Você está na página 1de 23

INSTITUTO BÍBLICO VIDA D ADORAÇÃO

EVANGELISMO

RUA JOSÉ EDILSON BATISTA 80 A VALE DOURADO


NATAL-RN
LIÇÃO 1

O AMOR E A FÉ QUE OPERA A EVANGELIZAÇÃO

I. O AMOR: SEU SIGNIFICADO, SEU PODER DE REALIZAÇÃO E SUA


IMPORTÂNCIA (Mt 22:36-40)

1. O amor é o verdadeiro fundamento do Evangelho de Cristo. (Jo 3:16)


A. Quem é este amor?
É Deus e Deus é Ágape = Amor + Sacrifício (Ef 5:2; Rm 5:8; I Jo 4:8)

2. O Amor nos constrange (II Co 5:14)


A. A suportar (I Co 13:7)
B. A submissão (Rm 13:1-2; Ef 5:25)
C. A ter os mesmos sentimentos de Cristo (Fl 2:1-7)
D. Quando guardamos a Palavra em amor (Jo 14:21)
Sem amor a Cristo guardar a Palavra se torna Legalismo.

3. O amor traz a solução de todos os problemas – (Exp. de alguns)


A. O amor lança fora o medo (I Jo 4:18)
B. O amor cobre uma multidão de pecados (I Pe 4:8)
C. Andar em amor nos leva a não cumprir a concupiscência da carne (Gl
5:16)
D. Enfim o amor é o vínculo da perfeição (Col 3:14)
Obs: Se Deus é Amor, logo Deus é perfeito, então o Amor é perfeito e pode
tornar perfeito os que andam nele (Ágape).

4. Somos conhecidos pelo Amor ou melhor, o Mundo saberá que somos


discípulos de Cristo pelo Amor (Jo 13:34-35)
A. É um erro pensarmos que seremos conhecidos pelos Dons, Milagres,
Unção, Pregação, etc (ICo 13:1-3)
B. O mundo conhecerá a Jesus por nosso amor que produz unidade (Jo
17:21-26)
C. Só seremos conhecidos como verdadeiros discípulos de Cristo Jesus, com
verdadeira Manifestação do Amor. 1º para com Deus, 2º para com o próximo. Mt
22:37-39
- Só esta manifestação prova que não temos nossa vida por preciosa, mas
inteira alegria em amar incondicionalmente.

II. A FÉ QUE OPERA A EVANGELIZAÇÃO DO MUNDO

1. Para podermos operar na fé para evangelização, temos que entender


que:
2
A. A fé para evangelização necessita do Amor.
B. A fé para evangelização ou para qualquer área na vida cristã sem o amor
se torna inoperante (Gl 5:6).
C. Só o amor do tipo de Deus conduzirá a fé a realizar o que esperamos. E a
obedecermos a visão ou a vontade de Deus.
D. (I Co 13:8) – Diz que o amor nunca falha ou acaba, pois os dons pode
acabar mas o amor é eterno.
Obs: Podemos viver pela fé em qualquer área de nossa vida, principalmente
na evangelização do mundo, pois o amor que recebemos nos conduzirá a esta vida
de fé.

2. Já temos o amor de Deus derramado em nossos corações (Rm 5:5).


A. Não temos menos ou teremos mais amor em nossos corações, pois o
Espírito Santo é Deus e Deus é amor, logo entendemos que o Amor estar presente
em nós pelo Espírito Santo que nos foi dado.
B. Não temos mais ou menos da pessoa do Espírito Santo em nossos
corações, então entendemos que andar através do Espírito Santo é andar em amor
(Gl 5:22-25).
Obs: Se vivemos (nascemos) devemos andar através do Espírito Santo. Isto é
um princípio. Não podemos evangelizar ou andar em fé e desprezar o amor, pois
ele é a razão de tudo.

RESUMO
Devemos viver e andar em amor para que a nossa fé funcione
O amor é a solução de todos os problemas
O amor é o fundamento do evangelho de Cristo.

LIÇÃO 2

A IMPORTÂNCIA DA ORAÇÃO NO EVANGELISMO

I. O EVANGELISMO NÃO ANTECEDE A ORAÇÃO.

1. Lendo o texto I Tm 2: 1-4 podemos entender porque a oração


antecede a evangelização.
A. Cremos que Paulo ao escrever este texto estava inspirado pelo Espírito
Santo.
B. O Espírito Santo está falando através de Paulo sobre coisas que devemos
fazer Antes de qualquer coisa que desejamos realizar inclusive a tarefa de
evangelização. Antes temos que fazer algo: Deprecações, Orações, Intercessões e
Ações de Graças.
C. Estas Deprecações, Orações, Intercessões e Ações de Graças tem um
Objetivo e Propósito.
C1. Objetivo  Por todos os homens, pelos reis (presidentes) e por
todos que estão em eminência ou sobre autoridade.
C2. Propósito Para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em
toda piedade e honestidade.
3
C3. Seria bom se o texto parasse aí, mas o propósito teria terminado.
Vamos ler o (V. 3 a 4)  Note que o propósito chega com mais revelação no
contexto:
- O que é bom para Deus? Não só as Orações, Intercessões e Ações de
Graças mas o que essas orações irão promover. Isto é bom e agradável para Deus.
“Ao agirmos de acordo com a Palavra, assim como Ela diz, o coração de Deus se
alegra!” Isso é bom demais.
D. Deus tem um plano para realizar através de sua igreja e o seu plano e
propósito não mudam. Se alinharmos a nossa visão com o plano e propósito de
Deus, então viveremos na plenitude. O plano de Deus é a salvação do mundo,
qualquer outra coisa que colocarmos fora deste plano ficaremos frustrados e
passaremos a ser mero religiosos e nada mais.
Obs: Muitos países hoje têm as portas fechadas para a pregação do
evangelho. Antes o que era verdadeiro celeiro da Palavra se encontra hoje de
portas fechadas!
- Mas também muitos países que tinham as portas fechadas para a
pregação do evangelho, hoje estão de portas abertas pelo poder da
intercessão!
- Muitas famílias foram destruídas pelas drogas, prostituição, homicídios,
idolatria, etc.
- Mas muitas famílias também foram completamente restauradas, filhos,
esposas foram restaurados pelo poder da intercessão com perseverança
(Tg 1:2-4).
II. TEMOS UM AJUDADOR (Rm 8:26-27).

 INEXPRIMÍVEIS – É Deus colocando o seu coração dentro de nós do que


Ele sente pelo mundo ou sobre o que Ele quer: que o mundo venha ser
evangelizado.
É o sentimento de Deus dentro de nós sobre o desejo de ver o mundo
restaurado e liberto do pecado.

1. Fraqueza – incapacidade de produzir resultados. Isto quer dizer que o


Espírito Santo nos ajuda a produzir os resultados.
- O homem na sua natureza ele não pode fazer nada no reino espiritual sem a
ajuda do Espírito Santo. Ele não pode fazer uma pessoa nascer de novo ou
convencer alguém ao evangelho por sua própria força. Ele não pode fazer as
portas que estão fechadas se abrirem, enfim, nós necessitamos totalmente da
ajuda do Espírito Santo.
A. Ele intercede por nós com gemidos inexprimíveis  São gemidos que não
podem ser expressos por meio de palavra articulada (nossa maneira comum de
comunicação).
B. Esta ação do Espírito Santo é no nosso espírito nos ajudando com
gemidos no nosso espírito, mas ele apenas ajuda.
C. Temos que orar no espírito (I Co 14:14-15; I Co 14:2). Essas intercessões
com gemidos podem ser por nossos Governantes, Líderes, Autoridades, Libertação
para gerar nova pessoa em Cristo (Gl 4:19).

4
Obs: A vida de Charles Finney (um dos maiores evangelistas de sua época)
foi marcada de sucessos no ganhar almas para Cristo, e os que nasciam de novo
na pregação do evangelho através dele, cerca de 80 % deles permaneciam firmes.
E cidades inteiras eram salvas, pois a convicção do pecado era tão forte nas
pessoas que elas clamavam por salvação.
Qual o segredo do sucesso de Charles Finney? Ele era um homem de
oração, de intensa comunhão com Deus, mas não era só isso, ele tinha
intercessores, que o antecedia nas cruzadas. O líder de intercessão era chamado
de Pai Nash, ele ia na frente de Charles três semanas antes para interceder com
gemidos inexprimíveis por aquela cidade onde ia ter a cruzada.
- A oração tem o poder de mudar tudo e realizar o impossível.
RESUMO
Antes de fazermos qualquer coisa temos que orar.
Podemos criar, gerar, construir no poder da intercessão.

LIÇÃO 3

NOSSA EXPRESSÃO COMO CORPO DE CRISTO

I. O PONTO FUNDAMENTAL DO CRISTIANISMO (TEXTO I PE 2:9)


A. Deus se manifestou á humanidade quando encarnou (II Tm 3:16; Jo 1:14;
Jo 1:1-2)
B. Deus tinha um propósito quanto á Sua manifestação (II Co 5:19) Deus
veio á humanidade; se fez semelhança de homem (Fl 2:6-8).
Ele se expressou através da vida e do testemunho de Jesus Cristo, Seu
Filho, que veio em carne e sangue.
C. A morte e ressurreição de Cristo foi um fato, como também sua ascensão
aos céus para que se cumprisse a sua promessa de enviar o Seu Espírito Santo
para fazer dos cristãos sua morada, seu templo (Jo 16:7-15).
D. O fato mais impressionante e dinâmico do cristianismo é que todas as
vezes que uma pessoa recebe e aceita Jesus como Senhor e Salvador, a Palavra
Viva, o Filho de Deus, passa a agir na vida dessa pessoa.

II. CONHECIMENTO BÁSICO PARA O CRISTÃO


A. Nós formamos a Igreja  Em toda terra tem um povo que recebeu Jesus e
que formam a igreja universal ou corpo completo de Cristo.
B. Somos o Corpo de Cristo (Ef 5:30; Rm 12:5; I Co 12:27; Ef 1:22-23; Ef
4:12; Cl 1:24)
C. Jesus diz quando isto aconteceu: (Jo 14:15-17; Jo 14:20-26) Jesus
comparou esse relacionamento ao modo com que os ramos estão ligados ao tronco
(Jo 15:4-5).
 O propósito deste relacionamento (Jo 15:16)
D. O conhecimento desta verdade traz maturidade e libertação (Jo 8:32; I Co
3:16); (I Co 6:19-20; Rm 14:7-9).

III. A RAZÃO DE SERMOS REDIMIDOS.

5
A. Fomos redimidos para habitação de Deus (I Co 6:20; Hb 9:13-15; Ap
21:3,4,7)
B. O Sangue de Cristo nos lavou da nossa vã maneira de viver (I Pe 1:18-19;
Ap 1:5; Cl 1:14; Ef 1:7).
C. Fomos comprados com o Sangue de Cristo (Ap 5:9; I Co 7:22-23; Rm
3:24-25).
D. A essência do cristianismo bíblico  Deus nos redimiu de maneira tal que
Ele pudesse viver dentro de nós e expressar-se por nosso intermédio (Cl 1:27; Ef
3:17; Ef 2:22).
E. A Bíblia alerta (II Co 13:5; I Jo 4:4)
- Paulo testificou (Gl 2:20)
- Espírito Santo declara (II Co 6:14-18)
Obs: Jesus nada pode fazer a não ser por intermédio do seu corpo – Jesus
opera através de mim e de você e não através de congregações e denominações,
mas através de nós que “somos o seu corpo”.

IV. O CRISTÃO RESPONDERÁ INDIVIDUALMENTE.


A. Nós não seremos julgados á luz do que nossa igreja realizou – Deus não
chamará para julgamento as denominações mas “cada um prestará conta do que
realizou individualmente”.
B. Cada um de nós formamos a Igreja em particular, por esta razão
responderemos em particular, pelos nossos pensamentos, palavra e ações (II Co
5:10; Rm 14:10-12; I Pe 4:5; Ap 22:12)

V. O MINISTÉRIO OCULTO.
A. A nossa unidade com Deus era o grande mistério que Deus ocultou no
passado (Cl 1:26).
B. O grande mistério é Cristo operando, expressando seu sentimento de
amor, sua compaixão e sua misericórdia e o seu socorro através de nós (Cl 1:27)
C. O Sangue de Cristo nos redimiu, os que creram em Cristo – Fomos
justificados = (Justiça de Deus) = (está diante de Deus, tão perfeitos e completos
como se nunca tivéssemos pecados) – é por esta razão que Cristo pode viver em
nós e realizar por meio de nós (At 17:28).
D. A verdadeira essência de nossa experiência com Deus é Cristo vivendo,
operando e ministrando em nós e por meio de nós.
Obs: O testemunho de Cristo doravante depende de nós!
E. O Senhor quer visitar os encarcerados da nossa comunidade, quer libertar
os cativos, quer dar vista aos cegos, quer visitar os enfermos e curá-los, quer
ensinar o ano aceitável ás pessoas que estão perdidas.
F. Como isso pode acontecer?
 Cristo vive em nós, isto dá sentido ao nosso viver.
 Cristo em ação por meio dos cristãos.
Obs: Recebemos o seu Espírito por uma razão: “A fim de irmos além das
paredes do templo para falar sobre Jesus e seu amor”.
G. Há duas coisas que se pedirmos ao Senhor Ele não fará:
1º Para fazer o que Ele já fez.
2º Para Ele realizar o que Ele nos incubiu.
6
VI. SOMOS O SEU CANAL (Fl 2:13; II Co 3:5; Hb 13:20-21)
A. Cristo agora toca as pessoas com as nossas mãos, abraça-as com os
nossos braços; Ele as ouve por meio dos nossos ouvidos, percebe suas
necessidades através dos nossos sentidos e sensibilidade espiritual; Ele fala ás
pessoas por meio dos nossos lábios.
B. Se os cristãos estiverem muito atarefados para testemunhar ou
compartilhar a mensagem de seu Senhor, então Jesus não terá outro canal para
ministrar e o mundo não-convertido ficará perdido para sempre.
C. Por isso, é vital que expressemos o nosso testemunho de Cristo, fora das
paredes do Templo onde se encontram os sofredores e desesperados.
D. Compartilhar o amor de Jesus com as pessoas não-convertidas é o
ministério mais importante e verdadeiro para os seguidores de nosso Senhor Jesus
hoje. (Fl 2:5; Jo 13:15)

VII. O ESPÍRITO SANTO COMO AUTOR DO EVANGELISMO


1. O Espírito Santo no Velho Testamento.
A. Homens santos da antiguidade profetizaram e escreveram sobre o
nascimento, ministério, morte e ressurreição do salvador, movidos pelo Espírito
Santo (II Pe 1:21).
B. No Velho Testamento o Espírito Santo ungiu os 3 (três) ofícios como
tipologia de Cristo.
- Profetas (I Reis 19:16)
- O Sacerdote (Ex 28:4)
- O Rei (I Reis 19:16)

2. O Espírito Santo no Novo Testamento.


A. Ele capacitou os crentes no cenáculo para empreender a maravilhosa
tarefa de conquistar o mundo para Cristo (At 2:1-4).
B. Pelo poder do Espírito Santo a igreja veio a ser uma igreja testificante (At
2:37-41).
C. Ele tem o poder de convencer o homem do pecado, da justiça e do juízo
(Jo 16:8).
D. O Espírito Santo chama os obreiros para sua obra e os guia em suas
realizações (At 13:2; At 16:6-9).
E. É o Espírito Santo que abre as portas para a expansão do evangelho (At
28:31).
F. O Espírito Santo, a 3ª pessoa da trindade, é o Espírito da Verdade que
preserva a pureza do evangelho. Sem essa intervenção, o evangelho teria perdido
sua essência do decorrer do tempo (Jo 14:16).

3. O evangelho é a agência do Espírito Santo.


A. Na experiência pessoal de conversão e na propagação da mensagem do
evangelho.
B. A evangelização não frutifica pela eficácia de sua propagação e
programação humana, pelos recursos técnicos de promoção e do falar, mesmo que
pudéssemos falar até esgotar o fôlego, mesmo que pudéssemos escrever até que
7
não haja mais papel e tinta para escrever, mas se a obra não vier do poder e
influência do Espírito Santo, será como metal que soa e voltará todo esforço vazio
e infrutífero.
C. Ninguém converte ninguém. Ninguém faz germinar a fé. Ninguém
convence o pecador. Ninguém tem palavra capaz de comunicar a mensagem do
evangelho de maneira a ser penetrante no coração do incrédulo. Isso vem pelo
Espírito Santo. Não existe evangelismo eficaz que não seja um evangelismo com
base no poder indispensável do Espírito Santo.
D. Em nossos dias, é a pessoa do Espírito Santo quem comanda todo
processo anunciador do evangelismo.

LIÇÃO 4

EVANGELIZAÇÃO: INTRODUÇÃO AO EVANGELISMO

I. A TAREFA DE EVANGELIZAÇÃO
É importante a toda igreja de Cristo na terra. Em todas as épocas e lugares
o evangelismo sempre foi a prioridade número um da igreja de Cristo.

1. O Evangelismo – Uma tarefa a ser cumprida.


A. Foi uma ordem de Jesus – Mc 16:15; Mt 28:19-20
B. O Amor, a dedicação e o desejo ardente da igreja primitiva nos dar o
exemplo.
C. O amor de Deus derramado em seus corações os fazia ter os perdidos
como pedras preciosas.
D. As perseguições do dia a dia não tirava o ânimo deles, a mensagem do
evangelho trazia mais confiança pois eles cheios do poder de Deus continuaram
com fervor ao trabalho, pois eles tinham visto e ouvido e estavam vendo a
grandeza do evangelho (At 4:31; Jo 16:33; At 4:20).

2. O Evangelismo e suas estratégias.


A. A metodologia ao evangelismo é sempre um elemento fundamental no
reino de Deus.
B. O evangelismo bem elaborado com a direção do Espírito Santo tem
atingido níveis surpreendentes (Ex: Coréia, África, USA).
C. Grandes descobertas tem sido feita em função de novas estratégias ou
táticas de evangelismo.
D. Novas estratégias tem sido traçada com o objetivo específico de alcançar
os povos da terra, antes que seja tarde demais (Janela 10x40, AD-2000).
E. A Palavra de Deus continua a mesma, o estado de espírito do homem
continua o mesmo, as estratégias sim podem sofrer alterações a fim de que sempre
e sempre sejam obtidos melhores resultados.

3. O Evangelismo que resulta frutífero tem suas características definidas:

8
A. Um Evangelismo Eficiente ou Eficaz  O evangelho é sempre eficiente, o
evangelismo pode não ser. O evangelho nunca falha. Ás vezes se registra o
fracasso do evangelismo.
A1. Para o evangelismo ser eficiente, ele tem que ser feito pela igreja
local. As organizações o que podem e devem fazer é oferecer suporte para as
igrejas. Nunca substituí-las (Obs. Muitas organizações tornam-se igreja).
A2. Para o evangelismo ser eficaz tem que ser feito por pessoas
regeneradas que podem através do evangelho regenerar o mundo. Para o
evangelismo ser eficientemente, deve aqueles que evangelizam ser pessoas que
tiveram um encontro real com Cristo (Rm 14:23) – Sem duvidar da salvação.
A3. Um evangelismo eficiente é um evangelismo em que as pessoas
são preparadas na Palavra e treinadas para desenvolverem bem o ofício.
A4. Um evangelismo eficiente é um evangelismo feito na direção e no
poder do Espírito Santo  O Espírito Santo é a pessoa número um do
evangelismo.
B. Um Evangelismo Agressivo  O evangelismo não deve ser uma tarefa
passiva. Ao contrário, é profundamente ativo.
B1. O evangelismo agressivo não significa evangelismo irreverente,
imprudente e impulsivo. A fé e o poder não excluem a sabedoria (Tg 1:5-7; I Pe
1:5). Ex: evangelismo que lança condenação, evangelismo que não ama o pecador
 Pois devem aborrecer o pecado e não o pecador.
B2. Um evangelismo agressivo significa um evangelismo ousado,
animoso, com determinação e com demonstração do poder do Espírito Santo.
B3. Um evangelismo agressivo significa uma operação cheia de fé,
cheia de inteligência, cheia de fervor (At 3:6-10; At 4:4).
Obs: A igreja entendia acerca disso, por isso orava para que sobre eles
estivesse sempre uma unção ousada (At 4:29-31).
C. Um Evangelismo Bíblico  Em muitas partes do mundo está se praticando
um evangelismo que não se baseia efetivamente na Bíblia.
C1. Jesus falou “ide por todo mundo e pregai o evangelho”, que
devemos ensinar e guardar tudo quanto Ele tinha ensinado. Ele disse que “quem
crer em Mim como diz as escrituras, rios de águas vivas fluirão do seu interior” (Jo
7:38).
C2. Existe uma influência de forças malignas procurando distorcer a
Palavra do evangelho trazendo estratégias mundana fora do evangelho, um
legalismo religioso dizendo que é o evangelho de Cristo (Gl 1:6-9; I Tm 4:1).
Obs: Segue alguns versículos para meditação sobre a Palavra: NT _ At
12:24; 15:7; 16:32; 17:11; 18:5; 19:20; Rm 9:6; II Co 2:17; Cl 3:16; II Tes 3:1; I Tm
1:15; 4:5; 4:9; Hb 4:12.
D. Um Evangelismo Apaixonado  Ganhar almas é o dever principal e cheio
de amor de cada cristão e da igreja local.
D1. As almas que devem ser ganhas são almas que devemos
primeiramente amar.
D2. Sem o amor não podemos efetivamente evangelizar.
D3. Jesus Cristo primeiramente via almas, em seguida amava-as e
finalmente salvava-as. (Ex: Mulher samaritana em Jo 4:7-28 e a mulher adúltera em
Jo 8:1-11).
9
D4. A maior estratégia de evangelismo continua tendo como
fundamento o Amor (Ágape).
Obs: A Bíblia aponta o alvo fundamental do evangelismo: ganhar almas
para Cristo. Qualquer outro objetivo anula a ação evangelizadora.

RESUMO

 Há na verdade fracasso no evangelismo mas no evangelho não, pois os


métodos poderão mudar mas o evangelho permanecerá para sempre.
 Os evangelismos que são frutíferos são:
- Um Evangelismo Eficiente
- Um Evangelismo Agressivo
- Um Evangelismo Bíblico
- Um Evangelismo Apaixonado

LIÇÃO 5

DEFINIÇÃO DO EVANGELISMO

I. O SIGNIFICADO DO EVANGELISMO
 Assim como a palavra evangelho é de muito valor, da mesma forma a sua
derivação: “Evangelismo”.

A. Significado do termo Evangelismo vem da palavra evangelho, cujas


raízes são da palavra grega “EVANGGELION” que significa “BOAS NOVAS” ; e
“EVANGELIZO” que traz um significado (trazer ou anunciar boas novas) ou (trazer
ou levar boas notícias).
Obs: Os gregos usavam a palavra “Evangelion” ou “Evangelizo” para indicar
ou anunciar as boas notícias dos campos de batalhas.
B. Na palavra Evangelismo, a partícula “ismo” indica Sistema. Portanto,
evangelismo é um ato de levar as Boas Novas com Métodos, Estratégias e
Técnicas exemplificado no Novo Testamento (At 20:20) os dois tipos de
evangelismo: Pessoal e Público.
C. Portanto evangelismo é “Anunciar as Boas Novas de Cristo; é proclamar o
evangelho da salvação ao povo concretizado no novo nascimento, morte,
ressurreição e ascensão de nosso Senhor Jesus Cristo” (Lc 2:9-11; Mc 16:6-9; At
2:23-24).
Obs: Podemos ainda dizer que evangelismo é:
- A tarefa de testemunhar a Cristo;
- É revelar as Boas Novas de Cristo aos homens;
- É revelar Boas Novas, é revelar toda obra que Deus fez através de Jesus
Cristo.

Exemplos:
 Libertação: Rm 6:18-22; Gl 5:1
 Resgate da Maldição: Gl 3:13
10
 Cura: Is 53:4; I Pe 2:24
 Condição de Filho: Jo 1:12
 Proteção: Rm 8:1,31
 Novidade de Vida: II Co 5:17
 Adoção de Filho: Rm 8:17
Enfim, mostrando a verdadeira posição em que Cristo coloca o homem,
revelando a ele a obra da graça.

II. A NECESSIDADE DO EVANGELISMO.


A. Não é uma simples técnica, mas uma radiografia que localiza e mostra a
doença espiritual do pecador, mas também nos mostra o cuidado e a provisão de
Deus com sua criatura.
B. A situação do pecador na Bíblia:
B1. Ele está debaixo da lei do pecado (Rm 3:9-20).
B2. Ele está cego neste mundo (II Co 4:4).
B3. Separado da comunhão com Deus (Is 59:2).
B4. Morto no pecado (Ef 2:1).
B5. Seu guia é o príncipe da potestade (Ef 2:2-3).
C. O Pensamento Divino (Jr 29:11).
C1. Suas almas têm alto valor (Mc 8:36-37; Lc 15:7,13,20-24).
C2. Estão como ovelhas perdidas e Deus manifesta sua compaixão (Mt
9:36).
C3. Deus deseja a salvação dos homens (Jo 3:17; I Tm 2:4).
C4. Deus é o autor de toda bondade (Tg 1:17).

III. TRÊS RAZÕES QUE AS PESSOAS DÃO PARA NÃO SE TORNAREM UM


GANHADOR DE ALMAS
1. Pessoas não ganham almas porque não sabem como fazê-lo.
A. Muitas igrejas querem que as pessoas sejam verdadeiros ganhadores de
almas mas não a preparam para tal.
B. A inspiração sem educação leva á frustração.
C. Precisam treinar as pessoas para serem ganhadores de almas.
Obs: Um simples curso de 12 a 15 dias mostrando razões para que eles
venham a ser ganhadores de almas, mostrando o poder da obediência, o valor e
autoridade do Nome de Jesus, o uso pela fé da imposição de mãos, etc.
D. Segue algumas razões porque devo ser um ganhador de almas:
D1. Os ganhadores de almas são sábios (Pv 11:30)
D2. Os ganhadores de almas são felizes (Sl 126:5-6)
D3. Os ganhadores de almas são cooperadores do Senhor (II Co 6:1; I
Co 3:9)
D4. Os ganhadores de almas são brilharão (Dn 12:3)
D5. Os ganhadores de almas cobrem multidões de pecados (Tg 5:19-
20)
E. Segue algumas razões pela qual os cristãos não podem se calar acerca de
Cristo Jesus:
E1. Jesus ordenou a todos os cristãos que fossem e fizessem discípulos
(Mt 28:19-20).
11
E2. O amor de Jesus pelo seu povo e vice-versa constrange os cristãos
a serem ganhadores de almas (Jo 14:15,21).
E3. As pessoas perecerão no mundo sem Jesus Cristo (Rm 6:23).
E4. Deus não quer que nenhum se perca (I Tm 2:4; II Pe 3:4).

2. As pessoas não ganham almas porque têm medo.


A. Medo de ser rejeitado ou de se passar por bobo – geralmente impedem as
pessoas de testemunhar de Cristo.
B. Medo de bater em uma porta desconhecida e testificar de Cristo – pois os
mesmos não sabem como vão ser recebidos. “Faça!” Pois não deve ter medo do
que você não sabe (Siga o exemplo de Jesus).
C. Medo de se expressarem mau diante das pessoas e não serem bem
sucedidos (se você não enfrentar nunca vencerá o medo).

3. As pessoas não ganham almas porque não separam um tempo ou um


horário para evangelizar.
A. Devemos administrar bem nosso tempo.
B. Todo tempo você encontrará pessoas para você evangelizar.
C. Há tempo na nossa vida que são ociosos e infrutíferos (saiba como torná-
los ativos e frutíferos).
D. Tempo é uma questão de preferência.

RESUMO

 O evangelismo é como uma radiografia que localiza e mostra a doença


espiritual do pecador e também o cuidado e provisão de Deus.
 Há três razões que as pessoas dão para não serem um ganhador de
almas:
- Porque não sabem – não são treinadas para isso.
- Porque tem medo – devemos lançar fora o medo.
- Porque não separam tempo – tempo é uma questão de preferência (Ec
3:1)

LIÇÃO 6

O EVANGELISMO E A IGREJA LOCAL

I. A INFLUÊNCIA E OS RESULTADOS NA IGREJA LOCAL.


1. Nada pode tomar o lugar da igreja local no trabalho de evangelização.
A. Não haverá organização que possa substituir o trabalho da igreja local na
tarefa de evangelizar.
B. Muitas organizações passaram a ser igreja porque queriam trabalhar
isoladamente das igrejas locais.

2. Da influência e seus resultados.

12
A. Traz mais convicção de estar realizando a vontade de Deus (I Tm 2:4; Jo
10:38 e 6:38-40).
B. Um total avivamento (Rm 1:16-17; At 4:32-35).
C. Um maior relacionamento com Deus e com os irmãos (At 2:42:46).
D. Um maior crescimento da fé (por se pregar a palavra passa-se a ter uma
leitura maior e meditação e a prática da mesma) Rm 10:17.
E. Passa-se a ter um maior crescimento do número de membros e atividades
para com os mesmos (At 2:47; 6:1-2).

3. Por que evangelizar?


Fator nº 1  Por que amamos a Jesus (Jo 14:21).
Fator nº 2  Porque recebemos este ministério (II Co 5:18-20).
Fator nº 3  Porque somos obedientes ao ide de Cristo – isto é uma ordem
imperativa de Jesus (Mc 16:15; Mt 28:18-20; At 1:8).

4. Onde evangelizar?
A. Em toda parte (Mc 16:15)
B. Veja o texto At 1:8  Jerusalém pode ser família, o bairro, cidade onde
moramos. Judéia pode ser vizinhos, outras cidades e outros estados. Samaria a
comunidade dentro dessas cidades que muitas vezes rejeitamos por preconceito ou
pessoas ou até mesmo classe de pessoas que tem preconceitos. Ex: Aidéticos,
prostitutas etc. Confins da Terra é outros países.

5. Quando evangelizar?
A. Em todo tempo (II Tm 4:1-5)
B. Enquanto é dia (Jo 9:4) – Noite não se refere à falta de energia pública ou
á noite literalmente falando, (Sl 30:5) traz uma revelação. Bem, pode estar se
referindo á momentos de nossa vida em que são tão difíceis que parece densas
trevas, mas são momentos curtos, pois a alegria é certa (pela manhã). Da mesma
sorte o trabalho de evangelização pode estar se referindo destes momentos da
nossa vida em que não podemos trabalhar na seara do Senhor ou por nossas
dificuldades ou porque as portas da nossa nação foram fechadas, tornando tempos
difíceis, trabalhosos e angustiosos.

6. Como evangelizar?
A. Existem dois tipos de evangelismo.
1º Evangelismo público ou em massa.
2º Evangelismo pessoal.
Obs: Em (At 20:20) nos mostra que há apenas dois tipos de evangelismo, só
o método, as estratégias, as táticas etc, não poderão sofrer mudanças, mas
sempre os tipos de evangelismo permanecerão os mesmo.

II. Evangelismo em massa ou público.


1. O evangelismo em massa tem produzido grandes resultados para o
Reino de Deus.
A. Resultados no N.T.
- Jesus usou este tipo de evangelismo (Mc 6:30-34).
13
- Os apóstolos usaram este tipo de evangelismo (At 2:14,40,41).

2. Entre os métodos eficazes temos:


1º) Cruzadas evangelísticas.
2º) Conferências evangelísticas. Ex: Cura, libertação etc.
3º) Encontro de casais com o propósito de ganhar os casais não cristãos para
Cristo.
4º) Encontro de jovens e adolescentes voltados para a evangelização.
Obs: Nós iremos aprender como desenvolver uma cruzada evangelística pois
os outros métodos são assuntos que você pode pesquisar com mais detalhes.

LIÇÃO 7

CRUZADAS EVANGELÍSTICAS

INTRODUÇÃO  O próprio título do presente estudo determina sua


importância. Com mais de seis bilhões de habitantes na Terra, sendo a grande
maioria constituída de pessoas destituídas da graça de Deus. Lancemos mão de
todos os recursos disponíveis a fim de alcançarmos o maior número possível para
o Senhor.
Os movimentos evangelísticos em massa poderão produzir grandes
resultados para o Reino de Deus. Que o Senhor da seara nos ajude. Trataremos o
assunto, dividindo em três partes:
I. Antes da cruzada;
II. Durante a cruzada;
III. Após a cruzada.

I. ANTES DA CRUZADA (PREPARAÇÃO).

1. Do pregador
A. Preparo espiritual.
B. Preparo intelectual.
C. Preparo físico.
Obs: Durante todo o período de preparação da cruzada o pregador deve
manter perfeita harmonia e comunhão com o pastor da igreja e sua equipe.

2. Da equipe
As equipes das cruzadas são as responsáveis pelo bom andamento da
cruzada. Se elas falharem, toda cruzada falhará.
A. Preparando as equipes (Ex: de som, conscientização da igreja,
conselheiros, intercessores, publicidade, evangelismo pessoal, discipuladores
(antes da cruzada)).
B. Devem estar no mesmo espírito (sentindo uma mesma coisa) At 2:32:33
C. Devem estar trabalhando numa mesma harmonia (sob uma liderança).

3. Da igreja

14
A. Despertar a fé da igreja (a fé vem pelo ouvir e ouvir a Palavra de Deus) –
conscientização.
B. Levar toda a igreja á oração (orando pelo pregador, pelos ouvintes (I Tm
5:25; Ef 6:18-19; At 4:29-30) – o Espírito Santo é quem convence).
C. Orando para deter as forças do maligno (Ef 6:12).
Obs: Os conselheiros e acomodadores devem ser formados na igreja, dando
aos mesmos toda instrução necessária, assim como as equipes devem ser
formadas da igreja, havendo um líder para cada equipe.

4. Da população
A. Jesus teve seus preparadores (Mc 1:1-27; Lc 10:1,9,10).
B. Utilizar faixas, cartazes, folhetos, anúncios em jornais, rádio ou Tv, carros
de som , etc.
C. Convites pessoais (... para por todos os meios, chegar a salvar alguns (I
Co 9:22)).

II. DURANTE A CRUZADA: OBJETIVIDADE


A. O objetivo tem que ser (ou deve ser) “ganhar almas”.
- Não é promover a igreja local (nome da denominação);
- Não é promover o pregador;
- Não é promover os cantores;
- Também não é para ganhar algumas pessoas.
B. Sendo o objetivo “ganhar almas” então tudo que venha prejudicar esta
meta deve ser eliminado ou evitado.

1. O programa
A. Deve ser alegre e atraente (isca).
- Boa comunicação com o público (sem exageros).
- Música apropriada e “espiritual” (música evangélica).
- Sempre “palavras positivas”.

B. Equilíbrio
- Iniciar o culto na hora marcada (Obs. É bom ter uma introdução de louvor
antes de iniciar o mesmo).
- Cuidado para não entregar para o pregador na hora de encerrar o culto.
- A oração pelos enfermos e outros deve ser feita na seqüência do “mover
espiritual” e não após esfriar o ambiente (aproveitar a unção no momento
certo).
C. Os conselheiros não devem prender os novos convertidos além de todo
tempo necessário.
D. Os cartões de decisão devem ser “cuidado” imediatamente, se não o
trabalho em grande parte estará arruinado. Ex: é como fazer colheitas e não
guardar os frutos.

III. APÓS A CRUZADA

15
Este é o momento mais importante e mais sério de uma cruzada. Se falhar
neste ponto como muitas vezes acontece, quase todo o trabalho é perdido.
ATENÇÃO: Se possível o pregador ou alguém preparado da equipe deve
permanecer no local da cruzada ajudando por algumas semanas (até que a planta
pegue).
- A volta brusca ao movimento rotineiro da igreja, quase sempre é prejudicial
aos novos convertidos. É aconselhável que os cultos nas igrejas, durante
algum tempo após a cruzada tenham “sabor” de campanha evangelística.
- Os próprios membros apreciam.

A. Tanto durante a cruzada como após a mesma, é importante que se pregue


e se ensine sobre a pessoa do Espírito Santo e como deve receber o batismo.
Deve-se levar os novos convertidos a receberem este glorioso batismo (At 2:37-
39).
B. É muito importante que haja um batismo nas águas não muito depois da
cruzada. Lembremo-nos que isto é bíblico (At 8:36-38).
C. O trabalho de visitação deve ser imediatamente após a cruzada, e é de
inestimável valor. Para isto toda a igreja precisa estar mobilizada.
D. Deve-se desenvolver um grupo ou criar um departamento de apoio aos
novos convertidos – ao mesmo tempo criar uma sala de discipulado para novos
crentes bem estruturada.
E. Ter o cuidado de integrar os novos crentes.
- Na igreja: envolvendo os mesmos no trabalho.
- Da igreja: (dependendo do departamento) Ex: infantil, ministério de
evangelismo.
Obs: Tudo depende da habilidade de cada um (descobrir é necessário).

LIÇÃO 8

EVANGELISMO PESSOAL

TEXTO: Jo 4:10-26; Mt 10:11; Mt 9:35; Mt 11:1


INTRODUÇÃO  O crescimento das cidades é vertiginoso. Os edifícios
concentram a população em grande aglomerado. Os meios de comunicação
integram o meio rural á cidade, ensejado o inclinamento das comunidades por
grandes cinturões de favelas. São enormes desafios para a evangelização.

I. EVANGELISMO PESSOAL.
Em qualquer época ou lugar, esse método é mais eficaz. Jesus deu especial
ênfase ao evangelismo pessoal (Ex: samaritana, Zaqueu, moço rico, Nicodemos
etc). Parece ser um método difícil para grandes cidades. Porém, analise a
quantidade de pessoas que falam conosco, cruzam por nós, viajam, estudam ou
trabalham ao nosso lado diariamente. Todos esses contatos são oportunidades
para evangelizar.
Quanto maior a cidade, maior a responsabilidade pessoal e individual do
crente, geral e coletiva da igreja.

16
II. VANTAGENS DO EVANGELISMO PESSOAL.

1. É feito diretamente com um indivíduo.


1.1 – Nem todos podem se dirigir a uma assembléia ou auditório, mas qualquer um
sendo letrado ou não pode se dirigir a uma pessoa (Jo 1:40-41; 1:43-50).

2. Pode ser feito em qualquer lugar (At 16:30-31).


2.1 – Paulo e Silas estavam na cadeia, mas mesmo assim era o momento
certo para ele transmitir ou evangelizar.
2.2 – Há locais que não pode ser pregado o evangelho. Mas esse tipo de
evangelismo dá meios de transmitir o evangelho. Ex: avião, ônibus, hospitais, etc.

3. Pode ser feito a qualquer hora (II Co 6:2)


3.1 – O evangelismo pessoal não tem uma regra no horário de começar ou
terminar. Ele se apóia a uma vontade voluntária de cada pessoa.
3.2 – Há muito fracasso no evangelismo de certas igrejas por preocupar-se
com o local e horário no sistema bitolado de evangelismo. Ex: não pode ser favela,
não pode demorar muito falando com uma pessoa, ter o máximo de relatório,
entregar o máximo de folhetos.

4. O evangelismo pessoal é definido e específico (II Sam 12:7 e Jo 4:7).


4.1 – Todas as pessoas tem uma necessidade, mas na verdade esta
necessidade é apenas um sintoma da verdadeira necessidade que é Jesus em sua
vida.
4.2 – Logo após ouvir a mensagem do evangelho (Boas Novas) ele passa a
ter uma visão rápida que Cristo é a solução de todas as suas necessidades e o
Espírito Santo lhe convence que Cristo é verdadeiro.
4.3 – O evangelismo pessoal trata diretamente com o indivíduo e
especificamente com ele, num assunto definido. Ex: Jesus e Zaqueu.

III. CARACTERÍSTICAS DA MENSAGEM DE UM EVANGELISTA PESSOAL.

A. Mostra que todo homem está debaixo da lei do pecado (Rm 3:23; 6:23).
B. Mostra que Cristo perdoa nossos pecados (Sl 130:4; Dn 9:9; I Jo 1:9-10).
C. Mostra que na obra da salvação ele foi incluído para a glória de Deus (Jo
12:32).
D. Mostra que a obra da salvação já foi feita a muito tempo atrás.
E. Mostra que a obra de salvação hoje, na sua vida depende dele crer nesta
verdade pois a Bíblia diz “...e a condenação é esta, por não crerem no unigênito
Filho de Deus”. Logo o homem é responsável.
F. Enfim mostrar e apresentar a providência de Deus (o remédio, a solução, o
escape). Jesus Cristo é a provisão de Deus para o perdão e restauração do homem
(Jo 3:16; I Tm 2:15; I Jo 5:12; Jo 10:10).
G. Tema da mensagem do evangelista: Cristo (Nasceu – Morreu –
Ressuscitou – Ascendeu (subiu aos céus)).

IV. O EVANGELISTA PESSOAL E SUAS CARACTERÍSTICAS.


17
A. Convicção da própria salvação (I Jo 5:13) – testemunho da Palavra (II Co
5:17) – mudança de vida (Rm 8:16) – testemunho do Espírito Santo.
B. Estudo da Palavra de Jesus (I Pe 3:15; II Tm 2:15; Hb 4:12) – não é
sabedoria deste mundo que necessitamos, mas sim o conhecimento da Palavra de
Deus se desejamos bom êxito na conquista de almas (conhecimento específico).
C. Convicção de que a Bíblia é totalmente inspirada por Deus (Lc 24:27; Lc
24:6-8; II Pe 1:20-21 e II Tm 3:16).
D. Comunhão constante com Cristo e o Espírito Santo (Gl 2:20; Jo 15:4-5).
E. Amor e compaixão pelas almas (Mt 9:36; Mc 1:41; I Co 9:22; Mc 12:31) 
Treinar. Como treinar esta compaixão nos dias de hoje? Exercendo esta
compaixão.
F. Submissão ao Espírito Santo (I Co 6:19-20; At 10:19-20; At 11:12; At 8:29-
30).
G. Conhecimento pessoal de Jesus (conhecimento com relacionamento).
G.1) O exemplo de Paulo (At 22:15).
G.2) O exemplo de João (I Jo 1:1-3)
H. Uma vida vitoriosa.
H.1) Sobre o mundo (I Jo 5:4)
H.2) Sobre a carne (Gl 5:2-4)
H.3) Sobre o diabo e a morte (I Jo 2:14; Tg 4:7; I Co 15:54-57).

V. NORMAS PRÁTICAS PARA O EVANGELISMO PESSOAL.

1. Erros de técnicas para evitar.


A. A pessoa – “Dê tempo para Deus operar (esse tipo de argumento não
produz efeito espiritual) ninguém gosta de ser vencido por outrem”.
B. Doutrinado acerca dos costumes e sistemas de sua denominação e não
evangelizando a Palavra.
C. Pregando acusações e castigos, etc.
D. Atitudes negativas na conversão – Não tenha pressa (a pressa é inimiga
da perfeição); Evitar a polêmica (Deus não é Deus de confusão); Nunca ofender as
pessoas (não queremos tirá-lo de uma religião, mas sim do pecado).

2. Seu campo de ação


Não podemos conceber a idéia de um evangelista fechado entre quatro
paredes. Se quisermos evangelizar, teremos que deixar o nosso comodismo, o
conforto do nosso púlpito e ir até onde os pecadores estão. Desta forma estaremos
alargando o nosso campo de ação.

Exemplos de campos de ação:

A). A Família.
B). No trabalho (oficina, fábrica, escritório...).
C). Nas escolas (principalmente noturnas).
D). Os comerciantes (padaria, açougue).
E). Os profissionais (médicos, dentistas, advogados...)
18
F). Nos meios de transporte (marítimo, aéreo, terrestre...).
G). As crianças.
H). Os amigos.
I). As entidades (hospitais, presídio, creche...)

OBS: “Amplia o lugar de tua tenda, esteja atento ás perguntas de teus filhos, eles
precisam de sua ajuda e compreensão, eles precisam do seu tempo e muito
carinho. Olhai para o rebanho sem se esquecer dos de tua casa, a família unida em
oração e meditação vence todas as batalhas”.

LIÇÃO 9

EVANGELISMO POR DISCIPULADO

INTRODUÇÃO  Esse método de evangelismo, tem um importante papel no


crescimento da igreja em geral, pois o mesmo não só evangeliza mas também ele
desenvolve um crescimento pessoal de cada crente e um verdadeiro envolvimento
no plano de Deus.
 Dividiremos esse assunto em três partes:

1º Discipulando pessoas;
2º Estudo Bíblico (perguntas e respostas na Bíblia);
3º Grupos familiares.

I. DISCIPULANDO PESSOAS.
1. Organização.
A. Todo o trabalho deve ter o aval do pastor da igreja, o mesmo deve ter o
departamento de evangelismo da igreja, que por sua vez manterá o pastor
informado de tudo.
B. Os discípulos devem ter uma centralização de ensino (ou melhor
acompanhamento para não acontecer erros).
C. Todas as pessoas que vão trabalhar neste tipo de evangelismo tem que
ser verdadeiramente discípulos (tem que ser discipulados).
D. Metas de trabalho de discipulado deve ser bem estudado.
Ex: Uma pessoa discípula três (3) pessoas e as três (3) pessoas cada uma
discípula mais três no período de seis meses. Isto começando com grupo de três
pessoas discipuladas que daria um resultado cada um de doze pessoas
discipuladas. Isso multiplicado o resultado total daria 12x3 = 36 pessoas novas na
igreja já discipuladas (II Tm 2:2).

2. Estudo Bíblico.
A. Bom é que a pessoa do pastor seja a que organize os estudos ou autorize
a forma de estudo.
B. Pode ser um trabalho voluntário – independente ser ou não ser organizado
pelo departamento de evangelismo, bom que tudo fosse organizado e bem
trabalhado.

19
C. O local deste tipo de trabalho depende do círculo de amizade. Ex:
vizinhança, trabalho, escola, faculdade, etc.
D. Os estudos devem ser seqüenciados para melhor aproveitamento das
pessoas.
E. As pessoas que estão fazendo o estudo devem ter toda a atenção
possível.
F. Procurar neste tipo de evangelismo deixar as pessoas á vontade
concernente a ir ou não á congregação (deixe que ela decida para Cristo por si
mesmo e aonde quer servir).
G. Nunca deixe de ter o estudo posterior já pronto para atender a pessoa
(nisso procure com muito jeito se já terminou 1º ou 2º etc, e se deseja outro).

3. Evangelismo através de grupos familiares.

INTRODUÇÃO  O evangelismo através dos grupos familiares não é mais


uma teoria criada em laboratório dentre as diversas que existem que nada
acrescentam á obra primordial da igreja. Os grupos familiares são plenamente
bíblicos e significam uma base sólida para o crescimento da igreja nos dias de hoje,
como ocorreu também na época da igreja primitiva. É exatamente isto que iremos
procurar desenvolver nestes estudos, a fim de que nos interessemos por esse
método e procuremos desenvolvê-lo em nossas próprias igrejas.

I. RAZÕES BÍBLICAS E HISTÓRICAS DOS GRUPOS.

1. Os grupos familiares na igreja primitiva (At 5:42).


2. Os grupos familiares no ministério de Paulo (Rm 16:3,5; At 16:14-15)
3. O exemplo moderno da Coréia.

II. O QUE NÃO SÃO OS GRUPOS FAMILIARES: Grupos clandestinos de pessoas


descontentes que resolveram deixar a igreja/ Grupo G-12 que ensinam regressão/
grupos que pregam quebra de maldição, etc.

III. ALGUMAS VANTAGENS DO EVANGELISMO ATRAVÉS DOS GRUPOS


FAMILIARES.

1º) Engloba toda a igreja.


2º) Evita a fragmentação da igreja (divisões).
3º) Oferece condições para uma assistência pessoal a cada crente.
4º) Não elimina o evangelismo através de cruzadas.
5º) Cria raízes mais profundas na vida espiritual de cada um.
6º) Oferece condições de melhor assistência social aos irmãos mais carentes.
7º) A igreja permanece em constante avivamento.
8º) É uma boa maneira de se descobrirem novas vocações (ministro).
9º) É simples pela própria metodologia empregada.
10º) Contribui para desenvolver um sentimento de unidade na igreja.
11º) Evita qualquer sentimento de exclusivismo (há trabalho para todos).
20
12º) Mantém um elo de ligação desde o pastor até o último membro da igreja.

IV. COMO COMEÇAR OS GRUPOS FAMILIARES.

1. Nunca comece de maneira aleatória – quem fracassa a primeira vez


dificilmente tentará a segunda experiência;
2. Se você não tem responsabilidade pastoral, não comece grupos
independentes da igreja – os grupos são células que devem desenvolver-
se normalmente dentro do corpo – a igreja obedecendo a um COMANDO
CENTRAL;
3. Se você está iniciando um novo trabalho, comece-o com um grupo familiar
em sua própria casa – seja você mesmo o exemplo;
4. Se você pastoreia uma igreja já formada, comece de maneira simples
usando poucas famílias, aquelas mais motivadas – a planta, quando nasce
sendo cultivada, terá um crescimento normal;
5. Um grupo familiar depois de formado, não deve ter mais do que 15
pessoas – observa-se aí o princípio da multiplicação.
6. Cada grupo familiar deve estar sob a responsabilidade de um obreiro
indicado pelo pastor da igreja;
7. À medida que os grupos se multipliquem, podem ser formados distritos em
cada área, abrangendo um determinado número de grupos familiares, sob
a supervisão de um obreiro;
8. Deve haver sempre uma reunião semanal com todos os líderes dos
grupos familiares e supervisores de distritos, sob a direção do pastor da
igreja, para avaliação de resultados, troca de idéias de padronização do
ensino a ser ministrado nos respectivos núcleos – Este ensino geral deve
estar sempre à responsabilidade do pastor da igreja;
9. Os grupos familiares devem estar sob a responsabilidade do pastor da
igreja;
10. Nunca seja flexível, mas procure adaptar esses princípios ás
características de sua região.

LIÇÃO 10

QUALIFICAÇÃO E TREINAMENTO

 Aquele que Deus chama, Ele capacita – equipa;


 Ele dá todas as ferramentas necessárias para o desenvolvimento do
chamado;
 Você deve aprender através da oração e da prática, com o Espírito Santo,
como usar aquelas ferramentas, aqueles equipamentos espirituais;
 Saiba que Deus vai provar o seu chamado e depois de aprovado, então
Ele vai lhe enviar;
 Não despreze o tempo de preparação nas três áreas – Físico, Emocional e
Espiritual.

21
 Como você ministrará ao povo sem estar bem fisicamente, mentalmente e
espiritualmente. Se você não estiver bem nestas áreas, as coisas não irão
funcionar como devem.

I. CONSAGRAÇÂO

 Busque ao Senhor, mesmo que as coisas não pareçam funcionar;


 Busque-o na Palavra e na oração até que chegue o tempo;
 Mantenha-se cheio do Espírito Santo (Ef 5:17);
 Deus não lhe chama para o lugar fácil, Ele chama para o lugar em que Ele
quer que você vá;
 Fé e determinação – determine no seu coração o que você vai crer e vai
fazer no Senhor.
 Quem chama? Deus chama, ordena e unge (At 13:1-4; 9:13:15; 9:18-29; II
Co 1:21).
 Como chamar? Deus chama (II Co 1:21);
 Como crer? Deus convence (I Tm 1:12);
 Como ouvir? Deus separa (II Tm 1:9; I Sm 3:10);
 Como enviar? Deus envia (Mc 16:15; Hb 3:1).

II. ELEMENTOS DA CHAMADA

A. Convicção
 Creia que foi Deus que o chamou.
 Não é só porque você confessou algumas vezes o que a Palavra diz a seu
respeito que isso acontecerá. Tenha uma ação sobre aquilo que você tem
de Deus;
 Não peça sinais para estar convicto, creia no seu testemunho interior;
 Se alguém consegue colocar dúvidas em você, provavelmente você não foi
chamado.

B. Impulso divino
 Creia na força de Deus no seu interior (Lc 14:16-24).
 Determinação é conhecer a vontade de Deus e permanecer nela (Rm 12:1-
2 ; Ef 5:14-17).
 Não deixe nada lhe desanimar;
 Paulo tinha razões para olhar para o natural (II Co 11:16-33).

III. OBEDECER AO CHAMADO COM VISÃO

A. No chamado para missões, a visão fará parte de você (At 14:22; Hab 2:2-
4).
B. Obediência no trabalho com visão.
1. Trabalho sem visão = escravidão.
2. Visão sem trabalho = sonho

22
Se você tem no coração ir para um país de língua inglesa, comece a estudar
inglês, a saber algo sobre aquele país.
Quando você obedece você tem a provisão.
A sua provisão e suprimento estão no lugar que Deus lhe chamou.

Esta é a mensagem divina á seus filhos:


1. O mundo está inquieto, mas Deus responde (Fl 4:6; Mt 6:25-34; Hb 10:38).
2. Devemos ajudar alguém (Pv 24:11; Êx 33:11; 18:21; Is 55:7; I Pe 4:18).
3. Devemos transmitir o que temos recebido de Deus (At 1:8; Rm 10:14-18;
Mc 16:15-20).
4. Devemos ter convicção daquilo que pregamos (Is 55:11-12).
Vamos encher nossas mãos, sair ás ruas, praças e de casa em casa, levando a
mensagem poderosa e salvadora do Evangelho de Cristo. Naquele dia o Senhor da
Seara dará a cada um a sua recompensa (I Co 3:8; Ap 22:12).
Confirma Senhor as obras de nossas mãos (Sl 90:17).

23

Você também pode gostar