especificamente antropológicas.
Do ponto de vista zoológico, compartilhamos tais precondições com os
animais: o relógio biológico inserido em nossos corpos; o instinto sexual,
condição da reprodução de gerações enquadradas entre nascimento e
morte e que, segundo Heidegger, moldam a temporalidade da nossa exis
tência. Todos os aspectos naturais que temos em comum com os animais
são culturalmente transformados, é claro: a morte, pelas mortes politica
mente motivadas; a sexualidade, por sua potencialização no prazer e no
terror; a necessidade de alimentar-se, pela ascese ou pelo aumento do
prazer culinário.
Um traço comum a esses modos de conduta antropológicos e tam
bém condicionados pela natureza é sua recorrência. Apesar da enorme
variabilidade dos desdobramentos culturais possíveis, os chamados ins
tintos ou necessidades nutrem-se da repetibilidade, sem a qual não pode
riam se manifestar nem ser satisfeitos. O padrão temporal básico dessa
repetibilidade atesta a constância de histórias humanas que retrocedem
aos cerca de 2 milhões de anos da nossa chamada pré-história.
Aquilo que Fernand Braudel chamou de longue durée, a longa duração
que subjaz ou precede estruturalmente toda história individual, precisa
ser diferenciado a partir de aspectos temporais. Ou são precondições que
podem ser delimitadas geográfica ou biologicamente e cuja duração esca
pa à intervenção humana ou são estruturas de repetição adotadas cons
cientemente pelo ser humano, que as ritualiza, as enriquece culturalmen
te e as assimila, tendo em vista ajudar a estabilizar as sociedades. A região
mediterrânea investigada por Braudel, cujas condições extra-humanas
determinam histórias seculares, tem uma duração diferente da continui
dade que surge das ações humanas. Com isso, já distinguimos dois estra
tos de tempo que aparentemente remetem a durações semelhantes. No
entanto, uma delas, a duração que garante a continuidade das condições
naturais, pode agir de modos que escapem à nossa consciência, que só aos

12
Introdução

poucos a apreende. Não podemos controlar inteiramente as precondições


geográficas e biológicas das histórias humanas, embora isso aconteça
cada vez mais, graças ao progresso das ciências naturais. O outro tipo de
duração vive da repetição que nasce da vontade e da intenção. Ele garan
te a durabilidade e a constância dos modos de conduta social. Do ponto
de vista empírico, as estruturas de repetição naturais e aquelas reguladas
pelos seres humanos se interpenetram, mas precisam ser claramente se
paradas do ponto de vista da teoria do tempo.
Nossas estruturas de repetição não podem ser reduzidas àqueles m o
vimentos circulares que encontramos nas órbitas cósmicas. Essa metáfo
ra circular tem desempenhado um papel proeminente em inúmeras in
terpretações históricas desde a Antiguidade, mas ela não consegue captar
a peculiaridade temporal que não deve ser chamada de retorno (eterno),
mas sim de repetição (executada sempre na atualidade). Estratos de tem
po que sempre se repetem estão contidos em todas as ações singulares e
em todas as constelações únicas, executadas ou suportadas por seres hu
manos igualmente singulares e únicos. Tais estratos permitem, condicio
nam e limitam as possibilidades de ação humana e, ao mesmo tempo, as
geram. Embora cada casamento constitua um ato individual e único para
os participantes - sobretudo para os noivos - , os rituais de organização e
realização do casamento, que também orientam as consequências que
dele resultam, ou seja, os hábitos, costumes e leis, asseguram um tipo
particular de constância. Sua repetibilidade é uma precondição de todos
os casos individuais.
Por isso, nos estudos que se seguem investigaremos a duração e os
prazos curto, médio e longo, e o que efetivamente se repete neles de modo
a permitir ações e atividades singulares. A abordagem metodológica de
Fernand Braudel será desconectada do circuito paralelo das durações
longas, curtas e situacionais para ser reconduzida a um padrão antropo
lógico comum, básico, que comporta distintos estratos de tempo. Sem
esse tipo de diferenciação, nenhuma história pode ser reconhecida ou
representada. Ritos ou dogmas dependem de repetibilidade para garantir
sua constância. Costumes, regras e leis repousam na aplicabilidade re
petida, sem a qual não pode haver ordem e justiça - qualquer que seja o
risco a que estejam expostos. Cada constituição, instituição e organiza
ção no âmbito político, social ou econômico depende de um mínimo de

13
Reinhart Koselleck • Estratos do tempo

repetição, sem a qual elas não seriam capazes de se adaptar nem de se


renovar. Mesmo as artes, por mais originais que possam ser, vivem do
reaproveitamento de possibilidades preexistentes. Toda recepção contém
ou revela repetições.
O mesmo vale para a história da linguagem. A pragmática da lingua
gem é sempre singular e situaeional, considerada como ato de fala que
gera eventos ou a eles se refere. A semântica, ao contrário, persiste por
mais tempo, é menos variável e sofre alterações em ritmo mais lento. Pois
toda semântica contém potenciais de interpretação que permanecem
efetivos durante muitas gerações. Sem seu conhecimento prévio, nenhu
ma comunicação - nem a simultânea, nem aquela que transcende os
tempos - seria possível. A estrutura básica da gramática e da sintaxe sofre
mudanças ainda mais lentas, sendo praticamente impossível influenciá-la
diretamente.
Assim, todos os âmbitos de vida e ação humanas contêm diferentes
estruturas de repetição, que, escalonadas, se modificam em diferentes
ritmos. Seria incorreto supor que todos eles se modifiquem ao mesmo
tempo ou em paralelo, ainda que aconteçam ao mesmo tempo, no senti
do cronológico, e estejam entrelaçados.
A argumentação divergente com a qual meu mestre Hans-Georg
Gadamer intervém no desenvolvimento da tese demonstra como e onde
a apreensão linguística do mundo se desvia da chamada história real, ao
mesmo tempo que a condiciona e a possibilita. Sigo inclinado a interpre
tar de forma aporética a relação entre a história da linguagem e à história
factual: a linguagem contém e pode expressar sempre mais (ou menos)
conteúdo do que aquele que existe na história real. Inversamente, cada
história contém mais (ou menos) do que se diz dela. Por isso, a narrativa
histórica sempre precisa reformular a história passada.
Sem a pluralidade de estratos do tempo histórico tampouco seria pos
sível arriscar prognósticos. Por sua singularidade, os acontecimentos e os
indivíduos, bem como suas ações e omissões, dificilmente podem ser
previstos. Mas podemos analisar as condições gerais, mais ou menos pas
síveis de repetição, nas quais acontecimentos futuros podem ocorrer. Esse
potencial de prognósticos depende de um mínimo de repetibilidade, que
precisa ser estipulado. Se assim não fosse, a humanidade despencaria
paulatinamente em um nada sem fundo.

u
Introdução

Mas os limites da calculabilidade se revelam logo que as antigas uto


pias são temporalizadas e projetadas para o futuro: elas criam o contrário
daquilo que, aparentemente, buscam alcançar.
Uma vez que as estruturas de repetição nunca se reproduzem de
forma homogênea, impõe-se obrigatoriamente, do ponto de vista teórico,
a questão das diferentes velocidades de mudança, dos atrasos e acele
rações. Só podemos responder a essa pergunta se distinguirmos estrita
mente as atitudes subjetivas que dizem respeito às expectativas e seus
objetivos (frustrados ou alcançados) e aqueles outros fatores que, na so
ciedade industrial tecnificada, impõem aos seres humanos acelerações
científicamente calculáveis.
Expectativas de aceleração, no sentido de uma abreviação do tempo,
existem desde a apocalíptica judaico-cristã. Mas acelerações reais, capazes
de transformar a realidade, só tomaram forma no mundo moderno, tec
nicamente reconfigurado. Na percepção dos envolvidos e afetados por
essa aceleração, os dois tipos estão interligados, mas não podem ser dedu
zidos um do Outro de forma causal. “O homem efêmero quer vivenciar
plenamente esse desenvolvimento acelerado, pela metade do salário de
uma metade de século” - é assim que Jean Paul recria a expectativa da
parúsia do apocalipse cristão como fator abreviador do tempo e a trans
forma na moderna aceleração da experiência.5 Mas uma formulação mais
aguda do “desenvolvimento acelerado” não é idêntica a uma aceleração
da história real. Para fazermos afirmações justificáveis, também aqui pre
cisamos distinguir metodologicamente a forma linguística e os fatos.
Nos últimos estudos deste livro mostraremos como as perspectivas
historiográficas remetem a premissas relacionadas a teorias do tempo, a
partir das quais se deve compreender a história real. Sempre precisaremos
de categorias formais que permitam reconstruir e, sobretudo, comparar
histórias concretas. O conteúdo das determinações temporais abstratas
precisa ser complementado. As categorias formais dentro/fora, acima/
abaixo, antes/depois pertencem às figuras básicas que permitem deduzir
todas as histórias, mesmo que o conteúdo delas se diferencie infinita
mente. São determinações antropológicas de diferença, das quais brotam
consequências temporais. Pretendemos comparar cinco tipos de decurso

5 Jean Paul, Werke, v. 5, org. N. Miller, Munique, 1980, p. 929.

15
Reinhart Koseüeck • Estratos do tempo

temporal que, cada um ao seu modo, buscam relacionar formas distintas


de justiça e a experiência histórica.
Um caso muito específico ocorre quando algo aconteceu não apenas
mais cedo que..., ao mesmo tempo que..., ou mais tarde que..., mas sim
cedo ou tarde demais. Essa determinação visa a uma ação singular com
um kairós que pode ser aproveitado, desperdiçado ou perdido de uma vez
por todas. Por isso, a categoria do atraso, hoje tão frequentemente aplica
da à história alemã, só pode ser usada para se referir a um momento de
terminado, relevante para aquela ação. Ela é inadequada para ser aplicada
a formações sociais, como Estados ou sociedades, ou mesmo culturas e
linguagens. Quando se lamenta um atraso, há sempre referência a uma
oportunidade perdida, a um desejo projetado sobre o passado a fim de se
programar ideologicamente uma recuperação acelerada. Tal categoria
pertence à linguagem do programa político, mas carece de rigor analítico:
Pois, com Herder, podemos supor que toda história contenha em si sua
própria medida de tempo. Os julgamentos morais são necessários, mas
não são constitutivos daquilo que já aconteceu.

Você também pode gostar